SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 36/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 36/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014"

Transcrição

1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 36/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº 30/2014. Processo nº / O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso das atribuições que lhe conferem as Portarias nº. 35 de 12/01/2012, publicada no DOU de 13/01/2012, 569 de 30/07/2012, publicada no DOU de 31/07/2012, 1023-I de 22/11/2012, publicada no DOU de 23/11/2012, 1028-I de 23/11/2012, publicada no DOU de 26/11/2012, 916 de 14/08/2013, publicada no DOU de 15/08/2013, 930 de 21/08/2013, publicada no DOU de 22/08/2013, 943 de 26/08/2013, publicada no DOU de 27/08/2013, em sessão realizada no dia 18 de junho de 2014, RESOLVE: Art. 1º - Aprovar a Resolução Ad Referendum nº 30/2014, que versa sobre o Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada de Operador de Processamento de Frutas e Hortaliças do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberaba 2014, conforme anexo. Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data. Uberaba, 18 de junho de Eurípedes Ronaldo Ananias Ferreira Presidente Substituto do Conselho Superior do IFTM

2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO - Campus Uberaba - PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE OPERADOR DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS E HORTALIÇAS UBERABA MG 2014

3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO - Campus Uberaba - PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRO DA EDUCAÇÃO José Henrique Paim Fernandes SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Aléssio Trindade de Barros REITOR Roberto Gil Rodrigues de Almeida PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO Eurípedes Ronaldo Ananias Ferreira DIRETOR GERAL Rodrigo Afonso Leitão DIRETORA DE ENSINO Danielle Freire Paoloni COORDENADOR DE EXTENSÃO Cláudio Márcio de Castro UBERABA MG 2014

4 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO - Campus Uberaba - PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DE OPERADOR DE PROCESSAMENTO DE FRUTAS E HORTALIÇAS ELABORAÇÃO Carlos Antônio Alvarenga Gonçalves Elisabete Ferreira Borges Estelamar Maria Borges Teixeira UBERABA MG 2014

5 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO - Campus Uberaba - Não é possível refazer este país, democratizá-lo, humanizá-lo, torná-lo sério, com adolescentes brincando de matar gente, ofendendo a vida, destruindo o sonho, inviabilizando o amor. Se a educação sozinha não transformar a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire

6 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO - Campus Uberaba - SUMÁRIO 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO DADOS DO CURSO JUSTIFICATIVAS OBJETIVOS GERAL ESPECÍFICOS PÚBLICO ALVO PERFIL PROFISSIONAL E ÁREA DE CONCENTRAÇÃO PRÉ-REQUISITOS DE ACESSO AO CURSO MATRIZ CURRICULAR ESTRUTURAÇÃO EMENTAS E CARGA HORÁRIA DOS MÓDULOS/DISCIPLINAS AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM QUADRO DOS DOCENTES ENVOLVIDOS NO CURSO INFRA-ESTRUTURA LABORATÓRIOS Laboratório de Microbiologia Laboratório de Análise de Alimentos Laboratório de Processamento de Carnes EQUIPAMENTOS E MATERIAL DE CONSUMO MATERIAL DIDÁTICO... 23

7 6 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, RAZÃO SOCIAL CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO CNPJ / ESFERA ADMINISTRATIVA Federal ENDEREÇO Rua João Batista Ribeiro, 4000 Bairro Mercês CIDADE/UF/CEP Uberaba/MG/ RESPONSÁVEL PELO CURSO Supervisor do Pronatec no câmpus DDD TELEFONE (34) DDD FAX (34) SITE 2 DADOS DO CURSO CURSO Formação inicial e continuada de operador de processamento de frutas e hortaliças EIXO TECNOLÓGICO Produção Alimentícia CERTIFICAÇÃO Formação Inicial e Continuada de Operador de Processamento de Frutas e Hortaliças NÚMERO DE VAGAS 30 MODALIDADE Presencial FREQUÊNCIA OFERTA Conforme Demanda CARGA HORÁRIA TOTAL 270 h PERIODICIDADE 16 horas semanais TURNO E HORÁRIO Multiperiódico LOCAL Câmpus Uberaba e instituições parceiras 3 JUSTIFICATIVAS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro - IFTM, criado em 29 de dezembro de 2008, pela Lei n , é uma Instituição de Educação Superior, Básica e Profissional, pluricurricular e multicampi, especializada na oferta de educação profissional e tecnológica nas diferentes modalidades de ensino, com base na conjugação de conhecimentos técnicos e tecnológicos com as suas práticas pedagógicas. No

8 7 seu processo instituinte estão presentes na composição de sua estrutura organizacional uma Reitoria localizada em Uberaba, o Centro Federal de Educação Tecnológica de Uberaba, a Escola Agrotécnica Federal de Uberlândia e as Unidades de Educação Descentralizadas de Paracatu e de Ituiutaba que, por força da Lei, passaram de forma automática, independentemente de qualquer formalidade, à condição de campus da nova instituição, passando a denominar-se respectivamente: Campus Uberaba, Campus Uberlândia, Campus Paracatu e Campus Ituiutaba. A missão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro é ofertar a Educação Profissional e Tecnológica por meio do Ensino, Pesquisa e Extensão promovendo o desenvolvimento na perspectiva de uma sociedade inclusiva e democrática. O curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) operador de processamento de frutas e hortaliças vem atender o mercado devido à produção frutícola da região em larga escala ter atraído para os pólos produtores um novo segmento econômico em desenvolvimento, com grande potencial de movimentação de capital e impacto social, o setor agroindustrial. O processamento agroindustrial agrega valor econômico aos produtos agrícolas, melhorando os padrões de qualidade, como a conservação das propriedades organolépticas e a melhoria nos padrões de higiene, aumentando o período de conservação dos produtos em prateleira, viabilizando seu transporte e comercialização nos lugares mais distantes dos centros produtores, proporcionando uma expansão de mercado. Os frutos por serem produtos altamente perecíveis geram altos índices de desperdício, ocasionando redução de lucros para os produtores. O processamento agroindustrial possibilita o aproveitamento de frutos com estágio de maturação avançados, não aceitos pelo mercado para o consumo in natura, maximizando o aproveitamento e otimizando os lucros. O setor de processamento de frutos e hortaliças além da movimentação financeira com a comercialização dos produtos processados a um valor superior aos produtos in natura, gera renda para a população das regiões onde se instala através da contratação de mão de obra local. Diante disso cresce a demanda por mão de obra qualificada no estado, havendo a necessidade de profissionais cada vez mais especializados nas atividades referentes à agroindústria. Este curso será oferecido na modalidade presencial e gratuitamente a trabalhadores, estudantes e pessoas em vulnerabilidade social em conformidade com Lei vigente. Este curso poderá atender a este programa e poderá ser oferecido a qualquer outro público de acordo com a demanda da comunidade externa, interna e/ou de outros programas e

9 8 projetos. Essa atividade agroindustrial tornou-se um grande negócio para o produtor, por ser o segmento mais rentável e dinâmico do complexo rural, com um investimento relativamente pequeno e retorno rápido. É de fundamental importância para o processo de desenvolvimento econômico e social, pois desempenham o papel de alavancar vários outros segmentos da indústria de alimentos. Apresenta, ainda, outras vantagens, pois é uma maneira prática e simples de aproveitar e estocar o excesso de frutas produzidas na safra, quando normalmente baixam de preço, passando a ser comercializadas na entressafra, possibilitando o aproveitamento daqueles produtos que não atendem aos padrões de comercialização, em forma de fruta in natura, geralmente desperdiçadas na fazenda. Dentro deste contexto, este curso visa atender as demandas da cidade e região com o máximo de competitividade e técnicas, levando em conta os pilares da educação: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser. Devemos sempre ressaltar qualidades como as de comunicar-se bem, trabalhar em equipe, solucionar conflitos, tomar decisões, planejar e definir metas e estratégias, estes são requisitos cada vez mais importantes para que se obtenha sucesso na profissão. Além do atendimento a demanda regional por profissionais operador de processamento de frutas e hortaliças, o referido curso visa ainda valorizar a educação de jovens e adultos. Considerando que os ingressantes deste curso são pessoas que geralmente não tiveram acesso a educação básica na idade adequada e agora buscam recuperar esse tempo perdido, ainda que por meio de uma qualificação profissional. No entanto o educador Paulo Freire defendia a ideia de que a leitura da palavra deve ser precedida pela leitura de mundo, para a conscientização da real situação do sujeito e sua possível modificação. Assim este curso almeja propiciar aos seus educandos um pouco da leitura da palavra, uma vez que estes trazem muito da leitura de mundo, proporcionando momentos de reflexão de auto-crítica que levarão o educando a mudanças.

10 4 OBJETIVOS Geral Executar e desenvolver habilidades relacionadas aos processos de beneficiamento de frutas e hortaliças, respeitando os procedimentos e técnicas de identidade e qualidade, de saúde, de higiene e segurança do trabalho e de meio ambiente a fim de proporcionar uma alternativa de desenvolvimento sustentável na região qual estão inseridas. Específicos Formar e certificar o profissional operador de processamento de frutas e hortaliças Aplicar tecnologias relacionadas à Produção de derivados de frutas e hortaliças. Produzir derivados de frutas e hortaliças com conhecimento técnico e sustentabilidade Fornecer noções de práticas empreendedoras e associativistas; Aplicar as normas reguladoras das atividades pertencentes ao Processamento de Frutos e Hortaliças; Fornecer informações sobre normas técnicas, sanitárias, de saúde e segurança no trabalho na organização na indústria desenvolvendo atividades com zelo, higiene e limpeza; Fornecer noções básicas sobre comunicação, direito do consumidor, atendimento ao cliente e operações matemáticas básicas; Treinar para utilização correta dos equipamentos de segurança e utilizados nas etapas de processamento. 5 PÚBLICO ALVO Trabalhadores beneficiários do seguro-desemprego e dos programas de inclusão produtiva do Governo Federal. Trabalhadores e/ou pessoas em situação de vulnerabilidade social, da comunidade externa ligados à área do curso ou que almejam a qualificação

11 profissional de operador de processamento de frutas e hortaliças e que possuam no mínimo o ensino fundamental incompleto PERFIL PROFISSIONAL E ÁREA DE CONCENTRAÇÃO O curso visa formar e certificar o profissional operador de processamento de frutas e hortaliças para o mercado de trabalho para atuar de forma autônomo ou em indústria atividades relacionadas ao Processamento de Frutos; Estruturar seu próprio negócio e ser um agente impulsionador do desenvolvimento sustentável, integrando formação técnica e humana; Trabalhar em equipe, sem abrir mão de sua criatividade e do espírito de iniciativa e de empreendedorismo. Além das habilidades específicas da qualificação profissional. A área de concentração é a Educação Profissional e Tecnológica, e o eixo tecnológico é a Informação e Comunicação com uma abordagem disciplinar direcionada à prática necessária para o bom condicionamento da profissão e, consequentemente, à inserção no mercado de trabalho. Desta forma, o projeto buscará discutir conteúdos teóricos e práticos, visando desenvolver capacidades técnico-profissionais. 7 PRÉ-REQUISITOS DE ACESSO AO CURSO Os ingressantes deverão ter, no mínimo, o ensino fundamental incompleto. As turmas serão formadas em atendimento à demanda da instituição, da comunidade externa ou de programas e/ou projetos. O ingresso de alunos no curso FIC de Operador de Processamento de Frutas e Hortaliças poderá ocorrer por meio de Edital, por meio de processo seletivo, classificatório e não eliminatório, ou Edital com inscrição livre, quando os cursos forem demandados por uma determinada comunidade, ou com inscrição livre, quando os cursos forem oriundos de um projeto e/ou programa. Para participar do processo de seleção dos cursos FIC, os candidatos deverão entregar os documentos solicitados de acordo com o edital e/ou programa.

