Samples of medieval poetry

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Samples of medieval poetry"

Transcrição

1 Samples of medieval poetry These examples represent the four main types of Old Portuguese poetry: cantigas de amor (love poems in the woman s voice), cantigas de amor (poems in the male voice) cantigas de escarnho (poems of insult and slander) and Cantigas de Santa Maria, poems in honour of the Virgin Mary. You will find more examples online on Wikisource and AGAL 1

2 Cantigas de amigo Bernardo de Bonaval -Ai fremosinha, se ben ajades, longi de vila, quen asperades? -Vin atender meu amigo -Ai fremosinha, se gradoedes, longi de vila, quen atendedes? 5 -Vin atender <meu amigo> -Longi de vila, quen asperades? -Direi vol' eu, pois me preguntades: vin atender <meu amigo> -Longi de vila, quen atendedes? 10 -Direi vol' eu, poilo non sabedes: vin atender meu <amigo> 2

3 Levad', amigo, que dormide-las manhanas frias todalas aves do mundo d' amor dizian, leda m' and' eu Nuno Fernandez Torneol Levad', amigo, que dormide-las frias manhanas todalas aves do mundo d' amor cantavan, 5 leda m' and' eu Todalas aves do mundo d' amor dizian; do meu amor e do vosso en ment' avian: leda <m' and' eu> Todalas aves do mundo d' amor cantavan; 10 do meu amor e do vosso i enmentavan: leda <m' and' eu> Do meu amor e do vosso en ment' avian; vós lhi tolhestes os ramos en que siían; leda <m' and' eu> 15 Do meu amor e do vosso i enmentavan; vós lhi tolhestes os ramos en que pousavan; leda <m' and' eu> Vós lhi tolhestes os ramos en que siían e lhis secastes as fontes en que bevian; 20 leda <m' and' eu> Vós lhi tolhestes os ramos en que pousavan e lhis secastes as fontes u se banhavan; leda <m' and' eu> 3

4 Martin Codax Eno sagrado en Vigo bailava corpo velido; amor ei En Vigo no sagrado bailava corpo delgado; 5 amor ei Bailava corpo delgado que nunca ouvera amado; amor ei Bailava corpo velido 10 que nunca ouvera amigo; amor ei Que nunca ouvera amigo ergas no sagrad' en Vigo; amor ei 15 Que nunca ouvera amado ergas en Vigo no sagrado; amor ei 4

5 Pastorela Don Dinis Ũa pastor ben talhada cuidava en seu amigo e estava, ben vos digo per quant' eu vi, mui coitada, e diss': "Oi mais non é nada 5 de fiar per namorado nunca molher namorada, pois que mh o meu á errado" Ela tragia na mão un papagai mui fremoso, 10 cantando mui saboroso, ca entrava o verão, e diss': "Amigo loução, que faria por amores, pois m' errastes tan en vão?" 15 e caeu antr' ũas flores Ũa gran peça do dia jouv' ali, que non falava, e a vezes acordava, [e] a vezes esmorecia, 20 e diss': "Ai Santa Maria, que será de min agora?" e o papagai dizia: "Ben, per quant' eu sei, senhora" "Se me queres dar guarida" 25 diss' a pastor, "di verdade, papagai, por caridade, ca morte m' é esta vida" Diss' ele: "Senhor comprida de ben, e non vos queixedes, 30 ca o que vos á servida erged' olho e vee-lo edes" 5

6 Joan Airas Toda-las cousas eu vejo partir do modo en como soiam seer, e vejo as gentes partir de fazer ben que soiam (tal tempo non ven!) mais non se pode o coraçon partir do meu amigo de mi querer ben. Pero que ome parte o coraçon das cousas que ama, per bõa fé, e parte-se ome da terra onde é, e parte-se ome d'u [mui] gran prol ten, non se pode parti-lo coraçon do meu amigo de mi querer ben. Toda-las cousas eu vejo mudar: mudam-se os tempos e muda-se o al, muda-se a gente en fazer ben ou mal, mudam-se os ventos e toda outra ren, mais non se pode o coraçon mudar do meu amigo de mi querer ben. 6

7 Cantigas de amor Dom Dinis «Pero que eu mui longe estou» ed. H.Montero Santalla I Pero que eu mui long' estou 2 da mià senhor e do seu bem, nunca me dê Deus o seu bem, 4 pero m' eu [de]la long' estou, se nom é o coraçom meu 6 mais preto 1 dela que o seu. II III F E, pero long' estou dali 8 du agora é mià senhor, nom haja bem da mià senhor, 10 pero m' eu long' estou dali, se nom é o coraçom meu 12 mais preto dela que o seu. E, pero longe do logar 14 esto[u], que nom poss' al fazer, Deus nom mi dê seu benfazer, 16 pero long' estou do logar, se nom é o coraçom meu 18 mais preto dela que o seu. C' a vezes tem em al o seu, 20 e sempre sigo tem o meu. 1 preto= perto 7

8 Dom Denis «Quer' eu em maneira de proençal» I 1 Quer' eu em maneira de proençal fazer agora um cantar d' amor, 3 e querrei muit' i loar mià senhor, a que prez nem frem[o]sura nom fal, 5 nem bondade; e mais vos direi ém: tanto a fez Deus comprida de bem 7 que mais que toda-las do mundo val. II 8 Ca mià senhor quiso Deus fazer tal, quando a fez, que a fez sabedor 10 de todo bem e de mui gram valor, e, com tod' est[o], é mui comunal 12 ali u deve; er deu-lhi bom sém, e, des i, nom lhi fez pouco de bem 14 quando nom quis que lh' outra foss' igual. III 15 Ca em mià senhor nunca Deus pôs mal, mais pôs i prez e beldad' e loor 17 e falar mui bem, e riir melhor que outra molher; des i, é leal 19 muit'; e por esto nom sei hoj' eu quem possa compridamente no seu bem 21 falar, ca nom há, tra-lo seu bem, al. 8

9 Cantigas de escarnho Dom Denis Segunda das cantigas de Dom Denis contra Dom Foám, 1 neste caso censurado por prolongar de maneira enfadonha a sua conversa nocturna]. I U noutro dia seve Dom Foám, 2 a mi começou gram noj' a crecer de muitas cousas que lh' oí dizer. 4 Diss' el: "- Ir-m'-ei, ca já se deitarám". Dix' eu: "- Bõa venturaa hajades, 6 porque vos ides e me leixades". II E, muit' enfadado de seu parlar, 8 sêvi gram peça, se mi valha Deus, e tosquejavam estes olhos meus. 10 E quand' el disse:: "- Ir-me quer' eu deitar", dix' eu: "- Bõa venturaa hajades, 12 porque vos ides e me leixades". III El seve muit' e diss' e perfiou, 14 e a mim creceu gram nojo porém, e nom soub' el se x' era mal, se bem. 16 E quand' el disse: "- Já m' eu deitar vou", dix' eu: "- Bõa venturaa hajades, 18 porque vos ides e me leixades". 1. Dom Fulano, i.e. you know who, an unidentified butt of satire 9

10 Don Foão, que eu sei que ha preço de livão, vedes que fez ena guerra (daquesto soo certão): sol que viu os genetes,1 come boi que fer tavão, sacudiu-se e revolveu-se, al- -çou 2 rab'e foi sa vía a Portugal. Afonso Mendes de Besteiros Don Foão, que eu sei que ha preço de ligeiro, vedes que fez ena guerra (daquesto son verdadeiro): sol que viu os genetes, come bezerro tenreiro, sacudiu-se e revolveu-se, al- -çou rab'e foi sa vía a Portugal. Don Foão, que eu sei que ha prez de liveldade, vedes que fez ena guerra (sabede-o por verdade): sol que viu os genetes, come can que sal de grade, sacudiu-se e revolveu-se, al- -çou rab'e foi sa vía a Portugal. 1. genetes Moorish cavalry 2 The rhyme on the first syllable of the word alçou is a typical metricl prank of the trovadores 10

11 Cantiga de Santa Maria Cantiga 7: The Virgin rescues a pregnant abbess Santa Maria amar devemos muit' e rogar que a sa graça ponna sobre nos, por que errar non nos faça, nen pecar, o demo sen vergonna. Porende vos contarei dun miragre que achei que por hũa abadessa fez a Madre do gran Rei ca, per com' eu apres' ei, era-xe sua essa. Mas o demo enartar a foi, por que emprennar s' ouve dun de Bolonna, ome que de recadar avia e de guardar seu feit' e sa besonna. Santa Maria amar... O Bispo lle diss' assi: "Dona, per quant' aprendi, mui mal vossa fazenda fezestes; e vin aqui por esto, que ante mi façades end' emenda." Mas a dona sen tardar a Madre de Deus rogar foi; e, come quen sonna, Santa Maria tirarlle fez o fill' e criarlo mandou en Sansonna. Santa Maria amar... As monjas, pois entender foron esto e saber, ouveron gran lediça; ca porque lles non sofrer queria de mal fazer avian-lle maíça. E foron-a acusar ao Bispo do logar, e el ben de Colonna chegou i; e pois chamar a fez, vẽo sen vagar, leda e mui risonna. Santa Maria amar... 11

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo Aula 2 Trovadorismo Escolas Literárias História da Literatura Um sistema de tendências artísticas, em vigor, na maioria das obras produzidas, numa determinada época histórica. Periodologia da Literatura

Leia mais

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo L.E. Semana 4 Sexta Feira Períodos Literários O Trovadorismo Idade média O sistema feudal Teocentrismo Língua portuguesa arcaica O Trovador Um poeta itinerante Artista de origem nobre Recitava sua poesia

Leia mais

4 POESIA TRADICIONAL PORTUGUESA

4 POESIA TRADICIONAL PORTUGUESA 4 POESIA TRADICIONAL PORTUGUESA Ttovadoresca, Palaciana e Camoniana Esteia Pinto'Ribeiro Lamas Luís Ricardo Pereira 6 3 Qi i O W < Coordenação científico-pedagógica Esteia Pinto Ribeiro Lamas Fernando

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Trovadorismo. da Ribeirinha - Paio Soares de Taveirós. Literatura medieval (de 1189/1198 a 1434) INÍCIO: Cantiga

Trovadorismo. da Ribeirinha - Paio Soares de Taveirós. Literatura medieval (de 1189/1198 a 1434) INÍCIO: Cantiga Trovadorismo Literatura medieval (de 1189/1198 a 1434) INÍCIO: Cantiga da Ribeirinha - Paio Soares de Taveirós TÉRMINO: Fernão Lopes é eleito cronista-mor da Torre do Tombo PAINEL DE ÉPOCA: Cristianismo

Leia mais

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

CONTEXTO HISTÓRICO Clero Nobreza Povo

CONTEXTO HISTÓRICO Clero Nobreza Povo TROVADORISMO TROVADORISMO O século XII legou-nos uma poesia de intenso lirismo que concebia o amor como um culto, quase uma religião, que servia de endeusar a mulher e idealizála. Refletindo o momento

Leia mais

Literatura na Idade Média

Literatura na Idade Média ORIGENS EUROPEIAS 1 Literatura na Idade Média >> Leia o texto a seguir para responder às questões de 1 a 5. Estes meus olhos nunca perderam, senhor, gran coita, mentr eu vivo for. E direi-vos, fremosa

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

TROVADORISMO. Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010

TROVADORISMO. Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010 TROVADORISMO Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010 Em meados do século XII, Portugal se constitui como um estado independente = início de sua história literária. http://lh6.google.com/c.alberto.vaz

Leia mais

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV).

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Durante essa época a poesia alcançou grande popularidade,

Leia mais

Era Medieval ... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ]

Era Medieval ... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ] Prof. Ismael Dantas Trovadorismo Era Medieval Humanismo... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ] Trovadorismo... 02 Contexto Histórico-Cultural... 03 A Poesia

Leia mais

Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria

Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria. Consagração a Maria amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim amar a mim Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto!

Leia mais

D. Dinis. Cantigas. Publicado originalmente em 1845. D. Dinis (1261 1325) Projeto Livro Livre. Livro 299

D. Dinis. Cantigas. Publicado originalmente em 1845. D. Dinis (1261 1325) Projeto Livro Livre. Livro 299 D. Dinis Cantigas Publicado originalmente em 1845. D. Dinis (1261 1325) Projeto Livro Livre Livro 299 Poeteiro Editor Digital São Paulo - 2014 www.poeteiro.com Projeto Livro Livre O Projeto Livro Livre

Leia mais

Cantigas d Amigo with aab Forms by Galician Jograres

Cantigas d Amigo with aab Forms by Galician Jograres Cantigas d Amigo with aab Forms by Galician Jograres Rip Cohen The Johns Hopkins University 2013 1 Introductory Note Cantigas d amigo with aab strophes comprise 20% of the genre and provide evidence for

Leia mais

O caminho poético. lírica galego-portuguesa. yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo

O caminho poético. lírica galego-portuguesa. yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo O caminho poético de SANTIAGO lírica galego-portuguesa yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo 11 Antes de iniciar o caminho: algumas notas os trovadores e santiago de

Leia mais

TROVADORISMO. Origem, Significado & Contexto Histórico. Por: Brayan, Vinicius, Thierry, Weverton & Davi

TROVADORISMO. Origem, Significado & Contexto Histórico. Por: Brayan, Vinicius, Thierry, Weverton & Davi TROVADORISMO Origem, Significado & Contexto Histórico Por: Brayan, Vinicius, Thierry, Weverton & Davi INTRODUÇÃO: Para começarmos a estudar Literatura Brasileira nós precisamos, inicialmente, compreender

Leia mais

TROVADORISMO DEFINIÇÃO

TROVADORISMO DEFINIÇÃO TROVADORISMO DEFINIÇÃO Trovadorismo, também conhecido como Primeira Época Medieval, é o primeiro período literário da língua portuguesa. Seu surgimento ocorreu no mesmo período em que Portugal começou

Leia mais

500 Cantigas d Amigo 108

500 Cantigas d Amigo 108 108 En esta folha adeante se começan as cantigas d amigo que fezeron os cavalleiros e o primeiro é Fernan Rodriguiz de Calheiros 109 110 FERNAN RODRIGUEZ DE CALHEIROS 1 Perdud ei, madre, cuid eu, meu amigo:

Leia mais

9 The Icon of Sardonay

9 The Icon of Sardonay 9 The Icon of Sardonay R 1 Por que nos ajamos 2 sempre noit' e dia 3 dela renembrança 4 en Domas achamos 5 que Santa Maria 6 fez gran demostrança. 1 1 En esta cidade que vos ei ja dita 2 ouv' i ũa dona

Leia mais

XIV 1. Aspectos preliminares: A literatura portuguesa recebeu em suas origens uma forte influência provençal. Provença, uma região do sul da França, teve uma intensa vida cultural na Baixa Idade Média.

Leia mais

35 The Clerics Saved from Pirates

35 The Clerics Saved from Pirates 35 The Clerics Saved from Pirates R 1 O que a Santa Maria der algo ou prometer 2 dereit' é que s' en mal ache se llo pois quiser toller. 1 1 Ca muit' é ome sen siso que lle de dar alg' é greu 2 ca o ben

Leia mais

Roteiro de estudos 1º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês. Orientação de estudos

Roteiro de estudos 1º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês. Orientação de estudos Roteiro de estudos 1º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula.com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos

Leia mais

Chordbook Baden Powell

Chordbook Baden Powell Chordbook Baden Powell Last update: Fri, 17/Dec/2010 http://my.andreanjos.org/music/artist/35/pdf/ Downloaded on Mon, 09/Jan/2017 http://my.andreanjos.org Table of Contents Canto de Ossanha...................................

Leia mais

A Rocha. Tom: A# (intro 2x) Gm A# D# A# D#

A Rocha. Tom: A# (intro 2x) Gm A# D# A# D# Rocha Tom: # (intro 2x) m # D# # D# Vem, Vem me salvar m/d / Me ajudar a caminhar te espero # D# Vem, Vem me livrar m/d / D# #/D# D# (intro) Me amparar com teu amor te espero (parte 2) # D# Vem, Vem me

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LITERATURA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Regiane Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Uma lição de vida. Graziele Gonçalves Rodrigues

Uma lição de vida. Graziele Gonçalves Rodrigues Uma lição de vida Graziele Gonçalves Rodrigues Ele: Sente sua falta hoje na escola, por que você não foi? Ela: É, eu tive que ir ao médico. Ele: Ah, mesmo? Por que? Ela: Ah, nada. Consultas anuais, só

Leia mais

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução TROVADORISMO Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução 1 Introdução Podemos dizer que o trovadorismo foi a primeira

Leia mais

O sistema vocálico do português arcaico nas Cantigas de Santa Maria

O sistema vocálico do português arcaico nas Cantigas de Santa Maria O sistema vocálico do português arcaico nas Cantigas de Santa Maria Juliana Simões Fonte SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros FONTE, JS. Rumores da escrita, vestígios do passado: uma interpretação

Leia mais

A lei da semeadura. Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7

A lei da semeadura. Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7 A lei da semeadura Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7 Plantar e colher. COLHEITA. 1. Só semeia quem tem sonho, quem tem visão.

