LogWeb. Fulguris: Liderança de mercado em baterias industriais. Tels.:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LogWeb. Fulguris: Liderança de mercado em baterias industriais. www.fulguris.com.br e-mail: gt@fulguris.com.br Tels.: 11 6412-1922 6413-5605"

Transcrição

1 J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 4 J U N H O R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme Publicitário Fulguris: Lideraça de mercado em baterias idustriais R. Barão de Peedo, 450 Cumbica Guarulhos SP CEP Av. Satos Dumot, Cumbica Guarulhos SP CEP Tels.:

2

3 J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 4 J U N H O R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A O Joral Mudou (veja a pág. 15) Natura e Rapidão Cometa fazem parceria em Perambuco (Págia 3) Retrak e Haulotte uem empilhadeira e plataforma (Págia 9) ABC Itegrated Logistics completa uma década (Págia 14) EMPILHADEIRAS Treiameto é fudametal Afial, a empilhadeira mal coduzida pode represetar riscos à seguraça operacioal, além de problemas de avaria dos produtos trasportados, cosumo excessivo de combustível e outros. (Págia 4) SALAS DE BATERIAS Costruir e mater requerem cuidados especiais Para que as salas de baterias atedam às ecessidades de mater a produtividade permitido que os veículos idustriais elétricos operem sem paradas algus cuidados devem ser tomados. (Págia 10) PLATAFORMAS NIVELADORAS DE DOCA Garatia de seguraça a carga e descarga Com o uso destas plataformas, evita-se acidetes com a queda das mercadorias trasportadas e reduz-se o custo da operação de carga e descarga, aumetado a produtividade. (Págia 20) Foto: Stock.xchg OPERADORES LOGÍSTICOS AS ATRIBUIÇÕES VÃO MUITO ALÉM DO TRANSPORTE (Págia 24) COMÉRCIO EXTERIOR É PRECISO UMA MEXIDA GERAL PARA MELHORAR (Págia 30) LOGÍSTICA SETORIZADA AS EXIGÊNCIAS DA LOGÍSTICA FARMACÊUTICA (Págia 34) Multimodal

4 4 Palavra do Leitor TRANSPORTE HIDROVIÁRIO NO BRASIL O modal hidroviário é uma solução logística de trasporte viável para a ecoomia brasileira, e que efreta algumas dificuldades de expasão e exploração por falta de estrutura e ivestimeto o setor. Sabemos que a bacia fluvial brasileira é bastate extesa, que precisa ser mais aproveitada, podedo vir a ser um facilitador para suprir as deficiêcias do modal rodoviário. Isto também se aplica aos portos, ode temos estruturas precárias, algus avios de grade porte ão atracam em determiados portos, iclusive o porto de Salvador, faltam ivestimetos em equipametos de movimetação de carga e cotêieres, poucos armazés devidamete estruturados, operadores portuários e termiais operado o limite máximo em seus pátios para cotêieres, etc. Mas ão podemos perder a esperaça, o papel do trasporte o desevolvimeto da ecoomia é de grade importâcia. Quado ão existe um bom sistema de trasporte, as extesões de mercado ficam limitadas, elevado os custos de produção e impactado diretamete os preços. Etretato, com melhores íveis de serviços, os custos ficam mais competitivos, gerado uma maior competição. À medida que os serviços de trasportes com custos meores vão se dispoibilizado, a estrutura ecoômica começa a assemelhar-se à de uma ecoomia desevolvida, ou seja, cotribui para o aumeto da competitividade o mercado, garatido meores preços dos produtos. Wedel Leal Coordeador de Operações - EADI Salvador Logística e Distribuição Evie suas opiiões, sugestões e críticas para o joral :

5 5 Editorial EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DIVERSOS D iversos equipametos e serviços pertietes ao setor são destacados este úmero do joral, a forma de grades reportages. Por exemplo, o que se refere a equipametos, temos como destaques as empilhadeiras cujo efoque da reportagem é o treiameto dos operadores; as salas de baterias, ressaltado ites como os cuidados especiais a hora de costruir e mater, além da mauteção das baterias e dos carregadores de baterias; e as plataformas iveladores de doca, ode são abordados os tipos, os problemas gerados pela falta de uso destes equipametos e os aspectos legais relacioados ao uso. No caso dos serviços, são três as matérias especiais. A primeira está focada as atribuições dos operadores logísticos. A seguda, voltada para o comércio exterior, aalisa os problemas logísticos a área e os efeitos da ampliação do comércio com mercados ão tradicioais e das visitas de autoridades estrageiras a ampliação do mercado extero para o Brasil. A última evolve a logística farmacêutica: os problemas efretados para a cotratação de frete por parte da idústria farmacêutica, as obrigações e exigêcias em relação ao trasporte e mauseio destes produtos. Como os ossos leitores fiéis podem costatar, a cada edição buscamos apresetar sempre assutos ovos, por mais abragete que seja o segmeto de logística. E aproveitamos para também covidar estes mesmos leitores a eviarem sugestões de temas a serem abordados, a idicarem cases e também a fazerem críticas às ossas abordages. Como sempre destacamos, o joral é feito para e com os ossos leitores. Waderley G. Goçalves Editor CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO Natura e Rapidão Cometa fazem parceria em Perambuco ANatura empresa do setor de cosméticos e produtos de higiee e de perfumaria acaba de expadir seu processo logístico para o Nordeste e iaugurar um Cetro de Distribuição em Jaboatão dos Guararapes, PE, para ateder o Recife, a Região Metropolitaa e parte do iterior de Perambuco. O resposável pela operação do ovo espaço, desde o trasporte diário de produtos da fábrica em Cajamar, SP, para Perambuco, até a separação e etrega dos pedidos das cosultoras do Estado, é o provedor de solução logística Rapidão Cometa (Foe: ). Para o vice-presidete da operação Brasil, Maurício Bellora, a istalação do CD marca a cotiuação do projeto de expasão da logística da Natura. Estamos descetralizado a logística da empresa em busca da melhoria dos serviços prestados e da redução o prazo de etrega dos ossos produtos às cosultoras, explica. Este é o segudo CD da empresa fora de São Paulo. O primeiro foi iaugurado em outubro último, em Matias Barbosa, MG, também para ateder o Nordeste. Com a iauguração do ovo espaço em Perambuco que opera com uma equipe de mais de 80 fucioários, em m 2 de área, e tem capacidade para Américo Filho, do Rapidão Cometa: ovo CD gera emprego e desevolvimeto ecoômico para Perambuco 120 caixas por hora o cetro mieiro atederá os demais estados da Região. O projeto é mais uma iiciativa da Natura para estar aida mais próxima de seus cosumidores e auxiliar o desevolvimeto da comuidade local, ressalta Bellora. Américo Filho, diretor comercial do Rapidão Cometa, destaca que essa é uma parceria de mais de quatro aos com apeas o trabalho de trasporte de mercadoria. Depois do desafio de motar a uidade de Matias Barbosa, coseguimos juto ao Govero do Estado os icetivos para a istalação desse CD que, além de emprego, gera também desevolvimeto ecoômico para Perambuco, declara. FOTO: ARMANDO ARTONI Publicação mesal, especializada em logística, da Editora Ltda. Parte itegrate do portal Redação, Publicidade, Circulação e Admiistração: Rua dos Piheiros, cojuto São Paulo - SP Foe/Fax: Nextel: ID: 15*7582 Redação: Nextel: ID: 15*7949 Comercial: Nextel: ID: 15*7583 Editor (MTB/SP 12068) Waderley Goelli Goçalves Assistete de Redação Carol Goçalves Diagramação Fátima Rosa Pereira Marketig José Luíz Nammur Diretoria Executiva Valeria Lima Diretoria Comercial Deivid Roberto Satos Os artigos assiados e os aúcios ão expressam, ecessariamete, a opiião do joral. Assistete Comercial (Estagiária) Maui Nogueira Admiistração/Fiaças Luís Cláudio R. Ferreira Represetate Comercial: SP: Nivaldo Mazao Cel.: (11)

6 6 EMPILHADEIRAS Treiameto dos operadores é fudametal Afial, a empilhadeira mal coduzida pode represetar riscos à seguraça operacioal, além de problemas de avaria dos produtos trasportados, cosumo excessivo de combustível e outros. Dirigir uma empilhadeira requer ateção especial, mais aida que um simples veículo, cosiderado a visibilidade, as características da máquia e a carga trasportada. Por isso, o treiameto dos operadores das empilhadeiras é fudametal, avalizam vários profissioais do setor etrevistados pelo joral. Por exemplo, Jea Robso Baptista, da Empicamp Comércio e Serviços de Empilhadeiras (Foe: ), diz que são vários os fatores que defiem a importâcia do treiameto de operadores. Em miha opiião, os pricipais são ateder à legislação vigete e coscietizar os operadores sobre a importâcia da seguraça. Por sua vez, o gerete de pósvedas da Lide Empilhadeiras (Foe: ), Luiz Claudio Citra Socii, cosidera que um operador bem treiado saberá tirar melhor proveito das características do equipameto que opera, além de estar preparado para mauseá-lo de forma segura, evitado, assim, custos com daos ou perda da carga ou até, em algus casos, ôus trabalhistas. Sedo assim cotiua Geralmete, o cliete solicita o treiameto a aquisição de equipametos ovos Socii é iaceitável que um colaborador seja desigado a operar uma empilhadeira sem que teha sido treiado adequadamete. Além disso, a empresa tem por obrigação idetificar a ecessidade de reciclar este treiameto para cada um de sua equipe. Neste poto, creio que uma reciclagem pelo meos aual seja ideal, completa o gerete de pós-veda da Lide. Outro que apota a importâcia do treiameto é Reato Deze Area, egeheiro de assistêcia técica sêior da Nacco Materials Hadlig Group Brasil (Foe: ). O treiameto dos operadores de empilhadeiras é um item extremamete importate para a NMHG Brasil, como fabricate de empilhadeiras, e deve ser cosiderado como prioritário, a área de movimetação de materiais, em qualquer empresa. Operadores treiados para operar correta e adequadamete seus equipametos coseguem o máximo redimeto, além de propiciar uma grade ecoomia, ao aalisarmos os custos de operação e mauteção dos mesmos. Isto ocorre porque operadores treiados recebem istruções básicas sobre capacidade residual, estabilidade e utilização de acessórios. Aida de acordo com Area, a ecessidade de treiameto cotíuo é baseada o fato de os equipametos de movimetação e armazeagem evoluírem rapidamete, assim, o treiameto busca evitar que vícios de operação, adquiridos em equipametos atigos, possam prejudicar o redimeto operacioal, explica o egeheiro. Valetim Maia, supervisor técico da Retrak (Foe: 11 Falta de treiameto também provoca o uso idevido das fuções da máquia, aumetado o custo de mauteção ), diz que o treiameto de operadores de empilhadeiras deve visar sempre a valorização e o desevolvimeto técico-profissioal, buscado seu cohecimeto do sistema logístico implatado e ferrametas dispoíveis, respeitado e praticado todas as ormas de seguraça existetes e agregado as ecessárias para a operação do Cetro de Distribuição em questão. O treiameto de operadores, em regra geral, tem seu coteúdo voltado para a parte técica operacioal e o uso dos recursos das empilhadeiras. Também se faz ecessário agregar a este uma forte coscietização através de ações, palestras e campahas, diz Maia. Ele também cosidera importate o uso diário de ferrametas capazes de medir a eficácia das ações e propor ovas ações, se ecessárias. Temos vários tipos de treiametos, todos com dois focos: um que prioriza a empilhadeira e seus recursos e outro que prioriza a operação e suas ecessidades. Devemos priorizar a ecessidade específica do CD em questão, familiarizado os operadores com os recursos e as limitações das empilhadeiras dispoíveis para as ecessidades da operação, completa o supervisor da Retrak. Para Luiz Gallo, gerete comercial da Skam Empilhadeiras Elétricas (Foe: ), treiar operadores é um dever e um ato de seguraça. Sabemos que coscietizado os operadores de empilhadeiras muitos trastoros serão evitados. A seguraça as operações e o uso correto das máquias previem acidetes e que as máquias sejam mal utilizadas, cota. Aida de acordo com o gerete comercial da Skam, a reciclagem dos treiametos deve ser feita uma vez por ao em um período de um dia para relembrar os operadores das suas obrigações quato à seguraça, pois, a prática, eles sabem as fuções adequadas as maobras das empilhadeiras, mas o quesito seguraça todos precisam estar sempre coscietes dos perigos que podem icorrer quado se pratica bricadeiras ou disputas a bordo de uma empilhadeira. Marcos Tausedfreud, coordeador de egeharia de serviços da Still Brasil (Foe: ), iforma que a importâcia do treiameto do operador de uma empilhadeira deve ser vista por dois aspectos importates: a aplicação da NR11 Trasporte, Movimetação, Armazeagem e Mauseio de Materiais e a ecessidade de se cohecer o equipameto a ser utilizado. De acordo com ele, a ecessidade de um treiameto de forma oficial é imposta pela Norma, mas o procedimeto e os detalhes ão são ela trabalhados, permitido uma gama de iterpretações e formas de aplicação. Um treiameto de operação em equipametos de movimetação e armazeagem de material requer istrução sobre regras de seguraça de operação e do próprio equipameto, direção defesiva e, pricipalmete, o correto maejo da máquia. Hoje temos usuários para diversos tipos e modelos, que se classificam difereciadamete quato à técica costrutiva e quato à aplicação, e isso cofude muito o usuário quado este ão tem o preparo adequado. Tausedfreud também afirma que o mercado existem empresas de cursos para habilitação de operadores que, de maeira geral, efocam treiameto em equipametos cotrabalaçados a combustão. Estes treiametos servem como base para operação de equipametos elétricos, ode se ecessita uma adequação, que pode ser feita pelo fabricate ou serviço autorizado do equipameto. O primeiro treiameto pode ser feito por iiciativa do iteressado à fução/profissão de operador de empilhadeira ao cotatar a Still. Porém, a maioria dos casos, o cliete empresarial solicita o treiameto a Amaral, da Brasif: é comum a ocorrêcia de acidetes devido à falta de habilitação

7 Maia, da Retrak: treiameto deve visar a valorização e o desevolvimeto técicoprofissioal aquisição de equipametos ovos. A chamada reciclagem de treiameto ão é obrigatória, mas em muitos casos é aplicada o período de reavaliação médica aual, o chamado Exame Médico Periódico, completa o coordeador da Still. PROBLEMAS Sobre os problemas que podem ocorrer pela falta de treiameto dos operadores de empilhadeiras, José Reato da Costa Corrêa, supervisor retal da Bauko (Foe: ), alega que o mais crítico é o relacioado à seguraça operacioal, havedo aida os problemas de avaria dos produtos trasportados, cosumo excessivo de combustível, operação iadequada, gerado daos ao equipameto, baixa produtividade e outros. De fato, a opiião de Mauricio Amaral, diretor da Brasif Retal (Foe: ), um dos maiores problemas gerados evolve os acidetes. A Brasif Retal possui em sua frota mais de equipametos, todos com operação dos clietes. É comum a ocorrêcia de acidetes, quase sempre devido à falta de habilitação dos operadores, problema esse que a Brasif Retal vem combatedo através de um programa chamado Pegue leve com o equipameto pesado, que visa treiar e coscietizar os operadores para uma melhor utilização. Aida segudo Amaral, outras desvatages que a falta de treiameto provoca icluem, além dos já citados, o uso idevido de suas fuções, acarretado um maior custo de mauteção. Um operador sem treiameto pode gerar vários problemas para a operação, como acidetes com pedestres, tombametos, queda de carga, colisões, ritmo iadequado ao trabalho muito leto e daos precoces ao equipameto por uma operação, só para citar as mais importates, completa Fabiao Fagá, gerete de vedas da Clark (Foe: ). Durval Farias, diretor da Commat (Foe: ), também destaca que o pricipal problema com a falta de treiameto para cada tipo de empilhadeira e operação é a seguraça, além do custo que o mau uso causa por problemas com acidetes, quebras de estruturas, quebra de empilhadeiras e perda de peus. Na Commat, para ossos operadores terceirizados, procuramos apreder o que osso parceiro faz, qual a velocidade que ele precisa para dimesioar a frota e treiar ossos operadores, explica Farias. Dovílio Ferrari, vededor da Mapel - Mauteção, Peças, Empilhadeiras (Foe: ), lista os problemas em risco de acidetes com o próprio operador e com outras pessoas, queda da carga e até tombameto da empilhadeira. De acordo com ele, os problemas também estão ligados ao descohecimeto da capacidade de carga da empilhadeira, dos critérios de seguraça de operação e do 7 Treiameto em duas categorias 1. TREINAMENTO OPERACIONAL GENÉRICO Treiameto mais voltado para a seguraça Trata-se daquele treiameto em que o operador recebeu a capacitação para o serviço e que, segudo a legislação vigete, deverá ocorrer aualmete, em forma de reciclagem. Este treiameto provê ao operador as regras básicas de operação, habilitado-o a operar a empilhadeira com seguraça. Apesar de ser cosiderado básico, devido às codições que são apresetadas ao profissioal qualidade dos equipametos, ambiete de operação, pressão operacioal, bem como em fução do relaxameto do profissioal, deve também ser icasavelmete reciclado e rememorado, para que traga bos resultados. É comum ver operadores já experietes cometedo erros grosseiros de operação devido a diversas circustâcias, por vezes sem o seu cotrole, e em outros mometos por sua própria egligêcia. Tal treiameto deverá capacitar, de forma simples, o operador de empilhadeira a avaliar as codições da carga, bem como a sua habilitação pessoal e do equipameto de poder mauseá-la. Coceitos básicos de equilíbrio da carga, cetro de gravidade da carga, velocidade segura de operação, forma de operação frete ou ré, coforme as características da carga, codição e icliação do piso e visibilidade, procedimetos básicos de seguraça e os riscos ieretes da operação, que são bastate grades, devem ser sempre efatizados, para que sejam bem aculturados. 2. TREINAMENTO OPERACIONAL ESPECÍFICO Coteúdo focado o desempeho e produtividade É o treiameto em que o operador de empilhadeira, já capacitado para lidar com este tipo de equipameto e carga de forma segura, recebe a orietação específica da operação pela qual será resposável. Normalmete composto de um coteúdo que explica as características da carga a ser trasportada e, também, proporcioado o cohecimeto da área de atuação específica, o treiameto deverá capacitá-lo a desevolver suas atividades de forma mais produtiva. Prede-se muito a proporcioar o cohecimeto do fluxo dos materiais, bem como das diversas fases de produção do seu serviço seja ele ligado à maufatura ou à logística itera de recebimeto e expedição. Este treiameto deverá cotemplar, aida, aspectos particulares da operação a ser realizada, como descrição dos riscos específicos situação e locais de maior risco, explicitação das coseqüêcias de as atividades ão atigirem o desempeho esperado em produtividade em casos de operação just-i-time, por exemplo, assim como as ecessidades de cuidados com as cargas, dado-lhe a oção exata dos custos dos materiais trasportados, de forma a se exigir o cuidado específico para ão daificá-los. Fote: Tradimaq

8 8 sigificado de cetro de carga, o que poderá levar até a acidetes em caso de operação em rampas e plataformas. Também é preciso saber sempre se o local comporta o peso da carga mais o peso da empilhadeira. Luiz Alberto Souza de Jesus, istrutor/demostrador da Motiva Máquias (Foe: ), também apota o descohecimeto das ormas de seguraça a utilização das empilhadeiras e dos limites de capacidades das empilhadeiras em fução do tipo de torre e opcioais. Os problemas que podem ocorrer são acidetes ocasioados por falta de orietação de uso correto do equipameto, podedo até mesmo comprometer a itegridade física do operador e dos compaheiros de trabalho que se ecotrarem próximos ao equipameto. Também a falta de treiameto operacioal pode prejudicar a vida útil do equipameto, fazedo com que o mesmo ão teha um desempeho de acordo com o esperado. É importate cosiderar que todo operador de máquias com força motriz é obrigado por lei (NR11) a possuir habilitação de operador de empilhadeira. A avaliação é de Éder Tadeu Thomazii Alves, gerete de pós-vedas da Paletras (Foe: ). Carlos Herique Filizzola, gerete de logística, qualidade e seguraça da Tradimaq Logística (Foe: ), distribuidora das empilhadeiras Yale em Mias Gerais, é bastate didático em sua aálise sobre os problemas que podem ocorrer pela falta de treiameto dos operadores de empilhadeiras. Para ele, o treiameto de operadores de empilhadeiras é fudametal para o bom adameto da logística itera das empresas. Visado a seguraça ou a produtividade, deve ser uma atividade cosiderada crítica pelos gestores de operações. Ocorre que a atividade deste profissioal, apesar de ser ormalmete rotieira, é cercada de situações imprevistas, que a cada mometo testam sua capacidade de adaptação e flexibilidade, podedo ser dividida em duas categorias distitas, diz Filizzola (ver quadro a págia 5). TREINAMENTO: QUEM DEVE EFETUAR? Sobre quem deve efetuar o treiameto a própria empresa, o fabricate/distribuidor das empilhadeiras ou empresas especializadas em treiameto e como escolher, Baptista, da Empicamp, alerta que o primeiro treiameto deve ser feito por empresa especializada. Ela deve ser bem selecioada, ão apeas pesado em habilitar o operador, já que a empresa especializada e capacitada tem a visão voltada a verificar se a pessoa está ou ão apta a operar empilhadeiras, e isto pode ser verificado através de testes escritos e exames médicos. O represetate da Empicamp também afirma que é difícil ecotrar uma empresa de treiameto que teha os equipametos dispoíveis com as cofigurações que o cliete tem em suas depedêcias, mas também seria pouco proveitoso dar um curso de empilhadeiras a combustão para um operador de equipametos retráteis este exemplo, apesar das ormas de seguraça serem similares, o equipameto ão é, o que ão esiaria o operador a utilizar baterias tracioárias e carregadores, bem como apreder sobre a dirigibilidade do equipameto. Para solucioar isto, o doo do equipameto pode ceder o mesmo para o treiameto, de forma que o operador apreda o equipameto que utilizará. Mas é importate verificar, ates, se o istrutor cohece o equipameto o qual ele treiará o operador, diz Baptista. Ele destaca aida que as demais reciclages podem ser feitas as depedêcias da empresa, especializado o operador o equipameto que ele opera. Neste caso, além da seguraça, é importate efatizar os ites que iflueciam o redimeto do equipameto, como bateria tracioária, check-list, carregador de baterias e periféricos em geral. Para equipametos elétricos, se possível também eviar os operadores pelo meos uma vez às fábricas ou cursos de baterias tracioárias, para que se familiarizem com o equipameto e saibam como operá-lo, completa. Por sua vez, o gerete de pós-vedas da Lide afirma que os treiametos devem iiciar-se com a cotratação de empresas especializadas, isetas de vícios e aptas a trasmitir os pricípios básicos de operação. Na coclusão desta primeira etapa, a empresa fabricate de empilhadeiras deve ser evolvida para que apresete a seu cliete as características específicas de seu equipameto. Depois de tudo isso aida segudo Socii, creio ser iteressate que a equipe de supervisão de operação teha capacitação suficiete para idetificar possíveis desvios durate a operação das máquias, orietado seus colaboradores a seguir à risca as istruções dadas ateriormete. Area, da Nacco, também alega que o treiameto deve ser miistrado pre- Gallo, da Skam: é preciso cosciêcia dos perigos das bricadeiras a bordo da empilhadeira ferecialmete por empresas especializadas com sólido cohecimeto dos equipametos ou pelo fabricate/distribuidor das empilhadeiras. Apesar de muitas empresas terem pessoal capacitado a miistrar um treiameto para operadores, isto deve ser evitado para que vícios de operação ão sejam trasmitidos às ovas gerações, diz o egeheiro de assistêcia técica sêior. Fialmete, para escolhermos quem deverá miistrar o treiameto, devemos levar em cosideração o grau de cohecimeto que a istituição/treiador que o fará possui dos equipametos em questão. Normalmete, o fabricate/distribuidor seria a primeira opção e, a seqüêcia, istituições especializadas esta fução, completa. Beto Goçalves Neto, gerete de filial da Retec Comércio Serviços e Represetação (Foe: ), afirma que, para efetuar os treiametos, idicamos empresas especializadas e, quado ão forem fabricates ou represetates dos equipametos, que coheçam itegralmete as características e fuções específicas das máquias. Na escolha do prestador de serviços em treiameto devemos sempre verificar se este possui capacidade técica ecessária, devedo também dispor de material e método didático que cosiga alcaçar o público alvo, trasmitido itegralmete o coteúdo proposto. Maia, da Retrak, já cosidera que a escolha deve ser itera, levado sempre em cosideração as duas características básicas oferecidas por várias empresas idôeas e, também, por fabricates e distribuidores, ão esquecedo das ecessidades específicas do CD em questão. O treiameto pode ser miistrado por diversos profissioais da área. O Seai, por exemplo, dispõe de cursos

9 9 Fagá, da Clark: um operador sem treiameto pode gerar daos precoces ao equipameto específicos para o treiameto de operadores de empilhadeiras, tato elétricas como a combustão, todos certificados. Os fabricates também dispõem desse serviço e os cursos podem ser miistrados aida por represetates especializados as empresas que se utilizam de máquias elétricas e desejarem cursos de operadores, podem etrar em cotato com a Skam que agedaremos datas, completa Gallo, da Skam. Tausedfreud, da Still Brasil, destaca que a possibilidade dos treiametos de operação serem miistrados por multiplicadores iteros em empresas com estrutura adequada é plausível, desde que os mesmos teham sido preparados especificamete para o fato. No etato, o fabricate é quem cohece melhor o seu produto e cosegue, iclusive, melhorar a produtividade, aumetado a dispoibilidade do equipameto e reduzido, com isto, os custos de mauteção do equipameto. Na Still, o cliete, ao comprar um equipameto, pode adquirir um treiameto operacioal coforme sua ecessidade, completa. PROCEDIMENTOS Diate do exposto, quais os procedimetos para treiar o operador? Corrêa, da Bauko, explica que é fudametal a reciclagem costate dos operadores com cursos e vídeos de treiameto, priorizado os problemas mais freqüetes e buscado sempre miimizá-los. A exigêcia do cumprimeto dos procedimetos de seguraça e operacioais adotados a operação é importate para gerar disciplia operacioal. Além do programa implemetado pela Brasif Retal mecioado, a Brasif Máquias oferece também treiametos as istalações do cliete ou o Cetro de Treiameto da Brasif Máquias, icluido uma parte teórica e outra prática, com êfase a seguraça, ressalta Amaral. Fagá, da Clark, diz que a sua empresa também dispoibiliza, jutamete com todo equipameto ovo, o vídeo A seguraça começa em você com 32 miutos de duração, que cotempla iformações esseciais sobre Ispeção Diária, tato visual como fucioal, Istruções de Seguraça e Avisos, Operação correta em Rampas e capacidade de carga. Além disso, os distribuidores Clark oferecem cursos focado ão só a seguraça a operação, como, também, através de atos seguros, obter a melhor produtividade da máquia. Já o diretor da Commat ressalta que este tipo de treiameto começa com a higiee pessoal e do equipameto, pois mãos ou pés sujos com óleo podem trazer prejuízos eormes, lembrado da importâcia do operador estar ciete de sua importâcia detro da operação que participa. Já tivemos casos de cotratarmos um quarteto de cordas (violão) para que, o treiameto, ossos operadores etedessem como um istrumeto (operador/empilhadeira) faz falta quado falha, diz Farias, lembrado, aida, da importâcia em se cohecer a parte mecâica, hidráulica e eletrôica das empilhadeiras, pois somete assim haverá um bom cojuto operador/empilhadeira. Já Ferrari, da Mapel, afirma que o primeiro critério é saber se o operador é habilitado, se ão tem problemas de visão e audição. Outros ites apotados por ele icluem: iformar durate o treiameto ao operador todo critério de operação e seguraça, o que deve e o que ão deve ser feito com a empilhadeira e que ele deve respeitar os critérios de seguraça estabelecidos pela empresa. O operador deverá saber o que deve ser feito ates de iiciar a operação e o que fazer caso costate alguma irregularidade a empilhadeira. Também deve saber sempre a capacidade da máquia que está operado, o peso e o tamaho da carga a ser trasportada e o que é cetro de carga, para avaliar se a empilhadeira tem a capacidade ecessária para a operação. Fializado, o istrutor deve avaliar cada participate para Alves, da Paletras: operador de máquias com força motriz é obrigado por lei a ter habilitação ter certeza de que o que foi apresetado durate o treiameto foi etedido, completa o represetate da Mapel. Etre os procedimetos para treiar o operador citados pelo istrutor da Motiva estão: ter um plao de aula, preparar material didático, dispoibilizar uma empilhadeira e uma sala de treiameto e preparar local para realizar aula prática, além de que, os operadores devem possuir carteira de habilitação. Também se deve limitar o úmero de operadores em o máximo seis. Os procedimetos evolvem apresetar ao operador todo o equipameto, icluido a máquia propriamete dita, o carregador e a bateria, e esiálo a utilizar os ites de seguraça, simular operação com e sem carga, orietar quado é ecessária a mauteção prevetiva e a forma correta de operação do equipameto para obter uma maior vida útil e que teha o desempeho desejado, explica Alves, da Paletras. Filizzola, da Tradimaq, etede que os procedimetos a serem treiados devem ser os geéricos e os específicos. É bom lembrar que qualquer treiameto, segudo as boas práticas dos sistemas de qualidade, deve ter: coteúdo e carga horária compatíveis; equilíbrio etre teoria e prática; liguagem adequada; técicas de esio mais pragmáticas, de forma a apresetar ludicamete situações do dia-a-dia do operador com ilustrações, fotos, filmes e desehos; avaliação dos treiados pelo istrutor; avaliação do treiameto e do istrutor por parte dos aluos; registro formal com assiatura dos participates e do istrutor; e avaliação da aderêcia do treiameto por parte dos superiores depois da realização do treiameto verificação da eficácia. Baptista, da Empicamp: o primeiro treiameto deve ser feito por empresa especializada

10 10 Ageda Julho 2007 Feiras Alitech 1ª Feira dos Forecedores e Tecologia para a Idústria de Alimetação Período: 3 a 6 de julho Local: Lajeado RS Realização: EFEP Iformações: Foe: (51) Gourmet & Cia. 7ª Feira de Tecologia, Equipametos, Alimetos e Bebidas para Bares, Restaurates, Hotéis e Similares Período: 9 a 12 de julho Local: Pihais RS Realização: Fispal Iformações: Foe: (41) Agrishow Semi-Árido Período: 10 a 14 de julho Local: Petrolia - PE Realização: Publiê Iformações: Foe: (11) Fispal Food Service ª Feira Iteracioal de Produtos e Serviços para Alimetação Fora do Lar Período: 23 a 26 de julho Local: São Paulo SP Realização: Fispal Iformações: Foe: (11) Fipa ª Feira Iteracioal de Paificação, Cofeitaria e do Varejo idepedete de Alimetos Período: 24 a 28 de julho Local: São Paulo SP Realização: Associação dos Idustriais de Paificação e Cofeitaria de São Paulo Iformações: Foe: (11) Expoportos ª Feira de Logística e Comércio Exterior Período: 31 de julho a 2 de agosto Local: Serra - MS Realização: Rota Service Iformações: Foe: (27)

11 11 Cursos Metodologia Prática para Dimesioameto de Estoques - MPDE Período: 3 e 4 de julho Local: São Paulo SP Realização: IMAM Iformações: Foe: (11) Curso de Extesão de Logística Empresarial Êfase em Trasportes, Gereciado a Cadeia de Suprimetos (Supply Chai) Período: 4, 11, 18 e 25 de julho Local: São Paulo SP Realização: Ceteal Iformações: Foe: (11) Itrodução ao Código de Barras e à Idetificação (Curso Gratuito) Período: 16 de julho Local: São Paulo Realização: GS1 Brasil Iformações: Foe: (11) Logística em Armazés Refrigerados Cadeia do Frio Período: 16 de julho Local: São Paulo SP Realização: Tigerlog Iformações: Foe: (11) Missão Técica Iteracioal MBA Logística Período: 16 a 20 de julho Realização: CEL - Coppead/RFRJ Iformações: Foe: (21) Formação de Custos de Armazés com Excel Período: 31 de julho Local: Campias SP Realização: Cebralog Iformações: Foe: (19) No portal em Ageda, estão iformações completas sobre os diversos evetos do setor a serem realizados durate o ao de PARCERIA Retrak e Haulotte uem empilhadeira e plataforma elevatória ARetrak (Foe: ), do segmeto de locação de empilhadeiras, e a Haulotte Group (Foe: ), fabricate européia de plataformas elevatórias, acabam de fechar parceria. De acordo com Miguel B. Almeida, resposável pela divisão plataformas da Retrak, a parceria se deu em cosideração à crescete solicitação de algus clietes de empilhadeiras por plataformas. Por isso, agregamos um ovo produto e atedemos a uma ecessidade de mercado, já que os atuais locadores de plataformas focam, pricipalmete, empresas de egeharia, empreiteiras, etc, cota. A Retrak tem como foco pricipal ateder à demada a idústria e o comércio, segmetos que represetam mais de 80% do seu faturameto. O espírito jovem e empreededor dos dirigetes da Retrak, a visão de futuro e o vislumbre de ovos mercados fizeram com que ela abrisse seu leque de produtos, aproveitado o kow-how adquirido com a locação de empilhadeiras e etrasse o ovo e crescete mercado de locação de plataformas elevatórias, avalia Agel Maestro, diretor geral da Haulotte. Segudo ele, a frota de plataformas elevatórias o mercado brasileiro, apesar de em fraco crescimeto, aida é muito pequea se comparada a de outros países e ao potecial do mercado local. A abertura do segmeto de locação de plataformas elevatórias por uma empresa de prestígio recohecido o mercado aportará ao mercado acioal, carete de plataformas elevatórias, uma grade opção em termos de dispoibilização destes equipametos, declara. Com a parceria, que Maestro, da Haulotte, chama de relação simbiótica a qual ambas as empresas obtêm gahos, a Retrak, destaca Almeida, se fortalece, agregado um ovo produto em uma atividade semelhate, utilizado a mesma equipe de vedas, mauteção, etc. Para a Haulotte, a parceria sigifica que terá um forte locador de equipametos em São Paulo, que a ajudará a desevolver a marca o Brasil, complemeta o represetate da Retrak. Ele aproveita para revelar que um dos motivos da escolha do parceiro é que a Haulotte tem mostrado o Brasil uma política bastate agressiva, pricipalmete com prazos de etrega, a fim de ateder à crescete demada por este tipo de produto.

12 12 SALAS DE BATERIAS Costruir e mater requerem cuidados especiais Para que as salas de baterias atedam às ecessidades de mater a produtividade as áreas de movimetação e armazeagem de materiais permitido que os veículos idustriais elétricos operem sem paradas algus cuidados devem ser tomados o seu plaejameto e operação. Fudametais ode operam veículos idustriais elétricos, as salas de baterias se toram parte fudametal das platas das empresas dos mais diversos segmetos e setores. Mas, quado optar pela costrução de uma sala de baterias? Ora, parece óbvio que o primeiro fator determiate para se ter uma sala de baterias a plata é a quatidade de equipametos em operação e a carga/hora de trabalho destes equipametos. Quado temos até três equipametos em operação em apeas um turo, é comum o próprio operador treiado resposabilizar-se pela troca e carga das baterias. Mas, com uma frota sigificate mais de cico empilhadeiras elétricas trabalhado em três turos, itervalos de troca cada vez meores e em média três baterias por equipameto, é ecessário um local adequado que dispoha de todo ferrametal e suporte, como em um pit-stop. Isso agiliza a troca das baterias, aumeta a dispoibilidade dos equipametos e permite um cotrole da carga, além da mauteção prevetiva e corretiva das baterias e carregadores. A avaliação é de Alberto Satos Novaes, supervisor de logística e pós-veda da Aesa Empilhadeiras (Foe: ). Com relação à quatidade de baterias utilizadas como fator básico para a costrução da sala de baterias cocordam Sadro Luis Ravazi, gerete comercial da Newpower Sistemas de Eergia Baterias Fulguris (Foe: ), Edmilso Ajos Ferreira, diretor, e Atoio Doizetti Mazzetti, gerete comercial, ambos da Matrac Co- Uma sala de baterias ão pode ser costruída em local fechado, sem vetilação e desprotegida das itempéries aturais mércio e Serviço (Foe: ), Iva Pegoretti, chefe de departameto técico, e Marcelo Mota de Bitecourt, gerete de vedas, estes dois da Acumuladores Moura (Foe: ). Porém, para Ravazi, a sala se faz ecessária quado a quatidade de baterias for maior do que 10 peças, equato que os represetates da Moura afirmam que se faz ecessária a costrução de uma sala de baterias sempre que a máquia utilizar mais que uma bateria. Além disto, Pegoretti e Bitecourt apotam dois outros fatores que justificam a costrução: quado o ambiete de operação e recarga das baterias tiver temperaturas acima de 35º C ou abaixo de 0º C e o ambiete de trabalho for de produtos perecíveis. Além disso, deve-se projetar a sala prevedo facilidade de locomoção de máquias e mauteção das baterias. Outro fator importate é a redução do tempo de troca de bateria das máquias, proporcioado, também, uma rápida mauteção prevetiva e corretiva detro das salas, aumetado a vida útil das mesmas e, coseqüetemete, reduzido os custos e agilizado o processo logístico, destaca Nestor Mitsuhashi, egeheiro da Nife Baterias Idustriais (Foe: ). Outros profissioais do setor apotam fatores diferetes dos já mecioados que idicam a ecessidade de se ter uma sala de baterias. Ferado Cuha, diretor da Distribuidora Allbat (Foe: ), diz que ela é fudametal quado a empresa ecessita de uma operação rápida e cofiável de substituição de bacos de baterias, além da codição de armazeameto e mauteção adequada das baterias. A sala de baterias é fudametal quado houver a ecessidade de cocetração e cotroles em um úico espaço do mauseio, carga e mauteção de baterias, dedicado ateção ecessária a um bem de alto valor agregado bateria tracioária, oferecedo codições adequadas de seguraça, de limpeza, de fluxo de movimetação, de higieização e de exaustão, refletido em aumeto de produtividade e melhoria de processo, evitado codições extremas de trabalho, explica, por sua vez, Carlos Alberto Alves Foseca, gerete geral da Easytec Idústria e Comércio (Foe: ). Por último, quato a este aspecto, Simei Tridade de Ávila, desehista/projetista da Saturia Sistemas Eergia (Foe: ), acresceta aos ites já citados: a logística da empresa, a localização e a limitação para estabelecer-se a sala de carga. Há vários tipos de baterias tracioárias o mercado FATORES A SEREM CONSIDERADOS Sobre os fatores a serem aalisados a hora de costruir a sala de baterias, Novaes, da Aesa, destaca que devemos cosiderar o poto a plata ode a sala será costruída. Ele diz que a distâcia etre o poto de maior fluxo das empilhadeiras e a sala de baterias ão deve ser muito grade: quato mais próxima da operação for a sala, meor será o tempo da troca de uma bateria sem carga e maior será a dispoibilidade da empilhadeira. Outro beefício importate é a autoomia da bateria, que ão perderá sua carga pelo fato de o equipameto ão trafegar grade distâcia da sala ao local da operação. Costruir a sala de baterias em layout plao e o mesmo adar de operação das empilhadeiras garate uma maior seguraça o deslocameto dos equipametos até a sala e cotribui para aumetar a autoomia de trabalho dos equipametos. Outro fator importate é a seguraça: uma sala de baterias ão pode, em hipótese alguma, ser costruída em local fechado, sem vetilação, com pé direito baixo e desprotegida das itempéries aturais. Baterias produzem gases e estes, ecapsulados em ambiete fechado, são prejudiciais à saúde, esia o supervisor de logística e pós-veda da Aesa. Ele também destaca que mesmo costruída em codições corretas para que os gases produzidos pelas baterias se dissipem o ambiete, é ideal que a sala teha um sistema de exaustão eólico ou elétrico que caalize mais rapidamete os gases para a área extera da plata coberta. A rede elétrica deverá, também, estar preparada para receber os carregadores de baterias, ormalmete trifásicos, em tesão de 220 a 440 V. Qualquer deficiêcia a tesão elétrica dos carregadores prejudicará a carga das baterias e, coseqüetemete, sua autoomia de trabalho, complemeta Novaes. Pegoretti e Bitecourt, da Moura, apotam fatores parecidos: localização próxima ao maior fluxo de trabalho das empilhadeiras e uma boa vetilação atural, além de que é preciso ter uma área míima suficiete para coter todos os requisitos ecessários para movimetação, mauteção, limpeza das baterias, equipametos de trabalho diário e de proteção idividual e prever possíveis ampliações futuras. A estes, Cuha, da Allbat, acresceta sistema de carga e destiação adequada dos resíduos líquidos.

13 13 A mauteção das baterias requer cuidados especiais Outro profissioal que faz uma ampla aálise dos fatores a serem cosiderados é Foseca, da Easytec. Segudo ele, devem ser levados em cota: seguraça, otimização de processo, redução de custo operacioal, melhoria o cotrole de performace de cada bateria e equipametos de qualidade assegurada. Aproveito para adicioar algus potos importates o projeto da sala de baterias: a temperatura deve ser de 5º a 25º C e deve haver baixa umidade relativa do ar; é preciso ter, o míimo, 2,5 m de altura do ível da bateria em carga até o teto; as distâcias apropriadas etre carregadores alihados lado a lado são de 50 mm etre eles e a 100 mm da parede (míimo); para baterias alihadas em racks, a distâcia deve ser de 20 mm (míimo); em ambietes com vetilação e exaustão forçadas, a difereça de altura etre o isuflador e o exaustor deve ser de 2 m para haver o correto movimeto de fluxo de ar. Ravazi, da Newpower, expõe os seguites fatores: ergoomia, facilidade de etrada e saída das máquias, facilidade a troca de baterias, aparelhos destiados a essa troca, exaustores, etc. Ferreira e Mazzetti, da Matrac, já apotam a área dispoível, o modelo das máquias e o tamaho das baterias. Também devem ser observadas as ormas de seguraça iteras da empresa, como saídas de emergêcia, ilumiação e ambiete bem vetilado, com áreas adequadas para o mauseio Geralmete, o próprio fabricate oferece treiameto e a movimetação dos equipametos e baterias, explica, por seu lado, Mitsuhashi, da Nife. Ávila, da Saturia, revela que os fatores a serem poderados icluem os requisitos adequados de projeto, estudar a localização e as limitações para a sala de baterias e ateder aos requisitos míimos de vetilação ecessários para a operação segura, como dimesioameto da troca de ar da sala, que deve ser calculado em fução da quatidade e tipo das baterias a serem carregadas em cojuto. O QUE PODE DAR ERRADO? Com base o que foi apresetado, os etrevistados falam sobre o que pode dar errado a hora de costruir uma sala de baterias e como evitar os erros. A falta de um plaejameto detalhado por cota do ão cohecimeto de todas as ecessidades do cliete para o dimesioameto é o pricipal motivo de erros a costrução das salas de baterias. Geralmete ão são previstas ampliações, troca de ar das salas, área adequada para lavar as baterias, localização adequada da sala e ampliação da rede elétrica. Para evitar os erros, deve-se solicitar o suporte gratuito de empresas especializadas o assuto, como fabricates de baterias, carregadores e empilhadeiras, além de obter todas as iformações sobre as máquias, baterias, carregadores e a carga a ser movimetada, explicam o chefe de departameto técico e Tratameto de efluetes é fudametal a sala de baterias o gerete de vedas da Moura. Novaes, da Aesa, lembra que os erros comus estão relacioados às dimesões da área e à tesão da rede elétrica. Para evitar estes erros, o projeto da costrução da sala é preciso prever um aumeto da demada as operações logísticas e, coseqüetemete, aumeto o úmero de equipametos, ou seja, costruir uma sala Área O que uma sala de baterias deve coter Equipametos Seguraça Layout de fácil acesso para as empilhadeiras, corredores e box que permitam à empilhadeira parar o mais próximo possível das baterias, o que garate uma troca rápida e segura Piso preparado e pitado com tita especial que resista à ação do ácido sulfúrico produzido pelas baterias Piso sem irregularidades muito grades, tipo fedas de dilatação, para ão provocar acidetes com os carrihos Cobertura, evitado cotato direto dos equipametos com água da chuva e exposição ao sol Pé direito alto, para melhorar a vetilação do ambiete, iibido a ação dos gases produzidos pelas baterias que estão em processo de carga Sistemas de eergia elétrica, hidráulica, ar comprimido e tratameto de efluetes adequados Área reservada para lavagem e mauteção das baterias Sialização de área restrita Cosiderar que para cada bateria com capacidade média de 300 Ah/24 VCC é ecessário 1,5 m² e, para baterias maiores (600 Ah/48VCC), deve-se acrescetar mais 1 m² de área útil por bateria, icluido carregador, área para circulação, troca da bateria e pequeas mauteções, como limpeza das baterias Carregadores de baterias em quatidades adequadas Talhas elétricas ou peumáticas, guichos, potes rolates ou pórticos com capacidade ideal para remover as baterias de lugar e alocá-las as empilhadeiras Carro trasportador para sacar a bateria da máquia, devedo-se para este cosiderar o peso da bateria a ser removida, bem como o projeto da máquia, pois há algumas as quais a retirada da bateria é por cima e a bateria é içada, e em outras a retirada é lateral, utilizadose, este caso, carrihos com roletes para sacar a bateria Equipametos de lavagem para limpeza das baterias e da área, caso ocorra cotamiação por derramameto de ácido Equipametos de medição, teste e aferição da carga e descarga das baterias deioizador, desímetro, multímetro, alicate-amperímetro, termômetro, etc. Suportes para as baterias, evitado que fiquem em cotato direto com o piso Suporte para os carregadores, istalados de forma a permitir fácil acesso aos seus comados e tomadas Estrados Colua de água destilada/desmieralizada para reposição de água das baterias Sistema de Gereciameto da Rotia (PDCA, TPM, Gestão á vista, etc.) Chuveiro e lava-olhos de emergêcia para serem utilizados pelos operadores da sala ou operadores das empilhadeiras, caso ocorra acidete com o ácido ou os gases da bateria Sistema de vetilação e exaustão eólico ou elétrico para remover os gases da sala e ijetar oxigêio puro o ambiete EPIs para os usuários e operadores da sala (óculos de seguraça, capacete, botas com biqueira, avetais e luvas) Roupa em tecido que ão permita cotato fácil do corpo do operador com o ácido Dreos de escoameto, badejas e bacias de coteção para evitar o derramameto direto do ácido o piso, evitado cotamiação e corrosão Depósito para coteção e eutralização de água acumulada Paiel elétrico de fácil acesso, que garata ligar e desligar os carregadores em caso de acidete ou mauteção Carregadores com sistema eletrôico iteligete que autoprograme o tempo de carga, descaso das baterias e desarmem automaticamete em caso de térmio do ciclo de carga e acidete por curto-circuito Extitor de icêdio para equipametos elétricos Produto para eutralização de solução ácida

14 14 de baterias otimizado o layout em sempre é um bom camiho, é preciso prever a ecessidade de a sala receber 20% a 30% do úmero de baterias utilizadas as operações, iforma o supervisor de logístico e pós-veda. Novaes também destaca que é comum problemas com a rede elétrica que alimeta a sala de baterias. Para miimizá-los é importate observar o projeto de costrução o modelo e a tesão dos carregadores que irão equipar a sala. Caso isso ão seja possível, por aida ão existirem os equipametos que irão operar a plata, cosiderar, através de uma pesquisa de mercado, os carregadores que ecessitam de uma tesão meor ou maior. Cuha, da Allbat, é outro que apota o dimesioameto como o pricipal erro: área iadequada para maobras, tato dos equipametos quato dos bacos de baterias a serem substituídos. Já Foseca, da Easytec, acoselha que, para obteção de sucesso a costrução da sala, sem chace de erros, é ecessário cotratar empresas idôeas e especializadas este segmeto que teham kow-how, profissioais treiados e capacitados para ateder à real ecessidade do cliete, objetivado a melhor relação custo/beefício. Deve-se seguir os coselhos dos técicos, ão existe uma orma que diga como se fazer a sala, o que existe é uma liha de coduta a ser adotada, completa Ravazi, da Fulguris, com a cocordâcia de Ferreira e Mazzetti, da Matrac, que acoselham a procurar sempre orietações de especialistas. Mitsuhashi, da Nife, iforma que acidetes ou ecessidade de reparos em baterias e máquias pela falta de treiameto dos fucioários ou terceirização para empresas ão especializadas, impossibilidade de ampliações futuras em razão da localização, ão observação das pricipais ormas de seguraça e tratameto ambietal são os erros possíveis de serem cometidos. Tal prejuízo pode ser evitado solicitado a ajuda dos fabricates de baterias e carregadores. Algus A sala de baterias deve oferecer codições de seguraça fabricates têm feito um ótimo trabalho com respeito ao assuto, iclusive forecedo desehos sugestivos de salas de baterias e treiameto técico, completa o egeheiro da Nife. Ávila, da Saturia, alerta que um plaejameto icompleto, sem abordagem sistemática, falta de precisão as estimativas, já que evolve custos, recursos e tempo, ode ão se preveja todos os parâmetros para o correto dimesioameto e execução de sala de bateria, pode levar a um projeto que ão atederá as expectativas do cliete. Assim, segudo ele, é recomedável obter-se primeiramete todas as iformações referetes às baterias, carregadores/retificadores, máquias, área dispoível e visão futura para ampliação. Como executar a mauteção das baterias Mauteção prevetiva Limpeza extera da caixa e parte superior a região das tampas de echimeto ormalmete, a limpeza, utiliza-se bicarboato de sódio diluído em água, o que iibe a ação do ácido, evitado acidete com o operador e corrosão de outros materiais Efetuar aperto os bores etre vasos, os termiais e as tomadas, evitado que um mau cotato foreça, os testes, medidas que ão sejam reais Coferir o ível dos vasos, completado, caso ecessário. Normalmete, o ível eletrolítico deve cobrir as placas de chumbo cotidas em cada vaso Efetuar todos os testes possíveis utilizado o carregador, o desímetro ou os próprios compoetes da empilhadeira Aotar todas as medidas ecessárias ates, para coferêcia com as médias após a mauteção e carga, certificado-se que a bateria está em perfeita codição para ser utilizada Mauteção corretiva Os testes e procedimetos devem ser executados semelhates aos da mauteção prevetiva Proceder a testes a rede elétrica, os carregadores, a empilhadeira e em seus fios e cabos ates de codear uma bateria a uma mauteção corretiva: pode ocorrer do defeito ão ser da bateria Caso a mauteção requeira a remoção parcial ou total dos vasos, remover o ácido com ferrametas ideais e armazear em recipietes apropriados, evitado acidetes corporais ou materiais ou de ordem ambietal Baterias tracioárias produzem gases devido ao aquecimeto dos vasos, portato é idispesável que o profissioal a mauteção utilize os equipametos de proteção idividual ecessários para este procedimeto A desmotagem e motagem de uma bateria pedem mão-de-obra especializada. Caso a empresa ão dispoha deste profissioal, recomeda-se acioar a assistêcia técica do fabricate MANUTENÇÃO DAS BATERIAS É FUNDAMENTAL PARA A PRODUTIVIDADE Cosiderado a importâcia da baterias o processo logístico da empresa, quado é preciso fazer a mauteção das mesmas como saber a hora de fazer esta mauteção? O supervisor de logística e pós-veda da Aesa diz que, ormalmete, quem opera a sala de baterias deve estar treiado para fazer mauteções prevetivas periódicas as baterias (limpeza, troca de bores e cabos, tomadas, troca da tampa dos vasos, medição da desidade e ível eletrolítico e pitura das caixas). Mas, o que determia o tempo de parar uma bateria para uma mauteção mais complexa ou corretiva ormalmete é a redução da autoomia. A iformação do operador o check-list diário facilita o diagóstico das codições da bateria em relação às outras e à empilhadeira. Normalmete cotrolamos a vida útil de uma bateria utilizado plailhas, gráficos de tempo de descarga, carga, tempo de descaso, aumeto e redução a autoomia. É extremamete importate este cotrole para garatir a durabilidade e a hora certa de parada para as mauteções. Os fabricates de baterias tracioárias forecem treiameto e mauais de mauteções e seguraça que iformam passo a passo os cuidados que se deve ter com uma bateria durate sua utilização estes mauais cotêm tabelas de itervalos para execução de mauteções. Também é importate, sempre que adquirir uma bateria, procurar mater cotato com o fabricate e seu departameto de pós-veda, acoselha Novaes. Ravazi, da Newpower, diz que é acoselhável que a mauteção de baterias seja feita pelo meos uma vez ao mês, levado-se em cosideração que ão haja ehum tipo de problema extra. Os cotroles de carga devem ser diários é por eles que são idetificados problemas maiores. Quado se apota os cotroles diários que uma bateria, por exemplo, está Fote: Aesa com a carga desequalizada, está a hora certa de aplicar-se a mauteção. Deve-se começar pela carga de equalização, que precisa ser feita com a bateria já pleamete carregada e por profissioal da área. Caso a bateria teha algum periférico quebrado, este deve ser trocado. Prestar ateção aos cabos e coectores é importate para que daos ão permitam mau cotato e, por fim, a limpeza. Deve-se lavar exteramete a bateria com solução de água e bicarboato de sódio, usado-se uma diluição de 10%. As rolhas da bateria devem estar bem fechadas para ão permitir a etrada dessa solução os elemetos. Após a eutralização da sujeira com essa solução, deve-se exaguá-la com água ormal e secar com pao limpo, esia o gerete comercial da Newpower. Já os represetates da Matrac acoselham que a mauteção deve ser feita por empresas especializadas e, de preferêcia, autorizada por fabricates. O egeheiro da Nife podera que a correta mauteção, que iclui a prevetiva e a corretiva, é um fator que irá iflueciar a performace e o tempo de vida útil das baterias. Por isso, o treiameto dos fucioários é imprescidível para um bom programa de mauteção. Os ites de verificação de mauteção prevetiva podem ser semaais, mesais ou auais. Os maiores problemas efretados pelos usuários de baterias tracioárias são: procedimetos iadequados de mauteção e má utilização, decorretes do descohecimeto geral em relação a um dos ites mais críticos das empilhadeiras elétricas, as baterias, que são diretamete resposáveis pelo seu desempeho. Os fabricates podem auxiliar os usuários forecedo os ites de mauteção ecessários para estabelecer um programa de mauteção adequado, sua periodicidade e as recomedações ecessárias em caso de falha do equipameto, afirma Mitsuhashi. Os represetates da Moura também lembram que todas as baterias tracioárias têm de ter uma mauteção prevetiva diária e mauteções corretivas quado for idetificada a ecessidade. Na utilização das baterias deve haver um acompahameto diário das suas codições. Existem mauteções como, por exemplo, a dessulfatação, que deve ser realizada periodicamete para evitar a queda da autoomia e vida útil das baterias. Nos casos mais complexos, como a falha de uma célula, é preciso etrar em cotato com o fabricate, explicam. Pegoretti e Bitecourt também iformam que a pricipal causa da falha prematura da bateria é decorrete da falta de uma mauteção prevetiva em diversos casos, quado a solicitação da assistêcia técica do fabricate é acioada, o problema já está irreversível. Ávila, da Saturia, também avalia que a mauteção é um item imprescidível para a vida

15 15 Baterias tracioárias têm de ter mauteção prevetiva diária da bateria. Para determiar-se quado fazer a mauteção segudo ele deve-se, a pricípio, cohecer como a bateria opera, qual a profudidade de descarga que a mesma atige em seu ciclo de trabalho, pois a mauteção está diretamete associada à codição de operação, que pode ser leve, média ou pesada, o que determia quado e como realizar a mauteção a bateria. O desehista/projetista da Saturia também lembra que é preciso sempre seguir o cotido o maual da bateria e o recomedado pelo fabricate, obedecedo-se os requisitos de seguraça, utilizado-se EPIs, tomado os devidos cuidados com a seguraça idividual, coletiva e também com o meio ambiete. CARREGADORES TAMBÉM DEVEM PASSAR POR MANUTENÇÃO Não somete as baterias tracioárias devem passar por mauteção: os seus carregadores também. As mauteções prevetivas para os carregadores de baterias devem ser efetuadas o míimo a cada 6 meses, ou corretivamete, quado for percebida alguma das aomalias: aquecimeto excessivo; cheiro de queimado; preseça de fumaça; desligameto ates do período ormal de Mauteção em carregadores de baterias tracioárias Mauteção Prevetiva Verificar: disjutores de etrada CA barrameto de troca de tesão da rede CA limite de correte/tesão istrumetos de medidas CA e CC do paiel circuitos de proteções e sializações teclado de membraa equilíbrio das fases sistema de vetilação forçada temperatura do trasformador e da pote retificadora e testar peças sobressaletes (se houver) Freqüêcia de Mauteção As recomedações que seguem têm o caráter de sugestão e devem ser adaptadas para cada ova situação que se apresete. Semaal: Ispeção visual Mesal: Verificação de tesão e correte de saída quado da aplicação de cargas variáveis o sistema Verificação do sistema de vetilação forçada Verificação das codições de cotato de barrametos de troca de tesão, teclado de membraa e cabos Aual: Toda a lista de verificações da ispeção mesal Verificação e simulação das sializações, alarmes de proteções, verificação dos sesores e as respectivas atuações Teste de materiais sobressaletes Revisão das coexões de iterligações de potêcia Revisão das iterligações iteras recarga (geralmete 8 horas); baterias com eficiêcia de operação abaixo do ormal; apresetação os displays, o caso dos eletrôicos, de idicações de falhas de fucioameto; e desativameto costate dos disjutores térmicos da rede elétrica, explica Beto Goçalves Neto, gerete de filial da Retec Comércio Serviços e Represetação (Foe: ). Ele também esia que as mauteções dos carregadores devem sempre seguir os mauais de istrução dos fabricates, que de forma geral idicam a verificação dos seguites ites: estado geral dos cabos, tomadas e pios de ligação às baterias; estado do cabo e da tomada de ligação à rede predial; verificação da cor- Fote: Powerbras Limpeza Deve ser feita limpeza com picel macio, a seco, ou espaador, depededo de cada caso, ou, se possível, com jato de ar seco, com os cuidados ecessários para evitar daos aos compoetes Em caso de peças móveis com problema de fucioameto por preseça de poeira, é recomedável sua substituição por peça sobressalete. Para cotatos elétricos é recomedável a limpeza com pao umedecido com bezia ou solvete e utado em vaselia. Deve-se tomar cuidado em deseergizar os circuitos evolvidos a mauteção Ispeção Visual Deve ser feita com muita freqüêcia, pois da verificação do estado das sializações depede a idicação das ocorrêcias o equipameto e seus compoetes. Os potos das coexões dos cabos, fixações e módulos em geral devem ser observados quato à existêcia de mau cotato - colorações escuras os potos de coexões idicam mau cotato. Vazameto em capacitores eletrolíticos e cotatos em coectores de ecaixe devem itegrar uma adequada ispeção visual. Todos os apertos ecessários devem ser feitos sempre com as ferrametas adequadas, especialmete os semicodutores e seus dissipadores. rete forecida às baterias os estágios de recarga; reaperto dos coectores e termiais elétricos e eletrôicos; e verificação da alimetação predial quato a oscilações detro dos limites idicados pelo fabricate. A falta de mauteção ou a mauteção icorreta dos carregadores afeta diretamete a vida útil das baterias tracioárias, bem como provoca o cosumo desecessário de eergia elétrica. Os carregadores são projetados para que, em um determiado tempo, seja eviada às baterias uma correte que, aquele estágio, veha suprir a ecessidade da recarga. Detre os estágios de recarga temos também a equalização dos elemetos das baterias que proporcioam, quado em fucioameto ideal, a melhor eficiêcia de trabalho da bateria e, também, maior logevidade desta, completa Goçalves Neto. Pelo seu lado, Seiji Sato, diretor da Powerbras Idústria Eletrôica (Foe: ), destaca que, como todo equipameto, os carregadores de baterias têm de receber mauteções prevetivas periódicas, em itervalos de tempo e íveis de detalhes diferetes. Pricipalmete por se tratar de um equipameto que, em sua grade maioria, trabalha 24 horas por dia. As pricipais coseqüêcias da falta de uma mauteção correta, executada por técico habilitado e com a periodicidade ecessária, são: o caso de um fucioameto iadequado do circuito de cotrole do carregador, todo o processo de carga da bateria estará comprometido, o que, com toda certeza, irá prejudicar a bateria e dimiuir sua vida útil; pela mesma ocorrêcia, o próprio carregador poderá ser daificado, até mesmo iviabilizado sua recuperação; e aida, como coseqüêcia da mesma falha, os usuários, pricipalmete os que utilizam um grade úmero de equipametos, terão um elevado cosumo de eergia, aumetado o custo de sua operação, desecessariamete, fializa. Notícias r á p i d a s Iovadoor laça porta idustrial para frigoríficos A Iovadoor (Foe: ), fabricate de portas idustriais, acaba de laçar a porta flexível Isofrio, idicada para ambietes refrigerados como idústrias, frigoríficos, supermercados e cetros de armazeagem, processameto e distribuição. A Isofrio é resistete a choques e possui velocidade de abertura e fechameto de até 1 m/s, o que reduz a troca térmica etre a atecâmara e a câmara frigorífica. É comercializada em duas versões: 707, idicada para ambietes refrigerados positivos (até 0º C) e temperatura ambiete sem risco de gelo, e 708, idicada para ambietes egativos (até -25º C). Além disso, iterrompe automaticamete o ciclo através de sistema de seguraça cotra acidetes, possui capacidade de 240 aberturas/fechameto por hora e vedação completa cotra luz e veto. Também oferece proteção e esterilidade cotra cotamiações, poeira e isetos, baixo cosumo de eergia e iseção de ruídos e raios UV. O laçameto das portas Isofrio de alto tráfego represeta uma evolução o mercado de portas para câmaras frias. Elas oferecem desempeho superior às portas de correr automáticas em reteção e recuperação de frio, ecoomizado eergia, declara Miguel de Paiva Rezede, diretor comercial da empresa.

16 16 OPERADOR LOGÍSTICO ABC Itegrated Logistics completa dez aos AABC Itegrated Logistics (Foe: ) empresa que oferece soluções persoalizadas em trasporte rodoviário, logística itegrada e de evetos completa este ao uma década de existêcia. Com sede em São Berardo do Campo, SP, filiais em Rezede, RJ, Curitiba, PR, represetates em Uruguaiaa e São Borja, RS, parceiros o Chile e escritórios a Argetia e o Peru, a empresa cota atualmete com 90 fucioários, frota com 18 camihões, 21 prachas e 37 baús. Além disso, os últimos aos, apresetou um crescimeto aual médio de 20%. Dailo Guedes, diretor admiistrativo-fiaceiro da ABC Itegrated Logistics, cota que a trajetória da empresa começou com operações voltadas Guedes: empresa opera com grades motadoras de camihões para o trasporte iteracioal de cargas, atededo pricipalmete a Argetia e o Chile. Em busca cotíua por ovos segmetos de mercado, a ABC Cargas passou a operar com as grades motadoras de camihões e ecarroçadores de ôibus, trasportado camihões e ôibus por meios próprios para o Brasil e América do Sul, através de prachas hidráulicas, equipametos produzidos especificamete para essa fialidade, cotiua o diretor. Hoje, a ABC Itegrated Logistics roda mais de 91 mil quilômetros diários, 2,730 milhões mesalmete e 33,360 milhões de quilômetros por ao. Etre as pricipais vocações da compahia estão o trasporte iteracioal de cargas e os trasportes acioal e iteracioal de camihões e ôibus. Com média de veículos trasportados por mês, a empresa tem forte preseça o mercado de veículos ovos, oferecedo duas modalidades este segmeto: sobre pracha (embarcados) e rodado. Além disso, a ABC também realiza o trasporte de praticamete todo tipo de carga e orgaiza a gestão de evetos e a participação de seus clietes, seja a área de vedas, divulgação de ovos produtos ou a fixação de imagem. Como diferecial da compahia, Guedes cita o coceito de posicioameto de carga o trasporte de veículos zero quilômetro. É costruído um histórico de todos os potos de checagem, chegadas e saídas de froteiras, postos alfadegários, passages por aduaas itermediárias, até a etrega fial do produto em seu destio. Em todos os processos, a tecologia tem se feito presete para melhor os preparar para o futuro e dispoibilizar a iformação de forma ágil e de qualidade, completa o diretor. OPERADOR LOGÍSTICO CSI Cargo e Reault fecham cotrato Nos próximos três aos, a CSI Cargo (Foe: ) cotrolada pelo Grupo Cargo será resposável pela logística itera da Reault, de acordo com cotrato firmado em março último. A operação evolverá aproximadamete 350 pessoas e serão ivestidos pela operadora logística R$ 4 milhões em equipametos de movimetação, como empilhadeiras, rebocadores e traspaleteiras. As áreas de atuação serão a logística idustrial das três fábricas do complexo Ayrto Sea, em São José dos Pihais, PR, da qual fazem parte a CVP (veículos de passeio), a CVU (veículos utilitários) e a CMO (motores). Para Orlado Bruggër, diretor de logística da Reault Mercosul, o que levou a CSI Cargo a vecer os demais cocorretes foi a demostração física de capacidade técica aliada a custos competitivos. Além disso, o fator proximidade também foi levado em cosideração, uma vez que as duas empresas se situam em São José dos Pihais. Adré Ceballos, diretor presidete da CSI Cargo, acredita que a empresa coquistou o cotrato em virtude, pricipalmete, do kow-how comprovado pelos serviços prestados à própria Reault Argetia, a Volkswage/Audi e a Scaia. O poto pricipal desse cotrato, avalia a Reault, será a redução de custos logísticos. E, para atigir esse objetivo, o diretor-presidete da operadora logística aucia que cotará com um quadro de profissioais altamete qualificados que itegram a área de plaejameto logístico. Abordado a defiição de layout, dimesioameto de equipametos e redeseho dos processos de movimetação de materiais teremos impacto os custos logísticos da plata. Isto irá trazer, também, redução de dao de material e/ou equipametos, iterrupção de produção e estoques elevados, etre outros, fializa Ceballos.

17 17 CONTROLE DE ARMAZÉNS MWM Iteratioal Motores implemeta SAGA AMWM Iteratioal Motores (Foe: ), que atua o desevolvimeto de tecologia diesel, acaba de implemetar o Sistema Automatizado de Gereciameto de Armazém, o SAGA, em sua plata de Sato Amaro, a capital paulista. Trata-se de uma ferrameta de WMS Warehouse Maagemet System que opera itegrada ao SAP, possibilitado o cotrole de toda a movimetação, estocagem, abastecimeto e a rastreabilidade de ites produtivos e motores. Para tato, foram adquiridos 32 coletores, istaladas 16 ateas e cofigurados edereços de estocagem e abastecimeto a plata. A empresa espera amortizar o ivestimeto para a istalação do SAGA, que foi de US$ 206 mil etre hardware, software e serviços, em até 18 meses de operação. Segudo cometa Carlos Paitz, gerete de Plaejameto e Logística da MWM, o SAGA ão é apeas uma ferrameta de cotrole de estoques, ele gerecia de maeira iteligete a alocação dos recursos. Além disso, adequamos a ferrameta para suportar o processo de abastecimeto das lihas por kaba e por kits, diz. O gerete também lembra que um dos difereciais do SAGA é o coceito de covocação ativa, ou seja, as tarefas são alocadas automaticamete para os recursos dispoíveis. Se um lote de peças foi cosumido a liha, o sistema gera uma covocação automática para que um usuário dispoível realize a tarefa. Por outro lado, ele destaca que a utilização do sistema de radiofreqüêcia permite que toda comuicação acoteça em tempo real. EMPILHADEIRAS Clark comemora 90 aos de atuação Amarca de empilhadeiras Clark, que atua o mercado brasileiro desde 1958, está completado 90 aos. A primeira empilhadeira foi ivetada em 1917 por Eugee Badley Clark e, desde etão, a empresa vem itroduzido coceitos como trasmissões automáticas, utilização de protetores dos operadores, cito de seguraça padrão para todos os equipametos, aba de seguraça cotra tombameto lateral e válvulas hidráulicas para proteção do sistema, em caso de pae, etre outras. Além de presete o Brasil, a Clark (Foe: ) cota com istalações e fábricas a Chia, Estados Uidos, Coréia, Costa Rica, Espaha e Alemaha. E, falado em Brasil, desde 2003 pertecedo ao grupo coreao Youg, A, a empresa está situada a cidade de Valihos, SP, oferecedo operações de vedas de máquias e uma rede de distribuidores composta por 13 empresas tradicioais o ramo de equipametos, totalizado 23 potos em todo o território acioal. Também forece suporte técico e peças de reposição para toda a frota. Como parte da comemoração dos 90 aos, a empresa apreseta sua ova liha de empilhadeiras para o mercado brasileiro: os modelos a combustão C60/70/80 e C20/25/30/35 e o modelo elétrico-peumático GEX25. Daiela Gomes, coordeadora de marketig da Clark, explica que os modelos C60/70/80 oferecem uma ova oportuidade para o mercado de máquias de oito toeladas o que se refere à questão custo x beefício. O grade diferecial da liha está a alta capacidade de carga e em sua estrutura compacta, que permite o trabalho em áreas de difícil acesso: uma grade vatagem em relação aos modelos similares, destaca. É equipada com motor de 100 HP, trasmissão automática de três velocidades, freio a disco em baho de óleo e chassi robusto. Já os modelos C20/25/30/35 são máquias compactas e robustas que proporcioam coforto e ergoomia com baixo custo operacioal, declara Daiela. Os modelos de duas a três toeladas da liha elétrica da Clark fucioam em correte alterada de 80 V e operam em qualquer terreo mesmo em operações severas, utilizado as mesmas codições de uma empilhadeira a combustão. As máquias, que também trabalham sem restrição quato ao tipo de piso, têm capacidade para vecer rampas com icliação de até 38%. São totalmete blidadas e atedem à demada de redução de ruídos e poluição em áreas fechadas, um grade diferecial para o mercado alimetício, salieta a coordeadora de marketig, lembrado que além dessas ovidades, a Clark aucia a reformulação do site, com espaço para cotações o-lie. Etre as tedêcias a área, Daiela cita o crescimeto da competitividade etre as marcas de empilhadeiras e os ovos modelos laçados, que aumetam as oportuidades para as empresas de todos os segmetos. Sobre as perspectivas da Clark em relação ao mercado brasileiro de empilhadeiras, a coordeadora de marketig relata que elas são bastate positivas, pois ovas cotratações serão realizadas a partir do segudo semestre deste ao, além do iício da motagem de parte das máquias a uidade em Valihos, pricipalmete dos modelos a combustão. Algus acessórios das empilhadeiras estão sedo adquiridos o Brasil, em vez de serem importados, e a tedêcia pela aquisição de produtos brasileiros crescerá a medida do crescimeto da demada do mercado. Todas essas mudaças melhorarão ossa competitividade e cotribuição com o mercado brasileiro e, com certeza, trarão melhores custos, fializa. O mudou de edereço! Agora estamos a Rua dos Piheiros, cj. 12 Nosso telefoe/fax cotiua o mesmo:

18 18 INVESTIMENTO Tito iveste em melhoria de seus processos e tecologia ATito Global Trade Services (Foe: ), provedora de serviços em logística iteracioal, comércio exterior e gestão aduaeira, aucia ivestimetos da ordem de US$ 1 milhão as áreas de Qualidade e Melhoria de Processos, Gereciameto de Projetos (PMO) e TI. Além disso, a empresa está otimista com a previsão de egócios para 2007 e prevê um crescimeto de 30%. Desde 1999, para ateder solicitações específicas de algus de seus clietes, a Tito tem expadido sua atuação o exterior com a abertura de filiais a Argetia, México e Estados Uidos (Miami e Doral) para oferecer operações alicerçadas as legislações de comércio iteracioal dos países em que atua, além de cotar com uma rede cosolidada de agetes. Como se sabe, diversos acordos e tratados iteracioais vêm icremetado o comércio etre países e regiões por todo o mudo. A empresa assessora aida seus clietes quato à melhor forma de usar as ormas e as regras desses acordos comerciais e capitalizar oportuidades de egócios, declara Hermeto Bermúdez, CEO da Tito. Ele também iforma que a empresa foi apotada pela Ifraero como a mais ágil operadora aduaeira as importações do segmeto automotivo através do Aeroporto Iteracioal de Viracopos (Campias, SP), o que valeu a idicação para o Prêmio Fêix 2006 e o título Destaque Cadeia Logística Viracopos do mesmo ao. Há 72 aos o mercado, a Tito desevolve atividades a área de gestão e cosultoria aduaeira, ageciameto de cargas, outsourcig e gereciameto de projetos especiais em logística iteracioal. Etre os seus pricipais clietes estão empresas do setor automobilístico, químico e alimetício. A compahia possui escritórios em São Caetao do Sul, Satos, Suzao, Viracopos e Guarulhos, SP; Porto Alegre, Uruguaiaa, São Borja, Novo Hamburgo e Rio Grade, RS; e Salvador, BA. Na Argetia, tem uidades em Bueos Aires, Zarate e Paso de Los Libres, e o México, a Cidade do México. Para operações os Estados Uidos, a Tito cota aida com um hub em Miami, que coordea os fluxos de todas as regiões do país para todas as Américas. Os maiores fluxos de mercadorias são de Illiois, Ohio, Nova Jersey, Nova Iorque e Califória para Viracopos, Guarulhos, Maaus, Vitória, Curitiba, Recife, Bueos Aires, Cidade do México, Guatemala, Paamá, etre outras localidades. Já o modal marítimo, a empresa utiliza, pricipalmete, os portos de Miami, Los Ageles, Norfolk, Nova Iorque e Housto. Os pricipais destios das cargas de exportação dos EUA são: Satos, Vitória, Maaus, Suape e Bueos Aires. Um dos grades difereciais da Tito é a capilaridade das operações. Com a ossa estrutura, oferecemos uma solução completa para todas as Américas, ressalta Bermúdez. Bermúdez: Com a ossa estrutura, oferecemos uma solução completa para todas as Américas DESEMBARAÇO ADUANEIRO Reialdo dos Satos, gestor operacioal da Tito, também destaca que a empresa é referêcia a gestão aduaeira de liberação de mercadorias importadas do setor automotivo o Aeroporto de Guarulhos. Coforme rakig da Ifraero, a Tito foi a mais eficiete o mês de abril. O tempo médio registrado foi de 18h27m, diz ele. O gestor operacioal também iforma que, de jaeiro a abril, a empresa reduziu em 35,8% o tempo de desembaraço das importações em Guarulhos. Segudo a Ifraero, em jaeiro, a operação totalizou 28h46m; em fevereiro, 21h34m, e, em março, registrou 23h01m. Aida segudo Satos, trata-se de processos aéreos de uma grade motadora, cujo braço logístico mudial cotratou a Tito para a execução de seus procedimetos aduaeiros, também os modais marítimo e rodoviário. Os pricipais beefícios com a redução do tempo de desembaraço aduaeiro para a empresa são dimiuição o custo de armazeagem, baixo ível de ivetário e atedimeto de forma rápida e eficiete ao cliete fial, pois são peças de reposição posteriormete eviadas para lojas e oficias, explica. O gestor operacioal completa afirmado que, com relação aos processos aéreos, a Tito já coquistou sete vezes a lideraça o rakig de melhor performace o Aeroporto de Viracopos, também em importações do setor automotivo.

19 19 Palavra do Leitor MATÉRIA SOBRE FAST-FOOD Na edição º 62, de abril de 2007, a matéria Fast Food: Rapidez a mesa e a estrada, respodi aos questioametos para a reportagem, o etato, foi citado que toda a ossa estrutura (4º parágrafo do sub-item ifra-estrutura ) atede 125 potos de veda. Na verdade, 125 potos estão relacioados ao úmero de lojas do Chia i Box, e o total atedemos quase 600 potos de veda. Daiel Garcia Gerete de operações da Fast & Food, resposável pela logística e distribuição dos isumos e produtos egociados da Chia i Box UNITIZAÇÃO DE CARGAS Cumprimeto o Joral pela publicação da matéria Uitização de Cargas [Edição 63, maio de 2007]: abragete, direta e muito útil... e também oportua, porque há muitos palpiteiros o mercado. Agora temos ordem a casa. Mauro V. de Chermot Sócio-Gerete Chermot Egeharia e Cosultoria Ltda.... gostaria de parabeizar sobre a matéria em referêcia [uitização de cargas]. Tema e iformações relevates, além de excelete abordagem... cotribui muito para a atualização dos profissioais de logística e embalages o Brasil. Marcelo Gaspar Maagig Director Nefab Embalages Evie suas opiiões, sugestões e críticas para o joral :

20 20 Iforme publicitário Fulguris: muito mais que baterias tracioárias Agilidade, respeito ao meio ambiete, ao colaborador, ao forecedor e ao cliete, garatia, qualidade, melhoria cotíua, evolução. Todas estas características raras de serem ecotradas em um fabricate de baterias podem ser costatadas a Newpower Sistemas de Eergia, fabricate das baterias Fulguris. Em primeiro lugar, vale destacar que a empresa está mudado para uma ova plata fabril, com mais de m 2 de área, cotado com 365 fucioários, estações de tratameto de efluetes e de resíduos, dois laboratórios um químico e um elétrico, máquias de última geração e as mais moderas do mudo. Esta ova istalação já está sedo cosiderada a maior da América do Sul em termos de produção de baterias idustriais. DIVERSIDADE Marco Atoio Vac Juior, diretor da Fulguris, explica que a empresa é fabricate de baterias idustriais, e que, portato, ão se dedica apeas à produção de baterias tracioárias para empilhadeiras, paleteiras e rebocadores. Também fabricamos baterias estacioárias para o setor de telecomuicações, usias hidroelétricas e outras aplicações, além de baterias especiais para tres do Metrô, sistemas de emergêcias, locomotivas elétricas e para partida de locomotivas a diesel, sialização marítima, sistemas de icêdio e ilumiação de emergêcia, etre outras. O diretor também cota que a empresa está o mercado há 45 aos, tedo sido fudada sob o comado de seu avô, José Vac. Ela asceu fabricado baterias automotivas, e logo se torou um sucesso, explica Marco Atoio. Mais adiate, já sob o comado de seu pai, Marco Atoio Vac, a Fulguris mateve um crescimeto cotíuo, apesar dos sucessivos plaos ecoômicos que sempre dificultaram a vida do empresário brasileiro. O meu pai é um profissioal bastate iteligete e, em 1975, com uma visão futurista, trasformou aquela fábrica de baterias automotivas em uma fábrica de baterias idustriais. Naquela época, começou a haver a cocorrêcia das grades empresas multiacioais a área de baterias automotivas, e também a proliferação de pequeas empresas, sem garatia de qualidade, que ofereciam as baterias a iformalidade. Assim, diate de um mercado icerto à época, meu pai decidiu partir para a fabricação de baterias idustriais. A esta decisão seguiu-se um período de sucesso e prosperidade e, em 2003, Marco Atoio Vac Juior assumiu o comado da compahia. Daquela época para cá, partimos para a moderização das istalações que culmiou com a ova fábrica, a cosolidação da marca e o aprimorameto da gestão dos egócios, o que os levou à codição de líder absoluto o mercado de baterias tracioárias. Tato que já recebemos um prêmio como forecedor da Nacco e acabamos de fechar um grade cotrato de OEM Origial Equipmet Maufacturer para o grupo ESA, com as marcas Lide e Still. Ou seja, dada a ossa iquestioável qualidade, os toramos líderes e referêcia o mercado acioal e, portato, temos codições de estabelecer parcerias muito competitivas com os ossos clietes, diz o diretor da Fulguris. VANTAGENS COMPETITIVAS Quado assumiu a direção, Marco Atoio tratou de idetificar os potos fortes da empresa para trabalhar a melhora cotíua. E coseguiu destacar as grades vatages competitivas dela. A primeira é a qualidade dos fucioários. Por quê? O diretor cota que, ao cotrário do que acotece em outras empresas do setor, a Fulguris ão há perda de fucioários, os quais passam por costates reciclages e qualificação, e também são tratados com todo o respeito. Temos profissioais em várias atividades com até 30 aos de empresa. Isto é um poto forte da orgaização, já que cada um sabe quais são as expectativas dos clietes e trabalha com base em resultados, cota. Para o diretor, o sucesso da empresa também está baseado o fato de reuir um quadro de executivos a parte técica, comercial e admiistrativa com logo tempo de atuação o mercado e altamete capacitados. Aida em termos de ambiete de trabalho, o matido a Fulguris, aida segudo Marco Atoio, é saudável, buscado valorizar o tratameto humao e a siergia ecessária para o bom desevolvimeto da orgaização. Temos um ambiete divertido, mas profissioal, e lidamos bem com o setor humao. Também realizamos treiametos iteros e oferecemos cursos exteros para os ossos clietes e forecedores, para que teham a melhor produtividade, completa. Outro poto forte é a qualidade. Os produtos cocorretes foram sedo barateados para ateder às expectativas dos acioistas, e ão dos clietes, o iverso do que ocorre a Fulguris, ode buscamos ateder às expectativas dos clietes com produtos de qualidade e de loga vida útil. Vale lembrar que também somos certificados a ISO 9001 e que ossas baterias tracioárias têm uma duração média de seis aos, cotra, o máximo, quatro aos das outras. As baterias Fulguris também oferecem mais horas de trabalho/dia que a média dos cocorretes. Marco Atoio destaca, aida, que o diamismo é outra característica da empresa. Temos uma equipe de profissioais técicos bastate competetes e rápidos para ateder às exigêcias do mercado. A Fulguris cosegue iovar e criar ambiete de satisfação juto aos clietes, e mais: teta exceder as expectativas de todos que estão a cadeia do processo produtivo, ou seja, o colaborador, o forecedor e o cliete. Resumido, o diretor explica que, como diferecial da Fulguris para se torar uma referêcia o mercado, procura cuidar bem dos seus profissioais e, em troca, pede que estes valorizem os seus clietes, forecedores e produtos que fabricam. Neste cotexto, vale ser destacado o aspecto do pós-vedas, ode a empresa é bastate forte. Equato a cocorrêcia desevolve produtos mais fracos e ão atede quado o cliete precisa, oferecemos produtos mais fortes e fazemos tudo pelo cliete, diz ele. Marco Atoio lembra que qualquer empresa pode efretar problemas em seus produtos e que a Fulguris ão mede custos para solucioá-los. Ou seja, executa atedimetos em garatia, de forma rápida, ão abadoado o cliete a sua sorte, que é uma prática comum o setor, abadoar o cliete o pósveda, um raciocíio que parece claro, porém errado: a ausêcia de assistêcia leva a um mau uso do produto, à sua morte prematura e à compra de ovo produto. Ao cotrário disso, esiamos como usar melhor a bateria e como obter uma vida útil maior. Dessa maeira, mostramos que ossas baterias são mais duráveis e cofiáveis, completa. Aida em termos de diferecial, a Fulguris produz toda a matéria-prima utilizada a fabricação das baterias, iclusive faz a extração e o processameto do chumbo e a sua reciclagem, atededo à demada legal para a retirada de produtos perigosos do mercado e poupado a extração desecessária dos mesmos.

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO

PARABÉNS! ASSISTÊNCIA TÉCNICA DADOS DA EMPRESA. Assistência Técnica Autorizada Cozil MANUAL DE OPERAÇÃO E INSTALAÇÃO A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA

CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA CUSTOS AMBIENTAIS E RESPONSABILIDADE SOCIAL NA BIOSSEGURANÇA MARIANO YOSHITAKE Adelmo Ferado Ribeiro Schidler Júior Adriao Moitiho Pito Iracema Raimuda Brito das Neves Aselmo Teixeira Motes Resumo: O objetivo

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw

LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services LEICHTMETALL-GETRIEBE MIT GLATTMOTOREN 0,37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES EM ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à corrosão,

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela

06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbon Cataratas Foz do Iguaçu - PR. REF: Exposição Paralela 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE ONDAS DE CHOQUE 06 a 10 de abril de 2016 Hotel Bourbo Cataratas Foz do Iguaçu - PR REF: Exposição Paralela Motadora Oficial: Stads Solutios STTC Evetos e Turismo Telefoe: (45)

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

MANUAL DE RECOMENDAÇÕES GERAIS

MANUAL DE RECOMENDAÇÕES GERAIS A Empresa A Cozil produz equipametos para cozihas profissioais desde 1985. São aproximadamete três décadas de dedicação, seriedade e profissioalismo, ode costatemete vem iovado, aperfeiçoado e produzido

Leia mais

RESISTORES E RESISTÊNCIAS

RESISTORES E RESISTÊNCIAS ELETICIDADE CAPÍTULO ESISTOES E ESISTÊNCIAS No Capítulo estudamos, detre outras coisas, o coceito de resistêcia elétrica. Vimos que tal costitui a capacidade de um corpo qualquer se opôr a passagem de

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Soluções em Engenharia Civil

Soluções em Engenharia Civil ENGECRAM K Soluções em Egeharia Civil 35 aos A ENGECRAM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA foi costituída em 13 de dezembro de 1977, resultado de um ideal de prestar serviços a área de egeharia civil.

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw

REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw Itelliget Drivesystems, Worldwide Services Services REDUTORES DE LIGA LEVE COM MOTORES LISOS 0.37 1,1 kw BR PT REDUTORES E MOTORES DE ALUMÍNIO AS VANTAGENS DE REDUTORES DE LIGA LEVE Carcaça resistete à

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO

SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO XPS - POLIESTIRENO EXTRUDADO SOLUÇÃO EM ISOLAMENTO TÉRMICO RESISTÊNCIA TÉRMICA ECONOMIA DE ENERGIA DURABILIDADE RESISTÊNCIA MECÂNICA SUSTENTABILIDADE SPUMAPAC INOVAÇÃO SEMPRE Fudada em 1970, a Spumapac

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES

ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES ESPECIALISTA EM EVENTOS E CONVENÇÕES Bem-vido ao Almeat, um espaço ode tudo foi projetado especialmete para realizar desde pequeas reuiões e evetos até grades coveções, com coforto, praticidade e eficiêcia,

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

O poço de potencial infinito

O poço de potencial infinito O poço de potecial ifiito A U L A 14 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial V(x) que tem a forma de um poço ifiito: o potecial é ifiito para x < a/ e para x > a/, e tem o valor

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado

7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Fernando Vargas. n 1 Cuidado 7. ANÁLISE COMBINATÓRIA Professor Ferado Vargas É a área da Matemática que trata dos problemas de cotagem. Estuda problemas que evolvem o cálculo do úmero de agrupametos que podem ser feitos com os elemetos

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório

LIVRETO. Armazenamento de Amostra, Manuseio e Gestão. Um armazenamento de amostra completo e rastreável para o seu laboratório Um armazeameto de amostra completo e rastreável para o seu laboratório LIVRETO Armazeameto de Amostra, Mauseio e Gestão PRODUÇÃO NA HOLANDA E NOS ESTADOS UNIDOS MOLDE POR INJEÇÃO E MONTAGEM EM SALA LIMPA

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO.

IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO. ISSN 1984-9354 IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO, ANÁLISE E ELABORAÇÃO DE MAPA DE RISCOS EM POSTOS REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS UM ESTUDO DE CASO. Aderso Foseca Barbosa, Edso Neves da Silva, Rafael herique

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Manual do Usuário PR-100USB

Manual do Usuário PR-100USB Maual do Usuário PR-100USB Versão: 2.2 1 Ídice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. COMPOSIÇÃO BÁSICA DO EQUIPAMENTO... 4 2.1 OPCIONAIS MEDIANTE SOLICITAÇÃO ESPECÍFICA DA NAXOS... 4 3. ORIENTAÇÃO PARA INSTALAÇÃO... 4

Leia mais

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES

C O M P O S I T I O N No-break. S é r i e P r e m i u m. No-Break. para Rack CM COMANDOS LINEARES CM COMANDOS LINEARES C O P O S I T I O N No-break S é r i e P r e m i u m No-Break para Rack C E Iovação, qualidade, tecologia e cofiabilidade. arcas das soluções C Comados Lieares A E P R E S A Com mais de 30 aos de atuação,

Leia mais

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais.

Neste capítulo, pretendemos ajustar retas ou polinômios a um conjunto de pontos experimentais. 03 Capítulo 3 Regressão liear e poliomial Neste capítulo, pretedemos ajustar retas ou poliômios a um cojuto de potos experimetais. Regressão liear A tabela a seguir relacioa a desidade (g/cm 3 ) do sódio

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS.

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. 16º POSMEC Uiversidade Federal de Uberlâdia Faculdade de Egeharia Mecâica METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE CHILLERS POR ABSORÇÃO EM PLANTAS REAIS. Gustavo Soares de Almeida Uiversidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 1 M A R Ç O 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário

LogWeb. Logística Supply Chain Transporte Multimodal Comércio Exterior. Armazenagem. Embalagem. Informe Publicitário J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 2 A B R I L 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Iforme

Leia mais

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção Iclui NOVA opção de captura de imagem Sistemas de Visualização Estéreo Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de ispeção. Tecologia ótica pateteada para visualização livre de

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia.

Resolução -Vestibular Insper 2015-1 Análise Quantitativa e Lógica. Por profa. Maria Antônia Conceição Gouveia. Resolução -Vestibular Isper 0- Aálise Quatitativa e Lógica Por profa. Maria Atôia Coceição Gouveia.. A fila para etrar em uma balada é ecerrada às h e, quem chega exatamete esse horário, somete cosegue

Leia mais

PLATAFORMAS AÉREAS DE TRABALHO Vários tipos para diversas aplicações

PLATAFORMAS AÉREAS DE TRABALHO Vários tipos para diversas aplicações J O R N A L Logística Supply Chai Trasporte Multimodal Comércio Exterior Movimetação Armazeagem Automação Embalagem E D I Ç Ã O N º 6 5 J U L H O 2 0 0 7 R E F E R Ê N C I A E M L O G Í S T I C A Traspo-Sul

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais