ESTÁGIO PROBATÓRIO: A TELEOLOGIA DE SUAS DISPOSIÇÕS LEGAIS QUANTO AO PRAZO, DIREITOS E DEVERES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO PROBATÓRIO: A TELEOLOGIA DE SUAS DISPOSIÇÕS LEGAIS QUANTO AO PRAZO, DIREITOS E DEVERES."

Transcrição

1 ESTÁGIO PROBATÓRIO: A TELEOLOGIA DE SUAS DISPOSIÇÕS LEGAIS QUANTO AO PRAZO, DIREITOS E DEVERES. Kleber Rocha Sampaio 1 RESUMO: O presente artigo tem por objeto o estudo do instituto do estágio probatório: período de experiência que são submetidos os agentes públicos nomeados para cargos públicos de natureza efetiva. Com a introdução da obrigatoriedade da avaliação especial de desempenho para aprovação no estágio probatório, este se apresenta atualmente como pressuposto material para aquisição da estabilidade no serviço público. A pesquisa aborda a questão da distinção dos referidos institutos (efetividade, estabilidade e estágio probatório), demonstrando que há, entre eles, uma forte relação quanto ao lapso temporal, mas que não se confundem quanto à natureza, conteúdo e finalidade. Palavras chaves: Efetividade, Estabilidade, Estágio Probatório. ABSTRACT: This article focuses on the study of the probation stage: probation shall be submit the public agents appointed to public office of effective nature. With the introduction of the mandatory special assessment of performance for obligatory stage acceptance, it presents itself as a material presupposition for acquisition of the stability at public services, such that the search broaches to the distinction question of the institute mentioned (effectiveness, stability and probation), demonstrating what there are, among them, a strong relation how much to the temporal lapse, but not confuses itself how much to the nature, content and purpose. key words: effectiveness, stability, probation stage. 1 Mestre em Direito Público pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professor de Direito Administrativo e de Hermenêutica Jurídica do Curso de Direito da Faculdade Cearense - FaC. Advogado da Assessoria Jurídica da Secretaria da Saúde do Estado do Ceará. 1

2 SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Distinção entre efetividade, estabilidade e estágio probatório. 3. Prazo para cumprimento da estabilidade e do estágio probatório. 4. Agente público em estágio probatório como titular provisório de cargo público: direitos e deveres inerentes. 5. Conclusão. 1. Introdução. O estágio probatório é um período de avaliação que o servidor público - empossado em cargo público de natureza efetiva ou vitalícia - se submete, a partir do momento que entra em exercício, com fim de ser averiguada sua aptidão e capacidade para o exercício das atribuições do cargo, observados os fatores de assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade. Esta fase da vida funcional do servidor público já era prevista desde a Constituição Federal (CF) de 1937, quando em seu art. 156, alínea c, estatuiu que: os funcionários públicos 2, depois de dois anos, quando nomeados em virtude de concurso público de provas, e em todos os casos, depois de dez anos de exercício, só poderão ser exonerados em virtude de sentença judicial ou mediante processo administrativo, em que sejam ouvidos e possam defender-se. A CF de 1946 seguiu na mesma esteira, contudo reduziu o prazo de dez para cinco anos para os funcionários efetivos 3 nomeados sem concurso. Já a CF de 1967, assegurou que a estabilidade ocorreria para os funcionários concursados, após dois anos. Por sua vez, a CF/88 estabeleceu no seu art. 41 que são estáveis - após dois anos de efetivo exercício - os servidores nomeados em virtude de concurso público. Ela previa ainda uma estabilidade excepcional para aqueles que - na data de sua promulgação - haviam ingressado no serviço público há pelo menos cinco anos continuados, sem concurso público. 2 A expressão funcionário público, até bem pouco tempo corrente no Direito Brasileiro, e ainda hoje bastante presente na linguagem comum, não foi prestigiada nem pela Constituição de 1988, nem por importantes documentos legais que se lhe seguiram, como v.g. o Regime Jurídico dos Servidores Civis da União, suas fundações e autarquias (Lei n 8.112/90), nem tampouco pelos estatutos estaduais e municipais elaborados por força do art. 38m caput, da Carta Magna. De tal forma que, pelo menos no âmbito da elaboração legislativa, constitui locução em desuso (PESSOA, Roberto. Curso de Direito Administrativo Moderno. Rio de Janeiro: Forense, 2003, p. 426) 3 Na época havia nomeação para cargo de natureza efetiva, sem a observância do concurso público, em face de ingerências meramente políticas. 2

3 Na rota de regulamentação dos direitos dos servidores públicos federais assegurados constitucionalmente, foi editada a Lei n 8.112, de 11 de dezembro de , que prescreveu: ao entrar em exercício, o servidor nomeado para cargo de provimento efetivo ficará sujeito a estágio probatório por período de 24 (vinte e quatro) meses. Denota-se que desde a primeira menção à estabilidade no serviço público, criou-se um clima propenso a conflitos de interpretação, devido não ficar claro o conteúdo objetivo das expressões: estabilidade, efetividade e estágio probatório. Entretanto, como o estágio probatório era considerado como um mero requisito formal (decorrência de tempo) 5 para a aquisição do direito à estabilidade, a questão não obteve maior interesse por parte da doutrina. Até mesmo quando, por falta de rigor técnico, a CF/88 estabeleceu o prazo para a estabilidade em anos e o Estatuto previu o lapso temporal para o cumprimento do estágio probatório em 24 meses, o interesse dos juristas continuou inerte, tendo em vista que em última análise o tempo de estágio não diferia do da estabilidade. Ocorre que a reforma administrativa introduzida através da Emenda Constitucional n 19/98 ampliou o prazo para a aquisição da estabilidade de dois para três anos, e exigiu a demonstração material de aptidão e capacidade para o exercício das atribuições do cargo. De imediato surgiram várias dúvidas quanto ao período de estágio probatório. Juristas de porte passaram a sustentar que o estágio probatório continuava a ser de 24 meses, tendo sido alterado apenas o prazo para a estabilidade, fundamentando tal tese na distinção entre os dois institutos. Outros, não menos ilustrados, fizeram coro à tese de que o art. 20 do Estatuto não fora recepcionado pela EC n 19/98, conforme se depreende de uma interpretação sistemática e teleológica dos dispositivos atinentes. Fato é que a nova redação da EC n 19/98 trouxe mais dúvida que luz ao tema. Surgiram conflitos quanto à sua natureza e finalidade, havendo quem o confundisse ora com o instituto da efetividade ora com o da estabilidade. Também suscitou acirrado debate quanto ao prazo do estágio e quanto o seu conteúdo formal e material, pois alguns o consideravam, até então, mera decorrência de tempo. Ainda fomentou a discussão sobre se o agente em estágio 4 Dispõe sobre o Regime Jurídico dos Servidores Civis da União, das autarquias e das fundações públicas federais. 5 Entendia-se, conforme a CF/88 e constituições anteriores, que o estágio probatório era mero lapso de tempo, sendo desvinculado de qualquer prova concreta de aptidão e capacidade do servidor para o exercício do cargo, assim que juristas de prestígio afirmavam: aos funcionários nomeados em caráter efetivo, após concurso de provas ou de provas e títulos, é fatal a estabilização após dois anos de exercício. Ou seja, a aquisição da estabilidade se processa automaticamente; não depende de qualquer ato declaratório ou constitutivo (DALLARI, Adilson Abreu. Regime Constitucional dos Servidores Públicos, 2a. Ed,.São Paulo, Revista dos Tribunais, 1990, pág. 81). 3

4 probatório é servidor público ou será considerado servidor somente depois de confirmado no cargo efetivo? Qual o tempo que pode ser considerado de efetivo exercício para a contagem do estágio probatório e quais os direitos tem esse agente? É certo que os institutos da efetividade, estabilidade e estágio probatório têm natureza, conteúdo e finalidade diferentes. Parece crível que o entendimento de que o prazo de 24 meses para o estágio probatório foi implicitamente derrogado, pois não teria sentido a aprovação do agente no estágio probatório, sem a consequente segurança do direito a permanecer no serviço público. Bem assim, entende-se que a introdução de requisitos objetivos para auferir a aptidão e a capacidade do servidor para o exercício das atribuições do cargo afasta a antiga concepção deste período ser considerado apenas um aspecto formal. Por outro lado, a investidura no cargo público se dá com a posse, de forma que a partir daquele momento forma-se a relação funcional entre a Administração e o nomeado, passando ele a ostentar, de já, a condição de servidor público, embora com algumas restrições constitucionais e legais ao pleno exercício dos direitos conferidos aos servidores estáveis. A questão, entretanto, comporta várias dúvidas no campo jurídico. Isso ocorre face às diversas interpretações possíveis e à insistência de alguns em rejeitar a evidência que leva à razão da interpretação sistemática e teleológica dos dispositivos que regem a matéria. A legislação é dúbia, a jurisprudência trilhou caminhos temerários, embora haja uma tendência de pacificação. Na prática da docência, muitas vezes constata-se a aflição dos discentes em face da questão, que por sua própria problemática desperta curiosidade. Essas as razões que justificam o presente estudo, no sentido de trazer luz ao debate, sem, contudo, pretender esgotar o tema, face à sua complexidade. O estudo será enfrentado a partir da legislação, analisando as diversas posições doutrinárias, sem descurar do entendimento dos tribunais, que em última instância, consagra a interpretação aplicada ao caso concreto. 2. Distinção entre efetividade, estabilidade e estágio probatório. Convêm traçar a distinção entre efetividade, estabilidade e estágio probatório, tendo em vista as possíveis dúvidas sobre o conteúdo técnico jurídico de cada uma destas expressões. 4

