O processo de conservação e restauração da escultura Oscar no Museu Nacional de Belas Artes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O processo de conservação e restauração da escultura Oscar no Museu Nacional de Belas Artes"

Transcrição

1 O processo de conservação e restauração da escultura Oscar no Museu Nacional de Belas Artes Mestrado em arquitetura na área de restauração e gestão do patrimônio, Especialista conservação e restauração, Graduada em escultura e Restauradora de escultura da Escola de Belas Artes (EBA/UFRJ) e do Museu Nacional de Belas Artes (MNBA) Av.Pedro Calmon, 550, sala 718, Cidade Universitária CEP: Rio de Janeiro RJ Tel/Fax Abstract This research intends to show the conservation and restoration process of the plaster casting with bronze patina Oscar sculpture (actor João Caetano representation Brazilian art), which original bronze is placed at Praça Tiradentes, Rio de Janeiro, in front of João Caetano Theater. This casting belongs to the Museu Nacional de Belas Artes and it has historical, artistic and cultural appraisal. This exposure will tackle the importance of a cultural heritage preservation through artistic restoration technics, demonstrating the materials and methods adopted. It will demonstrate how the commitment with the work of art gist, the technic mastery and conservation concept skills define the principles and criteria adopted before the intervention. Finally, it will show the importance of his return to the museum s exhibition space. INTRODUÇÃO O Museu Nacional de Belas Artes vem desenvolvendo um belo trabalho na área de conservação e restauração de obras escultóricas pertencentes a seu acervo. Esta ação vem colaborando para manter viva a nossa história, fazendo com que a obra volte a compor o espaço expositivo do museu, permitindo assim, sua fruição pelo expectador. Dentro deste grandioso acervo, destacamos a obra de Francisco Emanuel Chaves Pinheiro artista brasileiro ( ), que foi discípulo de Marc Ferrez, sofrendo forte influência da Escola Francesa na realização de suas obras. O presente trabalho tem como objetivo expor o processo de conservação e restauração de um bem móvel, moldagem em gesso com pátina em bronze, da escultura Oscar (representação do ator João Caetano arte brasileira) cujo original em bronze encontra-se localizado na Praça Tiradentes no Rio de janeiro, em frente ao Teatro João Caetano. Esta moldagem pertence ao Acervo do Museu Nacional de Belas Artes, é uma obra de valor histórico, artístico e cultural. Esta exposição abordará a importância de se preservar um bem móvel através da utilização de técnicas de restauro artístico, descrevendo quais os métodos e os materiais utilizados para a preservação do bem em questão. Visando, sobretudo, demonstrar como o comprometimento com a essência dos elementos a serem restaurados e o domínio das técnicas e compreensão dos conceitos de conservação definem os princípios e critérios a serem adotados antes do início da intervenção. Por fim, sinalizará a importância da volta deste bem ao espaço expositivo do museu.

2 1. CONSERVAÇÃO E RESTAURAÇÃO Na preservação de uma obra de valor estético e histórico que se encontra em estado de degradação, é preciso num primeiro momento levar em consideração, se tratando de um bem de valor patrimonial, que os procedimentos para sua preservação obedeçam aos princípios e critérios estabelecidos pelos órgãos de proteção Federal, IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e dos Órgãos Estaduais e Municipais e a conceitos de teóricos da área. Segundo Brandi 1 a obra de arte, como produto da atividade humana, apresenta duas instâncias que devemos respeitar, no momento da restauração. Estética corresponde ao motivo pela qual a obra de arte é obra de arte, a um sentimento envolvido; Histórica corresponde ao fato da arte ser produto da manifestação da criatividade humana, de certo tempo e certo lugar, como também do tempo e do lugar onde está inserido. Sendo a restauração, o momento metodológico do conhecimento da obra de arte, na sua consistência física e na sua dupla polaridade estética e histórica, em vista da sua transmissão ao futuro 2, numa intervenção restauradora devemos, principalmente, obedecer a esses dois aspectos, o estético e histórico. O momento de restauração da obra de arte é que irá dizer as condições e os limites desta ação, a qual deverá, considerando a instância histórica, limitar-se a desenvolver as sugestões implícitas nos próprios fragmentos ou encontráveis em testemunhos autênticos do estado originário 3. Com relação á instancia estética numa ação de restauração deve-se visar o aspecto da obra a unidade figurativa da obra de arte se dá concomitantemente com a intuição da imagem como obra de arte 4, com fins a sua unidade 5. Ao intervir na obra com fins à sua unidade potencial, Brandi 6 cita três princípios que devem guiar a restauração. O primeiro é que a integração deverá ser sempre facilmente reconhecível; mas sempre que por isso se venha a infringir a própria unidade da que visa a reconstituir. [...] deverá ser sempre invisível à distância que a obra de arte deve ser observada, mas reconhecível de imediato, sem a necessidade BRANDI, C. Teoria da Restauração. Trad. Beatriz Kühl. São Paulo: Atelier Editorial, 2004, s/n. 2 Ibid. p Ibid. p.47 4 Ibid. p.46 5 CUNHA, C. R. A atualidade do pensamento de Cesare Brandi. Disponível em: resenhas. Acesso em: 9 ago BRANDI, C. op cit. pp BRANDI, C. Teoria da Restauração. Trad. Beatriz Kühl. São Paulo: Atelier Editorial, 2004, s/n. 2 Ibid. p Ibid. p.47 4 Ibid. p.46 5 CUNHA, C. R. A atualidade do pensamento de Cesare Brandi. Disponível em: resenhas. Acesso em: 9 ago BRANDI, C. op cit. pp

3 de instrumentos especiais, quando se chega a uma visão mais aproximada [...]. O segundo princípio é relativo à matéria que resulta da imagem, que é insubstituível só quando colaborar diretamente para a figuratividade da imagem como aspecto e não para aquilo que é estrutura [...]. O terceiro princípio se refere ao futuro: ou seja, prescreve que qualquer intervenção de restauro não torne impossível, mas, antes facilite as eventuais intervenções futuras. Um dos pontos que devemos também considerar numa intervenção, ainda segundo o referido autor, é a questão das lacunas e das pátinas. As lacunas como sendo aquilo que concerne à obra de arte, é uma interrupção no tecido da obra 7. Em sua visão a lacuna tanto pode ser considerada como aquilo que está em falta ou em excesso numa obra de arte, podendo ser necessário uma adição ou uma subtração. Isso dependerá de cada caso, por exemplo, no exame da obra: se for levada em consideração à instância histórica, os acréscimos deverão ser mantidos. Mas se prevalecer à instância estética os acréscimos deverão ser removidos. Caso essa adição ou refazimento alcançar uma nova unidade artística, então deverá ser mantido. O refazimento, mesmo condenável deverá também ser mantido, quando tal ação levou à destruição parcial dos aspectos que poderia levá-lo à valorização como ruína ou conduzi-lo à reintegração da unidade potencial. Com relação às pátinas, o mesmo fato anterior pode ser considerado, por exemplo: para a instância histórica, a pátina deve ser conservada, pois representa a passagem da obra pelo tempo, mas, se for considerada uma adição, então para a instância estética ela deve ser removida, pois a matéria jamais deverá prevalecer sobre a imagem. A limpeza deverá conduzir a pátina a um equilíbrio rebaixando-a a um nível que não irá interferir na leitura da sua imagem METODOLOGIA 2.1. Os procedimentos de conservação e restauração Vamos expor aqui procedimentos que seguimos para trazer de volta a figuratividade da obra possibilitando sua volta ao espaço arquitetônico do museu Investigação documental Pesquisa histórica, arquivística e bibliográfica: Análise histórica e artística da obra os registros de todas as intervenções realizadas desde sua criação, bem como os procedimentos utilizados. 7 Ibid. p.48 8 Ibid. passim. 3

4 Registros fotográficos: Levantamento da iconografia da obra através da pesquisa de registros fotográficos (desde sua criação), anteriores e após intervenções de restauro Levantamento físico Local da obra: Identificação e descrição do local - Planta de localização (onde se localiza o edifício onde se encontra a obra, em relação à cidade orientação) e Planta baixa (Compreensão do espaço e localização do elemento escultórico). A identificação do local, além de servir para orientar, também contribui para o diagnóstico de danos, na avaliação das condições climáticas da região onde se localiza a edificação a qual a obra esta inserida. Neste caso utilizamos somente a planta baixa Investigação científica analítica e estrutural A investigação científica compreende: as técnicas analíticas e as estruturais. As analíticas identificam os materiais utilizados na execução e as estruturais auxiliam na análise da forma e no diagnóstico do estado de conservação, segundo a integridade do suporte 9. Nas técnicas de investigação analítica e estrutural temos os exames nas obras de arte que podem ser: globais ou de superfície, também conhecidos como não destrutivos e os exames pontuais ou destrutivos: são realizados a partir de amostras ou fragmentos retirados do objeto para um reconhecimento de sua composição e estrutura. Por exemplo, temos os exames não destrutivos, como: exame Organoléptico; Microscópio estereoscópico (lupa binocular); fotografia com luz normal (luz branca); Fluorescência de Raios X, Radiografia, etc. Já nos exames destrutivos temos: o corte estratigráfico; testes micro químicos ou estratigráficos; microscopia ótica, etc. esses são alguns exames que pode ser feitos neste tipo de obra. Na conservação e restauração da obra foi necessário utilizarmos exames organolépico: observação a olho nu das características dos materiais constitutivos do objeto de arte: suporte, base de preparação, camada pictórica, verniz, etc. Identificação das intervenções e degradações da obra; fotografia com luz normal (luz branca): esse método tem como objetivo testemunhar o estado de conservação da obra antes da restauração. E também registrar as diversas etapas da restauração de uma obra como o controle ou testemunho de novas descobertas. A fonte de iluminação pode ser a luz natural (luz solar), lâmpada incandescente, lâmpada fluorescente e o flash Técnicas de identificação e localização dos danos Na identificação e localização dos danos nas obras de arte temos o levantamento fotográfico dos danos, o diagnóstico dos danos e o mapeamento de danos (caso seja um bem integrado). Levantamento fotográfico dos danos: Registros fotográficos de todos os danos presentes na obra, antes da ação de intervenção. 9 NUNES, M. A. Sistemas Construtivos e Suas Representações: retábulos executados entre o século XVIII e XIX da arquitetura religiosa de Florianópolis f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. s/n. 4

5 Diagnóstico de danos: Após o levantamento fotográfico dos danos inicia-se o diagnóstico, identificando os tipos de danos e suas causas. Na obra em questão identificamos segundo levantamento fotográfico, os seguintes danos: sujidade, perda de volumetria, perda de pátina e intervenções anteriores que alteram a unidade da obra. Vejamos a descrição dos danos nas figuras a seguir, todas as fotos do processo da conservação da escultura foram cedidas pelo Museu Nacional de Belas Artes 10. (fig.1 á fig.7) Sujidade por toda peça Fig.1 Escultura em vulto Intervenções anteriores que alteram o aspecto da obra Fig.2 Detalhe da mão Fig.3 Detalhe do panejamento 10 Coleção Museu Nacional de Belas Artes/IBRAM/MINC 5

6 O processo de conservação e restauração da escultura Oscar no Museu Nacional de Belas Artes Intervenções anteriores que alteram o suporte da obra Fig.4 Detalhe do suporte do braço Fig.5 Detalhe da bainha da espada Perda de volumetria / Perda de pátina Fig.6 Detalhe da espada Fig.7 Detalhe da base 3. A INTERVENÇÃO DE CONSERVAÇÃO E RESTAURAÇÃO Técnicas e materiais utilizados Limpeza mecânica A limpeza de uma obra poderá ser superficial ou profunda. A limpeza superficial é iniciada com um pincel macio e seco ou um aspirador de pó com baixa sucção. O que se pretende, com esse tipo de limpeza e retirar a poeira leve e todas as sujidades particuladas encontradas na superfície da obra. Na limpeza profunda recorre-se a utilização de um bisturi para remoção de partículas de maior aderência. Limpeza química Método de limpeza utilizado para remover a poeira endurecida, materiais gordurosos, ceras, resinas, goma laca, repinturas e vernizes deteriorados agregados à obra de arte. Na obra em questão utilizamos os dois métodos, na limpeza química foram feitos testes anteriores, para não atingir a figuratividade da obra. Foram feitos de solubilidade testes com saliva e aguarrás. A limpeza definitiva da peça foi feita com aguarrás e rinçagem com água deionizada. 6

7 Torna-se assim indispensável á realização de testes preliminares avaliando e identificando os danos, de modo a garantir o êxito na execução do procedimento, mantendo a estrutura e o aspecto da obra. Retirada de intervenções que alteram o suporte da obra Este item se refere as lacunas, como vimos, como sendo segundo Brandi aquilo que está em falta ou em excesso na obra de arte, impedindo a leitura final da obra. Na restauração anterior, da obra apresentada, temos intervenções com materiais incompatíveis com os da obra. (fig. 8) Fig. 8 Detalhe da retirada de intervenção da bainha da espada Recomposição da volumetria A volumetria de uma obra de arte é fundamental para sua leitura final, pois somente após a recuperação da sua estrutura (suporte/volume), podemos trazer de volta seu aspecto visual, neste caso a finalização com a pátina. Este procedimento será realizado após a verificação e identificação de sua causa, como em todos os casos, de acordo com a necessidade de cada obra, como: reconstituições de partes de esculturas, ornamentos, altares, etc., seja através de rebatimentos, pesquisas históricas ou por decisões de órgãos de proteção, cuja intenção é trazer de volta a unidade da obra. A volumetria poderá, no caso da obra de gesso, ser realizada com o próprio gesso e adesivo, umedecendo sempre o local antes de aplicar o novo gesso, sendo necessário ás vezes, o uso de sisal, tarugos ou barras metálicas (de preferência de latão ou aço, para não enferrujar), para estruturá-la, isso dependerá da necessidade de cada obra. O material utilizado deve apresentar características físicas, químicas e biológicas próximas a do original, para se evitar alterações futuras, como: rachaduras, fissuras, craquelês (neste caso da pátina). Nesta restauração utilizamos além do gesso e adesivo, arame (para amarração), barra chata (sustentação do braço) e tarugos de latão (para reforçar o interior da base). (fig.9 á fig.15) 7

8 Fig.10 Detalhe da espada Fig.9 detalhe da bainha Fig.11 Detalhe da base Recomposição da volumetria Modelagem de barra chata Estrutura para sustentar o braço da escultura Fig.12 Construção da barra de sustentação do braço Fig.13 Barra de sustentação do braço finalizada Fig.15 Detalhe do braço com volumetria refeita e a barra de sustentação Fig.14 Detalhe do braço com a barra de sustentação 8

9 Recomposição da pátina Na recomposição de uma pátina deve-se ter a consciência da técnica e dos materiais que foi utilizada em sua composição. Pois ao repor ou intervir em uma pátina a sua técnica é que vai orientar a utilização de materiais e produtos que não alterem a obra futuramente. Seja no uso de materiais ou produtos tradicionais, ou no uso de novas tecnologias, a obra deverá permanecer estável, utilizando-se de materiais ou produtos que possuam características próximas do original. No momento de reintegração a expressão de autenticidade da matéria não pode ser influenciada pelo retoque 11. Deve-se manter a unidade da obra sem interromper a sua leitura. A reintegração da obra apresentada foi feita com guache talens, com a técnica de ilusionismo. Proteção da obra A proteção da obra deverá atender a necessidades específicas de cada caso, buscando proteger ao máximo a obra utilizando protetivos compatíveis e que não danifiquem futuramente a obra em seu aspecto. Neste caso utilizamos o paralóide B72 para a proteção final da peça. (fig.16) Fig.16 Escultura finalizada com protetivo 11 BALLESTREM, A. Limpieza de las esculturas policromadas. Trad. para espanhol Paul Getty Trustl y Proyecto Regional de Patrimonio Cultural y Desarrollo. Los Angels, v. 2, 2 ed., s/n. 9

10 A volta da escultura ao espaço de exposição do museu. Após a conservação e restauração da obra apresentada, destacamos que sua principal função só é confirmada em seu espaço expositivo, pelo expectador. Afirmamos como Brandi 12 ao citar Dewey, que á obra de arte é recriada toda vez que a experimentamos esteticamente. O espaço arquitetônico do museu é o veículo que permite essa relação, entre a obra e o público, possibilitando essa fruição. Podemos dizer que são vários os fatores que contribuem para a fruição da obra de arte no espaço de museu. Destacamos, segundo Montaner 13, alguns itens sobre a arquitetura de museus que colaboram para isso, como: o repertório tipológico (estilo do edifício e adequação espacial, neste caso para receber a esculturas); ordenação espacial (distribuição formal da planta: para a percepção do espaço dessas obras); materialidade de fundo (leitura dos elementos que compõem o espaço interior, como piso, tetos e paredes e a relação com as obras expostas); iluminação (artificial e natural e sua influência sobre a obra) suporte (relacionam-se com os objetos que estão sendo expostos e ao mesmo tempo, convertem-se em outro tipo de peça de valor artístico, colocando-se num nível intermediário entre a arquitetura do edifício e a identidade de cada peça 14 e circulação 15 com base em Clark e Pause diz que a circulação é o elemento de ligação dos espaços, ou seja, são as aberturas para a passagem do público visando a fruição da obra. Compreendemos assim que a obra de arte ocupa um espaço e ajuda a determiná-lo. Influencia diretamente na composição do ambiente/espaço, tanto no espaço interno como no externo, através de sua forma, cor e suporte, com também é influenciada por eles. Assim é de fundamental importância na sua relação com os espaços, á integridade de sua condição física e estética, para a composição e a leitura do espaço para o qual foi projetada. CONCLUSÃO Ao expor as técnicas de restauro e os procedimentos para a preservação da escultura. Concluímos que a restauração de uma obra, não só se dá através de uma ação prática sobre a obra, mas, deve ser baseada também na teoria, com conceitos, princípios e critérios, estabelecidos pela evolução do pensamento preservacionista, os quais irão nortear esta ação como um todo. Este trabalho trata da restauração de um elemento escultórico em gesso (bem móvel) que compões o espaço arquitetônico do museu. Logo este bem sofre a influencia de fatores que são inerentes ao espaço do edifício. Portanto, devemos tratar primeiro do local no qual a obra se encontra inserida ou vinculada, para depois tratar da obra. É primordial a identificação e determinação das causas dos danos, para depois tratá-los, eliminando ou prevenindo sua ação BRANDI, C. op cit. p.26. MONTANER, J. M. Museu contemporâneo: lugar e discurso. In Projeto, nº 144, São Paulo, 1990, p s/n. 14 Ibid. p PEREIRA, S. G. A cultura da transformação: o Paço e o tribunal f. Dissertação (mestrado em arquitetura) Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. s/n. 10

11 É de fundamental importância antes de uma ação sobre a obra, que sejam realizados: a investigação documental, o levantamento do local aonde a obra se encontra, o levantamento dos danos, identificando e determinando os danos através de um diagnóstico. Neste tipo de intervenção deixamos claros ser de extrema importância, que, nos procedimentos de limpeza, os produtos utilizados sejam previamente testados, para não causar danos à estrutura e consequentemente ao aspecto da obra. A investigação científica da obra é primordial na escolha da técnica a ser utilizada em sua restauração. Ao lidarmos com a preservação de um bem devemos levar em conta não só seus aspectos materiais e construtivos, mas, também os atributos, significados e simbologias que são inerentes às obras de arte. Para tanto é imprescindível conhecer o seu contexto histórico, seja o contexto histórico factual, social e cultural no qual a obra a ser restaurada teve origem, seja o papel que ocupa dentro da história da arte. O contexto histórico, no qual a obra se acha inserida, impõe-se como fator decisivo para que uma intervenção se dê. Isso porque é esse contexto que irá determinar as decisões que o restaurador deverá tomar no ato do restauro. Isto se explica porque, tanto os princípios e critérios de como intervir na obra a ser restaurada, estabelecidos pelos órgãos competentes, quanto às técnicas propriamente ditas do restauro, ou ainda as concepções artísticas inerentes à obra, são sempre o resultado do modo como o homem compreende e interpreta o seu mundo. Ao empregar os procedimentos técnicos no restauro, deveremos ter sempre uma visão retrospectiva (um conhecimento do passado da obra, ou seja, do estilo artístico a que ela pertence, dos materiais utilizados, das técnicas nela empregadas, etc.) e prospectiva (dos possíveis danos que a obra poderá vir a sofrer, dos novos usos que o espaço no qual ela se acha inserida possa ocorrer, etc.). Esse caráter retrospectivo e prospectivo da visão sobre a obra é o que permiti intervir sobre ela, no presente, de forma adequada. Por sua vez, esse tipo de visão é a mesma que o orienta na percepção do caráter artístico (estético) da obra. Concluímos assim que a obra em questão sofre a influencia não só de fatores ambientais comuns ao espaço onde estão inseridas, mas também é influenciado pelos aspectos que constituem a arquitetura de museu. Por exemplo: a iluminação contribui para a leitura da obra numa exposição (efeitos de claro/ escuro na volumetria), mas também pode comprometer o estado de conservação da obra (pela incidência da radiação ultravioleta) pelas lâmpadas, incandescentes ou fluorescentes. A circulação contribui para o acesso as obras pelo público e a união dos espaços, mas pode contribuir também para trazer mudanças climáticas ao local, influenciando na conservação das obras. Estes são alguns aspectos que nos fazem refletir sobre os espaços arquitetônicos de museus, na sua relação com a obra de arte. 11

12 Contudo, deixamos aqui nosso pensamento que demonstra a importância do espaço para a fruição da obra de arte, quando atribuímos a ele utilidade. BIBLIOGRAFIA Reunimos trinta raios e os chamamos de roda; mas é do espaço onde não há nada que a utilidade da roda depende. Giramos a argila para fazer um vaso; mas é do espaço onde não há nada que a utilidade do vaso depende. Perfuramos portas e janelas para fazer uma casa; e é desses espaços onde não há nada que a utilidade da casa depende. Portanto, da mesma forma que nos aproveitamos daquilo que é, devemos reconhecer a utilidade do que não é. (CHING apud JUNIOR 16 ). BALLESTREM, A. Limpieza de las esculturas policromadas. Trad. para espanhol Paul Getty Trustl y Proyecto Regional de Patrimonio Cultural y Desarrollo. Los Angels, v. 2, 2 ed., BOTALLO, M. Ética e preservação. Boletim Abracor, v. 5, n. 2-3, p.3-5, mar./ago BRAGA, M. Conservação e restauro: madeira, pintura sobre madeira, douramento, estuque, cerâmica, azulejo, mosaico. Rio de Janeiro: Rio, BRANDI, C. Teoria da Restauração. Trad. Beatriz Kühl. São Paulo: Atelier Editorial, COSTA, L. M. De museologia Artes e Políticas de Patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, CUNHA, C. R. A atualidade do pensamento de Cesare Brandi. Disponível em: Acesso em: 9 ago CURY, I. (Org). Cartas patrimoniais. 2 ed. rev. aum. Rio de Janeiro: IPHAN, D'ALESSANDRO, L; PERSEGATI, F. Scultura e calchi in gesso storia, tecnica e conservazione. Roma. L'Erma" di Bretschneider, JUNIOR, A. A. Fabiano, Museu: um olhar sobre o espaço público, o espaço arte, o espaço arquitetura. In: Revista CPC, São Paulo, n.4, p.7-22, mai/out JUNIOR, A. A. Fabiano, Museu: um olhar sobre o espaço público, o espaço arte, o espaço arquitetura. In: Revista CPC, São Paulo, n.4, p.7-22, mai/out s/n. 12

13 O processo de conservação e restauração da escultura Oscar no Museu Nacional de Belas Artes PEREIRA, S. G. A cultura da transformação: o Paço e o tribunal f. Dissertação (mestrado em arquitetura) Programa de Pós-Graduação em Arquitetura, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. MONTANER, J. M. Museu contemporâneo: lugar e discurso. In Projeto, nº 144, São Paulo, 1990, p NUNES, M. A. Sistemas Construtivos e Suas Representações: retábulos executados entre o século XVIII e XIX da arquitetura religiosa de Florianópolis f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. REGIS, D. V. A Capela do Santíssimo da Igreja do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro: aspectos científicos do estado de conservação f. Monografia (Especialização em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis) Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. SOUSA, L. A. C. Uma contribuição científica ao estudo da policromia nas esculturas mineiras dos períodos Barroco e Rococó. In: SEMINÁRIO DA ABRACOR, 7, 1994, 13

V SEMINÁRIO DO MUSEU DOM JOÃO VI - Coleções de arte: formação, exibição e ensino Painéis de Pesquisa Anais Eletrônicos

V SEMINÁRIO DO MUSEU DOM JOÃO VI - Coleções de arte: formação, exibição e ensino Painéis de Pesquisa Anais Eletrônicos 1 Um olhar preservacionista sobre doações em museus: a Coleção de Arte Popular Renato Miguez no Museu D.João VI. Benvinda de Jesus Ferreira Ribeiro 1 Introdução A preservação de bens patrimoniais segundo

Leia mais

RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA

RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA RESTAURAÇÃO DAS PINTURAS MURAIS DA CASA DE RUI BARBOSA Arquitetos Responsáveis: Márcia Braga e Delfim Carvalho RELATÓRIO TÉCNICO 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1- PINTURAS DECORATIVAS E ARTÍSTICAS DA VARANDA...

Leia mais

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia

Intervenção em Bens Culturais. Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia Intervenção em Bens Culturais Edificados Centro de Ensino Superior do Amapá (CEAP) Prof.: Msc. Dinah Tutyia O QUE É UM PROJETO DE INTERVENÇÃO NO PATRIMÔNIO EDIFICADO? Compreende-se por Projeto de Intervenção

Leia mais

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES

PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES PRIMEIRO ANO DE TRABALHOS DE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DOS ACERVOS DOS NÚCLEOS MUSEOLÓGICOS DO MUNICÍPIO DE ABRANTES Técnicos Superiores de Conservação e Restauro: Isabel dos Santos Filipe Pereira (2013/2014)

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ OS OFÍCIOS DO RESTAURO O UNIVERSO DA RESTAURAÇÃO NO RIO DE JANEIRO O estado do Rio de Janeiro apresenta um enorme acervo de imóveis de valor cultural, histórico, artístico, arquitetônico

Leia mais

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura Escultura em madeira policromada Processo nº 23/23/2013 IDENTIFICAÇÃO Entrada no Laboratório 21/10/2013 Maio 2015 Responsável pela intervenção - Carla Rego Título da Obra Proveniência Proprietário Dimensões

Leia mais

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES

INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES INTERVENÇÕES METÁLICAS EM EDIFICAÇÕES DE VALOR HISTÓRICO E CULTURAL: ESTUDOS DE CASO DE INTERFACES Profª. Msc. Carolina Albuquerque de Moraes Prof. Dr. Luiz Fernando Loureiro Ribeiro São Paulo, Brasil

Leia mais

PRESERVAÇÃO DE TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TRADICIONAIS:

PRESERVAÇÃO DE TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TRADICIONAIS: PRESERVAÇÃO DE TÉCNICAS CONSTRUTIVAS TRADICIONAIS: MEMÓRIA DE UM SABER FAZER Arq. D. Sc. Rosina Trevisan M. Ribeiro Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro PROARQ/FAU/UFRJ,

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

Imagem em Madeira Policromada da década de 30

Imagem em Madeira Policromada da década de 30 Imagem em Madeira Policromada da década de 30 Patologias: Sujidades superficiais Repinturas sucessivas nas mãos, pés e façe. Pequena movimentação nas mãos. Perda acentuada de policromia na parte superior

Leia mais

CONSERVAÇAO E RESTAURO DA ARQUITETURA DO FERRO NO BRASIL- O TORREAO DO MERCADO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO

CONSERVAÇAO E RESTAURO DA ARQUITETURA DO FERRO NO BRASIL- O TORREAO DO MERCADO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO XI CONGRESO INTERNACIONAL DE REHABILITACIÓN DEL PATRIMONIO ARQUITECTÓNICO Y EDIFICACIÓN 238 CONSERVAÇAO E RESTAURO DA ARQUITETURA DO FERRO NO BRASIL- O TORREAO DO MERCADO MUNICIPAL DO RIO DE JANEIRO J.

Leia mais

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões

Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões Curadoria e montagem de exposições de arte: um campo de diversas profissões As oportunidades de trabalho e as novas profissões ligadas à arte contemporânea têm crescido muito nos últimos anos, impulsionadas

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

i i i j j ITEM DESCRIÇÃO / BIMESTRE 1 2 3 4 5 6 7 s 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 23 26

i i i j j ITEM DESCRIÇÃO / BIMESTRE 1 2 3 4 5 6 7 s 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 23 26 j j ITEM DESCRIÇÃO / BIMESTRE OBRAS EMEROENCIAIS NA COBERTURA DO PALACETE ( 996 à jui/997). Impermeabilização do terraço e torres 2 3 4 5 6 7 s 9 0 2 3 4 5 6 7 8 9 20 2 22 23 24 23 26.2 instalações Elétricas

Leia mais

Museu Nacional da Arte Antiga

Museu Nacional da Arte Antiga Museu Nacional da Arte Antiga Índice 1. Horários e localização: 2. Ingresso 3. História do museu 4. Informações acerca do museu 5. As 10 obras de referência do MNAA 6. Coleções 1 - Horário e Localização

Leia mais

Igrejas paulistas: barroco e rococó

Igrejas paulistas: barroco e rococó Igrejas paulistas: barroco e rococó Vanessa Proença Título da obra: Igrejas paulistas: barroco e rococó. Autor: Percival Tirapeli 1 Um grande catálogo: é essa a impressão que o livro nos passa. A proposta

Leia mais

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu).

CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento europeu). 43 RELAÇÃO DE EMENTAS CURSO: ARTES VISUAIS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA: Artes Visuais I CÓDIGO: APL008 Concepções e manifestações artísticas da pré-história ao início da idade moderna. (renascimento

Leia mais

Museu do Homem do Nordeste

Museu do Homem do Nordeste c a p a À esquerda: painel recebe luz de sanca no teto, e um gibão de couro, de rasgos laterais. Acima: iluminação proveniente de spots articuláveis e nichos com fibra ótica. Acima: luz homogênea emitida

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad

PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA. Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad PROPOSTA DE RESTAURAÇÃO PARA A IGREJA DE SANTO ANTÔNIO EM BELÉM/PA Aluna: Stephanie Mendes Orientadora: Profa. Dra. Thais Sanjad Século XVIII Brasil disseminação da a arquitetura Barroca Construções Religiosas

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Entre que a casa é sua! (Reconstituição virtual dos interiores do Museu Casa de Rui Barbosa) Coordenador

Leia mais

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho

Onde: Museu da Cerâmica Udo Knoff, Rua Frei Vicente, nº 03, Pelourinho EXPOSIÇÕES TEMPORÁRIAS FEIRA DE CORES E SABORES A mostra, contemplada pelo Fundo de Cultura da Bahia através do IPAC, tem a intenção de valorizar os patrimônios materiais e imateriais da Feira de São Joaquim

Leia mais

Prezados Senhores, Agradeço sua gentileza e atenção. Atenciosamente, Eneida Verri Bucco Oliveira. Fone: (19) 3836 3723 (11) 99471-6201 (61) 9104 2626

Prezados Senhores, Agradeço sua gentileza e atenção. Atenciosamente, Eneida Verri Bucco Oliveira. Fone: (19) 3836 3723 (11) 99471-6201 (61) 9104 2626 Prezados Senhores, Venho através desta, apresentar meu Curriculum Vitae contendo minha formação educacional e experiência profissional. Em caso de interesse favor entrar em contato com os telefones abaixo

Leia mais

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA 1. Justificativa/Caracterização do Problema Em 2010 demos início a pesquisa Conservação de Superfícies Arquitetônicas do Museu Casa de Rui Barbosa, com o objetivo de definir parâmetros para execução de

Leia mais

MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO

MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO MENINO JESUS DE BARRO COZIDO E POLICROMADO Identificação Categoria: Escultura Sub-categoria: Escultura de vulto perfeito Denominação/Título: Menino Jesus em pé sobre peanha poligonal Autoria/Produção:

Leia mais

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin

MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA. Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO: DA CURADORIA À EXPOGRAFIA Renato Baldin MONTAGEM DE EXPOSIÇÃO Conceitos O Que define uma exposição? O processo de comunicação por meio da disposição de objetos num espaço. Comunicação

Leia mais

Monumenta lança Coleção Artes & Ofícios

Monumenta lança Coleção Artes & Ofícios Monumenta lança Coleção Artes & Ofícios Para preservar e transmitir as técnicas de restauro utilizadas por mestres e artífices que foi criada a coleção Artes & Ofícios, a coleção conta com recursos do

Leia mais

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e

TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING TIME TO TIME IN HERING'S MUSEUM. Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e TEMPO AO TEMPO, NO MUSEU HERING "TIME TO TIME" IN HERING'S MUSEUM Marli Rudnik Em Blumenau, a história e as tradições são preservadas de muitas formas e uma delas é através do acervo e das exposições dos

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

Intervenções Posteriores: Detectaram-se várias repolicromias totais e parciais ocorridas em datas não determinadas.

Intervenções Posteriores: Detectaram-se várias repolicromias totais e parciais ocorridas em datas não determinadas. MENINO JESUS Identificação Categoria: Escultura Sub-categoria: Escultura de vulto perfeito Denominação/Título: Menino Jesus Autoria/Produção: Autor desconhecido/ Portugal Datação: Séc. XVIII? (justificação

Leia mais

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO)

OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) OBRAS DE RESTAURO E CONSERVAÇÃO DO ED. RAMOS DE AZEVEDO E ANEXO. - RELATÓRIO DE PROSPECÇÃO (ED. ANEXO) Fichas de Prospecções No. 01 Ambiente: fachada do anexo Andar: térreo Data: Fevereiro de 2007 Elemento:

Leia mais

Claudia S. Rodrigues de Carvalho. Eletrônico: crcarvalho@rb.gov.br Telefônico: 55-21- 32894676 Núcleo de Preservação Arquitetônica

Claudia S. Rodrigues de Carvalho. Eletrônico: crcarvalho@rb.gov.br Telefônico: 55-21- 32894676 Núcleo de Preservação Arquitetônica CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

FASE 3 (1998-2003) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998)

FASE 3 (1998-2003) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998) 3.1 Criação da Comissão Especial Casa de Dona Yayá (1998) 3.2 O restauro de murais artísticos realizado pelo programa Identificação, Consolidação e Restauração de Pinturas Murais (Canteiro Escola) do CPC

Leia mais

Processo de Restauração Santo Antônio imagem sacra integrante do acervo da IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO da cidade de Grão Mogol

Processo de Restauração Santo Antônio imagem sacra integrante do acervo da IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO da cidade de Grão Mogol Processo de Restauração Santo Antônio imagem sacra integrante do acervo da IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO da cidade de Grão Mogol Santo Antônio em seu Altar Fundação de Arte de Ouro Preto Escola de Arte

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

Relatório Restauração da Imagem de Nossa Senhora dos Prazeres Padroeira de Maceió Pertencente à Catedral Metropolitana de Maceió

Relatório Restauração da Imagem de Nossa Senhora dos Prazeres Padroeira de Maceió Pertencente à Catedral Metropolitana de Maceió Relatório Restauração da Imagem de Nossa Senhora dos Prazeres Padroeira de Maceió Pertencente à Catedral Metropolitana de Maceió 1 Introdução e considerações Ao primeiro contato físico com a obra realizamos

Leia mais

Palestra: Conservação Preventiva em Museus, Arquivos e Bibliotecas

Palestra: Conservação Preventiva em Museus, Arquivos e Bibliotecas MAIO PALESTRAS GRATUITAS Local: Museu Paranaense Dia 20/05-14h Palestra: Conservação Preventiva em Museus, Arquivos e Bibliotecas Prof.ª Msc. Silmara Küster de Paula Carvalho. Especialista em Conservação

Leia mais

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura

Relatório Técnico Laboratório de Conservação e Restauro de Pintura e Escultura Conjunto de 5 pinturas Processo nº 27/27/2013 IDENTIFICAÇÃO Entrada no Laboratório Título da Obra Proveniência Proprietário Dimensões Técnicas e materiais de execução Autor / Produção Datação / Época 08/11/2013

Leia mais

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro

I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa Bárbara d Oeste - SP Proposta de Intervenção Emergencial I. P. R. inovação e pesquisa para o restauro 2 16 MUSEU DA IMIGRAÇÃO Santa

Leia mais

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE

ADEQUAÇÃO DAS EDIFICAÇÕES E DO MOBILIÁRIO URBANO À PESSOA DEFICIENTE Esta norma aplica-se atodas as edificações de uso público e/ou mobiliário urbano, tanto em condições temporárias como em condições permanentes. É sempre necessário consultar o REGULAMENTO DO CÓDIGO NACIONAL

Leia mais

A FIGURA HUMANA NA ARTE DOS ÍNDIOS KARAJÁ

A FIGURA HUMANA NA ARTE DOS ÍNDIOS KARAJÁ A FIGURA HUMANA NA ARTE DOS ÍNDIOS KARAJÁ Raquel Mello Salimeno de Sá e Valéria Carrilho da Costa Museu do índio Instituto de História UFU Painel Relato de experiência A inserção da cultura indígena nas

Leia mais

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas;

Grupo escultórico; Ornatos menores; Esquadrias; Alvenarias externas; Como metodologia do projeto de restauro, a fim de identificar as camadas pictóricas das fachadas do edifício, foram executadas diversas prospecções estratigráficas, distribuídas entre os seguintes elementos:

Leia mais

Questão 2: O principal fato histórico que modifica o conhecimento do ser humano é:

Questão 2: O principal fato histórico que modifica o conhecimento do ser humano é: Questão 1: Cesare Brandi, no livro intitulado Teoria da Restauração, afirma que: a) em geral, entende-se por restauração qualquer intervenção voltada a dar novamente eficiência a um produto da atividade

Leia mais

REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA

REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA REVITALIZAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FAZENDA SANT ANA Maria Sílvia Zorovich do Rego silviazrego@yahoo.com.br VALOR DO INVESTIMENTO: R$ 16.000,00 PARCERIAS: Instituto Educa Brasil Proprietários Fazenda Sant

Leia mais

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins

Diagnóstico do Chafariz dos Contos. Régis Eduardo Martins 2 Diagnóstico do Chafariz dos Contos Régis Eduardo Martins Diagnóstico do Chafariz dos Contos Caderno 2 Sumário: Pag. Introdução 2 de estado de conservação do Chafariz 3 Fichas de diagnóstico: Perdas 6

Leia mais

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos.

Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. Obrigado por ter adquirido os nossos produtos. A Lavore Móveis segue um rigoroso controle de qualidade com o objetivo de garantir a total satisfação dos nossos clientes. Para conservação do mobiliário

Leia mais

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos:

Para o desenvolvimento dos trabalhos e elaboração do presente laudo, foram executados os seguintes passos: 1. PRELIMINARES 1.1 Objetivo Constitui objetivo do presente trabalho a constatação do estado de conservação do Apartamento n 82 do Edifício Vivien Tereza, situado à Rua Domingos de Moraes, nº 348, Vila

Leia mais

1 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS

1 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS QUADRO III LAUDO Laudo de estado de conservação EERCÍCIO 2012 MUNICÍPIO DE UNIÃO DE MINAS / MG 1 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS 2 de 16 ICMS CULTURAL LAUDOS SUMÁRIO 01. Ficha de Análise... 05 02. Imagem de

Leia mais

Um passado com futuro: metodologias de conservação em livro antigo Teresa Lança Ruivo

Um passado com futuro: metodologias de conservação em livro antigo Teresa Lança Ruivo Um passado com futuro: metodologias de conservação em livro antigo Resumo São muitas as etapas de conservação e restauro que um livro antigo ultrapassa para assegurar o seu futuro! Neste artigo pretende-se

Leia mais

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo

Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura Departamento do Patrimônio Histórico Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São

Leia mais

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil

Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Programa de Diálogo Intercultural para as Relações Étnico-Raciais da UNESCO no Brasil Bases Fundamentais Convenção para a proteção e promoção da diversidade das expressões culturais Consolida princípios

Leia mais

JOAN CASEDEVALLE SERRA: METODOLOGIA

JOAN CASEDEVALLE SERRA: METODOLOGIA JOAN CASEDEVALLE SERRA: METODOLOGIA O MÉTODO DE LENCLOS E O PLANO DE BEJA, INÍCIO ANOS 80 Charola Convento de Cristo, Tomar 1 OS PLANOS DE COR EXIGEM ESPECÍFICAS METODOLOGIAS DE ESTUDO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil.

manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. manual de conservação Você acaba de adquirir um produto Tora Brasil. Além de adquirir uma peça de qualidade, design diferenciado, você está contribuindo para a conservação da floresta amazônica, pois a

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

Museu Dom João VI: memória e lugar do ensino artístico

Museu Dom João VI: memória e lugar do ensino artístico Museu Dom João VI: memória e lugar do ensino artístico Carla Costa Dias Museu D. João VI / EBA / UFRJ Introdução O Museu Dom João VI da Escola de Belas Artes/UFRJ tem sua história iniciada no século XIX.

Leia mais

AS TEORIAS DE CAMILLO BOITO E SUA LIGAÇÃO COM A INTERVENÇÃO PARA O MUSEU RODIN DE MARCELO FERRAZ E FRANCISCO FANUCCI¹

AS TEORIAS DE CAMILLO BOITO E SUA LIGAÇÃO COM A INTERVENÇÃO PARA O MUSEU RODIN DE MARCELO FERRAZ E FRANCISCO FANUCCI¹ AS TEORIAS DE CAMILLO BOITO E SUA LIGAÇÃO COM A INTERVENÇÃO PARA O MUSEU RODIN DE MARCELO FERRAZ E FRANCISCO FANUCCI¹ POZZOBON, Bruna²; BRAMBATTI, Gabriela²; QUERUZ, Francisco³. 1 Artigo para a disciplina

Leia mais

CURRICULUM VITAE Márcia Dantas Braga 1960 Rio de Janeiro CAURJ A10493-0

CURRICULUM VITAE Márcia Dantas Braga 1960 Rio de Janeiro CAURJ A10493-0 CURRICULUM VITAE Márcia Dantas Braga 1960 Rio de Janeiro CAURJ A10493-0 FORMAÇÃO ACADÊMICA MESTRE Ciências em Arquitetura, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo UFRJ (1999) GRADUAÇÃO Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

Patologia em Revestimentos de Fachada

Patologia em Revestimentos de Fachada PATOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES Revestimentos de 1 Nome:Fernando Marques Ribeiro Matricula: 27667 Docente: Orlando Carlos B. Damin Artigo: Fonte: Editora: Ordem dos Engenheiros Região Norte / 2011 Autores: Ana

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO

ARTES AVALIAÇÃO. Aula 3.2 - AVALIAÇÃO Aula 3.2-2 1. A Anunciação é uma das obras mais conhecidas de Leonardo da Vinci. Feita por volta do ano de 1472, ela retrata uma das cenas bíblicas mais famosas de todos os tempos. Escreva nas linhas abaixo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS TÊXTEIS NA ESTRUTURA 1

PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS TÊXTEIS NA ESTRUTURA 1 PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DA DISPOSIÇÃO DOS TÊXTEIS NA ESTRUTURA 1 No âmbito das propostas de resolução dos riscos específicos, será feita uma proposta de reformulação da disposição das peças têxteis, localizadas

Leia mais

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA

PLANO DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA - CONSERVAÇAO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS DO MUSEU CASA DE RUI BARBOSA CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: CONSERVAÇÃO DAS SUPERFÍCIES ARQUITETÔNICAS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA DGJ N. 1 DE 2 DE JULHO DE 2015. Dispõe sobre o funcionamento do Museu do Judiciário Catarinense. O DIRETOR-GERAL JUDICIÁRIO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SANTA CATARINA, considerando

Leia mais

Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos. Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC. Introdução

Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos. Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC. Introdução Limpeza e Conservação de Objetos Metálicos Diogo Menezes Costa Museu de Porto Alegre Joaquim José Felizardo/SMC Introdução Esta comunicação tem por objetivo relatar as diversas experiências na limpeza

Leia mais

c a s e Não evidenciar o espaço e sim as obras foi a tônica do projeto de iluminação. L U M E A R Q U I T E T U R A

c a s e Não evidenciar o espaço e sim as obras foi a tônica do projeto de iluminação. L U M E A R Q U I T E T U R A c a s e Não evidenciar o espaço e sim as obras foi a tônica do projeto de iluminação. 38 Uplight nas bases dos biombos, e downlight no ambiente geral, caracterizam a iluminação da exposição. Eternos tesouros

Leia mais

Arquitetura: do repertório à prática

Arquitetura: do repertório à prática Arquitetura: do repertório à prática Arquiteto: - tecton, em grego, designava um artífice ligado à construção de objetos por junção de peças; - arqui, prefixo que indica superioridade. Arquitetura: Aurélio:

Leia mais

Integração Laser Scanner - BIM

Integração Laser Scanner - BIM Fernando Cesar Ribeiro Toppar Engenharia de Levantamentos Marcelo Nepomuceno Uso da nuvem de pontos geradas em levantamentos por Laser Scanner para modelagem de geometria e informações para construção

Leia mais

REVESTIMENTO CERÂMICOS

REVESTIMENTO CERÂMICOS SEMINÁRIOS DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS DE ENGENHARIA REALIZAÇÃO: IBAPE NACIONAL E IBAPE PR Dias 18 e 19 de setembro de 2014 Foz do Iguaçu-PR II Seminário Nacional de Perícias de Engenharia PERÍCIAS EM FACHADAS

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP

Barroco Mineiro. Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Barroco Mineiro Prof. Percival Tirapeli, Instituto de Artes da UNESP Mapa da Estrada Real, por onde escoava o ouro encontrado pelos bandeirantes paulistas em 1692. O Caminho Velho iniciava NO Rio de Janeiro

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu?

Vamos ao M useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? useu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? Vamos ao Museu? é programa que visa ampliar as experiências culturais de estudantes, professores e comunidades por meio de ações educativas que envolvem visitas a espaços de preservação

Leia mais

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008

Programa do Serviço Educativo. 2.º Semestre 2008 Programa do Serviço Educativo Museu Municipal i de Óbidos 2.º Semestre 2008 Programa Semestral Mês Dias Título Público-alvo Agosto Quintas, Sextas, Sábado No Ateliê do Pintor um Tesouro Escondido Crianças

Leia mais

A ATUAÇÃO DO MUNICÍPIO NA PRESERVAÇÃO DE SUA ARQUITETURA ECLÉTICA

A ATUAÇÃO DO MUNICÍPIO NA PRESERVAÇÃO DE SUA ARQUITETURA ECLÉTICA SANTA TERESA/RJ: A ATUAÇÃO DO MUNICÍPIO NA PRESERVAÇÃO DE SUA ARQUITETURA ECLÉTICA Arq. Ana Maria M. de Figueiredo Programa de Pós-graduação em Arquitetura da FAU/UFRJ, Brasil Arq. Rosina Trevisan M. Ribeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo.

RESOLUÇÃO. Artigo 3º - O Plano de Implantação, Conteúdo Programático e demais características do referido Curso constam do respectivo Processo. RESOLUÇÃO CONSEPE 59/2001 ALTERA O CURRÍCULO DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, DO CÂMPUS DE ITATIBA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE,

Leia mais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais

Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Manual de apoio à elaboração de projetos culturais Um projeto tem como objetivo transformar idéias e aspirações em ações concretas que possam aproveitar oportunidades, solucionar problemas, atender a necessidades

Leia mais

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS Secretaria-Geral do Ministério da Educação 1 Índice 1. Preâmbulo... 3 2. O que são os arquivos escolares?... 4 3. O arquivo no sistema de informação

Leia mais

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos.

A seguir, serão abordadas as idades dos documentos, no que se refere a bibliografias indicadas para concursos públicos. Idade dos arquivos Fabrício Mariano A classificação das idades dos arquivos varia de autor para autor, pois cada uma tem origem em um país diferente ou é influenciada em maior ou menor grau por uma cultura

Leia mais

Reabilitação Sustentável

Reabilitação Sustentável Reabilitação Sustentável APRESENTAÇÃO 4 A empresa QUEM SOMOS 5 A nossa visão, missão e valores SOLUÇÕES 6 À sua medida REABILITAÇÃO SUSTENTÁVEL 7 O próximo desafio ARQUITETURA 8 Deixe que as suas ideias

Leia mais

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA

II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR LÉO KOHLER ENSINO FUNDAMENTAL II MOSTRA CULTURAL E CIENTÍFICA: LÉO KOHLER 50 ANOS CONSTRUINDO HISTÓRIA PROJETO: Arte Popular Professora Orientadora: Graciele Moreira Turma: 7ª

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ ESTRUTURA CURRICULAR DO 1º CICLO Bacharelado interdisciplinar em Artes e Design 3 anos Componentes curriculares

Leia mais

Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva. Objetivos:

Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva. Objetivos: Coordenadoras formadoras: Ana Rita Canavarro e Sara Barriga Formadoras: Sara Franqueira, Susana Gomes da Silva Relacionar contextos, conceitos e práticas no âmbito da educação não formal; Problematizar

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 187 ANÁLISE DAS PATOLOGIAS EXISTENTES NO CONJUNTO HABITACIONAL MONTE CARLO PRESIDENTE PRUDENTE Gabriella Fernandes

Leia mais

Q u e s t õ e s d e M ú l t i p l a E s c o l h a

Q u e s t õ e s d e M ú l t i p l a E s c o l h a Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Monumento à Cidade Universitária

Monumento à Cidade Universitária Monumento à Cidade Universitária Gestalt Há algo que transcende a um exclusivo gosto pessoal ou a um gosto na dependência de um momento histórico. Só em função de alguma constante pode-se explicar que

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

ORIGAMI Manual de conservação

ORIGAMI Manual de conservação R e s p e i t a r o s l i m i t e s d e p e s o. T r a n s p o r t a r c o m c u i d a d o. TECIDO S LIMPE SEMANALMENTE A POEIRA DEPOSITADA SOBRE O TECIDO COM UM ASPIRADOR DE PÓ E REALIZE UMA ESCOVAÇÃO

Leia mais