Simulador para Treinamento de Operadores de Colheitadeira Axial de Grãos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Simulador para Treinamento de Operadores de Colheitadeira Axial de Grãos"

Transcrição

1 Simulador para Treinamento de Operadores de Colheitadeira Axial de Grãos Tales Nereu Bogoni 1, Benevid Felix da Silva 1, Giovane Maia do Vale 1, Ivan Pedroso Pires 1, Everton Valdomiro Pedroso Brum 2, Márcio Sarroglia Pinho 3 1 UNEMAT Campus de Colíder Departamento de Computação 2 UNEMAT Campus de Alta Floresta Departamento de Agronomia 3 PUCRS Faculdade de Informática PPGCC Resumo Este artigo apresenta o projeto de um simulador de colheitadeira axial de grãos, voltado para o treinamento de seus operadores. O principal objetivo está em produzir uma ferramenta que auxilie no processo de ensino dos operadores de forma mais rápida e segura, reduzindo os custos do treinamento e o tempo de permanência do aprendiz em uma colheitadeira real. São apresentadas as etapas previstas para o desenvolvimento do projeto e as ações já realizadas até o presente momento. O simulador será equipado com peças reais de uma colheitadeira, instrumentadas com dispositivos de force feedback e utilizará um ambiente virtual modelado a partir de um Modelo Digital de Terreno, além disto, utilizará um HMD para que o usuário visualize o ambiente. Palavras-chave Simulador, Realidade Virtual, Dispositivo Háptico. Abstract This paper presents the axial grain harvester project, for operators' training. The main goal is make a tool for aid in the teaching of harvester operators more faster and security, reducing the costs of training and residence time of apprentice in the real harvester. We present provided steps for the project development and the already taken actions so far. The simulator will equipped with harvester's real parts, instrumented with force feedback devices and will use a virtual environment modeled from a Digital Terrain Model (DTM), in addition, the user will use a HMD for view the environment. Keywords Simulator, Virtual Reality, Haptic Device. 1. Introdução Com o atual desenvolvimento tecnológico na agricultura, principalmente em fazendas com grandes extensões de plantação, cada vez mais equipamentos são utilizado para a colheita de grãos. Estes equipamentos possuem inúmeros componentes tecnológicos para aumentar sua produtividade, porém só conseguem ser efetivos se bem utilizados. Com a inclusão destas colheitadeiras nas lavouras, cada vez menos trabalhadores braçais são necessários e a qualificação deste trabalhador é a forma de mantê-lo empregado [15]. Mais especificamente, no Estado de Mato Grosso, 40,8% do PIB do estado está ligado ao agronegócio, sendo que 83% das exportações do estado estão relacionadas a produtos derivados da soja [8], o que demonstra que o perfil econômico do estado está altamente vinculado ao cultivo e beneficiamento do grão. Agregado ao cultivo de soja está o cultivo de milho, que normalmente é plantado após a colheita da soja. Ambos necessitam de colheitadeiras mecânicas para agilizar a colheita e aumentar a produtividade. A modernização dos implementos agrícolas, em especial a inserção de novas tecnologias computacionais nas colheitadeiras, aumenta a necessidade de mão de obra especializada para sua operação. Esta mão de obra só é obtida a partir de programas de treinamento, que geralmente, são oferecidos pelos fabricantes das colheitadeiras e para um número reduzido de pessoas. Além disto, o risco decorrente da má operação das colheitadeiras pode acarretar grandes prejuízos financeiros, pois os equipamentos parados para a realização de manutenção não produzem, e o operador pode sofrer algum tipo de acidente de trabalho. Por estes motivos o presente projeto destina-se a unir profissionais de diversas áreas do conhecimento para projetar e desenvolver um protótipo de simulador voltado para o treinamento de operadores de colheitadeiras axiais visando a qualificação de mão-deobra, redução de custos de manutenção e aumento de produtividade. Neste sentido, a Realidade Virtual (RV) já demonstrou ser uma excelente ferramenta de ensino para treinar as habilidades motoras de uma pessoa [17], sendo que já está comprovado que o uso de

2 experiências em 1ª pessoa, onde o indivíduo conhece o mundo através de sua interação com ele, influencia positivamente no processo de aprendizagem [6]. O uso de simuladores dotados de recursos de RV traz o benefício da repetição de situações até o domínio das técnicas, já que podem ser simuladas inúmeras vezes a mesma situação. Outra vantagem é a possibilidade de colocar o treinando em situações inesperadas, sem colocar em risco os equipamentos e ele mesmo. Na próxima seção será apresentada uma classificação sobre sistemas de realidade virtual, em seguida, na seção 3, são expostos alguns trabalhos já realizados com simuladores de veículos. A seção 4 descreve o projeto do simulador e as etapas para seu desenvolvimento, em seguida, na seção 5, são descritas as tarefas que já estão sendo desenvolvidas e, na seção 6, os resultados esperados com a conclusão do simulador. 2. Sistemas de Realidade Virtual Os sistemas de RV podem ser classificados como imersivos e não imersivos. O primeiro ocorre quando o usuário é transportado para o domínio da aplicação, através de dispositivos multisensoriais, que capturam seus movimentos e comportamento e reagem a eles, já o segundo ocorre quando o usuário continua visualizando e sofrendo influência do mundo real [18]. Os equipamentos mais utilizados em sistemas de RV imersiva são os óculos do tipo HMD, CAVES e rastreadores de posição, já na RV não imersiva são utilizados monitores e dispositivos convencionais de interação. Quanto aos tipos de simuladores, Zhang et al [21] os classifica em 3 grandes grupos: modelo físico, baseados em RV e híbridos. Os simuladores de modelo físico são utilizados em situações bem específicas, pois seus componentes são físicos e estáticos, são os mais realistas, e também os de maior custo de desenvolvimento. Os simuladores baseados em RV são os mais flexíveis, podem representar virtualmente o que se espera do mundo real e a interação com o usuário acontece apenas no mundo virtual. Os simuladores híbridos não são tão flexíveis quanto os baseados em RV, mas com a utilização de componentes físicos podem dar uma melhor sensação de toque e orientação espacial dentro do Ambiente Virtual (AV). Um dos grandes desafios para os desenvolvedores de simuladores está em reproduzir exatamente o que o usuário vê, ouve e sente durante as operações reais. No que tange a visualização, a utilização de imagens estereoscópicas oferece imagens tridimensionais mais realísticas e com sensação de profundidade e distância. Em se tratando de sons, a utilização de sons estéreo tridimensionais, aumenta a percepção espacial do usuário dentro do AV. Relacionado a sensação de toque, estão sendo incorporados dispositivos de retorno háptico para facilitar a interação do usuário com o AV e torná-lo mais responsivo. O termo háptico refere-se à capacidade de sentir um ambiente virtual através do tato, e é composto por dois componentes independentes, o cutâneo, responsável pelas sensações de pressão, temperatura ou dor, e o cinestésico, que é responsável pelas sensações de movimento e força [11]. As sensações providas pelos dispositivos hápticos podem ser de 4 tipos: retorno de aperto (grip feedback) que fornece ao usuário sensação de pressão; retorno de apreensão (grasp feedback) que fornece limitação dos movimentos do usuário em algum grau de liberdade; retorno de força (force feedback) que cria forças direcionais exigindo que o usuário empregue força para realizar os movimentos; e retorno tátil ou de toque (tactile/touch feedback), que produz estímulos em forma de sensação de calor, toque ou vibração [7]. Tanto os simuladores baseados em RV quantos os híbridos fazem uso de AVs em seu desenvolvimento a fim de fazer com que o usuário reconheça o ambiente real nele projetado, quer seja do ponto de vista gráfico, ou da forma de como ele irá interagir com os dispositivos de entrada dados. Esta característica dos sistemas é descrita em Engenharia de Software como sendo a Usabilidade do sistema, o que pode refletir no sucesso ou fracasso do projeto. 3. Trabalhos relacionados Sistemas de RV híbridos são largamente utilizados em treinamentos que exigem aprimoramento de habilidades motoras e intelectuais, entre eles, Bogoni e Pinho [5] apresentam um simulador de caminhão que permite a verificação do comportamento de motoristas de caminhão com relação à utilização de técnicas de direção de econômica. No simulador, dotado de equipamentos reais como, direção, pedais e painel de controle, o motorista conduz um caminhão em um ambiente virtual enquanto o sistema monitora suas ações e avalia a forma como ele está dirigindo com relação à utilização de técnicas de direção econômica. Em outro estudo, Lopes et al [9] apresentam os resultados do uso de um simulador de máquina de corte de árvores para o treinamento de seus operadores, no qual verificaram que o tempo de treinamento em equipamentos reais poderia ser reduzido para os operadores que utilizassem o simulador. Nesta mesma área de pesquisa, Ovaskainen [12] apresenta um estudo

3 com operadores de máquinas cortadoras de árvores que buscava identificar quais as operações poderiam ser simuladas com o uso de um simulador hibrido utilizando dispositivos físicos similares aos reais. Outra iniciativa para treinamento de operadores de equipamentos pesados á apresentada por Barbosa [2], que descreve o processo de desenvolvimento de um simulador para treinamento de maquinistas de trens, projeto desenvolvido pela Escola Politécnica da USP em parceria com a empresa Vale. módulo de controle háptico, no qual são efetuados os cálculos das forças que deverão ser retornadas para os dispositivos físicos equipados com force feedback, realimentando os dispositivos físicos, reiniciando o processo de simulação. 4. Projeto do Simulador Para o desenvolvimento de um sistema que atenda às necessidades deste projeto optou-se por utilizar um simulador híbrido composto por uma cabine de colheitadeira real e um AV. A cabine é composta por seus equipamentos básicos como pedais, painel de controle, direção e alavancas de comando, com o objetivo de familiarizar o operador com a realidade que encontrará nos equipamentos reais. O AV será modelado com base em uma plantação de soja com um relevo típico de áreas mecanizadas, com os problemas comuns que podem ocorrer em uma plantação, como áreas de erosão, locais com ervas daninhas e plantas com doenças que não devem ser colhidas. A Figura 1 apresenta um croqui do simulador, demonstrando os equipamentos reais que serão utilizados e o correto posicionamento do usuário dentro do simulador. A fim de proporcionar ao usuário uma visão global do AV, ele utilizará um HMD com exibição de imagens estereoscópicas. Como o usuário estará imerso no AV, assim perdendo a noção de seu posicionamento dentro do ambiente real, os dispositivos reais de interação e um avatar do usuário também serão representados dentro do AV. Objetivando manter a relação de posicionamento espacial do usuário com seu avatar, será realizado o rastreamento da cabeça, das mãos e dos pés do usuário. A arquitetura básica do simulador (Figura 2), identifica o fluxo de comunicação entre os diversos componentes do simulador. Quando o usuário interage com os dispositivos de interação os dados referentes acionamento de comandos, pressionamento de pedais, controle da direção e posição de rastreamento das mãos e pés do usuário são enviados para o módulo de interface de comunicação, que envia estes dados para a engine responsável pelo controle do render gráfico do AV, que por sua vez, atualiza a saída gráfica, de acordo com a visão do usuário em seu HMD e, envia dados referentes ao controle de colisão e do posicionamento do usuário no AV de volta a interface de comunicação, que encaminha estes dados para o Figura 1 - Configuração física do simulador Figura 2 - Arquitetura do simulador Para um melhor acompanhamento do desenvolvimento do projeto, este foi dividido em 6 etapas básicas, que são apresentadas nas próximas seções Definições do simulador Nesta etapa são definidas as operações de uma colheitadeira que podem ser simuladas, a estrutura do terreno onde a simulação irá acontecer e o tipo de cultura que será utilizada na simulação Construção do setup físico do simulador Esta etapa é composta pela montagem de uma cabine que imite a cabine de uma colheitadeira e pela

4 instalação de sensores nos equipamentos da cabine que servirão como instrumentos de interação entre o operador e o sistema de simulação Construção do ambiente virtual Nesta etapa é realizada a modelagem dos objetos que fazem parte do AV, como árvores, rios, instrumentos da colheitadeira e o terreno, este baseado no Modelo Digital do Terreno (MDT) levantado na fase de definições do simulador. A interface gráfica do AV deve ser realista o suficiente para provocar a sensação de presença do usuário dentro do AV e, também, deve manter uma taxa de amostragem de quadros que permita manter a interatividade do ambiente Integração do AV com o setup físico Nesta etapa será realizada a integração do AV com a cabine do simulador. Equipamentos que permitam ao operador do simulador sentir e necessitar exercer força para a realização dos movimentos, dispositivos com retorno de força ou hápticos, serão inseridos na cabine e controlados pelo sistema através das interações que ocorrem no ambiente virtual. Também será desenvolvido um mecanismo de rastreamento para detectar a posição das mãos e dos dedos do operador dentro da cabine e posicionar as mãos virtuais dentro do AV, para isso será utilizado o método de rastreamento óptico com extração de imagens, baseado em Silva [16], através de algoritmos de visão computacional Monitoramento e análise de dados Nesta etapa será desenvolvido o mecanismo de interface de comunicação, na qual os dados recebidos dos dispositivos físicos são armazenados e interpretados por um módulo do sistema que realizará o controle da aplicação Avaliação do simulador Nesta etapa serão definidas as métricas que serão utilizadas para medir a eficácia do simulador como instrumento para ser utilizado no treinamento de operadores de colheitadeiras. Para validar o uso de simulador serão realizados dois testes distintos. O primeiro tem por objetivo avaliar a sensação de presença proporcionada pelo simulador e o grau de realismo obtido na operação, este teste contará com a presença de profissionais que já trabalham com colheitadeiras e instrutores de treinamentos convencionais. O segundo teste tem como objetivo verificar se ao utilizar o simulador a assimilação dos conteúdos durante o treinamento prático em uma colheitadeira real se dá de forma mais eficiente, e para isso contará com a participação de instrutores de cursos convencionais e com alunos inscritos em cursos de operação de colheitadeiras. 5. Construção do Simulador O presente projeto de pesquisa está na fase das definições do simulador, na qual já foi realizada a escolha da engine de render da simulação e a escolha dos dispositivos hápticos que serão utilizados 5.1. Definição da Engine de Render Para a escolha da engine a ser utilizada como base para o desenvolvimento do simulador levou-se em conta características relacionadas à fidelidade audiovisual oferecida pela engine, a possibilidade de utilização de dispositivos não convencionais de entrada e saída de dados, a possibilidade de criação de cenários e integração com outros editores gráficos 3d, como por exemplo o 3D Studio Max [1] e Blender [4], e a facilidade em incluir aspectos relacionados ao comportamento físico dos objetos de cena, como a interação entre a colheitadeira e a plantação. Considerando o estudo realizado por Pedritis et al [13], que analisou 4 engines para desenvolvimento de serious games, sendo elas: Quest3D [14], Unreal Development Kit (UDK) [20], Blender [3] e Unity3D [19]. Pode-se observar que a que melhor de adapta às necessidades deste projeto é a UDK. Mesmo sendo classificada como de baixa acessibilidade por possuir um elevado custo de sua versão para uso comercial, porém, como este projeto possui finalidade educacional, esta variável não foi considerada Definição dos Dispositivos Hápticos O objetivo da utilização dos dispositivos hápticos dentro deste projeto está em proporcionar ao usuário sensações mais realistas em tarefas como girar a direção, acionar os pedais e regular a altura de corte da colheita. Pretende-se ainda simular os movimentos da cabine a com de que o usuário perceba o relevo do terreno. Para simular estes aspectos serão inseridos dispositivos físicos que irão proporcionar force feedback para cada um dos instrumentos do simulador. Os pedais serão equipados com molas para fazer com que o usuário execute força para pressioná-los, a direção receberá um motor que executará força

5 contrária ao movimento do usuário, sendo controlado através da interação com o terreno do AV, e, as alavancas de acionamento das plataformas de corte e descarregamento da colheitadeira serão equipadas com dispositivos do tipo Novint Falcon Controller [10] para proporcionar reações de force feedback. 6. Resultados Esperados Do ponto de vista econômico, espera-se que ao ser utilizado o simulador de colheitadeira durante o processo de ensino-aprendizagem seja possível incrementar as habilidades dos operadores treinados, fazendo com que os problemas nos equipamentos causados por mau uso sejam minimizados e sua produtividade maximizada, além de desenvolver novas tecnologias para serem utilizadas neste tipo de projeto visando para aumentar sua eficiência e reduzir os custos relacionados a equipamentos e ao tempo de desenvolvimento das aplicações. Do ponto de vista científico, o desenvolvimento deste projeto pretende apresentar uma metodologia para o treinamento de operadores de colheitadeiras e os resultados obtidos com a aplicação desta metodologia, sendo possível com isto melhorar o processo de treinamento dos operadores. 7. Agradecimentos Os autores gostariam de agradecer à Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Mato Grosso (FAPEMAT), por financiarem esta pesquisa (Auxilio a Projeto de Pesquisa, nº /2010). 8. Referências [1] Autodesk 3ds Max Products. Disponível em: &siteid= Acessado em: 02/08/2010. [2] Barbosa, R. S. Simulador de trens nacional aprimora capacitação de maquinistas. Agência USP de Noticias, São Paulo, 10 jan. 2009, p. 1-2, 10 jan [3] Blender. Disponível em: Acessado em: 02/08/2010. [4] Blender. Disponível em: Acessado em: 30/08/2010. [5] Bogoni, T. N.; Pinho, M. S. Sistema para Monitoramento de Técnicas de Direção Econômica em Caminhões com Uso de Ambientes Virtuais Desktop. In: XI Symposium on Virtual and Augmented Reality, 2009, Porto Alegre. Proceedings SVR Porto Alegre : SBC, p [6] Cardodo, A.; Lamunier Júnior, E. A. Aplicações de RV e RA na Educação e Treinamento. In: Rosa Maria Costa; Marcos Wagner S. Ribeiro. (Org.). Aplicações de Realidade Virtual e Aumentada. 1 ed. Porto Alegre-RS: Sociedade Brasileira de Computação, 2009, v. 1, p [7] Farias, T.; Silva, D.; Moura, G. de S.; Teixeira, J.; Costa, L.; Dias, G.; Teichrieb, V.; Kelner, J. Um Estudo de Caso sobre a Construção e a Integração de Dispositivos Hápticos com Aplicações Interativas. In: Brazilian Symposium on Computer Games and Digital Entertainment, 2006, Recife. V Brazilian Symposium on Computer Games and Digital Entertainment, [8] Freitas, E. Economia de Mato Grosso. 12/05/2008. Disponível em: /e- Matogrosso/Estado/Informa%C3%A7%C3%B5es/ Economia+de+Mato+Grosso. Acesso em 16/04/2010. [9] Lopes, E. S.; Cruziniani, E.; Araujo, A. J.; Silva, P. C. da. Avaliação do treinamento de operadores de harvester com uso de simulador de realidade virtual. Rev. Árvore [online]. 2008, vol.32, n.2, pp [10] Novint Falcon Controller. Disponível em: Acessado em 24/08/2010. [11] Oakley, I.; McGee, M. R.; Brewster, S.; Gray, P. Putting the feel in look and feel. In Proceedings of the SIGCHI Conference on Human Factors in Computing Systems (The Hague, The Netherlands, April 01-06, 2000). CHI '00. ACM, New York, NY, [12] Ovaskainen, H. Comparison of Harvester Work in Forest and Simulator Environments. Silva Fennica, V 39 (1) pp [13] Petridis, P.; Dunwell. I.; Freitas, S. de; Panzoli, D. An Engine Selection Methodology for High Fidelity Serious Games. Games and Virtual Worlds for Serious Applications, Conference in, pp , 2010 Second International Conference on Games and Virtual Worlds for Serious Applications, [14] Quest3D. Disponível em: Acessado em: 02/08/2010. [15] Ribeiro, D. D.; Mendonça, M. R.; Hespanhol, A. N. Relações de trabalho na agricultura mecanizada: a monocultura da soja em Goiás. Scripta Nova Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, Universidad de Barcelona, v. 6, n. 119, p , ago [16] Silva, R. J. M. Integração de um Dispositivo Óptico de Rastreamento a uma Ferramenta de Realidade Virtual. Tese de Mestrado DI/PUC-Rio [17] Sveistrup H. Motor rehabilitation using virtual reality. J Neuroengineering Rehabil. 2004;1(1):10. [18] Tori, R.; Kirner, C.; Siscouto, R.. Fundamentos e Tecnologia de Realidade Virtual e Aumentada. In: VIII Symposium on Virtual Reality. Pará, pp , [19] Unity3D. Disponível em: Acessado em: 02/08/2010. [20] Unreal Development Kit. Disponível em: Acessado em: 02/08/2010. [21] Zhang, Y.; Phillips, R.; Ward, J.; Pisharody S. A survey of simulators for palpation training. Stud Health Technol Inform 2009;142:

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO Arion Roberto Krause 1 ; Andrey Alves 1 ; Rafael Jusinskas Labegalini 1 ; Luiz Fernando Braga Lopes 2 RESUMO:

Leia mais

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT.

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br

Realidade Virtual & Ensino a Distância. Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Realidade Virtual & Ensino a Distância Cássio Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br Sumário 1. RV - Conceitos e Principais Características 2. RV Imersiva e Não Imersiva 3. Tipos de Sistemas de RV 4. RV na

Leia mais

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL

PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL PROPOSTA PARA APLICAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA EM REALIDADE VIRTUAL Cássio David Borralho Pinheiro cassio@stm.ufpa.br cdbpinheiro@zipmail.com.br Universidade Federal do Pará - Campus de Santarém Resumo.

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Ewerton Daniel de Lima 1, Fabiano Utiyama 1, Daniela Eloise Flôr 1 1 UNIPAR Universidade Paranaense ewertondanieldelima@hotmail.com,{fabianoutiyama, danielaflor}@unipar.br

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

PROJETO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO PARA ENLONAMENTO DE CAMINHÕES AGRÍCOLAS

PROJETO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO PARA ENLONAMENTO DE CAMINHÕES AGRÍCOLAS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 PROJETO DE UM SISTEMA AUTOMÁTICO PARA ENLONAMENTO DE CAMINHÕES AGRÍCOLAS Giovani Locatelli e

Leia mais

F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA F-FORCE A FRAMEWORK FOR COLLABORATIVE ENVIRONMENTS PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Gabriel Fernandes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR VIRTUAL INTEGRADO APLICADO AO TREINAMENTO OPERACIONAL DE PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS

DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR VIRTUAL INTEGRADO APLICADO AO TREINAMENTO OPERACIONAL DE PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS DESENVOLVIMENTO DE SIMULADOR VIRTUAL INTEGRADO APLICADO AO TREINAMENTO OPERACIONAL DE PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS D. Z. G. MAZZALI e F. V. DA SILVA. Faculdade de Engenharia Química, Departamento de

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1

Computação Gráfica, Jogos e Mundos Virtuais na Educação Prof.Dr. Romero Tori 1 Romero Tori Centro Universitário SENAC, USP Introdução A Computação Gráfica (CG) surgiu no início dos anos 1960 quando Ivan Sutherland defendeu, no Massachussets Institute of Technology (MIT), a histórica

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Interação Háptica em Plataformas Livres

Interação Háptica em Plataformas Livres Interação Háptica em Plataformas Livres Derzu Omaia 1, Liliane dos Santos Machado 1, Ronei Marcos de Moraes 2 1 Departamento de Informática e 2 Departamento de Estatística UFPB - Universidade Federal da

Leia mais

A criação dos elementos químicos. tridimensionais através da realidade virtual. uma aplicação na química orgânica

A criação dos elementos químicos. tridimensionais através da realidade virtual. uma aplicação na química orgânica A criação dos elementos químicos tridimensionais através da realidade virtual uma aplicação na química orgânica José Avelino dos Santos Moura 1, Alexandre Cardoso 2, Edgard A. Lamounier Jr. 2 1 Faculdade

Leia mais

VIRNA. Virtualizador Nacional

VIRNA. Virtualizador Nacional 1 VIRNA Virtualizador Nacional 2 Sumário Introdução Histórico Contextualização Visão Geral Metáfora do Videogame Termos e Conceitos Funcionamento Visão Geral do Emprego Evolução Benefícios e Necessidades

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

Sistema Solar com Realidade Aumentada

Sistema Solar com Realidade Aumentada Sistema Solar com Realidade Aumentada Eduardo S. Okawa, Claudio Kirner, Tereza G. Kirner ICE / DMC / UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá dudu.unifei@gmail.com, ckirner@gmail.com, tgkirner@gmail.com

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015

Professor: Ronilson Morais Lobo. Salvador / 2015 Professor: Ronilson Morais Lobo Salvador / 2015 Introdução Motivação: Criar uma metodologia, Protótipar cenários reais, Proporcionar jogos divertidos, intuitivos e colaborativos. Tecnologia, Conceitos

Leia mais

Itumbiara, Goiás (ILES/ULBRA) 2 Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Itumbiara, Goiás (ILES/ULBRA) 2 Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Interface para distribuição e integração de Realidade Aumentada com Realidade Virtual por meio da plataforma CORBA, tendo como estudo de caso ambientes multidisciplinares de biologia e química. Wender

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REALIDADE AUMENTADA APLICADA A PUBLICIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais

Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais Utilização de modelos virtuais no ensino de desenho técnico para engenheiros florestais UNIPLAC fabiterezo@hotmail.com 1. Introdução Com o advento dos computadores, dos programas de desenho, das impressoras

Leia mais

PROTÓTIPOS DA LINHA LEGO MINDSTORMS PARA AUXÍLIO NO ENSINO/APRENDIZAGEM PROGRAMAÇÃO

PROTÓTIPOS DA LINHA LEGO MINDSTORMS PARA AUXÍLIO NO ENSINO/APRENDIZAGEM PROGRAMAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CURRAIS NOVOS UTILIZAÇÃO DE PROTÓTIPOS DA LINHA LEGO MINDSTORMS PARA AUXÍLIO NO ENSINO/APRENDIZAGEM DA DISCIPLINA DE PROGRAMAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento de aplicações utilizando realidade aumentada

Desenvolvimento de aplicações utilizando realidade aumentada Leandro Tonin 1 Prof. MS. Klausner Vieira Gonçalves 2 RESUMO A Realidade Aumentada é uma tecnologia bastante promissora, que permite que o mundo virtual e o real se misturem, dando uma maior interatividade

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo A construção de dispositivos controlados através do computador, como ferramenta educacional associado ao trabalho com

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Palavras da Língua Inglesa

Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Palavras da Língua Inglesa Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Palavras da Língua Inglesa César E. B. Júnior 1, Márcio A. Duarte 1 1 Universidade Federal de Goiás - Campus Catalão (UFG) Av. Dr. Lamartine Pinto de Avelar, 1120

Leia mais

SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES

SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES SIMULAÇÃO DE TRÁFEGO DE VEÍCULOS INTELIGENTES PARA PREVENÇÃO DE ACIDENTES Leonardo T. Antunes 1, Ricardo R. Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil leonardo_tada@hotmail.com, ricardo@unipar.br

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação

Desenvolvimento de Interfaces Prototipação Autarquia Educacional do Vale do São Francisco AEVSF Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina - FACAPE Centro de Engenharia e Ciências Tecnológicas CECT Curso de Ciência da Computação Desenvolvimento

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática

Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Um Assistente Virtual Inteligente Dirigido por Várias Metodologias Educacionais no Ensino em Informática Abstract. This work shows the evolution of Intelligent Teaching Assistant SAE that include and provide

Leia mais

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual

Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual Projeto Museu Virtual: Criação de Ambientes Virtuais com Recursos e Técnicas de Realidade Virtual Cristina Jasbinschek Haguenauer 1,2 Gerson Gomes Cunha 2 Francisco Cordeiro Filho 1 Marcos Coutinho Monnerat

Leia mais

AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: O PAPEL FUNDAMENTAL DA TELEDUCAÇÃO NA APRENDIZAGEM E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL

AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: O PAPEL FUNDAMENTAL DA TELEDUCAÇÃO NA APRENDIZAGEM E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL AMBIENTE INTERATIVO DE APRENDIZAGEM: O PAPEL FUNDAMENTAL DA TELEDUCAÇÃO NA APRENDIZAGEM E PREVENÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL Wanderléia Blasca, Andressa S. C.da Silva, Ana C. Spinardi,Thaís

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVO MÓVEL PARA AUXÍLIO NA PREVENÇÃO DE TRAGÉDIAS EM DECORRÊNCIA DE ENCHENTES Autores: Luciano GONÇALVES JUNIOR, Natália Maria Karmierczak DA SILVA, Paulo César Rodacki GOMES,

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

Palavras-chave: Movimentação de madeiras, logística de secadores, segurança do trabalho, ergonomia em movimentação de madeira.

Palavras-chave: Movimentação de madeiras, logística de secadores, segurança do trabalho, ergonomia em movimentação de madeira. Estudo para Implantação de Equipamentos para Movimentação de Madeiras em Unidades de Beneficiamento de Grãos 70 Daniel Kensy 1 ; Gil Guimaraes, PhD 2 RESUMO Um dos gargalos nas unidades beneficiadoras

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG

LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG LEAS ONLINE: PROTÓTIPO DE UM JOGO DE MMORPG Wesllen de Oliveira Delfino, Larissa Pavarini da Luz wesllendelfino@hotmail.com,larissa.luz01@fatec.sp.gov.br Projeto de Iniciação Científica Larissa Pavarini

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino

SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino SAPENS - Sistema Automático de Páginas de Ensino Eduardo Kokubo kokubo@inf.univali.br Fabiane Barreto Vavassori, MSc fabiane@inf.univali.br Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI Centro de Ensino Superior

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais.

Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. 286 Computação Afetiva: Uma ferramenta para avaliar aspectos afetivos em aplicações computacionais. Saulo William S. Costa, Ailton Lopes de Sousa, Yomara Pires Laboratório de Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL

DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL DESMISTIFICANDO O USO DA LOUSA DIGITAL Alcione Cappelin alcionecappelin@hotmail.com Cristiane Straioto Diniz cstraioto@gmail.com Eloisa Rosotti Navarro eloisa-rn@hotmail.com Renata Oliveira Balbino rebalbino@yahoo.com.br

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Lourival dos Santos Pires Júnior, Tony Carlos Bignardi dos Santos, Amaury Antônio de Castro Junior, Carlos Alberto da Silva, Leila Lisiane Rossi

Leia mais

Virtual Welding. Treinamento do futuro

Virtual Welding. Treinamento do futuro Virtual Welding Treinamento do futuro Aprendizagem real via simulador 100% seguro Economia de recursos O pacote de sucesso GERAL O treinamento em soldagem tem agora um novo nome: Fronius Virtual Welding

Leia mais

Ambiente virtual e educacional para auxílio ao estímulo da lateralidade e dos sentidos de crianças

Ambiente virtual e educacional para auxílio ao estímulo da lateralidade e dos sentidos de crianças Ambiente virtual e educacional para auxílio ao estímulo da lateralidade e dos sentidos de crianças Ana Emília Lelis da Silva 1, Nadabe O. Alves Fortes 1, Wender Antônio da Silva 1, Marcos Wagner de Souza

Leia mais

Simulação e Ergonomia aplicadas ao Projeto de Situações Produtivas

Simulação e Ergonomia aplicadas ao Projeto de Situações Produtivas Simulação e Ergonomia aplicadas ao Projeto de Situações Produtivas Prof. MSc. Daniel Braatz Ergo&Ação UFSCar DEP-UFSCar UNEMAT Semana Unificada das Engenharias XV International Conference on Industrial

Leia mais

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem

Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem Desenvolvimento de jogo educativo digital para estimular o processo de aprendizagem André R. Moreira¹, Paulo H. Tirabassi², Vinicius R. Dogo³,4 ¹Técnico em Administração, Escola Técnica Estadual Sales

Leia mais

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE

JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE JOGOS DIGITAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ENGENHARIA DE SOFTWARE João Fukusawa 1, Andreia Carniello 2, Adriana Carniello 3 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Desenvolvimento

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS

MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS MODELAGEM COMPUTACIONAL DE MECANISMOS CLÁSSICOS Lucas F. Cóser, Diego L. Souza, Ricardo F. Morais e Franco G. Dedini Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE

WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE WORKING PAPERS AVATAR EXPRESS: CREATE, EDIT, ANIMATE Resumo Nos dias de hoje a forma como comunicamos e interagimos com o mundo passa, muitas vezes, por ecrãs. Televisão, computadores, telemóveis e tablets

Leia mais

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares

SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares SISTEMA PARA CONTROLE DE EGRESSOS E INDICADORES DE MEDIÇÃO Pesquisa em Andamento: resultados preliminares Neidson Santos Bastos 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 ; Reginaldo Rubens da Silva 3 RESUMO Mensurar

Leia mais

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet

Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet 1 de 5 22/7/2008 17:14 Uma Aplicação de Ensino Orientada a Agentes na Internet Adriana Soares Pereira Cláudio Fernando Resin Geyer adriana@inf.ufrgs.br Resumo Este trabalho apresenta uma proposta de desenvolvimento

Leia mais

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA

O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA O USO DO SIMULADOR ESTADOS FÍSICOS DA MATÉRIA BÁSICO PARA O ENSINO DE QUÍMICA Mariane Gama NABIÇA 1 mariane_gama@hotmail.com Davi Henrique Trindade AMADOR 1 henriquetrindade9@yahoo.com.br 1 Universidade

Leia mais

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL

ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL ACESSIBILIDADE E USABILIDADE: UM INSTRUMENTO PARA AVALIAÇÃO DE DISPOSITIVOS COMPUTACIONAIS MÓVEIS COM ÊNFASE EM NECESSIDADE ESPECIAL VISUAL Erick Lino Pedro 1 NIPETI 2 - Instituto Federal de Mato Grosso

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

LVR Laboratório Virtual de Redes

LVR Laboratório Virtual de Redes LVR Laboratório Virtual de Redes Protótipo para Auxílio ao Aprendizado em Disciplinas de Redes de Computadores 1. Introdução Os sistemas de RV permitem aos usuários imersão, envolvimento e interação em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado

Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Desenvolvimento econômico e social no Brasil e a qualificação profissional num mundo globalizado Edson Tomaz de Aquino 1 Resumo: Este artigo apresenta uma reflexão sobre os desafios do Brasil em competir

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E SUA APLICABILIDADE NOS JOGOS Aline Ferraz da Silva 1 Carine Bueira Loureiro 2 Resumo: Este artigo trata do projeto de Trabalho

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE TRÊS FERRAMENTAS DIDÁTICAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE AUTOMAÇÃO EM CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

DESENVOLVIMENTO DE TRÊS FERRAMENTAS DIDÁTICAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE AUTOMAÇÃO EM CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DESENVOLVIMENTO DE TRÊS FERRAMENTAS DIDÁTICAS PARA AUXILIAR O ENSINO DE AUTOMAÇÃO EM CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES Josimar R. N. josimarnolasco@yahoo.com.br Lindolpho O. de Araujo Júnior lindolpho@leopoldina.cefetmg.br

Leia mais

Nossa Equipe. treinamento é simulado

Nossa Equipe. treinamento é simulado 1 Nossa Equipe e-technologies Solutions, Corp. A e-technologies Solutions é a empresa norte-americana estabelecida em West Palm Beach Flórida, líder entre as especializadas em prover informação e ferramentas

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA

PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA 1 PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO E ESTUDO PARA REUTILIZAR OBJETOS DE APRENDIZAGEM BUSCANDO POR COMPETÊNCIA Florianópolis SC - 05/2015 Giovana Schuelter FabriCO Educare giovana.schuelter@fabrico.com.br Norton

Leia mais

Cria1vidade e tecnologia a favor da APRENDIZAGEM.

Cria1vidade e tecnologia a favor da APRENDIZAGEM. www.eadskill.com.br 20 anos de experiência em TREINAMENTO CORPORATIVO. A Skill e- Learning Solu7ons oferece soluções completas para desenvolvimento de treinamentos corpora-vos, que vão desde a análise

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE *

PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * PERSPECTIVAS DO PROJETO DE ENSINO FÁBRICA DE SOFTWARE * Hudson Henrique de Souza LOPES 1 ; Wellington Garcia PEREIRA 2 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 3. 1 Bolsista do PET EEEC/UFG hudsonhsl@hotmail.com.

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais