Guia IR Personnalité 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia IR Personnalité 2015"

Transcrição

1 Guia IR Personnalité 2015

2 Guia IR Personnalité 2015 Índice Apresentação Guia IR Personnalité Orientações gerais Importante Identificação da fonte pagadora Dedução da contribuição à previdência de empregado doméstico Dependentes Entrega Obrigatoriedade de entrega da declaração Formas de entrega Multa pelo atraso na entrega Imposto a pagar ou restituir Antecipe sua restituição de IR Declaração de Bens e Direitos Investimentos Poupança Fundos de investimentos Fundos imobiliários Previdência Renda fixa Ações Consórcio Itaú Empréstimos pessoais e financiamentos de veículos Itaú crédito imobiliário Vídeos tutoriais

3 Imposto de Renda 2015 O Guia Personnalité IR 2015 tem o objetivo de auxiliá-lo no preenchimento da sua Declaração de Imposto de Renda, juntamente com as informações dos demonstrativos Informe Consolidado e Informe de Rendimentos Financeiros. O prazo para a entrega da declaração é de 02/03/15 a 30/04/15. Orientações Gerais Importante Os documentos referentes à sua Declaração de IR 2015 devem ser guardados pelo prazo de cinco anos, ou seja, até 31/12/2020. Consulte sempre o Manual de Preenchimento da Receita Federal. Caso exista alguma diferença em relação às informações constantes neste guia, sempre considere a regra da Receita Federal. A lei /11 corrigiu os valores da Tabela Progressiva Mensal aplicável a partir do ano-calendário de 2014, bem como os valores das deduções. Assim, a Tabela Progressiva Anual do IRPF 2015, ano-calendário de 2014, passou a ser: Base de Cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a Deduzir do Imposto (R$) Até , De ,25 até ,48 7,5% 1.608,99 De ,49 até ,16 15% 4.020,35 De ,17 até ,72 22,5% 7.235,54 Acima de ,72 27,5% 9.913,83 Fonte: site da RFB: O desconto simplificado (20%) passou para R$ ,89. O desconto por dependente passou para R$ 2.156,52. O valor da despesa com instrução passou a ser de até R$ 3.375,83. Identificação da fonte pagadora Cada fonte pagadora deverá ser relacionada separadamente, tanto na modalidade de declaração completa quanto na simplificada. 3

4 Dedução da contribuição à previdência de empregado doméstico Desde que obedecidos os demais requisitos legais, pode ser feita a dedução da contribuição patronal à Previdência Social paga pelo empregador, referente ao empregado doméstico, obedecendo ao limite de um empregado doméstico por declaração, calculado sobre um salário mínimo mensal, 13º salário e remuneração adicional de férias, cujo valor é dedutível diretamente do imposto devido e não poderá ultrapassar o valor divulgado pela RFB de R$ 1.152,88. Para isso, o contribuinte deverá informar o nome, o número de inscrição do empregado e o valor recolhido. Essa dedução está disponível apenas para declaração completa. Dependentes O contribuinte deverá informar obrigatoriamente, na declaração, o número do CPF de seus dependentes maiores de 18 anos. A Declaração de Isento não é mais obrigatória para nenhum dependente. Entrega Obrigatoriedade de entrega da declaração É obrigatória a entrega da declaração pelo contribuinte que tenha: Recebido rendimentos tributáveis sujeitos ao ajuste na declaração cuja soma foi superior a R$ ,55. Recebido rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ ,00. Obtido, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens de direito, sujeito a incidência de imposto, ou realizado operações em bolsas de valores de mercadorias, de futuros e assemelhados. Relativamente à atividade rural: obtido receita bruta superior a R$ ,75 ou que pretenda compensar, no ano-calendário de 2014 ou posteriores, prejuízos de anos-calendários anteriores ou do próprio ano-calendário de Tido posse ou propriedade em 31/12/2014 de bens ou direitos superiores a R$ 300 mil. Passado à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nessa condição se encontrava em 31 de dezembro. Vendido imóvel residencial em que houve opção pela isenção de IR sobre o ganho de capital, cujo produto foi utilizado para a aquisição de outro imóvel residencial no prazo de 180 dias (conforme art. 39 da Lei nº /05). Formas de entrega A declaração de Ajuste Anual deve ser apresentada no período de 02/03/2015 a 30/04/2015: Pela internet, no site onde você acessa o Programa Gerador da Declaração (Receitanet 2015) - entrega a partir de 02/03/2015 até as 23h59min59s do dia 30/04/

5 Deverá transmitir a declaração com a utilização de certificado digital o contribuinte que se enquadrou, no ano-calendário de 2014, em pelo menos uma das seguintes situações: I - recebeu rendimentos: a) tributáveis sujeitos ao ajuste anual, cuja soma foi superior a R$ ,00 (dez milhões de reais); b) isentos e não tributáveis, cuja soma foi superior a R$ ,00 (dez milhões de reais); c) tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ ,00 (dez milhões de reais); ou II - realizou pagamentos de rendimentos a pessoas jurídicas, quando constituam dedução na declaração, ou a pessoas físicas, quando constituam, ou não, dedução na declaração, cuja soma foi superior a R$ ,00 (dez milhões de reais), em cada caso ou no total. Multa pelo atraso na entrega A entrega da Declaração de Ajuste Anual após o prazo, quando obrigatória, sujeita o contribuinte à multa de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, calculada sobre o total do imposto devido nela apurado, ainda que integralmente pago. Tal multa tem como valor mínimo R$ 165,74 e como valor máximo 20% do IR devido. O valor mínimo da multa aplica-se inclusive a todos os declarantes com ou sem imposto a pagar, podendo ser deduzido do valor a ser restituído. Imposto a pagar ou a restituir Os valores de imposto a pagar ou a restituir serão corrigidos por juros mensais (taxa Selic), calculados a partir de 30/04/2015 até o mês anterior ao do pagamento, acrescidos de 1% no mês do pagamento. Estima-se que o primeiro lote de restituição seja disponibilizado em meados de junho. No entanto, o cronograma de restituição deve ser publicado pela Receita Federal. Caso haja imposto a pagar, a primeira cota ou cota única deverá ser paga até 30/04/2015. O parcelamento do imposto poderá ser feito em até oito cotas mensais, com vencimento no último dia útil de cada mês, observando o seguinte: Nenhuma cota deve ser inferior a R$ 50,00. O imposto de valor inferior a R$ 100,00 deve ser pago em uma única cota. Indique sua conta no Itaú Personnalité para crédito de sua restituição de Imposto de Renda. Itaú Unibanco Agência Conta 341 XXXX XX.XXX-X Caso você tenha imposto a pagar, o Itaú Personnalité lhe oferece a comodidade de cadastramento do débito automático das cotas (a partir da segunda cota). Para isso, informe no programa gerador do IR o número do banco (341), agência e conta corrente. A formalização do débito automático será apresentada no recibo da entrega da declaração. Importante: A 1ª cota de IR a pagar poderá ser agendada, se a declaração for entregue até 31/03/2015. Após essa data, deverá ser paga por meio de Darf até 30/04/

6 Antecipe sua restituição de IR O Itaú Personnalité disponibiliza o CrediPersonnalité IR 1 para seus clientes. Com ele, você tem crédito e taxas exclusivas para antecipar o valor da restituição de seu Imposto de Renda. Para usufruir essa conveniência, indique a sua conta 2 do Itaú Personnalité na sua restituição deste ano. Confira as vantagens: O valor antecipado é depositado diretamente na conta corrente indicada. O crédito poderá ser utilizado como você quiser, sem necessidade de comprovar o seu destino. Para sua comodidade, na data de recebimento da restituição3, o débito acontecerá automaticamente em sua conta corrente, em uma única parcela. Declaração de bens e direitos Devem ser relacionados os bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituíam em 31/12/2014, seu patrimônio e o de seus dependentes. A relação de bens está apresentada no informe (saldos em conta corrente e conta investimento consolidados e das diversas modalidades de aplicações mantidas no Itaú Personnalité) com os respectivos códigos, facilitando a transposição dessas informações para Declaração de Bens e Direitos. Somente é obrigatória a declaração de contas correntes, poupança e de aplicações financeiras com saldos superiores a R$ 140,00 em 31/12/2014. Importante: Além dos saldos em conta corrente e em aplicações financeiras, já mencionadas no Informe de Rendimentos, devem ser declarados: Os bens imóveis, os veículos automotores, as embarcações e as aeronaves, independentemente do valor de aquisição. Para mais orientações relativas a imóveis, consulte o Manual de Preenchimento. Os demais bens móveis, tais como antiguidades, obras de arte, objetos de uso pessoal e utensílios cujo valor de aquisição unitário seja igual ou superior a R$ 15 mil. Os investimentos em participações societárias, em ações negociadas, ou não, em bolsa de valores e em ouro, ativo financeiro, cujo valor de aquisição unitário seja igual ou superior a R$ 1 mil. Observação: As aplicações em PGBL e Fapi não devem ser registradas na declaração de bens e direitos, mas apenas em Pagamentos e Doações Efetuados com os códigos 36 e 38, respectivamente. Veja a seguir orientações para você declarar seus investimentos (poupança, fundos de investimento, fundos imobiliários, previdência, renda fixa e ações), consórcio, empréstimos pessoais, financiamentos de veículos e crédito imobiliário. 1- Sujeito a análise de crédito e disponível apenas para clientes pessoa física, correntistas do Banco Itaú. 2- No ato da contratação, deverá ser apresentado o recibo de entrega, contendo banco, agência e conta corrente para crédito. 3- Se a restituição não ocorrer em um dos lotes programados, será estabelecida uma data-limite. 6

7 Investimentos Poupança Como declarar Os rendimentos das Contas de Poupança devem ser lançados na ficha Rendimentos Isentos e não Tributáveis, e os saldos devem ser lançados na ficha Bens e Direitos de sua declaração com os códigos correspondentes. Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: RENDIMENTOS ISENTOS E NÃO TRIBUTÁVEIS - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTO CONTAS DE POUPANÇA(01)(**) 3.924, ,25 324,12 TOTAL 324,12 Importante: O item Contas de Poupança inclui os saldos de Poupança, Poupança Automática (Poup Aut) e Poupança Salário (Poup Sal). Para mais detalhes sobre como declarar esse investimento, consulte o vídeo tutorial de Poupança. Fundos de Investimento Como declarar Os rendimentos líquidos dos fundos de investimento devem ser lançados na ficha Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva e os saldos devem ser lançados na ficha Bens e Direitos de sua declaração com o código correspondente a cada modalidade de fundo. Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 FUNDOS DE INVESTIMENTO ITAÚ PERSONNALITÉ REFERENCIADO DI MAXIME FICFI (02) 898, , ,01 APLICAÇÕES DE RENDA FIXA CDB/RDB (01)(**) , ,95 TOTAL RENDIMENTOS LÍQUIDOS 700,57 119,42 819,99 7

8 Importante: detalhamento dos critérios utilizados na elaboração do seu Informe de Rendimentos referente a fundos de investimento: Fundo de Renda Fixa com Liquidez Diária (sem carência): saldo das cotas existentes em 31/12/2014 multiplicado pelo valor da cota da última tributação (a maioria ocorreu em 28/11/2014). Havendo aplicação após a última incidência de Imposto de Renda, o valor da aplicação foi adicionado ao saldo. Fundos de Ações cuja tributação ocorra somente no resgate das cotas ou na distribuição de lucros ou rendimentos: foi considerado o valor de aquisição das cotas. Fundos de Renda Fixa com Data de Aniversário: a) Não havendo aplicação após o último aniversário em 2014, o saldo existente em 31/12/2014 é calculado multiplicando-se a quantidade de cotas pelo valor da cota do último aniversário. b) Havendo aplicação após o aniversário, o valor da aplicação é adicionado ao saldo mencionado no item anterior. Fundos Mútuos de Privatização FGTS Petrobras e Vale do Rio Doce: para os fundos Petrobras FGTS e fundos Vale do Rio Doce FGTS (incluindo os fundos FGTS Carteira Livre), as informações dependem da ocorrência ou não de resgate em Veja a seguir: a) Não ocorrendo resgate: as informações não constam no Informe de Rendimentos Financeiros. b) Ocorrendo resgate, com pagamento diretamente ao cotista: b.1. No campo relativo a Rendimentos Isentos, foram informados os rendimentos oriundos da remuneração idêntica à do FGTS (TR + juros) e o valor principal sacado do FGTS. b.2. No campo relativo a Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva, foram informados os rendimentos provenientes do que exceder o valor isento (subitem de b.1., deduzindo-se o Imposto de Renda, se houver). c) Ocorrendo resgate com retorno da aplicação ao FGTS (Caixa Econômica Federal): não há informação a declarar. Para mais detalhes sobre como declarar esse investimento, consulte o vídeo tutorial de Fundos de Investimento. Fundos Imobiliários LCI Premium, Kinea Renda e Rendimentos Como declarar Os Rendimentos dos fundos Kinea Renda e Rendimentos, que constam no Informe enviado por correio pelo administrador do fundo (Intrag DTVM), deverão ser declarados na Ficha Rendimentos isentos e não tributáveis. Importante: no caso do fundo LCI Premium, como não houve distribuição de rendimentos em 2014, não haverá rendimentos a serem lançados na declaração de IR. 8

9 Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 2 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: IDENTIFICAÇÃO CLIENTE: RENDIMENTOS ISENTOS - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTOS KINEA RENDA IMOBILIÁRIA - FII (1) ,30 KINEA RENDIMENTOS FDO INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (1) ,94 TOTAL ,24 Além disso, o saldo financeiro deverá constar na seção Bens e Direitos de sua declaração de Imposto de Renda. Para obter o saldo financeiro, é necessário multiplicar a quantidade de cotas que você possuía em 31/12/2014 pelo preço pago por cota. Para fazer esse cálculo, é importante considerar o preço de todas as cotas compradas. Veja os casos a seguir: a) Se você comprou cotas apenas durante as ofertas públicas, ou seja, não efetuou compras adicionais em bolsa (mercado secundário): o saldo financeiro poderá ser calculado multiplicando-se a quantidade de cotas subscritas pelo valor pago pela cota. Ambas as informações podem ser encontradas no item 3 do Boletim de Subscrição. Para visualizar esse documento, basta acessar sua conta da Itaú Corretora na internet, opção Carteira, Minhas ofertas públicas, e então selecionar o documento referente ao fundo imobiliário que você irá declarar. 3 - CARACTERÍSTICAS DA SUBSCRIÇÃO Série: 1ªa série Quantidade de cotas subscritas: 10 Valor da Cota Atualizado R$ 1.632,88 KINEA RENDA IMOBILIÁRIA FUNDO DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS - FII CNPJ/MF: / BOLETIM DE SUBSCRIÇÃO b) Se você comprou cotas durante as ofertas públicas e realizou compras adicionais em bolsa (mercado secundário): o saldo financeiro é composto da soma do total investido durante a oferta pública e do total investido através da compra em bolsa. Para as cotas compradas durante a oferta pública, utiliza-se o procedimento mencionado na letra a). As cotas adquiridas em bolsa também devem ser consideradas e as informações estão disponíveis na Nota de Corretagem disponibilizada pela Itaú Corretora após a negociação. Você deve multiplicar a Quantidade de cotas pelo seu Preço de Compra. c) Se você vendeu parte ou a totalidade das suas cotas: no caso da venda parcial, o saldo financeiro remanescente deverá ser declarado conforme procedimento descrito nos itens a) e b) acima. Se você vendeu a totalidade das suas cotas durante 2014, não haverá saldo financeiro a declarar na seção Bens e Direitos. 9

10 Adicionalmente, no processo de venda de cotas de fundos imobiliários, devem-se observar as seguintes situações: a. Em caso de lucro na venda, é necessário realizar o recolhimento via Darf até o último dia útil do mês subsequente ao da venda e declarar o resultado positivo do mês na Ficha Renda Variável Operações de Fundos de Investimento Imobiliário. b. Em caso de prejuízo na venda de cotas de fundo imobiliário, não há necessidade de recolher o Imposto de Renda, porém é necessário efetuar a declaração do resultado negativo do mês na Ficha Renda Variável Operações de Fundo de Investimento Imobiliário, uma vez que o resultado negativo vai permitir a redução da base de cálculo do Imposto de Renda em outras operações de Fundo Imobiliário que apresentarem ganhos (compensação). Kinea II Real Estate Equity FII Aos cotistas do fundo Kinea II Real Estate Equity FII que compraram e/ou venderam as cotas no mercado secundário, o procedimento para declaração do Imposto de Renda é o mesmo dos outros fundos imobiliários citados acima. Apenas para quem comprou cotas durante a 1ª oferta pública, que ocorreu de 21/05/2012 a 25/07/2012, existe um detalhe adicional que precisa ser considerado. Para proporcionar maior segurança durante o período inicial de investimentos do fundo, os recursos captados durante a 1ª oferta pública foram investidos no fundo Kinea II Real Estate Equity Referenciado DI. À medida que o gestor realiza os projetos previstos na política de investimentos, os recursos são transferidos para o fundo imobiliário Kinea II Real Estate Equity FII. Dessa forma, o montante investido na 1ª oferta pública fica dividido nos dois fundos citados acima e será necessário declará-los em duas fichas diferentes da seção Bens e Direitos na Declaração de Imposto de Renda. 10

11 Saldo financeiro a) Kinea II Real Estate Equity FII: para que você tenha conhecimento de quanto já foi transferido do Kinea II Real Estate Equity Referenciado DI para o Kinea II Real Estate Equity FII, enviamos a você, por correio, um documento contendo o valor transferido de um fundo para outro em 2013 e Dessa forma, se não realizou compras adicionais de cotas em bolsa, você deverá atualizar o saldo financeiro integralizado até 31/12/2014, em reais, na seção Bens e Direitos da Declaração de Imposto de Renda. Se você realizou compra e/ou venda de cotas em bolsa, não se esqueça de considerá-las no cálculo acima. b) Kinea II Real Estate Equity Referenciado DI: o saldo financeiro do fundo está presente no Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva do informe de rendimentos, enviado por correio, pelo administrador do fundo (Intrag DTVM), e deverá ser lançado na seção Bens e Direitos da Declaração de Imposto de Renda. Rendimentos a) Kinea II Real Estate Equity FII: não haverá nada a declarar. O pagamento dos rendimentos mensais ainda não foi iniciado, uma vez que o fundo ainda está em fase de investimentos. b) Kinea II Real Estate Equity Referenciado DI: os rendimentos do fundo devem ser lançados no item Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva e pode ser encontrado no informe de Rendimentos, enviado por correio pelo administrador do fundo (Intrag DTVM). Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - IDENTIFICAÇÃO DA FONTE PAGADORA RAZÃO SOCIAL: INTRAG DIST TIT VALOR MOB LTDA Nº DO CNPJ: / PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: IDENTIFICAÇÃO CLIENTE: RENDIMENTOS ISENTOS - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTOS LIQUIDOS KINEA REAL STATE EQUITY REF DI - FIQ FI (1) , , ,26 TOTAL 1.056,26 Previdência Contribuições PGBL - Plano Gerador de Benefício Livre, Planos Tradicionais, Fapi - Fundo de Aposentadoria Programada e Proteção Familiar (exceto cobertura pecúlio) As somas das contribuições feitas nesses planos durante o ano-calendário são dedutíveis da base de cálculo de Imposto de Renda até o limite de 12% de sua renda bruta tributável anual, conforme legislação em vigor. Essa dedução só poderá ser feita se o contribuinte utilizar o modelo completo de declaração de Imposto de Renda e está condicionada ao recolhimento de contribuições para o regime geral de previdência social ou, quando for o caso, para regime próprio de previdência social dos servidores públicos. 11

12 Excetuam-se dessa condição os beneficiários de aposentadoria ou pensão concedida pelo regime geral de previdência social ou pelo regime próprio de previdência, mas o limite de 12% precisa ser respeitado. Como declarar As contribuições de PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), Planos Tradicionais e proteção Familiar (exceto cobertura pecúlio) devem ser lançadas na ficha Pagamentos Efetuados com o código 36 - Contribuições a Entidades de Previdência Privada. As contribuições do Fapi (Fundo de Aposentadoria Programada) devem ser lançadas na ficha Pagamentos Efetuados com o código 38 Fapi Fundo de Aposentadoria Programada Individual. Obs.: Ao contrário dos saldos de VGBL, os saldos de PGBL, Planos Tradicionais e Fapi não devem ser lançados na ficha Bens e Direitos da Declaração de Ajuste Anual. Clientes que possuem planos de previdência PJ, havendo divergência entre o Informe de Rendimentos enviado pela empresa patrocinadora e o Informe de Rendimentos Financeiro enviado pela entidade de previdência/seguradora sobre aportes/pagamentos de contribuições/prêmio em planos de previdência complementar e seguros de vida com cobertura por sobrevivência, recomendamos aos participantes e assistidos a utilização do Informe de Rendimentos Financeiro enviado pela entidade de previdência complementar/seguradora para fins de preenchimento da Declaração de Ajuste Anual de IRPF. Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: CONTRIBUIÇÕES EM PLANOS DE PREVIDÊNCIA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO PLANO GERADOR DE BENEFICIO LIVRE - PGBL(04) CONTRIBUIÇÕES ,80 VGBL Vida Gerador de Benefício Livre e Proteção Familiar (cobertura pecúlio) As contribuições feitas nesses planos não são dedutíveis da base de cálculo do Imposto de Renda e por isso não são apresentadas no Informe de Rendimentos no item 6-Contribuições em Planos de Previdência. A evolução do saldo de prêmios acumulados em VGBL é demonstrada no campo 3 Saldo em contas correntes e em Prêmios Acumulados em VGBL. 12

13 Como declarar Os saldos devem ser lançados na ficha Bens e Direitos com o código correspondente. Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: SALDOS EM CONTAS CORRENTES E EM PRÊMIOS ACUMULADOS EM VGBL - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 DEPOSITO EM C/C DE DEPOSITO A VISTA (01) VIDA GERADOR DE BENEFICIO LIVRE - VGBL(12) 0, ,85 0, ,85 Saldo em 31/12/2013 e Saldo em 31/12/2014 Representa o saldo remanescente de todos os investimentos mensais ou aportes efetuados no VGBL. Esse é o saldo nominal, não levando em consideração a rentabilidade do produto. Resgates A declaração de resgates, recebimento de renda ou de sinistro de Previdência, é feita de acordo com o regime de tributação escolhido pelo titular no momento da contratação progressivo compensável ou regressivo definitivo. A tributação incide no momento do resgate ou no recebimento de renda e/ou liquidação de sinistros. Importante: No caso de plano de previdência PGBL, planos tradicionais e Fapi, a tributação ocorre sobre o valor total do resgate. Para plano de previdência VGBL, a tributação incide apenas sobre o valor do rendimento. Tributação progressiva compensável No regime de tributação progressiva compensável, sobre os resgates efetuados há incidência de IR na fonte de forma antecipada, à alíquota de 15%. No recebimento de renda, há incidência de Imposto de Renda conforme a Tabela Progressiva de IR em vigor, não existindo alíquota de antecipação. Os valores retidos e recolhidos a título de IR são compensados ou restituídos na Declaração de Ajuste Anual. As informações estarão discriminadas no item 5 do seu informe: Rendimentos Tributáveis na Declaração de Ajuste Anual. Esse campo, além de exibir os valores resgatados, sobre os quais incidiu a alíquota de 15% de IR, apresenta também os valores de benefícios recebidos, sobre os quais há incidência de IR de acordo com a tabela progressiva, cuja alíquota máxima é 27,5%. 13

14 Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS NA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO RENDIMENTOS IMPOSTO NA FONTE PREVIDENCIA PRIVADA(04) ,39 0,00 PLANO GERADOR DE BENEFICIO LIVRE - PGBL(04) 7.500, ,00 VIDA GERADOR DE BENEFICIO LIVRE - VGBL(04) , ,85 TOTAL , ,85 Atenção: Ao efetuar um resgate na tributação compensável, a incidência de IR ocorre na fonte, como antecipação à alíquota de 15% e a diferença é ajustada na sua Declaração de Ajuste Anual. Como declarar Os valores discriminados no campo 5 do Informe de Rendimentos devem ser lançados na ficha Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ pelo Titular. Tributação regressiva definitiva No regime de tributação regressiva definitiva, as alíquotas do IR na fonte diminuem ao longo do tempo. No momento do resgate ou do recebimento de renda, a incidência de IR ocorre de forma definitiva e exclusiva na fonte, conforme a tabela abaixo: Prazo de investimento Até 2 anos De 2 a 4 anos De 4 a 6 anos De 6 a 8 anos De 8 a 10 anos Acima de 10 anos Alíquota de IR na fonte 35% 30% 25% 20% 15% 10% As informações estarão discriminadas no item 9 do informe: Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva. Esse campo apresenta os valores dos resgates ou benefícios recebidos, já tributados de acordo com a tabela de alíquotas regressivas. Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 SALDOS EM 31/12/2013 PREVIDÊNCIA PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE - PGBL (12) TOTAL SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTOS LÍQUIDOS , ,77 14

15 Como declarar Os valores discriminados no campo 9 do Informe de Rendimentos devem ser lançados na ficha Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva da declaração. Rendimentos isentos e não tributáveis em Previdência Conforme valores e critérios definidos pela Receita Federal, os valores isentos e não tributáveis pagos como resgates, benefícios e devolução de fundos, nas situações abaixo, são isentos da cobrança de Imposto de Renda: Participantes que recebem benefício com idade superiora 65 anos no regime progressivo; Participantes que recebem benefício portadores de doenças graves; Resgates oriundos de valores depositados no plano de previdência de 1989 a Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: RENDIMENTOS ISENTOS E NÃO TRIBUTÁVEIS - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTO PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE PGBL(04) 3.924, ,25 324,12 TOTAL 324,12 Como declarar Esses valores serão exibidos no Informe no item 4 Rendimentos Isentos e Não Tributáveis e devem ser lançados no campo Rendimentos Isentos e Não Tributáveis da sua declaração. Planos de previdência para menores 1ª Previdência As contribuições mensais e os aportes efetuados para os Planos Tradicionais e PGBL para jovens podem ser deduzidos até o limite de 12% da renda bruta tributável anual do declarante, se o titular do plano for seu dependente econômico. O declarante deve ser contribuinte do regime geral de previdência social ou do regime próprio de previdência dos servidores públicos. Caso o dependente econômico titular do plano seja maior de 16 anos de idade, a dedução ainda fica condicionada ao recolhimento de contribuições em nome do menor ao regime geral de previdência social ou ao regime próprio dos servidores públicos. Importante: Os investimentos mensais e os aportes efetuados no VGBL para jovens não são dedutíveis da base de cálculo do Imposto de Renda. Para mais detalhes sobre como declarar esse investimento, consulte o vídeo tutorial de Previdência. 15

16 Renda Fixa CDBs, Compromissadas, Aplic Aut e Aplic Aut Mais Os rendimentos líquidos das aplicações de renda fixa devem ser lançados na ficha Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva e os saldos devem ser lançados na ficha Bens e Direitos de sua declaração. Informe de Rendimentos Financeiros Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal 1 - PESSOA FÍSICA BENEFICIÁRIA DOS RENDIMENTOS NOME: ANTONIO COUTINHO CPF: CONTA CORRENTE: RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 FUNDOS DE INVESTIMENTO ITAÚ PERSONNALITÉ REFERENCIADO DI MAXIME FICFI (02) 898, , ,01 APLICAÇÕES DE RENDA FIXA CDB/RDB (01)(**) , ,95 TOTAL RENDIMENTOS LÍQUIDOS 700,57 119,42 819,99 Importante: O saldo do Aplic Aut/ Aplic Aut Mais aparece como CDB/RDB no seu Informe e não no saldo de conta corrente. O saldo em 31/12 é referente ao valor aplicado, sem considerar os rendimentos; se no item Rendimentos Líquidos do seu Informe o valor estiver zerado, significa que não houve resgate ou vencimento no último ano, portanto não há o que declarar referente a rendimentos líquidos das aplicações de renda fixa. COE Certificado de operações estruturadas Os rendimentos líquidos das aplicações de renda fixa devem ser lançados na ficha Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva e os saldos devem ser lançados na ficha Bens e Direitos de sua declaração. 9 - RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 SALDOS EM 31/12/2013 FUNDOS DE INVESTIMENTO SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTOS LÍQUIDOS APLICAÇÕES DE RENDA FIXA OUTROS CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS(01) TOTAL 0,00 820,00 55, INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Importante: o saldo em 31/12 é referente ao valor aplicado, sem considerar os rendimentos. Se no item Rendimentos Líquidos do seu Informe o valor estiver zerado, significa que não houve resgate ou vencimento no último ano. Portanto, não há o que declarar referente a rendimentos líquidos das aplicações de renda fixa. 16

17 Produtos Estruturados Operações de CDB ou Compromissadas com swap Para declarar os saldos e rendimentos de CDB ou Operação Compromissada com Swap, identifique se houve resgate ou vencimento em No caso de ter havido resgate ou vencimento, informe os rendimentos na ficha Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva. 9 - RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 APLICACOES DE RENDA FIXA RDB/CDB(01) (*) SWAP OPERACOES DE SWAP(01) TOTAL No caso de NÃO ter havido resgate ou vencimento em 2014, informe o saldo na ficha Bens e Direitos. Produtos Estruturados Operações de LCI ou LCA com swap Para declarar os saldos e rendimentos de LCI e LCA com Swap, identifique se houve resgate ou vencimento em No caso de ter havido resgate ou vencimento, informe os rendimentos referentes a LCI ou LCA na ficha Rendimentos isentos e não tributáveis, e os rendimentos líquidos referentes ao Swap na ficha Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva/definitiva. 4 - RENDIMENTOS ISENTOS E NÃO TRIBUTÁVEIS - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTO LETRAS CRÉDITO IMOBILIÁRIO (01) ,00 0, ,17 TOTAL , RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 SALDOS EM 31/12/2013 SWAP OPERAÇÕES DE SWAP(01) TOTAL SALDOS EM 31/12/2014 RENDIMENTOS LÍQUIDOS 603,68 603,68 No caso de NÃO ter havido resgate ou vencimento em 2014, informe o saldo na ficha Bens e Direitos. Tesouro Direto ou Debêntures O saldo de seus investimentos em títulos públicos deve ser informado na ficha Bens e Direitos, item 45 Aplicação de renda fixa (CBD, RDB e outros). Informe no campo Situação em 31/12/2014 a soma de todos os valores pagos para adquirir os títulos que estão em sua carteira naquela data. Essa informação está disponível no Informe de Rendimentos disponibilizado pela Itaú Corretora. 9 - RENDIMENTOS SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA - Valores em Reais ESPECIFICAÇÃO SALDOS EM COTAS EM 31/12/2014 SALDOS EM 31/12/2013 SALDOS EM 31/12/2014 OPERAÇÕES TESOURO DIRETO(05) , ,952 TOTAL RENDIMENTOS LÍQUIDOS 2.672, ,34 17

18 Importante: Se você obteve lucro com a venda, recebeu pagamento de juros semestrais ou ocorreu o vencimento do título em 2014, o rendimento líquido (lucro) deve ser declarado na ficha Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva no item Rendimentos de Aplicações Financeiras. Para mais detalhes sobre como declarar esse investimento, consulte o vídeo tutorial. Ações A declaração no formulário de ajuste anual de seus investimentos em ações ocorre em duas etapas. É preciso declarar sua posição em ações e também o resultado (ganhos ou perdas) de suas operações no ano anterior. Posição acionária As ações adquiridas tanto no ano passado quanto em anos anteriores que ainda estão em sua carteira devem ser declaradas na ficha Bens e Direitos, utilizando o código 31 Ações. No campo Discriminação informe o nome da empresa da qual você possui ações e a quantidade de ações que possuía em 31/12/ POSIÇÃO ACIONÁRIA EM 31/12/ AÇÕES POSSUÍDAS TIPO/SIGLA DESCRIÇÃO QUANTIDADE EP- Preferencial Escritural Já no campo Situação em 31/12/2014, você deve declarar o custo médio da compra das ações e não o valor ao final de Ex. 1: se você apenas comprou ações da empresa ABCD em 2014 e não vendeu nenhuma, basta somar os valores de custo (incluindo taxas e corretagem) da compra dessas ações. Essa informação pode ser encontrada em suas notas de corretagem. Ex. 2: se você realizou compras e vendas de ações de uma mesma empresa ao longo do ano, o valor informado nesse campo será o custo médio de cada aquisição. Vamos supor que você comprou 10 ações por R$ 30,00, depois mais 10 por R$ 32,00 e por fim outras 20 por R$ 28,00. Porém, vendeu 15 ações e terminou o ano com 25 ações. O correto é somar o preço de todas as compras (R$ 30 + R$ 32 + R$ 28) e dividir pelo número de ações compradas (40). O custo médio de cada ação (R$ 2,25) deve ser multiplicado pelo número de ações que você possuía ao final do período (25 ações x R$ 2,25 = R$ 56,25). Operações Qualquer ganho ou perda com venda de ações deve ser informado na ficha Demonstrativo de Renda Variável - Operações Comuns/Day-trade. As vendas de ações que não atingirem R$ 20 mil por mês e resultarem em lucro devem ser declaradas na ficha Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, item 18. Atenção: neste item devem ser informados, de maneira separada, os lucros obtidos em cada mês. 18

19 Os lucros obtidos com vendas acima de R$ 20 mil por mês, ou seja, que não são isentos de IR e você já pagou o imposto ao longo do ano, são declarados na ficha Renda Variável, item Operações Comuns/ Day-trade. Ao clicar nesse item, você deverá informar o lucro ou prejuízo mês a mês. Ainda nesse item, o último quadro Consolidação do Mês é onde você informa quanto a Itaú Corretora recolheu de IR na fonte mês a mês. Para conferir esses valores, cheque suas notas de corretagem. Na última linha, você deve informar quanto pagou de IR no mês por meio do Darf emitido naquela época. Se você acumula prejuízo no mês anterior, também declare. Para isso, acesse novamente a ficha Renda Variável, item Operações Comuns/Day-trade e vá direto ao quadro Resultados. Preencha a linha Resultado Negativo até o Mês Anterior. Tributação de dividendos, juros de capital e bonificações Os dividendos são isentos de Imposto de Renda e os juros sobre capital próprio são tributados exclusivamente na fonte à alíquota de 15%. Deverão ser informados, além dos valores recebidos pelo titular e dependente, a título de lucros e dividendos, o CNPJ e o nome da fonte pagadora. Juros sobre capital próprio Juros sobre capital próprio pagos: deverão ser lançados, na sua Declaração Anual de Ajustes, no quadro Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva, no item 10 Juros sobre Capital Próprio. 1- RENDIMENTO SUJEITOS A TRIBUTAÇÃO EXCLUSIVA CREDITADOS E PAGOS CÓDIGO DE RETENÇÃO MÊS VALOR BRUTO IRRF VALOR LÍQUIDO JUROS SOBRE CAPITAL MAR 196,73 29,50 167,23 TOTAL 196,73 29,50 167,23 Juros sobre capital próprio não pagos: o total dos rendimentos anunciados no ano, e que não tenham sido efetivamente pagos, deverá ser lançado na sua Declaração Anual de Ajuste no quadro Bens e Direitos, pois constitui direito de crédito devido pela pessoa jurídica. Faça-o nos itens 99 Outros bens e direitos e 10 Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva. 2- DECLARAÇÃO DE BENS DESCRIÇÃO SALDO EM 31/12/2013 SALDO EM 31/12/2014 JUROS SOBRE CAPITAL CREDITADOS E NÃO PAGOS 158,39 264,11 Atenção: Quando houver juros sobre capital próprio pagos e não pagos, deve-se declarar a soma dos dois, no item 10 Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva. Dividendos O total dos valores pagos no ano-calendário de 2014 deverá ser lançado na sua Declaração Anual de Ajuste no quadro Rendimentos Isentos e Não Tributáveis no item 05 Lucros e Dividendos Recebidos pelo Titular e pelos Dependentes. 3- RENDIMENTOS ISENTOS E NÃO TRIBUTÁVEIS VALOR BRUTO LUCRO E/OU DIV APURADOS NO EXERCÍCIO 81,95 TOTAL 81,95 19

20 Ações bonificadas O custo de aquisição das ações bonificadas divulgado pela companhia emissora das ações deverá ser lançado no quadro Rendimentos Isentos e Não Tributáveis no item Incorporação de Reservas ao Capital/Bonificações de Ações e também acrescido ao custo de aquisição das ações a ser declarado no quadro Bens e Direitos AÇÕES BONIFICADAS TIPO/SIGLA DESCRIÇÃO QUANTIDADE CUSTO AQUISIÇÃO TOTAL EP - PREFERENCIAL ESCRITURAL 151 9, ,92 Consórcio Itaú 1. Consórcio não contemplado ou contemplado e não faturado Crie um item na Declaração de Bens e Direitos com os dados: Código: 95. Localização: Brasil. Discriminação: informar o tipo de cota (carro, moto ou imóvel) adquirida junto à ltaú Administradora de Consórcio Ltda. - CNPJ: / grupo/cota e o número de parcelas pagas/a pagar. Situação em 31/12/13: declarar o valor total pago acumulado até 31/12/13. Situação em 31/12/14: declarar o valor total pago acumulado até 31/12/ Consórcio contemplado e faturado em 2014 Crie dois itens na Declaração de Bens e Direitos com os dados: a) Código: específico do bem adquirido. Localização: Brasil. Discriminação: informar os dados do bem objeto do contrato, a informação de alienação do bem à Itaú Administradora de Consórcio Ltda. grupo/cota e o seu saldo devedor. Situação em 31/12/13: o valor deve ser R$ 0,00, pois o bem foi adquirido só em Situação em 31/12/14: declarar o total pago acumulado até 31/12/14, acrescido de eventuais recursos próprios utilizados para aquisição do bem. Código: 95. b) Localização: Brasil. Discriminação: informar o tipo de cota (carro, moto ou imóvel) adquirida junto à ltaú Administradora de Consórcio Ltda. - CNPJ: / grupo/cota e o número de parcelas pagas/a pagar. Situação em 31/12/13: declarar o valor total pago acumulado até 31/12/14. Situação em 31/12/14: o valor deve ser R$ 0,00. 20

Guia IR Personnalité 2012

Guia IR Personnalité 2012 Guia IR Personnalité 2012 Índice Imposto de Renda 2012... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Guia IR 2016. Imposto de Renda 2016

Guia IR 2016. Imposto de Renda 2016 Guia IR 2016 Guia IR 2016 Imposto de Renda 2016 O Guia IR Itaú 2016 tem por objetivo auxiliar você no preenchimento da sua Declaração de Imposto de Renda, juntamente com as informações do Informe de Rendimentos

Leia mais

DimaiDesign. Guia IR 2015. Manual Técnico da Marca

DimaiDesign. Guia IR 2015. Manual Técnico da Marca Guia IR 2015 Índice Apresentação Orientações gerais... 03 Importante... 03 Identificação da fonte pagadora... 04 Dedução da contribuição à previdência de empregado doméstico... 04 Dependentes... 04 Entrega...

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Guia 2008 Itaú Personnalité

Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Índice Novidades na Declaração de IR 2008 Orientações gerais Formas de entrega Multa pelo atraso na entrega Imposto a pagar ou a restituir Como declarar as aplicações

Leia mais

Obrigatoriedade de entrega da declaração...4

Obrigatoriedade de entrega da declaração...4 Guia IR 2014 Índice Imposto de Renda 2014...3 Obrigatoriedade de entrega da declaração...4 Orientações gerais...4 Formas de entrega...5 Multa pelo atraso na entrega...5 Imposto a pagar ou a restituir...5

Leia mais

GUIA IRPF Orientações Gerais

GUIA IRPF Orientações Gerais 2013 GUIA IRPF Orientações Gerais Imposto de Renda 2013 ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 6 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem.

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. Guia IR 2012 No Banrisul, o leão não assusta. Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. O Banrisul antecipa

Leia mais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 4 2 Formas e prazo de entrega 5 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 8

Leia mais

GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais

GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais Imposto de Renda 2014 índice 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013. Imposto de Renda 2O14

Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013. Imposto de Renda 2O14 Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013 Imposto de Renda 2O14 Informações importantes para a sua Declaração de Imposto de Renda Exercício 2014 Ano-base 2013 Este material contém uma série de

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

GUIA IRPF 2015 Orientações Gerais

GUIA IRPF 2015 Orientações Gerais Orientações Gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 9 5 Bens e Direitos 9 6 Dividendos,

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2012: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2011. Elaboramos este

Leia mais

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2013: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2012. Elaboramos este

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial

IRPF IR2013. Chegou a hora de declarar o. Especial Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência Março de 2013 Especial IRPF 2013 Chegou a hora de declarar o IR2013 >> Fique por dentro >> Onde informar

Leia mais

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil 1 Guia Declaração Imposto de Renda 2012 Investimentos Março de 2012 Brasil Guia de Declaração IR 2012 - Investimentos 2 O dia 30/04/2012 é ultimo dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO PARA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 1. INTRODUÇÃO Este material foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar nossos clientes no

Leia mais

Imposto de Renda sem complicação

Imposto de Renda sem complicação Imposto de Renda sem complicação A Porto Seguro Vida e Previdência desenvolveu este manual para auxiliar você no preenchimento da Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física 2014. Consulte

Leia mais

Imposto de Renda sem complicação

Imposto de Renda sem complicação Este roteiro foi desenvolvido para auxiliar no preenchimento da Declaração de Ajuste Anual Pessoa Física 2013, focando as informações sobre Planos de Previdência. Consulte nos links ao lado as principais

Leia mais

O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2016.

O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2016. Pág. 1 O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 26. O prazo para entrega da Declaração Anual do Imposto de Renda 26 vai até o dia 29 de abril. E, para orientá-lo nesta tarefa, preparamos

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas.

ESPECIAL. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? Fique por dentro. Prazos e multas. As novidades de 2014. Tire suas dúvidas. Chegou a hora de declarar. E o que mudou para esse ano? de 0 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Vida e. Março de 0 de 0 Foi dada a largada para o acerto de contas

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

INFORME DE RENDIMENTOS

INFORME DE RENDIMENTOS INFORME DE RENDIMENTOS Consultoria Técnica / Obrigações Acessórias Circular 06/2015 1. INTRODUÇÃO Instituído pela Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal sob nº 690 de 20/12/2006, as instituições

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda 2012

Declaração de Imposto de Renda 2012 Declaração de Imposto de Renda 2012 Cartilha Índice 1. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2012... 3 1.1 Formas de entrega... 3 1.2 Prazo de entrega... 3 1.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração...

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência

Boletim de Relacionamento Previdência. Imposto de Renda Sul América Previdência Boletim de Relacionamento Previdência Imposto de Renda Sul América Previdência Prezado Participante, Desenvolvemos um guia para que você, que possui um Plano de Previdência PGBL ou Tradicional ou um Plano

Leia mais

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009

CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 CONFIRA COMO ENVIAR A DECLARAÇÃO DO IR 2009 Passo 1 - Tipo de declaração Nesta tela, o contribuinte escolhe se deseja fazer a declaração de ajuste anual, para prestar conta sobre seus rendimentos e despesas

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: ESMERALDA ROCHA Data de Nascimento: 19/02/1964 Título Eleitoral: 0153835060116 Houve mudança de endereço? Sim Um dos declarantes é pessoa com doença grave ou portadora

Leia mais

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 13/2015 São Paulo, 23 de Fevereiro de 2015. IRPF 2015 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2014 Prezado cliente, No dia 03 de fevereiro de 2015 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOA FÍSICA E DO EXTERIOR PELOS DEPENDENTES IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: MARILENA BUENO DOS SANTOS Data de Nascimento: 04/03/1933 Título Eleitoral: Houve mudança de endereço? Não Endereço: Rua JOAQUIM INACIO TABORDA RIBAS Número: 1444 Complemento:

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

Previdência Complementar

Previdência Complementar Cartilha Previdência Complementar Guia Fácil de Tributação TRATAMENTO TRIBUTÁRIO BÁSICO A primeira informação que deve ser observada na escolha de um plano de previdência que tenha como propósito a acumulação

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física

O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É IRPF? Imposto Sobre a Renda Pessoa Física O QUE É DAA? É a Declaração de Imposto de Renda Anual Denominada - Declaração de Ajuste Anual ÓRGÃOS REGULADORES Receita Federal do Brasil Procuradoria

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA - PESSOA FÍSICA EXERCÍCIO 2010 Ano-Calendário 2009 NOME: PAULO JOSE LEITE DA SILVA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL

IMPOSTO DE RENDA - PESSOA FÍSICA EXERCÍCIO 2010 Ano-Calendário 2009 NOME: PAULO JOSE LEITE DA SILVA DECLARAÇÃO DE AJUSTE ANUAL IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: PAULO JOSE LEITE DA SILVA Data de Nascimento: 09/10/1961 Título Eleitoral: 0001947882 Houve mudança de endereço? Não Endereço: Travessa FRUTUOSO GUIMARAES Número: 624

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar:

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar: SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.246,DE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício

Leia mais

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI

PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI PROGRAMA DE PREVIDÊNCIA UVERGS PREVI UVERGS PREVI A União dos Vereadores do Estado do Rio Grande do Sul visa sempre cuidar do futuro de seus associados Por conta disso, está lançando um Programa de Benefícios

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA/2015 Regulamento para a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda, PESSOA FÍSICA, exercício de 2015, ano-calendário de 2014. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA

IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA IMPOSTO l ELEMENTOS DO IMPOSTO: INCIDÊNCIA FATO GERADOR PERÍODO DE APURAÇÃO BASE DE CÁLCULO ALÍQUOTA INCIDÊNCIA l IRPF - É o imposto que incide sobre o produto

Leia mais

PLANOS DE PREVIDÊNCIA PGBL E VGBL

PLANOS DE PREVIDÊNCIA PGBL E VGBL PLANOS DE PREVIDÊNCIA PGBL E VGBL Goiânia, 03 de Abril de 2014. Á CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DE GOIAS CNPJ: 01.619.022/0001-05 Ref.: Plano de Previdência Complementar Prezado(a) Senhor(a),

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF?

Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte 1) O Órgão Público está obrigado à entrega da DIRF? Sim. A legislação da DIRF, Instrução Normativa n 1.406, de 23 de outubro de 2013, coloca como pessoa jurídica

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005

Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 Instrução Normativa SRF nº 588, de 21 de dezembro de 2005 DOU de 26.12.2005 Dispõe sobre a tributação dos planos de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguros de vida com cláusula de cobertura

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOAS JURÍDICAS PELO TITULAR

RENDIMENTOS TRIBUTÁVEIS RECEBIDOS DE PESSOAS JURÍDICAS PELO TITULAR IDENTIFICAÇÃO DO CONTRIBUINTE Nome: MARCIO DELLA VALLE BIOLCHI Data de Nascimento: 23/05/1979 Título Eleitoral: Houve mudança de endereço? Sim Endereço: Avenida JUCA BATISTA Número: Complemento: Bairro/Distrito:

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

Em complemento às normas

Em complemento às normas A Nova Sistemática de Tributação dos Planos de Previdência Privada Luca Priolli Salvoni e Mário Shingaki Consultores Tributários do Levy & Salomão Advogados Em complemento às normas editadas no final do

Leia mais

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física

IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física CIRCULAR Nº 09/2012 São Paulo, 10 de Fevereiro de 2012. IRPF 2012 Imposto de Renda Pessoa Física Ano-Base 2011 Prezado cliente, No dia 06 de Fevereiro de 2012 a Receita Federal publicou a Instrução Normativa

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV JÚNIOR VGBL E PGBL Com este material, você entenderá melhor o seu plano Brasilprev Júnior. Se você contratou o plano em nome do Júnior, consulte as informações em Titular:

Leia mais

Página 1 de 9 Normas - Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1545, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 04/02/2015, seção 1, pág. 9) Dispõe sobre a apresentação

Leia mais

Cartilha de Tributação. Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições

Cartilha de Tributação. Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições Cartilha de Tributação Recebimento do benefício do Plano ou Resgate de Contribuições A escolha de tributação - progressiva ou regressiva - só gera impactos no resgate de contribuição e/ou no recebimento

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV PECÚLIO PGBL E VGBL O que é um Plano Brasilprev Pecúlio? O plano Brasilprev Pecúlio é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ANO BASE 2013

DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ANO BASE 2013 Organização Contábil CARIVAN Ltda. DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ANO BASE 2013 Advocacia Dr. Carlos Manuel de Jesus Dias PERGUNTAS E RESPOSTAS Pessoa física tem idade mínima para ser contribuinte

Leia mais

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS

Apresentação DOCUMENTOS INSTITUCIONAIS ELETROS Apresentação Os participantes de Planos de Previdência Complementar estruturados na modalidade de Contribuição Definida (CD), como é o caso do Plano CD CERON, contam com duas opções de tributação do imposto

Leia mais

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade

Organização Hilário Corrêa Assessoria Empresarial e Contabilidade Desde o dia 02/03/2015 iniciamos o período de entrega da declaração de imposto de renda pessoa física de 2015 com base nos fatos ocorridos no ano de 2014, a declaração poderá ser transmitida até o dia

Leia mais

Boas-vindas. Esperamos que este material facilite sua vida na hora de acertar as contas com o Leão. Boa declaração!

Boas-vindas. Esperamos que este material facilite sua vida na hora de acertar as contas com o Leão. Boa declaração! Boas-vindas A Magnetis e a ContaAzul uniram seus conhecimentos para criar este manual de declaração do Imposto de Renda. Começamos com os primeiros passos sobre seus rendimentos e depois detalhamos como

Leia mais

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL

INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL INVESTIMENTO I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR II - SIMULE E FAÇA CONTRIBUIÇÕES ADICIONAL I - IMPOSTO DE RENDA NA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR A Lei n.º 11.053, de 29 de dezembro de 2004, trouxe

Leia mais

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova)

IRRF/ 2014. Instalar o programa da Receita Federal. WWW.receita.fazenda.gov.br. Nova. Após abrir declaração (importação/nova) IRRF/ 2014 Instalar o programa da Receita Federal WWW.receita.fazenda.gov.br Nova Tenho Anterior Após abrir declaração (importação/nova) Durante a importação o programa 2013 traz também os pagamentos efetuados.

Leia mais

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física, anocalendário

Tabela Progressiva para o cálculo mensal do Imposto de Renda de Pessoa Física, anocalendário 1) Como é o Regime de Tributação Progressiva? Sobre os benefícios previdenciais pagos pelos fundos de pensão, o cálculo do imposto de renda devido obedece ao regulamento aplicável, por exemplo, aos rendimentos

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL

NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL NOTAS EXPLICATIVAS BRASILPREV EXCLUSIVO PGBL E VGBL O que é o Plano Brasilprev Exclusivo? O Brasilprev Exclusivo é uma solução moderna e flexível que ajuda você a acumular recursos para a realização dos

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA:

PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: PERGUNTAS FREQUENTES NOVO REGIME DE TRIBUTAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA: Vejam quais são as principais questões que envolvem o Novo Regime de Tributação e esclareçam suas dúvidas. 1) Como era o tratamento tributário

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão

Física. Pessoa IMPOSTO DE RENDA. c o n t a b i l i z e. É hora de acertar as contas com o Leão IMPOSTO DE RENDA Distribuição Gratuita Pessoa Física É hora de acertar as contas com o Leão CONTRATE UM PROFISSIONAL E EVITE PROBLEMAS Entre em contato conosco 47 3028-1483 contabilize@contabilizesc.com.br

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 497 SRF, DE 24/01/2005 (DO-U, DE 09/02/2005) Dispõe sobre plano de benefício de caráter previdenciário, Fapi e seguro de vida com cláusula de cobertura por sobrevivência e dá outras

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Aprova o formulário Resumo de Apuração de Ganhos - Renda Variável, para o exercício de 2004, ano-calendário de 2003. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL,

Leia mais

Objetivo. Conteúdo. Imposto de Renda Pessoa Física. Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região

Objetivo. Conteúdo. Imposto de Renda Pessoa Física. Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região Imposto de Renda Pessoa Física Rendimentos recebidos acumuladamente Palestra TRT 6ª Região Alexandre de Moraes Rego AFRFB DRF Recife Objetivo Divulgação da nova sistemática de tributação do Imposto de

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte

Conhecimentos Bancários. Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte Conhecimentos Bancários Item 2.3.5- Previdência Privada 2ª parte PREVIDÊNCIA PRIVADA ABERTA FECHADA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR ABERTA São planos previdenciários que permitem

Leia mais

ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG

ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG ESCLARECIMENTOS E ORIENTAÇÕES AOS PARTICIPANTES DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA SISTEMA FIEMG Imposto de Renda Retido na Fonte incidente sobre o Plano de Contribuição da CASFAM O Governo Federal, através

Leia mais

Manual de perguntas e respostas Previdência Privada Zurich Seven IT

Manual de perguntas e respostas Previdência Privada Zurich Seven IT Manual de perguntas e respostas Previdência Privada Zurich Seven IT 1º. Quais são os fundos de investimentos na Previdência Privada Zurich? Você pode escolher Renda Fixa para investidores mais conservadores

Leia mais

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários

Um novo plano, com muito mais futuro. Plano 5x4. dos Funcionários Um novo plano, com muito mais futuro Plano 5x4 dos Funcionários Sumário 03 Um novo plano, com muito mais futuro: 5x4 04 Comparativo entre o plano 4 x 4 e 5 x 4 08 Regras de resgate 10 Como será o amanhã?

Leia mais