Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações"

Transcrição

1 Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações Nelson Costa 17 de Dezembro de

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

4 O PAPEL DO MERCADO DE CAPITAIS Bancos Depósitos Juros Financiamentos Aforradores Juros Empreendedores Dividendos / Juros Capital Mercado de Capitais 4

5 O PAPEL DO MERCADO DE CAPITAIS Mercado Secundário Mercado de Capitais Dividendos / Juros Aforradores Empreendedores Capital Mercado Primário 5

6 CARACTERÍSTICAS q Obrigações vs Crédito bancário Custo menor Crédito bancário limitado q Vantagens Fiscalidade Maior liberdade de actuação Transmissibilidade 6

7 O MERCADO MUNDIAL DE OBRIGAÇÕES Global Montante de emissões vivas ,1 19, Mercados desenvolvidos Mercados Emergentes USD 20tri USD 49tri Fonte: IOSCO 7

8 O MERCADO MUNDIAL DE OBRIGAÇÕES Global Montante das emissões realizadas ,1 0,8 1 2,3 Mercados desenvolvidos Mercados Emergentes USD 0,9tri USD 2,4tri Fonte: IOSCO 8

9 O MERCADO AFRICANO EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES CORPORATIVAS (EM USD MN) África do Sul Supra-Nacionais Outros países FINANCIAMENTO ESTRUTURADO (EM USD MN) África do Sul Egipto Libéria Nigéria Angola Marrocos Outros Países TOTAL ( ): USD 329 Bn TOTAL (2015Nov): USD 26 Bn TOTAL ( ): USD 536 Bn TOTAL (2015Nov): USD 55 Bn Fonte: Bloomberg 9

10 O MERCADO AFRICANO EMISSÃO DE DÍVIDA CORPORATIVA (EM USD MN) FINANCIAMENTO ESTRUTURADO (EM USD MN) Outros Países (22%) Outros Países; ; 22% África do Sul; ; 25% Marrocos; ; 4% Supra- Nacionais (14%) África do Sul (64%) Angola; ; 5% Gana; ; 6% Libéria; ; 6% Egipto; ; 21% Nigéria; ; 11% Nota: 89% das "supra-nacionais" são do Banco Africano de Desenvolvimento Nota: os valores da Libéria são essencialmente de empresas do sector maritimo Fonte: Bloomberg 10

11 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (1/3) q Do emitente Boa história para contar Bom risco de crédito Reporte financeiro adequado q De mercado Grande heterogeneidade entre os participantes de mercado Conjuntura económica Mercado de Dívida Pública 11

12 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (2/3) q Legais Sociedade anónima Montante emitido igual ou inferior ao capital social, excepto se Sociedade com acções admitidas à negociação em mercado regulamentado Sociedade com notação de risco Emissões com garantias especiais Emissões com juro e plano de reembolso, dependentes e variáveis em função dos lucros 12

13 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (3/3) q Operacionais Infraestrutura de mercado robusta e segura Baixos custos de transacção Baixos níveis de fragmentação Informação pública disponível Transparência pós-transacção Mecanismos de liquidez 13

14 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

15 PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES q Perspectivas Curto prazo Médio e longo prazo q Oportunidades Empresas públicas Projectos estruturantes Exemplos de outros países 15

16 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

17 DESAFIOS O papel dos investidores institucionais A inércia dos investidores individuais Criar curva de rendimentos como benchmark Sistema judicial eficaz e eficiente Dimensão do capital das empresas Cultura de informação financeira Infraestrutura de mercado (transparência e segurança) Incentivos fiscais? 17

18 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

19 PAPEL DO INTERMEDIÁRIO NO PROCESSO Na preparação do emitente Na estruturação da operação Na colocação da emissão No pós colocação 19

20 20 20

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola. Luanda, 1 de Agosto de 2014

Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola. Luanda, 1 de Agosto de 2014 Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola Luanda, 1 de Agosto de 2014 Índice Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola Organização dos Mercados Estratégia da CMC Desenvolvimento

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é a Bolsa de Valores? A Bolsa de Valores é um mercado organizado, físico ou virtual, onde são negociados valores mobiliários e outros instrumentos financeiros, tais como instrumentos

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A.

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A. Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais EDP Electricidade de Portugal S.A. 4 de Maio de 2001 O Movimento de Fusão dos Mercados da Bolsa e a Concentração do Sistema Financeiro O Que Vai Mudar Para

Leia mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais 2005-2010 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) Junho de 2005 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE OBJECTO DE INVESTIMENTO : EMITENTE: RISCO DE PERDA DO

Leia mais

PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS

PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS Rio de Janeiro, 18/05/2016 Carlos A. Rocca CEMEC Centro de

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Data de Entrada em Vigor: 28/novembro/2016 Avisos: "Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários,

Leia mais

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II

Leia mais

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES Fonte site BNA TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES 1. Posso efectuar pagamentos em moeda estrangeira para bens ou serviços adquiridos no país? Não. Os pagamentos devidos pela aquisição

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

BANCO DE FOMENTO ANGOLA

BANCO DE FOMENTO ANGOLA PREÇÁRIO BANCO DE FOMENTO ANGOLA Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de entrada em vigor: 25/11/2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões do Banco de Fomento Angola e no

Leia mais

Mecanismos de Protecção do Investidor no Mercado de Valores Mobiliários. União dos Escritores Angolanos

Mecanismos de Protecção do Investidor no Mercado de Valores Mobiliários. União dos Escritores Angolanos Mecanismos de Protecção do Investidor no Mercado de Valores Mobiliários União dos Escritores Angolanos 10 de Agosto de 2016 Sumário 1. Ponto de Partida 2. Conceito e tipologia de investidor 3. Os princípios

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 26 DE MARÇO DE 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA VALORES MOBILIÁRIOS

PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA VALORES MOBILIÁRIOS Entrada em vigor: 02-novembro-2016 PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA (Elaborado em cumprimento do disposto no artigo 312.º-G do Código dos Valores Mobiliários) VALORES MOBILIÁRIOS Informações Gerais

Leia mais

Novo PD CEA. Vigência a partir de 01/04/2017

Novo PD CEA. Vigência a partir de 01/04/2017 Novo PD CEA Vigência a partir de 01/04/2017 Módulo I: Revisão PD CEA e início da vigência Exclusão dos Códigos ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para: (i) Serviços Qualificados ao Mercado de Capitais;

Leia mais

Registro de ativos e de transações financeiras - Um Pilar de supervisão do Banco Central do Brasil

Registro de ativos e de transações financeiras - Um Pilar de supervisão do Banco Central do Brasil Registro de ativos e de transações financeiras - Um Pilar de supervisão do Banco Central do Brasil Workshop Banco Central do Brasil Junho 2015 Junho/2015 1 Confidencial Uso Interno Público Agenda 1. Função

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating. Grupo 6

Mercados e Investimentos Financeiros. Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating. Grupo 6 Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating Grupo 6 Enquadramento Crescimento em termos de volume e modalidade de operações de crédito. É cada vez mais importante a correcta avaliação

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda

A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda Seminário ANBIMA Conta de Liquidação e Compromissada Intradia A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda São Paulo, 12 de setembro de 2012 1 Seminário ANBIMA Conta

Leia mais

* Sujeito à aprovação dos Órgãos Reguladores. Aquisição do HSBC Brasil * 03 de Agosto de 2015

* Sujeito à aprovação dos Órgãos Reguladores. Aquisição do HSBC Brasil * 03 de Agosto de 2015 * Sujeito à aprovação dos Órgãos Reguladores Aquisição do HSBC Brasil * 03 de Agosto de 2015 Destaques da transação Ativo único 5,0 milhões de correntistas e mais de R$61 bilhões em depósitos Presença

Leia mais

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros)

CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) Anexo à Instrução nº 15/98 Modelo I INSTITUIÇÃO SITUAÇÃO ANALÍTICA DO MÊS DE CONTAS COM SALDO DEVEDOR (Euros) 10 CAIXA 11 DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 DISPONIBILIDADES SOBRE INSTITUIÇÕES.DE

Leia mais

Informação privilegiada

Informação privilegiada Lisboa, 26 de Março de 2008 SÍNTESE DA INFORMAÇÃO ANUAL DIVULGADA EM 2007 De acordo com o disposto no artigo 248º-C do Código dos Valores Mobiliários, dá-se conhecimento da informação publicada ou disponibilizada

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: MÉTODO DA TAXA DE JURO EFECTIVA NO RECONHECIMENTO DE RENDIMENTOS E GASTOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável 1. Conta - corrente 2. Empréstimo MLP Taxa Anual Nominal (TAN) 4,75 a 10,25 6,50 a 10,25 Taxa Anual Efectiva (TAE) Outras condições

Leia mais

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS

PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS PROPOSTA DE PILARES PARA O PRÓXIMO PROGRAMA DE APOIO AS POLÍTICAS (PSI) APRESENTAÇÃO AO SEMINÁRIO DE AVALIAÇÃO DOS PROGRAMAS DO FMI E PERSPECTIVAS MAPUTO, 11 DE MARÇO DE 2013 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade

Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Infraestrutura e Logística Reflexos na Competitividade Enaex Agosto, 2013 Luciano Coutinho Presidente 1 Brasil apresenta fundamentos compatíveis com o crescimento sustentável de Longo Prazo País possui

Leia mais

STANDARD BANK ANGOLA

STANDARD BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD BANK ANGOLA Banco ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 15/01/2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Sandard Bank e

Leia mais

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013

Angola. Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 2008 e 2012 e perspectivas futuras. Junho 2013 Angola Evolução dos principais indicadores económicos e financeiros entre 28 e 212 e perspectivas futuras Junho 213 Sumário da apresentação Produto Interno Bruto Inflação Exportações e Reservas Internacionais

Leia mais

Proporcionam participação nos resultados da empresa e conferem voto em assembléia.

Proporcionam participação nos resultados da empresa e conferem voto em assembléia. Mercado de Ações: 1. O que são Ações Tipos Rentabilidade Dividendos Bonificação em ações 2. Como funciona o mercado de Ações Forma de Negociação Horário para negociação e After-Market Tipos de mercados

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 11/03

INSTRUTIVO N.º 11/03 INSTRUTIVO N.º 11/03 ASSUNTO: COMPRA E VENDA DE MOEDA ESTRANGEIRA Funcionamento das Sessões Tendo em vista a necessidade de se definirem os procedimentos referidos no artigo 8º do Aviso nº 10/2003, de

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Millennium

Leia mais

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são:

15.1.Os principais instrumentos de política monetária são: Módulo 15 Política Monetária O conjunto de atos do BACEN para controlar a quantidade de dinheiro e a taxa de juros e, em geral, as condições de crédito constitui a política monetária de um determinado

Leia mais

A Importância do Mercado de Renda Variável

A Importância do Mercado de Renda Variável A Importância do Mercado de Renda Variável Junho - 2016 Conceito Renda Fixa => empréstimos Renda Variável => propriedade 2 A Bolsa hoje 355 empresas listadas Capitalização de mercado US$ 639 bilhões Capitalização

Leia mais

PREÇÁRIO. Tabela de Comissões e Despesas

PREÇÁRIO. Tabela de Comissões e Despesas PREÇÁRIO Tabela de e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01-01-2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco de Desenvolvimento de Angola e em www.bda.ao. O

Leia mais

Sumário. Prefácio, xiii PARTE I AMBIENTE FINANCEIRO, 1

Sumário. Prefácio, xiii PARTE I AMBIENTE FINANCEIRO, 1 Prefácio, xiii PARTE I AMBIENTE FINANCEIRO, 1 1 Origem da Moeda e Intermediação Financeira, 3 1.1 Atividade econômica, 4 1.2 Primeiro estágio: economia de escambo, 10 1.3 Segundo estágio: introdução da

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2016

TABELA DE PREÇOS 2016 TABELA DE PREÇOS 2016 TODAS AS /DESPESAS EXCLUEM IMPOSTO DE SELO Conta Depósito a Ordem Despesa cobrável caso uma conta tenha saldo Inactividade inferior ao limite (100 MT) e não registe Grátis movimentos

Leia mais

4. Créditos sobre clientes

4. Créditos sobre clientes Balanço Banco Santander Central Hispano, S.A. a 31.12.2001 Sem distribuição de lucros Activo 1. Caixa e depósitos em bancos centrais 2.452.730.481 1.1. Caixa 645.272.857 1.2. Banco de Espanha 1.775.749.525

Leia mais

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira

Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira Desafios e Perspectivas da Economia Brasileira 39º Prêmio Exportação Rio Grande do Sul - 2011 Alexandre Tombini Presidente do Banco Central do Brasil 20 de Junho de 2011 Conquistas da Sociedade Brasileira

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

BPI MATÉRIAS-PRIMAS 09-12

BPI MATÉRIAS-PRIMAS 09-12 BPI MATÉRIAS-PRIMAS 9-12 Produto Financeiro Complexo CONTEXTO: O preço das mercadorias no médio/longo prazo é determinado pela relação entre a oferta (produção, reservas disponíveis, ) e a procura (consumo,

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Instituição Financeira Bancaria com sede em território nacional, de acordo com o previsto na Lei de bases das Instituições Financeiras Anexo I Tabela de comissões e despesas

Leia mais

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS

OPERAÇÕES E CUSTÓDIA DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Na contratação de serviços de investimento em valores s, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a realizar,

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável 1. Conta - corrente 2. Empréstimo MLP Eur a 3,6 e 12 meses + Spread de 4,00 a 10,25 Eur a 3, 6 e 12 meses + Spread de 5,50 a 10,25

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Gestão de Patrimónios Janeiro 2016 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt RELATÓRIO

Leia mais

Leilões de títulos da DPMFi

Leilões de títulos da DPMFi Tesouro Nacional Leilões de títulos da DPMFi I Leilões Tradicionais A grande maioria das emissões de títulos da Dívida Pública Mobiliária Federal interna DPMFi ocorre sob a forma competitiva, por meio

Leia mais

Míni de Café WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Café WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Café WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro. A

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise

O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise O IRC como Instrumento de Competitividade Reforma num contexto de crise 3 de Outubro de 2013 Paulo Gaspar Tópicos Enquadramento O exemplo de outros Estados-membros Concretizar Um sistema fiscal competitivo

Leia mais

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013

Participation Exemption: Novos Problemas. António Rocha Mendes Outubro de 2013 Participation Exemption: Novos Problemas António Rocha Mendes Outubro de 2013 Estrutura Comentários gerais à reforma do IRC Desenvolvimento de um regime de participation exemption Temas conexos com a participation

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

Academia de Warrants. 7. Certificados Estruturados (Valores Mobiliários Estruturados)

Academia de Warrants. 7. Certificados Estruturados (Valores Mobiliários Estruturados) Academia de Warrants 7. Certificados Estruturados (Valores Mobiliários Estruturados) Certificados - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Tipos de Certificados 4. Como negociar Academia de Warrants

Leia mais

SFN Instituições Auxiliares do Mercado Financeiro Sociedades de Arrendamento Mercantil ( Leasing)

SFN Instituições Auxiliares do Mercado Financeiro Sociedades de Arrendamento Mercantil ( Leasing) Sociedades de Arrendamento Mercantil ( Leasing) Tais sociedades nasceram do reconhecimento de que o lucro de uma atividade produtiva pode advir da simples utilização do equipamento e não da sua propriedade.

Leia mais

Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos

Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos O Anexo III refere-se à informação a prestar previamente à comercialização do PFC

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE FATO RELEVANTE

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ / Companhia Aberta NIRE FATO RELEVANTE ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 FATO RELEVANTE ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ( Companhia ) comunica aos seus acionistas que o Conselho de Administração,

Leia mais

O preçário pode ainda ser consultado no Portal do Consumidor de Produtos e Serviços Financeiros em

O preçário pode ainda ser consultado no Portal do Consumidor de Produtos e Serviços Financeiros em Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 06 de Junho de 2016 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 20-jul-16 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

Aprovado o novo contrato de CRC. O Estado de Minas Gerais vai liquidar a dívida com dividendos durante os próximos 30 anos

Aprovado o novo contrato de CRC. O Estado de Minas Gerais vai liquidar a dívida com dividendos durante os próximos 30 anos Aprovado o novo contrato de CRC O Estado de Minas Gerais vai liquidar a dívida com dividendos durante os próximos 30 anos Crescimento da empresa como compromisso de longo prazo 2 A conclusão das negociações

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 19/2016 De 30 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 19/2016 De 30 de Agosto INSTRUTIVO N.º 19/2016 De 30 de Agosto ASSUNTO: RISCO DE LIQUIDEZ Considerando a importância do acompanhamento do risco de liquidez, no âmbito da supervisão prudencial das Instituições financeiras autorizadas

Leia mais

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011

Portugal: Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil. Jaime Carvalho Esteves 8 Junho 2011 www.pwc.com/pt : Um hub para o Investimento Directo Estrangeiro? Angola e Brasil Jaime Carvalho Esteves Universidade Católica Portuguesa - Lisboa Agenda 1. Introdução 2. Investir em Angola e no Brasil

Leia mais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais

Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Infraestrutura logística: condições de financiamento e incentivos à participação do mercado de capitais Cleverson Aroeira Chefe de Departamento de Transportes e Logística (DELOG) Área de Infraestrutura

Leia mais

Mercado de Capitais. Mercado financeiro. Professor: Msc. Roberto César

Mercado de Capitais. Mercado financeiro. Professor: Msc. Roberto César Mercado de Capitais Mercado financeiro Professor: Msc. Roberto César Tipos de Mercado Comissão de Valores Mobiliários, 2013, p.15 Mercado de Crédito É o segmento do mercado financeiro onde as instituições

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 18/2016 de 08 de Agosto INSTRUTIVO N.º 18/216 de 8 de Agosto ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE INFORMAÇÃO SOBRE A COMPOSIÇÃO DOS FUNDOS PRÓPRIOS E RÁCIO DE SOLVABILIDADE Havendo necessidade de regulamentar o envio de informação a ser prestada

Leia mais

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES

SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES Anexo à Instrução nº 20/96 SOCIEDADES GESTORAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL

Leia mais

BANCO CAIXA GERAL DE ANGOLA, SA

BANCO CAIXA GERAL DE ANGOLA, SA Preçário BANCO CAIXA GERAL DE ANGOLA, SA Taxas de Juro Anexo III Data de entrada em vigor: 15/07/2016 O Preçário completo do Banco Caixa Geral de Angola contém o Folheto de Comissões e Comissão (que incorpora

Leia mais

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em

O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais de Atendimento ao público do Banco de Negócios Internacional ou em Instituição Financeira Bancária Preçário das Operações ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Janeiro de 2017 O Preçário das Operações BNI pode ser consultado nos Balcões e Locais

Leia mais

SESSÃO ESPECIAL DE APURAMENTO OPD OBRIGAÇÕES IFH, S.A. Janeiro 2014

SESSÃO ESPECIAL DE APURAMENTO OPD OBRIGAÇÕES IFH, S.A. Janeiro 2014 SESSÃO ESPECIAL DE APURAMENTO OPD 1.000.000 OBRIGAÇÕES IFH, S.A. Janeiro 2014 Oferta Pública de Distribuição foi um SUCESSO! A procura foi + de 1,664 vezes superior a quantidade disponível. Procura Total

Leia mais

Preçário BANCO BIC, SA

Preçário BANCO BIC, SA Preçário BANCO BIC, SA Bancos ANEXO II Consulte o Índice de TAXAS DE JURO Consulte o Índice de TABELA DE COMISSÕES E DESPESAS Informação Complementar DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 10/11/2014 O Preçário pode

Leia mais

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa

Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa ANBIMA - Seminário Conta de Liquidação e Compromissada Intradia Medidas para o aumento da liquidez no mercado de renda fixa Paulo Fontoura Valle Subsecretário da Dívida Pública Secretaria do Tesouro Nacional

Leia mais

Mercados Estruturados em Moçambique

Mercados Estruturados em Moçambique : A importância da Bolsa de Valores de oçambique no acesso a financiamento F I N A N T I A F i n a n c i a l A d v i s o r y S e r v i c e s o-autoria de: Finantia onsulting (André Nogueira, Henrique Bettencourt)

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações

O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro. Squadra Participações O Olhar dos Fundos de Investimento sobre o Franchising Brasileiro Squadra Participações SQUADRA INVESTIMENTOS 2008 Fundação da Squadra Investimentos Gestora independente de recursos com foco em ações de

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

ANÁLISE ECONÓMICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA e BANCOS

ANÁLISE ECONÓMICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA e BANCOS Cap.6 ANÁLISE ECONÓMICA DA ANALISE ECONOMICA DA ESTRUTURA FINANCEIRA Evidências sobre a estrutura financeira (M., c.8; C. c.11) 1. Acções não são a principal forma de financiamento das empresas 2. Acções

Leia mais

Entendendo a. Recuperação Judicial e. as alternativas para a. solução da crise. empresarial

Entendendo a. Recuperação Judicial e. as alternativas para a. solução da crise. empresarial Entendendo a Recuperação Judicial e as alternativas para a solução da crise empresarial Associação Comercial e Industrial de Joinville Outubro de 2016 Mudança de perspectivas Maturidade Crescimento Declínio

Leia mais

Relatório Semi-Anual não Auditado 2010 Nordea 1, SICAV

Relatório Semi-Anual não Auditado 2010 Nordea 1, SICAV Relatório Semi-Anual não Auditado 2010 Nordea 1, SICAV Société d Investissement à Capital Variable à compartiments multiples Fundo de Investimento ao abrigo da lei luxemburguesa 562, rue de Neudorf L-2220

Leia mais

Veículos de investimento imobiliário

Veículos de investimento imobiliário CONFERÊNCIA NOVOS VEÍCULOS DE INVESTIMENTO NO SECTOR IMOBILIÁRIO EM ANGOLA Local: Tenda de Eventos na Baía de Luanda Data: 19 de Junho de 2014 Veículos de investimento imobiliário António Raposo Subtil

Leia mais

APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA

APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA APRENDA A INVESTIR EM RENDA FIXA Vinicio Almeida almeida.vinicio@gmail.com www.quantabr.com.br 2016 2 Vinicio Doutor em Administração pelo Coppead/UFRJ e Pós- Doutorado na UCLA Anderson School of Management

Leia mais

Depósito Indexado Depósito + EUA Produto Financeiro Complexo

Depósito Indexado Depósito + EUA Produto Financeiro Complexo - Prospecto Informativo - Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou Variáveis Subjacentes ou Associados Depósito +

Leia mais

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a

Equivalente ,00 Conta Corporativa PLUS. Equivalente ,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES À ORDEM 1. Abertura de Contas 1.1. Montante Mínimo Conta Corporativa Equivalente 10.000,00 Conta Corporativa PLUS Equivalente 10.000,00 Despesas de Manuteção D.O/ Trimestrais 1.394,00 n.a APLICAÇÕES

Leia mais

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas

SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas SPREAD BANCÁRIO no Brasil: avaliação e propostas Reunião de Diretoria Plenária da ABINEE Flávio Castelo Branco Gerente-Executivo de Política Econômica Confederação Nacional da Indústria São Paulo, Outubro

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 E 2008 A T I V O 31.12.2009 31.12.2008 ATIVO CIRCULANTE 77.677 45.278 DISPONIBILIDADES 46 45 APLICAÇÕES INTERFINANCEIRAS DE LIQUIDEZ 1.641 314 APLICAÇÕES EM

Leia mais

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC

A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC A ATUAÇÃO DA CAIXA NAS OPERAÇÕES DE INFRAESTRUTURA - PAC Seminário Sistema Nacional de Fomento e o Crédito do Desenvolvimento: Condições e Possibilidades Carlos André Lins Rodriguez Gerente de Clientes

Leia mais

Apresentação. Presentation de novembro de H07 9 de novembro de 2007

Apresentação. Presentation de novembro de H07 9 de novembro de 2007 Apresentação Apresentação dos dos Resultados Resultados do do 3T07 3T07 Presentation de novembro de 2007 1H07 9 de novembro de 2007 1 As Demonstrações Financeiras são de caráter pro-forma, abrangendo demonstrações

Leia mais

de Investimento em Angola e Cabo Verde

de Investimento em Angola e Cabo Verde Conferência Client Perspectivas name appears e Oportunidades here de Investimento em Angola e Cabo Verde PwC Conferência Estruturas de Investimento: Angola Catarina Nunes Agenda Introdução 1 Ficha de Angola:

Leia mais

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal

DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal DESTINO: POLÓNIA OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Enquadramento Legal 1 SUMÁRIO 1. Tipos de Sociedades 2. Sociedades de Responsabilidade Limitada e Sociedades Anónimas 3. Constituição de sociedades 4. Regime

Leia mais

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021

Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo BPI CHINA 2012-2015 ISIN: PTBBUFOM0021 Emissão de Obrigações ao abrigo do Euro Medium Term Note Programme de 10,000,000,000 do Banco BPI para a emissão

Leia mais

STANDARD BANK ANGOLA

STANDARD BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD BANK ANGOLA Banco ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 15/05/2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Sandard Bank e

Leia mais

Classificação dos serviços de construção

Classificação dos serviços de construção Questões específicas da construção Classificação dos serviços de construção Construção pontual Construção permanente Atividades de construção de partes relacionadas Casos Especiais Banco de Dezembro de

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais