JOSÉ DE SOUSA PAZ FILHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOSÉ DE SOUSA PAZ FILHO"

Transcrição

1 Universidade de Brasília Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias das Comunicações VI Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações Monografia Final de Curso JOSÉ DE SOUSA PAZ FILHO PROPOSTA DE MODELO CONVERGENTE DE OUTORGAS PARA EXPLORAÇÃO DE SERVIÇOS E REDES DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL Brasília DF 2008

2 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA REITOR Timothy Martin Mulholand VICE-REITOR Edgar Nobuo Mamiya DECANO DE PÓS-GRADUAÇÃO Márcio Martins Pimentel CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES DIRETOR Murilo César Ramos COORDENADORES DE ÁREA (Comunicação) Murilo César Ramos (Direito) Márcio Iorio Aranha e Ana Frazão (Economia) Paulo Coutinho, André Rossi e Bernardo Mueller (Engenharia) Humberto Abdalla Jr. (Coordenação Administrativa) Luís Fernando Ramos Molinaro

3 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 2 JOSÉ DE SOUSA PAZ FILHO Proposta de modelo convergente de outorgas para exploração de serviços e redes de telecomunicações no Brasil Monografia apresentada ao VI Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações da Universidade de Brasília como requisito parcial à obtenção do grau de Especialista em Regulação de Telecomunicações. Orientador: Prof. Dr. José Leite Pereira Filho Brasília DF 2008

4 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 3 JOSÉ DE SOUSA PAZ FILHO Proposta de modelo convergente de outorgas para exploração de serviços e redes de telecomunicações no Brasil Monografia final de Curso aprovada pela Banca Examinadora: Prof. Dr. José Leite Pereira Filho Universidade de Brasília Orientador Engº. Jarbas José Valente Superintendente de Serviços Privados, Anatel Prof. Bernardo Felipe Estellita Lins (MSc) Universidade de Brasília Brasília DF 2008

5 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 4 Ao meu pai (in memoriam).

6 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 5 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, gostaria de agradecer à Agência Nacional de Telecomunicações pela consideração que tem dispensado à Câmara dos Deputados ao viabilizar a participação de servidores da Casa no Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações promovido pela Agência e ministrado pela Universidade de Brasília. Da mesma forma, gostaria de estender minha gratidão à Presidência da Câmara pela designação de meu nome para participar deste curso. Gostaria ainda de destacar o apoio que me foi dado pelos colegas da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados que souberam compreender as limitações impostas ao meu trabalho durante o transcorrer do curso, suprindo minhas ausências em um período legislativo especialmente atribulado. Em especial, não posso deixar de agradecer ao meu orientador, Professor José Leite, que, mesmo diante dos compromissos e obrigações profissionais inerentes ao cargo que exerce, desdobrou-se em contribuir para esta monografia, com a apresentação de sempre bem-vindas sugestões no intuito de enriquecê-la. Estendo os agradecimentos aos membros da banca examinadora, Jarbas José Valente e Bernardo Felipe Estellita Lins, pela atenção que dedicaram a este trabalho. Agradeço ainda o inestimável apoio de todas as pessoas que colaboraram na elaboração desta monografia, em especial o Sr. Ara Apkar Minassian, da Anatel, pelo fornecimento de dados e documentos que contribuíram significativamente para o aprimoramento do trabalho.

7 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 6 RESUMO A abertura dos mercados de telecomunicações e o fenômeno da convergência tecnológica, ao mesmo tempo em que proporcionaram imensos benefícios para o usuário dos serviços, também introduziram questões desafiadoras para os reguladores. A opção por regimes de licenciamento neutros tem sido uma das alternativas adotadas por diversos países para lidar com esse ambiente de inovação. Neste trabalho, discutimos a viabilidade da instituição de um modelo de outorgas convergentes no Brasil em substituição ao sistema tradicional em vigor, baseado em tecnologias específicas. Para tanto, introduzimos algumas questões indispensáveis para o entendimento do assunto, tais como: quais as finalidades da outorga convergente? Quais as suas vantagens e desvantagens? Como fazer a transição para o sistema convergente sem beneficiar ou prejudicar indevidamente operadoras estabelecidas e entrantes? O licenciamento convergente é compatível com obrigações de acesso universal? Ele é autonomamente capaz de aperfeiçoar o ambiente de competição? Quais são os limites da sua eficácia? Qual a implicação da convergência regulatória sobre os direitos de uso de espectro de radiofreqüências? Eles podem ser completamente desregulamentados? Qual a viabilidade da adoção da licença convergente no Brasil? Em que termos esse modelo poderia ser instituído no País? Ao analisá-las, chegamos à conclusão de que, à luz das experiências internacionais acumuladas sobre o assunto e das restrições impostas pelo ordenamento constitucional e legal brasileiro, é possível implantar um regime de licenciamento híbrido no País, composto por licenças orientadas a tecnologias específicas e outorgas abrangentes, tecnologicamente neutras e aplicáveis a classes de serviços. Para tanto, propomos mudanças regulatórias de exclusiva competência da Anatel, preservando-se o arcabouço legal e os contratos de concessão em vigor. Concluímos ainda que a manutenção do adequado balanço entre certeza regulatória e estímulo ao desenvolvimento de tecnologias e serviços inovadores demanda uma migração suave entre sistemas de licenciamento, de modo a preservar o interesse dos investidores e, ao mesmo tempo, potencializar os benefícios proporcionados pela convergência. Para alcançar esse objetivo, é necessário aperfeiçoar não somente o regime de outorgas, mas também outros elementos cruciais do arcabouço regulatório, como a definição dos serviços e seus respectivos regulamentos. Apresentamos ainda nossas considerações sobre as dificuldades que deverão ser contornadas para a aplicação do modelo híbrido de outorgas e as perspectivas de sucesso do modelo proposto. Por fim, sugerimos tópicos a serem abordados em trabalhos futuros no sentido de promover a revisão dos serviços e regulamentos vigentes.

