INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL"

Transcrição

1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Implantodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO CHAPECÓ, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. CHAPECÓ, MAIO DE 2008

2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ENXERTO TIPO TÚNEL COM OSSO DE BANCO RICARDO SCHENKEL Monografia apresentada ao Programa de Especialização em Implantodontia do ICS FUNORTE/SOEBRÁS NÚCLEO CHAPECÓ, como parte dos requisitos para obtenção do título de Especialista. ORIENTADOR: Dr. Fabiano Palma CHAPECÓ, MAIO DE 2008

3 RESUMO Existem diversos tipos de tratamento para recuperar uma adequada espessura óssea em rebordos alveolares atróficos, visando uma futura reabilitação com implantes osseointegrados. Dentre as várias modalidades de tratamento, podemos citar uma inovadora, o Enxerto tipo Túnel utilizando o Banco de Ossos. Ela permite bons resultados, além de diminuir a morbidade do ato cirúrgico e dispensar a necessidade de um segundo campo cirúrgico. Demonstraremos nesse trabalho sua técnica e aplicabilidade. Palavras chave: Enxerto ósseo, banco de osso, implantes.

4 ABSTRACT There are many options to reach an adequated bone volume, whenever necessary, in the rehabilitation whit osseointegrated implants. Among these options, Allografts tunnel tipe whit bone bank.this technic allows good results, therefore decrease of the morbity from the surgery and necessity of a second surgical feld. Thus we will demonstrate the technique an applicability. Keys words: Allografts, Bone bank, implants.

5 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1: Exame clínico FIGURA 2: Exame radiográfico FIGURA 3: Modelos de gesso FIGURA 4: Incisão na região pré molares FIGURA 5: Relevo do rebordo FIGURA 6: Relevo do rebordo FIGURA 7: Neovascularização do bloco FIGURA 8: Adaptação ao rebordo FIGURA 9: Encerrando o procedimento cirúrgico... 14

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITARATURA MATERIAIS E MÉTODOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO BIBLIOGRAFIA... 17

7 1 INTRODUÇÃO Ao perder os dentes naturais, seja por motivos de trauma ou doença cárie, os ossos tanto da mandíbula quanto da maxila sofrem alterações. Pois o que mantém o rebordo alveolar em altura e espessura são os estímulos que os dentes transmitem ao ligamento periodontal e são repassados ao osso, estimulando o processo de reabsorção e neoformação óssea. Sendo esses processos mais severos em alguns casos, podendo levar a perda total do osso alveolar. (LIM; CSILLAG. IRANAKIS, 2004). Os tecidos periodontais têm sua origem e desenvolvimento em conjunção com o elemento dental. Na ausência do dente, ocorre um processo de involução dessas estruturas, ocasionando uma perda progressiva e irreversível do processo alveolar remanescente. O resultado dessa deficiência apresenta um problema de difícil solução para instalação de implantes osseointegrados. (PINTO; MIYAGUSKO; PEREIRA, 2003). Para podermos oferecer os implantes como opção de tratamento ao paciente, o mesmo deve apresentar uma quantidade óssea suficiente para alojar o implante e suprir as exigências mecânicas das próteses. Em alguns casos, precisamos lançar mão de técnicas cirúrgicas de reconstrução óssea, e somente assim podermos reabilitar com implantes um rebordo que perdeu altura ou espessura, o que nos permitiria chegar a uma resolução funcional e estética para determinado caso. (TEN CATE, 2000). Com a diminuição dos custos, o tratamento com implantes vem cada vez mais se tornando popular, sendo que o paciente pode optar por reabilitações fixas ao invés de próteses removíveis, recuperando com mais conforto sua função mastigatória e estética. Devido a isso, as perdas ósseas no sentido horizontal ou em espessura em mandíbula tornam-se um desafio para os profissionais que desejam usar implantes para a recuperação da região de pré-molares e molares inferiores. (DINATO; POLIDO, 2001). Nos últimos anos várias metodologias têm sido utilizadas para a recuperação do osso perdido: enxertos ósseos autógenos, substitutos ósseos alógenos, xenógenos e aloplásticos; regeneração óssea guiada, distração osteogênica, fatores de crescimento e a combinação das referidas técnicas. (PINTO; MIYAGUSKO; PEREIRA, 2003). O osso autógeno é ainda considerado um dos melhores materiais para a recuperação de rebordos, entretanto apresenta algumas desvantagens, podendo citar como exemplo a

8 necessidade de um segundo sitio cirúrgico que é de onde obteremos o osso, morbidade da área doadora, aumento do tempo cirúrgico gerando maior trauma ao paciente (GOORD; ALBERIUS, 1999). O enxerto ósseo tipo túnel por osso de banco é uma técnica recente que foi desenvolvida pelo professor Dr. Túlio Valcanaia, para dar mais praticidade e menor trauma cirúrgico. A técnica gera apenas um sitio cirúrgico e que dispensa a exposição de todo o leito receptor diminuindo o tamanho da incisão feita, via de regra, não dependo de parafuso de fixação evitando a perfuração do leito receptor. Por isso torna-se uma das primeiras opções de reconstrução de rebordo para pacientes com grau de ansiedade elevado, que se opõe ao uso de enxerto autógeno pelo medo do trauma, assim como pacientes com problemas físicos ou sistêmicos que dificultem um procedimento mais complexo e demorado. Apesar de a técnica ser um procedimento recente, clinicamente já aferimos seu grau de sucesso em curto prazo mostrando-se promissora e satisfatória, porém poucos trabalhos científicos já começaram a ser desenvolvidos acerca desse assunto. Sendo ele embasado por enquanto apenas em princípios biológicos que sustentam seu uso. O objetivo deste trabalho é através de bases biológicas e relato de caso clínico apresentar indicações e a técnica utilizada na reabilitação com enxerto tipo túnel por osso de banco. 7

9 2 REVISÃO DE LITERATURA Dentre as principais queixas dos pacientes edentados parciais posteriores estão: o desconforto pelo uso de próteses removíveis, o volume, o comprometimento estético e a deficiência na função mastigatória. Por isso os implantes dentais vêm se destacando como excelente e promissor método terapêutico para se obter uma adequada reabilitação bucal em pacientes edêntulos totais e parciais posteriores. (BEZERRA; LENHARO, 2002). O uso de enxertos em combinação com implantes foi relatado por Branemark (1985). As técnicas cirúrgicas de reconstrução têm como objetivo primordial uma melhora na qualidade e quantidade óssea para que o rebordo retorne as funções de suporte, tal como antes da perda do dente e ou do segmento ósseo (CHIN, 1998) Conforme Peterson (2005), há aplicações clínicas para cada caso e tipo de enxerto, tudo deve ser ditado pela estrutura e pelas propriedades bioquímicas do enxerto, considerando contudo, a que for melhor para o paciente. O rebordo alveolar deficiente leva frequentemente ao posicionamento incorreto dos implantes, acarretando margem gengival imperfeita e consequentemente, resultados insatisfatórios, (FRANCISCONE, 2006). 2006). O sucesso do enxerto ósseo depende muito da estabilidade primária. (SCOTT, et al. O material ósseo-substituto ideal deve aliar biocompatibilidade, previsibilidade, aplicação clínica, ausência de riscos transoperatórios e seqüelas pós-operatórias mínimas, além de aceitação por parte do paciente. (OLIVEIRA, 2004). Para usar um material que não seja o osso autógeno, devemos ter certeza que esse material tenha certas propriedades como, por exemplo, resistência biomecânica satisfatória, não produzir agressão aos tecidos e ter controle de infecções como HIV e Hepatite. (GUNESH, et al. 2006). O enxerto com osso de cadáver, vem sendo utilizado de longa data, sendo relatada por Macewen (1881), Lexer (1908 e 1925). As primeiras definições, aspectos, técnicas e resultados dos enxertos foi reportada por Parrish e Ottolenghi e servem de base para as técnicas atuais.

10 O congelamento do osso teve um importante significado na redução da resposta imune do hospedeiro (MANKIN; HORNICEK; RASKIN, 2005). O congelamento e a esterilização reduzem a antigenicidade e diminui a chance de transmissão de alguma doença, porém o osso perde propriedades biológicas e biomecânicas, podendo ser a causa de grande parte dos insucessos. (WINGENFELD; EGLI; HEMFING, 2002). O risco de contaminação por HIV, através dos blocos de osso, não é completamente eliminado pelos métodos de inativação do vírus usados com freqüência. São poucas as formas de esterilização empregadas, a química mostra-se efetiva em vitro, mas quando em contato com material orgânico como soro ou osso não é tão eficaz, já a física, por radiação, é dose dependente e sempre terá uma pequena probabilidade de um organismo sobreviver. (CAMPBELL; LI, 1999). Uma esterilização secundária do osso vem sendo utilizada, mas seus métodos variam entre bancos de tecidos, alguns a fazem com o osso em temperatura ambiente, outros com o material congelado. Quando usada a irradiação como método, pode-se causar uma quebra nas moléculas de colágeno, causando rachaduras, e também gerar radicais livres das moléculas de água. Sendo esses riscos minimizados quando aplicados com o bloco congelado. (HAMER; STOCKLEY; ÉLSON, 1999). Insucessos como perdas de implante ou de enxerto nos cinco primeiros anos estão em uma faixa de 8% a 26% segundo Eriksson e Adell, (1986). Não há um critério próprio para uso ou não dos implantes, há sim, um critério de escolha de tipo de sistema a ser empregado levando em consideração os tipos de processo alveolar que encontramos. (PETERSON, 2000). Dentre os diversos tipos de materiais utilizados para enxerto autógeno, alógeno, e xenógeno o autógeno é considerado o melhor, pois é o que menos sofre alterações imunológicas e revasculariza-se em menor tempo. (FILHO; SILVA; ARAÚJO, 2003). 9

11 3 MATERIAIS E MÉTODOS Paciente I.T.S. 42 anos, gênero feminino, leucoderma procurou tratamento para reabilitação com implantes da região posterior da mandíbula, na qual havia perdido os dentes por doença cárie, segundo a paciente há quinze anos. E dizendo descartar como alternativa a utilização de prótese parcial removível a qual já havia tentado usar sem sucesso. Após exame clínico (Fig. 1), radiográfico (Fig.2) e modelos de gesso (Fig.3) constatou-se uma altura óssea, do nervo alveolar até o rebordo, suficiente para colocação de implantes, porém com rebordo sem espessura em formato de lâmina de faca. Foi apresentada a paciente a necessidade de enxerto ósseo e as formas e métodos possíveis para serem utilizados na região. A paciente demonstrou-se extremamente ansiosa e relatou ter trauma e muito medo de procedimentos cirúrgicos devido à extração de seus dentes naturais, descartando, assim que apresentada à alternativa de enxerto autógeno. Tendo como opção o enxerto por osso de banco, a paciente mostrou-se mais receptiva, porém ainda receosa. Depois de dada e explicada a opção de enxerto tipo túnel por osso de banco, a paciente decidiu-se pela última. Devido a extrema ansiedade da paciente foi usado como protocolo medicamentoso pré-operatório, um comprimido de Diazepan 10 mg na noite anterior e um meia hora antes da cirurgia, associado à Dexametazona 4 mg. Como solução anestésica utilizou-se Mepivacaina 2% com Epinefrina 1: que foi ministrada de forma apenas infiltrativa no rebordo e fundo de sulco. A incisão foi realizada por vestibular no sentido vertical com aproximadamente 12 mm na região de pré-molares (Fig.4). O descolamento foi feito com descolador de Molt, tomando cuidado de descolar o periósteo sempre na direção incisal do rebordo e o mínimo necessário protegendo assim o forame alveolar e tendo a atenção de sentir o relevo do rebordo (Fig. 5 e 6). Após um descolamento inicial fazem-se o preparo dos blocos, levando em consideração a espessura, altura e comprimento para suprir nossa necessidade. O bloco é recortado com disco diamantado dupla face nas medidas preestabelecidas, então com fresa diamantada ele é modelado de acordo com o rebordo e tem suas arestas arredondadas, não deixando ângulos vivos, em seguida o bloco é perfurado várias vezes com broca longa 701 para facilitar a perfusão de células ósseas e a neovascularização do bloco (Fig.7).

12 A prova do bloco é feita, fazendo com que ele entre sobre pressão o mais justo possível, colocamos o bloco na posição desejada e verificamos se foi obtida uma boa estabilidade dada pelo periósteo e boa adaptação ao rebordo (Fig.8), sendo satisfatório o resultado, parte-se para a sutura, que foi feita com pontos tipo simples na incisão, usando fio seda 4.0., encerrando o procedimento cirúrgico (Fig.9). Como medicação pós-operatória foi prescrito paracetamol 750mg, 10 comprimidos, tomando até cinco comprimidos ao dia em caso de dor, Ibuprofeno. 600 mg, 1 caixa, tomando até dois comprimidos ao dia em caso de dor, por três dias. Foi ressaltada a paciente a importância dos cuidados pós-operatórios para o sucesso do caso, recomendando-se cuidados para não traumatizar a área, nem utilizar prótese sobre ela. 11 FIGURA 1: Exame clínico FIGURA 2: Exame radiográfico

13 12 FIGURA 3: Modelos de gesso FIGURA 4: Incisão na região pré molares FIGURA 5: Relevo do rebordo

14 13 FIGURA 6: Relevo do rebordo FIGURA 7: Neovascularização do bloco FIGURA 8: Adaptação ao rebordo

15 FIGURA 9: Encerrando o procedimento cirúrgico 14

16 4 DISCUSSÃO A utilização do enxerto tipo túnel veio para se somar às técnicas de recuperação de áreas com estruturas ósseas comprometidas pela reabsorção, apresentando-se como uma das alternativas menos traumáticas, mais práticas e de tempo cirúrgico mais curto para o tratamento de estruturas comprometidas em espessura, o que impossibilita a colocação de implantes. A utilização de enxertos ósseos de origem autógena vem sendo usada de longa data para recuperar espessura óssea, porém sendo um procedimento traumático e que resultava em dois sítios cirúrgicos, encontrando certa resistência por parte dos pacientes. O enxerto tipo túnel de banco de ossos apresenta uma boa aceitação, uma vez que diminui um sítio cirúrgico, não necessita uma abertura de um campo que exponha todo rebordo alveolar o que torna a cirurgia mais rápida e confortável ao paciente. Em alguns pacientes a reabsorção na mandíbula ocorre em espessura deixando o rebordo em formato de lâmina de faca o que impossibilita a colocação de implantes. Acreditamos que nesta situação o enxerto tipo túnel por banco de ossos, apresenta-se como uma ótima alternativa de recuperação de rebordo, principalmente em pacientes com algum tipo de trauma em relação ao tratamento odontológico, logo, com grau de ansiedade elevado. Mesmo com tanta praticidade devemos salientar que a prática é recente não apresentando pesquisas que mostrem seu comportamento em longo prazo. Podemos apenas ressaltar que segue os princípios biológicos da reparação óssea, dando estabilidade, possibilitando neovascularização e disponibilidade de células osteoprogenitoras. Como em qualquer técnica de enxerto ósseo, também o enxerto tipo túnel pode fracassar, não ocorrendo a adesão do bloco ao rebordo ou sua reabsorção. Dependendo isso, em grande parte, dos cuidados do paciente e do acompanhamento do profissional.

17 5 CONCLUSÃO A técnica de enxerto ósseo tipo túnel por banco de osso é biologicamente viável e confiável para a recuperação da espessura de rebordos mandibulares, resultando em um adequado ganho ósseo, com um mínimo de trauma e baixo risco de complicações. O emprego do enxerto tipo túnel por osso de banco é extremamente útil, pois, habilita mandíbulas com rebordo fino e altura adequada a tornar-se uma área propícia para a instalação de implantes dentários, possibilitando a reabilitação oral, funcional e estética de pacientes. A técnica do Enxerto tipo Túnel com osso de banco funciona quando bem indicada seguindo os critérios biológicos e com a colaboração do paciente no pós-cirúrgico.

18 BIBLIOGRAFIA BEZERRA, F.J.B.; LENHARO, A. Terapia clinica avançada em implantodontia. São Paulo: Artes Medicas, BRANEMARK, P.I. Introduction to osseointegration. In: BRANEMARK, P.I. et al. (eds). Tissue-integrated prostheses osseointegration in clinical dentistry. Chicago: Quintessenc e Publ Co. p , cap.1. CAMPBELL, D. G.; LI, P. Sterilivation of HIV whit irradiation:relevance to infected boné allografts. Aust N Z J Surg, v. 69, n. 7, p , july CHIN, M. Distraction osteogenesis in maxilofacial surgery. In: LYNCH, S.E. et al. Tissue engineering: applications in periodontics na oral surgery. Chicago: Quintessence, p , DINATO, J. C.; POLIDO, W. D. Implantes osseointegrados: cirurgia e prótese. São Paulo: Artes Medicas, ERIKSSON, R.A.; ADELL, R. Temperatures during drilling for the placement of implants using the osseointegration technique. J Oral Maxillofac Surg, v. 44. n.1, p 4-7, FILHO, J. R. L.; SILVA, E. D. O.; ARAÚJO, A. M. A. Levantamento de seio maxilar com enxerto ósseo para implantes imediatos osseointegrados. Revista de Cirurgia e Traumatologia Buço-maxilo-facial, v.3, n.4, out./dez FRANCISCONE, C. D. Osteointegração e o tratamento multidisciplinar. São Paulo: Quintessence, GOORD, M.; ALBERIUS, P. Some basic factors essential to autogenic nonvascolarized onlay boné grafting to the craniofacial skeleton. Scacand. J. Plast. Recsntr. Hand. Surg., v. 33, p , GUNESH, P. et al. Cancellous Allografts versus Autologous Boné Grafting for repair of Comminuted distal Radius Fracture. The journal of Trauma, HAMER, A. J.; STOCKLEY, I.; ÉLSON, R. A. Canges in allograft bone irradiate at differente temperatures. The journal of boné and Joint surgery, v. 81-B, n. 2, p , March 1999.

19 LEXER, E. Die Verwendung der freien Knochenplastik nebst Vversuchen uber Ggelenkversteifung und gelenktransplantation. Arch Klin Chir, n. 86, p , LIM,T. J.; CSILLAG, A.; IRANAKIS, T. Internatinal angulation of na implant to avoid a pneumatized maxillary sinus: a case report. Journal Canadian Dentist Association, Canadá, v. 70, n. 3, p , mar MACEWEN, W. Observations conserning transplantation of bonés: Illustrated by a case of inter-human osseous transplantation, whereby over two-thirds of the shaft of the humerus was restored. Proc R Soc Lond, n. 32, p , MANKIN, Henry J.; HORNICEK, Francis J.; RASKIN, Kevin A. Clinical orthopedics and Related Research, n. 432, p , OLIVEIRA, R. C. et al. Tissue to a membrane of demineralized bovine cortical bone implanted in the subcutaneous tissue of rats. Braz Dent J, v. 15, n. 1, p PETERSON, L. J. Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, Cirurgia oral e maxilofacial contemporânea. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, PINTO, A.V.S.; MIYAGUSKO, J.M.; PEREIRA, L.A.V. Odontologia: arte e conhecimento. São Paulo: Artes Medicas, v. 3, SCOTT, M.; SPORER, Paul Chong; WAYNE, G. Paprosky. The use of Structural Distal Femoral Allografts for Acetabular Reconstruction The journal of boné and joint surgery, TEN CATE, R. Histologia bucal - desenvolvimento, estrutura e função. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, v. 5, WINGENFELD, Carsten; EGLI, Rainer J.; HEMFING, Alex. Cryopreservation of Osteochondral Allografts. The journal of boné and joint surgery, 2002.

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração?

Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Qual o estado atual das reabilitações de maxilas atróficas com osseointegração? Hugo Nary Filho responde O tratamento do edentulismo maxilar, com a utilização de implantes osseointegráveis, vem experimentando

Leia mais

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso

Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso Artigo Inédito 1 41 2 42 3 4 Utilização da crista ilíaca nas reconstruções ósseas da cavidade oral. Relato de caso 43 44 7 47 8 9 Claudio Ferreira NóIA*de OlIveIRA**NóIA*** Rafael Ortega lopes****mazzonetto*****

Leia mais

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas

ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO EM SEIO MAXILAR COM IMPLANTES IMEDIATOS: uma alternativa terapêutica para maxilas atróficas Bruno Salles Sotto Maior 1 Henrique Furlani Sotto Maior 2 Rodrigo Guerra de Oliveira 3

Leia mais

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica.

O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. O uso do substituto ósseo xenogênico em bloco OrthoGen em procedimento de enxertia intraoral. Avaliação clínica e histológica. Fábio Gonçalves 1 Resumo O objetivo deste estudo é apresentar um caso clínico

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA?

O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? 1 O QUE É A TÃO FALADA CARGA IMEDIATA? A descoberta da Osseointegração pelo professor Brånemark, na década de 50, revolucionou a reabilitação dos pacientes com ausências dentárias, com a utilização dos

Leia mais

Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica

Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica Implantes Dentários Osseointegrados - Extensão em Implantodontia -Fase Cirúrgica SIEXBRASIL: 17707 Área Temática Principal: Saúde Área Temática Secundária: Atenção à saúde e qualidade de vida das pessoas.

Leia mais

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING

TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING TÉCNICA DE DOBRA CIRÚRGICA PARA REABERTURA DE IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS SURGICAL FOLD TECHNIQUE FOR OSSEOINTEGRATED IMPLANTS OPENING AUTORES: MOTTA, Sergio. Coordenador dos Cursos de Aperfeiçoamento de

Leia mais

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de:

O ingresso no Programa de Mestrado é feito por meio do exame de seleção, que consta de: EDITAL DE SELEÇÃO 002/2016 Estarão abertas, a partir do dia 04 de março de 2016, as inscrições para a seleção de candidatos ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Odontológicas nas Áreas de Concentração

Leia mais

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO

IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO PACIENTE DR. MARCOLINO ANTONIO PELLICANO DR. BENEDITO UMBERTO BUENO 1 IMPLANTES OSSEOINTEGRADOS PORQUE PODEM SER COLOCADOS QUANDO PODEM SER COLOCADOS COMO

Leia mais

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO

IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO IMPLANTE OSSOINTEGRÁVEL DE CARGA IMEDIATA: RELATO DE CASO CLÍNICO * - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ** - Graduando em odontologia na Universidade Cidade de São Paulo ***

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais

Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Estudo retrospectivo de 59 pacientes tratados com enxertos ósseos autógenos intrabucais e implantes dentais Retrospective study of 59 patients treated with intraoral autogenous bone graft and dental implants

Leia mais

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos

Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos Reconstrução alveolar com enxerto ósseo autógeno e malha de titânio: análise de 16 casos lveolar reconstruction with autogenous bone graft and titanium micromesh: analysis of 16 cases Rafael Ortega-Lopes*

Leia mais

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos.

Como a palavra mesmo sugere, osteointegração é fazer parte de, ou harmônico com os tecidos biológicos. PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE IMPLANTES DENTÁRIOS. O que são implantes osseointegrados? É uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 60, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE ODONTOLOGIA PATOLOGIA GERAL E ORAL SUB- PATOLOGIA GERAL E ORAL Estomatologia Métodos de Diagnóstico I e II Processos Patológicos PROGRAMA SUGERIDO (PROVA ESCRITA / DIDÁTICA / PRÁTICA) - TEMAS 1. Cistos dos maxilares. 2. Neoplasias benignas

Leia mais

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina

Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina 36 Aumento horizontal de rebordo maxilar anterior com enxerto de osso de origem bovina Horizontal augmentation of anterior maxillary alveolar ridge using bovine bone graft Célia Maria Braga 1 Juliana de

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS RECONSTRUÇÃO DE MAXILA ATROFICA, COM OSSO HOMÓGENO PROVENIENTE DE BANCO DE OSSOS GELIONES NARDI

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS RECONSTRUÇÃO DE MAXILA ATROFICA, COM OSSO HOMÓGENO PROVENIENTE DE BANCO DE OSSOS GELIONES NARDI INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS RECONSTRUÇÃO DE MAXILA ATROFICA, COM OSSO HOMÓGENO PROVENIENTE DE BANCO DE OSSOS GELIONES NARDI Monografia apresentada ao Programa de Especialização em

Leia mais

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso

Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso Cirurgia Ortognática Bimaxilar: Relato de Caso LUNA, Aníbal H. B.; ALVES, Giorvan Ânderson dos Santos; FIGUEIREDO, Ludmila Silva de; PAIVA, Marcos A. Farias; CAVALCANTI, Raquel Lopes; RESUMO Introdução:

Leia mais

Tomografia Computorizada Dental

Tomografia Computorizada Dental + Universidade do Minho M. I. Engenharia Biomédica Beatriz Gonçalves Sob orientação de: J. Higino Correia Tomografia Computorizada Dental 2011/2012 + Casos Clínicos n Dentes privados do processo de erupção

Leia mais

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS

16/03/12 INTRODUÇÃO OBJETIVO MATERIAL E MÉTODOS MATERIAL E MÉTODOS PROFILAXIA ANTIBIÓTICA EM CIRURGIA DE TERCEIROS MOLARES (Antibioticoterapia profilática) Mestrandos: Érika Maria Carvalho Bitencourt Iury Oliveira Castro Rafaella Mosquera Chaves Thiago Oliveira Sousa

Leia mais

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO

MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO MEGA IMERSÃO EM RECONSTRUÇÃO TECIDUAL ESTÉTICA PERI-IMPLANTAR SÃO PAULO Data: 19 a 23 de agosto de 2013. PROFESSORES Prof. Dr. Júlio César Joly Especialista em Periodontia CFO Mestre e Doutor em Clínica

Leia mais

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós-

Aluna: Lucy Shiratori. Dissertação apresentada à Faculdade de. obtenção do título de Mestre, pelo Programa de Pós- FOUSP Avaliação da precisão da tomografia computadorizada por feixe cônico (cone beam) como método de medição do volume ósseo vestibular em implantes dentários Dissertação apresentada à Faculdade de Odontologia

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante

www.periodonto.net www.periodonto.net Carga ou Função Imediata sobre Implantes www.periodonto.net www.periodonto.net O início Tratamento Implante Carga ou Função Imediata sobre Implantes Perda do elemento dental Coágulo O início Degradação ação da cortical alveolar periodontal Regeneração óssea Tratamento Prótese fixa convencional => sem estímulo

Leia mais

REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS

REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS REVISÃO SISTEMÁTICA DA PERDA ÓSSEA AO REDOR DE IMPLANTES EM PRÓTESES MÚLTIPLAS E UNITÁRIAS Marcela Melo Dos Santos ¹ Guaracilei Maciel Vidigal Júnior ² Na implantologia oral, as complicações mais comuns

Leia mais

IMPLANTODONTIA E REABILITAÇÃO ORAL

IMPLANTODONTIA E REABILITAÇÃO ORAL Duração: 12 meses aperfeiçoamento e 30 meses especialização Periodicidade: 1 módulo/mês PÚBLICO ALVO: Cirurgiões dentistas que queiram iniciar sua formação em implantodontia e reabilitação oral, como também

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

Inter-relação ortoimplante na. reabilitação oral.

Inter-relação ortoimplante na. reabilitação oral. Paulo Adriano Ferreira de Mendonça Inter-relação ortoimplante na reabilitação oral. Relato de caso Monografia apresentada para obtenção do título de Especialista em Implantodontia, junto a Faculdades Unidas

Leia mais

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III

Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO: UNIDADE DE CIRURGIA BUCO MAXILAR III MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA, TRAUMATOLOGIA E PRÓTESE BUCO-MAXILO-FACIAIS Plano de Ensino 1. IDENTIFICAÇÃO:

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Fernando Schwambach

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Fernando Schwambach Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Fernando Schwambach Enxertos em Bloco utilizando Banco de Ossos CURITIBA 2010 Fernando Schwambach Enxertos em Bloco utilizando Banco de Ossos

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar à disposição de clínicos gerais, a oportunidade

Leia mais

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral

Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral Resumo O Curso de Aperfeiçoamento em Cirurgia Oral para o Clínico Geral, com ênfase em cirurgia dos dentes retidos, tem como objetivo capacitar

Leia mais

Procedimento (Analitico)

Procedimento (Analitico) Ministério da Saúde - MS Secretaria de Atenção à Saúde Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS Procedimento (Analitico) 0414020014 - ALVEOLOTOMIA / ALVEOLECTOMIA

Leia mais

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS

Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral. Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Capa (esse texto não será impresso) Dr. Celso Rios Dr. Renato Cabral Manual de Orientação ao Paciente de IMPLANTES DENTÁRIOS Página propositalmente em branco Este foi o melhor investimento que fiz em toda

Leia mais

ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS DE ÁREAS DOADORAS INTRA-BUCAIS E PROCEDIMENTOS CLÍNICOS INTEGRADOS POSSIBILITANDO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL

ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS DE ÁREAS DOADORAS INTRA-BUCAIS E PROCEDIMENTOS CLÍNICOS INTEGRADOS POSSIBILITANDO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL CASO CLÍNICO / CLINICAL CASE ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS DE ÁREAS DOADORAS INTRA-BUCAIS E PROCEDIMENTOS CLÍNICOS INTEGRADOS POSSIBILITANDO REABILITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL Intraoral autogenous bone graft

Leia mais

Osteogenic distraction for the placement of tooth implants: a case report

Osteogenic distraction for the placement of tooth implants: a case report Distração osteogênica mandibular para instalação de implantes: relato de caso Osteogenic distraction for the placement of tooth implants: a case report Recebido em 04/07/2006 Aprovado em 12/09/2007 Valfrido

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA INTEGRADA II Código: ODO-031 Pré-requisito: Clínica

Leia mais

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas

Técnicas radiográficas. Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia. Técnicas Radiográficas Intraorais. Técnicas Radiográficas Técnicas Radiográficas Intraorais em Odontologia Técnicas radiográficas Divididas em dois grandes grupos: Técnicas Intraorais Profª Paula Christensen Técnicas Radiográficas Técnicas Extraorais Técnicas

Leia mais

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS

Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Aula 12: ASPECTOS RADIOGRÁFICOS DAS LESÕES PERIODONTAIS Autora: Profª. Rosana da Silva Berticelli Edição: Luana Christ e Bruna Reuter Lesões Periodontais Doença inflamatória dos tecidos de suporte dos

Leia mais

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD

UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD UNINGÁ UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA KAREN DO AMARAL CARARD REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA SOBRE LONGEVIADE DE ENXERTOS ÓSSEOS NA MAXILA E NA MANDÍBULA

Leia mais

IMPLANTE CARGA IMEDIATA: Uma Revisão de Literatura. LOAD IMMEDIATE IMPLANT; A literature review

IMPLANTE CARGA IMEDIATA: Uma Revisão de Literatura. LOAD IMMEDIATE IMPLANT; A literature review IMPLANTE CARGA IMEDIATA: Uma Revisão de Literatura Thays Zatti COSTA 1 Lucas Henrique de Faria BRAGA 2 Patrícia Guedes Maciel VIEIRA 3 Sérgio Ricardo MAGALHÃES 4 1 Acadêmico do curso de Odontologia da

Leia mais

TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA

TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA TREINO TEÓRICO E CLÍNICO: EXCELÊNCIA EM IMPLANTOLOGIA PORTUGAL E BRASIL. CREDENCIAMENTO DE 3ª TURMA COORDENAÇÃO CIENTÍFICA Prof. Dr. Eduardo Januzzi ( Brasil ) Doutorado em Saúde Baseada em Evidências

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO

CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO CRONOGRAMA CURSO IMPLANTE E PERIO Equipe: Coordenador Geral: Prof. Dr. Rafael Pinelli Henriques Doutor pela FOB USP Bauru S.P. Diretor COPH Bauru Coordenadora Específica: Profa. Dra. Gabriela Gennaro Especialista

Leia mais

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes?

Implantes Dentários. Qualquer paciente pode receber implantes? Implantes Dentários O que são implantes ósseos integrados? São uma nova geração de implantes, introduzidos a partir da década de 6O, mas que só agora atingem um grau de aceitabilidade pela comunidade científica

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista

Assessoria ao Cirurgião Dentista Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição IV agosto de 2014 Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Demineralized Homogeneous Bone Graft in Sockets after Extraction: a Report of Two Cases

Demineralized Homogeneous Bone Graft in Sockets after Extraction: a Report of Two Cases USO DO ENXERTO DESMINERALIZADO HOMÓGENO EM ALVÉOLO PÓS-EXTRAÇÃO: RELATO DE CASOS Demineralized Homogeneous Bone Graft in Sockets after Extraction: a Report of Two Cases Recebido em 15/03/05 Aprovado em

Leia mais

JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO. TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE BARRA CLIPE: relato de caso clínico

JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO. TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE BARRA CLIPE: relato de caso clínico JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE BARRA CLIPE: relato de caso clínico Goiânia 2013 JERÔNIMO MARTINS DA SILVA NETO TRATAMENTO DE MAXILA ATRÓFICA COM OVERDENTURE

Leia mais

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível

Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Lentes de contato dental: construindo um protocolo previsível Weider Silva Especialista em Dentística. Especialista em Prótese. Especialista em Implantodontia. Professor do Curso de Especialização de Dentística

Leia mais

ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO

ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO ENXERTO AUTÓGENO EM BLOCO PELA TÉCNICA DE TUNELIZAÇÃO SUBPERIÓSTEA: RELATO DE UM CASO CLÍNICO Cláudio Rodrigues Rezende Costa Alysson Ribeiro Melo RESUMO Os enxertos autógenos são cada vez mais utilizados

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas

Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas Artigo Inédito Cicatrização de áreas doadoras de enxerto: observações clínicas Rogério Gonçalves Velasco*, Pedro Velasco Dias**, Leandro Gonçalves Velasco***, Cecilia da Rocha Brito**** Palavras-chave

Leia mais

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000

Centro Av. Frei Pacífico Wagner,653 11660 903 Caraguatatuba SP T F 55 12 3897 2000 Nome Curso: IMPLANTE. Implantando idéias, um curso diferente. Curso de extensão Universitária Natureza: Teórico prático Data do inicio do curso: 27 de agosto de 2010 Local: Clinica Universitário Módulo

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013

Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 Revista do Conselho Regional de Odontologia do Rio de Janeiro Ano XXX - nº 02- Fevereiro de 2013 10 CAPA Tire suas dúvidas so O avanço na profissão tem sido responsável pelo aprimoramento de técnicas para

Leia mais

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE DE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA LUIS BERNARDO DOMIT

UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE DE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA LUIS BERNARDO DOMIT 0 UNINGÁ - UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR INGÁ FACULDADE DE INGÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA LUIS BERNARDO DOMIT ENXERTOS ÓSSEOS AUTÓGENOS NA IMPLANTODONTIA: UMA ANÁLISE DOS FATORES CRÍTICOS

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE / SOEBRÁS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE ENXERTO ÓSSEO AUTOGENO EM BLOCO E PARTICULADO NO LEVANTAMENTO DO SEIO MAXILAR WALDER JOSÉ GONÇALVES DE MELO ANÁPOLIS, 2009 INSTITUTO

Leia mais

Planejamento Cirúrgico

Planejamento Cirúrgico Planejamento Cirúrgico Embora existam aspectos inerentes ao procedimento cirúrgico, a inter-relação entre esta etapa e a confecção da prótese consiste em um fator preponderante para o sucesso da reabilitação.

Leia mais

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental

Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS. Informação ao paciente. Degussa Dental Para todos os casos! Implantes-ANKYLOS Informação ao paciente Degussa Dental Fornecido pelo seu cirurgião-dentista: Prezado(a) paciente, Mais cedo ou mais tarde acontece com cada um de nós: os primeiros

Leia mais

PLANEJAMENTO VIRTUAL, CIRURGIA SEM RETALHO E FUNÇÃO IMEDIATA: UMA NOVA REALIDADE NA IMPLANTODONTIA

PLANEJAMENTO VIRTUAL, CIRURGIA SEM RETALHO E FUNÇÃO IMEDIATA: UMA NOVA REALIDADE NA IMPLANTODONTIA PLANEJAMENTO VIRTUAL, CIRURGIA SEM RETALHO E FUNÇÃO IMEDIATA: UMA NOVA REALIDADE NA IMPLANTODONTIA José Cícero Dinato Doutor em Implantodontia Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Prótese

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Transplantes autógenos de terceiros molares inclusos

Transplantes autógenos de terceiros molares inclusos FO Revista da ADPPUCRS Porto Alegre, nº. 5, p. 111-109, dez. 2004 Transplantes autógenos de terceiros molares inclusos GUSTAVO SEBBEN* MARCELO DAL SASSO CASTILHOS* ROBERTO FERNANDES DE CARVALHO E SILVA**

Leia mais

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila Implantologia Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila A reabilitação total da arcada superior dentária constitui um desafio à escala das possibilidades

Leia mais

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Bruno Endler

Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico. Bruno Endler Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico Bruno Endler Uso de implantes inclinados em maxila atrófica, uma alternativa de tratamento a procedimentos de maior complexidade: apresentação

Leia mais

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico Artigo Técnico Implantologia Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico José Ferreira Médico dentista Prática clínica em Implantologia Aluno

Leia mais

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO

ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO ANÁLISE HISTOMORFOMÉTRICA EM ALVÉOLOS DE COELHOS PREENCHIDOS COM DIFERENTES TIPOS DE BIOMATERIAIS DE ENXERTO Amanda Roberta Barbosa Juliasse Da Silva ¹ Márcio Baltazar Conz ² Diferentes biomateriais têm

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Tratamento de erupção passiva alterada para melhorar a estética do sorriso

Tratamento de erupção passiva alterada para melhorar a estética do sorriso DICAS DE PERIODONTIA Tratamento de erupção passiva alterada para melhorar a estética do sorriso Clozza, Emanuele Residente, Departamento de Periodontia e Implantodontia, New York, NY, EUA Suzuki, Takanori

Leia mais

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Programa O curso de pós-graduação em periodontologia da MD Formação em parceria com a Clínica Gingiva de Madrid destina-se a todos os Médicos Dentistas

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina ODT 7121 - Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial I Departamento

Leia mais

Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico

Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico Artigo Caso Clínico Regeneração óssea guiada com carga imediata em zona estética: relato de caso clínico Guided bone regeneration with immediate loading in esthetic site: a clinical case report Recebido

Leia mais

Banco de ossos: muito mais pela saúde bucal

Banco de ossos: muito mais pela saúde bucal Banco de ossos: muito mais pela saúde bucal Há nove anos, o Ministério da Saúde regulamentou a utilização de banco de ossos pela Odontologia. Por: Vanessa Navarro O século 19 trouxe grandes e agradáveis

Leia mais

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante.

Palavras-Chave: enxerto autógeno, tórus mandibular, implante. ENXERTO ÓSSEO AUTÓGENO DE TÓRUS MANDIBULAR. DESCRIÇÃO DE CASO DE RECONSTRUÇÃO DE MAXILA E INSTALAÇÃO IMEDIATA DE UM IMPLANTE COLOCADO EM FUNÇÃO IMEDIATA AUTOGRAFT OF MANDIBULAR TORUS. DESCRIPTION FOR RECONSTRUCTION

Leia mais

Caso Clínico. Resumo. Palavras-chave. Abstract. Key words

Caso Clínico. Resumo. Palavras-chave. Abstract. Key words Sítios Doadores e Enxertos Ósseos Intrabucais: Relato de Caso e Revisão da Literarura Intra-oral Place Givers and Bone Grafts: Case Report and Literature Review 1 1 2 Orion Luiz HAAS-JUNIOR. ; Luisa Schertel

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 48. Displasia ectodérmica hipohidrótica: relato de um caso clínico

CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 48. Displasia ectodérmica hipohidrótica: relato de um caso clínico CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 48 Displasia ectodérmica hipohidrótica: relato de um caso clínico 48 CC oliveira+1.qxp 27/6/12 13:13 Página 49 Introdução A displasia ectodérmica (ED) é um grupo

Leia mais

INCISÕES PARA TERCEIROS MOLARES INFERIORES INCLUSOS INCISIONS FOR THIRD INCLUDING LOWER MOLAR RESUMO

INCISÕES PARA TERCEIROS MOLARES INFERIORES INCLUSOS INCISIONS FOR THIRD INCLUDING LOWER MOLAR RESUMO REVISÃO DE LITERATURA/ Review Article INCISÕES PARA TERCEIROS MOLARES INFERIORES INCLUSOS INCISIONS FOR THIRD INCLUDING LOWER MOLAR Flávio Martins da Silva * Ricardo José Barbosa Cabral ** Gislaine Fernandes

Leia mais

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES

INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES INFORMÁTICA ANS GUIA TISS CERTIFICADO DIGITAL TABELA TUSS TABELA DE ATOS ESPECIALIDADES 21/06/2014 A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é a agência reguladora vinculada ao Ministério da Saúde

Leia mais

Matriz Curricular. Carga Horária. Unidades Acadêmicas. Período

Matriz Curricular. Carga Horária. Unidades Acadêmicas. Período Matriz Curricular Período 1º Unidades Acadêmicas UAI: Introdução ao Estudo da Odontologia Conhecer a estrutura do indivíduo nas suas bases biomoleculares e celulares quanto às propriedades e interrelações

Leia mais

Há mais de 30 anos semeando sorrisos no Brasil e, agora, no mundo todo.

Há mais de 30 anos semeando sorrisos no Brasil e, agora, no mundo todo. Há mais de 30 anos semeando sorrisos no Brasil e, agora, no mundo todo. A Dentoflex vai ainda mais longe A Dentoflex está no mercado odontológico há mais de 30 anos e não para de se reiventar. Para ser

Leia mais

overdentures and prostheses for edentulous maxilla rehabilitation

overdentures and prostheses for edentulous maxilla rehabilitation Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 2007 jan-abr; 19(1):61-7 OVERDENTURES E PRÓTESES FIXAS PARA REABILITAÇÃO COM IMPLANTES EM MAXILA EDÊNTULA overdentures and prostheses for edentulous

Leia mais

Implantes osseointegráveis em áreas com levantamento do seio maxilar e enxertos ósseos

Implantes osseointegráveis em áreas com levantamento do seio maxilar e enxertos ósseos ORIGINAL ORIGINAL Implantes osseointegráveis em áreas com levantamento do seio maxilar e enxertos ósseos Osseointegrated implants in maxillary sinus-lift and bone graft areas Adérico Santana GUILHERME

Leia mais

Previsibilidade em áreas estéticas: o conceito da abordagem imediata

Previsibilidade em áreas estéticas: o conceito da abordagem imediata Relato de Caso Previsibilidade em áreas estéticas: o conceito da abordagem imediata Mauro Tosta*, Paulo Ferraz**, Gastão Soares de Moura Filho***, Leda Guerra****, Cintia Helena Coury Saraceni*****, Marina

Leia mais

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS

Ortho In Lab. Resumo PROSTHESIS Planejamento e individualização da aparatologia ortodôntica conjugada aos mini-implantes ( DATs) Parte I Sítios de instalação uma área de risco controlado. Individualization of planning and orthodontic

Leia mais

APROFUNDAMENTO DE VESTÍBULO BUCAL ATRAVÉS DA TÉCNICA DE SULCOPLASTIA DE KAZANJIAN MODIFICADA RELATO DE CASO CLÍNICO

APROFUNDAMENTO DE VESTÍBULO BUCAL ATRAVÉS DA TÉCNICA DE SULCOPLASTIA DE KAZANJIAN MODIFICADA RELATO DE CASO CLÍNICO APROFUNDAMENTO DE VESTÍBULO BUCAL ATRAVÉS DA TÉCNICA DE SULCOPLASTIA DE KAZANJIAN MODIFICADA RELATO DE CASO CLÍNICO 87 STEPPING THE VESTIBULAR SULCUS THROUGH THE KAZANJIAN`S SULCOPLASTY MODIFIED TECHNIQUE

Leia mais

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES

Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Instruções de Uso IMPLANTE DENTÁRIO SIGNO VINCES Este dispositivo médico implantável requer procedimentos específicos e altamente especializados. Somente deverá ser realizado por cirurgiões dentistas com

Leia mais

FUNORTE - FACULDADES UNIDAS DO NORTE THIAGO BOTELHO ARAÚJO IMPLANTE IMEDIATO COM FLAPLESS

FUNORTE - FACULDADES UNIDAS DO NORTE THIAGO BOTELHO ARAÚJO IMPLANTE IMEDIATO COM FLAPLESS FUNORTE - FACULDADES UNIDAS DO NORTE THIAGO BOTELHO ARAÚJO IMPLANTE IMEDIATO COM FLAPLESS TRÊS CORAÇÕES 2010 THIAGO BOTELHO ARAÚJO IMPLANTE IMEDIATO COM FLAPLESS Monografia apresentada ao curso de especialização

Leia mais

Aplicação de Implantes Osteointegrados nas Deformidades Craniofaciais

Aplicação de Implantes Osteointegrados nas Deformidades Craniofaciais Aplicação de Implantes Osteointegrados nas Deformidades Craniofaciais Alexandre Katalinic Dutra 1 Luciano Lauria Dib? Marcos Martins Curi" Joaquim Augusto Piras de Oliveira" 1] Médico. Membro Titular da

Leia mais

A nova dimensão na regeneração do tecido mole

A nova dimensão na regeneração do tecido mole A nova dimensão na regeneração do tecido mole Geistlich Mucograft : a matriz 3D... Seguindo sua tradição de pioneiro, com a Geistlich Mucograft, a nova matriz 3D, a Geistlich leva a regeneração do tecido

Leia mais

Curso Implantología Curso de Formação contínua 2012. Primeira edição

Curso Implantología Curso de Formação contínua 2012. Primeira edição Curso Implantología Curso de Formação contínua 2012 Primeira edição Curso Implantología Curso Formação Contínua 2012 Este curso é dirigido preferencialmente a vós, médicos dentistas que pretendem aprofundar

Leia mais

REABILITAÇÃO POR PRÓTESE TOTAL IMEDIATA REHABILITATION FOR IMMEDIATE IMPLANT TOTAL SURGICAL CLINICAL CASE REPORT

REABILITAÇÃO POR PRÓTESE TOTAL IMEDIATA REHABILITATION FOR IMMEDIATE IMPLANT TOTAL SURGICAL CLINICAL CASE REPORT 157 REABILITAÇÃO POR PRÓTESE TOTAL IMEDIATA REHABILITATION FOR IMMEDIATE IMPLANT TOTAL SURGICAL CLINICAL CASE REPORT Uander de Castro OLIVEIRA * Italo Cordeiro TOLEDO ** Artur Argenta SANTOS * Kamila Rafaela

Leia mais

PRÓTESE TOTAL INFERIOR IMPLANTO-SUPORTADA COM CARGA IMEDIATA

PRÓTESE TOTAL INFERIOR IMPLANTO-SUPORTADA COM CARGA IMEDIATA PRÓTESE TOTAL INFERIOR IMPLANTO-SUPORTADA COM CARGA IMEDIATA Bruno Feital Fusaro 1 Rodrigo Guerra de Oliveira 2 Bruno Salles Sotto Maior 3 Henrique Furlani Sotto Maior 4 Fabrício de Draper Vieira 5 Resumo

Leia mais

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO.

ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO. ACADEMIA DE ODONTOLOGIA DO RIO DE JANEIRO. CLIVO. CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM IMPLANTODONTIA. A IMPLANTE E PROVISÓRIO IMEDIATO RELATO DE CASO CLÍNICO CORDENADOR: DR. SERGIO MOTTA. ALUNO: DR. FABIO CAMILO.

Leia mais