MANUAL DE LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Física de São Carlos MANUAL DE LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Caro Servidor (a). Este manual foi elaborado pelo Serviço de Pessoal e conta com o apoio da Diretoria do IFSC, com o objetivo de esclarecer dúvidas e oferecer orientação aos servidores. Procurou-se focalizar os principais assuntos referentes à Legislação de Pessoal, por intermédio de uma linguagem simples e acessível. Considerando-se a amplitude dos temas aqui tratados, são abordados apenas os pontos principais, ficando o Serviço de Pessoal à disposição para esclarecer os pormenores de cada assunto e aberto às sugestões que visem corrigir possíveis falhas. Este Manual ficará disponível e será atualizado, no site

2 ÍNDICE IDENTIFICAÇÃO FUNCIONAL Cartão USP ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS Acumulação de cargos Suspensão contratual APOSENTADORIA Abono de permanência Complementação salarial (aposentadoria CLT) SPPREV BENEFÍCIOS Adicional de insalubridade Adicional de periculosidade Adicional quinquenal por tempo de serviço Atendimento Médico, Odontológico, Psicológico e Unimed Auxílio alimentação Auxílio creche Auxílio educação especial Auxílio funeral Auxílio refeição Auxílio transporte Fundo de cobertura de acidentes pessoais Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual PIS/PASEP Sexta-parte COMISSÕES Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Comitê de Treinamento e Desenvolvimento - Solicitação de Treinamento (T&D) CONCESSÃO DE ESTÁGIOS Concessão de Estágios Alunos externos à USP ESTÁGIO PROBATÓRIO Avaliação de estágio probatório

3 FOLHA DE PAGAMENTOS Consignação Despesas com refeições Isenção de Imposto de Renda Pagamento de diárias Prestação de serviços extraordinários (hora extra) Recadastramento anual de servidores ativos FREQUÊNCIA Afastamento Ausências médicas de servidores autárquicos Boletim de frequência ponto Compensação de jornada de trabalho Doação de sangue Falta abonada Falta justificada Falta injustificada Férias Gala Horário de estudante Licença maternidade Licença médica celetistas Licença para tratar de interesses particulares Licença para tratamento de pessoa da família Licença para tratamento de saúde servidores autárquicos (docentes e não-docentes) Licença paternidade Licença prêmio Nojo Período aquisitivo PENALIDADES Penalidades SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Acidente de trabalho Licença por acidente de trabalho VANTAGENS Gratificação de representação Pagamento de Substituição

4 ABONO DE PERMANÊNCIA É a isenção do pagamento da contribuição previdenciária, cujo valor corresponde a 11% do salário, concedido aos servidores autárquicos docentes e não-docentes que tenham cumprido todos os requisitos para a obtenção da aposentadoria voluntária e que optem em permanecer em atividade. Este abono extingue-se com a aposentadoria do servidor. Emenda Constitucional n 41/2003, art.1º; Of. DRH/Circ./007/2004, de 19/1/04; Decreto n /2008, art. 12 a 17. LEI 1012/2007 DE 05/07/2007. Decreto n /2010. ACIDENTE DE TRABALHO Acidente do trabalho é aquele que ocorre no exercício de atividade a serviço da USP, provocando lesão corporal ou perturbação funcional, que pode causar a morte, a perda ou a redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho. Consideram-se, também, como acidente do trabalho: doença profissional ou do trabalho, produzida ou desencadeada pelo exercício do trabalho peculiar a determinada atividade; acidente típico, que é aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da USP; acidente de trajeto, que é aquele que ocorre no percurso do local de residência para o de trabalho ou desse para aquele, considerando a distância e o tempo de deslocamento compatíveis com o percurso do referido trajeto. Ocorrendo o acidente, o servidor deverá ser encaminhado ao Serviço Médico do Campus ou Santa Casa de São Carlos em caso de acidentes leves ou menores, e em casos de maior gravidade, acionar o socorro pelo telefone 193 ou SAMU (192). Comunicar seu superior imediato; comunicar a Saúde Ocupacional; após atendimento médico adequado, comparecer à Saúde Ocupacional para consulta com a médica do trabalho para registrar o ocorrido em seu prontuário médico ocupacional. O Serviço de Pessoal deverá ser comunicado o mais rápido possível para a elaboração do CAT (Comunicado de Acidente de Trabalho). Quando o afastamento for superior a 15 dias, o interessado ou representante legal deve comparecer na área de pessoal da Unidade/Órgão, para preenchimento do formulário de Requerimento do Benefício por Incapacidade. Em caso de morte, a comunicação será imediata à autoridade competente. Fundamento legal: Of. DRH/CIRC/39/96 Ordem de Serviço INSS/DSS 329 Resolução SS 180/92 ACUMULAÇÃO DE CARGOS Aplica-se a todos os servidores a serem contratados ou que tenham vínculo de trabalho formal com a USP, concomitante com exercício em outros órgãos e/ou repartições públicas. O servidor deverá dirigir-se ao Serviço de Pessoal para o preenchimento de formulário correspondente às declarações de acumulação de cargo, emprego ou função pública, de complementação de aposentadoria (Lei 500/74), de aposentadoria e de afastamento de outro órgão público. Caso o servidor declare exercer, ser aposentado ou estar afastado de cargo, emprego ou função pública, não será permitido à Unidade/Órgão dar qualquer tipo de exercício (exercício liminar inclusive), enquanto a situação de acumulação não for autorizada com a respectiva publicação de ato decisório favorável. Caso o servidor não concorde com o ato decisório desfavorável, o prazo máximo legal para apresentar pedido de reconsideração do ato é de 10 dias corridos, contados a partir do primeiro dia útil após a ciência do interessado. Caso o pedido de reconsideração do ato decisório desfavorável seja negado e o interessado ainda não concordar com tal decisão, poderá, seguindo os mesmos prazos descritos no item anterior, impetrar, em última instância, recurso junto ao Magnífico Reitor, justificando os motivos pelos quais não concorda com as decisões já exaradas pela Administração da USP. Fundamento legal: Ofício DRH/CIRC/167, de e DRH/CIRC/189, de

5 Constituição Federal de Art. 37, XVI e XVII (nova redação dada pelas Emendas Constitucionais nº 19/98 e 34/2001) 10 (acrescentado pela Emenda Constitucional nº 20/98) e Art. 38; Art. 17 1º e 2º, do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias; e Art. 142 (redação dada pela Emenda Constitucional nº 18/98) Lei /68 - Arts. 124, 172, 173, 174 e 175 Lei Complementar nº 207/79 - Art. 44, III Decreto Estadual nº /97 Site para consulta: ADICIONAL DE INSALUBRIDADE É o adicional concedido aos servidores que exercem suas atividades manuseando produtos considerados nocivos à saúde e em locais que não oferecem as condições ideais de trabalho. A avaliação destas condições é efetuada pelo Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT, mediante solicitação escrita do funcionário dirigida ao Diretor da Unidade, com anuência e parecer circunstanciado do chefe imediato. O adicional poderá ser de 10, 20, ou 40% calculados sobre o valor de 01 salário mínimo, para os celetistas, e sobre 02 salários mínimos, para os servidores autárquicos não-docentes, de acordo com o grau de insalubridade aferido, mínimo, médio e máximo, respectivamente, a ser homologado pelo SESMT Central. Devido ao regime a que estão submetidos, os docentes não recebem o adicional da insalubridade. Nota: Para execução de trabalhos que possam acarretar risco de vida ou saúde, a Universidade deverá fornecer gratuitamente a seus servidores, equipamentos de proteção individual (EPIs). Estes equipamentos são de uso obrigatório, sob pena de suspensão. Constituição Federal, art. 7º, inciso XXIII; Art. 192 da CLT; Lei Complementar 432, de 18/12/85; Of.CIRC.DRH/51/97 e Lei Complementar 835/97; Portaria GR 2597 de 12/07/1990; Formulário: PEDIDO DE INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE.doc ADICIONAL NOTURNO Aplica-se aos servidores celetistas, cujo horário de trabalho compreenda o período das 22:00 às 05:00 horas. O trabalho noturno terá remuneração superior à do diurno e, para esse efeito, sua remuneração terá um acréscimo de 20%, pelo menos, sobre a hora diurna. A hora do trabalho noturno será computada como de 52 minutos e 30 segundos. Fundamento legal: Art. 73 da CLT Decreto-lei nº 9666, de ADICIONAL DE PERICULOSIDADE É o adicional concedido ao servidor celetista que exerce suas atividades em locais ou utilizando-se de materiais perigosos, os quais não podem ser evitados, de acordo com avaliação do SESMT. Equivale a 30% do salário do servidor, pago mensalmente enquanto perdurarem as condições adversas. A avaliação destas condições é efetuada pelo Serviço de Segurança e Medicina do Trabalho - SESMT, mediante solicitação escrita do funcionário dirigida ao Diretor da Unidade, com anuência e parecer circunstanciado do chefe imediato. Devido às características próprias da carreira, os servidores autárquicos não recebem o Adicional de Periculosidade. Nota: Para execução de trabalhos que possam acarretar risco de vida ou saúde, a Universidade deverá fornecer gratuitamente a seus servidores, equipamentos de proteção individual (EPIs). Estes equipamentos são de uso obrigatório, sob pena de suspensão. Constituição Federal, art 7º, inciso XXIII; Art. 193 da CLT. Fundamento legal: Art.157 e 158 da CLT; Art. 233, único da Lei /68; Art. 156, único do ESU;

6 Portaria GR 2597 de 12/07/1990; Formulário: PEDIDO DE INSALUBRIDADE PERICULOSIDADE.doc ADICIONAL QUINQUENAL POR TEMPO DE SERVIÇO A cada 5 anos de serviço público, os servidores autárquicos docentes e não-docentes e celetistas passam a receber mensalmente este adicional, que é calculado na base de 5% sobre os salários do servidor, descontadas as faltas justificadas, injustificadas, suspensões de contrato, afastamento com prejuízo de vencimentos, suspensões disciplinares, licenças para tratamento de saúde e para tratamento de pessoa da família (servidores autárquicos). O adicional quinquenal é implantado automaticamente na folha de pagamento, sem necessidade de requerimento. Os servidores ingressantes, se possuírem tempo prestado a outros órgãos da administração pública e que possa produzir efeitos pecuniários na Universidade, os valores eventualmente devidos em decorrência da averbação do tempo externo só serão pagos a partir da protocolização do pedido de inclusão desse tempo. Art. 129 da Constituição Estadual; Estatuto dos Servidores da USP (ESU), art. 70; Lei Complementar 437 de 23/12/85; Lei 10261/68, artºs 127 e 134 DRH/CIRC/048/2008 Formulário: INCLUSÃO DE TEMPO FORA DA USP.doc AFASTAMENTO Funcionários autárquicos e celetistas por prazo superior a 30 dias: o interessado deverá elaborar requerimento solicitando o afastamento; anexar comprovante de proficiência em língua estrangeira compatível com a finalidade do afastamento (caso o mesmo seja para o exterior); anexar: carta convite da entidade; justificativa para o afastamento; relatório do afastamento anterior (em caso de prorrogação); plano de trabalho contendo as atividades a serem desenvolvidas; solicitar autorização da chefia imediata. Chefia imediata deverá deliberar sobre o afastamento; indeferido: devolver ao interessado; deferido: enviar a documentação para a área de pessoal da Unidade/Órgão a qual irá verificar se a documentação está correta; preencher o formulário "Pedido de Autorização de Afastamento de Funcionário"; solicitar a aprovação do CTA e/ou dirigente da Unidade/Órgão; após aprovação o processo será encaminhado ao DACAE, o qual encaminhará o afastamento para publicação devolvendo o mesmo ao Serviço de Pessoal da Unidade para as providências cabíveis. Critérios: como regra geral, o funcionário não poderá estar em férias quando da concessão do afastamento, o funcionário deverá aguardar em exercício a autorização do afastamento, o pedido de afastamento deverá ser enviado à Reitoria com antecedência mínima de 20 (vinte) dias do início do afastamento. Docentes por prazo superior a 30 dias: o interessado deverá elaborar requerimento solicitando o afastamento com a devida justificativa; apresentar plano de trabalho contendo as atividades a serem desenvolvidas; anexar: carta convite, relatório do afastamento anterior (se for pedido de prorrogação), no caso de afastamento com prejuízo de vencimentos declaração de ciência do inteiro teor do Decreto /96 e Ofício Circular DA 2/O.C. no 54/87; elaborar declaração de ciência do inteiro teor da Resolução 3532/89; solicitar autorização da chefia imediata. Chefia imediata deliberar sobre o afastamento; preencher formulário de afastamento; solicitar aprovação do CD; enviar documentos para o Serviço de Pessoal a qual irá anexar a documentação ao processo de afastamento do interessado, irá conferir se os dados informados estão corretos; submeter a deliberação do CTA ou congregação e ou dirigente; após irá encaminhar o processo a CERT, se o afastamento for deferido o mesmo será publicado e após será devolvido ao Serviço de Pessoal para as providências cabíveis. Critérios: como regra geral o docente não poderá estar em férias quando da concessão do afastamento; o docente deverá aguardar em exercício a autorização do afastamento; todos os pedidos de afastamento sem prejuízo de vencimentos por período igual ou superior a 180 (cento e oitenta) dias, serão acompanhados de termo de compromisso, de acordo com artigo 4º da Resolução 3532/89. No caso de afastamento com prejuízo de vencimentos, o cadastro no Banco de Dados deverá ser efetuado conforme ofício circular DRH/CIRC/24/96,e o docente somente poderá retornar a folha de pagamento após ter apresentado comprovante de quitação do IPESP e IAMSPE, de acordo com ofício circular DRH/CIRC/19/96 e Decreto /96. Docentes ao exterior até 30 dias: interessado elaborar requerimento de afastamento; solicitar autorização da chefia imediata. Chefia imediata deliberar sobre o afastamento; preencher o formulário de afastamento; encaminhar para a área de pessoal da Unidade/Órgão, a qual irá conferir os dados e providenciar a publicação do afastamento. Docentes e funcionários autárquicos ou celetistas até 30 dias: o interessado deverá formular requerimento solicitando o afastamento; solicitar autorização da chefia imediata. Chefia Imediata deverá deliberar sobre o afastamento; preencher o formulário de afastamento; solicitar aprovação do CD; encaminhando para a área de pessoal da Unidade/Órgão a qual irá conferir a documentação; se o afastamento for para docente bastará a ciência do Chefe do departamento, se for para funcionário, até 7 (sete) dias bastará a ciência do Chefe do Departamento acima disto

7 deverá o afastamento ser encaminhado ao dirigente da Unidade. Como regra geral, o servidor não poderá estar em férias, quando da concessão do afastamento; o interessado deverá aguardar em exercício a autorização do afastamento. Os afastamentos até 30 dias dentro do país não são publicados. Concessão de afastamentos - Projeto USP Digital: -Afastamento de Dirigentes de Unidades/Órgãos; -Afastamentos de servidores para o exterior (engloba afastamentos de servidores celetistas e autárquicos); - Afastamentos de servidores por mais de 30 dias dentro do país (abrange os afastamentos de servidores celetistas e autárquicos; e de docentes para concorrer a cargo eletivo ou com mandato eletivo); - Afastamentos de servidores técnicos e administrativos e docentes para tratar de interesses particulares (engloba afastamento de servidores celetistas por suspensão contratual; afastamento de docentes/autárquicos para tratar de interesses particulares; e afastamento de docentes pelo art. 9º da Resolução 3532/89); - Afastamentos de servidores celetistas, autárquicos e docentes para prestação de serviços em outros órgãos públicos. Para maiores informações acesse o link: DRH/CIRC/007/2013; DRH/CIRC/009/2013 e GR/CIRC/60. Fundamento legal: Portaria GR-3067/97 Portaria GR-2975/95 Of. DRH/CIRC/50/95 Portaria GR-2562/90 Portaria GR-391/67 Portaria GR-2568/90 Resolução 5488/2008 INI 2/2009 Formulário: AFASTAMENTO SERVIDOR CELETISTA ATÉ 30 DIAS NO PAÍS.doc Workflow afastamentos APOSENTADORIA Tendo em vista as várias situações possíveis, que devem ser analisadas caso a caso, informamos que nos endereços e poderão ser obtidas as informações necessárias, ficando o Serviço de Pessoal a disposição para consultas e esclarecimentos. ATENDIMENTO MÉDICO, ODONTOLÓGICO, PSICOLÓGICO E UNIMED O atendimento médico e odontológico é feito pela Unidade Básica de Assistência à Saúde (UBAS), instalada no Campus de São Carlos. O serviço destina-se somente a alunos, professores, funcionários e dependentes. A Unimed São Carlos (prestadora de assistência médica) faz a complementação do atendimento médico para especialidades não disponíveis na UBAS, além de consultas, exames e atendimento de emergências. Tal benefício é oferecido de forma gratuita, porém possui regras e limitações que são explanadas através de uma reunião no UBAS com o titular do benefício no momento da retirada da carteirinha. Todos os funcionários e docentes, no momento da contratação, já fazem jus ao benefício. Para a inclusão de dependentes, o titular deve comparecer ao Serviço de Pessoal e solicitar o Formulário para Inclusão de Dependentes no HU (Hospital Universitário). Os dependentes, desde que devidamente autorizados pelo HU, passarão a gozar do benefício e o titular será avisado da chegada das respectivas carteirinhas pelo Serviço de Pessoal. A comunidade do Campus também tem disponível o atendimento psicológico, vinculado ao Serviço de Promoção Social. O servidor conta com aconselhamento individual, prevenção do stress, grupos de sociabilidade e trabalho psicopreventivo. Os problemas de alcoolismo e consumo de drogas são encaminhados ao Grupo Assessor de Prevenção e Tratamento do Uso de Álcool e Outras Drogas. Formulário: CADASTRO DE DEPENDENTES DS.doc AUSÊNCIAS MÉDICAS DE SERVIDORES O servidor autárquico docente ou não-docente poderá deixar de comparecer ao serviço, sem perda salarial, até o limite de seis ausências ao ano, não podendo exceder uma ao mês, em virtude de consulta, exame ou sessão de

8 tratamento de saúde referente à sua própria pessoa, ou para acompanhar consulta, exame ou sessão de tratamento de saúde de filhos menores ou com deficiência comprovada; de cônjuge ou companheiro(a); dos pais, madrasta ou padrasto, desde que comprove por meio de atestado ou documento idôneo equivalente, obtido junto ao IAMSPE, órgãos públicos e serviços de saúde contratados ou conveniados integrantes da rede do SUS, laboratórios de análises clínicas. Poderá, ainda, o servidor, sujeito à jornada de 40 horas semanais, entrar após o início do expediente, retirar-se antes do seu término ou dele ausentar-se temporariamente, até o limite de 3 horas diárias, devendo, no mesmo dia, ou no dia útil seguinte ao da ausência, comprovar através de atestado, o período de permanência em consulta, exames ou sessão de tratamento, sob pena de perda total ou parcial do salário do dia. Lei Complementar 1041, de 14/04/2008. AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO O benefício Auxílio Alimentação foi instituído pela Universidade em julho/2000 e tem por finalidade possibilitar a seus beneficiários a aquisição de gêneros alimentícios (cesta básica). O Auxílio Alimentação é concedido aos docentes, servidores celetistas e autárquicos (docentes e não-docentes), ativos ou afastados por motivo de saúde. O benefício é disponibilizado no 4 dia útil de cada mês, através de crédito em cartão magnético, para utilização em estabelecimentos comerciais conveniados. No caso de extravio do cartão do referido benefício, o servidor deverá recolher a respectiva taxa de reemissão junto a Tesouraria do IFSC, preencher o requerimento de 2ª via apresentando-o no Serviço de Pessoal junto com a taxa devidamente recolhida e deverá entrar em contato com a empresa contratada através do fone Fundamento legal: Portaria GR-5593/2012. Portaria GR-5038/2011. Formulário: REEMISSÂO DE CARTÃO VA.doc AUXÍLIO CRECHE O benefício Auxílio Creche foi instituído pela Universidade em Novembro/91 e tem como objetivo oferecer aos seus servidores uma alternativa às creches mantidas pela USP. O valor do benefício depende da jornada de trabalho. Aplica-se a servidores em atividade, autárquicos docentes e não-docentes e celetistas, que tenham filhos, crianças tuteladas ou legalmente adotadas ou sob guarda judicial, em idade pré-escolar, desde que não estejam matriculados em nenhuma Unidade de Creche na USP. O Auxílio Creche deverá ser requerido pelo servidor, e não tem efeito retroativo. Quando o menor dependente passar a frequentar a creche/usp, o servidor deverá, imediatamente, comparecer no Serviço de Pessoal para solicitar o encerramento do Auxílio Creche e obter o respectivo comprovante para ser entregue na Creche. O valor do Auxílio Creche é reajustado na mesma proporção e na data em que ocorrer reajuste salarial pelo CRUESP e será pago até o mês de competência de dezembro do ano em que a criança completar 6 (seis) anos de idade. Portaria GR 4706/2010 Ofício DRH/Circ./001/2004, de 21/1/2004 Ofício DRH/Circ./08/2006, de 26/1/2006. Formulário: TERMO AUXÍLIO CRECHE.doc AUXÍLIO EDUCAÇÃO ESPECIAL Este benefício foi instituído pela Universidade, em novembro/2009. Aplica-se aos servidores autárquicos docentes e não-docentes e celetistas, ativos, que tenham filhos considerados portadores de necessidades especiais e que estejam matriculados em estabelecimentos oficiais de educação, cultura ou lazer. Este auxílio deverá ser requerido pelo servidor à CODAGE, o qual deverá juntar o comprovante de matrícula em estabelecimento oficial de educação, cultura ou lazer e laudo médico pericial, emitido por órgão oficial da União, do Estado de São Paulo ou do município, o qual deverá ser atualizado e entregue no Serviço de Pessoal, anualmente, até o dia 31 de janeiro. O pagamento será devido a partir da data da aprovação do pedido pelo Coordenador de Administração Geral/USP. Portaria GR-4549/2009;

9 Of. CODAGE/CIRC/ , de 18/12/2009. AUXÍLIO FUNERAL Importância paga ao cônjuge, companheiro(a) ou, na sua falta, aos filhos de qualquer condição ou aos pais, em virtude do falecimento de servidor ativo ou inativo, autárquico docente e não-docente. O beneficiário deverá comparecer ao Serviço de Pessoal para requerer a concessão do auxílio, fornecendo cópia da certidão de óbito e dos comprovantes de despesas com o funeral (caso o requerente não seja o cônjuge). A importância corresponde a um mês de salário do servidor. Ao servidor celetista, atualmente não é pago este benefício pelo INSS. Fundamento Legal : ESU, artigo 100; Decreto n /08, art. 25 e parágrafos. AUXÍLIO REFEIÇÃO O benefício Auxílio Refeição foi instituído pela Universidade em maio de 2011 e é concedido aos docentes ativos, em RTC e RDIDP, e aos servidores ativos enquadrados na Carreira dos funcionários técnicos e administrativos, em jornada de trabalho igual ou superior a 30 horas semanais, desde que não possuam qualquer tipo de subsídio para alimentação. O valor do benefício é disponibilizado no 4 dia útil de cada mês, através de crédito em cartão magnético. O vale-refeição será devido por dia efetivamente tralhado. O servidor beneficiário participará no custeio do benefício com o desconto em folha de pagamento do valor correspondente a 20% do total percebido mensalmente. As faltas e os demais afastamentos de qualquer natureza terão seus dias descontados em igual número da quantidade do benefício do mês. No caso de extravio do cartão do referido benefício, o servidor deverá recolher a respectiva taxa de reemissão junto a Tesouraria do IFSC, preencher o requerimento de 2ª via apresentando-o no Serviço de Pessoal junto com a taxa devidamente recolhida e deverá entrar em contato com a empresa contratada através do fone Portaria GR-5594/2012. Portaria GR 5362/2011. Formulário: REEMISSÃO CARTÃO VR.doc AUXÍLIO TRANSPORTE O Auxílio Transporte é pago aos servidores autárquicos não docentes e celetistas, de acordo com o salário e, o montante pago depende dos dias efetivamente trabalhados. O servidor só fará jus à percepção quando 6% do seu salário bruto for inferior ao valor do auxílio transporte calculado sobre os dias trabalhados. A base de cálculo é determinada pelo município onde o servidor trabalha e os valores indicados pelo Governo do Estado de São Paulo. Lei 6.248/88, regulamentada pelo Decreto Estadual /89. AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO Procedimento criado para mensurar os objetivos definidos pelo desempenho dos servidores técnicos e administrativos contratados nos termos da Lei Complementar 1074, de 11/12/2008, de acordo com o disposto no artigo 41 da Constituição Federal, alterado pela Emenda Constitucional nº 19/98.

10 Tratam-se de nove avaliações formais realizadas após o 1º, 2º, 3º, 6º, 9º, 12º, 18º, 24º e 32º meses de exercício, através de formulários próprios preenchidos pela chefia imediata, com o conhecimento e entrevista devolutiva ao servidor avaliado. Constituição Federal Emenda Constitucional 19/98 Lei Complementar 1074/2008 Portaria IFSC-045/2010 Portaria IFSC-001/2012 Formulários: FORMULÁRIO PLANO DE ATIVIDADES IFSC.doc FORMULÁRIO AVALIAÇÃO ESTÁGIO PROBATÓRIO IFSC.doc BOLETIM DE FREQUÊNCIA - PONTO A marcação do ponto serve de apoio para as comprovações que se façam necessárias quanto ao horário de trabalho cumprido pelo servidor. A assinatura do servidor fortalece e confirma os horários anotados em registros. A marcação do ponto é obrigatória por lei, para estabelecimentos com mais de 10 servidores, com anotações de entrada e saída, bem como do intervalo para repouso e alimentação, podendo ser utilizados meios mecânicos, eletrônicos ou formulário específico. Sendo documentos que refletem o cumprimento da jornada pelo servidor, os controles de frequência dizem respeito tanto ao servidor quanto à Administração, servindo para dirimir dúvidas quanto ao cumprimento da jornada de trabalho, bem como para apresentação à fiscalização e à Justiça do Trabalho, em casos de reclamações trabalhistas, constituindo-se meio de prova. Cabe ao superior imediato à responsabilidade da fiscalização do cumprimento do horário e da assiduidade de seu(s) subordinado(s), devendo assinar o(s) Boletim(ns) de Frequência. No Boletim de Frequência da USP, quando houver ocorrência, a mesma deverá ser anotada no campo Tipo de Ocorrência por extenso, ex.: Falta Abonada, Nojo, Gala, Licença Saúde. ESU, art. 49 e parágrafos; CLT, art. 74, Parágrafos 2º e 3º; Regimento Geral da USP art. 46, inciso III. Decreto 52054, de 14/08/2007 arts. 6o. e 7o. INI 2/2007 CARTÃO USP O cartão USP, além de ser a identidade funcional do servidor da USP, serve para acesso às dependências da USP, liberação de veículos nas cancelas para acesso ao Campus, utilização do CEFER, compra de tíquetes para o Restaurante Universitário, entre outras. O Cartão USP deve ser solicitado pelo próprio servidor no momento de seu cadastro no Sistema Marte. Para tanto, o servidor deverá acessar o site sistemas.usp.br/marteweb e clicar na opção Primeiro Acesso. Uma senha para acesso será enviada por (o deverá estar cadastrado pelo Serviço de Pessoal da Unidade) para que o usuário possa utilizar o site. De posse da senha (que poderá ser alterada posteriormente no próprio site), o usuário deve entrar com seu Nº USP e sua senha. Clicar em Cartão USP. Para criar uma solicitação, se quiser incluir ou modificar sua foto, clique em Incluir / Alterar Foto. Para selecionar a foto, clique no botão Procurar e localize o arquivo da foto em seu computador, em seguida, clique no botão Carregar Foto. Observação: Obrigatoriamente o arquivo deverá ser no formato JPG e de no máximo 50 Kb. O Sistema enviará a mensagem: Aguardando autorização. Se desejar alterar o nome, clique em Alterar Nome de apresentação. Digite o nome a ser apresentado no Cartão e clique em Salvar. Observação: O nome a ser digitado deverá ser composto de qualquer nome e/ou sobrenome constante do nome original completo, não sendo permitida a alteração da grafia original nem abreviações. Para cadastrar sua solicitação (tendo alterado ou não foto / nome), clique em Nova Solicitação. Sua solicitação foi efetuada e estará sujeita à liberação do Serviço de Pessoal. Todas as etapas (liberação, envio para impressão e a chegada do seu cartão à Unidade) serão informadas por . Em caso de perda ou extravio do cartão, favor comunicar imediatamente o Serviço de Pessoal para que o mesmo seja bloqueado.

11 Em caso de perda ou extravio do cartão, favor comunicar imediatamente o Serviço de Pessoal para que o mesmo seja bloqueado. Em caso de troca do cartão USP o funcionário que possuir o TAG instalado em seu veículo deverá proceder da seguinte forma: 1) Ativar o novo cartão no Sistema USP (Marteweb); 2) Aguardar cinco dias para que o cadastro seja compartilhado entre as bases; 3) Ligar para a Guarda Universitária (ramal 9889) para que o cadastro seja refeito (É necessário informar o nome, número usp e ramal). Sites: Formulário: REQUERIMENTO 2ª VIA CARTÃO USP COM COBRANÇA DE TAXA.doc CIPA-COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CLT É a comissão responsável pela análise e discussão dos acidentes de trabalho dentro de cada Unidade, bem como pela proposição de medidas que visem à proteção do servidor e a prevenção desses acidentes. Através da realização de palestras, fiscalização, cursos e treinamentos, a CIPA procura estimular o interesse pelas questões de segurança, conscientizando o servidor da importância do assunto e apoiando na aquisição e uso de equipamentos de segurança. A CIPA é composta por 8 membros, sendo 4 eleitos pelos servidores e 4 designados pelo Diretor. CLT, artº 163 COMPENSAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO É a compensação de jornada de trabalho de servidores contratados em regime da CLT para fins de frequentar curso de pós-graduação stricto sensu. Deverá ser firmado o acordo de compensação, mediante comprovação do servidor, da necessidade de frequentar aulas no curso de pós-graduação durante sua jornada de trabalho. Fundamento legal: Portaria GR Nº 4708, de 18/02/2010 COMPLEMENTAÇÃO SALARIAL (APOSENTADORIA CLT) A complementação salarial é um valor pago ao servidor celetista, desde que contratado na USP até 13/05/74, e que receba o benefício da aposentadoria através do INSS. O valor da complementação será determinado pela USP entre a diferença do valor pago pelo INSS e o salário que o servidor receberia na Universidade se em exercício estivesse e com todas as vantagens decorrentes do tempo de serviço. O servidor celetista contratado pela USP após 13/05/74 não faz jus à complementação salarial. Lei 4.819, de 26/8/58 (Revogada pela Lei 200, de 13/05/74); Lei 200, de 13/05/74 (D.O. de 14/05/74) Despacho Normativo do Governador, publ. D.O.E. de 28/2/87. CONCESSÃO DE ESTÁGIOS ALUNOS EXTERNOS À USP Aplica-se a alunos de instituições de ensino superior externas à USP, candidatos a estágio curricular ou extracurricular, com remuneração. O supervisor de estágio deverá contatr o Serviço de Pessoal para verificar a existência do convênio com a instituição de ensino, bem como se o curso faz parte do escopo do referido convênio. Após, o supervisor deverá acessar o Sistema Júpiter e cadastrar os dados do aluno para a emissão (após todos os trâmites) do Termo de Compromisso de Estagiário e demais documentos. Manual do solicitante: solicitante_supervisor.pdf

12 Concessão a aluno externo: Prorrogação a aluno externo: Cessação a aluno externo: Lei /2008; Lei 9.394/96; Resolução USP 5.528/2009; Resolução USP 6.090/2012; Portaria GR 5.721/2012; Portaria GR 4.114/2009. CONSIGNAÇÃO É o cadastro para os fins de concessão de empréstimos em folha de pagamento dos servidores ativos ou aposentados. As consignações só poderão ser efetuadas se o servidor tiver, no momento da contratação do empréstimo, margem disponível para comprometimento da remuneração, considerando-se, como: I) Margem disponível: o equivalente a trinta por cento da remuneração possível de ser comprometida com empréstimos ou, observadas as mesmas condições, quarenta por cento de toda e qualquer consignação voluntária. II) Remuneração disponível para comprometimento: a) para os aposentados: os proventos, deduzidos os descontos obrigatórios por lei ou por determinação judicial ou administrativa; b) para os servidores ativos: a parcela relativa ao salário ou vencimento-base mais as vantagens incorporadas, descontadas quaisquer parcelas eventuais ou transitórias e os descontos obrigatórios devidos por lei ou por determinação judicial ou administrativa. A Universidade fornecerá à instituição financeira interessada na consignação, mediante solicitação do servidor ativo ou aposentado, declaração indicativa da margem disponível existente, para permitir a análise sobre a liberação do crédito. A entidade consignatária emitirá o contrato de empréstimo e encaminhará à Universidade a autorização assinada pelo servidor para o desconto em folha. Cadastrado o contrato no Sistema de Administração de Recursos Humanos, e verificada a possibilidade de efetivação da consignação, observados os limites indicados, a Universidade dará imediato conhecimento à entidade consignatária para liberação do crédito, mediante documento específico de implantação da consignação. Para emissão da margem consignável acessar o sistema opção pagamentos/margem consignável. CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO É a apuração do tempo de serviço prestado pelo servidor para fins de percepção de vantagens, tais como adicionais, sexta parte, licença prêmio (no caso dos servidores autárquicos docentes e não-docentes) e aposentadoria. O tempo de serviço prestado para qualquer outro órgão público do Governo do Estado de São Paulo será contado para todos os fins, mediante a apresentação da Certidão de Tempo de Serviço, com a frequência discriminada. O tempo de Serviço Público prestado para Municípios, outros Estados, Governo Federal e Serviço Militar será contado para todos os fins, desde que prestado até 20/12/84. Após esta data será contado apenas para fins de aposentadoria, da mesma forma que o serviço prestado na atividade privada. Na Certidão de Tempo de Serviço deverá constar: regime de trabalho, frequência detalhada e o órgão previdenciário para a qual foram efetuados os recolhimentos, excetuando-se apenas os serviços relevantes, tais como os prestados ao Ministério do Exército e da Guerra, para o qual não há contribuição previdenciária, e os prestados à iniciativa privada, que será comprovado mediante certidão recíproca de tempo de serviço e certidão de tempo de contribuição, expedidas pelo INSS. Lei Complementar 437, de 23/12/85; Ofício CODAGE/CIRC/11 de 25/5/93; Lei Artº 76 e 81; Lei Complementar 318/83, de 10/3/83;

13 Of. DRH/CIRC/010/2009, de 12/3/09 DESPESAS COM REFEIÇÕES O servidor que estiver prestando serviço em local afastado de sua sede e distante de local com restaurante USP, em horário próximo às refeições, terá direito a 01(um) Vale para refeição no valor de R$ 17,60 por dia. Fica vedada a concessão do referido Vale ao servidor que já recebe o benefício concedido pelo Portaria GR-4.274/2009. CODAGE/CIRC/015/2011. DOAÇÃO DE SANGUE O servidor que comprovar sua contribuição para banco de sangue fica dispensado de comparecer ao serviço no dia da doação. Esta dispensa é limitada a 3 dias ao ano para o servidor autárquico ou celetista. É considerada como presença para todos os fins, devendo o servidor anexar ao Boletim de Frequência, o comprovante de doação. ESU, art.50, Parágrafo Único (autárquicos); Informação 197/96-SCAPOSU/DRH, de 2/4/96; C.L.T artº 473, inciso IV; Parecer PG 3170/2012. FALTA ABONADA É a relevação da falta, de forma que o servidor não sofra qualquer desconto pelo dia não trabalhado. São 6 (seis), no máximo, as faltas abonadas ao ano para os servidores autárquicos (docentes e não-docentes) e 6 (seis) por período aquisitivo para os celetistas, não podendo ser abonada mais que uma falta por mês. O abono não é um direito do servidor e sim uma concessão e a aceitação ou não do abono fica a critério da chefia imediata, de acordo com os motivos alegados pelo servidor. A falta abonada é considerada para a verificação do limite de 30 faltas permitidas, quando do requerimento da licença prêmio, bem como do limite de 10 faltas para a concessão de 30 dias de férias aos servidores autárquicos. Obs.: Todo cidadão que prestar serviço à Justiça Eleitoral como mesário será dispensado do serviço (público ou privado), mediante declaração expedida pelo juiz eleitoral, pelo dobro dos dias que tiver ficado à disposição da Justiça Eleitoral, sem prejuízo do salário, vencimento, ou qualquer vantagem. Res , de 24/12/81; Lei /68, artigo 110 parágrafo 1º; Portaria GR-3741, de 29/3/2007; Decreto 52054, de 14/08/2007; Decreto 41981, de 03/06/1963; Resolução nº /2006 Formulário: ABONO.doc FALTA INJUSTIFICADA É a falta do servidor ao trabalho, para a qual ele não apresenta nenhuma justificativa ao chefe imediato. Além do desconto do dia no salário, provoca a interrupção do exercício e consequentemente, do período aquisitivo de licença prêmio (no caso dos servidores autárquicos docentes e não-docentes), com a perda do período decorrido até aquela data. É também descontada para efeito de contagem de tempo, sexta parte e adicional quinquenal. O servidor poderá ser penalizado com a suspensão, por motivo de falta de assiduidade, se não apresentar justificativa ou se ela não for aceita. ESU, art. 39, Parágrafo Único e art. 178, inciso V.

14 FALTA JUSTIFICADA A falta justificada acarreta o desconto do salário do dia do servidor, bem como o desconto para efeito de contagem de tempo para aposentadoria, quinquênios e sexta parte. É utilizada quando o servidor não possui mais abonos ou o mesmo não for concedido pelo chefe imediato. É considerada também para a verificação do limite de 30 faltas quando do requerimento da licença prêmio (no caso dos servidores autárquicos docentes e não-docentes) e dos limites de faltas para a concessão de férias. ESU, art. 39, Parágrafo Único; Decreto 52054, de 14/08/2007. FÉRIAS Concedida anualmente a todos os servidores autárquicos docentes e não-docentes e celetistas. Autárquicos: Para os autárquicos e docentes, serão de 30 dias, desde que o número de não comparecimentos no exercício anterior não ultrapasse a 10, somado as faltas abonadas, justificadas, injustificadas, licenças para tratamento de pessoa da família, licenças para tratar de interesses particulares e licenças à funcionária casada com funcionário militar. Caso os não comparecimentos ultrapassem o limite de 10 dias, o servidor autárquico docente e não-docente, fará jus a apenas 20 dias de férias. Situações que merecem destaque: De acordo com a Portaria GR-2869/93, as férias deverão ser gozadas no período de recesso escolar, a saber: nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e julho. Nos casos de absoluta excepcionalidade e interesse do serviço, as férias poderão ser usufruídas fora do recesso escolar, com a prévia autorização do Diretor da Unidade. As férias poderão ser gozadas em 1(um) ou 2(dois) períodos de acordo com a conveniência do serviço. A acumulação de férias não gozadas não poderá exceder a 2 anos consecutivos. A transferência de férias deverá estar de acordo com os termos da Portaria GR, publicada anualmente, que determina o gozo de férias. O sobrestamento (interrupção do período) de férias poderá ocorrer somente em casos de extrema necessidade de serviço. O estorno do pagamento de férias poderá ocorrer somente no caso em que o servidor se encontrar afastado sem vencimentos ou de licença-saúde, sem previsão de retorno. É proibido levar à conta de férias qualquer falta ao trabalho. Celetistas: As férias dos servidores celetistas, dentro do período aquisitivo de cada um, obedecem a seguinte escala: Até 05 faltas dias de férias De 06 a 14 faltas dias de férias De 15 a 23 faltas dias de férias De 24 a 32 faltas...12 dias de férias Para o cálculo acima, não são consideradas as seguintes ocorrências: Faltas Abonadas, Nojo, Gala, Doação de Sangue, Licença Paternidade, Licença Gestante, Licença Prêmio, Licença para Tratamento de Saúde e Licença Acidente de Trabalho (estas últimas até o limite de 06 meses). Acarretam a diminuição do período de férias do servidor celetista as faltas justificadas, injustificadas, suspensões disciplinares e a suspensão do contrato de trabalho. Não terá direito a férias o servidor que permanecer por mais de 6 meses, mesmo descontínuos, em licença por acidente de trabalho ou auxílio doença, iniciando-se a contagem de novo período aquisitivo quando o servidor retornar ao trabalho. O formulário de Solicitação de Férias do servidor deverá ser encaminhado ao Serviço de Pessoal com, no mínimo, 45 dias de antecedência do início das mesmas. Para as férias agendadas para a 1a. quinzena do mês, o pagamento será creditado no dia 30 ou no último dia útil do mês anterior; as férias agendadas para a 2a. quinzena do mês, o pagamento será creditado no dia 15 ou no dia útil anterior ao dia 15. Situações que merecem destaque: De acordo com a Resolução 2494/83 e Portaria GR-2869/93, as férias deverão ser gozadas no período de recesso escolar, a saber: nos meses de dezembro, janeiro, fevereiro e julho. Nos casos de absoluta excepcionalidade e interesse do serviço, as férias poderão ser usufruídas fora do recesso escolar, com a prévia autorização do Diretor da Unidade. As férias poderão ser divididas no máximo em 2(dois) períodos, não inferiores a 10 dias corridos, podendo ser feita a opção de 10 dias em pagamento, de preferência, no primeiro período de gozo. Para os maiores de 50 anos de idade, as férias serão sempre concedidas num único período, podendo ser feita a opção de 10 dias em pecúnia. Somente em casos excepcionais, como licença-gestante, as férias poderão ser suspensas ou interrompidas mediante apresentação de atestado médico ou certidão de nascimento da criança, situação em que poderão ser divididas em

15 mais de 2 (dois) períodos; no entanto, o restante das férias suspensas deverão ser usufruídas imediatamente ao término da licença. O estorno do pagamento de férias poderá ocorrer somente nos casos em que o servidor estiver em licença-saúde, sem previsão de retorno. É proibido levar à conta de férias qualquer falta ao trabalho. ESU, art. 103 a 107 (Autárquicos); Lei , art. 176 a 180 (autárquicos); CLT, art. 129 a 152 ; Resolução 2495/83; Portaria GR-2869/93; Portaria GR-5136/11 (docentes); INI 01/2012. Formulários: SOLICITAÇÃO FÉRIAS.doc SOLICITAÇÃO FÉRIAS DEPTOS - RAIO X.doc FUNDO DE COBERTURA DE ACIDENTES PESSOAIS O Fundo destina-se exclusivamente ao pagamento de indenizações por morte, invalidez permanente e despesas médicas e hospitalares, aos servidores quando em viagem para atividades da Universidade, de acordo com as condições e os valores estabelecidos. As coberturas serão as seguintes: Indenização de R$ ,00 para morte acidental ou invalidez permanente decorrente de acidente, ou reembolso de despesas médicas até o valor limite de R$ 2.500,00; Fundamento legal: Portaria GR 3645, de 21/11/2005 Portaria GR-4641, de 10/12/2009 Portaria GR-4.792, de 23/7/2010 GALA Licença concedida ao(a) servidor(a) por ocasião de seu casamento. Para os autárquicos docentes e não-docentes são 8 dias consecutivos a partir do evento e para os celetistas, considerar a data do evento e mais três dias úteis consecutivos. É necessário o servidor comunicar previamente o superior imediato. Para alteração do nome, dirigir-se ao Serviço de Pessoal com cópia da Certidão de Casamento para preenchimento de formulário de alteração de dados pessoais e requerimento ao Diretor da Unidade. ESU, art. 53 inciso II (Autárquicos); CLT, art. 473, Inciso II (celetistas); Ofício DC-13 O.C./19 85 de 06/03/85. DRH/CIRC/27/2009 Portaria GR-4.366, de 19/08/2009 Formulário: APOSTILAMENTO.doc GRATIFICAÇÃO DE REPRESENTAÇÃO É a gratificação paga pela USP aos servidores autárquicos docentes e não- docentes e celetistas, ocupantes de funções de estrutura da Unidade, ou seja, funções de confiança do Coordenador do Campus ou Diretor de Unidade, tais como Assistentes Técnicos, Chefes de Serviço, Chefes de Seção, etc. ou eleitos pelos colegiados (Chefes de Departamentos, Presidente de Comissão), bem como as(os) respectivas(os) suplentes. Esta gratificação é calculada sobre a gratificação de representação do Reitor, mediante a aplicação de um determinado percentual de acordo com a função exercida. O pagamento da gratificação de representação pode ser cessado a qualquer momento, em caso de perda de confiança e se ainda não estiver incorporada. A incorporação da gratificação de representação aos salários do servidor que contar com mais de 5 anos de exercício, dar-se-á na proporção de 1 décimo da vantagem por ano de percepção, até o limite de 10 décimos. A incorporação será efetuada mediante requerimento do interessado, passando a integrar a parte fixa do salário do servidor.

16 Lei Complementar 406, de 17/7/85 (Revogada pela Lei Complementar 813/96); Portaria GR-3798, de 18/7/07, alterada pela Portaria GR-3940, de 20/3/08; Lei Complementar 813/96; Resolução CRUESP 143/96. Formulário: REQ PARA INCORPOR. VERBA.doc HORÁRIO DE ESTUDANTE Concedido, a critério da administração, aos servidores estudantes, autárquicos não-docentes e celetistas, que poderão entrar em serviço até 30 minutos após o início do expediente ou deixá-lo até 30 minutos antes do término, conforme se trate de curso diurno ou noturno, respectivamente. Este benefício somente será concedido quando mediar entre o período de aulas e o expediente da repartição, tempo inferior a 90 minutos. O servidor deverá requerer o benefício, anexando o comprovante de matrícula, constando, também, o horário das aulas. A chefia encaminha ao Diretor do IFSC, que deliberará sobre a concessão ou não. Este benefício deve ser requerido semestralmente. Of.DRH/CIRC/29/96, de 17/4/96; Portaria GR-1643/71, alterada pela Portaria GR-1655/71; Resolução 130, de 19/12/73; Of.Circ.DA-2/OC-99/86, de 24/9/86; Decreto 52054/2007- art.17; Lei 10261/68, artigo 121. ISENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA Aplica-se a todos os servidores autárquicos aposentados portadores de moléstia de acordo com o artigo 6º, inciso XIV da Lei 7.713/88, alterada pela Lei 9.250/95, artigo 30, 2º. Para isto o servidor deverá providenciar junto ao médico ou entidade oficial da União, Estado ou Município, atestado que comprove a moléstia; Elaborar requerimento solicitando isenção de imposto de renda; Entregar o requerimento e o atestado médico original na área de pessoal do IFSC. Lei 7.713/88; alterada pela Lei 9.250/95, artigo 30, 2º. Formulário: REQ PARA ISENÇÃO DE IR.doc INSTITUTO DE ASSISTÊNCIA MÉDICA AO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL O Iamspe é uma entidade autárquica autônoma, sem fins lucrativos, com personalidade jurídica e patrimônio próprio. Atualmente, está vinculado à Secretaria de Gestão Pública do Estado de São Paulo, e tem por finalidade prestar assistência médica e hospitalar aos seus contribuintes e beneficiários para os servidores autárquicos docentes e nãodocentes. Possui uma rede de credenciados, que inclui consultórios, clínicas e hospitais, além da rede própria que é formada pelo Hospital do Servidor Público Estadual - HSPE e 18 Centros de Assistência Médico-Ambulatorial - Ceamas. É descontado mensalmente 2% do salário como contribuição obrigatória para o IAMSPE. Para utilizar a assistência Médico-Hospitalar, todos deverão estar inscritos no cadastro Iamspe e apresentar sua Carteira de Identificação Iamspe, bem como o respectivo documento de identidade com foto. Cada Contribuinte, seus Beneficiários e Agregados têm direito a uma Carteira de Identificação individual que poderá ser usada em todo o Sistema de Saúde Iamspe, tanto na capital quanto no interior. A Carteira de Identificação traz o número de identificação do cadastro Iamspe e seu respectivo código de barras. O Contribuinte pode incluir como seu Beneficiário: Cônjuge ou companheiro (a): Contribuinte viúvo (a), separado (a) e solteiro (a) que não tenha mantido a inscrição de seu ex-cônjuge, poderá instituir como Beneficiário o atual companheiro (a), observadas as condições estabelecidas pelo Iamspe; Ex-cônjuge: no caso de separação, o ex-cônjuge poderá continuar como Beneficiário, nos termos da legislação pertinente; Filhos solteiros até completarem 21 (vinte e um) anos;

17 Filhos maiores: desde que incapacitados para o trabalho, sem economia própria e não amparados por outro regime previdenciário; Filhos maiores até 25 (vinte e cinco) anos: desde que regularmente matriculados em estabelecimento de ensino médio ou superior; Equiparam-se aos filhos para os efeitos desta lei: - os adotivos; - os enteados; - os menores que, por determinação judicial, se acham sob sua guarda; - os tutelados, sem economia própria. Aposentados O Contribuinte aposentado permanece automaticamente como usuário do plano, com desconto em holerite de 2% (dois por cento) do total dos vencimentos. Servidores aposentados podem cancelar sua inscrição no Iamspe a qualquer momento. Agregados O Contribuinte pode incluir como Agregado, mediante a contribuição adicional e individual de 2% (dois por cento) sobre os seus rendimentos, os pais, o padrasto e a madrasta. A inscrição deverá ser feita no prazo de 180 dias corridos contados da data de posse do servidor. Passado este período não será permitida a inclusão de Agregados no plano. Cadastro no Sistema Iamspe Todo contribuinte está automaticamente inscrito no Sistema de Saúde Iamspe. As Carteiras de Identificação do Contribuinte, seus Beneficiários e Agregados serão enviadas pelo correio para sua residência ou local de trabalho. A inscrição de novos Beneficiários e/ou Agregados poderá ser feita pelo correio ou pessoalmente. Vide lista de documentação necessária no site: Correio: os documentos deverão ser enviados para o Núcleo de Cadastro do Iamspe, Avenida Ibirapuera, 981, 3º andar, sala 316, CEP: , Vila Clementino, São Paulo - SP. Pessoalmente: Capital - Avenida Ibirapuera, 981, térreo, Vila Clementino, São Paulo - SP. Interior: em qualquer Ceama. Para maiores informações e lista dos documentos que devem ser enviados ou apresentados, consulte páginas 18 a 21. Casos de Exclusão do Contribuinte Exoneração: quando o Contribuinte é exonerado sua exclusão do sistema de arrecadação, bem como a exclusão de seus Beneficiários e Agregados é automática, com perda do direito ao Sistema de Saúde Iamspe. Falecimento: em caso de falecimento o Contribuinte é excluído do sistema de arrecadação, bem como seus Agregados. Os Beneficiários do Contribuinte falecido que desejarem permanecer no Sistema de Saúde Iamspe deverão requerer a continuidade de suas inscrições de acordo com as exigências contidas na legislação vigente. A viúva (pensionista) poderá permanecer no Sistema de Saúde Iamspe como contribuinte descontando 1% (um por cento) do total dos seus vencimentos. Cancelamento de Inscrição Aposentados: no caso de aposentadoria, o Contribuinte terá o direito de solicitar, a qualquer momento, o cancelamento da sua inscrição no Iamspe. Agregados: apenas o Contribuinte poderá solicitar, a qualquer momento, o cancelamento da inscrição de seus Agregados, o que acarretará na perda do direito do Agregado de forma irreversível. Viúva: é direito da viúva requerer, a qualquer momento, o cancelamento da sua inscrição no Iamspe. Formulário: Formulário: TERMO DE INSCRIÇÃO DE AGREGADO DO IAMSPE.doc TERMO DE CANCELAMENTO DE AGREGADO DO IAMSPE.doc LICENÇA MATERNIDADE É a licença concedida à servidora autárquica docente ou não-docente, a partir do 8º mês de gestação, na base de 180 dias, não acarretando descontos de qualquer espécie, seja financeiro ou para efeito de contagem de tempo. Deve ser apresentado no SVPES, atestado médico para expedição de GPM (Guia de Perícia Médica) e posterior perícia médica no Centro Municipal de Especialidades, se a licença ocorrer após o parto, deverá ser apresentada, no prazo máximo de 15 dias, a Certidão de Nascimento. No caso de natimorto será concedida a licença para tratamento de saúde, a critério médico. Para as funcionárias celetistas, a licença gestante é de 180 dias. Deve ser apresentado no SVPES, atestado médico ou certidão de nascimento da criança. No caso de adoção ou guarda judicial a licença será de: Para criança até 1 (um) ano de idade, 180 (cento e oitenta) dias. Para criança a partir de 1 (um) ano até 4 (quatro) anos de idade, de 90 (noventa) dias.

18 Para criança a partir de 4 (quatro) anos até 8 (oito) anos de idade, de 45 (quarenta e cinco) dias. A licença só será concedida mediante apresentação do termo judicial de guarda à adotante ou guardiã. Em caso de aborto não criminoso, a licença poderá ser de até 02 semanas. Constituição Federal, artº 7º, inciso XVIII; Decreto /88 -Artº 49 a 56; ESU - Artº 117; Resolução SENA 12/84; Lei Complementar 367/84, alterada pela LC 1054/08; Portaria GR-4.012, de 12/8/2008; Portaria GR-4.794, de 28/7/2010. LICENÇA MÉDICA (CELETISTAS) É concedida mediante a apresentação, ao superior imediato, de requerimento de solicitação de registro de licença médica e do atestado médico no 1º dia de seu retorno ao serviço, onde conste o número de dias necessários, o CRM do médico e o CID (Código Internacional de Doenças). No caso de atestado fornecido pelo HU, UBAS-Sisusp, Serviço Odontológico-Sisusp, UNIMED, INSS, IAMSPE e Instituições conveniadas com o Ministério da Saúde, a licença médica é concedida mediante a apresentação, ao superior imediato, do requerimento de solicitaçãos de registro de licença médica, onde conste o número de dias necessários, o CRM do médico e o CID (Cóigo Internacional de Doenças). O funcionário deverá apresentar esta documentação no 1º dia de seu retorno ao serviço, colher o ciente do superior imediato no requerimento e encaminhalo imediatamente ao Serviço de Pessoal que providenciará o respectivo lançamento no sistema Marte. Quando o atestado médico/odontológico for emitido por profissional de escolha do funcionário, este deverá no primeiro dia útil seguinte ao atendimento médico ou odontológico, em horários pré-estabelecidos, dirigir-se diretamente ao SESMT/São Carlos ou ao UBAS/Serviço Odontológico, munido do atestado médico/odontológico, para que possa ser avaliado de imediato ou até no prazo máximo de 48 horas. Se o afastamento for superior a 3 dias, deverá constar relatório médico/odontológico. De posse do novo atestado revalidado pelo SESMT ou pelo UBAS/Serviço Odontológico, deverá preencger o requerimento de solicitaçãos, apresentá-lo ao chefe imediato, colher o recebimento e encaminhar ao Serviço de Pessoal imediatamente. A USP paga integralmente os salários, nos primeiros 15 dias de licença; a partir do 16º dia, o pagamento será efetuado pelo INSS, mediante requerimento apresentado pelo servidor. Quando o funcionário der entrada no requerimento após o 30º dia da incapacidade, o pagamento será efetuado pelo INSS, a partir daquela data de entrada. Após os primeiros 15 dias de licença, o servidor somente poderá retornar ao trabalho mediante a apresentação de alta médica, fornecida pelo INSS. O valor do auxílio doença previdenciário, a partir do 16º dia, a ser pago pelo INSS, corresponderá a 91% do salário de benefício. O salário de benefício dos trabalhadores inscritos até 28/11/99 corresponderá à média dos 80% maiores salários de contribuição, corrigidos monetariamente, desde julho/94; para os inscritos a partir de 29/11/99, o salário de benefício será a média dos 80% maiores salários de contribuição de todo o período contributivo. Será considerada prorrogação da licença, se num prazo de 60 dias, contados da data da cessação da licença anterior, o funcionário se afastar em razão da mesma doença (mesmo grupo de CID) ou do mesmo acidente. Lei 8.213, de 24/7/91; Portaria GR-3741, de 29/3/2007 Ofício DRH/CIRC-39/96 Instrução Normativa INSS/PRES 20, de 11/10/2007 Ofício Circular SAU Nº 67, DE 17/10/2012 LICENÇA PARA TRATAMENTO DE PESSOA DA FAMÍLIA É um tipo de licença concedida apenas ao servidor autárquico (docente e não-docente). Poderá ser requerida quando o servidor necessitar acompanhar doente da família durante o tratamento de saúde, nos casos de cônjuge, pai, filho, irmão menor ou incapaz ou irmã solteira ou viúva, desde que conste seu nome do assentamento individual do servidor, viva às suas expensas e sob o mesmo teto. Deverá ser solicitado pelo Médico do paciente, mediante atestado, que deverá ser entregue no Serviço de Pessoal, no prazo máximo de 5 dias úteis a partir do afastamento, para expedição de GPM-Guia de Perícia Médica e perícia do paciente, no Centro Municipal de Especialidades. Esta licença é concedida sem prejuízo de salário até o limite de 30 dias; do 31º ao 60º dia acarretará desconto de 1/3 do

19 salário; do 61º ao 90º de 2/3 e do 91º em diante será com prejuízo de salários, transformando-se em licença para tratar de interesses particulares. É considerada para soma das 30 faltas quando do requerimento da licença prêmio e do limite das 10 faltas para as férias, além de ser descontada para fins de contagem de tempo, adicional e sexta parte. ESU - arts. 108 e 118 Lei /68 art. 199 LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE SERVIDORES AUTÁRQUICOS (DOCENTES E NÃO-DOCENTES) É a licença concedida ao servidor autárquico docente ou não-docente, em virtude de problemas com a própria saúde, mediante a apresentação, no prazo de 5 dias úteis a partir do afastamento, de atestado médico em modelo próprio, onde conste o número de dias necessários e o CID (Código Internacional de Doenças), através do qual o Serviço de Pessoal emitirá a GPM - Guia para Perícia Médica, a ser entregue no Centro Municipal de Especialidades para agendamento da perícia médica. Caso o servidor esteja internado, o atestado médico deverá ser entregue por pessoa da família para que ocorra o mesmo procedimento. O parecer do DPME - Departamento de Perícias Médicas do Estado, concedendo ou não, será publicado no Diário Oficial. A emissão da GPM é necessária somente para licenças de 02 ou mais dias. Para licenças de 01 dia deverá ser apresentado o atestado junto com o Boletim de Frequência. Decreto nº , de 11/11/88; ESU, art. 108 e 113; Portaria GR-2997/96; Lei Complementar nr 1.196, de 27/02/2013. LICENÇA PARA TRATAR DE INTERESSES PARTICULARES Afastamento previsto aos servidores autárquicos (docentes e não-docentes), que após 2 anos de exercício na USP, poderá obter, sem salário e pelo prazo máximo de 30 meses. Poderá ser negada a licença quando esta for inconveniente ao interesse do serviço. Durante o período da licença, o servidor poderá optar pela manutenção da vinculação com o Regime Próprio de Previdência Social-RPPS devendo, neste caso, recolher mensalmente à SPPREV, 33% (22% do empregador e 11% do empregado) do salário bruto que perceberia, se estivesse em atividade. ESU, art. 124 a 129. LICENÇA PATERNIDADE Licença concedida a todos os servidores, na forma de 5 dias consecutivos a partir do nascimento de filho(a), mediante a apresentação de cópia da certidão de nascimento. Constituição Federal, art. 7º, inciso XIX; Lei Complementar 1054/08. LICENÇA POR ACIDENTE DE TRABALHO É a licença concedida ao servidor celetista, autárquico docente ou não-docente, que sofre acidente no exercício de suas atividades normais de trabalho e também no trajeto da residência ao trabalho e vice-versa. No caso de servidor autárquico docente ou não-docente, o procedimento será o mesmo de um pedido normal de licença saúde e o salário continuará sendo pago pela USP. Para o celetista é imprescindível que a chefia responsável entre em contato com o Presidente da CIPA ou com o Serviço de Pessoal, informando o acidente e as circunstâncias em que o fato ocorreu, relacionando testemunhas. O Serviço de Pessoal expedirá o CAT - Comunicado de Acidentes de Trabalho, o qual deverá ser entregue no Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, responsável pelo atendimento nos casos de acidente de

20 trabalho do celetista, dentro do prazo máximo e improrrogável de 24 horas ou no hospital onde o servidor tenha sido atendido, em caso de urgência. Caso o servidor tenha sido primeiramente atendido no Serviço de Saúde do Campus, deverá assim mesmo ser encaminhado ao Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos. É absolutamente necessário que o SESMT do Campus, um membro (de preferência o Presidente) da CIPA da Unidade e o Serviço de Pessoal sejam informados, para que o CAT seja preenchido e devidamente encaminhado. Os primeiros 15 dias de licença por acidente serão pagos pela USP, depois, o INSS é responsável pelo pagamento. Enquanto recebe Auxílio Doença por acidente no trabalho ou doença ocupacional, o trabalhador é considerado licenciado e terá estabilidade por 12 meses após o retorno às atividades. O salário de benefício dos funcionários inscritos até 28/11/1999 corresponderá à média dos 80% maiores salários de contribuição, corrigidos monetariamente, desde julho/94. Para os inscritos a partir de 29/11/1999, o salário de benefício será a média dos 80% maiores salários de contribuição de todo o período contributivo. A não comunicação do acidente de trabalho aos órgãos do Campus e consequentemente ao INSS, através do Pronto Socorro da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos, acarretam prejuízos tanto ao servidor quanto à Unidade; o servidor será prejudicado na contagem de tempo, benefícios do INSS e salários e a Unidade estará sujeita a multas. Autárquicos: Decreto , de 11/11/98; Celetistas: Lei 8.213, de 24/7/91. LICENÇA PRÊMIO É um prêmio concedido aos servidores (autárquicos docente e não docentes), na forma de 90 dias de licença para gozo, que durante um período aquisitivo (5 anos) não apresentem mais de 30 faltas, entre abonadas, justificadas, licença para tratamento de saúde, licenças para tratamento de pessoa da família e afastamento com prejuízo de vencimentos. A falta injustificada bem como as penalidades disciplinares de repreensão e suspensão interrompe o período aquisitivo, iniciando-se a contagem de novo período aquisitivo a contar do dia subsequente à ocorrência destes eventos. Para os servidores contratados após 01/08/78, o período aquisitivo inicia-se em 05/10/88, data da promulgação da Constituição Federal. Para os demais casos, considerando-se que cada servidor apresenta uma situação funcional diferente, os períodos aquisitivos de cada um são informados pelo Serviço de Pessoal. O período aquisitivo de licença prêmio para o servidor que apresentar mais de 30 faltas (desde que nenhuma injustificada ou suspensão) não estará totalmente perdido. Será efetuada uma recontagem, descontando-se as faltas que ultrapassem este limite no início do período, de modo a obter-se um período de 5 anos com, no máximo, 30 faltas. Os períodos para gozo da licença prêmio não poderão ser inferiores a 15 dias. Arts.209 a 214 da Lei , de 28/10/86; Leis Complementares 644/89 e 209/79; Despacho Normativo do Governador de 27/02/87; Lei Complementar 857/99, de 20/5/99; Lei Complementar 1048/2008, de 10/6/08. Formulário: REQUERIMENTO PARA FRUIÇÃO DE LICENÇA PRÊMIO.doc NOJO É licença concedida ao servidor em razão de falecimento de pessoa da família. Para o servidor autárquico docente e não-docente são 8 dias consecutivos, a partir da ocorrência. Para o celetista considera-se o dia do falecimento mais 02 dias úteis consecutivos, a partir da ocorrência. Aplica-se nos casos de falecimento de pai, mãe, cônjuge, filho ou irmão. O autárquico também faz jus a 2 dias em caso de falecimento de sogro, sogra, padrasto, madrasta, avós e netos. O servidor deve anexar cópia do Atestado de Óbito ao Boletim de Frequência. ESU, art. 53, Inciso III (autárquicos); Lei , de 28/10/68, art.78, Incisos III e IV; CLT, art. 473, Inciso I (celetistas); Lei Complementar 318/83; Ofício DA 2 O.C./43 85 de 08/07/85. PAGAMENTO DE DIÁRIAS

MANUAL DE LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

MANUAL DE LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Física de São Carlos MANUAL DE LEGISLAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS Caro Servidor (a). Este manual foi elaborado pelo Serviço de Pessoal e conta com o apoio da Diretoria

Leia mais

ÍNDICE 1. Abono de Permanência 2. Adicional de Insalubridade 3. Adicional Noturno 4. Adicional de Periculosidade 5. Adicional Qüinqüenal por Tempo de

ÍNDICE 1. Abono de Permanência 2. Adicional de Insalubridade 3. Adicional Noturno 4. Adicional de Periculosidade 5. Adicional Qüinqüenal por Tempo de Funcionários O ingresso de pessoal celetista na Universidade de São Paulo ocorre por meio de aprovação em concurso público, cujo edital é publicado em Diário Oficial do Estado, para funções da Carreira

Leia mais

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41)

Da contratação e estabilidade: Estabilidade Após 3 anos de efetivo exercício. (CF 1988, Art. 41) SERVIÇO DE PESSOAL Lista dos benefícios / direitos / deveres dos servidores Legislação trabalhista: ESU http://www.usp.br/drh/novo/esu/esuorig1.html CLT http://www.planalto.gov.br/ccivil/decreto-lei/del5452.htm

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENTREGA DE BOLETINS DE FREQUÊNCIA E DOCUMENTOS CORRELATOS NO SERVIÇO DE PESSOAL DA COORDENADORIA DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO - USP

PROCEDIMENTOS PARA ENTREGA DE BOLETINS DE FREQUÊNCIA E DOCUMENTOS CORRELATOS NO SERVIÇO DE PESSOAL DA COORDENADORIA DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO - USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DO CAMPUS DE RIBEIRÃO PRETO DIVISÃO ADMINISTRATIVA SERVIÇO DE PESSOAL PROCEDIMENTOS PARA ENTREGA DE BOLETINS DE FREQUÊNCIA E DOCUMENTOS CORRELATOS NO SERVIÇO DE

Leia mais

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO - Férias regulamentares clique aqui - Pagamento proporcional de férias clique aqui - Fixação de sede de controle

Leia mais

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior.

É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular de órgão executivo de direção superior. 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para concessão de licenças. 2. CONCEITOS 2.1. Beneficiado É o empregado, o requisitado, o contratado para função de confiança da administração superior e o titular

Leia mais

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1- DEFINIÇÃO APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO 1.1 Passagem do servidor da atividade para a inatividade, com proventos calculados de acordo com a média aritmética das maiores remunerações,

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº 02/2011 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

PRAZOS PARA PROTOCOLO DE SOLICITAÇÕES E OCORRÊNCIAS NO SERVIÇO DE PESSOAL Válidos a partir de 05/10/2015

PRAZOS PARA PROTOCOLO DE SOLICITAÇÕES E OCORRÊNCIAS NO SERVIÇO DE PESSOAL Válidos a partir de 05/10/2015 Abono de permanência se aplica A partir do dia seguinte ao do cumprimento de TODOS os requisitos necessários para aposentadoria Acidente de Trabalho 24 horas 5 dias corridos Atestado Médico Adicional de

Leia mais

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS

PRINCIPAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1) Onde obtenho informações sobre aposentadoria? Resposta: No site da Secretaria Municipal de Administração (www.rio.rj.gov.br/sma), na parte destina a Serviços, há uma seção chamada Aposentadoria: Quanto

Leia mais

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013.

NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. NEGOCIAÇÃO COM COREN PARA ACORDO COLETIVO DE TRABALHO - PERÍODO DE 1º MAIO DE 2012 A 30 DE ABRIL DE 2013. GARANTIA DA DATA BASE Fica estabelecido primeiro de maio como data base da categoria REAJUSTE SALARIAL

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos.

ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. A ABANDONO DE CARGO Ausência intencional do servidor ao trabalho, por mais de 30 (trinta) dias consecutivos. Abandono de Cargo Lei nº 6.677, de 26.09.94 - Arts. 192, inciso II e 198. ABONO Quantia paga

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 128/2013/TCE-RO Dispõe sobre a concessão de folgas compensatórias e o gozo de Licença-Prêmio por Assiduidade dos servidores do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO Nº 42, DE 16 DE JUNHO DE 2009 (Alterada pelas Resoluções nºs 52, de 11 de maio de 2010 e 62, de 31 de agosto de 2010) Dispõe sobre a concessão de estágio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO Nº 194, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA

ETEC JUSCELINO KUBITSCHEK DE OLIVEIRA MANUAL DE INTEGRAÇÃO ENDEREÇO Escola Técnica Estadual Juscelino Kubitschek de Oliveira Rua Guarani, 735 - Bairro Conceição Cidade Diadema - SP CEP:09991-060 Telefone:4044-6431 Fax: 4056-1302 Site: EQUIPE

Leia mais

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri

Recursos Humanos. Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro. Férias - Finalidade. Férias - Direito. Patrícia Ramos Palmieri Recursos Humanos Patrícia Ramos Palmieri Cálculos de Folha de Pagamento - Férias e Décimo-Terceiro 1 Férias - Finalidade A finalidade básica da concessão das férias é o restabelecimento das forças físicas

Leia mais

Administração Central

Administração Central INSTRUÇÃO Nº 003/2014 URH Dispõe quanto aos procedimentos a serem adotados para a operacionalização da Bonificação por Resultados BR relativa ao ano de 2014, e dá outras providências. O Coordenador Técnico

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 S A N T U R Termo de Acordo Coletivo de Trabalho, que entre si celebram o SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE ASSESSORAMENTO, PERÍCIA, PESQUISA E INFORMAÇÕES

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO

ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO ORIENTAÇÕES SOBRE OCORRÊNCIAS NO SISTEMA GRIFO AS OCORRÊNCIAS PODEM SER INCLUÍDAS PELO MENU FREQUÊNCIA (NO ATALHO DISPONÍVEL NO FINAL NA LINHA DO DIA) OU APENAS PELO MENU OCORRÊNCIA TIPOS DE OCORRÊNCIAS

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009;

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009; REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece orientações sobre a LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE E RESSARCIMENTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR dos servidores do Instituto Federal

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09)

A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09) A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09) Texto compilado até o Ato (N) nº 769/2013 PGJ, de 08/04/2013 Estabelece

Leia mais

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União

Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Tabela de Prazos da Lei 8112/90 - Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União Dispositivo Prazo Referência Art. 12 Art. 13 1º Até 2 anos Validade do concurso público - podendo ser prorrogado

Leia mais

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011.

DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. DECRETO Nº 3130, DE 22 DE JULHO DE 2011. Regulamenta o art. 54 da Lei Complementar nº 392, de 17/12/2008, Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Públicos do Município de Uberaba e dá outras providências.

Leia mais

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando:

Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: ORDEM DE SERVIÇO N o 062/2014 Em 21 de agosto de 2014, a Reitora da Universidade Federal de São João del- Rei UFSJ, usando de suas atribuições, e considerando: - a Lei n o 8.112 de 11 de dezembro de 1990,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 530, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre a criação de estágio para estudantes de pós-graduação, denominado PGE Residência, no âmbito da Procuradoria-Geral do

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E POLIÍTICA RURAL - DAR CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DO ESTADO DE SANTA CATARINA S.A - CEASA/SC ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2004/2005

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

Manual do Servidor. São Paulo

Manual do Servidor. São Paulo Manual do Servidor São Paulo Junho/2013 Diretor Prof. Dr. Renato de Figueiredo Jardim Vice-Diretor Prof. Dr. Fernando Silveira Navarra Chefe do Departamento de Física Aplicada Prof. Dr. Manfredo Harri

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014.

REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. REGULAMENTO/DIGEP Nº 002, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe acerca das regras e procedimentos para a concessão, indenização, parcelamento e pagamento da remuneração de férias dos servidores do Instituto

Leia mais

1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010

1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010 1ª EDIÇÃO CAMPOS DOS GOYTACAZES DEZEMBRO/2010 Índice Como tramita o processo...6 e 7 Abono Pecuniário... 8 Abono de Permanência... 8 Aposentadoria... 9 Auxílio Funeral...10 Auxílio Natalidade...11 Averbação

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS GABINETE DO PREFEITO PUBLICADO EM PLACAR Em 16_/_04_/_07 MARIA NEIDE FREIRE DA SILVA PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 52, DE 16 DE ABRIL DE 2007. Regulamenta o art. 39 da Lei Complementar nº 008, de 16 de novembro

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

BENEFICIOS CONCEDIDOS PELA CODEVASF. Junho / 2010

BENEFICIOS CONCEDIDOS PELA CODEVASF. Junho / 2010 Ministério da Integração Nacional - M I Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba - CODEVASF Área de Gestão Administrativa e Suporte Logístico - AA Gerência de Gestão de Pessoas

Leia mais

Mudança de Regime Agosto /2013

Mudança de Regime Agosto /2013 Mudança de Regime Agosto /2013 Deliberação CONSU A-11/2013 CONSELHO UNIVERSITÁRIO Deliberação CONSU-A-11, de 6-8-2013 Introduz artigo às Disposições Transitórias do Estatuto dos Servidores da UNICAMP ESUNICAMP

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009

RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 RESOLUÇÃO CFP Nº 009/2009 Dispõe sobre o reajuste, direitos e deveres dos empregados do Conselho Federal de Psicologia. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais, estatutárias

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ARAGUAIA Av. Carlos Hugueney, 552 - Centro - CEP.: 78.780-000 Tel/Fax.: (065) 481 1139-481 1431 LEI N.º 761/93 Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público municipal de Alto Araguaia. O Prefeito Municipal de Alto Araguaia, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, faço saber que

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo XI Subsistema Folha de Pagamentos

ÍNDICE. Capítulo XI Subsistema Folha de Pagamentos ÍNDICE Capítulo XI Subsistema Folha de Pagamentos COMO INCLUIR PENSÃO ALIMENTÍCIA...2 COMO CONSULTAR PENSÃO ALIMENTÍCIA...4 COMO INCLUIR PENSÃO ALIMENTÍCIA INFORMADA...4 COMO CONSULTAR PENSÃO ALIMENTÍCIA

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL RESOLUÇÃO Nº- CF-RES-2012/00221, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Conselho e da Justiça Federal de primeiro

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n. 122, p. 1-2 em 24/6/2015. RESOLUÇÃO Nº 555, DE 19 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL,

Leia mais

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte

Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Pública Municipal de Belo Horizonte PAUTA DE REIVINDICAÇÕES PROPOSTA DE ACORDO COLETIVO DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO CONTRATADOS PELOS CAIXAS ESCOLARES 2014/2015 A presente Pauta de Reivindicações, elaborada pela categoria profissional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. INTRODUÇÃO O direito previdenciário é o ramo do Direito que disciplina a estrutura das organizações, o custeio, os benefícios e os beneficiários do sistema previdenciário. A

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: O equipamento é regulado para bater ponto só às 7 ou às 8 horas, nos horários tradicionais? Não, você pode bater o ponto em qualquer horário tendo como norte os horários institucionais.

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL DAP/GEPE/UFF AGOSTO de 2014 Direção: Marlette Rose Galvão Alves Organograma elaborado com base na Portaria nº 45.242,de 21/07/2011-BS nº 117/2011 Departamento de

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense - Reitoria AUXÍLIO-TRANSPORTE Eu,, [nome completo do servidor (a)] 1) DECLARO PARA FINS DE PERCEPÇÃO DE AUXÍLIO-TRANSPORTE, e sob as penas da lei que: Ocupo o cargo de: Matrícula SIAPE n : Local de exercício das

Leia mais

Coordenação de Cadastro/DP

Coordenação de Cadastro/DP CONHECENDO A UFRRJ: um olhar mais próximo da estrutura física, organizacional, funcional e cultural da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenação de Cadastro/DP SEÇÃO DE CADASTRO Controle

Leia mais

SALÁRIO-MATERNIDADE. Atualizado em 03.08.2015 Pág. 1

SALÁRIO-MATERNIDADE. Atualizado em 03.08.2015 Pág. 1 SALÁRIO-MATERNIDADE Conceito O salário maternidade é um direito constitucional destinado à gestante agente pública vinculada compulsoriamente ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), pelo período

Leia mais

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público:

SERVIDOR PÚBLICO. Pode-se dizer que são três as categorias de servidor público: SERVIDOR PÚBLICO São servidores públicos, em sentido amplo, as pessoas físicas que têm vínculo de trabalho com a Administração Municipal, seja direta ou indireta, mediante remuneração paga pelos cofres

Leia mais

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda.

A Constituição Federal88 determina em seu art. 201 a garantia do benefício de salário-família aos trabalhadores de baixa renda. SALÁRIO-FAMÍLIA - Considerações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 07/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Salário-Família 3 - Beneficiários 3.1 - Filho - Equiparação 3.2 - Verificação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008

RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 RESOLUÇÃO Nº 372, DE 31 DE JULHO DE 2008 Dispõe sobre as férias dos servidores do Supremo Tribunal Federal. O PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o art. 363,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 Data-base - Maio/2008 BR 101 Km 205 Barreiros São José SC 1 Pelo presente instrumento, de um lado a Centrais de Abastecimento do Estado de Santa Catarina S.A - CEASA/SC,

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO ATO Nº 20/2005 (Revogado pelo Ato nº 56/2012) Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS

INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Digite o título aqui INFORMATIVO 14/2015 LEI COMPLEMENTAR REGULAMENTA DIREITO DOS EMPREGADOS DOMÉSTICOS Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de 2015 -

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

DEPARTAMENTO PESSOAL

DEPARTAMENTO PESSOAL DEPARTAMENTO PESSOAL DÚVIDAS MAIS FREQUENTES 1 1. Documentos necessários para admissão Para o processo de admissão, o novo funcionário deverá apresentar a relação de documentos abaixo: *Carteira de Trabalho

Leia mais

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01, DE 07 DE MARÇO DE 2014 Institui a Política de Remoção dos servidores detentores de cargo efetivo no âmbito do Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 01/09/2014

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 01/09/2014 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 01/09/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33/2014 Dispõe sobre a jornada de trabalho e o registro

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUPERINTENDÊNCIA CENTRAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INSTRUÇÃO NORMATIVA /SEPLAG/SCAP/Nº. 01/2012 Dispõe sobre o exercício de funções temporárias nos órgãos e entidades das Administrações Direta e Indireta

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal FÉRIAS Cód.: FER Nº: 55 Versão: 10 Data: 05/12/2014 DEFINIÇÃO Período de descanso remunerado com duração prevista em lei. REQUISITOS BÁSICOS 1. Servidor efetivo: - Possuir 12 (doze) meses de efetivo exercício

Leia mais

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP

1 Dados do Servidor MATRÍCULA SIAPE CPF DATA DE NASCIMENTO TELEFONE RESIDÊNCIAL TELEFONE DO TRABALHO CIDADE ESTADO CEP MINISTÉRIO DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE ÓRGÃOS EXTINTOS SAN Quadra 03 Lote A Ed. Núcleo dos Transportes Sala nº 2237 CEP: 70.040-902 BRASÍLIA DF ESPAÇO RESERVADO

Leia mais

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO CONTROLE DE FREQUÊNCIA

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO CONTROLE DE FREQUÊNCIA MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO CONTROLE DE FREQUÊNCIA 2007 1 ÍNDICE Gerenciamento de Freqüência...3 Introdução...3 Normas...3 1. Registro do Ponto...3 1.1 Horário de Intervalo (Obrigatório) (Artigo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013

LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 LEI COMPLEMENTAR Nº 611, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013 Procedência: Governamental Natureza: PLC/0046.0/2013 DO: 19.729, de 31/12/2013 Fonte: ALESC/Coord. Documentação Fixa o subsídio mensal dos integrantes

Leia mais

DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 DECRETO Nº 15.299, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Regulamenta a concessão de licença para capacitação e do afastamento para estudo ou missão no exterior, o afastamento de servidores para participação em curso

Leia mais

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990

Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 Integração Regime Jurídico Único Lei nº. 8.112/1990 André Luís dos Santos Lana O que é Regime Jurídico? O regime jurídico é a lei com base na qual são definidos os direitos, deveres garantias, vantagens,

Leia mais

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS

TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS TIPOS E REGRAS DE APOSENTADORIAS O SINTFUB entende que o servidor que está para aposentar tem de ter esclarecimento sobre os tipos e regras para aposentadorias hoje vigentes antes de requerer esse direito.

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012

Licença e afastamento SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO. Licenças não remuneradas: Licenças: 12/11/2012 Licença e afastamento Hipóteses em que o servidor não presta serviço, sem perder o cargo. Há 7 hipóteses de licença e 4 hipóteses de afastamento. SERVIDOR PÚBLICO V LICENÇA E AFASTAMENTO Paula Freire Licenças:

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA REGULAMENTO DO PLANO DE PECÚLIO FACULTATIVO PPF CNPB 1990.0011-65 FUNDAÇÃO GEAPPREVIDÊNCIA Aprovado pela Superintendência Nacional de Previdência Complementar PREVIC, por meio da Portaria Nº 509, de 27

Leia mais

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA

DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS 1. APOSENTADORIA 1.1 Aposentadoria por invalidez Destina-se aos professores cuja incapacidade ao trabalho é confirmada pelo setor de perícias médicas do INSS. Uma vez concedida

Leia mais

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

SENAC/DF - SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL CAMPANHA SALARIAL - 2014/2015 ELENCO DE REIVINDICAÇÃO DOS TRABALHADORES DO SENAC-SERVICO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COM COMERCIAL-ADMINISTRACAO REGIONAL DO DF O SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ENTIDADES DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002033/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024877/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008504/2015 78 DATA DO

Leia mais

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional

Férias Coletivas: AULA 7: terço constitucional AULA 7: Férias Coletivas: ART. 7º, XVII, CRFB gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, ⅓ a + do que o salário normal. FÉRIAS = SALÁRIO + ⅓ terço constitucional férias coletivas art. 139 a 141

Leia mais

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA

SINDICATO DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DE ALIMENTAÇÃO E AFINS DO ESTADO DA BAHIA PAUTA DE REIVINDICAÇÕES 2014-2015 DOS EMPREGADOS DA EMPRESA ADINOR INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE ADITIVOS LTDA. 1ª Cláusula - REAJUSTE SALARIAL A Empresa reajustará o salário de seus empregados em 100% (cem

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal RESIDÊNCIA MÉDICA

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal RESIDÊNCIA MÉDICA RESIDÊNCIA MÉDICA Cód.: MRD Nº: 1 Versão: 1 Data:19/11/2014 DEFINIÇÃO A Residência Médica é uma modalidade do ensino de pós-graduação destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização, caracterizada

Leia mais

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador

Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador Dúvidas frequentes Direitos e deveres do trabalhador A Personale Consultoria em Recursos Humanos compilou as principais dúvidas referentes aos direitos e deveres dos trabalhadores no Brasil, baseado no

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR

DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR DIREITOS E DEVERES:TRABALHADOR E EMPREGADOR Por intermédio destas informações, o SITRIVESCH tem por finalidade informar o trabalhador de seus direitos/deveres. Importante destacar que o não cumprimento

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO

Universidade Federal de Minas Gerais Pró-Reitoria de Recursos Humanos Departamento de Administração de Pessoal AJUDA DE CUSTO AJUDA DE CUSTO Cód.: ADC Nº: 19 Versão: 6 Data: 22/09/2014 DEFINIÇÃO Indenização concedida ao servidor público, que, no interesse da Administração, passar a ter exercício em nova sede, com mudança de domicílio,

Leia mais

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná

P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná P refeitu ra d o M u n icíp io d e L o n d rin a E stad o d o P araná DECRETO N 526 DE 30 DE MAIO DE 2011 SÚMULA: Dispõe sobre a concessão de licença para tratamento de saúde do servidor e para o acompanhamento

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002 Rev./ VALEC INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev. / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1-1 1 1 1 0 0 0 16 2 17 3 18 4 19 5 20 6 21 7 22 8 23 9 24 10 25 11 26 12 27 13 28 14 29

Leia mais