12 8 MATRIZ CURRICULAR Estruturação O Curso operador de processamento de frutas e hortaliças será organizado em torno da área de concentração: Educação Profissional e Tecnológica. Com uma organização curricular compreendendo até dez horas de aulas semanais que somadas ao final do curso compreenderão 270 horas-aula. O curso está estruturado com os seguintes módulos de aprendizagem: Disciplina I - Noções de Direito (Direito do Consumidor, Ética e Cidadania e Redação e Comunicação); Disciplina II Noções de Gestão (Atendimento ao cliente, Empreendedorismo; Operações matemáticas básicas, porcentagem e unidade de medida de massa); Disciplina III Higiene alimentar (Legislação aplicada à fabricação de alimentos. Conceitos de boas práticas de fabricação de alimentos.) Disciplina IV - Segurança no trabalho Disciplina V Tecnologia e Processamento de Frutas e Hortaliças. DISCIPLINAS CONTEÚDOS CH I Noções de Direito Direito do Consumidor; Ética e Cidadania; 20h Redação e Comunicação. II Noções de Gestão Atendimento ao cliente; Empreendedorismo; Operações Matemáticas Básicas (Porcentagem e unidade de 20h medida de massa). III Higiene alimentar Legislação aplicada ao processamento de frutas e hortaliças. Conceitos de boas práticas de fabricação de 40 alimentos. Noções de microbiologia. Acidentes no trabalho. Linhas de defesa da saúde do trabalhador. Equipamentos de proteção individuais e IV coletivos. Proteção contra incêndios. O ambiente e as Segurança no doenças do trabalho (agentes físicos, químicos e biológicos). Trabalho Normalização e legislação. Proteção em máquinas e equipamentos, em ferramentas manuais e motorizadas. Sistematização do SGQ e do SHT. 20 V Tecnologia e Processamento de Frutas e Hortaliças Fisiologia pós-colheita de frutas e hortaliças. Recepção da matéria prima, limpeza e seleção. Tecnologia de elaboração de frutas desidratadas. Tecnologia de fabricação de licores. Parâmetros de qualidade em frutas e hortaliças. Tecnologia de fabricação de doces em barra e pastoso. Processamento mínimo de frutas e hortaliças. Tecnologia de conservas vegetais. Tecnologia de fabricação de doces em calda e cristalizados. Tecnologia de fabricação de geléias. Tecnologia de fabricação de polpas de fruta 170

13 12 Total carga horária do curso 270h As Disciplinas I e II e seus respectivos conteúdos estão vinculadas ao aprofundamento de temas e questões relativas aos fundamentos sociais, boas maneiras e direitos estabelecidos no desenvolvimento e atuação prática da profissão de auxiliar de cozinha. Já o módulo III visa à compreensão das atividades de higiene, conservação e acomodação de alimentos, bem como conceitos de boas práticas de fabricação dos mesmos. O módulo IV trata da segurança do trabalho que é o conjunto de medidas que serão adotadas visando minimizar e prevenir os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade e a capacidade de trabalho do trabalhador. O módulo V trata das técnicas usadas na execução do processamento de frutas e hortaliças. Espera-se que os módulos propostos propiciem os conhecimentos e práticas necessários para o desempenho profissional desenvolvendo condições para a inserção no mercado de trabalho enquanto vida social e cotidiana. 8.2 Ementas e Carga Horária dos Módulos/Disciplinas NOÇÕES DE DIREITO Módulo I Carga Horária 20 EMENTA Noções básicas do Direito: conceito, normas de controle social, personalidade e capacidade civil; responsabilidade civil; relação jurídica, fato e ato jurídico. Introdução ao Direito do Consumidor e Das práticas comerciais. A Ética, como parte da Filosofia, constitui-se como uma reflexão filosófica sobre o agir humano. Compreender o homem em suas dimensões e em seu agir ético é entender as relações que os indivíduos estabelecem entre si na sociedade. A linguagem como interação e Elementos da Comunicação. BIBLIOGRAFIA Básica: NUNES RIZZATTO, Luiz Antônio. Curso de Direito do Consumidor. 2. ed. São Paulo: Saraiva, OLIVEIRA, M. A. Correntes Fundamentais da Ética Contemporânea. São Paulo: Vozes, ANTUNES, I. Língua, Texto e Ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, p. Complementar: OLIVEIRA, James Eduardo. Código de Defesa do Consumidor: anotado e comentado, doutrina e jurisprudência. São Paulo: Atlas, APPEL, Karl Otto. Estudos de Moral Moderna São Paulo: Vozes, MORAIS, A. G. Ortografia: ensinar e aprender. 4. ed. São Paulo: Ática, p.

14 NOÇÕES DE GESTÃO Módulo II Carga Horária 20 EMENTA Proporcionar capacitação e oportunidade de identificação e utilização de conceitos, fórmulas e princípios matemáticos, de atendimento e empreendedores, os quais o aluno utilizará como subsídio na gestão das empresas, na vida profissional e pessoal. BIBLIOGRAFIA Básica: ALMEIDA, Sérgio. Ah! Eu não Acredito. Salvador: Casa da Qualidade, DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: Transformando idéias em negócios. 2.ed. Rio de Janeiro: Campus, DANTE, Luiz Roberto. Matemática: Contextos e aplicações. 3 vols. São Paulo: Ática, Complementar: ALMEIDA, Sérgio; CANDELORO, Raúl. Correndo pro Abraço. Salvador: Casa da Qualidade, MAXIMINIANO, Antônio Carlos Amaru. Administração para empreendedores: fundamentos da criação e gestão de novos negócios. São Paulo: Pearson Prentice Hall, DANTE, Luiz Roberto. Tudo é Matemática. 4 vols. São Paulo: Ática, NOME DA DISCIPLINA Higiene alimentar Módulo III Carga Horária 40 EMENTA: Instruções de trabalho dos setores processamento de frutas e hortaliças. Redução de geração de resíduos e de utilização de recursos naturais. Legislação aplicada à fabricação de alimentos de origem vegetal; Conceitos de boas práticas de fabricação de alimentos; Fundamentos da Higiene dos Alimentos; Noções básicas de Microbiologia Toxiinfecções alimentares; Higiene Pessoal dos manipuladores de alimentos; Preparação higiênica dos alimentos; Limpeza e sanificação de superfícies (tipos de detergentes e de sanificantes); Métodos de limpeza e sanificação. BIBLIOGRAFIA Básica: Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 216 de 15/09/2004. ARRUDA, G. A. Manual de boas práticas: hotéis e restaurantes Volume I. São Paulo: Ponto Crítico, ARRUDA, G. A. Manual de boas práticas: unidades de alimentação e nutrição Volume II. São Paulo: Ponto Crítico, Banco de alimentos e colheita urbana: Manipulador de Alimentos l Perigos, DTA, Higiene Ambiental e de Utensílios. Rio de Janeiro: SESC/DN, pág. (Mesa Brasil SESC Segurança Alimentar e Nutricional). Programa Alimentos Seguros. Convênio CNC/CNI/SENAI/ANVISA/SESI/SEBRAE; BEZERRA, Luciana Pereira. SILVA, Gleucia Carvalho. PINHEIRO, Andrea Nunes. Manipulação segura de alimentos. Rio de Janeiro: SENAC Nacional, FRANCO. B. D. G.; LANDGRAF, M. Microbiologia dos Alimentos. São Paulo: Atheneu, Garcia, Evie Mandelbaum. Atendimento sistematizado em nutrição. São Paulo: Editora ATHENEU, Organização Mundial de Turismo. Manual de Qualidade, Higiene e Inocuidade dos Alimentos no Setor de Turismo. Editora Roca, 2003.

15 HAZELWOOD, D.; M. C. LEAN, A. C. Manual de higiene para manipuladores de alimentos. São Paulo: Varela, Acesso em 30/11/2012. Complementar: A.C. Mclean, D. Hazelwood, Manual de Higiene para Manipuladores de Alimentos, Editora: Varela, Edição: 1998, 140p. 14 NOME DA DISCIPLINA Segurança no trabalho Módulo IV Carga Horária 20h EMENTA: Acidentes no trabalho. Agentes ambientais. Linhas de defesa da saúde do trabalhador. Equipamentos de proteção individuais e coletivos. Proteção contra incêndios. O ambiente e as doenças do trabalho (agentes físicos, químicos e biológicos). Normalização e legislação. Segurança no transporte de produtos químicos e de materiais. Proteção em máquinas e equipamentos, em ferramentas manuais e motorizadas. Sistematização do SGQ e do SHT. Bibliografia Básica: Manual de segurança e saúde no trabalho: normas regulamentadoras NRS, Lei nº 6.514, de dezembro de 1977, portaria nº 3.214, de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho NR 1 a NR ed. São Caetano do Sul, SP: Difusão Editora, (Série: Segurança e Saúde no Trabalho). Segurança e medicina do trabalho: NR-1 a 33, CLT - arts. 154 a lei nª 6.514, de , Portaria nº 3.214, de , Legislação complementar, índices remissivos. 64. ed. São Paulo, SP: Atlas, p. (Manuais de legislação atlas). Bibliografia Complementar: CARDELLA, Benedito. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes: segurança integrada à missão organizacional com produtividade, qualidade, preservação ambiental e desenvolvimento de pessoas. São Paulo, SP: Atlas, p. HARRINGTON, H. James; KNIGHT, Alan. A implementação da ISO 14000: como atualizar o SGA com eficácia. São Paulo, SP: Atlas, p. NOME DA DISCIPLINA Tecnologia e Processamento de Frutas e Hortaliças Módulo V Carga Horária h EMENTA: Recepção da matéria prima, limpeza e seleção. Parâmetros de qualidade em frutas e hortaliças Processamento de frutas e olerícolas. Fisiologia Pós-colheita. Processamento Mínimo. Disposição e sistemática de funcionamento de equipamentos.. Disposição e sistemática de funcionamento de equipamentos.

16 15 Bibliografia Básica: ITAL. Industrialização de polpas, sucos e néctares de frutas, p. ITAL. Desidratação de frutas e hortaliças p.(cópia encadernada) ITAL. Processamento de compotas, doces em massa e geléias: fundamentos básicos p. CHITARRA, I B. Pós-Colheita de Frutas e Hortaliças - Fisiologia e Manejo, 2ª ed. Editora UFLA Bibliografia Complementar: EVANGELISTA, J. Tecnologia de alimentos, 2 ed. São Paulo: Atheneu, SOUZA, C.M.de.; BRAGANÇA, M.G.L. Doces de Minas - Processamento artesanal de frutas. 2ª ed. Belo Horizonte: Cultura Ltda, ITAL. Frutas: compotas, doce em massa, geléias e frutas cristalizadas para a micro e pequena empresa. Campinas: ITAL, CHITARRA, M.I.F.; CHITARRA, A.B. Pós-colheita de frutos e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: UFLA/FAEPE 9 AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM A avaliação na concepção formativa deve ser feita de forma diversa e múltipla, de modo que o número de atividades de avaliação a ser aplicado deverá ser de, no mínimo, três (3) para Unidades Curriculares e/ou Módulos com carga horária igual ou superior a cinquenta (50) horas e, no mínimo dois (2) para as demais. A avaliação poderá ser realizada por meio dos seguintes instrumentos e atividades, a saber: relatórios descritivos de tarefas realizadas, provas, trabalhos, relato de experiências e de saberes anteriores ao curso, oficinas, portfólios, seminários, visitas técnicas, e da aplicação prática dos conhecimentos em laboratórios, unidades de produção e unidades referenciais comunitárias, ficando o docente livre para a distribuição e aplicações destes instrumentos avaliativos. A freqüência dos alunos às atividades escolares é obrigatória, considerando-se reprovado o aluno que não comparecer a, pelo menos, setenta e cinco (75) por cento da carga horária total do curso, compreendendo aulas teóricas e/ou práticas. O registro da freqüência ocorre a partir da efetivação da matrícula pelo aluno assumindo as possíveis faltas. Caso o aluno seja reprovado não receberá certificado. Em caso de não comparecimento do aluno, logo após a efetivação da matrícula, durante o período de uma semana de atividades escolares, o mesmo será considerado desistente, exceto mediante apresentação de justificativa legal protocolada junto à Coordenação de Registro e Controle Acadêmico (CRCA) Campus Uberaba, dentro do prazo de até quarenta e oito (48) horas, a contar do primeiro dia de aula perdido, respeitando o limite de vinte e cinco (25) por cento da carga horária prevista para o curso.

17 Para os casos de dependência de conteúdo de algum módulo, poderão, em comum acordo, o orientador e professor estabelecerem formas de reposição. Poderão ser chamados alunos classificados em lista de espera para preenchimento das vagas remanescentes do curso. O resultado final da avaliação quanto ao alcance de objetivos e/ou construção de competências é expresso em conceitos com sua respectiva correspondência percentual, de acordo com a tabela a seguir: 16 CONCEITO DESCRIÇÃO DO DESEMPENHO PERCENTUAL (%) A O aluno atingiu seu desempenho com excelência. De 90 a 100 B O aluno atingiu o desempenho com eficiência. De 70 a 89 C O aluno atingiu o desempenho mínimo necessário. De 60 a 69 R O aluno não atingiu o desempenho mínimo necessário. De 0 a QUADRO DOS DOCENTES ENVOLVIDOS NO CURSO O corpo docente dos cursos de Formação Inicial e Continuada FIC será composto por servidores docentes e técnico-administrativos integrantes do Quadro de Pessoal do IFTM ou de outros órgãos públicos. Eles serão selecionados através de edital institucional, devendo atender ao seguinte perfil: DISCIPLINA/UNIDADE FORMAÇÃO MÍNIMA PROFESSOR RESPONSÁVEL CURRICULAR Professor de Noções de Direito Bacharelado em Direito Selecionado através de edital institucional Professor de Noções de Gestão Graduação em Administração, ou Ciências Contábeis ou Economia. Selecionado através de edital institucional Higiene Alimentar Graduação em Nutrição, Economia Doméstica, Engenharia de Selecionado através de edital institucional Alimentos, Tecnologia em alimentos, mestrado ou doutorado na área de alimentos. Segurança do Trabalho Graduação em Engenharia de Alimentos,Tecnologia em Selecionado através de edital institucional Alimentos, Saúde e Segurança do Trabalho,Técnico em segurança do trabalho, mestrado ou doutorado na área de alimentos. Tecnologia e Graduação em Nutrição, Economia Selecionado através de edital

18 Processamento de Frutas e Hortaliças Doméstica, Engenharia de Alimentos, Tecnologia em alimentos, mestrado ou doutorado na área de alimentos. institucional INFRA-ESTRUTURA 11.1 Laboratórios Laboratório de Microbiologia LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA ÁREA (M 2 ) M 2 POR ALUNO 40 2 Descrição (Materiais, Ferramentas, Softwares Instalados, e/ou outros dados) Qtde. Especificações 01 Capela de fluxo laminar 01 Autoclave vertical capacidade 14 L, 110 V w 01 Contador manual de colônias com lente e lâmpada. 10 Microscópios óticos elétricos, objetivas 4, 10, 40 e 100 vezes, filtro externo, marca Taimin 06 Microscópios óticos elétricos, objetivas 4, 10, 40 e 100 vezes, filtro interno. 01 Microscópio ótico elétricos, objetivas 4, 10, 40 e 100 vezes, sem filtro de luz. 05 Estereoscópios marca Taimin simples 02 Esteromicroscópios marca Taimin com filmadora 01 Geladeira duplex capacidade aproximada 400L, marca Whitewestinghouse 01 Triturador de amostras com copo de vidro 110V. 01 Conjunto para análise de líquidos por membrana filtrante. 01 Balança digital com capacidade gramas, precisão 0,1g, marca Marte, 110 volts. 01 Banho-maria com capacidade para 42 tubos, tanque de aço inox, com termostato programável de ambiente a 110ºC, precisão +/- 1ºC, digital com timer programável. Centrífuga com balanceamento preciso e alta resistência, motor de indução, carcaça em 01 alumínio fundido e tampa fabricada com chapas de aço repuxado, velocidade de 0 a rpm, rotor horizontal, dimensões 300x290mm, 110 volts. 01 Estufa BDO para aquecimento e resfriamento de - 5 C a 38 C, 220V 02 Estufa de incubação com termostato, temperatura de ambiente a 45ºC, alimentação 110 volts. 01 Estufa para esterilização e secagem com termostato, temperatura de ambiente a 200ºC, alimentação 110 volts. 01 Estufa de incubação com termostato, temperatura de 1 a 45ºC, alimentação 220volts Laboratório de Análise de Alimentos LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS ÁREA (M 2 ) M 2 POR ALUNO 54 1,8 Descrição (Materiais, Equipamentos, Vidrarias)

19 18 Ítem Quant. Especificações 1 1 Estufa elétrica modelo 311-CG, marca FANEM, estereliza e seca com termo regulador até temperatura de 200ºC, plateleiras removíveis. 2 1 Forno mufla, registro de temperatura por sistema automático, até 1200 ºC, modelo Q , Quimis. 3 1 phmetro mod. Q-400 bancada 110/220V Manta aquecedora para balões de 1000 ml, 220V., modelo Q-321 a 25 Quimis. Destilador de água tipo pilsen 2 litros/hora, 110 V, 1600W, modelo Q , Quimis. Centrífuga de bancada acompanha: cruzeta horizontal 08 x 15 ml, marca FANEM Modelo 206. Agitador magnético com aquecimento, 110V, acompanha barra magnética vestida de te-flon modelo 258-FANEM. 8 1 Manta aquecedora para balões de 500ml, 220V, modelo Q-321, Quimis. 9 1 Bomba de vácuo, 220V, modelo 355B2, Quimis Capela para exaustão de gases, 220V, modelo Q , Quimis Chapa aquecedora 30 x 40 cm, em plataforma de aço inox 110V modelo Banho Maria para balões volumétricos com 4 bocas Biomatic, modelo Aparelho digestor para determinação de fibra bruta em produtos alimentícios, gorduras, óleos e materiais vegetais, modelo Dessecador de vidro grande com tampa e luva com dimensão de 250 mm de diâmetro Thermex. Microdigestor de Kjeldahl, modelo bancada para 06 provas, 110V, 80 cm de largura, 50 cm de profundidade e 70cm de altura, modelo Q-329 Quimis Frigobar, capacidade de 120L, 110V, marca Cônsul Balança eletrônica de precisão, carga de 200 g, sensibilidade de 0,001g, reprodutibilidade de +-0,0005g modelo A-200, marca Marte Módulo de química composto por 2 armários, cor verde, equipados Cálice graduado 1000ml Dessecador em vidro temperado completo com tampa e luva, diâmetro de 50 mm Thermex Balão de fundo chato, junta esmerilhada 250 ml Thermex Banho Maria retangular, com tampa, 8 bocas, anéis de redução, com temperatura de até 100ºC e termostato 110V V. Biomatic cód Balão de fundo chato, junta esmerilhada 500 ml Thermex Balão de fundo chato, junta esmerilhada 1000 ml Thermex Balão volumétrico 100ml, vidro Thermex Balão volumétrico 200ml, vidro Thermex Bureta com torneira 10ml JB.

20 19 ÁREA (M 2 ) M 2 POR ALUNO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE ALIMENTOS 54 1,8 Descrição (Materiais, Equipamentos, Vidrarias) Ítem Quant. Especificações Bureta com torneira 25ml JB Bureta com torneira 50ml JB Frasco Erlenmyer Boca Estreita, graduado +-0,5%, com junta esmerilhada 24/40, capacidade 100ml, com rolha, Thermex. Frasco Erlenmyer Boca Estreita, graduado +-0,5%, com junta esmerilhada 24/40, capacidade 250ml, com rolha, Thermex. Frasco Erlenmyer Boca Estreita, graduado +-0,5%, com junta esmerilhada 24/40, capacidade 500ml, com rolha, Thermex Suporte universal base e haste de 60 cm Universal Suporte metálico para bureta Universal Chapa aquecedora elétrica com controle infinito de 50 a 300c, 31x31cm, em alumínio maciço, 110V Ética Modelo Conjunto de lavador de pipetas composto por: 04 peças, 02 depósitos, 01 cesto e 1 depósito sifão Prodocil, modelo Deionizador de água capacidade 50L/hora, com coluna intercambial, lâmpada indicadora de saturação da coluna, modelo Refratômetro de bolso 0 a 32% bríx precisão de +-0,5, estojo protetor com escala em porcentagem, marca Biobrix Agitador magnético marca Nova Técnica NT Colorímetro freqüência 50 a 60 Hz, consumo 55VA, temperatura de operação 10 a 40 ºC FENTO modelo 430. Refratômetro de campo, automático, 0 a 80% bríx, precisão +- 0,5, peso 530g, marca Briobrix Balão de titulação 250ml marca Pirex Frasco Erlenmyer Boca Estreita, graduado +-0,5%, com junta esmerilhada 24/40, capacidade 100ml, Marca Ilmabor Suporte para bureta e pipeta, haste de 75 cm, marca Ical Analisador de umidade por infravermelho, marca Gehaca mod IV Lavador automático de pipetas, marca Permution modelo LPO Capela para exaustão de gases marca Scientech Balão volumétrico classe A com rolha de polipropileno, cap 500ml, vidro borossilicato, marca vidroquímica. Balão volumétrico classe A com rolha de polipropileno, cap 1000ml, vidro borossilicato, marca vidroquímica. Frasco Erlenmyer graduado, em borossilicato, com junta cônica esmerilhada, capacidade 250ml, marca Vidroquímica.. Frasco Erlenmyer graduado, em borossilicato, com junta cônica esmerilhada, capacidade 500ml, marca Vidroquímica..

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 29/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 29/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 29/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 35/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 35/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 35/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 28/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 28/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 28/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 34/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 34/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 34/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 59/2014, DE 08 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da criação do Centro de Referência

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. EDITAL Nº 16, de 04 de maio de 2015.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. EDITAL Nº 16, de 04 de maio de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA,Câmpus Santa Rosa EDITAL Nº 16, de 04 de maio de 2015. EDITAL DE DIVULGAÇÃO DO CURSO DE BOAS

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 32/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 32/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 32/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº

Leia mais

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP

Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP 1 Pauta de Reivindicações Específicas dos Cursos da UFV/CRP A presente pauta foi elaborada através de levantamento elaborado por comissão de estudantes de cada curso, serão apresentadas as reivindicações

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC. Apresentação do Curso. Especialista M.B.A em Gestão de Pessoas

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC. Apresentação do Curso. Especialista M.B.A em Gestão de Pessoas PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade

Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Gerência Executiva de Comunicação Corporativa, Inteligência Competitiva e Sustentabilidade Edital Processo Seletivo Programa Formare Aprendiz Santos Brasil 2016 1 Edital Processo Seletivo Programa Formare

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal

Plano de Trabalho Docente 2013. Componente Curricular: Processamento de alimentos de origem vegetal Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr Francisco Nogueira de Lima Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPQ/IFTM MODALIDADE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPQ/IFTM MODALIDADE GRADUAÇÃO SANDUÍCHE NO EXTERIOR INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq/IFTM PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPQ/IFTM MODALIDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal PLANO DE CURSO Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC Programador de Dispositivos Móveis. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 62-CEPE/UNICENTRO, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em Gestão Escolar, modalidade regular, da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO:

Leia mais

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS:

FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 I DOS CURSOS OFERECIDOS, DURAÇÃO, ATOS LEGAIS E DAS VAGAS: FACULDADE DO SUL DA BAHIA ATO PROCESSO SELETIVO 2009/2 EDITAL Nº 2 A FACULDADE DO SUL DA BAHIA, credenciada pela Portaria Ministerial nº 944, de 17/05/2001 publicada no DOU em 21/05/2001 e o INSTITUTO

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

Informações: Secretaria Acadêmica / Faculdade Catuaí Rua Bento Munhoz da Rocha Neto, nº 210

Informações: Secretaria Acadêmica / Faculdade Catuaí Rua Bento Munhoz da Rocha Neto, nº 210 MANUAL DO CANDIDATO Informações: Secretaria Acadêmica / Faculdade Catuaí Rua Bento Munhoz da Rocha Neto, nº 210 Telefones: (43) 3174-5454 ou 3174-5464 E-mail: secretaria@faculdadecatuai.com.br Horário:

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 23502.000008.2014-24

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 002/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 002/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 002/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. Aprova o Manual de Procedimentos para o Projeto de Conclusão do Curso Técnico em Mecânica, na modalidade subsequente, do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias

Colegiado do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Veterinárias MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS Colegiado do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

TURMAS 2008 E 2009. Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ

TURMAS 2008 E 2009. Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ TURMAS 2008 E 2009 Nome da Unidade: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio / FIOCRUZ CNPJ : 33.781.055/0017-00 Data: 01/09/2005 Área do Plano: Área Profissional Saúde Plano de Curso para: Especialização

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2014 CSN-VOLTA REDONDA

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2014 CSN-VOLTA REDONDA EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2014 CSN-VOLTA REDONDA O presente edital destina-se ao preenchimento de 156 (cento e cinqüenta e seis) vagas para Jovens Aprendizes nos Cursos do Programa

Leia mais

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E:

CONSIDERANDO que este Conselho compete normatizar esse procedimento; R E S O L V E: RESOLUÇÃO N o 03/90, CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Aprova as Normas para elaboração de Projetos de Cursos de Especialização (Pós-Graduação lato sensu ). O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

VIARÁPIDA. Qualificação Profissional através de cursos rápidos gratuitos e auxílio financeiro

VIARÁPIDA. Qualificação Profissional através de cursos rápidos gratuitos e auxílio financeiro VIARÁPIDA Qualificação Profissional através de cursos rápidos gratuitos e auxílio financeiro O Via Rápida é um programa lançado pelo Governador Geraldo Alckmin e o Secretário de Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14/2015 PROPPG EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INGRESSO DE ALUNOS

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. TURMA: 1º semestre EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Produção Alimentícia Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( X )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Preâmbulo. 1 - Público Alvo:

Preâmbulo. 1 - Público Alvo: SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO TOCANTINS - CAMETÁ CENTRO PEDAGÓGICO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO EDITAL Nº 01/2012 CUNTINS/UFPA Seleção de alunos

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais;

CONSIDERANDO: os critérios e os padrões de qualidade estabelecidos pela UFPB para formação de profissionais; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 34/2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Industrial, Bacharelado,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

RESOLUÇÃO REITORIA Nº 015 DE 04 DE OUTUBRO DE 2012. O REITOR da UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP, no uso de suas atribuições,

RESOLUÇÃO REITORIA Nº 015 DE 04 DE OUTUBRO DE 2012. O REITOR da UNIVERSIDADE ALTO VALE DO RIO DO PEIXE UNIARP, no uso de suas atribuições, RESOLUÇÃO REITORIA Nº 015 DE 04 DE OUTUBRO DE 2012 Regulamenta a oferta do Curso de Pós- Graduação Lato Sensu : MBA em GESTÃO DE FINANÇAS EMPRESARIAIS na Universidade Alto Vale do Rio do Peixe - UNIARP

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR. Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL

ESTÁGIO CURRICULAR. Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL ESTÁGIO CURRICULAR Segue descrito abaixo o Regulamento de Estágio Curricular. REGULAMENTO DE ESTÁGIO PARA INICIAÇÃO PROFISSIONAL Introdução O presente Regulamento constitui um documento interno do curso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO EDITAL N.º 115, DE 09 DE MARÇO DE 2015

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO EDITAL N.º 115, DE 09 DE MARÇO DE 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO EDITAL N.º 115, DE 09 DE MARÇO DE 2015 Dispõe sobre a abertura do processo seletivo simplificado para preenchimento

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior e Profissional INTERESSADO: Centro de Estudos e Pesquisas em Eletrônica Profissional e Informática Ltda CEPEP EMENTA: Reconhece o Curso Técnico em Redes de Computadores Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação, ofertado

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE S (ÁREA: GESTÃO) TECNÓLOGO SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização:A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2

CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV CURSO: GESTÃO DE DATACENTER E COMPUTAÇÃO EM NUVEM 2013.2 NÚMERO DE VAGAS: 25 (Vinte e Cinco) Vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS 01 de Novembro de 2013 CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA VISCONDE DE CAIRU CEPPEV APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA A Fundação Visconde

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão;

Integrar o processo de ensino, pesquisa e extensão; REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE AGRONOMIA DO IFES CAMPUS ITAPINA O Estágio Curricular constitui um momento de aquisição e aprimoramento de conhecimentos e de habilidades essenciais ao

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO (PIN) DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERABA UBERABA 2012 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Plano de Curso Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 O Programa O SEBRAE, em parceria com o CNPq, desenvolveu o

Leia mais

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000

RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/2014-000 26267 - UNIVERSIDADE FED DA INTEGR LATINO-AMERICANA 58658 - UNIVERSIDADE FED. DA INTEGR. LATINO-AMERICANA RELAÇÃO DE ITENS - PREGÃO ELETRÔNICO Nº 00033/20-000 - Itens da Licitação - APARELHO ENSAIOS FÍSICOS

Leia mais

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS:

Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Manual do Candidato PROCESSO SELETIVO DE INVERNO 2013 CURSOS: Bacharelado em Sistemas de Informação (Reconhecido pela Portaria MEC nº 315 D.O.U. 31/12/2012) Bacharelado em Administração de Empresas (Reconhecido

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº09/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Administração do Centro de

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2015 CSN-VOLTA REDONDA

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2015 CSN-VOLTA REDONDA EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DE APRENDIZAGEM 2015 CSN-VOLTA REDONDA O presente edital destina-se ao preenchimento de 144 (cento e quarenta e quatro) vagas para Jovens Aprendizes nos Cursos do Programa

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL

1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL 1. REGULAMENTO DO PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIAS E INOVAÇÕES AMBIENTAIS MODALIDADE MESTRADO PROFISSIONAL O Programa de Pós-Graduação em Tecnologias e Inovações Ambientais modalidade mestrado profissional

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA

EDITAL nº 03/2015 TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA EDITAL Nº 03/2015 O Diretor da Faculdade Metropolitana de Anápolis FAMA, no uso de suas atribuições e demais disposições legais, aprova e torna público o processo seletivo para transferência de candidatos

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO JORNALISMO ESPORTIVO E NEGÓCIOS DO ESPORTE 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO JORNALISMO ESPORTIVO E NEGÓCIOS DO ESPORTE 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO JORNALISMO ESPORTIVO E NEGÓCIOS DO ESPORTE 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as

Leia mais

PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS

PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS PRIMEIRA AULA IPQ DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS QUÍMICOS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus Capivari Coordenador : Prof. Dr. André Luís de Castro Peixoto

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ IFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PROPI Edital Nº 04, de 29 de setembro de 2015 O Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE LIMPEZA ESF - SORRI BAURU MARÇO 2015

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE LIMPEZA ESF - SORRI BAURU MARÇO 2015 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE LIMPEZA ESF - SORRI BAURU MARÇO 2015 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva, convoca os interessados a participar do processo seletivo para a contratação

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 39-CEPE/UNICENTRO, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova o Curso de Especialização em MBA em Cooperativismo e Desenvolvimento de Agronegócios, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O Programa Institucional de Bolsas e Auxílios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 13/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 13/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 13/2011 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO PREPARATÓRIO PARA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DA JUVENTUDE E DO TRABALHO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DA JUVENTUDE E DO TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO DE JOVENS NO NÚCLEO DE FORMAÇÃO DE AGENTE CULTURAL DA JUVENTUDE NEGRA NUFAC EDITAL N. 002 /2014 SEJUT Seleção para preenchimento de vagas para as atividades do Núcleo

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA - CAMPUS ARARANGUÁ AUXILIAR DE COZINHA Curso de Formação Inicial e Continuada Eixo: Turismo,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 43/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 43/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 43/2014, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação da Resolução Ad Referendum nº

Leia mais

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso:

Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão Objetivo do curso: Com carga horária de 720 horas o curso Gestão e Formação Pedagógica em: Administração, Inspeção, Orientação e Supervisão é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros

Leia mais

Regulamento do Curso de Especialização em Sanidade Animal

Regulamento do Curso de Especialização em Sanidade Animal Regulamento do Curso de Especialização em Sanidade Animal DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º - O curso de Especialização em Sanidade Animal destina-se à qualificação de profissionais fornecendo elementos de capacitação

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais