marcos da eni em Angola actividade como operador Bloco 15/06 e Bloco 35 eni e&p em Angola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "marcos da eni em Angola actividade como operador Bloco 15/06 e Bloco 35 eni e&p em Angola"

Transcrição

1 a eni exploration & production em Angola Junho de 21

2 2 marcos da eni em Angola 198 eni entra no Bloco com uma participação de 15%, e inicia a actividade em Angola 1982 eni, como operadora, adquire 5% de acções no Bloco Descoberta de petróleo no campo Safueiro (Bloco 1) 1987 eni adquire 9.8% de acções da Chevron (operadora), no Bloco 1991 eni começa a produção de petróleo a partir do campo Safueiro, com BOPD 199 eni entra nos Bloco 1 (Op. Chevron 1%) e 15 (Op. Exxon %), com uma participação de 2%, e começa a aventurarse no offshore 1996 É concedido à eni o Bloco 25 e é apontado como operadora 1997 Operadora anuncia descoberta de petróleo em águas profundas de Angola no campo Kuito, no Bloco O campo Kuito, no Bloco 1, entra em operação: a primeira produção de offshore da eni 25 Os fluxos de petróleo do Kizomba B, bem como, o rácio diário do Bloco 15 sobe para cima de 5. barris/dia 26 A eni adquire a operadora do Bloco 15/6 com uma participação de 5%. Primeiro petróleo dos campos BBLT do Bloco 1 27 É atribuída à eni uma participação de 1,6% no Angola LNG. eni assina um Acordo de Participação (PA) para o de Gás 28 Petróleo flui da Fase C Kizomba I e II (Campo Mondo e Campos Saxi Batuque), o rácio diário do Bloco 15 sobe para cima de 6. barris/dia. Os bem sucedidos resultados dos dois poços de exploração perfurados no Bloco 15/6 (Sangos 1 e Ngoma 1) ambos declarados como Poços Comerciais 29 A eni descobre petróleo em dois novos poços perfurados no Bloco 15/6 - Cabaça Norte-1 e Nzanza-1, primeiro petróleo do Tombua - Lândana Bloco 1 21 eni depara-se com três novas descobertas no Bloco 15/6 com o poço Cinguvu-1, Cabaça SE-1 e Mpungi-1. O primeiro período de exploração acordado ficou concluído um ano e meio antes dos termos da PSA. Um total de oito poços foram perfurados, sete dos quais declarados comerciais. No mesmo ano as duas grandes descobertas são delineados por poços de avaliação (Cabaça SE-2 e Mpungi-2) para acelerar o tempo e comercialização. Fase 1 do Centro Oeste finalizou actividades de campo. Finalizou o conceito de avaliação da segunda fase do Centro Oeste 211 Iniciou-se a execução da Fase 1 do Centro Oeste, a implantação do primeiro FPSO no Bloco 15/6, a Fase 1 prevê o desenvolvimento de quatro campos, Sangos, Ngoma, Cinguvu e Mukuvo. Conceito de selecção em curso para o Centro Oeste da Fase 2 do. Conceito de selecção de estudos para o Centro Leste do finalizado Uma outra aquisição de 5% no Bloco North (com a participação da eni de 15%) com o Decreto n. 17/1 de 15 de Dezembro de 21. Adjudicação a eni como operador do Bloco 5 (com a participação de %) 212 A eni descobre petróleo no poço Vandumbu 1 perfurado no Bloco 15/6 No mesmo bloco continua a execução do de desenvolvimento do Polo Oeste e as actividades para a definição do Conceito de desenvolvimento para o Polo Leste Completou-se a aquisição do levantamento sísmico D no Bloco 5 no Pré-Sal do bacia do Kwanza Primeiro petróleo no Xicomba Fase 2 eni e&p em Angola A eni opera em Angola na exploração e produção de hidrocarbonetos, na exploração de gás natural e em serviços de engenharia e construção. As suas variadas actividades estão distribuídas pelas empresas subsidiarias que a seguir se mencionam: eni angola produção bv, eni angola exploração bv, eni angola spa, eni west africa spa e a Galp (,%). A eni opera em Angola desde 198. Tendo iniciado a produção de petróleo em 1985 atingiu, em 26, o nível de 156. barris/dia correspondendo a aproximadamente 9% da produção total do país. A participação da eni é hoje um facto em 1 áreas, das quais 9 em offshore (Bloco, Lianzi DA, Bloco 1, Bloco 15, Bloco /5 e /5A, Bloco /85, Bloco /91, Bloco 15/6 e uma em onshore ( Norte). A eni é neste momento a Empresa operadora dos Blocos 15/6 e 5/11. Este quadro mostra uma polivalência dos negócios da empresa estarem virados para o offshore, nomeadamente a exploração em das águas profundas na bacia do Congo. actividade como operador Bloco 15/6 e Bloco 5 Em Novembro de 26 a eni assinou um contrato de partilha de produção com a Sonangol para explorar o Bloco 15/6, cuja a superfície é de aproximadamente. quilómetros quadrados em águas profundas, que variam entre 2 e 2 metros. Os parceiros no bloco são a Sonangol P&P (15%), a SSI Fiftteen Ltd (25%), a Total (15%), a Falcon Oil Holding Angola (5%) e a Statoil (5%). A eni é indicada operadora do com uma participação de 5%. Em Abril de 28 a eni anunciou a primeira descoberta de poço comercial do Bloco 15/6 com o poço Sangos 1, seguido em Outubro de 28 pelo Ngoma-1, sendo a segunda descoberta comercial do bloco. A actividade de exploração continuou durante os anos de 29 e 21 com um ritmo de sucesso notável: mais seis poços foram perfurados, dos quais cinco foram novas descobertas de petróleo: Cabaça Norte-1, Nzanza-1, Cinguvu-1, Cabaça SE-1 e Mpungi-1. Os oito poços da campanha de exploração foram encerrados em Junho de 21 completando o acordo do primeiro período de exploração um ano e meio antes dos termos contratuais. No segundo semestre de 21, as duas grandes descobertas do ano são delineados por poços de avaliação (Cabaça SE-2 e Mpungi-2) para acelerar o tempo de comercialização. As descobertas no bloco despoletaram as actividades de pré desenvolvimento em dois pólos de produção no futuro, sendo um o Pólo Este e outro Pólo Oeste. Em 211 as actividades de perfuração continuaram com dois poços de avaliação na área do Pólo Oeste, nomeadamente: o Mukuvo-1 e o Cinguvu-2. Realizou-se ainda a perfuração do poço exploratório Lira-1 na parte sul-este do bloco que resultou numa descoberta de gás condensado, o poço de avaliação Cabaça SE- ainda Pólo Este e finalmente dois poços de desenvolvimento no campo Sangos. A execução do projecto de desenvolvimento do Pólo Oeste, teve inicio com a conversão do FPSO Xicomba, anteriormente utilizado no campo Xicomba do Bloco 15. As actividades de construção e perfuração estão em curso e o primeiro óleo esta previsto pelo ultimo quarto do ano 21. O FPSO chegou a doca de conversão em Novembro de 211 e vai ser ancorado no local das

3 1 Licença de Exploração Bloco N Bloco Campo de petróleo Campo de Bloco gás 15 Área de Des./Prod. Campo de gás e petróleo Southern Conduta de petróleo Soyo Conduta de gás Bloco 15/6 2 Caconga Bloco Mussera 1 1 Bloco CONGO Ambriz 5 Bloco 15/6 2 1 DEM. REP. of the CONGO M Banza Congo Soyo Atlantic Ocean Caxito Bloco Bloco LUANDA N Zeto Viana Louva O gás associado produzido é transferido para o Bloco e injectado nos reservatórios, ou enviado para aprovisionamento na unidade A-LNG tão logo a actividade em curso de ligação da rede tubular de transportação do gás esteja concluído. O grupo empreiteiro do Bloco 1 é constituído pelas seguintes Empresas: eni (2%), Chevron (Op. 1%), Sonangol P&P (2%), Total (2%), Galp (9%) O Bloco 15 é uma das mais importantes áreas de hidrocarbonetos em águas profundas da África Ocidental. Contabilizam-se cinco projectos de desenvolvimento já executados. Em Dezembro de 2 o FPSO Xicomba, iniciou a sua actividade com uma capacidade de tratamento de 9, barris/dia. Em 211, tendo chegado ao fim da vida do campo onde estava em actividade na área, foi liberado. Os Kizomba A e B, dois FPSO s, cada um deles com uma capacidade de tratamento de 25, barris/dia. A produção arrancou em Agosto de 2 e Julho de 25 respectivamente. O Mondo e o Saxi-Batuque, são os dois outros FPSO s com uma capacidade de tratamento de 1, barris/dia. Eles tiveram o seu arranque em Janeiro e Julho de 28 respectivamente. Estão em curso as Fases 1 e 2 do projecto Kizomba Satéllites. Estas actividades estão viradas para o desenvolvimento de campos menores que ajudarão a manter os níveis de produção actuais, nos próximos anos. Todo o gás associado (AG) é injectado nos reservatórios para melhorar a recuperação do Petróleo, ou transferido para a unidade A-LNG. O Grupo Empreiteiro do Bloco 15 é constituído da Seguinte maneira: eni (2%), Exxon (Op. %), BP(26.67%), Statoil (1.%). 5 5 Caconga projectos de desenvolvimento em águas profundas e ultra profundas - Bloco 15 N Zeto 1 GABON compliant tower, tendo por capacidade de tratamento de 16, barris/dia, arrancou com a sua produção em 26. Tombua-Landana, plataforma de petróleo compliant tower tem a capacidade de tratamento de 1, barris/dia e teve o seu arranque em 29. Novas descobertas comerciais foram registadas durante o ano de 27 nos campos Lucapa 1, Malange 1 e Menongue 1. Quinzau Bloco 15/6 2 operações em Fevereiro de 21. A presença da eni em Angola como operador foi recentemente consolidada com adjudicação do Bloco 5, através do Decreto 8/11 (participação da eni %). As outras empresas parceiras do Bloco 5 são: Sonangol Pesquisa e Produção com (5%) e Repsol com (25%). Bloco Bloco 15 5 Quifuma Canzar 1 Uige Ambriz Cambatela Camaxilo Lucapa 1 2 Samba Caju Viana Luanda 5 Dunque De Braganca 1 projectos de desenvolvimento em águas profundas e ultra profundas Bloco 1 5 Caxito Um extensiva actividade de pesquisa e desenvolvimento tem se registado em toda a superfície do Bloco 1. Três imensos projectos (Kuito, BBLT e TL) tem sido comercializados no Bloco 1. O Kuito FPSO com uma capacidade de tratamento de 1, barris/dia, arrancou com a produção em Dezembro de BBLT, plataforma de petróleo Golungo Alto 2 Saurimo Exploration Permit Dev./Prod. Area Calulo 2 Atlantic Ocean Quitubia Oil Field Gas Field Oil&Gas Field Oil Pipeline Gas Pipeline Luao Porto Amboin Cazage 2 Km Bloco O Bloco está dividido em duas áreas: A e B. A área A é onde os principais campos de Takula e Malongo estão localizados. Área B é onde a produção é proveniente principalmente dos campos Bomboco, Kokongo, Lomba, N Dola, Nembw e as percentagens da sua participação são: eni (9.8%), Chevron (Op. 9.2%), Songangol (1%), Total (1%). Bloco A eni angola detém interesses no Bloco (12%), operado pela Sonangol P&P. No Bloco, há oito campos de produção: Palanca, Pacassa, Búfalo, impala, impala SE, Cobo, Pambi e Oombo. Toda a produção de petróleo é canalizada através do terminal Palanca para uma barcaça de armazenamento próximo, antes de ser exportado.

4 6 7 desenvolvimento da indústria de gás eni iniciativas de sustentabilidade em Angola eni na A-LNG Em Dezembro de 27, a eni angola produção adquiriu da Sonangol Gás Natural (Sonagas) uma participação de 1,6% no consórcio Angola LNG Limitada. Este consórcio é responsável pela construção de uma unidade de liquefacção no Soyo, a 5 km a norte de Luanda, com uma capacidade anual de 5,2 milhões de toneladas de GNL, e cerca de 5. barris/dia de líquidos (condensado e GPL) e irá tratar cerca de 11. bilhões de metros cúbicos/ano, dos quais 1 bilhão de metros cúbicos/ano serão para abastecer o mercado domestico. O desenvolvimento de projectos de GNL no país é parte do compromisso da eni para desenvolver combustíveis fosseis de baixo teor de carbono, tal como e especialmente o gás natural. O governo de Angola e a sua companhia nacional de petróleo Sonangol consideram o projecto de importância nacional e a pedra angular dos seus planos visando o desenvolvimento dos recursos de gás do país, aproveita-los e reduzir a sua queima (www.angolalng.com). eni no de Gás Em Dezembro de 27, a eni assinou um Acordo de Participação para o Gás. Este projecto visa melhorar o aproveitamento dos recursos em gás de uma ampla área no offshore angolano. Na sequência do Acordo, participam do projecto as seguintes Empresas: Sonagas %, eni 2%, Gás Natural 2%, Galp 1%, Exxem Energy 1%. A eni angola foi indicada como parceiro técnico da Sonagas. Em Angola, a eni coopera com organizações sociais e autoridades locais na criação da auto consciência, através do envolvimento das comunidades locais na implementação de projectos de desenvolvimento, providenciando assistência técnica e suporte financeiro. Esta atitude é testemunhada pela activação de um número de programas sociais, de Saúde e de educação. Em 212 foram realizados estudos para avaliação das reservas de gás disponíveis, bem como valorização destes recursos para consumo no mercado doméstico e exportação. Em Agosto de 28, a eni e a Sonangol assinaram um Memorando de Entendimento, um passo significativo na consolidação das actividades da eni em Angola. O Memorando de entendimento, foi baseado no modelo de cooperação de eni, incluindo a implementação de varias iniciativas em sectores tal como aquilo energetico, industrial e educacional, bem com em outros projectos ( conteúdo Nacional ) como uma contribuição para o país no desenvolvimento industrial. A atenção especial é dada aos projectos relacionados a melhoria das instalações de energias do País, a produção de biocombustíveis (com utilizaçao de excedentes agrícolas), para a implementação de projectos educacionais e de treinamento para avaliação de novas oportunidades no sector dos hidrocarbonetos. No final de 211 um novo Memorando de Entendimento foi assinado. A eni e a Sonangol acordaram financiar um projecto avaliado em 6 milhões de dólares com o objective de implementar a produção de óleo de palma comestivel nalgumas áreas do País. Sobre o sector da saúde, em 28 a corporação da eni, lançou um projecto de colaboração com ministério angolano da saúde para melhorar a saúde das crianças na área metropolitana de Luanda, através de campanhas de vacinação, treinamento de pessoal médico e paramédico, o rastreio epidemiológico, programas de nutrição e educação, prestação de serviços médicos, com o objectivo de melhorar a saúde materna e infantil. Além disso, desde 1988 a eni angola possui um centro de saúde, prestando assistência tanto as famílias dos empregados da eni como aos funcionários do Ministério dos Petróleos. Em 29, a eni fundation assinou dois acordos de cooperação com o Ministério da Saúde e a ONG Divina Providencia tendo por base o desenvolvimento de um projecto de saúde publica a periferia de Luanda, mais concretamente na municipalidade do Kilamba Kiaxi (população de cerca de 1,2 mil habitantes). O objectivo fulcral do projecto é a diminuição a incidência de doenças preveníveis viradas essencialmente para a maternidade e a pediatria. Esta iniciativa tem um elevado valor ambiental e uma grande importância em contribuir para o crescimento económico e social da província do Zaire. Em 21, a eni angola completou uma avaliação de conformidade dos Direitos Humanos (HRAC), em colaboração com o instituto Dinamarquês de Direitos Humanos, envolvendo as seguintes ares: Recursos Humanos, HSE, Ordenamento do território, Anti-corrupção, Segurança e Aquisições. A eni e o parceiro internacional no comité de Angola do Instituto do Planeta Terra (IPT), um projecto destinado a difundir o conhecimento sobre o importante papel em que a Geo-Ciência pode desempenhar na protecção do meio ambiente. Um programa para envolver os fornecedores locais foi iniciado em 28 com o lançamento das operações que beneficiam, a criação de um cadastro de fornecedores e a inclusão de fornecedores na lista dos vendedores da eni iniciou um processo de qualificação de fornecedores com base em padrões SA8. A eni também está empenhada nos projectos de utilização do gás associado (AG) proveniente dos blocos petrolíferos em offshore através do projectos LNG, de acordo com a actual politica de não mais queima de gás no offshore angolano. didascalia

5 8 A eni é uma empresa integrada de energia, comprometida com o crescimento das actividades de procura, produção, transporte, transformação e comercialização de petróleo e gás. A empresa possui operações globais em 9 países e emprega cerca de 78 mil pessoas. A forte presença da eni no mercado de gás, na liquefacção de gás natural, as fortes habilidades na geração de energia e actividades de refinaria, fortalecidas pelas habilidades mundiais em engenharia e gerenciamento de projectos, permitem à empresa a captura de melhores oportunidades no mercado assim como perceber projectos integrados. O modelo de negócio da eni para a criação do valor sustentável baseia-se num modelo operacional consolidado em um quadro de regras claras de governança, utilizando os mais altos padrões éticos empresariais e rigorosos na gestão de riscos. Os esforços da eni na implementação da sua estratégia e execução das suas operações do dia-a-dia, são inspirados por factores-chave como: cooperação, integração, inovação, excelência, inclusão, responsabilidade. Em 212 a eni confirmou a sua presença nos Índices de Sustentabilidade de Dow Jones e no índice FTSEGood. Além disso, a eni também se juntou ao Índice de Liderança e desempenho do carbono em 212 como a única empresa do sector de energia. Desde 21 a eni vem apostando na contracção de jovens talentos em várias disciplinas em todo o mundo. O artista Agostinho José (Piranha), representou na capa da brochura o tema energia e sustentabilidade, que junto a outros símbolos característicos do seu País, demonstram a rica identidade cultural de Angola. actividades da eni exploração & produção A eni explora, desenvolve e produz petróleo e gás natural, principalmente na Itália, Noruega, África do Norte e Ocidental, Norte Mar, Estados Unidos, América Latina, Austrália e em áreas de alto potencial, como Moçambique, o Mar Cáspio, o Médio e Extremo Oriente, Quénia, Libéria, Vietnam, Chipre e Rússia. Em 212, a produção média de hidrocarbonetos atingiu um nível de 1.71 mil boe/dia. Em Dezembro de 212 foi provado que as reservas líquidas foram de 7,17 bilhões de boe. gás & energia A eni actua no fornecimento de gás natural, regaseificação, transporte, comercialização e marketing, geração de energia e venda de energia eléctrica. Em 212, as vendas totais somaram 95,2 bilhões de metros cúbicos de gás natural e 2,58 terawatt/hrs de electricidade. refinação & distribuição A eni actua no refino de derivados de petróleo e de marketing, principalmente na Itália e na Europa. Com a marca eni/agip, é a líder no mercado italiano no sector da distribuição. Em 212, as vendas na Europa de produtos refinados totalizaram em 1,87 milhões de toneladas. No mesmo período, throughputs foram de,1 milhões de toneladas. engenharia & construção saipem (2,9% detida pela eni) é uma empresa líder no fornecimento de engenharia, compras, gestão de projectos e serviços de construção para a indústria de petróleo e gás, com capacidades únicas na concepção e execução de grandes projectos offshore e onshore. A saipem tem uma vasta experiência em operar no convencional e em águas profundas, bem como em zonas remotas. Até ao final de Dezembro de 212 a Carteira de pedidos totalizou um valor de milhões. produtos químicos versalis (eni 1%) actua na produção e na comercialização de uma ampla gama de produtos químicos e mantém uma quota de mercado significativa na Europa, onde tem plantas state-of-the-art, todas equipadas com tecnologia inovadora. Dispõe também de uma eficiente rede de distribuição em todo o mundo. Em 212 a produção foi de 6.9 kt. comércio A eni opera em comodidade integrada de gestão de risco, fornecimento, transporte e actividades comerciais garantidos por activos. Através da optimização das unidades de negócios e comércio e da sua subsidiária eni trading & shipping (ets), a eni tem como alvo a gama completa de produtos energéticos, tais como petróleos, produtos refinados, gás natural, energia e produtos ambientais. Em 212 ets negociou mais de 6 Mboe de crude e seus produtos e mais do que 1 BCM de gás. eni spa Piazzale Enrico Mattei, 1 1 Rome - Italy Ph.: ; Fax: eni.com eni angola Avenida Lenine, 58 Luanda - Angola P.O. box 1289 Luanda - Angola Ph.: ; Fax: eni.com

A Regulação no Sector dos Petróleos

A Regulação no Sector dos Petróleos 1 A Qualidade da Regulação da Energia e dos Serviços nos Países de Língua Oficial Portuguesa A Regulação no Sector dos Petróleos Programa de Desenvolvimento do Gás em Angola Maio 2013 Agenda 2 1. Introdução

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia

Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia Hidrocarbonetos nos mares da lusofonia José Eduardo Sequeira Nunes Chefe do Gabinete da Presidência Lisboa, 29 de outubro de 2013 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Subida do

Leia mais

A Economia das Línguas Portuguesa e Espanhola

A Economia das Línguas Portuguesa e Espanhola A Economia das Línguas Portuguesa e Espanhola Perspectivas Empresariais Instituto Camões João Pedro Brito - Administrador 19 de Maio de 2011 1. Galp Energia no Mundo 2. Península Ibérica 3. África 4. E&P

Leia mais

PIPELINE DE RECEPÇÃO DE GÁS PRONTO EM ABRIL

PIPELINE DE RECEPÇÃO DE GÁS PRONTO EM ABRIL Notícias, 20 de Fevereiro de 2012_2ª feira PIPELINE DE RECEPÇÃO DE GÁS PRONTO EM ABRIL O projecto de construção de um pipeline para a recepção de gás doméstico a partir do Porto de Maputo deverá estar

Leia mais

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012

Manuel Ferreira De Oliveira. Presidente Executivo 05/06/2012 Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo 05/06/2012 Responder às PME Como está organizada a Galp? Qual a estratégia? Onde vai crescer? Quais os investimentos previstos? Em que mercados? Quais as

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios. Waldyr Martins Barroso Diretor

Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios. Waldyr Martins Barroso Diretor Tendências do Petróleo e Gás na América Latina: Desafios Waldyr Martins Barroso Diretor Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015 Sumário Alterações nas Variáveis da Indústria de Petróleo e Gás América Latina

Leia mais

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018

Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 Plano Estratégico Petrobras 2030 e Plano de Negócios e Gestão 2014 2018 A Petrobras comunica que seu Conselho de Administração aprovou o Plano Estratégico Petrobras 2030 (PE 2030) e o Plano de Negócios

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

COMUNICADO DE IMPRENSA

COMUNICADO DE IMPRENSA COMUNICADO DE IMPRENSA RESULTADOS DO 5 º CONCURSO DE CONCESSÃO DE ÁREAS PARA PESQUISA E PRODUÇÃO DE HIDROCARBONETOS O Instituto Nacional de Petróleo, tem o ensejo de anunciar os resultados do 5º Concurso

Leia mais

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009

Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 Nota à Imprensa 11 de maio de 2009 Lucro líquido de R$ 5 bilhões 816 milhões no 1º trimestre de 2009 O preço médio do barril do petróleo tipo Brent caiu 55%, passando de US$ 97 no 1º trimestre de 2008

Leia mais

A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2012 bp.com/sustainability. Construindo uma BP mais forte, mais segura

A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2012 bp.com/sustainability. Construindo uma BP mais forte, mais segura A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2012 bp.com/sustainability Construindo uma BP mais forte, mais segura Sobre o nosso relatório Este relatório cobre as actividades da BP Angola, focando-se

Leia mais

1º Trimestre de 2014. Apresentação de Resultados

1º Trimestre de 2014. Apresentação de Resultados 1º Trimestre de 2014 Apresentação de Resultados Disclaimer Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações e às atividades

Leia mais

ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA

ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA PROMINP - 2o WORKSHOP NACIONAL ATUAÇÃO INTERNACIONAL DA PETROBRAS E AS OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA ÁREA DE NEGÓCIO INTERNACIONAL Cláudio Castejon Vitória, 28 de outubro de 2004 O portfolio

Leia mais

NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO

NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO NOVO REGIME DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SECTOR PETROLÍFERO A Lei n.º 28/11, de 01.09., estabelece as bases gerais de organização e funcionamento aplicáveis às seguintes atividades: (i) refinação

Leia mais

Relatório de Gestão e Contas

Relatório de Gestão e Contas 2013 Relatório de Gestão e Contas Sonangol E.P Março 2014 0 Relatório de Gestão Anual 2013 ÍNDICE GERAL RESUMIDO 1 MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO... 6 2 MODELO DE NEGÓCIOS... 9 3 ENQUADRAMENTO

Leia mais

FÓRUM REGIONAL ESPÍRITO SANTO

FÓRUM REGIONAL ESPÍRITO SANTO FÓRUM REGIONAL ESPÍRITO SANTO PLANO ESTRATÉGICO 2015 Missão Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados nacional

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil

Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Perspectivas para o Setor de petróleo e gás natural no Brasil Comissão de Minas e Energia Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio Câmara dos Deputados João Carlos de Luca Presidente

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015

RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 1 27 Abril, 2015 RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE 2015 Operador integrado de energia focado na exploração e produção DISCLAIMER 2 Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Hypercluster do mar. Setembro 2009

Hypercluster do mar. Setembro 2009 Hypercluster do mar Setembro 2009 Hypercluster do mar Segurança Marítima Projecto MarBIS Fórum cientifico e tecnológico Considerações finais 2 Hypercluster do mar Parcerias com empresas petrolíferas com

Leia mais

A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2010

A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2010 A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2010 bp.com/countrysustainabilityreports 2 Introdução da Direcção 3 Criação de valor a longo prazo 6 As nossas operações e os nossos trabalhadores 16 Segurança

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA CAMADA PRÉ-SAL NO PLANEJAMENTO ENERGÉTICO NACIONAL SEMINÁRIO PRÉ-SAL E A NOVA LEI DO PETRÓLEO - DESAFIOS E POSSIBILIDADES Mauricio T. Tolmasquim Presidente Empresa de Pesquisa Energética

Leia mais

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0

Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Patrocínio ENERGIA EM ANGOLA R E L A T Ó R I O 2 0 1 0 Cap 1: Energia e Macroeconomia ANGOLA-Petróleo e macroeconomia (milhões de USD, salvo indicação em contrário) 2006 2007 2008 2009 Vendas líquidas

Leia mais

Imagem da menina. Siemens Angola 2014. Page 1. RC Angola. Siemens SA 2014 All rights reserved.

Imagem da menina. Siemens Angola 2014. Page 1. RC Angola. Siemens SA 2014 All rights reserved. Imagem da menina Siemens Angola 2014 Page 1 Restricted Siemens SA Siemens 2014 All SA rights 2014 reserved. All rights reserved. Siemens no mundo Vendas por Sector Vendas por Região Saúde 18% 23% Infraestruturas

Leia mais

Novo Marco Regulatório. Pré-sal e áreas estratégicas

Novo Marco Regulatório. Pré-sal e áreas estratégicas Novo Marco Regulatório Pré-sal e áreas estratégicas 1 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-SAL PARA O BRASIL E BRASILEIROS 2 O QUE É O PRÉ-SAL Grandes reservatórios de petróleo e gás natural Situados entre 5.000 e 7.000

Leia mais

Entenda o que é a camada pré-sal

Entenda o que é a camada pré-sal Adaptado por RH para o Site do GDPAPE Grupo em Defesa dos Participantes da Petros Tupi Bem-Te-Vi Carioca Júpiter - Iara 02/09/2008-11h48 da Folha Online Entenda o que é a camada pré-sal A chamada camada

Leia mais

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras

Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Desenvolvimento de Competências Alinhadas com as Estratégias Empresariais: O caso Petrobras Sumário A Petrobras Os Desafios O Alinhamento Estratégico - Gestão por Competências - A Concepção da Universidade

Leia mais

Oportunidades de Investimento

Oportunidades de Investimento República de Angola Ministério da Energia e Águas Oportunidades de Investimento Fevereiro 2014 MINEA Oportunidades de Investimento 0 Agenda 1 Angola País em Desenvolvimento 2 Dinâmicas da Indústria de

Leia mais

Ana Maria Dias Aluna da Licenciatura em Geografia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa E-mail: anamar_dias@sapo.pt

Ana Maria Dias Aluna da Licenciatura em Geografia Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa E-mail: anamar_dias@sapo.pt 1 São Tomé e Príncipe e o Ouro Negro Resumo da conferência proferida pelo Doutor Gerhard Seibert na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (11 de Maio de 2007)? Ana Maria Dias Aluna da Licenciatura

Leia mais

MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO A QGEP Participações iniciou o ano de 2011 com uma sólida posição financeira. Concluímos com sucesso a nossa oferta pública inicial de ações em fevereiro, com uma captação líquida

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010

PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 PLANO ESTRATÉGICO PETROBRAS 2015 PLANO DE NEGÓCIOS 2006-2010 MISSÃO Atuar de forma segura e rentável, com responsabilidade social e ambiental, nas atividades da indústria de óleo, gás e energia, nos mercados

Leia mais

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1

1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 Tema de Pesquisa: Internacional 07 de Dezembro de 2012 Revista de Imprensa 07-12-2012 1. (PT) - Diário Económico, 07/12/2012, Portuguesa Gesto Energy ganha planeamento energético de Angola 1 2. (PT) -

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria

Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria Conselho de Administração do EEP e acionistas em dois momentos. No alto, em encontro com o Sr. Norberto Odebrecht durante a oficialização de parceria tecnológica com a Kawasaki na sede da Odebrecht S.A.

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS GALP ENERGIA

RELATÓRIO & CONTAS GALP ENERGIA RELATÓRIO & CONTAS GALP ENERGIA 2009 GALP ENERGIA RELATÓRIO & CONTAS 2009 A Galp Energia é um operador integrado de energia, presente em todas as etapas da cadeia de valor do petróleo, gás natural e com

Leia mais

Informação à comunicação social

Informação à comunicação social Galp Energia - Capital Markets Day 2014 Um operador integrado de energia com foco em exploração e produção A Galp Energia apresenta hoje em Londres, no âmbito do seu Capital Markets Day 2014, a atualização

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017

Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios e Gestão 2013-2017 Rio de Janeiro, 15 de março de 2013 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS

COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP 2013 COMMUNICATION ON PROGRESS PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS 2003 É criada a G-COMEX ÓLEO & GÁS com o objetivo de prover soluções logísticas sob medida para o mercado de óleo, gás, energia e indústria

Leia mais

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012

O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas. Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 O panorama da energia e as suas implicações na estratégia das empresas Manuel Ferreira De Oliveira Presidente Executivo AESE 17 de Maio de 2012 Macro-tendências 1 Compromisso Global com temáticas relacionadas

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

Catarina Mendes Leal. Magrebe, Islamismo. e a relação energética de Portugal

Catarina Mendes Leal. Magrebe, Islamismo. e a relação energética de Portugal Catarina Mendes Leal Magrebe, Islamismo e a relação energética de Portugal 5 Índice Índice de Caixas... 7 Índice de Figuras... 9 Índice de Tabelas... 13 Resumo... 17 (Parte da Obra publicada em Livro)

Leia mais

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas

A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A Agência de Tecnologia da República Checa e os seus programas A CRIAÇÃO E O LANÇAMENTO DAS ACTIVIDADES DA TA CR A fundação da Agência de Tecnologia da República Checa (adiante designada TA CR ) foi um

Leia mais

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS?

O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O SEU PROJECTO É ELEGÍVEL PARA ESTES INCENTIVOS? O ISQ e a ASK querem ajudar empreendedores e empresários à procura de financiamento a obterem o apoio de que necessitam para lançar ou desenvolver os seus

Leia mais

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação

Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação Pré-sal, Desenvolvimento Industrial e Inovação André Tosi Furtado Departamento de Política Científica e Tecnológica Instituto de Geociências UNICAMP VIII Congresso Brasileiro de Planejamento Energético

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade

COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca. Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade COLÉGIO SALESIANO SÃO JOSÉ Geografia 9º Ano Prof.º Daniel Fonseca Produção energética no Brasil: Etanol, Petróleo e Hidreletricidade Etanol A produção de álcool combustível como fonte de energia deve-se

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais

Bem vindos. Desafio de Angola

Bem vindos. Desafio de Angola Bem vindos Desafio de Angola República de Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte e a nordeste pela República Democrática do Congo, a leste pela Zâmbia,

Leia mais

Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira

Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira Exploração de Petróleo e Gás em águas profundas e áreas de fronteira Manuel Ferreira De Oliveira 9 de julho de 2014 Operador integrado de energia focado na exploração e produção Maior desafio do século

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL

MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL COMISSÃO MISTA PERMANENTE SOBRE MUDANÇAS CLIMÁTICAS SENADO FEDERAL MITIGAÇÃO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NA PETROBRAS E NO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DO POLO PRÉ-SAL Beatriz Nassur Espinosa

Leia mais

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo

O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo O Pré-Sal Brasileiro: Relevância para o Brasil e para o Mundo Sylvie D Apote, Sócia-Diretora, 7mo. CONGRESO INTERNACIONAL BOLIVIA GAS & ENERGÍA 2014 Santa Cruz de la Sierra, 20-21 Agosto 2014 AGENDA O

Leia mais

9 Meses de 2014. Apresentação de Resultados

9 Meses de 2014. Apresentação de Resultados 9 Meses de 2014 Apresentação de Resultados Disclaimer Esta apresentação contém declarações prospetivas ( forward looking statements ), no que diz respeito aos resultados das operações e às atividades da

Leia mais

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040

2012 - Panorama Energético: Perspectivas para 2040 212 - Panorama Energético: Perspectivas para Índice Fundamentos globais 2 Residencial/comercial 3 Transportes 4 Industrial 5 Geração de eletricidade 6 Emissões 7 Fornecimento e tecnologia 8 Conclusão 9

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA

A ENERGIA SOLAR NA UNIVERSIDADE DE ÉVORA O PANORAMA MUNDIAL DA ENERGIA WORLD ENERGY OUTLOOK 2011 IEA SOLAR ENERGY PERSPECTIVES 2011 IEA O PROGRAMA DA UNIVERSIDADE DE ÉVORA PARA AS ENERGIAS RENOVÁVEIS INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ENSINO MESTRADO

Leia mais

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014

NAGI PG. As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado. Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 NAGI PG NÚCLEO DE APOIO À GESTÃO DA INOVAÇÃO NA CADEIA DE PETRÓLEO E GÁS As Oportunidades do Pré-sal: Como minha indústria pode participar deste mercado Eng. Virgilio Calças Filho Sorocaba 27/02/2014 Em

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico

Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico Oi e Portugal Telecom formalizam parceria e investimento estratégico A parceria prevê capitalização da empresa brasileira em até R$ 12 bi, reduzindo alavancagem e ampliando capacidade de investimento,

Leia mais

EFES EMPREENDIMENTOS PORTFÓLIO

EFES EMPREENDIMENTOS PORTFÓLIO ÍNDICE APRESENTAÇÃO EMPRESA MENSAGEM DO ADMINISTRADOR 3 URBANIZAÇÃO RUSSINHA LUANDA, ANGOLA 4 EMPREENDIMENTO BOM SOSSEGO I LUANDA, ANGOLA 5 EMPREENDIMENTO BOM SOSSEGO II LUANDA, ANGOLA 6 URBANIZAÇÃO F&M

Leia mais

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional

A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ. CAMPUS 2014 Brésil Internacional A INDÚSTRIA DE PETRÓLEO & GÁS NO ESTADO DO RJ CAMPUS 2014 Brésil Internacional Agenda PetróleoeGásNaturalnoBrasileRiodeJaneiro Situação da Indústria Naval Sistema FIRJAN: Soluções para Indústria de P&G

Leia mais

Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil

Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil Pré-Sal O petróleo que pode mudar o Brasil Tarsila do Amaral (Carnaval em Madureira -1924) Cândido Protinari (Samba, óleo sobre tela.1956) Mar O Pré-Sal é Leito oceânico uma dádiva de Deus Arte Petrobras

Leia mais

PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado Depósito Energia BIC Mercado de Capitais Março de 2015

PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado Depósito Energia BIC Mercado de Capitais Março de 2015 PROSPETO INFORMATIVO Depósito Indexado Depósito Energia BIC Mercado de Capitais Março de 2015 Designação Classificação Caracterização do produto Garantia de capital Garantia de remuneração Depósito Energia

Leia mais

Programa Temático 2053 Petróleo e Gás

Programa Temático 2053 Petróleo e Gás Programa Temático 2053 Petróleo e Gás Objetivo 0057 Implantar sistemas coordenados de exploração, produção e processamento de petróleo e gás natural, em terra e mar, com conteúdo local, bem como de transporte

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

ATIVIDADES EM PETRÓLEO E GÁS

ATIVIDADES EM PETRÓLEO E GÁS ATIVIDADES EM PETRÓLEO E GÁS ÍNDICE 1. Jakob Thomasen - Bem-vindo à Maersk Oil 6. Uma empresa independente de petróleo e gás 8. Atividades em Petróleo e Gás 10. Produção 12. Exploração 14. Nosso pessoal

Leia mais

B) GENERAL HÉLDER MANUEL VIEIRA DIAS JÚNIOR Kopelipa, Ministro de

B) GENERAL HÉLDER MANUEL VIEIRA DIAS JÚNIOR Kopelipa, Ministro de À PROCURADORIA- GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA RUA 17 DE SETEMBRO, CIDADE ALTA LUANDA DIGNÍSSIMO PROCURADOR- GERAL DA REPÚBLICA GENERAL JOÃO MARIA MOREIRA DE SOUSA Rafael Marques de Morais, [dados pessoais

Leia mais

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO

OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO OPORTUNIDADES NO ESPÍRITO SANTO Seminário A competitividade do comércio exterior capixaba: infraestrutura logística e controle aduaneiro Cristina Vellozo Santos Subsecretária de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

OSX Apresentação Institucional. Agosto, 2011

OSX Apresentação Institucional. Agosto, 2011 OSX Apresentação Institucional Agosto, 20 Estrutura da OSX Estrutura Organizacional 78,9%* Free Float 2,% Holding Provedor de equipamentos e serviços integrados para exploração e produção de petróleo e

Leia mais

O consultor deverá fornecer respostas às seguintes perguntas: 2. OBJECTIVO 3. ÂMBITO DO TRABALHO

O consultor deverá fornecer respostas às seguintes perguntas: 2. OBJECTIVO 3. ÂMBITO DO TRABALHO TERMOS DE REFERÊNCIA DE UM ESTUDO PARA O ACONSELHAMENTO RELATIVO A POSSÍVEIS FORMAS DE MELHORAR AS CAPACIDADES DE AS PME S MOÇAMBICANAS SE INTEGRAREM EFECTIVAMENTE NA CADEIA DE VALOR DO PETRÓLEO E GÁS

Leia mais

Painel Inovação Aberta Colaborativa. Inovação na Petrobras

Painel Inovação Aberta Colaborativa. Inovação na Petrobras Painel Inovação Aberta Colaborativa Inovação na Petrobras São Paulo, 23 de agosto de 2012 Maria Cristina Espinheira Saba Gerente de Estratégia Tecnológica do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (PETROBRAS/CENPES)

Leia mais

Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola

Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola Cambambe I Uma parceria para fornecer energia a Angola II A Voith apoia plenamente Angola e o seu povo no processo de reconstrução após três décadas de guerra civil. Temos dado a nossa contribuição nos

Leia mais

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO

UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO UNIDADE OFFSHORE TECHINT - UOT TECNOLOGIA COM CONTEÚDO LOCAL COMPETITIVO 1 2 _ 22.000 COLABORADORES _ 70.000 KM DE DUTOS (18 DOS QUAIS CRUZAM A CORDILHEIRA DOS ANDES) _ 450 PLANTAS DE PROCESSAMENTO DE

Leia mais

ACADEMIA DE CIÊNCIAS DE LISBOA

ACADEMIA DE CIÊNCIAS DE LISBOA SECÇÃO DE ECONOMIA COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS NA CPLP Alves da Rocha Professor Titular da Universidade Católica de Angola Sócio Correspondente da Academia de Ciências de Lisboa Lisboa 25 de Fevereiro de 2015

Leia mais

1. Informações Institucionais

1. Informações Institucionais 1. Informações Institucionais Nossa Empresa Líder mundial em eventos de negócios e consumo, a Reed Exhibitions atua na criação de contatos, conteúdo e comunidades com o poder de transformar negócios Números

Leia mais

Projetos Internacionais

Projetos Internacionais Projetos Internacionais Projetos Nacionais de Desenvolvimento Nacional de Água (I e II) - Banco Mundial (IDA) Cerca de 130 milhões USD (1998-2007) para a produção de água em zonas rurais e urbanas e para

Leia mais

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 FATO RELEVANTE MPX e E.ON Formam Joint Venture para Promover Crescimento no Brasil -- E.ON alcançará 10% de participação na

Leia mais

Reflexões sobre Conteúdo Local & Áreas de Oportunidade Maputo - Fev 2014. Company of ENH, EP Group

Reflexões sobre Conteúdo Local & Áreas de Oportunidade Maputo - Fev 2014. Company of ENH, EP Group Reflexões sobre Conteúdo Local & Áreas de Oportunidade Maputo - Fev 2014 Company of ENH, EP Group Agenda 1 ENH Logistics 2 Áreas de Oportunidade 3 Reflexões sobre Conteúdo Local 2 ENH Logistics ENH Logistics

Leia mais

GUIÃO PARA REDUÇÃO E CONTENÇÃO DE CUSTOS NO TRIÉNIO 2015-2017

GUIÃO PARA REDUÇÃO E CONTENÇÃO DE CUSTOS NO TRIÉNIO 2015-2017 GUIÃO PARA REDUÇÃO E CONTENÇÃO DE CUSTOS NO TRIÉNIO 2015-2017 1 I - Enquadramento A instabilidade vigente no mercado petrolífero resultou na queda do preço do barril de petróleo (Brent) em USD 24, no período

Leia mais

A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2008. bp.com/countrysustainabilityreports

A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2008. bp.com/countrysustainabilityreports A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2008 bp.com/countrysustainabilityreports A BP em Angola Relatório de Sustentabilidade de 2008 Índice 03 Mensagens da Direcção 04 Objectivos atingidos e desafios

Leia mais

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA S160/06 UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA Documento da Comissão e do SG/AR para o Conselho Europeu FAZER FACE AOS RISCOS EXTERNOS NO DOMÍNIO DA ENERGIA A UE

Leia mais

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Na PepsiCo, Performance com Propósito significa gerar crescimento sustentável através do investimento em

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

Inovação Aberta na Petrobras

Inovação Aberta na Petrobras Inovação Aberta na Petrobras Open Innovation Seminar São Paulo, 12 de Novembro de 2012 Maria Cristina Espinheira Saba Gerente de Estratégia Tecnológica Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (CENPES) Motivadores

Leia mais

DIVISÃO OFFSHORE. www.southeyoffshore.com

DIVISÃO OFFSHORE. www.southeyoffshore.com www.southeyoffshore.com PERFIL DA COMPANHIA A Divisão Offshore da Southey oferece serviços especializados de acesso, inspecção e manutenção aos sectores do petróleo, gás e exploração mineira na África

Leia mais

VIII JORNADA DE SEGURANÇA EMPRESARIAL DO SISTEMA PETROBRAS 2009 PETROBRAS/GAPRE/SE

VIII JORNADA DE SEGURANÇA EMPRESARIAL DO SISTEMA PETROBRAS 2009 PETROBRAS/GAPRE/SE VIII JORNADA DE SEGURANÇA EMPRESARIAL DO SISTEMA PETROBRAS 2009 PETROBRAS/GAPRE/SE VISÃO ESTRATÉGICA PARA PROTEÇÃO EMPRESARIAL DOS ATIVOS CRÍTICOS DO PRÉ-SAL Mauro Yuji Hayashi PETROBRAS/E&P-PRESAL/PLAN

Leia mais

A PPSA e o Modelo de Governança do Consórcio do Campo de Libra no Pré-Sal

A PPSA e o Modelo de Governança do Consórcio do Campo de Libra no Pré-Sal 1º Fórum Latino Americano sobre Governança, Riscos & Compliance no Setor de Petróleo e Gás A PPSA e o Modelo de Governança do Consórcio do Campo de Libra no Pré-Sal Renato M. Darros de Matos Pré Sal Petróleo

Leia mais

Resolver os principais desafios de engenharia do mundo.

Resolver os principais desafios de engenharia do mundo. 10% Sede global Parker Hannifin Corporation 6035 Parkland Boulevard Cleveland, Ohio 44124-4141 216 896 3000 Sede na EMEA Parker Hannifin Europe Sàrl La Tuilière 6 - CH-1163 Etoy, Suíça 41 0 21 821 85 00

Leia mais

BP em Angola. Relatório de Sustentabilidade 2006

BP em Angola. Relatório de Sustentabilidade 2006 BP em Angola Relatório de Sustentabilidade 2006 O Grupo BP A BP fornece combustível a partir do petróleo, gás e outras fontes com baixo teor de carbono, para transportes, energia, aquecimento, iluminação,

Leia mais

Ebitda consolidado do grupo totalizou 844 milhões numa base replacement cost ajustada (RCA).

Ebitda consolidado do grupo totalizou 844 milhões numa base replacement cost ajustada (RCA). RESULTADOS DO 1º SEMESTRE DE 2015 Duplicação da produção no Brasil e investimento nas refinarias impulsionam resultado líquido para 310 milhões Produção total (working interest) de petróleo e gás natural

Leia mais