5 Antes é preciso dizer que efetividade, estabilidade e estágio probatório estão relacionados diretamente ao cargo público, adquirindo conotações diferentes quanto à natureza, conteúdo e finalidade. A efetividade é tratada de forma diversa, pois alguns entendem que é uma característica do cargo público (DALLARI, 1990), outros sustentam que definitivo ou efetivo é o provimento do cargo (CAMMAROSANO, 1984), já outros defendem ser a estabilidade em cargo de provimento efetivo (MELLO, 2006). Sobre este último entendimento, registre-se que existe hipótese de estabilidade sem efetividade, como no caso da estabilidade excepcional concedida nos moldes da EC n 19/98, e o reconhecimento de estabilidade a estes servidores não implicou em efetividade, porque esta só existe com relação a cargos de provimento por concurso (DI PIETRO, 2009). Esse fato sobressai da redação do 1 do art. 19 da aludida EC, que admite a contagem de tempo pelos servidores estabilizados excepcionalmente como título quando se submeterem a concurso para fins de efetivação. Nesta mesma esteira de pensamento, o STJ assentou: A estabilidade conferida pelo art. 19 do ADCT não permitiu o alcance, também, da efetividade, que se dá única e exclusivamente através da aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, conforme exigido pelo art. 37, inciso II, da Constituição Federal de (RMS n 14806/RO. 2002/ Min. Gilson Dipp. 23/06/2004. DJ de 02/08/2004, p. 421). Depreende-se, portanto, que efetividade e estabilidade são coisas diversas. Certo é que a efetividade só alcança os detentores de cargo público nomeados através de concurso público. Logo, efetividade corresponde a uma característica do cargo, que é provido com caráter de definitividade, embora se refira ao servidor, é apenas um atributo do cargo concernente à sua forma de provimento (MEIRELLES, 2010). Efetivo, portanto, é o cargo e não o servidor que o titulariza, este pode ser estável (CUNHA, 2006). Em linhas gerais a estabilidade constitui garantia do servidor ocupante de cargo de natureza efetiva (concursado, portanto), que após o cumprimento do estágio probatório e avaliação especial de desempenho, adquire o direito de permanecer no serviço público, só podendo ser demitido ou exonerado na forma estabelecida em lei (Art. 41, da CF/88). A despeito disto, excepcionalmente alcança servidor que na data da promulgação da vigente 5

6 Carta Magna possuía cinco anos contínuos no serviço público, sem haver ingressado nos quadros da Administração Pública por concurso público (art. 19, ADCT, da CF/88). As duas categoriais têm igual garantia de permanência no serviço público (DI PIETRO, 1999). Há quem considere que o instituto da estabilidade se apresenta com duas faces, a saber: É ao mesmo tempo direito e garantia do servidor público efetivo concursado, e que porquanto, ingressou de forma legítima nos quadros da Administração Pública, mas também se revela como garantia de profissionalismo transparência e independência do servidor público, na medida em que fomenta o correto desempenho das funções públicas sem quaisquer favoritismos, particularismo ou ingerências políticas. (PESSOA, 2003) Mostra-se razoável a visão acima, uma vez que se por um lado o servidor estável tem direito à permanência no serviço público 6, somente podendo ser demitido 7 por sentença judicial transitada em julgado ou mediante processo administrativo disciplinar (art. 41, 1, I e II da CF/88), valendo dizer que somente perderá o cargo por demissão quando cometer, comprovadamente, ilícito; por outro oferece as condições indispensáveis para o servidor manter-se sempre eficiente (DI PIETRO, 1999), independente e imune às ingerências políticas, sob pena de vir a ser exonerado em decorrência de avaliação periódica de desempenho 8 (art. 41, 1, III, da CF/88), a qual estará submetida, não apenas no período denominado estágio probatório que precede a aquisição da estabilidade, mas durante todo o tempo em que estiver em atividade. Observe-se que a avaliação de desempenho é prevista tanto como condição de aquisição de estabilidade quanto como hipótese de quebra da estabilidade. Na primeira situação é realizada uma única vez, 6 A estabilidade não gera direito adquirido ao cargo, mas sim a permanência do servidor nos quadros da Administração Pública (CUNHA JR. Dirley. Curso de Direito Administrativo. Salvador: PODIVM, 2006, p. 217) 7 Demissão é dispensa a título de penalidade funcional, diferente de exoneração, que é dispensa a pedido ou por conveniência da Administração, nos casos em que a lei permite (MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2010, p. 390.) 8 Bandeira de Melo entende que a estabilidade restou mitigada, face à introdução da avaliação periódica de desempenho como hipótese autônoma de desligamento do servidor, devido colocara o servidor a mercê da conveniência para a manipulação em proveito dos interesses eventuais dos governantes de turno (Curso de Direito Administrativo. São Paulo: Ed. Malheiros, 2006, p. 289). 6

7 através de comissão idônea para tanto instituída. Na segunda hipótese, deve ser realizada periodicamente, nos termos a serem previstos em lei complementar, de tal forma a evitar que o servidor concursado se acomode sob o palium da estabilidade, em detrimento do eficiente desempenho das atribuições do seu cargo... Em ambos os casos, a avaliação de desempenho deverá levar em conta diversos aspectos da vida funcional do avaliado, tais como eficiência no desempenho das funções, assiduidade, pontualidade, interesse e dedicação pelo trabalho, participação em cursos de aperfeiçoamento e reciclagem, urbanidade no trato com os administrados, zelo, diligência. (PESSOA, 2003) Com efeito, um dos pressupostos para a estabilidade é o cumprimento do estágio probatório 9, período no qual se observa aptidão e capacidade do servidor, considerando-se requisitos de assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade. Requisitos estes que, também, deverão ser analisados na avaliação periódica de desempenho (CUNHA JR., 2006), realizada de tempo em tempo, após a declaração de estável, pois nada adiantaria à administração pública esta avaliação, se não fosse para auferir a eficiência do servidor. Neste ínterim, é de especial realce o fato de que o instituto do estágio probatório, após a EC n 19/98, passou, na linha do princípio da eficiência, a tornar obrigatória essa avaliação especial de desempenho, condicionante da aquisição da estabilidade, por uma comissão, instituída para essa finalidade (NETO, 2005). O estágio probatório, portanto, é pressuposto, em regra, para a aquisição da estabilidade. Implicando dizer, que se o servidor não for considerado apto no período de estágio probatório, deverá ser exonerado: uma forma de desprovimento que deverá ser necessariamente motivado, com base nas conclusões da comissão que concluir pela sua incapacidade, insuficiência de desempenho ou inadaptabilidade para o serviço público (NETO, 2005). Contudo, não se pode olvidar as exceções constitucionais, como o caso dos estabilizados excepcionalmente, por força do art. 19 da ADCT da CF/88, que não passaram 9 Funcionário público. Cargo isolado. Não se pode falar em estagio probatório quando a nomeação foi feita sem concurso. Não aplicação da sumula 21. Recurso conhecido e provido. (STF, RE 63138, MG, Segunda Turma, Relator: Min. ADAUCTO CARDOSO, data do julgamento 17/04/1969, RTJ VOL , PG-00125). 7

8 por estágio probatório. Bem assim, os ocupantes de certos cargos públicos vitalícios que estão desobrigados do estágio probatório: A vitaliciedade é também uma garantia de permanência no serviço público, assegurada, porém, a alguns agentes públicos, distinguindo-se da estabilidade em razão de maior proteção que proporciona e da natureza dos cargos que ensejam sua aquisição: somente os cargos de juiz (juízes, desembargadores e ministros), de promotor (promotores e procuradores do MP) e de conselheiros e ministros dos Tribunais de contas geram a vitaliciedade. Porém, para os cargos de juízes e promotores, no primeiro grau, essa garantia ainda depende do transcurso de 02 anos de exercício, dependendo a perda do cargo, nesse período, de deliberação do tribunal a que o juiz estiver vinculado, e, nos demais casos, de sentença judicial transitada em julgado. (CUNHA JR., 2006) Assim, juízes e promotores - apesar de ocuparem cargo de natureza vitalícia - só adquirem esta qualidade após dois anos de estágio probatório, ficando os desembargadores, ministros dos Tribunais Superiores, Conselheiros e Ministros dos Tribunais de Contas dispensados do período probatório. O estágio probatório vincula-se, inexoravelmente, à garantia da estabilidade ou da vitaliciedade, sendo pressuposto para a aquisição dessas garantias funcionais. Somente é exigível de agentes que as possam adquirir de forma permanente, sem vinculação a qualquer mandato temporário, após concurso público. Por isso, objetivamente, o instituto é aplicado apenas para os cargos de provimento efetivo ou vitalício, vocacionados a incorporar agentes de modo definitivo, depois de vencido o período de prova, adaptação ou avaliação do estágio de confirmação. Nas hipóteses em que a Constituição reconhece as garantias da estabilidade, ou da vitaliciedade, mas dispensa concurso público, não se cogita de estágio probatório. (MODESTO, 2002) 8

9 Do que foi exposto até o momento, depreende-se claramente a distinção entre os institutos estudados: a efetividade relaciona-se com o provimento do cargo que tem natureza de definitividade; a estabilidade destina-se a garantir a permanência do agente público no serviço público, como tal é um direito 10 do servidor; o estágio probatório é uma obrigação a que deve se submeter o servidor público, em homenagem ao princípio da eficiência, para demonstrar, na prática, que tem aptidão para o cargo ao qual foi selecionado em concurso público. 3. Prazo para cumprimento da estabilidade e do estágio probatório A questão do prazo para cumprimento da estabilidade e do estágio probatório, no que pese ter sido alvo de intensos debates doutrinários, parece ter sido pacificada em face da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça STJ, sem embargos de alguns juristas insistirem em tese contrária. A compreensão do problema exige um conhecimento histórico dos referidos institutos. Assim, importa relembrar que desde a constituição de 1937, quando inaugurados no direito brasileiro, ambos andaram atrelados, de modo que o estágio probatório foi sempre um pressuposto para a aquisição da estabilidade ordinária 11. Esta dependência da estabilidade exigiu, por questões lógicas 12, que o prazo para o cumprimento do estágio probatório fosse determinado em lapso temporal semelhante ao prazo para a aquisição da estabilidade. A Constituição de 1988 não fugiu a regra, pois em sua redação original previu a estabilidade no serviço público para os servidores ocupantes de cargo de natureza efetiva (art. 41), bem assim a vitaliciedade para determinados cargos, conforme já destacado antes, após dois anos de efetivo exercício. Com fim de regulamentar o art. 41, a Lei 8.112/90, estatuiu no 10 A estabilidade é direito do servidor público; é uma garantia que adquire contra a ingerência de terceiros no exercício de suas funções, com vistas ao desempenho dos seus trabalhos de forma independente e permanente, sem perturbações de ordem externa, protegendo-se assim a impessoalidade e a continuidade dos serviços. 11 Entenda-se como estabilidade ordinária, aquela prevista pela regra geral, que se materializa com a decorrência do lapso temporal, conforme art. 156, alínea C da CF/1937, art. 41 da atual Constituição Federal. 12 A vinculação lógica entre os dois institutos é demonstrada com louvar pelo Ministro Maurício Correia, ao analisar o Recurso extraordinário n : 3.1. A estabilidade é a garantia constitucional de permanência no serviço público outorgada ao servidor que, nomeado em concurso público em caráter efetivo, tenha transposto o estágio probatório de dois anos (art. 100, EC n 01/69; art. 41 da CF/88). O estágio probatório, pois, é o período de exercício do funcionário durante o qual é observada e apurada pela Administração a conveniência ou não de sua permanência no serviço público, mediante a verificação dos requisitos estabelecidos em lei para a aquisição da estabilidade (RE , Ministro Maurício Corrêa, DJ ) 9

10 seu art. 20, que o estágio probatório seria de 24 meses, reproduzindo a similaridade histórica entre o tempo para aquisição da estabilidade e do cumprimento do estágio probatório. A polêmica que poderia ter se estabelecido em torno do fato da CF/88 tratar o prazo em anos e a lei estatutária em meses, não se concretizou, posto que - em termos pragmáticos -, a lógica demonstrava não haver discrepância substancial. A EC n 19/98, que fez a Reforma Administrativa, alterou o redação do art. 41 da CF/88, passando a exigir três anos de efetivo exercício para o servidor ocupante de cargo de natureza efetiva adquirir a estabilidade, exigindo, ainda, avaliação especial de desempenho, por comissão especialmente designada para esse fim. Denota-se, numa interpretação meramente literal, que foi estabelecido uma diferenciação entre o prazo para a estabilidade e o prazo do estágio probatório regulamentado nos termos da Lei estatutária vigente. Entretanto, numa interpretação sistemática e teleológica, não há como dissociar o prazo do estágio probatório do exigido para a aquisição da estabilidade. Tanto é assim, que o art. 28, da EC n 19/98 assegurou - para aqueles que estavam em cumprimento de estágio probatório na data de sua promulgação - o prazo de dois anos. Logo, é de se convir que implicitamente a intenção era alterar também o prazo do estágio probatório para três anos, para aqueles que ingressassem no serviço público, por concurso de provas ou de provas e títulos, após a sua promulgação. Junte-se a isso, o fato de que para dissipar possíveis dúvidas e seguir fiel à historicidade dos institutos que, em relação ao prazo, sempre caminharam juntos, foi editada a Medida Provisória n 431, de , que introduziu diversas alterações na Lei 8.112/90, em especial a correção da redação do art. 20, alterando a duração do estágio probatório para trinta e seis meses. Entretanto, ao ser convertida na Lei n , de , o legislador esqueceu-se de fazer referência a aludida alteração, continuando até os dias hodiernos a figurar a redação original, que exige apenas vinte e quatro meses para o estágio probatório. (MAZZA, 2011) A polêmica então se estabeleceu de vez. Juristas de plantão e até alguns de indiscutível saber jurídico, baseados na distinção entre estabilidade e estágio probatório, passaram a sustentar que a primeira se adquire após três anos de efetivo exercício e o segundo se completa com apenas dois anos 13. Até mesmo o Tribunal Superior de Justiça marchou neste equívoco: 13 Alguns entendimentos minoritários passaram a sustentar a tese absurda de que o estágio probatório continuaria sendo de vinte e quatro meses (Estatuto), mas a estabilidade somente seria alcançada após três anos (Emenda 19), de modo que, mesmo encerrado o período do estágio probatório, o servidor permaneceria 10

11 MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDORES PÚBLICOS. ESTÁGIO PROBATÓRIO. ART. 20 DA LEI 8.112/90. ESTABILIDADE. INSTUTUTOS DISTINTOS. ORDEM CONCEDIDA. 1. Durante o período de 24 (vinte e quatro) meses do estágio probatório, o servidor será observado pela Administração com a finalidade de apurar sua aptidão para o exercício de um cargo determinado, mediante verificação de específicos requisitos legais. 2. A estabilidade é o direito de permanência no serviço público outorgado ao servidor que tenha transposto o estágio probatório. Ao término de três anos de efetivo exercício, o servidor será avaliado por uma comissão especial constituída para essa finalidade. 3. O prazo de aquisição de estabilidade no serviço público não resta vinculado ao prazo do estágio probatório. Os institutos são distintos. Interpretação dos arts. 41, 4 da CF e 20 da Lei 8.112/ Ordem Concedida. (STJ. Terceira Seção. MS 9373/DF. Ministra Laurita Vaz, DJ , p. 182). Felizmente, o STJ reviu seu entendimento, passando a considerar que os institutos do estágio probatório e da estabilidade são distintos, porém extremamente interligados, de forma que não há como se conceber prazos diferenciados para eles, sob pena de frustrarem a finalidade da EC n 19/98 (Informativo STJ, 435, de 17 de junho de 2010). O Ministro Felix Fischer, do STJ, relatou Mandado de Segurança nesse sentido, tendo sido, assentando: MANDADO DE SEGURANÇA. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. ESTABILIDADE. ART. 41 DA CF. EC Nº 19/98. PRAZO. ALTERAÇÃO. ESTÁGIO PROBATÓRIO. OBSERVÂNCIA. I Estágio probatório é o período compreendido entre a nomeação e a aquisição de estabilidade no serviço público, no qual são avaliadas a aptidão, a eficiência e a capacidade do servidor para o efetivo mais um ano até adquirir estabilidade. Esse inaceitável ponto de vista criou um ano, o terceiro após a posse, de limpo em que o servidor supera o estágio probatório, mas não é ainda estável. (MAZZA, Alexandre. Manual de Direito Administrativo. São Paulo: Ed. Saraiva, 2011, p. 437.) 11

12 exercício do cargo respectivo. II Com efeito, o prazo do estágio probatório dos servidores públicos deve observar a alteração promovida pela Emenda Constitucional nº 19/98 no art. 41 da Constituição Federal, no tocante ao aumento do lapso temporal para a aquisição da estabilidade no serviço público para 3 (três) anos, visto que, apesar de institutos jurídicos distintos, encontram-se pragmaticamente ligados. III Destaque para a redação do artigo 28 da Emenda Constitucional nº 19/98, que vem a confirmar o raciocínio de que a alteração do prazo para a aquisição da estabilidade repercutiu no prazo do estágio probatório, senão seria de todo desnecessária a menção aos atuais servidores em estágio probatório; bastaria, então, que se determinasse a aplicação do prazo de 3 (três) anos aos novos servidores, sem qualquer explicitação, caso não houvesse conexão entre os institutos da estabilidade e do estágio probatório. (MS /DF, Rel. Ministro FELIX FISCHER, TERCEIRA SEÇÃO, julgado em 22/04/2009, DJe 18/08/2009) No STF, essa questão ainda não foi objeto de apreciação pelo Pleno ou pelas Turmas, contudo, em decisões monocráticas o Min. Presidente Gilmar Mendes, ao proferir decisão antecipatória de tutela na Suspensão de Tutela Antecipada (STA) nº310 e 311, entendeu que o prazo do estágio probatório deveria ser de 03 anos. Assim, como ressalta o professor baiano Paulo Modesto, se o estágio probatório é condição para aquisição da estabilidade, admitir a existência de prazos diferenciados é o mesmo que admitir que após o término do estágio o servidor não terá qualquer direito. Logo, a teleologia do estágio probatório exige que o seu prazo seja idêntico ao tempo determinado para a aquisição da estabilidade, e tal é o que se depreende da interpretação sistemática da nova redação do art. 41 da CF c/c o art. 28 da EC n 19/98. Saliente-se que atualmente o requisito do estágio probatório não se satisfaz com o simples decorrer do prazo 14, é obrigatória avaliação especial de desempenho por comissão 14 Até o advento da EC/19, juristas sustentavam o aspecto simplesmente formal do estágio probatório: (...) aos funcionários nomeados em caráter efetivo, após concurso de provas ou de provas e títulos, é fatal a estabilização após dois anos de exercício. Ou seja, a aquisição da estabilidade se processa automaticamente; 12

13 especialmente designada, com fim de auferir a aptidão e capacidade do servidor, compreendendo: condições morais, psicológicas, mental e física para o exercício das funções inerentes ao cargo, além dos fatores: assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade. (PESSOA, 2003). A evidência decorre da própria redação do art. 41, 4º, da CF/88, que estabelece como condição para a aquisição da estabilidade, a obrigatoriedade da avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade. Essa condição constitucional veio afastar a abulia administrativa em matéria de estágio. É que sem a avaliação o estágio era mera referência temporal na folha do servidor, sem qualquer compromisso concretamente arrostado administrativamente. (ROCHA, 1999) 4. Agente público em estágio probatório como titular provisório de cargo público: direitos e deveres inerentes. No que pese dúvida quanto à condição do agente público em estágio probatório ser ou não considerado servidor público 15, é de se considerar que a redação do art. 41, da CF/88, não faz qualquer ressalva entre servidores estáveis e não estáveis, senão no tocante ao direito dos primeiros só perderem o cargo 16 mediante processo administrativo, sentença judicial transitada em julgado ou mediante procedimento de avaliação periódica de desempenho 17. O Estatuto Federal, por sua vez, também não faz qualquer distinção, senão referente ao exercício de determinados direitos, os quais são reservados para os servidores estáveis (art. 20, 3 e 4ª da Lei n 8.112/90). Logo, se nem a Constituição 18 nem a lei estatutária fez qualquer oposição quanto ao status de servidor público do agente não estável, não cabe ao intérprete tangenciar nesse não depende de qualquer ato declaratório ou constitutivo (DALLARI, Adilson Abreu. Regime Constitucional dos Servidores Públicos, 2a. ed,.são Paulo, Revista dos Tribunais, 1990, pág. 81). 15 Entendeu-se, no passado, que o agente em estágio probatório não era propriamente servidor público, mas apenas quase funcionário ou agente administrativo em condições sui generis (veja a esse respeito CRETELLA JÚNIOR, José. Tratado de Direito Administrativo, Vol. IV, 1967, Forense, p. 229.) 16 A ideia de cargo se conota ao lugar que deverá ser ocupado pelo servidor na Administração Pública. Esses lugares são criados por lei, com denominação, funções e remuneração específica. [...] Conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional que devem ser cometidas a um servidor. (MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2005, p ) 17 Existe ainda uma hipótese de perda do cargo, decorrente da aplicação da Lei 101/200 (Lei de Responsabilidade Fiscal), quando a folha de pagamento de pessoal ultrapassa 50% (União) ou 60% (Demais entes Federais), da receita corrente líquida dos entes federados (Ver art. 169, 4º, da CF/88). 18 A seção II, do Capítulo VII, do Título III DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DA CF/88, com a EC nº 18/98, passou a denominar-se DOS SERVIDORES PÚBLICOS, alcançando as pessoas que prestam serviços com vínculo empregatício à Administração Pública direta, autarquias e fundações públicas. (FREIRE, Elias. Direito Administrativo: Teoria e Jurisprudência e questões. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier, 2006, p.6) 13

14 sentido, até porque a condição para ser considerado servidor público é ocupar cargo público de natureza efetiva, conforme se depreende do Estatuto Federal (Lei nº 8.112/90). É certo que o agente público nomeado em virtude de concurso público só adquire estabilidade (ou em alguns casos, vitaliciedade) após aprovação em estágio probatório, porém já inicia o período de estágio probatório detendo a condição de servidor público 19 em caráter provisório, pois não possui ainda a prerrogativa de permanência no serviço público. Tanto é assim, que o provimento de cargo público nada mais é que a designação de uma pessoa para titular referido cargo (MELLO, 2006) e o estágio probatório não se qualifica como processo concorrencial, eliminatório, de índole coletiva, mas como processo de verificação da adaptação individual dos agentes recém ingressos no serviço público (MODESTO, 2002), como pressuposto para a estabilidade. Valendo dizer, que a partir da investidura no cargo 20, que ocorre com a posse (MAZZA, 2011), o servidor passa ao status de servidor público provisório, passando a ser titular de um plexo de atribuições e deveres públicos, embora sujeito a certas limitações, em face da dependência da aquisição da estabilidade. Não fosse assim, não precisaria, caso não entrasse em exercício 21, ser exonerado do ônus que assumiu, ao tomar posse 22, de desempenhar as atribuições do cargo, nem lhe seria possível aplicar a pecha de exercer atividade incompatível com o cargo que titulariza. Aliás, essa condição de servidor público provisório, do agente em estágio probatório, já vem sendo sustentada desde a constituição pretérita: Em face do direito pátrio, é funcionário, apesar de ficar em situação precária quanto à mantença no cargo, sujeito à exoneração, em reconhecida a sua falta de aptidão para o seu exercício. Alias, é funcionário de cargo efetivo, por se tratar de nomeado para cargo de 19 MODESTO, Paulo. Estágio Probatório: questões controversas. Revista Diálogo Jurídico, Salvador, CAJ - Centro de Atualização Jurídica, nº. 12, março, Disponível na Internet: <http://www.direitopublico.com.br>. Acesso em: A Constituição da República dispõe, em seu art. 37, II, o seguinte: a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração 21 Exercício é o início efetivo do desempenho das atribuições do cargo. É na data do início do exercício que começa o estágio probatório, que culminará na avaliação especial de desempenho, como pressuposto para a aquisição da estabilidade. (MAZZA, Alexandre. Manual de Direito administrativo. São Paulo: Ed. Saraiva, 2011, p ) 22 A posse no cargo público ocorre, nos termos do art. 13 da Lei nº 8.112/90, pela assinatura do termo de posse no qual deverão constar atribuições, deveres, responsabilidade e direitos inerentes ao cargo que não poderão ser unilateralmente alterados. (MAZZA, Alexandre. Manual de Direito administrativo. São Paulo: Ed. Saraiva, 2011, p.436.) 14

15 tal quadro, de natureza permanente, e que pede titular, outrossim, permanente. Não obstante a situação passível de transitoriedade, em virtude de achar-se em período de estágio probatório, salvo a situação jurídica de efetivado, todos os demais direitos e deveres lhes cabe, como os de qualquer funcionário efetivo e estável. (MELLO, 1969) O agente em estágio probatório, portanto, possui atribuições e obrigações iguais a qualquer titular de cargo público efetivo ou vitalício que detenha estabilidade, assim goza de todos os direitos inerentes, salvo os que se mostrem incompatíveis com a sua situação de avaliando, desde que expressamente ressalvados em lei. Durante o estágio probatório o servidor poderá inclusive exercer cargo de provimento em comissão ou funções de direção, chefia ou assessoramento no órgão ou entidade de lotação, mas somente poderá ser cedido para outro órgão ou entidade para ocupar cargo de natureza especial, cargos em comissão do grupo Direção e Assessoramento Superior (DAS) de nível 6, 5 e 4 ou equivalentes (art. 20, 1º da Lei nº 8.112/90). Não terá direito as seguintes licenças, por incompatível com a sua condição de não estável: para capacitação, para tratar de interesses particulares e para desempenho de mandato classista (art. 20, 4º, c/c o art. 81 da Lei nº 8.112/90). Contudo, poderá se licenciar, ficando suspenso o estágio probatório (art. 5º, do art. 20, da Lei nº 8.112/90): por motivo de doença em pessoa da família, por motivo de afastamento do cônjuge ou companheiro, para o serviço militar e para atividade política. Também lhe será conferido o direito a afastamento para o exercício de mandado eletivo, para estudo ou missão no exterior, para servir em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere e para participar de curso de formação decorrente de aprovação em concurso para outro cargo na Administração Pública Federal (art. 94, 95 e 96 da Lei nº 8.112/90). Considerando o direito subjetivo dos servidores em estágio probatório à licença e afastamento, cumpre esclarecer qual o período que deverá ser levado em conta para o cumprimento do estágio. É que a CF/88, desde sua redação original, exige não apenas o cômputo do exercício funcional 23, como o faz para alguns direitos como aposentadoria e para a estabilidade excepcional para aqueles que estavam em exercício a mais de cinco anos da 23 A contagem do tempo de exercício para aposentadoria, disponibilidade, adicional por tempo de serviço, entre outras hipóteses, a lei ordinária tem reconhecido como de efetivo exercício situações funcionais diversas e exercício fictício, a exemplo dos períodos transcorridos no gozo de licença gestante, afastamentos para desempenho de mandato classista ou exercício de mandato eletivo. 15

16 data da promulgação da Constituição 24. Para o estágio probatório 25 exige o efetivo exercício, afastando, portanto, a contagem de tempo fictício, salvo aqueles períodos 26, que por sua natureza não prejudiquem a avaliação especial do servidor 27 e sejam constitucionalmente inafastáveis. Aliás, sobre o conceito da expressão efetivo exercício, merece realce: O conceito de efetivo exercício é um conceito-realidade, expressão que utilizo recordando figura conhecida do direito do trabalho (contrato-realidade). Repelem ficções, construções artificiais, burlas ao propósito constitucional de realizar a avaliação dos servidores no desempenho concreto da atividade funcional. Mas qual o conteúdo deste conceito? Ele se confunde com a rotina, os dias de expediente nas repartições públicas? Penso que não. Entendo que o melhor caminho para determinar o conceito de efetivo exercício durante o período de prova é inserir o servidor durante o processo de estágio probatório na atividade regular do Estado. Neste sentido, será de serviço efetivo o tempo em que o servidor exercita a sua função integrada na atividade normal da Administração, entendendo-se esse exercício tanto o período de dedicação direta às funções do cargo quanto o período no qual o servidor em estágio probatório permaneça à disposição da administração, à semelhança dos demais servidores, para o desempenho de suas funções. O efetivo 24 Veja o art. 40 da CF/88 e o art. 8º, 4º da ADCT, que exige apenas o tempo de exercício, sem qualificá-lo com o adjetivo de efetivo. 25 É preciso que esse período experimental seja desempenhado no exercício do cargo para o qual se ascendeu por concurso, para o cumprimento dessa condição constitucional. (MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Curso de Direito Administrativo. Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2005, p. 303.) 26 São considerados não prejudiciais à avaliação especial de desempenho, os direitos constitucionais, que somente podem ser usufruídos com o afastamento do servidor do exercício funcional, como v.g.: os dias de repouso semanal remunerado (CF, art. 39, 3o, combinado com art. 7o, XV), o período de férias (CF, art.39, 3o, combinado com art. 7o, XVII), entre outros. 27 As licenças para tratamento de saúde são consideradas de efetivo exercício para a contagem de tempo para aposentadoria, mas não para a aquisição da estabilidade, quando se configurar um período tão prolongado que impeça a avaliação competente e, agora, obrigatória e periódica do desempenho. Mesmo não contribuindo para o seu afastamento e havendo um motivo justo, como é o de tratamento de saúde, o servidor fica impossibilitado de ser competentemente avaliado em seu desempenho pelo período necessário para a conclusão, que conduzirá, ou não, à estabilização do vínculo com a pessoa pública. Logo, tal afastamento não pode ser computado como estando ele em efetivo exercício para os parâmetros constitucionais referentes à estabilidade (ROCHA, Carmem Lúcia Antunes. Princípios Constitucionais dos Servidores Públicos. São Paulo: Ed. Saraiva, 1999, p. 232) 16

17 exercício é o exercício possível nos períodos de atividade regular do serviço e nos marcos do regime normal de trabalho dos servidores em geral. Tempo de exercício efetivo é o tempo dedicado à administração, tenha ou não esta expediente de trabalho. Havendo expediente, o tempo de efetivo exercício conta-se em serviço, porque há serviço. Não havendo expediente, por determinação legal, que alcance à generalidade dos agentes, há mera disponibilidade para o serviço, o único exercício possível neste contexto para qualquer servidor, inclusive o servidor em estágio. Por isso, deve ser reconhecido como efetivo exercício, para fins de integralização do estágio probatório, o descanso semanal remunerado, os dias de feriado, bem como todos os dias de inatividade que alcancem generalizadamente os servidores da administração. (MODESTO, 2002) É razoável, deste modo, afastar do cômputo do tempo de efetivo exercício as licenças e afastamentos de caráter individual, isto é, aquelas que afastam o servidor de suas funções 28, continuando o funcionamento normal da Administração Pública, como: a licença por motivo de doença em pessoa de família; licença por motivo de afastamento de cônjuge; licença para atividade política; afastamento para servir em organismo internacional de que o Brasil participe ou com o qual coopere; designação para cargos de confiança; licença para serviço militar; licença para tratar de interesses particulares; licença para desempenho de mandato classista, entre outras hipóteses. (ROCHA, 1999) Na esteira acima, é pertinente a seguinte lição: Não se deve perder de vista que, conforme vem especificando a jurisprudência, o tempo de exercício efetivo a ser computado é o tempo de exercício em cargo de provimento efetivo específico, não 28 O direito às férias anuais constitui situação à parte. [...] As férias constituem direito reconhecido a todos os trabalhadores, ocupantes de cargos ou empregos (CF, art. 7o, XVII, c/c art. 39, 3o.) e que todos devem poder gozar. Trata-se de período que deve também ser considerado como de efetivo exercício, uma vez que o servidor usufrui um direito constitucional reconhecido a todos os agentes públicos, segundo uma programação definida pela própria Administração, e permanecem à disposição da administração, sem particularizar a sua situação de afastamento em face dos demais agentes públicos. (MODESTO, Paulo. Estágio Probatório: questões controversas. Revista Diálogo Jurídico, Salvador, CAJ - Centro de Atualização Jurídica, nº. 12, março, Disponível na Internet: <http://www.direitopublico.com.br>. Acesso em: ) 17

18 sendo considerado o tempo de serviço prestado em outro cargo, da mesma ou de outra entidade. Tampouco deve ser considerado no cálculo do tempo de efetivo exercício de agente investido em cargo efetivo o tempo de serviço prestado por ele em outra condição jurídica, como agente temporário, contratado, ocupante de função, ainda que o cargo tenha sofrido posterior transformação em cargo de provimento efetivo. Além disso, ainda quando legítima a reintegração, após anulação do ato de demissão que haja colhido agente em estágio probatório, não se conta para fins do estágio probatório o período em que o agente não estava no desempenho de suas funções. Assim, em resumo, não deve ser computado no estágio probatório: a) licenças, afastamentos e outras hipóteses de ausência ao serviço, referenciadas unicamente na situação peculiar dos agentes em estágio, quando houver funcionamento normal da administração pública; b) períodos de tempo ficto, artificialmente construídos por lei ordinária; c) o período de serviço prestado a outra pessoa ou entidade pública, para o mesmo ou outro cargo; d) o período de serviço prestado à mesma pessoa ou entidade pública, relativamente a outro cargo público; e) o período de serviço prestado à mesma pessoa ou entidade pública, relativamente ao mesmo cargo, porém como interino, substituto, prestador de serviços ou ocupante de função de confiança, antes da transformação da natureza do cargo; f) o período transcorrido entre demissão do serviço e o reconhecimento da reintegração, por vício de legalidade no ato sancionador. (MODESTO, 2011) Por fim, pela importância do tema, registre-se que mesmo havendo previsão constitucional e legal para o servidor em estágio probatório poder ser nomeado para cargo em 18

19 comissão, como também desenvolver atividade de representação sindical, tais períodos não podem ser computados para fins de cumprimento do período experimental 29, posto que contrastem com a finalidade do instituo, devendo, nesses casos, ficar suspensa a contagem do lapso temporal do estágio, reiniciando a fluir quando do retorno do agente ao efetivo exercício funcional. 5. Conclusão. Surgiram conflitos quanto à sua natureza e finalidade, havendo quem o confundisse ora com o instituto da efetividade ora com o da estabilidade. Também suscitou acirrado debate quanto ao prazo do estágio e quanto o seu conteúdo formal e material, pois alguns o consideravam, até então, mera decorrência de tempo. Ainda, fomentou a discussão sobre se o agente em estágio probatório é servidor público ou será considerado servidor somente depois de confirmado no cargo efetivo? Qual o tempo que pode ser considerado de efetivo exercício para a contagem do estágio probatório e quais os direitos tem esse agente? O estudo levou à constatação de que há uma distinção clara e objetiva entre os institutos da efetividade, da estabilidade e do estágio probatório, não só quanto à natureza, mas, sobretudo, quanto ao conteúdo e finalidade destes. A efetividade relaciona-se com o provimento do cargo que tem natureza de definitividade, conteúdo ligado às funções continuadas e permanentes do cargo e finalidade de assegurar a permanência do efetivado no cargo enquanto este existir; a estabilidade destina-se a garantir a permanência do agente público no serviço público, como tal é um direito do servidor e ao mesmo tempo uma garantia 29 Ementa: NOMEAÇÃO DE SERVIDOR, EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, PARA CARGO DE CONFIANÇA. I- A Constituição Federal não estabelece óbice à nomeação de servidor - integrante de quadro de carreira técnica ou profissional e que esteja no período do estágio probatório - para o exercício de funções de confiança (cargo comissionado ou função gratificada). No entanto, nos termos do preconizado pela Lei Maior, artigo 37, I, norma infraconstitucional poderá estabelecer requisitos para o provimento destas funções de confiança, dentre os quais poderá figurar a exigência do cumprimento do estágio probatório. Na hipótese de não haver vedação de natureza legal, a nomeação deste servidor - no curso do estágio probatório, para exercer funções de confiança - implicará a SUSPENSÃO do período probatório, que só voltará a ser computado a partir do retorno do servidor ao exercício do cargo efetivo. (TCE-PE, Decisão T.C. N: 0408/96, ÓRGÃO JULGADO: FAC.DE FORM.DE PROFES.DE BELO JARDIM-PRESIDENTE, Data Publicação: 11/04/96). Sobre o direito do exercício de representação sindical, veja o seguinte julgado: ADMINISTRATIVO. SERVIDOR PÚBLICO CIVIL. ESTABILIDADE SINDICAL. A Constituição, conquanto haja estendido ao servidor público o exercício de prerrogativas próprias do empregado regido pelo direito comum do trabalho (art. 39, 2º), cuidou de estabelecer limitações indispensáveis a que o exercício de tais direitos não entre em choque com as vigas mestras do regime administrativo que preside as relações funcionais, entre essas, a relativa à estabilidade sindical do art. 8o., VIII, que importaria a supressão do estágio probatório, a que estão sujeitos todos os servidores. Recurso não conhecido (STF, RE RS, Relator: ILMAR GALVAO, Primeira Turma, Data do Julgamento: 13/10/1998 Publicação: DJ DATA- 26/03/99 PP EMENT VOL PP-00856). 19

20 para o exercício de suas funções imunes a interferências políticas e externas; por sua vez, o estágio probatório é uma obrigação a que deve se submeter o servidor público, em homenagem ao princípio da eficiência, para demonstrar, na prática, que tem aptidão para o cargo ao qual foi selecionado em concurso público. Verificou-se que a interpretação sistemática da nova redação do art. 41 da CF c/c o art. 28 da EC n 19/98, consagra a ideia de que a teleologia do estágio probatório exige que o seu prazo seja idêntico ao tempo determinado para a aquisição da estabilidade, pois admitir a existência de prazos diferenciados é o mesmo que admitir que após o término do estágio o servidor não terá qualquer direito. Assim, o prazo do estágio probatório para cargo de natureza efetiva é de três anos, a iniciar-se no exato momento em que o servidor entre em exercício. Saliente-se que atualmente o requisito do estágio probatório não é apenas uma etapa formal para a aquisição da estabilidade, uma vez que não se satisfaz com o simples decorrer do prazo. É, com efeito, uma etapa material, obrigatória, que só se concretiza com a avaliação especial de desempenho por comissão especialmente designada, com fim de auferir a aptidão e capacidade do servidor, compreendendo fatores de assiduidade, disciplina, capacidade de iniciativa, produtividade e responsabilidade. A evidência decorre da própria redação do art. 41, 4º, da CF/88, que estabelece como condição para a aquisição da estabilidade, a obrigatoriedade da avaliação especial de desempenho por comissão instituída para essa finalidade. É certo que o agente público nomeado em virtude de concurso público só adquire estabilidade após aprovação em estágio probatório, porém já inicia o período de estágio probatório detendo a condição de servidor público em caráter provisório. O caráter provisório se impõe, tão somente por não possui ainda a prerrogativa de permanência no serviço público. Não fosse assim, não precisaria, caso não entrasse em exercício, ser exonerado do ônus que assumiu, ao tomar posse, de desempenhar as atribuições do cargo. Ademais, é crível que ao ser investido no cargo de natureza efetiva, o que se dá com a posse, atrai para si todo o complexo de atribuições e responsabilidades do cargo, além dos direitos inerentes aos servidores estatutários em geral, com exceção daqueles que são incompatíveis com sua condição de estagiando. Ficou demonstrado que no estágio probatório o período a ser considerado como de efetivo exercício é aquele que corresponde ao exercício real das funções do cargo, não 20

DIREITO ADMINISTRATIVO ESQUEMATIZADO INSS FCC

DIREITO ADMINISTRATIVO ESQUEMATIZADO INSS FCC CARGOS: Técnico do INSS www.beabadoconcurso.com.br TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. - 1 - APOSTILA ESQUEMATIZADA SUMÁRIO UNIDADE 1 Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União (Lei n 8.112/90) 1.1

Leia mais

ORIGEM: Parecer n 179/2005 da Procuradoria Jurídica

ORIGEM: Parecer n 179/2005 da Procuradoria Jurídica ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moisés Viana Unidade Central de Controle Interno PARECER Nº 073/05 ENTIDADE SOLICITANTE: Procuradoria Jurídica FINALIDADE:

Leia mais

O Servidor Celetista e a Estabilidade

O Servidor Celetista e a Estabilidade O Servidor Celetista e a Estabilidade Resumo Objetiva o presente ensaio estimular a apreciação da questão da estabilidade do servidor público vinculado ao regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT,

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA:

Principais diferenças entre CARGO EFETIVO, CARGO EM COMISSÃO e FUNÇÃO DE CONFIANÇA: Prof.: Clayton Furtado LEI 8.112/90 clayton_furtado@yahoo.com.br 1ª AULA 1 - Introdução: a. Histórico: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA

Leia mais

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 2001/2006 DISPÕE SOBRE A AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI CHIES, Prefeito Municipal de Carlos Barbosa, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal

A Carreira de Fiscal Tributário Municipal A Carreira de Fiscal Tributário Municipal Levando em conta o fato de que os Municípios receberam da Constituição Federal competência para instituir tributos, recebeu, em concomitância, o direito de criar

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES

ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES ESTÁGIO PROBATÓRIO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Período de avaliação do servidor recém-nomeado para cargo efetivo, correspondente

Leia mais

Palavras-chave: agentes públicos, artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, concurso público, regime previdenciário.

Palavras-chave: agentes públicos, artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, concurso público, regime previdenciário. ARTIGO 19 DO ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS E O REGIME PREVIDENCIÁRIO NO ÂMBITO DO ESTADO DE SÃO PAULO DÉCIO SEIJI FUJITA 1 RESUMO O artigo 19 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

LEIS EXTRAVAGANTES DE DIREITO ADMINISTRATIVO

LEIS EXTRAVAGANTES DE DIREITO ADMINISTRATIVO LEIS EXTRAVAGANTES DE DIREITO ADMINISTRATIVO SUMÁRIO UNIDADE 1 Regime Jurídico dos Servidores Públicos Civis da União (Lei n 8.112/90) 1.1 Provimento 1.2 Vacância 1.3 Regime Disciplinar UNIDADE 2 Processo

Leia mais

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º

Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º PROVIMENTO ART. 8º Capítulo 12 PROVIMENTO ART. 8º Significa o preenchimento de um cargo público, consubstanciado mediante ato administrativo de caráter funcional, pois o ato é que materializa ou formaliza

Leia mais

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN

CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN CARTILHA: DIREITOS E VANTAGENS DOS SERVIDORES PÚBLICOS UNIDADE ADMINISTRATIVO FINANCEIRA - UNAFIN 1. Que vantagens além do vencimento podem ser pagas ao servidor? a) indenizações, que não se incorporam

Leia mais

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90

OAB. Direito Administrativo. Prof. Rodrigo Canda LEI 8.112/90 LEI 8.112/90 Art. 5o São requisitos básicos para investidura em cargo público: I - a nacionalidade brasileira; II - o gozo dos direitos políticos; III - a quitação com as obrigações militares e eleitorais;

Leia mais

EFEITOS DA DECISÃO DE REINTEGRAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO NO TOCANTE À AQUISIÇÃO DA ESTABILIDADE

EFEITOS DA DECISÃO DE REINTEGRAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO NO TOCANTE À AQUISIÇÃO DA ESTABILIDADE EFEITOS DA DECISÃO DE REINTEGRAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO NO TOCANTE À AQUISIÇÃO DA ESTABILIDADE Mariana Katsue Sakai 1 SUMÁRIO: 1. Efetivo exercício; 2. Efeitos da reintegração do servidor público; 3. Conclusão;

Leia mais

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS

JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS ESTUDO JURIDICIDADE DO AUMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DE SERVIDORES PÚBLICOS Leonardo Costa Schuler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública ESTUDO MARÇO/2007 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

RESOLVE: TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Dispõe sobre os procedimentos internos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, referentes ao Estágio Probatório, nos termos do Art. 41 4.º da Constituição da República Federativa do Brasil.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N. 14.985

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N. 14.985 PARECER N. 14.985 SUPERINTENDÊNCIA DO PORTO DE RIO GRANDE - SUPRG. FÉRIAS PROPORCIONAIS RESULTANTES DE ROMPIMENTO DE VÍNCULO ANTES DE COMPLETADO UM ANO DE CONTRATO. EFEITO DA DATA DO DESLIGAMENTO. Questionando

Leia mais

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015

NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Consultoria Legislativa NOTA INFORMATIVA Nº 1.385, DE 2015 Relativa à STC nº 2015-03673, do Senador Ricardo Ferraço, que solicita a análise sobre a legislação federal e estadual, acerca da possibilidade

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO:QUESTÕES CONTROVERSAS 1

ESTÁGIO PROBATÓRIO:QUESTÕES CONTROVERSAS 1 Número 10 abril/maio/junho de 2007 Salvador Bahia Brasil - ISSN 1981-187X - ESTÁGIO PROBATÓRIO:QUESTÕES CONTROVERSAS 1 Prof. Paulo Modesto Prof. Paulo ModestoProfessor de Direito Administrativo da Universidade

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal

Autarquia. Administração Indireta. Figura sujeita a polemicas doutrinárias e de jurisprudência. Ausente na estrutura do Executivo Federal Administração Direta Fundação Publica Direito Público Consórcio Público Direito Público Fundação Publica Direito Privado Empresa Pública Consórcio Público Direito Privado Sociedade Economia Mista Subsidiária

Leia mais

TÍTULO: ESTABILIDADE E ESTÁGIO PROBATÓRIO, INSTITUTOS DIFERENTES

TÍTULO: ESTABILIDADE E ESTÁGIO PROBATÓRIO, INSTITUTOS DIFERENTES Página93 TÍTULO: DIFERENTES Denis Lopes Franco 1 SUMÁRIO: INTRODUÇÃO; 1. CONCEITO DE ESTABILIDADE; 1.1. REQUISITOS PARA AQUISIÇÃO DA ESTABILIDADE; 1.2. ESTABILIDADE NÃO SE CONFUNDE COM EFETIVIDADE OU VITALICIEDADE;

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MANDADO DE SEGURANÇA 32.833 DISTRITO FEDERAL RELATOR IMPTE.(S) ADV.(A/S) IMPDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROBERTO BARROSO :CARLOS RODRIGUES COSTA :LUZIA DO CARMO SOUZA :PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DA

Leia mais

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP

Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento do DAP LEGISLAÇÃO DE PESSOAL COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO Regime Jurídico dos Servidores Públicos Federais Lei nº. 8.112/90 Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 864.760 - GO (2006/0145586-0) RELATORA : MINISTRA JANE SILVA (DESEMBARGADORA CONVOCADA DO TJ/MG) RECORRENTE : UNIÃO RECORRIDO : SALVADOR LAUREANO DE ASSUNÇÃO ADVOGADO : LÁZARO SOBRINHO

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970

VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 VOTO PROCESSO TC 2257/2013 PROTOCOLO TC 2013/128970 Considerando que a Lei Estadual n 6.417, de 26 de maio de 2008, com vigência retroativa a 1 de maio de 2008, dispõe sobre a revisão geral anual dos servidores

Leia mais

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50

CONHEÇA A VERDADE SOBRE A EC 50 CONHEÇA A VERDADE SOBRE A Porque os interesses de Goiás e do povo goiano estão acima de interesses pessoais e corporativistas. O que é a /2014? É uma Emenda Constitucional, que disciplina a representação

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 507.536 - DF (2003/0037798-3) RELATOR : MINISTRO JORGE MUSSI RECORRENTE : O SINDICATO DOS SERVIDORES DAS AUTARQUIAS DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31

LEGISLAÇÃO / E-mails 4.31 E-mail de 06/06/2006 ASSUNTO: Prorrogação de contrato no período eleitoral ANEXO: Parecer 179/06-AJ Prezados Senhores, Tem o presente a finalidade de encaminhar o Parecer nº 179/2006-AJ, que trata da possibilidade

Leia mais

CARGO EFETIVO, CARGO COMISSIONADO, FUNÇÃO DE CONFIANÇA E FUNÇÃO GRATIFICADA

CARGO EFETIVO, CARGO COMISSIONADO, FUNÇÃO DE CONFIANÇA E FUNÇÃO GRATIFICADA CARGO EFETIVO, CARGO COMISSIONADO, FUNÇÃO DE CONFIANÇA E FUNÇÃO GRATIFICADA Autoria: Sidnei Di Bacco Advogado Prevê a Constituição Federal: Art. 37. (...) II - a investidura em cargo ou emprego público

Leia mais

SEMINÁRIO ESTÁGIO PROBATÓRIO

SEMINÁRIO ESTÁGIO PROBATÓRIO SEMINÁRIO ESTÁGIO PROBATÓRIO AVALIAÇÃO ESPECIAL DO ESTÁGIO PROBATÓRIO SISMUC 2011 ESTÁGIO PROBATÓRIO Com efeito, no caso do servidor nomeado por concurso, a estabilidade somente se adquire depois de três

Leia mais

ESTÁGIO PROBATÓRIO:QUESTÕES CONTROVERSAS 1

ESTÁGIO PROBATÓRIO:QUESTÕES CONTROVERSAS 1 Número 12 março de 2002 Salvador Bahia Brasil ESTÁGIO PROBATÓRIO:QUESTÕES CONTROVERSAS 1 Prof. Paulo Modesto Professor de Direito Administrativo da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e da Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013 Ementa: Dispõe sobre o programa de avaliação dos servidores em estágio probatório, conforme especifica. A Presidenta da Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns

Leia mais

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA

PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA PARECER SOBRE O REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NA BAHIA I. Intróito Na qualidade de Professor de Servidor Público da UESB e de advogado da ADUSB, nos fora solicitado pela Diretoria desta entidade sindical

Leia mais

O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL NO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, O DIREITO A ESTABILIDADE

O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL NO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, O DIREITO A ESTABILIDADE O PAPEL DO SERVIDOR PÚBLICO MUNICIPAL NO PERÍODO DE ESTÁGIO PROBATÓRIO, O DIREITO A ESTABILIDADE Marcelo Marques Ferreira 1 Fernando De Oliveira Bombilio 2 RESUMO Neste artigo, articulamos uma breve incursão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Nº 5301 -PGR-RG MANDADO DE SEGURANÇA Nº 30.585 IMPETRANTE : ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS AMB : ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES FEDERAIS DO BRASIL AJUFE : ASSOCIAÇÃO DOS JUÍZES FEDERAIS DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Administrativo I Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Prof. José Pedro Zaccariotto Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo:

Leia mais

Diante disso, passa-se à análise dos seus argumentos, a despeito da clareza da bibliografia transcrita.

Diante disso, passa-se à análise dos seus argumentos, a despeito da clareza da bibliografia transcrita. RESPOSTA ÀS ALEGAÇÕES DO CANDIDATO Como já dito anteriormente, a questão foi elaborada com base nas lições de Maria Sylvia Di Pietro, bibliografia indicada no edital e que, nessa oportunidade deve ser

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.015.473 - RS (2007/0299452-2) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : SIMONE DAI PRA ZAMIN ADVOGADO : FELIPE NÉRI DRESCH DA SILVEIRA E OUTRO(S) AGRAVADO :

Leia mais

CARTILHA DO ESTÁGIO PROBATÓRIO

CARTILHA DO ESTÁGIO PROBATÓRIO CARTILHA DO ESTÁGIO PROBATÓRIO Carlos Alberto Boechat Rangel Júlio Canello 1. Apresentação Nos plantões jurídicos realizados nos sindicatos e associações, o Escritório Boechat e Wagner Advogados Associados

Leia mais

AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ.

AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. AO EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ. SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ/SINDUECE, seção sindical da ANDESSN, entidade sindical representativa dos docentes

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

Athayde Filho e outros) Vistos etc.

Athayde Filho e outros) Vistos etc. ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa DECISÃO MONOCRÁTICA APELAÇÃO CÍVEL N2 107.2009.000348-7/001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Apelante: Município de Lagoa

Leia mais

marcelo ávila a d v o g a d o s

marcelo ávila a d v o g a d o s ABONO PERMANÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO 1 Ementa: Foi instituído pela Emenda Constitucional 41/2003, e corresponde ao valor da contribuição previdenciária mensal do servidor que o requerer, desde que tenha

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO POVO LEI Nº516/2012- DE 09 DE ABRIL DE 2012 Altera a Lei Municipal nº 280, de 30 de março de 2004, que dispõe sobre o Estatuto Geral do Servidores Públicos do Município de São José do Povo. JOÃO BATISTA DE

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Jose Luis Wagner Luciana Inês Rambo Flavio Alexandre Acosta Ramos Junho de 2009 1 1. Introdução Desde

Leia mais

ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS LEI 8.112/90. Profª Lana Furtado

ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS LEI 8.112/90. Profª Lana Furtado ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS LEI 8.112/90 Profª Lana Furtado AGENTES PÚBLICOS: Toda pessoa física que presta serviços ao Estado e às pessoas jurídicas da Administração Indireta, conforme elencado

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça MANDADO DE SEGURANÇA Nº 10.818 - DF (2005/0116531-1) RELATOR : MINISTRO ERICSON MARANHO (DESEMBARGADOR CONVOCADO DO TJ/SP) IMPETRANTE : ADELINO SIMÕES JORGE ADVOGADO : ANNA ANDRÉA SIMÕES JORGE IMPETRADO

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ 1 LEI Nº 2.879, DE 03 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre a estruturação do Plano de Cargos e Salários dos Servidores do Município de Arapongas, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAPONGAS, ESTADO

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF

CONFEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONDSEF Nota Técnica AJN/CONDSEF n. 07/2011 CONDSEF. Possibilidade de conversão de tempo de serviço prestado em condições especiais em tempo de serviço comum após o advento da Medida Provisória n. 1.663, posteriormente

Leia mais

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 56/2012. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 56/2012 Dispõe sobre a concessão da gratificação natalina aos magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

Leia mais

Questões Cespe da Lei nº 8.112/90 Para MPU

Questões Cespe da Lei nº 8.112/90 Para MPU Questões Cespe da Lei nº 8.112/90 Para MPU Olá Concursando, Hoje vamos estudar algumas questões sobre a lei nº 8.112/90 elaboradas pelo Cespe, que é responsável pela prova do MPU/2010. Eu selecionei 10

Leia mais

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório

Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO E GESTÃO DE PESSOAL Tutorial da Avaliação de Desempenho do Servidor no Estágio Probatório Belém/ Pará. Junho, 2013.

Leia mais

O QUE DISTINGUE A GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS MILITARES NA VISÃO DO E. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL.

O QUE DISTINGUE A GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS MILITARES NA VISÃO DO E. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. O QUE DISTINGUE A GREVE DOS SERVIDORES PÚBLICOS CIVIS DOS SERVIDORES PÚBLICOS MILITARES NA VISÃO DO E. SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. A RECENTE DECISÃO MONOCRÁTICA NA RECLAMAÇÃO Nº 17.915. 1 Gina Copola (fevereiro

Leia mais

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte.

1 Juiz do Trabalho, titular da 11ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte. A contratação de servidores por prazo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público e a competência da Justiça do Trabalho. Cleber Lúcio de Almeida 1 I. Constitui objeto

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Administração Pública Arts. 37 ao 43 da CF

Questões Fundamentadas Da Administração Pública Arts. 37 ao 43 da CF 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas Da Administração Pública - Art. 37 ao 43 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br SUMÁRIO Apresentação...3 Questões...4 Respostas...105

Leia mais

marcelo ávila a d v o g a d o s

marcelo ávila a d v o g a d o s APOSENTADORIA ESPECIAL DO SERVIDOR PÚBLICO EXPOSTO A AGENTES NOCIVOS INSALUBRIDADE e PERICULOSIDADE 1 Pretende este estudo demonstrar de forma cabal a plena plausibilidade jurídica da aposentadoria especial

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Leonardo Costa Schüler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal )1( oãdróca atneme86242 DE-SM Diário da Justiça de 09/06/2006 03/05/2006 TRIBUNAL PLENO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES EMBARGANTE(S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO EMBARGADO(A/S) : FERNANDA

Leia mais

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE

ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE ESTABILIDADE PROVISÓRIA DA GESTANTE Weliton José da Silva Balduino 1 Rafaella Gil Almeida 2 INTRODUÇÃO Historicamente, a mulher sempre desempenhou atividades, seja, no lar, nas atividades agrícolas familiares

Leia mais

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO O EXMO. SR. MINISTRO DIAS TOFFOLI: Ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Procurador-Geral da República em face da Emenda

Leia mais

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE

INQUÉRITO PARA APURAÇÃO DE FALTA GRAVE ESTABILIDADE ESTABILIDADE DEFINITIVA X ESTABILIDADE PROVISÓRIA (GARANTIA DE EMPREGO) DIRIGENTE SINDICAL Art. 8, VIII CF + Art. 543, 3º CLT + Súmula 369 TST Tanto titulares como SUPLENTES (dirigentes sindicais)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE PESSOAS GERÊNCIA DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PESSOAL MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 006 2 2 APRESENTAÇÃO Este manual é uma ferramenta de consulta

Leia mais

ADVOGADOS INGRESSO 2009. USP- Consultoria Jurídica amc

ADVOGADOS INGRESSO 2009. USP- Consultoria Jurídica amc ADVOGADOS INGRESSO 2009 USP- Consultoria Jurídica amc 1 RELAÇÕES DE TRABALHO NA UNIVERSIDADE 1 - Servidores Titulares de Cargos Efetivos DOCENTES a) Estatuto dos Funcionários Públicos P Estado de São Paulo

Leia mais

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS DIVISÃO DE ALOCAÇÃO E AVALIAÇÃO MANUAL DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO APRESENTAÇÃO Este manual é

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014

ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 ORIENTAÇÃO DE SERVIÇO SCAP N.º 010/2014 A SCAP, no uso das atribuições conferidas pelo art. 36 do Decreto nº 46.557, de 11 de julho de 2014, e considerando o disposto nos arts. 152 a 155 e 211, da Lei

Leia mais

ARTIGO: O EXAME PSICOLÓGICO EM CONCURSOS PÚBLICOS

ARTIGO: O EXAME PSICOLÓGICO EM CONCURSOS PÚBLICOS ARTIGO: O EXAME PSICOLÓGICO EM CONCURSOS PÚBLICOS Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 Sandra Cristina Floriano Pereira de Oliveira Sanches 2 RESUMO: O presente artigo trata do exame psicológico em concursos

Leia mais

SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO À LUZ DA LEGISLAÇÃO VIGENTE

SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO À LUZ DA LEGISLAÇÃO VIGENTE SERVIDOR PÚBLICO ESTATUTÁRIO À LUZ DA LEGISLAÇÃO VIGENTE Idalberto da Silva Carvalho Neto (idalbertocarvalhojc@gmail.com) Graduando em Direito - Universidade de Fortaleza SUMÁRIO INTRODUÇÃO; 1 CONCEITO;

Leia mais

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO

ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. CAPÍTULO I DO DIREITO E DA CONCESSÃO ORIENTAÇÃO NORMATIVA SRH Nº 2, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2011. Dispõe sobre as regras e procedimentos a serem adotados pelos órgãos setoriais e seccionais do Sistema de Pessoal Civil da Administração Federal

Leia mais

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO

2 A DISTINÇÃO ENTRE SERVIÇO PÚBLICO EM SENTIDO ESTRITO E ATIVIDADE ECONÔMICA DESEMPENHADA PELO ESTADO 19 A DISPENSA DE EMPREGADOS EM EMPRESAS PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA PRESTADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS OU EXPLORADORAS DE ATIVIDADES ECONÔMICAS EM REGIME DE MONOPÓLIO Adib Pereira Netto Salim*

Leia mais

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR

Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR Informativo nº 37 DÉBITO DE PEQUENO VALOR O art. 100 da Constituição Federal de 1988 dispõe sobre a forma de pagamento de precatórios judiciais, que se realizarão na ordem cronológica de apresentação,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

Aposentadoria especial aos 25 anos: eu tenho direito? Parte 1

Aposentadoria especial aos 25 anos: eu tenho direito? Parte 1 Aposentadoria especial aos 25 anos: eu tenho direito? Parte 1 Sérgio Nunnes Publicado em 05/2014. Elaborado em 04/2014. O presente estudo analisa o instituto da aposentadoria especial do servidor público

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 23.428 - RS (2007/0001863-1) RELATORA : MINISTRA MARIA THEREZA DE ASSIS MOURA RECORRENTE : GLAUCO MOREIRA CASTILHO E OUTRO ADVOGADO : FRANCIS CAMPOS BORDAS T. ORIGEM

Leia mais

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237.

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237. PARECER Trata-se de parecer em resposta à consulta formulada pela Presidência da Câmara Municipal de sobre a constitucionalidade do instituto do acesso a cargo público. Em sua solicitação, o Presidente

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA CNJ A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotado de personalidade jurídica e

Leia mais

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores.

AULA 01. Esses três primeiros livros se destacam por serem atualizados pelos próprios autores. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 01 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Estado Gerencial brasileiro.introdução1

Leia mais

É o relatório. No Mérito

É o relatório. No Mérito PARECER EMITIDO SOBRE A POSSIBILIDADE DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS JURÍDICOS PARA REALIZAÇÃO DE ESTUDO TÉCNICO-LEGISLATIVO E ELABORAÇÃO DE MINUTA DE PROJETO DE CONSOLIDAÇÃO DE LEIS MUNICIPAIS:

Leia mais

1. É LEGAL O SERVIDOR PÚBLICO FAZER GREVE?

1. É LEGAL O SERVIDOR PÚBLICO FAZER GREVE? 1. É LEGAL O SERVIDOR PÚBLICO FAZER GREVE? SIM. Em sua redação original, o artigo 37, inciso VII da Constituição Federal assegurou o exercício do direito de greve pelos servidores públicos civis, o qual

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tipo M - Mudança de regime juridico estatutario

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tipo M - Mudança de regime juridico estatutario 16/10/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 6 5. Informações Complementares... 7 6. Referências... 7 7.

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA. DECISÃO MONOCRÁTICA. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA REMESSA OFICIAL N. 200.2010.034-761-21001. ORIGEM : 2.a Vara da Fazenda Pública da Comarca da

Leia mais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais

Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais Controle de Constitucionalidade de normas pré-constitucionais O Supremo Tribunal Federal possui o poder de decidir sobre a constitucionalidade das normas jurídicas que foram aprovadas antes da entrada

Leia mais

Provimentos derivados de reingresso Art. 41, 2º e 3º, CF reintegração, recondução e aproveitamento.

Provimentos derivados de reingresso Art. 41, 2º e 3º, CF reintegração, recondução e aproveitamento. Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Administrativo / Aula 23 Professor: Luiz Jungstedt Monitora: Carolina Meireles (continuação) Provimentos derivados de reingresso Art. 41, 2º

Leia mais

PONTO 1: Formas de Provimento PONTO 2: Formas de Vacância 1. FORMAS DE PROVIMENTO DE CARGO: READAPTAÇÃO: Art. 24 da Lei 8.112/90.

PONTO 1: Formas de Provimento PONTO 2: Formas de Vacância 1. FORMAS DE PROVIMENTO DE CARGO: READAPTAÇÃO: Art. 24 da Lei 8.112/90. 1 DIREITO ADMINISTRATIVO PONTO 1: Formas de Provimento PONTO 2: Formas de Vacância 1. FORMAS DE PROVIMENTO DE CARGO: READAPTAÇÃO: Art. 24 da Lei 8.112/90. Readaptação envolve a troca de cargo, sem concurso

Leia mais

TURMA RECURSAL. 1 Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná. I Relatório

TURMA RECURSAL. 1 Juizados Especiais Federais Seção Judiciária do Paraná. I Relatório 1 Autos n.º 2003.70.09.003006-3 Recorrente: Luiz Carlos Bucholdz Recorrido: Instituto Nacional do Seguro Social INSS Origem: Juizado Especial Federal de Ponta Grossa - SJPR Relator: Juiz Federal Marcos

Leia mais

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X

CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA TEXTO X CICLOS DE DEBATES DIREITO E GESTÃO PÚBLICA CICLO 2012 TEXTO X A Previdência Social do Servidor Público Valéria Porto Ciclos de Debates - Direito e Gestão Pública A Previdência Social do Servidor Público

Leia mais

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S

BRUNO PENA & ADVOGADOS ASSOCIADOS S/S PARECER Interessado: Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Goiás - SINPOL. SERVIDOR PÚBLICO. INGRESSO EM 2004. APOSENTADORIA. PARIDADE. INTEGRALIDADE DE PROVENTOS. RELATÓRIO Trata-se de consulta feita

Leia mais

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado

Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Incidência ou não do ITBI sobre o valor do bem excedente ao do capital integralizado Kiyoshi Harada* Grassa séria controvérsia doutrinária e jurisprudencial quanto à questão de saber se incide ou não o

Leia mais

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 382/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 382/2011 Dispõe sobre a concessão de férias no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006.

NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. NOTA JURÍDICA N.º 001/2006 Cuiabá/MT, 04 de abril de 2006. A MÉDIA ARITMÉTICA SIMPLES E O CÁLCULO DOS PROVENTOS DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS FACE A EMENDA CONSTITUCIONAL N.º 41, DE 2003 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 I - DAS REGRAS GERAIS SOBRE A CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 8, DE 6 DE JULHO DE 1993 O MINISTRO DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DA ADMINISTRAÇÃO FEDERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe conferem a Lei nº 8.490, de

Leia mais