Leia mais

É Preciso Saber Viver

É Preciso Saber Viver É Preciso Saber Viver Quem espera que a vida Seja feita de ilusão Pode até ficar maluco Ou morrer na solidão É preciso ter cuidado Pra mais tarde não sofrer É preciso saber viver Toda pedra no caminho

Leia mais

Base de dados da Lírica Galego Portuguesa: 1

Base de dados da Lírica Galego Portuguesa:  1 1. No mundo non me sei parelha (Pai Soares de Taveirós) No mundo non me sei parelha, mentre me for como me vai, ca já moiro por vós e ai! mia senhor branca e vermelha, queredes que vos retraia quando vos

Leia mais

Anexo Entrevista G2.5

Anexo Entrevista G2.5 Entrevista G2.4 Entrevistado: E2.5 Idade: 38 anos Sexo: País de origem: Tempo de permanência em Portugal: Feminino Ucrânia 13 anos Escolaridade: Imigrações prévias: --- Ensino superior (professora) Língua

Leia mais

português João de Deus

português João de Deus Nau Literária: crítica e teoria de literaturas seer.ufrgs.br/nauliteraria ISSN 1981-4526 PPG-LET-UFRGS Porto Alegre Vol. 08 N. 02 jul/dez 2012 Dossiê: Literatura Portuguesa Séculos XIX-XXI Poesia e sociedade

Leia mais

Sei que estou sendo até pretensioso com este trabalho, mas quero que saibam que estou apenas escrevendo o que está em meu coração quando estou a

Sei que estou sendo até pretensioso com este trabalho, mas quero que saibam que estou apenas escrevendo o que está em meu coração quando estou a Sei que estou sendo até pretensioso com este trabalho, mas quero que saibam que estou apenas escrevendo o que está em meu coração quando estou a meditar sobre a Bíblia Sagrada, com Fé, Esperança e Caridade

Leia mais

Encarte

Encarte Encarte e letras disponíveis em Encarte www.encartedigitalmk.com.br e letras disponíveis em Conheça mais esta inovação da MK Music. Uma empresa que pensa no futuro www.encartedigitalmk.com.br Conheça mais

Leia mais

AULA 01 LITERATURA. Os mais de oito séculos de produção literária portuguesa são divididos em três grandes eras:

AULA 01 LITERATURA. Os mais de oito séculos de produção literária portuguesa são divididos em três grandes eras: AULA 01 LITERATURA PROFª Edna Prado INTRODUÇÃO Periodização da Literatura em Portugal e no Brasil: A história da literatura portuguesa, tal qual conhecemos hoje, tem início em meados do século XII, quando

Leia mais

Nº19A Domingo IV da Quaresma

Nº19A Domingo IV da Quaresma Nº19A Domingo IV da Quaresma-30.3.2014 Viver na luz! Abri os olhos! Imagina alguém a viver sempre numa casa de janelas fechadas: sem ar, sem luz, sem ver ninguém, fechado em si próprio, impermeável a tudo.

Leia mais

Compreendi o que é a Misericórdia!

Compreendi o que é a Misericórdia! Compreendi o que é a Misericórdia! Texto com base no Manuscrito B de Santa Teresinha Coro 1 - Santa Teresinha, conta-nos os segredos da Misericórdia! Voz - Quereríeis ouvir os segredos que Jesus me confia?

Leia mais

PAE GOMEZ CHARINHO 4. filha, ca perderedes i no voss, e demais pesa a min 20. B 840 f. 177r V 426 f. 68v

PAE GOMEZ CHARINHO 4. filha, ca perderedes i no voss, e demais pesa a min 20. B 840 f. 177r V 426 f. 68v PAE GOMEZ CHARINHO 4 Mha filha, non ei eu prazer de que parecedes tan ben, ca voss amigo falar ven convosc, e ven vos dizer que nulha ren non creades 5 que vos diga que sabhades, filha, ca perderedes

Leia mais

Um estudo das formas verbais do pretérito perfeito do indicativo em português arcaico

Um estudo das formas verbais do pretérito perfeito do indicativo em português arcaico Um estudo das formas verbais do pretérito perfeito do indicativo em português arcaico (A study of past tense verbal forms in Archaic Portuguese) Gisela Sequini Favaro 1 1 Departamento de Linguística Universidade

Leia mais

AULA 04:O CHAMADO DE ABRÃO ATÉ O NASCIMENTO DE ISMAEL

AULA 04:O CHAMADO DE ABRÃO ATÉ O NASCIMENTO DE ISMAEL Momento com Deus Crianças de 7 a 9 anos NOME: DATA: 28/04/2013 AULA 04:O CHAMADO DE ABRÃO ATÉ O NASCIMENTO DE ISMAEL Versículos para Decorar 1 Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar

Leia mais

HINÁRIO. Ana de Souza Ana de Souza Brito A ALVORADA. 01 OH! MEU DIVINO PAI 02 VOU SEGUINDO

HINÁRIO. Ana de Souza Ana de Souza Brito A ALVORADA.  01 OH! MEU DIVINO PAI 02 VOU SEGUINDO HINÁRIO A ALVORADA Ana de Souza Ana de Souza Brito www.hinarios.org 1 2 01 OH! MEU DIVINO PAI 3X 02 VOU SEGUINDO 3X Oh! Meu divino pai Vós mandou me chamar Eu vivo aqui sozinha Saí a procurar Eu vou seguindo,

Leia mais

ESSES POETAS QUE FALAM DO AMOR COMO SE FOSSEM MULHERES. Nadiá Paulo Ferreira MATRAGA 12, 1999

ESSES POETAS QUE FALAM DO AMOR COMO SE FOSSEM MULHERES. Nadiá Paulo Ferreira MATRAGA 12, 1999 ESSES POETAS QUE FALAM DO AMOR COMO SE FOSSEM MULHERES Nadiá Paulo Ferreira MATRAGA 12, 1999 Trovadores ou jograis? Não importa. Trata-se de autores homens. Só que esses poetas, quando falam do amor, como

Leia mais

JUIÃO BOLSEIRO 3. B 1167 f. 249v V 773 ff. 121v -122r

JUIÃO BOLSEIRO 3. B 1167 f. 249v V 773 ff. 121v -122r JUIÃO BOLSEIRO 3 Fui oj eu, madre, veer meu amigo que envio muito rogar por en, por que sei eu ca mi quer mui gran ben, mais vedes, madre, pois m el vio con sigo, foi el tan ledo que, des que naci,

Leia mais

Cantigas de Santa Maria Alfonso el sabio fonte:

Cantigas de Santa Maria Alfonso el sabio fonte: Cantigas de Santa Maria Alfonso el sabio fonte: http://brassy.club.fr/index.html Cantigas Prologue PORQUE TROBAR Cantiga 01 DES OGE Cantiga 02 MUITO DEVEMOS VAROES Cantiga 03 MAIS NO FAZ SANCTA MARIA Cantiga

Leia mais

Não Fale com Estranhos

Não Fale com Estranhos Não Fale com Estranhos Texto por: Aline Santos Sanches PERSONAGENS Cachorro, Gato, Lobo, Professora, Coelho SINOPSE Cachorro e Gato são colegas de classe, mas Gato é arisco e resolve falar com um estranho.

Leia mais

Acto penitencial: Aclamação:

Acto penitencial: Aclamação: Entrada: O senhor Ressuscitou! Do+ O Senhor ressuscitou, vencendo a morte na cruz Re7 Re7 Nossa esperança está n Ele, Ele é o nosso Salvador. Do+ P ra trás ficou o temor, a dúvida e a pouca fé: Re7 Re7

Leia mais

MADAME SILMARA- um, dois, três, quarto, cinco, seis, sete, oito, nove dez JOANA-Não precisa mais tirar as cartas.

MADAME SILMARA- um, dois, três, quarto, cinco, seis, sete, oito, nove dez JOANA-Não precisa mais tirar as cartas. DIÁLOGOS: 00.01.32 MADAME SILMARA- um, dois, três, quarto, cinco, seis, sete, oito, nove dez. 00.02.02 JOANA-Não precisa mais tirar as cartas. 00.02.03 MADAME SILMARA - Não? 00.02.04 JOANA -Não. A senhora

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

SÃO JOSÉ: A ENVERGADURA MORAL DO ESPOSO DA VIRGEM MARIA

SÃO JOSÉ: A ENVERGADURA MORAL DO ESPOSO DA VIRGEM MARIA SÃO JOSÉ: A ENVERGADURA MORAL DO ESPOSO DA VIRGEM MARIA Amados irmãos e irmãs em CRISTO, Neste pequeno artigo vou falar um pouco sobre São José, o esposo da Virgem Maria e o pai terreno de Nosso Senhor

Leia mais

Mutual

Mutual Mutual 2013 http://astontasvaoaoceu.blogspot.com.br/ Em Lugares Santos Se no escuro andais não vais enxergar quem sois e o que podeis vos tornar. Se de joelhos estais e na luz viveis, onde o Espírito está

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

Consagração a Maria. como filho de Deus. Ajude-me a amar a mim mesmo como filho de Deus.

Consagração a Maria. como filho de Deus. Ajude-me a amar a mim mesmo como filho de Deus. mim mim mim mim mim mim mim mim Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu Vos amo tanto! Mãe. Eu

Leia mais

Diálogos de São Gregório. Edição semidiplomática 1 LIVRO PRIMEIRO

Diálogos de São Gregório. Edição semidiplomática 1 LIVRO PRIMEIRO Diálogos de São Gregório Edição semidiplomática 1 Por Américo Venâncio Lopes Machado Filho Pq-Universidade Federal da Bahia/Grupo Nêmesis www.gruponemesis.ufba.br LIVRO PRIMEIRO 1 (1) Aqui se começa huum

Leia mais

Perdi Seu Olhar. Anderson Borba Chaves

Perdi Seu Olhar. Anderson Borba Chaves Perdi Seu Olhar Anderson Borba Chaves 1 Perdi Seu Olhar foi um pequeno conjunto de letras de música que comecei a escrever desde o ano 2000. Em alguns anos seguintes, até ter seu registro definitivo, acabei

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

01. Luz de Jah Letra: André Augusto Apoliano Música:André Augusto Apoliano/André Paula Portela

01. Luz de Jah Letra: André Augusto Apoliano Música:André Augusto Apoliano/André Paula Portela 01. Luz de Jah Música:André Augusto Apoliano/André Paula Portela Você prometeu não me deixar Dançou um reggae roots e falou com Jah A lua iluminou esse momento As nuvens se abriram com o vento Lá em cima

Leia mais

ROI QUEIMADO 3. B 714 f. 156r -v V 315 f. 51v. 3 quand V : (che) quãd B 5 barato B 10 bem B : tem V 15 catar (ne ~ ) B 19 m el Nunes : mal BV bom V

ROI QUEIMADO 3. B 714 f. 156r -v V 315 f. 51v. 3 quand V : (che) quãd B 5 barato B 10 bem B : tem V 15 catar (ne ~ ) B 19 m el Nunes : mal BV bom V ROI QUEIMADO 3 Quando meu amigo souber que m assanhei por el tardar tan muito, quand aqui chegar e que lh eu falar non quiser, muito terrá que baratou 5 mal, por que tan muito tardou Nen ten agora el en

Leia mais

Minha História de amor

Minha História de amor Minha História de amor Hoje eu vou falar um pouco sobre a minha história de amor! Bem, eu namoro à distância faz algum tempinho. E não é uma distância bobinha não, são 433 km, eu moro em Natal-Rn, e ela

Leia mais

LÍNGUA, LITERATURA E ENSINO, Maio/2009 Vol. IV CANTIGAS MEDIEVAIS X FUNK: UMA COMPARAÇÃO PEDAGÓGICA

LÍNGUA, LITERATURA E ENSINO, Maio/2009 Vol. IV CANTIGAS MEDIEVAIS X FUNK: UMA COMPARAÇÃO PEDAGÓGICA LÍNGUA, LITERATURA E ENSINO, Maio/2009 Vol. IV CANTIGAS MEDIEVAIS X FUNK: UMA COMPARAÇÃO PEDAGÓGICA Larissa de Souza LOPES Priscila Dudziak GUIMARÃES Danillo de Aquino GUEDES Lucas Pedro PEREIRA Giovanna

Leia mais

NÃO HÁ OUTRO DEUS. * Troca de tom: * -1 tom * -½ tom * +½ tom * +1 tom. Intro: ( E, D, D/C#, D )

NÃO HÁ OUTRO DEUS. * Troca de tom: * -1 tom * -½ tom * +½ tom * +1 tom. Intro: ( E, D, D/C#, D ) NÃO HÁ OUTRO DEUS FAIXA 01 DO CD DEUS PODEROSO / MINISTÉRIO ZOE VIDA DE DEUS Intro: ( E, D, D/C#, D ) E D D/C# D Quando estive fraco, Ele me fez forte E D D/C# D E 1ªVez: ( B, Intro) Quando estive triste,

Leia mais

1) TIC TAC 2) OS MAGOS

1) TIC TAC 2) OS MAGOS 1) TIC TAC FAZ O RELOGINHO EM BELÉM TIC TAC,TIC TAC,( TIC TAC) ANUNCIANDO QUE NASCEU O NOVO REI FAZ O RELOGINHO EM BELÉM TIC TAC,TIC TAC,( TIC TAC) ANUNCIANDO QUE NASCEU O NOVO REI É NATAL, É NATAL, O

Leia mais

ABCECSP ASSOCIAÇÃO BENFICENTE CENTRO ESPÍRITA CABOCLO SETE PEDREIRAS

ABCECSP ASSOCIAÇÃO BENFICENTE CENTRO ESPÍRITA CABOCLO SETE PEDREIRAS 1) EXÚ (NOME) É HOMEM, PROMETE PRA NÃO FALTAR EXÚ (NOME) É HOMEM, PROMETE PRA NÃO FALTAR QUATORZE CARROS DE LENHA, PRA COZINHAR UM GAMBÁ A LENHA JÁ SE ACABOU, GAMBÁ ESTÁ PRA COZINHAR 2) PORTÃO DE FERRO,

Leia mais

Revista Eutomia - Ano III - Volume 2 - Dezembro/2010. Um estudo das formas verbais do pretérito perfeito do indicativo em português arcaico

Revista Eutomia - Ano III - Volume 2 - Dezembro/2010. Um estudo das formas verbais do pretérito perfeito do indicativo em português arcaico Revista Eutomia - Ano III - Volume 2 - Dezembro/2010 Um estudo das formas verbais do pretérito perfeito do indicativo em português arcaico Gladis Massini-Cagliari 1 (UNESP) Gisela Sequini Favaro 2 (UNESP)

Leia mais

Alberto Caeiro O Pastor Amoroso

Alberto Caeiro O Pastor Amoroso Este material é parte integrante do site e pode ser distribuído livremente desde que não seja alterado e que todas as informações sejam mantidas. Abr s Equipe Mundo Cultural O amor é uma companhia. Já

Leia mais

Unha viaxe á lúa. https://orientacionandujar.wordpress.com/

Unha viaxe á lúa. https://orientacionandujar.wordpress.com/ Unha viaxe á lúa No colexio sortearon unha viaxe á lúa e tocouche a ti. Ademais pódeste levar a un amigo. Con quen farías a viaxe? Que te levarías na túa nave espacial? Pasarías medo?... A caixa faladora

Leia mais

O BAPTISMO NO ESPIRITO SANTO

O BAPTISMO NO ESPIRITO SANTO O BAPTISMO NO ESPIRITO SANTO I. Introdução Ele vos batizará no Espírito Santo Mt. 3: 11b Jesus veio ao mundo, não como Deus, mas como homem. Em tudo Jesus foi igual a nós, teve frio, calor, sentiu fome,

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Músicas para missa TSL

Músicas para missa TSL Músicas para missa TSL Músicas antes da entrada Anjos Se acontecer um barulho perto de você é um anjo chegando para receber suas orações e levá-las à Deus. Então abra o coração e comece a louvar, sinta

Leia mais

Love me. People try to tell me but I still refuse to listen 'Cause they don't get to spend time with you

Love me. People try to tell me but I still refuse to listen 'Cause they don't get to spend time with you Love me My friends say I'm a fool to think that you're the one for me I guess I'm just a sucker for love 'Cause honestly the truth is that you know I'm never leavin' 'Cause you're my angel sent from above

Leia mais

A Lei da atração, o pensamento positivo e o meu negócio Mary Kay

A Lei da atração, o pensamento positivo e o meu negócio Mary Kay A Lei da atração, o pensamento positivo e o meu negócio Mary Kay Antes de mais nada quero que você responda 2 perguntas: - Como você se vê? - Como as pessoas te veem? Tudo o que entra em sua vida é você

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

Cantigas de Martin Codax:

Cantigas de Martin Codax: Filologia do Português FFLCH- USP Profa. Maria Clara Paixão de Sousa Cantigas de Martin Codax: Edição crítica de Barbara Spaggiari Referências: SPAGGIARI, Barbara. Um exemplo de edição crítica lachmanniana:

Leia mais

ADORAÇÃO EM QUINTA-FEIRA SANTA (Núcleo de Catequese 2010/2011).23h/24h QUE OS NOSSOS IMPOSSÍVEIS. INTERVENÇÃO de César

ADORAÇÃO EM QUINTA-FEIRA SANTA (Núcleo de Catequese 2010/2011).23h/24h QUE OS NOSSOS IMPOSSÍVEIS. INTERVENÇÃO de César SEMINÁRIO DOS PASSIONISTAS. SANTA MARIA DA FEIRA ADORAÇÃO EM QUINTA-FEIRA SANTA (Núcleo de Catequese 2010/2011).23h/24h QUE OS NOSSOS IMPOSSÍVEIS TENHAM EM DEUS UMA OUTRA POSSIBILIDADE SENTADOS Música

Leia mais

Todo mundo vai à festa da Giovanna. MADE Oi, tudo bem gente? Eu sou a Made, a mãe da Nana e da Nina, e queria contar um história também? Eu posso?

Todo mundo vai à festa da Giovanna. MADE Oi, tudo bem gente? Eu sou a Made, a mãe da Nana e da Nina, e queria contar um história também? Eu posso? Todo mundo vai à festa da Giovanna MADE Oi, tudo bem gente? Eu sou a Made, a mãe da Nana e da Nina, e queria contar um história também? Eu posso? SEU LOCUTOR É claro, Dona Made! Que bom! A senhora é muito

Leia mais

Dicas de Músicas para casamento Por Arte e Som Eventos

Dicas de Músicas para casamento Por Arte e Som Eventos Dicas de Músicas para casamento Por Arte e Som Eventos www.portalartesom.com/eventos -(45)3264-5367 - Medianeira-PR COLEÇÃO AMO VOCÊ - 13 CDs CD 01 01-Razão da Minha Vida 02-Carinho 03-Amor pra valer 04-Aliança

Leia mais

Português. Tempos e Modos Verbais Verbos. Professor Carlos Zambeli.

Português. Tempos e Modos Verbais Verbos. Professor Carlos Zambeli. Português Tempos e Modos Verbais Verbos Professor Carlos Zambeli www.acasadoconcurseiro.com.br Português TEMPOS E MODOS VERBAIS VERBOS Tempos verbais do Indicativo 1. Presente é empregado para expressar

Leia mais

ENFOQUE DIACRÔNICO: UM ESTUDO DAS SEQUÊNCIAS VERBAIS

ENFOQUE DIACRÔNICO: UM ESTUDO DAS SEQUÊNCIAS VERBAIS LAÍS KAROLINNE TAVARES DA SILVA ENFOQUE DIACRÔNICO: UM ESTUDO DAS SEQUÊNCIAS VERBAIS Instituto de Letras, UnB Brasília, 1º semestre de 2011. 1 ENFOQUE DIACRÔNICO: UM ESTUDO DAS SEQUÊNCIAS VERBAIS por LAÍS

Leia mais

Classificação de hinos do HPD e cânones por assuntos

Classificação de hinos do HPD e cânones por assuntos Classificação de hinos do HPD e cânones por assuntos 1 Advento e Natal 2 Ano Novo 3 Epifania 4 Entrada Triunfal 5 Paixão 6 Páscoa 7 Ascensão 8 Pentecostes 9 Trindade 10 Morte e Vida Eterna, Juízo Final

Leia mais

Códigos e linguagens. Variantes linguísticas

Códigos e linguagens. Variantes linguísticas Códigos e linguagens Variantes linguísticas O fato de no Brasil o português ser a língua da imensa maioria da população não implica automaticamente, que esse português seja um bloco compacto, coeso e homogêneo.

Leia mais

Anexo 2.2- Entrevista G1.2

Anexo 2.2- Entrevista G1.2 Entrevistado: E1.2 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 53 anos Masculino Cabo-Verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: 4ª classe Imigrações prévias : -- Língua materna: Outras línguas: Agregado

Leia mais

Salmo 23.

Salmo 23. Anésio Rodrigues Salmo 23 www.bible.com/pt-br Bondade e Misericórdia me seguirão (Estudo sobre o Salmo 23) Salmo 23 Nova Versão Internacional Salmo 23 O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta. Salmo

Leia mais

CANTIGAS TROVADORESCAS

CANTIGAS TROVADORESCAS Aula CANTIGAS TROVADORESCAS META Traçar um panorama da poesia trovadoresca, apontando o papel de destaque dos reis cultos da Península Ibérica, que incentivaram a produção trovadoresca. Caracterizar estética

Leia mais

Uma Aflição Imperial.

Uma Aflição Imperial. Uma Aflição Imperial. Amanda Silva C. Prefácio Uma aflição Imperial conta a história de uma garota chamada Anna que é diagnosticada com tipo raro de câncer leucemia sua mãe é paisagista e tem apenas um

Leia mais

vocação: um sentido à vida

vocação: um sentido à vida vocação: um sentido à vida Coleção Jornada Vocação: um sentido à vida, Dom Hilário Moser Vocação: um sentido à vida Dom Hilário Moser Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial:

Leia mais

TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde

TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde TRANSCRIÇÃO PRÉVIA PROJETO PROFALA TRANSCRITOR(A): Késsia Araújo 65ª ENTREVISTA (J.D.T.S) Cabo Verde PERGUNTAS METALINGUÍSTICAS Doc.: J. quais são as línguas que você fala " Inf.: eu " (+) inglês né falo

Leia mais

AMOR CORTÊS: UMA INVENÇÃO DOS TROVADORES PARA CANTAR MULHER 1

AMOR CORTÊS: UMA INVENÇÃO DOS TROVADORES PARA CANTAR MULHER 1 AMOR CORTÊS: UMA INVENÇÃO DOS TROVADORES PARA CANTAR MULHER 1 Nadiá Paulo Ferreira Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ nadia@corpofreudiano.com.br Amor cortês: uma invenção dos trovadores para

Leia mais

2) resistencia (andré galiano) ella mis recuerdos de ella y no regreso más. gira su hermosa vida y vuelve a su lugar resistencia siempre va a estar

2) resistencia (andré galiano) ella mis recuerdos de ella y no regreso más. gira su hermosa vida y vuelve a su lugar resistencia siempre va a estar LETRAS E CIFRAS BASTIDORES: DISCOS DE VINIL E FITAS 2008 1) alma coletiva 2) resistencia 3) alguma impressão 4) noite perfeita 5) colecionando finais 6) ponte na contramão 7) hi fi 8) pouco em mim 9) inspiração

Leia mais

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia)

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia) Vamos adorar a Deus //: SI LA SOL LA SI SI SI LA LA LA SI SI SI SI LA SOL LA SI SI SI LA LA SI LA SOOL SOOL :// Vamos adorar a Deus, Meu Senhor e Salvador Vamos adorar a Deus, com o nosso louvor. B I S

Leia mais

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa

O PASTOR AMOROSO. Alberto Caeiro. Fernando Pessoa O PASTOR AMOROSO Alberto Caeiro Fernando Pessoa Este texto foi digitado por Eduardo Lopes de Oliveira e Silva, no Rio de Janeiro, em maio de 2006. Manteve-se a ortografia vigente em Portugal. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Descubra o Poder do VERMELHO

Descubra o Poder do VERMELHO Descubra o Poder do VERMELHO Por que ser Mary Kay? O que você fez para chegar até aqui? Você tem desejo ardente por esta carreira maravilhosa? Quando você será diretora? Mary Kay Ash já dizia... Se você

Leia mais

HOSANA REPERTÓRIO. Hosana, Hosana Hosana nas alturas Hosana, Hosana Hosana nas alturas

HOSANA REPERTÓRIO. Hosana, Hosana Hosana nas alturas Hosana, Hosana Hosana nas alturas 1 HOSANA Composição: Brooke Fraser-Hillsong Publishing / Versão: Cia do Louvor Eu vejo o Rei da glória vindo com o Seu poder A Terra vai estremecer Eu vejo Sua graça os pecados perdoar A Terra vai então

Leia mais

Oração para pedir a casa própria

Oração para pedir a casa própria Oração para pedir a casa própria Uma poderosa oração para sair do aluguel! Esta é uma Oração que deve ser feita pelo menos por nove dias seguidos e deve-se ter em mente a casa desejada, de preferência

Leia mais

) ) .,. MEB- 50 ANOS ";.. QUANTO AFETO, QUANTA ALEGRIA RENOVADA EM CADA ENCONTRO... VIVA A VIDA! " MARIA ALICE ~ )

) ) .,. MEB- 50 ANOS ;.. QUANTO AFETO, QUANTA ALEGRIA RENOVADA EM CADA ENCONTRO... VIVA A VIDA!  MARIA ALICE ~ ) ) 1 ) ) ).,. I ) I MEB- 50 ANOS ";.. QUANTO AFETO, QUANTA ALEGRIA RENOVADA EM CADA ENCONTRO... VIVA A VIDA! " MARIA ALICE ) ) ~ ) ( ' A MUSICA DA CAMPANHA DAS ESCOLAS RADIOFONICAS LEVANTO JUNTO COM O SOL

Leia mais

RESUMO. Palavra-chave: lírica trovadoresca; trovadorismo galego-português.

RESUMO. Palavra-chave: lírica trovadoresca; trovadorismo galego-português. RESUMO Pesquisa desenvolvida para apontar as diferentes características existentes na lírica trovadoresca na Europa, no século XII, como um todo, e principalmente apresentar as características dessa lírica

Leia mais

A) Um tal home sei eu, ai bem talhada, que por vós tem a sa morte chegada; vedes quem é (e seed' ém nembrada): eu, mià dona.

A) Um tal home sei eu, ai bem talhada, que por vós tem a sa morte chegada; vedes quem é (e seed' ém nembrada): eu, mià dona. A) Um tal home sei eu, ai bem talhada, que por vós tem a sa morte chegada; vedes quem é (e seed' ém nembrada): eu, mià dona. Um tal home sei [eu] que preto sente de si [chegad' a] morte certamente; vedes

Leia mais

As melhores coisas da vida são de graça. Não creiam nisso!

As melhores coisas da vida são de graça. Não creiam nisso! As melhores coisas da vida são de graça. Não creiam nisso! As melhores coisas da vida não são de graça. Sucesso e vitória não vêm sozinhos, requerem preparo e realização. A amizade não é unilateral; para

Leia mais

(18/04/2008) (EU): OIE BB (VC): OIIIIIIIIIIIIIII (EU): TUDO CERTO (VC): TUDO CERTIN.. (EU): CONSEGUINDO LEVAR A VIDA REAL A SERIO AGORA?

(18/04/2008) (EU): OIE BB (VC): OIIIIIIIIIIIIIII (EU): TUDO CERTO (VC): TUDO CERTIN.. (EU): CONSEGUINDO LEVAR A VIDA REAL A SERIO AGORA? (18/04/2008) (EU): OIE BB (VC): OIIIIIIIIIIIIIII (EU): TUDO CERTO (VC): TUDO CERTIN.. (EU): CONSEGUINDO LEVAR A VIDA REAL A SERIO AGORA? (VC): HUAHSUASHUAHSUAHSUA SEI LÁ (EU): ENTENDO TUDO NO REAL TA DESABANDO

Leia mais