Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral"

Transcrição

1 Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Mesa da Assembleia Geral Vice- Secretário Dra. Sara Alexandra Pereira Simões Duarte Ambrósio Dra. Rita Maria Pereira Silva Dr. Cláudio José Sarmento e Silva Conselho de Administração não não Instituto de Infra-Estruturas Rodoviárias, I.P., representado pelo seu do Conselho Directivo, Mestre Alberto Conde Moreno Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., representado inicialmente pelo seu do Conselho Directivo, Prof.Jorge Manuel Lopes Batista e Silva (*) e depois pelo seu do Conselho Directivo, Engº Carlos Alberto Maio Correia (**) Dr.Pedro José Rocha Alambre Amado Bento (***) Fiscal Único Efectivo Suplente Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Esteves, Pinho & Associados, SROC, Lda., representada pelo Dr. Rui Manuel Correia de Pinho, ROC nº989 Dr.Luís Manuel Moura Esteves, ROC nº (*) Renunciou ao cargo com efeitos a (**) Designado em , em substituição do Prof.Jorge Batista e Silva (***) Renunciou ao cargo com efeitos a , não tendo sido substituído Estatuto remuneratório fixado 1. Mesa Assembleia Geral Vice- Secretário Senha de presença no valor de 5 euros. Senha de presença no valor de 4 euros. Senha de presença no valor de 35 euros. Estes montantes estão sujeitos a redução remuneratória. Nos termos do disposto no n.º 1 do art.º 2.º da Lein.º64-B/211, de 3 de dezembro, que aprovou o Orçamento de Estado para 212, mantém-se em vigor o art.º 19.º da Lei n.º55-a721, de 31 de dezembro, pelo que, nos termos da respetiva alínea a) do n.º 4 e na alínea q) do n.º 9, o valor das senhas de presença deve ser agregado às restantes prestações pecuniárias, designadamente remuneração base, para efeitos do apuramento das remunerações totais ilíquidas mensais e, consequentemente, para efeitos de apuramento da taxa de redução remuneratória a aplicar. No exercício de 212, não foram processados quaisquer montantes a este título, por não se ter realizado qualquer Assembleia Geral. 2. Conselho Administração Administradores Executivos Remuneração ilíquida fixa: definida no ato de nomeação como 6.256,29 euros, 14 vezes/ano; Remuneração variável: definida no ato de nomeação como sendo até um máximo de 3% da remuneração fixa, em função do cumprimento de objectivos anuais definidos em

2 Contrato de Gestão; esta remuneração nunca foi praticada (não foi atribuída em 29 e em 21, e depois disso não foi nomeado qualquer Executivo). O valor da remuneração definido no ato de nomeação está sujeito a redução remuneratória. Desde logo, está sujeita à redução remuneratória de 5% prevista no art.º 12.º da Lei n.º 12- A/21, de 3 de junho. Está igualmente sujeita à redução remuneratória prevista nos termos do disposto no n.º 1 do art.º 2.º da Lei n.º64-b/211, de 3 de dezembro, que aprovou o Orçamento de Estado para 212, e que manteve em vigor o art.º 19.º da Lei n.º55-a/21, de 31 de dezembro (LOE211), pelo que nos termos do respetivo n.º1, alínea c), e do n.º9, alínea q), está sujeita a uma redução de 1%. Em 212 não foi processada qualquer remuneração do Executivo, por o lugar não estar preenchido. Administradores Não Executivos não remunerado. não remunerado. 3. Órgão de Fiscalização Remuneração anual: em 29, a remuneração foi definida em 25% do valor auferido pelo Executivo, perfazendo assim 1.564,7 euros, 12 vezes/ano (acresce IVA à taxa em vigor). Este valor está sujeito a redução remuneratória nos termos da Lei n.º55/21, de 31 de dezembro, sendo atualmente de 1.47,66 euros, 12 vezes/ano (acresce IVA à taxa em vigor). Remunerações e outras regalias (valores anuais) 1. Mesa Assembleia Geral Unid: 212 Mesa da Assembleia Geral Vice- Secretário Remuneração anual fixa,,, Redução remuneratória*,,, Remuneração anual efetiva,,, * Decorrente da Lei 55-A/21 ou da Lei 64-B/211, conforme aplicável Unid: 211 Mesa da Assembleia Geral Vice- Secretário Remuneração anual fixa,,, Redução remuneratória*,,, Remuneração anual efetiva,,, * Decorrente da Lei 55-A/21 21 Unid: Mandato Vice- Secretário

3 2.ConselhoAdministração Remunerações 212 Alberto Moreno Jorge Batista e Silva (1) Carlos Maio Correia (2) Pedro Bento (3) Mandato I I I I Adaptado ao EGP (Sim/Não) Sim Sim Sim Sim Remuneração Total ( ),,,, OPRLO Não Não Não Não Entidade de Origem (identificar) InIR,IP (4) n.a. IMTT,IP (5) n.a. Entidade pagadora (origem/destino) Destino Destino Destino Destino 1.1.Remuneração Anual,,,, 1.2.Despesas de Representação (Anual),,,, 1.3.Senha de presença (Valor Anual),,,, 1.4.Redução decorrente da Lei 12-A/21,,,, 1.5.Redução decorrente da Lei 64-B/211,,,, 1.6.Suspensão do pagamento dos subsidios de férias e natal,,,, 1.7.Reduções de anos anteriores,,,, 1. Remuneração Anual Efetiva Líquida ( ),,,, 2. Remuneração variável,,,, 3.Isenção de Horário de Trabalho (IHT),,,, 4.Outras (identificar),,,, Subsídio de deslocação,,,, Subsídio de refeição,,,, Encargos com benefícios sociais Regime de Proteção Social - Identificar Regime (ADSE/Seg.Social/Outros) n.a. n.a. n.a. n.a. - Valor,,,, Seguros de saúde,,,, Seguros de vida,,,, Seguro de Acidentes Pessoais,,,, Outros (indicar),,,, Acumulação de Funções de Gestão (S/N) S N S N Entidade (identificar) InIR,IP (4) n.a. IMTT,IP (5) n.a. Remuneração Anual (incl.desp.represent.) ,92 n.a ,92 n.a. Unid: Parque Automóvel Alberto Moreno Jorge Batista e Silva (1) Carlos Maio Correia (2) Pedro Bento (3) Mandato I I I I Modalidade de Utilização n.a. n.a. n.a. n.a. Valor de referência da viatura nova,,,, Ano Inicio n.a. n.a. n.a. n.a. Ano Termo n.a. n.a. n.a. n.a. N.º prestações (se aplicável) n.a. n.a. n.a. n.a. Valor Residual,,,, Valor de renda/prestação anual da viatura de serviço,,,, Combustível gasto com a viatura,,,, Plafond anual Combustivel atribuído,,,, Outros (Portagens / Reparações / Seguro),,,, Limite definido conforme Art.º 33 do EGP (Sim/Não) Não Não Não Não (1) Renunciou ao cargo com efeitos a (2) Designado em , em substituição do vogal Jorge Batista e Silva (3) Renunciou ao cargo com efeitos a , não tendo sido substituído (4) do Conselho Diretivo do InIR, I.P. (5) do Conselho Diretivo do IMTT,I.P.

4 Outras regalias e compensações Alberto Moreno Jorge Batista e Silva (1) Carlos Maio Correia (2) Pedro Bento (3) Mandato I I I I Plafond mensal atribuido em comunicações móveis,,,, Gastos anuais com comunicações móveis,,,, Outras (indicar),,,, Limite definido conforme Art.º 32 do EGP (Sim/Não) Não Não Não Não Gastos c/ deslocações Alberto Moreno Jorge Batista e Silva (1) Carlos Maio Correia (2) Pedro Bento (3) Mandato I I I I Custo total anual c/ viagens,,,, Custos anuais com Alojamento,,,, Ajudas de custo,,,, Outras (indicar),,,, (1) Renunciou ao cargo com efeitos a (2) Designado em , em substituição do vogal Jorge Batista e Silva (3) Renunciou ao cargo com efeitos a , não tendo sido substituído

5 Remunerações 211 Alberto Moreno Jorge Batista e Silva (1) Carlos Melo Correia (2) Pedro Bento (3) 1. Remuneração 1.1. Remuneração base Anual/Fixa ( ) 1.2. Redução decorrente da Lei 12-A/21 ( ) 1.3. Redução decorrente da Lei 55-A/21 ( ) 1.4. Remuneração Anual Efetiva ( ) ( ) 1.5. Senha de presença ( ) 1.6. Acumulação de funções de gestão ( ) 1.7. Remuneração variável ( ) 1.8. IHT (isenção de horário de trabalho) ( ) 1.9. Outras (identificar detalhadamente) ( ) 2. Outras regalias e compensações 2.1. Plafond Anual em comunicações móveis ( ) 2.2. Gastos na utilização de comunicações móveis ( ) 2.3. Subsídio de deslocação ( ) 2.4. Subsídio de refeição ( ) 2.5. Outras (identificar detalhadamente) ( ) 3. Encargos com benefícios sociais 3.1. Regime de Proteção Social ( ) 3.2. Seguros de saúde ( ) 3.3. Seguros de vida ( ) 3.4. Seguro de Acidentes Pessoais ( ) 3.5. Outros (identificar detalhadamente) ( ) 4. Parque Automóvel 4.1. Marca n/a n/a n/a n/a 4.2. Modelo n/a n/a n/a n/a 4.3. Matrícula n/a n/a n/a n/a 4.4. Modalidade de Utilização (Aquisição/ALD/Renting/Leasing) 4.5. Valor de referência da viatura nova ( ) 4.6. Ano Inicio n/a n/a n/a n/a 4.7. Ano Termo n/a n/a n/a n/a 4.8 N.º prestações (se aplicável) n/a n/a n/a n/a 4.9. Valor Residual ( ) 4.1. Valor de renda/prestação anual da viatura de serviço ( ) Combustível gasto com a viatura ( ) Plafond anual Combustivel atribuído ( ) Outros (identificar detalhadamente) ( ) 5. Informações Adicionais 5.1.Opção pela remuneração do lugar de origem (s/n) Não Não Não Não 5.2. Remuneração Iliquida Anual pelo lugar de origem ( ) 5.3. Regime de Proteção social Segurança social (s/n) Não Não Não Não Outro (indicar) n/a n/a n/a n/a 5.4. Exercício funções remuneradas fora grupo (s/n) sim sim sim sim 5.5. Outras (identificar detalhadamente) (4) (5) (6) n/a (1) Renunciou ao cargo com efeitos a (2) Designado em , em substituição do vogal Jorge Batista e Silva (3) Renunciou ao cargo com efeitos a , não tendo sido substituído (4) do Conselho Diretivo do InIR, I.P. (5) do Conselho Diretivo do IMTT, I.P. até (6) do Conselho Diretivo do IMTT,I.P.

6 Remunerações 21 Alberto Moreno Jorge Batista e Silva (*) Un: Pedro Bento (**) 1. Remuneração 1.1. Remuneração base/fixa Redução decorrente da Lei 12-A (3/6/21) 1.3. Remuneração base/fixa efectiva ( ) Senha de presença 1.6. Acumulação de funções de gestão 1.7. Remuneração variável 1.8. IHT (isenção de horário de trabalho) 2. Outras regalias e compensações 2.1. Gastos na utilização de telefones 2.2. Subsídio de deslocação 2.3. Subsídio de refeição Outras (identificar detalhadamente) 3. Encargos com benefícios sociais 3.1. Regime convencionado Seguros de saúde 3.3. Seguros de vida 3.4. Outros (identificar detalhadamente) 4. Parque Automóvel 4.1. Marca na na na 4.2. Modelo na na na 4.3. Matrícula na na na 4.4. Valor de aquisição da viatura 4.5. Ano de aquiisição da viatura na na na 4.6 Valor de renda/prestação anual da viatura de serviço 4.7. Valor do combustível gasto com a viatura de serviço 4.8. Outros (identificar detalhadamente) 5. Informações Adicionais 5.1.Opção pela remuneração do lugar de origem (s/n) não não não 5.2. Regime convencionado Segurança social (s/n) não não sim Outro (s/n) não não não 5.3. Exercício funções remuneradas fora grupo (s/n) sim (***) sim (****) não 5.4. Outras (identificar detalhadamente) na na na (*) Renunciou ao cargo com efeitos a (**) Renunciou ao cargo com efeitos a , não tendo sido substituído (***) do Conselho Directivo do InIR, I.P. (****) do Conselho Directivo do IMTT, I.P.

7 3. Órgão de Fiscalização Unid: Fiscal Único 212 Remuneração anual auferida Redução remuneratória* 2.39 Remuneração anual efetiva * Decorrente da Lei 55-A/21 ou da Lei 64-B/211, conforme aplicável Nota: os valores incluem IVA à taxa em vigor (23%), o qual, para a SIEV,SA, não é dedutível Unid: Fiscal Único 211 Remuneração anual auferida Redução remuneratória* 2.39 Remuneração anual efetiva * Decorrente da Lei 55-A/21 Nota: os valores incluem IVA à taxa em vigor (23%), o qual, para a SIEV,SA, não é dedutível Unid: 21 Mandato Fiscal Único 22.71,24 Os valores acima mencionados incluem IVA, uma vez que, para a SIEV,SA, se trata de IVA não dedutível, pois a actividade da empresa não está sujeita a IVA, nos termos do n.º2 do art.º 2º do CIVA. Funções e Responsabilidades 1. Conselho de Administração Nos termos dos Estatutos, a administração da sociedade é exercida por um conselho de administração, composto por um mínimo de três e um máximo de cinco membros. Compete à assembleia geral eleger de entre os membros do conselho de administração o respectivo presidente. O presidente do conselho de administração é substituído nas suas ausências e impedimentos pelo vogal por si designado. A responsabilidade dos administradores foi dispensada de caução por deliberação da assembleia geral. O conselho de administração tem os poderes de gestão e representação da sociedade que lhe forem cometidos por lei, pelos Estatutos e pelas deliberações dos accionistas. O conselho de administração pode delegar num administrador ou numa comissão executiva de três

8 administradores a gestão corrente da sociedade, devendo a deliberação de delegação fixar os limites da mesma. A sociedade obriga-se perante terceiros: a) Pela assinatura conjunta de dois administradores, um dos quais deve pertencer à comissão executiva, quando esta exista; b) Pela assinatura do administrador-delegado, quando exista, dentro dos limites da delegação; c) Pela assinatura de procuradores quanto aos actos ou categorias de actos definidos nas correspondentes procurações. Nos documentos de mero expediente e quando se trate de endosso de letras, recibos, cheques ou quaisquer outros documentos cujo produto de desconto ou de cobrança se destine a ser creditado em conta da sociedade aberta em qualquer instituição financeira basta a assinatura de um administrador ou de quem para tanto for mandatado. O conselho de administração reúne sempre que convocado pelo presidente ou por dois administradores, mas pelo menos uma vez por mês. Os membros do conselho de administração são convocados por escrito com a antecedência mínima de cinco dias, salvo se a totalidade dos administradores estiver presente ou representada ou se se tratar de reuniões com periodicidade fixa, do conhecimento de todos os administradores, caso em que é dispensada a convocatória. O conselho de administração não pode deliberar sem que esteja presente ou representada a maioria dos seus membros. Qualquer administrador pode fazer-se representar em cada sessão por outro administrador. Qualquer administrador pode votar por correspondência. As reuniões do conselho de administração podem realizar-se através de meios telemáticos, nos termos previstos na lei. O presidente do conselho de administração, ou quem o substitua, tem voto de qualidade. O conselho de administração eleito para o mandato 29/211 tem a particularidade de ser constituído por 3 membros, sendo o presidente e um vogal s, e apenas um vogal. IniR,IP, representado por Alberto Conde Moreno IMTT,IP, representado por Jorge Manuel Lopes Batista e Silva, que renunciou a , sendo substituído por Carlos Alberto do Maio Correia Pedro José Rocha Alambre Amado Bento, que renunciou a , não tendo sido substituído.

9 Síntese Curricular 1. Membros da Mesa da Assembleia-Geral 1.1. Sara Alexandra Pereira Simões Duarte Ambrósio Data de Nascimento 13 de Julho de 1971 Habilitações Académicas: - Licenciatura em Direito, obtida em 5 de Julho de 1994, pela Universidade Autónoma de Lisboa, com a média final de curso de 13 valores. - Pós-graduação em Estudos Europeus pelo ISEG, concluída em 29 de Julho de 1996, com a média final de 13 valores. - Advogada com a cédula profissional nº 13344, emitida em 11 de Novembro de Actividade Profissional: DIRECÇÃO-GERAL DO TESOURO E FINANÇAS - Técnica Superior do Tesouro Especialista - Jurista. Exerce funções no Gabinete de Apoio e Coordenação, desde 4 de Agosto de 1997, destacando-se a emissão de pareceres jurídicos, a análise e elaboração de projectos legislativos, o acompanhamento de processos administrativos e judiciais, e a representação da DGTF em processos de contencioso administrativo e fiscal, em todas as áreas de competências da DGTF, mais concretamente em matérias de Direito Financeiro, Administrativo, Fiscal e Comercial. Destaca-se, designadamente, o exercício das funções de formadora na DGTF, a colaboração em diversos grupos de trabalho para elaboração de projectos legislativos, a participação como membro efectivo em júris de concurso de pessoal e de procedimentos para aquisição de bens e serviços, bem como o exercício dos cargos de secretária e de presidente de mesa da Assembleia Geral (APSS, SA, APS, SA e SIEV, SA), de vogal efectivo do Conselho Fiscal da APSS, SA e de vogal suplente do Conselho Fiscal dos CTT, SA, a representação do accionista Estado em Assembleias Gerais e a participação em diversas comissões de fixação de remunerações de empresas públicas. Frequentou várias acções de formação profissional, seminários e conferências.

10 1.2. Vice- Rita Maria Rodrigues Carvalho Pereira Silva Data de Nascimento 27 de Novembro de 1963 Habilitações Académicas Licenciatura em Direito Actividade Profissional - De a Exerceu funções como Quadro Superior da Direcção-Geral das Contribuições e Impostos; - De até ao momento actual exerce funções como Inspectora na Inspecção-Geral de Finanças, designadamente no centro de competências do controlo financeiro empresarial desta Inspecção-Geral. - No mandato de exerceu o cargo de da Mesa da Assembleia Geral do Hospital de Santa Cruz em Lisboa; - Integra Comissões de Fixação de Remunerações de cerca de 1 empresas públicas Secretário Cláudio José Viveiros Sarmento e Silva Data de Nascimento 12 de Agosto de 1974 Habilitações Académicas Licenciatura em Direito, obtida em 21 de Junho de 21, pela Universidade Moderna de Lisboa, com a média final de curso de 13 valores. Actividade Profissional DIRECÇÃO-GERAL DO TESOURO E FINANÇAS - Técnico Superior - Jurista. Exerce funções no Gabinete de Apoio e Coordenação, desde 1 de Abril de 28, destacando-se a realização de estudos, participação em procedimentos concursais como membro do júri, análise de projectos de diplomas, informações, protocolos, contratos, pareceres jurídicos, acompanhamento de processos administrativos e judiciais, representação da DGTF em processos de contencioso administrativo e fiscal, preparação de documentos de natureza jurídica e estratégica de âmbito geral no acompanhamento das matérias de interesse comum aos serviços da DGTF, e designadamente nos seguintes domínios de actuação: Sector Empresarial do Estado (Concessões/PPP), Gestão do Património Imobiliário Público, Expropriações, Finanças e

11 Orçamento do Estado, Instrumentos de Gestão, Representação do Accionista Estado em Assembleias-Gerais de Empresas do SEE e Realização de projectos de diploma. Membro da mesa da Assembleia Geral da SIEV, SA. ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. Exerceu funções de Consultadoria e Assessoria Jurídica no Gabinete de Expropriações de a AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Exerceu funções de Consultadoria e Assessoria Jurídica no Departamento de Recursos Humanos de a DIRECÇÃO-GERAL DAS AUTARQUIAS LOCAIS Exerceu funções de Consultadoria e Assessoria Jurídica na Direcção de Serviços Jurídicos de a INSTITUTO DA VINHA E DO VINHO, I.P. Exerceu funções de Consultadoria e Assessoria Jurídica no Gabinete Jurídico e de Contencioso de a INSTITUTO DAS ESTRADAS DE PORTUGAL, I.P. Exerceu funções de Técnico-Profissional, especialista em organização e métodos, no Gabinete Jurídico e de Contencioso e no Gabinete de Expropriações, de a JUNTA AUTÓNOMA DE ESTRADAS Exerceu funções de Técnico-Profissional, especialista em organização e métodos, no Gabinete Jurídico e de Contencioso de a Frequentou várias acções de formação profissional, seminários, workshops, conferências e debates. Evidenciam-se: Gestão Estratégica e Gestão por Objectivos, ambos ministrados pelo Instituto Nacional de Administração; Estudos Políticos pelo Instituto Superior Técnico/POLITIKA Centro de Estudos Sociais e Políticos; Regime Jurídico do Contrato de Trabalho em Funções Públicas, pela International Faculty for Executives; Feitura de Leis pelo Instituto Nacional de Administração; Economia e Fiscalidade do Carbono e o Novo Contencioso Administrativo, ambos ministrados pela Faculdade de Direito de Lisboa; e o Novo Regime da Contratação Pública no Código dos Contratos Públicos pela Sérvulo Correia & Associados Sociedade de Advogados.

12 2. Membros do Conselho de Administração 2.1. Administradores Executivos do CA lugar não preenchido 2.2. Administradores Não Executivos CA Alberto Conde Moreno Data de Nascimento 8 de Junho de 1949 Habilitações Académicas Mestrado em Gestão de Empresas. Licenciatura em Engenharia Electrotécnica. Actividade Profissional do Conselho de Administração da SIEV,SA do Conselho Directivo do InIR,IP Assessor na Direcção-Geral das Actividades Económicas do MEI; Administrador de empresas; Consultor de estratégia e sistemas de informação de gestão do Conselho de Administração do Hospital de Santa Maria Administrador da EXMIN, empresa concessionária para a reabilitação de áreas mineiras, Grupo EDM, Empresa de Desenvolvimento Mineiro Investigador do Centro de Estudos Económicos e Empresariais da Universidade Autónoma de Lisboa Consultor de empresas e associações empresariais, em estratégia e processos de inovação Investigador no Centro de Estudos Aplicados (CEA) da Universidade Católica Portuguesa Consultor no Centro para o Estudo dos Problemas de Informação da UCP. 1995/ Assessor do Governo de Angola, na área de indústria Assessor do Secretário de Estado da Indústria e Energia Assessor principal do quadro da Direcção-Geral de Empresas do Ministério da Economia Membro da comissão directiva do Fórum para a Competitividade Coordenador do Estudo PORTER Director-geral do Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério da Indústria e Energia da comissão de fiscalização do Grupo QUIMIGAL.

13 Representante nacional nos Comités de Indústria, Telecomunicações e Informática da OCDE e Assessor e director de serviços do Gabinete de Estudos e Planeamento do Ministério dos Transportes da comissão de fiscalização da ANA, E. P Técnico superior do GEBEI Grupo de Estudos Básicos de Economia Industrial Técnico superior do Secretariado Técnico da Presidência do Conselho de Ministros CA Carlos Alberto do Maio Correia Data de Nascimento 27 de Outubro de 1968 Habilitações Académicas Licenciatura em Engenharia Civil, ramo de Planeamento Territorial e Transportes, do Instituto Superior Técnico Actividade Profissional do Conselho Diretivo do Instituto da Mobilidade e Transportes Terrestres, IP do Conselho Executivo da Autoridade Metropolitana de Transportes de Lisboa; do Conselho Directivo do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, IP; Assessor da Secretária de Estado dos Transportes; FERBRITAS, S. A. - Responsável do Gabinete de Estudos e Assessorias (GEA); FERBRITAS, S. A. - Responsável do Gabinete de Estudos de Transportes (GET); Adjunto do Secretário de Estado das Obras Públicas; Assistente de investigação no CESUR (Centro de Estudos de Sistemas Urbanos e Regionais do Instituto Superior Técnico); Assistente da cadeira de Vias de Comunicação do 4.º ano do curso de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico 3. Fiscal Único 3.1. Efectivo Rui Manuel Correia de Pinho Data de Nascimento 11 de Maio de 1968 Habilitações Académicas

14 Licenciado em Gestão de Empresas, pela Universidade Portucalense e Bacharel em Contabilidade e Administração pelo Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto. Possui ainda uma Pós-Graduação em Análise Financeira, ministrada pelo IESF, e a parte curricular do Mestrado em Marketing pela Universidade Portucalense. É Revisor Oficial de Contas desde Actividade Profissional Em 1989 entrou para a PricewaterhouseCoopers, donde saiu em Setembro de 24. Atingiu a categoria de Senior Manager da linha de serviços de Global Risk Management Solutions (GRMS), responsável pela consultoria do escritório do Porto e por um grupo a nível nacional. Actualmente é Partner da InoBest Consulting e Sócio de uma sociedade de Revisores Oficiais de Contas que pertence à BKR International, uma das grandes networks de auditoria e assessoria de gestão a nível mundial. Ao longo de 2 anos participou em vários trabalhos de avaliação de empresas, projectos de reorganização de empresas, diagnósticos à gestão, auditorias financeiras, auditorias internas, estudos de mercado, projectos de índole estratégica, diagnóstico e projectos de investimentos, na concepção de sistemas de informação e processos de assessoria contabilística e fiscal. Está nomeado como Revisor Oficial de Contas em cerca de 6 empresas. Há cerca de 5 anos que integra o Grupo de Controladores Relatores no âmbito do Controlo da Qualidade da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas. Integrou também a Comissão Técnica do Sector Público da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas durante 3 anos. Tem participado, como orador convidado, em diversos seminários e conferências. Foi docente do Instituto Superior de Administração e Gestão na área de Estratégia Empresarial e Auditoria (Licenciatura e Pós-Graduações) durante 1 anos.

15 3.2. Suplente Luis Manuel Moura Esteves Data de Nascimento 28 de Novembro de 1961 Habilitações Académicas Mestre em Contabilidade e Administração pela Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho. Possui ainda a Licenciatura em Controlo Financeiro e o Bacharelato em Contabilidade e Administração, ambos pelo Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP). Revisor Oficial de Contas desde Actividade Profissional Esteve cerca de 15 anos na linha de serviços de Advisory Business Assurance Services (ABAS) da PricewaterhouseCoopers, no escritório do Porto, onde iniciou a sua actividade em Ao longo deste período foi responsável pela coordenação de equipas de auditoria em diversos sectores, nomeadamente no sector químico, alimentar, têxtil, saúde e público. Destacam-se ainda as responsabilidades na condução de trabalhos ao nível da formação interna e externa, e de diagnósticos de sistemas de controlo interno e manuais de procedimentos. Actualmente é Partner da InoBest Consulting e da Esteves, Pinho & Associados, SROC, integrando esta última a rede de auditores e consultores BKR Internacional, uma das maiores a nível mundial. Em termos de responsabilidades actuais destacam-se: (i) trabalhos de Auditor Externo em autarquias locais; (ii) Revisão Legal de Contas em diversas entidades do sector privado; (iii) outros trabalhos de conformidade, consolidação e projectos de consultoria financeira. Na Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, tem assumido várias funções, entre as quais: Coordenador do Grupo de Trabalho das Autarquias Locais em 23; Controlador-Relator no âmbito do Controlo de Qualidade nos últimos 6 anos; Formador no Módulo de Auditoria Financeira do Curso de Preparação para Revisores Oficiais de Contas e de diversos cursos sobre Avaliação do Risco em Auditoria e Controlo Interno. Tem participado, como orador convidado, em diversos seminários e conferências, essencialmente com intervenções ao nível do Sistema de Controlo Interno.

Remunerações e outras regalias

Remunerações e outras regalias Remunerações e outras regalias 1. Mesa Assembleia Geral Não se aplica 2. Conselho de Administração Exercício de 2012 Adaptado ao EGP (Sim/Não) sim sim sim sim sim sim Remuneração Total (1.+2.+3.+4.) 69,863.78

Leia mais

Estatuto remuneratório fixado

Estatuto remuneratório fixado Estatuto remuneratório fixado De acordo com o estabelecido pela Comissão de Vencimentos em 14 de abril de 2004, os membros dos Órgãos Sociais podem auferir as seguintes remunerações principais brutas:

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Conselho de Administração. Fiscal Único

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Conselho de Administração. Fiscal Único Modelo de Governo II 2014-2016 Cargo Órgãos Sociais Eleição Conselho de Administração Presidente Vogal (1) Vogal (2) Francisca Passo Valente Carneiro Fernandes José Manuel Matos da Silva Sandra Bela de

Leia mais

1. Estatuto remuneratório fixado para os Membros do Conselho de Administração

1. Estatuto remuneratório fixado para os Membros do Conselho de Administração Órgãos Sociais 1. Estatuto remuneratório fixado para os Membros do Conselho de Administração A. Competência para a Determinação Compete à Assembleia Geral a aprovação da política de remunerações dos membros

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral. Francisco Torres Sampaio Inês Alexandra Gomes da Costa. Conselho de Administração

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral. Francisco Torres Sampaio Inês Alexandra Gomes da Costa. Conselho de Administração Modelo de Governo O modelo de governo adoptado pela Polis Litoral Norte é o modelo clássico, composto pelo Conselho de Administração, Assembleia Geral e Fiscal Único, constituindo estes os seus órgão sociais

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Presidente Vice-Presidente Secretário Mesa da Assembleia-geral Não Aplicável Presidente Conselho de Administração Izabel Maria Nunes Rodrigues Daniel

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário Secretário Professora Doutora Maria Helena Vaz de Carvalho Nazaré Dr. José Carlos Moreira Amaral (cessou

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Henrique Manuel Gil Martins Rogério Pereira Rodrigues Artur Manuel Trindade Mimoso.

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Henrique Manuel Gil Martins Rogério Pereira Rodrigues Artur Manuel Trindade Mimoso. Modelo de Governo Mandato III Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Presidente Vogal (1) Vogal (2) Henrique Manuel Gil Martins Rogério Pereira Rodrigues Artur Manuel Trindade Mimoso RCM nº8/2014 de 25.02

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Conselho de Administração. Fiscal Único. Fiscal Único. Conselho Consultivo

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Conselho de Administração. Fiscal Único. Fiscal Único. Conselho Consultivo Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Conselho de Administração (1) (2) Director Clínico (3) Enf. Director (4) Eng. Joaquim Nabais Esperancinha Dr. António José Horta Lérias Eng. João

Leia mais

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia S.G.F.T.C., S.A. Rua General Firmino Miguel, nº 5 1º 1600-100 Lisboa Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva nº

Leia mais

ESTATUTOS. LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A.

ESTATUTOS. LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ Código Postal 8104-001 ESTATUTOS LOULÉ CONCELHO GLOBAL, E.M., Unipessoal, S.A. CAPÍTULO I Da Sociedade e do capital social ARTIGO 1.º Denominação A Sociedade adota a denominação

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A.

Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. Pacto social da AICEP Global Parques Gestão de Áreas Empresariais e Serviços, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, objecto e duração Artigo 1.º Denominação A sociedade adopta a denominação de AICEP Global

Leia mais

Órgãos Sociais da SATU-Oeiras, E.M., S.A. Triénio 2012-2014. Assembleia Geral. Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Órgãos Sociais da SATU-Oeiras, E.M., S.A. Triénio 2012-2014. Assembleia Geral. Presidente da Mesa da Assembleia Geral Assembleia Geral Presidente da Mesa da Assembleia Geral Nome: Jorge Manuel Madeiras Silva Pracana Licenciatura em Direito na Faculdade de Direito da Universidade Clássica de Lisboa. Advogado. Membro de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL. Artigo 1. Composição REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO INSTITUTO DE INVESTIGAÇÃO CIENTIFICA TROPICAL Artigo 1. Composição A composição do conselho científico do Instituto de Investigação Científica Tropical, I.P., abreviadamente

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA IMPRESA-SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1º - COMPOSIÇÃO 1. A Comissão de Auditoria é composta por três membros

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

Apuramento do resultado fiscal em SNC

Apuramento do resultado fiscal em SNC www.pwcacademy.pt Apuramento do resultado fiscal em SNC Lisboa, 23 e 29 de Novembro Academia da PwC Lisboa, 7ª edição Esta formação reúne conteúdos para a atribuição de créditos, nos termos previstos no

Leia mais

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT

ESTATUTOS FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO CHAMPAGNAT CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO Instituição e Denominação É instituída uma fundação denominada Fundação Champagnat que se regerá pelos presentes estatutos

Leia mais

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação personalidade e capacidade jurídica 1 - A empresa adopta a denominação

Leia mais

PACTO SOCIAL (Março 2009)

PACTO SOCIAL (Março 2009) NORMA-AÇORES, SOCIEDADE DE ESTUDOS E APOIO AO DESENVOLVIMENTO REGIONAL, S. A. E S T A T U T O S CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE E OBJECTO Artigo 1.º (Firma) 1. Nos termos da lei e dos presentes estatutos,

Leia mais

Modelo de Governo. Cargo Órgãos Sociais Nomeação Mandato. Conselho de Administração. Presidente 2015-2017. Resolução 12/2015, de 12.

Modelo de Governo. Cargo Órgãos Sociais Nomeação Mandato. Conselho de Administração. Presidente 2015-2017. Resolução 12/2015, de 12. Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Nomeação Mandato Conselho de Administração Presidente João Manuel Alves da Silveira Ribeiro 12/2015, de 12.02(*) 2015-2017 Vogal (1 Mário de Figueiredo Bernardes

Leia mais

Estrada Nacional nº 4 Km 158 7151-912 Borba Tel: 268891510 Fax: 268891529 geral@valorpedra.pt www.valorpedra.pt

Estrada Nacional nº 4 Km 158 7151-912 Borba Tel: 268891510 Fax: 268891529 geral@valorpedra.pt www.valorpedra.pt Artigo 1º. Denominação, Sede e duração 1. A Associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO VALOR PEDRA, tem a sede na Estrada Nacional 4, km 158, Apartado 48 EC Borba, 7151-912 Borba,

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95:

CCV Correios de Cabo Verde, SA. Decreto Lei nº 9-A/95: CCV Correios de Cabo Verde, SA Decreto Lei nº 9-A/95: Transforma a empresa Pública dos Correios e Telecomunicações CTT, em duas sociedades anónimas de capitais públicos. ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação,

Leia mais

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA

CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CONTRATO DE SOCIEDADE DA TOMÁS TIMBANE E ASSOCIADOS ADVOGADOS SOCIEDADE UNIPESSOAL, LDA CAPÍTULO I FIRMA, OBJECTO SOCIAL E SEDE ARTIGO PRIMEIRO (Firma) Um) A Sociedade é constituída sob a forma de sociedade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste:

O Ministério da Justiça da República Portuguesa e o Ministério da Justiça da República democrática de Timor - Leste: Protocolo de Cooperação Relativo ao Desenvolvimento do Centro de Formação do Ministério da Justiça de Timor-Leste entre os Ministérios da Justiça da República Democrática de Timor-Leste e da República

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO 1. Nos termos do nº 2 do artigo 21º da Lei nº 2/2004, de 15 de Janeiro, com a redacção dada pela Lei nº 51/2005, de 30 de Agosto, e pela

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos

Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Estatutos da Caixa Geral de Depósitos Conforme aprovado em Assembleia Geral de 22 de julho de 2011 e posterior alteração pela Deliberação Unânime por Escrito de 27 de junho de 2012. CAPÍTULO I Natureza,

Leia mais

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social

CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social ESTATUTOS DA PARPÚBLICA PARTICIPAÇÕES PÚBLICAS (SGPS), S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objeto social Artigo 1.º (Denominação) A sociedade adota a denominação PARPÚBLICA Participações Públicas

Leia mais

CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA. Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964.

CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA. Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964. CURRICULUM VITÆ JOÃO CARLOS ALBUQUERQUE AMARAL E ALMEIDA DADOS PESSOAIS: Nasceu em Mangualde, distrito de Viseu, a 3 de Setembro de 1964. Estado civil: solteiro. Trabalha em Lisboa, com escritório na Rua

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Currículos. 1. Membros do Conselho de Administração. 1.1. Administradores Executivos. 1.1.1. Presidente CA Luís Filipe Ottolini Coimbra

Currículos. 1. Membros do Conselho de Administração. 1.1. Administradores Executivos. 1.1.1. Presidente CA Luís Filipe Ottolini Coimbra Currículos 1. Membros do Conselho de Administração 1.1. Administradores Executivos 1.1.1. Presidente CA Luís Filipe Ottolini Coimbra Ano de Nascimento: 1944 - Licenciatura em Engenharia Aeronáutica e Mecânica

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

Novo Sistema de Normalização Contabilística

Novo Sistema de Normalização Contabilística Acção de Formação Novo Sistema de Normalização Contabilística Novo Sistema de Normalização Contabilística Programa: 16 horas Formador: Dr. Vitor de Almeida Apresentação das demonstrações financeiras Estrutura

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A.

ESTATUTO DA SOCIEDADE .. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. ESTATUTO DA SOCIEDADE.. SOCIEDADE UNIPESOAL S.A. CAPÍTULO I Da Firma, Tipo, Sede, Duração e Objecto Social ARTIGO 1.º (Natureza jurídica, denominação e duração) A sociedade adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral. Dra. Maria Fernanda Joanaz Silva Martins. Dra. Luísa Maria do Rosário Roque

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia Geral. Dra. Maria Fernanda Joanaz Silva Martins. Dra. Luísa Maria do Rosário Roque Modelo de Governo Mandato (2014-2016) Quadro III Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Mesa da Assembleia Geral Presidente Secretário Dra. Maria Fernanda Joanaz Silva Martins Dra. Luísa Maria do Rosário

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS

PORTUCEL, S.A. ESTATUTOS TEXTO ACTUALIZADO DOS ESTATUTOS DA SCOIEDADE ANÓNIMA PORTUCEL, S.A., ELABORADO NOS TERMOS DO Nº 2 DO ARTIGO 59º DO CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL, EM CONSEQUÊNCIA DE ALTERAÇÃO DO CONTRATO SOCIAL EFECTUADA

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A.

ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. ESTATUTOS DA COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede, duração e objecto Artigo 1.º A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação de Companhia das Lezírias, S.A., abreviadamente

Leia mais

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET

Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET Regulamento Interno da Comissão Especializada APIFARMA VET De harmonia com o disposto no artº 36º. dos Estatutos da APIFARMA é elaborado o presente Regulamento interno que tem por objectivo regulamentar

Leia mais

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA

LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA LISGRÁFICA, Impressão e Artes Gráficas, SA ESTATUTOS CAPÍTULO I Denominação, Sede e Objecto Artigo 1º Denominação A sociedade continua a sua existência e actividade sob a denominação Lisgráfica-Impressão

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL

REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL REGULAMENTO DO CONSELHO FISCAL O presente instrumento regulamenta a composição, exercício da competência, deveres, funcionamento e serviços de apoio do Conselho Fiscal da Sonae SGPS, SA. COMPOSIÇÃO 1.

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Proposta / Ponto 4. DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013. Exmo. Senhor. Presidente da Mesa da Assembleia Geral

Proposta / Ponto 4. DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013. Exmo. Senhor. Presidente da Mesa da Assembleia Geral DOCUMENTOS PREPARATÓRIOS ASSEMBLEIA GERAL Porto 8 maio 2013 Proposta / Ponto 4 Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral Grupo Soares da Costa, SGPS,S.A. Exmo. Senhor Presidente, Relativamente

Leia mais

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD

SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (42.442.000) euros Sede Social: Estádio José Alvalade - Rua Professor Fernando da Fonseca, Lisboa

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

CURRICULUM VITAE João Trabuco

CURRICULUM VITAE João Trabuco CURRICULUM VITAE João Trabuco Ponta Delgada, 1 de Março de 2008 1 DADOS BIOGRÁFICOS Nome: João Manuel Beliz Trabuco Filiação: Álvaro Velez Trabuco Catarina Lopes Beliz Data de nascimento: 20 de Abril de

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I - CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1.º (Constituição e denominação) É constituída uma associação cultural sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas

Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas Centro de Ciências Matemáticas Campus Universitário da Penteada P 9000-390 Funchal Tel + 351 291 705181 /Fax+ 351 291 705189 ccm@uma.pt Regulamento do Centro de Ciências Matemáticas I Disposições gerais

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres )

Regulamento Interno. Capítulo I (Constituição e âmbito) Capítulo II ( Dos sócios, seus direitos e deveres ) Regulamento Interno Capítulo I (Constituição e âmbito) Art. 1.º - O presente Regulamento Interno, tem como finalidade completar pormenorizadamente os Estatutos da ASTA Associação de Artes e Sabores do

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

DADOS PESSOAIS NOTA CURRICULAR

DADOS PESSOAIS NOTA CURRICULAR DADOS PESSOAIS Nome : SOFIA DE SEQUEIRA GALVÃO Data de nascimento : 06.ABR.1963 Naturalidade : Lisboa Nacionalidade : Portuguesa Estado Civil : Divorciada 1 Advocacia NOTA CURRICULAR Sócia da Sérvulo Correia

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE

RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE RELATÓRIO SOBRE O GOVERNO DA SOCIEDADE Relatório sobre o Governo da Sociedade 1. Missão, objectivos e políticas da empresa a) A Companhia das Lezírias (CL) na sua qualidade de maior empresa agrícola portuguesa

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS AUTARCAS SOCIALISTAS Capítulo I Da denominação, Fins, Duração e Sede Artigo 1.º Designação É constituída uma associação denominada Associação Nacional de Jovens

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO

CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO CURRICULUM VITAE JOSÉ GABRIEL PAIXÃO CALIXTO ECONOMISTA Janeiro, 2006 Rua Marquês de Pombal, Nº 17 7200-389 Reguengos de Monsaraz Telemóvel: +351 964 895 518 jose.calixto@netcabo.pt C URRICULUM VITAE JOSÉ

Leia mais

2013/2015 2010/2012. 2. Fiscal Único 2013/2015

2013/2015 2010/2012. 2. Fiscal Único 2013/2015 Modelo de Governo O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro, E. P. E, reveste a natureza de entidade pública Empresarial, e foi criado através do Decreto-Lei n.º 50-A/2007 de 28 de Fevereiro,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA REGULAMENTO GERAL DAS FACULDADES DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Artigo 1º Denominação 1. As faculdades são unidades orgânicas da UFP que integram subunidades orgânicas, reúnem grandes áreas científicas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza

ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Constituição, Denominação e Natureza ASSOCIAÇÃO TRIENAL DE ARQUITECTURA DE LISBOA ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Constituição, Denominação e Natureza A Associação Trienal de Arquitectura de Lisboa é uma associação cultural,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S

PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S PÓS-GRADUAÇÃO EM CONTROLO DE GESTÃO E FISCALIDADE PARA PME S CÂMARA DO COMÉRCIO DE ANGRA DO HEROÍSMO E INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Angra do Heroísmo 2010/2011 1 Objectivos Este curso de pós-graduação

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica

DESPACHO ISEP/P/51/2010. Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica DESPACHO DESPACHO /P/51/2010 Regulamento do Departamento de Engenharia Electrotécnica Considerando que: Nos termos do n.º 4 do artigo 43.º dos Estatutos do Instituto Superior de Engenharia do Porto, homologados

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 12 de agosto de 2015. Série. Número 146

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 12 de agosto de 2015. Série. Número 146 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 12 de agosto de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA SAÚDE Despacho n.º 372/2015 Designa no cargo de Chefe do Gabinete, o licenciado Miguel

Leia mais

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DOS MEMBROS, DIREITOS E DEVERES ARTIGO 1 Dos Membros 1- Podem ser membros da MUTUALIDADE

Leia mais

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC)

SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01.REV/SIAC/2012 SISTEMA DE APOIO A ACÇÕES COLECTIVAS (SIAC) METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM O PESSOAL TÉCNICO DO BENEFICIÁRIO E LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS Nos termos

Leia mais

HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner

HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner www.pwc.pt/academy HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner Lisboa, 21 e 22 de março de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer os desafios da função de RH e como se posicionar como

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2.

Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449. (CNC), anexo ao presente decreto -lei e que dele faz parte integrante. Artigo 2. Diário da República, 1.ª série N.º 133 13 de Julho de 2009 4449 Decreto-Lei n.º 160/2009 de 13 de Julho Com a aprovação de um novo Sistema de Normalização Contabilística, inspirado nas normas internacionais

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas

Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Decreto n.º 20/92 de 4 de Abril Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República Popular de Angola na Área das Finanças Públicas Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015 ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 14 de Maio de 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 8 DA ORDEM DE TRABALHOS (Deliberar sobre a eleição dos membros do Conselho Fiscal para exercerem funções durante

Leia mais

Síntese Curricular. 1. Membros da Mesa da Assembleia-Geral. 1.1. Presidente Carlos Alberto Martins Portas. Data de Nascimento: 29 de novembro de 1936

Síntese Curricular. 1. Membros da Mesa da Assembleia-Geral. 1.1. Presidente Carlos Alberto Martins Portas. Data de Nascimento: 29 de novembro de 1936 Síntese Curricular 1. Membros da Mesa da Assembleia-Geral 1.1. Presidente Carlos Alberto Martins Portas Data de Nascimento: 29 de novembro de 1936 Doutor em Engenharia Agronómica Prof. Emérito da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA

ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA ESTATUTOS DOS SERVIÇOS DE AÇÃO SOCIAL DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º Natureza Os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa, adiante designados por SASULisboa, são uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

Vogal do Conselho da Caixa Geral de Depósitos, S.A., desde 1 de Outubro de 2004.

Vogal do Conselho da Caixa Geral de Depósitos, S.A., desde 1 de Outubro de 2004. Norberto Emílio Sequeira da Rosa Currículo Data de Nascimento: 3 de Abril de 1955 Cargos que Exerce: Vogal do Conselho da Caixa Geral de Depósitos, S.A., desde 1 de Outubro de 2004. Membro não executivo

Leia mais

Portaria n.º 8-A/2014. de 15 de janeiro

Portaria n.º 8-A/2014. de 15 de janeiro Portaria n.º 8-A/2014 de 15 de janeiro O Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas (RCTFP), aprovado pela Lei n.º 59/2008, de 11 de setembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66/2012,

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A.

PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. PME INVESTIMENTOS SOCIEDADE DE INVESTIMENTO, S.A. CAPÍTULO I Denominação, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração A sociedade adopta a denominação de PME Investimentos Sociedade de Investimento,

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT

SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 13.REV1/2011 SISTEMA DE INCENTIVOS À I&DT LIMITES À ELEGIBILIDADE DE DESPESAS, CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DE APLICAÇÃO DAS DESPESAS ELEGÍVEIS E METODOLOGIA DE CÁLCULO DAS DESPESAS COM

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

CURRICULUM VITAE NOME DATA DE NASCIMENTO HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CONHECIMENTO DE LÍNGUAS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL - JOSÉ MIGUEL SARDINHA - 15/09/59

CURRICULUM VITAE NOME DATA DE NASCIMENTO HABILITAÇÕES LITERÁRIAS CONHECIMENTO DE LÍNGUAS EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL - JOSÉ MIGUEL SARDINHA - 15/09/59 CURRICULUM VITAE NOME - JOSÉ MIGUEL SARDINHA DATA DE NASCIMENTO - 15/09/59 HABILITAÇÕES LITERÁRIAS - LICENCIADO EM DIREITO PELA FACULDADE DE DIREITO DE LISBOA (1984). 13 valores.grau de Mestre em Direito

Leia mais

Nota Informativa 2/2012 Maio 2012 DSAJAL/DAAL Setor Empresarial Local

Nota Informativa 2/2012 Maio 2012 DSAJAL/DAAL Setor Empresarial Local Nota Informativa 2/2012 Maio 2012 DSAJAL/DAAL Setor Empresarial Local Reduções remuneratórias I- Enquadramento ao Setor Empresarial Local O regime jurídico do setor empresarial local (SEL) 1 integra duas

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede)

ESTATUTOS. Artigo 1º (Nome e Sede) ESTATUTOS Artigo 1º (Nome e Sede) O nome da associação é A Rocha Associação Cristã de Estudos e Defesa do Ambiente e a sua sede é na Cruzinha, Mexilhoeira Grande, em Portimão. Artigo 2º (Natureza e Fins)

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros)

ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA. Artigo 1.º (Natureza, Membros) ESTATUTOS DO CENTRO DE FILOSOFIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Artigo 1.º (Natureza, Membros) 1. O Centro de Filosofia da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, também designado abreviadamente como

Leia mais

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 19 de julho de 2013

JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 19 de julho de 2013 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 19 de julho de 2013 Série Sumário VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Despacho n.º 114/2013 Designa, em regime de comissão de serviço, o DR. EMANUEL

Leia mais