LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F."

Transcrição

1 FILOSOFIA

2 LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no exercício de sua função, estabelecer cultos religiosos ou mantiver relação de dependência com seus representantes, bem como aliar-se a seus representantes, salvo em caso de colaboração de interesse público, nos termos e limites da lei, estará ferindo a Constituição Federal, assim como o fará caso se recuse a dar fé a documentos públicos ou crie distinção entre brasileiros ou preferências entre si. ( ) É competência exclusiva da União legislar sobre as diretrizes e as bases da educação nacional. O servidor público tem a obrigação de zelar pelo fiel cumprimento das leis, conservar o patrimônio público, cuidar da proteção e da garantia das pessoas portadoras de deficiência, proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência; combater as causas da pobreza e os fatores de marginalização, promovendo a integração social dos setores desfavorecidos. ( ) Os Institutos Federais, enquanto instituição de Educação Básica e Superior podem manter programas de Ensino Fundamental com os municípios por meio de cooperação técnica, como, por exemplo, para oferta de PROEJA-FIC, de formação continuada, dentre outros. ( ) Ao ingressar no serviço público federal, o servidor passa a fazer parte da organização da administração pública ficando, assim, obrigado a observar em todos os seus atos, inclusive quando não estiver em horário de trabalho ou exercício da função, os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. Questão 02: São deveres dos docentes: I. participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino quando convocados pelas autoridades competentes. elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo critérios e condições que julgar mais apropriados para a qualidade do ensino a ser ministrado. I zelar pela aprendizagem dos alunos e estabelecer estratégias de recuperação, inclusive paralela, para os alunos de menor rendimento. IV. ministrar os dias letivos e as horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional. V. colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade sempre que a(s) disciplina(s) que ministra estiver(em) relacionada(s). a) III e IV. b) I, II e V. c) I, II e I d) II, IV e V. e) II, III e V. 2

3 Questão 03: Marque a alternativa INCORRETA. a) Ao ensinar, os docentes do IF Farroupilha deverão observar, rigorosamente, dentre outros: os princípios da igualdade de condições para a permanência na escola; a gestão democrática do ensino público, na forma da lei; e a garantia de padrão de qualidade. b) É dever do Estado com a educação garantir a educação básica obrigatória e gratuita dos 4 (quatro) aos 17 (dezessete) anos de idade, assegurada, inclusive, sua oferta gratuita para todos os que a ela não tiveram acesso na idade própria, além de atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. Nesse sentido, para cumprir esse dever do Estado, os docentes do IF Farroupilha deverão atuar na educação básica em oferta regular e na Educação de Jovens e Adultos desde que integrada à educação profissional. c) O Estado tem o dever de atendimento ao educando, em todas as etapas da educação básica, por meio de programas suplementares de material didático escolar, transporte, alimentação e assistência à saúde. d) De acordo com a Constituição Federal (Art. 207) as universidades obedecerão ao princípio de indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Os Institutos Federais (IFs) por serem instituição de Educação Básica e Superior, mas criados prioritariamente para o Ensino Profissional Técnico em nível médio e para a formação de professores por meio das licenciaturas, podem desenvolver, além do ensino, a pesquisa e a extensão, mas não lhes é exigida essa indissociabilidade prevista para as universidades, uma vez que os IFs não tem a obrigação de se tornar referência em pesquisa e extensão. e) O Instituto Federal Farroupilha, enquanto autarquia tem autonomia de organização didático pedagógica. No entanto, essa autonomia é limitada, pois deverá observar, por exemplo, o plano nacional de educação e demonstrar claramente como sua organização possibilita a melhoria da qualidade de ensino, como garante a formação para o trabalho e como conduz o educando à promoção humanística, científica e tecnológica. Assim, o próprio princípio constitucional que prevê o respeito ao pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas deve ser interpretado de forma restritiva, caso coloque em risco esses objetivos. Questão 04: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) O servidor público docente que não zelar pelo preenchimento do Diário de Classe poderá responder administrativa, civil e criminalmente, por exemplo, por ação, ao não preencher correta e diariamente o Diário de Classe ou por omissão, caso deixe de realizar a chamada a fim de verificar a frequência dos alunos. ( ) Os docentes do IF Farroupilha em regime de dedicação exclusiva com quarenta horas semanais, terão sua jornada de trabalho fixada conforme a necessidade das atribuições pertinentes à docência. Assim, o docente poderá, por exemplo, trabalhar quatro horas no turno matutino e quatro horas no período noturno. Caso o servidor venha a ocupar cargo em comissão ou função de confiança, como Coordenação de Curso, por exemplo, submeter-se-á a regime de integral dedicação ao serviço, podendo ser convocado sempre que houver interesse da Administração. ( ) O servidor público deverá observar, durante o estágio probatório, no desempenho do cargo: assiduidade; disciplina; capacidade de iniciativa; produtividade; responsabilidade. Após decorrido o prazo de dezoito meses, relativo ao estágio probatório, o servidor se torna efetivo e a observação dessas orientações deixa de ser objeto de avaliação para sua progressão e carreira, passando a ser compromisso do servidor público para com a instituição. ( ) É dever de todo servidor público e de qualquer outro cidadão, ao tomar conhecimento do fato, denunciar o colega que receber passagens e diárias destinadas a indenizar as parcelas de despesas extraordinárias com pousada, alimentação e locomoção urbana, não destinadas única e exclusivamente em interesse da administração pública, ou que não restituir os valores, na íntegra ou parcialmente, no prazo de 5 (cinco) dias, quando recebê-los e não se afastar da sede ou retornar antes do prazo previsto. 3

4 ( ) O servidor estudante poderá solicitar horário especial quando comprovar a incompatibilidade entre o horário escolar e o da repartição, desde que não haja prejuízo do exercício do cargo e que sejam compensados os horários de trabalho sem ultrapassar a duração semanal do mesmo. Assim, por exemplo, o servidor poderá concentrar sua jornada de trabalho em três turnos diários para poder realizar seus estudos no tempo restante. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) F - F - F - F - V. b) V - V - F - V - F. c) V - V - V - V - F. d) F - F - V - F - V. e) V - F - V - F - V. Questão 05: Sobre os Institutos Federais, assinale a afirmativa INCORRETA. a) O órgão superior da administração dos IFs é o Colégio de Dirigentes, instância executiva e administrativa de cada Instituto Federal. b) Os Institutos Federais (IFs) podem ofertar educação profissional e tecnológica, em todos os seus níveis e modalidades, desde o ensino fundamental até o doutorado, nos termos limites da legislação vigente desde que com foco na atuação profissional dos educandos. c) A Lei /2008, ao afirmar que o ensino nos IFs deve ser voltado à investigação empírica, faz concluir que o ensino deve considerar a pesquisa aplicada como princípio educativo. d) Os IFs têm a finalidade de promover a integração e a verticalização da educação básica à educação profissional e à educação superior, otimizando a infraestrutura física, os quadros de pessoal e os recursos de gestão. e) Na prática docente, os servidores dos IFs, ao realizar a pesquisa, o ensino e a extensão, devem estimular a produção cultural, o empreendedorismo, o cooperativismo e o desenvolvimento científico e tecnológico. Questão 06: Avalie as proposições a seguir: I. ao servidor docente é permitido, desde que em interesse da docência, ausentar-se do serviço durante o expediente, sem prévia autorização do chefe imediato, e retirar, sem prévia anuência da autoridade competente, qualquer documento ou objeto da repartição, podendo comunicar à autoridade competente e ou à chefia imediata posteriormente. antes de dar fé a documentos públicos, o servidor deve analisar o pedido e decidir podendo opor resistência injustificada ao andamento de documento e processo ou execução de serviço no caso de suspeita de erro no documento e/ou processo em andamento. I trata-se de liberdade de expressão promover manifestação de apreço ou desapreço no recinto da repartição desde que o servidor não venha a valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública. IV. é proibido ao servidor público participar de gerência ou administração de sociedade privada, personificada ou não personificada; exercer o comércio, exceto na qualidade de acionista, cotista ou comanditário; e/ou atuar, como procurador ou intermediário, junto a repartições públicas, salvo quando se tratar de benefícios previdenciários ou assistenciais de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou companheiro. V. o servidor público que utilizar pessoal ou recursos materiais da repartição em serviços ou atividades particulares; que proceder de forma desidiosa; que cometer a outro servidor atribuições estranhas ao cargo que ocupa, exceto em situações de emergência e transitórias; ou exercer quaisquer atividades que sejam incompatíveis com o exercício do cargo ou função e com o horário de trabalho poderá responder a Processo Administrativo Disciplinar. VI. a autoridade que tiver ciência de irregularidade no serviço público é obrigada a promover a sua apuração imediata, mediante sindicância ou processo administrativo disciplinar, assegurada ao acusado ampla defesa. a) III e IV. b) I, II e I c) I, II e V. d) I, III e VI. e) IV, V e VI. 4

5 Questão 07: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) Ao se atender ao princípio administrativo da publicidade, os servidores devem divulgar amplamente os atos, os programas, as obras e os serviços realizados no setor público. Nesse sentido, é importante que o servidor destaque seu nome, símbolos e/ou imagens que possam destacá-lo em seu trabalho, a fim de que, promovendo-se, promova junto consigo a instituição pública que representa. ( ) A Associação Sindical é livre. No entanto, o direito de greve é limitado por lei. ( ) A Constituição Federal (CF) prevê a acumulação remunerada de cargos públicos quando houver compatibilidade de horários para o exercício de dois cargos de professor ou de um cargo de professor com outro cargo técnico ou científico. Sendo assim, o docente efetivo do Instituto Federal Farroupilha em regime de dedicação exclusiva poderá atuar como docente em outra instituição ou ainda como docente e técnico no mesmo instituto. ( ) Caso algum servidor docente do Instituto Federal Farroupilha venha a causar dano moral a um aluno, colega ou qualquer outro membro da comunidade acadêmica interna ou externa, quem responderá pelos danos é a instituição pública. No entanto, o servidor poderá responder por meio do direito de regresso nos casos de dolo ou culpa. A alternativa que apresenta a sequência correta é: a) V - V - V - F. b) F - V - F - V. c) F - F - F - V. d) V - F - V - F. e) F - V - V - V. Questão 08: Sobre a Educação Profissional no Brasil, analise as afirmações a seguir: I. o Instituto Federal Farroupilha atua, em vários câmpus, com cursos voltados para o atendimento da população rural. Sendo assim, essa instituição pode promover adaptações de conteúdos curriculares e metodologias apropriadas às reais necessidades e aos interesses dos alunos da zona rural, inclusive modificando a organização escolar própria, incluindo adequação do calendário escolar às fases do ciclo agrícola e às condições climáticas para adequação à natureza do trabalho na zona rural. os alunos de PROEJA são considerados alunos com atraso escolar e, por isso, a instituição de ensino pode realizar a avaliação do rendimento escolar com vistas à aceleração de estudos. I é obrigação dos docentes promover a recuperação de estudos, de preferência paralelos ao período letivo, para os casos de baixo rendimento escolar, conforme os regimentos institucionais vigentes. IV. é exigida a frequência mínima de setenta e cinco por cento (75%) do total de horas letivas para a aprovação. Assim, por exemplo, num curso cuja matrícula é por disciplina, o aluno deve ter frequência mínima de 75% da carga horária da disciplina, mas, num curso cuja matrícula é seriada, o aluno deve ter frequência mínima de 75% da carga horária da série, podendo, assim, faltar mais que 25% em uma determinada disciplina da série sem ser reprovado por falta, caso esse percentual não ultrapasse 25% do total do período letivo. V. o ensino da História do Brasil levará em conta as contribuições das diferentes culturas e etnias para a formação do povo brasileiro, especialmente das matrizes indígena, africana e europeia. Esses conteúdos inclusive são transversais e não devem se resumir à oferta na disciplina de História. VI. todos os alunos deverão cursar, obrigatoriamente, no mínimo duas línguas estrangeiras modernas a serem previstas na matriz curricular dos cursos. V os currículos do ensino médio devem incluir os princípios da proteção e da defesa civil e a educação ambiental de forma integrada aos conteúdos obrigatórios. É correto afirmar que: a) apenas VI é falsa. b) apenas VI é verdadeira. c) V e VI são falsas. d) I, III e VII são falsas. 5 e) II, IV, VI e VII são verdadeiras.

6 Questão 09: Marque a alternativa INCORRETA. a) O Instituto Federal Farroupilha poderá reclassificar os alunos, inclusive quando se tratar de transferências entre estabelecimentos situados no País e no exterior, tendo como base as normas curriculares gerais. b) O Instituto Federal Farroupilha tem autonomia para organizar o calendário escolar adequando-o às peculiaridades locais, inclusive climáticas e econômicas, possibilitando, assim, que os câmpus tenham calendários acadêmicos diferentes entre si, embora pertencentes ao mesmo Instituto. c) A educação básica poderá organizar-se em séries anuais, períodos semestrais, ciclos, alternância regular de períodos de estudos, grupos não-seriados, com base na idade, na competência e em outros critérios, ou por forma diversa de organização, sempre que o interesse do processo de aprendizagem assim o recomendar. d) A verificação do rendimento observará como critérios a avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos, e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais. Assim, por exemplo, embora o aluno tenha reprovado por nota em uma ou duas disciplinas, o conselho de classe final poderá progredi-lo para a etapa seguinte independente da concordância do(s) docente(s) responsável(is) por esta(s) disciplina(s). e) A carga horária mínima anual, no ensino médio, será de oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar, incluindo o tempo reservado aos exames finais, quando houver. Questão 10: Marque a alternativa INCORRETA. a) A Educação Profissional e Tecnológica abrange cursos de formação inicial e continuada ou qualificação profissional; de educação profissional técnica de nível médio; e de educação profissional tecnológica de graduação e de pós-graduação. Assim, pode-se afirmar que os Institutos Federais estão aptos a atuar, diretamente ou por meio de parcerias e convênios, em todos os níveis, formas e modalidades de ensino. b) Na Educação Profissional Técnica de Nível Médio, os docentes deverão considerar o trabalho como princípio educativo, a pesquisa como princípio pedagógico e buscar a formação integral do estudante. c) A Educação Profissional Técnica de Nível Médio é desenvolvida nas formas articulada e subsequente ao Ensino Médio. A articulada, por sua vez, é desenvolvida nas seguintes formas: integrada, concomitante, concomitante na forma, uma vez que é desenvolvida simultaneamente em distintas instituições educacionais, mas integrada no conteúdo. A forma concomitante poderá ainda ser por concomitância interna, na qual os alunos fazem o Ensino Médio separado do Ensino Técnico, mas com matrícula na mesma instituição, ou por concomitância externa, quando o aluno está matriculado em duas instituições, podendo fazer, inclusive, o Ensino Médio no Instituto Federal e o Ensino Técnico em outra instituição profissionalizante. d) A Educação de Jovens e Adultos deverá articular-se, preferencialmente, com a educação profissional. Nesse caso, os docentes devem usar metodologias de ensino e avaliação diferenciadas e apropriadas, consideradas as características do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho. e) Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio integrados têm as cargas horárias totais de, no mínimo, 3.000, ou horas, conforme o número de horas, para as respectivas habilitações profissionais indicadas no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, seja de 800, ou horas. Os cursos de Educação Profissional Técnica de Nível Médio, na forma articulada integrada com o Ensino Médio na modalidade de Educação de Jovens e Adultos, têm a carga horária mínima total de horas. 6

7 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Questão 11: A antropologia filosófica deveria ser, considerar o homem não simplesmente como natureza, como vida, como vontade, como espírito, etc, mas como homem, isto é, relacionar o complexo de condições ou de elementos que o constituem com seu modo de existência específico. Nesse sentido, o Ensaio sobre o homem é um estudo de Antropologia Filosófica centrada no conceito de homem como Animal Symbolicum, isto é, como animal que fala, cria o universo da sua simbólica língua, do mito e da religião, (ABBAGNANO, 2003). Tal concepção de Antropologia Filosófica pertence a: A alternativa correta é APENAS: a) Claude Levi-Strauss. b) Ernst Cassirer. c) Gilles Lipovetsky. d) Carlos Haag. e) Mikel Dufrenne. Questão 12: Na história do pensamento sempre esteve presente a questão da antropologia filosófica. Esse ramo da filosofia tem como objetivo responder a que pergunta? A alternativa correta é APENAS: a) o que devo fazer? b) o que posso fazer? c) quem é o homem? d) o que me é permitido esperar? e) o que me é permitido sonhar? QUESTÃO 13: O filósofo grego Platão (428 a.c a.c.) contribuiu para uma visão dualista do homem. Esse dualismo foi entre o/a e. A alternativa correta é APENAS: a) episteme e doxa. b) vida pública e privada. c) trabalho braçal e intelectual. d) corpo e alma. e) éter e firmamento. 7

8 Questão 14: A cultura clássica elabora uma imagem do homem, na qual são postos em relevo dois traços fundamentais: o homem como animal que fala e discorre (zoon logikon) e o homem como animal político (zoon politikon). Esses dois traços estão em estreita relação, pois só enquanto dotado do logos o homem é capaz de entrar em relação consensual com seu semelhante e instituir a comunidade política. E a vida política, vida humana por excelência, segundo a concepção clássica, exerce-se pela livre submissão ao logos codificado em leis justas. Por outro lado, essas duas características fundamentais do homem se manifestam em atividades dotadas de finalidades específicas, a atividade da contemplação (theoria) e a atividade do agir moral e política (práxis). Ao fazer do domínio da práxis um domínio específico e da autonomia racionalidade, Aristóteles pode ser considerado, se não o criador, certamente, o sistematizador do/da: a) ética e estética. b) política e estética. c) bem e belo. d) ética e política. e) eterno e efêmero. Questão 15: O Estruturalismo é uma modalidade de pensar e um método de análise praticado nas ciências do século XX, especialmente, nas áreas das humanidades. Metodologicamente, analisa sistemas em grande escala, examinando as relações e as funções dos elementos que constituem tais sistemas, os quais são inúmeros, variando das línguas humanas e das práticas culturais aos contos folclóricos e aos textos literários. Partindo da Linguística e da Psicologia do princípio do século XX, alcançou o seu apogeu na época da Antropologia Estrutural por volta dos anos de O Estruturalismo tem como seu mais celebrado representante, especialmente em seu estudo sobre os indígenas no Brasil e na América em geral, o qual se dedicou a "busca de harmonias insuspeitas", o autor chamado. a) Claude Lévi-Strauss. b) Edgar Morin. c) Pierre Lévy. d) Karl Popper. e) Gaston Bachelard. Questão 16: As palavras grega ethos (donde ética) e a latina mores (donde moral) referem-se aos. a) costumes. b) fins. c) atos religiosos. d) direitos. e) limites. Questão 17: Para ética, sentimentos como honestidade, honradez, espírito de justiça, altruísmo referem-se ao nosso/às nossas. a) bem comum. b) senso moral. c) paixões. d) inversões de valores. e) bom senso. 8

9 Questão 18: Quando falamos de ética pensamos no sujeito ético. Aquele que se deixa governar e arrastar por seus impulsos, inclinações e paixões, pelas circunstâncias, pela boa ou má sorte, pela opinião alheia, pelo medo dos outros, pela vontade de um outro, não exercendo sua própria consciência, vontade, liberdade e responsabilidade. Estamos falando de um. a) sujeito altruísta. b) sujeito negativo. c) sujeito dogmático. d) sujeito egoísta. e) sujeito passivo. Questão 19: O filósofo Immanuel Kant ( ) formula uma lei universal de conduta, que se chama lei moral. Tal lei afirma a autonomia da vontade como único princípio de todas as leis morais. Essa autonomia consiste na independência em relação a toda a matéria da lei e na determinação do livre-arbítrio mediante a simples forma legislativa universal de que uma máxima deve ser capaz. A máxima formulada por Kant nos seguintes termos: Age de tal maneira que o motivo que te levou a agir possa ser convertido em lei universal, ficou conhecida como. a) imperativo estético. b) imperativo empírico. c) imperativo hipotético. d) imperativo prático. e) imperativo categórico. Questão 20: Na filosofia moral contemporânea, existe um tratado dos deveres e da moral. Uma teoria sobre as escolhas dos indivíduos, o que é moralmente necessário e serve para nortear o que realmente deve ser feito. Esse tratado foi criado no ano de 1834, pelo filósofo inglês Jeremy Bentham, para falar sobre o ramo da ética em que o objeto de estudo é o fundamento do dever e das normas. Qual das seguintes teorias corresponde ao enunciado? A alternativa correta é APENAS: a) Teologia. b) Ontologia. c) Moralismo. d) Niilismo. e) Deontologia. 9

10 Questão 21: De um modo geral, pode-se afirmar sobre os períodos da história da filosofia convencionalmente chamados de Moderna e Contemporânea: I. considerando os procedimentos e as temáticas adotadas, pode-se dizer, em sentido geral, que a filosofia moderna e a contemporânea são a continuidade de um mesmo processo sócio-histórico-cultural, que buscou a fundamentação dos fenômenos humanos e sociais numa concepção antropocêntrica, laica e racional. a publicação do Discurso do Método de Descartes pode ser considerada o marco do surgimento da filosofia moderna, na medida em que objetiva fundamentar o conhecimento verdadeiro na evidência racional produzida a partir de um método rigoroso. A definição metodológica fez com que as ciências naturais e humanas se separassem da filosofia, definindo objetos e metodologias próprios. I por influência do método científico indutivo e do avanço das ciências naturais, surgiu na filosofia moderna, principalmente, na transição entre a filosofia moderna e a contemporânea, a aceitação tácita da ideia do progresso inevitável da humanidade ao longo da história, que são implícitas em correntes filosóficas como o positivismo, o idealismo hegeliano e o socialismo. IV. Heidegger, em Ser e Tempo, faz uma crítica à concepção de verdade como adequação entre juízo e objeto, e estrutura a ideia do círculo hermenêutico como fundamento ontológico da interpretação dos fenômenos humanos. Com isso, inaugura, na filosofia, o tempo do fim da metafísica e da ausência de verdades absolutas, tornando-a uma tarefa de fundamentação sempre inconclusa. V. especificamente sobre a filosofia moderna, pode-se afirmar que se estruturou em uma pluralidade de correntes filosóficas, algumas inconciliáveis entre si, como por exemplo, o positivismo lógico e a fenomenologia, o existencialismo e a neoescolástica, o estruturalismo e a escola crítica. a) I, II e V b) I, III e IV. c) I, II, III e IV. d) I, II, IV e V. e) II, III, IV e V. Questão 22: A teoria política moderna é um conjunto de ideias que estruturaram uma nova visão de mundo o ethos moderno. Tais ideias, contrárias ao ethos medieval, estruturaram uma fundamentação laica e antropocêntrica dos fenômenos sociais e políticos. A secularização do pensamento político levou os filósofos modernos a buscarem uma justificação racional para legitimar o poder do Estado. Surgiu, assim, na filosofia uma busca pela fundamentação sobre a origem do Estado, não no sentido de uma origem histórica, mas no sentido da fundamentação lógica do seu princípio e da legitimidade da ordem social e política não mais fundada numa concepção teológica. Tal fundamentação, base da democracia liberal moderna e do Estado moderno, estrutura o conceito de Estado de Direito - termo jurídico que simboliza a existência de uma ordem social, na qual o Estado tem seu poder limitado pela lei e legitimado pela representatividade e os cidadãos têm seus direitos fundamentais garantidos. Sobre a fundamentação teórica da democracia liberal moderna podemos afirma que se sustenta: I. numa concepção de sociedade chamada de contratualista, decorrente dos conceitos de estado de natureza e de pacto social, estruturada na obra O Leviatã de Thomas Hobbes. na concepção de John Locke, em Ensaio sobre o governo civil, de que o poder político tem uma origem democrática, parlamentar, que não pode ser exercido tiranicamente sobre os cidadãos, que têm o direito natural de se insubordinarem ao Estado, quando ele usurpa de seu poder. I na concepção defendida por Rousseau em O Contrato Social, de que os homens nascem livres e iguais. IV. na defesa de Voltaire do direito à liberdade de expressão e na sua luta contra a influência da autoridade clerical na organização política. 10

11 V. na defesa de Hobbes em O Leviatã de um estado, cujo poder soberano seja absoluto e capaz de manter a ordem política, de tal forma que se alguém tentar depor seu soberano e for por ele castigado, devido a essa tentativa, será o autor de seu próprio castigo, dado que por instituição é autor de tudo quanto seu soberano fizer. (HOBBES. Leviatã. Col. Os pensadores. São Paulo: Abril, 1979, p. 81). a) I, II, III e IV. b) I, II, III e V. d) II, III, IV e V. e) I, II, III, IV e V. c) I, II, IV e V. Questão 23: Um jornalista, comentarista político de um grande jornal, escreve na sua coluna semanal: O ministro afirmou em seu pronunciamento à nação, nesta semana, que o país vai muito bem, apesar da crise econômica que está enfrentado. Mas, como o ministro não é um economista, mas um sociólogo e acima de tudo, um político, sua análise não considera a crise econômica que se avizinha. Além disso, ele tem o interesse de pintar para a população um país sem problemas e que está se desenvolvendo. Ou seja, não é verdade que o país vai bem. Analisando as afirmações do jornalista, sobre os pressupostos da lógica, podemos afirmar que: I. é uma falácia, não um argumento. é um exemplo de generalização apressada. I é uma falácia chamada argumentum ad hominem. IV. é uma falácia chamada argumentum ad Ignorantiam. V. é um exemplo de apelo à autoridade. a) I e I b) II e IV. d) III e IV. e) IV e V c) II e V. Questão 24: Historicamente, três têm sido as principais concepções de ciência ou de ideais de cientificidade, (CHAUI, 2003), a saber: I. a racionalista, cujo modelo de objetividade é a matemática; a empirista, que toma o modelo de objetividade da medicina grega e da história natural do século XVII; I a causal, que procura encontrar as causas e efeitos das coisas. IV. a construtivista, cujo modelo de objetividade advém da ideia de razão como conhecimento aproximativo; V. a sistemática, cujo modelo se funda das anteriores; a) I, II e I b) I, II e IV. d) II, III e V. e) III, IV e V. c) I, II e V. 11

12 Questão 25: Muito do que se pensa ainda hoje em filosofia decorre da filosofia da Antiga Grécia. O crescimento econômico das cidades-estados, através do desenvolvimento da navegação e o consequente comércio por ela impulsionado, levou a civilização grega a um desenvolvimento econômico, social e cultural muito grande, propiciando as condições para o surgimento da filosofia. O contato com outras culturas, bem como as descobertas decorrentes da ampliação das antigas fronteiras fizeram com que os gregos questionassem seus mitos e buscassem novas formas de fundamentar a nova realidade social que se estruturava. Sobre a história da filosofia da antiga Grécia podemos fazer as seguintes afirmações: I. a história da filosofia grega é comumente dividida em Período Pré-socrático, Período Socrático ou Clássico e Período Helenístico. o Período Pré-socrático, que abrange do século VIII ao V a.c., desenvolveu-se nas colônias fundadas em torno do Mediterrâneo (Mileto, Jônia, Sicília entre outras) e tinha como objeto as questões cosmológicas que buscavam explicar a arché e a physis, o princípio e a natureza de todas as coisas, tendo como base não mais a mitologia, mas a fundamentação racional. I o Período Socrático ou Clássico se inicia no século IV a.c. e é o período mais importante da história da filosofia grega. Com a democratização de Atenas e a necessidade de formação dos cidadãos por meio da paidéia, a atenção da filosofia desloca-se da natureza para o homem, surgindo um viés antropológico, com foco no conhecimento, na ética, na estética, na política e na metafísica. IV. são exemplos de explicação da filosofia pré-socrática a explicação da natureza material e o princípio do mundo e de todas as coisas por meio dos seguintes elementos: água (Tales de Mileto); ar (Anaximenes); devir (Heráclito); ser (Parmênides); ar, água, terra e fogo (Empédocles); átomo (Demócrito); números (Pitágoras). V. são características secundárias da filosofia pré-socrática as explicações metafísicas da realidade a partir da teoria da reminiscência e o uso do método maiêutico. a) I, II e I b) I, II, III e IV. c) I, II, IV e V. d) I, III, IV e V. e) II, III, IV e V. Questão 26: Quando um cidadão, não por suas crueldades ou outra qualquer intolerável violência, e sim pelo favor dos concidadãos, torna-se príncipe de sua pátria o que se pode chamar principado civil (e para chegar a isso não são necessários grandes méritos, nem muita sorte, mas antes uma astúcia feliz), menciono que se chega a esse principado ou pelo favor do povo ou pelo favor dos poderosos. É que em todas as cidades se encontram essas duas tendências diversas e isso nasce do fato de que o povo não deseja ser governado nem oprimido pelos grandes, e esses desejam governar e oprimir o povo. (MAQUIAVEL, N. O Príncipe. In: Coleção Os Pensadores - Maquiavel. São Paulo: Nova Cultural, 1991). Rompendo com a tradição política que o antecedeu, Maquiavel não aceita a ideia da boa comunidade política constituída para o bem comum e para a justiça, nem aceita a ideia do príncipe bom e virtuoso da filosofia política aristotélico-tomista. Maquiavel define para a política uma lógica própria, decorrente da ação do príncipe em meio ao conflito social inerente à sociedade. Maquiavel inaugura uma política pragmática que. a) está relacionada à fortuna ou condição do príncipe que o faz temido pelos súditos. b) depende de o príncipe ser amado pelos seus súditos e, para isso, o príncipe deve fazer o bem, aos poucos, para ser reconhecido. c) depende da habilidade do príncipe de governar com astúcia ao que chama de virtú. d) está relacionado à habilidade do príncipe de conhecer seu território e exercitar a arte da guerra. e) depende da capacidade do príncipe de fazer o mal na medida certa, sempre que necessário, para impor o medo e ser temido. 12

13 Questão 27: Nas reflexões filosóficas desenvolvidas pelos filósofos da Antiga Grécia, pode-se identificar três fundamentos para a vida política: a primeira, fundamentada no ceticismo, não aceitava a existência de verdades fora das convenções humanas e entendia o poder e a organização política como uma convenção; a segunda, pressupunha a existência de uma racionalidade no universo e a capacidade da razão humana de descobrir tais verdades, tornando certos homens capazes de descobrir os fundamentos racionais da ordem social e política; a terceira, entendia que a política tem uma natureza social, ou seja, é inerente à natureza da sociedade humana. Tais concepções da vida política são fundamentadas, respectivamente, pelos filósofos gregos ; e. Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas. a) Jônicos; Sofistas e Platão. b) Sócrates; Platão e Aristóteles. c) Platão; Aristóteles e Sócrates. d) Sofistas; Platão e Aristóteles. e) Platão; Aristóteles e Sofistas. Questão 28: Se política significa o que se refere ao poder, cabe perguntar: Onde é o lugar do poder na democracia? Segunda Marilena Chaui, as determinações constitutivas do conceito de democracia são as ideias de, e. Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas. a) eleições, governo e rotatividade. b) conflito, governo e povo. c) povo, sufrágio universal e poder. d) rotatividade, sufrágio universal e eleições. e) conflito, abertura e rotatividade. Questão 29: Um professor, tratando da importância do conhecimento científico, tanto nas ciências naturais como nas ciências humanas, para o estabelecimento de verdades e para a superação do pensamento mitológico e ou do senso comum, afirma que a alusão bíblica ao infanticídio ordenado por Herodes não é um fato histórico real, na medida em que não existe nenhuma fonte histórica, além da bíblia, que sustente a veracidade deste fato. Esse é um exemplo de raciocínio, ao qual se convencionou chamar de argumento pela ignorância, quando se afirma uma verdade com base na ignorância sobre um assunto, e é caracterizado por ser formalmente. a) válido, mas incapaz de estabelecer a verdade de sua conclusão. b) inválido, mas capaz de estabelecer a verdade de sua conclusão. c) válido e capaz de estabelecer a verdade de sua conclusão. d) válido e formalmente correto. e) inválido e falacioso. 13

14 Questão 30: Estende-se dos gregos até o final do século XVII afirma que a ciência é um conhecimento dedutivo e demonstrativo como a matemática, portanto, capaz de provar a verdade necessária e universal de seus enunciados e resultados, sem deixar nenhuma dúvida. Uma ciência é a unidade sistemática de axiomas, postulados e definições, que determinam a natureza e as propriedades de seu objeto, e de demonstrações, que provam as relações de causalidade que regem o objeto investigado. (CHAUI, 2003). Essa concepção de ciência refere-se à. a) concepção naturalista. b) concepção racionalista. c) concepção empirista. d) concepção construtivista. e) concepção fenomenalista. Questão 31: A primeira classificação sistemática das ciências de que temos notícia foi de Aristóteles. O filósofo grego empregou três critérios para classificar os saberes. A alternativa correta é APENAS: a) critério da ausência ou presença da ação humana nos seres investigados, critério da imutabilidade ou permanência e da mutabilidade ou movimento dos seres investigados e critério da modalidade prática. b) critério da imutabilidade ou permanência, critério de exclusão e inclusão e critério da responsabilidade natural das coisas. c) critério de exclusão e inclusão, critério da ausência ou presença da ação humana, critério da responsabilidade causal. d) critério do princípio dedutivo, critério das ciências matemáticas e da lógica e critério da ordem causal. e) critério da ausência das coisas, critério de inclusão e exclusão e critério das ciências lógico-matemática. Questão 32: São três as exigências do ideal de cientificidade da concepção construtivista, a saber: I. costuma projetar nas coisas ou no mundo sentimentos de angústia e de medo diante do desconhecido; é objetivo e quantitativo, pois é homogêneo e generalizador; I que haja coerência (isto é, que não haja contradições) entre os princípios que orientam a teoria; IV. que os modelos dos objetos (ou estruturas dos fenômenos) sejam construídos com base na observação e na experimentação; V. que os resultados obtidos possam não só alterar os modelos construídos, mas também alterar os próprios princípios da teoria, corrigindo-a. a) I, II e V. b) I, IV e V. c) II, III e IV. d) II, III e V. e) III, IV e V. 14

15 Questão 33: A lógica clássica ou aristotélica dedica-se ao estudo dos silogismos categóricos. Sobre os silogismos, suas regras e sua aplicação, pode-se afirmar que: I. é um raciocínio dedutivo constituído por três proposições categóricas: duas premissas e uma conclusão, que deve derivar das premissas; deve conter três termos: o termo maior que deve ocorrer uma vez nas premissas e é o predicado da conclusão; termo menor que deve ocorrer uma vez nas premissas e é o sujeito da conclusão; e o termo médio que ocorre nas duas premissas e nunca na conclusão. I para ser válido, o silogismo tem que ter somente três termos, o termo médio só pode aparecer nas premissas e, pelo menos uma vez, deve ser universal e um termo não pode ter maior extensão na conclusão do que nas premissas. IV. para ser válido as duas premissas do silogismo não podem ser nem ambas negativas nem ambas particulares; a conclusão não pode ser negativa, se as premissas forem afirmativas; se uma das premissas for particular ou negativa, a conclusão também será particular ou negativa, respectivamente. V. considerando as regras de validade, o silogismo Alguns jovens são indiferentes à religião; alguns jovens são estudantes / logo, alguns estudantes são indiferentes à religião é um silogismo válido. a) I, II, III e V. b) I, II, IV e V. c) I, II, III e IV. d) I, III, IV e V. e) II, III, IV e V. Questão 34: Comte distinguira duas espécies de ciências naturais. As gerais, que tem por objeto a descoberta das leis que regem as diferentes classes de fenômenos e as ciências particulares, descritivas, que consistem na aplicação dessas leis à história efetiva dos diferentes seres existentes. Essas duas espécies de ciências são e. Assinale a alternativa que completa corretamente as lacunas. a) abstratas e formais. b) abstratas e concretas. c) concretas e formais. d) naturais e idiográficas. e) concretas e idiográficas. 15

16 Questão 35: Sobre a filosofia da Idade Média podemos afirmar que: I. de um modo geral, pode ser dividida em dois grandes períodos, a filosofia patrística, cujo principal expoente é Agostinho e a filosofia escolástica cujo principal pensador é Tomas de Aquino. a filosofia patrística teve uma influência direta da filosofia aristotélica e a filosofia escolástica, também chamada de neoplatonismo, é uma retomada da filosofia platônica. I considerando-se os temas e as argumentações utilizadas pelos filósofos medievais, pode-se dizer que a filosofia medieval ocupou-se da fundamentação racional dos elementos da fé cristã, tendo como problema central a compatibilização entre a razão, estruturada a partir da filosofia greco-romana, e a fé, definidas pelos livros do antigo e do novo testamento. Na filosofia medieval, no entanto, a fé está subordinada à razão. IV. na filosofia medieval, há uma preocupação em racionalizar os elementos da fé cristã, por isso, a preocupação em demonstrar as provas da existência de Deus e explicitar a natureza da alma humana. V. o termo patrística decorre das teorias formuladas pelos primeiros padres, considerados os pais da igreja. O termo escolástica está relacionado ao ensino e à produção filosófica nos monastérios cristãos, que estruturou as bases filosóficas da teologia cristã. Tanto a patrística como a escolástica se fundamentam no princípio da autoridade. a) I, II e IV. b) I, II e V c) I, IV e V. d) II, III e IV. e) III, IV e V. Questão 36: Concebe-se a sociedade como um conjunto de seres humanos que vivem e sobrevivem num todo orgânico e harmonioso, com desvios de grupos e indivíduos que ficam à margem desse todo. A educação seria, assim, uma instância quase que exterior à sociedade, pois, de fora dela, contribui para o seu ordenamento e equilíbrio permanente. A educação, nesse sentido, tem por significado e finalidade a adaptação do indivíduo a sociedade. Deve reforçar os laços sociais, promover a coesão social e garantir a integração de todos os indivíduos no corpo social. Essa concepção de educação refere-se à. a) educação como reprodução da sociedade. b) educação como transformação da sociedade. c) educação como tendência liberal tradicional. d) educação como tendência progressista libertadora. e) educação como redenção da sociedade. 16

17 Questão 37: Ao examinar a história da educação, constatamos que nem sempre se cuidou adequadamente da importante questão da formação do professor. Há uma ideia corrente de que vocação e desprendimento generoso bastam para que a pessoa se encaminhe para a profissão. Essa crença gera a ilusão de que ela não precisa de preparo especializado. Maria Lucia de Arruda Aranha (1996) destaca três aspectos importantes na formação do professor. Quais são? A alternativa correta é APENAS: a) Qualificação, formação política e desprendimento. b) Qualificação, formação pedagógica e formação ética e política. c) Desprendimento, formação pedagógica e qualificação. d) Vocação, qualificação e formação ética. e) Formação política, formação ética e desprendimento. Questão 38: As massas são educadas para serem conformistas, para não lutarem nem mesmo pelos seus próprios interesses imediatos. Essa educação na realidade, deseducação é implementada através das escolas, das religiões, da arte. Essa afirmação pertence a. a) Paulo Freire. b) Piere Bourdieu. c) Ivan Illich. d) Antonio Gramci. e) Louis Althusser. Questão 39: Os sentidos filosóficos dos conteúdos escolares estão no centro das decisões pedagógicas escolares. Nessa cadeia estão presentes e deles dependem o encaminhamento da proposta pedagógica e da prática docente. As tendências pedagógicas vêm se formulando ao longo da história da educação, umas com mais força e hegemonia, outras, com manifestações menos definidas. (LUCKESI, Cipriano Carlos, 1990). As tendências pedagógicas, a saber, são: I. a pedagogia tradicional; a pedagogia da escola nova; I a pedagogia tecnicista; IV. a pedagogia libertária; V. a pedagogia libertadora; VI. a pedagogia crítico-social dos conteúdos; V a pedagogia da emancipação; VI a pedagogia da naturalização. a) II, III, VI e VI b) II, IV, VI e VI c) IV, VI, VII e VI d) I, III, VI, VII e VI e) I, II, III, IV, V e VI. 17

18 Questão 40: É comum as pessoas afirmarem que, enquanto o senso comum é pragmático, por estar interessado na aplicação prática, que visa a benefícios imediatos, a ciência tem por objetivo conhecer a estrutura do mundo. Sob esse aspecto, a ciência só visaria conhecer por conhecer, sem se preocupar com a aplicação do conhecimento. No entanto, veremos que o trabalho científico também envolve, além de valores cognitivos, os valores éticos e políticos. Conforme Maria Lucia de Arruda Aranha e Maria Helena Pires Martins (2009), os valores cognitivos possuem três características. Assinale APENAS a alternativa correta conforme a definição apresentada pelas autoras. a) Neutralidade, positividade e autonomia. b) Imparcialidade, positividade e autonomia. c) Imparcialidade, neutralidade e autonomia. d) Autonomia, centralidade e positividade. e) Centralidade, neutralidade e positividade. 18

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013.

LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. LEI N. 1397/2013, de 03 de dezembro de 2013. REESTRUTURA O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO, O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FAZENDA VILANOVA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PEDRO ANTONIO DORNELLES, PREFEITO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO VIÇOSA/ALAGOAS PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGCIO Texto:Ângela Maria Ribeiro Holanda ribeiroholanda@gmail.com ribeiroholanda@hotmail.com A educação é projeto, e, mais do que isto,

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais)

Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) UFPR SETOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE PEDAGOGIA EMENTAS DAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS Ementas aprovadas nos Departamentos (as disciplinas obrigatórias semestrais estão indicadas; as demais são anuais) 1º ANO

Leia mais

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento

Da Natureza, Personalidade Jurídica e Identificação. Art. 1º O Colégio da Polícia Militar do Estado de Goiás, neste Regimento SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR UNIDADE POLIVALENTE GABRIEL ISSA REGIMENTO INTERNO TÍTULO I Das Disposições Preliminares

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: TÉCNICO EM MANUTENÇÃO E SUPORTE EM INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio:

Resolução nº. 01/09. Título I Estágio Supervisionado. Capítulo I. Caracterização do Estágio: 1 Resolução nº. 01/09 Aprovar o Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Pedagogia - considerando o art.70, VII do Regimento desta Instituição; - considerando necessidade de normatizar

Leia mais

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES

A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES A NOVA LEI DE ESTÁGIO DE ESTUDANTES (11.788, DE 25/09/2008) Definição Estágio é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo

Leia mais

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010.

LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. LEI N.º 4.013 de 17 de dezembro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Cria Cargos de Professor para os Níveis da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, de provimento efetivo, no Quadro de Pessoal

Leia mais

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP

O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública CADEP O Papel do Pedagogo na Escola Pública 1 A construção histórica do Curso de Pedagogia 2 Contexto atual do Curso de Pedagogia 3 O trabalho do Pedagogo prática

Leia mais

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO

COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO COLEGIADO DE ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA PRÁTICAS DE CAMPO EM ENFERMAGEM TÍTULO ÚNICO DAS PRÁTICAS DE CAMPO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º. As Práticas de Campo do Curso de Enfermagem parte integrante

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido

Disciplina Estrutura e Funcionamento da. Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Disciplina Estrutura e Funcionamento da Educação básicab Licenciatura em Química Professor: Weslei Cândido Ementa da Disciplina Os caminhos da educação brasileira. A estrutura e organização do ensino no

Leia mais

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará.

Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. RESOLUÇÃO N.º 361/2000 Dispõe sobre a Educação Infantil no âmbito do Sistema de Ensino do Ceará. O Conselho de Educação do Ceará (CEC), no uso de suas atribuições e tendo em vista a necessidade de regulamentar

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT.

RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. RESOLUÇÃO Nº 190/00-CEE/MT. Fixa normas complementares, para o Sistema Estadual de Ensino, à lmplementação das Diretrizes Curriculares para a Formação de Professores da Educação Infantil e dos anos iniciais

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT.

RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. RESOLUÇÃO N. 176/04-CEE/MT. Estabelece Diretrizes para a organização e a realização de Estágio de alunos da Educação Profissional de Nível Técnico e do Ensino Médio, inclusive nas modalidades de Educação

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI?

Perguntas Frequentes. Quem é o aluno da UFPI? Perguntas Frequentes Quem é o aluno da UFPI? É o indivíduo que está regularmente matriculado em uma disciplina ou curso ou, ainda, que já ingressou na UFPI, embora não esteja cursando nenhuma disciplina

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento normatiza as atividades do Estágio Supervisionado em Publicidade e Propaganda

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001

Credenciada pela Portaria Ministerial nº 1734 de 06/08/2001, D.O.U. de 07/08/2001 ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA: EDUCAÇÃO FÍSICA (Portaria de Reconhecimento nº 428 de 28 de julho de 2014) E PEDAGOGIA (Portaria de Reconhecimento nº 286 de 21 de dezembro de 2012) ORIENTAÇÕES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA

REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA REGULAMENTO GERAL ESTÁGIO SUPERVISIONADO LICENCIATURA APRESENTAÇÃO 1. CARGA HORÁRIA DE ESTÁGIO 2. A COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS 2.1. SUPERVISÃO GERAL DE ESTÁGIOS 2.2. COORDENADORES DE CURSO 2.3. PROFESSORES

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO Nº 3, DE 15 DE JUNHO DE 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos

Leia mais

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F.

LEGISLAÇÃO. a) F - F - V - F. b) V - F - V - V. c) V - V - F - F. d) F - V - F - V. e) V - V - V - F. FINANÇAS E ECONOMIA LEGISLAÇÃO Questão 01: Assinale V, para as afirmativas VERDADEIRAS, e F, para as FALSAS. ( ) De acordo com a Organização Político Administrativa do Estado, o servidor público que, no

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád

GICO. ciência de governar. Ele prevê e dád 1. PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO GICO 1.1 É a própria pria organização do trabalho pedagógico gico escolar como um todo, em suas especificidades, níveis n e modalidades. 1.2 É Político por que diz respeito

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos)

3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) 3ª Filosofia Antiga (Pensadores antigos) Questão (1) - A filosofia se constitui, a partir das concepções de Sócrates, Platão e Aristóteles, como o pensamento que investiga: a) A questão da dívida externa.

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO Art. 1º O Sistema de Avaliação tem por objetivo acompanhar o processo de ensinoaprendizagem, visando ao desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica

RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica RESOLUÇÃO CEE Nº 127 de 1997 Regulamenta a Lei 9394/96 Câmara de Educação Básica Fixa normas preliminares visando à adaptação da legislação educacional do Sistema Estadual de Ensino às disposições da Lei

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

Anexo II CARGOS DE DCA

Anexo II CARGOS DE DCA Anexo II CARGOS DE DCA CARGO: COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE EDUCAÇÃO INFANTIL COORDENADOR DO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO DE ENSINO FUNDAMENTAL Coordenar atividades específicas de área, participando

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Art.1º. O Estágio Supervisionado é componente curricular obrigatório do Curso de Graduação em Administração da FASIP que visa a proporcionar

Leia mais

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte,

O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal de Macuco aprovou e ele sanciona a seguinte, LEI Nº 302/05 "DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS" O Prefeito Municipal de Macuco, no uso de suas atribuições legais, faz saber que

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições regulamentares e, considerando

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARTIGO 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) tem os seguintes princípios: 1.1 Consolidar o ISEAT na

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei:

LEI Nº 2.581/2009. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a seguinte Lei: LEI Nº 2.581/2009 DISPÕE SOBRE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE CAETÉ. O Prefeito Municipal de Caeté, Minas Gerais, faz saber que a Câmara Municipal

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino

LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino LEI 3.948, de 16 de novembro de 2009 Sistema Municipal de Ensino Disciplina a organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Mococa e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará

Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará Dispõe sobre a oferta de cursos de pós-graduação lato sensu pela Universidade Federal do Pará O REITOR DA, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral, obedecidas a legislação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPITULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento normatiza as atividades relacionadas ao Estágio Curricular do Curso de Administração

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais