Verificação aos Relatórios de Sustentabilidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Verificação aos Relatórios de Sustentabilidade"

Transcrição

1 Verificação aos Relatórios de Sustentabilidade Um desafio para os Revisores Oficiais de Contas Auditoria Teresa Eugénio Docente estg / ipt leiria Sónia Gomes MestRe em controlo de GestÃO

2 Enquadramento Este estudo pretende ser um contributo para um maior conhecimento da temática: auditoria aos relatórios de sustentabilidade, por parte dos Revisores Oficias de Contas. Sendo este um tema ainda novo e desconhecido para muitos, urge que o Revisor Oficial de Contas esteja atualizado e familiarizado com todos os aspetos que rodeiam o trabalho de Verificação aos relatórios de sustentabilidade. A estrutura deste estudo é a que se segue: após a introdução, o ponto 2 identifica em que consiste um relatório de sustentabilidade e as principais motivações e constrangimentos para a sua publicação. O ponto 3 apresenta considerações sobre o GRI Global Reporting Iniciative. O ponto 4 aborda a verificação aos relatórios de auditoria mencionando estudos internacionais, as normas de auditoria mais utilizadas e a evolução desta prática a nível internacional. No ponto 5 é apresentado o estado da arte da auditoria aos relatórios de sustentabilidade em Portugal. Seguindo-se uma breve conclusão. Fica um contributo em jeito de resumo, na expectativa que seja motor de curiosidade e gosto por aprender mais sobre a auditoria a este tipo de relato. Introdução O desenvolvimento sustentável está presente na agenda das empresas que se posicionam como líderes no mercado. Cada empresa tem estabelecido a sua visão da sustentabilidade, procurando desenvolver melhores práticas e com elas criar vantagens competitivas para o seu negócio. Neste processo contínuo de aprendizagem, a comunicação de resultados não financeiros ganhou importância vital para o sucesso das empresas, sendo os relatórios de sustentabilidade uma ferramenta privilegiada nesse sentido. Vários estudos (como Bebbington e Gray (2001); Larrinaga et al. (2008)) defendem que as tendências internacionais indicam uma nova forma de comunicar as questões económicas, sociais e ambientais, o que leva as empresas a produzirem voluntariamente relatórios sobre estes temas. Relatórios de Sustentabilidade Os relatórios de sustentabilidade constituem uma ferramenta de reporte que visa comunicar a abordagem estratégica e operacional nas vertentes económicas, social e ambiental, e a performance obtida, consubstanciada em indicadores, metas/ achievements e iniciativas decorrentes da política de sustentabilidade das organizações. O reporte sobre Sustentabilidade, desde que focado nos aspetos relevantes, e sendo credível e transparente, é uma das ferramentas que maior valor acrescentado tem trazido às empresas que têm uma atuação responsável, pois permite capitalizar essa atuação potenciando o fortalecimento da imagem da organização. Elaborar relatórios de sustentabilidade consiste, na prática, em medir, divulgar e prestar contas, às várias partes interessadas, sobre a estratégia, abordagem de gestão e o desempenho das organizações, nos domínios económico, ambiental, e social visando contribuir para um padrão de desenvolvimento sustentável, através de uma gestão equilibrada destas vertentes. O estudo da KPMG (2011 e 2006) reforça os benefícios que as empresas obtém com a publicação de um relatório de sustentabilidade: melhoria do desempenho operacional e de gestão; ganhar a confiança dos investidores e instituições financeiras, melhorar a reputação, cumprir com exigências externas e/ou internas, entre outras (figura 1). Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

3 Figura 1 Benefícios Identificados pela Publicação de Relatórios de Sustentabilidade Melhorar o desempenho operacional e de gestão Ganhar a confiança de investidores, instituições... Melhorar a reputação Cumprir com exigências externas e/ou internas Melhorar a gestão de risco Capacidade de melhorar desempenhos Aumentar o controlo sobre informação ambiental Criar oportunidades de mercado Capacidade de atrair e manter talentos Não sabe / Não responde Outros 3% 16% 25% 22% 41% 40% 39% 36% 52% 55% 66% Fonte: KPMG (2006) Figura 2 Dificuldades Identificadas na Publicação de Relatórios de Sustentabilidade Custo e constrangimento ao nível dos recursos Necessidade de recursos adicionais Inexistência de indicadores Inexistência de Departamento de... Custos com a verificação externa Falta de envolvimento da gestão de topo Necessidade de transparência na informação a... Aprovação da Gestão Outros Não sabe / Não responde 1% 5% 6% 8% 11% 17% 16% 24% 28% 46% 45% Fonte: KPMG (2006) Os maiores constrangimentos deste processo incidem nos custos e na falta de recursos (figura 2) Global Reporting Iniciative 1 Várias organizações têm sugerido modelos ou diretrizes para elaboração de relatórios de sustentabilidade. A Global Reporting Iniciative (GRI) é a primeira iniciativa à escala mundial que visa alcançar um consenso a respeito de uma série de diretrizes de comunicação sobre a responsabilidade social, ambiental e económica das organizações. O seu objetivo é aumentar a qualidade dos relatórios a um nível passível de comparação, consistência e utilidade (SGS, 2009). Apesar das orientações de outros organismos, a GRI tem ganho muitos adeptos a nível internacional (figura 3). Figura 3 Empresas que adotam as Diretrizes GRI 100% 80% 60% 40% 20% 0% Follows GRI No GRI Fonte: CorporateRegister (2010) Muitos investigadores concordam que a GRI é a instituição mais relevante no contexto de relatórios de sustentabilidade (Thomson e Bebbington, 2005; Moneva et al, 2006;. Bebbginton e Gray, 2006; Adams, 2004). Alguns estudos analisam cuidadosamente estas diretrizes e avaliam a divulgação das empresas de acordo com elas (Adams, 2004;. Moneva et al, 2006 e Lamberton, 2005). A GRI é uma organização não-governamental internacional, com sede em Amsterdão, na Holanda. Foi lançada em 1997, como uma iniciativa conjunta da organização não-governamental Coalition for Environmentally Responsible Economies (CERES) e do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). É uma instituição multi-stakeholders, que tem como missão desenvolver e dinamizar globalmente as diretrizes mais adequadas para a elaboração de relatórios de sustentabilidade e como objetivos melhorar a qualidade, o rigor e a utilidade dos relatórios de sustentabilidade. A GRI procura estabelecer um padrão internacional de relatório económico, social e ambiental. O modelo determina princípios de reporte (alinhados, embora adaptados a um outro contexto, com os princípios de relato financeiro) e conteúdos para o relatório, permitindo às organizações a apresentação geral de seu desempenho económico, social e ambiental. Proporciona a comparação com o mercado, já que estabelece padrões (indicadores) e ainda serve como plataforma para facilitar o diálogo e o envolvimento de stakeholders. Além das diretrizes globais, a GRI desenvolve diretrizes setoriais. No site podem encontrar-se informações adicionais sobre a GRI assim como as diretrizes para a elaboração de relatórios de sustentabilidade em diferentes línguas. A GRI incentiva as empresas a (SGS, 2009): Reportar o processo de implementação dos princípios; Estabelecer metas; Identificar as melhorias alcançadas nos diversos aspetos; Relatar se os objetivos foram ou não atingidos; Avaliar internamente a consistência entre a política de sustentabilidade corporativa e a sua efetiva realização. Os relatórios de sustentabilidade baseados na estrutura definida pela GRI divulgam resultados e também consequências, que ocorreram durante o período relatado, no contexto dos compromissos, da estratégia e da abordagem de gestão adotados pela organização. 38 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

4 Teresa Eugénio Docente estg / ipt leiria / Sónia Gomes Mestre em controlo de Gestão Os relatórios podem ser utilizados, entre outros objetivos, para (GRI, 2006): Benchmarking e avaliação do desempenho de sustentabilidade relativamente a leis, normas, códigos, padrões de desempenho e iniciativas voluntárias; Demonstração da forma como a organização influencia e é influenciada por expectativas das partes interessadas face ao desenvolvimento sustentável; Comparação do desempenho no âmbito de uma organização e entre diferentes organizações, ao longo do tempo. Verificação/ auditoria aos relatórios de sustentabilidade Vários estudos destacam a falta de credibilidade face à não obrigatoriedade de verificação dos relatórios de sustentabilidade e à ausência de investigação profunda na análise dos processos pelos quais os relatórios de sustentabilidade são gerados (CPA, 2010; O Dwyer et al. 2011; Shum et al. 2009). No contexto internacional encontram-se vários estudos sobre auditoria aos relatórios de sustentabilidade (tais como Ackers (2009); O Dwyer et al. (2011); Simnett et al. (2009); Degan et al. (2006); Hodge et al. (2009); Kolk and Perego; Simnett (2012)) no entanto o conhecimento da realidade portuguesa está ainda pouco explorado. Encontramos apenas os relatórios de consultoras como a KMPG e a Delloite e os recentes estudos de Gomes e Eugénio (2012) e Gomes et al. (2013). Neste contexto, tendo em conta a importância que este tipo de relato tem assumido e a necessidade de garantir a sua credibilidade, as empresas têm procurado auditar 2 os seus relatórios de sustentabilidade com o objetivo de analisar se estes transmitem de forma transparente os valores e princípios corporativos, as práticas de gestão e o desempenho da empresa. A GRI utiliza a expressão processo externo de garantia de fiabilidade para se referir a atividades que têm como resultado a publicação de conclusões acerca da qualidade do relatório e da informação nele contida. Esta atividade envolve considerar os processos subjacentes à preparação destas informações, apesar de não estar limitado a essa tarefa. É uma atividade diferente daquelas que têm por objetivo a avaliação ou validação da qualidade ou nível de desempenho de uma organização, tais como a emissão de certificados de desempenho ou avaliações de conformidade (GRI, 2006), como é o caso das certificações de qualidade ou ambiente proporcionada por normas como a ISO 9001 ou a ISO Atualmente, os responsáveis pela elaboração dos relatórios de sustentabilidade utilizam diversos tipos de abordagem para implementar um processo externo de verificação incluindo a utilização de profissionais do ramo (Revisores Oficiais de Contas), painéis constituídos por stakeholders 3 e outros grupos ou indivíduos não pertencentes à organização. Estas ações podem implicar o recurso a grupos ou indivíduos que seguem normas para assegurar a garantia de fiabilidade, ou implicar abordagens que seguem processos sistemáticos, documentados e comprovados mas que não são regidos por uma norma específica (Eugénio, 2011). Podem ter sistemas internos de controlo implementados, incluindo funções de auditoria interna, como parte do processo para gerir e divulgar informações, porém, a Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

5 GRI recomenda a utilização de um processo externo de garantia de fiabilidade para os relatórios de sustentabilidade, em complemento aos recursos internos existentes. As normas mais comuns na verificação desta temática são duas: AA1000AS e a ISAE Esta ultima norma apenas pode ser utilizada por Revisores Oficiais de Contas. É frequente, em determinados estudos, a norma GRI ser incluída como uma norma de verificação no entanto importa esclarecer que a ISAE 3000 e a AA1000AS são normas de assurance, enquanto que o GRI é subject matter ou seja é um padrão que estabelece critérios de avaliação contra os quais se vão aplicar procedimentos de auditoria para verificar a conformidade. O GRI apesenta uma referência à verificação externa, encorajando-a, mas não estabelece qualquer requisito especifico de metodologia de verificação. Por outro lado existe o GRI check, mas que é apenas uma picagem de conformidade com os requisitos de relato, sem análise da fiabilidade da informação na origem o próprio GRI refere que o GRI check não é um processo de verificação externa e não a substitui. A ISAE 3000 foi aprovada pelo International Auditing and Assurance Standards Board e produziu efeitos a partir de Janeiro de São estabelecidos nesta norma os princípios básicos e procedimentos fundamentais a ter em conta para projetos de assurance que não se refiram a auditorias ou revisões de informação financeira histórica. Fornece diretrizes que dão orientações na abordagem e procedi- mentos, a ter em conta no desenvolvimento deste tipo de projetos, para que estejam de uma forma sistemática e consistente com os standards profissionais de auditoria e seus códigos de conduta (Correia, 2010). Estabelece princípios orientadores e procedimentos essenciais que orientam os profissionais de auditoria (ROC), denominados por esta norma como profissionais executores, na execução de trabalhos de garantia de fiabilidade (ISAE 3000). A norma AA1000AS AccountAbility Assurance Standard foi publicada em Março 2003 e revista posteriormente, sendo que a versão actualmente em vigor data de Pretende assegurar não apenas a qualidade dos dados, mas sobretudo a forma como as organizações relatoras gerem a sustentabilidade, tendo por base, nessa gestão, três princípios - princípios AA1000 da AccountAbility, os quais são especificados na norma AA1000 AccountAbility Principles Standard AA1000APS, também de Esses princípios são: a Inclusão (princípio-chave) - Uma organização deve ser inclusiva, promovendo a participação das partes interessadas no desenvolvimento e efectivação de uma resposta estratégica e responsável em relação a sustentabilidade; Relevância ou Materialidade - Uma organização deve identificar os assuntos materiais e a sua relevância para si e para as respectivas partes interessadas; e Capacidade de Resposta - Uma organização deve dar resposta aos assuntos suscitados pelas partes interessadas e que afectam o seu desempenho, através de decisões; de acções de gestão, bem como de comunicação com as partes interessadas; e do desempenho. 40 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

6 Teresa Eugénio Docente estg / ipt leiria / Sónia Gomes Mestre em controlo de Gestão Estes dois normativos de verificação são os mais utilizados e comuns a todos os estudos publicados. Constata-se que são utilizados de uma forma independente ou combinada entre a utilização de uma ou duas normas no mesmo relatório. As figuras seguintes Figura 2apresentam a evolução da verificação dos relatórios de sustentabilidade a nível mundial (figura 4) e uma visão global das empresas no mundo que recorrem à verificação externa dos relatórios de sustentabilidade (figura 5). Portugal ocupa a 10ª posição com cerca de 45% dos seus relatórios de sustentabilidade auditados. Figura 4 Evolução da verificação aos Relatórios de Sustentabilidade a nível mundial Figura 5 Percentagem de empresas do mundo que procuram auditar os RS Fonte: Auditoria aos relatórios de sustentabilidade em Portugal Com o objetivo de traçar uma análise ao caso português, foi analisada a informação divulgada, pelas maiores empresas em Portugal, públicas ou privadas nos anos de 2008, 2009 e Os documentos analisados foram os relatórios e contas e os relatórios de sustentabilidade 4. Foram selecionadas empresas pertencentes a todos os setores de atividade económica. Foram analisadas as empresas que tivessem publicado um relatório de sustentabilidade num destes anos. Para completar a amostra final recorreu-se às bases de dados do GRI (Global Reporting Iniciative), BCSD (Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável) e CIGS/IPL (Centro de Investigação em Gestão para a Sustentabilidade do Instituto Politécnico de Leiria). Na análise dos relatórios utilizou-se a técnica de análise de conteúdo. Inicialmente foram analisados 250 Relatórios de sustentabilidade ( RS ), tendo-se excluído os referentes a empresas internacionais e multinacionais ficando a amostra em 222 RS (75 de 2008, 80 de 2009 e 67 5 de 2010). Relativamente ao setor de atividade concluiu-se, de acordo com a figura 6, que empresas do setor de Serviços Públicos e de Transporte e Logística ocupam os primeiros lugares na publicação deste tipo de relato, certamente que as orientações da administração central no primeiro caso e a legislação no segundo, contribuiram para este facto. Figura 6 Relatórios de sustentabilidade publicados por setor de atividade India South Korea Denmark Spain Italy France United Kingdom Australia Greece Portugal Taiwan Sweden Netherlans Brazil China Chile Germany Hungary South Africa Finland Israel Slovakia Switzerland Mexico Japan Romania Cana Bulgaria Ukraine New Zealand Nigeria United States Russia Singapore % 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% Fonte: (KPMG, 2011) Serviços Publicos Transportes e Logistica Banca, Seguros e Serviços Construção, Engenharia e Materiais de Construção Tecnologias Alimentar e Bebidas Outros Serviços Indústria Comércio por Grosso e a Retalho Setor Energético Produtos Petroliferos Comunicação e Media Actividade Imobiliaria Pasta de Papel e Cartão Produtos Quimicos Industria Automovel Metalomecanica e Engenharia A grande maioria das empresas tem optado pela publicação de um relatório autónomo embora a tendência para a inclusão desta temática no relatório e contas tenha aumentado em A larga maioria opta por seguir as diretrizes do GRI e cerca de 40% recorre à Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

7 verificação/ auditoria dos seus relatórios, tal como apresentado nas figuras 7, 8 e 9. Figura 7 Tipo de relatório Relatório Autónomo Relatório Anual Figura 8 Elaboração dos Relatórios segundo as diretrizes GRI GRI NA Foram analisadas com detalhe o conteúdo das declarações de verificação referentes ao ano Sendo este ainda um trabalho desconhecido para muitos Revisores Oficiais de Contas, e não existindo ainda um modelo standard, para emitir opinião, importa perceber de que declaração se trata. Das 27 declarações analisadas concluise que a maioria tem por título de Verificação independente (11) ou Relatório de Revisão (9). No entanto outros preferem o título Relatório Independente de Garantia Limitada de Fiabilidade (1); Declaração de Verificação; (2) Relatório de Revisão Independente (1); Relatório de Verificação de Garantia Limitada de Fiabilidade (2) ou Relatório de Verificação de Garantia de Fiabilidade (1). A estrutura mais utilizada comtempla os seguintes parágrafos: Introdução/ Responsabilidade/ Âmbito e Conclusão (18). No entanto outras declarações de verificação apresentam uma estrutura diferente(ver quadro 1). Quadro 1 Estrutura do Relatório de Auditoria Introdução / Responsabilidade/Âmbito/Conclusão 18 Âmbito e critérios da Verificação/ Abordagem / Conclusões e Constatações /Melhorias Recomendadas/ Responsabilidade de Terceiros / Competências e Independência/ conflito de interesses Introdução / Responsabilidade/Âmbito/Parecer 2 1 Figura 9 Relatórios com Verificação Externa Independente Introdução / Responsabilidade/Âmbito/Parecer / Independência e competências da equipa/ Observação e recondamenções Natureza e âmbito da Verificação/Responsabilidade/Declaração de Independência e Competência/Metodologia e Critérios da Verificação/ Conclusão/Recomendações Relatórios com Auditoria Relatórios sem Auditoria A norma mais utilizada para auditoria aos RS em Portugal é a ISAE 3000 utilizada isoladamente, seguida da aplicação conjunta desta norma com a norma AA1000AS. Como já referido, a norma ISAE 3000 apenas pode ser utilizada por Revisores Oficiais de Contas. Foram analisadas todas as declarações de verificação (assurance statement) publicadas nos relatórios de sustentabilidade de 2010, tendo-se concluído que as big four lideram atualmente este trabalho, ocupando o primeiro lugar a PwC, seguida da Deloitte e KPMG. Esta tendência é verificada também a nível internacional. Alcance do Trabalho / Standards e processos de Verificação / Conclusões/ Observação e recondamedanções Quanto aos procedimentos de auditoria utilizados a maioria recorre a indagações à gestão (27); comparação de dados relativos a indicadores de desempenho (22) e confirmação do nível de aplicação (21). O quadro 3 apresenta outros procedimentos de auditoria utilizados Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

8 Teresa Eugénio Docente estg / ipt leiria Quadro 2 Procedimentos de Auditoria referidos na declaração de verificação 1 Indagações à Gestão Indagação à gestão e principais responsáveis das áreas em análise para compreender o modo como está estruturada o sistema de informação e a sensibilidade dos intervenientes, as matérias incluídas no relato. Entrevistas para compreender os processos implementados para determinar os aspetos materialmente relevantes para as partes interessadas Processos de Gestão Internos Identificar a existência de processos de gestão internos conducentes à implementação de politicas económicas, ambientais e de responsabilidade social Verificação da Informação com bases de suporte Verificar numa base de amostra a eficiência dos sistemas e processos de recolha, agregação, validação e relato que suportam a informação de desempenho supracitados, através de cálculos e validação de dados reportados Comparação com dados financeiros e económicos Comparar os dados financeiros e económicos com os constates no RC para aferir sobre a validação externa da informação reportada Comparação de dados relativos a indicadores de desempenho Comparar os dados relativos a indicadores de desempenho definidos pela Entidade Reguladora do sector com os valores previamente auditados e confirma a observância de determinadas unidades operacionais às instruções de recolha, agregação, validação e relato de informação de desempenho Procedimentos de Consubstanciação Executar numa base de amostras, alguns procedimentos de Consubstanciação da informação através de obtenção de evidencias sobre a informação reportada, leitura da informação de forma a determinar se esta de acordo com o nosso conhecimento geral, experiencia com a performance de sustentabilidade da organização Confirmação do Nível de aplicação Confirmar a existência de dados e informação requeridos para atingir o Nível de Aplicação do GRI Realização de entrevistas Realização de entrevistas com os responsáveis e colaboradores relevantes, ao nível operacional e comparativo, sobre a estratégia de sustentabilidade e as politicas relevantes aplicadas e implementação e aos responsáveis pela preparação da informação de sustentabilidade. 8 9 Visitas às instalações ou obras Visitas a instalações e obras Validação dos Normativos Análise dos temas materiais incluídos no Relatório com base no princípio de relevância previsto nas normas AA- 1000APS, ISAE 3000 e no GRI. 6 Revisores Auditores ABRIL_JUNHO

9 Conclusões Pretendeu-se com este estudo apresentar ideias e informação sobre a auditoria aos relatórios de sustentabilidade, abordando temas como o que é um relatório de sustentabilidade, principais motivações e constrangimentos para a sua publicação; o que é o GRI Global Reporting Iniciative; que estudos internacionais existem sobre a auditoria aos relatórios de sustentabilidade e a evolução desta prática a nível internacional; quais as normas de auditoria mais utilizadas, e por fim apresentar o estado da arte da auditoria aos relatórios de sustentabilidade em Portugal tendo em conta a analise de 222 relatórios de sustentabilidade publicados entre 2008 e 2010 em Portugal. Esperamos ser este um contributo para despertar mais interesse e gosto em aprofundar conhecimentos nesta área. REFERENCIAS Ackers, B. (2009), Corporate social responsibility assurance: how do South African publicly listed companies compare? Meditari Accountancy Research, 17(2), Adams, C. (2004), The ethical, social and environmental reporting-performance portrayal gap, Accounting, Auditing and Accountability Journal, 17 (5), Bebbington, J., & Gray, R. (2001), An Account of Sustainability: Failure, Success and a Reconceptualization. Critical Perspectives on Accounting, 12(5), Bebbington, J. and Gray, R. (2006), A social constructionist analysis of sustainable development disclosures in United Kingdom environmental reports, Interdisciplinary Perspectives on Accounting Conference, Cardiff, UK. Correira, A. (2010), Relato em Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa Empresarial, Formação Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Março. CPA (2010), Sustainability reporting assurance: Market trends and information content. CPA Austrália. Austrália. Corporate Register.com. (2008), Assure View. The CSR Assurance Statement Report. Deegan, C., Cooper, B. J. and Shelly, M. (2006b), An investigation of TBL report assurance statements: UK and European evidence, Managerial Auditing Journal, Vol. 21, pp Eugénio, T. (2011), Contabilidade Ambiental. Verlag Dashofer. Gomes, S.; Eugénio, T. (2012), Auditoria aos Relatórios de Sustentabilidade das Empresas Portuguesas Uma visão sobre o estado da arte, XV Encontro AECA Novos caminhos para a Europa, o papel das empresas e Governos, Ofir, Esposende, Portugal, de Setembro. Gomes, S.; Eugénio, T. e Branco, M. (2013), Sustainability reporting and assurance in Portugal, 2nd CSEAR France - Congress on Social and Environmental Accounting Research, 2 3 de Maio, Université Montpellier 1, ISEM, France. GRI (2006), Diretrizes para a elaboração dos Relatórios de Sustentabilidade. Versão Portuguesa. Hodge, K., Subramaniam, N. and Stewart, J. (2009), Assurance of Sustainability Reports: Impact on Report Users Confidence and Perceptions of Information Credibility, Australian Accounting Review, Vol. 19, No. 3, pp KPMG (2006), Estudo da KPMG sobre a publicação de relatórios de sustentabilidade em Portugal, KPMG. KPMG. (2011), KPMG International Responsibility Reporting The Definitive Snapshot of CR Reporting. Kolk, A. and Perego, P. (2010), Determinants of the adoption of sustainability assurance statements: an international investigation, Business Strategy and the Environment, 19(3), Lamberton, G. (2005), Sustainability accounting a brief history and conceptual framework, Accounting Forum, 29, Larrinaga, C., Archel, P., & Fernández, M. (2008), The Organizational and Operational Boundaries of Triple Bottom Line Reporting: A Survey. Environmental Management, 41, Moneva, J.; Archel, P. and Correa, C. (2006), GRI and the camouflaging of corporate unsustainability, Accounting Forum, 30, O Dwyer, B., Owen, D., & Unerman, J. (2011), Seeking legitimacy for new assurance forms: The case of assurance on sustainability reporting. Accounting, Organizations and Society, 36(1), Simnett, R., Vanstraelen, A., & Chua, W. (2009), Assurance on Sustainability Reports: An International Comparison. The Accounting Review, 84(3), Simnett, R. (2012), Assurance of sustainability reports: Revision of ISAE 3000 and associated research opportunities, Sustainability Accounting, Management and Policy Journal, Vol. 3 No. 1, pp Thomson, I. and Bebbington, J. (2005), Social and environmental reporting in the UK: a pedagogic evaluation, Critical Perspectives on Accounting, 16 (5), Os conteúdos deste ponto foram adaptados do livro: Eugénio, T (2011), Contabilidade Ambiental, Editora Verlag Dashofer. 2 Ao longo deste estudo são utilizados os termos Verificação, Auditoria ou mesmo Assurance para referir o que se designa segundo o GRI (2006) processo externo de garantia de fiabilidade aos Relatórios de Sustentabilidade. 3 Os painéis de stakeholders só verificam razoabilidade e relevância, raramente verificam conformidade e nunca fiabilidade. 4 Apresentam-se aqui alguns dos resultados desse estudo. Para mais detalhes sugerimos a leitura dos trabalhos: Gomes e Eugénio (2012) e Gomes, Eugénio e Branco (2013), que podem ser solicitados para: 5 Acredita-se que a publicação de relatórios de sustentabilidade não decresceu de 2009 para Na data de conclusão deste estudo ainda não estavam publicados todos os relatórios de Revisores Auditores ABRIL_JUNHO 2013

10 PROGRAMA* PROGRAM 12 setembro september 13 08H30 09h30 10h45 11h50 12h30 14h00 15h15 16h15 16h45 18h00 RECEÇÃO DOS PARTICIPANTES RECEPTION OF PARTICIPANTS SESSÃO DE ABERTURA OPENING SESSION José Azevedo Rodrigues Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas President of Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Carlos Costa Governador do Banco de Portugal Chairman of Banco de Portugal Fernando Seara Presidente da Câmara Municipal de Sintra Sintra City Council President COFFEE BREAk AUDITORIA: DESAFIOS FUTUROS AUDITING: FUTURE challenges Warren Allen Presidente da International Federation of Accountants (IFAC) President of International Federation of Accountants André Kilesse Presidente da Fédération des Experts Comptables (FEE) President of Fédération des Experts Comptables Pino Messina Diretor de projectos especiais - Association of Chartered Certified Accountants Director, Special Assignments, Association of Chartered Certified Accountants AlmOÇO Lunch TIme DESAFIO e CONFIANÇA NO SETOR PúblICO ChallENGES AND TRUST IN the PUBlIC SECTOR António Gonçalves Monteiro Presidente da Comissão de Normalização Contabilística President of Portuguese Accounting Standards Setter Miguel Soares de Oliveira Presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica President of Instituto Nacional de Emergência Médica António Lobo Xavier Sócio responsável pela área fiscal da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva Partner of Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva, in charge of fiscal matters TECNOlOGIAS DE INFORmAÇÃO DE APOIO à AUDITORIA ComPUTER TEChNOlOGIES TO ASSIST the AUDIT Espaço livre para contactos com os patrocinadores desta área Free space for meetings with the sponsors of this area COFFEE BREAk DESAFIO e CONFIANÇA NO CONTExTO EmPRESARIAl ChallENGES AND TRUST IN the BUSINESS CONTExt António Simões CEO SOVENA Pedro Reis Presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal President of Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal Nuno Amado CEO Millennium BCP Fim DO 1º DIA closing OF the 1st DAy 09h00 09h20 10h30 11h00 12h30 14h00 15h30 16h00 16h30 17h30 setembro september ABERTURA DO 2º DIA 2nd DAy OPENING Guilherme de Oliveira Martins Presidente do Tribunal de Contas President of Supreme Audit Institution CiêNCIA e DESENvolvimENTO SCIENCE AND DEvelOPmENT Maria de Lurdes Rodrigues ex-ministra da Educação Former Minister of Education António Cruz Serra Reitor da Universidade Técnica de Lisboa Rector of Universidade Técnica de Lisboa José Marques dos Santos Reitor da Universidade do Porto Rector of Universidade do Porto COFFEE BREAk AUDITORIA: COOPERAÇÃO INTERNACIONAl AUDITING: INTERNATIONAl cooperation Martin Manuzi Diretor para a Região da Europa do Institute of Chartered Accountants in England and Wales (ICAEW) Regional Director for Europe, Institute of Chartered Accountants in England and Wales Júlio Sampaio Presidente da Ordem dos Contabilistas e Peritos Contabilistas de Angola (OCPCA) President of Ordem dos Contabilistas e Peritos Contabilistas de Angola João Mendes Presidente da Ordem Profissional dos Auditores e Contabilistas Certificados de Cabo Verde (OPACC) President of Ordem Profissional dos Auditores e Contabilistas Certificados de Cabo Verde AlmOÇO Lunch TIme ÉTICA, FATOR de CONFIANÇA EthICS, a FACTOR FOR TRUST Rui Nunes Catedrático da Universidade do Porto - Faculdade de Medicina Professor in Universidade do Porto - Faculdade de Medicina José Guilherme Xavier de Basto Membro da Comissão de Auditoria da Portugal Telecom Member of Portugal Telecom Audit Comittee António Magalhães Revisor Oficial de Contas Chartered Accountant TECNOlOGIAS DE INFORmAÇÃO DE APOIO à AUDITORIA ComPUTER TEChNOlOGIES TO ASSIST the AUDIT Espaço livre para contactos com os patrocinadores desta área Free space for meetings with the sponsors of this area COFFEE BREAk SESSÃO DE ENCERRAmENTO ClOSING SESSION José Rodrigues de Jesus Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora XI Congresso Vice-President of Ordem dos Revisores Oficiais de Contas and President of OROC XI Congress Organizing Committee ENCERRAmENTO closing OF the CONGRESS AUDITORIA: DESAFIO E CONFIANÇA Auditing: Challenges and Trust 12,13 setembro 2013 Centro Cultural Olga Cadaval Sintra * O programa poderá ser ajustado nas sessões de abertura e encerramento.

Em Foco. Os revisores Oficiais de Contas têm um papel importante em prol do crescimento económico

Em Foco. Os revisores Oficiais de Contas têm um papel importante em prol do crescimento económico Em Foco Os revisores Oficiais de Contas têm um papel importante em prol do crescimento económico Os ROC realizaram o seu XI Congresso, numa iniciativa que teve lugar nos dias 12 e 13 de setembro, no Centro

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

AUDITORIA AOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS PORTUGUESAS UMA VISÃO SOBRE O ESTADO DA ARTE

AUDITORIA AOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS PORTUGUESAS UMA VISÃO SOBRE O ESTADO DA ARTE 71h AUDITORIA AOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS PORTUGUESAS UMA VISÃO SOBRE O ESTADO DA ARTE Sónia Ferreira Gomes Mestranda em Controlo de Gestão Escola Superior de Tecnologia e Gestão -

Leia mais

Relatórios de Sustentabilidade: Ferramenta de Excelência para a Comunicação da RSO

Relatórios de Sustentabilidade: Ferramenta de Excelência para a Comunicação da RSO Relatórios de Sustentabilidade: Ferramenta de Excelência para a Comunicação da RSO 1º Fórum Português de Responsabilidade das Organizações (RSO) Plataforma de Debate Multistakeholder AIP - Centro de Congressos

Leia mais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais

AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa. Informações gerais AA1000: Estrutura de gestão da responsabilidade corporativa Informações gerais Produzido por BSD Brasil. Pode ser reproduzido desde que citada a fonte. Introdução Lançada em novembro de 1999, em versão

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

23-11-2010. Comunicar os Relatórios de Sustentabilidade. Novembro de 2010. Prestação de contas ACCOUNTABILITY CAPACIDADE DE RESPOSTA INCLUSÃO

23-11-2010. Comunicar os Relatórios de Sustentabilidade. Novembro de 2010. Prestação de contas ACCOUNTABILITY CAPACIDADE DE RESPOSTA INCLUSÃO Comunicar os Relatórios de Sustentabilidade Novembro de 2010 Prestação de contas ACCOUNTABILITY INCLUSÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA MATERIALIDADE Participação dos stakeholders no desenvolvimento e alcance

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013

Auditoria: Desafio e Confiança. 13 de setembro de 2013 XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas Auditoria: Desafio e Confiança 13 de setembro de 2013 Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues, Senhoras

Leia mais

Ajudamos os nossos clientes a criar valor a longo prazo. www.pwc.com/pt

Ajudamos os nossos clientes a criar valor a longo prazo. www.pwc.com/pt Ajudamos os nossos clientes a criar valor a longo prazo www.pwc.com/pt A atual crise financeira veio demonstrar que os mercados e as empresas são realidades muito mais complexas e interrelacionadas do

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade Glaucia Terreo

Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade Glaucia Terreo Global Reporting Initiative Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade Glaucia Terreo O que é relatório de Sustentabilidade? t d Ambiental Econômico Social Mas como medir e Monitorar esses impactos?

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

AUDITORIA AOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE: ANÁLISE DAS EMPRESAS PORTUGUESAS. Sara Silva. Gestão de projetos de investigação científica.

AUDITORIA AOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE: ANÁLISE DAS EMPRESAS PORTUGUESAS. Sara Silva. Gestão de projetos de investigação científica. 113h AUDITORIA AOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE: ANÁLISE DAS EMPRESAS PORTUGUESAS Sara Silva Gestão de projetos de investigação científica Sara Serra Docente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade Denise Saboya 23 de setembro de 2009 Relembrando conceitos de sustentabilidade Desenvolvimento Econômico Responsabilidade Social Maximização do retorno do

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade: o Caso Petrobrás

Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade: o Caso Petrobrás Asseguração de Relatórios de Sustentabilidade: o Caso Petrobrás JANAINA BORGES DE ALMEIDA Fundação Universidade Federal do Tocantins - UFT www.congressousp.fipecafi.org 14º. Congresso USP de Controladoria

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas)

CURSO DE GESTÃO DE VENDAS (15 horas) CURSO DE GESTÃO DE VENDAS Inedem- Apotec Outono 2007 25 e 26 de Setembro 9h00 às 18h30 Dirigido a gestores da área financeira com necessidade de ferramentas informáticas de elevada eficácia na avaliação

Leia mais

Sustentabilidade Workshops

Sustentabilidade Workshops www.pwc.pt/academy Workshops PwC s Academy Portefólio de soluções formativas de profissionais para profissionais Workshops As empresas do futuro devem ser capazes de garantir a gestão dos seus pilares

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

O ambiente no tempo (1)

O ambiente no tempo (1) !" # " O ambiente no tempo (1) O ambiente como não preocupação O ambiente como tema isolado de um contexto O ambiente como parte de um todo mais vasto O ambiente no tempo (2) O ambiente como não preocupação:

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Luis Barrinha - Gestor de Ambiente e Segurança SGS ICS - International Certification Services Funchal, 28 de Novembro de 2002 SOCIÉTÉ

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS

COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012. Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS COMUNICADO TÉCNICO IBRACON Nº XX/2012 Relatórios de sustentabilidade emitidos por auditores independentes INTRODUÇÃO E OBJETIVOS Nos últimos anos tem havido evolução dos conceitos econômicos, sociais e

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

Relatório de asseguração limitada dos auditores independentes

Relatório de asseguração limitada dos auditores independentes KPMG Risk Advisory Services Ltda. R. Dr. Renato Paes de Barros, 33 04530-904 - São Paulo, SP - Brasil Caixa Postal 2467 01060-970 - São Paulo, SP - Brasil Central Tel 55 (11) 2183-3000 Fax Nacional 55

Leia mais

Auditoria aos Relatórios de Sustentabilidade das empresas Portuguesas Uma visão sobre o estado da arte e a perceção dos Revisores Oficiais de Contas.

Auditoria aos Relatórios de Sustentabilidade das empresas Portuguesas Uma visão sobre o estado da arte e a perceção dos Revisores Oficiais de Contas. Dissertação Mestrado em Controlo de Gestão Auditoria aos Relatórios de Sustentabilidade das empresas Portuguesas Uma visão sobre o estado da arte e a perceção dos Revisores Oficiais de Contas. Sónia Ferreira

Leia mais

Sessão de Esclarecimento sobre o Fundo Regional de Expansão Empresarial PwC - Advisory

Sessão de Esclarecimento sobre o Fundo Regional de Expansão Empresarial PwC - Advisory www.pwc.com Sessão de Esclarecimento sobre o Fundo Regional de Expansão Empresarial PwC - Advisory Junho/ Julho 2013 Agenda 1. PwC 2. Processo típico de investimento com o Fundo Regional de Expansão Empresarial

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro

Certificar para Ganhar o Futuro Certificar para Ganhar o Futuro Loulé, 9 de Novembro 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região do Algarve como Mercado Estratégico

Leia mais

OS NOVOS DESAFIOS DA GESTÃO DE RISCO Tiago Mora

OS NOVOS DESAFIOS DA GESTÃO DE RISCO Tiago Mora PATROCINADORES OURO Lisboa 28 e 29 Junho 2011 Museu do Oriente OS NOVOS DESAFIOS DA GESTÃO DE RISCO Tiago Mora O Contexto actual A Crescente Interdependência e vulnerabilidades à escala global: 2 O Contexto

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

Síntese curricular. Sérgio Leonel Pinto da Costa Pontes

Síntese curricular. Sérgio Leonel Pinto da Costa Pontes Síntese curricular Sérgio Leonel Pinto da Costa Doutorado em contabilidade, mestre em contabilidade e auditoria, pós graduado em fiscalidade e licenciado em gestão. Docente do ensino superior, em licenciaturas

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro. Orador: Carla Pinto

Certificar para Ganhar o Futuro. Orador: Carla Pinto Certificar para Ganhar o Futuro Agenda APCER Quem Somos? Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Região da Beira Baixa como Mercado com Potencial Acções Previstas Quem Somos Início de actividade em 1996;

Leia mais

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade

Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Projeto de reflexão, investigação e debate: O investimento das empresas na comunidade Edição 2011 Uma iniciativa desenvolvida com o apoio da Caixa Geral de Depósitos, da Fidelidade Mundial e da Império

Leia mais

Lançamento COTRI em Portugal Sessão de Formação. Informação Adicional

Lançamento COTRI em Portugal Sessão de Formação. Informação Adicional Lançamento COTRI em Portugal Sessão de Formação Informação Adicional Informação adicional: COTRI EDELUC Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa Turismo de Portugal, IP Agenda do Evento Apoio O COTRI

Leia mais

e no Mundo 19-10-2008 1

e no Mundo 19-10-2008 1 Resultados questionário IIA - CBOK 2006 Auditoria Interna em e no Mundo Orlando Sousa, CCSA Vice-Presidente do IPAI 19-10-2008 1 Evolução CBOK 1972/2006 10000 8000 6000 9366 4000 2000 0 1 1972 1985 2 75

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução

CIRCULARIZAÇÃO. I Introdução CIRCULARIZAÇÃO I Introdução A circularização, ou confirmação externa, é uma prova de auditoria obtida como resposta directa que o revisor/auditor recolhe de uma terceira entidade (a entidade que confirma

Leia mais

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION

DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION DECLARAÇÃO DE VERIFIÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Companhia Energética de Minas Gerais S.A (Cemig),

Leia mais

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS

Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS Apresentação ao mercado do processo de adopção plena das IAS/IFRS DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO PRUDENCIAL DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS 10 de Março de 2014 001 Índice Enquadramento 2 Evolução do normativo

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Centro de Simulação Biomédica. Serviço de Anestesiologia. Bloco Operatório Central. Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE.

Centro de Simulação Biomédica. Serviço de Anestesiologia. Bloco Operatório Central. Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE. Centro de Simulação Biomédica Serviço de Anestesiologia Bloco Operatório Central Hospitais da Universidade de Coimbra CHUC, EPE. Curso Plano de Formação Avançada: Business Intelligence e o Novo Cliente

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países MGI Internacional Presença em mais de 80 países Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores associações internacionais de empresas independentes

Leia mais

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro

X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS. 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro X CONGRESSO DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS 1.ª Sessão Supervisão do sistema financeiro Permitam-me uma primeira palavra para agradecer à Ordem dos Revisores Oficiais de Contas pelo amável convite que

Leia mais

RESUMO DO EVENTO. IDC Portugal

RESUMO DO EVENTO. IDC Portugal RESUMO DO EVENTO IDC Portugal PATROCINADORES GOLD + GOLD SILVER PARCEIRO TECNOLÓGICO APOIO PUBLIC RELATIONS & MEDIA PARTNER AGENDA 09h00 Recepção aos participantes & Welcome-coffee 09h30 The Future of

Leia mais

1 Conceitos da qualidade

1 Conceitos da qualidade 1 Conceitos da qualidade Introdução aos SGQ (norma ISO 9001:2008) Escola Superior de Saúde do Vale do Sousa ONG fundada em 1947 em Genebra Actualmente esta organização encontra se em 120 países. promover

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC.

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC. www.pwc.pt/academy SNC Casos Práticos Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 outubro, de novembro Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro Academia da PwC 6ªEdição Lideres na formação de executivos no SNC,

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade?

Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Meio acadêmico Sustentabilidade Diretrizes G4 da GRI: Quais os seus efeitos nos relatórios corporativos de sustentabilidade? Além do maior foco na cadeia de valor e na materialidade, a quarta geração (G4)

Leia mais

ANEXO Tabela 1 1 Referência para as Melhores Práticas Internacionais Geralmente Reconhecidas 2

ANEXO Tabela 1 1 Referência para as Melhores Práticas Internacionais Geralmente Reconhecidas 2 De COLUMBIA INVESTMENT YEARBOOK, 2011 2012 C H A P T E R 4 THE INTERNATIONAL BAR ASSOCIATION MODEL MINE DEVELOPMENT AGREEMENT PROJECT: A STEP TOWARD BETTER PRACTICE AND BETTER DEVELOPMENT RESULTS LUKE

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS

ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS ORDEM DE AUDITORES E CONTABILISTAS CERTIFICADOS FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM AUDITORIA FINANCEIRA E AUDITORIA INTERNA OPERACIONAL PRAIA-CABO VERDE JUNHO DE 2010 APRESENTAÇÃO DA FORMAÇÃO ESPECIALIZADA EM AUDITORIA

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522

www.highskills.pt geral@highskills.pt PT: 00351 217 931 365 AO: 00244 94 112 60 90 MZ: 00258 821 099 522 Apresentação... 3 Como Empresa... 3 A nossa Visão... 3 A nossa Missão - A SUA VALORIZAÇÃO, A NOSSA MISSÃO!... 3 Os nossos Valores... 3 Porquê fazer um Curso de Especialização?... 4 Formação Certificada...

Leia mais

Certificação pela ISO 9001:2000

Certificação pela ISO 9001:2000 Agenda A motivação inicial para o Projecto da Qualidade Os benefícios da implementação de um Sistema de Gestão de Qualidade A extensão do Sistema com a inclusão de mais Processos Francisco Nunes Dias 04-11-2008

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos

Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos Proposta de Modelo de Avaliação de Gestão e Governança para Bancos Sílvia Marques de Brito e Silva Amaro Luiz de Oliveira Gomes Bacen/Denor Estrutura da Apresentação 1. Objetivo do trabalho 2. Importância

Leia mais

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União

Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU. Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União Estruturas de Governança a no Setor Público: P Contribuições do TCU Laércio Vieira, MSc, CGAP Tribunal de Contas da União LOGO Sumário da Apresentação Origens... Um pouco sobre Governança O papel da Unidade

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU

Programas. cabo verde. Angola. portugal. s.tomé e príncipe. Fundación Universitaria San Pablo CEU Programas de MESTRADO Online MBA Master in Business Administration Mestrado em Direcção de Empresas Mestrado em Direcção de Marketing e Vendas Mestrado em Direcção Financeira Mestrado em Comércio Internacional

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas www.pwc.pt/academy Consolidação de Contas 5ª Edição Lisboa, 9 e 16 de novembro Porto, 21 e 26 de novembro Academia da PwC 5ª Edição Esta formação reúne condições para a atribuição de créditos, nos termos

Leia mais

curso de especialização em gestão

curso de especialização em gestão F OR M A Ç Ã O A V A N Ç A D A curso de especialização em gestão FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS Enquadramento O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION

INDEPENDENTE DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INTRODUÇÃO ESCOPO DO TRABALHO METODOLOGIA BUREAU VERITAS CERTIFICATION Relatório 2014 Novo Olhar para o Futuro DECLARAÇÃO DE AVALIAÇÃO INDEPENDENTE BUREAU VERITAS CERTIFICATION INTRODUÇÃO O Bureau Veritas Certification Brasil (Bureau Veritas) foi contratado pela Fibria Celulose

Leia mais

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC

Código de Boas Práticas da APOL Logistics & Supply Chain Maio 2010. PwC Código de Boas Práticas da APOL PwC Agenda Enquadramento Principais riscos/desafios dos clientes Benefícios do Outsourcing Continnunm da criação de valor Código de Boas Práticas Enquadramento Definição

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA

MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA MASTER EXECUTIVO GESTÃO ESTRATÉGICA OBJETIVOS: promover competências pessoais específicas; disponibilizar ferramentas práticas de gestão de competências pessoais e profissionais;

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM GESTÃO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL E DESENVOLVIMENTO PETROBRÁS UNIVERSIDADE COORPORATIVA OFICINA 2 ESTRATÉGIAS E INSTRUMENTOS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL AMBIENTAL

Leia mais

Ana Luísa Pires Cortinhas. Ana Luísa Pires Cortinhas Os relatórios de sustentabilidade e os auditores: Estudo às empresas cotadas na Euronext Lisboa

Ana Luísa Pires Cortinhas. Ana Luísa Pires Cortinhas Os relatórios de sustentabilidade e os auditores: Estudo às empresas cotadas na Euronext Lisboa Ana Luísa Pires Cortinhas Os relatórios de sustentabilidade e os auditores: Estudo às empresas cotadas na Euronext Lisboa UMinho 2013 Ana Luísa Pires Cortinhas Os relatórios de sustentabilidade e os auditores:

Leia mais

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2007/A de 19 de Novembro de 2007 Regulamenta o Subsistema de Apoio ao Desenvolvimento da Qualidade e Inovação O Decreto Legislativo Regional

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA RESPONSABILIDADE SOCIAL Porquê? Enquadramento 7 Príncipios 3 Expectativas Para quê? Principais benefícios Vantagens O quê? Descrição dos serviços ÍÍNDICE Com quem? Profissionais especializados Porquê?

Leia mais

20000 Lead Auditor. Certified. ANSI Accredited Program. Bringing value to you! FORMAÇÃO EM GESTÃO DE SERVIÇOS

20000 Lead Auditor. Certified. ANSI Accredited Program. Bringing value to you! FORMAÇÃO EM GESTÃO DE SERVIÇOS ANSI Accredited Program BEHAVIOUR ISO Lead Auditor AUDITAR SISTEMAS DE GESTÃO DA SERVIÇOS (SGS) BASEADOS NA NORMA ISO Sobre o curso Este curso intensivo com duração de cinco dias, permite aos participantes

Leia mais

ISO 26000 O que há de novo?

ISO 26000 O que há de novo? ISO 26000 O que há de novo? Ricardo Lopes Ferro Maio 2010 Responsabilidade Social Definição de Responsabilidade Social: Responsabilidade de uma organização pelos impactes das suas decisões, actividades

Leia mais

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis

10ª Semana da Responsabilidade Social. Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis 10ª Semana da Responsabilidade Social Certificação da Responsabilidade Social Geradora de confiança Base para negócios sustentáveis Enquadramento geral No mundo de hoje todas as sociedades têm ambições

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 701 Directriz de Revisão/Auditoria 701 RELATÓRIO DE AUDITORIA ELABORADO POR AUDITOR REGISTADO NA CMVM SOBRE INFORMAÇÃO ANUAL Fevereiro de 2001 ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-4 OBJECTIVO 5-6 RELATÓRIO DE AUDITORIA

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Conjunto de diretrizes e ferramentas para empresas que visam contribuir efetivamente

Conjunto de diretrizes e ferramentas para empresas que visam contribuir efetivamente PROJETO SIGMA País Grã-Bretanha O que é Conjunto de diretrizes e ferramentas para empresas que visam contribuir efetivamente para o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (DS). Origem O Projeto SIGMA foi lançado

Leia mais

Lançamento COTRI em Portugal Sessão de Formação. Informação Adicional

Lançamento COTRI em Portugal Sessão de Formação. Informação Adicional Lançamento COTRI em Portugal Sessão de Formação Informação Adicional Informação adicional: COTRI EDELUC Câmara de Comércio e Indústria Luso-Chinesa Turismo de Portugal, IP Agenda do Evento Apoio O COTRI

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual

Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Melhores Práticas para a Elaboração e Divulgação do Relatório Anual Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Edina Biava Abrasca; Marco Antonio Muzilli IBRACON;

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS. Art. 1º Somente serão aceitos trabalhos que se enquadrem nas áreas temáticas definidas ao final deste regulamento.

REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS. Art. 1º Somente serão aceitos trabalhos que se enquadrem nas áreas temáticas definidas ao final deste regulamento. REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS Art. 1º Somente serão aceitos trabalhos que se enquadrem nas áreas temáticas definidas ao final deste regulamento. Parágrafo único. O correto enquadramento do trabalho

Leia mais

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER

Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER Certificar para Ganhar o Futuro Leiria, 17 de Maio 2007 José Leitão CEO APCER www.apcer.pt AGENDA APCER: Quem Somos Porquê Certificar para Ganhar o Futuro? Campanha Nacional Objectivos Região Centro como

Leia mais