Avaliação Executiva de Indicadores no Governo do Estado de Minas Gerais: análise da implementação de uma ferramenta de Monitoramento e Avaliação 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Executiva de Indicadores no Governo do Estado de Minas Gerais: análise da implementação de uma ferramenta de Monitoramento e Avaliação 1"

Transcrição

1 Avlição Executiv de Indicdores no Governo do Estdo de Mins Geris: nálise d ileentção de u ferrent de Monitorento e Avlição 1 Autori: Éber Gonçlves, Felie Michel Sntos Arújo Brg, Eder Sá Alves Cos RESUMO O objetivo do resente trblho é nlisr ileentção d ferrent de Monitorento e Avlição (M&A), Avlição Executiv de Indicdores (AEI), elo Governo do Estdo de Mins Geris. Tl ferrent constitui-se e u instruento que, segundo critérios objetivos e dronizdos, indic s liitções dos indicdores que fze rte do odelo de contrtção de resultdos no Governo de Mins Geris. Ess vlição dronizd, lé de servir coo dignóstico d turidde d crteir de indicdores, constitui-se nu referencil r elhori contínu dess crteir, contribuindo r institucionlizção e erfeiçoento ds tividdes de onitorento no Estdo. A idei d AEI derivou-se do conheciento de u roost etodológic desenvolvid or consultores do Bnco Mundil junto o Consejo Ncionl de Evlución de l Polític de Desrrollo Socil (CONEVAL). Mins Geris, de neir ioneir, co o oio d consultor Git Busjeet, ileentou etodologi ós roover s dtções o seu rório contexto. O instruento consiste nu série de 34 ergunts direts (co oções de resost si, não, ou si, rcilente ), que estão distribuíds e qutro eixos co esos diferencidos: Produção dos Ddos, Produção do Indicdor, Conceito e Metodologi, e Uso e Counicção. Co esss ergunts buscou-se identificção d resenç, ou usênci, ds crcterístics desejáveis os indicdores, tl coo reconizdo n litertur sobre o te: CREAM (Cler, Relevnt, Econoic, Adequte e Monitorble) e SMART (Secific, Mesurble, Achiveble, Relistic e Tiily). O forto do Mnul do Avlidor d AEI foi insirdo nos nuis do Progr Assessent Rting Tool (PART), do Governo dos Estdos Unidos. Dentre outrs inforções, o dignóstico d AEI, licd à crteir de indicdores retrtd no docuento Cderno de Indicdores trouxe u nálise do otencil de elhori e eritiu elborção de u lno de ção r cd indicdor. A vlição ossibilitou sistetizção dos critérios que deve conduzir seleção dos indicdores, crindo u eóri institucionl que reúne s inforções relevntes sobre seus tributos, ntes tcitente cuulds elos resonsáveis elo seu onitorento. A licção d AEI, já utilizd e relção os indicdores onitordos elo governo ineiro e 2007, 2009 e 2010, ont evolução d crteir, os gnhos otenciis e reis ssocidos às ções recoendds, rincilente e relção àquels que estão sob resonsbilidde d gestão estdul. N nálise do rocesso de ileentção d AEI elo governo ineiro, observ-se necessidde de se ter derênci entre identificção de u roble institucionl observdo e ccidde de resost de u dd ferrent de M&A. Observ-se co o estudo de cso, que AEI se resent coo ferrent de grnde utilidde r consolidção d rátic de M&A no governo estdul, contribuindo r o fortleciento d olític de contrtção de resultdos, u vez que evidenci s ossibiliddes e liitções do odelo e ont cinhos r seu erfeiçoento, segundo sisteátic dronizd. 1

2 1. INTRODUÇÃO A dend or ferrents que contribu r institucionlizção e erfeiçoento ds tividdes de onitorento é notdente crescente. Esse é o cinho ercorrido elos governos que, coroetidos co efetividde de sus ções, busc consolidção de seu siste de onitorento e vlição (M&A). N gestão r resultdos e Mins Geris ve sendo desenvolvid u série de trblhos co esse intuito. Dentre os trblhos is recentes está Avlição Executiv de Indicdores (AEI), cuj ileentção é nlisd neste rtigo. A AEI é u tecnologi crid el Unidde de Indicdores do Progr Estdo r Resultdos, co o oio d consultor Git Busjeet, r ser eregd n vlição d qulidde dos indicdores onitordos no âbito d gestão or resultdos do Governo do Estdo de Mins. A idei se bseou n etodologi desenvolvid or consultores do Bnco Mundil junto o Consejo Ncionl de Evlución de l Polític de Desrrollo Socil (CONEVAL). O instruento consiste nu série de 34 ergunts direts (n su iori do tio si ou não, outrs co oção de resost si, rcilente ), que estão distribuíds e qutro eixos co esos diferencidos: Produção dos Ddos, Produção do Indicdor, Conceito e Metodologi, e Uso e Counicção. Co esss ergunts buscou-se identificção d resenç, ou usênci, ds crcterístics desejáveis os indicdores, tl coo reconizdo n litertur sobre o te: CREAM (Cler, Relevnt, Econoic, Adequte e Monitorble) e SMART (Secific, Mesurble, Achiveble, Relistic e Tiily). Co esse instruento rocedeu-se vlição d crteir de indicdores finlísticos de 2009, no de elborção e exerientção d etodologi. E seguid foi relizd AEI 2010, e resost o objetivo inicil de fzer onderções sucessivs rtir dess tecnologi, co registro ds lições rendids. A últi relizd foi AEI 2007, osteriorente, escolhido or ter sido o no d crição do rogr Estdo r Resultdos. A crteir de 2008 não foi vlid. Tnto etodologi d vlição coo os resultdos d AEI 2009, cordos de for gerl os resultdos d AEI 2007 e 2010, são resentdos ns seções subsequentes. Esse rtigo é coosto or ess introdução, seguid el seção Gestão r Resultdos e Mins Geris, que contextuliz o uso de indicdores no governo estdul. N seção subseqüente resent-se o rco teórico, co o referencil ds rorieddes desejáveis os indicdores. N qurt seção qutro descreve-se ferrent AEI, sus origens e etodologi. A seção cinco trz os resultdos d AEI 2009, rieiro exercício de ileentção d tecnologi, enqunto seção seis é coost el breve corção dos resultdos encontrdos n AEI 2007, 2009 e Por fi são feits lgus considerções finis. 2. GESTÃO PARA RESULTADOS EM MINAS GERAIS A gestão r resultdos levd cbo e Mins Geris é singulr, rincilente or se trtr de u dtção ds recoendções d litertur r o contexto olítico e econôico estdul. Co bse ns reisss de juste fiscl e odernizção d dinistrção úblic, o estdo de Mins Geris instituiu, rtir de 2003, o rogr Choque de Gestão. Foi dotdo o dulo lnejento no governo, ssocindo ets de longo e de curto rzo. O lnejento de longo rzo se terilizou no Plno Mineiro de Desenvolviento Integrdo (PMDI ), elbordo elo oder executivo e rovdo elo legisltivo, que continh visão de futuro tornr Mins Geris o elhor estdo r se viver. 2

3 Aós conquist desse biente de equilíbrio fiscl e revigorento ds rátics de lnejento, criou-se condições r, rtir de 2007, elborção de u nov versão do PMDI, introduzindo orientção r resultdos de odo is robusto. O PMDI bordou os objetivos estrtégicos do governo or áres de resultdos. Esses objetivos for trduzidos e indicdores co ets definids r édio e longo rzo. Portnto, o odelo tul de gestão estdul surgiu de u conceçãoo co forte orientçãoo r resultdos, s su execução não teve cráter fixo e inlterável. Pelo contrário, reconhece-se desde o início necessidde de elhoris e busc d efetiv gestão or resultdos no Governo. A AEI é u fruto dess rocur. Antes de resentr etodologi e os resultdos d vlição, é ertinente fzer u breve descrição do histórico recente do uso de indicdores elo governo do estdo. O conhento e o uso de indicdores n gestão r resultdos e Mins Geris tor vulto rtir de 2007, co insturção do Progr Estdo r Resultdos 2. Entre sus tribuições está de ser o gurdião dos resultdos estbelecidos no PMDI e de zelr el qulidde dos registros dos indicdores utilizdos no onitorento dessess resultdos (GUIMARÃES; CAMPOS, 2009,. 10). O PMDI oercionlizou os objetivos do governo or eio de indicdores, chdos de indicdores finlísticos, que são conhdos e onitordos elo Progr Estdo r Resultdos, or interédio d Unidde de Indicdores. Os indicdores elencdos no PMDI estv nu nível de desenvolviento uito inicil. Dentre os indicdores roostos hvi lguns que er ens ideis de indicdores. Outros indicdores estv conceitulentee definidos, s não tinh su rieir ensurção relizd. Alguns indicdores tinh outros robles tis coo usênci de u série históric consolidd, eriodicidde suerior nul e defsge uito grnde n divulgção dos resultdos. Pr os indicdores que estv e u estágio de desenvolviento is vnçdo, for estbelecids ets de édio e longo rzo (2011 e 2023). Esses indicdores for levdos r os Acordos de Resultdos 2007, rieiros contrtos de gestão ctudos ós conclusão do PMDI Pr os Acordos de Resultdos 2007 estbelecer-se ets r o referido no e trnsortr-se s ets de 2011 que já constv no PMDI. Assi, reroduzir-se nos Acordos de Resultdos de 2007 s lcuns dos indicdores do PMDI, tl coo ostr FIG. 1. Figur 1: Distribuição dos indicdores do Acordo de Resultdos 2007 Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. Percebe-se, ortnto, que s tividdes do Progr Estdo r Resultdos, no que diz reseito o onitorento, coeçr co o desfio do riorento d crteir de 3

4 indicdores finlísticos r tender às necessiddes d gestão r resultdos, co ets nuis. O roble d indequção dos indicdores se refletiu n vlição dos Acordos de Resultdos Aroxidente 32% dos indicdores ctudos não tiver os resultdos desse no vlidos. Outros 9% for urdos or eio de roxy, coo ostr FIG. 2. Nos nos seguintes, foi feit então u revisão d crteir de indicdores, terind e julho de 2008, que culinou e u novo conjunto que reresentou u udnç significtiv cerc d qulidde e robustez e relção o qudro inicil, no que diz reseito à eóri de cálculo e construção desss esttístics (GUIMARÃES; CAMPOS, 2009,. 11). Ess ior qulidde e derênci os requisitos do odelo de gestão dos Acordos de Resultdos ode ser vist elo uento considerável de indicdores vlidos. Percebe-se, ind el FIG. 2, que uentou, o longo dos nos, o núero de roxies utilizds, de odo vibilizr vlição dos indicdores revistos no PMDI, ntendo o linhento co os objetivos estrtégicos. Refletindo o vnço observdo e 2008, crteir de indicdores finlísticos sofreu oucs lterções e Figur 2: Distribuição dos indicdores segundo for de urção 36% 25% 37% 2% % 22% 38% 1% Avlidos confore PM DI Avlidos trvés de roxy % 9% 32% Indicdores coleentres Não vlidos Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. Tendo lcnçd reltiv dequção d crteir às necessiddes d gestão e 2009, ublicse el rieir vez o Cderno de Indicdores 3. Este docuento buscou tornr úblic evolução exerientd no odelo de gestão or resultdos, evidencindo seus liites, desfios e ossibiliddes (MINAS GERAIS, 2009,.9). O Cderno de 2009 resentou o conjunto de 104 indicdores finlísticos revisdos e dequdos o onitorento nul, distribuídos confore lógic estrtégic de tução do governo estdul, or áres de resultdos. A reiss foi que todos eles deveri ser uráveis nulente, ind que co lgu defsge teorl e deveri estr linhdos à estrtégi de longo rzo estbelecid no PMDI. O conjunto de indicdores foi revisto e tulizdo, coo recoenddo r cd negocição nul, subsidindo construção d segund edição do Cderno de Indicdores e , coost or 105 indicdores. Reconhece-se necessidde de riorento contínuo do conjunto de indicdores, o que requer rofundr o conheciento sobre crteir e estbelecer os râetros que define o cinho r elhori. A AEI foi concebid co esse objetivo. 4

5 3. REFERENCIAL: PROPRIEDADES DESEJÁVEIS AOS INDICADORES A escolh e nutenção de bons indicdores no ortfólio d gestão r resultdos é fundentl. Esse cuiddo se justific or figurre os indicdores entre os rinciis instruentos de conhento dos resultdos dos rogrs governentis os quis se rticul (MPOG, 2010,. 17). É iortnte que escolh dos indicdores sej fundentd e coerente co recoendção d litertur. Diverss orgnizções buscr definir quis râetros são desejáveis r u indicdor. Entre esss diretrizes, destcrse àquels ssocids os crônios CREAM e SMART. Atende os requisitos CREAM, confore Shivo-Co e Tosi (1999), os indicdores que são: Clros (recisos e inequívocos); Relevntes (dequdos o te e czes de edir o que se retende edir); Econôicos (disoníveis custo rzoável); Adequdos (fornece u bse suficiente r vlir erfornce do rogr); e Monitoráveis (ssíveis de vlidção indeendente). Indicdores CREAM deve refletir os resultdos de neir diret. Eles deve ser czes de edir o objetivo de for suficienteente recis, sere válidos teóric e rticente, eritir u colet de ddos efetiv e sere sensíveis udnçs nos resultdos. Ao retrtr os resultdos, é desejável que sej desgregdos, eritindo corções or uniddes geográfics ou outrs fors de gregção. Já os requisitos SMART são relciondos indicdores que são Esecíficos, Mensuráveis, Atingíveis, Relevntes e Teestivos (MPOG, 2010,. 18). Esecificidde é qulidde do indicdor que não te u escoo lo ou genérico, ortnto, não conduz interretções duvidoss ou à erd de foco, ne te ets iossíveis de sere lcnçds els ções que coõe o rogr. Mensurável é o indicdor ssível de ser edido, logo, ele ode ser conhdo e onitordo. Atingível é o indicdor cujs ets são relists e viáveis, ou sej, ssíveis de sere tingids co os recursos hunos e teriis disoníveis, considerds tbé s restrições tíics d dinistrção úblic. E relção às ets tingíveis, cbe frisr que els deve ser, siultneente, ertinentes, relizáveis e desfidors. Ests crcterístics são reentes e u odelo de gestão r resultdos (GONÇALVES, CAMPOS e CARVALHO, 2010). Antes de tudo, é reciso ter clrez do que é u et fctível e desfidor. Deve-se buscr r cd indicdor u et que cobine o desfio, que otiv, e fctibilidde, que evit desistênci. Por outro ldo, u indicdor é relevnte se seu objetivo estiver ssocido u roble considerdo rioritário r gend governentl. Nesse cso, será linhdo às ções ou objetivos estrtégicos elencdos elos órgãos setoriis ou elo governo centrl. E o indicdor será teestivo se ossuir rzos deliitdos r ser ferido e for cz de contribuir, e teo hábil, co elhoris e riorentos do rogr vlido ou co o rocesso de tod de decisão. U indicdor ótio deveri, idelente, tender tods esss diretrizes. Ms, n relidde, tenderá o ior núero ossível. A relidde restringe s oções e iede que sej sere ilntdo o odelo idel. N iossibilidde de se trblhr co indicdores que ossue tods s crcterístics desejáveis, dite-se os liitdos. Por exelo, lgus bses de ddos e os indicdores dels derivdos não erite desgregção confore recoenddo, ou não tê brngênci desejd, ou, ind que necessários e justificdos, não são econôicos. U ortfólio coosto or indicdores ótios, que tende stisftoriente às crcterístics CREAM e SMART, é fundentl r retrtr relidde, r resonder à ltur o desfio de sintetizá-l. O be-estr socil é is colexo do que o odelo 5

6 coosto or indicdores que busc resui-lo. Esse siste de esttístics deve, necessriente, ser lurl - orque nenhu edid ode resuir lgo tão colexo coo o be-estr dos ebros d sociedde, nosso siste de edição recis brnger u série de edids diferentes 5 (STIGLITZ; SEN; FITOUSSI; 2010,. 12). A crteir de indicdores não ode retender edir tudo, ou se tornri ineficiente, or deserdiçr recursos, e ineficz, or disersr esforços e rejudicr o lcnce dos resultdos. Ms não ode deixr de edir o essencil, de reunir s inforções que ode subsidir elhori d tod de decisão. Alé disso, s edids deve ter significânci, não deve ser oercionlizds or obrigção ou iosição legl, s or se constituíre ferrents úteis todo o ciclo de gestão ds olítics úblics (MPOG, 2010,. 21). Tendo e vist esse referencil e busc de solução do roble de fortleciento do siste de M&A, buscou-se o desenvolviento d Avlição Executiv de Indicdores, resentd n seção seguinte. 4. A AVALIAÇÃO EXECUTIVA DE INDICADORES As revisões r elhori dos indicdores que coõe crteir ineir deveri ser blizds or u etodologi esecífic, dronizd e que udesse ser licd eriodicente. A etodologi deveri exor s bses r o julgento d qulidde dos indicdores, identificndo sus forçs e frquezs, sus ossibiliddes e liitções. O resultdo desse rojeto é descrito nest seção. E julho de 2009 for elbordos os esboços iniciis do questionário e do Mnul do Avlidor 6. E novebro u rieir versão desses docuentos foi consolidd r licção de u ré-teste. No ré-teste for vlidos qutro indicdores. A rtir d exeriênci do ré-teste e ds sugestões d consultor d vlição, Git Beker Busjeet, tnto o questionário coo o nul do vlidor for riordos r tender dequdente os objetivos d vlição. As versões do nul e do questionário que viri ser utilizds n vlição for concluíds e dezebro de 2009, dt d rieir rodd de vlição. O questionário é coosto or 34 quesitos que estão divididos e qutro eixos: Figur 3: Qudro descritivo dos eixos que coõe AEI Produção dos Ddos contel os eleentos do rocesso de rodução dos ddos utilizdos no cálculo do indicdor. Avli qulidde dos rocessos de colet, registro e consolidção dos ddos, be coo su historicidde, for de divulgção e outros sectos. Produção do Indicdor coreende o rocesso finl de cálculo do indicdor. Exin existênci de registro d etodologi, eóri dos rocedientos de cálculo, be coo extensão d série históric, for de rzenento ds inforções e outros sectos relevntes. Conceito e Metodologi exin s rorieddes conceituis, etodológics e de linhento do indicdor co s olítics úblics. Esse eixo trt tbé d clrez de objetivo, fcilidde de interretção, suficiênci, econoicidde, dentre outros sectos relciondos. Uso e Counicção vli rorição do indicdor els instituições e gestores governentis e su divulgção r sociedde. Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. 6

7 O núero de quesitos e cd u dos eixos é distinto: 13 estão no eixo Produção dos Ddos, seis n Produção do Indicdor, 11 e Conceito e Metodologi, e qutro e Uso e Counicção. Os esos dos eixos e dos quesitos nos eixos - n vlição gerl do indicdor tbé são diferentes e for definidos elos técnicos d Unidde de Indicdores rtir d nálise de lguns critérios, tis coo, núero de quesitos e relevânci do eixo n exeriênci recente d gestão úblic r resultdos do Governo de Mins. Os robles relciondos à fse de rodução dos ddos rece recorrenteente n tividde de onitorento d Unidde de Indicdores, ois eles iõe liitções o cálculo e conhento dos indicdores. Por esse otivo, o eixo rodução dos ddos teve ior detlhento. Isso está refletido no núero de quesitos que o coõe e no seu eso reltivo. Adeis, os esos dos quesitos nos eixos for definidos co utilizção de etodologi de corção r r. A etodologi consiste n tribuição d iortânci de cd quesito n vlição e relção todos os outros. U quesito ode ser considerdo is, igulente, ou enos iortnte que outro. O quesito considerdo is (enos) iortnte que iori dos outros quesitos recebe ior (enor) eso. A licção d etodologi de corção foi relizd elos técnicos d Unidde de Indicdores o longo de reuniões que subsidir tribuição dos esos reltivos. A vlição foi executd or 10 técnicos d Unidde de Indicdores. Cd técnico vliou o conjunto de indicdores sob su resonsbilidde de conhento no âbito d gestão r resultdos do Governo de Mins. O rincil instruento d vlição foi o Mnul do Avlidor 7, já enciondo nteriorente. Estbelecer-se lguns rocedientos sequenciis n execução d vlição. Inicilente cd técnico d Unidde de Indicdores resondeu o questionário, vlindo os indicdores elos quis é resonsável elo conhento. As ergunts for resondids rtir ds inforções disonibilizds els instituições resonsáveis nos docuentos oficiis e nos sítios eletrônicos. Qundo esss fontes não trzi s inforções necessáris r resonder os ontos do quesito, o vlidor fzi contto direto co os resonsáveis, essolente, or telefone ou or e-il. Não houve registro de dificulddes n obtenção ds inforções or contto direto, esecilente nos feitos co resonsáveis nos órgãos estduis. Os ebros d equie d Unidde de Indicdores já tinh u cnl de counicção estbelecido co os resonsáveis elos ddos riários ou registros dinistrtivos. Este cnl foi estbelecido no conhento sisteático dos resultdos dos indicdores finlísticos. Procurou-se dr is ênfse n necessidde de se construir e consolidr o conheciento sobre o indicdor e enos no cráter vlitório do trblho. As dúvids sere er colocds e u to eno r evitr resistênci or rte dos resonsáveis. As inforções sobre s fontes secundáris for obtids quse que totlente nos docuentos já disonibilizdos els instituições. Meso ssi, lgus instituições receber visit técnic de coonentes d Unidde de Indicdores co o intuito de lir o conheciento já cuuldo sobre s fontes de ddos. Coo exelo, encion-se visit técnic feit o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic. Nest visit foi rofunddo o conheciento sobre os rocessos de rodução d Pesquis de Orçentos Filires (POF) e Pesquis Ncionl or Aostr de Doicílios (PNAD). 7

8 As resosts r dee todos os quesitos r todos os o indicdoores for redigids de d neir sintéétic e consoolidds e u lnillh eletrônic dronizzd. O objeetivo dest lnilh foii reuniir tods s inforçõees relevntees r trribuição d resost ddo vlidorr: si; si,, rciilente; ou o não. Neess lnilhh for ex xecutdos os o cálculoss de dese enho doss indiccdores or eixo, or árre de resultdos e d crteir c co o u todo.. Aóss vlição reliinnr de cd técnico, os resultddos er leevdos r o que see denooinou Worrksho de Avlição. A O Worksho o consistiuu nu reuunião de trblho co rticição de todos técniicos d Uniidde de In ndicdores. Ness reunnião se ressv cd u ds resostts dds eelos vliddores. For relizdoos 10 worksshos de vlição. Noo workksho s ressosts er discutids, rejeits ou o oidss. Os técnicoos si do o worksho co s indicçções de elhori ds resosts. Aesr de cnstivs e desgstntes, essss reuniiões n errceção doos rórios vlidorees for exxtreentte iortn ntes r o nivellento connceitul e r dronnizção dss resosts. N et seeguinte, os vlidoress relizzv s ddequções sugerids s noo worksho. E gerl, esss dequuções er relizdss riddente (doois ou três dis). d E lgus ocsiões foi neecessário fzer nov consult oss docuuentos de referênci, reforçr s evidêncis e té reto r o contto co os reesonsáveiss eloss ddos. Co s dequçções feits, s resosts er nov vente coonsolidds n lnilh eletrônic elo coordendoor d vlição. O cooordendor tbé t fzzi ness et u reevisão gerll r (ffortção,, dronizção). Ele reuni r s reesosts doos técnicos, fzi u ds resosts nov leitur e crrític. Os rrobles iind identifiicdos ness et er resolvido os co cd u dos d vlidoores. Concluuíd ess ett, o resu ultdo finl foi subetiido o coorrdendor d Uniddde de Inddicdores r vlidçãão finl. E oucs siituções houuve necessiidde de see retifiicr lgu quesito ós subisssão r vlidção finnl. A vllição foi considerd c encerrrd ós vlidção do resonsável el Unidde U de Indicdores.. Figu ur 4: Proceessos d Avvlição Exxecutiv de Indicdores I s Fontee: Unidde de Indicdores/P Progr Estdo r Resulltdos. 5 RESULTADOS DETALH 5. HADOS DA A AEI 2009 Conffore descrrito n etoodologi d vlição, o indicdorr recebe u not igul zero, 500 ou 1000 e cd quesito. A not do inddicdor é clculd orr édi rit étic ond derd. Já o resulltdo or grruo de inddicdores, cooo or áre de resulttdos, or eeixo d vlição ou o resulltdo gerl d crteirr, é clculldo or édi rit étic siles do ressultdo doss indiccdores. A fi de exliccitr o oteencil e contribuição o efetiv d AEI, ssreos discutir co is detlhe os resultdos d AEI 20009, elencd dos n TAB. 1, or eixoo e áre de resultdos.. Obseerv-se quee, nu vlição de zero 100 0, o ortfóllio de indiccdores finlísticos d gestãão r resuultdos de Mins M Geris recebeu u not de d 68,5 onntos. O eixo o is be vliido foi Prrodução doos Ddos (75,6 ontos), seguiddo de Connceito e Metodologi, M, Proddução do Inddicdor e Usso e Counnicção (71,,7; 63,8; e 52,1 5 ontos;; resectiv ente). 8

9 Tbel 1: Resultdo gerl or eixo e áre de resultdo, AEI 2009 Áre de Resultdo Produção dos Ddos Produção do Indicdor Conceito e Metodologi Uso e Counicção Not Finl Educção de Qulidde 88,1 64,8 82,4 74,2 79,6 Vid Sudável 89,9 66,3 74,1 56,0 75,4 Qulidde Fiscl 90,2 65,8 67,2 69,6 75,4 Redução d Pobrez e Inclusão Produtiv 89,3 68,1 77,7 41,6 74,4 Investiento e Vlor Agregdo d Produção 84,1 69,3 73,5 58,8 74,2 Desenvolviento do Norte de Mins, Jequitinhonh, Mucuri e Rio Doce 79,6 61,5 82,8 43,7 71,5 Defes Socil 68,9 64,8 79,9 61,5 70,2 Qulidde Abientl 72,7 63,1 63,6 57,0 65,7 Logístic de Integrção e Desenvolviento 62,8 58,1 76,5 57,3 65,1 Protgoniso Juvenil 64,1 60,3 78,7 33,9 63,2 Inovção, Tecnologi e Qulidde 61,4 61,8 60,6 46,6 59,0 Rede de Ciddes e Serviços 62,4 61,0 61,5 33,3 57,5 Qulidde e Inovção e Gestão Públic 54,8 57,3 69,8 36,6 57,0 TOTAL 75,6 63,8 71,7 52,1 68,5 Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. A áre de resultdos co o conjunto de indicdores is be vlido é Educção de Qulidde co 79,6 ontos. El está 11 ontos ci d édi gerl e qutro ontos ci d not de Vid Sudável que rece logo n sequênci (75,4). Os sistes de esttístics desss dus áres são bstnte desenvolvidos. São áres de grnde relevânci socil e, or conseqüênci, de uito interesse dos estudiosos. Els ossue bses de ddos consolidds e indicdores reconhecidos elos rofissionis d áre de onitorento e vlição. Atribui-se esses ftores bo vlição desss dus áres de resultdos. A elhor e ior rodução de ddos for verificds ns áres de resultdo Qulidde Fiscl e Qulidde e Inovção e Gestão Públic, os ilres do Estdo r Resultdos: 90,2 e 54,8 ontos, resectivente. Qulidde e Inovção e Gestão Públic é tbé áre de resultdo co ior vlição gerl (57,0). A diferenç ode ser tribuíd às crcterístics intrínsecs às tividdes relizds nesss áres. Os ddos fiscis ossue regulentção legl e, or isso, são objeto de rigoroso controle, são dronizdos or nors ncionis e uditdos sisteticente. Já o registro ds inforções tinentes à tividde de gestão úblic coeçou só uito recenteente receber ior cuiddo. Por isso, os indicdores d áre estão e u estágio de desenvolviento uito inicil. O desfio de riorr os indicdores de gestão é lido qundo se trt de outcoes, u vez que ess é crcteristicente u áre eio. No eixo Produção do Indicdor, destque r áre de resultdo Investiento e Vlor Agregdo d Produção que obteve 69,3 ontos. Logístic de Integrção e Desenvolviento e Qulidde e Inovção e Gestão Públic figur co s iores nots nesse eixo, bs inferiores 60. Desenvolviento do Norte de Mins, Jequitinhonh, Mucuri e Rio Doce (82,8) e Educção de Qulidde (82,4) são s áres de resultdo is be vlids no eixo Conceito e Metodologi. É iortnte ressltr que rieir é ford or indicdores ds outrs áres, ens co o recorte dess região enos desenvolvid no Estdo, tis coo de educção e 9

10 súde. Coo Edducção de Qulidde e Vid Su udável são s dus áres is be vlids,, d se eserrr que Desennvolvientoo do Norte de d Mins, Jequitinhonh J h, Mucuri e Rio Docee er de tbbé fosse. Uso e Counicção, eixo co c ior noot gerl, teeve u bo vlição ns áres de d resultdoo Educcção de Qulidde Q e Quliddee Fiscl. A rieir ficou f ci dos 70 o ontos. Já segunnd ficou uito róxii dess not. n A io or vliçãoo nesse eixoo foi n áree Rede dee Ciddes e Serviçços, co 333,3 ontos. As nots n bixs do eixo Usso e Counnicção od de ser iutds duus cuss rinciis: usênnci de çõees de counnicção e oo bixo reco onhecientto do indicdor, derivd do d bix quliidde edidd elos ouutros três eiixos d vlição. Connsider-se qque est últi sej cus reonderrnte. Indicdores que não detê s roriedddes desejááveis enciionds noss eixoss nteriores e que, or isso, não ossue o reeconhecieento dos roofissionis d d áre quee rereesent, difficilente teerão u usoo efetivo e serão s objetoos de ções de couniccção. Os inndicdores tbé foor clssifficdos e cinco ctegoris (níveis de tu uridde) dee corddo co oontução obbtid n vlição. O nível n is elevdo e de turidde é o nível 1,, denooindo Suuficiente. Pr ertenccer est clsse o inndicdor deeve ter nott igul ouu suerrior 80. O níível de turidde i editennte inferiorr é o Modderdo, do qul fze rte oss indiccdores vllidos entree 70 e 80 oontos. Os in ndicdores n n fix entrre 60 e 70 coõe c o gruo dos indicdores co turiddee Liitd. N sequêncci estão os indicdores co nívell de turidde F Frco e Preccário, cujss nots n vlição vri entre 40 e 60 e entre e zero e 40, resectivente. A FIG. 5 ostr que iior rte doss indicdorees foi clssiificd el AEI 2009 no nível dee desennvolviento Moderddo (37,5%).. Aens 19,2% 1 dos indicdores ertence o nívell consiiderdo Sufficiente. Essse ercentul é inferiorr o de indiccdores do nnível Frco:: 23%. Figu ur 5: Perceentul de in ndicdores or nível dee desenvolvviento Suficiente ,1% 20,2% 19,2% % 37,5% Moderdo Liitdo Frco Fontee: Unidde de Indicdores/P Progr Estdo r Resulltdos. Outro exercícioo relizdo co os reesultdos d d AEI consistiuu n identiificção doo otenncil de elhor d quulidde d crteir. Esse exercícioo ode ser ffeito sob dois cenários:: (1) ntendo-se e os esos indicdorees; ou (2) trrocndo-se indicdores i or outros.. No rieiro, levvnt-se os o ontos que, q sob tução doss resonsáveeis ou dos técnicos d Uniddde de Inddicdores, ode ser elhordo os e cd indicdor d crteir. Ou sej,, identtific-se quis quessitos oderri, co o trblhho direcionndo d Unidde U dee Indiccdores, ter resost convertid c d tios n dos não ou si, rcileente r si. No entnto, e ne todos os eleentos estão sob gestão dos resonsávveis ou d Unidde U dee Indiccdores. Duus situçõees exelifiic o segu undo cenáriio. As lcunns etodollógics nãoo 10

11 ode ser suriids ntendo-se o indicdor n crteir. Isso ocorre orque lterção n etodologi signific, e rieir instânci, doção de outro indicdor. Adeis, uitos indicdores são clculdos co fontes de ddos secundáris e, or isso, sus crcterísticss não ode ser lterds els equies citds. Coo or exelo, cit-se o cso de u indicdor cuj fonte de ddos é secundári e esses só são disonibilizdos co is de u no de defsge. Dificilente se oderá estbelecer u ção r reduzir esse teo, or não estre os resonsáveis or el subetidos à utoridde do governoo estdul. A FIG. 6 ilustr o resultdo gerl e nos qutro eixos, be coo o otencil de elhor de cd u deles. N rte inferior ds coluns resent-se os ontos obtidos e cd eixo. A rcel de ontos no relce interediário d colun corresonde o otencil de elhori, ntendo-se os esos indicdores n crteir. Já rte suerior, destcd no interior d áre trcejd, reresent o esço no qul s ções de elhori não estão sob gestão d Unidde de Indicdores elos otivos já exlicitdos. Observ-se que o eixo Uso e Counicção é o que te, reltivente, ior ossibilidde de elhor. Ddo que su vlição ficou e quse 52% e que tods s lcuns desse eixo ode ter lgu intervenção d Unidde de Indicdores, existe u otencil rel de elhori de 48% %. O eixo Produção do Indicdor tbé resent u grnde otencil de elhor, no qul existe u lcun equivlente 36%. Iortnte destcr que esse eixo está e grnde rte sobre resonsbilidde diret d Unidde de Indicdores. Assi, sugere-se u direcionento d Unidde n solução dos robles identificdos nesse eixo, o que ode resultr e u elhor sensível d qulidde dos indicdores. Os outros dois eixos já resent lgu esço no qul os indicdores não ode ser erfeiçodos, cso oçãoo sej ntê-los n crteir: 5% e Produçãoo dos Ddos e 23% e Conceito e Metodologi. Figur 6: Resultdo gerl e otencil de elhor or eixo ,3% 19,1% 0,9% 22,6% 5,7% 9,0% 22,5% ,6% 35,3% 63,8% 71,7% 0,0% 47,9% 52,1% 68,5% Produção dos Ddos Produção do Indicdor Conceito e Metodologi Uso e Counicção Not Finl Pontuçãoo não lcnçável Pontução otencil Pontução obtid Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. Co esses resultdos e exelos evidenci-see que AEI é is do que u siless vlição. É u vlioso instruento gerencil. De neir brngente, AEI ve uxilir gestão de indicdores definir su estrtégi r o erfeiçoento d crteir. Alé disso, 11

12 de neir is esecífic, el revel os ontos de deve ser trblhdos e cd u dos indicdores no Plno de Ação. Mis iortnte do que not ou clssificção obtid elo indicdor é identificção dos ontos que ode ser elhordos. Foi co esse intuito que for rerdos u Plno de Ação r cd indicdor, u docuento que descreve de neir sintétic os resultdos geris d vlição do indicdor, elbordo elos vlidores ós et de vlidção. O docuento conté ens dus ágins r cd indicdor, frente e verso (FIG. A do Aêndice). Os itens de identificção são resentdos no too d rieir ágin. São resentdos o noe do indicdor, órgão e esso resonsável, not gerl obtid n vlição, clssificção de turidde e objetivo. O resultdo obtido é ilustrdo or u equeno gráfico que trz not obtid nos qutro eixos. O coro d rieir ágin do Plno de Ação trz ind s considerções geris sobre erforce, u descrição sucint dos sectos ositivos e ds lcuns do indicdor e cd u dos eixos d vlição. Procur-se destcr os sectos deterinntes d not obtid elo indicdor, ositivos ou negtivos. O Plno de Ação tbé se contitui u esço r se roor ções r elhori dos sectos considerdos deficientes. É iortnte encionr que ne todos os sectos são ssíveis de ções de elhori. Pode-se citr os robles relciondos à etodologi de cálculo do indicdor. Se etodologi de cálculo é considerd indequd r tender o objetivo roosto r o indicdor, então ess lcun só oderá ser resolvid co lterção d etodologi, o que significri substituição do indicdor. A sugestão d etodologi de cálculo dequd estrá resente no Plno de Ação no qudro de recoendções. 6. Resultdos cordos d AEI 2007, AEI 2009 e AEI 2010 A FIG. 7 trz o resultdo gerl d AEI 2007, 2009 e 2010, or áre de resultdos. Observ-se que, nu vlição de zero 100, o ortfólio de indicdores finlísticos d gestão r resultdos de Mins Geris recebeu u not de 54,3 n AEI 2007, 68,5 n de 2009 e 74,0 n de O cresciento ont que, e relção o conjunto de quesitos que coõe vlição, houve elhor r tods s áres de resultdo. A áre de resultdo co elhor vlição dos indicdores e 2010 foi Educção de Qulidde, já ior foi Inovção, Tecnologi e Qulidde. Figur7: Resultdo gerl or áre de resultdo, AEI 2007, 2009 e 2010 TOTAL 54,3 68,5 74,0 Educção de Qulidde 58,1 79,6 83,5 Vid Sudável 64,7 75,4 82,5 Qulidde Fiscl 59,8 75,4 80,8 Redução d Pobrez e Inclusão Produtiv 55,6 74,4 79,0 Investiento e Vlor Agregdo d Produção 54,9 74,2 79,2 Desenvolviento do Norte de 60,2 71,5 77,9 Defes Socil 54,1 70,2 72,3 Qulidde Abientl 59,9 65,7 74,6 Logístic de Integrção e Desenvolviento 33,7 65,1 69,5 Protgoniso Juvenil 48,3 63,2 68,5 Inovção, Tecnologi e Qulidde 39,3 59,0 64,2 Rede de Ciddes e Serviços 47,8 57,5 64,6 Qulidde e Inovção e Gestão Públic 39,7 57,0 66,2 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 AEI 2007 AEI 2009 AEI

13 Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. Cure observr lgus liitções cerc d elhor bsolut o longo dos nos. É reciso slientr que AEI 2007, or exelo, foi relizd e 2010, ortnto, co u eríodo significtivo de defsge, que uentou dificuldde de reunir evidêncis que justificsse resosts si r lguns dos quesitos. Alé disso, coo enciondo nteriorente, u ercentul elevdo, de 32% dos indicdores revistos r 2007, não foi vlido. Destrte, diferenç de nível entre AEI 2007 e AEI 2009 não é devid ens gnhos de rodutividde e ccitção n gestão de indicdores, s tbé à udnç n coosição d crteir, que linh objetivos ideis indicdores de ensurção fctível. Outro destque refere-se o curto eríodo coreendido entre relizção d AEI 2009 e AEI 2010, enos de seis eses, qundo o idel seri u no. Os resultdos d AEI 2009, reunidos nos Plnos de Ação, não uder ser utilizdos r contrtção dos Acordos de Resultdos de Recoendções derivds d vlição de 2009, ts lir elhori observd entre AEI 2009 e AEI 2010, serão discutids co os resonsáveis elos indicdores nos órgãos estduis, co execttiv de erfeiçoento d orgnizção, d segurnç e d fcilidde de nuseio ds bses de ddos, or exelo, co reflexos eserdos r AEI A TAB. 2 deonstr coo foi distribuição or eixos r not gerl d crteir de indicdores. O núero bsoluto reresent not cuuld e cd eixo e, entre rênteses, resent-se o ercentul d not obtid e relção à not áxi de cd eixo. Tbel 2: Resultdo gerl or eixo, AEI 2007, 2009 e 2010 Áre de Resultdo Produção dos Ddos 25,1 (71,8%) 26,5 (75,6%) 27,6 (78,7%) Produção do Indicdor 2,4 (12,0%) 12,8 (63,8%) 17,2 (85,9%) Conceito e Metodologi 23,0 (76,6%) 21,5 (71,7%) 21,6 (72,0%) Uso e Counicção 3,9 (25,7%) 7,8 (52,1%) 7,7 (51,3%) Not Finl 54,3 AEI 2007 (54,3%) 68,5 AEI 2009 (68,5%) 74,0 AEI 2010 (74,0%) Fonte: Unidde de Indicdores/Progr Estdo r Resultdos. Percebe-se, el nálise d TAB. 2, que houve gnhos e todos os eixos, de , exceto e Conceito e Metodologi. Os quesitos que for cd eixo estão descritos no Aêndice, n FIG. A. A Produção dos Ddos recebeu iores nots grçs à elhor substncil e todos os quesitos, exceto o relciondo à ossibilidde de desgregção or unidde geográfic, que erneceu rticente constnte. A Produção do Indicdor teve o ior gnho cuuldo o longo dos nos. Por se trtr do eixo sob resonsbilidde diret d equie que relizou vlição, for reunidos esforços r uentr s nots dos indicdores, co efetiv relizção ds recoendções derivds ds vlições executivs. Alé disso, de 2009 r 2010, foi ossível roover udnçs ontuis, coo incororção de checgens sistetizds d rodução dos indicdores, verificção que gerou ior orgnizção ds eóris de cálculo e dos docuentos de descrição dos indicdores, or exelo. Entre AEI 2009 e AEI 2010 o ior gnho foi resultdo do quesito ssocido à checge e verificção do cálculo do indicdor, que uentou e qutro ontos not finl d crteir. 13

14 O eiixo Conceiito e Metoodologi teeve equen n qued o longo dds AEI. Issso orquee indiccdores ideis, sob o onto de viist etodo ológico, reesentes no cconjunto rrevisto r 20077, for suubstituídos e e 2009 e 2010 or indicdoress co qulificção eetodológic reltiivente enor, s ssíveeis de co onheento, enquunto os indicdores i s bnndondos nãão o er. A noot e Usso e Couunicção uuentou bstnte de 2007 r 2009, errnecendoo consttnte entre 2009 e Suõe--se que incororçãoo dos indiccdores finlísticos n gennd governentl os colocou e e evidêncci, ebor ind hjj uito esço r elhhorr: n TA AB. 2 é oossível notr que o eix xo teve rroxideente 50% d d su not otenncil áxi (7,7 onttos e 15). 7 Consider 7. ções Finiss O deesfio que se segue à relizção d AEI é o lnej ento ds ções de feedbck oss resoonsáveis eelos indicddores. É cerrto que cd d resonsávvel será vissitdo elo técnico d Uniddde, que resentrá o resultdoo d vliçção. O técnnico frá ss exlicçõees sobre oss resulltdos e ouvvirá s connsiderções do resonssável. Alé disso, o rresonsável receberá o Mnuul do Avllidor e o Plno de Açãão r que oss ser consultdo. c Entennde-se quee o cesso o Mnul do Avliidor elos resonsávveis é de fu undentll ioortânci rr o rocesso de erffeiçoento o dos indicdores. O M Mnul desscreve cd u ds crctterístics deesejáveis os indicdo ores, te u u funçãoo didátic e ode serr consuultdo no rrocesso de elborção e dos indicd dores ds insstituições. Ms ileenntção ds elhoris roosts no os Plnos de d Ação nãoo deve ser relizd r dee neeir dronnizd. Cdd instituiçãão te u dinâic róri dde funcionento. Oss orgãoos úblicoss estão e estágios diiferentes, co o reseitoo à rorição do con nhecientoo sobree s fontes de ddos, gerencien g nto d inforrção e etodologi de indicd dores. Nestee sentiido, roõe--se que ggend de exeecução ds ções de elhori sej definid cso cso. Outros ftores tbé deve d ser considerd dos nesse lnejen nto. Bsic ente doiss d ds rioridddes n execcução ds elhoris: o critérrios deve ser consideerdos n definição resulltdo d vlição e iortânci d áre do o onto de vist d geestão estrtéégic. Se oss indiccdores de u deter ind áre de resultdos, tid coo c rioriitári no lnejentoo estrtégico do governo, g tiveere u vlição ru ui, indubittvelente ess áre deeve receberr ri zi no lnejento d execuçãão dos lno os de elhoori. Nesse sentido, AEI é u instruuento quee contribui r dr foco no trblho relizddo el uniidde reson nsável eloo co nhentto dos indiccdores. A AEI A ve, oortnto, forrtlecer tividde dee onitor ento exerrcid el Unidde U dee Indiccdores. A FIG. F 8 ilustrr coo el se insere no n ciclo de rocedient tos nuis d d Unidde.. No rieiro tri estre equuie de técnnicos se ded dic à urção dos vlores fechdos do noo nterrior e, siultneentee, fz vlição ds ets ctuuds nos A Acordos de Resultdos. R. Conccluíd ess et, Unidde U dee Indicdorres trblh n ubliccção do Cderno C dee Indiccdores, cujjo conteúdoo é o conjuunto de ind dicdores ctudos nno no nteerior e co ets definids r o no corrente. Figu ur 8: Proceedientos nuis d tividde de onitor ento d Un nidde de Indicdores In Fontee: Unidde de Indicdores/P Progr Estdo r Resulltdos. 14

15 A AEI 2009 tbé foi relizd no rieiro triestre No entnto, coo ctução de indicdores e ets gerlente ocorre no finl do no (out-dez), os indicdores de 2010 já tinh sido ctudos qundo AEI 2009 foi concluíd. Não existiu u intervlo de teo r que s ções sugerids rtir d vlição d crteir de indicdores de 2009 fosse executds r o riorento dos indicdores ctudos r Por esse otivo, rtir de 2010 AEI ss ser relizd entre io e junho, coo ostr Figur 8. Aós conclusão d AEI será inicid execução ds elhoris sugerids nos Plnos de Ação (eríodo de julho setebro). Assi, s elhoris ileentds serão roveitds n et de negocição e ctução de indicdores e ets r o no seguinte. Co isso, eser-se que os indicdores ctudos gnhe e qulidde e, or conseqüênci, sej is be vlidos el AEI do no seguinte. A AEI roiciou u dignóstico objetivo d crteir de indicdores utilizd no odelo de contrtulizção d gestão r resultdos e Mins Geris. Dentre outrs inforções, o dignóstico trouxe u nálise do otencil de elhori de cd indicdor. A vlição ossibilitou sistetizção dos critérios que deve conduzir seleção dos indicdores, crindo u eóri institucionl que reúne s inforções relevntes sobre seus tributos, ntes tcitente cuulds elos resonsáveis elo seu onitorento. A AEI result ind n lição d trnsrênci e n diinuição d ssietri de inforção existente entre executores e gestores do rogrs governentis el ublicção dos tributos considerdos desejáveis os indicdores. A AEI contribui r o dureciento d gestão úblic bsed e evidênci: o uso de indicdores cujo érito é discutido de for objetiv e relicável. Alé disso, te otencil utilidde r outros governos estduis e de outrs esfers, tornndo ossível o benchrking e hoogeneizndo os gnhos co gestão de indicdores. A Unidde de Indicdores já relizou vlição d crteir de indicdores Os docuentos d AEI já for disonibilizdos os interessdos e, e breve, os resultdos serão divulgdos. A rtir de então, o trblho de erfeiçoento d crteir será feito, gor de neir tecnicente orientd. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BECHELAINE, Cinthi Helen de Oliveir. A gestão úblic or resultdos no estdo de Mins Geris: u estudo de cso sobre o Progr Estdo r Resultdos. Monogrfi (grdução) Fundção João Pinheiro, Escol de Governo de Mins Geris. Belo Horizonte, GONÇALVES, Éber; CAMPOS, Eder Sá Alves; CARVALHO, Florence Fiuz de. Análise e reflexão sobre etodologis r vlição de ets de indicdores de icto n gestão úblic r resultdos. III Congresso CONSAD de Gestão Públic. Brsíli: CONSAD, GUIMARÃES, Tdeu Brreto; CAMPOS, Eder Sá. Gestão or Resultdos e Mins Geris: Análise Crític do Arrnjo Increentl de Monitorento e Avlição. XXXIII EnANPAD XXXIII Encontro d ANPAD. São Pulo: ANPAD, MINAS GERAIS. Acordo de Resultdos, 1ª Et, Siste de Plnejento e Gestão. Belo Horizonte: SEPLAG,

16 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO. Secretri de Plnejento e Investiento Estrtégicos. Indicdores de rogrs: gui etodológico. Brsíli: Ministério do Plnejento, rço SCHIAVO-CAMPO, Slvtore; TOMMASI, Dniel. Mnging Governent Exenditure. Mnil,Philiines: Asin Develoent Bnk, STIGLITZ, Joseh E.; SEN, Arty; FITOUSSI, Jen-Pul. Reort by the Coission on the Mesureent of Econoic Perfornce nd Socil Progress Disonível e: < >. Acesso e 04/go. de Not 1 Os utores grdece contribuição d consultor Git Beker Busjeet n conceção d Avlição Executiv e os coonentes d Unidde de Indicdores do Progr Estdo r Resultdos que trblhr co finco r su concretizção. 2 O Progr Estdo r Resultdos foi crido el Lei Delegd n.º 112, de 25 de jneiro de O conhento dos indicdores finlísticos é feito el Unidde de Indicdores. Pr sber is sobre o Progr Estdo r Resultdos ver GUIMARÃES e CAMPOS (2008) e BECHELAINE (2009). 3 Disonível e: <htt://www.estdorresultdos.g.gov.br/index.h/sl-conheciento/ct_view/29- docuentos-do-rogr>. 4 Disonível e: <htt://www.estdorresultdos.g.gov.br/index.h/sl-conheciento/ct_view/29- docuentos-do-rogr>. 5 Trdução róri. Originl e inglês. 6 O forto do nul do vlidor construído r AEI foi insirdo nos guis do Progr Assessent Rting Tool (PART) do governo ericno. Mis inforções e: < htt://www.whitehouse.gov/ob/exectore/rt.htl>. 7 Disonível e: <htt://www.estdorresultdos.g.gov.br/index.h/slconheciento/doc_downlod/81-vlico-executiv-de-indicdores>. 16

17 APÊNDICE Figur A: Plno de Ação Frente e Verso 17

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais.

EXPOENTE. Podemos entender a potenciação como uma multiplicação de fatores iguais. EXPOENTE 2 3 = 8 RESULTADO BASE Podeos entender potencição coo u ultiplicção de ftores iguis. A Bse será o ftor que se repetirá O expoente indic qunts vezes bse vi ser ultiplicd por el es. 2 5 = 2. 2.

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras:

Física. Resolução das atividades complementares. F4 Vetores: conceitos e definições. 1 Observe os vetores das figuras: Resolução ds tiiddes copleentres Físic F4 Vetores: conceitos e definições p. 8 1 Obsere os etores ds figurs: 45 c 45 b d Se 5 10 c, b 5 9 c, c 5 1 c e d 5 8 c, clcule o ódulo do etor R e cd cso: ) R 5

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PROCESSO SELETIVO DE PROVAS E TÍTULOS PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PROFESSOR DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EDITAL N 004/2012 UNEMAT A, no uso de sus tribuições legis e em cumprimento ds norms prevists no rtigo

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

Avaliação Executiva de Indicadores na gestão para resultados do Governo de Minas Gerais 1

Avaliação Executiva de Indicadores na gestão para resultados do Governo de Minas Gerais 1 Avaliação Executiva de Indicadores na gestão para resultados do Governo de Minas Gerais 1 Éber Gonçalves Felipe Michel Santos Araújo Braga Eder Sá Alves Campos INTRODUÇÃO A demanda por ferramentas que

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Sindicatos. Indicadores sociais 2001

Sindicatos. Indicadores sociais 2001 Ministério do Plnejmento, Orçmento e Gestão Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic - IBGE Diretori de Pesquiss Deprtmento de Populção e Indicdores Sociis Sindictos Indicdores sociis 2001 Rio de Jneiro

Leia mais

Cinemática Dinâmica Onde estão as forças? Gravidade

Cinemática Dinâmica Onde estão as forças? Gravidade Forç e Moviento I Cineátic: prte n ecânic que estud os ovientos, independenteente de sus cuss e d nturez dos corpos. Dinâic: prte n ecânic que estud o oviento dos corpos, levndo e cont s forçs que produzir

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período.

1.8 Não será permitida a inscrição simultânea em mais de 2 (dois) componentes curriculares a serem lecionados no mesmo período. VISO PÚBLICO Nº 04/UNOESC-R/2015 O Reitor d Universidde do Oeste de Snt Ctrin Unoesc, Unoesc Virtul, entidde educcionl, crid pel Lei Municipl nº 545/68 e estruturd de direito privdo, sem fins lucrtivos,

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas

Pacto pela Saúde 2010/2011 Valores absolutos Dados preliminares Notas Técnicas Pcto pel Súde 2010/ Vlores bsolutos Ddos preliminres Nots Técnics Estão disponíveis, nests págins, os vlores utilizdos pr o cálculos dos indicdores do Pcto pel Súde 2010/, estbelecidos prtir d Portri 2.669,

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA: 022 - Progrm Súde d Fmíli 1. Problem: Alto índice de pcientes que visitm unidde Mist de Súde pr trtr de problems que poderim ser resolvidos com visit do médico em su cs.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

Modelação de motores de corrente contínua

Modelação de motores de corrente contínua Controlo de Moviento Modelção de otores de corrente contínu Modelção de áquins CC Introdução Historicente, o otor CC foi utilizdo de odo universl no controlo de velocidde, té o desenvolviento, sustentdo,

Leia mais

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de

Ter formação mínima em nível superior comprovada que atenda a formação acadêmica ou formação ou vinculação em programa de ANEXO II EDITAL Nº 04/2014 2 º PRORROGAÇÃO PARA VAGAS REMANESCENTES QUADRO DE VAGAS REMANESCENTES PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO DE PROFESSORES PESQUISADORES FORMADORES ÁREA DA PESQUISA EMENTA EIXO

Leia mais

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa.

II NÚMERO DE VAGAS: As vagas serão oferecidas em cada disciplina optativa de acordo com a disponibilidade institucional do Programa. Av. Fernndo Ferrri, 514 Vitóri ES CEP: 29.075-910 Cmpus de Goibeirs Tel/Fx: +55 (27) 4009-7657 E-mil: ppghis.ufes@hotmil.com http://www.histori.ufes.br/ppghis EDITAL DE SELEÇÃO DE CANDIDATOS A ALUNO ESPECIAL

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira

Educação integral/educação integrada e(m) tempo integral: concepções e práticas na educação brasileira Educção integrl/educção integrd e(m) tempo integrl: concepções e prátics n educção brsileir Mpemento ds experiêncis de jornd escolr mplid no Brsil UFPR UNB UNIRIO UFRJ UERJ UFMG ULBRA Educção integrl/educção

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014

Epidemiológico. Boletim. Dengue: monitoramento até a Semana Epidemiológica (SE) 29 de 2014 Boletim Epidemiológico Volume 45 N 17-2014 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde Dengue: monitormento té Semn Epidemiológic (SE) 29 de 2014 Em 2014 form registrdos 688.287 csos de dengue no pís

Leia mais

Plano de Gestão 2012-2015

Plano de Gestão 2012-2015 Plno de Gestão 202-205 - Cmpus UFV - Florestl - Grdução Missão: Promover polítics de incentivo à pesquis, pós-grdução, inicição científic e cpcitção de recursos humnos, objetivndo excelênci do Cmpus Florestl

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU

ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU 1 ESTÁGIO PARA ESTUDANTE DA UFU EDITAL UFU/PREFE/044/2010 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA ESTAGIÁRIO(A) A Pró-reitori de Grdução d Universidde Federl de Uberlândi, mprd no rtigo 248 ds Norms de Grdução

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular

Plano Curricular Plano Curricular Plano Curricular Áre de formção 523. Eletrónic e Automção Curso de formção Técnico/ de Eletrónic, Automção e Comndo Nível de qulificção do QNQ 4 Componentes de Socioculturl Durção: 775 hors Científic Durção: 400 hors Plno

Leia mais

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas

Semana Epidemiológica de Início de Sintomas Boletim Epidemiológico Volume 46 N 3-2015 Secretri de Vigilânci em Súde Ministério d Súde ISSN 2358-9450 Monitormento dos csos de dengue e febre de chikunguny té Semn Epidemiológic (SE) 53 de 2014 Dengue

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA

TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA TERMO DE REFERÊNCIA PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA 1 - Ddos do Proponente 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES ECC 1008 ESTRUTURS DE CONCRETO ESTRUTURS DE FUNDÇÕES Prof. Gerson ocyr Sisniegs lv PPEL DS FUNDÇÕES Trnsmitir s ções d suerestrutur o terreno So o secto d Segurnç: Reseitr resistênci do solo Reseitr resistênci

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MINISTRO ANDREAZZA Lei de Criação 372 13/02/92 PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA FINALÍSTICO PROGRAMA : 15 Mnutenção e Revitlizção do Ensino Infntil FUNDEB 40% 1. Problem: O município possui pens dus escol que oferece ensino infntil e não tende tod demnd.

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA TECNOLOGIAS ATUAIS E FUTURAS

GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA TECNOLOGIAS ATUAIS E FUTURAS 1 GERAÇÃO DE ENERGIA EÓLICA TECNOLOGIAS ATUAIS E FUTURAS F. Rüncos 2, R.Crlson 1, P. Kuo-Peng 1, H.Voltolini 1, N.J. Btistel 1 1 GRUCAD-EEL-CTC-UFSC, C.P. 476, 88040-900 Florinóolis-SC-BRASIL 2 WEG MÁQUINAS,

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS:

I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: PAINT 24 - I AÇÕES DE AUDITORIA INTERNA PREVISTAS: 1.1 - Auditoris de Conformidde Uniddes Orig d dnd: Intern com bse nos resultdos d Mtriz de Risco elbord pel Auditori Intern Nº UNIDADE OBJETIVOS ESCOPO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS

AGENTE ADMINISTRATIVO DO MP/RS DIREITO ADMINISTRATIVO DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS 1 SUMÁRIO I. Administrção Públic... II. Atos Administrtivos... III. Poder de Políci... IV. Serviço Público... V. Responsbilidde Civil do Estdo... VI. Controle d Administrção Públic... 02 09 21 23 25 27

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO - UEMA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PPG COODERNAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO - CPG EDITAL Nº17/2014 PPG/CPG/UEMA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática.

Desenvolvendo novas ferramentas pedagógicas para a formação de gestores de parques nacionais: jogos de papéis e simulação informática. Desenvolvendo vs ferrments pedgógics pr formção gestores prques ncionis: jogos ppéis e simulção informátic 1 Equipe Jen-Pierre Briot (LIP6 & LES/DI/PUC-Rio) (coorndor) Mrt Irving (EICOS/IP/UFRJ) (vice-coorndor)

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS MATO GROSSO Objetivo 1: Grntir prioridde técnic, polític e finnceir pr ções de enfrentmento do HIV/DST voltds

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA

Vo t a ç ão TEXTO DO CONGRESSO. PROPOSTA DO GOVERNO / Partidos da Base PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO E / OU ATEMPA / SIMPA PROPOSTA DO GOVERNO / Prtidos d Bse PROPOSTAS DAS BANCADAS DE OPOSIÇÃO do Governo (Mensgem Retifictiv) E / OU ATEMPA / SIMPA Vo t ç ão TEXTO DO CONGRESSO Diverss estrtégis pr tingir s mets Emend 1- exclui

Leia mais

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE

MODULAÇÃO EM AMPLITUDE RINCÍIOS DE COMUNICAÇÃO II MODULAÇÃO EM AMLITUDE Vaos iniciar o rocesso a artir de ua exressão que define sinais de tensão cossenoidais no teo, exressos genericaente or : e () t = E cos ω () t x x x onde

Leia mais

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO

MÓDULO II POTENCIAÇÃO RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO MÓDULO II POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO O ódulo II é oposto por eeríios evolvedo poteição e rdiição Estos dividido-o e dus prtes pr elhor opreesão ª PARTE: POTENCIAÇÃO DEFINIÇÃO

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA

MANUAL DE USO DA MARCA DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA MANUAL DE USO DA MARCA DA MARÇO/2011 1 Identidde Visul Sobre o Mnul d Mrc Este mnul vis pdronizr e estbelecer regrs de uso pr mrc d Forç Aére Brsileir. Mrc é um símbolo que funcion como elemento identificdor

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2015. Etec Profª Ermelinda Giannini Teixeira Coorden http://www.etecermelind.com.br/etec/sis/ptd_tec_6.php 1 de 5 18/09/2015 12:45 Unidde de Ensino Médio e Técnico Cetec Ensino Técnico Integrdo o Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plno de Trblho Docente

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DOS VOLUMES DOS SOLVENTES NA DETERMINAÇÃO DE COEFICIENTES DE PARTIÇÃO

OTIMIZAÇÃO DOS VOLUMES DOS SOLVENTES NA DETERMINAÇÃO DE COEFICIENTES DE PARTIÇÃO opyright 2005, Instituto Brsileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trblho Técnico ientífico foi preprdo pr presentção no 3 ongresso Brsileiro de P&D e Petróleo e Gás, ser relizdo no período de 2 5 de outubro

Leia mais

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes

Autor: Carlos Otávio Schocair Mendes Plno de Implntção do no Centro Federl de Educção Tecnológic Celso Suckow d Fonsec CEFET- RJ 1 Autor: Crlos Otávio Schocir Mendes O objetivo desse trblho é fornecer subsídios pr implntção no no CEFET- RJ.

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Resumo Executivo. Violência contra a mulher

Resumo Executivo. Violência contra a mulher S T U L s R E K Q F zs B x f b w s X R e R y P Z K O q u A r G J M e z YLU E p z P c o Resumo Executivo iolênci contr mulher estudo revel predominânci de viés policilesco n cobertur noticios do tem Estudo

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE

CÂMARA MUNICIPAL DE FERREIRA DO ZÊZERE CAPITULO I VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA FINS INDUSTRIAIS ARTIGO l. A lienção, trvés de vend, reliz-se por negocição direct com os concorrentes sendo o preço d vend fixo, por metro qudrdo, pr um ou mis

Leia mais

Modelagem, similaridade e análise dimensional

Modelagem, similaridade e análise dimensional Modelage, siilaridade e análise diensional Alguns robleas e MF não ode ser resolvidos analiticaente devido a: iitações devido às silificações necessárias no odelo ateático o Falta da inforação coleta (turbulência);

Leia mais

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos

Aplicação da conservação da energia mecânica a movimentos em campos gravíticos ª aula Suário: licação da conservação da energia ecânica a ovientos e caos gravíticos. nergia oteial elástica. Forças não conservativas e variação da energia ecânica. licação da conservação da energia

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CXLV 243 Brsíli - DF, segund-feir, 15 de dezembro de 2008. Sumário PÁGINA Atos do Poder Judiciário... 1 Atos do Poder Executivo... 1 Presidênci d Repúblic... 104 Ministério d Agricultur,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO. DISCIPLINA: OPERAÇÕES TÉCNICAS DE RECEÇÃO (12º Ano Turma M) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE RECEÇÃO DISCIPLINA: (12º Ano Turm M) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Teres Sous Docente Teres Bstos Ano Letivo 2015/2016 Competêncis

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de Auxiliar de Contabilidade Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Hbilitção Profissionl: Técnic de nível médio de Auxilir de Contbilidde

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA

ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA 07 2013 ESTRATÉGIA e-sus ATENÇÃO BÁSICA E SISTEMA DE INFORMAÇÃO EM SAÚDE DA ATENÇÃO BÁSICA - SISAB Brsíli, 19 de bril de 2013 (tulizd em julho de 2013 com Portri nº 1.412, de 10 de julho de

Leia mais

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação

Faculdade de saúde Pública. Universidade de São Paulo HEP-5705. Epidemiologia I. Estimando Risco e Associação 1 Fuldde de súde Públi Universidde de São Pulo HEP-5705 Epidemiologi I Estimndo Riso e Assoição 1. De 2.872 indivíduos que reeberm rdioterpi n infâni em deorrêni de presentrem o timo umentdo, 24 desenvolverm

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Pró-Reitoria de Recursos Humanos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO

Pró-Reitoria de Recursos Humanos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO Pró-Reitori de Recursos Humnos EDITAL Nº. 01/2014 - PRORH/CCDP VAGAS EM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO A Pró-Reitori de Recursos Humnos d Universidde Federl de Juiz de For, no uso de sus tribuições e, em cumprimento

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG

1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Data da Fundação. 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P F 1.12- RG 1 - DADOS DO PROPONENTE 1.1- Nome d Entidde 1.2- CNPJ 1.3- Número de Sócios 1.4- Dt d Fundção 1.5- Endereço 20/09/2011 1.6- Município 1.7- CEP 1.8- U F 1.9- Telefone 1-10 - Nome do Presidente 1.11-C P

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais