Biomonitorização da Poluição

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biomonitorização da Poluição"

Transcrição

1 Biomonitorização da Poluição Avaliação da Poluição pode ser feita: a) Estimativa das fontes de emissão de poluentes; b) Monitorização ambiental; c) Biomonitorização da Poluição. Biomonitoramento da Poluição: Monitoramento de uma resposta desencadeada por um organismo vivo após a exposição à poluição. Um estímulo proveniente de um poluente: # Provoca alterações no funcionamento ou comportamento do organismo vivo. # Essas alterações são utilizadas na avaliação da qualidade do local onde esse organismo está. Ex: Tipos de Biomonitoramento: a) Passivo: emprega organismos naturalmente existentes em uma área de pesquisa. b) Ativo: é feito com a exposição de organismos na área a ser avaliada por um tempo definido em condições controladas. Biomonitores: São organismos cuja distribuição e populações são estudadas durante um certo espaço de tempo, e comparados a um modelo. Consiste na quantificação das respostas. Finalidades do Biomonitoramento: a) Monitoramento de fontes de emissão; b) Avaliação de medidas técnicas propostas para a minimização das emissões; c) Avaliar o impacto ambiental; d) Controle de qualidade do ar e dentro de moradias e das águas (água potável). Os biomonitores podem ser: a) de acumulação: são organismos resistentes à poluição e acumulam as substâncias nos tecidos. b) de reação: são organismos sensíveis que sofrem alterações morfológicas, fisiológicas, genéticas, etc. Em termos de especificidade os biomonitores podem ser: a) Específicos: é importante na detecção de da exposição e do efeito adverso gerado por um específico agente tóxico. Não dá informações sobre outros poluentes. Ex: ALA-D. b) Não-específicos: mostram que o ambiente foi exposto a poluentes sem contudo dizer quais são os poluentes. Problema: Relação entre a resposta e o efeito ecológico ao longo do tempo. Obs: As propriedades de um ecossistema não são a soma das propriedades individuais sobre cada espécie. Fatores levados em consideração para a escolha de um biomonitores: a) Organismo a ser utilizado; b) Correlação das respostas em função da concentração dos poluentes; c) Facilidade das medidas; d) Especificidade das respostas. A decisão sobre o uso de biomonitores é baseado em: a) Objetivos do programa de monitoramento; b) A disponibilidade de métodos satisfatórios em relação aos objetivos; c) Disponibilidade de recursos financeiros e de pessoal capacitado. 1

2 Biomonitoramento da Poluição X Monitoramento Ambiental O Biomonitoramento não é um método substituto para o monitoramento ambiental, mas um método complementar que fornece dados que podem ser comparados com informações obtidas pelos métodos convencionais. Vantagens do Biomonitoramento da Poluição frente o Monitoramento Ambiental: a) Apresenta uma resposta para a combinação de todos os agentes tóxicos e para outras fontes de estresse ambiental, indicando efeitos globais no ambiente; b) O monitoramento ambiental reflete a exposição para o exato instante da coleta da amostra, enquanto o biomonitoramento reflete um período de tempo de uma exposição; c) Baixo custo, ausência de aparelhagem sofisticada; d) Monitoramento de grandes áreas por longos períodos de tempo. Escolha dos organismos Desvantagem do Biomonitoramento da Poluição frente o Monitoramento Ambiental: Dificuldade de se diferenciar o efeito decorrentes da poluição, de efeitos decorrentes de processos de reação às demais condições ambientais como solo, clima e alterações antrópicas. : Para poluição atmosférica: plantas, musgos, liquens, pássaros. Para poluição da águas: peixes, algas e microcrustáceos. Características essenciais de um organismo bioindicador: a) Apresentar vida longa; b) Ter boa integração com as condições ambientais; c) Ser bem distribuídos; d) Ser abundante no ambiente em questão; e) Ser de fácil classificação taxonômica; f) Se de fácil coleta; g) Não requerer equipamentos caros para a sua coleta. Escolha dos organismos Tolerância à poluição por alguns microinvertebrados aquáticos: Métodos Ecológicos Plecoptera Efemeroptera Anfípoda Isopoda Diptera Oligoqueta Observação de alterações na estrutura da comunidade, bem como de ausência ou presença de uma dada espécie. Envolve a determinação de espécies e a abundância da fauna e flora presente, observando alguma mudança na estrutura ao longo do tempo. Aumento na tolerância para poluição orgânica Fator importante: Deve-se ter conhecimento sobre as condições físicas e químicas do ambiente no qual esses métodos são essenciais para saber se certas espécies vivem lá. 2

3 a) Alterações no metabolismo: fatores ambientais e antropogênicos podem interferir no metabolismo de alguns organismos, alterando a taxa de crescimento e a produção e consumo de oxigênio. b) Alterações nas biomembranas: alterações da permeabilidade de membranas que pode levar a modificações no transporte e na concentração de íons inorgânicos e substâncias moleculares, que regulam a atividade fisiológica c) Alterações na fotossíntese: pode ser alterações na intensidade de fluorescência dos cloroplastos. Inibição da fixação de CO 2. d) Alterações em pigmentos fotossintéticos: Descoloração de folhas é sinal de emissões ácidas. e) Alterações na concentração: de proteínas, aminoácidos, lipídeos, carboidratos decorrentes de alterações no metabolismo. Métodos de medida dos poluentes nos tecidos do organismo f) Alterações nos teores de fitormônios: ácido abscísico, etileno. Nesse caso deve-se medir o acúmulo de substâncias tóxicas absorvidas pelo organismo. Essas substâncias podem ser transformadas, incorporadas ou acumuladas no decorrer do metabolismo. g) Alterações na atividade de algumas enzimas: alguns agentes tóxicos podem altear a atividade de algumas enzimas e, com isso, minimizar sua ação. h) Alterações no metabolismo mineral Quando se emprega organismos locais: a) O organismo deve acumular o poluente sem ter efeito letal. b) Deve haver uma correlação entre a concentração do poluente nos tecidos e no ambiente. c) A bioacumulação pode resultar em altas concentrações que podem ser medidas diretamente no tecido do organismo. d) O organismo deve ser abundante no local. e) Deve ser de fácil coleta. Métodos histológicos e morfológicos São baseados na observação de mudanças celulares ou morfológicas. Líquens: Podem ser: a) Alterações macroscópicas: descoloração das folhas, necrose, queda das folhas, alterações de órgãos, etc. b) Alterações microscópicas: alterações no tamanho e na estrutura das células. Associação simbiótica entre algas e fungos. Depende somente da atmosfera para a obtenção de nutrientes. Vivem em uma ampla área geográfica. Acumulam minerais tornando-se excelentes bioindicadores da qualidade do ar. 3

4 Musgos: Plantas superiores: Organismos avasculares. Compreendem as gimnospermas e angiospermas. Bons bioindicadores porque tem ampla distribuição geográfica. De fácil manuseio e cultivo. Sobrevivem em ambientes poluídos. Têm uma resposta menor à exposição se comparada aos musgos. Crescem durante o ano todo. Os gases são absorvidos pelas plantas por meio dos estômatos. Interagem mais com o ambiente do que as plantas superiores. Ex: a síntese de fitoquelatinas aumenta na presença de metais. Possuem capacidade de bioacumular poluentes. Algumas considerações Pássaros: Menos explorado. Ex: inibição de esterases por organofosforados. Inibição da ALA-D por Pb. A observação das respostas visuais de plantas, musgos e liquens aos poluentes é uma técnica simples. Outros métodos são baseados na freqüência e abundância de espécies sensíveis expostas a poluentes. Mais recentemente tem se medido alterações fisiológicas e genéticas para obtenção de dados referentes a exposições em longo prazo. Padrões de Qualidade do Ar Biomonitoramento da Qualidade das Águas Fatores que dificultam o estabelecimento de padrões de qualidade do ar: a) Suscetibilidades individuais. b) Heterogeneidade da população. c) Dificuldade de reproduzir condições ambientais em experimentos laboratoriais. Peixes: Apresentam vantagem para o biomonitoramento em longo prazo de áreas mais extensas como rios extensos e pequenos lagos. Apresentam vida longa. Apresentam boa mobilidade por diversos níveis tróficos. A comunidade de peixes é boa indicadora das condições ambientais globais. São fontes de comida para humanos, o que aumenta o interesse nesses animais. A amostragem é barata e fácil. 4

5 Biomonitoramento da Qualidade da Água Biomonitoramento da Qualidade da Água Alga: Moluscos bivalves: São amplamente usadas na avaliação de eutroficação. São produtores primário. Respondem rapidamente e em grande intensidade a variações químicas e físicas. Métodos não taxonômicos podem ser usados (teor de clorofila). A amostragem é simples e barata. Sésseis. Sedentários. Amplamente distribuídos em diferentes ambientes. São ótimos filtradores o que favorece a bioacumulação. Seleção do Local e Frequência de Amostragem Garantia de Qualidade O local depende dos objetivos do programa de monitoramento. O local depende dos requisitos especiais da técnica de biomonitorização. Tipicamente os métodos ecológicos são usados por longo tempo sendo que a amostragem é feita uma vez por ano (sempre no mesmo período). Pesquisas intensivas podem requerer que amostragens sejam feitas várias vezes no ano para avaliar a sazonalidade. Deve-se levar em consideração o ciclo de vida do organismo e a habilidade dos organismos de se recuperar das amostragens. Inclui detalhes das técnicas de amostragem de campo. Detalhes dos procedimentos laboratoriais. Uso de métodos padronizados e aceitos para a comparação dos resultados de diferentes laboratórios ou organizações, é necessário o uso de métodos padronizados e aceitos. Recordando os métodos de biomonitorização da poluição Uma boa referência Métodos ecológicos de biomonitorização da poluição. Métodos bioquímicos e fisiológicos da biomonitorização da poluição. a) alterações no metabolismo. b) alterações nas biomembranas. c) alterações na fotossíntese. d) alterações nos pigmentos fotossitéticos. e) alterações na concentração de proteínas, carboidratos, lipídeos, etc. f) alterações na atividade enzimática. g) alterações no metabolismo mineral. Métodos de medida dos poluentes em tecidos do organismo. Métodos histológicos e morfológicos. a) alterações macroscópicas. b) alterações microscópicas. D. Chapman, J. Jackson, F. Krebs, Biological Monitoring, In: J. Bartran, R. Ballance, Water Quality Monitor-A Practical Guide to the Desing and Implementation of Freshwater Quality Studies and Monitoring Programmes. UNEP/WHO,

BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2

BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2 BIOSFERA E SEUS ECOSSISTEMAS Cap.2 Conceitos Básicos ECOLOGIA Oikos =casa; logos= ciência É a ciência que estuda as relações entre os seres vivos entre si e com o ambiente onde eles vivem Estuda as formas

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 18 MOVIMENTOS E CRESCIMENTO VEGETAL, HORMÔNIOS E FOTOPERÍODO Crescimento Inibição Produção Raízes Gemas Caules Produção de Etileno 10-11 10-9 10-7 10-5 10-3 10-1 Concentração

Leia mais

Biologia. Natália Aguiar Paludetto

Biologia. Natália Aguiar Paludetto Biologia Natália Aguiar Paludetto Aula de hoje: Introdução à Biologia O que é? O que estuda? Como se organiza? Referência bibliográfica: Bio Volume Único, Sônia Lopes, editora Saraiva. Biologia estudo

Leia mais

Quais são os reinos dos seres que podemos encontrar as algas como representantes? Reino Monera: cianobactérias ou cianofíceas ou algas azuis (são

Quais são os reinos dos seres que podemos encontrar as algas como representantes? Reino Monera: cianobactérias ou cianofíceas ou algas azuis (são Quais são os reinos dos seres que podemos encontrar as algas como representantes? Reino Monera: cianobactérias ou cianofíceas ou algas azuis (são todas procariontes/unicelulares/autótrofas); Não possuem

Leia mais

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula.

Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Aula 01 Composição química de uma célula O que é uma célula? Vamos iniciar o estudo da unidade fundamental que constitui todos os organismos vivos: a célula. Toda célula possui a capacidade de crescer,

Leia mais

CONCEITOS DE ECOLOGIA. É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937)

CONCEITOS DE ECOLOGIA. É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937) CONCEITOS DE ECOLOGIA É a ciência das biocenoses (Clemens, 1916) É a história natural científica que se relaciona à sociologia e economia dos animais (Elton,1937) É a ciência que estuda as leis que regem

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 Terra, um planeta com vida Sistema Terra: da célula à biodiversidade 1. Compreender as condições próprias da Terra que a tornam o único planeta com vida conhecida no Sistema Solar 1.1. Identificar a posição

Leia mais

Domínios Conteúdos Objetivos Cotação

Domínios Conteúdos Objetivos Cotação Agrupamento de Escolas de Samora Correia INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS 2016 Prova 02 2ºCiclo do Ensino Básico - 6º ano (Decreto-Lei n.º 17/2016 de 4 de abril e Despacho

Leia mais

ECOSSISTEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA

ECOSSISTEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ECOLOGIA ECOSSISTEMA Prof.: Dr. ORIEL HERRERA Monitores: John David & Giuliane Sampaio Fortaleza/CE Versão 2010 ECOSSISTEMA

Leia mais

Hipóteses: Oparin e Haldane. a) Origem por criação divina (criacionismo) b) Origem extraterrestre (panspermia)

Hipóteses: Oparin e Haldane. a) Origem por criação divina (criacionismo) b) Origem extraterrestre (panspermia) Professora Catarina Hipóteses: a) Origem por criação divina (criacionismo) b) Origem extraterrestre (panspermia) c) Origem por evolução química: a hipótese de Oparin e Haldane. Antiguidade - séc. XIX.

Leia mais

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs

FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs FISIOLOGIA VEGETAL APLICADA EM CANA-DE-AÇÚCAR Paulo Castro STAB CANAOESTE - Sertãozinho SP FOTOSSÍNTESE E RESPIRAÇÃO Fotossíntese C4 e Ciclo de Krebs Prof. Dr. Paulo A. M. de Figueiredo Engenheiro Agrônomo

Leia mais

Ciclos biogeoquímicos. A energia flui. A matéria é cíclica. Esses elementos são fundamentais para os seres vivos e embora em abundancia são finitos.

Ciclos biogeoquímicos. A energia flui. A matéria é cíclica. Esses elementos são fundamentais para os seres vivos e embora em abundancia são finitos. Ciclos biogeoquímicos A energia flui. A matéria é cíclica. Esses elementos são fundamentais para os seres vivos e embora em abundancia são finitos. Ciclo da Água - O mais simples. A água não sofre transformação

Leia mais

PROBLEMATIZAÇÃO O que significa o termo BIOLOGIA? O que se estuda em BIOLOGIA? Por que é importante o estudo da Biologia? Quais as características

PROBLEMATIZAÇÃO O que significa o termo BIOLOGIA? O que se estuda em BIOLOGIA? Por que é importante o estudo da Biologia? Quais as características PROBLEMATIZAÇÃO O que significa o termo BIOLOGIA? O que se estuda em BIOLOGIA? Por que é importante o estudo da Biologia? Quais as características que diferenciam um ser vivo de um não vivo? De que são

Leia mais

Água, Sais e Carboidratos

Água, Sais e Carboidratos Água, Sais e Carboidratos A Bioquímica estuda as reações químicas dos organismos vivos e tem revelado inúmeras substancias presentes nas células e em outras que ela participa. A bioquímica estuda as moléculas

Leia mais

Ecologia Introdução - Natureza

Ecologia Introdução - Natureza Introdução - Natureza http://travel.guardian.co.uk www.cantodasaves.hpg.ig.com.br Introdução - Ecologia Ecologia - ciência Aplicação do método científico Ciência fundamentalmente empírica, baseada em experimentação

Leia mais

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS Reino Plantae Reino Plantae Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS A clorofila encontra-se dentro dos plastos (também chamados de cloroplastos). Cloroplastos

Leia mais

Degradação Bioquímica

Degradação Bioquímica Degradação de Polímeros e Corrosão Prof. Hamilton Viana Prof. Renato Altobelli Antunes 1. Introdução A degradação dos polímeros pode acontecer: Em presença de microorganismos (Biodegradação) Na ausência

Leia mais

Ciências Naturais 8. o ano de escolaridade

Ciências Naturais 8. o ano de escolaridade Ciências Naturais 8. o ano de escolaridade SUBDOMÍNIO Sistema Terra: da célula à biodiversidade OBJETIVO: 3. Compreender a célula como a unidade básica da biodiversidade existente na Terra Qual é a unidade

Leia mais

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto

CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS. Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto CITOPLASMA E ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS Instituto Federal de Santa Catarina Curso de Biotecnologia Prof. Paulo Calixto 1943 1944 1953 1956 1961-66 1973 1975 1982 1988 1990 1996 2000-03 Biotecnologia Algumas

Leia mais

Ciclos biogeoquímicos

Ciclos biogeoquímicos Ciclos biogeoquímicos Conceitos Os elementos químicos essenciais à vida são aproximadamente 40. São incorporados nos seres na forma de compostos orgânicos. - ciclos sedimentares: quando o elemento circula

Leia mais

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura

TIS. Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura Papel do Azoto e dos micro organismos na Agricultura 1 O Azoto O azoto ou nitrogénio, de símbolo químico N, encontramo-lo no estado gasoso e constitui cerca de 78 % do ar da atmosfera terrestre. É um gás

Leia mais

Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI)

Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Visão termodinâmica Alfred J. Lotka trabalhou populações e comunidades em sistemas termodinâmicos. Cada sistema apresenta um conjunto de transformações e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA. Uruguaiana, maio de 2016. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA TRANSFORMAÇÕES DA MATÉRIA E QUANTIDADES LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA NATUREZA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Uruguaiana, maio de 2016. 1 Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo

Leia mais

BIOINDICADORES AMBIENTAIS

BIOINDICADORES AMBIENTAIS Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Bacharelado em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOINDICADORES AMBIENTAIS Aula 1-2 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 30 2. Carga horária semanal: 2 3.

Leia mais

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1

Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia... 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... PREFÁCIO... IX XI CAPÍTULO 1 Histórico, Evolução e Conceitos Básicos da Toxicologia.... 1 1.1 CONCEITOS E ELEMENTOS BÁSICOS.... 5 1.1.1 A Substância... 6 1.1.2 O Organismo Afetado....

Leia mais

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO

Bactérias Vírus Fungos Protozoários O QUE SÃO Bactérias Vírus Fungos Protozoários RESUMO DOS PRINCIPAIS MICRORGANISMOS, O QUE SÃO MEIOS DE PROLIFERAÇÃO... Diferença entre as células Bactérias São seres muito simples, unicelulares e com célula procariótica

Leia mais

Aula 10 Fotossíntese

Aula 10 Fotossíntese Aula 10 Fotossíntese A fotossíntese é um importante processo nutritivo, que ocorre desde os seres vivos mais simples, como as algas unicelulares e cianobactérias, até os organismos complexos. O processo

Leia mais

1º ano. Unidade 1: Os seres vivos e uma relação de interdependência entre os seres e os elementos da natureza: Biodiversidade

1º ano. Unidade 1: Os seres vivos e uma relação de interdependência entre os seres e os elementos da natureza: Biodiversidade Unidade 1: Os seres vivos e uma relação de interdependência entre os seres e os elementos da natureza: Biodiversidade Seres vivos e a organização biológica Características dos seres vivos Livro 2- Unidade

Leia mais

INTRODUÇÃO À BIOQUÍMICA DA CÉLULA. Bioquímica Celular Prof. Júnior

INTRODUÇÃO À BIOQUÍMICA DA CÉLULA. Bioquímica Celular Prof. Júnior INTRODUÇÃO À BIOQUÍMICA DA CÉLULA Histórico INTRODUÇÃO 1665: Robert Hooke Compartimentos (Células) 1840: Theodor Schwann Teoria Celular 1. Todos os organismos são constituídos de uma ou mais células 2.

Leia mais

Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos

Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos Centro Industrial de Equipamentos de Ensino e Pesquisa LTDA. Unidade mestra de biologia com sensor e software para seis grupos EQ303 Função Destinado ao estudo da Biologia Geral: Histologia e Ciência Humana,

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2015-16 Período Conteúdos INTRODUÇÃO Onde existe vida? Primeira

Leia mais

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert;

PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; PLANO DE AULA Nutrição das Plantas Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert; 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 1º ano Disciplina: Biologia 2. TEMA

Leia mais

BIOLOGIA BIO = VIDA LOGOS = ESTUDO

BIOLOGIA BIO = VIDA LOGOS = ESTUDO Biologia Prof. Rogério 2016 BIOLOGIA BIO = VIDA LOGOS = ESTUDO Professor Rogério Imagens meramente ilustrativas, domínio público sites diversos/internet Biologia Prof. Rogério 2016 O QUE CARACTERIZA UM

Leia mais

O que essas imagens têm em comum???

O que essas imagens têm em comum??? Características Gerais dos Seres Vivos Curso de Educação Física Disciplina: Bases Biológicas da Educação Física Profa Cristina Lacerda Soares Petrarolha Silva O que essas imagens têm em comum??? 1 28/3/2016

Leia mais

Todos tem uma grande importância para o organismo.

Todos tem uma grande importância para o organismo. A Química da Vida ÁGUA A água é um composto químico formado por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio. Sua fórmula química é H2O. A água pura não possui cheiro nem cor. Ela pode ser transformada em

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ECOLOGIA. Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo

FUNDAMENTOS DE ECOLOGIA. Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo FUNDAMENTOS DE ECOLOGIA Profa. Dra. Vivian C. C. Hyodo Produtividade primária Energia solar Produtores Fotossíntese Compostos orgânicos Produtividade primária Produtividade bruta quantidade de material

Leia mais

BIOQUÍMICA GERAL. Prof. Dr. Franciscleudo B. Costa UATA/CCTA/UFCG. Aula 10 Metabolismo Geral FUNÇÕES ESPECÍFICAS. Definição

BIOQUÍMICA GERAL. Prof. Dr. Franciscleudo B. Costa UATA/CCTA/UFCG. Aula 10 Metabolismo Geral FUNÇÕES ESPECÍFICAS. Definição Universidade Federal de Campina Grande Centro de Ciências e Tecnologia Agroalimentar Unidade Acadêmica de Tecnologia de Alimentos BIOQUÍMICA GERAL Campus de Pombal Pombal - PB Definição Funções específicas

Leia mais

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo

CIÊNCIAS. Prof. Diângelo CIÊNCIAS Prof. Diângelo TABELA PERÍODICA Aula 18 Respiração Celular Respiração celular é o processo de conversão das ligações químicas de moléculas ricas em energia que poderão ser usadas nos processos

Leia mais

Especial Universidades Ecologia

Especial Universidades Ecologia Especial Universidades Ecologia Material de Apoio para Monitoria 1. (PUC - SP-2008) ( ) Como se não bastasse a sujeira no ar, os chineses convivem com outra praga ecológica, a poluição das águas por algas

Leia mais

CRONOGRAMA DE AULAS. Material de acompanhamento para todas as videoaulas, contendo exercícios.

CRONOGRAMA DE AULAS. Material de acompanhamento para todas as videoaulas, contendo exercícios. ISOLADA DE BIOLOGIA ISOLADA DE BIOLOGIA Nessa isolada de Biologia você terá acesso à 60 videoaulas, 100% on-line, com duração média de 30 minutos, cada, contendo material de acompanhamento e simulados

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA)

Fisiologia Vegetal RESPIRAÇÃO. Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa. Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) Fisiologia Vegetal Prof. Dr. Roberto Cezar Lobo da Costa RESPIRAÇÃO Universidade Federal Rural da Amazônia Instituto de Ciências Agrárias (ICA) I- INTRODUÇÃO Plantas: Transformam energia luminosa em energia

Leia mais

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo:

Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos. Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: Agrupamento Escolas José Belchior Viegas - Escola E.B. 2,3 Poeta Bernardo de Passos Ciências Naturais Planificação anual 5ºAno Ano letivo: 2016-17 / Nº aulas Conteúdos Metas Aulas previstas A importância

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

ATELIERS CIENTÍFICOS CURTIR CIÊNCIA EXPOSIÇÃO PERMANENTE

ATELIERS CIENTÍFICOS CURTIR CIÊNCIA EXPOSIÇÃO PERMANENTE CURTIR CIÊNCIA O Curtir Ciência Centro Ciência Viva de Guimarães promove a cultura científica e tecnológica. Instalado na Antiga Fábrica de Curtumes Âncora, na Zona de Couros, é uma parceria entre a Câmara

Leia mais

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos.

A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 1) Introdução A bioquímica celular é o ramo da biologia que estuda a composição e as propriedades químicas dos seres vivos. 2) Elementos químicos da matéria viva Existem 96 elementos químicos que ocorrem

Leia mais

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores:

O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: O controle do crescimento e do desenvolvimento de um vegetal depende de alguns fatores: Disponibilidade de luz Disponibilidade de água Nutrientes minerais Temperatura Um outro fator que regula o crescimento

Leia mais

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação

Metabolismo Energético das Células. Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação Metabolismo Energético das Células Fotossíntese Quimiossíntese Respiração Celular Fermentação 1. Introdução Reações endotérmicas - Característica: Precisam receber energia - Ex.:Fotossíntese e quimiossíntese

Leia mais

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC )

Ciências do Ambiente. Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL ) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC ) Ciências do Ambiente Prof. M.Sc. Alessandro de Oliveira Limas Engenheiro Químico (UNISUL - 1995) Mestre em Engenharia de Alimentos (UFSC - 2002) Ciências Ambientais Estudo sistemático tico da natureza

Leia mais

Introdução à Ecologia. Prof. Fernando Belan

Introdução à Ecologia. Prof. Fernando Belan Introdução à Ecologia Prof. Fernando Belan Ecologia (oikos = casa; logos = ciência) Estuda as relações entre os seres vivos, e o ambiente em que vivem; Ecologia em destaque! Conhecer para preservar! Ciência

Leia mais

ECOSSISTEMAS E ENERGIA. Profº Júlio César Arrué dos Santos

ECOSSISTEMAS E ENERGIA. Profº Júlio César Arrué dos Santos ECOSSISTEMAS E ENERGIA Profº Júlio César Arrué dos Santos Componentes Bióticos dos ecossistemas Todos ecossistemas são constituídos por componentes abióticos (parte física e química sem vida) e bióticos

Leia mais

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida

TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida TRABALHO DE BIOLOGIA A Química da Vida Nomes: Leonardo e Samuel Turma: 103 Para iniciar o estudo das células (citologia) devemos primeiramente ter uma noção das estruturas básicas da célula ou as estruturas

Leia mais

- CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO À BIOLOGIA

- CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO À BIOLOGIA - CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO À BIOLOGIA 1. Quais são os elementos encontrados, geralmente, em maior quantidade no corpo dos seres vivos? 2. Todos os seres vivos, com exceção dos vírus, são compostos por células.

Leia mais

Curso Vocacional 2º ciclo Planificação Anual

Curso Vocacional 2º ciclo Planificação Anual Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Curso Vocacional 2º ciclo Planificação Anual 2015-2016 CIÊNCIAS NATURAIS METAS

Leia mais

ECOLOGIA E BIODIVERSIDADE

ECOLOGIA E BIODIVERSIDADE ECOLOGIA E BIODIVERSIDADE DIEGO DANTAS AMORIM Contado: diego.dantas@ifmg.edu.br Engenheiro Agrônomo Universidade Vale do Rio Doce UNIVALE Msc. em Agricultura Tropical Universidade Federal do Espírito Santo

Leia mais

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n

Pr P o r f o a f Al A essan a d n r d a r a B ar a o r n o e n Profa Alessandra Barone www.profbio.com.br Metabolismo Conjunto de reações realizadas a partir da transformação de substâncias com a finalidade de suprimento de energia, renovação de moléculas e manutenção

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS OU CICLOS DA MATÉRIA

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS OU CICLOS DA MATÉRIA CICLOS BIOGEOQUÍMICOS OU CICLOS DA MATÉRIA Conjunto dos processos biológicos, geológicos, químicos e físicos responsáveis pela circulação da matéria (entrada, transferência e reciclagem). Profº. Moisés

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 3º EM Biologia A Marli Av. Trimestral 16/09/15 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Ciências 7 o ano Unidade 2 5 Unidade 2 Nome: Data: 1. As cores das flores e o período do dia em que elas abrem são duas adaptações importantes das plantas e que facilitam a sua

Leia mais

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros

Isolamento, Seleção e Cultivo de Bactérias Produtoras de Enzimas para Aplicação na Produção mais Limpa de Couros Universidade Federal do Rio Grande do Sul Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química Departamento de Engenharia Química Laboratório de Estudos em Couro e Meio Ambiente Isolamento, Seleção e Cultivo

Leia mais

Planificação Anual de Ciências Naturais 5º ano

Planificação Anual de Ciências Naturais 5º ano Planificação Anual de Ciências Naturais 5º ano 1º Período ( 17 semanas) Ano Lectivo 2012/2013 Apresentação. Regras de trabalho na aula. Ficha diagnóstica. 3 Introdução Onde existe vida? Primeira abordagem

Leia mais

Fatores ecológicos. Qualquer elemento do meio que pode atuar diretamente sobre os organismos

Fatores ecológicos. Qualquer elemento do meio que pode atuar diretamente sobre os organismos Fatores ecológicos Qualquer elemento do meio que pode atuar diretamente sobre os organismos FATORES ECOLÓGICOS MACROCLIMA MICROCLIMA MESOCLIMA Fatores ecológicos Microclima LUMINOSIDADE TEMPERATURA ph

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS ALGAS CARACTERÍSTICAS GERAIS Unicelulares ou pluricelulares. Microscópicos ou macroscópicos. Coloração variável. Vivem em diferentes tipos de ambientes: lagos, rios, solos úmidos, cascas de árvores, mas

Leia mais

IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS IFRN CICLOS BIOGEOQUÍMICOS Prof. Hanniel Freitas Ciclos biogeoquímicos Elementos químicos tendem a circular na biosfera. Ciclagem de nutrientes - movimento desses elementos e compostos inorgânicos essenciais

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MEIO AQUÁTICO

CARACTERÍSTICAS DO MEIO AQUÁTICO ÁGUAS CONTINENTAIS CARACTERÍSTICAS DO MEIO AQUÁTICO # Alta capacidade para solubilização de compostos orgânicos e inorgânicos. # Gradientes verticais e, em certos casos, gradientes horizontais, que se

Leia mais

Produtividade. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI)

Produtividade. Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Produtividade Prof. Dr. Francisco Soares Santos Filho (UESPI) Estudo de energia do ecossistema Foram iniciados em 1942 por R. L. Lindeman The trophic dynamic aspect of ecology A idéia geral foi converter

Leia mais

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote

Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Prof. João Leite Prof. Edson Chiote Tipos de células Comparação Células eucariontes VEGETAL e ANIMAL 1. As algas azuis ou cianobactérias são procariontes; portanto, a) têm citoplasma dividido em compartimentos

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM PROVAS ESPECIALMENTE ADEQUADAS A AVALIAR A CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE SANTARÉM,

Leia mais

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros

Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Biologia Professor Leandro Gurgel de Medeiros Fisiologia Vegetal 1. Conceito: Ramo da botânica destinado a estudar as funções vitais das plantas. Absorção; Transpiração; Condução; Fotossíntese; Fotoperíodos;

Leia mais

Método Científico: Etapas Básicas

Método Científico: Etapas Básicas Método Científico Método Científico: Etapas Básicas Observação de um FATO Galinhas com beribéri Questionamento de um PROBLEMA O que causa o beribéri? Proposição de uma HIPÓTESE Carência de algum fator

Leia mais

População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo de tempo (concomitantemente)

População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo de tempo (concomitantemente) Conceitos Básicos de Ecologia Professora: Patrícia Hamada Colégio HY Três Lagoas, MS População conjunto de indivíduos de uma mesma espécie que ocorrem juntos em uma mesma área geográfica no mesmo intervalo

Leia mais

Apostila de Biologia 08 Fundamentos da Ecologia

Apostila de Biologia 08 Fundamentos da Ecologia Apostila de Biologia 08 Fundamentos da Ecologia Matheus Borges 1.0 Introdução Criada pelo zoólogo alemão Ernst Haeckel, em 1866. Estudo das relações entre os seres vivos e o ambiente em que vivem. Terra:

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

Características dos Seres Vivos

Características dos Seres Vivos Observação: Os Slides são APENAS para acompanhamento dos estudos. Os estudos deverão ser feitos utilizando os livros e outros textos disponibilizados!!!! Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Assimilação de Nutrientes Minerais

Assimilação de Nutrientes Minerais Assimilação de Nutrientes Minerais plantas são organismos fotoautoróficos: todos os compostos orgânicos necessários são formados em seu próprio corpo (macro e micro moléculas) a energia necessária para

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 5.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio da Diversidade de seres vivos e suas interações com o meio, o aluno deve ser capaz de: Interpretar as características dos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS

CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS CARACTERÍSTICAS DOS SERES VIVOS Composição química muito complexa; Organização celular; Capacidade de nutrição; Reação a estímulos do ambiente; Capacidade de manter o seu meio interno em condições adequadas,

Leia mais

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000

FUVEST a Fase - Biologia - 05/01/2000 Q.01 a) Apesar de o predatismo ser descrito como uma interação positiva para o predador e negativa para a presa, pode-se afirmar que os predadores têm um efeito positivo sobre a população de presas. Explique

Leia mais

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo)

ESCOLA BÁSICA DE MAFRA 2016/2017 CIÊNCIAS NATURAIS (2º ciclo) (2º ciclo) 5º ano Compreender a como um planeta especial. Compreender que o solo é um material terrestre de suporte de vida. Compreender a importância das rochas e dos minerais. Compreender a importância

Leia mais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais

UERJ 2016 e Hormônios Vegetais UERJ 2016 e Hormônios Vegetais Material de Apoio para Monitoria 1. O ciclo de Krebs, que ocorre no interior das mitocôndrias, é um conjunto de reações químicas aeróbias fundamental no processo de produção

Leia mais

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Fisiologia Vegetal. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Fisiologia Vegetal Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Unidade: Fotossíntese Fase química ou de fixação/redução de carbono da fotossíntese: Todos os organismo que fotossintetizam precisam

Leia mais

Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas.

Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas. Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas. CICLO do FÓSFORO CICLO SEDIMENTAR APATITA Ca 3 (PO 4 ) 2 erosão de rochas fosfatadas CICLO RÁPIDO CICLO LENTO PICO DO FÓSFORO

Leia mais

Sedimentos Límnicos 15/06/2015. Disciplina: Limnologia Docente: Elisabete L. Nascimento. Integrantes: Gabriel Jussara Natalia Nilza Solange

Sedimentos Límnicos 15/06/2015. Disciplina: Limnologia Docente: Elisabete L. Nascimento. Integrantes: Gabriel Jussara Natalia Nilza Solange Sedimentos Límnicos 1 Autores: Francisco de Assis Esteves e Antônio Fernando Monteiro Camargo. Capítulo 19 Universidade Federal de Rondônia UNIR. 2 Disciplina: Limnologia Docente: Elisabete L. Nascimento

Leia mais

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa

Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa Aspectos Higiênicos da Água Prof. Jean Berg Funções e Importância da Água Regulação Térmica Manutenção dos fluidos e eletrólitos corpóreos Reações fisiológicas e metabólicas do organismo Escassa na natureza

Leia mais

Características Gerais dos Seres Vivos, Reino Vegetal, Fungos, Protoctistas e Monera

Características Gerais dos Seres Vivos, Reino Vegetal, Fungos, Protoctistas e Monera Características Gerais dos Seres Vivos, Reino Vegetal, Fungos, Protoctistas e Monera Características Gerais dos Seres Vivos, Reino Vegetal, Fungos, Protoctistas e Monera 1. A figura apresenta uma proposta

Leia mais

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA

BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA BIOLOGIA PRIMEIRA ETAPA - 1998 QUESTÃO 01 Observa-se que as bananeiras inibem o crescimento de outras espécies de vegetais plantadas próximo a elas. Para verificar se essa inibição é provocada por uma

Leia mais

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Dpto de Zootecnia Fones:

Profa. Angélica Pinho Zootecnista. Dpto de Zootecnia Fones: Profa. Angélica Pinho Zootecnista Dpto de Zootecnia Fones: 3243-7070 Email: angelicapinho@unipampa.edu.br UNIDADE 1 INTRODUÇÃO AO METABOLISMO 1.1 Visão geral do metabolismo. 1.2 Catabolismo e anabolismo.

Leia mais

Ciclos Biogeoquímicos

Ciclos Biogeoquímicos Ciclos Biogeoquímicos DEFINIÇÃO Trata-se de movimentos cíclicos que envolvem elementos químicos presentes no meio biológico e o ambiente geológico; Elementos que são necessários ao desenvolvimento dos

Leia mais

Nutrição bacteriana: macronutrientes; micronutrientes; fatores de crescimento; necessidades nutricionais;

Nutrição bacteriana: macronutrientes; micronutrientes; fatores de crescimento; necessidades nutricionais; Nutrição bacteriana: macronutrientes; micronutrientes; fatores de crescimento; necessidades nutricionais; Classificação dos microrganismos quanto à nutrição, crescimento e metabolismo microbiano. Nutrientes

Leia mais

Professora Leonilda Brandão da Silva

Professora Leonilda Brandão da Silva COLÉGIO ESTADUAL HELENA KOLODY E.M.P. TERRA BOA - PARANÁ Professora Leonilda Brandão da Silva E-mail: leonildabrandaosilva@gmail.com http://professoraleonilda.wordpress.com/ Leitura do texto introdutório

Leia mais

Ecologia y ecofisiologia de las cianobactérias. Profa.Sandra M. F. O.Azevedo IBCCF - UFRJ

Ecologia y ecofisiologia de las cianobactérias. Profa.Sandra M. F. O.Azevedo IBCCF - UFRJ Ecologia y ecofisiologia de las cianobactérias Profa.Sandra M. F. O.Azevedo IBCCF - UFRJ CIANOBACTÉRIAS Organismos procariontes fotossintéticos Organização celular e bioquímica semelhante às bactérias

Leia mais

4 SANEAMENTO BÁSICO DEMANDA BIOQUÍMICA DE OXIGÊNIO - DBO

4 SANEAMENTO BÁSICO DEMANDA BIOQUÍMICA DE OXIGÊNIO - DBO CARGA DE DBO É o produto da DBO pela vazão média do efluente. Exemplo: Dada a DBO 5 = 250mg/L para determinado esgoto com vazão de 500 L/s, a carga de DBO será: Carga de DBO = 250 mg/l x 500 L/s = 125000

Leia mais

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Metabolismo Celular: Nutrição. Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Metabolismo Celular: Respiração e Fotossíntese Nutrição Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto MAR/2011 Aspectos Gerais da Fotossíntese Fotossíntese ntese: do grego, photos, luz, e syntithenai,

Leia mais

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES

Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Fontes de energia - Usinas PROF.: JAQUELINE PIRES Usinas termoelétricas ( U = 0) Convertem energia térmica em energia elétrica Vantagens de uma usina termoelétrica A curto prazo, pode fornecer energia

Leia mais

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011

CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO. Calendarização /2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO ESCOLA BÁSICA DO 2º E 3º CICLOS JOÃO AFONSO CIÊNCIAS DA NATUREZA 2º CICLO Calendarização - 20/2011 Período Data N.º semanas Número de tempos 8 minutos) por ano de escolaridade

Leia mais

Citologia Exercícios Dissertativos. (a) A afirmação apresentada pode ou não ser considerada válida? (b) Justifique sua resposta.

Citologia Exercícios Dissertativos. (a) A afirmação apresentada pode ou não ser considerada válida? (b) Justifique sua resposta. Exercícios Dissertativos 1. (2002) Devido ao fato de serem muito simples em termos de organização, podemos afirmar que os vírus provavelmente tiveram sua origem antes do surgimento das primeiras células

Leia mais

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS

Reino Plantae. Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS Reino Plantae Reino Plantae Todos os seres incluídos no Reino Plantae são: EUCARIONTES PLURICELULARES AUTÓTROFOS A clorofila encontra-se dentro dos plastos Cloroplastos Cloroplasto Parede celular Representação

Leia mais

Biologia Luiz Segundo

Biologia Luiz Segundo Biologia Luiz Segundo TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Desde que médicos começaram a solicitar regularmente exames de tomografia computadorizada, cientistas se preocupam que o procedimento de imageamento

Leia mais

CURSO AVALIAÇÃ ÇÃO O ECOTOXICOLÓGICA DE ÁGUAS NATURAIS E RESIDUAIS. Módulo 3 BIOENSAIOS

CURSO AVALIAÇÃ ÇÃO O ECOTOXICOLÓGICA DE ÁGUAS NATURAIS E RESIDUAIS. Módulo 3 BIOENSAIOS CURSO AVALIAÇÃ ÇÃO O ECOTOXICOLÓGICA DE ÁGUAS NATURAIS E RESIDUAIS Módulo 3 BIOENSAIOS OBJECTIVOS GERAIS Transmitir conceitos relacionados com Avaliação Ecotoxicológica de águas naturais e residuais e

Leia mais