COLABORADORES Viviane Castro dos Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLABORADORES Viviane Castro dos Santos"

Transcrição

1

2

3 CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS LABORATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO DE ACIDENTES COM MÁQUINAS AGRÍCOLAS-LIMA OS AUTORES Leonardo de Almeida Monteiro... Doutor em Engenharia Agrícola e Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará Daniel Albiero Doutor em Mecanização Agrícola e Professor Adjunto da Universidade Federal do Ceará COLABORADORES Viviane Castro dos Santos Bolsista do Laboratório de Investigação de Acidentes com Máquinas Agrícolas LIMA Universidade Federal do Ceará Deivielison Ximenes Siqueira Macedo Bolsista do Laboratório de Investigação de Acidentes com Máquinas Agrícolas LIMA Universidade Federal do Ceará Aline Castro Praciano Bolsista do Laboratório de Investigação de Acidentes com Máquinas Agrícolas LIMA Universidade Federal do Ceará

4

5

6 SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO... 3 SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS...4 PAINEL DE INSTRUMENTOS...13 REPARAÇÃO DO TRATOR PARA O TRABALHO...22 SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO...37 MANUTENÇÃO...66 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS...76

7 INTRODUÇÃO O trator agrícola é a fonte de potência mais importante do meio rural, contribuindo para o desenvolvimento e avanço tecnológico dos sistemas agrícolas de produção de alimentos e também de fontes alternativas de energias renováveis, tais como o álcool e o biodiesel. A utilização correta do conjunto moto-mecanizado, trator-equipamento, pode gerar uma significativa economia de consumo de energia e, portanto, menor custo operacional e maior lucro para a empresa. Hoje em dia existe uma grande variedade de modelos de tratores com diferentes sistemas de rodados, diversos órgãos com funções bastante específicas, além de acessórios para fornecer maior conforto para o operador, que pode usufruir de assento estofado com amortecedores pneumáticos, cabines com ar condicionado, som ambiente e computadores de bordo e mais importante que isso, dispondo de sistemas de segurança tais como: estrutura de proteção ao capotamento, cinto de segurança, proteção das partes móveis, alarmes e bloqueadores eletrônicos. O antigo conceito de tratorista, aquele operário que somente dirigia o trator, está totalmente ultrapassado. Alguns anos atrás essa filosofia foi substituída pelo operador de máquinas, atribuindo a esse profissional não somente a função de movimentar o trator, mas também fazê-lo de forma correta, consciente, segura e de acordo com uma programação pré-estabelecida. Atualmente, em função da alta tecnologia embutida num trator agrícola e nas máquinas autopropelidas (colhedoras e pulverizadores), seus operadores precisam ser profissionais bastante capacitados e com excelente nível de treinamento e este indivíduo deve ser altamente MOTIVADO, TREINADO e CAPACITADO, bem como apto a participar de uma FILOSOFIA MAIOR DA EMPRESA NA BUSCA DE ALTOS NÍVEIS DE EFICIÊNCIA. Realizar a operação agrícola de acordo com um planejamento, de forma eficiente e segura, registrar os dados relativos ao trabalho (conjunto moto-mecanizado, operador, operação realizada, local, hora e área trabalhadas, consumo de combustível), são providências fundamentais para um bom Planejamento Agrícola.

8 PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA SEGURANÇA NA OPERAÇÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS O trator proporciona grandes benefícios ao homem, mas podem causar danos materiais e pessoais. Para preveni-los siga as algumas orientações a seguir. O TRATOR O operador deve estar familiarizado com todos os comandos e controles da máquina antes de operá-la. Antes de trabalhar com implementos, faça uma leitura do manual de instrução, fornecido pelo fabricante, pois certos instrumentos requerem técnicas especiais de operação. Fonte: John Deere Manual de Operação Se o trator estiver equipado com Arco de Segurança ou estrutura de proteção contra capotamento (EPCC), use o cinto de segurança. Nunca use o cinto de segurança se o trator não possui arco de segurança ou EPC.

9 Fonte: John Deere Cinto de Segurança Acesse a plataforma de operação pelo lado esquerdo do trator e não segure no volante. Desça sempre de costas colocando as mãos nos apoios e os pés nos degraus. Mantenha a plataforma do operador e os degraus livres de graxa, lama ou sujeira. Fonte: John Deere Plataforma de Operação Ao transportar outras pessoas no trator além do operador, utilize carretas ou plataformas para o transporte.

10 Fonte: John Deere Transporte de Pessoas Não sobrecarregue o trator ou opere com implementos fora das condições de segurança, ou sem manutenção adequada. Mantenha sempre os decalques de segurança limpos, legíveis e troque-os quando se danificarem. MANUTENÇÃO Não efetue operações de manutenção quando o motor estiver funcionando. Nunca utilizar equipamentos hidráulicos para trabalhar em baixo do trator, use calços reforçados para suportar o peso da máquina. Nunca faça reparos nas mangueiras ou conexões do sistema hidráulico quando ele estiver sob pressão, ou com o motor do trator funcionando, (um jato sobre pressão pode perfurar a pele, provocar irritações ou graves infecções).

11 Fonte: John Deere Conexões de Pressão Cuidado ao remover a tampa do radiador com motor quente. Espere que o motor esfrie para abrila, cubra com um pano e gire-a até o primeiro estágio para aliviar a pressão. Fonte: John Deere Tampa do Radiador Nunca fume quando estiver abastecendo o trator ou trabalhando em seu sistema de combustível.

12 Fonte: John Deere Cuidados no Abastecimento Desligue sempre o motor do trator ao abastecer o tanque de combustível Mantenha a tampa do tanque firmemente apertada, em caso de perda, substitua por uma tampa original, não improvise. Ao manusear bateria, não provoque chamas, faíscas, evite o contato da solução com roupas e a pele, pode haver risco de queimaduras graves. Fonte: John Deere Cuidados com a Bateria Ao remover os cabos da bateria retire primeiro o cabo negativo e depois o positivo, ao conectar proceda à operação inversa.

13 Fonte: John Deere Conexões da Bateria OPERANDO O MOTOR Somente coloque o motor em funcionamento quando estiver devidamente acomodado no assento do operador. Ao parar o trator desligue o motor e aplique o freio de estacionamento antes de descer do trator. Jamais permaneça com o motor em funcionamento em locais fechados, os gases do escapamento podem causar sérios riscos à saúde do operador. Fonte: Massey Ferguson Cuidados na Operação

14 Utilize somente a barra de tração para os serviços de reboque e nunca a viga C do terceiro ponto. Fonte: Massey Ferguson Cuidados na utilização da Barra de Tração CONDUZINDO O TRATOR Não desloque com o trator em velocidades excessivas. Fonte: Massey Ferguson Cuidados na Condução do Trator Ao conduzir o trator em estradas utilize os pedais de freios unidos pela trava.

15 Fonte: John Deere Cuidados na Condução do Trator Ao descer ladeira utilize o freio motor e os freios do trator, jamais pise na embreagem ou desça em ponto morto. Fonte: Massey Ferguson Cuidados na Condução do Trator Não faça trocas de marcha no meio de subidas ou descidas. Não transporte pessoas no trator

16 Fonte: Valtra Cuidados na Condução do Trator OPERANDO A TDP Pare o motor e espere que o eixo da TDP pare de girar, antes de acoplar ou desacoplar o equipamento por ele acionado. Não se aproxime da TDP utilizando roupas largas ou folgadas que possam se prender em qualquer uma das partes rotativas. Fonte: John Deere Cuidados com a TDP Desligue sempre a tomada de potência quando não estiver utilizando a mesma. Quando a tomada de potência não estiver sendo utilizada mantenha o protetor no seu lugar. Não improvise pinos para unir os cardãns utilize sempre pinos originais.

17 PAINEL DE INSTRUMENTOS Os painéis de instrumentos utilizados nos tratores possuem diferenças no arranjo dos instrumentos. O importante, todavia, é saber interpretar o significado de cada um dos instrumentos, as luzes de aviso, teclas ou botões, com base no símbolo estampado sobre estes componentes. Fonte: John Deere, Massey Ferguson, New Holland, Valtra Painéis de Instrumentos

18 HORÍMETRO Marca as horas trabalhadas e é a base para todo serviço de assistência e manutenção. Fonte: John Deere Manual de Operação TERMÔMETRO Indica as faixas de temperatura da água do sistema de arrefecimento 1 a Faixa: Motor frio 2 a Faixa: Temperatura normal de trabalho 3 a Faixa: Motor superaquecido Marcador de Temperatura do Motor

19 TACÔMETRO OU CONTA GIRO Marca as rotações por minuto (RPM) desenvolvidas pelo motor Marcador de Rotações do Motor INDICADOR DE COMBUSTÍVEL Indica o nível do combustível dentro do tanque Marcador do Nível de Combustível INDICADOR DE PRESSÃO DO ÓLEO LUBRIFICANTE DO MOTOR Indica a pressão do óleo do motor

20 Fonte: John Deere Marcador de Pressão de Óleo do Motor LUZ DE ALERTA PARA CARGA DA BATERIA Indica se a bateria esta sendo carregada ou não pelo alternador Fonte: John Deere Marcador de Carga da Bateria INDICADOR DE RESTRIÇÃO Indica o momento que deve ser feita a limpeza do filtro de ar do motor, podem ser de dois tipos: - Indicador Mecânico: quando a faixa vermelha aparecer no visor indica que o filtro esta obstruído. - Indicador Elétrico: quando ascender à luz no painel indica que o filtro esta obstruído.

21 Fonte: John Deere Indicador de Restrição Elétrico LUZ DE ALERTA DA PRESSÃO DE ÓLEO DA TRANSMISSÃO Indica a pressão do óleo lubrificante do sistema de transmissão Fonte: New Holland Indicador de Pressão do Óleo da Transmissão CHAVE DE PARTIDA Aciona o sistema de partida do trator

22 Fonte: John Deere Chave de Partida COMANDOS DO TRATOR VOLANTE DE DIREÇÃO A direção é do tipo hidráulico hidrostática, a coluna de direção pode ser inclinada até 15 graus, proporcionando maior conforto para o operador. Fonte: John Deere A Botão de Acionamento B - Alavanca Coluna de Direção Ajustável

23 PEDAL DE EMBREAGEM Tem a função de desligar a transmissão de potência do motor para a transmissão e permitir as trocas de marcha, saída e parada do trator. Fonte: Massey Ferguson Pedal de Embreagem PEDAIS DE FREIOS O sistema de freios é de acionamento hidráulico, o circuito é independente para cada roda traseira. Para executar curvas fechadas, pode-se utilizar o auxílio dos freios, aplicando apenas o pedal do lado cuja direção se deseja, porém este recurso deve ser utilizado sem exageros evitando acidentes e desgastes prematuros do conjunto. Fonte: John Deere Pedais de Freio

24 ALAVANCAS DE CAMBIO São duas: Alavanca de seleção de marchas Alavanca de escalonamento de marchas Fonte: John Deere Alavancas de Câmbio

25 SIMBOLOGIA UNIVERSAL

26 ASSENTO DO OPERADOR As posições de ajuste são: A. Manivela de Avanço/recuo. B. Manivela de travamento pivô. C. Alavanca de regulagem de altura. D. Manivela do ângulo de encosto. E. Botão d apoio do braço. F. Apoio lombar. Fonte: John Deere Assento do Operador

27 REPARAÇÃO DO TRATOR PARA O TRABALHO LASTREAMENTO Consiste em adicionar pesos no trator com o objetivo de reduzir a perda de força de tração, aumentar o rendimento operacional e diminuir o desgaste dos pneus reduzindo a patinagem. O lastreamento não pode ser excessivo, pois causa a compactação do solo e maior consumo de combustível. A tabela abaixo fornece os valores ideais de patinagem, para os diferentes tipos de terreno. Superfície asfaltada ou de concreto 5 a 7% Superfície de solo firme 7 a 12% Superfície seca e macia 10 a 15% Uma maneira prática de verificar se o índice de patinagem esta dentro do recomendado é analisar o formato do rastro deixado pelas rodas de tração do trator. 1- Marcas nos solo pouco definidas, patinagem excessiva aumente a quantidade de lastro do trator. Lastragem Insuficiente

28 2- Marca claramente definidas, patinagem insuficiente diminua o lastro. Lastragem Excessiva 3- O lastreamento e a patinagem estarão corretos quando no centro do rastro houver sinais de deslizamento e as marcas nas extremidades laterais estiverem bem definidas. Lastragem Correta TIPOS DE LASTREAMENTO 4. Lastreamento com água Consiste em colocar água nos pneus conforme o recomendado pelo fabricante. O percentual de água nos pneus é determinado pela posição do bico em relação à superfície do solo (MONTEIRO 2008).

29 4.1 Adição de 75 % de água nos pneus Para adição de 75 % de água no pneu o bico deverá ser posicionado na parte superior, formando um ângulo de 90 0 em relação ao solo. Fonte: Monteiro (2008) Bico a 90 0 em Relação ao Solo Adição de 75 % de Água no Pneu 4.2 Adição de 60 % de água nos pneus Para adição de 60 % de água no pneu o bico deverá ser posicionado na parte superior formando um ângulo de 45 0 em relação à superfície do solo. Fonte: Monteiro (2008) Bico a 45 0 na Parte Superior Adição de 60 % de Água no Pneu

30 4.3 Adição de 50 % de água nos pneus pneu. Para adição de 50 % de água no pneu o bico deverá ser posicionado na parte mediana do Fonte: Monteiro (2008) Bico na Posição Mediana Adição de 50 % de Água no Pneu 4.4 Adição de 40% de água nos pneus Para adição de 40 % de água no pneu, a válvula (bico de enchimento), foi posicionada formando um ângulo de 45 0 em relação ao solo na parte inferior. Fonte: Monteiro (2008) Bico a 45 0 na Parte Inferior Adição de 40 % de Água no Pneu

31 4.5 Adição de 25 % de água nos pneus Para adição de 25 % de água nos pneus, posicionar a válvula (bico de enchimento) na posição inferior. Fonte: Monteiro (2008) Figura 39- Bico na Posição Inferior Adição de 25 % de Água no Pneu PROCEDIMENTOS PARA LASTRAGEM Coloque o trator sobre uma superfície plana, levante a roda que deseja adicionar água e solte a válvula para retirada do ar. Gire a roda de modo que o bico fique na posição referente ao percentual de água que se deseja adicionar no pneu, em seguida coloque a mangueira de água e comece a encher o pneu. Quando começar a sair água pelo bico,o mesmo, estará preenchido com água, em seguida repete-se a operação nos demais pneus do trator. Fonte: Massey Ferguson Colocação de Água no Pneu

32 4.6 Lastreamento com pesos metálicos (contrapesos) Pode ser feito através de discos metálicos (A) fixado as rodas traseiras ou placas metálicas (B) montadas na dianteira do trator. Fonte: Massey Ferguson Lastro Sólido A quantidade de peso total colocado sobre o eixo dianteiro e traseiro nunca deve exceder o máximo recomendável, excesso de peso danifica e desgasta os pneus, além de provocar compactação do solo. Nos tratores 4x2 TDA, o lastreamento deve obedecer a um equilíbrio, de forma que o peso total (trator + lastro) que incide sobre os eixos dianteiro e traseiro, seja de aproximadamente 40% no eixo dianteiro e 60% no eixo traseiro. Fonte: Massey Ferguson Distribuição de Peso no Trator

33 AJUSTE DE BITOLA A bitola é medida de centro a centro dos pneus traseiros. A bitola pode ser ajustada de acordo com as operações que se deseja executar, tais como: - Tipo de cultura - Tipo de solo ou terreno - Tipo de operação e implemento A bitola é de fundamental importância na adaptação do trator implemento ao trabalho a ser executado. PROCEDIMENTOS PARA O AJUSTE DE BITOLA A) Eixo dianteiro 4x2 A bitola pode ser alterada de 2 formas: 1) Pelo deslocamento da barra telescópica (2) para dentro ou para fora da canaleta (1) presa a mesa frontal do trator. Cada furo da barra altera-se a bitola em 50 mm no respectivo lado, portanto a alteração total da bitola dianteira será de 100 mm (50 mm em cada lado). Fonte: New Holland Bitola Dianteira

34 B) Pela inversão do lado de montagem da roda (aro + pneu) Consiste na mudança da montagem no aro. As rodas destes eixos são do tipo aro e discos reversíveis. Este sistema permite alterar a bitola em ate 8 tipos diferentes. Fonte: Massey Ferguson Bitola Traseira Bitola do eixo traseiro O ajuste de bitola do eixo traseiro depende do tipo de rodado utilizado A) Roda do tipo aro e disco reversível B) Rodas tipo arrozeiras C) Roda com disco fundido D) Roda com bitola auto-ajustável - Sistema PAVT A) Roda do tipo aro e disco reversível O procedimento para alteração da bitola é feito da mesma forma que as rodas tipo aro e disco, do eixo dianteiro.

35 Fonte: Massey Ferguson Rodado Traseiro B) Rodas tipo arrozeiras Estas rodas não permitem ajuste de bitolas, pois são fixas no aro, além disso, o pneu empregado nessas rodas é mais largo impossibilitando a inversão do lado de montagem das rodas. Fonte: Massey Ferguson Roda Arrozeira C) Rodas com disco fundido Estas rodas possuem um disco fundido, permitem montagem de contrapesos internos. É utilizada para pneus largos para uso em solo firme.

36 D) Rodas com sistema PAVT traseira. É um sistema servo ajustável, que oferece grande facilidade para a mudança de bitola Fonte: Massey Ferguson Sistema PAVT BARRA DE TRAÇÃO A barra de tração do tipo oscilante, travada em sua posição central através de 2 pinos removíveis o que a torna oscilante para as aplicações que o requeiram Além da oscilação a barra de tração permite a regulagem da altura e do comprimento conforme descrito a seguir. Fonte: Massey Ferguson Barra de Tração

37 AJUSTE DA ALTURA DAS BARRAS DE TRAÇÃO A razão de se ajustar a altura da barra de tração, é permitir que o cabeçalho do implemento ou carreta fique na posição mais horizontal possível. Uma barra muito inclinada, ao ser submetido a altos esforços de tração pode provocar a perda de firmeza de um dos eixos dianteiro ou traseiro Barra muito baixa, o eixo traseiro perde firmeza. Barra muito alta, eixo dianteiro perde firmeza. Barra reta não permite a alteração da altura Fonte: Massey Ferguson Manual de Operação BARRA COM DEGRAU Permite duas opções de altura, degrau virado para cima (maior altura), ou degrau virado pra baixo. Barra dom degrau e cabeçote Permite 4 posições: 1- Com degrau para baixo e cabeçote para cima 2- Com degrau e cabeçote para baixo 3- Com degrau para cima e cabeçote pra baixo 4- Com degrau e cabeçote para cima

38 Fonte: Massey Ferguson Barra de Tração SISTEMA DE LEVANTE HIDRÁULICO A- Barras inferiores B- Braços niveladores C- Braço do terceiro ponto D- Viga c ou de controle E- Estabilizadores laterais (tipo corrente ou telescópico) F- Braços superiores G- Cilindros hidráulicos Fonte: Massey Ferguson Sistema de Engate de 3 Pontos

39 Forma de Acoplamento e Engates O trator possui diversos pontos onde podem ser acoplados ou mesmo engatados uma infinidade de equipamentos ou implementos agrícolas, para as mais variadas condições de trabalho. Estes pontos possuem diversas possibilidades de regulagens, que facilitam e aumentam a eficiência nos mais variados trabalhos de campo. Os tipos de acoplamentos são: - Engate de 3 pontos Localizado na parte traseira do trator, serve para o acoplamento de implementos no sistema hidráulico do trator. Possuem três pontos de fixação braço esquerdo 3 0 ponto e braço direito. Fonte: Massey Ferguson Viga C - Controle remoto transporte. Muito utilizado em implementos de arrasto principalmente para movimentação das rodas de

40 Fonte: Case IH Válvulas de Controle Remoto SELEÇÃO DE MARCHAS, ROTAÇÃO E VELOCIDADE A seleção de marcha e a rotação correta são fundamentais para o bom desempenho do trator e um baixo consumo de combustível. A velocidade deve ser compatível com o tipo de terreno e implemento com que o trator vai trabalhar. Fonte: New Holland Escalonamento de Marchas PASSOS PARA A ESCOLHA DA VELOCIDADE E ROTAÇÃO CORRETA A) Determine qual a velocidade adequada para a operação B) Determine qual a rotação a ser usada no motor de acordo com a tabela de escala de velocidades

41 . SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO INTRODUÇÃO O Sistema de alimentação dos motores de combustão interna é responsável pelo suprimento de ar e combustível ao motor. Existem basicamente dois tipos de sistemas de acordo com o ciclo de funcionamento dos motores: o sistema para motores Otto e o sistema para motores diesel. No sistema de alimentação Otto o combustível é mistura no ar antes de ser admito nos cilindros, enquanto que no sistema diesel, o combustível é injetado nos cilindros por um circuito diferente do percorrido pelo ar. Tanto num sistema quanto no outro a admissão ocorre quando o pistão se desloca do ponto morto superior para o ponto morto inferior com a válvula de admissão aberta. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO PARA MOTORES DO CICLO DIESEL O sistema de alimentação diesel é composto por dois circuitos: o circuito de ar e o circuito de combustível. CIRCUITO DE AR O circuito de ar tem como função conduzir o ar do meio ambiente até o interior dos cilindros e depois eliminar os resíduos da combustão. É constituído das seguintes partes: pré-filtro, filtro de ar, coletor de admissão, coletor de descarga e abafador. PRÉ-FILTRO ABAFADOR COLETOR DE DESCARGA VÁLVULA DE DESCARGA FILTRO COLETOR DE ADMISSÃO VÁLVULA DE ADMISSÃO CILINDRO Circuito de ar do sistema de alimentação diesel.

42 Pré-filtro O pré-filtro está localizado antes do filtro primário de ar. Tem como função reter partículas grandes contidas no ar. Pré-filtro do circuito de ar do sistema de alimentação Filtro de ar O filtro de ar tem como função reter pequenas partículas contidas no ar. Podem ser de dois tipos: em banho de óleo ou de ar seco. Filtros em banho de óleo Nos filtros em banho de óleo o ar passa por uma camada de óleo antes de atravessar o elemento filtrante. O elemento filtrante é fabricado de palha de coco e não é trocado, devendo ser limpo periodicamente. Ar com impurezas Ar com impurezas Ar filtrado Elemento filtrante Cuba de óleo Filtro de ar em banho de óleo do sistema de alimentação diesel.

43 Filtros de ar seco Os filtros de ar seco são constituídos por dois elementos filtrantes descartáveis: o elemento primário de papel e o elemento secundário de feltro. Ar com impurezas Centrifugação do ar Ciclonizador Ar filtrado Válvula de descarga Filtro de ar seco do sistema de alimentação diesel Elemento primário do filtro de ar seco O elemento primário de papel aceita limpezas e deve ser limpo sempre que for avisado pelo indicador de restrição. O indicador de restrição é um dispositivo mecânico do circuito de ar do sistema de alimentação de tratores agrícolas que avisa ao operador da necessidade de limpeza do elemento primário do filtro de ar. A restrição da passagem de ar pelo filtro reduz a eficiência do elemento filtrante, pode levar o motor a perder potência, aumentar o consumo e provocar superaquecimento (REIS et al., 1999). Elemento primário do filtro de ar seco.

44 Elemento secundário do filtro de ar seco O elemento secundário de feltro não aceita limpezas e apenas deve ser substituído periodicamente. Elemento secundário do filtro de ar seco Coletor de admissão O coletor de admissão conduz o ar filtrado até os cilindros do motor. A admissão do ar pode ser apenas por meio de vácuo criado pelo movimento descendente do pistão no interior dos cilindros, neste caso o motor é dito aspirado, ou sob pressão com auxílio de uma turbina denominados motores turbinados. Turbocompressor O turbo compressor é normalmente também denominado de turbina, turbocharger, turbo alimentador ou turbo. Constituído por um conjunto de dois rotores montados nas extremidades de um eixo, a turbina é acionada pela energia cinética dos gases da descarga. O ar quente impulsiona o rotor quente fazendo que o rotor frio, na outra extremidade, impulsione o ar para os cilindros. Nos motores do ciclo diesel o turbo compressor tem como objetivo aumentar a pressão do ar no coletor de admissão acima da pressão atmosférica. Isso aumenta a massa de ar sem aumento do volume. O resultando é mais combustível injetado e mais potência. O turbo compressor aumenta a potência em torno de 35% e reduz o consumo específico de combustível em torno de 5%.

45 Turbo compressor, turbina, turbocharger, turbo alimentador ou turbo. Intercooler O intercooler é um sistema de resfriamento de ar para motores turbinados. Tem como objetivo resfriar o ar proveniente do turbo compressor. Fica localizado no coletor de admissão e contribui para aumentar a massa de ar admitida. A tendência é que todos os motores diesel sejam turbinados. Intercooler para motores turbinados

46 CIRCUITO DE COMBUSTÍVEL O circuito de combustível tem como função conduzir o combustível deste o tanque de combustível até o interior dos cilindros. É responsável pela dosagem e injeção do combustível pulverizado no interior dos cilindros segundo a ordem de ignição do motor. A pressão de injeção é em torno de 2000 kgf.cm -2 ou duas mil atmosferas. É constituído das seguintes partes: tanque de combustível, copo de sedimentação, bomba alimentadora, filtros de combustível, tubulações de baixa pressão, bomba injetora, tubulações de alta pressão, bicos injetores e tubulações de retorno. Circuito de combustível do sistema de alimentação diesel

47 Tanque de combustível Os tanques de combustível são atualmente na sua maioria fabricados de polietileno de alta densidade (HEMAIS, 2003). O uso desse material é devido a sua resistência ao calor, resistência a solventes, baixa permeabilidade, fácil de processar e baixo custo. Podemos encontrar o tanque de combustível em diversos locais dos tratores. Atualmente existe uma tendência de se colocar o tanque em local protegido do calor e menos sujeito a impactos acidentais. O tanque deve apresentar capacidade suficiente par autonomia de uma jornada de trabalho sem necessidade de abastecimento. Segundo PACHECO (2000) é difícil avaliar com precisão o consumo de combustível de um trator, devido às variações de carga nos trabalhos de campo. Portanto quando não se tem informação segura do fabricante do trator, várias literaturas citam que o consumo de combustível (óleo diesel), fica na faixa de 0,25 a 0,30 L.h -1 para cada unidade de potência (cv) exigida na barra de tração. O Quadro 1 apresenta a capacidade do tanque de combustível para alguns modelos de tratores agrícolas. Quadro 1. Capacidade do tanque de combustível para alguns modelos de tratores agrícolas Marca Modelo Potência ISO 1585 Capacidade (cv-kw) do tanque, L John Deere Massey Ferguson Advanced 65-47,8 75 Valtra BM , x Fonte: Manuais dos fabricantes John Deere, Massey Ferguson e Valtra. Copo de sedimentação O copo de sedimentação está localizado antes da bomba alimentadora. Tem como principal função decantar a água contida no combustível. Apresenta na parte inferior um parafuso para drenagem. A drenagem dever ser feita todos os dias para evitar que a água se misture com o combustível e danifique partes sensíveis do circuito, tais como a bomba injetora e os bicos injetores.

48 Bomba alimentadora A bomba alimentadora está localizada entre o copo de sedimentação e o filtro de óleo combustível. Tem como função promover o fluxo de óleo do tanque até a bomba injetora. Filtros de combustível O filtro de combustível está localizado entre a bomba alimentadora e a bomba injetora. Tem como função proteger o sistema de injeção contra impurezas presentes no óleo diesel. O elemento filtrante é de papel e normalmente vem conjugado com copo de sedimentação e dreno para retirada de água do circuito de combustível do sistema de alimentação. Filtro de combustível para motores diesel e seus componentes Tubulações As tubulações entre o tanque de combustível e a bomba injetora, e as tubulações de retorno são de baixa pressão. A tubulação entre a bomba injetora e os bicos injetores são de alta pressão. A Figura abaixo ilustra a localização das tubulações de baixa e alta pressão do sistema de alimentação diesel.

49 Localização das tubulações de baixa e alta pressão do sistema de alimentação diesel Bomba injetora A bomba injetora está localizada entre o filtro de combustível e os bicos injetores. É a principal parte do sistema de alimentação diesel. Tem como funções: dosar o combustível de acordo com as necessidades do motor; enviar o combustível para os bicos injetores de acordo com a ordem de ignição do motor e promover pressão suficiente para pulverizar o combustível na massa de ar quente na câmara de combustão. A bomba injetora é regulada eletronicamente por um sistema de medição de débitos. O sistema eletrônico de medição de débitos regula sistemas mecânicos e eletrônicos de monitoramento de bombas injetoras.

50 Bomba injetora Resultados do teste Bancada Bosch para regulagem eletrônica de bombas injetoras. Bicos injetores Os bicos injetores estão localizados no cabeçote e têm como principal função pulverizar o combustível na massa de ar quente dentro da câmara de combustão. O combustível é pulverizado em torno de bar em gotas de µm. Após a injeção o bico fecha-se rapidamente impedindo o retorno de gases da combustão. Unidade injetora A unidade injetora é um sistema de injeção diesel composto por uma bomba de alta pressão e um bico injetor com válvula solenóide. Cada cilindro apresenta uma unidade injetora localizada entre as válvulas de admissão e descarga. Devido a isso há uma redução das tubulações de alta pressão. Nesse sistema a pressão é controlada pela válvula solenóide e mantida acima de 2000 bar.

51 Unidade injetora Bosch com bomba e válvula solenóide para controle da pressão de injeção. INTRODUÇÃO SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos que controla a temperatura dos motores de combustão interna. Os motores de combustão interna são máquinas que transformam parte do calor da combustão em trabalho mecânico através de um processo cíclico de 2 ou 4 tempos. Os motores de combustão interna são máquinas térmicas relativamente ineficientes, apenas 25-35% do calor total é transformado em trabalho mecânico. O trabalho mecânico é o trabalho útil mais o trabalho para vencer resistências. O restante (65-75%) é liberado para o meio ambiente por radiação direta, pelos gases do escape e pelo sistema de arrefecimento. Trabalho útil Radiação direta Motor CALOR SISTEMA DE ARREFECIMENTO Trabalho para Vencer resistências Gases do escape Distribuição do calor nos motores de combustão interna.

52 Função do sistema de arrefecimento O Sistema de arrefecimento tem como objetivo retirar o excesso de calor do motor mantendo a temperatura na faixa de o C. Meios arrefecedores Os meios arrefecedores usados são o ar e a água. O meio arrefecedor entra em contato com as partes aquecidas do motor, absorver calor e transfere para o meio ambiente. Vantagens do ar Torna mais simples o projeto e a construção do sistema. É facilmente disponível e não requer reservatórios e tubulações fechadas para sua condução. Não é corrosivo e não deixa incrustações. Não se evapora e não se congela para as mais severas condições de funcionamento do motor. Desvantagens do ar Baixa densidade, havendo necessidade de um volume muito maior de ar do que de água para retirar 1 caloria do motor; Baixo calor específico, isto é, baixa capacidade de transferir calor entre um sistema e sua vizinhança. Temperatura não é uniforme no motor e ocorre a formação de Pontos Quentes.. Não existe um dispositivo para controlar a temperatura do motor nas diversas rotações. Quadro 3. Quantidades de ar e água para retirar 1 caloria do motor Meio arrefecedor Calor específico, cal. o C -1 Quantidade, g Ar 0,2380 4,2 Água 1,0043 1,0

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna Sistemas auxiliares dos motores SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO O sistema de lubrificação tem como função distribuir o óleo lubrificante entre partes móveis

Leia mais

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna

Sistema de Arrefecimento dos Motores. Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna Sistema de Arrefecimento dos Motores Sistemas auxiliares dos motores de combustão interna SISTEMA DE ARREFECIMENTO O sistema de arrefecimento é um conjunto de dispositivos eletromecânicos Tem como função

Leia mais

IT 154 MOTORES E TRATORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA

IT 154 MOTORES E TRATORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES IT 154 MOTORES E TRATORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES DE COMBUSTÃO

Leia mais

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES 1. SISTEMA DE VÁLVULAS 2. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3. SISTEMA DE ARREFECIMENTO 4. SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO 5. SISTEMA ELÉTRICO SISTEMA DE VÁLVULAS Responsável pelo fechamento

Leia mais

OPERAÇÃO COM TRATORES AGRÍCOLAS

OPERAÇÃO COM TRATORES AGRÍCOLAS 2009 OPERAÇÃO COM TRATORES AGRÍCOLAS Msc. Leonardo de Almeida Monteiro Dr. Paulo Roberto Arbex Silva BOTUCATU Msc. Leonardo de Almeida Monteiro Dr. Paulo Roberto Arbex Silva OPERAÇÃO COM TRATORES AGRÍCOLAS

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Tipos de tratores agrícolas

Tipos de tratores agrícolas Tratores Agrícolas Tipos de tratores agrícolas Tratores agrícolas São máquinas projetadas para tracionar, transportar e fornecer potência para máquinas e implementos agrícolas. O desenvolvimento de tratores

Leia mais

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO COLHEITA NA AUSTRALIA Hoje nós temos que preocupar não só em aprimorar as MÁQUINAS, mas também os OPERADORES que com elas trabalham. PARTES CONSTITUINTES

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

Sistema de Alimentação. Sistemas auxiliares dos motores

Sistema de Alimentação. Sistemas auxiliares dos motores Sistema de Alimentação Sistemas auxiliares dos motores Sistema de alimentação Responsável pelo suprimento de ar e combustível ao motor 1. Circuito de ar 2. Circuito de combustível Fluxograma do sistema

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MECÂNICA A quilometragem percorrida pelo veículo é indicada pelo: 1 velocímetro. 2 hodômetro. 3 manômetro. 4 conta-giros. O termômetro é utilizado para indicar a temperatura: 1 do motor. 2 do combustível. 3 no

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO Página 1 de 6 COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO MOTOR WILLYS 6 CILINDROS BF-161 Com uma simples medição da pressão do óleo você pode avaliar o estado geral do seu motor Willys seja ele novo ou usado e evitar

Leia mais

CSR/Instruções de inspeção para técnicos

CSR/Instruções de inspeção para técnicos INSTRUÇÕES DE INSPEÇÃO Escavadeiras CSR/Instruções de inspeção para técnicos Esta instrução é um recurso técnico informal. Para obter especificações e procedimentos corretos, refira-se sempre às instruções

Leia mais

Mecanização. Cuidados Básicos de Manutenção do Trator de Rodas

Mecanização. Cuidados Básicos de Manutenção do Trator de Rodas 1 de 6 10/16/aaaa 11:40 Mecanização Cuidados Básicos de Manutenção do Trator de Rodas Cuidados básicos de Nome Manutenção do Trator de Rodas Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano Aula 20. Sistema de Lubrificação Introdução Tipos de Sistemas de Lubrificação O percurso do óleo lubrificante Componentes do Sistema de lubrificação Óleo lubrificante

Leia mais

Tratores. MOTOR Modelo A4-3.9 Número de cilindros 4 Cilindrada - cm³ 3867 AMBIENTE DE OPERADOR. Plataforma ergonômica

Tratores. MOTOR Modelo A4-3.9 Número de cilindros 4 Cilindrada - cm³ 3867 AMBIENTE DE OPERADOR. Plataforma ergonômica Tratores 1. Massey Ferguson MF 265 4x2 / 4x2 TDA PERFORMANCE Potência do motor, na rotação nominal - kw (cv) 47,8 (65) Potência máxima da TDP - kw (cv) 42,0 (57) Torque máximo do motor @ 1350 rpm - Nm

Leia mais

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3

TRATOR DE ESTEIRA 7D. 9.400 kg a 10.150 kg. Potência líquida no volante. 90 hp (67 kw) Peso operacional. CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 TRATOR DE ESTEIRA 7D Potência líquida no volante Peso operacional 90 hp (67 kw) 9.400 kg a 10.150 kg CAPACIDADE DA LÂMINA (SAE J1265) 1,8 m 3 7D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3

Potência Líquida no volante. 90 hp (68 kw) Peso operacional. 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 Potência Líquida no volante Peso operacional 90 hp (68 kw) 9.400 kg a 10.300 kg Capacidade da Lâmina (SAE J1265) 1,8 m 3 D A New Holland é reconhecida em todo o mundo pelas inovações tecnológicas, eficiência

Leia mais

Julho 2010. Noções Básicas de Motores Diesel VARELLA & SANTOS

Julho 2010. Noções Básicas de Motores Diesel VARELLA & SANTOS Julho 2010 Noções Básicas de Motores Diesel VARELLA & SANTOS NOÇÕES BÁSICAS DE MOTORES DIESEL 1 NOÇÕES BÁSICAS DE MOTORES DIESEL 1ª Edição Julho 2010 Carlos Alberto Alves Varella Professor do Departamento

Leia mais

Dirigir ecologicamente com

Dirigir ecologicamente com Global Training. The finest automotive learning rpm x 100 Dirigir ecologicamente com PREFÁCIO Convidamos você para participar: - Treinamento de Condução Econômica, transmitindo-lhe conhecimento sobre uma

Leia mais

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro

Ciclos de operação. Motores alternativos: Razão de compressão. Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Ciclos de operação Motores alternativos: O pistão move-se pra frente e pra trás no interior de um cilindro transmitindo força para girar um eixo (o virabrequim) por meio de um sistema de biela e manivela.

Leia mais

APOSTILA DE MANUTENÇÃO - Compactador RAM 70 (Honda) -

APOSTILA DE MANUTENÇÃO - Compactador RAM 70 (Honda) - APOSTILA DE MANUTENÇÃO 1- OBJETIVO. Apresentar os passos necessários para a manutenção do compactador RAM70 com motor Honda GX120. 2- PASSOS DE DESMONTAGEM / MONTAGEM. Retirar filtro de ar. Retirar mangueira

Leia mais

Levantamento qualitativo de tratores e suas principais manutenções na região do município de Bambuí - MG

Levantamento qualitativo de tratores e suas principais manutenções na região do município de Bambuí - MG Levantamento qualitativo de tratores e suas principais manutenções na região do município de Bambuí - MG Diogo Santos CAMPOS 1 ; Rodrigo Herman da SILVA 2 ; Ronaldo Goulart MAGNO 3 ; Gilberto Augusto SOARES

Leia mais

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas

Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Instituto de Tecnologia-Departamento de Engenharia IT 154 Motores e Tratores Introdução ao estudo dos tratores agrícolas Professor: Carlos Alberto Alves Varella Doutor em Engenharia Agrícola E-mail: varella.caa@gmail.com

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS DE OPERAÇÃO ELISEU FIGUEIREDO NETO

INSTRUÇÕES BÁSICAS DE OPERAÇÃO ELISEU FIGUEIREDO NETO INSTRUÇÕES BÁSICAS DE OPERAÇÃO ELISEU FIGUEIREDO NETO 1 INSTRUÇÕES BÁSICAS DE OPERAÇÃO Para que você possa obter o máximo de proveito e longa vida útil do trator, como também sua segurança, é fundamental

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG

PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG PÁS CARREGADEIRAS SL 733 SL 763 HYUNDAI SHANDONG SL 733 GRANDE POTÊNCIA, ALTO DESEMPENHO A carregadeira sobre rodas Hyundai Shandong entrega máxima potência todo o tempo, representando um ganho substancial

Leia mais

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas *

Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * Aproveitamento de potência de tratores agrícolas * 1. Introdução Uma das principais fontes de potência, responsáveis pela alta produção agrícola com significante economia de mão-de-obra, é o trator agrícola.

Leia mais

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006

General Motors do Brasil Ltda. Assunto: Motor completo. Catálogo Eletrônico de Peças Edição: Maio 2004 Data de Impressão: 29/7/2006 Clube Calibra Brasil www.clubecalibra.com.br Assunto: Motor completo Assunto: Motor completo 1 1994/1995 W AS/M-14004973 MOTOR conjunto 90500556 1 1 1994/1995 W AP/M-14004974 MOTOR conjunto 90501783

Leia mais

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P

Manual de Operação. Lixadeira pneumática de alta velocidade 5- TESM5P Manual de Operação Lixadeira pneumática de alta velocidade 5"- TESM5P . DADOS TÉCNICOS LIXADEIRA ORBITAL Modelo: Velocidade sem carga: Pressão de ar: Entrada de ar: Disco de lixa: Consumo de ar: TESM5P

Leia mais

RECEBIMENTO DEFINITIVO

RECEBIMENTO DEFINITIVO RECEBIMENTO DEFINITIVO HORÁRIO DE INÍCIO: LOCAL: LOCOMOTIVA Nº: HORÁRIO DE TÉRMINO: PAÍS: DATA: OK? OBS. COM O MOTOR DIESEL DESLIGADO: ITENS DO SISTEMA MECÂNICO, TRUQUE, HIDRÁULICO E PNEUMÁTICO: 1 - Inspecionar

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

Bomba injetora: todo cuidado é pouco

Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Bomba injetora: todo cuidado é pouco Veja como identificar os problemas da bomba injetora e retirá-la corretamente em casos de manutenção Carolina Vilanova A bomba

Leia mais

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30

Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Linha de Empilhadeiras LEG25 e LED30 Manual de peças Empilhadeira ÍNDICE 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Montagem Da Transmissão Transmissão

Leia mais

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva:

A manutenção preventiva é de suma importância para prolongar a vida útil da máquina e suas partes. Abaixo, algumas dicas de manutenção preventiva: Manutenção Preventiva e Corretiva de Rosqueadeiras Manual de Manutenção: Preventivo / Corretivo Preventivo: Toda máquina exige cuidados e manutenção preventiva. Sugerimos aos nossos clientes que treinem

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA TABELA DE TEMPOS VEÍCULOS LINHA LEVE

ASSISTÊNCIA TÉCNICA TABELA DE TEMPOS VEÍCULOS LINHA LEVE ASSISTÊNCIA TÉCNICA TABELA DE TEMPOS VEÍCULOS LINHA LEVE Na realização destes trabalhos foram utilizadas todas as ferramentas especiais e equipamentos recomendados pelo Departamento de Assistência Técnica

Leia mais

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg

Carregadeira LW300K. Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Carregadeira LW300K Potência Motor: 124 HP - Capacidade da caçamba: 1,9 m³ - Peso operacional: 10.600 Kg Qualidade, confiabilidade e força, aliada ao baixo consumo de combustível. A Pá-carregadeira LW300K

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES CATRACA PNEUMÁTICA ¼ : TCP1/4P

MANUAL DE INSTRUÇÕES CATRACA PNEUMÁTICA ¼ : TCP1/4P MANUAL DE INSTRUÇÕES CATRACA PNEUMÁTICA ¼ : TCP1/4P www.tanderequipamentos.com.br assistencia@tanderequipamentos.com.br Conteúdo DESCRIÇÃO... 3 SEGURANÇA GERAL... 3 DICAS DE MANUTENÇÃO... 3 OPERAÇÕES...

Leia mais

Manual de instruções. Rampa de alinhamento

Manual de instruções. Rampa de alinhamento Manual de instruções Rampa de alinhamento Apresentação Primeiramente queremos lhe dar os parabéns pela escolha de um equipamento com nossa marca. Somos uma empresa instalada no ramo de máquinas para auto

Leia mais

TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA

TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA TORVEL EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS LTDA. PENSE EM SEGURANÇA Manual Sobre Segurança e Utilização de equipamentos Hidráulicos de Alta Pressão. Página 1 de 24 DE TORVEL PARA VOCÊ... EQUIPAMENTOS HIDRÁULICOS

Leia mais

Como cuidar do seu compressor portátil

Como cuidar do seu compressor portátil Como cuidar do seu compressor portátil Insert picture here and delete this rectangle Marketing APE - 2012 Instruções de Operação e Manutenção Compressores Portáteis, produzidos pela Atlas Copco Como cuidar

Leia mais

Aqui você encontrará dicas para manutenção preventiva de seu carro, para que este esteja sempre em ordem.

Aqui você encontrará dicas para manutenção preventiva de seu carro, para que este esteja sempre em ordem. Aqui você encontrará dicas para manutenção preventiva de seu carro, para que este esteja sempre em ordem. É importante ressaltar a realização da manutenção preventiva, além prevenir reparos inesperados,

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

MF 96. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON

MF 96. Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON MF 96 Retroescavadeira / Pá carregadeira MASSEY FERGUSON 2 www.massey.com.br Segurança e conforto antes, durante e depois da operação Plataforma do operador Ampla e confortável, a plataforma do operador

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

Tratores Puma Modelos disponíveis: puma 140 = puma 155 = puma 170 = puma 185 =

Tratores Puma Modelos disponíveis: puma 140 = puma 155 = puma 170 = puma 185 = TRATORES PUMA Tratores Puma Seguindo sua estratégia de oferecer um sistema de mecanização agrícola completo, a Case IH apresenta ao mercado sua nova linha de tratores de média potência da família Puma.

Leia mais

Lastragem do trator Agrícola Lastragem Prof. Luiz Atilio

Lastragem do trator Agrícola Lastragem Prof. Luiz Atilio do trator Agrícola FORMAS PARA AUMENTAR A ADERÊNCIA ENTRE O RODADO E O SOLO: - Aumento da área de contato: - Pneu mais largo - Rodagem dupla -: - Lastro Líquido ( água nos pneus) - Lastro metálico ( pesos

Leia mais

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100

HELI. MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 HELI MOTOR COM POTÊNCIA PARA 5-10t Painel de Instrumentos Digital Limpo e fácil de ler Leitura instantânea ao ligar Layout ergonômico CPCD50 CPCD60 CPCD70 CPCD80 CPCD100 Torre de ampla visão As empilhadeiras

Leia mais

BFD-MOD.2500 BFDE-MOD. 2500 BFD-MOD.4000 BFDE-MOD. 6500

BFD-MOD.2500 BFDE-MOD. 2500 BFD-MOD.4000 BFDE-MOD. 6500 BFD-MOD.2500 BFDE-MOD. 2500 BFD-MOD.4000 BFDE-MOD. 6500 VERSÃO 08/12 Índice Motogerador BFD/BFDE 2500, BFD 4000 e BFDE 6500 Indicador de Componentes 1. Funcionamento do Motor Diesel 1.1 Abastecimento (Óleo

Leia mais

Manual de Operação e Manutenção ADVERTÊNCIA

Manual de Operação e Manutenção ADVERTÊNCIA Manual de Operação e Manutenção LG958L/LG959 ADVERTÊNCIA Os operadores e o pessoal de manutenção devem ler este manual com cuidado e entender as instruções antes de usar a carregadeira de rodas, para evitar

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig SCHULZ: INÍCIO DE FABRICAÇÃO - ABRIL/005 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/ - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 10 psig CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ISENTO DE ÓLEO L C DESLOCAMENTO TEÓRICO pés /min PRESSÃO MÁX.

Leia mais

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador

Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Trator de Rodas Derrubador-Amontoador 553 563 573 Motor Motor CAT C6.6 ACERT Motor CAT C7 ACERT Motor CAT C7 ACERT Comp. Classe III Comp. Classe III Comp. Classe III Potência Bruta 129 kw (173

Leia mais

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa

Velocidade da oscilação. Comprimento do chassi Bitola da esteira Número de roletes. Esteira Lubrificada com graxa CX75SR MIDIESCAVADEIRA MOTOR Modelo Tipo Cilindros Isuzu AU-4LE2X 4 tempos, turboalimentado Intercooler 4 cilindros em linha Deslocamento 2,2 L (2.189 m 3 ) Diâmetro/Curso 85 x 96 mm Injeção de combustível

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation

Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Instruções para Implementadores Volvo Truck Corporation Características Construtivas Tomada de Força VM Contents Generalidades, página 2 Tomada de força montada na caixa de mudanças, página 2 Tomada de

Leia mais

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas

MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS PROFº RUI CASARIN. Tratores Agrícolas MECÂNICA APLICADA TRATORES AGRÍCOLAS Tratores Agrícolas PROFº RUI CASARIN PERGUNTAS IMPORTANTES? QUEM FABRICA TRATORES NO BRASIL? WWW.AGRALE.COM.BR POTÊNCIA ENTRE 15 E 168CV WWW.BRASIL.CAT.COM MÁQUINAS

Leia mais

Mecânica Básica MOTOR, SISTEMA ELÉTRICO, SISTEMA DE TRANSMISSÃO, SISTEMA DE DIREÇÃO, SISTEMA DE SUSPENSÃO, SISTEMA DE FREIOS E ESTRUTURA.

Mecânica Básica MOTOR, SISTEMA ELÉTRICO, SISTEMA DE TRANSMISSÃO, SISTEMA DE DIREÇÃO, SISTEMA DE SUSPENSÃO, SISTEMA DE FREIOS E ESTRUTURA. Mecânica Básica O C.T.B visa principalmente a segurança. Os itens de manutenção que afetam diretamente a segurança são: * Direção, Freios, Suspensão, Luzes, Limpador de pára-brisa e Buzina. As noções de

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm

sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm sapatas de 500mm sapatas de 600mm sapatas de 700mm sapatas de 800mm Válvula de controle combinados a Válvula de Alívio Lança/Braço/ Freio hidrostático, Redução planetária. 12.9rpm. Grande diâmetro Acionado

Leia mais

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS Manual do Operador COMPONENTES e ACESSÓRIOS Tampa do tanque de produtos químicos Bocal Lança Tanque de produtos químicos Vela de ignição Acionador de

Leia mais

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas.

Ciclo de motor de combustão interna, que se completa em duas revoluções(rotação) da árvore de manivelas. 1 3.0 Descrição do Funcionamento dos Motores O conjunto de processo sofrido pelo fluido ativo que se repete periodicamente é chamado de ciclo. Este ciclo pode acontecer em 2 ou 4 tempos. Figura 3: Nomenclatura

Leia mais

Operação e Regras de segurança...01. Manutenção Geral...02. Lubrificação de motores...03. Limpeza...04. Armazenamento...05. Identificando falhas...

Operação e Regras de segurança...01. Manutenção Geral...02. Lubrificação de motores...03. Limpeza...04. Armazenamento...05. Identificando falhas... Índice Operação e Regras de segurança...01 Manutenção Geral...02 Lubrificação de motores...03 Limpeza...04 Armazenamento...05 Identificando falhas...06 Certificado de Garantia...07 Operando seu gerador

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A DIESEL VULCAN VMB-20D / VMB-20HD / VMB-30D / VMB-40D / VMBE-40D ATENÇÃO

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A DIESEL VULCAN VMB-20D / VMB-20HD / VMB-30D / VMB-40D / VMBE-40D ATENÇÃO MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A DIESEL VULCAN VMB-20D / VMB-20HD / VMB-30D / VMB-40D / VMBE-40D ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. Obrigado por adquirir uma motobomba

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer MANUAL DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA Finalidade deste Manual Este manual proporciona as informações necessárias para uma correta manutenção dos filtros Metalsinter, contendo também importantes informações

Leia mais

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501

Em caso de não encontrar, ligue ( 0xx11 ) 2018-0501 DSL0067 BUCHA BRAÇO TENSOR TOPIC DSL0058 Bucha Barra Estabilizadora topic DSL0083 Bucha Jumelo Traseiro topic DSL0001 ROLAMENTO GUIA DSL0008 Junta do Carter topic DSL0009 Fechadura Porta Deslizante topic

Leia mais

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE

FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO FILTROS PRENSA - MS-CE 1 - INTRODUÇÃO 1.1 - FINALIDADE DESTE MANUAL Este manual proporciona informações teóricas e de instalação, operação e manutenção dos filtros

Leia mais

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros

Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS. ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros Anexo III - ESPECIFICAÇÕES DOS OBJETOS ITEM ESPECIFICAÇÃO UNIDADE VALOR 01 Tanque c/ equipamento combinado c/capacidade para 6m³ litros 01 (Instalado sobre reboque agrícola). 1 1 TANQUE RESERVATÓRIO: Tanque

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion

SISTEMA I MOTION. FOX - I Motion SISTEMA I MOTION FOX - I Motion Professor SCOPINO Técnico e Administrador da Auto Mecânica Scopino Professor do Umec Universo do Mecânico Ex-Professor do Senai Diretor do Sindirepa-SP Consultor do Jornal

Leia mais

COMO USAR ESTE MANUAL ÍNDICE GERAL INFORMAÇÕES GERAIS...2 CB400

COMO USAR ESTE MANUAL ÍNDICE GERAL INFORMAÇÕES GERAIS...2 CB400 CB400 COMO USAR ESTE MANUAL Este suplemento contém informações complementares para a manutenção, inspeção e reparos das motocicletas HONDA CB400. Consulte o Manual de Serviços das motocicletas HONDA CB450E

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS!

MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO. Página 1- Indicações de uso AVISOS! MANUAL DO USUÁRIO MINI- MOTO Página 1- Indicações de uso AVISOS! *Não é permitido para pessoas que não entenderam o manual de instruções, dirigirem a mini-moto. *Deve ser utilizado a mistura de gasolina

Leia mais

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES

CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES CAPITULO 1 - INTRODUÇÃO UNIDADES DEFINIÇÕES INTRODUÇÃO Os motores de combustão podem ser classificados como do tipo de COMBUSTÃO EXTERNA, no qual o fluido de trabalho está completamente separado da mistura

Leia mais

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL USINEIRO

bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES CONJUNTO DIESEL USINEIRO bambozzi MANUAL DE INSTRUÇÕES BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro, 155 - Centro - CEP 15990-630 - Matão (SP) - Brasil Fone (16) 3383-3800 - Fax (16) 3382-4228 bambozzi@bambozzi.com.br

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE MANUTENÇÃO - 416E

GUIA PRÁTICO DE MANUTENÇÃO - 416E GUIA PRÁTICO DE MANUTENÇÃO - 416E GUIA PRÁTICO PARA VOCÊ REALIZAR A MANUTENÇÃO DO SEU PRÓPRIO EQUIPAMENTO. Para que sua Retroescavadeira Cat 416E alcance a performance máxima, as manutenções preventivas

Leia mais

Turbocompressores Holset

Turbocompressores Holset Turbocompressores Holset ...Só pode ser Holset Turbocompressores Holset Os turbocompressores Holset são sinônimos de excelência em turbomáquinas e em manipulação de ar em todo o mundo. Projetados e fabricados

Leia mais

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL

EMPILHADEIRAS HYUNDAI À DIESEL GARFO (Comprimento X Largura x Bitola) (mm) HDF50-7S (TIPO EIXO - TIPO GANCHO) - 1.350 X 150 X 60-1.500 X 150 X 60-1.800 X 150 X 60-2.000 X 150 X 60-2.400 X 150 X 60 HDF70-7S (TIPO EIXO) - 1,350 X 180

Leia mais

Manual de instruções

Manual de instruções Manual de instruções Compressores: TC24L-1 TC24L-2 Sumário 1.Introdução... 3 2.Instalação e preparação. Verifique:... 3 3.Liga/desliga... 3 4.Precauções... 4 5.Ajuste do interruptor de pressão.... 4 7.Guia

Leia mais

TRATORES FARMALL 60, 80 E 95

TRATORES FARMALL 60, 80 E 95 TRATORES FARMALL 60, 80 E 95 Potência, robustez e versatilidade. Desempenho inigualável em qualquer atividade. A alta tecnologia e a confiabilidade que só a marca Case IH oferece chegam aos tratores de

Leia mais

Ferramentas Pneumáticas

Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Ferramentas Pneumáticas Para se tomar a decisão com relação ao uso de ferramentas pneumáticas é necessário saber as diferenças principais entre elas e outros tipos de ferramentas

Leia mais

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA 1993

SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA 1993 SISTEMAS DE REFRIGERAÇÃO DOS MOTORES DE COMBUSTÃO INTERNA 1993 ÍNDICE 2 1- Introdução... 3 2- Sistemas de refrigeração... 3 2.1- Sistemas de refrigeração indireta por água... 3 2.2- Sistema de refrigeração

Leia mais

2. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA

2. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA MANUAL DE INSTRUÇÕES COMPRESSOR DE AR ÍNDICE 1. PREPARAÇÃO 2. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA 3. PRECAUÇÕES 4. DESCRIÇÃO BREVE 5. VISÃO GERAL E COMPONENTES PRINCIPAIS 6. PRINCIPAIS PARÂMETROS TÉCNICOS 7. VISÃO

Leia mais

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento.

Os comissários podem solicitar a qualquer momento que sejam feitas as verificações necessárias em qualquer veiculo inscrito no evento. REGULAMENTO TÉCNICO CATEGORIA ADAPTADO TURBO 1-REGULAMENTAÇÃO Todos os veículos inscritos deveram passar por vistoria prévia. Os competidores deverão provar ao comissário técnicos e desportivos do evento,

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1.

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Departamento de Engenharia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES INTRODUÇÃO AO ESTUDO DOS TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto

Leia mais

Treinamento. Arbus 400 Golden

Treinamento. Arbus 400 Golden Arbus 400 Golden Treinamento Arbus 400 Golden Prof. Brandão - Operação - Manutenção - Regulagem da pulverização Arbus 400 Golden Arbus 400 Maçã 33 Apresentação da máquina Tanque de Defensivos Aplicação

Leia mais

Gas-Lift - Vantagens

Gas-Lift - Vantagens Gas-Lift - Vantagens Método relativamente simples para operar O equipamento necessário é relativamente barato e é flexível Podem ser produzidos baixos ou altos volumes É efetivo sob condições adversas

Leia mais

A Importância dos Anéis nos Motores a Combustão Interna

A Importância dos Anéis nos Motores a Combustão Interna A Importância dos Anéis nos Motores a Combustão Interna Rendimento e Potência Motor máquina térmica Vedação da compressão Taxa Dissipação do calor 450º - 320º Maior taxa=potência =economia Consumo de Óleo

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama.

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama. INTRODUÇÃO ÍNDICE Obrigado por adquirir produtos Toyama. As aplicações das motobombas Toyama são diversas: Agricultura, indústrias, minas, empresas, construções, comunicação, cabeamento subterrâneo, manutenção

Leia mais

MÁQUINAS DE PREPARO PERIÓDICO DO SOLO: DISTRIBUIDOR DE CALCÁRIO E ADUBO

MÁQUINAS DE PREPARO PERIÓDICO DO SOLO: DISTRIBUIDOR DE CALCÁRIO E ADUBO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E AMBIENTAIS DEPARTAMENTO DE AGROECOLOGIA E AGROPECUÁRIA 1 MÁQUINAS DE PREPARO PERIÓDICO DO SOLO: DISTRIBUIDOR DE CALCÁRIO E ADUBO 1. DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores

5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 5ª aula Composição do Circuito Pneumático e Atuadores 1 1) Elementos de trabalho são os executores das tarefas automatizadas. Cabe aos elementos de trabalho executar as tarefas que o circuito lógico determinar.

Leia mais

de hidráulica industrial

de hidráulica industrial A UU L AL A Noções de manutenção de hidráulica industrial João, o operador de uma retificadora cilíndrica, percebeu uma certa alteração no desempenho de sua máquina. Após fazer as verificações que conhecia

Leia mais

Abastecimento do líquido de arrefecimento

Abastecimento do líquido de arrefecimento Condições para abastecer líquido de arrefecimento Condições para abastecer líquido de arrefecimento Trabalho no sistema de arrefecimento do veículo ADVERTÊNCIA! Use equipamento de proteção ao trabalhar

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSA 8.1/25 - WTA 8.1/25-1 ESTÁGIO - 116 psig CSA 8.5/25-1 ESTÁGIO - 120 psig CT MSA./2 WTA./2 CSA./2 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR MSA./2 WTA./2 ESTÁGIO psig CSA./2 ESTÁGIO psig TÉRMINO DE COMERCIALIZAÇÃO ABRIL/ (PRODUTO 0% IMPORTADO) MSA./2 TÉRMINO DE FABRICAÇÃO NOVEMBRO/ WAYNE

Leia mais

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM

BOOSTER BOOSTER? Benefícios e vantagens PORQUE COMPRAR UM Linha BOOSTER Agilidade, confiabilidade e eficiência BOOSTER Os compressores Schulz modelo SB, possuem como função principal elevar a pressão da rede de baixa pressão para até 40 bar (580 psi). Benefícios

Leia mais

580M Retroescavadeira

580M Retroescavadeira 580M Retroescavadeira trem De força Motor Versão Standard Modelo Cummins 4B4.5 Tipo 4 tempos, aspiração natural Cilindros 4 Diâmetro/Curso 102 x 138 mm Cilindrada 4,5 l Injeção de combustível Direta Combustível

Leia mais

Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT

Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT Projeto de retífica motor MPLM 301 Javali CBT Análise de falas e comparativo com motores Bloco de cilindros: O bloco de cilindros do Javali é do tipo construtivo Bloco Cilíndrico, onde o cilindro é usinado

Leia mais