Manual de orientação para a avaliação de estágio probatório dos docentes da Seduc/Go

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de orientação para a avaliação de estágio probatório dos docentes da Seduc/Go"

Transcrição

1 Manual de rientaçã para a avaliaçã de estági prbatóri ds dcentes da Seduc/G

2

3 SECRETARIA DA EDUCAÇÃO MANUAL ESTÁGIO PROBATÓRIO/ PROFESSOR DO Giânia

4

5 Queria entender d med e da cragem, e da gã que empurra a gente para fazer tants ats, dar crp a suceder (...). Mire veja: mais imprtante e bnit, d mund, é ist: que as pessas nã estã sempre iguais, ainda nã fram terminadas mas que elas vã sempre mudand. Afinam u desafinam. Verdade mair. É que a vida me ensinu. (Jã Guimarães Rsa Grande Sertã: Veredas)

6

7 Gvernadr Alcides Rdrigues Filh Secretária de Estad da Educaçã Milca Severin Pereira Superintendente de Administraçã, Finanças e Planejament Valtersn Oliveira da Silva Superintendente de Educaçã Básica Jsé Luiz Dmingues Crdenadra de Desenvlviment e Avaliaçã Edvânia Braz Teixeira Rdrigues Gerente de Gestã e Avaliaçã da Rede de Ensin Leila Freire Crrêa

8 ELABORAÇÃO: Edvânia Braz Teixeira Rdrigues (rg) Leila Freire Crrêa Márcia Maria de Carvalh Pereira COLABORAÇÃO: Andréa Carla Araúj Nni Sants Bianca Regina Massne Auad Cristina Neri da Fnseca Dayane Alves ds Sants Deuzilda Pereira ds Sants Ednamar Eterna de Susa Irma Csta de Carvalh Lizélia Pereira da Silva Basts Maria Aparecida de Suza Maria Aparecida Silva Ferreira Nadir Machad Gnçalves Neusa Aleix Chaveir Rejane Lúcia da Silva Brasil Rita Bárbara de Suza Sebastiã da Csta Oliveira Sônia Regina Gléria REVISÃO: Sici Adriana Rsa FOTO: Mônica Salvadr ESCOLA FOTOGRAFADA: Escla Estadual de Temp Integral Dr. Antôni Gmes da Frta / Subsecretaria Metrplitana / Giânia IMPRESSÃO: GRAFSET - Gráfica e Editra Ltda. (62)

9 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...9 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA...11 ESTÁGIO PROBATÓRIO NA SEDUC...13 Requisits Básics a Serem Apurads...13 PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO PROBATÓRIO...15 Períd...15 Iníci d Estági Prbatóri...15 Requisits básics a serem apurads...15 Frmalizaçã d Prcess de Avaliaçã...16 Dcuments que Integram a Avaliaçã...16 Preenchiment das fichas...17 ETAPAS SEMESTRAIS DA AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO...19 Na Unidade Esclar...19 Na Subsecretaria Reginal de Educaçã - SRE...21 Na Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri...21 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO PROBATÓRIO...23 Mdulaçã...23 Remçã...23 Afastament...23 Suspensã...24 Prrrgaçã...24 Hmlgaçã...24 CONSIDERAÇÕES FINAIS...25 FICHAS DE AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO...27 LEGISLAÇÃO APLICADA AO ESTÁGIO PROBATÓRIO...45 BIBLIOGRAFIA...55

10

11 APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estad da Educaçã (Seduc) é respnsável pela criaçã, implantaçã, acmpanhament, mnitrament e avaliaçã da plítica estadual de educaçã, tend em vista a melhria da qualidade da aprendizagem ds aluns, preparand-s acadêmica, plítica e scialmente para exercíci da cidadania e para acess a mund d trabalh. Os prcesss de avaliaçã devem ser incrprads à rtina das esclas, num esfrç cntínu de criar mecanisms que cntribuam para cresciment pessal e prfissinal ds servidres. O sucess desses mecanisms depende da clabraçã e d envlviment de tda cmunidade esclar, pis, mais d que implantar rtinas burcráticas, é necessári estabelecer uma cultura da avaliaçã em nss ctidian. A avaliaçã especial de desempenh d prfessr em estági prbatóri é um desses mecanisms instituíd pela Seduc n intuit de verificar a real adequaçã ds prfessres aprvads em cncurs públic para carg de prviment efetiv. Os prcediments de avaliaçã de estági prbatóri, aqui detalhads, devem ser utilizads de frma demcrática e participativa n interir da escla, nã se limitand a rituais burcrátics. As ações previstas n estági prbatóri devem se trnar prtunidades reais de interatividade, discussã de caminhs e busca cnstante na superaçã de prblemas, pis estági prbatóri é um mment de adaptaçã em que prfessr enfrenta s seus primeirs desafis, cnstrói relações de cnfiança e atitudes de respnsabilidade para cm trabalh. A Seduc espera que tds s prfessres, e nã apenas s que estã send avaliads para efeit de estabilidade, participem de frma cnsciente e respnsável deste prcess de avaliaçã, que cnstitui uma estratégia imprescindível para refrçar a cmpetência d prfessr e a melhria da qualidade d ensin. Milca Severin Pereira Secretária de Estad da Educaçã

12

13 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Denmina-se estági prbatóri períd de avaliaçã, adaptaçã e treinament em efetiv exercíci a que estã submetids s que ingressam em cargs públics em virtude de aprvaçã em cncurs públic. Uma vez aprvad em cncurs públic, para trnar-se servidr efetiv, cidadã precisa ser nmead, tmar psse e entrar em exercíci n serviç públic. A nmeaçã é publicada n Diári Oficial d estad u d municípi. A psse marca iníci ds direits e ds deveres funcinais d servidr. O exercíci crrespnde a desempenh das atribuições d carg u funçã pública. O períd de estági prbatóri inicia-se na data em que servidr passa a desempenhar suas atribuições. O estági prbatóri está previst na Cnstituiçã Federal de 1988 e fi regulamentad pela Emenda Cnstitucinal n.º 19, de 1998, que ampliu de dis para três ans períd prbatóri e, dentre utras, impôs cm cndiçã da estabilidade, para servidr em exercíci de carg efetiv, a cncreta avaliaçã especial de desempenh durante estági prbatóri pr cmissã instituída para essa finalidade. Interpretand nv dispsitiv da Emenda Cnstitucinal n.º 19/98, Carmen Lúcia Antunes Rcha sintetizu: Essa cndiçã cnstitucinal fez-se n sentid de nã permitir a cntinuidade da abulia administrativa em matéria de estági. É que sem avaliaçã estági era mera referência tempral na flha d servidr, sem qualquer cmprmiss cncretamente arrstad administrativamente. (Rcha, 2000, p.237) A regulamentaçã dada pela Emenda Cnstitucinal n.º 19/98 almeja impedir que estági prbatóri seja uma simples exigência frmal, sem efetividade cm prcess de avaliaçã e adaptaçã ds agentes públics à atividade nrmal d Estad. O estági prbatóri nã é simples laps de temp, é um prcess administrativ de avaliaçã e adaptaçã em efetiv exercíci de agentes nmeads após cncurs para cargs de prviment efetiv. Segund prfessr Paul Mdest: A avaliaçã de desempenh durante estági prbatóri é especial, brigatória e realizada pr cmissã instituída para essa finalidade. É especial prque nã se cnfunde cm a avaliaçã nrmal de desempenh, realizada peridicamente pela Administraçã, vltada a aferir a qualidade da atuaçã de servidres estáveis. A avaliaçã n estági prbatóri é avaliaçã glbal d períd de prva, embra nã seja cncentrada num únic mment, 11

14 pdend ser desdbrada em etapas, de md a captar a evluçã d agente a lng d temp e suas dificuldades de adaptaçã. É brigatória, pis nã pde ser dispensada, nem admite a inércia da Administraçã, pis d sistema cnstitucinal fi eliminada a hipótese de aquisiçã da estabilidade pr simples decurs de praz. (Mdest, 2007) Assim, a avaliaçã n períd de estági prbatóri traduz dever da Administraçã Pública e direit subjetiv d servidr, exigível, inclusive, perante Pder Judiciári. O servidr é também interessad na avaliaçã, uma vez que, nã efetuada, interfere na aquisiçã da estabilidade. Nessa perspectiva, a Seduc instituiu a Avaliaçã Especial de Desempenh d Prfessr em Estági Prbatóri n an 2000, em cnfrmidade cm Estatut de Plan de Cargs e Venciments d Pessal d Magistéri (Lei n.º , regulamentada pel Decret n.º 5.334/2000 e, psterirmente, pel Decret n.º 6.532/2006), de frma que prfessr nmead, a entrar em exercíci, fica sujeit a um períd de estági prbatóri de três ans, send submetid à avaliaçã d seu desempenh pr uma cmissã de avaliaçã cnstituída na unidade esclar cm bjetiv de apurar sua idneidade mral, assiduidade e pntualidade, disciplina, eficiência e aptidã, requisits indispensáveis à sua estabilidade n carg. Nesse períd, a escla deve ter participaçã ativa para assegurar que a Cmissã de Avaliaçã da Unidade Esclar (Caue) realize a avaliaçã ds prfessres. Após a psse, prfessr que se apresenta na escla pde nã cnhecer essa rede de ensin, que requer da equipe gestra dever de recebê-l adequadamente, apresentand a rganizaçã da escla, seu prjet pedagógic e, em especial, as tarefas, a participaçã e a cntribuiçã que dele sã esperadas. O desafi da Seduc é dar efetividade à exigência cnstitucinal d estági prbatóri. Realizá-l cm prcess administrativ cntínu, rdenad, garantidr ds direits subjetivs ds prfessres, mas a mesm temp capaz de depurar d cncurs públic realizad s prfessres que realmente estã apts a desempenh da funçã para a qual prestu cncurs. 12

15 ESTÁGIO PROBATÓRIO NA SEDUC A Avaliaçã d Estági Prbatóri é uma exigência cnstitucinal que busca verificar se servidr aprvad em cncurs públic pderá ser efetivad n carg. O períd de três ans d estági prbatóri deve ser vist cm uma prtunidade de interaçã entre servidr e a instituiçã em que trabalha. Cnfrme estabelece art. 33, caput, da Lei n.º , de 25 de setembr de 2001, nesse períd prfessr nmead é submetid à avaliaçã de requisits básics cm bjetiv de apurar seu desempenh nas tarefas relativas a seu carg, pssibilitand sua estabilidade n serviç públic. Requisits Básics a Serem Apurads Idneidade Mral - É cnjunt de qualidades mrais e éticas d prfessr em virtude d ret cumpriment ds deveres, ds bns cstumes e da respnsabilidade em cnservar bem públic cm respeit e zel. O prfessr deve inspirar cnfiança na equipe e ns aluns. Deve ter cnsciência de estar utilizand patrimôni públic, que é de tda ppulaçã. Deve inspirar respeit e sentir-se representante d carg que cupa. Deve utilizar cnheciment sbre a legislaçã educacinal para exercer uma inserçã prfissinal crítica. Assiduidade e Pntualidade - Assiduidade é a capacidade de estar presente, ser freqüente e cumpridr de suas funções e das tarefas inerentes a carg. Pntualidade é a exatidã quant a cumpriment ds hráris e prazs estabelecids. Disciplina - Cnsiste em bservar as nrmas, decisões e s preceits emanads de instruments nrmativs, legais, de seus superires e as deliberadas cletivamente n interir da unidade esclar. O prfessr deve cntribuir para trabalh cletiv, cmpartilhand saberes cm clegas de diferentes áreas e articuland em seu trabalh as cntribuições interdisciplinares. Deve bedecer à rdem hierárquica e submeter-se às nrmas legais e disciplinadras. Também diz respeit à respnsabilidade, mas está muit relacinada a trabalh de equipe. Eficiência - É a açã cmpetente e criativa d prfessr para atingir cm eficácia s bjetivs prpsts pela unidade esclar e pela Seduc na busca de resultads cm qualidade. 13

16 É a manifestaçã de cmpetências referentes a dmíni de cnheciments d seu camp de trabalh. É fazer cert. Está relacinada a querer fazer, a esfrç em realizar, à dispsiçã para trabalhar, à dedicaçã e à perseverança d prfessr. É bm desempenh d prfessr na busca ds bjetivs relevantes definids para seu trabalh, em terms de qualidade, quantidade e prazs. Aptidã - é a capacidade de executar seu trabalh cm entusiasm, criatividade, habilidade de invaçã nas situações ctidianas de ensin, cmunicaçã, interaçã cm s aluns, recnhecend e respeitand as diversidades. Baseia-se n autcnheciment d prfessr, n acreditar em si mesm, n sentir-se capaz de fazer. Desenvlv-se n aprimrament e na prcura d própri cresciment, facilitand a cmpreensã d papel scial das instituições educativas. Embra intrduzid n serviç públic cm exigência legal, deve-se ressaltar caráter educativ d estági prbatóri. Cabe à Caue bservar cumpriment ds princípis da legalidade, impessalidade, mralidade, publicidade e eficiência em que se devem basear tds s prcediments utilizads na Avaliaçã d Estági Prbatóri. Assim, essa avaliaçã deve crrer de md demcrátic, isenta de qualquer precnceit de rdem religisa, idelógica, plítica, de raça u de cr, fixand-se exclusivamente ns critéris legais bjetivamente determinads. 14

17 PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Períd O estági prbatóri tem duraçã de três ans, imprrrgável, nã pdend ser suspens, excetuadas as hipóteses de licenças para tratament de saúde u pr mtiv de dença em pessa da família, pr temp superir a 90 dias, art. 33, 1º, da Lei n.º de 25 de setembr de A avaliaçã d estági prbatóri é semestral, nã pdend ser interrmpida pr férias esclares, recesss, licença maternidade. O prfessr será avaliad cm fichas específicas ns cinc (5) primeirs semestres d seu períd de estági prbatóri. O sext semestre é destinad à cnclusã e hmlgaçã d prcess, sem prejuíz da cntinuidade da apuraçã ds requisits idneidade mral, assiduidade e pntualidade, disciplina, eficiência e aptidã. Iníci d Estági Prbatóri O períd de estági prbatóri e a avaliaçã terã iníci a partir da data d efetiv exercíci d prfessr na unidade esclar. OBS: A data de efetiv exercíci é a data em que prfessr deu iníci às suas atividades na unidade esclar após ter tmad psse. Assim, a data d efetiv exercíci a ser cnsiderada cm referência para cômput d períd de estági prbatóri pderá cincidir cm a data da psse, mas em nenhum cas antecederá a data da psse. Requisits Básics a Serem Apurads Idneidade mral Assiduidade e pntualidade Disciplina 15

18 Eficiência Aptidã Cnfrme art. 3º, 4º, d Decret 6.532, de 21 de agst de 2006, ats que infringirem s requisits de idneidade mral e disciplina implicarã na suspensã autmática d períd d estági prbatóri, n entant prfessr cntinuará trabalhand até a cnclusã das apurações. Cas esses ats nã sejam cmprvads, períd de suspensã d estági será descnsiderad. O nã-cumpriment de qualquer um ds requisits implicará a Instauraçã de Prcess Administrativ, que smente pderá ser cncluíd após a defesa d prfessr em estági prbatóri, ns terms da Lei n.º , de 25 de setembr de Frmalizaçã d Prcess de Avaliaçã A avaliaçã especial de desempenh d prfessr em estági prbatóri é frmalizada, após a psse d prfessr, através de autuaçã de prcess pela Crdenaçã de Gestã de Pessas. Os prcesss autuads sã encaminhads à Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc para acmpanhament, análise, cnclusã e psterir encaminhament para hmlgaçã da avaliaçã a términ d períd de estági prbatóri. Os prcesss de avaliaçã ds prfessres devem ser instruíds semestralmente cm a utilizaçã de fichas específicas, preenchidas n âmbit da unidade esclar e encaminhadas à Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc, via Subsecretaria Reginal de Educaçã (SRE). Dcuments que Integram a Avaliaçã A Avaliaçã d Estági Prbatóri deve ser realizada semestralmente pela Cmissã de Avaliaçã da Unidade Esclar (Caue), cnstituída pel diretr, um crdenadr pedagógic efetiv e um prfessr também efetiv. A avaliaçã d prfessr em estági prbatóri pela Caue deve ser subsidiada pela aut-avaliaçã d prfessr e pr avaliações de representantes ds aluns e crdenadres que nã façam parte da Caue. Para iss, sã utilizads s seguintes dcuments: 16

19 Ficha I Ficha de avaliaçã semestral preenchida pr um crdenadr pedagógic que nã faça parte da Caue, d turn em que prfessr em estági prbatóri lecina. Ficha II Ficha de avaliaçã semestral preenchida pel(s) representante(s) ds aluns da(s) sala(s), a partir d 6º an d Ensin Fundamental, nde prfessr atua. Ficha III Ficha de aut-avaliaçã semestral d prfessr em estági prbatóri. Ficha IV Ficha de avaliaçã semestral preenchida pela Caue, cm parecer apt u inapt, da qual prfessr em estági prbatóri tmará ciência a assiná-la. Plan da aula d prfessr em estági prbatóri assistida pela Caue Relatóri da Caue sbre a aula assistida, datad e assinad Declaraçã de Freqüência d prfessr em estági prbatóri Declaraçã de Registrs Esclares Certidã de Efetiv Exercíci - Dcument assinad pel diretr da unidade esclar, infrmand a data em que servidr cmeçu suas atividades na escla, após ter tmad psse. Parecer Cnclusiv d Estági Prbatóri - Parecer sbre desempenh d prfessr, cm a manifestaçã da Caue pela aptidã u inaptidã, d qual prfessr em estági prbatóri tmará ciência a assiná-l. O Parecer Cnclusiv deverá ser encaminhad smente n final d últim semestre avaliad (5º semestre). Preenchiment das fichas Nas Fichas I, II, III e IV, serã atribuídas ntas de zer (0) a dez (10) para s cinc (5) requisits avaliads: idneidade mral, assiduidade e pntualidade, disciplina, eficiência e aptidã. Cada nta atribuída deverá ser justificada n camp específic. OBS: As fichas de avaliaçã enviadas à Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri que nã apresentarem as devidas justificativas das ntas atribuídas as requisits serã devlvidas para que a Caue prvidencie tais justificativas. A Ficha IV deve ser preenchida pela Caue utilizand cm parâmetrs tds s dcuments que integram a avaliaçã. É imprescindível que cada pntuaçã atribuída seja acmpanhada de justificativa. Se a pntuaçã de cada um ds requisits fr igual u superir a seis (6), 17

20 prfessr em estági prbatóri será cnsiderad apt n semestre. Se a pntuaçã de qualquer um ds requisits fr inferir a seis (6), prfessr em estági prbatóri será cnsiderad inapt n semestre, cnfrme interpretaçã d art. 13 d Decret 6.532/06. Na Declaraçã de Freqüência d prfessr em estági prbatóri deverá cnstar númer de freqüências e ausências btidas pel prfessr durante seis (6) meses ininterrupts, incluind férias e licenças. OBS: A ficha de declaraçã de freqüência d 1º semestre deverá ter iníci smente após a data da psse d prfessr em estági prbatóri. Na Ficha de Declaraçã de Registrs Esclares deverá cnstar, dentre utras infrmações, as disciplinas, turn, turma, série, nível e númer de aluns cm s quais prfessr trabalha. A Certidã de Efetiv Exercíci deve certificar a data de iníci das atividades d prfessr na unidade esclar após a data da psse. Essa certidã deverá ser enviada à Cmissã Central de Avaliaçã juntamente cm a dcumentaçã d 1º semestre de avaliaçã d prfessr na unidade esclar. De acrd cm art. 9º d Decret 6.532/06, n Parecer Cnclusiv da avaliaçã de desempenh d prfessr em estági prbatóri, a Caue deverá se manifestar quant à aptidã u inaptidã d prfessr para carg, da seguinte frma: Pela inaptidã d prfessr para carg, após dis relatóris semestrais cnsecutivs cm parecer inapt. Cas nã crram dis semestres cnsecutivs cm parecer inapt, a final d 5º semestre a Caue deverá se manifestar pela aptidã u inaptidã d prfessr para carg, cm base nas avaliações de tds s semestres avaliads. OBS: Cas prfessr em estági prbatóri trabalhe em mais de uma unidade esclar, a SRE deverá encaminhar à Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc a avaliaçã cmpleta da escla de ltaçã, juntamente cm a Ficha IV da escla em que prfessr cmpleta carga hrária. 18

21 ETAPAS SEMESTRAIS DA AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO A avaliaçã d prfessr em estági prbatóri é de respnsabilidade da unidade esclar, da Subsecretaria Reginal de Educaçã e da Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc. Cmissã de Avaliaçã da Unidade Esclar (Caue) Subsecretaria Reginal de Educaçã Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc NA UNIDADE ESCOLAR Cada unidade esclar deverá cnstituir uma Cmissã de Avaliaçã da Unidade Esclar (Caue), que ficará respnsável pr avaliar prfessr em estági prbatóri. Essa Cmissã deverá ter prtaria expedida pela Subsecretaria. A Caue será cnstituída pr um presidente e dis membrs: Presidente - Diretr da unidade esclar, cm membr nat. Membrs - a) Crdenadr pedagógic efetiv b) Prfessr efetiv - Prfessr efetiv de nível P-III u P-IV. O Prfessr crdenadr, n cas da escla pssuir mais de um, e prfessr estável serã esclhids pr seus pares, pr vtaçã, e terã mandat de três (3) ans, vedada a recnduçã, salv aquelas esclas que nã cntam cm númer suficiente de prfessres para renvaçã da Cmissã. Nã havend na unidade esclar prfessres de nível P-III e P-IV efetiv, deve-se eleger um prfessr d nível P-II e, persistind a carência, eleger um prfessr efetiv de nível P-I. Se na unidade esclar nã huver crdenadr pedagógic efetiv, deverá ser eleit mais um prfessr efetiv para integrar a Cmissã. Em cas de desistência de membr da Cmissã, deve ser apresentad term de renúncia para se prmver utr prcess eleitral na unidade esclar. Nesse cas, a Caue deverá slicitar a expediçã de nva prtaria a SRE. 19

22 Cmpetências da Caue Sã atribuições da Caue n acmpanhament d prfessr em estági prbatóri: Estar ciente de que períd de estági prbatóri é um mment de adaptaçã e treinament em que prfessr enfrenta s seus primeirs desafis, cnstrói relações de cnfiança e atitudes de respnsabilidade para cm trabalh. Subsidiar e assessrar prfessr em estági prbatóri ns assunts referentes a sua área de atuaçã, sugerind, inclusive, medidas a serem adtadas para sua adaptaçã e melhr desempenh. Registrar sistematicamente tdas as crrências relativas à cnduta d prfessr avaliad. Viabilizar as avaliações semestrais e preenchiment da Ficha I pel crdenadr, da Ficha II pels representantes ds aluns e da Ficha III pel prfessr avaliad. Assistir a uma aula de cada prfessr em estági prbatóri, durante semestre, reclher plan da aula assistida, fazer relatóri datad e assinad dessa aula e anexá-ls às fichas de avaliaçã d estági. Preencher a Declaraçã de Freqüência e a Declaraçã de Registrs Esclares. Finalizar a avaliaçã preenchend a Ficha IV, tend cm subsídi a avaliaçã de crdenadres que nã façam parte da cmissã (Ficha I), a avaliaçã de representantes ds aluns (Ficha II), a aut-avaliaçã d prfessr (Ficha III), e s demais dcuments apurads durante semestre da avaliaçã. Fazer Parecer Cnclusiv d Estági Prbatóri a final d 5º semestre. Cas prfessr em estági prbatóri seja avaliad cm parecer inapt pr dis (2) semestres cnsecutivs, a Caue deverá registrar detalhadamente, em ata u relatóri, tdas as crrências que embasam as avaliações realizadas, inclusive as medidas adtadas para acmpanhament e assessrament d prfessr cm dificuldades. A Cmissã Central de Avaliaçã de Estági Prbatóri da Seduc deverá ser infrmada pela Caue imediatamente. Zelar pela veracidade das infrmações prestadas sbre estági. Encaminhar a SRE, até dez (10) dias úteis após final de cada semestre avaliad, s riginais ds dcuments que integram a avaliaçã semestral d prfessr em estági prbatóri. Arquivar, na escla, uma cópia de tda dcumentaçã da avaliaçã semestral de cada 20

23 prfessr avaliad. Dispnibilizar uma cópia da avaliaçã para prfessr avaliad, cnfrme art. 12 d Decret 6.532, de 21 de agst de NA SUBSECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO - SRE A Subsecretaria cnstitui um el imprtante entre unidade esclar e Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri, send respnsável pel cntrle e cumpriment ds prazs das unidades esclares sb sua jurisdiçã. O subsecretári deverá expedir prtaria de nmeaçã da Caue de cada unidade esclar sb sua jurisdiçã. Deverá ainda manter registr atualizad ds membrs de cada Caue a fim de respnsabilizá-la administrativamente em cas de nã-cumpriment de suas atribuições. O crdenadr pedagógic da SRE é respnsável pr rientar as unidades esclares, mnitrar, receber, sanear (eliminar falhas e excesss) e encaminhar s prcesss de avaliaçã à Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc. A Subsecretaria deverá encaminhar, até 20 dias após términ de cada semestre avaliad, s dcuments da Avaliaçã à Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc. NA COMISSÃO CENTRAL DE AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO A Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc, de caráter permanente, é cmpsta de, n mínim, três membrs designads pel(a) Secretári(a) da Educaçã. Presidente Gerente de Gestã e Avaliaçã da Rede de Ensin da Seduc. Membrs - Dis u mais servidres efetivs e estáveis da Seduc. Cmpetências da Cmissã Central de Avaliaçã Analisar s prcesss de avaliaçã. Orientar SREs e prfessres quant as prcediments da avaliaçã d estági prbatóri. 21

24 Infrmar SREs e prfessres quant à situaçã ds prcesss de avaliaçã. Slicitar das SREs prvidências quant a envi de dcuments de avaliaçã d estági prbatóri. Averiguar in lc, n cas d prcess nã instruíd devidamente. Emitir parecer cnclusiv da avaliaçã d estági prbatóri para fins de hmlgaçã. Encaminhar s prcesss ds prfessres cnsiderads apts a gabinete d Secretári(a) da Educaçã antes de findar períd de Estági Prbatóri para hmlgaçã e registr. Encaminhar s prcesss ds prfessres inapts, cm parecer cnclusiv, a gabinete d(a) Secretári(a) da Educaçã, antes d términ d períd de Estági Prbatóri, sugerind encaminhament à Cmissã de Prcess Administrativ Disciplinar, para exneraçã e, se servidr estável, recnduçã a carg anterirmente cupad, excet em cas de idneidade mral (Lei n.º /2001, art. 33, 7º). 22

25 DIRETRIZES PARA O ESTÁGIO PROBATÓRIO Mdulaçã O prfessr em estági prbatóri smente será avaliad se estiver em regência de sala de aula, cm carga hrária mínima de 14 aulas. O prfessr em estági prbatóri deverá ser mdulad em sala de aula, na disciplina para a qual fi aprvad e na regiã e municípi de sua aprvaçã. OBS: Devid à municipalizaçã da primeira fase d Ensin Fundamental, a Rede Estadual está deixand de ferecer gradativamente essa etapa de ensin. Os prfessres pedaggs em períd de estági prbatóri que prventura ficarem sem sala de aula dispnível n municípi pderã ser mdulads cm crdenadres pedagógics, desde que autrizads pel departament cmpetente da Área Centralizada da Seduc. Nesses cass, a Caue deve avaliar prfessr pedagg na funçã de crdenadr pedagógic. Remçã Cnfrme art. 33, 2º, da Lei n.º /2001, prfessr n períd de estági prbatóri nã pderá ser remvid. Afastament A prfessr em estági prbatóri, cnfrme art. 33, 8º, da Lei n.º /01, smente sã permitids s seguintes afastaments: Férias e recess esclar Em cas de casament - it dias cnsecutivs Em cas de lut, pel faleciment d cônjuge u cmpanheir, filh, pais e irmãs - it dias cnsecutivs Licença à maternidade (cent e vinte) dias Licença pr mtiv de paternidade - it dias Licença para tratament da saúde d prfessr - até 24 (vinte e quatr) meses 23

26 Licença pr mtiv de dença em pessa da família, enquant remunerada Licença em virtude de acidente em serviç u acmetiment de dença prfissinal Dença de ntificaçã cmpulsória. Suspensã O praz para cumpriment d estági prbatóri é imprrrgável, nã pdend ser suspens, excet nas hipóteses de licença para tratament da própria saúde pr temp superir a 90 (nventa) dias, cnsecutivs u nã, e pr mtiv de dença em pessa da família, retmand sua cntagem cm retrn à atividade prfissinal d licenciad. A prática de ats que infrinjam s requisits de idneidade mral e disciplina imprtará na suspensã autmática d períd d estági prbatóri e, se julgada imprcedente a acusaçã, esse praz de suspensã será cnsiderad de nenhum efeit. Prrrgaçã O prfessr em estági prbatóri cm licença para tratament de saúde superir a 90 (nventa) dias terá seu períd de estági prbatóri prrrgad na quantidade de dias que ultrapassar s 90 (nventa) dias de licença. Hmlgaçã Após a instruçã e análise d prcess de avaliaçã d prfessr em estági prbatóri, cas mesm seja cnsiderad apt pela Caue, a Cmissã Central de Avaliaçã d Estági Prbatóri da Seduc emitirá um parecer cnclusiv e encaminhará prcess para gabinete d(a) Secretári(a) da Educaçã para fins de hmlgaçã. De acrd cm art. 1º, 3º, e art. 3º, 3º, d Decret 6.532/2006, prfessr nã aprvad n estági prbatóri será exnerad u, se estável, recnduzid a carg anterirmente cupad, após instauraçã d cmpetente prcess administrativ, garantind a prfessr ampla defesa. 24

27 CONSIDERAÇÕES FINAIS O prfessr aprvad em cncurs públic para carg de Prfessr III na Seduc é, pr esclha, é um educadr, e seu trabalh é fundamental para a frmaçã e cnstruçã da cidadania de crianças e adlescentes. Para que esse prfessr seja cnsiderad apt na sua avaliaçã de estági prbatóri, deve acreditar em seu trabalh e prcurar sempre: Exercer a funçã d magistéri primand pela excelência d prcess de ensinaprendizagem. Inteirar-se das plíticas educacinais; Ter cnheciment ds Parâmetrs Curriculares Nacinais (PCNs); Buscar a sua autcapacitaçã; Ser assídu e pntual; Executar, da melhr frma pssível, as tarefas que lhe frem designadas; Ser prdutiv; Trabalhar em equipe; Participar d planejament das atividades de sua escla; Agir cm um facilitadr d trabalh na sua escla; Tratar cm respeit e crdialidade chefes, clegas, aluns, pais e públic em geral; Cumprir s regulaments e nrmas da unidade esclar e da Secretaria da Educaçã; Zelar pels equipaments, utensílis e bens existentes n seu lcal de trabalh; Cumprir s prazs estabelecids pela unidade esclar e pela Secretaria da Educaçã; Entregar s dcuments slicitads pela unidade esclar e pela Secretaria da Educaçã; Manter sigil sbre qualquer infrmaçã cnfidencial relacinada a seu trabalh. 25

28

29 FICHAS DE AVALIAÇÃO DO ESTÁGIO PROBATÓRIO

30

31 Nme d Prfessr(a) em Estági Prbatóri: FICHA I AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO(A) PROFESSOR(A) EM ESTÁGIO PROBATÓRIO PELO(A) PROFESSOR(A) COORDENADOR(A) DA UNIDADE ESCOLAR Matrícula da AGANP: CPF: Carg: Funçã: Subsecretaria: Municípi: Unidade Esclar de Ltaçã: Telefne da Unidade Esclar: Data da Psse: / / Semestre avaliad: ( ) 1º ( ) 2º ( ) 3º ( ) 4º ( ) 5º Data d Efetiv Exercíci: / / Data da Avaliaçã: / / REQUISITOS I Idneidade Mral É cnjunt de qualidades mrais e éticas d prfessr em virtude d ret cumpriment ds deveres, ds bns cstumes e da respnsabilidade em cnservar bem públic cm respeit e zel. II Assiduidade e Pntualidade Assiduidade é a capacidade de estar presente, ser freqüente e cumpridr de suas funções e das tarefas inerentes a carg. Pntualidade é a exatidã quant a cumpriment ds hráris e prazs a serem cumprids. III Disciplina Cnsiste em bservar as nrmas, decisões e s preceits emanads de instruments nrmativs, legais, de seus superires e as deliberadas cletivamente n interir da Unidade Esclar. IV Eficiência É a açã cmpetente e criativa d prfessr para atingir cm eficácia s bjetivs prpsts pela Unidade Esclar e pela Seduc, na busca de resultads cm qualidade. V Aptidã É a capacidade de executar seu trabalh cm entusiasm, criatividade, habilidade e invaçã nas situações ctidianas de ensin, cmunicaçã, interaçã cm s aluns recnhecend e respeitand as diversidades. PONTUAÇÃO (0 a10) JUSTIFICATIVA Assinatura d(a) Prfessr(a) Crdenadr(a) OBS: Cada requisit será pntuad de 0 a 10. Se a pntuaçã de cada um ds requisits fr igual u superir a 6, prfessr(a) em estági prbatóri será cnsiderad apt n semestre. Se a pntuaçã de qualquer um ds requisits fr inferir a 6, prfessr(a) em estági prbatóri será cnsiderad inapt n semestre. 29

32

33 Nme d Prfessr(a) em Estági Prbatóri: Unidade Esclar de Ltaçã: FICHA II AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO(A) PROFESSOR(A) EM ESTÁGIO PROBATÓRIO PELO(S) REPRESENTANTE(S) DE ALUNOS (a partir d 6º an d Ensin Fundamental) Subsecretaria: Municípi Data da Avaliaçã: / / Semestre avaliad: ( ) 1º ( ) 2º ( ) 3º ( ) 4º ( ) 5º REQUISITOS I Idneidade Mral É cnjunt de qualidades mrais e éticas d prfessr em virtude d ret cumpriment ds deveres, ds bns cstumes e da respnsabilidade em cnservar bem públic cm respeit e zel. II Assiduidade e Pntualidade Assiduidade é a capacidade de estar presente, ser freqüente e cumpridr de suas funções e das tarefas inerentes a carg. Pntualidade é a exatidã quant a cumpriment ds hráris e prazs a serem cumprids. III Disciplina Cnsiste em bservar as nrmas, decisões e s preceits emanads de instruments nrmativs, legais, de seus superires e as deliberadas cletivamente n interir da Unidade Esclar. IV Eficiência É a açã cmpetente e criativa d prfessr para atingir cm eficácia s bjetivs prpsts pela Unidade Esclar e pela Seduc, na busca de resultads cm qualidade. V Aptidã É a capacidade de executar seu trabalh cm entusiasm, criatividade, habilidade e invaçã nas situações ctidianas de ensin, cmunicaçã, interaçã cm s aluns recnhecend e respeitand as diversidades. PONTUAÇÃO (0 a10) JUSTIFICATIVA Assinatura d(a) Representante Estudantil OBS: Cada requisit será pntuad de 0 a 10. Se a pntuaçã de cada um ds requisits fr igual u superir a 6, prfessr(a) em estági prbatóri será cnsiderad apt n semestre. Se a pntuaçã de qualquer um ds requisits fr inferir a 6, prfessr(a) em estági prbatóri será cnsiderad inapt n semestre. 31

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (Prt. MEC nº 797/14, de 11/09/2014, publicada n DOU em 12/09/2014) EDITAL 2015 PROCESSO SELETIVO O Diretr Geral da Faculdade de Educaçã em Ciências da Saúde (FECS),

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Regulamento do programa de bolsas de estudos

Regulamento do programa de bolsas de estudos Regulament d prgrama de blsas de estuds Unidades Ri de Janeir e Sã Paul Data de publicaçã: 13/05/2015 Regulament válid até 30/08/2015 1 1. Sbre prgrama Através de um prcess seletiv, prgrama de blsas de

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID

EDITAL Nº 025 / 2015 SELEÇÃO DE SUPERVISOR DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitria de Graduaçã Rua Gabriel Mnteir da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fne: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO

ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO ORIENTAÇÕES AOS CANDIDATOS CONTEMPLADOS NO Prezad(a) Alun(a) A mbilidade acadêmica internacinal é uma prtunidade valisa para seu cresciment individual, acadêmic e prfissinal. Nã permita que a falta de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte

Manual do DEC Domicílio Eletrônico do Contribuinte GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA Crdenadria da Administraçã Tributária Diretria Executiva da Administraçã Tributária Manual d DEC Dmicíli Eletrônic d Cntribuinte Manual DEC (dezembr

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais:

O Certificado é um dos documentos exigidos para solicitar as seguintes isenções de contribuições sociais: PROCEDIMENTOS PARA CERTIFICAÇÃO E/OU RENOVAÇÃO DO CEBAS CNAS CERTIFICAÇÃO/RENOVAÇÃO O Certificad é um ds dcuments exigids para slicitar as seguintes isenções de cntribuições sciais: Parte patrnal da cntribuiçã

Leia mais

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS

REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS REGULAMENTO DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DOS SERVIDORES DA FETLSVC - RS Julh 2007 INTRODUÇÃO As amplas, prfundas e rápidas transfrmações pr que passa a nssa sciedade prvcaram, frçsamente,

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2007 De 8 de novembro de 2007 Reedita as Normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação, revogando a RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N 01/2007 De 8 de nvembr de 2007 Reedita as Nrmas para Recnheciment de Títuls de Pós-Graduaçã, revgand a Resluçã Cmplementar n 02/93, de 25 de junh de 1993. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

MANUAL DOS GESTORES DAA

MANUAL DOS GESTORES DAA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO - NTI MANUAL DOS GESTORES DAA MÓDULOS: M atrícula e P rgramas e C DP [Digite resum d dcument aqui. Em geral, um resum é um apanhad

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS Etapa 3 Cadastr d Prcess Seletiv O Presidente da CRM cadastra s dads d prcess n sistema. O prcess seletiv é a espinha drsal d sistema, vist que pr mei dele regem-se tdas as demais

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Fund Lcal n Cncelh de Paredes de Cura PROTOCOLO FINANCEIRO E DE COOPERAÇÃO Entre: O Municípi de Paredes de Cura, pessa clectiva nº 506

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO

ORIENTAÇÕES SOBRE ESTÁGIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Missã d Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013

Salvador, Bahia Sexta-feira 19 de Julho de 2013 Ano XCVII N o 21.187 EDITAL Nº 073/2013 Salvadr, Bahia Sexta-feira 19 de Julh de 2013 An XCVII N 21.187 EDITAL Nº 073/2013 FORMAÇÃO DE CADASTRO PARA SELEÇÃO DE DIVULGADORES DO PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR 2014 DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 005/2014 DE 07 DE ABRIL DE 2014 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.: 64.073-505,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI.

1.1.3.1 Ausência de processo de monitoramento e avaliação da execução do PDTI. Cnstatações 1.1.3.1 Ausência de prcess de mnitrament e avaliaçã da execuçã d PDTI. 1.1.3.2 Cmitê de TI nã atuante e inefetiv. 1.1.3.3 Quantidade insuficiente de servidres para a gestã de TI. 1.1.3.4 Falhas

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS

MANUAL DO USUÁRIO EVENTOS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Data: 17-09-2008 Data: Aprvad: Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Events.dc

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, CULTURA E LAZER DEPARTAMENTO DE ESPORTE E LAZER

PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, CULTURA E LAZER DEPARTAMENTO DE ESPORTE E LAZER PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE ESPORTE, CULTURA E LAZER DEPARTAMENTO DE ESPORTE E LAZER CAMPEONATO MUNICIPAL ESTUDANTIL DE FUTEBOL DE CAMPO BOM DE BOLA, BOM NA ESCOLA. 2008

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA

EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA EDITAL PADRÃO REFERENTE AOS PROCESSOS DE SELEÇÃO DE PESSOAS SESC SANTA CATARINA O presente dcument tem cm bjetiv dispnibilizar a divulgaçã ficial das cndições estabelecidas pel Sesc Santa Catarina para

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana de Parnaíba Cmpnente Curricular: Cntabilidade Cmercial Eix Tecnlógic: Gestã e Negócis Módul: II C.

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS

REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO MINISTRADOS NO IPP NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS REGULAMENTO CONCURSOS ESPECIAIS DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR NOS CURSOS MINISTRADOS NO IPP JULHO 2010 ÍNDICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Object... 3 Âmbit bjectiv... 3 Âmbit subjectiv...

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA Manual de Us (Para Detentres de Bens) Infrmações adicinais n Prtal da Crdenaçã de Patrimôni: www.cpa.unir.br 2013 Cnteúd O que papel Detentr de Bem pde fazer?... 2 Objetiv...

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento

Inscrição do Candidato ao Processo de Credenciamento Inscriçã d Candidat a Prcess de Credenciament O link de inscriçã permitirá que candidat registre suas infrmações para participar d Prcess de Credenciament, cnfrme Edital. Após tmar ciência de td cnteúd

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO DE 2014 CURSO: GESTÃO EMPRESARIAL Objetivs: Gestã Empresarial Desenvlver cmpetências para atuar n gerenciament de prjets, prestand cnsultria

Leia mais

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro

Seminário de Acompanhamento SNPG. Área 21. APCNs. André F Rodacki Marcia Soares Keske Rinaldo R J Guirro Seminári de Acmpanhament SNPG Área 21 APCNs André F Rdacki Marcia Sares Keske Rinald R J Guirr Áreas de Avaliaçã - CAPES Clégi de Humanidades Ciências Humanas Ciências Sciais Aplicadas Linguística, Letras

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005

RESOLUÇÃO N o 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 RESOLUÇÃO N 12/2005, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2005 Aprva Regiment da Bibliteca Universitária - Sistema de Biblitecas da UFMG, e revga a Resluçã n 27/93, de 22/12/93, que aprvu Regiment da Bibliteca Universitária.

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS

ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DE SANTA EFIGÊNIA DE MINAS AUXILIAR DE SECRETARIA Organizar e manter atualizad serviç de escrituraçã esclar. Redigir fícis, expsições de mtivs, atas, declarações, certidões de cntagem

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Colégio Integrado EXATO

Colégio Integrado EXATO Clégi Integrad EXATO Rua: Ri de Janeir, 47 Jardim Bela Vista Mgi Guaçu SP CEP 13840-210 Telefne (19) Prpsta Plític-pedagógica d Clégi Integrad EXATO S/S Ltda. O Clégi Integrad EXATO cntextualiza sua açã

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 027/ DE 19 DE NOVEMBRO DE VESTIBULAR 16/01 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA Prgrama de Blsas de Estuds d GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA O Prgrama de Blsas de Estuds faz parte da Plítica Scial d Ganep e se faz essencial para realizaçã da sua missã, a qual é Prmver cm excelência ações

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV DIREITO RIO EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA ESCOLA DE DIREITO DO RIO DE JANEIRO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO CONTINUADA 2º semestre / 2012 O Prgrama de Educaçã Cntinuada da trna públic, para cnheciment

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 7/2015 DE 27 DE ABRIL DE 2015 VESTIBULAR 2015/02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505,

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

NORMATIVA ADMINISTRATIVA

NORMATIVA ADMINISTRATIVA Assunt: DIRETRIZES PARA COMPRA E APROVEITAMENTO DE Data de Emissã: Data de Revisã: De: 18/12/2013 Assunts Estratégics Tdas as áreas d 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estabelecer regras e parâmetrs que

Leia mais

EDITAL Nº 01/NIC/ 2014

EDITAL Nº 01/NIC/ 2014 Núcle de Intercâmbi e Cperaçã Institucinal EDITAL Nº 01/NIC/ 2014 Seleçã de acadêmics para Intercâmbi n primeir semestre de 2015 d Prgrama de Blsas Iber-Americanas Santander Universidades 2014 A Universidade

Leia mais

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do

O Centro Universitário UNINOVAFAPI, situado à rua Vitorino Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairro do CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 010/ DE 11 DE JUNHO DE VESTIBULAR /02 O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP 64.073-505, Telefne:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI EDITAL Nº 023/2013 DE 30 DE SETEMBRO DE 2013 PROCESSO SELETIVO O Centr Universitári UNINOVAFAPI, situad à rua Vitrin Orthiges Fernandes, nº 6123, Bairr d Uruguai, CEP.:

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores

Requisitos técnicos de alto nível da URS para registros e registradores Requisits técnics de alt nível da URS para registrs e registradres 17 de utubr de 2013 Os seguintes requisits técnics devem ser seguids pels peradres de registr e registradres para manter a cnfrmidade

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

1. COMO SE CADASTRAR JUNTO AO CADASTRO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR?

1. COMO SE CADASTRAR JUNTO AO CADASTRO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR? Criad em 27.01.2014 Revisad em 19.02.2015 1. COMO SE CADASTRAR JUNTO UNIFICADO DE FORNECEDORES DO ESTADO - CADFOR? Para se cadastrar junt a Cadastr Unificad de Frnecedres d Estad CADFOR/SEGPLAN-GO, a entidade

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014

EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA. Seleção de Bolsistas para o Programa de Bolsa Socioeconômica para o período de 2014 EDITAL BOLSA SOCIOECONÔMICA Seleçã de Blsistas para Prgrama de Blsa Sciecnômica para períd de 2014 O Reitr d Centr Universitári Tled Unitled, ns terms d Regulament aprvad pel CONSEPE, cm vistas à seleçã

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL

MANUAL DE PROCEDIMENTOS REALIZAR MANUTENÇÃO PREDIAL Códig: MAP-DILOG-002 Versã: 00 Data de Emissã: 01/01/2013 Elabrad pr: Gerência de Instalações Aprvad pr: Diretria de Lgística 1 OBJETIVO Estabelecer cicl d prcess para a manutençã predial crretiva e preventiva,

Leia mais

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas

10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensão Universitária e Políticas Públicas SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO 10ª JORNADA DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Extensã Universitária e Plíticas Públicas Períd 05 a 07 de dezembr de 2007 A 10ª Jrnada

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR

INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR A pertinência e valr demnstrad das valências d Cartã de Saúde Cfre, em razã d flux de adesões e pedids de esclareciment, trnam essencial dar evidência e respsta a algumas situações

Leia mais

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA

Programa de Bolsas de Estudos do GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA Prgrama de Blsas de Estuds d GANEP NUTRIÇÃO HUMANA LTDA O Prgrama de Blsas de Estuds faz parte da Plítica Scial d Ganep e se faz essencial para realizaçã da sua missã, a qual é Prmver cm excelência ações

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS INDICE Descriçã básica...3 A. Quem pde acessar módul?... 3 Relações Ministeriais, Prcess...4 B. Etapas e Agentes... 4 C. Duraçã d prcess... 4 Atividades Permitidas as Usuáris d

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário

MTur Sistema Artistas do Turismo. Manual do Usuário MTur Sistema Artistas d Turism Manual d Usuári Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 3. ACESSAR O SISTEMA... 4 4. UTILIZANDO O SISTEMA... 9 4.1. CADASTRAR REPRESENTANTE... 9 4.2. CADASTRAR

Leia mais