UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LETRAS HERIMATÉIA RAMOS DE OLIVEIRA PONTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LETRAS HERIMATÉIA RAMOS DE OLIVEIRA PONTES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM LETRAS HERIMATÉIA RAMOS DE OLIVEIRA PONTES Discurso, Corrupção e a Construção de Identidades Sociais na Política Brasileira: Um Estudo de Caso Recife PE 2010

2 HERIMATÉIA RAMOS DE OLIVEIRA PONTES Discurso, Corrupção e a Construção de Identidades Sociais na Política Brasileira: Um Estudo de Caso Tese apresentada ao Programa de Pós Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco como requisito para obtenção do grau de Doutora em Letras/Linguística Orientadora: Profª Drª Judith Hoffnagel Co orientadora: Profª Drª Ruth Wodak Recife PE 2010

3 Pontes, Herimatéia Ramos de Oliveira Discurso, corrupção e a construção de identidades sociais na política brasileira: um estudo de caso. / Herimatéia Ramos de Oliveira Pontes. - Recife : O Autor, folhas : il., fig., quadros. Tese (doutorado) Universidade Federal de Pernambuco. CAC. Linguística, Inclui bibliografia. 1. Linguística. 2. Análise do discurso. 3. Identidade social. 4. Mídia. I.Título. 801 CDU (2.ed.) UFPE 410 CDD (20.ed.) CAC

4

5 A Marcuschi, mestre querido, sempre presente na minha caminhada!

6 AGRADECIMENTOS A Deus, mãe e pai, criador de todas as coisas, meu refúgio e fortaleza, que na pessoa de Jesus Cristo, me inspira diante da utopia de um mundo mais humano, fraterno, justo e digno para toda humanidade. A minha família, que amo muito. A Aninha, Fabíola, Medi, Miza, Cris, Kazu, Jane, Karina, Guilherme, Najin, Tarcísia, Dóris, Sebastian e tantas outras e outros, amigas e amigos queridos, pelo carinho e apoio de sempre. A Valderez pelo colo acolhedor e terapêutico. A Judith, querida orientadora e amiga, pela competência, paciência, sensibilidade e parceria neste trabalho. A Ruth, pela acolhida, validação e co orientação deste trabalho no Estágio Sandwich em Lancaster University. Ao Department of Linguistics and English Language em Lancaster University, que através de Norman Fairclough, Anna Siewierska, Paul Chilton, Mick Short, Elaine Heron e do Language, Ideology and Power (LIP) group contribuíram imensamente para o desenvolvimento deste trabalho. À idílica e acolhedora cidade de Lancaster, Inglaterra, onde fiz amigas e amigos valorosos Agora bateu um banzo!!! Ao CNPq pelo financiamento da bolsa de doutorado. À CAPES/PDEE, que possibilitou o Estágio Sandwich através do financiamento da bolsa de estudos. À UFPE, minha segunda casa, onde consolidei minha carreira como acadêmica e cientista da linguagem. Às meninas super poderosas da banca examinadora que validaram este trabalho. Às professoras e professores da UFPE, pela grande contribuição à minha formação humanística e acadêmica desde a graduação em Letras. A Miguel, sempre prestativo, pelo resumo em espanhol. Ao pessoal do PG Letras pelo suporte e atenção. Valeu Jozaías e Diva!!! A todas as pessoas que direta ou indiretamente me ajudaram e para evitar injustiças, não vou nomeá las individualmente.

7 RESUMO Um dos resultados das transformações sócio culturais do nosso mundo pósmoderno, marcado por extrema complexidade, contradições, lutas políticas e ideológicas, fragmentações e mudanças sociais constantes, especialmente nas sociedades ocidentais, é a chamada crise de identidades, pondo em evidência a necessidade de reflexão sobre a questão da construção de identidades sociais. Pela sua natureza dinâmica, heterogênea e controversa, a construção de identidades se constitui um dos temas cruciais na teoria pós estruturalista (Wodak 2001, Hall 1996, Billig 1991, Muntigl et al 2000, Fairclough 2003 dentre outros). Como construto sócio discursivo, as identidades sociais ocorrem em contextos marcados por relações de poder, sobretudo no âmbito das instituições sociais. Por isso, esse processo nem sempre é uma prática renovadora, podendo inclusive legitimar certas identidades impostas por processos de dominação. É o caso, por exemplo, da identidade coletiva dos parlamentares. Desse modo, o presente estudo analisa a construção de identidades sociais dos políticos envolvidos em esquemas de corrupção nas instituições públicas. Através de um estudo de caso, o mensalão, investigamos as principais estratégias lingüístico discursivas utilizadas na representação do discurso político sobre corrupção, num conjunto de gêneros textuais que abrangem a esfera pública governamental e não governamental. Para viabilizar esta análise, tomamos como referencial teórico metodológico a abordagem histórico discursiva de Análise Crítica do Discurso, cujo foco está voltado para o estudo dos discursos políticos e discriminatórios. Tal abordagem aponta para o caráter manipulativo das práticas discursivas e para a relação dialética e contraditória entre discurso e estruturas de poder, oferecendo assim, parâmetros analíticos para a interpretação e a avaliação dos discursos em seu contexto social, histórico e político, a partir de um dos seus principais efeitos, a saber, a construção de identidades sociais. Os resultados da análise dos dados revelam que certas construções de identidades servem como mecanismo de legitimação dos grupos de poder e de um estado de coisas espbecífico, assim como, da deslegitimação da participação democrática. Palavr as chave: discurso, identidades sociais, abordagem histórico discursiva.

8 ABSTRACT One of the most salient results of the socio cultural transformations of our modern world and Western societies, characterized by complexity, contradictions, political and ideological struggles, fragmentations and unstoppable social changes is the so called identity crisis. Such tendencies highlight the issue of the construction of social identities. Because of its inherent dynamics, heterogeneity and controversy, the construction of social identities is a major theme in the post structuralist theory (Wodak 2001, Hall 1996, Billig 1991, Muntigl et al 2000, Fairclough 2003 among others). As a socio discursive construct, social identities are embedded in contexts marked by power relations, especially within social institutions. Therefore, this process does not imply a transformative practice. Moreover, it could legitimize certain kinds of identities imposed by domination processes. In this specific case, we have for instance, the politicians collective identity. Thus, this study intends to analyze the construction of social identities of those professional politicians involved in political corruption within institutional settings. Through a political scandal called mensalão, we investigate the main linguistic and discursive strategies employed in the representation of political discourses about corruption. Our empirical data is constituted by different genres from governmental and non governmental public sphere. Our theoretical and methodological approach to the study is informed by the discursive historical approach which adheres to Critical Discourse Analyses and focuses on political and discriminatory discourses. This approach reveals the manipulative aspect of discursive practices as well as the dialectic and contradictory relationships between discourses and power structures. It provides an analytical way to interpret and evaluate discourses within their social, historical and political contexts looking at one of their main constitutive effects, that is, the construction of social identities. The analytical results of this study reveals that certain identities constructions serve themselves as a legitimating mechanism of power groups and a specific state of affairs, as well as the delegitimation of the democratic participation. Key words: discourse, social identities, discourse historical approach.

9 RESUMEN Uno de los resultados de las transformaciones socioculturales de nuestro mundo posmoderno marcado por extrema complexidad, contradicciones, luchas políticas e ideológicas, fragmentaciones y cambios sociales constantes, especialmente en las sociedades occidentales, es la llamada crisis de identidades, que evidencia la cuestión de la construcción de las identidades sociales. Por su naturaleza dinámica, heterogénea y controvertida, la construcción de identidades se constituye en uno de los temas cruciales en la teoría pos estructuralista (Wodak 2001, Hall 1996, Billig 1991, Muntigl et al 2000, Fairclough 2003 entre otros). Como constructo socio discursivo, las identidades sociales se dan en contextos marcados por las relaciones de poder, sobre todo en el ámbito de las instituciones sociales. Por ello, ese proceso no es siempre una práctica renovadora y puede incluso legitimar ciertas identidades impuestas por el proceso de dominación. Es el caso, por ejemplo, de la identidad colectiva de los parlamentarios. De esta forma, el presente estudio analiza la construcción de las identidades sociales de los políticos metidos en esquemas de corrupción en las instituciones públicas. A través de este estudio de caso, o mensalão, investigamos las principales estrategias lingüístico discursivas utilizadas en la representación del discurso político de la corrupción, en un conjunto de géneros textuales que abarcan la esfera pública gubernamental y no gubernamental. Para viabilizar este análisis, tomamos como referente teórico metodológico el abordaje histórico discursivo del Análisis del Discurso, cuyo foco se dirige hacia el estudio de los discursos políticos y discriminatorios. Tal abordaje orientado hacia el carácter manipulativo de las prácticas discursivas y hacia la relación dialéctica y contradictoria entre discurso y estructuras de poder, ofrece así parámetros analíticos para la interpretación y evaluación de los discursos en su contexto social, histórico y político a partir de uno de sus principales efectos, a saber, la construcción de las identidades sociales. Los resultados del análisis de los datos revelan que ciertas construcciones de identidades sirven como mecanismos de legitimación de los grupos de poder y de un estado de cosas específico, así como de deslegitimación de la participación democrática. Palabras clave: discurso, identidades sociales, enfoque histórico del discurso

10 Lista das figuras Figura 1: Níveis do contexto, níveis de teorias e análise lingüística. Adaptação de Wodak (2001:69)...49 Figura 2: Campos de ação, gêneros e tópicos discursivos. Adaptação de Reisigl e Wodak (2008)...51 Figura 3: Gêneros selecionados na esfera pública governamental e não governamental...73 Figura 4: Gênese dos textos na linha do tempo...75 Figura 5: Campos de ação política gêneros políticos e tópicos discursivos Figura 6: Principais áreas temáticas e tópicos discursivos nos textos...87 Figura 7: Dinâmica e inter relação entre elementos chave da corrupção na política brasileira Figura 8: Campos de ação e tópicos discursivos selecionados nas notícias Figura 9: Continuum legitimação / deslegitimação...243

11 Lista dos quadros Quadro 1: Seleção das estratégias linguístico discursivas. Adaptação de Reisigl e Wodak (2008:12 13) e Wodak (2001:73)...58 Quadro 2: Classificação dos tópicos por área temática Quadro 3: Nomeação e predicação dos principais atores sociais e do evento de corrupção de corrupção Quadro 4: Seleção das atribuições avaliativas na entrevista de José Serra Quadro 5: Estratégias de perspectivação: trechos da entrevista de Roberto Jefferson

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO DISCURSO E IDENTIDADE: revisão de noções relevantes para teorização e análise do problema de pesquisa A noção de discurso A noção de identidades sociais A noção de instituições sociais A noção de corrupção política ENTRE TEORIA, MÉTODO E OS DISCURSOS POLÍTICOS E DISCRIMINATÓRIOS: a abordagem histórico discursiva de análise do discurso Por uma análise crítica do discurso Breve história da abordagem histórico discursiva Bases teóricas e epistemológicas da AHD Procedimentos metodológicos Categorias de análise: seleção e ilustração O caso e os dados O DISCURSO POLÍTICO SOBRE CORRUPÇÃO E A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NO CASO MENSALÃO Os principais tópicos discursivos As estratégias discursivas e sua realização linguística As estratégias de apresentação: nomeação e predicação Nomeação Predicação As estratégias de argumentação: principais claims, topoi e falácias As estratégias de perspectivação: a legitimação de si e do modelo de comportamento político A RECONTEXTUALIZAÇÃO DO CASO MENSALÃO E A CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES NA MÍDIA As estratégias de nomeação

13 5.2 As estratégias de predicação As estratégias de argumentação: principais claims, topoi e falácias As estratégias de perspectivação CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO A Discurso de renúncia do então presidente da câmara dos deputados, Severino Cavalcanti ANEXO B Lei nº de 02/06/1992 ANEXO C Lei nº DE 03/03/1998 ANEXO D Corpus ampliado ANEXO E Amostras de análise (parcial) dos textos

14 1. INTRODUÇÃO No ano de 2002, o Brasil consolidou um novo momento em sua história política: pela primeira vez depois de anos de ditadura militar e governos de direita, a esquerda política assume o cargo executivo e representativo mais conservador do País, a presidência da República, na pessoa do presidente Luis Inácio Lula da Silva, doravante presidente Lula, e de seu partido, o Partido dos Trabalhadores (PT), após 22 anos da existência do partido e de sua derrota em três eleições presidenciais consecutivas. Certamente, aquele momento de mudança teve um significado histórico para o País com a renovação política. Sem pretensões de fazer uma análise política, pois este trabalho se situa no campo dos estudos da linguagem e de seus usos, destaco alguns aspectos significativos que caracterizam a trajetória política deste governo e nos ajudam a compreender nosso problema de pesquisa. O primeiro aspecto diz respeito à biografia do presidente Lula. Lula é um nordestino, de origem humilde, sem formação de nível superior, que se profissionalizou como torneiro mecânico e posteriormente, se tornou líder sindical, caminho onde iniciou sua vida pública. O segundo aspecto diz respeito ao fato de que Lula adotou uma postura menos radical, provavelmente mais ao centro, que viabilizou a adesão de líderes de direita à sua candidatura, bem como a aproximação de setores importantes de sustentação econômica ao projeto de governo da esquerda política, como, por exemplo, o empresariado brasileiro. Este fato se consolidou na escolha do empresário José de Alencar (Partido Republicano Brasileiro PRB) para compor a chapa do PT na vice presidência da República. Um terceiro aspecto foram as dificuldades que o novo governo teria que enfrentar tal como, a formação de uma base política sólida no Congresso Nacional que permitisse a votação de emendas reformistas importantes para o governo. Um quarto aspecto seria o envolvimento do partido do governo, o PT, em um esquema de corrupção que seria denominado mensalão. Este esquema veio à tona no ano de 2005 e tinha como objetivo a compra de votos de parlamentares em troca do apoio ao governo. Esse caso teria agravado a chamada crise política que o governo petista estaria vivenciando naquele momento. Finalmente, um último aspecto significativo foi a re eleição de Lula à Presidência da República no ano de

15 Tendo ressaltado tais aspectos, inicio este trabalho de investigação com uma amostra de discurso que trás aspectos interessantes no que diz respeito à construção de identidades sociais de parlamentares envolvidos em corrupção, nosso problema de estudo. O exemplo acima consiste numa charge política 1 publicada no site do Jornal Gazeta do Povo na ocasião de um caso recente de corrupção política, posterior ao mensalão, denominado mensalinho, envolvendo o então presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (SC). Esta charge mostra um dos modos recorrentes que a mídia representa/constrói a identidade de políticos envolvidos em esquemas de corrupção. Geralmente, essa representação negativa é resultado da equação político + poder = corrupção. Esse extrato de discurso suscita algumas questões: Quem são esses atores políticos, protagonistas e antagonistas num cenário de crise política? Como esses atores tentam apagar traços negativos que lhes foram atribuídos e reforçar aspectos positivos em sua imagem dentro de um projeto argumentativo que visa persuadir o outro? Como eles exploram os estereótipos? Que gêneros e discursos circulam nessa situação de conflito, como se articulam e que efeitos de sentido são produzidos através deles? Há diferenças na construção do ethos dos políticos envolvidos em corrupção em relação aos demais? Como os papéis sociais são distribuídos na situação discursiva? Como 1 Esta charge está disponível na página do Jornal Gazeta do povo on line, no endereço, 2

16 podemos perceber, mesmo que intuitivamente, o processo de identificação do outro na vida social é um fenômeno discursivo. Sem pretensões de análise do caso em particular ou do gênero em si, pois não entram no escopo deste trabalho, mas servem como indício do problema e sugestão para pesquisas posteriores, como podemos compreender a identidade social de SC construída na charge em questão? Sem nos determos numa análise multimodal 2, o que reconhecemos como necessária à interpretação desse gênero, podemos inferir a partir das próprias pistas apresentadas na charge e pelo conhecimento do caso, que SC é visto realmente, como um político corrupto. Essas pistas são, por exemplo, o próprio formato da charge, ou seja, uma cédula com a cifra correspondente ao valor da propina recebida de reais pelo ator em questão. Outra pista significativa é a caricatura de SC como cara de pau, metáfora corriqueira para expressar que alguém está mentindo ou omitindo algo que já é do conhecimento público. Isso se dá pelo fato de SC negar seu envolvimento no mensalinho e se apresentar como vítima da ação negativa de outros atores, inclusive da imprensa, ação esta interpretada como ameaças, mentiras, processos sem causa, malentendidos, dentre outras 3. Na verdade, os políticos envolvidos em esquemas de corrupção se engajam num projeto argumentativo que visa persuadir os outros sobre sua inocência, utilizando se de estratégias discursivas para construir uma representação positiva de si e uma representação negativa do outro como mostraremos adiante na análise do nosso corpus. Com essa ilustração e breves observações queremos esclarecer que a princípio, o que nos instigou à realização desta pesquisa foi a representação discursiva negativa dos atores políticos e de sua prática política no discurso público sobre corrupção. Enunciados avaliativos do tipo todo político é corrupto! ou políticos são um bando de bandidos! ou políticos nunca vão para cadeia! ou ainda, todo caso de corrupção política acaba em pizza! são exemplos dessa representação negativa que se tornou naturalizada 4 e aparentemente homogênea. 2 Sobre a análise multimodal do discurso, cf., por exemplo, Kress e van Leeuwen 2001, 2006 e van Leeuwen Confira o discurso de renúncia de SC ao cargo de presidente da Câmara, incluído como anexo neste trabalho (ANEXO A), em que este ator inocenta a si mesmo e acusa seus inimigos políticos. 4 Como van Leeuwen (2008:111), entendemos naturalização como uma forma específica de avaliação moral, uma forma que nega a moralidade e substitui as ordens morais e culturais por uma ordem natural. 3

17 Essa representação aponta para dois aspectos curiosos na questão da identidade. O primeiro deles é o fato de que esse tipo de identificação ou representação negativa atribuída ao político brasileiro é parte de um inventário culturalmente construído de identidades que se tornam mais proeminentes em nossa sociedade. Nesse sentido, MacIntyre (1984 apud Fairclough 2003), sugere que uma parte significante do que faz uma cultura diferir das demais, é justamente o seu estoque de personagens, suas identidades mais salientes que são culturalmente construídas. Esses personagens ou identidades são vistos a partir de um alto nível de abstração e generalização, continuam a existir consideravelmente no tempo sem deixar de mencionar que mudanças sociais incidem na mudança desse inventário de personagens ou identidades e são bastante difundidos/presentes na vida social. O segundo aspecto é o fato de que não podemos desconsiderar a dialética existente entre identidade social e identidade pessoal/personalidade, identidade pessoal esta que aponta para a questão do estilo de cada ator social. Isto significa que pode haver vários estilos ou modos de ser ou de investir determinada identidade num nível menos abstrato, de acordo com o nível mais concreto dos eventos sociais. No caso dos políticos brasileiros, considerando os eventos de corrupção, um determinado político pode ser de vários modos ou em algumas de suas performances ser considerado um político moderno, liberal, mais consciente ou comprometido com a coletividade, um verdadeiro líder democrático, etc. mas que continua repetindo certas ações ilícitas que o caracterizam como corrupto ao abusar de sua influência política ou utilizar o patrimônio público em benefício próprio reproduzindo assim, um habitus político. Entendemos que essa representação construída, bem como o processo de construção de identidades são frutos da internalização de identidades e imagens que são impostas por processos de dominação. O resultado prático desse processo é a perpetuação da prática de corrupção nas instituições políticas e administrativas do País, o descrédito das cidadãs/os nessas instituições e seus representantes eleitos, o distanciamento da população do processo político e consequentemente, o enfraquecimento da democracia, modelo político idealmente concebido como regime do Moralidade e natureza aqui se tornam tão indissociáveis que simplesmente os métodos de análise do discurso não conseguem isolá las e estudá las. Desde ponto em diante, a pesquisa histórico discursiva toma lugar, pois apenas a compreensão dos aspectos históricos e sócio culturais de uma dada sociedade é que torna viável a explicação do status moral dos enunciados nos discursos através do mapeamento diacrônico para se verificar quando certos valores se tornaram parte do conhecimento cultural de sensocomum. 4

18 povo, para o povo e pelo povo. Por outro lado, o problema da corrupção e a ineficácia do Estado em combatê la geram sérias consequências sociais e políticas para o País, tal como o comprometimento do desenvolvimento social e econômico sustentável. Portanto, o que está por trás dessa investigação, é a preocupação maior com a aceitação e a tolerância da população e de outros atores políticos diante deste tipo de representação e comportamento naturalizados, bem como do abuso de poder e da institucionalização das práticas de corrupção. Mas por que estudar o processo de construção de identidades nas sociedades modernas, especialmente relacionado a certos problemas sociais como o caso de corrupção e a certas instituições sociais como, por exemplo, o Congresso Nacional brasileiro? Um dos resultados das transformações sócio culturais do nosso mundo pósmoderno, marcado por extrema complexidade, contradições, lutas políticas e ideológicas, fragmentações é a chamada crise de identidades, pondo em evidência a necessidade da reflexão sobre a questão da construção de identidades como um dos temas centrais na teoria pós estruturalista (Wodak 2001, Hall 1996, Billig 1991, Muntigl et al 2000, Fairclough 2006 dentre outros). Analisar os processos de construção de identidades urge devido a pelo menos três razões latentes. Em primeiro lugar, é importante considerarmos a necessidade social, política e antropológica de entendermos quem somos nós e qual nosso papel na presente realidade social marcada por mudanças sociais constantes. De acordo com Triandafyllidou e Wodak (2003:208), hoje, mas que nunca, identidade é de natureza dinâmica e está constantemente em evolução, uma vez que as pessoas estão mais expostas a novos estímulos e desafios e por isso, talvez tenham mais necessidade de uma identidade ou uma série de identidades que possam servir de âncora em um mundo que está constantemente em fluxo. Em segundo lugar, a reflexão sobre essa problemática demanda uma análise crítica, pois, como Wetherel (2001:187), entendemos que a identidade, ou melhor, as identidades de um indivíduo são uma série de performances culturais disponíveis restringidas por relações de poder. Portanto, a compreensão dos processos de formação e construção de identidades pede não uma descrição distanciada do objeto sob investigação ou das práticas sociais e discursivas, mas o desvelar das relações de poder e dominação que restringem ou controlam a construção de identidades e 5

19 consequentemente, a atuação dos indivíduos em sociedade, como resultado da manipulação e abuso, nas diferentes e variadas esferas da vida social, sobretudo no âmbito das instituições sociais. Em terceiro lugar, a discussão do tema é altamente relevante para a compreensão das práticas sociais contemporâneas, pois nestas práticas as identidades são concebidas como parte de um processo dinâmico, através das relações sociais mediadas pela linguagem, linguagem esta que é parte constitutiva dessas práticas (Magalhães et al 2006:i). Pensar as identidades como um construto sócio discursivo, principalmente no âmbito das instituições sociais, é reconhecer o papel crucial da linguagem na formação de identidades e das posições dos sujeitos sociais, bem como na transformação de práticas sociais injustas e excludentes, resultando em mudança social. Por outro lado, as instituições sociais incidem de algum modo na constituição identitária dos atores sociais, pois as identidades que foram/são/serão construídas em determinado momento dependem das rotinas institucionais e das relações de poder estabelecidas discursivamente em dada instituição social. Sucintamente, no que diz respeito aos objetivos deste trabalho, a pesquisa deve revelar em termos mais gerais, o modo como as instituições sociais contribuem para a produção e reprodução de categorias sociais e relações de poder, bem como o modo como a linguagem funciona enquanto recurso simbólico para criar e manter significados e identidades pessoais, sociais e culturais (Kendall e Tannen 2004:548, Pontes 2004). Dentro desse objetivo geral, enfocaremos como objetivo específico, identificar as estratégias linguístico discursivas, enquanto meios retóricos, usadas pelos parlamentares para construir as identidades sociais de si mesmos e dos outros atores sociais envolvidos em situações de corrupção para persuadir / convencer sobre sua inocência e sobre a culpabilidade do outro. Nesse ínterim, as questões heurísticas ou questões de pesquisa que norteiam este estudo são as seguintes: (i) O que significa corrupção no contexto público investigado? (Corrupção é um evento cultural natural? Corrupção é resultante de circunstâncias sociais, econômicas e políticas específicas? Corrupção é uma atividade 6

20 (ii) realizada por atores sociais específicos? Este evento está relacionado a outros eventos ou processos tais como, a democratização, a governabilidade e a globalização?) Como as identidades sociais dos políticos envolvidos em escândalos de corrupção são construídas de modo que possam justificar a prática de corrupção e legitimar o abuso de poder por parte desses atores? Consideramos como principal hipótese a ser comprovada com a análise e interpretação do corpus referente ao caso de corrupção sob investigação, que a macroestratégia da representação positiva de si mesmo e da representação negativa do outro empregadas pelos parlamentares envolvidos em esquemas de corrupção tem como propósito retórico principal, a persuasão da audiência, em especial da opinião pública, sobre sua inocência e sobre a culpabilidade do outro, transferindo a culpa e a responsabilidade pelas ações ilícitas de corrupção através da manipulação da inversão dos papéis de vítima culpado (victim perpetrator reversal), bem como da construção discursiva de um bode expiatório (scapegoat) nesse cenário. Do mesmo modo, corrupção é representada como um evento naturalizado na prática política brasileira, como sendo causada por fatores exógenos tal como a herança patrimonialista na prática política brasileira e endógenos tal como a institucionalização da corrupçãoe portanto, não pode ser combatida, nem os atores políticos que a praticam, punidos propriamente. De modo a direcionar as/os leitoras/es desse trabalho e a ajudá las/los na formulação de suas expectativas de leitura, oferecemos uma visão geral e concisa de cada capítulo, mostrando assim, a organização e a estrutura desta tese. No capítulo introdutório, como vimos, situamos o problema de pesquisa, os objetivos desse trabalho, as questões heurísticas que norteiam este estudo e a hipótese de pesquisa que buscamos comprovar com a finalização da análise dos dados. No capítulo 2 apresentamos uma introdução teórica às noções de discurso, de identidades sociais, de instituições sociais e seu papel na realidade da vida cotidiana e de corrupção, permitindo assim, uma compreensão geral de elementos importantes que norteiam nossa reflexão. Enfatizamos, desse modo, a caráter dialético das relações existentes entre os diferentes elementos discursivos e não discursivos que compõem a vida social. 7

21 O capítulo 3 consiste na apresentação teórica e metodológica da abordagem de análise do discurso que adotamos nesse trabalho, a saber, a abordagem históricodiscursiva. Neste capítulo, oferecemos uma visão geral do paradigma da Análise Crítica do Discurso em que a Abordagem Histórico Discursiva se encontra, seguida de uma breve exposição da sua história, de conceitos chave tais como poder, ideologia, campos de ação, dentre outros, os quais compõem o arcabouço teórico metodológico dessa abordagem. Também descrevemos algumas das ferramentas usadas na análise do problema que propomos. Finalmente, apresentamos e exemplificamos as estratégias linguístico discursivas selecionadas para operacionalizar a análise dos dados. Os capítulos 4 e 5 consistem na análise dos nossos dados, divididos seguindo o critério da esfera pública onde se situam. No capítulo 4, analisamos e discutimos as estratégias linguístico discursivas e sua realização no discurso político sobre corrupção e a construção de identidades tendo como base os gêneros entrevista e discurso políticos. Nosso foco aqui será na esfera pública governamental. Já no capítulo 5, reconhecemos o papel crucial da mídia na esfera pública não governamental e como contra ponto à esfera pública governamental. Daí, analisamos e discutimos o modo como a mídia recontextualizou o discurso político sobre corrupção e a construção de identidades. A base para análise são notícias divulgadas sobre o mensalão. No capítulo final, apresentamos as considerações finais deste trabalho sobre a construção discursiva de identidades sociais dos parlamentares envolvidos em corrupção no cenário político brasileiro. Esta parte será seguida das referências bibliográficas e dos anexos que compõem este trabalho. 8

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP

Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Dra. Margareth Diniz Coordenadora PPGE/UFOP Pela sua importância destacam-se aqui alguns dos seus princípios: Todos/as os/ssujeitos, de ambos os sexos, têm direito fundamental à educação, bem como a oportunidade

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR CONGRESSO CARIOCA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 2º FEP RJ ABERTURA DO FÓRUM: CONTEXTO GERAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Acreditamos ser relevante abordar de forma rápida o contexto atual da Educação Física Escolar

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA

AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA AGNÈS VAN ZANTEN PESQUISADORA DO CENTRO NACIONAL DE PESQUISA CIENTÍFICA CNRS. PARIS/FRANÇA COMPRENDER Y HACERSE COMPRENDER: COMO REFORZAR LA LEGITIMIDADE INTERNA Y EXTERNA DE LOS ESTUDIOS CUALITATIVOS

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais

Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Seminário Internacional sobre Governabilidade Democrática e Igualdade de Gênero CEPAL - Santiago do Chile 1-2 de dezembro de 2004 Governabilidade, Participação Política e Sistemas Eleitorais Gostaria inicialmente

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade.

PALAVRAS-CHAVE: Formação de professor, Estágio, Identidade. RELATÓRIOS DE ESTÁGIO: CONTRIBUIÇÕES PARA A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE PORTUGUÊS BORGES, Ana Maria de Miranda Marques/UFG anamariademiranda2@gmail.com MORAES, Eliana Melo Machado/CAJ-UFG

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

Resenha Internet e Participação Política no Brasil

Resenha Internet e Participação Política no Brasil Resenha Internet e Participação Política no Brasil (Orgs. MAIA, Rousiley Celi Moreira; GOMES, Wilson; MARQUES, Paulo Jamil Almeida. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.) Átila Andrade de CARVALHO 1 A democracia

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A INCLUSÃO DOS ALUNOS NO ESPAÇO PEDAGÓGICO DA DIVERSIDADE 1 Rita Vieira de Figueiredo 2 Gosto de pensar na formação de professores (inspirada no poema de Guimarães) Rosa

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA

A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA A REDAÇÃO DO VESTIBULAR E A CONSTRUÇÃO DE UM ETHOS DISCURSIVO APOIADO NO HIPERENUNCIADOR JORNALISTA Gislane Kátia TESSAROLO AUTORA - MESTRANDA DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM LETRAS E LINGUÍSTICA UFG

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS

WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS WORKSHOP DE ORIENTAÇÃO PROFISSIONAL EM ESCOLAS PÚBLICAS 2014 Gisele Vieira Ferreira Psicóloga, Especialista e Mestre em Psicologia Clínica Elenise Martins Costa Acadêmica do curso de Psicologia da Universidade

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Grupo de Trabalho: Temas Livres

Grupo de Trabalho: Temas Livres ATIVIDADE FÍSICA, LAZER E SAÚDE NA ADOLESCÊNCIA: POSSÍVEIS APROXIMAÇÕES Alipio Rodrigues Pines Junior (alipio.rodrigues@gmail.com) Grupo Interdisciplinar de Estudos do Lazer - GIEL/USP/CNPq Tiago Aquino

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA

A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA A CURVA TERAPÊUTICA DA PRIMEIRA SESSÃO NA CLÍNICA SISTÊMICA PÓS-MODERNA Autora: (Elda Elbachá Psicoterapeuta Sistêmica, Diretora, Docente e Supervisora do Centro de Estudos da Família e Casal - CEFAC/BA)

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE

A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE A COLABORAÇÃO NA PESQUISA ETNOGRÁFICA: O DIÁLOGO ENTRE ESCOLA E UNIVERSIDADE Autora: Lorena Valin Mesquita Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) - lm_valin@hotmail.com Coautora: Roberta Souza

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica)

Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) GRUPO PAIDÉIA FE/UNICAMP Linha: Episteduc Coordenador: Prof. Dr. Silvio Sánchez Gamboa Orientações para a elaboração dos projetos de pesquisa (Iniciação científica) Os projetos de pesquisa se caracterizam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE

CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE CAMPANHAS ELEITORAIS E COMUNICAÇÃO MIDIÁTICA: CICLOS DE MUDANÇA E CONTINUIDADE 48 Monalisa Soares Lopes Universidade Federal do Ceará (UFC) monalisaslopes@gmail.com Os estudos da política contemporânea,

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii

Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii Psicologia e trabalho_iniciais_b.qxd 2/11/09 10:19 AM Page xiii SUMÁRIO Introdução XV 1. Construção do Campo do Trabalho no Pensamento Ocidental como Condição para a Emergência da Psicologia do Trabalho

Leia mais