SEGURANÇA E CONDIÇÕES DE TRABALHO NAS PLATAFORMAS DE PETRÓLEO DA BACIA DE CAMPOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA E CONDIÇÕES DE TRABALHO NAS PLATAFORMAS DE PETRÓLEO DA BACIA DE CAMPOS"

Transcrição

1 SEGURANÇA E CONDIÇÕES DE TRABALHO NAS PLATAFORMAS DE PETRÓLEO DA BACIA DE CAMPOS T035E105 Abstract This paper aims to emphasize only a few among the various problems related to security and work conditions in oil platforms at the Campos Bay. Obiviously there is no intentioin of doing, in this space, a detailed analysis of the sate in wich these platform operate. Particulary, it is important to enhance that the way a series of organizational changes are being implemented and conducted is leading to work precarization with harmful effects to security and work conditions in plataforms. We can declare that the productive restructuration has also not spared the offshore industry, and specially the Campos Bay. Área: Ergonomia e Segurança do Trabalho Key-words: security and work conditions; work precarization; oil platforms offshore 1 - Introdução Ao descrever o trabalho dos petroleiros em refinarias e terminais marítimos FERREIRA e IGUTI (1996) procuram aprofundar e detalhar quatro de suas principais características: um trabalho perigoso, complexo, contínuo e coletivo. A nosso ver estas também são características marcantes no trabalho dos petroleiros em plataformas offshore. Não que consideremos uma plataforma como sendo uma refinaria em alto mar, visão que remonta ao início das operações na Bacia de Campos, quando a maior parte dos trabalhadores não detinha ainda um entendimento mais preciso acerca do funcionamento de uma plataforma, em que não se sabia nem o que era uma plataforma, como afirmou um engenheiro que atuou no período inicial das operações na Bacia. Mas por constatarmos que tais aspectos aparecem de modo pronunciado em estudos como o de PESSANHA (1994) e CHOUERI (1991), por exemplo. As autoras citadas acima iniciam a discussão pelo aspecto relacionado ao perigo que envolve esta atividade, ao alto risco a que estão expostos os trabalhadores, pois Se há um consenso entre todos os que trabalham com o petróleo, seja numa refinaria ou num terminal, é a noção de perigo. Em uma refinaria de petróleo, a gente costuma dizer que trabalha em cima de uma bomba. É uma bomba pior do que muita gente pensa... (fala de um petroleiro) Em primeiro lugar, há o perigo de incêndios e explosões, que podem acontecer a qualquer momento, inesperadamente... (FERREIRA e IGUTI, 1996, P.82). Não são raros os depoimentos de petroleiros que deixam transparecer representações das refinarias e plataformas associadas a bombas ou barris de pólvora que podem explodir a qualquer momento, a vulcões que podem entrar em erupção repentinamente etc. O perigo é, inclusive, reconhecido legalmente pela NR-16 em seu anexo 2. Esta prevê o pagamento de adicional de periculosidade (no valor de 30% do salário-base correspondente) aos trabalhadores que se dedicam a atividades ou operações perigosas com inflamáveis, muito embora deva-se ressaltar que o pagamento de adicionais

2 deste tipo seja objeto de inúmeras críticas. Apenas julgamos oportuno sublinhar a existência de algum tipo de reconhecimento formal em relação ao perigo embutido nesta atividade. Há também os riscos de grandes vazamentos de produtos com alta toxicidade que podem ocasionar acidentes graves e fatais, como é o caso do ácido sulfídrico. E se estes são raros, os pequenos vazamentos, ao contrário, são muito freqüentes. É amplo o leque de produtos tóxicos, cuja inalação pode gerar danos variados à saúde: benzeno, tolueno, xileno, ácido sulfídrico, amônia, GLP, monóxido de carbono etc. Ou seja, os vazamentos corroboram a constatação de que o trabalho com o petróleo é não só muito perigoso como bastante insalubre. Combinam-se alta periculosidade e insalubridade, pois além do risco de incêndios, explosões e vazamentos, existe uma série de outros, como ruídos elevados, excesso de calor, regime de trabalho em turnos, riscos de acidentes diversos e as repercussões destes fatores a nível mental (FERREIRA e IGUTI, 1996). Por isso também concordamos com SEVÁ FILHO (1997), quando este afirma em epígrafe que o risco é inerente à indústria do petróleo com seus sistemas complexos, verdadeiras materializações de tecnologias de alto risco: O risco técnico é algo intrínseco, e muito característico da indústria do petróleo - isto porque é atacada a epiderme da terra, interferindo com a geomorfologia e a mecânica do subsolo, inclusive do subsoslo marinho; - porque se trabalha com hidrocarbonetos que evaporam, se incendeiam, explodem, com compostos químicos que contêm ou se transformam em substâncias tóxicas para os homens, sua água, seus alimentos; - porque são operadas máquinas e sistemas que podem desencadear acidentes poderosos, que podem matar e ferir várias pessoas ao mesmo tempo. Além de serem riscos intrínsecos e variados, ele acrescenta que estes são cada vez mais coletivos, porque os efeitos deletérios da atividade petrolífera tendem a se ampliar, atingindo, por vezes, além dos trabalhadores mais diretamente envolvidos no processo, os funcionários administrativos, e até mesmo a população habitante das regiões circunvizinhas. No caso das plataformas offshore, certamente a noção de perigo também é consensual, ou se preferirem o risco também é algo inerente. Com o agravante de que nesta situação se está confinado/isolado. Com efeito, em se tratando do trabalho offshore, às quatro características apontadas acima acrescentaríamos uma quinta, bastante singular: o regime de confinamento/isolamento. Confinamento, porque durante quatorze dias seguidos, ao término do turno diário de doze horas os trabalhadores não retornam às suas residências. Residem na própria plataforma. Seu local de trabalho passa a ser também seu local de moradia. Ficam então expostos ao risco vinte e quatro horas por dia, ao longo de todo o período em que permanecem embarcados. E isolamento, porque as plataformas encontramse situadas em alto mar, dificultando não só a remoção das pessoas, em casos de acidentes, distúrbios ou anomalias que demandem um atendimento em terra, como também o abandono do local, na hipótese mais remota de ocorrência de acidentes ampliados, como o de Enchova em Este acidente vitimou 37 trabalhadores nesta plataforma (PCE-1), quando uma das baleeiras utilizadas durante a operação de abandono despencou no mar. Portanto, os fatores associados ao confinamento/isolamento característicos do trabalho offshore terminam funcionando como agravantes do risco que é inerente à atividade daqueles que trabalham com o petróleo. 2 - O Caso da Plataforma Central de Enchova (PCE-1) Importante frisar desde já que não é nossa intenção chegar a uma quantificação do risco nas plataformas de petróleo. Isto justificaria, no mínimo, a elaboração de outro artigo. Esta tarefa foi desenvolvida por FAERTES (1994) em seu estudo sobre um critério de aceitabilidade de riscos para plataformas marítimas de petróleo. Ela propõe como risco

3 máximo aceitável para as unidades (plataformas) em uso, o valor de (1/10000)/ano (óbito de 1 trabalhador a cada expostos por ano), e de (1/100000)/ano para as novas unidades. Tomando por base estes valores, FREITAS et alii (1997) concluem que o quadro vigente é extremamente preocupante. Em análise recente dos acidentes de trabalho nas plataformas da Bacia de Campos, divulgada sob a forma de relatório preliminar, chegam a uma estimativa de risco de (6,3/10000)/ano, isto é, uma taxa 6,3 vezes maior que aquela aceitável para plataformas em uso. Isto excluindo-se os acidentes fatais ligados às atividades de mergulho e de transporte, que, se incluídos, elevariam esta taxa para (1,88/1000)/ano, ou seja, 18,8 vezes maior que a aceitabilidade técnica proposta. Sabemos, no entanto, que estes valores devem ser relativizados em função das próprias limitações de tal conhecimento, ressalva feita pela própria autora na conclusão da referida tese. Um dos casos mais críticos é justamente o da Plataforma Central de Enchova (PCE- 1), onde ocorreram os dois maiores acidentes da Bacia de Campos. O primeiro em 1984, no qual vieram a falecer 37 trabalhadores, vítimas da queda de uma das baleeiras no mar durante o abandono da plataforma. O segundo ocorreu em 1988, felizmente sem vítimas fatais. Provocou a destruição total do convés e da torre, deixando em seu rastro perdas no valor de pelo menos 500 milhões de dólares, segundo dados oficiais divulgados pela própria direção da empresa. Ambos foram motivados por blow outs (explosões que podem ocorrer no interior dos poços), porém de acordo com relatórios apresentados após o segundo acidente pelo Sindipetro e pelo Sindicato dos Engenheiros do RJ, em alguns poços teriam havido incidentes sintomáticos precursores do blow out fatal. Em que pese a ocorrência de tais eventos antecipatórios a direção de Produção da empresa liberou os poços para completação e a subsequente entrada em operação (SINDIPETRO NF, 1997a). Diante de tais acontecimentos era de se esperar que com o decorrer dos anos a PCE-1 se transformasse em unidade exemplar no que concerne à segurança do trabalho, até porque esta instalação desempenha um papel crucial dentro de todo o sistema de produção offshore da Bacia, interligando-se a mais de dez outras plataformas e operando duas das cinco linhas de escoamento da produção de óleo e gás para o continente. Ao invés disto, na distribuição feita por FREITAS et alii (1997) dos incidentes/acidentes por plataformas na Bacia, entre 18/08/95 e 14/04/97, a PCE-1 aparece em primeiro lugar com o índice de 39%. À título de ilustração fazemos menção a dois destes eventos a seguir. Em 23 de abril de 1996 houve um princípio de incêndio no riser da linha de gás lift, após a falha dos sistemas automáticos de detecção de gases, acarretando a interrupção da produção de óleo e gás por uma hora. Este acidente poderia ter assumido dimensões catastróficas, já que envolvia uma linha de gás altamente pressurizada. Apenas cinco dias se passaram e a mesma plataforma foi palco de novo acidente. O óleo vazou pelo flare (queimador de gás situado no alto de uma das torres da plataforma) sendo lançado em combustão no mar. As válvulas projetadas para desarmarem-se automaticamente encontravam-se by passadas na ocasião do acidente. Foi necessária a evacuação de todo o pessoal da plataforma para o flotel (plataforma destinada exclusivamente à hospedagem dos trabalhadores). A produção esteve parada durante quatro dias (SINDIPETRO NF, 1997b; FREITAS et alii, 1997). A ocorrência destas anormalidades parece não ter sido suficiente para sensibilizar os responsáveis pela segurança da PCE-1, como evidencia a sucessão de acontecimentos posteriores: uma inspeção do Ministério do Trabalho (MTb) resultou em autuação da Petrobrás, decorrente da constatação de infrações a diversas NR s; novos acidentes com vazamento de gás verificaram-se ao longo do mesmo ano; a inspeção geral realizada pela própria empresa no final de 1996 verificou que as válvulas de cabeça de poço, integrantes do equipamento central de operação, encontravam-se em péssimas condições, com alto grau de corrosão..., concluindo devido a esta e a outras deficiências de ordem operacional

4 - ligadas à manutenção e lay-out de equipamentos importantes, à formação profissional de alguns operadores - que a plataforma não estava operando em boas condições de segurança ; dois vazamentos de óleo e gás com intervalo de apenas dois dias em janeiro de 1997 em local que já havia apresentado vazamento dois meses antes (SINDIPETRO NF, 1997a ; 1997b). Estes eventos sucessivos atestam o estado de degradação operacional de alguns setores desta unidade, devendo-se salientar que parte das avarias provocadas nos poços afetados pelos dois grandes acidentes da década de oitenta (84 e 88) não foram inteiramente solucionadas. Não por acaso, esta plataforma ficou conhecida entre os trabalhadores como a rainha da sucata. Ainda com relação à PCE-1, caberia lembrar que estavam em andamento, até recentemente, as obras de reforma e ampliação desta unidade, acarretando um aumento do risco de acidentes, fruto da execução de inúmeras tarefas com o emprego de soldas elétricas, cortes de maçarico, esmerilhamentos etc, e que implicam em um número maior de trabalhadores de empreiteiras à bordo. Ao todo houve um acréscimo de cerca de trezentos trabalhadores em relação ao seu contingente habitual, obrigando a Petrobrás a lançar mão de uma outra plataforma (Safe Jasmínia) utilizada exclusivamente para hospedagem, um autêntico flotel, vizinho à PCE-1. A nosso ver, a PCE-1, apresenta um conjunto de características estruturais e conjunturais que tendem a ampliar e agravar os fatores de risco, como, por exemplo, o maior estado de envelhecimento de seus equipamentos, cuja deterioração gradual traduz-se em degradação do sistema. Da mesma forma, devemos levar em conta o aumento dos riscos devido às obras de reforma e ampliação. Em primeiro lugar pelas razões que expusemos acima. Em segundo, porque se os aspectos ligados à segurança em geral não são devidamente contemplados nos projetos originais das plataformas, a introdução de modificações não previstas criteriosamente em tais projetos, visando a ampliação da capacidade produtiva das instalações, pode acelerar o desgaste mecânico dos equipamentos (PATÉ-CORNELL, 1993). Além disso, há também os problemas relacionados à interação dos novos equipamentos instalados com aqueles mais antigos, gerando uma defasagem da vida útil entre os diferentes componentes do sistema tecnológico, que podem se transformar, ulteriormente, em fontes de constantes incidentes e acidentes (DUARTE, 1994). Salientamos ainda que, grosso modo, todo o sistema vem sendo pressionado a cumprir performances de pico, com suas unidades operando no limite de seus respectivos tempos de vida útil e capacidades instaladas. Frente a este quadro, julgamos razoável afirmar que Enchova insere-se no rol dos sistemas tecnológicos complexos onde predomina o chamado modo degradado de produção, que tende a potencializar a grande variabilidade inerente a estes sistemas tecnológicos (DUARTE, 1994). Com base na linha argumentativa de WYNNE(1988), PORTO e FREITAS (1997) assinalam que esta combinação entre modo degradado de produção e elevada variabilidade aos poucos vai se constituindo no modo normal de operação do sistema. Sua predominância vai, também paulatinamente, comprometendo a segurança, na medida em que as falhas/anormalidades tidas como menores passam a ser consideradas normais, constituindo o que WYNNE (1988) chama de anormalidades normais. São fatores que, muitas vezes, encontram-se na gênese de grandes acidentes. Pode-se tentar alegar que a criticidade em termos de segurança restringe-se a Enchova, já que esta plataforma é um caso à parte, uma unidade das mais antigas, que está atravessando um período atípico, com obras em curso etc. Muito embora Enchova pareça ser o caso mais preocupante, como indicam as estatísticas, a segurança também é um aspecto problemático em outras unidades. Em verdade, o modo degradado de produção e as anormalidades normais não se limitam às plataforma mais antigas. A P-20 e a P-25 (que tive a oportunidade de visitar por um dia em meados de 97) são um ótimo exemplo disto,

5 principalmente a P-20. Tida como uma das plataformas de última geração foi a responsável pelo segundo maior índice (14,1%) de incidentes/acidentes registrados na Bacia entre 18/08/95 e 14/04/97 (FREITAS et alii, 1997). 3 - A Redução de Efetivos e a Terceirização de Serviços Aos fatores apontados até aqui, poderíamos fazer menção a vários outros que vêm comprometendo a segurança nas plataformas. Em particular, dois merecem destaque: a redução de efetivos e a terceirização de serviços, especialmente aqueles ligados às tarefas de manutenção. Segundo DUARTE (1994), não raro, a redução de efetivos na indústria petroquímica está calcada numa representação equivocada do trabalho real dos operadores, pois parte de uma premissa em que a estabilidade e o bom funcionamento são os aspectos predominantes no curso do processo. Todavia o que as análises ergonômicas demonstram é que tais processos são marcados por um alto grau de variabilidade e de incerteza, sobretudo as unidades antigas, onde a degradação é com freqüência um traço característico. Aliás, o caráter aleatório e imprevisível de alguns eventos é uma característica intrínseca aos sistemas tecnológicos complexos com suas interações não-lineares (aquelas que, em geral, não são previstas nos projetos originais de tais sistemas) (PERROW, 1984). Assim, a representação que se tem da freqüência e do conteúdo das intervenções destes operadores ao longo do processo não corresponde ao trabalho efetivamente realizado por eles. Em virtude desta distorção tem havido um subdimensionamento do número de operadores das equipes em seus respectivos turnos, trazendo conseqüências nefastas para a segurança. No caso da atividade offshore PESSANHA (1994) ressalta que o número de operadores embarcados sofreu drástica redução em anos recentes. Ele assinala que entre 1989 e 1992 a redução foi de aproximadamente 30% nas maiores plataformas fixas. Conforme documento por ele citado, oriundo do Seminário de Tecnologia, Saúde e Meio Ambiente, realizado em maio de 1991 pelo Sindipetro-RJ, a redução de pessoal ia, inclusive, de encontro ao parecer emitido por engenheiros de várias plataformas, quando dos cortes efetuados no período 86/87, onde estes afirmavam que o número de funcionários que havia permanecido nas plataformas após os referidos cortes seria a referência para tocálas dentro dos padrões de segurança. A respeito da terceirização de serviços, cabe frisar de início que malgrado este processo esteja em franca disseminação na Bacia de Campos, ele não é um fenômeno novo na indústria do petróleo. Pelo contrário, desde as primeiras décadas deste século engendrou-se em torno das companhias de petróleo uma extensa rede de produtos e serviços oferecidos por terceiros, firmas especializadas que se constituíram para difundir as inovações de seus fundadores (DUTRA, 1996). Na verdade, o que se verifica, de uns anos para cá, é um recrudescimento destas terceirizações, inclusive em atividades-fins da Petrobrás. Com esta ampliação tem prevalecido - não genericamente, pois como já ressaltamos este processo não é homogêneo (FIGUEIREDO, 1998) - o padrão vigente em outras indústrias, ou seja, a terceirização enquanto uma estratégia que resulta em precarização do trabalho. Os dados apresentados pela Gerência de Segurança (GESEG) e por algumas empresas que atuam na Bacia de Campos, comprovam que a freqüência de acidentes e mortes é bem superior entre o pessoal contratado em comparação ao pessoal da própria Petrobrás. Em particular, os números divulgados pelo SESMT da empresa Odebrecht Perfurações Ltda (OPL) durante o ano de 96, registram que de um total de 68 plataformistas e auxiliares, 33 foram vítimas de acidentes, sendo 23 com afastamento. Por

6 sinal, este contrato caracterizava-se como uma autêntica subcontratação em cascata, pois a empresa que realmente operava as plataformas era a USEM (SINDIPETRO NF, 1997). Neste sentido, concordamos com DUTRA (1996), quando este enfatiza que a articulação do papel das empresas subcontratadas à história do petróleo é um tópico de pesquisa que merece indiscutivelmente mais atenção. Para ele os fornecedores de equipamentos e serviços figuram como um quarto agente - além das multinacionais do petróleo, dos países produtores e dos consumidores. A terceirização também tem contribuído para o delineamento de novas configurações no interior do movimento dos trabalhadores. SEVÁ FILHO (1997) cita criações polêmicas como O Sindicato dos Trabalhadores Offshore no Brasil (Sindtob, região norte fluminense) formado pelos petroleiros que não são funcionários da Petrobrás, e a cisão dentro do Sindipetro RJ, dando origem recentemente ao Sindipetro NF. É importante frisar que a terceirização, em certa medida, articula-se com a redução de efetivos, pois esta vem sendo acompanhada de uma crescente terceirização de várias atividades operacionais, como é o caso da manutenção que apresenta um alto índice de acidentes (FREITAS et alii, 1997). Como dissemos anteriormente (FIGUEIREDO, 1998), a reestruturação produtiva também não poupou a indústria offshore no Brasil, e em particular a Bacia de Campos. A nosso ver a redução de efetivos e o recrudescimento das terceirizações se inserem no bojo de um conjunto de mudanças que, pela forma com que vêm sendo implementadas e conduzidas, têm resultado em precarização do trabalho, com efeitos danosos para a segurança e as condições de trabalho. Aqui também a reestruturação produtiva mostra sua face conservadora. Frente a este quadro, a morte de um mergulhador ocorrida em março de 1997 no campo de Piraúna, Bacia de Campos, acabou funcionando como último estopim para que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ) instaurasse a 23 de abril do mesmo ano uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), presidida pela deputada Miriam Reid, para apurar a falta de segurança e condições de trabalho nas plataformas petrolíferas do RJ. Desde então nos foi possível ter acesso a um conjunto de materiais (relatórios e depoimentos) valiosos, complementares àqueles de cunho mais acadêmico. Segundo depoimento do Gerente de Segurança da Bacia de Campos a esta CPI em 11/09/97, os investimentos por parte da Petrobrás nesta área aumentaram nos últimos anos. Mesmo assim, como vimos, o quadro atual parece ainda estar muito aquém do desejável. As razões são variadas e algumas delas já foram explicitadas. Outras, por serem bastante complexas, serão apenas apontadas posteriormente. Contudo, acreditamos que para se chegar a uma alteração substancial deste quadro seria fundamental esta gerência assumir em primeiro lugar que se os riscos são extremamente variados e intrínsecos à indústria do petróleo, talvez o trabalho de concepção e implementação das políticas de segurança deva passar por uma profunda reformulação, deva receber investimentos bem mais expressivos. De forma sucinta, já que o risco é inerente, o cuidado deveria ser muito maior... (SEVÁ FILHO, 1997). Este risco é assumido abertamente pela alta direção de algumas multinacionais do petróleo, como foi o caso do então vice-presidente executivo e chefe de operações da Zapata Corp., Sr. Thomas McIntosh, quando afirmou: duvido que haja outra indústria que tenha uma porcentagem mais alta de seus trabalhadores submetida a risco (Oil and Gas Journal, 27/06/1983, apud CHOUERI Jr., 1991). Pode-se passar das declarações aos fatos. Citemos três grandes acidentes que ocorreram ao longo da década de oitenta: em 1982, com a plataforma Ocean Ranger, no qual sucumbiram todos os seus 84 tripulantes (CHOUERI Jr., 1991); em 1984, com a plataforma de Enchova, na Bacia de Campos, vitimando 37 trabalhadores; em 1988 foi a

7 vez da plataforma Piper Alpha, no Mar do Norte, causando a morte de 165 dos seus 226 tripulantes (PATÉ-CORNELL, 1993). Após este último, as companhias petrolíferas anunciaram que o montante dos gastos em melhoria da segurança nos oito anos que se seguiram, beirou a quantia de nove bilhões de dólares. Em contrapartida, o lucro comercial bruto destas empresas foi algo da ordem de cento e cinco bilhões de dólares, e seu faturamento total chegou próximo dos cento e oitenta bilhões de dólares. Diante destas quantias astronômicas, constata-se que os gastos com segurança ao longo daquele período não chegaram a cinco por cento do faturamento total destas empresas (WOOLFSON et alii,1996). Seria interessante saber o montante investido em melhoria da segurança pela Petrobrás, na Bacia de Campos, após o acidente de Enchova em 1984, e compará-lo com o faturamento total por ela auferido no decorrer destes anos. 4 - Conclusão Com base neste histórico, causa-nos um certo estarrecimento a postura da Gerência de Segurança da Bacia ao insistir, via de regra, no anacronismo culpabilizante, atribuindo aos trabalhadores (em geral as próprias vítimas) a responsabilidade dos acidentes. Estas análises causais costumam se limitar aos fatores mais diretos e imediatos, não desvelando a multiplicidade e as inter-relações entre os diversos fatores que propiciam a ocorrência destes eventos (WISNER, 1994; VIDAL, 1989; PATÉ-CORNELL, 1993). Principalmente os aspectos da organização do trabalho e as práticas gerenciais, até porque, como foi observado na implantação do método da árvore de causas em uma usina atômica francesa, há o receio de dar visibilidade ao papel real da média e alta gerências na gênese dos acidentes, pelas possíveis sanções que possam advir (ALMEIDA e BINDER, 1995). SEVÁ FILHO (1997) também chama a atenção para este ponto ao mapear a correlação de forças entre a GESEG, o SINDIPETRO NF, e as CIPA s das plataformas na Bacia de Campos. No que concerne à análise de algumas catástrofes, WISNER (1994) sugere que se vá ainda mais longe. Para tanto, propõe como ferramenta o que ele veio a denominar de abordagem antropotecnológica. Assim, passamos do registro das responsabilidades funcionais dos operadores e de seus dirigentes ao do pessoal que concebe e instala o dispositivo técnico e, depois, ao registro das responsabilidades dos que determinam as condições econômicas e sociais - ou até políticas - nas quais o dispositivo perigoso foi concebido, instalado e explorado. Também já há algum tempo a abordagem calcada na psicodinâmica do trabalho chama a atenção para o reducionismo das políticas de segurança tradicionais. Esta abordagem procura sublinhar a importância de se respeitar as regras elaboradas espontaneamente no seio dos coletivos de trabalho enquanto uma estratégia de preservação da segurança (DEJOURS e CRU, 1987). Poderíamos ainda abordar uma série de aspectos relacionados aos riscos ambientais (intoxicações com gás sulfídrico, emissões radioativas etc), aos riscos inerentes aos meios de transporte utilizados (terrestre, aéreo e marítimo), aos transtornos de ordem mental decorrentes de um tipo de organização do trabalho em que se combinam isolamento/confinamento, trabalho em turnos, longas jornadas (doze horas) etc. Ficará para um momento posterior, no decorrer de nossa pesquisa de doutoramento.. 5 Referências Bibliográficas ALMEIDA, I. e BINDER, C. (1995). O Uso do Método de Árvore de Causas pelo Movimento Sindical. In: Saúde, Meio Ambiente e Condições de Trabalho. São Paulo: Fundacentro/CUT.

8 CHOUERI Jr, N. (1991). Equipes de Perfuração Marítima: uma análise das relações sociais,das condições de trabalho e de produtividade. Dissertação de Mestrado.Campinas: UNICAMP. DEJOURS, C. e CRU, D. (1987). La peur et la connaissance des risques dans le mètier du bâtiment. In: Dejours, C.; Veil, C. e Wisner, A. (dir.). Psychopathologie du Travail. Coloque National. MRT/CNRS. DUARTE, F. (1994). A Análise Ergonômica e a Determinação de Efetivos: estudo da modernização tecnológica de uma refinaria de petróleo no Brasil. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. DUTRA, L. (1996). Por uma história alternativa do petróleo. In: Freitas, M. e Dutra, L. (orgs.). Pesquisas Recentes em Energia, Meio Ambiente e Tecnologia. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. FAERTES, D. (1994). Sobre um Critério de Aceitabilidade de Riscos para Plataformas Marítimas de Petróleo. Tese de Mestrado. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. FERREIRA, L. e IGUTI, A. (1996). O Trabalho dos Petroleiros: perigoso, complexo, contínuo e coletivo. São Paulo: Scritta. FIGUEIREDO, M. (1998). O Trabalho de Mergulho Profundo em Instalações Petrolíferas Offshore na Bacia de Campos: a Guerra de Highlander contra Leviatã. Exame de Qualificação ao Doutorado. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. FREITAS, C. et alii (1997). Relatório Preliminar de Análise dos Acidentes de Trabalho nas Plataformas de Petróleo da Bacia de Campos. Rio de Janeiro: CESTEH/ENSP/FIOCRUZ. PATÉ-CORNELL, M. (1993). Learning from the Piper Alpha Accident: a postmortem analysis of technical and organizational factors. Risk Analysis, vol. 13, n 2: PERROW, C. (1984). Normal Accidents: living with high-risk technologies. New York: Basic Book PESSANHA, R. (1994). O Trabalho Offshore: inovação tecnológica, organização do trabalho e qualificação do operador de produção na Bacia de Campos. Tese de Mestrado. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. PORTO, M. e FREITAS, C. (1997). Aspectos Sociais e Qualitativos nas Análises de Causas de Acidentes Industriais em Sistemas Tecnológicos Complexos. Rev. Produção, vol. 7, n 1: SEVÁ FILHO, A. (1997). Riscos Técnicos Coletivos e Desorganização do Trabalho: alarmes e emergências na indústria petrolífera brasileira em seu transe de mundialização. Relatório de pesquisa de pós-doutorado. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. SINDIPETRO NF (1997a). Os Subterrâneos da Bacia: as mortes, os riscos, e a ilegalidade na exploração e produção de petróleo da Bacia de Campos: Macaé. (1997b). Documentos relatando acidentes/incidentes nas instalações da Petrobrás na região Norte Fluminense: Macaé. VIDAL, M. (1989). A Evolução Conceitual da Noção de Acidentes do Trabalho e Consequências Metodológicas sobre o Diagnóstico de Segurança. Cadernos do DEP, ano V, n 3. São Carlos: UFSCar. WISNER, A. (1994). A Inteligência no Trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro. WOOLFSON et alii (1996). Paying For the Piper: capital and labour in Britain s offshore oil industry. London: Mansell. WYNNE, B. (1988). Unruly Technology: pratical rules, impratical discourses and public understanding. Social Studies of Science, vol. 18:

9

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.865, DE 2011 Altera o caput do art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5452, de 1º

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE

INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE INSPEÇÃO BASEADA EM RISCO SEGUNDO API 581 APLICAÇÃO DO API-RBI SOFTWARE Carlos Bruno Eckstein PETROBRAS/CENPES/PDEAB/Engenharia Básica de Equipamentos Edneu Jatkoski PETROBRAS/REPLAN/MI/Inspeção de Equipamentos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO TRIBUNAL MARÍTIMO PROCESSO Nº 21.149/04 ACÓRDÃO Plataforma P-31. Incêndio no motor gerador da praça de máquinas a bordo de plataforma, tendo como causa determinante o rompimento de uma conexão da rede

Leia mais

AcIDENTES NA plataforma DE petróleo

AcIDENTES NA plataforma DE petróleo AcIDENTES NA plataforma DE petróleo Alex Santana Duarte 1 Anne Caroline Ângelo Rodrigues 1 Eloá Cristina Loureiro da Rocha 1 João Leonardo Macêdo de Oliveira 1 Marília Rafaele Oliveira Santos 1 Thauane

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A.

O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de Pequeno Porte, realizado no dia 13 de Julho de 2008 em Nova Iorque, E.U.A. FÓRUM PARLAMENTAR SOBRE ARMAS LIGEIRAS E DE PEQUENO PORTE Declaração da política sobre a gestão de estoque de munições convencionais O Conselho Executivo do Fórum Parlamentar sobre Armas Ligeiras e de

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria;

Reuso macroexterno: reuso de efluentes provenientes de estações de tratamento administradas por concessionárias ou de outra indústria; Um local de grande potencialidade de reutilização de efluentes de ETE s é o setor industrial, afirma Giordani (2002), visto que várias fases dos processos produtivos podem aceitar águas de menor qualidade,

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

CLIPPING EVENTO DO DIA 25/06 SOBRE VAZAMENTO DE ÓLEO

CLIPPING EVENTO DO DIA 25/06 SOBRE VAZAMENTO DE ÓLEO CLIPPING EVENTO DO DIA 25/06 SOBRE VAZAMENTO DE ÓLEO 23 de junho de 2012 CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA VAI DEBATER ASPECTOS TÉCNICOS E LEGAIS DE ACIDENTES COM VAZAMENTO DE ÓLEO A Câmara de Comércio Americana

Leia mais

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em

O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em O Sr. JUNJI ABE (PSD-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, está em nosso cotidiano, com frequência muito acima do desejável, a ocorrência de acidentes envolvendo

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

REQUERIMENTO nº, de de março 2013. (Do Sr. SARNEY FILHO)

REQUERIMENTO nº, de de março 2013. (Do Sr. SARNEY FILHO) REQUERIMENTO nº, de de março 2013 (Do Sr. SARNEY FILHO) Requerimento de Informação a Senhora Ministra do Meio Ambiente quanto 1) a conclusão da regulamentação do art. 8º da Lei 9.966/2000, que institui

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Contrato de locação de serviços que entre si fazem (nome e qualificação de quem está contratando: natureza ou profissão, endereço e dados como

Leia mais

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado

Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado Limite de Retenção Orientações da Susep ao Mercado JUNHO/2013 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Contextualização... 2 2. LIMITE DE RETENÇÃO...

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 6 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos a serem adotados na ocorrência de acidentes de trabalho com empregados da Sede Inspetorial, Departamentos e Filiais

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP

ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS - APP ANEXO II.7-1 - ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS Pág. 1/19 ANÁLISE PRELIMINAR DE PERIGOS CLIENTE PETROBRAS REV. 00 DATA Out/2010 FOLHA 1/19 INSTALAÇÃO Unidade Marítima de Perfuração NS-21 (Ocean Clipper)

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE.

MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. 1 MANUTENÇÃO PREDITIVA : BENEFÍCIOS E LUCRATIVIDADE. Márcio Tadeu de Almeida. D.Eng. Professor da Escola Federal de Engenharia de Itajubá. Consultor em Monitoramento de Máquinas pela MTA. Itajubá - MG

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade

Curso de formação: Análise de Risco, Segurança Operacional e Confiabilidade CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo FDTE Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia LabRisco Laboratório de Análise, Avaliação e Gerenciamento de Risco da USP Curso de formação:

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER

NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER NUCLEARINSTALLATIONSAFETYTRAININGSUPPORTGROUP DISCLAIMER Theinformationcontainedinthisdocumentcannotbechangedormodifiedinanywayand shouldserveonlythepurposeofpromotingexchangeofexperience,knowledgedissemination

Leia mais

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE

A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE A POSSIBILIDADE DA INCLUSÃO DE DESPESAS ADMINISTRATIVAS DO CONVENENTE NO PLANO DE TRABALHO A SER APRESENTADO EM CONVÊNIOS E CONTRATOS DE REPASSE Elaborado em: 22/09/2010 Autora: Walleska Vila Nova Maranhão

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi

Contribuição Eletropaulo Metropolitana S/A Expositor Antoninho Borghi Audiência Pública ANEEL 027/2003 Estabelece as condições de atendimento por meio de Central de Teleatendimento (CTA) das concessionárias ou permissionárias, critérios de classificação de serviços e metas

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

Insegurança em alto-mar

Insegurança em alto-mar Insegurança em alto-mar Falha em plataforma da Petrobras na Bacia de Campos expõe problemas de manutenção nos equipamentos da empresa A Agência Nacional de Petróleo (ANP) e a Marinha interditaram ontem

Leia mais

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL.

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. Orlando José de Almeida Sócio do Homero Costa Advogados Natália Cristina

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 11 de fevereiro de 2013. Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO Saúde e Segurança na agricultura TÍTULO DA APRESENTAÇÃO TÍTULO DA APRESENTAÇÃO DEVERES GERAIS DO EMPREGADOR DEVERES GERAIS DO TÍTULO EMPREGADOR DA APRESENTAÇÃO Admissão de trabalhadores

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico.

USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA. Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. USO DE ENERGIA LIMPA NA INDÚSTRIA Sugestão de tema a ser estudado, transformado em curso ou disciplina e disseminado no meio acadêmico técnico. Justificativa: A desmobilização de Carbono que demorou centenas

Leia mais

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Petrobras fará verdadeira revolução na Logística da Indústria do Petróleo

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código:

(Código INF) Capítulo 1. Generalidades. 1.1 Definições. 1.1.1 Para os efeitos deste Código: CÓDIGO INTERNACIONAL PARA O TRANSPORTE SEGURO DE COMBUSTÍVEL NUCLEAR IRRADIADO, PLUTÔNIO E RESÍDUOS COM ELEVADO NÍVEL DE RADIOATIVIDADE, SOB A FORMA EMBALAGEM, A BORDO DE NAVIOS (Código INF) Capítulo 1

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas

Regulamentação e Licenciamento Ambiental. Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Regulamentação e Licenciamento Ambiental Oscar Graça Couto Lobo & Ibeas Matriz Constitucional "Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB

Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Manual de Pedido de Matrícula em Disciplinas pelo Q-Acadêmico WEB Área Responsável Implantação Preparado por: Leonardo Moulin Franco 27 de maio de 2009 Revisão 00 TABELA DE REVISÃO DESTE MANUAL REVISÃO

Leia mais

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo

EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo EMPRESAS CONTRATADAS Como manter com elas um relacionamento efetivo O treinamento de trabalhadores, voltado para a conscientização sobre os perigos existentes em suas áreas de trabalho, reduz ao mínimo

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA

LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA LIÇÕES DE ANÁLISES DE ACIDENTES APOIADAS NO MODELO DE ANÁLISE E PREVENÇÃO DE ACIDENTES - MAPA Ildeberto Muniz de Almeida São Paulo, 27 a 29 de Agosto de 2014 O QUE É O MAPA? O Que é o MAPA Ferramenta de

Leia mais

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF.

SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF é uma marca comercial registrada do Grupo SKF. SKF 2011 Os direitos autorais desta publicação pertencem ao editor e seu conteúdo não pode ser reproduzido (mesmo em parte) sem uma permissão por escrito.

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA INDIVIDUAL PEI FPSO OSX-1

PLANO DE EMERGÊNCIA INDIVIDUAL PEI FPSO OSX-1 Pág. 1/9 I DIMENSIONAMENTO, ESTRATÉGIA E TEMPOS DE RESPOSTA Para casos de incidentes de vazamento de óleo no mar, deverão ser adotadas uma das seguintes alternativas, ou uma combinação destas: acompanhamento

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão Março de 2015 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL (Política e procedimentos relacionados ao gerenciamento de risco operacional da Gávea DTVM nos termos da Resolução BCB no 3.380, de 29

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

Um choque de prevenção no setor elétrico

Um choque de prevenção no setor elétrico Um choque de prevenção no setor elétrico Cesar Vianna Gerente de Segurança e Saúde da Fundação COGE A história da Engenharia de Segurança do Trabalho e da Medicina do Trabalho, aplicadas de forma integrada

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei

Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico. Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Resultados dos testes de Uso Experimental e Específico Óleo diesel com teor de biodiesel superior ao disposto em lei Agenda Regulamentação; Resultados dos testes de uso experimental e específico; Companhia

Leia mais

Como organizar um processo de planejamento estratégico

Como organizar um processo de planejamento estratégico Como organizar um processo de planejamento estratégico Introdução Planejamento estratégico é o processo que fixa as grandes orientações que permitem às empresas modificar, melhorar ou fortalecer a sua

Leia mais

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes

#Fluxo. da Mobilidade de Informação na. Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes #Fluxo da Mobilidade de Informação na Indústria da Construção Civil: Pesquisa e resultados recentes introdução Muitas foram as áreas da indústria que se beneficiaram dos avanços tecnológicos voltados ao

Leia mais

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável

Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Seminário Empresarial de Segurança e Saúde no Trabalho : trabalhador seguro, indústria saudável Manoel Messias Melo Secretário Nacional de Saúde do Trabalhador CUT Brasil 1 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

Leia mais

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II

COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II COMO CALCULAR A PERFORMANCE DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS - PARTE II O que é o Índice de Treynor? Índice de Treynor x Índice de Sharpe Restrições para as análises de Sharpe e Trynor A utilização do risco

Leia mais

NORMA ATUARIAL Nº. 1

NORMA ATUARIAL Nº. 1 NORMA ATUARIAL Nº. 1 SELEÇÃO DE HIPÓTESES DEMOGRÁFICAS, BIOMÉTRICAS E OUTRAS NÃO-ECONÔMICAS PARA MENSURAÇÃO DE OBRIGAÇÕES DE UM PLANO DE BENEFÍCIOS Versão 001 PARA: Atuários MIBAS e CIBAS e outras Pessoas

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ. A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROJETO MPF - ARQ A atuação do arqueólogo no licenciamento ambiental os normativos do IPHAN Esse texto pretende ofertar breve noção sobre a atuação do arqueólogo no licenciamento

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Nº 9431/2015 TERMO DE CONTRADO QUE ENTRE SÍ CELEBRAM A [EMPRESA CLIENTE] E A PBSYS AUTOMAÇÃO COMERCIAL LTDA ME PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE IMPLANTAÇÃO

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*)

A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) A CRISE ENERGÉTICA E AS EMPRESAS DE ENERGIA DO FUTURO (*) Enquanto o Brasil vinha insistindo em uma política energética privilegiando grandes usinas e extensas linhas de transmissão, cada vez mais distantes

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil 1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil A Petrobrás alcançou em julho de 2005 a média de produção de 1,76 milhões de barris por dia, sendo destes 1,45 milhões só na

Leia mais

Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software

Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software Aplicações da FPA em Insourcing e Fábrica de Software Copyright 2002 por FATTO CONSULTORIA E SISTEMA LTDA. Esta publicação não poderá ser reproduzida ou transmitida por qualquer modo ou meio, no todo ou

Leia mais