MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE"

Transcrição

1 MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES, DE CONTROLES INTERNOS E DE COMPLIANCE Workshop para Participantes da BM&FBOVESPA Monitoração 31/MARÇO/2014 de Operações, de Controles Internos e de Compliance Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1

2 Agenda Quadro Normativo Pontos de atenção na Supervisão de Operações Pontos de atenção na Monitoração de Controles Importância das interações BSM com os Participantes Diligência esperada Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 2

3 Monitoração: QUADRO NORMATIVO Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 3

4 Monitoração: regime jurídico e normas aplicáveis Leis 4.595/64, 4.728/65, 6.385/76, 7.492/86, 9.613/98 CMN Banco Central CVM ICVM 8, 301, 497, 505 ICVM 461 Intermediários Autorregulação Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 4

5 Normas aplicáveis: objetivos O que se pretende proteger com as normas Manutenção da integridade e bom funcionamento do mercado: Justa formação de preços Transparência Simetria informacional Proteção ao investidor Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 5

6 Normas aplicáveis: objetivos e proibições Objetivos das normas Proibições Justa formação de preços Tratamento equitativo Prevenção ao conflito de interesses Proteção do investidor Simetria informacional Prevenção à lavagem Controles Internos e Compliance Manipulação de mercado Condições artificiais Práticas não equitativas Administração irregular de carteiras Atuação irregular de AAI Churning Financiamento irregular Front running Insider trading Lavagem de dinheiro Inexistência ou falha de controles Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 6

7 Normas aplicáveis: deveres O intermediário é um gatekeeper: Deve zelar pela integridade e regular funcionamento do mercado organizado. Deve supervisionar operações que cursam por seu intermédio. O intermediário não é um mero executor de ordens. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 7

8 Normas aplicáveis: deveres Deveres do intermediário Manter controles internos e supervisionar operações. Identificar práticas abusivas e irregularidades. Impedir práticas abusivas e irregularidades (prevenção ou cessar a continuidade). Comunicar práticas abusivas e irregularidades aos órgãos autorreguladores, reguladores e autoridades. Reparar danos aos clientes. Aprimorar controles que se mostraram ineficazes. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 8

9 Normas aplicáveis: padrão de diligência esperado Diligência é: Manter controles Supervisionar todas as operações (não há limite mínimo nem máximo de valores) Identificar atipicidades Adotar medidas em prazo razoável Aperfeiçoar controles Cooperar com outros intermediários (respeitados os deveres de sigilo), autorreguladores, reguladores e autoridades no combate a práticas abusivas Treinar e conscientizar seus prepostos, funcionários e clientes Documentar a atuação Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 9

10 Normas aplicáveis: responsabilidade O intermediário pode ser responsabilizado por práticas abusivas e irregularidades cometidas por seus prepostos e clientes. A responsabilidade também se aplica a: Diretor responsável pela ICVM 505 Diretor Controles Internos ICVM 505 Diretor de Relações com Mercado (Regulamento BM&FBOVESPA) Diretor ICVM 301 Diretor ICVM 497 Diretor ICVM 51 Prepostos (funcionários, operadores, agentes autônomos) Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 10

11 Normas aplicáveis: responsabilidade A responsabilidade advém de ação, omissão ou falha no cumprimento dos deveres do intermediário. Responsabilidade por culpa: Imprudência Negligência Imperícia Culpa in eligendo Culpa in vigilando Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 11

12 Normas aplicáveis Resultados do cumprimento das normas Afasta sanção, conforme o grau Participante do Mercado Monitoração Credibilidade do mercado e reputação individual Evita perda financeira Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 12

13 MONITORAÇÃO DE OPERAÇÕES Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 13

14 Identificação de problemas: pontual ou sistemático 19 Negócios Posições BTC Filtros devem identificar padrões atípicos Parâmetros customizados conforme características operacionais Cadastro Clientes Filtros Alocação Alguns elementos importante (filtros): Devem ser desenhados para olhar Conta- Corrente Auditoria Ofertas operações no tempo Evitar cortes (valor, ativo, etc.) Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 14

15 Exemplos de monitorações relevantes Preterição de clientes Front running Manipulação de preços Manipulação com Operações de Mesmo Comitente Manipulação em leilão Spoofing Layering Insider trading Churning e operações fraudulentas Transferência de recursos entre clientes por meio de operações Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 15

16 Exemplo de Preterição Execução não especificada e alocação com escolha de ganhador e de perdedor. Alocação das operações com melhores preços de venda superior para um cliente em detrimento de outro, possibilitando lucro no day-trade. Hora Negócio Especificação Comitentes C/V Qtde Preço (R$) Financeiro (R$) 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:32 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:33 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:33 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:33 00:25 Cliente Beneficiado V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:37 00:25 Outros V , ,00 21:50 00:25 Cliente Beneficiado C , ,00 21:50 00:25 Cliente Beneficiado C , ,00 21:50 00:25 Cliente Beneficiado C , ,00 21:59 00:25 Cliente Beneficiado C , ,00 22:00 00:25 Cliente Beneficiado C , ,00 Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 16

17 Exemplo de Preterição ICVM 8/79 alínea D Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de índice de acerto: Taxa de acerto histórica do cliente X = % de acerto de day trade (período atual) % de acerto day trade (período anterior) Taxa de acerto do cliente X em relação ao mercado = % de acerto de day trade (período atual) % de acerto day trade (período atual mercado) Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 17

18 Exemplo de manipulação com Operação de Mesmo Comitente Preço (R$) 182,8 182,6 182,4 182, ,8 181,6 181,4 181,2 14:00:00 14:11:00 14:13:00 14:16:00 14:17:00 14:19:00 14:19:00 14:20:00 14:20:00 14:23:00 14:23:00 14:24:00 14:26:00 14:26:00 14:27:00 14:29:00 14:30:00 14:30:00 14:30:00 14:30:00 14:30:00 14:31:00 14:45:00 14:48:00 14:49:00 14:50:00 14:54:00 15:15:00 15:16:00 15:21:00 15:21:00 15:25:00 15:28:00 15:31:00 15:31:00 15:51:00 15:51:00 15:54:00 Preço do Mercado Compra Venda ICVM 8/79 alínea B Operações com essa características são identificas a partir de filtros de monitoração de OMC: % de OMC que antecede um negócio do cliente % de OMC realizado com oscilação de preço direcional Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 18

19 10:06 10:08 10:10 10:12 10:15 10:19 10:22 10:29 10:33 10:34 10:34 10:35 10:35 10:36 10:37 10:38 10:40 10:44 10:45 10:46 10:48 10:50 10:51 10:56 11:05 11:14 11:17 11:35 11:47 11:49 11:54 12:12 12:24 12:48 13:02 13:15 13:24 13:34 13:58 14:03 14:12 14:19 14:32 14:44 14:55 15:05 15:14 15:25 15:29 15:31 15:32 15:35 15:39 15:44 15:47 15:50 15:58 Exemplo de manipulação de preço Cliente A e B são representados pelo mesmo procurador 48,00 47,50 Com a resiliência do mercado após o fim da pressão de Cliente A, Cliente B realiza as suas vendas. 47,00 46,50 46,00 45,50 45,00 44,50 Na abertura do mercado Cliente A realiza pressão vendedora para que Cliente B realize a compra, provocando queda de 3 % no preço. 44,00 Preço Cliente A Compra Cliente A Vende Cliente B Compra Cliente B Vende Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 19

20 Exemplo de manipulação de preço ICVM 8/79 alínea B Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de volatilidade dos ativos: Mudança de volatilidade = Volatilidade no dia X Histórico (X dias) de Volatilidade Operações com essa características devem ser identificadas pelos Participantes a partir de filtros do histórico do cliente: Mudança de volume financeiro = Volume financeiro nos últimos X dias Volume financeiro nos últimos Y dias Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 20

21 Preço (R$) Quantidade Exemplo de manipulação de preço em leilão ICVM 8/79 alínea B 2, , , , , , , ,65 0 Qtde Clientes Qtde Preço Manipulação recorrente no leilão de fechamento, realizada com inserção de ofertas durante o leilão de forma a determinar o preço do dia. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 21

22 Preço R$ Quantidade 2,40 2,30 2,20 2,10 2,00 1,90 1,80 1,70 1,60 1, Exemplo de manipulação de preço em leilão Qtde de Compra - Clientes Qtde mercado Qtde teórica Preço teórico Clientes Operações com essa características são identificadas a partir de filtros de monitoração de ofertas: Taxa de cancelamento = Tamanho médio da oferta cancelada Tamanho médio da oferta executada Operações com essa características são identificadas a partir de filtros de volatilidade dos ativos: Oscilação do ativo = Oscilação no dia X Histórico (X dias) de volatilidade Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 22

23 Exemplo de spoofing Livro de ofertas no instante que o manipulador inseriu a oferta artificial: Oferta de Compra Ofertas de Venda Hora Participante Cliente Quantidade Preço Preço Quantidade Cliente Participante Hora 11:47: ,38 2, Nnnnn W 11:49: :47: ,38 2, :49: :31: ,38 2, :49: :38: ,38 2, :49: :48: ,38 2, :49: :48: ,38 2, :46: :48: ,38 2, :31: :48: ,38 2, :49: :48: ,38 2, :45: :48: ,38 2, :57: :49: ,38 2, :58: :49: ,38 2, :58: :49: ,38 2, :51: :49: W Nnnnn ,38 2, :07: O objetivo é vender (50.000), insere oferta de na compra para ajudar, o spread é de R$0,01 e a oferta artificial está a do topo, o trade médio nesse ativo no dia foi de O risco de execução da oferta artificial é mitigado pela posição no livro e seu tempo de permanência no livro. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 23

24 Milhares Exemplo de spoofing Linha do tempo demonstrando o efeito da oferta artificial: Saldo da oferta de Venda Saldo da oferta de compra Ofertas inseridas no livro, cuja a intenção é interferir na decisão de outros investidores, constituem-se em prática abusiva de mercado tipificada na ICVM 8/79 alínea A. Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de monitoração de ofertas: Tamanho médio da oferta cancelada Taxa de cancelamento = Tamanho médio da oferta executada Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 24

25 Exemplo de layering Spread às 21:40:40 é de R$0,05 (12,56 com 12,61), às 21:41:33 (50 Segundos depois) o manipulador alterou o spread em R$0,04 Oferta de Compra (12,52) Oferta de Venda (12,61) Manipulador Manipulador insere uma oferta na quantidade exata para gerar OMC e executar a oferta total do lado oposto Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 25

26 Exemplo de layering Ofertas inseridas no livro, cuja intenção é interferir na decisão de outros investidores, constituem-se em prática abusiva de mercado tipificada na ICVM 8/79 alínea A. Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de monitoração de ofertas: 1º Passo é marcar na base de dados os negócios com uso de layering, que são aqueles em que o cliente negocia de um lado (compra ou venda) após a inserção de ofertas no lado oposto. 2º Passo compara resultado da estratégia: % do resultado em R$ day-trade = day trade com layering day trade sem layering Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 26

27 Preço (R$) Quantidade Exemplo de Insider Trading 10, , , , , ,00 Dia 1 Dia 2 Dia 3 Dia 4 Dia 5 Dia 6 Dia 7 Dia 8 Dia 9 Dia 10 Dia 11 Dia 12 Dia 13 Dia 14 Dia 15 Dia 16 Dia 17 Dia 18 Dia 19 Dia 20 0 Quantidade Preço Investidor Compra Investidor Vende Operações executadas de forma a se beneficiar de informações ainda não divulgadas, constituem-se em prática abusiva de mercado tipificada na ICVM 358/08. Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de mudança de volume operado no ativo no tempo: R$ Período atual no ativo Variação de Volume do cliente X = R$ Período anterior no ativo Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 27

28 Exemplo de Churning Churning - Prática de efetuar operações para clientes de maneira excessiva com o objetivo de gerar receitas de corretagem. Combinação típica de eventos: Ausência do registro de ordens de operações e/ou ordens de operações genéricas; Indícios de gestão irregular de carteira; Mudança repentina de perfil de operações; Simetria de operações por grupo de clientes; Indicadores de Turnover Ratio e Cost-Equity Ratio elevados. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 28

29 25/02/2 04/03/2 11/03/2 18/03/2 25/03/2 01/04/2 08/04/2 15/04/2 22/04/2 29/04/2 06/05/2 13/05/2 20/05/2 27/05/2 03/06/2 10/06/2 17/06/2 24/06/2 01/07/2 08/07/2 15/07/2 22/07/2 29/07/2 Volume (R$) Exemplo de Churning , , , , , , , ,00 - Volume Operado "Outlier" Nº de dias úteis no período em que o cliente operou Taxa de Turnover Ratio (giros / ano) Benchmark Turnover Ratio Cost-Equity Ratio (% a.a.) Benchmark Cost-Equity Ratio X 200% Y% Operações executadas de forma a gerar qualquer beneficio, que não seja diretamente ordem do investidor, constitui-se em prática abusiva de mercado tipificada na ICVM 8/79 alínea C. Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de mudança de volume operado no tempo: R$ Período atual Variação de Volume do cliente X = R$ Período anterior Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 29

30 Exemplo de Transferência de Recursos Tempo 2 Tempo 1 Cliente 1 (lucro) Participante 2 Cliente 2 (prejuízo) Participante 1 Tempo1 - Conta nova - 100% acerto day-trade - 95% volume entre cliente 1 e 2-80% das operações com oscilação de preço Cliente 2 (prejuízo) Tempo 2 - Cliente 2 passa operar em outra corretora - Todos os outros elementos permanecem inalterados Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 30

31 Exemplo de Transferência de Recursos R$ 0,40 Impacto no mercado R$ 0, R$ 0, R$ 0, R$ 0,20 0 Operações executadas, cuja a intenção não seja a compra/venda de ativos, constituem-se em prática abusiva de mercado tipificada na ICVM 8/79 alínea A. Operações com essas características são identificadas a partir de filtros de monitoração de concentração de contraparte: Período 1: cliente; Período 2: Corretora. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 31

32 Transferência de Recursos 1. Operação para correção de erro operacional, exemplo: Interferência em leilão para anular uma oferta não passível de cancelamento em leilão; Operações para gerar resultado sintético para corrigir infiel execução. 2. Operação para pagamento de prestação de serviço à corretora, exemplo: Remuneração de profissionais de operações via operações (day trades); Cobrança de corretagem (prestação de serviços) via operações. 3. Operação para acerto tributário, exemplo: Operações entre as partes para alterar preço médio de compra/venda a fim de obter vantagens fiscais; Day trades com resultados de modo a alterar impostos a serem pagos. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 32

33 PERGUNTAS? Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 33

34 MONITORAÇÃO DE CONTROLES Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 34

35 Monitoração: Ordens Problema Inexistência de gravação da ordem do cliente: Inexistência de ordem do cliente. Ausência ou falha do sistema de gravação de ordens. Pontos de Atenção Avaliação da existência da ordem do cliente (gravações). Existência e funcionamento contínuo do sistema de gravação em todos os locais e canais utilizados para recebimento de ordens. Fiscalização da atuação das filiais e dos escritórios de agentes autônomos de investimento. Administração de acessos/configurações em sistemas de negociação em conformidade com a regulamentação vigente e de modo a evitar conflitos de interesse. Análise dos pagamentos efetuados a agentes autônomos e da sua compatibilidade com o volume de operações dos clientes atendidos e com as condições do contrato de prestação de serviços. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 35

36 Monitoração: Ordens Pontos de Atenção (continuação) Análise da compatibilidade das operações com perfil operacional/histórico do cliente, tais como: - Análise das operações em relação ao perfil de investimento do cliente (suitability); - Identificação de mudança das operações, ativos ou estratégias utilizadas pelo cliente; - Identificação de mudança do nível de risco do cliente: extrapolação de limites operacionais, alavancagem; - Análise do volume da carteira do cliente em relação ao seu patrimônio. Análise de conta-corrente do cliente. Análise da liquidação das operações. Referência normativa Instrução CVM 505; Ofício Circular BM&FBOVESPA 053/2012-DP; Roteiro Básico do PQO. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 36

37 Monitoração: Atuação de prepostos Problema Atuação de pessoa não integrante do sistema nas áreas de Operações ou Comercial: Terceirização das atividades objeto de contrato do AAI com Participante: pessoa contratada pelo AAI, mas que não possui vínculo com Participante, nem possui qualificação (certificação e credenciamento) ou autorização (CVM); Pessoa cujo vínculo com Participante não é trabalhista (CLT) ou não é como AAI (por exemplo: consultoria, assessoria), nem possui qualificação (certificação e credenciamento) ou autorização (CVM). Pontos de Atenção Administração de acessos/configurações em sistemas de negociação. Fiscalização da atuação dos escritórios de agentes autônomos de investimento. Análise dos pagamentos efetuados a agentes autônomos e da sua compatibilidade com o volume de operações dos clientes atendidos e com as condições do contrato de prestação de serviços. Referência normativa Instrução CVM 497. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 37

38 Monitoração: Autorização de operações Problema Poder de comando concentrado: Preposto (Operador ou Agente Autônomo de Investimento) atuando como procurador dos clientes que atende. Procurador ou pessoa autorizada a emitir ordens em nome de diversos clientes, sem aparente relação. Pontos de Atenção Análise cadastral: pessoas autorizadas a emitir ordens em nome de clientes. Análise de gravações. Administração de acessos/configurações em sistemas de negociação. Análise da compatibilidade das operações com perfil operacional/histórico do cliente. Referência normativa Instruções CVM 497 e 505. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 38

39 Monitoração: Autorização de operações Problema Transferência de recursos ou de ativos (custódia) não autorizada pelo cliente; Ordens de operações transmitidas por pessoas sem poderes para tal. Pontos de Atenção Cadastro eletrônico: validação dos dados cadastrais com bases de dados de terceiros (públicas e privadas). Cadastro eletrônico: validação positiva com cliente por meio gravado e válido e autorizado em seu cadastro. Atualização cadastral. Procedimentos de Conheça seu cliente. Referência normativa Instrução CVM 301 e 505. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 39

40 Monitoração: Conta-corrente Problema Financiamento irregular de operações: - Crédito na forma de saldos devedores sistemáticos, especialmente de pessoas vinculadas, sócios, controladores e administradores; - Crédito em desacordo com a regulamentação vigente: financiamento de operações e de outros eventos não permitidos via conta margem. Pontos de Atenção Análise da liquidação das operações. Análise da conta-corrente de clientes. Parametrização do sistema utilizado para controle de conta margem em conformidade com a regulamentação vigente. Referência normativa Resolução CMN 1.655; Instrução CVM 51. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 40

41 Monitoração: Conta-corrente Problema Uso indevido da conta-corrente: - Lançamentos não relacionados ao objeto social da Corretora: transações privadas que não envolvem operações com valores mobiliários. - Transferências internas entre contas-correntes. - Depósitos realizados por terceiros: ausência de comprovação da titularidade de cheques depositados em conta-corrente. - Pagamentos a terceiros. - Movimentação em espécie (art. 28 da ICVM 505). Pontos de Atenção Análise da conta bancária do Participante utilizada para liquidação das operações. Procedimentos para assegurar origem e destino dos recursos de mesmo cliente. Confronto dos lançamentos registrados em conta-corrente com as operações e eventos registrados em nome do cliente na BM&FBOVESPA. Referência normativa Instruções CVM 505 e 301; Ofício Circular BM&FBOVESPA 053/2012-DP; Resolução CMN Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 41

42 Monitoração: Conta erro Problema Uso indevido da conta erro: Operações de natureza de carteira própria registradas indevidamente na conta erro, como, por exemplo: client facilitation e liquidity provider. Pontos de Atenção Análise da origem/motivo do lançamento da conta erro. Análise das gravações relacionadas ao erro operacional. Análise da reespecificação de negócios da conta erro para clientes. Análise do resultado das operações lançadas em conta erro. Referência normativa Roteiro Básico do PQO; Ofício Circular BM&FBOVESPA 053/2012-DP. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 42

43 Monitoração: Requisitos financeiros e patrimoniais Problema Desenquadramento dos requisitos financeiros e patrimoniais. Pontos de Atenção Acompanhamento contínuo dos valores exigidos com base nas demonstrações financeiras e cálculo do efeito dos resultados (lucro/prejuízo) nos requisitos mencionados. Acompanhamento dos limites de custódia. Referência normativa Ofício Circular BM&FBOVESPA 078/2008-DP. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 43

44 Monitoração: Roteamento de ordens Corretora /Filiais Mesa de Operações Prepostos Agente Autônomo de Investimento Inserção de oferta Inserção de oferta OMS Gerenciador de Ordens Registro da oferta Cliente Inserção de oferta Home Broker/DMA Problema Uso inadequado ou perda de integridade/compatibilidade ao longo do fluxo de roteamento de ordens: Oferta inserida por Operador/AAI em nome de clientes, registrada na Bolsa como oferta inserida por cliente final (sessão Home Broker); Oferta inserida por colaborador não autorizado a operar, porém, a oferta é alterada no OMS para ser registrada como oriunda de Operador qualificado. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 44

45 Monitoração: Roteamento de ordens Pontos de Atenção Análise e confronto de trilhas de auditoria de ofertas (entrada OMS, saída OMS e retorno da Bolsa). Análise da configuração e programação do OMS. Avaliação dos acessos concedidos aos sistemas de negociação e da utilização desses acessos. Referência normativa Ofícios Circulares BM&FBOVESPA 030/2010-DP, 003/2013-DP e 066/2013-DP; Roteiro Básico do PQO (itens 57, 58, 61, 93, 118 e 121). Em caso de divergências INVESTIGUE Existe ordem do cliente? Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 45

46 Monitoração: Administração de acessos Concessão c Aprovação (Proprietários da informação) Solicitação de acesso (sistema, perfil) Análise (Matriz de segregação de funções) Concessão do acesso Exclusão Colaborador desligado Revogação de todos os acessos Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 46

47 Monitoração: Administração de acessos Problema Usuários com acessos inadequados e com possível utilização: Usuário genérico (ex.: ABC) Usuário de colaborador já desligado Usuário cujo responsável não foi identificado Inserindo ofertas em sistema de negociação Alterando limites pré-operacionais Copiando base de clientes Nesses casos, não há como atribuir responsabilidades. AAI/Operador com acesso administrativo em sistema de negociação que permite: Criação de usuários indevidos; Alteração indevida de limites pré-operacionais; Inserção de ofertas em nome de clientes, registradas na Bolsa como inseridas por cliente final. A questão de acesso pode afetar a integridade e a confidencialidade de todos os processos de negócios que são suportados por infraestrutura de TI. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 47

48 Monitoração: Administração de acessos Pontos de Atenção Análise das listas de usuários e perfis dos sistemas e confronto com listas de colaboradores e terceiros (ativos e desligados) e matriz de segregação de funções. Análise das trilhas de auditoria dos sistemas (materialização). Inclusão e alteração de usuários. Referência normativa Roteiro Básico do PQO (itens 15, 116 e 121). Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 48

49 Monitoração integrada Acessos indevidos Turn Over Ratio (giro de carteira) Extrapolação de limites Saldos devedores Problema: INEXISTÊNCIA DE ORDEM DO CLIENTE Transmissor não autorizado Cost-Equity Ratio (corretagem) Oferta incompatível com perfil de investimento Ausência/Falha do sistema de gravação Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 49

50 Relatório de controles internos Instrução CVM 505 e item 98 do Roteiro Básico PQO Problemas Identificar, comunicar e agir Identificação Controles Monitoração de processos e operações. Comunicação dos resultados Áreas afetadas. Alta Administração e Governança (diretores, conselhos, comitês). Reguladores e Autorreguladores. COAF. Ação Responsáveis e prazos Corrigir / Cessar prática não autorizada. Implantar e aprimorar controles. Monitorar eficácia dos controles. Monitorar planos de ação e compromissos assumidos. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 50

51 Atenção especial às fontes de informação Informações úteis para a monitoração Interação com a Bolsa e BSM: Utilizar os questionamentos da Bolsa e da BSM com indicadores e alertas para o seu monitoramento. Consultar os casos públicos da BSM e da CVM como fonte de informação sobre: Operadores, AAIs e clientes envolvidos. Condutas atípicas. Utilizar reclamações e denúncias como fonte de informação na atividade de monitoração. Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 51

52 PERGUNTAS? Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 52

53 CONSIDERAÇÕES FINAIS Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 53

54 Contato Diretoria de Autorregulação Telefone: (11) / Monitoração de Operações, de Controles Internos e de Compliance 54

Workshop Requisitos Normativos

Workshop Requisitos Normativos Workshop Requisitos Normativos BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) Diretoria de Autorregulação 28 e 29 de maio de 2012 CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO: CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X

Leia mais

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas 4º Congresso de Combate e Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo Marcos José Rodrigues Torres Diretor de Autorregulação

Leia mais

Expectativas da BSM quanto ao cumprimento das regras de acesso da BM&FBOVESPA Regulação e Autorregulação

Expectativas da BSM quanto ao cumprimento das regras de acesso da BM&FBOVESPA Regulação e Autorregulação Painel 1: 9h45 11h15 Expectativas da BSM quanto ao cumprimento das regras de acesso da BM&FBOVESPA Regulação e Autorregulação Alexandre Segala Romano Alexandre Tamura Anderson Pegoraro Silva Hanna Miyashita

Leia mais

Painel 3 4 casos identificados pela BSM relacionados às atipicidades previstas no Artº 6 da ICVM301

Painel 3 4 casos identificados pela BSM relacionados às atipicidades previstas no Artº 6 da ICVM301 Painel 3 4 casos identificados pela BSM relacionados às atipicidades previstas no Artº 6 da ICVM301 Julio Cesar Cuter Superintendente de Acompanhamento de Mercado 03.09.2015 Confidencial Restrita Confidencial

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Prevenção à Lavagem de Dinheiro Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Agenda A BSM Procedimentos de Análise Cases Comunicações à CVM Pontos de Atenção Arcabouço normativo da autorregulação Instrução

Leia mais

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros

Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Regulação das atividades de registro e de depósito centralizado de ativos financeiros Workshop Banco Central do Brasil Junho 2015 Junho/2015 1 Confidencial Uso Interno Público Agenda 1. Quais os serviços

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO OPERACIONAL. Roteiro Básico

PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO OPERACIONAL. Roteiro Básico PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO OPERACIONAL Roteiro Básico Sumário Programa de Qualificação Operacional BM&FBOVESPA Sumário Programa de Qualificação Operacional BM&FBOVESPA Roteiro Básico CAPÍTULO 1 Cadastrar

Leia mais

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA; Relatório do 2º Trimestre de 2012 Auditoria Programa de Auditoria Operacional A BSM é responsável por realizar a supervisão e fiscalização dos Participantes da BM&FBOVESPA. Isso é feito por meio de auditorias,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A MERCADOS ORGANIZADOS BR PARTNERS CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. 01/03/2013 Índice 1. CADASTRO DE CLIENTE... 1.1

Leia mais

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM

Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Política de Atuação de Agentes Autônomos de Investimento da Solidus S.A. CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 12/09/2013 1. OBJETIVOS O objetivo desta Política é estabelecer

Leia mais

BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP

BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO MERCADOS ORGANIZADOS DE VALORES MOBILIÁRIOS ADMINISTRADOS PELA CETIP 1. PRINCÍPIOS DE ATUAÇÃO O BANCO CRÉDIT AGRICOLE BRASIL S.A. observará, na condução

Leia mais

Regras de Atuação da UBS Brasil CCTVM S.A. nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação da UBS Brasil CCTVM S.A. nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Mercados Organizados Regras de Atuação da UBS Brasil CCTVM S.A. nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Mercados Organizados Pelo presente instrumento particular, o participante a seguir

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO - CETIP

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO - CETIP REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO - CETIP O BES Investimento do Brasil S.A. Banco de Investimento., CNPJ 34.111.187/0001-12 - doravante denominado simplesmente BES Investimento, objetivando atuar na qualidade

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO E PROCEDIMENTOS (IS) CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS DIRETORIA EXECUTIVA 11/06/2013 11/06/2013 1 / 8 Assunto: CLIENTES E CONTAS ASSUNTOS TRANSVERSAIS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ORGANIZADOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. REGRAS E PROCEDIMENTOS As regras,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos 60 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) LIQUIDAÇÃO

Leia mais

Regras de Atuação da BGC Liquidez nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A.

Regras de Atuação da BGC Liquidez nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Regras e Parâmetros de Atuação Regras de Atuação da BGC Liquidez nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP SA Versão Final Fevereiro 2013 Pelo presente instrumento particular,

Leia mais

Roteiro Básico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Básico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 3 2. CADASTRAR CLIENTES... 5 3. EXECUTAR ORDENS... 8 4. LIQUIDAR ORDENS... 11 5. CUSTODIAR ATIVOS... 12 6. GERENCIAR RISCOS... 13 7. FUNÇÃO

Leia mais

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL BANCO MÚLTIPLO S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Banco Múltiplo S.A., CNPJ 04.332.281/0001-30 (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na qualidade

Leia mais

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Banco BTG Pactual S.A.

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Banco BTG Pactual S.A. O Banco BTG Pactual S/A ( BANCO ), em atendimento ao disposto na Instrução nº 505, de 27 de setembro de 2011, conforme alterada, da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) e nas demais normas expedidas

Leia mais

VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Votorantim Asset Management DTVM LTDA. ( VAM ), em atendimento ao disposto no na Instrução n 505, de 27 de setembro de 2011 ( Instrução

Leia mais

Regras de Atuação do CREDIT SUISSE nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Mercados Organizados

Regras de Atuação do CREDIT SUISSE nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Mercados Organizados CREDIT SUISSE (Brasil) Regras de Atuação do CREDIT SUISSE nos Mercados Organizados de Valores Mobiliários Administrados pela CETIP S.A. Mercados Organizados Outubro 2013 Regras de Atuação do CREDIT SUISSE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO)

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO (DOCUMENTO DE ADERÊNCIA E CONSULTIVO) A PAX CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, - doravante denominada simplesmente Corretora em atendimento ao disposto no art. 6º da Instrução

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO - CETIP

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO - CETIP REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO - CETIP A BES Securitites do Brasil S.A, Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários., CNPJ 33.894.445/0001-11 doravante denominada simplesmente "Bes Securities", objetivando

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2008 APRESENTAÇÃO A BM&FBOVESPA Supervisão de Mercados (BSM) iniciou suas atividades em 1º de outubro de 2007, tendo a sua criação resultado do processo de desmutualização da BOVESPAe,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETOS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETOS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETOS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS As presentes regras são parte integrante do contrato de prestação de serviços firmado com o Cliente. 1. CADASTRO DE CLIENTE 1.1. DADOS CADASTRAIS

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários. Maio 2013. Itaú Unibanco

Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários. Maio 2013. Itaú Unibanco Regras de Atuação do Intermediário de Valores Mobiliários Maio 2013 1 Pelo presente instrumento particular, o participante abaixo indicado, objetivando atuar na qualidade de Intermediário, conforme - Manual

Leia mais

A CVM. Proteção do investidor.

A CVM. Proteção do investidor. A CVM. Proteção do investidor. Proteção e Orientação ao Investidor Canal 1998-2014 (Jul) 2009 2013 Presencial 61.041 1.744 970 Telefônico 187.007 8.316 4.080 0800 582.697 17.995 9.109 Internet 154.260

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação Índice Introdução Regras e Parâmetros 1 - Cadastro 2 - Regras Quanto ao Recebimento de Ordens 3 - Regras Quanto ao Registro das Ordens de Operações 4 - Regras Quanto a Execução

Leia mais

BANCO BNP PARIBAS BRASIL S/A.

BANCO BNP PARIBAS BRASIL S/A. REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS BANCO BNP PARIBAS BRASIL S/A. O banco para um mundo em mudança O Participante a seguir indicado (doravante INSTITUIÇÃO ), objetivando atuar na

Leia mais

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL

MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL MANUAL DE CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL Março 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 1 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL... 5 CAPÍTULO 2 ÁREAS DE CONHECIMENTO... 6 Operações... 6 Back Office... 6 Compliance... 7 Risco...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA de CONTROLES INTERNOS - MCI REGRAS E PArÂMETROS DE ATUAÇÃO

MANUAL DO SISTEMA de CONTROLES INTERNOS - MCI REGRAS E PArÂMETROS DE ATUAÇÃO PRINCIPIOS ÉTICOS E REGRAS DE CONDUTA A CONCÓRDIA CORRETORA, no que tange a sua atuação no Mercado de Valores Mobiliários, toma como base os princípios éticos e regras de conduta a seguir descritos: 1

Leia mais

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes

Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes Regras e Parâmetros de Conduta e Atuação da Corretora Junto à Bolsa de Valores, de Mercadorias e Futuros, ao Mercado e aos Clientes A Hoya Corretora de Valores e Câmbio Ltda. (doravante denominada HOYA

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA 09 de agosto de 2010 030/2010-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmento BOVESPA Ref.: Acesso ao Sistema Eletrônico de Negociação Implantação dos Modelos de

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO PRINCIPIOS ÉTICOS E REGRAS DE CONDUTA A CONCÓRDIA, no que tange à sua atuação no Mercado de Valores Mobiliários, toma como base os princípios éticos e regras de conduta a seguir descritos: 1. Pautar suas

Leia mais

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco

Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco Código de Conduta Ética Setorial do Profissional de Mercado Financeiro e de Capitais da Organização Bradesco N 01.006 Versão: 02 Atualizado: 19/01/2012 Abrangência: Departamentos, Agências, Empresas Ligadas

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 505, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011 COM A ALTERAÇÃO INTRODUZIDA PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 526/12

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 505, DE 27 DE SETEMBRO DE 2011 COM A ALTERAÇÃO INTRODUZIDA PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 526/12 TEXTO INTEGRAL DA COM A ALTERAÇÃO INTRODUZIDA PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 526/12 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários em mercados regulamentados

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários

Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Merrill Lynch S.A. Corretora de Títulos e Valores Mobiliários m Av. Brigadeiro Faria Lima, 3400 16º andar 04538-132 São Paulo, SP - Brasil Tel. (55 11) 2188-4000 Fax: (55 11) 2188-4074 Merrill Lynch S.A.

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO GOLDMAN SACHS DO BRASIL CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Goldman Sachs do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. ( Corretora ), em atenção à Instrução

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro

Prevenção à Lavagem de Dinheiro Prevenção à Lavagem de Dinheiro Rodrigo Soares Lopes Agosto/2011 Agenda Fases do Processo de Lavagem Testes Realizados Resultados Pontos de Atenção Cases Fases do Processo de Lavagem As 3 fases são independentes

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS Página 1 de 11 REGRAS DE ATUAÇÃO DO INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS ITAU CORRETORA DE VALORES S.A., doravante denominada ITAUCOR (CNPJ nº 61.194.353/0001-64 ITAUCOR ou Itaú Corretora ), objetivando

Leia mais

REGRAS INTERNAS DE ATUAÇÃO NAS OPERAÇÕES REALIZADAS COM VALORES MOBILIÁRIOS JUNTO A CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS

REGRAS INTERNAS DE ATUAÇÃO NAS OPERAÇÕES REALIZADAS COM VALORES MOBILIÁRIOS JUNTO A CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS REGRAS INTERNAS DE ATUAÇÃO NAS OPERAÇÕES REALIZADAS COM VALORES MOBILIÁRIOS JUNTO A CETIP S.A. MERCADOS ORGANIZADOS 1. Conteúdo do Documento: Este documento contém as Regras Internas de Atuação nas Operações

Leia mais

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. VOTORANTIM CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Corretora, em atendimento ao disposto no art 6 da Instrução n 387, de 28 de abril de 2003, da Comissão de Valores

Leia mais

Comunicado Cetip n 009/2013 01 de Fevereiro de 2013

Comunicado Cetip n 009/2013 01 de Fevereiro de 2013 Comunicado Cetip n 009/2013 01 de Fevereiro de 2013 Assunto: Regras internas a serem adotadas pelos Intermediários Instrução CVM nº 505, de 27 de setembro de 2011. O Diretor-Presidente da Cetip S.A. MERCADOS

Leia mais

Mundinvest S/A Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA MUNDINVEST S/A - CCVM

Mundinvest S/A Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA MUNDINVEST S/A - CCVM Ao Cetip S/A Mercados Organizados. Pelo presente instrumento particular a Mundinvest S/A Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários (doravante denominada CORRETORA), objetivando atuar na qualidade de intermediário,

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3171-2438

MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3171-2438 MANUAL DE NORMAS DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS TELEFONES: (0XX11) 3175 5351 Mesa de Operações FAX: (0XX11) 3171-2438 A ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. ( Alfa Corretora ),

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 382, 28 DE JANEIRO DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

CORRETORA DE CÂMBIO TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação

Regras e Parâmetros de Atuação Regras e Parâmetros de Atuação A Renascença Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda., ora designada Renascença, em atendimento ao disposto no art. 20º, 4º da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

REGRAS DE ATUAÇÃO DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A HSBC Finance (Brasil) S.A.

REGRAS DE ATUAÇÃO DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A HSBC Finance (Brasil) S.A. REGRAS DE ATUAÇÃO DE INTERMEDIÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA CETIP S/A HSBC Finance (Brasil) S.A. BANCO MÚLTIPLO Este documento tem por objetivo apresentar as regras relativas

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação BM&FBOVESPA Versão 7 Máxima CCTVM Data rev: 251114

Regras e Parâmetros de Atuação BM&FBOVESPA Versão 7 Máxima CCTVM Data rev: 251114 Este documento é propriedade do, para uso exclusivo de seus Acionistas, Diretores e Colaboradores. Sua divulgação só é permitida internamente. Este documento, ou qualquer parte dele, não pode ser reproduzido,

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A TERRA INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. ( CORRETORA ), em atendimento ao disposto no art. 34º da Instrução CVM nº 505, e das demais normas

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1

REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 REGRAS APLICÁVEIS AOS AAI SLW V1 Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ÉTICA, CONDUTA E INVESTIMENTO PESSOAL 1. 1. Ética e Conduta 1.1 Ética O princípio maior visa atos respaldados em valores éticos, respeitando os direitos da corretora e dos clientes, visando honrar seus compromissos. O cliente está em primeiro

Leia mais

Regras e Parâmetros de Atuação CETIP

Regras e Parâmetros de Atuação CETIP Regras e Parâmetros de Atuação CETIP Índice 1 - Cadastro de Cliente 2 - Ordem 3 - Da Nota de Negociação ou de Outro Documento que 4 - Regras Quanto à Liquidação das Operações 5 - Da Posição de Valores

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A UMUARAMA S/A C.T.V.M, denominada simplesmente Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM, define através deste documento, suas regras e

Leia mais

R E G R A S E P A R Â M E T R O S D E A T U A Ç Ã O D A G E R A Ç Ã O F U T U R O C O R R E T O R A D E V A L O R E S S. A.

R E G R A S E P A R Â M E T R O S D E A T U A Ç Ã O D A G E R A Ç Ã O F U T U R O C O R R E T O R A D E V A L O R E S S. A. 1 R E G R A S E P A R Â M E T R O S D E A T U A Ç Ã O D A G E R A Ç Ã O F U T U R O C O R R E T O R A D E V A L O R E S S. A. VERSÃO E APROVAÇÃO Emissão: Janeiro/2010 Revisão: 21/01/2013-13/03/2013 Válido

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CORRETORA GERAL DE VALORES E CÂMBIO LTDA., NOS MERCADOS DA BM&FBOVESPA, Revisada e Atualizada em 18/09/2013.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CORRETORA GERAL DE VALORES E CÂMBIO LTDA., NOS MERCADOS DA BM&FBOVESPA, Revisada e Atualizada em 18/09/2013. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CORRETORA GERAL DE VALORES E CÂMBIO LTDA., NOS MERCADOS DA BM&FBOVESPA, SEGMENTOS BOVESPA, BM&F E OS ADMINISTRADOS PELA CETIP. Revisada e Atualizada em 18/09/2013. Corretora

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A Mirae Asset Securities (Brasil) Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda, doravante denominada Mirae ou simplesmente Corretora, em atendimento ao disposto no art.

Leia mais

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda.

Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. Regras e Parâmetros de Atuação nos Mercados Administrados pela BM&F BOVESPA e nos Mercados de Balcão. CNPJ 60.783.503/0001-02 A Safra Corretora de Valores e Câmbio

Leia mais

Regras e Parâmetros para Intermediação em Mercados Regulamentados Instruções CVM 505/11 e 506/11

Regras e Parâmetros para Intermediação em Mercados Regulamentados Instruções CVM 505/11 e 506/11 Regras e Parâmetros para Intermediação em Mercados Regulamentados Instruções CVM 505/11 e 506/11 Pelo presente instrumento, o participante a seguir indicado, doravante denominado INSTITUIÇÃO, objetivando

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO É propósito da ICAP do Brasil Corretora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda (doravante denominada ICAP ) atuar sempre no melhor interesse de seus clientes, e na manutenção da integridade do mercado,

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

b) O CLIENTE deseja realizar operações nos mercados administrados pela BM&FBOVESPA, especialmente no segmento Bovespa;

b) O CLIENTE deseja realizar operações nos mercados administrados pela BM&FBOVESPA, especialmente no segmento Bovespa; CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO (PARA PESSOAS JURÍDICAS) NOVA FUTURA DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES

Leia mais

EASYNVEST - TÍTULO CORRETORA DE VALORES SA Regras e Parâmetros de Atuação (RPA)

EASYNVEST - TÍTULO CORRETORA DE VALORES SA Regras e Parâmetros de Atuação (RPA) Regras e Parâmetros de Atuação (RPA) (CORRETORA), com sede na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, na Av. Dr. Cardoso de Melo, 1.608-14º andar - Vila Olímpia, inscrita no CNPJ/MF sob nº 62.169.875/0001-79

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002

INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS INSTRUÇÃO Nº 376, DE 11 DE SETEMBRO DE 2002 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA 1. APRESENTAÇÃO 1.1 OBJETIVO O objetivo deste Código de Conduta Ética é definir padrões visando : a) Prevenção de conflitos de interesses, envolvendo acesso às informações privilegiadas,

Leia mais

1.1. DADOS CADASTRAIS O Cliente, antes de iniciar suas operações nos mercados organizados de valores mobiliários administrados pela Cetip deverá:

1.1. DADOS CADASTRAIS O Cliente, antes de iniciar suas operações nos mercados organizados de valores mobiliários administrados pela Cetip deverá: Pelo presente instrumento particular, a ICAP DO BRASIL CTVM LTDA. ( ICAP), objetivando atuar na qualidade de Intermediário, conforme Manual de Normas de Intermediário de Valores Mobiliários, nos mercados

Leia mais

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM

Código de Conduta e Ética. da Solidus S/A CCVM da Solidus S/A CCVM Revisado e aprovado na Reunião do Comitê Gestor de Riscos em 08/02/2013 A Corretora Solidus S/A CCVM assume o compromisso de zelar pela reputação de seus negócios e de sua imagem, assim

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS

ÂMBITO E FINALIDADE DAS DEFINIÇÕES INICIAIS Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas em bolsas e mercados de balcão organizado por meio da rede mundial de computadores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PESSOAIS Gerência de Compliance e Riscos Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Regras para Investimento... 3 4.1. Investimentos Permitidos...

Leia mais

Regras, Procedimentos e Controles Internos para Distribuição via Agentes Autônomos de Investimento

Regras, Procedimentos e Controles Internos para Distribuição via Agentes Autônomos de Investimento Regras, Procedimentos e Controles Internos para Distribuição via Agentes Autônomos de Investimento (em atendimento à Instrução CVM nº 497 de 2011) Vinci DTVM Fevereiro 2015 ÍNDICE 1. Definições... 3 2.

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO POLÍTICA DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E FINANCIAMENTO AO TERRORISMO Julho de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. DEFINIÇÕES... 3 2. CONCEITO... 4 3. REGULAMENTAÇÃO... 5 4. OBJETIVOS DO PROGRAMA DE PLDFT...

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BM&F SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO DE DERIVATIVOS: PREGÕES VIVA-VOZ E ELETRÔNICO

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BM&F SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO DE DERIVATIVOS: PREGÕES VIVA-VOZ E ELETRÔNICO REGULAMENTO DE OPERAÇÕES DO SEGMENTO BM&F SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO DE DERIVATIVOS: PREGÕES VIVA-VOZ E ELETRÔNICO 1. DEFINIÇÕES 2. OBJETO 2.1. O Regulamento, sua aplicabilidade e complementação/atualização

Leia mais

Código de Ética, Conduta e Relacionamento

Código de Ética, Conduta e Relacionamento As normas éticas possuem como pressuposto as normas morais. A ética estabelece normas de conduta as quais são destinadas a regular os atos humanos tendentes à consecução dos fins a que se propõe. O não

Leia mais

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br

Mirae Asset Securities (Brasil) C.T.V.M. Ltda www.miraeasset.com.br ENTIDADES AUTORREGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é uma companhia de capital brasileiro formada, em 2008, a partir da integração das operações da Bolsa de Valores

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA NEGOCIAÇÃO DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS NO SERVIÇO AÇÕES ONLINE CAIXA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL PARA NEGOCIAÇÃO DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS NO SERVIÇO AÇÕES ONLINE CAIXA A Caixa Econômica Federal, aqui simplesmente denominada CAIXA, como integrante do sistema de distribuição de títulos e valores mobiliários, oferece aos seus clientes serviço de intermediação de títulos

Leia mais

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET

FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Código do cliente: FICHA CADASTRAL MIRAE ASSET Assessor: PESSOA JURÍDICA F.P07.003.06 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CLIENTE Razão Social Completa (sem abreviações) CNPJ Inscrição Estadual Nº Registro e Órgão

Leia mais

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS

MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS E CÂMBIO LTDA MANUAL DO AGENTE AUTÔNOMO DE INVESTIMENTOS Revisado em agosto/2013 Página 1/8 1. CRITÉRIOS BÁSICOS Em atendimento a Instrução CVM 497 de 03 de junho de 2011,

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS O Banco Modal S/A, ora designado Banco Modal, em atendimento ao disposto no art. 20, 4º e 31, caput, da Instrução nº 505, de 27 de Setembro

Leia mais

B5M. BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS

B5M. BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS B5M. BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS Processo de Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos no 27/2011 Felipe Augusto Aragão Evangelista x UM Investimentos S/A CTVM PARECER DA GERÊNCIA JURíDICA - GJUR

Leia mais

POLÍTICA DE SUITABILITY

POLÍTICA DE SUITABILITY POLÍTICA DE SUITABILITY VERIFICAÇÃO DA ADEQUAÇÃO DOS PRODUTOS, SERVIÇOS E OPERAÇÕES AO PERFIL DO INVESTIDOR Julho/2015 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO Este Manual/Relatório foi elaborado pela ATIVA com fins

Leia mais

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849

TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 1 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BOVESPA TELEFONES: (0XX11) 3175 5353 Mesa de Operações - FAX: (0XX11) 3283 5849 ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. nº 4-3 com sede no Município de São

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. A ITAÚ CORRETORA DE VALORES S.A. ( ITAÚ CORRETORA ), em consonância com a regulamentação em vigor, estabelece suas regras e parâmetros de

Leia mais

J. Safra Corretora de

J. Safra Corretora de J. Safra Corretora de Valores e Câmbio Ltda. CNPJ 60.783.503/0001-02 REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO NOS MERCADOS ADMINISTRADOS PELA BM&FBOVESPA E NOS MERCADOS DE BALCÃO. A J. Safra Corretora de Valores

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE CONDUTA E ATUAÇÃO A NOVINVEST CORRETORA DE VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. ( NOVINVEST ), em atenção ao disposto no Artigo 20, I, da Instrução n 505/11 da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&FBOVESPA

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&FBOVESPA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO BM&FBOVESPA 1. INTRODUÇÃO A Geração Futuro Corretora de Valores S.A. ( Geração Futuro ou Corretora ), em atendimento ao disposto pela Comissão de Valores Mobiliários ( CVM

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais