Perdas na Colheita Mecanizada da SOJA - Safra 2007/2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perdas na Colheita Mecanizada da SOJA - Safra 2007/2008"

Transcrição

1 Perdas na Colheita Mecanizada da SOJA - Safra 2007/2008 EMATER /SEAB EMBRAPA-Soja /Londrina Curitiba, Agosto de

2 LEVANTAMENTO DE PREVENÇÃO DE PERDAS NA COLHEITA DA SOJA NO ESTADO DO PARANÁ - SAFRA 07/08. I. INTRODUÇÃO Antoninho C. Maurina (*) A colheita é uma etapa muito importante no processo de produção de qualquer cultura. Para a cultura da soja, representa o momento da avaliação da safra quanto aos aspectos produtivos e qualitativos. Avalia-se o desempenho da cultura frente à tecnologia empregada desde as primeiras operações para sua implantação, até as adversidades climáticas ocorridas e ainda sob a perspectiva de mercado e da comercialização. A colheita é o momento de muita expectativa para o produtor, pois o mesmo investiu muitos recursos para: Aquisição dos insumos (sementes, fertilizantes, agroquímicos, etc.); Na conservação, manejo e preparo do solo; No controle de pragas, plantas daninhas e doenças; No financiamento e/ou recursos próprios; e Preocupação com o tempo (seca, granizo, excesso de chuva, etc.). O sojicultor muito antes de realizar a colheita, deve preocupar-se com uma série de providências para evitar perdas futuras, durante a operação da colheita, tais como: Implantação adequada da lavoura / cultura; Condução adequada da lavoura nas suas diferentes fases; Regulagem e manutenção da colhedora para realizar a colheita com o mínimo de perdas, visando também a qualidade do produto colhido; e Capacitação do operador. A perda na colheita é antes de tudo diminuição do lucro do produtor. (*) Engenheiro agrônomo EMATER - Paraná - Curitiba. 2

3 II. AÇÕES DESENVOLVIDAS Tem-se verificado perdas acentuadas nas culturas de soja e milho durante a operação de colheita no Estado do Paraná. A partir da safra 1978/79, o Instituto EMATER, vem desenvolvendo ações no sentido de prevenir e reduzir as perdas na colheita de soja, com três objetivos básicos: Verificar as perdas ocorridas durante a operação da colheita; Orientar os sojicultores/operadores como determinar as perdas; Capacitar os sojicultores/operadores como fazer as regulagens básicas da colhedora para diminuir as perdas. Na safra de soja 07/08 o Instituto EMATER desenvolveu ações na redução de perdas na colheita de soja, tendo como metodologia os Concursos de Operadores de Colhedoras, realizados nas regiões de Londrina e Maringá. III. METODOLOGIA A metodologia utilizada nos trabalhos de prevenção e redução de perdas na colheita de soja, foi a desenvolvida pela EMBRAPA-Soja de Londrina, com 3 repetições em cada ponto amostrado. Esta metodologia envolve o uso de uma armação confeccionada com 2 cabos de vassoura e barbante, como mostra a figura a seguir: Largura da plataforma/armação ripa de madeira }medida y. barbante ou corda A área da armação tem 2,0 m 2, sendo obtida da seguinte maneira: largura da plataforma da colhedora e outra medida y. Exemplo: sendo a área de 2m 2 e largura da plataforma de 3,6 metros, temos portanto 2,0 m 2 3,6 = 0,56m ou 56 cm. 3

4 Esta armação determina a área para se fazer a coleta dos grãos. Os grãos são coletados num copo, denominado copo medidor volumétrico que tem uma coluna numerada que determina a perda em sacos/hectare, como pode ser visto na figura a seguir: Ilustração em perspectiva de modelo de copo medidor. CNP-So / EMBRAPA - Londrina,

5 Além da armação e do copo medidor de perdas, utiliza-se ainda uma ficha específica com dados sobre a colhedora e situação da lavoura da soja. NÃO PERCA SOJA NA COLHEITA LEVANTAMENTO E PREVENÇÃO DE PERDAS-SAFRA PROPRIEDADE MUNICÍPIO PROPRIETÁRIO ÁREA (HECTARES) COLHEDORA CULTIVAR Marca Data de Plantio: de até Própria alugada Espaçamento Barra Flexível marca Nº de plantas por metro (na Linha) Largura da plataforma Altura da planta (colo até último nó) Altura do Corte Altura das 1ª s vagens *Usa-se uma armação da mesma largura da plataforma e outra medida y que é variável. Largura da plataforma armação ripa de madeira }medida y, barbante ou corda PERDAS EM SACOS POR HECTARE QUANTIDADES ANTES DA A.T. APÓS A A.T. Perdas antes da colheita Perdas pelos mecanismos internos Perdas pela plataforma de corte Perda total 5

6 IV. ESTRATÉGIA As ações na Prevenção e Redução de Perdas na Colheita de Soja: Safra 07/08 foram concentradas no diagnóstico a campo a respeito das perdas que ocorrem durante a operação da colheita da soja, tendo como base, os concursos realizados em algumas regiões. Outro ponto importante a ser considerado, diz respeito à capacitação; para tanto foram realizados 12 cursos, 15 concursos municipais e 1 regional para operadores de colhedoras, e 1 semana especial. V. RESULTADOS Durante a colheita da soja, safra 07/08 os técnicos do Instituto EMATER realizaram 374 levantamentos sobre perdas na colheita, à partir dos concursos, concentrando o trabalho sobre a perda total, não considerando as possíveis perdas ocorridas antes da colheita (debulha natural), na plataforma de corte e nos mecanismos internos, pois o objetivo principal era de se obter parâmetros sobre a perda total. Quadro Resumo das atividade sobre redução das perdas: Área colhida (hectares) , Operadores (fichas de campo) 374, Concursos municipais 15, Concurso regional 1, Cursos operadores 12, Semana especial 1, Perda acima aceitável 22% (82 operadores que é de 0,75 sc/há, segundo a EMBRAPA soja). Perda média concursos 0,64 sc/ha Perda média geral 0,98 sc/ha (2.006) CONCURSO PERDA NA COLHEITA - SOJA 2008 IBIPORÃ NÚMERO DE OPERADORES NÚMERO DE COLHEDORAS NÚMERO DE LEVANTAMENTOS...65 ÁREA DO GRUPO HA ÁREA MÉDIA DO GRUPO HA ÁREA DO MUNICÍPIO COM SOJA HA 6

7 REPRESENTATIVIDADE DE ÁREA % PERDA MÉDIA DO GRUPO... 40,04 KG/HA = 0,66 SC/HA NÚMERO DE PROPRIEDADES COM PERDA INFERIOR À MÉDIA = 46 (70,7) % NÚMERO DE COLHEDORAS PRÓPRIAS NÚMERO DE COLHEDORAS ALUGADAS PERDAS COM COLHEDORAS PRÓPRIAS... 0,62 SC/HA PERDAS COM COLHEDORAS ALUGADAS... 0,71 SC/HA FABRICAÇÃO DAS COLHEDORAS: 1.980/ = 28, 1.991/ = 19 e 2.001/ = 11 MARCAS: J.D. = 04, SLC = 15 e N.H. = 39 LEVANTAMENTOS DE PERDAS IBIPORÃ: Safra 07/08 SAFRA N.º LEVANTAMENTOS ÁREA (HA) PERDA MÉDIA (SC/HA) 1998/ , / , / , / , / , / , / , / , / , / ,66 Fonte: Unidade Municipal EMATER de Ibiporã

8 Analisando-se o quadro, observa-se a redução de perdas nos diferentes anos do diagnóstico de perdas em Ibiporã, sendo de 1,20 Sc/Ha na safra 1998/99 e de 0,66 na safra 2007/08, isto representa em torno de 50% de redução. Entre os primeiros 25 operadores classificados, 3 operam colhedoras com mais de 21 anos, de uso, ou seja: uma New Holland 5050, ano 1985 com perda de apenas 0,48 sc/ha, uma SLC 6200, ano 1986 com perda de 0,60 sc/ha e uma New Holland 8040, ano 1987 com perda de 0,56 sc/ha. Isto comprova que as perdas não estão relacionadas com a idade das colhedoras, e sim, com as capacitações e habilidade dos operadores. 15 CONCURSO DE PERDAS DE COLHEITA DE SOJA DE CAMBÉ SAFRA 2.007/2.008 O concurso de perdas na colheita de soja de Cambé, faz parte das comemorações da Semana da Agricultura de Cambé, cuja realização é anual, coordenada pelo Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural de Cambé. Na execução de concurso a campo, para a avaliação das perdas, os parceiros envolvidos foram: COROL, Empresa de Planejamento TERRA, Empresa de Planejamento PLATEC, EMATER e EMBRAPA soja. Participaram do concurso 105 operadores de colhedora do município de Cambé. O primeiro colocado teve uma perda de 4,2 kg/ha em 0,07 sc/ha, o último de 112 kg/ha ou de 1,9 sc/ha. A perda média dos operadores foi de 25,2 kg/ha ou 0,42 sc/ha. A área colhida pelas máquinas participantes do concurso foi de aproximadamente hectares, praticamente toda a área cultivada com soja no município de Cambé. Pelos dados levantados sobre as perdas dos 105 operadores, observa-se que as mesmas no município de Cambé são pequenas e somente 28 deles perderam mais do que a perda aceitável, que é de 0,75 sc/ha, parâmetro este estabelecido pela EMBRAPA soja. Outro dado importante revelado pelo relatório, diz respeito à idade/anos de uso das colhedoras do município, ou seja, 23% delas tem 10 ou menos anos de fabricação. A realização do concurso no município, envolve diversas parcerias, entre elas a Prefeitura de Cambé, a cooperativa COROL e empresas de planejamento agropecuario. 8

9 QUADRO: OPERADORES, PERDAS NA COLHEITA DE SOJA SAFRA: 07/08 DE CAMBÉ PR OPERADOR COLHEDORA PERDAS KG/HA SC/HA Orivaldo Rovina NH-TC ,21 0,070 João Carlos Limeira MF ,30 0,071 Sebastião Alves dos Santos NH-TC ,40 0,073 Antônio Luís Perucci SLC ,71 0,078 Onivaldo Dante JD ,00 0,083 Gildo Bueno de Lima NH-TC ,16 0,086 Amaraildo Severo NH-TC ,28 0,088 José Donizete Perucci JD ? 5,71 0,095 Rogério de Caires MF ,01 0,100 José Alvares Lopes SLC ,28 0,104 Claudio Aparecido Perucci JD-SLC ,80 0,113 Antônio Rink MF ,88 0,114 Marcelo Luciano Tavanti JD ,01 0,116 Helverson Cazzari JD ,08 0,118 Reginaldo Messias da Silva SLC ,23 0,120 João Anastácio de Moraes NH-TC ,51 0,125 Valdenir Silva dos Santos NH-TC ,66 0,127 Ricardo dias Palhão MF ,88 0,131 Edson de Castro NH-TC ,40 0,156 Osvaldo Dante SLC ,63 0,160 Luis Castanho NH ,20 0,170 Marcelo Domingues JD ,22 0,170 Silvano André Pereira SLC ,23 0,170 Fidelino Alves Pereira JD ,86 0,181 Alexandro Perri MF ,90 0,181 FONTE: EMATER U.M. de Cambé, Entre os primeiros 25 operadores colocados no 15º Concurso do município, constata-se um perda reduzida entre eles e entre as diferentes marcas e idade das colhedoras. Isto se deve ao fato de que os operadores foram se capacitando ao longo de 15 anos da realização do concurso de redução de perdas na colheita de soja em Cambé. 5 CONCURSO REGIONAL DE REDUÇÃO DE PERDAS NA COLHEITA DE SOJA REGIÃO DE MARINGÁ SAFRA 07/08 O Concurso contou com a participação de 12 municípios, 283 colhedoras que colheram em torno de hectares de soja, cuja perda média foi de 45 kg/ha ou 0,75 sc/ha. Entre os 30 primeiros operadores premiados, a perda maior foi de 27,16 kg/ha ou 0,45 sc/ha. 9

10 Com uma perda de 4,86 quilos de soja por hectare, ou 0,08 sc/ha o operador Osmar Vilela de Floresta conquistou o primeiro lugar na 5 edição do Concurso Regional de Perdas na Colheita. Organizado pelo Instituto EMATER, o evento contou com 238 participantes de Maringá e de outros 12 municípios da região. Vilela operou numa colhedora Mf32, ano Marival Antônio Terezan, de Mandaguaçu, ficou em segundo lugar no concurso, com perda de 6,07 quilos/hectare. Ele trabalhou com uma MF5650, ano O terceiro colocado foi José Aparecido Mulati, de Ourizona, com perda de 6,92 quilos/hectare, usando uma colheitadeira NHTC57, ano Na quarta colocação ficou Valmir Contardo Sala, de São Jorge do Ivaí. Com uma NH 1990, ele perdeu só 7,12 quilos/hectare. Valdinei Aparecido Ribeiro, funcionário de Tadeus Francisco Bastiani, de Maringá, perdeu 8,31 e garantiu o quinto lugar Segundo os organizadores, ao comparar a perda média do Estado nesta última safra, os 238 operadores participantes que somaram uma área colhida de 52,600 hectares de 14 municípios ao redor de Maringá Economizaram o equivalente a sacas de soja, no valor de R$ 1.151,600,00, dinheiro uqe daria para comprar 24 tratores de potência média. OS 15 PRIMEIROS PERDA KG/HA 1º Osmar Vilela Floresta MF ,86 2º Marival A. Terezan Mandaguaçu MF ,07 3º José A. Mulati NHTC ,92 4º Valmir C. Sala S. J. Ivaí NH ,12 5º Valdinei A. Ribeiro Maringá MF ,31 6º Edvaldo Fala S. J. Ivaí MF ,36 7º Mauro Nazani Maringá MF ,90 8º Marcelo F. Ângulo MF ,05 Assunção 9º José C. Vigreoto S. J. Ivaí MF ,19 10º André L. Volpato Mandaguaçu MF ,64 11º Luiz C. Pauro S. J. Ivaí JD ,97 12º Roberto Mendes Ângulo MF ,21 13º Luciano R. Faglimi S. J. Ivaí NHTC ,25 14º Sidney P. de Mello Maringá MF ,29 15º Marcos Rogerio Mandaguaçu NHTC ,56 Cano Fonte: Compilado por EMATER Maringá 2008 Responsável: Eng. Agr. Joaquim N. Girardi CLASSIFICAÇÃO OPERADOR MUNICÍPIO COLHEDORA 10

11 2º CONCURSO DE REDUÇÃO DE PERDAS NA COLHEITA DA SOJA SAFRA 2007/2008 ROLÂNDIA OPERADOR ÁREA - HA MÁQUINA/ ANO PERDA SC/HA Marcio Cavalaro 250 JD ,24 Daniel Barreiro 50 SLC ,31 Vilson Scabora 73 SLC ,34 Marvcos Rosolem SLC 85 0,40 Valter Lonardoní 290 SLC ,42 Elias F. Ferreira 150 SLC ,46 Bruno L. Lonardoní 138 JD ,49 Celso Prete 140 NHTC ,61 José c. Besson 126 NH ,69 Dione g. Figueiredo 280 MF ,72 Fonte: EMATER, U.M. de Rolândia, Rolândia realizou o 2º concurso de redução de perdas na colheita de soja na safra 2.007/2.008; dele participaram 2/5 operadores, abrangendo uma área de 4,403 hectares. As perdas variaram de 0,34 sc/ha o primeiro colocado a 1,67 sc/há para o último colocado. O operador 4º colocado, colhendo com uma SLC ano 1985, teve perda de 0,50 sc/ha, ao passo que o 8º colocado, colhendo com uma NHTC teve perda de 0,63 sc/ha, isto comprova mais uma vez, mais vale um operador capacitado/ habilitado do que máquinas novas na redução de perdas na colheita. O Concurso de Rolândia mostra grande concentração de colhedoras com bastante anos de uso, das 25 levantadas 19 (76%) tem mais de 10 anos e 13 (68%) mais de 20. Assim mesmo 6 colhedoras entre as 10 primeiras colocadas, tem mais de 20anos e apresentam perdas menores que 0,75 sc/ha, consideradas aceitáveis V. CAPACITAÇÃO DOS OPERADORES Para prevenção e redução de perdas na colheita de soja, a capacitação dos operadores é fundamental. Esta capacitação é realizada através de palestras técnicas, reuniões práticas, cursos e ainda através de concursos para operadores de colhedores. O operador capacitado e habilitado, mesmo operando colhedora velha, (com muitos anos de uso, mais de 20)as perdas são baixas, ficando dentro da aceitável que é de 0,75 sc/ca comparadas às perdas dos colhedores com menos de 5 anos de uso. Embora as colhedoras novas com tecnologia avançada e de grande capacidade de produção, perdem tanto quanto as mais antigas, se o operador não for capacitado e habilitado, como pode ser observado nos quadros a seguir. Pela analise dos 2 quadros, observa-se que uma colhedora SLC ano 1979, postando com 29 anos de uso, conduzida pela operador José D. Perucci de Cambé, teve uma perda de apenas 0,09 sc/há (5,4 kg/há). O operador Juliano E. da Silva também de Cambé conduzido uma colhedora NHTC57, 11

12 ano 2004 ou seja com operados 4 anos de uso, perdeu 1,12sc/há (67,2 kg/há). Isto comprova mais uma vez que as perdas na colheita independem da idade ou tempo de uso das colhedoras, habilidade dos operadores, na manutenção e conservação das maquinas e suas adequadas regulagens, principalmente aquelas feitas a nível de cada lavoura ser colhida. O que importa mesmo é a habilidade dos operadores. PERDAS NA COLHEITA SE SOJA SAFRA 07/08 NO PARANÁ, DE COLHEDORAS COM MAIS DE 20 ANOS DE IDADE/USO PARTICIPANTES DO CONCURSO DE OPERADORES. Município Operador Colhedora/ano Perda sc/ha Ibiporã João A. Costa Rogério Silva SLC NH ,58 0,48 Rolândia José C. Bessom Daniel R. Barreiro Vilson Geabora NH C C ,69 0,31 0,34 Cambé Maringá Floresta Maringá Ângulo Itambé Alexandre Brugin José D. Perucci Fabio Lisse Bruno E. Zabini Lucas A. Zabini José A. Dias Dirceu Tesolin José Barizon Erivaldo L. da Silva Luiz A. Caetano NH 1974 SLC 1979 NH SLC NH NH NH SLC NH NH ,59 0,09 0,47 0,22 0,40 0,62 0,40 0,40 0,28 0,80 Média Perda -X- -X- 0,45 Fonte: EMATER PR,

13 PERDAS NA COLHEITA SE SOJA SAFRA 07/08 NO PARANÁ, DE COLHEDORAS COM MENOS DE 5 ANOS DE IDADE/USO PARTICIPANTES DO CONCURSO DE OPERADORES. Município Operador Colhedora/ano Perda(sc/ha) Ibiporã Rolândia Cambé Astorga Itambé S. Jorge Do Ivaí Floresta Claudecir Pelisson Carlos A. Alvarenga Dione Figueiredo Márcio Cavalaro Celso Prete Marcelo P. Ignácio Juliano E. da Silva Osvaldo P. Nadur Valter A. de Souza Altair A. Peres José R. Frias Anderson A. Beteti Renato Bortolasi Wilson L. De Oliveira Sérgio Paniza NHTC JD MF JD NHTC NHTC NHTC NHTC NHTC MF NHTC MF NHTC JD NHTC ,50 0,47 0,72 0,24 0,61 0,55 1,12 0,31 0,59 0,56 0,51 0,95 0,57 0,25 0,23 Média Perdas -x- -x- 0,54 Fonte: EMATER PR, 2008 VI. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os dados dos concursos realizados indicam que a perda na colheita da soja, safra 07/08 está acima da perda aceitável, para um número significativo de sojicultores do Paraná. Observação:- A perda média aceitável no Brasil é de 0,75/ hectare ; esta perda foi estabelecida pela EMBRAPA- Soja, a partir de vários trabalhos que permitiram reduzir a antes aceitável de 1,00 saco/hectare. A plataforma de corte é responsável pelo maior percentual de perdas, ao redor de 80%, na colheita se soja. Outra causa das perdas está relacionada com velocidade excessiva de deslocamento da máquina e da rotação do molinete e, que corrigindo estas falhas, as perdas são reduzidas a mais de 50%. Isto indica que os esforços para reduzir perdas, deverão ser concentrados na plataforma de corte e orientar os operadores no sentido de realizar a colheita dentro de uma velocidade compatível para diminuir as perdas. Outras causas de perdas apontadas nos levantamentos estão ligadas ao solo, quanto ao aspecto topografia e erosão; à lavoura, quanto aos aspectos população de 13

14 plantas, época de semeadura e lavouras muito infestadas com plantas daninhas e ainda à colhedora, nos aspectos de regulagens inadequadas, manutenção, tempo de uso / idade das mesmas e habilidades do operador. Quanto ao aspecto idade e/ou anos de uso das colhedoras, a amostragem realizada permite afirmar que em torno de 32% das colhedoras do Paraná foram fabricados até o ano de 1990, ou seja com mais de 18 anos de uso. A capacitação dos operadores é de fundamental importância na prevenção e redução de perdas na colheita de soja. Nesta safra foram realizados 16 concursos para operadores de colhedoras, sendo 15 municipais e 1 regional, nas regiões de Londrina e Maringá. Obs.: - O primeiro colocado no concurso regional de Maringá, teve uma perda de apenas 4,86 kg/ha ou 0,08 sc/ha. Se todos os operadores de colhedoras do Brasil obtivessem a mesma média do campeão maringaense, o País deixaria de perder sacos de 60 kg, com base nos seguintes cálculos: Área de soja safra 07/08 do Brasil hectares (CONAB) e sendo a perda média do País de 2,10 sc/ha (EMBRAPA-Soja-Estimativa-2.006): ha x 0,08 sc/ha = sacos, ha x 2,1 sc/ha = sacos, = sacos sacos x R$ 39,00 ( * ) = R$ ,00 (*)Valor do saco de soja em 08/08/2008 (SEAB-DERAL PR) Para o Estado do Paraná as perdas seriam de de sacos, com base nos seguintes cálculos: Área de soja no Paraná safra 07/ hectares (SEAB-PR) e a perda média estadual de 0,98 sc/ha (EMATER 2.006): ha x 0,08 sc/ha = sacos ha x 0,98 sc/ha = sacos = sacos x R$ 39,00 = R$ ,00 (*)Valor do saco se soja em 08/08/2008. Analisando-se os dados dos desperdícios em sacos e valores no Brasil e no Paraná, conclui-se que, eles só perdem para as perdas provocadas pela ferrugem da soja a nível de País, que foram de US$ 1,97 bilhão entre as safras 2006/07 e 2007/08 (EMBRAPA Soja 2008) Tendo em vista o grande percentual de produtores do Paraná, com perdas acima da perda aceitável e, como o quadro técnico do Instituto EMATER é pequeno, há necessidade de se incorporar neste trabalho de Prevenção e Redução de Perdas, outros segmentos ligados ao setor agropecuário como cooperativas, assistência técnica privada, pesquisa (EMBRAPA-Soja) e indústria de máquinas e seus revendedores. 14

15 AGRADECIMENTOS Agradecemos o esforço e co-participação neste trabalho, dos Gerentes, Assessores Técnicos Regionais e dos extencionistas municipais de Rolândia, Cambé, Ibiporã, e da região de Maringá. Curitiba, 18 de agosto de

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005

RELATÓRIO TÈCNICO. Técnico: João Adolfo Kasper. Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 RELATÓRIO TÈCNICO Técnico: João Adolfo Kasper Período de Viagem:19/06/2005 á 25/06/2005 Objetivo: Realizar o 5º Levantamento da Safra 2004/2005 sendo a 3ª avaliação para as culturas, Arroz Sequeiro, Milho

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL

USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL USO DE REDE SOCIAL NA ASSISTÊNCIA TÉCNICA RURAL Londrina, Outubro de 2.015. Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - Paraná Agente de ATER - PAULO ROBERTO MRTVI INSCRIÇÃO DADOS DA

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Adelina Azevedo BOTELHO ( 1 ); Wander Luis Barbosa BORGES ( 1 ); Rogério Soares de

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr.

PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ. Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. PANORAMA DA CAFEICULTURA ARÁBICA NO PARANÁ Armando Androcioli Filho Iapar Londrina, Pr. VIII Curso de Atualização Manejo Tecnológico da Lavoura Cafeeira Varginha, MG 13 a 15 de julho de 2010 ZONEAMENTO

Leia mais

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná

Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná 06 DE NOVEMBRO DE 2012 caderno de editais PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRAQUARA Projeto da Emater aumenta a produtividade do feijão no Paraná Arquivo/ANPr Os agricultores ainda têm informações sobre o uso

Leia mais

PESQUISA COM PRODUTORES DE TABACO SANTA CATARINA SAFRA 2014/15 (USO INTERNO) A qualidade de vida do agricultor é vital para o país.

PESQUISA COM PRODUTORES DE TABACO SANTA CATARINA SAFRA 2014/15 (USO INTERNO) A qualidade de vida do agricultor é vital para o país. PESQUISA COM PRODUTORES DE TABACO SANTA CATARINA SAFRA 2014/15 (USO INTERNO) A qualidade de vida do agricultor é vital para o país. DIRETORIA EXECUTIVA: Presidente: José Walter Dresch Vice-Presidente:

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO 1 COMITÊ GESTOR: 1.1 DA COMPOSIÇÃO: o Comitê Gestor do Fundo Mútuo Agrícola será composto pelos seguintes membros: - 01 (um) Representante do Conselho de Administração; - 01 (um) Representante do Conselho

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

Milho Período: 16 a 20/03/2015

Milho Período: 16 a 20/03/2015 Milho Período: 16 a 20/03/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,2434 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável

Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável ISSN 1679-0464 Análise da Época de Semeadura do Algodoeiro em Mato Grosso com Base na Precipitação Provável 16 O Algodoeiro em Mato Grosso Mato Grosso é um dos Estados do Brasil que apresentou maior desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS

AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS Área: Sócio-economia AVALIAÇÃO DOS CUSTOS DE IMPLANTAÇÃO E COLHEITA DO FEIJÃO CAUPI VERDE SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS ENTRE LINHAS Weslley Costa Silva 1 ; Vanessa Oliveira Teles 2 ; Leonardo Lenin Marques

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO

COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO COMPORTAMENTO GERMINATIVO DE DIFERENTES CULTIVARES DE GIRASSOL SUBMETIDAS NO REGIME DE SEQUEIRO Autor 1 Renata Fernandes de Matos Autor 2 Edilza Maria Felipe Vásquez Autor 3 Leonardo Lenin Marquez de Brito

Leia mais

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ /,-----------. (c;) EM.PRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECuARIA EMBRAPA ~ Vinculada ao M'nisté,io da Ag,iculMa ~., CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA - CNPSo Rodovia Carlos João Slrass (Londrina/Warta)

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado II Fórum Nacional de Produtividade De Soja CESB Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado Leandro Zancanaro Brasília Agosto de 2011 Temas Indicados

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico

Aplicação de dejetos líquidos de suínos no sulco: maior rendimento de grãos e menor impacto ambiental. Comunicado Técnico Comunicado Técnico PÓLO DE MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM ALIMENTOS COREDE-PRODUÇÃO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO PASSO FUNDO, RS JUNHO, 27 Nº 1 Aplicação de dejetos

Leia mais

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado*

Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* ISSN 1678-9636 Aplicação de Nitrogênio em Cobertura no Feijoeiro Irrigado* 49 O feijoeiro é uma das principais culturas plantadas na entressafra em sistemas irrigados nas regiões Central e Sudeste do Brasil.

Leia mais

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2

Adm., M.Sc., Embrapa Agropecuária Oeste, Caixa Postal 661, 79804-970 Dourados, MS. E-mail: richetti@cpao.embrapa.br 2 157 ISSN 1679-0472 Fevereiro, 2010 Dourados, MS Foto: Nilton Pires de Araújo Estimativa do Custo de Produção do Milho Safrinha 2010, em Cultivo Solteiro e Consorciado com Brachiaria ruziziensis, na Região

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS

1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS 1º PRÊMIO DE EXTENSÃO RURAL GRUPO NOVA CITRUS Organização de Produtores para produção e comercialização de laranjas in natura. MAURÍLIO SOARES GOMES - Engenheiro Agrônomo JOSÉ ROBERTO GOLFETE - Técnico

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL S E G U R O S E G U R O Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro Aqüícola; Seguro de Florestas; Modalidades

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Nº 60/2013 novembro Informativo digital sobre temas da cadeia produtiva da soja Produtor rural muda conceito de trabalho na fazenda com o Soja Plus

Leia mais

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO

FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO Protocolo nº005 /2012 FORMULÁRIO PARA CADASTRO DE PROJETO DE PESQUISA E EXTENSÃO 1. Instruções 1 Deverá ser entregue 1 (uma) cópia impressa e 1 (uma) cópia via e-mail (na extensão.doc), encaminhados para

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ

PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ PLANO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SUSTENTÁVEL DO PIAUÍ Carteira de Agronegócios Projetos Propostos Teresina, PI novembro 2013 SUMÁRIO Características atuais dos principais setores de agronegócio piauiense

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS

PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS PROGRAMA CERTIFICA MINAS CAFÉ COMO UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA NA PRODUÇÃO DE CAFÉ DE MINAS GERAIS Tertuliano de Andrade Silveira; Renato José de Melo; Eduardo Carvalho Dias; Priscila Magalhães de Carli

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL SEMINÁRIO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS DE ATER 1º A 3 DE DEZEMBRO DE 2015 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL www.emater.pr.gov.br O QUE É CONSÓRCIO EMPRESARIAL É a união de várias empresas, com a finalidade de realizar

Leia mais

Local & Data. Participantes - DIRETORIA. Participantes Entidades Parceiras. Participantes - Convidados. Agenda. Assuntos

Local & Data. Participantes - DIRETORIA. Participantes Entidades Parceiras. Participantes - Convidados. Agenda. Assuntos Local & Data Data: 20 de dezembro de 2010. Local: Parque de Exposições Assis Brasil Reunião: 04 Participantes - DIRETORIA Carlos Roberto Simm Rogério Auler Aurélio Marcantônio João Carlos Machado Henrique

Leia mais

DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ!

DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ! CONJUNTURA ESPECIAL DO CAFÉ DEZEMBRO/2006 DEZEMBRO/2006 PARABÉNS PARANÁ! No período de 22 a 25/11/06, foi realizado na cidade de Guarapari, no Estado do Espírito Santo, o 14º ENCAFÉ. Nesse evento, que

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora

O que é o PEIEX? Projeto Extensão Industrial Exportadora Escola Politécnica O que é o PEIEX? Convênio entre a Apex-Brasil e instituições de consultoria/pesquisa/ensino/tecnologia. Oferecimento de projetos gratuitos de capacitação/consultoria para empresas. O

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG

INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA. Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG INTEGRAÇÃO LAVOURA/ PECUÁRIA Wilson José Rosa Coordenador Técnico Estadual de Culturas DEPARTAMENTO TÉCNICO - EMATER-MG - No Brasil o Sistema de Integração Lavoura Pecuária, sempre foi bastante utilizado,

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1293 Página 1293 CULTIVAR BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE POLICULTIVO NA AGRICULTURA FAMILIAR DO MUNICÍPIO DE ESPERANÇA-PB - SAFRA 2009 1Waltemilton Vieira Cartaxo- Analista Embrapa Algodão, 2. José Aderaldo Trajano

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO

PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO PLANTIO MECANIZADO MAIS UM DESAFIO A SER VENCIDO Armene José Conde Gerente Regional Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional José Guilherme Perticarrari Coordenador de Pesquisa Tecnológica CTC - Centro

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS

Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Acompanhamento da Safra 2012/13 no MS Circular Técnico nº 20 No acompanhamento da cultura do milho 2ª safra de Mato Grosso do Sul foram visitadas 52 propriedades entre os dias 22 e 25 de abril de 2013

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 1 Tema: PREPARO REDUZIDO E PLANTIO DIRETO Local: Ribeirão Preto - SP Palestrante: Hilário 2 LOCALIZAÇÃO Latitude: 20º28 41 S UAM Longitude: 47º52 21 W

Leia mais

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o

Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Bem-vindo ao futuro da agricultura Esta apresentação reúne os principais fatos observados nos clientes na safra de 2014/2015 no dia-a-dia com o Strider nas fazendas A queda de braço entre custo e produtividade:

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais

Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais Planejamento e Gestão Estratégica de Empreendimentos Rurais A Importância do Entendimento na elaboração das diretrizes Estratégicas do Negócio Autores Frederico Fonseca Lopes (fflopes@markestrat.org):

Leia mais

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS Evento reúne toda a cadeia de produção do café em Três Pontas, no Sul de Minas, até o dia 3 de julho Três Pontas, julho de 2015 Com presenças

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Júlio Cézar Pessanha Rangel Júnior Relatório de Viagem ao estado do Mato Grosso do Sul Relatório de visitas à Embrapa Gado de Corte e propriedades da região Uberlândia

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo

O que esperar do mercado de leite no Brasil e no mundo O que esperar Desenvolver do do mercado de de leite no no e fortalecer Brasil e o e no agronegócio no mundo O que esperar do mercado de leite no Rafael Ribeiro de Lima Filho zootecnista Scot Consultoria

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA SEMEADORA-ADUBADORA DE PLANTIO DIRETO NA CULTURA DA SOJA Jorge Ricardo Moura 3 ; Elton Fialho dos Reis 1,4 ; João Paulo Arantes Rodrigues da Cunha 2,4 ; 1 Pesquisador Orientador

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE

MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE MILHO TRANSCÊNICO: CADA VEZ MAIS PRESE A Fundação Pró-Sementes aponta que um dos grandes problemas encontrados nos arrozais é a forte atuação de plantas invasoras, que são de difícil controle, prejudicando

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA

PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Agência Goiânia de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária-Emater Vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Irrigação MINUTA PROJETO LAVOURA COMUNITÁRIA Safra 20XX /20XX Município:

Leia mais

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA

Responsáveis Técnicos: SILVIO ISOPO PORTO AROLDO ANTONIO DE OLIVEIRA NETO FRANCISCO OLAVO BATISTA DE SOUSA Safra 2013/2014 Segundo Levantamento Agosto/2013 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento de CanadeAçúcar e Agroenergia DCAA Companhia

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 *

IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * IMPACTOS DA TECNOLOGIA NA AGROPECUÁRIA 1 * Antonio Wilson Nogueira Filgueiras UEMG Unidade Carangola Harlen Pereira Ferreira UEMG Unidade Carangola Felipe Silva Vieira UEMG Unidade Carangola Marcela Silva

Leia mais