INSTITUTO MATERNO INFANTIL DE PERNAMBUCO IMIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO ESTADO DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO MATERNO INFANTIL DE PERNAMBUCO IMIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO ESTADO DE"

Transcrição

1 INSTITUTO MATERNO INFANTIL DE PERNAMBUCO IMIP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE MATERNO INFANTIL ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO ESTADO DE PERNAMBUCO, NO ANO DE 1997: UM ESTUDO DE CASO/CONTROLE E UM RELATO DE CASOS. Liliane de Jesus Bittencourt Recife, 2004

2 Liliane de Jesus Bittencourt ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO ESTADO DE PERNAMBUCO, NO ANO DE 1997: UM ESTUDO DE CASO/CONTROLE E UM RELATO DE CASOS. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP), como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Saúde Materno Infantil. Orientador: Prof. Malaquias Batista Filho Recife, 2004

3 Aos meus pais, Dalva e Eliomar, e meus tios, Maria Alice e Arnaldo, representantes do apoio familiar incondicional recebido.

4 AGRADECIMENTOS A Deus; À minha família, fundamental naquilo que tenho de melhor; Ao Instituto Materno Infantil de Pernambuco, por me abrir as portas do conhecimento científico; Aos colegas e professores do IMIP, pela parceria e colaboração; A todos os funcionários do IMIP, em especial Josefa Lira de Melo, pela ajuda necessária e imprescindível; Ao Prof. Malaquias Batista Filho, por aceitar compartilhar comigo um pouco do seu imenso saber; Ao Prof. José Natal Figueiroa, pelo apoio e dedicação sempre prestimosos; A Joaquim Van-Dúnem, pelo companheirismo, cumplicidade, parceria e apoio; A Elina Albino, minha irmã pernambucana; A Profa. Leopoldina Sequeira, pela ajuda inestimável; Ao casal Maria do Carmo e Dorival de Jesus, pela amizade e auxílio; A Dra. Maria do Carmo Freitas, pelo estímulo e parceria na fase inicial desse processo de aprendizagem; Aos colegas do 7º Centro de Saúde, em especial Dra. Georgina Valente, pelo apoio recebido; Aos meus amigos soteropolitanos, responsáveis por manter a chama do amor e do carinho, apesar da distância, e aos amigos recifenses conquistados; A Recife, por me acolher nesses dois anos.

5 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS E TABELAS... LISTA DE ABREVIATURA E SIGLAS... v vi LISTA DE ANEXOS... viii RESUMO... ABSTRACT... ix xi I. INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Vantagens do Aleitamento Materno Para a Criança Para a Mãe Para a Sociedade e o Estado Freqüência e Duração do Aleitamento Materno O Desmame e as Iniciativas Institucionais A Iniciativa Hospital Amigo da Criança e o Aleitamento Exclusivo Fatores Associados ao Desmame Precoce II. JUSTIFICATIVA III. OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos IV. HIPÓTESES Hipótese Principal... 21

6 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco Hipótese Derivada V. MÉTODO 5.1 Desenho do Estudo Local do Estudo Amostragem Seleção dos Sujeitos Fatores de Inclusão Fatores de Exclusão Variáveis de Análise Variáveis Dependentes Variáveis Independentes Definição de Termos Processamento e Análise dos Dados Aspectos Éticos VI. RESULTADOS 6.1 Características da População Estudada Relato de Casos Estudo de Caso Controle VII. DISCUSSÃO VIII. CONSIDERAÇÕES FINAIS IX. REFRÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS X. ANEXOS... 83

7 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco v LISTA DE FIGURAS E TABELAS Tabela 1 Histórico de freqüência do aleitamento materno em crianças menores de 18 meses. Pernambuco, Pág. 33 Figura 1 Freqüência e duração do aleitamento materno em crianças menores de 18 meses. Pernambuco, Pág. 34 Tabela 2 Características sociais maternas em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 44 Tabela 3 Condições do pré-natal e parto em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 46 Tabela 4 História de assistência à saúde em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 47 Tabela 5 Situação habitacional familiar em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 48 Tabela 6 Características habitacionais em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 49 Tabela 7 Condições sanitárias em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 50 Tabela 8 Meios de comunicação em relação ao aleitamento materno exclusivo. Pernambuco, Pág. 51 Tabela 9 Fatores associados ao aleitamento materno exclusivo aos 4 meses, de acordo com regressão logística. Pernambuco, Pág. 52

8 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco vi LISTA DE ABREVIATURA E SIGLAS AM AME DEP EPI-INFO Aleitamento Materno Aleitamento Materno Exclusivo Desnutrição Energético Protéica Word Processing, Database and Statistics Program for Public Health FIBGE FISI GSIYCF GTENIAM HAC IC IBFAN IHAC IMC IMIP INAM IUBAAM MS ONU OMS OR PACS PESN Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Fundo Internacional de Socorro à Infância Global Strategy for Infant and Young Child Feeding Grupo Técnico Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno Hospital Amigo da Criança Intervalo de Confiança International Baby Food Action Work Iniciativa Hospital Amigo da Criança Índice de Massa Corporal Instituto Materno Infantil de Pernambuco Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição Iniciativa Unidades Básicas Amigas da Amamentação Ministério da Saúde Organização das Nações Unidas Organização Mundial da Saúde Odds Ratio Programa de Agentes Comunitários de Saúde Pesquisa Estadual de Saúde e Nutrição

9 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco vii RMR UFPE UNICEF SM SPSS WABA Região Metropolitana do Recife Universidade Federal de Pernambuco Fundo das Nações Unidas para a Infância Salário Mínimo Statistical Package for Social Science World Alliance for Breastfeeding

10 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco viii LISTA DE ANEXOS Anexo 1 Quadro 1 - Prevalência do aleitamento materno e aleitamento materno exclusivo segundo regiões do Brasil e na capital de Pernambuco, Recife (1999). Pág. 83 Anexo 2 Questionário baseado na II Pesquisa Estadual de Saúde e Nutrição. Pág. 84 Anexo 3 Quadro 2 - Municípios da amostra por setores censitários existentes e sorteados/pesquisados na Região Metropolitana do Recife, Interior Urbano e Interior Rural. Pág. 88 Anexo 4 Quadro 3 - Amostra Estudada na II Pesquisa Estadual de Saúde e Nutrição. Pernambuco, pág. 89 Anexo 5 Declaração de aprovação pelo Comitê de Ética e Pesquisa do IMIP. Pág. 90

11 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco ix RESUMO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO ESTADO DE PERNAMBUCO, NO ANO DE 1997: UM ESTUDO DE CASO/CONTROLE E UM RELATO DE CASOS. Introdução: Praticado durante milênios, o hábito saudável do aleitamento materno sempre sofreu interferências sociais, políticas, religiosas e psicológicas. Atualmente se reconhece que os benefícios do aleitamento materno são inúmeros, para as crianças, as mães, a sociedade e a economia. Apesar disso, o desmame é uma realidade no mundo, e o aleitamento exclusivo aos 6 meses ainda é um evento raro em nosso país. Assim, a análise das variáveis condicionantes da amamentação exclusiva pode contribuir para a compreensão e promoção desta prática. Objetivos: Descrever a situação do aleitamento materno no Estado de Pernambuco, no ano de 1997, com ênfase na amamentação exclusiva e identificar possíveis diferenciações em termos geográficos e sócio-econômicos. Método: Realizou-se um estudo do tipo caso/controle e um relato de casos, com base em dados da II Pesquisa Estadual de Saúde e Nutrição em Pernambuco (1997). A amostra foi constituída de crianças com idade máxima de 18 meses. Para o estudo de caso/controle foram selecionadas as crianças alimentadas exclusivamente com leite materno por 4 meses de idade ou mais, comparando-as com as não amamentadas ou que foram desmamadas até os

12 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco x 60 dias de idade. Foram analisados como hipoteticamente associados ao aleitamento materno exclusivo fatores sociais maternos, história de assistência pré-natal, de assistência à saúde, condições do parto, condições habitacionais e sanitárias e acesso a meios de comunicação. O relato de casos foi aplicado às crianças com história de aleitamento exclusivo igual ou superior a 6 meses. Resultados: Entre as crianças com menos de 18 meses, 7,2% (47) nunca havia mamado, 1% (6) atingiu o aleitamento exclusivo aos 6 meses de idade e 4% (24) aos 4 meses. Aos 18 meses, 99,8% das crianças já não recebia leite materno. As variáveis associadas ao aleitamento exclusivo, após regressão logística, foram: distância do serviço de saúde (OR = IC95% ), início precoce do pré-natal (OR = 0.06 IC95% ) e renda familiar per capita (OR = 0.25 IC95% ). O relato de casos aponta para a importância da assistência pré-natal na manutenção do aleitamento exclusivo. Considerações Finais: apesar da crescente ocorrência do aleitamento materno em Pernambuco, a freqüência de aleitamento exclusivo ainda é pequena, sendo a baixa renda per capita, o início tardio do pré-natal e a distância do serviço de saúde fatores de risco para a manutenção desta prática. Palavras-chave: aleitamento materno, cuidado do lactente, fatores de risco, estudos de casos e controles, relato de caso.

13 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco xi ABSTRACT EXCLUSIVE BREASTFEEDING IN PERNAMBUCO (BRAZIL) IN 1997: A CASE CONTROL STUDY AND A CASE REPORT. Introduction: Having been practiced for thousands of years, the healthy habit of breastfeeding has always suffered social, political, religious and psychological interference. Nowadays the breastfeeding benefits are innumerable for children, mothers, the society and the economy. However, weaning is a reality in the world, and the exclusive breastfeeding at 6 months of age is still a rare event in our country. So, the identification of variables that are associated with exclusive breastfeeding can contribute to the comprehension and promotion of this practice. Objective: To describe the breastfeeding in Pernambuco, in 1997, with emphasis in exclusive breastfeeding and to identify geographic and socioeconomic differences. Method: A case control study and a case report were performed, based on data collected for the 2nd Health and Nutrition State Research in Pernambuco (1997). Children up to 18 months of age constituted the sample. As to the case control study, exclusive breastfed children up to 4 months of age and over, in comparison with children that had never been breastfed or those who had been weaned with 60 days of life or less were selected. Social factors, antenatal

14 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco xii history, health assistance, delivery condition, habitation, sanitary characteristics and access to mass media were analyzed like hypothetically associated to exclusive breastfeeding. The case report was applied to exclusive breastfed children for 6 months or more. Result: Among children of 18 months old or less, 7,2% (47) have never been breastfed, 1% (6) was still exclusively breastfeeding at the age of 6 months, and 4% (24) at 4 months. At 18 months of age, 99,8% of the children were not being breastfed. The variables associated with exclusive breastfeeding, after logistic regression, were: distance from the health care center (OR=11,61 IC95% ), early antenatal assistance (OR=0,006 IC95% ) and per capita income (OR=0,25 IC95% ). The case reports point out the importance of antenatal assistance for the maintenance of exclusive breastfeeding. Conclusion: In despite of the increasing occurrence of breastfeeding in Pernambuco, the exclusive breastfeeding frequency is still small, the low income, late antenatal assistance, and the distance from the health care center has been demonstrated to be risk factors for this practice. Keywords: breastfeeding, care of the infant, risk factors, case control study, case reports.

15 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 1 I. INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Praticado durante milênios, a assunção do hábito saudável do aleitamento materno sempre sofreu interferências sociais, políticas, religiosas e psicológicas. Desde o Século XIII, mas principalmente a partir do Século XVI, as mães aristocráticas entregavam seus filhos aos seios das amas de leite ou escravas para os alimentarem, determinando um alto índice de mortalidade infantil. O aleitamento era considerado um comportamento não aceito socialmente ou coisa de índio. Esse hábito foi se incorporando às outras classes sociais até se estabelecer como uma prática comum da sociedade (BADINTER, 1985; ALMEIDA, 1995; MATTAR, 2000; RAMOS e ALMEIDA, 2003). Estreitamente relacionado com a idéia de inferioridade da mulher e da criança, foi associado, por pedagogos e mestres em teologia do Século XVI, a um prazer ilícito experimentado pelo binômio mãe-filho e que causaria perda moral da criança (BADINTER, 1985; ALMEIDA, 1995). A partir do Século XVIII, interesses políticos e econômicos ligados à diminuição da mortalidade infantil, destacando-se melhora dos índices demográficos e conseqüentemente da produção fizeram com que o aleitamento materno ressurgisse como uma conduta indispensável, a qual as mulheres tinham a obrigação de assumir (BADINTER, 1985; ALMEIDA, 2002). Ainda assim, o aleitamento materno volta a sofrer um impacto negativo no Século passado, notadamente nos últimos 60 anos que se justapõem ou sucedem ao ciclo da II Guerra Mundial. A quase abolição do aleitamento

16 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 2 materno em muitos países corresponde a uma conjugação de fatores comerciais e políticos gerados e mantidos após o conflito bélico que ceifou cerca de 30 milhões de vida (ALMEIDA, 2002). O excedente da produção leiteira dos Estados Unidos, mobilizada para atender a demanda do mercado europeu, cuja produção de leite e derivados foi duramente atingida em torno dos anos 40; a industrialização em larga escala do leite nos Estados Unidos e a aceitação de suas vantagens ; a rede de cooperação estruturada em torno do Fundo Internacional de Socorro à Infância (FISI), servindo de suporte institucional, técnico e político para a distribuição do leite em pó, produzido acima da demanda, então inelástica pela prática da amamentação e o uso de alternativas alimentares disponíveis localmente em cada país, foram os fatores que contribuíram para o retorno ao declínio no aleitamento (GARCIA-MONTRONE e ROSE, 1996; ALMEIDA, 2002). Somente duas décadas após o boom do leite industrializado inicia-se, em nível internacional, um movimento em favor do resgate da amamentação, pelo reconhecimento dos problemas advindos com o desmame precoce, sobretudo nas regiões pobres do mundo. É possível que as estatísticas acumuladas de mortes infantis, que podem ser atribuídas, direta ou indiretamente, à interrupção prematura ou mesmo abolição completa da amamentação, seja equivalente ou mesmo superior às estimativas de mortes ocorridas na II Guerra Mundial. Trata-se de um evento singular descrito no livro The Baby Killer (O Matador de Bebês) (MULLER, 1995) e avaliado, sob o ponto de vista epidemiológico, por vários estudiosos (BADINTER, 1985; ALMEIDA, 1995; ARANTES, 1995; SILVA, 2000; ALMEIDA, 2002).

17 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco Vantagens do Aleitamento Materno Para a Criança A maior parte dos órgãos da criança é formada e desenvolvida durante o período que vai da concepção até os três anos de idade. É também nesse período que se delineia o seu potencial físico e intelectual. Devido o desenvolvimento humano ocorrer com muita rapidez durante os primeiros 18 meses de vida, o status nutricional das gestantes, nutrizes e lactentes é de fundamental importância para o desenvolvimento posterior da criança, tanto físico, como mental e social. Portanto não seria um exagero dizer que a evolução da sociedade depende da nutrição das mães e dos seus filhos durante este período da vida. O aleitamento materno, neste sentido, é o alimento que integra nutrição, saúde e cuidado após a gestação (UNICEF,1998). Atualmente, se reconhece que os benefícios do aleitamento materno para as crianças são inúmeros: psicológicos, nutricionais, imunológicos. Na perspectiva psicológica pode-se ressaltar o aumento do laço afetivo mãe-filho, o estímulo do olhar e do odor facilitando o processo de identificação, o incremento do desenvolvimento psicomotor, importante na formação da individualidade e o desenvolvimento de maiores índices de quociente de inteligência (QI) (LUCAS, et al., 1992; GONÇALVES, 2000). Sob o aspecto nutricional, sabe-se que o leite materno possui todos os elementos essenciais para o crescimento e desenvolvimento das crianças e é mais facilmente digerido, sendo fator protetor para a desnutrição energético protéica (DEP). Além disso, protege contra infecções, notadamente as

18 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 4 respiratórias, reduz o risco de algumas doenças crônicas, previne contra diarréias e diminui a incidência de alergias e amigdalites, favorecidas pela respiração bucal, conseqüência da sucção de bicos artificiais; é importante no desenvolvimento da mandíbula, prevenindo disfunções crânio-mandibulares, deglutição atípica e dificuldades na fonação (MACHADO, 1995; GARCIA- MONTRONE e ROSE, 1996; CARVALHO, 1998; PEREZ, PITA e BATISTA, 1998; SILVA, 2000; FUCHS e VICTORA, 2002; MENDONÇA, 2002; NEIVA et al, 2003). Em países onde são registradas altas taxas de mortalidade infantil, um bebê alimentado com mamadeira, vivendo em uma comunidade pobre, tem uma probabilidade 14 vezes maior de morrer de pneumonia do que um bebê alimentado exclusivamente com leite materno (UNICEF,1998). Segundo Victora et al, em investigação realizada em 1987, no Brasil, as crianças em AME apresentaram risco de óbito para diarréia e por doenças respiratórias 14 e 3,6 vezes menores, respectivamente, do que as crianças desmamadas. Sabe-se que a criança ao nascer possui baixas reservas de vitamina A, necessária no processo de crescimento dos tecidos e na prevenção contra doenças infecciosas, responsáveis, de forma importante, pela mortalidade infantil, em países pobres. A deficiência de vitamina A é rara entre crianças amamentadas, principalmente de forma exclusiva, nos primeiros seis meses, pois o leite materno, em especial o colostro, é a melhor fonte desta vitamina para o recém-nascido. O efeito protetor contra a carência de vitamina A parece continuar, mesmo depois de terminada a lactância materna, pois a reserva desta vitamina, presente nas crianças que foram amamentadas, pode compensar períodos de ausência ou de baixa ingesta (DIAZ E SARRÍA, 1997).

19 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 5 Existe também a hipótese de que a anemia no primeiro ano de vida devese, entre outros fatores, ao desmame precoce, visto que a biodisponiblidade do ferro no leite materno é elevada (50%). Observa-se que, ao se introduzir outros alimentos na dieta do lactente, há uma diminuição de até 80% no ferro biologicamente disponível (SOUZA, SZARFARC e SOUZA, 1997). Embora haja controvérsias em relação à associação entre a exposição precoce ao leite de vaca e o desenvolvimento do diabetes mellitus tipo 1 (COUPER et al, 1999; MEDEIROS, et al, 2003; ZIEGLER et al, 2003), a Academia Americana de Pediatria mantém a recomendação do aleitamento materno como forma de prevenção para doenças crônico-degenerativas tais como a doença de Crohn, linfoma, retocolite ulcerativa e a diabetes mellitus insulino-dependente (REA, 1998; LAWRENCE, 2002; COUTINHO, 2003). Segundo COUTSOUDIS et al., em estudo realizado em 1999, as crianças alimentadas exclusivamente com leite materno podem estar mais protegidas contra a transmissão vertical do HIV quando comparadas às crianças parcialmente amamentadas. Isto porque, segundo os autores, a alimentação artificial pode provocar lesão na mucosa do trato gastrintestinal, devido às infecções ou reações alérgicas, facilitando a penetração do vírus Para a Mãe As mães também são beneficiadas pelo processo da amamentação no seu aspecto biopsicossocial. Ajuda no retorno ao peso normal no puerpério, proporciona involução uterina mais rápida, diminuindo o sangramento pós-parto e a anemia, contribui para proteger contra o câncer de mama e de ovário, amplia o espaçamento entre os partos, visto que o efeito contraceptivo é de

20 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 6 98% se a amamentação é exclusiva e por livre demanda e se a mulher se mantém amenorréica, nos primeiros seis meses de vida da criança (GARTNER et al, 1997; OLAYA-CONTRERAS et al, 1999; ALMEIDA, 2002; MENDONÇA, 2002). Estudos têm relatado que o intervalo entre os nascimentos em populações que amamentam é 50% maior do que naquelas populações onde o aleitamento materno não é praticado. As mulheres que amamentam por tempo prolongado (1 a 2 anos), sem usar métodos anticoncepcionais, têm espaçamento entre os partos de 5 a 10 meses maior do que aquelas que não o fazem. Além disso, diminui o risco da osteoporose e fortalece a ligação entre mãe e filho (GIUGLIANI, 1994). Segundo um estudo realizado em Bogotá (OLAYA-CONTRERAS et al, 1999), a lactância materna no primeiro filho confere 91% de proteção contra o câncer de mama para as mulheres que amamentarem até por 11 meses e 99% para as que amamentarem até 12 meses. Em contrapartida, há um risco maior de câncer de mama nas mulheres que não amamentaram o seu primeiro filho ou nunca o fizeram ou tiveram uma lactância acumulada (somatório de todos os períodos nos quais a mulher esteve amamentando) inferior a 24 meses. Este efeito protetor está diretamente relacionado com a lactância acumulada, ao observar-se a proteção de 92% entre os meses e de 95% após os 60 meses. A proteção contra este tipo de câncer, propiciado pela lactância materna, é explicado pela menor exposição endógena a estrógenos, resultado do aumento da prolactina, a qual ocasiona distanciamento dos ciclos ovulatórios e a maturação mais cedo das células mamárias, expondo-as menos a mudanças mutagênicas e contaminantes ambientais com atividade

21 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 7 estrogênica. A eliminação, através do leite, destes componentes é diretamente proporcional ao tempo oferecido de lactância (OLAYA-CONTRERAS et al., 1999; LIMA et al, 2001) Para a Sociedade e o Estado No aspecto econômico e social, o aleitamento materno possui grande importância. Poupa recursos na microeconomia, pois a alimentação artificial é mais dispendiosa, sendo responsável pelo gasto mensal, em média, de 23% a 68% do salário mínimo para alimentar um bebê nos primeiros seis meses de idade, no Brasil. Diminui os atendimentos médicos e hospitalares, a necessidade de medicamentos e ausência ao trabalho pelos pais, já que as crianças adoecem menos, o que reduz o índice de repetência escolar (GARTNER et al, 1997; GIUGLIANI, 2000; ALMEIDA, 2002). Em um estudo realizado por Carvalho et al no Rio de Janeiro, em 1994, verificou-se que o custo econômico para alimentar uma criança no seu primeiro ano de vida com substituto do leite materno (recorrendo-se à alternativa de menor custo e sem levar em conta outros gastos) ficaria em média em US$ 43/mês, enquanto que a criança que mama ao seio necessita de 5% de um salário mínimo para suprir suas necessidades (ALMEIDA, 2002). Para o Estado, o aleitamento exclusivo até os seis meses significa, em longo prazo, uma população mais saudável fisicamente, com maior capacidade intelectual, melhorando a qualidade de vida e contribuindo para o status de uma nação mais digna (ALMEIDA e GOMES, 1998; MENDONÇA, 2002). Em termos de intercâmbio comercial para o Brasil, o desmame precoce leva a importações e perda de divisas, visto que o país não dispõe de bacia leiteira

22 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 8 e parque industrial suficiente para atender quantitativa e qualitativamente essa prática (CARVALHO et al, 2000; MENDONÇA, 2002). O Brasil desperdiçou, na última década, aproximadamente 300 milhões de litros de leite humano por ano em decorrência do desmame precoce. Um estudo realizado no Rio de Janeiro afirma que US$ 208 milhões foram gastos para cobrir os custos da reposição deste volume, utilizando-se leite tipo C. Caso fosse utilizado leite em pó, tradicionalmente mais caro do que o leite tipo C, mesmo selecionando aquele de menor custo disponível no mercado, este valor aumentaria para US$ 300 milhões (CARVALHO et al, 1994). 1.3 Frequência e Duração do Aleitamento Materno Apesar destas considerações, o desmame é uma realidade no mundo e no nosso país. Vários estudos têm investigado a frequência do aleitamento materno e, por outro lado, a ocorrência do desmame. Gartner et al (1997) demonstraram, em estudo realizado em 1995, que 59,4% das mulheres nos Estados Unidos amamentavam seus bebês exclusivamente ou em combinação com formulações, no momento da alta hospitalar, e somente 21,6% das mães estavam amamentando aos 6 meses. De acordo com o UNICEF (1998), de 1990 a 1996, 44% das crianças no mundo eram alimentadas exclusivamente com leite materno dos 0 aos 3 meses, diminuindo para 38% na América Latina. Entre os 6 e 9 meses, a frequência de crianças em aleitamento materno complementado era de 45% e 44%, e aleitamento continuado até os 23 meses, 50% e 22%, respectivamente, no mundo e na América Latina.

23 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 9 Houve um aumento de 39% para 46% para o aleitamento exclusivo entre crianças de 0 e 3 meses no mundo em desenvolvimento, no período de 1989 a 1999, representando um ganho de 18% (UNICEF, 2002). A meta da Cúpula Mundial pela Criança para o aleitamento materno, no período de 1990 a 2000, era possibilitar condições para que todas as mulheres pudessem amamentar suas crianças exclusivamente com leite materno, durante os seis primeiros meses do bebê, e continuar o aleitamento materno até o segundo ano de vida. O que se conseguiu, de acordo com o Relatório do Secretário Geral da ONU, de maio de 2001, foi um aumento de aproximadamente 1/5 nos índices de aleitamento materno; metade das crianças amamentadas exclusivamente durante os quatro primeiros meses e progresso na amamentação até o segundo ano de vida (UNICEF, 2002). Ao analisar a situação do aleitamento materno no Brasil e suas regiões, percebe-se um aumento significativo nesta prática, principalmente nas áreas urbanas das grandes cidades, resultado este que se percebe de forma mais discreta no interior urbano e nas áreas rurais (COUTINHO, 2003). Em dois anos (1997 a 1999), no Brasil, houve um aumento na duração da amamentação de sete para 10 meses. O aleitamento materno exclusivo até os quatro meses aumentou aproximadamente em 10 vezes, no período de 1986 a 1996 (REA, 2003). A prevalência do aleitamento materno e aleitamento materno exclusivo, em 1999, era de 88% e 53,1%, respectivamente, nos primeiros 30 dias. Aos 180 dias, esses números diminuem para 72,9% e 9,7%, respectivamente (MS, 2001a; 2001b). Na mesma ordem de descrição, em relação ao Nordeste, em 1999, os dados eram de 86,7% e 55,4% (0-30 dias) e 69,6% e 10,7%, em menores de

24 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 10 seis meses. Recife, capital do Estado de Pernambuco, possuía uma prevalência de aleitamento materno exclusivo de 37,1%, no primeiro mês, diminuindo para 11,9% aos seis meses (MS, 2001a, 2001b). Um estudo realizado em Feira de Santana, interior da Bahia, mostra números um pouco melhores. Em 3898 crianças estudadas, a freqüência de aleitamento materno exclusivo até o terceiro mês foi de 45,6% e de 36,9%, nos menores de 6 meses (VIEIRA et al, 1998). A situação não é muito diferente nas outras regiões do país. Um estudo realizado no município de Montes Claros, norte de Minas Gerais, indica que a duração mediana do aleitamento materno é de 8,7 meses e do aleitamento materno exclusivo 27 dias, bem abaixo do esperado pelos órgãos de saúde (CALDEIRA e GOULART, 2000). Na cidade de São Carlos, região central do Estado de São Paulo, de 3326 mães entrevistadas, 52,4% das crianças com menos de um mês estavam em amamentação exclusiva, e das 532 crianças com menos de quatro meses, 37,8% recebiam o mesmo tipo de alimentação (MONTRONE e ARANTES, 2000). Em estudo mais recente no mesmo Estado, abrangendo 84 municípios investigados, a freqüência de amamentação exclusiva em menores de quatro meses apresentou uma ampla variação (0 54%), e apenas 32% deles registrou prevalência maior que 20% (VENÂNCIO et al, 2002). Comparando-se duas capitais brasileiras, uma do Sul (Florianópolis) e outra do Nordeste (João Pessoa), a prevalência de aleitamento exclusivo em menores de 4 meses é de 46,3% e 23,9%, respectivamente. As medianas de duração de aleitamento exclusivo e amamentação foram de 53 e 238 dias, respectivamente, em Florianópolis e 16,5 e 195 dias em João Pessoa,

25 Liliane de Jesus Bittencourt Aleitamento Materno Exclusivo no Estado de Pernambuco 11 demonstrando, por esse estudo, uma situação bem melhor no sul do país (KITOKO et al, 2000). 1.4 O Desmame e as Iniciativas Institucionais Esses dados demonstram que, mesmo sendo elevada a incidência do aleitamento e de pequenos avanços serem percebidos na sua duração, ainda é elevada a frequência de desmame precoce, principalmente quando se reporta ao nordeste brasileiro. São várias as causas atribuídas a esse comportamento, como a falta de conhecimento das mães sobre as vantagens do aleitamento, falta de apoio familiar, bem como de infra-estrutura no seu núcleo (muitos filhos, desemprego), interferência de vizinhos, parentes, amigos (SANDRE- PEREIRA et al, 2000; FRANCO e SHIMO, 2001; RAMOS e ALMEIDA, 2003). Outro fator também destacado é a falta de incentivo e orientação por parte dos profissionais de saúde, que não percebem ou não consideram o aleitamento materno relevante na sua prática. A amamentação só passa a ser da alçada médica quando se transforma numa patologia e numa intercorrência (SILVA, 2000). A importância da prática do aleitamento materno fez com que diversos profissionais ligados a instituições não governamentais, como a International Baby Food Action Work - Rede IBFAN, World Alliance for Breastfeeding Action - WABA, entre outros, voltassem a atenção para o seu resgate. No Brasil, em 1979, foi criado pelo Instituto Nacional de Alimentação e Nutrição (INAN/MS) o Grupo Técnico Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno (GTENIAM). Atualmente, o Ministério da Saúde (MS) inclui o incentivo ao aleitamento materno como uma das ações básicas de saúde. Mesmo na

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAVALCANTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROJETO ALEITAMENTO MATERNO APRESENTAÇÃO O aleitamento materno exclusivo (AME) é sinônimo de sobrevivência para o recém-nascido,

Leia mais

IMPACTO DA MAMADEIRA NO COMPORTAMENTO VIDA ESTUDO TRANSVERSAL

IMPACTO DA MAMADEIRA NO COMPORTAMENTO VIDA ESTUDO TRANSVERSAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIEVANGÉLICA CURSO DE ENFERMAGEM IMPACTO DA MAMADEIRA NO COMPORTAMENTO DE AMAMENTAR NOS PRIMEIROS DOIS ANOS DE VIDA ESTUDO TRANSVERSAL Marcela de Andrade Silvestre Sandra Valéria

Leia mais

TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL

TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL TRAJETÓRIA DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO NO BRASIL Palavras-chave: Aleitamento Materno; Políticas Públicas de Saúde, Desmame Precoce Introdução A alimentação infantil deve

Leia mais

XI ENCONTRO DE ALEITAMENTO MATERNO SANTOS, SÃO PAULO MESA-REDONDA: VINCULO E DEPRESSÃO PÓS-PARTO: APOIO ÀS MÃES E FAMILIARES

XI ENCONTRO DE ALEITAMENTO MATERNO SANTOS, SÃO PAULO MESA-REDONDA: VINCULO E DEPRESSÃO PÓS-PARTO: APOIO ÀS MÃES E FAMILIARES XI ENCONTRO DE ALEITAMENTO MATERNO SANTOS, SÃO PAULO 2010 MESA-REDONDA: VINCULO E DEPRESSÃO PÓS-PARTO: APOIO ÀS MÃES E FAMILIARES SINTOMAS DE DEPRESSÃO PÓS-PARTO E INTERRUPÇÃO PRECOCE DO ALEITAMENTO MATERNO

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ASPECTOS ASSOCIADOS À AMAMENTAÇÃO E DESMAME EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO PROGRAMA BEBÊ-CLÍNICA EM BANDEITANTES-PR

ASPECTOS ASSOCIADOS À AMAMENTAÇÃO E DESMAME EM CRIANÇAS ATENDIDAS NO PROGRAMA BEBÊ-CLÍNICA EM BANDEITANTES-PR 1 Odontóloga Professora Mestre da Faculdade Estácio de Sá - FES/Juiz de Fora MG, profesora de Saúde Coletiva e políticas de Saúde no curso de Odontologia e Fisioterapia; 2 Farmacêutico Bioquímico - Pesquisador

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA

17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA 17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA Autor(es) SHEILA MARIA DAROZ Orientador(es) ANGELA MÁRCIA FOSSA Apoio

Leia mais

População total = 417 983 Censo 2000

População total = 417 983 Censo 2000 AS AÇÕES BEM SUCEDIDAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NUTR. JULIANA C. F. DE OLIVEIRA CHEFE DA SEÇÃO DE AÇÕES PREVENTIVAS COORDENADORIA DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE SECRETARIA

Leia mais

Amamentação e Segurança Alimentar

Amamentação e Segurança Alimentar Amamentação e Segurança Alimentar Penny Van Esterik Segurança alimentar significa a garantia de obtenção de alimento em quantidade e qualidade suficiente para que todos possam manter uma vida produtiva

Leia mais

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE MARIN, T; MORAES, A.C.S. Resumo:O aleitamento materno consiste na prática alimentar ideal para

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I

RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I RELAÇÃO ENTRE CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E ESTADO NUTRICIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS NA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA REGIÃO AURENY I Lorenna Martins da Silva 1 ; José Gerley Díaz Castro 2 ; Renata Junqueira

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO EM CRIANÇAS ATENDIDAS PELA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SÃO SEBASTIÃO EM JUIZ DE FORA MG.

AVALIAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO EM CRIANÇAS ATENDIDAS PELA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SÃO SEBASTIÃO EM JUIZ DE FORA MG. AVALIAÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO EM CRIANÇAS ATENDIDAS PELA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE SÃO SEBASTIÃO EM JUIZ DE FORA MG. Evaluation of Breast-feeding in children attended by the São Sebastião Basic Health

Leia mais

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável

Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Estratégia Nacional de Promoção da Alimentação Complementar Saudável Janeiro/2009 1. Introdução A introdução de alimentos na dieta da criança após os seis meses de idade tem a função de complementar as

Leia mais

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826

PARECER COREN-SP 021/2013 CT. PRCI n 100.555. Ticket nº 249.826 PARECER COREN-SP 021/2013 CT PRCI n 100.555 Ticket nº 249.826 Ementa: Indicação e prescrição pelo Enfermeiro de leite artificial e outras fórmulas. 1. Do fato Enfermeira informa que colabora na formulação

Leia mais

Reflexões sobre Amamentação e Ganho de Peso de Crianças Pequenas

Reflexões sobre Amamentação e Ganho de Peso de Crianças Pequenas Reflexões sobre Amamentação e Ganho de Peso de Crianças Pequenas Ana Júlia Colameo Apresentação elaborada para o seminário Amamentar às Segundas, agosto de 2013 Desenvolvimento infantil: É a transformação

Leia mais

Alimentação e Nutrição

Alimentação e Nutrição Seminário Estadual de Saúde Doenças da Pobreza Atenção Básica Alimentação e Nutrição Palestrante: Cláudia Montal Nutricionista da SESAB Risco de Desnutrição em < de 5 nos - Bahia 97,3% municípios apresentam

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (X

Leia mais

Carla Eduarda da Silva Sousa. Questionário. O Conhecimento dos docentes da Faculdade de Ciências da Saúde da UFP sobre Aleitamento Materno

Carla Eduarda da Silva Sousa. Questionário. O Conhecimento dos docentes da Faculdade de Ciências da Saúde da UFP sobre Aleitamento Materno Carla Eduarda da Silva Sousa Questionário O Conhecimento dos docentes da Faculdade de Ciências da Saúde da UFP sobre Aleitamento Materno Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto,

Leia mais

INICIATIVA HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA

INICIATIVA HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA MINISTÉRIO DA SAÚDE INICIATIVA HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Secretaria de Atenção à Saúde Brasília -

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

CONHECIMENTOS, MITOS E CRENÇAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO ENTRE PRIMÍPARAS EM UM HOSPITAL GERAL NA CIDADE DE TAUBATÉ SP

CONHECIMENTOS, MITOS E CRENÇAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO ENTRE PRIMÍPARAS EM UM HOSPITAL GERAL NA CIDADE DE TAUBATÉ SP CONHECIMENTOS, MITOS E CRENÇAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO ENTRE PRIMÍPARAS EM UM HOSPITAL GERAL NA CIDADE DE TAUBATÉ SP Vanessa Cezaria de Faria 1, Liliane Moreira Leal 2, Luciane Alcantara de Andrade

Leia mais

A Deficiência de Vitamina A

A Deficiência de Vitamina A Oficina de trabalho: Carências Nutricionais: Desafios para a Saúde Pública A Deficiência de Vitamina A O QUE É VITAMINA A A vitamina A é um micronutriente que pode ser encontrado no leite materno, alimentos

Leia mais

PERFIL DA AMAMENTAÇÃO NO PRIMEIRO ANO DE VIDA NO MUNICÍPIO DE MIRANDA MS, 2012.

PERFIL DA AMAMENTAÇÃO NO PRIMEIRO ANO DE VIDA NO MUNICÍPIO DE MIRANDA MS, 2012. PERFIL DA AMAMENTAÇÃO NO PRIMEIRO ANO DE VIDA NO MUNICÍPIO DE MIRANDA MS, 2012. Dayane Marcela Carvalho da Silveira (Apresentadora) 1, Adriana Zilly (Colaboradora) 2, Marieta Fernandes (Orientadora) 3.

Leia mais

Promovendo o vínculo mãe bebe e o desenvolvimento infantil. Dr. Ricardo Halpern

Promovendo o vínculo mãe bebe e o desenvolvimento infantil. Dr. Ricardo Halpern Promovendo o vínculo mãe bebe e o desenvolvimento infantil Dr. Ricardo Halpern Período natural de amamentação 2,5-7 anos Tradicionalmente 3 a 4 anos OMS amamentação exclusiva 4-6 meses Complementada até

Leia mais

ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO EM PUÉRPERAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO NO AMBULATÓRIO RN DE RISCO DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO EM PUÉRPERAS SOBRE O ALEITAMENTO MATERNO NO AMBULATÓRIO RN DE RISCO DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ANÁLISE DO

Leia mais

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1.

Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES. Co-Autor(es) MARCIA ALVES DE MATOS MARIANA RODRIGUES UBICES. Orientador(es) ANGELA MARCIA FOSSA. 1. 7º Simpósio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DO RISCO PARA MORTALIDADE PÓS-NEONATAL EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DE PIRACICABA, INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Autor(es) MARIANA APARECIDA RODRIGUES Co-Autor(es)

Leia mais

TÍTULO: AUTORAS INSTITUIÇÃO: E-mail ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORAS INSTITUIÇÃO: E-mail ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: AÇÕES EDUCATIVAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NO PRIMEIRO ANO DE VIDA EM UMA COMUNIDADE DA CIDADE DO RECIFE. AUTORAS: Osório, M.M.; Javorski,M.; Santana, S.C.S.; Leal, L.P.;

Leia mais

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio

compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio MINISTÉRIO DA SAÚDE Nutrição na Atenção Básica B : compromisso para alcançar ar as metas de desenvolvimento do milênio 11ªCongresso Mundial de Saúde Pública Rio de Janeiro, 25/08/06, COORDENAÇÃO GERAL

Leia mais

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PRÁTICAS ALIMENTARES EM CRIANÇAS MENORES DE UM ANO DE IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Maria Alice Nunes De Campos Monteiro 1 ; Flávia Ponzio Breda Dos Santos¹;

Leia mais

BERNARDI JR, LOUZADA ML, RAUBER F, GAMA CM, VITOLO MR. 11 de Junho de 2010.

BERNARDI JR, LOUZADA ML, RAUBER F, GAMA CM, VITOLO MR. 11 de Junho de 2010. Implementação dos Dez Passos da Alimentação Saudável para Crianças Brasileiras Menores de Dois Anos em Unidades de Saúde: ensaio de campo randomizado por conglomerados BERNARDI JR, LOUZADA ML, RAUBER F,

Leia mais

Autores: Cristiano Siqueira Boccolini (HM Herculano Pinheiro) Patricia de Moraes Mello Boccolini (ENSP/Fiocruz) Introdução A morbimortalidade por doenças diarréicas : Responsável por cerca de 4 milhões

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR

Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR Perfil das gestantes adolescentes na assistência ao pré-natal na clinica materno infantil em Sarandi - PR ADRIANA SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ SANDRA MARISA PELLOSO (UEM)² EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)³

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E CARACTERÍSTICAS DAS FAMÍLIAS INSCRITAS NO PROGRAMA BOLSA-ESCOLA DE BELO HORIZONTE

TRABALHO INFANTIL E CARACTERÍSTICAS DAS FAMÍLIAS INSCRITAS NO PROGRAMA BOLSA-ESCOLA DE BELO HORIZONTE TRABALHO INFANTIL E CARACTERÍSTICAS DAS FAMÍLIAS INSCRITAS NO PROGRAMA BOLSA-ESCOLA DE BELO HORIZONTE Michelle dos Santos Diniz Ada Ávila Assunção Waleska Teixeira Caiaffa Mery Natali Silva Trabalho infantil

Leia mais

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ

ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ANALISAR A QUALIDADE ALIMENTAR DE CRIANÇAS DE 3 A 5 ANOS DE IDADE, NO MEIO FAMILIAR, DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA E DE UMA PÚBLICA DE APUCARANA-PARANÁ ALVES,K.L.; MARIN,T. Resumo: Alimentação saudável é

Leia mais

CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM: REDUZINDO A INCIDÊNCIA DE PROBLEMAS MAMÁRIOS

CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM: REDUZINDO A INCIDÊNCIA DE PROBLEMAS MAMÁRIOS ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (x) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONSULTA PUPERPERAL DE ENFERMAGEM:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE POLÍTICA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Versão Final (Aprovada pelo Conselho Estadual de Saúde) Porto Alegre, fevereiro

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação.

APRESENTAÇÃO. A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. APRESENTAÇÃO A adoção de alojamento conjunto é uma das medidas consideradas facilitadoras ao início da amamentação. Em 1983, o hoje extinto INAMPS publicou uma portaria tornando a medida obrigatória em

Leia mais

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer

Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer Avaliação do grau de implementação do programa de controle de transmissão vertical do HIV em maternidades do Projeto Nascer 1 CRÉDITOS Elaboração do relatório Elizabeth Moreira dos Santos (ENSP/FIOCRUZ)

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA

CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 CONHECIMENTO MATERNO SOBRE O DESENVOLVIMENTO MOTOR NORMAL NO PRIMEIRO ANO DE VIDA Janaina de Fátima Poteriko 1 ; Ana Lucia de Sá Yamazaki 2 RESUMO: O desenvolvimento

Leia mais

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira

Momento II. ASF Região Sul. Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança. Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira Momento II ASF Região Sul Assistência integral à saúde do recém-nascido e da criança Prof. Dra. Ana Cecília Lins Sucupira CICLO DE VIDA DA CRIANÇA O ciclo de vida da criança compreende um ser que vivencia

Leia mais

AS DIFICULDADES NO ALEITAMENTO MATERNO DE BEBÊS DE RISCO NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UBS PLANALTO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA SP

AS DIFICULDADES NO ALEITAMENTO MATERNO DE BEBÊS DE RISCO NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UBS PLANALTO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA SP V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AS DIFICULDADES NO ALEITAMENTO MATERNO DE BEBÊS DE RISCO NA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA UBS PLANALTO DO MUNICÍPIO DE MARÍLIA

Leia mais

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE

Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Seminário Métodos em Epidemiologia: ESTUDOS DE COORTE Cesar Victora, UFPEL Rio, agosto de 25 Tópicos Tipologia e exemplos de coortes Coortes de Pelotas Metodologia Análise Por que fazer coortes no Brasil?

Leia mais

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com

Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Prof. Edison Barlem ebarlem@gmail.com Educação do olhar enxergar entender AÇÃO compreender entender textos e Condicionantes da Saúde da cria sistemas cidade meio ambiente idoso família pré-natal saúde

Leia mais

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011

PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 PORTARIA N.80, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a criação da Iniciativa Hospital Amigo da Criança - IHAC pela Organização Mundial da

Leia mais

Por que fazer o Censo de 2010?

Por que fazer o Censo de 2010? Por que fazer o Censo de 2010? Diretoria de Pesquisas 18.08.2010 Introdução...2 Para acompanhar evolução da ocupação do território e planejar o seu desenvolvimento sustentável....2 Para avaliar, planejar

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

ATENÇÃO A SAÚDE DA CRIANÇA: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NO MUNÍCIPIO DE SANTA MARIA 1

ATENÇÃO A SAÚDE DA CRIANÇA: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NO MUNÍCIPIO DE SANTA MARIA 1 ATENÇÃO A SAÚDE DA CRIANÇA: UMA ANÁLISE DE SUA IMPLEMENTAÇÃO NO MUNÍCIPIO DE SANTA MARIA 1 Cerezer, J. 2, Pozzobon, L. 2, Oliveira, N. 2, Vedoin, P. 2, Colomé, J. 3. 1 Trabalho desenvolvido na Disciplina

Leia mais

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL

PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL SÓCIO-DEMOGRAFICO DE MULHERES EM CONSULTA DE ENFERMAGEM PUERPERAL NIKKEL, FRANCIELLE TAMARA 1 GEHRING, LETÍCIA BARROS 2 LEMOS,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA

1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA 13 1 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA O aleitamento materno é um modo insubstituível de fornecer o alimento ideal para o crescimento e desenvolvimento saudáveis de recém-nascidos e além disso, tem importante

Leia mais

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal?

Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? Clampeamento do cordão umbilical: qual o momento ideal? XI Encontro Nacional de Aleitamento Materno 2010/Santos - SP Sonia Venancio PqC VI - Instituto de Saúde/SES/SP soniav@isaude.sp.gov.br Polêmica A

Leia mais

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte

Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Prevalência e fatores associados ao tabagismo em jovens e adolescentes de Belo Horizonte Charles Ferreira de Souza 1, Mery Natali Silva Abreu 1, Cibele Comini César 1, Deborah Carvalho Malta 2, Valeska

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS

II Simpósio Gestão Empresarial e Sustentabilidade 16, 17 e 18 de outubro de 2012, Campo Grande MS DIAGNÓSTICO SÓCIOAMBIENTAL E MONITORIZAÇÃO DA DOENÇA DIARREICA AGUDA EM MORADORES DE UMA ÁREA DE ABRANGÊNCIA DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA CAMPO GRANDE/MS RESUMO: Sabrina Piacentini O presente trabalho

Leia mais

Amamentação: sobrevivência infantil e. qualidade de. vida. 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz

Amamentação: sobrevivência infantil e. qualidade de. vida. 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz Amamentação: sobrevivência infantil e qualidade de vida 1 2 Nutricionista Materno Infantil Rejane Radunz PROMOVENDO O ALEITAMENTO MATERNO POR QUE A AMAMENTAÇÃO É IMPORTANTE? A Organização Mundial da Saúde

Leia mais

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA

MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA MÉTODO MÃE CANGURU: PERCEPÇÃO DAS PUÉRPERAS DE UMA MATERNIDADE NO ESTADO DA PARAÍBA BEZERRA, Nanci Candido, Faculdade Santa Maria, nanci.candido26@gmail.com. SILVA, Evandro Dantas, Faculdade Santa Maria.

Leia mais

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE

A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE A PERCEPÇÃO DE MÃES QUANTO A ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR EM CRIANÇAS DE SEIS MESES A DOIS ANOS DE IDADE Tiago de Sousa Barros 20, Tatiane Gomes Guedes 21, Jéssika Nayara Sousa Barros 2, Francisca Elba Pereira

Leia mais

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL I Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil Parceria FAPESP e FMCSV EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Dr Elsa Regina Justo Giugliani Pediatra, coordenadora da Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Ministério da Saúde, Brasil

Dr Elsa Regina Justo Giugliani Pediatra, coordenadora da Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno, Ministério da Saúde, Brasil POLÍTICAS PÚBLICAS DE INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO: A EXPERIÊNCIA DO BRASIL Carolina Belomo de Souza Nutritionniste, chargée de mission en éducation et promotion de la santé, DATER, INPES Dr Lilian

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES? 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OTITE EM LACTENTES? Francis Farias de Oliveira 1 ; Raquel Colombo Tixiliski Karolkievicz 1 ; Cristiane Faccio Gomes 2 RESUMO:

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características

26/4/2012. Inquéritos Populacionais Informações em Saúde. Dados de Inquéritos Populacionais. Principais Características. Principais Características Inquéritos Populacionais Informações em Saúde Dados de Inquéritos Populacionais Zilda Pereira da Silva Estudos de corte transversal, únicos ou periódicos, onde são coletadas informações das pessoas que

Leia mais

Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da. Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil

Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da. Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil Projeto da IBFAN Brasil para Fomento das atividades da Semana Mundial de Aleitamento Materno no Brasil a ser realizado com apoio do Senac São Paulo e Santander Universidades Maio 2008 2 Nome da organização:

Leia mais

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos.

Relatório Mesa 4. REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. Relatório Mesa 4 OBJETIVO 4 Meta 5 REDUZIR A MORTALIDADE INFANTIL Reduzir em dois terços, entre 1990 e 2015, a mortalidade de crianças menores de 5 anos. I. Introdução Após a apresentação dos participantes

Leia mais

P R O J E T O ALVORADA

P R O J E T O ALVORADA P R O J E T O ALVORADA O Projeto Alvorada foi idealizado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso para reduzir as desigualdades regionais e elevar a qualidade de vida das populações mais carentes do País.

Leia mais

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ

AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 AMAMENTAÇÃO NA SÍNDROME DE DOWN: O CONHECIMENTO DAS MÃES SOBRE A POSTURA MÃE/BEBÊ Camila de

Leia mais

FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE TAPIRA APROVOU E EU, NOS TERMOS DO ART. 44 6º DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO PROMULGO A SEGUINTE LEI:

FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE TAPIRA APROVOU E EU, NOS TERMOS DO ART. 44 6º DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO PROMULGO A SEGUINTE LEI: PROJETO DE LEI Nº 03/2013 Alteram os artigos 88, 89, 90 e revoga o artigo 91 todos da Lei 442 de 10 de dezembro de 1990. FAÇO SABER QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE TAPIRA APROVOU E EU, NOS TERMOS DO ART. 44

Leia mais

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013

Redução da mortalidade na infância no Brasil. Setembro de 2013 Redução da mortalidade na infância no Brasil Setembro de 2013 Taxa de mortalidade na infância 62 Redução de 77% em 22 anos (em menores de 5 anos) 1990 33 14 2000 *Parâmetro comparado internacionalmente

Leia mais

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros

Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil em municípios brasileiros Universidade Federal da Bahia - Instituto de Saúde Coletiva Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva Doutorado em Saúde Pública Impacto do Programa de Saúde da Família na redução da mortalidade infantil

Leia mais

INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA

INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA FATORES ASSOCIADOS AO ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO E SUA RELAÇÃO COM A PRODUÇÃO DO CUIDADO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DO MUNICÍPIO

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL

VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL V Mostra Interna de Trabalhos de Iniciação Científica 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 VISÃO DO PAI FRENTE À AMAMENTAÇÃO: SEIO EROTICO OU SEIO MATERNAL Janete Giuliane Tavares 1 ; Laís

Leia mais

21ª. SEMANA MUNDIAL DA AMAMENTAÇÃO 2013

21ª. SEMANA MUNDIAL DA AMAMENTAÇÃO 2013 21ª. SEMANA MUNDIAL DA AMAMENTAÇÃO 2013 WABA- WORLD ALLIANCE OF BRASTFEEDING Breastfeeding Support: Close To Mothers Aconselhamento em amamentação: perto das mães. Profa. Dra. Ana Cristina F. Vilhena Abrão-Escola

Leia mais

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2

Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE. Fone: (45) 3220-3247. E-mail: brosana@unioeste.br 2 DIAGNÓSTICO SOBRE A MORTALIDADE INFANTIL NO BRASIL EM CRIANÇAS MENORES DE 5 ANOS NO PERÍODO DE 2002 A 2005 PARA SUBSIDIAR AÇÕES DE ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira 1 Cláudia

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS

Relatório de Pesquisa. Campina Grande 2010 KÉTSIA MEDEIROS Núcleo de Pesquisa e Extensão (Nupex) Curso: Fisioterapia Equipe: Professor coordenador/orientador: Kétsia Medeiros Alunos: Arélli Pâmella Brasileiro Chaves Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz Mariana

Leia mais

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA

MORTALIDADE FETAL SEGUNDO VARIÁVEIS RELACIONADAS À MÃE NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV Inês Mindlin Lafer gerente de programas 27 de maio de 2010 Agenda Apresentação FMCSV Os projetos Comunitários FMCSV A avaliação

Leia mais

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA

ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA ID:1921 CARACTERIZAÇÃO DA SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE DA POPULAÇÃO DOS MUNICÍPIOS DO PROGRAMA MÃE CORUJA PERNAMBUCANA de Andrade Lima, Ana Elizabeth; Pinheiro Rodrigues, Cristina; da Fonseca Santa Cruz,

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso

Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Compromissos do setor saúde com a Ação Brasil Carinhoso Secretaria de Atenção à Saúde Ministério da Saúde Encontro Nacional de Novos Prefeitos e Prefeitas Educação e Saúde no Brasil Sem Miséria Eixos de

Leia mais

RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO

RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO RECOMENDAÇÕES E CUIDADOS NO PRÉ-NATAL PARA PREVENIR TRANSTORNOS MAMÁRIOS NO PUERPÉRIO CORINTIO MARIANI NETO Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros Universidade Cidade de São Paulo Comissão Nacional

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos

OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos I Mostra Estadual de Atenção Primária em Saúde Curitiba - PR OFICINA: Guia Alimentar para Crianças Menores de Dois Anos Gisele Ane Bortolini Helen Duar Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição

Leia mais

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Prof. Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com A estatística tem como objetivo fornecer informação (conhecimento) utilizando quantidades numéricas. Seguindo este raciocínio, a estatística

Leia mais

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA O EIXO DE GARANTIA DE RENDA NO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA Os expoentes do eixo de garantia de renda do Plano Brasil sem Miséria são o Programa Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), ambos

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO um factor promotor de saúde

ALEITAMENTO MATERNO um factor promotor de saúde ALEITAMENTO MATERNO um factor promotor de saúde Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde 12 Outubro 2007 Objectivo da sessão Abordar/relembrar os principais benefícios do aleitamento materno Lactente

Leia mais

A importância da primeira infância

A importância da primeira infância A importância da primeira infância Cesar Victora Professor Emérito da Universidade Federal de Pelotas Presidente da Associação Epidemiológica Internacional Perito em Nutrição Infantil da Organização Mundial

Leia mais

Mestranda: Ana Lucia Naves Alves Orientadora: Prof. Dra. Maria Inês Couto de Oliveira

Mestranda: Ana Lucia Naves Alves Orientadora: Prof. Dra. Maria Inês Couto de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE SAÚDE DA COMUNIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SAÚDE COLETIVA LINHA DE PESQUISA: ESTUDO DAS CONDIÇÕES E DETERMINANTES DA SAÚDE DA POPULAÇÃO EVOLUÇÃO DA PRÁTICA

Leia mais

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva

Vigilância Epidemiológica. Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva Vigilância Epidemiológica Meio Ambiente e Saúde Pública Prof. Adriano Silva EPIDEMIOLOGIA Epidemiologia é o estudo da frequência, da distribuição e dos condicionantes e determinantes dos estados ou eventos

Leia mais

INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO POR MEIO DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO EXPERIÊNCIA 1

INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO POR MEIO DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO EXPERIÊNCIA 1 INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO POR MEIO DE AÇÕES DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE: UM RELATO EXPERIÊNCIA 1 NAIDON, Ângela Maria 2 ; NEVES, Eliane Tatsch 3 ; PIESZAK, Greice Machado 4 RESUMO O Aleitamento Materno

Leia mais

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis

Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis Estratégias para eliminação da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis 1)Contextualização da Transmissão Vertical de HIV e de Sífilis A transmissão vertical do HIV (TVHIV) acontece pela passagem do vírus

Leia mais

Campanhas de Incentivo à Amamentação: a imposição do modelo ideal de maternidade Introdução

Campanhas de Incentivo à Amamentação: a imposição do modelo ideal de maternidade Introdução Campanhas de Incentivo à Amamentação: a imposição do modelo ideal de maternidade Suyane Oliveira Tavares; Cristina Saling Kruel; Catheline Rubim Brandolt; Danielle da Costa Souto & Elaine Ramos Bitelbron

Leia mais

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional.

3. Metodologia. Desenho do estudo. População alvo. Amostragem. Desenvolvimento dos instrumentos de coleta a. Estudo transversal de base populacional. 3. Metodologia Desenho do estudo Estudo transversal de base populacional. População alvo A população alvo da pesquisa foi representada por indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos no momento da

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais