Guia de SAÚDE, SEGURANÇA. e MEIO AMBIENTE. para Contratados/Fornecedores. raiz de segurança SIGO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia de SAÚDE, SEGURANÇA. e MEIO AMBIENTE. para Contratados/Fornecedores. raiz de segurança SIGO"

Transcrição

1 Guia de SAÚDE, SEGURANÇA e MEIO AMBIENTE para Contratados/Fornecedores raiz de segurança SIGO

2

3 ÍNDICE ELEMENTO 1 LIDERANÇA, COMPROMETIMENTO E RESPONSABILIDADE DA GERÊNCIA INTRODUÇÃO Escopo Comprometimento Práticas de SSMA da Raízen Indicadores de Desempenho SSMA Responsabilidade do Contratado/Fornecedor sobre seus Empregados e subcontratados Descumprimentos Termo de Ciência e Responsabilidade... 2 ELEMENTO 2 AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Planejamento... 5 ELEMENTO 3 CONFORMIDADE LEGAL INTRODUÇÃO Meio Ambiente Exigências Prévias Integração... 9 ELEMENTO 4 COMPORTAMENTO E COMPETÊNCIAS INTRODUÇÃO Avaliação Médica Proibições ELEMENTO 5 PROCESSOS OPERACIONAIS INTRODUÇÃO Representantes da Companhia Permissões de Serviços Acesso dos contratados/fornecedores nas dependências da Companhia Acesso às áreas de trabalho Veículos Canteiro de Obras Uso das Instalações Equipamento de Proteção Individual (EPI) Equipamento Móvel (guindastes, empilhadeiras, etc) Dispositivos de segurança Escavações Organização e limpeza Regulamentações adicionais ELEMENTO 6 CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS... 20

4 6. INTRODUÇÃO Subcontratação ELEMENTO 7 COMUNICAÇÃO, ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES INTRODUÇÃO ELEMENTO 8 PREPARAÇÃO PARA RESPOSTAS A EMERGÊNCIAS INTRODUÇÃO Procedimentos de emergência Como atuar em caso de incêndio ou emergência Abandono Primeiros socorros ELEMENTO 9 AVALIAÇÃO DA INTEGRIDADE DAS OPERAÇÕES E MELHORIA CONTÍNUA INTRODUÇÃO ANEXO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS PARA ÁREA DE PRODUÇÃO AGRÍCOLA... 25

5 ELEMENTO 1 LIDERANÇA, COMPROMETIMENTO E RESPONSABILIDADE DA GERÊNCIA. 1. INTRODUÇÃO A proposta principal deste resumo é prevenir acidentes ou condições inadequadas de trabalho que possam causar danos ao meio ambiente, a propriedades ou que possam ser prejudiciais aos colaboradores da Companhia, ao público em geral e a todos os fornecedores de serviços, máquinas e equipamentos. 1.1 Escopo Este guia sumariza as exigências obrigatórias para prevenção de acidentes que se aplicam para empresas contratadas e fornecedores de materiais, equipamentos e serviços. Em outras palavras, ele se aplica a você. Guarde sempre em mente que esses regulamentos de segurança, proteção das instalações e de trânsito de veículos são os mínimos requeridos e, portanto, devem ser seguidos em adição às regras e regulamentos de segurança estabelecidos na legislação. 1.2 Comprometimento O comprometimento é o melhor caminho para a prevenção de acidentes. Solicitamos que você leia atentamente estes tópicos com os princípios e use como diretrizes quando estiver executando seu trabalho: Todos os fornecedores são obrigados a transmitir aos seus empregados e subcontratados o conteúdo desses regulamentos. Ninguém deve começar nenhum trabalho sem que essa comunicação tenha sido efetivada. NÃO SERÁ PERMITIDA A PRESENÇA NAS INSTALAÇÕES DE PESSOAS QUE TRANSGRIDAM AS NORMAS DE SEGURANÇA ESTABELECIDAS PELA COMPANHIA E PELAS AUTORIDADES COMPETENTES. Ao começar seu trabalho, tenha a consciência que você é a pessoa mais importante e responsável pela segurança do seu lugar de trabalho. A Companhia o estimula a aceitar essa responsabilidade e o suporta a estar continuamente alerta às condições e situações que podem comprometer a segurança. LEMBRE-SE DE QUE NENHUM TRABALHO É TÃO URGENTE QUE NÃO POSSA SER REALIZADO DE UMA FORMA SEGURA E APROPRIADA À PROTEÇÃO DO MEIO AMBIENTE. UM LUGAR DE TRABALHO LIVRE DE ACIDENTES É UMA REAL POSSIBILIDADE SE VOCÊ E OUTROS ENVOLVIDOS ESTIVEREM COMPROMETIDOS COM A PRÁTICA E HÁBITOS DE PROCEDIMENTOS SEGUROS. A SEGURANÇA É UM BOM NEGÓCIO EM QUALQUER TIPO DE TRABALHO. 1.3 Práticas de SSMA da Raízen A Raízen acredita que todos os acidentes com lesão e danos a materiais ou à saúde e ao meio ambiente podem ser evitados. Portanto, adota o seguinte princípio: Se não for seguro, não faça. Conheça todos os riscos das suas atividades; Cumpra com todos os procedimentos de suas atividades; Intervenha ao identificar situações inseguras. 1

6 1.4 Indicadores de Desempenho SSMA Todos os funcionários e contratados são responsáveis pelo desempenho de SSMA da Raízen. Logo, esperamos que: 1. As expectativas do SIGO sejam observadas em todas as atividades, planos e processos da Raízen; 2. Todas as atividades somente sejam executadas após a verificação e a implantação dos requisitos de segurança, não sendo admitido o descumprimento das normas em função de outros parâmetros, inclusive de ordem comercial; 3. As avaliações de risco e as permissões de serviço pertinentes sejam emitidas antes do início de qualquer atividade; 4. Busquem continuamente formas de reduzir a emissão e os resíduos oriundos do nosso processo e assegurem as formas de proteger a biodiversidade e as áreas legalmente preservadas; 5. O respeito aos vizinhos seja levado em consideração durante o planejamento de uma atividade ou elaboração de um projeto; 6. Todos os acidentes e quase acidentes sejam devidamente comunicados. Uma conduta prudente e segura é condição de emprego e prestação de serviços para a Raízen. 1.5 Responsabilidade do Contratado/Fornecedor sobre seus Empregados e subcontratados A empresa contratada é responsável por todos os seus empregados e por todas as outras pessoas por ele requeridas para cumprir suas obrigações, inclusos os subcontratados. É também responsável, desde o início dos trabalhos, pela instrução de seu pessoal a respeito das correspondentes medidas de segurança que deverão ser observadas durante a realização dos trabalhos, sempre em acordo com as determinações legais e internas da Companhia. 1.6 Descumprimentos O descumprimento das diretrizes poderá acarretar, além das penas legais, a proibição aos funcionários e subcontratados entrar em qualquer instalação da Companhia. 1.7 Termo de Ciência e Responsabilidade A contratada, após receber o este Guia, deve assinar o Termo de Ciência e Responsabilidade, conforme Anexo I. 2

7 ANEXO I TERMO DE CIÊNCIA E RESPONSABILIDADE A empresa, com sede na, na Cidade de, no Estado de, inscrita no CNPJ/MF sob o nº ( Empresa ), declara ter recebido uma cópia do Guia de SSMA para Contratados/Fonecedores, disponibilizado pela Raízen. Declara, ainda, estar ciente e de acordo com todos os termos, condições e requisitos estabelecidos, no mencionado Guia de SSMA para Contratados/Fonecedores e se responsabiliza por seu integral cumprimento pelo tempo que durar eventual contrato com a Raízen. A Empresa declara que detém todas as condições técnicas, operacionais e administrativas necessárias para o integral cumprimento do Guia de SSMA para Contratados/Fonecedores da Raízen. Por fim, a Contratada garante que divulgará o conteúdo do Guia de SSMA para Contratados/Fonecedores da Raízen a todos os seus empregados e empregados de subcontratados envolvidos na execução de eventual contrato firmado com a Raízen, responsabilizando-se, exclusivamente, pelo seu descumprimento., de de (Nome do Município e Estado) (dia) (mês) (ano) (assinatura) Nome: C.P.F. nº: R.G. nº: Função: Nota: esse documento deve ser assinado exclusivamente por sócio(s) ou proprietário(s) das empresas contratadas, de acordo com os poderes estabelecidos em seu contrato social. Assine e entregue este termo ao responsável pela sua contratação na Raízen. 3

8 4

9 ELEMENTO 2 AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS 2. INTRODUÇÃO A avaliação e o gerenciamento de riscos poderão prevenir e minimizar acidentes relacionados às questões de SSMA, atenuar as suas consequências, fornecer informações essenciais para gerenciamento, tomada de decisões e resultar na identificação dos riscos existentes. 2.1 Planejamento Um planejamento bem feito é o fator mais importante para o sucesso da execução perfeita de qualquer serviço. Desta forma, ANTES DE INICIAR O SEU SERVIÇO, é importante que você responda às perguntas abaixo para se assegurar que todos os aspectos principais de segurança foram considerados: Tenho o conhecimento requerido para conduzir esta tarefa de modo seguro? O equipamento que estou utilizando está em perfeitas condições de uso? Quais são os riscos associados a este trabalho? O que pode ser feito para eliminar esses riscos? Qual é o efeito de um desvio da operação normal? Caso o risco não possa ser eliminado, qual é o equipamento de proteção que eu devo utilizar ou procedimentos que devo seguir para administrar efetivamente os perigos destes riscos? Caso o procedimento fuja do esperado, quais planos de emergência devem ser seguidos para minimizar as consequências? Os itens acima foram discutidos com aqueles que precisam saber? 5

10 ELEMENTO 3 CONFORMIDADE LEGAL 3. INTRODUÇÃO Obviamente, nem todas as normas e procedimentos que os fornecedores devem cumprir puderam ser incluídos neste guia. Em caso de dúvida, consulte o supervisor da companhia. A legislação brasileira referente à segurança durante o trabalho está relacionada principalmente nas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e Emprego. Cada Norma Regulamentadora (NR) rege sobre um determinado assunto e pode fazer referências entre outras normas e legislações vigentes. A NRs têm como objetivo garantir adequadas condições de trabalho, higiene e conforto, para todos os trabalhadores, segundo as especificidades de cada atividade. Para isso, a Companhia desenvolveu os manuais. Com a utilização dos formulários do MPS, a Companhia e as empresas contratadas têm instrumentos capazes de auxiliar para: Realizar avaliações dos riscos para a segurança e a saúde dos trabalhadores e, com base nos resultados, adotar medidas de prevenção e proteção para garantir que todas as atividades, lugares de trabalho, máquinas, equipamentos, ferramentas e produtivos estejam seguros e em conformidade com as normas de segurança e saúde. Os formulários do MPS, principalmente a AST, são instrumentos que permitem avaliar todos os riscos inerentes às tarefas que serão executadas e permitem providenciar de antemão os controles necessários para garantir a segurança nas operações. Promover melhorias nos ambientes e nas condições de trabalho, de forma a preservar o nível de segurança dos trabalhadores. Cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e saúde no trabalho. Os formulários do MPS são integralmente baseados e amparados na legislação vigente e toda alteração na lei que venha a ocorrer é avaliada quanto ao conteúdo do manual e, caso necessário, as adequações são realizadas. Adotar os procedimentos necessários quando da ocorrência de acidentes e doenças do trabalho. Assegurar que sejam fornecidas aos trabalhadores instruções compreensíveis em matéria de segurança e saúde e toda a orientação e supervisão necessária ao trabalho seguro. No momento da integração, geral ou local, são apresentadas aos trabalhadores contratados as informações de saúde e segurança relativas aos trabalhos e os seus locais. Além disso, durante a prestação dos serviços, as equipes do SESMT/SESTR. Informar os riscos decorrentes do trabalho e as medidas de proteção implantadas, inclusive em relação às novas tecnologias adotadas pelo empregador. Adotar medidas de avaliação e gestão dos riscos com a ordem de prioridades: eliminação dos riscos, controle dos riscos na fonte, redução do risco ao mínimo, por meio da introdução de medidas técnicas ou organizadoras e de práticas seguras, inclusive através de capacitação e adoção de medidas de proteção pessoal, sem ônus para o trabalhador, de forma a complementar ou caso ainda persistam temporariamente fatores de risco. 3.1 Meio Ambiente A CONTRATADA deverá destinar corretamente todo o resíduo que produzir nas dependências da CONTRATANTE e nas frentes de trabalho em atendimento à legalidade. 6

11 A CONTRATADA deverá se adequar ao programa de coleta seletiva de resíduos da empresa CONTRATANTE e cumpri-la. A CONTRATADA deverá informar todo derrame e acidente relacionados ao meio ambiente que ocorrerem nas suas atividades nas dependências da CONTRATANTE e nas frentes de trabalho. 3.2 Exigências Prévias O contratado deve apresentar a documentação necessária (abaixo descrita), depois da análise desses documentos, pelo SESMT/SESTR, é realizado o agendamento da integração. No primeiro dia de trabalho e antes de iniciarem suas atividades, os funcionários das contratadas devem participar da integração de segurança na unidade, conforme item 20.2 deste guia Documentações Necessárias A CONTRATADA deverá entregar as documentações e uma planilha com os dados descritos abaixo: Nome da empresa; Nome completo dos funcionários; Número do documento de identidade dos mesmos; Descrição da função a ser exercida. NOTA: Esse procedimento mínimo contribuirá para acelerar todo o processo de integração (elaboração de todas as documentações de segurança do trabalho e treinamentos). Juntamente com a planilha dos dados acima, o contratado deverá apresentar ao solicitante NO MÍNIMO as seguintes documentações: Carteira de Trabalho: Qualificação civil e contrato de trabalho (cópias); Atestado de Saúde Ocupacional ASO (cópia); Ficha de registro de empregados (cópia); Ficha de entrega e controle de Equipamentos de Proteção Individual EPI (cópia); Certificados de cursos (cópia). Ex.: operador de empilhadeira, munck, eletricista, espaço confinado, etc. Carteira Nacional de Habilitação CNH (cópia): deverá estar dentro do prazo de validade e a categoria deverá ser compatível com a função do funcionário, exigir registro do curso MOPP para trabalhos com carga perigosa. Para toda e qualquer contratação, independente do nível de risco e tempo, será exigido: Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA (cópia); Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO (cópia); AST Análise de Segurança da Tarefa (cópia); ASO Atestado de Saúde Ocupacional (cópia). NOTA: O solicitante do serviço fica responsável por receber a documentação do contratado e entregar 2 dias antes da integração para a equipe SESMT/SESTR da unidade para análise e verificação. Para prestações de serviços por período maior de 1 ano, a Companhia solicitará cópia da documentação e PPRA integrado. O tempo de guarda dessa documentação deverá atender o Elemento 3 do Manual de Práticas do SIGO. 7

12 Documentações Necessárias - Contratações Agrícolas Ducumentação Prévia: Cópia do Contrato Social da Empresa; Cópia do CNPJ; Cópia do Comprovante da Opção pelo Simples; Nº da conta no nome da empresa; Banco; Nº Agência; Nº Telefone; Cópia do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO; Cópia do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA; Lista dos funcionários contendo: nome completo, RG e função a ser exercida; Lista de todos os equipamentos e/ou implementos que farão parte das atividades previstas de prestação de serviços agrícolas à Companhia; Questionário Legal de SSMA respondido. Na integração de segurança: Livro de registro dos funcionários da empresa contratada; Exame médico admissional e periódico; Carteiras de trabalho; Fichas de entrega de EPIs; Certificados de cursos específicos à função que cada funcionário irá executar; Carteira Nacional de Habilitação (CNH); Documentos dos veículos; Atestado de Saúde Ocupacional (ASO). Mensalmente: Resumo Mensal da Folha de Pagamento; CAGED (cadastro geral de empregados e desempregados); Rescisões e novas contratações ocorridas durante o mês anterior(nomes dos novos colaboradores); Guia de Recolhimento do FGTS com a Relação de Funcionários; Recolhimento de Contribuição Sindical; Recolhimento do INSS; Ficha de entrega de EPIs dos Funcionários. Na falta de apresentação de algum documento solicitado, a prestadora fica impossibilitada de realizar o serviço. NOTA: o INSS é recolhido pela empresa prestadora de serviço. 8

13 3.3 Integração No primeiro dia de trabalho, e antes de iniciar suas atividades, os funcionários das empresas contratadas devem participar da Integração de Segurança na Unidade. A integração pode ser geral ou local: Integração geral: realizada sempre que os prestadores estiverem iniciando pela primeira vez os serviços na Companhia ou se a integração geral realizada anteriormente estiver vencida. Uma integração é considerada vencida quando o empregado da contratada ficar por mais de um ano sem prestar serviços na Companhia, ou quando alguma condição do treinamento de segurança for alterada. Integração local: é realizada quando uma empresa contratada possui integração geral válida realizada em outra unidade EAB e irá prestar os mesmos serviços ou serviços compatíveis em outra unidade. Nesse caso, a contratada deverá apresentar a mesma documentação de uma integração geral, porém os assuntos abordados durante a integração serão específicos da Unidade em que irá atuar. Exemplo: equipamentos que são alterados ou substituídos de modo que os riscos existentes estejam modificados ou que novos riscos inexistentes anteriormente passem a existir. 9

14 ELEMENTO 4 COMPORTAMENTO E COMPETÊNCIAS 4. INTRODUÇÃO 4.1 Avaliação Médica Para todas as atividades e durante o trabalho, somente serão admitidas pessoas com exames médicos realizados e encontradas aptas após a revisão médica preventiva correspondente ao tipo de trabalho a executar, conforme a legislação em vigor. 4.2 Proibições Em toda instalações sob a responsabilidade e influência de segurança da Companhia, é proibido ingerir bebidas alcoólicas, fazer uso de drogas ilícitas, brigar ou causar distúrbios. É proibido transitar pela planta com fones de ouvido de música, por causar distração sonora para os acionamentos da unidade de alarmes, buzinas e outros. É proibido, em qualquer local, acender fósforos ou acionar instrumentos ou ferramentas que possam produzir faíscas, sem autorização prévia. Causar alguma das infrações acima citadas resultará em ser retirado de seu local de trabalho pelo pessoal da Companhia. Somente com autorização serão permitidas fotografias. Nenhum equipamento, válvula ou chaves na instalação poderão ser acionadas/operadas por pessoal contratado sem prévia autorização do gerente da área/unidade. Para tal, existem os formulários de permissão de serviços específicos mencionados no item 5.2 deste guia. O uso de veículos da Companhia é exclusivo de funcionários. Os motoristas estão proibidos de dar caronas. Não é permitida a presença de pessoas sob o efeito de álcool ou drogas e com posse de bebidas alcoólicas e drogas. É proibida a posse de arma de fogo e arma branca no interior das instalações. 10

15 ELEMENTO 5 PROCESSOS OPERACIONAIS 5. INTRODUÇÃO É importante monitorar e inspecionar o desempenho dos envolvidos na execução das tarefas. Este elemento fala sobre práticas e procedimentos seguros. 5.1 Representantes da Companhia Para a autorização de qualquer trabalho em área sob responsabilidade da Companhia, haverá um emissor, que será o liberador da tarefa. Essa pessoa será o vínculo entre a Companhia e o contratado/fornecedor. O contratado/fornecedor poderá consultar esse emissor sobre todas as medidas de precaução que serão observadas para a execução da tarefa com SEGURANÇA. 5.2 Permissões de Serviços Antes de iniciar qualquer trabalho nas instalações sob a responsabilidade e influência de segurança da Companhia, é necessário obter a DOCUMENTAÇÃO DE AUTORIZAÇÃO por meio dos formulários de permissão de serviço. A documentação de autorização do trabalho, é aprovada pelo gerente/supervisor da área/unidade responsável pelo trabalho e são, no mínimo, o Certificado de Liberação (CL) e o Análise de Risco da Tarefa (AST). Além desses documentos, poderão ser emitidos outros documentos de acordo com a atividade e o seu risco. Os trabalhos só podem ser realizados se seguirem as medidas constantes desses formulários e das observações feitas pela supervisão e/ou SESMT/SESTR. Se um fornecedor iniciar trabalhos que coincidam, em local ou período, com trabalhos de outro fornecedor, solicite orientação do gerente/supervisor da unidade a fim de receber informações sobre como os serviços serão integrados e coordenados, evitando interferências e situações perigosas. Se as condições de trabalho ou de ambiente se modificarem em relação à situação estipulada nos formulários de permissão de serviço emitidos, o trabalho terá de ser interrompido imediatamente e o fato comunicado à gerência da área/unidade. Após a avaliação pela supervisão e/ou SESMT/SESTR, os trabalhos poderão ser reiniciados com as renovações ou novas emissões das permissões de serviço que foram invalidadas pela interrupção. Dentro das instalações, é proibida a introdução de barras e estacas no solo (existem cabos elétricos e tubulações subterrâneas), sem antes obter uma Lista de Verificação de Escavação. Pode ainda ser necessário, dependendo do que houver no subsolo, outras liberações, tais como Permissão de Serviço a Quente, Permissão de Serviço a Frio, Certificado de Isolamento Elétrico. Existem, para os diversos tipos de trabalho, diferentes tipos de documentação, a seguir brevemente detalhados: CERTIFICADO DE LIBERAÇÃO: Todo serviço executado sob os Procedimentos de Permissão de Serviços deve ser autorizado pela emissão de um Certificado de Liberação ou, conforme o caso, por esse e uma documentação adicional. É emitido para: avaliar os riscos envolvidos, identificar a documentação adicional necessária e autorizar trabalhos de baixo risco. ANÁLISE DE SEGURANÇA DA TAREFA AST: É elaborada em conjunto com o Certificado de Liberação. É emitida para que se possam, em cada etapa das tarefas em andamento, determinar os riscos em SSMA envolvidos, as consequências desses riscos, as medidas de proteção coletivas e/ou individuais para eliminar ou minimizar tais 11

16 riscos e as interfaces que possam existir entre as diversas equipes envolvidas nas atividades. PERMISSÃO DE SERVIÇO A QUENTE/FRIO: É necessária quando o trabalho a ser realizado pode provocar ou não centelhas/ignição em áreas de risco. PERMISSÃO DE SERVIÇO ELÉTRICO: É necessária para autorizar trabalhos em circuitos elétricos energizados. CERTIFICADO DE ISOLAMENTO ELÉTRICO: É necessário quando um sistema elétrico ou um equipamento elétrico precisa ser isolado. PERMISSÃO DE ENTRADA EM ESPAÇO CONFINADO: É necessária quando o trabalho a ser realizado requer a entrada de alguém em espaço confinada. LISTA DE VERIFICAÇÃO DE ESCAVAÇÃO: É necessária para qualquer tipo de escavação, abaixo de uma certa profundidade. Esse documento não é independente e pode apenas ser utilizado como suporte ao Certificado de Liberação ou Permissão de Serviço. LISTA DE VERIFICAÇÃO DE TRABALHO EM ALTURA: É necessária para qualquer tipo de trabalho em altura para garantir condições de trabalho seguras, sempre acompanhado de uma permissão de serviço. LISTA DE VERIFICAÇÃO PRELIMINAR DE PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO: é usada antes de cada turno de trabalho quando há içamento de pessoas com uso de plataforma de trabalho aéreo (PTA). LISTA DE VERIFICAÇÃO DE ENTRADA DE PLATAFORMA: é usada para verificação de plataforma de trabalho aéreo (PTA), utilizada por contratados quando entra na instalação. RELATÓRIO DE INSPEÇÃO DIARIA (GUINDAUTO/MUNK): é usado para verificação do guindauto ou caminhão munk diariamente antes de sua utilização. PLANO DE IÇAMENTO PADRÃO: deve ser preenchido antes de cada içamento padrão com guindauto ou caminhão munk. É condição indispensável que o contratado/fornecedor compreenda e cumpra todos os requisitos mencionados em cada formulário de Permissão de Serviço. É também responsável pela correta utilização dos equipamentos de proteção recomendados. Se o trabalho tiver de continuar depois de expirada a documentação correspondente, uma nova deverá ser solicitada. Os trabalhos poderão ser interrompidos pelo pessoal da Companhia, por razões de segurança. Só poderá ser reiniciado quando as condições ou práticas inseguras estiverem satisfatoriamente corrigidas. Ocorrendo uma situação de emergência na instalação, alguns formulários ficam automaticamente cancelados e o trabalho só poderá ser reiniciado após a emissão de novos formulários. No cabeçalho dos formulários pertinentes está expressa essa determinação. É importante que os emissores desses formulários atentem para essa informação. Toda informação adicional, referente à documentação de permissão de serviço, necessária para um melhor entendimento, poderá ser obtida no MANUAL DE PERMISSÃO DE SERVIÇO, que fica com as gerências da área/unidade e SESMT/SESTR. 5.3 Acesso dos contratados/fornecedores nas dependências da Companhia Todos os contratados/fornecedores devem entrar e sair do local de trabalho pela portaria, portando: 12

17 Crachá da Raízen com nome, foto, nome da empresa contratante, validade, conforme serviço contratado, número da carteira de identidade, número do CPF, número da CTPS (Carteira de Trabalho), Série e Estado da Federação, unidade à qual presta serviço; Crachá de Práticas de SSMA. Todo material e/ou ferramenta a ser utilizada pelo contratado/fornecedor deverá ser registrado em Formulário de Controle de Entrada/Saída de Máquinas e Equipamentos (Anexo 2), cuja cópia ficará em poder do pessoal da portaria. Nenhum material e/ou ferramenta poderá ser retirado da instalação sem a respectiva permissão de saída. As ferramentas e equipamentos da Companhia não poderão ser usados pelo pessoal contratado sem a devida autorização da supervisão da Companhia. Toda perda, roubo ou furto de ferramentas e/ou equipamentos de propriedade do contratado/fornecedor deverão ser comunicados de imediato ao gerente da área/unidade, descrevendo tão claro quanto possível o equipamento faltante. O contratado/fornecedor poderá ser fiscalizado na saída da instalação. 5.4 Acesso às áreas de trabalho Para chegar à sua área de trabalho, toda pessoa deverá circular por acessos autorizados, evitando tomar atalhos. Para se deslocar, deve-se utilizar, onde houver, as calçadas e os caminhos para pedestres. Se não for possível, deve-se caminhar pelo canto das vias, de frente para o trânsito de veículos. Não é permitido o trânsito (pessoas e veículos) ou permanência em áreas além das autorizadas, em especial naquelas onde ocorram as atividades operacionais da instalação (área de tanques, caldeiras, geração de energia, CCMs, praças de bombas, etc.). Ao se deslocar, esteja atento às sinalizações visual e sonora, o que evita acidentes. 5.5 Veículos O limite de velocidade dentro das instalações é de 20 km/h. Nas áreas externas ou internas, respeite os limites estabelecidos pelas placas de trânsito. Os condutores de veículos e equipamentos móveis deverão respeitar o limite de velocidade e as demais regulamentações de trânsito, existentes no interior ou exterior da instalação e em áreas de estacionamento. Os veículos devem atender aos seguintes requisitos: Bom estado geral de segurança; Correto funcionamento de freios e luzes; Possuir extintor apropriado; Estacionar os veículos em lugares permitidos; Todo o pessoal que conduzir veículos deverá possuir a devida habilitação. É permitido transitar unicamente pelos acessos autorizados. Guindastes, guinchos e empilhadeiras só podem ser conduzidos por pessoas autorizadas, capacitadas e portadoras de documentação de habilitação. Não é permitido transportar pessoas em veículos de transporte de carga, salvo se o veículo estiver capacitado para tal finalidade. Pessoas em veículos não empregados nos trabalhos realizados não devem acessar o interior da instalação. Se o trabalho efetuado por um contratado implicar obstruir alguns acessos, esses deverão ser interrompidos adequadamente nos cruzamentos e convenientemente iluminados à noite. 13

18 É PROIBIDO DESCANSAR OU DORMIR EMBAIXO DE CAMINHÕES OU DE QUALQUER OUTRO VEÍCULO OU MÁQUINA MÓVEL. 5.6 Canteiro de Obras Os canteiros de obras, utilizados pelo pessoal das empresas prestadoras de serviços, serão construídos em locais previamente designados pela instalação, obedecendo-se à legislação em vigor relativa às condições sanitárias e de conforto nos locais de trabalho. Em obras, deverão ser previstos pelas empreiteiras, locais para refeições e descanso do seu pessoal, caso não esteja em contrato o fornecimento de refeição pela Companhia. Cuidados devem ser tomados quanto à proibição da presença de alimentos e bebidas dentro das unidades produtoras de açúcar. As construções de barracões, depósitos, refeitórios e descanso do pessoal devem ser mantidas limpas, organizadas e em boas condições de higiene, sob pena de rescisão contratual. Em todas as instalações, deverá ser prevista a colocação de extintores em quantidade e tipo, conforme normas existentes. 5.7 Uso das Instalações Somente será permitido o uso das instalações destinadas ao pessoal próprio da Companhia como refeitórios, vestiários e sanitários se assim for acordado em contrato de prestação de serviço entre as empresas contratante e contratada. 5.8 Equipamento de Proteção Individual (EPI) Os equipamentos de proteção individual não são destinados a prevenir acidentes, mas para prevenir danos pessoais no caso de eventual ocorrência de acidentes ou, se for necessário, expor-se a produtos prejudiciais ao organismo. A utilização dos equipamentos de proteção individual deve atender à legislação e às normas próprias da Companhia, aplicáveis a cada caso. Os equipamentos devem sempre estar em boas condições de conservação e limpeza, de forma a resguardar suas características de proteção ao trabalhador. Todos os EPIs deverão ter Certificado de Aprovação (CA), conforme determinado pela legislação. O contratado em serviço nas dependências da Companhia deve portar todos os EPIs relativos à sua atividade, tais como uniforme, sapato de segurança, capacete, protetor auricular, óculos e luvas, mesmo se estiver apenas circulando ou aguardando ordens nas áreas industriais ou em outras que apresentem riscos. O tipo de equipamento a ser utilizado depende do local, da atividade e das tarefas realizadas. Em todas as instalações da Companhia, estão definidos os tipos de EPI necessários aos trabalhadores para a realização das tarefas relacionadas à operação da instalação. Em caso de dúvidas, solicite informação ao supervisor da área correspondente ou ao SESMT/SESTR da unidade. Somente inicie ou prossiga as atividades quando não houver dúvidas quanto às devidas proteções. 5.9 Equipamento Móvel (guindastes, empilhadeiras, etc) Os equipamentos móveis de propriedade do contratado, tais como guindastes, empilhadeiras e similares, deverão ser mantidos em boas condições de uso e possuir extintores. A Companhia poderá a qualquer momento realizar inspeções nesses equipamentos e paralisar os serviços em casos de descumprimento de leis e regras vigentes. A lança ou o gancho de um guindaste não deverão ser movimentados quando existir a mais remota possibilidade de dano ao pessoal ou ao equipamento. 14

Guia de SAÚDE, SEGURANÇA. e MEIO AMBIENTE. para Contratados. raiz de segurança SIGO

Guia de SAÚDE, SEGURANÇA. e MEIO AMBIENTE. para Contratados. raiz de segurança SIGO Guia de SAÚDE, SEGURANÇA e MEIO AMBIENTE para Contratados raiz de segurança SIGO ÍNDICE APLICABILIDADE... 1 DESCUMPRIMENTO... 1 PRÁTICAS DE SSMA DA RAÍZEN... 1 ELEMENTO 1 - LIDERANÇA, COMPROMETIMENTO

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. PRÁTICAS DE SSMA DA RAÍZEN... 3 3. PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA... 4 4. COMO ATUAR EM CASO DE INCÊNDIO OU EMERGÊNCIA... 5 5. ABANDONO... 5 6. PRIMEIROS SOCORROS... 6 7. COMUNICAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA TERCEIROS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS Fornecer cópia deste manual a sua equipe de liderança, e exigir o seu cumprimento de acordo com o Artigo 157 Item I

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012

ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 ANEXO IX NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO CONVITE Nº. 003/2012 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As empreiteiras que admitam trabalhadores deverão cumprir a Norma Regulamentadora nº

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Caminhão Munck. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Caminhão Munck Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho O munck é um guindaste comandado hidraulicamente instalado sobre o chassi de um caminhão. Tem grande utilização na movimentação,

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012. GUINCHO VELOX e HUCK MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA GUINCHO VELOX e HUCK ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÕES TÉCNICAS... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 2 2.1. USO DOS GUINCHOS... 3 2.2. LUBRIFICAÇÃO... 3 2.3.

Leia mais

MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO

MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO MANUAL MEIO AMBIENTE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO PVP SOCIEDADE ANÔNIMA Fundada em 1962 1 Índice Introdução...... 04 Política de Saúde e Segurança do Trabalho... 06 1. Prevenção e Controle de Riscos...

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Manual de Segurança e Saúde do Trabalho

Manual de Segurança e Saúde do Trabalho Manual de Segurança e Saúde do Trabalho 1 INTRODUÇÃO A política de recursos humanos da Toledo do Brasil abrange as áreas de recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento de pessoal; administração

Leia mais

Mãos e dedos. atenção. Risco de: Esmagamentos Escoriações Cortes Amputações Fraturas

Mãos e dedos. atenção. Risco de: Esmagamentos Escoriações Cortes Amputações Fraturas Mãos e dedos Risco de: Esmagamentos Escoriações Cortes Amputações Fraturas Nenhum empregado foi exposto ao perigo para produzir esse material. As fotos simulam possíveis situações de risco no seu dia de

Leia mais

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo

Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Treinamento e qualificação de operadores de Plataformas de Trabalho Aéreo Principais tipos de plataformas aéreas Mastro Telescópica Tesoura Unipessoal Articulada A segurança As plataformas foram desenvolvidas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR

MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA. Todos os direitos reservados. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização Locatec-2012 ANDAIME TUBULAR MANUAL DE OPERAÇÃO E SEGURANÇA ANDAIME TUBULAR ÍNDICE INTRODUÇÃO... 2 1. INFORMAÇÃO TÉCNICA... 2 2. PROCEDIMENTOS GERAIS DE SEGURANÇA... 4 2.1. USO DOS ANDAIMES TUBULARES... 5 2.2. MANUTENÇÃO (DIRETRIZES

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 13 a 17 de Abril de 2015, das 08:00 às 18:00h. MANUAL PARA MONTADORAS 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 23/03/2015

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO MECÂNICA DMED E DMEE 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As Normas Regulamentadoras aplicáveis aos serviços a

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO

INSTRUÇÃO TÉCNICA DE TRABALHO 1 Objetivo Promover a permanente melhoria e contínua compatibilização do trabalho com a prevenção da vida, integridade e patrimônio do SAAE Sorocaba e a promoção da saúde e segurança dos profissionais.

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MAT.

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E MAT. TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 6 1 CONCEITO DE SEGURANÇA PATRIMONIAL 2 ENTRADA E SAÍDA NA PORTARIA 3 CRACHÁS ESQUECIMENTO OU PERDA 4 ACHADOS E PERDIDOS 5 PROIBIÇÕES 6 ENTRADA DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ACESSO 25/03/203 PSP-0. INTRODUÇÃO O Procedimento de Controle de Acesso tem como objetivo orientar e padronizar o procedimento de acesso de pessoas as fábricas, garantindo que somente pessoas autorizadas possam

Leia mais

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009

Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18. Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Perspectivas e modificações previstas no âmbito da NR-18 Sinduscon-SP 06 de Fevereiro de 2009 Cestos aéreosa GT- Cesto Aéreo(em discussão no CPN) É proibido a utilização de equipamentos de guindar

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Segurança do trabalho para paradas gerais. Guia básico

Segurança do trabalho para paradas gerais. Guia básico Segurança do trabalho para paradas gerais Guia básico Segurança do trabalho para paradas gerais 13 Guia básico Este material destina-se as empresas contratadas que prestam serviços e desenvolvem seus trabalhos

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO

ESPAÇO CONFINADO CONTROLE DE REVISÃO Elaborado por Ana Karolina Kalil Visto Aprovado por Márcio Flávio Ribeiro Pereira Visto CONTROLE DE REVISÃO Revisão Data Item Natureza das alterações 0 25/04/2014 - Emissão inicial 1. OBJETIVO Estabelecer

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214

Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 Manual de Instruções RETÍFICA RETA 1/4 AR 1214 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Normas especificas de segurança

Leia mais

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF

Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF Normas de Segurança para o Instituto de Química da UFF A Comissão de segurança do Instituto de Química da UFF(COSEIQ) ao elaborar essa proposta entende que sua função é vistoriar, fiscalizar as condições

Leia mais

Manual do Locatário. Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA. Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO

Manual do Locatário. Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA. Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO Manual do Locatário Plataforma de Trabalho Aéreo - PTA Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO 1- DEFINIÇÃO 1.1- Plataforma de Trabalho Aéreo PTA, é um equipamento

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL. Indústria da Panificação SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Indústria da Panificação PROGRAMAÇÃO: Palestra Segurança Geral - SESI - Segurança do Trabalho; - Riscos Ambientais e Acidentes do Trabalho; - PPRA/PCMSO; - Normas regulamentadoras;

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira. Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Segurança e Saúde em Trabalhos em Altura Porque este assunto preocupa? Impacto dos Acidentes envolvendo Quedas - 40% das fatalidades

Leia mais

Departamento Regional Minas Gerais ERRATA Nº 01/2014

Departamento Regional Minas Gerais ERRATA Nº 01/2014 Serviço Social do Comércio Departamento Regional Minas Gerais Processo nº 14595/2012 Folha nº Informações e/ou despachos ERRATA Nº 01/2014 Nº do edital: Pregão Presencial nº 0054/2014 Área Técnica Responsável:

Leia mais

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem.

NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA. ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA ELABORADO POR BRUNO MARTINS BUZON Formando em Téc. Seg. do trabalho /3º Sem. NR-26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora NR tem por objetivo fixar as

Leia mais

PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA

PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA Manual do Locatário PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO PTA Manual de Responsabilidade do Proprietário e Usuário do PTA CARIMBO DO ASSOCIADO 1 PLATAFORMA DE TRABALHO AÉREO - PTA 1- DEFINIÇÃO 1.1 - Plataforma

Leia mais

Dicas de Segurança II

Dicas de Segurança II Dicas de Segurança II Ao Viajar Casa ou apartamento Não comente sua viagem com pessoas estranhas por perto. Avise a um vizinho de confiança sobre a sua viagem. Se possível, deixe um número de telefone

Leia mais

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0)

NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1. Instalações e áreas de trabalho. NR 12 - Máquinas e Equipamentos (112.000-0) 12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos devem ser vistoriados e limpos, sempre

Leia mais

CALDEIREIRO. De acordo com a lei 6.514, de 22 de Dezembro de 1977

CALDEIREIRO. De acordo com a lei 6.514, de 22 de Dezembro de 1977 : 1/5 De acordo com a lei 6.514, de 22 de Dezembro de 1977 Capítulo V Da Segurança e da Medicina do Trabalho Art 157 - Cabe às empresas: I - cumprir e fazer cumprir as normas de segurança e medicina do

Leia mais

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras

3/4. APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras 3/4 APOSTILA Normas de Segurança na Operação de Empilhadeiras Prezados Colaboradores O tema abordado nesta edição é sobre empilhadeiras. Após analisar os relatórios dos acidentes, as informações dos trabalhadores,

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 1 PROGRAMA OBRAS SEGURAS 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS 3 VOCÊ PARTICIPA DO PROGRAMA 4 VISITA TÉCNICA 5 PRINCIPAIS DESVIOS 6 SUSPENSÃO Programa Obras Seguras PROGRAMA

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016

ANEXO X. Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 ANEXO X Referente ao Edital de Tomada de Preços nº. 001/2016 NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Página 1 de 5 1 - CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1 As normas aplicáveis aos serviços a serem

Leia mais

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Nº PE 4604.52-6270-948-SMS-011 CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: PETROBRAS MODERNIZAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA DE ARAÇAS FOLHA 1/12 TÍTULO: ENGENHARIA/IENE /IETEG/CMIPE PLANO DE EMERGÊNCIAS MEDICAS E PRIMEIROS SOCORROS

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS

NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS NORMAS DE SEGURANÇA ÁS PRESTADORAS DE SERVIÇOS 1 O SESMT Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho elaborou esta norma com o objetivo de estabelecer as condições mínimas no cumprimento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 São considerados equipamentos de elevação de materiais os equipamentos que levantam e movimentam para outros locais, materiais diversos. Assinale a alternativa que

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS DEPÊNDENCIAS DA UDESC

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS NAS DEPÊNDENCIAS DA UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC CNPJ 83.891.283/0001-36 CONTATO (48)3321-8155 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPREITEIRAS E PRESTADORES DE SERVIÇOS

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª Marivaldo Oliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735

Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 Manual de Instruções FURADEIRA PARAFUSADEIRA ELÉTRICA PE 735 ADVERTÊNCIA: Leia atentamente este manual antes de usar o produto. ÍNDICE SEÇÃO PÁGINA Introdução 3 Normas gerais de segurança 3 Uso e cuidados

Leia mais

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94

Sinalização. Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Sinalização Catálogo de Placas EXTINTOR DE INCÊNDIO 164,2/21,3-2.329-K-W/ 10.513.146/0001-94 Materiais VINIL AUTO-ADESIVO PVC / PS Utilizado em ambientes internos e externos. Pode ser confeccionado com

Leia mais

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira.

Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. Treinamento Básico de segurança para Operadores de Empilhadeira. 1 OBJETIVO: Definir requisitos mínimos para: Operação; Inspeção; Qualificação do operador. 2 INTRODUÇÃO GENERALIDADES Existem basicamente

Leia mais

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas.

SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES. Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SKATE ELÉTRICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente este Manual, antes de usar seu SKATE ELÉTRICO. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SEVEN SKATE ELÉTRICO SAC: (11) 5660.2600 Uso doméstico

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP

REGISTRO DE ATIVIDADES DO PROCESSO - RAP PCMSO/GEAP 6.1.23.1 Providenciar atestados e exames Todo trabalho em eletricidade deve ser planejado, organizado e executado por empregado capacitado e autorizado. Para executar trabalhos em altura, o

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014

ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 ANEXO XII NORMAS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO PARA MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA CONCORRÊNCIA 001/2014 1.) CONDIÇÕES BÁSICAS 1.1. As normas aplicáveis aos serviços a serem realizados

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341

www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341 www.colabortreinamentos.com.br (31) 3059-5141 (341 APRESENTAÇÃO COLABOR A COLABOR Consultoria e Treinamentos é uma empresa de soluções para aumento de performance para PROFISSIONAIS E EMPRESAS. Nossas

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS

MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS MANUAL DE OPERAÇÃO COM EMPILHADEIRAS MANUTENÇÃO, PEÇAS E PNEUS PARA EMPILHADEIRAS SÃO AS NOSSAS ESPECIALIDADES, QUALIDADE É O NOSSO MAIOR OBJETIVO PEÇAS E PNEUS PARA EMPILHADEIRAS SÃO AS NOSSAS ESPECIALIDADES

Leia mais

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa.

2 CAMPO DE APLICAÇÃO Todas as empresas contratadas para executar projetos, serviços e obras na empresa. Responsável Técnico: Eduardo Machado Homem Gerência de Segurança do Trabalho Público-alvo: Empregados próprios e prestadores de serviços das unidades da Vale Fertilizantes. 1 OBJETIVO Nº: PRO-3209-74-24-03

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 1.Cesto aéreo é um equipamento de trabalho móvel, para trabalho em altura, destinado a transportar um ou mais trabalhadores, para atividades ou acesso em locais de uma obra,

Leia mais

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01)

Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) Cesto Aéreo Rev_03 16/05/06 (Opção 01) 1 - É proibida a utilização de equipamentos de guindar para o transporte de pessoas, em cesto aéreo suspenso, exceto nos casos de operação assistida, nos seguintes

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR

ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR LOGO DA EMPRESA EMPRESA: DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE: LOCAL DA ATIVIDADE: ANÁLISE PRELIMINAR DE RISCO APR FOLHA: 01 DE 10. DATA DE EMISSÃO: DATA DE APROVAÇÂO: REVISÃO: HORÁRIO: ASSINATURA DOS ENVOLVIDOS NA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

Lava-Jato de Alta Pressão

Lava-Jato de Alta Pressão Lava-Jato de Alta Pressão Manual de operação LT 18/20M LT 8.7/19M LT 8.7/18M LT 8.7/16M Aviso: Este manual deve ser lido antes de manusear o equipamento. Este manual é considerado uma parte importante

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O

S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R E I R A D O N A S C I M E N T O Modificações recentes e em fase de aprovação para trabalhos com andaimes, gruas e elevadores de obras dentro do âmbito federal e municipal S I N D U S C O N S P 1 8 / 0 2 / 2 0 1 1 A N T O N I O P E R

Leia mais

Documentos Obrigatórios em UANs

Documentos Obrigatórios em UANs Documentos Obrigatórios em UANs Profa. Ms Kelly Ribeiro Amichi DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Para o funcionamento de uma UAN, existe a documentação obrigatória exigida pela legislação. Essa documentação deve

Leia mais

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - ANÁLISE GLOBAL - DESTAQUE AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. - SÃO PEDRO DO

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA.

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA. Manual de Uso de Veículo Respeito a Vida! TERMO DE RECEBIMENTO R ecebi da Cooperativa de Trabalho dos P r o f i s s i o n a i s d e A g r o n o m i a L t d a. UNICAMPO, o MANUAL DE USO DO VEÍCULO e após

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO

MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO MANUAL TÉCNICO TUBO EQUIPADO Andaime Tubo Equipado...03 Acessórios...04 Modos e Pontos de Ancoragem...05 Dicas Importantes...07 Acesso dos Andaimes...08 Informações de Segurança...09 Fotos Obras...10 Atualização

Leia mais

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA LEI 6514/77 PORTARIA 3214/ 78 NR-26 - SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA 26.1 Cor na Segurança do Trabalho. 26.1.1 Esta Norma Regulamentadora (NR) tem por objetivo fixar as cores que devem ser usadas nos locais

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037

Procedimento Operacional N do procedimento: PO 037 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão anual conforme Norma Regulamentadora 33 Alteração nos envolvidos para análise e aprovação. Demais envolvidos na análise

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE INFRAÇÃO O veículo estacionado, afastado da guia da calçada (meio fio) a mais de um metro, faz do seu condutor um infrator cuja punição será: 1 retenção do veículo e multa, infração média. 2 apreensão do veículo

Leia mais