8 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 7 ABSTRACT The opening of the telecommunications markets and the phenomenon of technological convergence, at the same time have provided immense benefits for the end-users, have also given rise to challenging questions for regulators. The option for neutral licensing regimes has been one of the alternatives adopted by several countries to cope with this scenario of innovation. In this work, the aim is to discuss the viability of using the model of converged licensing in Brazil to substitute the traditional system, based on specific technologies. For such a task, some major questions have been put and discussed: which are the goals of the converged licensing framework? Which are its advantages and disadvantages? How the transition for the converged system can be done without causing unfair benefits or damages to incumbents and incoming operators? Is the converged licensing compatible with universal access obligations? Is it capable to improve the competition environment autonomously? Which are the limits of its effectiveness? What are the implications of the regulatory convergence on the spectrum usage rights? Can this use be completely deregulated? Is the adoption of the converged licensing in Brazil viable, and in which terms? In analyzing these questions, we concluded that, enlightened by international experiences on one hand and on the other considering restrictions imposed by Brazilian constitutional and legal system, it is possible to introduce a hybrid licensing regime in Brazil, composed by technology-oriented specific licences and wide-scope technology-neutral licenses, applicable to classes of services. Therefore, we proposed regulatory changes over which Anatel has exclusive competence, and that preserves the legal framework and the granting of contracts in force. We concluded that the necessary preservation of the appropriated balance between regulatory certainty and incentive to the development of innovative technologies and services demands a gradual migration between licensing systems, in a way that preserves investors' interests and, at the same time, potentialyzes the benefits of convergence. To reach this aim, it is necessary to improve not only the licensing regime, but also other crucial elements of the regulatory framework, as the definitions of the services and their respective rules. We also presented our considerations about the challenges that should be faced to accomplish the application of the hybrid licensing model and the perspectives of success of the proposed system. Finally, we suggested topics to be addressed in future works to study the review of services and its regulations.

9 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 8 SUMÁRIO AGRADECIMENTOS RESUMO...06 ABSTRACT SUMÁRIO...08 INTRODUÇÃO LICENCIAMENTO E CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA Conceitos básicos Impacto da convergência sobre o licenciamento de serviços ASPECTOS GERAIS DO LICENCIAMENTO DE SERVIÇOS Histórico do licenciamento Finalidades do licenciamento Licenciamento no âmbito da Organização Mundial do Comércio Tendências do processo de licenciamento Neutralidade tecnológica Flexibilização dos direitos de uso de espectro Relaxamento de obrigações e taxas de licenciamento Aderência a obrigações regulatórias Simplificação de trâmites administrativos Separação entre as regulações de telecomunicações e conteúdo Regulação baseada na análise de poder de mercado MODELOS DE LICENCIAMENTO Licenciamento baseado em serviços ou tecnologias Licenciamento baseado em classificações genéricas (classes) Classificação única ou autorização geral O regime de autorização geral da União Européia Modelo híbrido (múltiplas licenças convergentes) LICENCIAMENTO CONVERGENTE Benefícios e desvantagens do modelo convergente de outorga Eficácia do regime convergente Transferência de modelos de licenciamento Transição entre regimes USO DE ESPECTRO NO AMBIENTE DE CONVERGÊNCIA Restrições à neutralidade tecnológica no gerenciamento de espectro Tecnologias sem fio inovadoras Aspectos do gerenciamento de espectro Vantagens e desvantagens do licenciamento de espectro... 85

10 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB Experiências internacionais MODELO BRASILEIRO DE LICENCIAMENTO Análise do modelo vigente Barreiras à implantação de modelo de licenciamento convergente Lei Geral de Telecomunicações Contratos de concessão Lei do Cabo Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia Constituição Federal PROPOSTA DE MODELO CONVERGENTE DE OUTORGAS Premissas do modelo proposto Descrição do modelo Dificuldades de implantação do modelo convergente Reação à redução das taxas administrativas Reformulação de regulamentos e da estrutura da Agência Capacidade decisória do regulador Reação dos agentes econômicos Mapeamento de serviços Evolução do modelo proposto CONCLUSÕES GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 10 TABELAS Tabela 2.1 Aspectos multidimensionais dos regimes de licenciamento...29 Tabela 4.1 Regimes de licenciamento convergentes Tabela 6.1 Diferenças regulatórias entre serviços de TV por assinatura...96 Tabela 6.2 Comparativo: Diretiva Autorização x Regulamento do SCM Tabela 7.1 Séries históricas da receita do Fistel e das despesas da Anatel Tabela 7.2 Períodos efetivos dos mandatos dos conselheiros da Anatel Tabela 7.3 Serviços de telecomunicações em vigor Tabela 7.4 Serviços de telecomunicações revisão inicial Tabela 7.5 Serviços de telecomunicações revisão futura FIGURAS Figura 1.1 Dimensões do fenômeno da convergência tecnológica...17 Figura 1.2 Evolução nos mercados promovida pela convergência...19 Figura 2.1 Simplificação dos requisitos administrativos de licenciamento...42 Figura 6.1 Elementos da cadeia de valor dos serviços de telecomunicações Figura 6.2 Regulamentação dos serviços de TV por assinatura Figura 6.3 Proposta da Anatel para agregação dos serviços de TV por assinatura. 97 Figura 7.1 Diagrama em blocos do modelo proposto Figura 7.2 Séries históricas da receita do Fistel e das despesas da Anatel Figura 7.3 Evolução do número de conselheiros da Anatel Figura 7.4 Etapas de implementação do modelo proposto GLOSSÁRIO Glossário de Siglas

12 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 11 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, muitos países optaram pelo aperfeiçoamento de seus regimes de licenciamento no intuito de adequá-los ao fenômeno da convergência tecnológica. No entanto, a migração entre modelos de outorga não se trata de tarefa trivial, sobretudo em nações emergentes, que são permanentemente demandadas a sinalizar aos agentes externos a estabilidade de seus marcos regulatórios. Por esse motivo, os processos de reforma dos sistemas de licenciamento são usualmente implementados de forma suave, de modo a preservar o adequado equilíbrio entre certeza regulatória e estímulo ao desenvolvimento de novos serviços. O Brasil encontra-se diante desse desafio. Ao mesmo tempo em que determinados agentes de mercado requerem do Poder Público dinamismo para implantar mudanças imediatas no modelo de outorgas, o legado institucional impede o Estado de adotar medidas que alterem abruptamente o sistema regulatório. Diante desse quadro, no presente trabalho, buscamos apresentar uma proposta de alteração no modelo de licenciamento brasileiro que, dentro de certos limites, seja capaz de compatibilizar as demandas e interesses dos diversos atores do mercado de telecomunicações consumidores, reguladores e operadores. No capítulo inicial, introduzimos conceitos básicos que serão referenciados ao longo do trabalho, em especial licenciamento, convergência e neutralidade tecnológica. A partir daí, examinamos aspectos do cenário de convergência tecnológica e seus efeitos sobre o ambiente regulatório no Brasil e no mundo. No segundo capítulo, apresentamos breve histórico sobre o processo de licenciamento para prestação de serviços de telecomunicações e uma análise sobre os fundamentos e finalidades dos regimes de outorga. Descrevemos ainda as principais tendências internacionais de aperfeiçoamento nas regras de licenciamento. Em prosseguimento, o terceiro capítulo trata dos sistemas de outorga de maior expressão em operação no mundo, com ênfase para o modelo tradicional, baseado em tecnologias e redes específicas, e o regime de autorização geral adotado pela União Européia. O quarto capítulo aborda os benefícios e desvantagens dos modelos de licenciamento convergentes, além dos resultados alcançados pelos sistemas

13 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 12 convergentes em operação no mundo, especialmente na Europa. O capítulo introduz ainda questões relevantes relativas à transição entre regimes e à viabilidade de transferência de modelos entre países. No quinto capítulo, analisamos a problemática do tratamento de recursos escassos no ambiente de convergência regulatória, e as formas com que os países lidam com a matéria. Em adição, procedemos ao exame dos impactos das novas tecnologias sem fio sobre o gerenciamento de espectro e os regimes de licenciamento. No sexto capítulo, descrevemos o modelo de outorga de exploração de serviços e redes de telecomunicações em vigor no País, e examinamos as restrições constitucionais, legais, regulamentares, contratuais e institucionais à implantação de um modelo integralmente convergente. O capítulo descreve o Serviço de Comunicação Multimídia, apontando elementos referentes à sua gênese, restrições de abrangência e perspectivas de consolidação desse serviço como instrumento de licenciamento convergente. No sétimo capítulo, com base nas experiências internacionais sobre a matéria e nas metodologias recomendadas pela literatura especializada, arquitetamos proposta de modelo híbrido de outorgas convergentes a ser adotado no País. São identificadas as similaridades entre a conjuntura regulatória do Brasil e a de países que enfrentaram obstáculos na transição rumo à implantação do regime convergente. A proposta elaborada é acompanhada das premissas que a fundamentam, com destaque para a principal delas, que consiste na preservação do arcabouço legal vigente e dos contratos de concessão em vigor. Finda a análise, mapeamos os serviços existentes que seriam incorporados por outorgas convergentes no modelo proposto e aqueles que continuariam a ser prestados mediante outorgas específicas. Na conclusão, apresentamos as considerações finais sobre o tema em exame, incluindo as tendências mundiais de licenciamento e as perspectivas da implantação do sistema convergente no Brasil nos moldes propostos no trabalho, bem como os benefícios proporcionados por ele para os atores envolvidos, principalmente operadoras e consumidores.

14 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 13 1 LICENCIAMENTO E CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA Uma das principais tendências regulatórias no setor de telecomunicações observada nos últimos anos consiste na gradual substituição dos modelos de licenciamento tradicionais, vinculados a serviços, redes ou tecnologias específicas, por regimes simplificados e tecnologicamente neutros. Sob essa nova perspectiva, para prestar quaisquer serviços sob as mais distintas plataformas, os operadores são submetidos a procedimentos sumários, no intuito de reduzir barreiras à entrada no mercado e, conseqüentemente, contribuir para a construção de um ambiente de maior competição. Embora à primeira vista a evolução rumo a sistemas de licenciamento convergentes possa parecer uma decisão governamental de cunho meramente administrativo, ela implica significativas transformações de ordem regulatória. Conforme assinala Walden (2005), o licenciamento é um aspecto chave da regulação de telecomunicações, haja vista ser freqüentemente empregado como ferramenta para moldar a estrutura de mercados e auxiliar na condução de políticas públicas para o setor. Nesse sentido, ao mesmo tempo em que pode ser usado para garantir exclusividade na prestação de serviços, o modelo de outorga também pode contribuir decisivamente para a abertura de mercados. Além disso, outras variáveis também podem ser controladas mediante licenciamento, tais como o ritmo da expansão da infra-estrutura, a diversidade de serviços à disposição dos consumidores e os preços cobrados dos usuários. Preliminarmente ao exame mais acurado de questões pertinentes ao regime de licenciamento convergente, apresentaremos alguns conceitos e terminologias que serão referenciados com freqüência ao longo deste trabalho. 1.1 Conceitos básicos Licença, outorga, autorização, concessão e permissão Segundo Flanagan (2005), na perspectiva etimológica, o termo licença deriva do latim licere, cujo significado é permitir. Sob esse prisma, o conceito de licença está vinculado à permissão que é concedida ao particular para dispor de um direito. Na prática, porém, os regimes regulatórios praticados no mundo podem também atribuir à licença características de caráter contratual entre o Estado e o particular. Hatfield et Lie (2004a) compartilham dessa visão, ao descrevê-la como a autorização governamental concedida a uma pessoa física ou jurídica para prover

15 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 14 serviços ou operar redes de telecomunicações, prestando-se ainda como código regulatório definidor dos termos e condições sob as quais ela deve operar, dentre os quais se incluem os direitos e obrigações do provedor. Embora em muitos países as expressões franquia, concessão, permissão, autorização e outorga sejam utilizadas para expressar esse mesmo conceito, a rigor, elas podem possuir significados distintos. Enquanto a licença não implica necessariamente o estabelecimento de um arranjo mercantil entre a instituição licenciada e o ente estatal que a emite, em contraste, concessão ou franquia geralmente refere-se a um acordo comercial estabelecido entre o governo (no caso da concessão) ou a operadora nacional (no caso da franquia) e uma entidade privada para construir e operar uma infra-estrutura (Hatfield et Lie, 2004a). O objetivo usual desse arranjo é atrair investimentos privados na forma de financiamento, tecnologia e profissionais qualificados. Em geral, os governos recorrem a concessões ou franquias quando o ordenamento jurídico impede que o setor privado seja proprietário ou opere redes de telecomunicações diretamente, ou quando há necessidade de incentivar a iniciativa privada para promover a expansão de redes em regiões de baixa rentabilidade. É o caso dos contratos de concessão firmados no Brasil entre a Agência Nacional de Telecomunicações Anatel e as prestadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado STFC, em que as companhias detêm o direito de exploração das redes estatais de telefonia fixa em contrapartida, entre outras obrigações, ao cumprimento de metas de universalização. Em que pese a sua vasta utilização na literatura, os termos licença e outorga não são claramente conceituados na legislação brasileira de telecomunicações. Quanto às licenças, a Lei Geral de Telecomunicações LGT, no caput do seu art. 162, apenas dispõe que A operação de estação transmissora de radiocomunicação está sujeita à licença de funcionamento prévia e à fiscalização permanente, nos termos da regulamentação. Com relação à outorga, o termo é utilizado na LGT para designar o instrumento que assegura ao interessado o direito de concessão ou permissão para prestação de serviços de telecomunicações, ou mesmo autorização para uso de radiofreqüências.

16 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 15 Por sua vez, os conceitos de concessão, permissão e autorização são expressamente discriminados no parágrafo único do art. 83, no parágrafo único do art. 118 e no 1 do art. 131 da LGT, respectivamente: Lei n 9.472/97: Concessão de serviço de telecomunicações é a delegação de sua prestação, mediante contrato, por prazo determinado, no regime público, sujeitando-se a concessionária aos riscos empresariais, remunerando-se pela cobrança de tarifas dos usuários ou por outras receitas alternativas e respondendo diretamente pelas suas obrigações e pelos prejuízos que causar. Permissão de serviço de telecomunicações é o ato administrativo pelo qual se atribui a alguém o dever de prestar serviço de telecomunicações no regime público e em caráter transitório, até que seja normalizada a situação excepcional que a tenha ensejado. Autorização de serviço de telecomunicações é o ato administrativo vinculado que faculta a exploração, no regime privado, de modalidade de serviço de telecomunicações, quando preenchidas as condições objetivas e subjetivas necessárias. A consignação de uma radiofreqüência, faixa ou canal de radiofreqüências é definida no inciso XII do art. 4 do Regulamento de Uso do Espectro de Radiofreqüências como: Anexo à Resolução n 259, de 19 de abril de 2001, da Anatel: o procedimento administrativo da Agência que vincula o uso de uma radiofreqüência, faixa ou canal de radiofreqüências, sob condições específicas, a uma estação de radiocomunicações. Cabe ressaltar que a maioria dos doutrinadores brasileiros salienta a natureza sui generis dos conceitos de concessão, permissão e autorização estatuídos pela LGT. Di Pietro (2005) assinala que eles se afastam da conceituação tradicional do direito administrativo brasileiro e do sistema constitucional. Primeiramente, porque a Lei Geral estabelece uma gradação entre esses institutos em função do grau de participação ou de controle do Poder Público na execução do serviço delegado ao particular, em contraste com a doutrina. Em segundo lugar, porque a doutrina clássica atribui à autorização as características de unilateralidade, discricionariedade e precariedade, incompatíveis com o disposto na LGT, que a define como ato administrativo vinculado. Por esse motivo, ao comentar a definição de autorização estabelecida pela LGT, Di Pietro (2005, p.153) destaca que: a doutrina do direito administrativo brasileiro é praticamente unânime em distinguir autorização e licença pela discricionariedade da primeira e pela vinculação da segunda. No caso de que se trata, tem-se que entender que o vocábulo autorização, na Lei n 9.472, foi utilizado indevidamente, no lugar de licença.

17 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 16 Considerando que as expressões licença e outorga não são claramente definidas na legislação brasileira de telecomunicações, doravante neste trabalho os empregaremos em seu sentido mais amplo, isto é, para designar a permissão conferida pelo Poder Público ao particular para prover serviços ou operar redes de telecomunicações. Convergência tecnológica O Livro Verde Relativo à Convergência dos Setores das Telecomunicações, dos Meios de Comunicação Social e das Tecnologias da Informação e às suas Implicações na Regulamentação, publicado em 1997 pela Comissão Européia 1, caracteriza convergência como: a capacidade de diferentes plataformas de rede servirem de veículo a serviços essencialmente semelhantes, ou a junção de dispositivos do consumidor como o telefone, a televisão e o computador pessoal. Segundo Pereira Filho (2005b, p.5), a conceituação de convergência se funda em dois elementos principais. O primeiro deles é o da substitutibilidade percebida pelo usuário, que deriva da capacidade de que as novas tecnologias dispõem de oferecer os mesmos serviços através de múltiplas plataformas. Esse é caso da comunicação de voz, que pode ser provida tanto por intermédio de telefonia fixa quanto móvel, entre outras plataformas. O segundo é o da integração, que pressupõe a possibilidade de oferecer serviços mais atraentes pela integração de serviços anteriormente distintos, a exemplo do computador pessoal com acesso à banda larga, que dispõe do potencial de servir de suporte para comunicação de voz, vídeo, áudio e dados. Narayan et alii (2004) apontam como os principais fatores tecnológicos que estimulam a convergência: a) o expressivo desenvolvimento das tecnologias sem fio, que têm permitido o aumento da banda útil de radiofreqüências para aplicações de comunicações; b) desenvolvimento de tecnologias e aplicativos multimídia avançados que estão sendo incorporados às redes e equipamentos de comunicações; c) desenvolvimento de plataformas tecnológicas abertas, que ampliam o universo de produtos e serviços colocados à disposição do usuário; d) substituição das redes comutadas a circuito por redes a pacotes, consolidada principalmente sob a forma 1 COMISSÃO EUROPÉIA. Livro Verde Relativo à Convergência dos Setores das Telecomunicações, dos Meios de Comunicação Social e das Tecnologias da Informação e às suas Implicações na

18 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 17 do crescimento do uso da tecnologia IP 2 ; d) desenvolvimento de equipamentos terminais de múltiplo uso, e e) possibilidade de uso de uma mesma rede para provimento de uma grande variedade de serviços. Embora não haja definição universal do que seja convergência, é unânime a concepção de que se trata de fenômeno que não pode ser analisado somente a partir da sua vertente tecnológica, pois traz consigo implicações de natureza regulatória e de mercado, que se encontram entrelaçadas. Ademais, é possível vislumbrá-la sob as diversas dimensões da cadeia produtiva do mercado de telecomunicações, incluindo o provimento de serviços, a industrialização de equipamentos terminais e a operação das redes de distribuição de sinais, conforme ilustrado no diagrama na figura 1.1. Provedores de Serviços Equipamentos terminais TV a cabo Telefonia móvel Computador Telefone fixo Energia elétrica Radiodifusão Telefone celular Set-top box Telefonia fixa Televisão Estratégia de mercado Infra-estrutura de distribuição Tarifa plana Pacote Cabo de energia Fibra ótica Microondas Cabo coaxial Operação integrada Fusões/ incorporação Satélite Par trançado Figura 1.1 Dimensões do fenômeno da convergência tecnológica Fonte: adaptado de Narayan et alii (2004) Regulamentação. Lisboa: Anacom, p.9. [on line] Disponível na Internet via WWW. URL: (Consultado em ). 2 Acrônimo de Internet Protocol.

19 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 18 No que concerne aos equipamentos terminais, a convergência pode ser ilustrada pela proliferação de aparelhos capazes de executar funções que anteriormente demandavam dispositivos específicos. É o caso dos telefones celulares que permitem, além da comunicação de voz, a recepção de programações de TV e a comunicação pela Internet. A mesma tendência tem sido observada nas infra-estruturas de distribuição, com a rápida migração para redes baseadas no protocolo IP, que permitem o tráfego de conteúdos de naturezas diversas. Em contraste, as infra-estruturas de acesso a chamada última milha se diversificaram. Enquanto as redes de acesso em meio guiado mais populares empregam tecnologias como o DSL 3, o modem-cabo e o FTTH 4, as soluções sem fio oferecem várias outras opções de comunicação. A conseqüência desse cenário é que grande parte dos usuários já dispõem de alternativas para a tecnologia de última milha no provimento dos serviços de banda larga, comunicação de voz e televisão por assinatura. Em relação à evolução dos mercados, a convergência promoveu drásticas transformações ao permitir que segmentos específicos que não competiam entre si pudessem ser integrados. Esse movimento decorreu, dentre outros motivos, do fenômeno da substituição fixo-móvel, que induziu as operadoras de telefonia fixa a buscar novos nichos de mercado, como a comunicação de longa distância, provimento de banda larga e oferta de conteúdos audiovisuais. Dessa forma, a necessidade de diversificação de mercado e de atração de novos clientes atuam como fatores que incentivam e realimentam a convergência, sobretudo porque o usuário passou a ter expectativa crescente de contar com serviços integrados. Assim, criou-se ambiente propício tanto para o crescimento de ofertas de pacotes triple-play 5 quanto para a aceleração do processo de fusões e aquisições de provedores de serviços, operadores de infra-estrutura e fabricantes de equipamentos, que até há alguns anos pertenciam a grupos empresariais distintos. Essas mudanças foram sintetizadas no diagrama ilustrado na figura 1.2, que assinala que a estrutura 3 Acrônimo de Digital Subscriber Line, que representa a família de tecnologias que permitem a transmissão digital de dados através da rede de telefonia fixa. 4 Acrônimo de Fiber-to-the-Home, tecnologia de última milha de serviços de comunicação de dados através de fibras ópticas. 5 Conceito que remete à prática de mercado de ofertar ao consumidor, em um mesmo pacote comercial, os serviços de telefonia, acesso de banda larga à Internet e televisão por assinatura.

20 José de Sousa Paz Filho Curso de Especialização em Regulação de Telecomunicações UnB 19 vertical dos mercados do final do século XX migrou para o ambiente horizontalizado de convergência no novo milênio. Serviço TV a cabo Serviço Aplicações multimídia ( , TV, web, voz) Rede Telefonia fixa Rede Redes da nova geração (NGN) Acesso Telefonia móvel Acesso Radio difusão 2G 3G 4G xdsl Serviço Fixo TV a Cabo Terminal Radiodifusão Terminal Híbridos (fixo-móvel, celular-tv, 3G-Wimax, PDA) Figura 1.2 Evolução nos mercados promovida pela convergência Fonte: adaptado de Pereira Filho (2006) e Singh (2007) Sob o prisma da regulação, um das principais implicações da convergência consiste na gradual submissão da prestação dos serviços de telecomunicações a regimes de licenciamento simplificados, conforme será explorado posteriormente neste trabalho. Por sua vez, do ponto de vista do consumidor, o editorial publicado pelo jornal The New York Times, em 13 de agosto de 2006, refletiu com clareza e concisão o sentimento do novo usuário dos serviços de comunicação eletrônica perante a convergência: A televisão se desintegrou. Tudo que restou foi o telespectador. Neutralidade tecnológica Segundo Narayan et alii (2004), entende-se como neutralidade tecnológica a capacidade de que o operador de telecomunicações dispõe para escolher a tecnologia, a infra-estrutura e os equipamentos que serão empregados por ele e por seus usuários na prestação de determinado serviço. Conquanto seja usual a associação entre neutralidade tecnológica e neutralidade de serviços, tais conceitos não se confundem. Um caso típico de

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje Este tutorial apresenta uma visão do ponto de vista técnico e regulatório da tecnologia VoIP, que transforma o serviço de Voz tradicional num serviço que

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

Respostas do Grupo 4:

Respostas do Grupo 4: Respostas do Grupo 4: Resposta ao Grupo 1: Questão: É possível a garantia de neutralidade de redes ser concretizada para além da obrigatoriedade da interconexão,regulamentada, nos termos do artigo 146

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Razões para mudar a legislação Antes de mudar, definir

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações JARBAS JOSÉ VALENTE Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 4 de junho de 2013 Agenda Lei da Comunicação Audiovisual de Acesso Condicionado (Lei n. 12.485, de 11/09/2012);

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA.

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Resolução nº, de de de 2009

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA

09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA Teligent, Inc. 8065 Leesburg Pike, Suite 400 Vienna, Virginia 22182 Voice: 703.762.5100 Fax: 703.762.5200 http://www.teligent.com 09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

Audiência Pública Discussões Sobre a Questão da Cobrança do Ponto-Extra

Audiência Pública Discussões Sobre a Questão da Cobrança do Ponto-Extra Agência Nacional de Telecomunicações Anatel Audiência Pública Discussões Sobre a Questão da Cobrança do -Extra Ara Apkar Minassian Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa Senado Federal Comissão

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos

Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos Faculdade de Direito FD/UnB Direito Noturno Direito Administrativo 3 Prof: Márcio Iório Aranha Grupo 04 Respostas às perguntas do demais grupos Grupo 2. Como o princípio da neutralidade pode ser compatibilizado

Leia mais

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social CONSULTORIA LEGISLATIVA SEMANA PORTAS ABERTAS ÁREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social Bernardo Lins Características

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES Rosa Costa Jornada de Direito Empresarial, Silveira Clemente & Rojas Advogados Associados 05/10/2007 - FIRJAN MARCO REGULATÓRIO DE TELECOMUNICAÇÕES Após uma década do

Leia mais

Autor: Patrick Freitas Fures

Autor: Patrick Freitas Fures FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS TÉCNICO EM INFORMÁTICA Conectividade WIMAX Autor: Patrick Freitas Fures Relatório Técnico apresentado ao Profº. Nataniel Vieira com requisito parcial para obtenção

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Direto. Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC)

Universidade de Brasília Faculdade de Direto. Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Universidade de Brasília Faculdade de Direto Direito Administrativo 3 Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Débora Bosco 13/0061509 Igor Martins Silva 13/0028258 Luiz Claudio Gomes da Silva Junior 12/0127164

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 3.398, DE 2000 Modifica a Lei n.º 8.977 de 6 de janeiro de 1995. Autor: Deputado JOSÉ CARLOS MARTINEZ Relator: Deputado IRIS

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social 50 0 PAINEL TELEBRASIL 2006 Angra dos Reis, RJ, 2 de junho de 2006 José Leite Pereira Filho Conselheiro Diretor Conselheiro

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

Legislação de Telecomunicações

Legislação de Telecomunicações Legislação de Telecomunicações Objetivos Conhecer sobre a entidade responsável pela regulamentação na área Como o orgão legislador influência a área de redes Saber definir o que vem a ser serviço de valor

Leia mais

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz

3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3 A Tecnologia Wireless, Padrão WiMAX e a Licitação das Faixas de 3,5Ghz 3.1. Introdução A tecnologia wireless interliga dispositivos sem o uso de fios ou cabos para transmitir diversos tipos de informações

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Análise comparativa da regulamentação do VoIP em diversos países

Análise comparativa da regulamentação do VoIP em diversos países do VoIP em diversos países Renata Figueiredo Santoyo Agência Nacional de Telecomunicações/Anatel renataf@anatel.gov.br Davison Gonzaga da Silva Agência Nacional de Telecomunicações/Anatel davison@anatel.gov.br

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

Detalhamos a seguir algumas das razões que fundamentam nossa recomendação:

Detalhamos a seguir algumas das razões que fundamentam nossa recomendação: Brasilia, 16 de Janeiro de 2000. Sr. José Leite Pereira Filho Conselheiro ANATEL SAS Quadra 6 Bloco H 3o. andar 70313-900 Brasília, DF Prezado Sr. Leite, Pela presente dirigimo -nos a V.Sa. em relação

Leia mais

SENADO FEDERAL CCT. 07 de abril de 2009. Carlos Andre Albuquerque Diretor Presidente

SENADO FEDERAL CCT. 07 de abril de 2009. Carlos Andre Albuquerque Diretor Presidente SENADO FEDERAL CCT 07 de abril de 2009 Carlos Andre Albuquerque Diretor Presidente MMDS: Um serviço voltado para a convergência Aspectos Regulatórios Serviços oferecidos Éuma das modalidades de Serviços

Leia mais

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica

Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Caio Mário da Silva Pereira Neto Fundação Getulio Vargas - Março 2007 caio.pereira@fgv.br Estrutura da Apresentação Convergência

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT)

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) Audiência Pública "Conteúdo audiovisual em tempos de convergência tecnológica" Proposta de Agenda Temática Cesar

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC

Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC Consulta Pública nº 26/2014 Revisão dos Contratos de Concessão do STFC 26 de setembro de 2014 Audiência Pública Superintendência de Planejamento e Regulamentação (SPR) Sumário Temas e Análise das Alternativas

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Wi-Fi, Saúde e Segurança

Wi-Fi, Saúde e Segurança Wi-Fi, Saúde e Segurança O Wi-Fi está no centro da experiência conectada de hoje. Utilizado em 25% dos lares em todo o mundo 1, o Wi-Fi continua se expandindo como a tecnologia escolhida para redes tradicionais

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Da Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática) Institui o Fundo de Aval para Pequenos Provedores de Internet, com a finalidade de garantir

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

Por que custa caro ligar de telefone fixo para celular?

Por que custa caro ligar de telefone fixo para celular? Por que custa caro ligar de telefone fixo para celular? César Mattos 1 A ampla difusão da telefonia celular levou a alguns comportamentos curiosos dos usuários. Muitos compram telefones que comportam chip

Leia mais

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET

IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET IBRAC INSTITUTO BRASILEIRO DE ESTUDOS DE CONCORRÊNCIA, CONSUMO E COMÉRCIO INTERNACIONAL A PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NA INTERNET 14 de agosto de 2015 Flávia Lefèvre Guimarães Representante do 3º Setor no CGI.br

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia

Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução ao Subsistema Multimídia IP (IMS) Conceitos básicos de IMS e terminologia Introdução Formalmente, o IP Multimedia Subsystem (IMS) é definido como:... um novo 'domínio' principal da rede (ou

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado Barômetro Cisco da Banda Larga Índice Introdução Introdução...2 Metodologia...3 Barômetro Cisco da Banda Larga...3 Definições...4 Banda Larga no Mundo...4

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO

CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO CONSULTA PÚBLICA ANATEL NÚMERO 241 INTRODUÇÃO A Associação GSM, por meio desta, apresenta por escrito as suas contribuições à Consulta Pública da ANATEL número 241 e respeitosamente solicita que as mesmas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES CONSULTORIA JURÍDICA I- DOS FATOS

MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES CONSULTORIA JURÍDICA I- DOS FATOS PARECER/MC/CONJUR/BMP/Nº 0549-5.01/2006 PROCESSO Nº: 53000.012386/2006-62 EMENTA: Minuta de Decreto que estabelece diretrizes para implementação do sistema de transmissão digital do serviço de radiodifusão

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Voz sobre IP : Regulação a caminho

Voz sobre IP : Regulação a caminho Voz sobre IP : Regulação a caminho Rodney de Castro Peixoto A comunicação na Internet se estabelece a partir de um protocolo. O termo deriva do grego protocollon ( uma folha de papel colada a um manuscrito

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA

GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO 3 TURMA B (NOTURNO) PROFESSOR DR. MÁRCIO IORIO GRUPO 5 NATUREZA JURÍDICA DO ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIA E DA ÓRBITA Resposta às perguntas

Leia mais

Organização do mercado de mídia. Bernardo E. Lins Bernardo Mueller

Organização do mercado de mídia. Bernardo E. Lins Bernardo Mueller Organização do mercado de mídia Bernardo E. Lins Bernardo Mueller 1 Temário A mídia como indústria Integração vertical Poder de mercado e concentração Estratégias de competição entre veículos 2 A mídia

Leia mais

A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições:

A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições: REGULAMENTO Duo Negócios A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições: 1. Das Definições Para esta, aplicam-se as seguintes definições: 1.1. : Oferta especial para a aquisição dos produtos

Leia mais

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE

Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. REF.: LEI N.º 8.955, DE 15.12.94. PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DO ART. 9º. ENTIDADE Brasília (DF), 14 de outubro de 2004. À FEDERAÇÃO NACIONAL DOS AUDITORES-FISCAIS DA PREVIDENCIÁRIA SOCIAL - FENAFISP, A/C do Ilustríssimo Dr. LUÍS RONALDO MARTINS ANGOTI, Digníssimo DIRETOR JURÍDICO. REF.:

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Comunicação Social O SISTEMA DE RÁDIO DIGITAL: A MODERNIZAÇÃO DO M.C.M. MAIS POPULAR DO PLANETA Texto redigido para embasar apresentação de seminário na

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

7 Modelos de Négocio para o PLC

7 Modelos de Négocio para o PLC 87 7 Modelos de Négocio para o PLC Há basicamente três modelos de negócio que podem ser usados para o PLC baseados no valor de investimento e nível de risco que as empresas de energia se dispõem em aceitar

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE PARECER PROCADE Nº 027/2007 VERSÃO PÚBLICA ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.003890/2004-16 REQUERENTE(S): BRASIL TELECOM S.A.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE Porto Alegre, 07 de outubro de 2000 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE 2000 Proposta de Regulamento

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. JOÃO DADO) Altera a Lei nº 9.472, de 16 de julho de 1997, dispondo sobre a fiscalização remota das redes e serviços de telecomunicações de interesse coletivo. O Congresso

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA

SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA SENADO FEDERAL CONSULTORIA LEGISLATIVA NOTA TÉCNICA Nº 812, DE 2003 Referente à STC nº 200302750, da Secretaria- Geral da Mesa, que solicita, a pedido do Conselho de Comunicação Social, a elaboração de

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 2.993, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto)

PROJETO DE LEI N.º 2.993, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) *C0056133A* C0056133A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 2.993, DE 2015 (Do Sr. Ronaldo Carletto) Dispõe sobre os aplicativos de mensagens multiplataforma na Internet. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: DEFESA

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP

SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP Este tutorial apresenta o conceito da licença de Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), os conflitos com outros serviços de telecomunicações e sua aplicabilidade

Leia mais

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec 1 Convergência e direito do consumidor Estela Waksberg Guerrini Idec Como fica o consumidor no ambiente de convergência, quando a regulação não acompanha as mudanças na oferta de serviços? 2 3 Uma empresa

Leia mais

Anderson L. S. Moreira

Anderson L. S. Moreira Tecnologia da Informação Aula 9 Telecomunicações e Rede Interconectando a Empresa Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@ifpe.edu.br Instituto Federal de Pernambuco Recife PE Esta apresentação está sob

Leia mais

PARECER N, DE 2010. RELATORA: Senadora FÁTIMA CLEIDE

PARECER N, DE 2010. RELATORA: Senadora FÁTIMA CLEIDE PARECER N, DE 2010 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE (CMA), em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 340, de 2008, do Senador VALDIR RAUPP,

Leia mais

AS MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO DA TELEFONIA FIXA E MÓVEL E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR

AS MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO DA TELEFONIA FIXA E MÓVEL E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR AS MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO DA TELEFONIA FIXA E MÓVEL E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR DUCIRAN VAN MARSEN FARENA PROCURADOR DA REPÚBLICA/PB COORDENADOR DO GT TELEFONIA/MPF MODELO DE REGULAÇÃO DA TELEFONIA

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais