AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM ESTÁGIO PROBATÓRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TEREZINHA - PB RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM ESTÁGIO PROBATÓRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TEREZINHA - PB RESUMO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA MUNICIPAL MODALIDADE A DISTÂNCIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO EM ESTÁGIO PROBATÓRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA TEREZINHA - PB Edilson Sousa dos Santos Pós-graduando lato sensu em Gestão Pública Municipal - UFPB Tatiana Aguiar Porfírio de Lima Professora Convidada pela UFPB Virtual do Curso de Especialização em Gestão Pública Municipal RESUMO A avaliação de desempenho é uma ferramenta gerencial, sistemática e contínua que visa melhorar o desempenho dos indivíduos e a eficiência da organização. Este estudo caracterizase como exploratório-descritivo, quantitativo e qualitativo a partir da técnica de estudo de caso, o presente trabalho tem como objetivo propor um modelo de avaliação de desempenho em estágio probatório para os servidores da Prefeitura Municipal de Santa Terezinha/PB, utilizando o benchmarking das avaliações de estágio probatório dispostas nos sites das Prefeituras Municipais de Florianópolis/SC, São Luiz/MA e São Paulo/SP, descrevendo e comparando-as. Nos resultados verificou-se que o método mais usado é a escala gráfica, com participação do chefe e da comissão no processo avaliativo. Com base nos fatores utilizados e na legislação municipal pertinente elaborou-se a proposta de avaliação de desempenho em estágio probatório para os servidores da Prefeitura Municipal de Santa Terezinha/PB. Por fim, foram apresentadas algumas recomendações e sugestões, objetivando contribuir para a melhoria do desempenho e processo de avaliação dos servidores do Município Santa Terezinha/PB. Palavras-chave: Avaliação de Desempenho. Estágio Probatório. Benchmarking. 1 - INTRODUÇÃO Nestes novos tempos, com as transformações do mundo do trabalho, da globalização e da alta competitividade, o ambiente de trabalho passa por grandes transformações, tanto na esfera privada quanto na pública. E neste contexto, o ponto crucial é a valorização do indivíduo na organização, como instrumento fundamental para a eficiência na execução de suas atividades.

2 2 Verifica-se a mudança no padrão de comportamento profissional e no ambiente de trabalho, é exigida mais eficiência, eficácia, produtividade, disciplina, empreendedorismo, capacidade de inovação, competência, capacidade de iniciativa, ousadia, conhecimento especializado, responsabilidade, clima e a cultura organizacional propícios para desenvolver melhor as funções laborais, tornando-se uma questão de sobrevivência pessoal e organizacional. Este cenário contemporâneo não é restrito às empresas globais, ou as grandes organizações nacionais, mas também às organizações públicas, pois nas últimas décadas a administração pública está redefinindo seu modelo de gestão patrimonialista, burocrático, sem planejamento, tecnicista por um modelo gerencial (BRESSAR-PEREIRA, 1995; SANTOS, 2009). O modelo gerencial, na administração pública brasileira, iniciou os primeiros passos na década de 1960 com o modelo chamado administração para o desenvolvimento, todavia foi com o projeto do Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso a partir do Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado Brasileiro PDRAE, que deu um salto para que o serviço público seja prestado com qualidade para a sociedade, tendo como objetivo análise e modificação dos recursos humanos de cada instituição dos entes federados (BRESSAR- PEREIRA, 1995; SANTOS, 2009). Tornando a gestão pública mais profissional, autônoma e organizada em carreira, com maior competição entre as unidades administrativas, maior controle dos resultados, indicadores de desempenho, entre outras atividades praticadas pelas organizações privadas. Assim, o Estado Brasileiro almeja mais agilidade, eficiência e praticidade, prestando serviços de qualidade a toda à sociedade, modelo esse que as unidades da federação, os Estado e Municípios brasileiros, também foram instigados a seguir. Muito embora a Constituição Federal de 1988 relata sobre a eficiência da administração pública e o ingresso de servidores públicos efetivos por meio de concurso público, com efetivação após cumprimento de um estágio probatório de três anos, com avaliações de desempenho periódicas, seguindo fatores estabelecidos no art. 20 da Lei 8112/1990, quais sejam: assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade (BRASIL, 1988, 1990). Todavia, os critérios para avaliação de desempenho quando regulamentados pelos municípios brasileiros são vistos por interesses políticos, nepóticos e fisiológicos (COUTINHO, 2009; BRESSAR-PEREIRA, 1995; REIS et al, 2010; SANTOS, 2009) e em

3 3 muitos casos excluem qualquer mensuração de desempenho, eficiência e produtividade, ou não são regulamentados em leis para a sua efetiva utilização. E apesar da Legislação Municipal de Santa Terezinha/PB, Leis Municipais nº 19/97, nº 315/07 e nº 316/07, estabeleceram como indicadores para o estágio probatório assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade, e responsabilidade, a interação dessa avaliação com a progressão dos servidores, nunca foi regulamentada por Decreto estabelecendo os procedimentos para tal avaliação, e não há registro formal de quaisquer tipos de avaliação de desempenho, formulários ou fichas na organização. Diante do exposto, justifica-se a importância do presente estudo de maneira teórica para ampliar a literatura acerca de avaliação de desempenho em municípios brasileiros, elaborando um modelo a partir da legislação pertinente e da análise dos métodos utilizados por outros municípios. Desta forma, essa pesquisa poderá contribuir de maneira prática ao elaborar um instrumento para avaliar formalmente o desempenho dos servidores municipais de Santa Terezinha/PB em estágio probatório e para progressão, subsidiando o estabelecimento dos critérios e a criação do Decreto previsto no 2º do art. 53 da Lei Complementar nº. 315/2007, que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos do Magistério Público Municipal. Além de possibilitar a reflexão de outras ações de gestão de pessoas pertinentes para a efetivação da avaliação de desempenho para os servidores públicos municipais de Santa Terezinha/PB. Ademais, há um interesse pessoal do pesquisador pelo tema proposto, tendo em vista que desenvolve atividades profissionais no setor de gestão de pessoas do município objeto de estudo, o que poderá favorecer para reflexão das atividades desempenhadas cotidianamente e aplicação dos conhecimentos adquiridos. 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 Avaliação de Desempenho Desde a antiguidade já se utiliza a avaliação como um mecanismo de controle, entretanto, com o advento do capitalismo e principalmente com as teorias da administração científica iniciou-se as primeiras preocupações com a temática, sobretudo pela possibilidade de mensurar os procedimentos e movimentos dos operários e assim aumentar a produção da

4 4 organização. E uns dos primeiros empresários a implantar um sistema de premiação pelo desempenho foi Henry Ford (RAMOS, 2011; REIS et al, 2010). Com a Revolução Industrial, período em que os movimentos pelo bem-estar motivaram as pessoas e instituições e com o surgimento da Escola das Relações Humanas, que considerava o aumento da produção atrelado à satisfação dos funcionários, despontaram as abordagens com foco em como mensurar e conhecer o potencial dos colaboradores. Entre essas novas abordagens nasce a neoclássica da administração tendo como objetivo o método de avaliação e controle sobre o desempenho da organização (MAIMIANO, 2000). Com a busca por melhorias, além do aparelhamento entre as instituições, surgem novos procedimentos, métodos formais de avaliação e a necessidade de estabelecer metas e prioridades entre a instituição e o indivíduo, bem como a obrigação do acompanhamento contínuo das ações, resultados, atitudes, conhecimento e habilidades dos colaboradores. A avaliação de desempenho precisa ser regulamentada e efetivada para acompanhar e melhorar as atividades desenvolvidas pelas pessoas nas organizações como um todo. 2.2 Conceito da Avaliação de Desempenho A avaliação de desempenho não é um conceito novo, vem desde o século IV, antes da fundação da Companhia de Jesus, na qual Santo Inácio de Loyola utilizava um sistema de relatórios e notas de cada jesuíta. No Brasil, na primeira Constituição, em 1824, no artigo 179, item IV relatava que todo o cidadão pode ser admitido aos Cargos Públicos Civis, Políticos, ou Militares, sem outra diferença, que não seja dos seus talentos e virtudes. Nos Estados Unidos, em 1842, o Congresso aprovou uma lei que obrigava os chefes dos departamentos a fazer um relatório anual e em 1945 o presidente James Holk ordenou que os relatórios fossem enviados diretamente para ele (COUTINHO, 2009; SANTOS, 2004). Em 1918 e principalmente após a Segunda Guerra Mundial já existiam sistemas formais regulares de avaliação de desempenho com desenvolvimento efetivo, a exemplo da empresa General Motors (SANTOS, 2004). Observa-se, portanto, que não é de hoje que as organizações privadas e públicas estão aplicando a avaliação de desempenho, mas o significado, os conceitos, os processos de análises e atuações podem ocorrer de forma estruturada ou informal.

5 5 A avaliação de desempenho é um procedimento sistemático e contínuo que permite mensurar o desempenho dos colaboradores e que busca descobrir, e assim corrigir os pontos negativos da organização (TOMIO; RAMOS, 2011). Para Robbins (2005), avaliação de desempenho serve para informar e tomar decisões a exemplo de: remunerações, recompensas, feedback de desempenho, treinamentos, promoções, planejamento de recursos humanos, retenção/demissão, transferências, identificar as habilidades e competências, pesquisa e pode ser usada como critério de validação de programas de seleção e desenvolvimento, podendo incluir prêmios ou comissões e gratificações específicas por mérito. Segundo Chiavenato (2004, p. 223), a avaliação de desempenho é uma apreciação sistemática do desempenho de cada pessoa, um processo dinâmico, que serve para julgar ou estimular o valor, a excelência e as qualidades das pessoas e sua contribuição para o negócio da organização. Assim, a avaliação de desempenho é um método contínuo para acompanhar o alcance dos objetivos acordados entre a gestão e os colaboradores, corrigindo os rumos e avaliando os resultados em períodos e áreas específicas (MARRAS, 2000; PONTES 1996; SANTOS, 2004; SANTOS; VIEIRA, 2011). Desta forma, uma avaliação de desempenho corretamente aplicada traz benefícios para todos os envolvidos tanto os colaboradores que terão mais conhecimentos sobre suas limitações, capacidades, pontos fortes e fracos quanto para a organização que conhecerá os melhores colaboradores, as metas alcançadas, os pontos propícios, a melhoria e os resultados ao final do período avaliativo (CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001; JULIANO, 2009; PONTES, 1996; TOMIO; RAMOS, 2011). 2.3 Os Métodos de Avaliação de Desempenho Existe uma série de métodos de avaliação de desempenho, exemplo de listas, relatórios escritos, incidentes críticos, escalas gráficas, métodos comparativos, com utilização de múltiplos avaliadores e tantos outros, cada um com suas vantagens e desvantagens (ROBBINS, 2005; CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001; JULIANO, 2009). É lógico que a organização deve adequar, combinar ou construir o tipo ou metodologia de avaliação de desempenho de acordo com sua realidade, características, critérios, objetivos e/ou indicadores de desempenho.

6 6 Entre os diversos métodos existentes para avaliar o desempenho nas organizações, destaca-se: escalas gráficas, método da escolha forçada, pesquisa de campo, método dos incidentes críticos, método de auto-avaliação, sistema de análise de resultados ou avaliação participativa por objetivos, avaliação de desempenho por competências, método comparativo, método de avaliação 360º graus e métodos mistos Escalas Gráficas Consiste num formulário de dupla entrada, onde as linhas representam os fatores (qualidade, cooperação, lealdade, honestidade, iniciativa, comportamentos e atitudes) e as colunas os graus (fraco ou insatisfatório até um desempenho ótimo ou excelente) de avaliação (CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001; ROBBINS, 2005). Segundo Gil (2001), Tomio e Ramos (2011), este é o método mais utilizado nas organizações brasileiras, permite uma avaliação por meio de características ou fatores previamente estabelecidos, simplicidade de obtenção dos dados e posterior tabulação. Esse método é de fácil entendimento, elaboração e aplicação, em que a comparação, a consolidação e tabulação dos dados é rápida e pode ser computadorizada. Todavia, não é um método flexível, pois se preocupa com a avaliação do desempenho passado, o avaliador desempenha um papel de juiz e os avaliados de réus. É totalmente vulnerável às propensões do avaliador e pode ter a generalização, não oferece esclarecimentos sobre a necessidade de treinamentos ou capacitações e dificuldade de dar o feedback. (CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001; TOMIO e RAMOS, 2011; ROBBINS, 2005) Método da Escolha Forçada (Forced Choice) O método da escolha forçada (forced choice) foi desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial para a escolha de oficiais a serem promovidos. Esse método tentava evitar o subjetivismo, protecionismo e influências, e assim obter resultados objetivos e eficácia. Consiste em avaliar o desempenho mediante as escolhas de frases positivas e negativas (GIL, 2001; LUCENA, 1992; SANTOS, 2004). E consiste em avaliar o desempenho das pessoas por meio de um conjunto de blocos - que pode ser feita de formas diversas, de frases descritivas que retratam comportamentos positivos e/ou negativos - esses critérios são cruciais para que a avaliação não seja subjetiva e comprometa o processo e que esteja de acordo com a realidade da organização. O avaliador deve marcar com o sinal positivo ou negativo as afirmações que estejam intimamente

7 7 relacionadas com o ocupante do cargo e no final do processo há a formação de um ranking (CHIAVENATO, 1999; GIL, 2001; RODRIGUES, 2009; SANTOS, 2004). Este método tem como vantagem a redução substancial da subjetividade e da incidência do efeito halo ou generalização, onde os resultados são confiáveis, de fácil aplicação e não exigem preparo sofisticado do avaliador. No entanto, a elaboração desse método é complexa, não proporciona maiores informações; as frases por serem de difícil elaboração, além de necessitarem de uma grande afinidade com os cargos avaliados, não permitem comparação, não devendo ser utilizado como instrumento único de diagnóstico do desempenho humano (CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001; SANTOS, 2004) Pesquisa de Campo Este método requer uma avaliação inicial que é desenvolvida com base em uma entrevista com um especialista em avaliação e/ou supervisor com os gerentes, no intuito de obter maior quantidade de informações dos colaboradores, tentando ser neutro e reduzir a subjetividade da avaliação, unido à observação in loco das condições de trabalho, e desta forma um levantamento das causas, origens de tal desempenho, e acompanhando os resultados (CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001; LUCENA, 1992; SANTOS, 2004). A pesquisa de campo envolve a responsabilidade de linha e de staff, permite planejamento de ações para o futuro, enfatiza o desempenho e o alcance dos resultados, e as informações acrescidas de comentários na coleta e facilita a realização do processo de avaliação (LUCENA, 1992; GIL 2001; RODRIGUES, 2009; SANTOS, 2004). Todavia, é muito complexo, com custo elevado, um processo lento e demorado, além de necessitar de supervisores capacitados para avaliarem ou a contratação de uma assessoria e o avaliado tem pouca participação (CHIAVENATO, 2004; GIL, 2001) Método dos Incidentes Críticos É um método simples e relativamente preciso que se preocupam com desempenhos extremos, resultados positivos ou negativos, utilizando-os como padrão para avaliar os pontos fortes e fracos de cada funcionário, o avaliador descreve os funcionários que foram eficazes ou ineficazes (ROBBINS, 2005; SANTOS, 2004). É de fácil elaboração e aplicação, que avalia os desempenhos excepcionais (bom e ruim), tentando corrigir e eliminar os piores desempenhos ruins e manter os desempenhos bons, apontando uma lista de comportamentos desejáveis e melhorias. Muito embora, não se

8 8 preocupe com aspectos normais de desempenho e restringe os aspectos a serem abordados (CHIAVENATO, 2004; SANTOS, 2004) Método de Autoavaliação Trata-se de uma avaliação realizada pelo colaborador, observando e analisando o próprio desempenho, baseado na concepção de que o trabalhador possui maturidade suficiente para posicionar-se adequadamente conforme a postura funcional (GIL, 2001; SANTOS, 2004). Possibilita ao colaborador comparar o próprio desempenho com os demais colegas, porém, exige alto nível de maturidade profissional do colaborador e da chefia imediata (CHIAVENATO, 1999; GIL 2001; SANTOS, 2004) Sistema de Análise de Resultados ou Avaliação Participativa por Objetivos (APPO) Neste método, os objetivos e metas a serem alcançados são estabelecidos em comum acordo entre a organização e os colaboradores no determinado período que se espera o cumprimento (SANTOS, 2004). Facilita o acompanhamento do desempenho individual, pois os objetivos e metas estabelecidos juntos auxiliam a gestão para identificar a carência de recursos e minimiza as propensões do avaliador, pois os conceitos são definidos de acordo com o cumprimento ou não dos objetivos estabelecidos e o feedback é contínuo. Embora, necessite de um controle mais detalhado, sistêmico e periódico, com reuniões frequentes para melhor acompanhar a realização das atividades (CHIAVENATO, 2004; SANTOS, 2004) Avaliação de Desempenho por Competências Trata-se de um instrumento que possui as competências essenciais para a organização e as ações pelas quais as pessoas serão avaliadas, tais conhecimentos, habilidades e atitudes podem ser extraídos de um benchmarking, da visão, missão e/ou valores de organizações do mesmo porte ou do que ela almeja ser no futuro (MARTINS, 2002; SANTOS, 2004). Essas competências devem demonstrar o que se espera das pessoas no intuito de atingir os objetivos organizacionais e pessoais, sendo a avaliação expressa por ações objetivas e atitudes que podem ser presenciadas, sentidas e vistas por toda a rede de avaliadores (subordinados, pares, clientes e superiores) e também pelo próprio avaliado, para propiciar um feedback e apontar as competências que necessitam ser desenvolvidas e/ou mantidas. Porém,

9 9 a elaboração e consolidação das competências são demoradas e necessita de grande participação e envolvimento dos membros da organização (MARTINS, 2002; SANTOS, 2004) Método Comparativo É o método em que os indivíduos são comparados entre si, grupo ou pares, é um instrumento de medida mais relativa que absoluta, pois solicita que o avaliador posicione o avaliado em uma determinada faixa para compará-lo e classificá-lo como o melhor ou pior. Proporciona uma classificação clara dos funcionários, um alto grau de feedback e aponta as competências que precisam ser desenvolvidas. Entretanto, o processo de formulação é complexo e demorado, caso o número de funcionários seja grande torna-se complicado o uso (ROBBINS, 2005) Método de Avaliação 360º Graus É um dos métodos mais utilizados recentemente, oferece um feedback de desempenho de todos que formam o círculo de contato diário com o funcionário, ou seja, supervisores, colegas, clientes internos e externos, fornecedores etc. Oferece uma visão de todos que o circula, ênfase nas equipes e inclusão de mais indivíduos no processo, busca o desenvolvimento das pessoas e relacionamento entre si com alto nível de feedback. Todavia, faz-se necessária uma maturidade profissional, pois pode ocorrer algum tipo de conspiração e assim um clima indesejável ou insatisfatório no ambiente organizacional, além de um número muito grande de formulários de acordo com a quantidade de pessoas envolvidas (ROBBINS, 2005) Métodos Mistos Na tentativa de adaptar os melhores métodos conforme as características e realidade de cada organização recorrem a uma mistura de métodos na composição do modelo de avaliação de desempenho reunindo vários instrumentos e fatores de avaliação. No entanto, a elaboração deste instrumento com vários métodos de formulários é complicada e lenta, além disso, a combinação tornar difícil a compreensão do preenchimento e da consolidação das informações (SANTOS, 2004).

10 Conceitos de Benchmarking Benchmarking é um processo sistemático e contínuo de comparação entre procedimentos, idéias, operações ou desempenho superior, que gera um novo procedimento mais eficaz e eficiente e assim conduzindo a um desempenho maior. (BOGAN, 1996; SPENDOLINI, 1993; ZAIRI, 1995; CAMP, 1998). O benchmarking pode ser aplicado em diversas áreas da organização, bens e serviços, processos de negócio e indicadores de desempenho (CHASE, 2001). Nesta pesquisa se realizou um benchmarking externo e não competitivo, para comparar os métodos e fatores usados nas avaliações de desempenho em estágio probatório em municípios brasileiros dispostas na internet, conforme detalhamento na metodologia a seguir explanada. Após analises das informações obtidas sobre os Métodos de Avaliação de Desempenho, destaca-se a Escala Gráfica pela sua facilidade para aplicabilidade, simplicidade, elaboração e uma possível comparação, e com este formato há uma facilidade para ser utilizado na Prefeitura Municipal de Santa Terezinha/PB. 3 - PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A metodologia aplicada para multiplicar o conhecimento de um trabalho científico é de importância para definir a qualidade dos métodos e técnicas aplicadas no desenvolvimento, no desempenho e na conclusão do conhecimento estudado. Segundo autores como Acevedo (2004), Cervo (2007), Gil (2009) e Lakatos e Marconi (1996), a ampliação de novos conhecimentos tem como objetivos: conhecer, explicar, desenvolver, criar e até combinar a teoria e a prática. Sem dúvidas, a descrição do método de uma pesquisa expõe o conjunto de regras, de procedimentos e de orientações com vista à confiabilidade dos resultados, respondendo concretamente o problema determinado. Para responder os questionamentos deste estudo utilizou os seguintes critérios: quanto aos objetivos, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, ao incorporar uma revisão de literatura sobre o tema. No tocante à forma de estudo, refere-se uma pesquisa exploratória, uma vez que se buscam mais registros e informações e assim uma maior compreensão relacionado ao tema

11 11 em estudo, e descritiva, pois se pretende analisar, observar, registrar, classificar e interpretar os fatos relacionados sem que o pesquisador lhes faça qualquer interferência; Em relação aos objetivos, considera-se uma pesquisa de campo, na qual o pesquisador coletou os dados investigados in loco. Os procedimentos metodológicos utilizados para este estudo levou em consideração as propostas por: Acevedo e Nohara (2004); Lakatos e Marconi (1996) e Santos (2009), tomando como base classificação supracitada. A presente pesquisa foi quantitativa e qualitativa, utilizando a análise documental e instrumentos de avaliação de desempenho em estágio probatório realizado pelos municípios e dispostos na internet de maneira aleatória, mas escolhidos por observação e leitura prévia, por meio da técnica de benchmarking e adaptando a legislação e a realidade do Município de Santa Terezinha/PB. Assim, selecionou-se dessa forma, três municípios, quais sejam: Florianópolis/SC, São Luiz/MA e São Paulo/SP, com descrição de cada avaliação, comparação dos métodos, critérios e avaliadores/avaliados. Com base no objetivo geral, elaborou-se o esquema geral de pesquisa a ser seguido, conforme Quadro 1. Quadro 1- Esquema Geral de Pesquisa Objetivo Específico Categorias de Variáveis Indicadores Averiguar a legislação municipal pertinente sobre avaliação de desempenho e de estágio probatório. Conhecer modelos de avaliação de desempenho de outros municípios no país. Elaborar um modelo de avaliação de desempenho em estágio probatório para os servidores públicos municipais de Santa Terezinha / PB. Fonte: elaboração própria, Verificar a legislação municipal da Prefeitura e Câmara de Santa Terezinha-PB. Conhecer as vantagens e desvantagens. Comparação dos modelos Descrição e escolha dos fatores através do Benchmarking Leis municipais; Decretos; Regulamentações. Legislação de PM Florianópolis; Legislação de PM São Paulo; Legislação de PM São Luis. Assiduidade; Disciplina; Capacidade de iniciativa; Produtividade; Responsabilidade; Capacitação. A partir do quadro esquemático referenciado, inicia-se a análise e discussão dos resultados da pesquisa e apresenta-se o modelo de avaliação de desempenho em estágio probatório para os servidores municipais de Santa Terezinha/PB.

12 ANÁLISE DE RESULTADOS Esta seção tem por finalidade apresentar os resultados desse estudo, analisando os documentos e realizando o benchmarking com os três municípios selecionados para elaborar um modelo da avaliação de desempenho em estágio probatório para o município de Santa Terezinha/PB. Além disso, procede-se à caracterização da organização pesquisada com base em pesquisa documental. 4.1 Caracterização do Ambiente de Estudo O município de Santa Terezinha PB, foi criado pela Lei 2.677, de 22 de dezembro de 1961, de autoria do deputado José Cavalcanti e tendo como fundador do município o Senhor Francisco Rufino de Lucena (Chico Rufino). Hoje o município tem uma área total de 358 km², população estimada em habitantes, o gentílico é santerezinhense e a padroeira Santa Terezinha. O município de Santa Terezinha está localizado no Sertão Paraibano, é de clima tropical e temperatura média de 28ºC, faz limite com os municípios de: Catingueira, Mãe dágua, Condado, São José do Bonfim, Patos e Malta, distante da capital 301 km. Com atividades econômicas baseadas na agropecuária, indústria de PVC (cano de irrigação), indústria coureira-calçadista e indústria têxtil (pano de prato). A principal fonte de empregos no município de Santa Terezinha é a Prefeitura Municipal com 286 servidores (efetivos, eletivos, contratados e comissionados), alocados em 07 (sete) secretarias municipais que são: Secretaria de Administração e Planejamento; Secretaria de Finanças; Secretaria de Assistência Social; Secretaria de Saúde; Secretaria de Meio Ambiente, Agricultura e Recursos Hídricos e Secretaria de Educação, Cultura, Esporte e Turismo. 4.2 Legislação Municipal Pertinente sobre Avaliação de Desempenho e de Estágio Probatório

13 13 O Município de Santa Terezinha PB possui legislação específica que contempla a temática da avaliação de estágio probatório e de desempenho. A Lei Municipal nº 19/97 trata do Estatuto dos Servidores do Município de Santa Terezinha/PB e dispõe no art. 20 os fatores para avaliação do estágio probatório, quais sejam: assiduidade; disciplina; capacidade de iniciativa; produtividade; e responsabilidade, estabelece também o período de vinte e quatro meses de estágio probatório, sendo necessária a homologação da avaliação de desempenho por autoridade competente, sem prejuízo de continuidade de apuração dos fatores a serem avaliados (SANTA TEREZINHA, 1997). Saliente-se que a não aprovação nesta avaliação ocasionará a exoneração do servidor ou se estável a recondução ao cargo anterior. Ademais a avaliação de desempenho, após o estágio probatório, interfere na progressão funcional, todavia os critérios deveriam ser descritos por Decreto no prazo de 90 dias após a aprovação do Plano de Cargo e Carreira do Magistério conforme art. 53, 2º. da Lei Complementar nº 315/2007 (SANTA TEREZINHA, 2007). Portanto, o Município de Santa Terezinha/PB não efetivou a avaliação de desempenho e de estágio probatório de acordo com a legislação vigente, apenas a realiza de forma tácita e não formal para não prejudicar ainda mais os servidores da Edilidade. 4.3 Modelos de Avaliação de Desempenho Para esta etapa foram escolhidos após pesquisa e leitura prévia na internet os três municípios participantes: Florianópolis/SC, São Luiz/MA e São Paulo/SP, descrevendo cada modelo de avaliação, comparando os métodos, critérios e avaliadores/avaliados conforme disposto a seguir para propiciar o benchmarking e a elaboração do modelo de avaliação de desempenho em estágio probatório para o Município de Santa Terezinha/PB. a) Prefeitura Municipal de Florianópolis SC A avaliação de desempenho para o estágio probatório na Prefeitura Municipal de Florianópolis SC obedece ao Decreto nº 4.937, de 19 de junho de Cria uma Comissão Permanente de Avaliação e Desempenho do Estágio Probatório e os membros são designados por de Portaria pelo Secretário Municipal da Administração, com sete servidores efetivos e estáveis. Os servidores são avaliados com base nos seguintes requisitos: idoneidade, disciplina, assiduidade e pontualidade, capacidade de iniciativa, produtividade e efetividade, e

14 14 responsabilidade, esses pontos foram estabelecidos pelo art. 21 da Lei Complementar CMF nº 63/03. A avaliação de desempenho envolve duas etapas, a primeira avaliação parcial com periodicidade de seis meses e registrada em formulários de acompanhamento, constitui em um processo contínuo e sistemático; a segunda etapa é a avaliação final, baseadas nos seis últimos relatórios, ou seja, dois relatórios por ano nos três anos de estágio probatório. O método de avaliação de desempenho é a escala gráfica, que consiste em um formulário de dupla entrada com fatores a avaliar e conceitos de não atende e atende parcialmente e pesquisa de campo, pois existe a possibilidade de a Comissão solicitar entrevistas com o servidor em estágio, seus colegas e chefia imediata. Além da sua objetividade com os formulários de avaliação há uma subjetividade com a possível entrevista. b) Prefeitura Municipal de São Luis MA A avaliação de desempenho na Prefeitura Municipal de São Luiz MA é sistemática e contínua, subsidia a Progressão e Promoção dos servidores e cumpre os requisitos da Lei 4.616/2006. Cria duas modalidades para avaliação de desempenho a primeira Avaliação Especial de Desempenho destinada aos servidores em estágio probatório e a Avaliação de Desempenho Funcional, em ambos os casos com Comissão Especifica para Avaliação Desempenho do Estágio Probatório e outra Funcional. Observou-se apenas a avaliação de desempenho do estágio probatório, pois é o foco deste estudo. Os membros são designados por Portaria do órgão onde são lotados e de nível não inferior ao servidor avaliado. A Comissão Especial de Estágio probatório é composta por 03 (três) membros efetivos. Os servidores são avaliados com base dos seguintes requisitos: disciplina e idoneidade, eficiência, iniciativa, assiduidade, pontualidade, administração do tempo, relacionamento, interação com a equipe, interesse e produtividade. Fatores estabelecidos na Lei nº 4.615/2006, além da observação nas Leis: da Constituição Federal, art. 41, Estatuto do Servidor Público, Lei 4.616/2006, Decretos nº /2009 e /2009. A Avaliação Especial de Desempenho para Estágio Probatório ocorre de dez em dez meses, totalizando três avaliações em três anos de experiência no serviço público. Os responsáveis são: a Secretária Municipal de Administração, Superintendência da Área de Desenvolvimento de Pessoas, Coordenação de Avaliação de Desempenho, Comissão Especial de Estágio Probatório, Chefes Imediatos, Áreas de Recursos Humanos de cada Órgão

15 15 Municipal, Órgão da Administração Direta e Indireta Municipal, Presidente da Câmara e Prefeito. O método de Avaliação de Desempenho é a escala gráfica, um método simples, fácil, em um formulário de dupla entrada com fatores a avaliar e conceitos de (insatisfatório, regular, bom e excelente com equivalência em pontos), formulário objetivo. c) Prefeitura Municipal de São Paulo SP A Prefeitura Municipal de São Paulo/ SP não tem um procedimento de formulários ou questionário para avaliar os servidores em Estágio Probatório, e sim a instauração de procedimento para exonerar caso os servidores em estágio probatório decorra das seguintes situações: inassiduidade, ineficiência, indisciplina, insubordinação, falta de dedicação ao serviço, má conduta, art. 133, Decreto nº , de 22 de maio de Para os casos de Avaliação de Desempenho a Prefeitura Municipal de São Paulo tem um sistema de avaliação sistemática e contínua, dividida em duas dimensões individual e institucional. Por sua vez a dimensão individual tem dois níveis gerencial e funcional que consideram a auto-avaliação, avaliação da chefia e avaliação da equipe. A dimensão institucional tem como critérios o resultado do trabalho, mediante a apuração do alcance das metas estabelecidas pela equipe, avaliação do trabalho em equipe, condições de trabalho e avaliação do usuário dos serviços. Esse sistema de avaliação foi instituído pela Lei /2004, de 16 de janeiro de 2004, e Decreto nº , de 05 de agosto de 2004, e à operacionalização pela Portaria 487/2004, entretanto este estudo não considerou esta Avaliação de Desempenho, pois não trata dos fatores estabelecidos legalmente para avaliar o estágio probatório Comparação entre os Modelos Pesquisados e Benchmarking Observou-se o método de avaliação de desempenho mais utilizado pelos participantes, conforme Tabela 1. Tabela 1 - Métodos de avaliação de desempenho MÉTODOS Florianópolis - SC São Luiz - MA São Paulo - SP Escala Gráfica Escolha Forçada Pesquisa de Campo Incidentes Críticos Auto-Avaliação APPO Por Competência Fonte: dados da pesquisa, 2011.

16 16 O método mais usado foi à escala gráfica com dois casos, assim adaptou-se o método utilizado pela Prefeitura Municipal de São Luiz /MA como benchmarking. Os dados coletados confirmam Gil (2001) e Robbins (2005), pois ambos relatam que a Escala Gráfica além de ser um dos métodos mais antigos e populares é o mais utilizado nas organizações brasileiras, pois é fácil sua aplicabilidade e resultados confiáveis. Acerca dos critérios mais utilizados na avaliação de desempenho em estágio probatório, observa-se a Tabela 2. Tabela 2 - Critérios utilizados na avaliação de desempenho CRITÉRIOS Florianópolis SC São Luiz MA São Paulo SP Objetivos Subjetivos Fonte: dados da pesquisa, Constata-se que os critérios objetivos são mais usados dois casos, pois certamente são mais fácies de quantificar, portanto, escolhem-se estes para compor o modelo a ser proposto. Para Gil (2001) a avaliação de desempenho é um meio para desenvolver os recursos humanos da organização, desde que desempenhado com técnicas elaboradas com racionalidade e princípios científicos. De maneira de evitar a superficialidade e unilateralidade, ou seja, sem distorções pessoais e sim objetivas. Sendo assim este estudo confirma a utilização de critérios objetivos nas Prefeituras Municipais de: Florianópolis/SC e São Luiz /MA sendo o mais adequado. No tocante, aos membros participantes do processo de avaliação, nota-se que os avaliadores mais frequentes, de acordo com a Tabela 3. Tabela 3 - Avaliadores utilizados na avaliação de desempenho em estágio probatório AVALIADORES Florianópolis SC São Luiz - MA São Paulo SP Chefes Comissão Departamento de recursos humanos Subordinados (pares) Fonte: dados da pesquisa, Observa-se que os chefes e a comissão são sempre utilizados no processo de avaliação, portanto a avaliação não é 360º graus, com base neste resultado e na legislação do município de Santa Terezinha/PB os responsáveis pela avaliação de desempenho serão a Comissão e os chefes no modelo a ser sugerido.

17 17 Segundo Tomio e Ramos (2001) as avaliações são aplicadas pelas chefias diretas, os dados comprovam isso, e pode ocorrer algum tipo de distorção, transtorno ou incômodos, e a Comissão pode interferir nessas distorções com informação ou dado coletado pela mesma, nestes casos a Comissão entra com o papel de conciliadora ou confirmação das informações/dados. Em relação aos fatores usados na avaliação dos municípios pesquisados e do Município de Santa Terezinha/PB, comparou-se na Tabela 4. Tabela 4 - Fatores de avaliação de desempenho em estágio probatório FATORES Santa Terezinha- Florianópolis- SC São Luiz - MA São Paulo SP PB Assiduidade Disciplina Capacidade de iniciativa Produtividade Responsabilidade Idoneidade Pontualidade Efetividade Eficiência Administração do tempo Relacionamento Interação com a equipe Interesse Subordinação Dedicação ao serviço Boa conduta Fonte: dados da pesquisa, Na Tabela 4 estão os critérios usados pela Prefeitura Municipal de São Paulo/SP, entretanto os fatores são utilizados para a instauração de um procedimento administrativo para exoneração, dos servidores em estágio probatório. 4.4 Modelo Proposto Com base nos fatores da legislação pertinente da Prefeitura Municipal de Santa Terezinha/PB - Lei 19/97, de 29 de agosto de Dispõe sobre o estatuto dos servidores do município de Santa Terezinha, estabelece os quantitativos de cargos, define os vencimentos, e dá outras providências, elaborou-se o modelo de avaliação de desempenho em estágio probatório a partir do benchmarking, resultando no método com escala gráfica, com avaliação

18 18 da Chefia e participação da Comissão com os fatores adaptados da Prefeitura Municipal de São Luiz/MA, conforme proposta a seguir. Comissão esta que deve ser formada por 03 (três) servidores efetivos e 01(um) suplente, com formação superior e com idoneidade moral. FICHA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO Servidor: Lotado: Matrícula: Cargo: Data de Admissão: RG / CPF: FATORES DE DESEMPENHO - LEI MUNICIPAL: 19/97 ASSIDUIDADE - cumpri o expediente, esta sempre no local de trabalho, ausentando-se apenas por motivos justos e justificados e com anuência dos superiores, participa de cursos, eventos e conselhos municipais. INSATISFATÓRIO REGULAR BOM ECELENTE Participa em eventos, Conselhos Participa em evento, Conselhos Falta e não participa Municipais, Cursos Pouco participa em eventos e Municipais, Cursos promovidos em eventos promovidos promovidos pela Conselhos Municipais. pela Prefeitura, e cupre com os pela Prefeitura. Prefeitura, e cumpre horários no trabalho. com os horários no trabalho. PONTO DISCIPLINA - cumpre com suas atividades laborais com responsabilidade, ética, conduta profissional, atendendo todos os públicos com cordialidade, seriedade, igualitária sempre respeitado as leis, decretos e regulamentação. INSATISFATÓRIO REGULAR BOM ECELENTE Tem conduta Falta de ética e profissional, ético, Tem respeito, cordialidade e profissionalismo, não Tem pouco respeito, atendimento com seriedade no atendimento ao respeita as leis, condialidade e seriedade no seriedade, respeito, público, e cumpre com suas decretos e atendimento com o público. igualitátio e cumpre atividade laborais. regulamentos. com suas atividade laborais. PONTO

19 19 CAPACIDADE DE INICIATIVA - criativo, iniciativa, inovador, trabalha em equipe, relaciona-se com os colegas de trabalho e esta apto as novas mudanças. INSATISFATÓRIO REGULAR BOM ECELENTE Problemas com o relacionamento no trabalho, não tem: criatividade, iniciativa. Pouco relacionamento no trabalha em cooperação, inovador, iniciativa e participativo. Trabalha em equipe, e cooperalçao, tem iniciativa, participação e inovador. PONTO Relaciona-se com os colegas de trabalho, cooperativo, criativo, participativo, inovador e apto as novas mudanças. PRODUTIVIDADE - atento aos interesses organizacionais - metas e objetivos, dedicado em resolver e solucionar os problemas, exerce suas atividade no prazo e capricho. INSATISFATÓRIO REGULAR BOM ECELENTE Não exerce suas funções com zelo e capricho, não atende aos interesses da organização. Pouco interessa pela organização e suas metas e objetivos, sem preocupar com prazos e erros. Dedicado em resolver e solucinar os problemas e atento com os interesses da organização e nas suas atividades laborativas. PONTO Atento aos interesses da organização, dedicado, exerce suas atividade com zelo, capricho e prazos. RESPONSABILIODADE - esta a par de suas funções, procurar evoluir profissionalmente e intelectualmente, cuida com zelo do patrimonio e materiais de uso, assumi novas tarefas quando solicitado. INSATISFATÓRIO REGULAR BOM ECELENTE Não zela pelo patrimônio e não dedica-se a novas atividades. Pouco procurar aperfeiçoar intelectualmente e profissionalmente. Procura aperfeiçoar intelecualmente e profissionalmente, assume novas atividades quando solicitado. Procuar evoluir profissionalmente e intelectualmente, zela pelo pratrimônio e assumi novas atividade. PONTO FATORES PONTOS CONCEITOS Assiduidade INSATISFATÓRIO Disciplina ATÉ 10 Capac. de iniciativa Produtividade Responsabilidade CONCEITO FINAL DO AVALIADO PONTOS REGULAR BOM ECELENTE De 11 a 20De 20 a 35 De 35 a 50

20 20 CONCEITO Insatisfatório - desemepenho ruim, desta forma exonera. Regular - desempenho satisfaz, em parte, e assim com dois conceito de REGULAR, exonera. Bom - desempenho satifaz, efetiva. Excelente - desempenho ultrapassa, efetiva. ESTÁGIO PROBATÓRIO Estágio probatório: Início: / / Término: / / Etapa: 1ª ( ) 12 meses após a posse, mas não obrigatório - pontuação não valida - feedback Etapa: 2ª ( ) 18 meses após a posse,obrigatório-pontuação valida-encaminha para Comissão Etapa: 3ª ( ) 24 meses após a posse,obrigatório-pontuação valida-encaminha para Comissão Etapa: 4ª ( ) 32 meses após a posse,obrigatório-pontuação valida-encaminha para Comissão SERVIDOR NÃO AVALIADO - JUSTIFICAR: Na etapa 3ª, a Comissão deve da um feedback ao Aviador - chefe mediato, e realizar uma entrevista com o Avalido. Na etapa 4ª, a Comissão encaminha um parecer para o Prefeito e Secretário para homologação do resultado. OBSERVAÇÕES ASSINATURA DO AVALIADO ASSINATURA DO AVALIADOR Essa avaliação se pautará na Lei Municipal nº 19/97 trata do Estatuto dos Servidores do Município de Santa Terezinha/PB e no que dispõe o art. 53, 2º da Lei Complementar nº 315/2007, portanto a Comissão irá acompanhar o processo de avaliação de estágio probatório. Sugere-se que essa Comissão realize sensibilizações mostrando o modelo e explicando o objetivo e a importância da avaliação de desempenho em estágio probatório para todos os servidores. A comissão junto aos Chefes imediatos realizará a avaliação em quatro etapas, na 1ª etapa, aos doze meses após a posse do servidor, fará uma avaliação não obrigatória, que será utilizada para a capacitação dos atores envolvidos e acompanhamento/monitoramento dos servidores, sendo a pontuação não válida para o resultado do estágio probatório, todavia terá o feedback para todos os envolvidos (avaliados e avaliadores), ou seja, com essa etapa os envolvidos terá oportunidade de tirar dúvidas, sugestões, críticas etc. Nesta etapa deverá ocorrer uma capacitação, e informar que o servidor com um conceito insatisfatório ou dois regulares esta automaticamente exonerado. Na 2ª etapa aos 18 meses após a posse, a avaliação

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001/2014

RESOLUÇÃO Nº 001/2014 RESOLUÇÃO Nº 001/2014 Forma a Comissão de Avaliação de Estágio Probatório e de Desempenho de Servidores da Câmara Municipal de Itiquira-MT e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO APRESENTAÇÃO Este manual é

Leia mais

Administração de Empresas. Indicadores de Desempenho

Administração de Empresas. Indicadores de Desempenho Administração de Empresas Indicadores de Desempenho Controle Administrativo Principio de Eficiência e Eficácia Indicadores de Desempenho Efetividade Os indicadores de desempenho são fundamentais por mensurar

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE 1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DO SECRETÁRIO GA PUBLICADA NO DOE DE 12-1-213 SEÇÃO I PÁG 46-5 RESOLUÇÃO SMA Nº 97, DE 1 DE OUTUBRO DE 213 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Barra Mansa Gabinete do Prefeito

Estado do Rio de Janeiro Prefeitura Municipal de Barra Mansa Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 6567, DE 20 DE JULHO DE 2011 Ementa: Regulamenta a Lei Municipal n.º 3.147/2000 alterada pela Lei n.º 3.413/2003 e revoga o Decreto n.º 3.651/2001. atribuições de seu cargo, O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014.

MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. MINUTA RESOLUÇÃO Nº... /2014, DE.. DE... DE 2014. Regulamenta a avaliação de desempenho funcional dos Servidores Técnico-Administrativos da Fundação Universidade Regional de Blumenau - FURB prevista na

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN

COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN COLETA DE DADOS PROFA. ENIMAR JERÔNIMO WENDHAUSEN Objetivo da aula Conhecer os instrumentos de coleta de dados, suas vantagens e limitações. Caminhos Para a Obtenção de Dados Pesquisa em ciências sociais

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com

Motivação para o Desempenho. Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br. Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Motivação para o Desempenho Carlos Fracetti carlosfracetti@yahoo.com.br Carlos Felipe carlito204@hotmail.com Heitor Duarte asbornyduarte@hotmail.com Márcio Almeida marciobalmeid@yahoo.com.br Paulo F Mascarenhas

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI

NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI 1 NORMA DE ESTÁGIO PROBATÓRIO PARA SERVIDOR DOCENTE DA UNIFEI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Normatiza o Estágio Probatório de Docentes no âmbito da Universidade Federal de Itajubá. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho

Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS Data: 22de março de 2012 Local: CEFOR Vila Mariana Apresentação para a implantação da Avaliação de Desempenho Maria Aparecida Novaes Rita

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional

PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional 1 PROFIAP Regulamento do Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (PROFIAP) tem

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Desempenho Humano Ato de executar uma meta, vinculada às condições de QUERER FAZER e SABER FAZER, possibilitando realizações com eficiência e eficácia. Avaliação de Desempenho Instrumento

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1

Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 Roteiro para orientar o investimento social privado na comunidade 1 O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL

PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS E COMPUTACIONAIS AVALIAÇÃO ESPECIAL DE DESEMPENHO DE SERVIDOR EM ESTÁGIO PROBATÓRIO DO QUADRO CIVIL 1 CONCEITO A Emenda Constitucional nº 19/98 estabelece que o servidor nomeado

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DOS SERVIDORES DO QUADRO TÉCNICO/ADMINISTRATIVO ORIENTAÇÕES GERAIS A Universidade Federal do Amapá UNIFAP em cumprimento às diretrizes do Plano de Carreira dos

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 06 Questões sobre o tópico Avaliação de Desempenho: objetivos, métodos, vantagens e desvantagens. Olá Pessoal, Espero que estejam gostando dos artigos. Hoje veremos

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES

PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERCEPÇÕES DE PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS REFERENTES À AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO HUMANO NAS ORGANIZAÇÕES Jaqueline Reinert Godoy 1 ; Talita Conte Ribas

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB

MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PGDP MANUAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO FUNCIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UNEB 3 4 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO nº 026 / 94 Aprova o Regulamento Específico do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis em Nível de Mestrado, com área de Concentração em Contabilidade Financeira, Contabilidade Gerencial

Leia mais

Cultura do não Foco do RH no Departamento Pessoal Não alinhamento das estratégias de Gestão de Pessoas com as estratégias do MTur Pouco envolvimento

Cultura do não Foco do RH no Departamento Pessoal Não alinhamento das estratégias de Gestão de Pessoas com as estratégias do MTur Pouco envolvimento Cultura do não Foco do RH no Departamento Pessoal Não alinhamento das estratégias de Gestão de Pessoas com as estratégias do MTur Pouco envolvimento da alta direção nos eventos Desinteresse dos servidores

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. Altera o Regulamento de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Municipal de Fazenda. A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições

Leia mais

Decreto N 1.945 de 13 de dezembro de 2005

Decreto N 1.945 de 13 de dezembro de 2005 Decreto N 1.945 de 13 de dezembro de 2005 Dispõe sobre o cumprimento do estágio probatório de servidor público civil ocupante de cargo de provimento efetivo da administração direta, das autarquias e das

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 110/10. Fixa as normas para os cursos de especialização e aperfeiçoamento do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e,

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Instrução Normativa xx de... 2014.

Instrução Normativa xx de... 2014. REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PARA CAPACITAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E PÓS-DOUTORADO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351

NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: INSTRUTORIA INTERNA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 463, de 10/09/2012 VIGÊNCIA: 10/09/2012 NORMA DE INSTRUTORIA INTERNA NOR 351 01/07 ÍNDICE 1. FINALIDADE...

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL FUNDAMENTOS LEGAIS, PRINCÍPIOS E ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL I - Fundamentos legais A Constituição de 1988, inciso IV do artigo 208, afirma: O dever do Estado com a educação será efetivado

Leia mais

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação.

Palavras-chave: Comportamento, Ambiente Organizacional, Satisfação. a 9 de Dezembro Clima organizacional: uma análise comparativa entre a empresa x e a empresa y do setor varejista de eletrodomésticos e móveis, que disputam o mesmo nicho no município de Bambuí-MG Franciele

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense

ESTÁGIO PROBATÓRIO. Universidade Federal Fluminense ESTÁGIO PROBATÓRIO Lei nº 12.772 de 28 de Dezembro de 2012 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos do Magistério Federal; - sobre a Carreira do Magistério Superior, de que trata a Lei

Leia mais

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS

A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS A CULTURA ORGANIZACIONAL PODE INFLUENCIAR NO PROCESSO DE AGREGAR PESSOAS Juliana da Silva, RIBEIRO 1 Roberta Cavalcante, GOMES 2 Resumo: Como a cultura organizacional pode influenciar no processo de agregar

Leia mais

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras

Ideias Criativas em Práticas Inovadoras Ideias Criativas em Práticas Inovadoras O Concurso Inovação na Gestão Pública Federal é promovido anualmente, desde 1996, pela Escola Nacional de Administração Pública (Enap), em parceria com o Ministério

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

Recrutamento e seleção

Recrutamento e seleção Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem Recrutamento e seleção Fernanda Maria Togeiro Fugulin RECRUTAMENTO Fase que antecede a seleção, de divulgação, em que se deverá atrair candidatos potencialmente

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÂO DEL REI Secretaria Municipal de ADMINISTRAÇÃO Departamento de Recursos Humanos COMITÊ GERAL DE AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE DESEMPENHO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Assegurado pelo Decreto

Leia mais

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO

EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO EVASÃO NO CURSO DE PEDAGOGIA DE UMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UM ESTUDO DE CASO Elizabeth da Silva Guedes UNESA Laélia Portela Moreira UNESA Resumo A evasão no Ensino Superior (ES) vem chamando

Leia mais