MANUAL DO OPERADOR DO SISBIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DO OPERADOR DO SISBIO"

Transcrição

1 MANUAL DO OPERADOR DO SISBIO Versão 2.0 SISTEMA DE AUTORIZAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA EM BIODIVERSIDADE

2 Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) Roberto Ricardo Vizentin (Presidente) Diretoria de Pesquisa, Avaliação e Monitoramento da Biodiversidade (DIBIO) Marcelo Marcelino de Oliveira (Diretor) Coordenação Geral de Pesquisa e Monitoramento da Biodiversidade (CGPEQ) Marília Marques Guimarães Marini (Coordenadora Geral) Coordenação de Autorizações e Informação Científica em Biodiversidade (COINF), responsável pela gestão do Sisbio Rodrigo Silva Pinto Jorge (Coordenador) Equipe de Informática do Sisbio Joseilson de Assis Costa Laplace Gomide Júnior Equipe Técnica da COINF Douglas Alves Carega Hannah Menezes Rafael Evangelista Rayldo Simeão dos Reis Renata do Nascimento Sauerbronn de Souza Tainah Correa Seabra Guimarães Tatiana de Rezende Rosa Elaboração do Manual do Operador Ana Raquel Franco Carvalho Helena Krieg Boscolo (Organização) Joseílson de Assis Costa Laplace Gomide Júnior Otávio Borges Maia Rayldo Simeão dos Reis Renata do Nascimento Sauerbronn de Souza Rodrigo Silva Pinto Jorge Vanessa Dayane da Silva Soares Redação e revisão do Manual do Operador Versão Otávio Borges Maia Versão 2.0 Equipe da coordenação responsável pela gestão do Sisbio

3 MANUAL DE OPERAÇÃO DO MÓDULO INTERNO DO SISTEMA DE AUTORIZAÇÃO E INFORMAÇÃO CIENTÍFICA EM BIODIVERSIDADE - SISBIO ESTE MANUAL É DESTINADO, EXCLUSIVAMENTE, AOS OPERADORES DO SISBIO A coordenação responsável pela gestão do Sisbio presta atendimento aos operadores do sistema por meio do endereço Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade Manual do Operador do Sisbio 2ª edição Novembro de Brasília. ÍNDICE

4 INTRODUÇÃO... 1 BASE LEGAL... 2 TIPOS DE SOLICITAÇÃO... 4 CREDENCIAMENTO DE OPERADOR... 5 PERFIS DE OPERAÇÃO... 6 MENSAGENS AUTOMÁTICAS ENVIADAS PELO SISBIO... 9 MENSAGENS ENVIADAS PELA COORDENAÇÃO DO SISBIO (COINF) SERVIÇO DE ATENDIMENTO AOS OPERADORES RECUPERAÇÃO DE SENHA DE ACESSO AO MÓDULO DE OPERAÇÃO DO SISBIO REGRAS GERAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE SOLICITAÇÃO REGRAS GERAIS DE REDISTRIBUIÇÃO DE SOLICITAÇÃO PRAZOS COMO ACESSAR O MÓDULO DE OPERAÇÃO DO SISBIO RECEBENDO UMA SOLICITAÇÃO CANCELANDO O RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÃO PREMISSAS DA ANÁLISE DE SOLICITAÇÃO ANALISANDO A SOLICITAÇÃO PESQUISADOR ESTRANGEIRO ATIVIDADES E ESTUDOS SUJEITOS A AUTORIZAÇÃO POR MEIO DO SISBIO EMITINDO PARECER PARA AUTORIZAÇÃO RESSALVA ATIVIDADES QUE PRESCINDEM DE AUTORIZAÇÃO DEVOLUÇÃO PARA CORREÇÃO MANUTENÇÃO DE FAUNA EM CATIVEIRO EMITINDO PARECER PARA LICENÇA PERMANENTE HOMOLOGAÇÃO SUMÁRIO DE OPERAÇÕES DO MÓDULO SOLICITAÇÃO DIVERGÊNCIAS ENTRE PARECERES COMITÊ DE CONCILIAÇÃO RECONSIDERAÇÃO SOBRE SOLICITAÇÃO INDEFERIDA... 71

5 ALTERAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO CONCEDIDA BUSCAS E CONSULTAS ESTRUTURA E AUTENTICIDADE DOS DOCUMENTOS EMITIDOS PELO SISBIO DATA PARA REVALIDAÇÃO COLETA IMPREVISTA REGISTRO DE EXPEDIÇÃO DE CAMPO PESQUISAS DESENVOLVIDAS POR SERVIDORES DO ICMBIO PLANOS DE MANEJO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PESQUISA EM UC ESTADUAL, DISTRITAL OU MUNICIPAL RELATÓRIO DE ATIVIDADES AÇÕES DA COORDENAÇÃO DO SISBIO (COINF) ANEXO 1 TERMO DE COMPROMISSO E RESSALVAS PADRONIZADAS ANEXO 2 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 154/ ANEXO 3 PORTARIA MMA N 236/ ANEXO 4 NORMA DE EXECUÇÃO Nº 1/ ANEXO 5 PORTARIA ICMBIO Nº 318/ ANEXO 6 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10/ ANEXO 7 ESCLARECIMENTOS SOBRE COLETA E ACESSO AO PATRIMÔNIO GENÉTICO

6 INTRODUÇÃO O Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade (Sisbio) é um sistema interativo e simplificado de atendimento à distância e de informação, que permite ao pesquisador solicitar, por meio da Internet, autorização para coleta de material biológico ou para realização de pesquisa em unidade de conservação (UC) ou cavernas, e ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) conceder essas autorizações. O sistema opera de forma descentralizada, dando celeridade à tramitação das solicitações de autorizações, e disponibilizará, de forma sistematizada, informações relativas aos projetos de pesquisa em execução no país, propiciando à Administração Pública e à sociedade o melhor aproveitamento do conhecimento produzido pelas pesquisas científicas em biodiversidade no desenvolvimento e subsídio a implementação de políticas públicas voltadas à gestão ambiental. Implementado em março de 2007, o Sisbio é resultado de amplo processo participativo de discussões iniciado em 2003, que envolveu a comunidade científica e os técnicos de várias unidades administrativas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O desenvolvimento do sistema e a elaboração das normas a ele vinculadas (Instruções Normativas nº 154/2007 e nº 160/2007) buscaram harmonizar a modernização do processo de concessão de autorizações às exigências legais, atribuições institucionais e reivindicações tanto da comunidade científica quanto de gestores de unidades de conservação. A implementação do Sisbio representou inegável avanço em relação aos procedimentos para concessão de autorizações para coleta de material biológico para fins científicos e para realização de pesquisa em unidades de conservação (UC), bem como um marco na retomada da boa relação entre o Ibama e a comunidade científica. A Portaria nº 236/2008, do Ministério do Meio Ambiente, atribuiu unicamente ao ICMBio a responsabilidade de gerir o Sisbio e conceder as autorizações previstas na Instrução Normativa nº 154/07. Contudo, o sistema continua hospedado no Ibama. O Manual do Operador tem como objetivo esclarecer e padronizar os procedimentos para análise das solicitações de autorização para atividades com finalidade científica ou didática no âmbito do ensino superior e licença permanente para coleta de material zoológico feitas pelo Sisbio. Este Manual descreve os procedimentos de operação do sistema pelos seus operadores, bem como esclarece as dúvidas mais frequentes. Sugestões de inclusão, exclusão ou correção do conteúdo deste Manual poderão ser enviadas ao endereço eletrônico (incluir a palavra texto "Sugestões/Manual" no campo "Assunto" da mensagem). As informações contidas neste Manual devem ser complementadas com aquelas disponíveis no MANUAL DO USUÁRIO, que trata do preenchimento de solicitação pelo pesquisador. Boa leitura! Coordenação de Autorização e Informação Científica em Biodiversidade responsável pela gestão do Sisbio (COINF) 1

7 BASE LEGAL O Sisbio opera com base nos seguintes diplomas legais: ❶ Leis nºs 5.197/1967 (Lei de Proteção à Fauna), 6.938/1981 (Política Nacional de Meio Ambiente), 9.605/1998 (Lei dos Crimes Ambientais), 9.985/2000 (Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza); Decreto-lei nº 221/1967 (Proteção e Estímulos à Pesca), Decretos nºs /1988 (Realização de Pesquisa e Investigação Científica na Plataforma Continental e em Águas sob Jurisdição Brasileira); /1990 (Proteção das Cavidades Naturais Subterrâneas); 6.514/2008 (Infrações e Sanções Administrativas ao Meio Ambiente), 4.339/2002 (Política Nacional de Biodiversidade) e 4.340/2002 (Regulamenta SNUC). ❷ Instrução Normativa Ibama nº 154/2007 Fixa norma sobre a realização das seguintes atividades, com finalidade científica ou didática (no âmbito do ensino superior) no território nacional, na plataforma continental, no mar territorial e na zona econômica exclusiva: I - coleta de material biológico; II - captura ou marcação de animais silvestres in situ; III - manutenção temporária de espécimes de fauna silvestre em cativeiro; IV - transporte de material biológico; V - realização de pesquisa em unidade de conservação federal (UC) ou em cavidade natural subterrânea. ❸ Norma de Execução Ibama nº 01/2007 Define produção científica para fins de aplicação do disposto no art. 11, 1º, inciso II, da IN 154/07. ❹ Portaria MMA nº 236/2008 Atribuiu ao Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade a gestão do Sisbio para conceder as autorizações previstas na IN 154/07 (exceto exportação e importação de material biológico). ❺ Portaria ICMBio nº 318/2010 Define o procedimento de credenciamento de servidor do ICMBio como operador do Sisbio e as atribuições das unidades de conservação federais (UCs), dos centros de pesquisa e conservação, das coordenações regionais (CRs) e da Coordenação Geral de Pesquisa e Monitoramento na tramitação das solicitações de autorização ou de licença permanente registradas no Sisbio. ações de: ❻ Decreto Presidencial n 7.515/2011 Dispõe sobre a estrutura regimental do ICMBio, atribuindo ao ICMBio (art. 2, inciso XV e XVI) as - autorizar a realização de pesquisa e coleta de material biótico e abiótico para fins científicos nas unidades de conservação federais e cavidades naturais subterrâneas; 2

8 - autorizar a captura, coleta, transporte, reintrodução e destinação de material biológico com finalidade didática ou científica. O PROCESSO DE ENSO, MAS SERÁ RETOMADO EM BREVE. O ICMBIO PUBLICARÁ UMA NORMATIVA PRÓPRIA, APÓS O PROCESSO DE REVISÃO. 3

9 TIPOS DE SOLICITAÇÃO Sisbio: Os seguintes tipos de solicitação / registros estão disponíveis ao pesquisador no módulo externo do ❶ Autorização para atividades com finalidade científica ❷ Autorização para atividades com finalidade didática no âmbito do ensino superior ❸ Licença permanente para coleta de material zoológico ❹ Registro de expedição de campo (vinculado a licença permanente) ❺ Comprovante de registro para coleta de material botânico, fúngico e microbiológico Os tipos ❶ ❷ ❸ requerem emissão de parecer e homologação por operador do sistema, de acordo com o seu perfil de operação e com as competências da unidade pela qual opera o sistema. Os tipos ❹ e ❺ são apenas registros e são concedidos automaticamente pelo sistema. O operador que desejar familiarizar-se com o módulo externo do Sisbio deverá solicitar à coordenação do Sisbio a senha teste de acesso ao módulo externo ou cadastrar-se como pesquisador. O Manual do Usuário (pesquisador) está disponível em As senhas de acesso ao módulo interno (de operação) e ao módulo externo (de solicitação) são diferentes!!! Atenção: se VOCÊ OPTAR POR CADASTRAR-SE COMO PESQUISADOR COM O objetivo DE CONHECER o módulo externo, NÃO SUBMETA à análise a solicitação em preenchimento DURANTE A NAVEGAÇÃO. Endereços do Sisbio: - MÓDULO EXTERNO Utilizado por pesquisador para registrar solicitação de autorização, de licença permanente, de registro de expedição de campo ou de comprovante de registro para coleta de material botânico, fúngico e microbiológico; como também apresentar relatório anual de atividades, conforme previsto na IN 154/07. ACESSO por - MÓDULO INTERNO Utilizado por operador do sistema na tramitação de solicitação registrada por pesquisador. ACESSO por https://ibamanet.ibama.gov.br/sisbio/ (observe que é https e não http!) O Sisbio está hospedado no Ibama, vinculado aos Serviços on line. Por isso o endereço (domínio) do módulo interno do Sisbio direciona o operador do sistema para um ambiente do Ibama. Futuramente, esta condição será alterada. 4

10 CREDENCIAMENTO DE OPERADOR O ACESSO AO MÓDULO INTERNO SÓ É PERMITIDO A OPERADORES CREDENCIADOS. O credenciamento de operador é normatizado pela Portaria ICMBio nº 318/ 2010 e deve ser requerido por chefe de UC federal, chefe de centro de pesquisa e conservação, coordenador regional ou pelo Coordenador Geral de Pesquisa, no âmbito de suas competências, por meio do institucional. O requerimento de credenciamento de operador deve ser endereçado a contendo os seguintes dados do servidor que será credenciado como operador do Sisbio: 1. nome completo; 2. CPF; 3. unidade pela qual será credenciado; 4. perfil de acesso do operador, que pode ser Parecer ou Homologação. Para ser credenciado como o operador do Sisbio, O SERVIDOR DEVERÁ POSSUIR CONTA DE ( ) INSTITUCIONAL em situação regular. O institucional deverá ser requerido à Coordenação de Tecnologia da Informação Informações sobre a solicitação de institucional estão disponíveis no endereço O ENDEREÇO ELETRÔNICO INSTITUCIONAL ESTÁ VINCULADO AO CPF DO OPERADOR. O CPF É O CÓDIGO DE ACESSO DO OPERADOR AO MÓDULO INTERNO DO SISTEMA. O SISTEMA IDENTIFICA O OPERADOR PELO SEU CPF. No caso do credenciamento de ANALISTAS AMBIENTAIS APROVADOS NO ÚLTIMO CONCURSO do ICMBio, deverão ser enviadas as seguintes informações que permitirão a criação de uma conta (denominada Oracle) pelo Ibama (o Sisbio está hospedado no Ibama!!!), pré-requisito para acessar o Sisbio: 1. nome completo do futuro operador; 2. tipo de funcionário: analista ambiental, contratado (contrato temporário nível IV), cargo em comissão ou função de confiança do grupo Direção e Assessoramento Superiores - DAS; 3. matrícula no Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape); 4. CPF; 5. município onde trabalha (lotação); 6. Estado onde trabalha; 7. setor ou unidade onde trabalha e pela qual responderá; 8. data de nascimento; 9. RG; 10. órgão emissor do RG; 11. UF do órgão emissor do RG; 5

11 12. telefone do local de trabalho (com DDD); 13. perfil de operação (homologador ou parecerista). PERFIS DE OPERAÇÃO TODO ANALISTA AMBIENTAL (OU CONTRATO TEMPORÁRIO NÍVEL IV) ESTÁ APTO A APLICAR A IN 154/07 E A OPERAR O SISBIO. Qualquer servidor do ICMBio, com matrícula Siape, pode ser credenciado como operador do Sisbio. O operador não precisa ser um especialista em determinado grupo taxonômico. Operadores com formação profissional nas áreas biológica e afins terão mais facilidade para emitir parecer e aplicar a norma. O operador poderá ser credenciado em um dos seguintes perfis com privilégios de acesso: ❶ Consulta: operador habilitado a realizar transações de consulta no sistema (por exemplo, de extrato de solicitação, de pareceres emitidos por outros operadores, documentos liberados); ❷ Parecer: operador habilitado a realizar transações de consulta, receber e analisar solicitação distribuída à unidade pela qual opera o sistema, emitir parecer sobre a solicitação, com base na IN 154/07, e devolver solicitação ao pesquisador, para correção; ❸ Homologação: operador habilitado a realizar transações de consulta, receber e analisar solicitação, emitir parecer, devolver solicitação para correção, homologar parecer, liberar alteração de parecer. O operador com perfil de homologação será responsável por ratificar (homologar) os pareceres emitidos pelos demais operadores da unidade com perfil de Parecer. O operador com perfil de homologação também pode atuar como parecerista e homologar o próprio parecer. O que define o perfil Homologação não é a formação profissional do operador, mas a sua função administrativa, sua posição hierárquica dentro da estrutura administrativa do órgão. Quem responde pelo centro de pesquisa e conservação ou pela UC é o chefe. Pela CR, o coordenador. Sendo assim, o chefe ou coordenador regional designará o(s) operador(es) e seu(s) respectivo(s) perfil de operação (parecer ou homologação). Chefes e coordenadores regionais podem ser cadastrados no perfil homologação. Alternativamente, poderão ser indicados por eles outro servidor da unidade para ser cadastrado no perfil de homologação. É desejável que cada unidade operacional tenha, NO MÍNIMO, DOIS OPERADORES NO PERFIL HOMOLOGAÇÃO, de modo que sempre haja um disponível para homologar os pareceres emitidos. Esse item é uma RECOMENDAÇÃO, não uma exigência. Quando existir apenas um servidor lotado em unidade de conservação e ele for o chefe dessa unidade, esse servidor será cadastrado, necessariamente, no perfil Homologação. Este operador atuará como parecerista e homologará o próprio parecer. Caso o único servidor da unidade não seja chefe, caberá ao coordenador regional definir o seu perfil de operação (parecer ou homologação). 6

12 EM QUALQUER UNIDADE OPERADORA DO SISBIO, NA AUSÊNCIA DE SERVIDOR COM O PERFIL PARECER, O SERVIDOR COM O PERFIL HOMOLOGAÇÃO DEVE EMITIR O PARECER E HOMOLOGÁ-LO. COMPETE AO CHEFE DE UC FEDERAL OU SERVIDOR POR ELE DESIGNADO COMO OPERADOR DO SISBIO O RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PELA QUAL RESPONDE, BEM COMO PELA EMISSÃO DE PARECER E HOMOLOGAÇÃO DA SOLICITAÇÃO. Todas as unidades de conservação que tenham chefia nomeada deverão ter operador(es) cadastrado(s) no Sisbio. Mesmo que o chefe da UC não seja servidor de carreira do ICMBio, é ele quem responde pela unidade. Se a UC não dispõe de equipe técnica, mas tem seu chefe nomeado (FG ou DAS), é ele quem deverá analisar as solicitações distribuídas à UC por meio do Sisbio. COMPETE AO CHEFE DE CENTRO DE PESQUISA E CONSERVAÇÃO OU SERVIDOR POR ELE DESIGNADO COMO OPERADOR DO SISBIO O RECEBIMENTO, EMISSÃO DE PARECER E HOMOLOGAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENÇA PERMANENTE QUE ENVOLVA TÁXON ALVO DE AÇÕES DO CENTRO DE PESQUISA E CONSERVAÇÃO PELO QUAL É RESPONSÁVEL. Não há limites para o número de técnicos credenciados numa determinada unidade, tanto para o perfil de parecer quanto para o de homologação. NÃO É POSSÍVEL VINCULAR UM OPERADOR A MAIS DE UMA UNIDADE OPERACIONAL Os operadores credenciados pelas UCs e centros deverão ser aqueles lotados nas UCs e centros, respectivamente. Se, excepcionalmente, a UC não puder analisar as solicitações por limitação de técnico qualificado para ser credenciado como operador, as solicitações distribuídas a essa UC serão redistribuídas pelo sistema à CR a qual a UC está vinculada para emissão de parecer/homologação em caráter supletivo. Excepcionalmente, uma solicitação da unidade A poderá ser distribuída para uma unidade B para emissão supletiva de parecer ou o operador da unidade A poderá ser vinculado TEMPORARIAMENTE à unidade B. Somente os operadores credenciados no perfil Gestor, vinculados à COINF podem alterar a vinculação do operador mediante justificativa apresentada pelo requerente e com a anuência do chefe desse operador. 7

13 COMPETE À COORDENAÇÃO REGIONAL APOIAR AS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO VINCULADAS A ELA NA OPERAÇÃO DO SISBIO. Compete ao coordenador regional ou servidor por ele designado como operador do Sisbio: ❶ receber, emitir parecer e homologar solicitação de autorização para realização de pesquisa em UC vinculada à coordenação regional, em caráter supletivo, quando da perda de prazo de recebimento, de emissão de parecer ou de homologação por essa unidade de conservação responsável (vinculada); ❷ identificar operador do Sisbio, lotado em UC vinculada à coordenação regional, qualificado para analisar, em caráter excepcional e supletivo, solicitação distribuída à UC, também vinculada à coordenação regional, que não tenha chefe designado ou operador cadastrado; ❸ solicitar à coordenação responsável pela gestão do Sisbio (COINF) alteração temporária no credenciamento de operador para analisar, em caráter excepcional e supletivo, e com ciência do chefe da unidade a qual o operador está vinculado, solicitação distribuída à UC, vinculada à coordenação regional, que não tenha chefe designado ou operador cadastrado; ❹ acompanhar a tramitação das solicitações registradas no Sisbio para realização de pesquisa nas UCs vinculadas à coordenação regional; ❺ reiterar, junto às UCs vinculadas à coordenação regional, o cumprimento dos prazos de recebimento, de emissão de parecer e de homologação das solicitações registradas no Sisbio para realização de pesquisa nas unidades de conservação federais vinculadas à coordenação regional. OS OPERADORES CREDENCIADOS PODERÃO OPERAR O SISBIO A PARTIR DE QUALQUER UNIDADE DO ICMBIO OU DE QUALQUER COMPUTADOR CONECTADO À INTERNET. O operador credenciado para determinada unidade (por exemplo, uma UC sem conexão com a Internet ou UC na qual o técnico não permanece por falta de infra-estrutura) poderá operar normalmente o Sisbio de qualquer outra unidade do ICMBio ou de qualquer computador conectado à Internet. 8

14 MENSAGENS AUTOMÁTICAS ENVIADAS PELO SISBIO O sistema envia, periodicamente, mensagens eletrônicas automáticas para os endereços eletrônicos INSTITUCIONAIS dos operadores. São avisos, alertas, lembretes remetidos de acordo com o perfil do operador. O conteúdo das mensagens refere-se às solicitações distribuídas à unidade à qual o operador está credenciado. O operador deverá, portanto, consultar REGULARMENTE seu para visualizar as mensagens enviadas pelo sistema. A caixa de correio do operador deverá ter espaço suficiente para receber as mensagens enviadas pelo Sisbio. As mensagens enviadas pelo Sisbio apresentam tamanho reduzido. O sistema envia mensagens DIÁRIAS identificadas no campo remetente como SISBIO/ICMBio ( do Ibama? O Sisbio está hospedado no Ibama e o utilizado pelo sistema para enviar mensagens e documentos ainda é do Ibama!!!). O envio das mensagens do Sisbio pode não ocorrer diariamente devido às falhas eventuais do sistema. A coordenação responsável pela gestão do Sisbio (COINF) recomenda que os operadores acessem o Sisbio interno com freqüência (ao menos uma vez por semana) para que visualizem as pendências de recebimento, análise e/ou homologação da unidade na qual estão credenciados. Assuntos das mensagens enviadas pelo Sisbio: Falta receber solicitações Informa sobre as solicitações distribuídas à unidade operacional pelo qual o operador está credenciado, que não foram recebidas por nenhum operador credenciado pela unidade para emissão de parecer dentro do prazo previsto em norma. A mensagem informa o nº da solicitação, data da distribuição da solicitação para a unidade operacional, data limite para o recebimento da solicitação e, data limite para emissão do parecer. Falta emitir parecer Informa sobre as solicitações recebidas pelos operadores da unidade operacional pelo qual o operador está credenciado, que aguardam emissão de parecer com base na IN 154/07. A mensagem informa o nº da solicitação, data da distribuição da solicitação para a unidade operacional, data limite para emissão do parecer, nome do operador que recebeu a solicitação para emissão de parecer. Falta homologar parecer Informa sobre pareceres emitidos e concluídos pelos operadores da unidade operacional a qual o operador perfil Homologação está credenciado, que aguardam homologação. A mensagem informa o nº da solicitação, data da conclusão do parecer, data limite para homologação. 9

15 Solicitação nº - devolvida para correção Informa que determinada solicitação foi devolvida para correção por algum operador de qualquer unidade para a qual a solicitação tenha sido distribuída. Uma solicitação pode ser distribuída para várias unidades operacionais dependendo dos táxons e localidades informadas pelo pesquisador na solicitação. A mensagem é enviada somente ao operador que recebeu a solicitação e emitiu ou não o parecer e apresenta a justificativa da devolução para correção e alerta o operador que a solicitação, após a correção, poderá ser submetida novamente pelo pesquisador, o que requererá novo recebimento dessa solicitação pelas unidades operacionais para as quais a solicitação for distribuída. A mensagem informa o nº da solicitação, tipo da solicitação, nome do pesquisador titular, título do projeto (quando couber), nome da instituição a qual o pesquisador está vinculado, cópia da justificativa da devolução, nome da unidade operacional responsável pela devolução, sigla da unidade operacional e número de telefone da unidade operacional. 10

16 MENSAGENS ENVIADAS PELA COORDENAÇÃO DO SISBIO (COINF) A coordenação do Sisbio (COINF) mantém dois grupos virtuais que têm como objetivo divulgar informações, procedimentos e orientações que auxiliam os operadores na análise de solicitações registradas no Sisbio. Os grupos são uma ferramenta eficaz que permite à coordenação do Sisbio (COINF) comunicar-se rapidamente com centenas de operadores do sistema lotados na sede, nas unidades de conservação e nos centros especializados. Apenas a coordenação do Sisbio (COINF) está autorizada a postar mensagens para os grupos de tal sorte que o espaço ocupado por essas mensagens nas caixas de entrada dos correios eletrônicos é mínimo. Todavia, os grupos poderão, eventualmente, ser utilizados para promover discussões ou estudos de caso. No grupo "Lista ICMBio Operadores Sisbio" só são admitidos endereços eletrônicos institucionais. SERVIÇO DE ATENDIMENTO AOS OPERADORES A coordenação do Sisbio (COINF) presta atendimento aos operadores do sistema EXCLUSIVAMENTE por meio do endereço As respostas são enviadas ao operador com a maior brevidade possível. RECUPERAÇÃO DE SENHA DE ACESSO AO MÓDULO DE OPERAÇÃO DO SISBIO A senha de acesso ao módulo interno do Sisbio é a mesma senha de acesso outrora utilizada no Webmail do Ibama. Após o remanejamento de servidores do Ibama para o ICMBio, onde se utiliza o Expresso ICMBio disponibilizado pelo Serpro (Correio Livre), muitos operadores esqueceram a senha utilizada no Webmail Ibama. A SENHA PODERÁ SER RECUPERADA POR MEIO DE SOLICITAÇÃO DESTINADA AO ENDEREÇO INFORMANDO O NOME COMPLETO E O CPF DO OPERADOR. A mensagem deve conter a palavra senha no campo Assunto e deve ser enviada, OBRIGATORIAMENTE, pelo institucional do operador. Essa exigência visa evitar o envio de senha de acesso a pessoas não vinculadas ao ICMBio. A nova senha será enviada para o mesmo endereço eletrônico que enviou a mensagem de solicitação de recuperação de senha. 11

17 REGRAS GERAIS DE DISTRIBUIÇÃO DE SOLICITAÇÃO Distribuição é um procedimento automático executado pelo Sisbio com o objetivo de enviar uma solicitação à unidade operacional com competência para emitir parecer e homologação sobre as atividades previstas na solicitação. As regras de distribuição, uma vez definidas, são embutidas em uma árvore de decisões que executa as distribuições com base em três critérios: ❶ Taxonômico: a distribuição considera o táxon alvo das atividades previstas na solicitação; ❷ Geográfico: a distribuição considera a localidade na qual as atividades previstas na solicitação ou o projeto de pesquisa serão executados: dentro dos limites de unidade de conservação fora dos limites de unidade de conservação dentro de cavernas (cavidades subterrâneas) ❸ Demais critérios não estabelecidos: qualquer solicitação que não atende os critérios ❶ e ❷ é distribuída para a COINF para verificar a pertinência da solicitação. Uma solicitação pode envolver várias localidades (dentro ou fora de UC) e vários grupos taxonômicos. Nesse caso, ocorrerão distribuições múltiplas e simultâneas, ou seja, a solicitação será distribuída concomitantemente para todas as unidades operacionais com a atribuição de se manifestar sobre a solicitação. Os operados das diversas unidades operacionais, de forma simultânea e independente, tramitarão a solicitação (receber, emitir parecer, emitir homologação) de acordo com as suas competências. A regra de distribuição para os centros de pesquisa e conservação abrange as solicitações que envolvam espécies do reino animal ou vegetal, ameaçadas de extinção ou não (dentro ou fora de UC). O centro se manifesta exclusivamente em relação ao táxon quando a atividade prevista na solicitação for realizada dentro de UC. E se manifesta em relação ao táxon e à localidade quando a atividade prevista na solicitação for realizada fora de UC. COMPETE AO CHEFE DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO FEDERAL OU SERVIDOR POR ELE DESIGNADO COMO OPERADOR DO SISBIO O RECEBIMENTO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA REALIZAÇÃO DE PESQUISA NA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO PELA QUAL RESPONDE, BEM COMO PELA EMISSÃO DE PARECER E HOMOLOGAÇÃO DA SOLICITAÇÃO. COMPETE AO COORDENADOR DE CENTRO DE PESQUISA E CONSERVAÇÃO OU SERVIDOR POR ELE DESIGNADO COMO OPERADOR DO SISBIO O RECEBIMENTO, EMISSÃO DE PARECER E HOMOLOGAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENÇA PERMANENTE QUE ENVOLVA TÁXON ALVO DE AÇÕES DO CENTRO DE PESQUISA E CONSERVAÇÃO PELO QUAL É RESPONSÁVEL. 12

18 No caso de plantas, somente as solicitações que envolvam coleta de espécie ameaçada de extinção fora dos limites de UC serão distribuídas ao Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade do Cerrado e Caatinga (CECAT), ainda denominado COPOM no sistema. Quando a coleta de planta ameaçada de extinção estiver prevista para ser realizada em UC, a distribuição da solicitação ocorre apenas para a UC. No caso de espécies não contempladas por centro de pesquisa e conservação (pequenos mamíferos e invertebrados terrestres), a distribuição da solicitação é feita para uma unidade operada pela coordenação do Sisbio (atualmente nomeada como CGESP no sistema, mas que terá o nome atualizado), que conta com o apoio de voluntários (geralmente, operadores especializados nestes táxons) para o recebimento e análise das solicitações. NÃO HÁ PESO DIFERENCIADO OU QUALQUER RELAÇÃO DE SUBORDINAÇÃO ENTRE PARECERES EMITIDOS POR DIFERENTES UNIDADES OPERACIONAIS PARA UMA MESMA SOLICITAÇÃO, EXCETO QUANDO SE TRATAR DE PARECER EMITIDO PELA COORDENAÇÃO DO SISBIO OU POR COMITÊ DE CONCILIAÇÃO, COM O OBJETIVO DE DIRIMIR DIVERGÊNCIAS Quando a solicitação requerer parecer de UC e de centro de pesquisa e conservação, por conta do táxon indicado na solicitação, o parecer do centro será limitado ao táxon e, se for o caso, localidade(s) fora de UC, com base, sobretudo, no art. 18 da IN 154/07. Fica a critério da UC, RESPEITADO O PRAZO PARA EMISSÃO DE PARECER, aguardar a conclusão do parecer do centro para concluir o seu parecer. O objetivo dessa distribuição é dar à UC aporte de conhecimentos técnicos do centro de pesquisa e conservação. COMPETE À COORDENAÇÃO DO SISBIO VERIFICAR A REGULARIDADE E EMITIR PARECER SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE PESQUISADOR ESTRANGEIRO NAS ATIVIDADES AUTORIZADAS POR MEIO DO SISBIO, NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE. Licença permanente para coleta de material zoológico: as solicitações são distribuídas aos centros de pesquisa e conservação ou à coordenação do Sisbio de acordo com o táxon indicado na solicitação. No caso de peixes, as solicitações são distribuídas para o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Peixes Continentais (CEPTA), independente de ambiente continental ou marinho. Solicitações que envolvam táxon que não sejam alvos de ações dos centros são distribuídas para a coordenação do Sisbio que, por sua vez, busca o apoio de voluntários (geralmente, operadores especializados nos táxons de pequenos mamíferos e invertebrados terrestres) para o recebimento e análise das solicitações. 13

19 COMPETE À COORDENAÇÃO DO SISBIO BUSCAR CONCILIAÇÃO SOBRE PARECERES CONTROVERSOS OU PEDIDO DE RECONSIDERAÇÃO SOBRE LICENÇA PERMANENTE (INDEFERIDA OU PARCIALMENTE CONCEDIDA) OU AUTORIZAÇÃO (INDEFERIDA). Cabe à Coordenação Geral de Pesquisa e Monitoramento, por meio da coordenação responsável pela gestão do Sisbio, submeter pareceres controversos ou pedido de reconsideração sobre licença permanente ou autorização indeferida à análise por consultor ad hoc ou por comitê de conciliação composto, no mínimo, por um analista ambiental operador do Sisbio e um pesquisador com título de doutor, vinculado a instituição científica reconhecida pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), conforme disposto no art. 6 da Portaria n 318 de 24 de junho de

20 REGRAS GERAIS DE REDISTRIBUIÇÃO DE SOLICITAÇÃO Redistribuição é uma rotina (procedimento) automática executada pelo Sisbio com o objetivo de garantir a conclusão da tramitação de uma solicitação registrada no sistema dentro do prazo de 45 dias úteis. A redistribuição ocorre em decorrência de: ❶ perda de prazo de recebimento, de emissão de parecer ou de homologação de parecer pela unidade operacional responsável; ❷ inexistência de operador credenciado pela unidade operacional para a qual a solicitação foi distribuída; ❸ pareceres divergentes emitidos e homologados por unidades operacionais distintas, sobre uma mesma solicitação. Quando uma unidade operacional perde qualquer prazo (RECEBIMENTO, EMISSÃO DE PARECER ou HOMOLOGAÇÃO), o sistema redistribui a solicitação a outra unidade operacional que, supletivamente, dará continuidade à tramitação da solicitação. A unidade operacional para a qual a solicitação foi redistribuída disporá dos mesmos prazos para tramitar a solicitação, de acordo com a motivação da redistribuição (perda de prazo de recebimento, de emissão de parecer ou de homologação). A rotina de redistribuição automática por perda de prazo de recebimento, de emissão de parecer ou de homologação de parecer pode ser ativada ou desativada a qualquer momento, a critério da coordenação do Sisbio. Por exemplo, durante uma greve de servidores do ICMBio, a rotina é desativada e as solicitações NÃO são redistribuídas. QUANDO UMA UC PERDE O PRAZO DE RECEBIMENTO, DE EMISSÃO DE PARECER OU DE HOMOLOGAÇÃO DE PARECER, OU QUANDO A UC NÃO POSSUI OPERADOR CREDENCIADO, A SOLICITAÇÃO É REDISTRIBUÍDA PARA A COORDENAÇÃO REGIONAL A QUAL A UC ESTÁ VINCULADA. Compete ao coordenador regional ou servidor por ele designado como operador do Sisbio receber, emitir parecer e homologar solicitação de autorização para realização de pesquisa em UC vinculada à CR, em caráter supletivo, quando da perda de prazo de recebimento, de emissão de parecer ou de homologação por essa UC vinculada. Caso o operador responsável pela CR identifique que uma solicitação foi redistribuída por perda de prazo de uma UC que conta com operador(es) Sisbio, poderá solicitar à coordenação do Sisbio a redistribuição da solicitação para recebimento, parecer e homologação da UC. É importante que a CR entre em contato com a UC para saber o motivo da perda de prazo e para orientar a unidade a agilizar a análise da solicitação em questão, uma vez que o prazo já foi descumprido anteriormente. 15

SISBIO. 2007. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 2ª Edição. Agosto de 2007.

SISBIO. 2007. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 2ª Edição. Agosto de 2007. SISTEMA DE AUTORIZAÇÃO E INFORMAÇÃO EM BIODIVERSIDADE SISBIO MANUAL DO USUÁRIO www.ibama.gov.br/sisbio 2007. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). 2ª Edição.

Leia mais

Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa

Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa RN-017/2010 O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq, no uso das atribuições

Leia mais

BOLSAS DE EXTENSÃO PARA PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE

BOLSAS DE EXTENSÃO PARA PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE Edital Nº 003/2013 Em consonância com a Resolução Normativa 03/CUn/09 de 8 de dezembro de 2009 e com a Resolução Normativa N.º 09/CUn/10, de 7 de dezembro

Leia mais

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio

Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade. Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sisbio Sisbio Sistema de Autorização e Informação em Biodiversidade Sistema interativo e simplificado de atendimento à distância e de informação. O

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 1, DE 8 DE JULHO DE 2002 (*) Estabelece procedimentos para a remessa, temporária ou definitiva, de amostra de componente

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2ª Edição 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1. SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E DE REMESSA DE AMOSTRA DE COMPONENTE DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E DE REMESSA DE AMOSTRA DE COMPONENTE DO PATRIMÔNIO GENÉTICO SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E DE REMESSA DE AMOSTRA DE COMPONENTE DO PATRIMÔNIO GENÉTICO INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO ONLINE (exclusivo para pesquisa científica, sem finalidade comercial)

Leia mais

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013.

Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Resolução nº 283/CONSEA, de 30 de abril de 2013. Fixa Normas para Afastamento de Docentes da UNIR para Realizar Cursos de Pós-Graduação (Alteração da Resolução 091/CONSEA/2005). O Conselho Superior Acadêmico

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

CRIANDO O SEU CURRÍCULO LATTES

CRIANDO O SEU CURRÍCULO LATTES CRIANDO O SEU CURRÍCULO LATTES Aprenda a cadastrar e construir seu currículo Lattes Abra o navegador de internet Mozilla Firefox. Para isso, clique no Menu Iniciar/Programas/Mozilla Firefox e clique no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Instruções para utilização do sistema PROEXWEB Passos para propor uma nova atividade de extensão ou reofertar uma atividade no sistema PROEXWEB

Instruções para utilização do sistema PROEXWEB Passos para propor uma nova atividade de extensão ou reofertar uma atividade no sistema PROEXWEB Instruções para utilização do sistema PROEXWEB Passos para propor uma nova atividade de extensão ou reofertar uma atividade no sistema PROEXWEB 1- NOVA ATIVIDADE - Entrar no sistema PROEXWEB no endereço

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 20, DE 29 DE JUNHO DE 2006 Estabelece procedimentos para remessa de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado

( ) Componente do Patrimônio Genético sem acesso ao Conhecimento Tradicional Associado MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Departamento do Patrimônio Genético Secretaria Executiva do Conselho de Gestão do Patrimônio Genético FORMULÁRIO PARA SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO DE ACESSO E REMESSA A COMPONENTE

Leia mais

NORMAS PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE UNIGRAN CAPITAL

NORMAS PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE UNIGRAN CAPITAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC NORMAS PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE UNIGRAN CAPITAL Capítulo I Da Natureza e das Finalidades Art. 1º Por Iniciação Científica

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA EDITAL N 54 DE 04 DE MAIO DE 2015

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA EDITAL N 54 DE 04 DE MAIO DE 2015 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA EDITAL N 54 DE 04 DE MAIO DE 2015 CONCURSO DE SELEÇÃO DE HISTÓRIA

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA ICMBIO Nº 07, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA ICMBIO Nº 07, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA ICMBIO Nº 07, DE 05 DE NOVEMBRO DE 2014 Estabelece Procedimentos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade nos Processos de Licenciamento Ambiental (Processo nº 02070.002575/2008-24).

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2015/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2015/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2015/2 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica do Universitário Módulo A Reitoria do Universitário

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único

1 INTRODUÇÃO. 1.2 Novo modelo operacional do Sistema do Cadastro Único Instrução Operacional nº 35 SENARC/MDS Brasília, 15 de abril de 2010. Assunto: Divulga as orientações necessárias para a solicitação de cadastramento de usuários municipais no novo sistema de Cadastro

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Maranhão - PPG UEMA em conjunto

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Educação

Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Educação Manual do Usuário Introdução Com a publicação da Lei n 12.101, de 27 de novembro de 2009, os requerimentos de certificação originária e de renovação do Certificado de Entidade Beneficente de Assistência

Leia mais

APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC

APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC O Governo do Estado do Maranhão e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTEC), por meio da Fundação de Amparo

Leia mais

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS

REGIMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS DOS CURSOS 0 ÍNDICE Da Constituição, da Finalidade e Objetivos dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu. 1 Da Estrutura Organizacional... 2 Da Criação dos Cursos... 3 Do Funcionamento dos Cursos... 4 Da Coordenação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006

CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 CAPES - MEC COLETA DE DADOS 9.01 MANUAL SIMPLIFICADO DO USUÁRIO 2006 1 APRESENTAÇÃO...2 2 INSTALAÇÃO...2 3 IMPORTAÇÃO DO ARQUIVO ESPECÍFICO...3 4 IMPORTAÇÃO DE DADOS DO CADASTRO DE DISCENTES...4 5 PREENCHIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de 02.05.2006 EDITAL N.º 015/2014 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA - UESB, no uso de

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS Aplicação MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE SOLICITAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO PARA AFASTAMENTO DO PAÍS Este manual disciplina as rotinas administrativas para solicitações de Afastamento do País para os Servidores da

Leia mais

2 DAS CONDIÇÕES GERAIS

2 DAS CONDIÇÕES GERAIS Universidade Federal do Rio de Janeiro Conselho de Ensino para Graduados e Conselho de Ensino de Graduação EDITAL nº 59 CEG/CEPG 2013, de 22 de março de 2013 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação

Leia mais

A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos:

A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos: Mudanças do Currículo Lattes Conheça a interface A área de trabalho é o espaço reservado para as telas de preenchimento do Sistema e contém os seguintes elementos: 1.Barra de Ferramentas: Contém utilidades

Leia mais

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 Caro Gestor, Este manual de operação tem por objetivo instruí-lo sobre

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Gestão de Projetos Sociais, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo MEC por meio da

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.2

Manual SAGe Versão 1.2 Manual SAGe Versão 1.2 Cadastramento de Usuário (a partir da versão 12.08.01 ) Conteúdo Introdução... 2 Cadastramento... 2 Desvendando a tela inicial... 4 Completando seus dados cadastrais... 5 Não lembro

Leia mais

SIPED - Sistema de Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento. Reservado ao Ambiente Interno da ANP

SIPED - Sistema de Investimento em Pesquisa e Desenvolvimento. Reservado ao Ambiente Interno da ANP Versão 2.0 SIPED - Sistema de Investimento em Pesquisa e Aviso de Sigilo Este documento contém informações reservadas à ANP, sendo o documento como um todo classificado no nível reservado, conforme art.

Leia mais

Manual SAGe Versão 1.1

Manual SAGe Versão 1.1 Manual SAGe Versão 1.1 Submissão de Proposta de Bolsa Estágio de Pesquisa no Exterior (a partir da versão 12.08.01 ) Conteúdo Introdução... 2 Instruções iniciais... 3 Entrando no SAGe... 4 Criando nova

Leia mais

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes

Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC. Perguntas Mais Frequentes Chamada MCTI/CNPq Nº 09/2015 - Auxílio Promoção de Eventos Científicos, Tecnológicos e/ou de Inovação - ARC Perguntas Mais Frequentes 1) Onde encontro o Formulário Online de Propostas? O formulário Online

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PROFISIONAL AOS SERVIDORES DO IFMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO PROFISIONAL AOS SERVIDORES DO IFMA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLÓGICA DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À QUALIFICAÇÃO

Leia mais

E-mail Institucional login@unifesp.br

E-mail Institucional login@unifesp.br E-mail Institucional login@unifesp.br Introdução O sistema de correio eletrônico da UNIFESP permite a seus usuários a troca de mensagens eletrônicas pela internet, comunicando pessoas dentro e fora da

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO N o 25, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2005 Estabelece procedimentos para a remessa de amostra de componente do patrimônio genético

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012

RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 RESOLUÇÃO Nº 032 CONSUPER/2012 Dispõe sobre alterações na Regulamentação de apoio à pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de

Leia mais

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO PARA EMISSÃO, REGISTRO E EXPEDIÇÃO DE DIPLOMA DE CURSO DE GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Este documento não substitui o original aprovado pelo Conselho de Administração da FEST. Página 1/7

Este documento não substitui o original aprovado pelo Conselho de Administração da FEST. Página 1/7 RESOLUÇÃO FEST Nº 001/2004 Dispõe sobre a concessão de bolsas de apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Extensão Universitária pela Fundação Espírito-Santense de Tecnologia FEST. A Fundação Espírito-Santense

Leia mais

CHAMADA DE PROJETOS nº 16/2011 PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-DOUTORADO

CHAMADA DE PROJETOS nº 16/2011 PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-DOUTORADO CHAMADA DE PROJETOS nº 16/2011 PROGRAMA DE BOLSAS DE PÓS-DOUTORADO A Fundação Araucária, torna pública a presente Chamada de Projetos e convida os pesquisadores das Instituições de Ensino Superior e de

Leia mais

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP

EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES. Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP PAEP Programa de Apoio a Eventos no País EDITAL CAPES N 004/2012/ CAPES Seleção pública de propostas de projetos de eventos voltados ao Programa de Apoio a Eventos no País - PAEP A Fundação Coordenação

Leia mais

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015

Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 Edital para Pleito a Bolsa de Iniciação Científica da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais PIBIC / FAPEMIG - 2015 1. Descrição Este programa procura desenvolver nos estudantes de graduação

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. EDITAL ESMPU n. 177/2008

ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO. EDITAL ESMPU n. 177/2008 ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA UNIÃO EDITAL ESMPU n. 177/2008 A Escola Superior do Ministério Público da União ESMPU comunica que estarão abertas, no período de 13 a 15 de outubro de 2008, as

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 06/06/2014 18:22:39 Endereço IP: 189.9.1.20 1. Liderança da alta administração 1.1. Com relação

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013.

EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS DO IFMA PARA ATUAREM COMO PROFESSORES NOS CURSOS DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO

Leia mais

Formulário de Solicitação de BOLSA

Formulário de Solicitação de BOLSA Formulário de Solicitação de BOLSA TREINAMENTO TÉCNICO TT GRADUAÇÃO MO IC PÓS-GRADUAÇÃO M D PD AP PESQUISA PQ PV SOLICITANTE (não omita nem abrevie nomes) NOME: CADASTRO: ORIENTADOR se houver (não omita

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 50, DE 27 DE AGOSTO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 50, DE 27 DE AGOSTO DE O Diretor Geral Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Gestão, Auditoria e Licenciamento Ambiental, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo

Leia mais

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 3.0 1 Histórico de Revisão Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 01/11/2011 Documento 1.1

Leia mais

Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Educação

Certificação das Entidades Beneficentes de Assistência Social na Área de Educação Manual do Usuário Conteúdo Introdução... 4 Conhecendo a primeira página... 5 Tela Inicial... 6 Perfis de acesso... 7 Cadastrando a Entidade Mantenedora no sistema... 8 Autenticando no sistema com Certificação

Leia mais

Universidade de Brasília Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação

Universidade de Brasília Decanato de Pesquisa e Pós-Graduação RESOLUÇÃO DO DECANATO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO N. 4/2006 Regulamenta o Programa de Iniciação Científica da Universidade de Brasília. O Decano de Pesquisa e Pós-Graduação, no uso das atribuições que

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas UFAL Instituto de Computação IC Programa de Pós-Graduação em Informática PPGI

Universidade Federal de Alagoas UFAL Instituto de Computação IC Programa de Pós-Graduação em Informática PPGI EDITAL 01/2015-PPGI/UFAL EDITAL DE SELEÇÃO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO PNPD/CAPES 2015 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA PPGI O Programa de Pós-Graduação em Informática da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 069/2015, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 069/2015, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Avenida Vicente Simões, 1111 Bairro Nova Pouso Alegre 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone:

Leia mais

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL

MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL MUNICÍPIOS E LICENCIAMENTO AMBIENTAL SUELY MARA VAZ GUIMARÃES DE ARAÚJO Consultora Legislativa da Área XI Meio ambiente e direito ambiental, desenvolvimento urbano e interior OUTUBRO/2015 Suely Mara Vaz

Leia mais

Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU

Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU Adequação das Normas do Programa IC da UNITAU Alteração da Deliberação Consuni N o 080/2010 Artigo 4 o Os projetos de Iniciação Científica poderão ser aprovados por um período de até 24 (vinte e quatro)

Leia mais

MANUAL REDE INFOSEG (Versão 3.0)

MANUAL REDE INFOSEG (Versão 3.0) MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA REDE INFOSEG Esplanada dos Ministérios, ANEXO II TÉRREO, Sala INFOSEG CEP: 70064-900 Brasília-DF Tel: (61) 3429-9393 MANUAL REDE INFOSEG (Versão

Leia mais

3.3. Observatório Estadual de Economia Criativa do Amazonas (OBEC-AM), vinculado à Secretaria de Economia criativa do Ministério da Cultura (MinC).

3.3. Observatório Estadual de Economia Criativa do Amazonas (OBEC-AM), vinculado à Secretaria de Economia criativa do Ministério da Cultura (MinC). EDITAL 002/2014/PROTEC/UFAM PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA DE APOIO A INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO NO AMAZONAS - PAITI (PERÍODO DE VIGÊNCIA: DEZEMBRO/2014 a NOVEMBRO/2015) A Pró-Reitoria

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 04, DE 03 DE JULHODE 2015.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 04, DE 03 DE JULHODE 2015. EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 04, DE 03 DE JULHODE 2015. O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Imperatriz - MA, no uso de suas atribuições, torna

Leia mais

EDITAL N 001/2012/CPI/IFAM-MAUÉS

EDITAL N 001/2012/CPI/IFAM-MAUÉS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS COORDENAÇÃO DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFAM MAUÉS EDITAL N 001/2012/CPI/IFAM-MAUÉS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Edital de Seleção de Projetos de Iniciação Científica 02/2015

Edital de Seleção de Projetos de Iniciação Científica 02/2015 O Centro Universitário Tiradentes - UNIT/AL, através da sua Coordenação de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão (COPPE), no âmbito d o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/FAPEAL

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1 SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Fevereiro de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

Edital MCT/CNPq/CT-Mineral nº 01/2003

Edital MCT/CNPq/CT-Mineral nº 01/2003 Edital MCT/CNPq/CT-Mineral nº 01/2003 Seleção pública de propostas para apoio a projetos de pesquisa para o desenvolvimento de metodologias de prospecção geoquímica aplicáveis às especificidades da Amazônia

Leia mais

Manual SAGe. Conteúdo. Submissão de Propostas de Bolsa de Iniciação Científica

Manual SAGe. Conteúdo. Submissão de Propostas de Bolsa de Iniciação Científica Manual SAGe Submissão de Propostas de Bolsa de Iniciação Científica Conteúdo Introdução... 2 Instruções iniciais... 3 Acessando o SAGe... 5 Cadastramento... 6 Não lembro a minha contra-senha... 9 Desvendando

Leia mais

EDITAL Nº 003/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 003/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 003/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PRIMEIROS PASSOS NA CIÊNCIA PROGRAMA INTEGRADO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA ENSINO SUPERIOR E ENSINO MÉDIO

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor

Sebastião Rildo Fernandes Diniz Presidente do Conselho Diretor SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13 DO CONSELHO DIRETOR DE 05 DE OUTUBRO DE 2005. O Presidente do Conselho Diretor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Petrolina, no

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM SAÚDE COLETIVA COM ENFOQUE NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS 2º SEMESTRE 2012 - Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM SAÚDE COLETIVA COM ENFOQUE NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS 2º SEMESTRE 2012 - Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU EM SAÚDE COLETIVA COM ENFOQUE NO GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS 2º SEMESTRE 2012 - Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO Regulamentação de Pós-Graduação Lato-Sensu e Ato de Credenciamento

Leia mais

EDITAL Nº 162/2015 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL Nº 162/2015 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO EDITAL Nº 162/2015 PROGEPE IFPR PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO O Pró-Reitor de Gestão de Pessoas do Instituto Federal do Paraná IFPR, conforme Portaria nº 1480 de 31/10/2014, torna público que estarão

Leia mais

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO

1. DOS PRÉ-REQUISITOS 2. FUNCIONAMENTO DO CURSO Edital de oferta de vagas para o Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios, na modalidade a distância. A Reitora da Universidade Anhanguera-Uniderp, credenciada pelo MEC por

Leia mais

Programa Nota CAPES COTA

Programa Nota CAPES COTA PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO A FAPESB tem como um de seus principais objetivos apoiar a formação científica através da concessão

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS

RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS RESOLUÇÃO Nº 28/2015/CS/IFS Aprova a reformulação do Regulamento para concessão de afastamento de docentes para participação em programas de pósgraduação stricto sensu no âmbito do IFS. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Definir as atribuições e os procedimentos para a manutenção da segurança do Complexo SIAFI, detalhados em anexo.

Definir as atribuições e os procedimentos para a manutenção da segurança do Complexo SIAFI, detalhados em anexo. NORMA DE EXECUÇÃO Nº 01 DE 08 DE JANEIRO DE 2015 A COORDENADORA-GERAL DE SISTEMAS E TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Regimento Interno da Secretaria do Tesouro

Leia mais

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga A Direção Geral do campus Itapetininga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), torna

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: 38ª Reunião da Câmara Técnica de Assuntos Jurídicos Data: 04 e 05 de dezembro de 2007 Processo n 02000.003674/2005-12

Leia mais

EDITAL 001/2015-DP/PROPESP/UFAM

EDITAL 001/2015-DP/PROPESP/UFAM EDITAL 001/2015-DP/PROPESP/UFAM PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (IC) (PERÍODO DE VIGÊNCIA: AGOSTO/2015 A JULHO/2016) A, em conformidade com as diretrizes dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

As cotas institucionais do ano de 2015 serão distribuídas conforme os critérios a seguir: Capes. Mestrado 3 e 4 03 (três) Bolsas

As cotas institucionais do ano de 2015 serão distribuídas conforme os critérios a seguir: Capes. Mestrado 3 e 4 03 (três) Bolsas PROGRAMA DE BOLSAS FAPESB - COTAS INSTITUCIONAIS MESTRADO PROFISSIONAL, MESTRADO E DOUTORADO 1. INTRODUÇÃO Com o objetivo de apoiar a formação científica através da concessão de bolsas de Doutorado, Mestrado

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE I - INTRODUÇÃO VERSÃO 2014 Fevereiro de 2014 SIGFIS-Sistema Integrado

Leia mais

EDITAL Nº 035-2011/PROPP/UEMS Programa - CsF-SWG /CNPq

EDITAL Nº 035-2011/PROPP/UEMS Programa - CsF-SWG /CNPq EDITAL Nº 035-2011/PROPP/UEMS Programa - CsF-SWG /CNPq SELEÇÃO DE ALUNOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO CsF-SWG /CNPq 1. OBJETO A Pró-Reitora de Pesquisa

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico

e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Página1 e-nota MDF-e Manifesto de Documento Fiscal eletrônico Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é MDF-e?... 03 2. Safeweb e-nota MDF-e... 04 3. Acesso e-nota

Leia mais

Bolsas de Fomento Tecnológico e Extensão Inovadora

Bolsas de Fomento Tecnológico e Extensão Inovadora Bolsas de Fomento Tecnológico e Extensão Inovadora RN-015/2010 Revoga as RN-013/2009; RN-020/2008; e RN-028/2007 O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq, no

Leia mais

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU

Manual do usuário. Acesso ao GEFAU Manual do usuário Acesso ao GEFAU Fev/2015 GEFAU PORTAL DO EMPREENDEDOR Conteúdo Introdução... 2 1. Acesso ao GEFAU... 3 2. Cadastro de empreendimentos... 5 2.1. Consulta aos empreendimentos do usuário...

Leia mais

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa

Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Análise e Tramitação de Projetos nos Comitês de Ética em Pesquisa Versão 4.0 1 Histórico de Revisão do Manual Versão Autor Data Descrição Equipe suporte Criação do 1.0 Plataforma Brasil 01/11/2011 Documento

Leia mais