Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações"

Transcrição

1 Perspectivas e Desafios na Estruturação de Emissões de Obrigações Nelson Costa 17 de Dezembro de

2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

4 O PAPEL DO MERCADO DE CAPITAIS Bancos Depósitos Juros Financiamentos Aforradores Juros Empreendedores Dividendos / Juros Capital Mercado de Capitais 4

5 O PAPEL DO MERCADO DE CAPITAIS Mercado Secundário Mercado de Capitais Dividendos / Juros Aforradores Empreendedores Capital Mercado Primário 5

6 CARACTERÍSTICAS q Obrigações vs Crédito bancário Custo menor Crédito bancário limitado q Vantagens Fiscalidade Maior liberdade de actuação Transmissibilidade 6

7 O MERCADO MUNDIAL DE OBRIGAÇÕES Global Montante de emissões vivas ,1 19, Mercados desenvolvidos Mercados Emergentes USD 20tri USD 49tri Fonte: IOSCO 7

8 O MERCADO MUNDIAL DE OBRIGAÇÕES Global Montante das emissões realizadas ,1 0,8 1 2,3 Mercados desenvolvidos Mercados Emergentes USD 0,9tri USD 2,4tri Fonte: IOSCO 8

9 O MERCADO AFRICANO EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES CORPORATIVAS (EM USD MN) África do Sul Supra-Nacionais Outros países FINANCIAMENTO ESTRUTURADO (EM USD MN) África do Sul Egipto Libéria Nigéria Angola Marrocos Outros Países TOTAL ( ): USD 329 Bn TOTAL (2015Nov): USD 26 Bn TOTAL ( ): USD 536 Bn TOTAL (2015Nov): USD 55 Bn Fonte: Bloomberg 9

10 O MERCADO AFRICANO EMISSÃO DE DÍVIDA CORPORATIVA (EM USD MN) FINANCIAMENTO ESTRUTURADO (EM USD MN) Outros Países (22%) Outros Países; ; 22% África do Sul; ; 25% Marrocos; ; 4% Supra- Nacionais (14%) África do Sul (64%) Angola; ; 5% Gana; ; 6% Libéria; ; 6% Egipto; ; 21% Nigéria; ; 11% Nota: 89% das "supra-nacionais" são do Banco Africano de Desenvolvimento Nota: os valores da Libéria são essencialmente de empresas do sector maritimo Fonte: Bloomberg 10

11 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (1/3) q Do emitente Boa história para contar Bom risco de crédito Reporte financeiro adequado q De mercado Grande heterogeneidade entre os participantes de mercado Conjuntura económica Mercado de Dívida Pública 11

12 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (2/3) q Legais Sociedade anónima Montante emitido igual ou inferior ao capital social, excepto se Sociedade com acções admitidas à negociação em mercado regulamentado Sociedade com notação de risco Emissões com garantias especiais Emissões com juro e plano de reembolso, dependentes e variáveis em função dos lucros 12

13 CONDIÇÕES NECESSÁRIAS (3/3) q Operacionais Infraestrutura de mercado robusta e segura Baixos custos de transacção Baixos níveis de fragmentação Informação pública disponível Transparência pós-transacção Mecanismos de liquidez 13

14 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

15 PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES q Perspectivas Curto prazo Médio e longo prazo q Oportunidades Empresas públicas Projectos estruturantes Exemplos de outros países 15

16 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

17 DESAFIOS O papel dos investidores institucionais A inércia dos investidores individuais Criar curva de rendimentos como benchmark Sistema judicial eficaz e eficiente Dimensão do capital das empresas Cultura de informação financeira Infraestrutura de mercado (transparência e segurança) Incentivos fiscais? 17

18 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. PERSPECTIVAS E OPORTUNIDADES 3. DESAFIOS 4. O PAPEL DO INTERMEDIÁRIO FINANCEIRO NO PROCESSO

19 PAPEL DO INTERMEDIÁRIO NO PROCESSO Na preparação do emitente Na estruturação da operação Na colocação da emissão No pós colocação 19

20 20 20

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano

O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Angolano Departamento de Comunicação e Educação Financeira 06/04/2017 O Mercado de Valores Mobiliários no Sistema Financeiro Apresentação da Agenda

Leia mais

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016

FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX. 13 de Maio de 2016 FÓRUM DE INVESTIMENTO DIRECTO ESTRANGEIRO: UM NOVO PARADIGMA PARA A DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA ANGOLANA APIEX 13 de Maio de 2016 MERCADO DE CAPITAIS E INVESTIMENTOS Agenda Breves notas conceptuais Estruturas

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES

PERGUNTAS FREQUENTES PERGUNTAS FREQUENTES 1. O que é a Bolsa de Valores? A Bolsa de Valores é um mercado organizado, físico ou virtual, onde são negociados valores mobiliários e outros instrumentos financeiros, tais como instrumentos

Leia mais

Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola. Luanda, 1 de Agosto de 2014

Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola. Luanda, 1 de Agosto de 2014 Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola Luanda, 1 de Agosto de 2014 Índice Desenvolvimento do mercado de valores mobiliários em Angola Organização dos Mercados Estratégia da CMC Desenvolvimento

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro BANCO ANGOLANO DE INVESTIMENTOS, SA. Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 12 de Maio 2017 O Preçário

Leia mais

Estratégia da CMC Para o Mercado de Valores Mobiliários

Estratégia da CMC Para o Mercado de Valores Mobiliários Estratégia da CMC Para o Mercado de Valores Mobiliários Assembleia Nacional Luanda, 24 de Julho de 2014 A Pergunta Que Todos Fazem Justifica-se dedicar tanto tempo, tantos meios, tanto dinheiro, para criar

Leia mais

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011

Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa. Abril/2011 Contribuições ao Desenvolvimento do Mercado de Renda Fixa Abril/2011 Contribuições do BNDES Pacote de Medidas de Estímulo ao Financiamento de LP Iniciativas do BNDES Novo Programa de Aquisição de Debêntures

Leia mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais

Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais Obrigações de Caixa BPI CS Rendimento 2% Mais 2005-2010 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) Junho de 2005 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE OBJECTO DE INVESTIMENTO : EMITENTE: RISCO DE PERDA DO

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017

Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 Publicado no Diário da República, I série, nº 21, de 03 de Fevereiro AVISO N.º 01/2017 ASSUNTO: REALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS NO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS POR ENTIDADES NÃO RESIDENTES CAMBIAIS Considerando

Leia mais

4º Seminário ANBIMA de Renda Fixa e Derivativos de Balcão. Novo Mercado de Renda Fixa e Incentivos ao Mercado Secundário 6/10/2011

4º Seminário ANBIMA de Renda Fixa e Derivativos de Balcão. Novo Mercado de Renda Fixa e Incentivos ao Mercado Secundário 6/10/2011 4º Seminário ANBIMA de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Novo Mercado de Renda Fixa e Incentivos ao Mercado Secundário 6/10/2011 R$ Bilhões Panorama Atual - Mercado de Títulos de Renda Fixa O estoque

Leia mais

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais. PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL

PLANO DE CURSO. Formação para Profissionais.  PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL PLANO DE CURSO PORTUGAL ANGOLA MOÇAMBIQUE CABO VERDE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE BRASIL Formação para Profissionais + 2.000 Cursos Disponíveis A Melhor e Maior Oferta de Formação em Portugal + 1.300 Cursos na

Leia mais

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A.

Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais. EDP Electricidade de Portugal S.A. Os Novos Desafios Para o Mercado de Capitais EDP Electricidade de Portugal S.A. 4 de Maio de 2001 O Movimento de Fusão dos Mercados da Bolsa e a Concentração do Sistema Financeiro O Que Vai Mudar Para

Leia mais

PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS

PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS PAINEL III - O MERCADO DE CAPITAIS CHAVE DO DESENVOLVIMENTO BRASILEIRO: COMO UNIVERSALIZAR O USO DO MERCADO DE CAPITAIS PELAS EMPRESAS DO PAÍS Rio de Janeiro, 18/05/2016 Carlos A. Rocca CEMEC Centro de

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO

CAIXAGEST SELECÇÃO CAPITAL GARANTIDO CAIXAGEST SELECÇÃO 2008 - CAPITAL GARANTIDO Fundo de Investimento Mobiliário Fechado RELATÓRIO & CONTAS Liquidação ÍNDICE 1. RELATÓRIO DE GESTÃO 2 2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 4 EM ANEXO: RELATÓRIO DO

Leia mais

BANCO DE FOMENTO ANGOLA

BANCO DE FOMENTO ANGOLA PREÇÁRIO INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA ANEXO II TABELA DE TAXAS DE JURO Data de entrada em vigor: 31/09/2014 O Preçário pode ser consultado nos balcões do Banco de Fomento Angola e no site www.bfa.ao.

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 01 de Junho de 2017 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007

Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 Faculdade de Economia do Porto Ano Lectivo de 2006/2007 LEC 201 Macroeconomia I A Macroeconomia no Curto Prazo: Modelo IS-LM Introdução Introdução MKS: nível de produto/rendimento é um múltiplo do nível

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla

AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla AULA 5 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Mestre Keilla ATENÇÃO: MUITA COISA PARA COPIAR EM SALA!!! COMPLETANDO ALGUNS SLIDES Objetivo da aula: Importância do Mercado de Capitais para o Mercado Financeiro.

Leia mais

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente

Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de mercado equivalente - 5 - Gráfico 1: Taxas de juro dos depósitos de curto prazo das IFM e uma taxa de juro de 2.5 1.5 0.5 à ordem das famílias com prazo até 1 ano das famílias com pré-aviso até 3 meses das famílias à ordem

Leia mais

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento

Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Bankinter, S.A., Sucursal em Portugal Preçário de Títulos, Fundos e Seguros de Investimento Data de Entrada em Vigor: 28/novembro/2016 Avisos: "Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários,

Leia mais

Unidade I MERCADO FINANCEIRO. Profa. Ana Maria Belavenuto

Unidade I MERCADO FINANCEIRO. Profa. Ana Maria Belavenuto Unidade I MERCADO FINANCEIRO Profa. Ana Maria Belavenuto Objetivo Entender como se estabelece as relações entre o lado monetário (moeda) com o lado real da economia (insumos e fatores de produção), na

Leia mais

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016

O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 O sistema Financeiro Europeu e Português novos ou velhos riscos? João Costa Pinto Maio 2016 1 I. OS MERCADOS FINANCEIROS DA ZONA EURO Estrutura dos mercados Impacto da crise financeira sub-prime Lançamento

Leia mais

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil

5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil 5º Seminário Anbima de Renda Fixa e Derivativos de Balcão Investimento e Financiamento de Longo Prazo no Brasil Dyogo Henrique de Oliveira Secretário Executivo Ministério da Fazenda 1 Expansão do investimento

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro

Tabela de Taxas de Juro Preçário Banco Angolano de Investimentos, S.A. (Instituição Financeira Bancária) ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 26 DE MARÇO DE 2015 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

BANCO DE FOMENTO ANGOLA

BANCO DE FOMENTO ANGOLA PREÇÁRIO BANCO DE FOMENTO ANGOLA Instituição Financeira Bancária TABELA DE TAXAS DE JURO Data de entrada em vigor: 25/11/2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões do Banco de Fomento Angola e no

Leia mais

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014 Seminário Financiamento à Exportação Brasileira 2 de Dezembro de 2014 África: Nosso Cartão Postal 1 Visão Geral do Grupo Presença na África Estabelecido em 1862; ICBC, o maior banco chinês, detém participação

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte VI Os Títulos do Mercado de Capitais Os Títulos Públicos Classificações dos Títulos A classificação mais natural que temos da classificação de títulos é justamente

Leia mais

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES

ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II 14 HORAS FORMAÇÃO À MEDIDA ANGOLA BANKING SERIES CÁLCULO DE RISCO DE CRÉDITO E DE CAPITAL ADEQUACY DE ACORDO COM BASILEIA II

Leia mais

PARTE A TERMOS CONTRATUAIS

PARTE A TERMOS CONTRATUAIS 20 de Fevereiro de 2012 CONDIÇÕES FINAIS Banco Comercial Português, S.A. (o Banco ou o Emitente ), Emissão de EUR 7.750.000 Valores Mobiliários Millennium Rendimento Especial 180, Agosto 2012 - com vencimento

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola

Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola Estudo de Mercado sobre Distribuição e Logística em Angola 1.População e Território 2.Modelo de Desenvolvimento 3.O Desafio da Diversificação 4.O Papel da Logística 5.A Rede de Distribuição 6.O Novo Quadro

Leia mais

Alterações de Preçário

Alterações de Preçário agosto 2016 Alterações de Preçário NOVO BANCO, S.A. - Sucursal Financeira Exterior A partir de 2 de novembro de 2016, aplicar-se-á à Sucursal Financeira Exterior da Madeira, o preçário do NOVO BANCO. Conheça

Leia mais

Curso de Pós Graduação

Curso de Pós Graduação Curso de Pós Graduação Lecionado no quadro de Protocolo de Cooperação Científica entre o IDEFF da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública

Leia mais

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III)

A Regulamentação do Mercado de Valores Mobiliários Uma Perspectiva Geral (Parte III) A Bolsa de Valores Na parte final do artigo anterior caracterizámos o mercado secundário de valores e, neste âmbito, apresentámos a definição basilar da bolsa de valores, como uma entidade que tem por

Leia mais

Informação privilegiada

Informação privilegiada Lisboa, 26 de Março de 2008 SÍNTESE DA INFORMAÇÃO ANUAL DIVULGADA EM 2007 De acordo com o disposto no artigo 248º-C do Código dos Valores Mobiliários, dá-se conhecimento da informação publicada ou disponibilizada

Leia mais

INOVAÇÃO FINANCEIRA E PROTECÇÃO DO INVESTIDOR CARLOS TAVARES

INOVAÇÃO FINANCEIRA E PROTECÇÃO DO INVESTIDOR CARLOS TAVARES INOVAÇÃO FINANCEIRA E PROTECÇÃO DO INVESTIDOR CARLOS TAVARES 1. A protecção dos Investidores - objectivo presente em toda a actividade dos reguladores dos mercados financeiros - deve ser considerada no

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating. Grupo 6

Mercados e Investimentos Financeiros. Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating. Grupo 6 Calibração de estruturas temporais para diferentes níveis de Rating Grupo 6 Enquadramento Crescimento em termos de volume e modalidade de operações de crédito. É cada vez mais importante a correcta avaliação

Leia mais

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados.

BPI αlpha O FEI que investe em Produtos Estruturados. O FEI que investe em Produtos Estruturados. UMA NOVA FORMA DE INVESTIR O BPI Alpha é o primeiro Fundo Especial de Investimento (FEI) do BPI e tem como objectivo principal dar aos clientes o acesso a uma

Leia mais

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18. EXERCÍCIOS parte 5

MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18. EXERCÍCIOS parte 5 MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS MÓDULO 18 EXERCÍCIOS parte 5 Índice Exercícios parte 5...3 2 EXERCÍCIOS PARTE 5 1. A taxa de juros é determinada pelo: a. Mercado monetário; b. Mercado de capitais; c.

Leia mais

AULA 6 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla

AULA 6 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES. Prof Mestre Keilla AULA 6 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Mestre Keilla Objetivo da aula: Ações Conceito Tipos de ações(ordinárias e preferenciais) Formas de representação Rentabilidade Formação de preço Onde são comercializadas

Leia mais

FISCALIDADE DE EMPRESA II

FISCALIDADE DE EMPRESA II FISCALIDADE DE EMPRESA II Módulo 4 Ano 2006 Carlos Manuel Freitas Lázaro 1 Categoria E - Rendimentos de aplicação de capitais Rendimentos sujeitos (artº 5, CIRS) Essencialmente: Juros e Lucros entre outros:

Leia mais

Registro de ativos e de transações financeiras - Um Pilar de supervisão do Banco Central do Brasil

Registro de ativos e de transações financeiras - Um Pilar de supervisão do Banco Central do Brasil Registro de ativos e de transações financeiras - Um Pilar de supervisão do Banco Central do Brasil Workshop Banco Central do Brasil Junho 2015 Junho/2015 1 Confidencial Uso Interno Público Agenda 1. Função

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos referentes ao reconhecimento e mensuração de títulos e valores

Leia mais

STANDARD BANK ANGOLA

STANDARD BANK ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD BANK ANGOLA Banco ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 15/01/2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Sandard Bank e

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Valorização Industrial Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 12 meses (360 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

Documento Informativo BPI Minas de Ouro II Produto Financeiro Complexo

Documento Informativo BPI Minas de Ouro II Produto Financeiro Complexo Advertências ao Investidor BPI Minas de Ouro II 21-213 [ISIN: PTBBS3OM12] Produto Financeiro Complexo Note ao abrigo do Euro Medium Term Note Programme de 1,,, do Banco BPI para a emissão de Obrigações

Leia mais

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES

Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Anexo à Instrução nº 15/98 CLASSE 2 APLICAÇÕES Nesta classe estão incluídos todos os valores representativos do conjunto da actividade creditícia, as aplicações em títulos que não sejam imobilizações financeiras

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2016

TABELA DE PREÇOS 2016 TABELA DE PREÇOS 2016 TODAS AS /DESPESAS EXCLUEM IMPOSTO DE SELO Conta Depósito a Ordem Despesa cobrável caso uma conta tenha saldo Inactividade inferior ao limite (100 MT) e não registe Grátis movimentos

Leia mais

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi Direito Societário IV Prof. Henrique Subi 1 8. Sociedades institucionais 8.1. Sociedade em comandita por ações - Tem o capital dividido em ações - Os diretores possuem responsabilidade ilimitada pelas

Leia mais

Derivativos de Balcão Termo de Mercadorias. Termo de Mercadorias

Derivativos de Balcão Termo de Mercadorias. Termo de Mercadorias Derivativos de Balcão Derivativos de Balcão Derivativos de Balcão Registro de operações baseadas no preço de mercadorias nacionais ou internacionais O produto A BM&FBOVESPA possibilita o registro das operações

Leia mais

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES

TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES Fonte site BNA TRANSACÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA PERGUNTAS FREQUENTES 1. Posso efectuar pagamentos em moeda estrangeira para bens ou serviços adquiridos no país? Não. Os pagamentos devidos pela aquisição

Leia mais

Proporcionam participação nos resultados da empresa e conferem voto em assembléia.

Proporcionam participação nos resultados da empresa e conferem voto em assembléia. Mercado de Ações: 1. O que são Ações Tipos Rentabilidade Dividendos Bonificação em ações 2. Como funciona o mercado de Ações Forma de Negociação Horário para negociação e After-Market Tipos de mercados

Leia mais

Documento Informativo Investimento Opção Tripla Junho 2013 Produto Financeiro Complexo

Documento Informativo Investimento Opção Tripla Junho 2013 Produto Financeiro Complexo Documento Informativo Investimento Opção Tripla Junho 2013 Produto Financeiro Complexo Designação do Produto O Investimento Opção Tripla Junho 2013 é um Produto Financeiro Complexo. Advertências ao Investidor

Leia mais

Material Explicativo sobre Debêntures

Material Explicativo sobre Debêntures Material Explicativo sobre 1. Definição Geral As debêntures são valores mobiliários que representam dívidas de médio e longo prazos de Sociedades Anônimas (emissoras), de capital aberto ou fechado. Todavia,

Leia mais

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A.

BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BNC - BANCO NACIONAL DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO, S.A. BALANÇO INDIVIDUAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2001 E 2000 2001 ACTIVO Notas Activo Amortizações Activo 2000 Bruto e Provisões líquido 1. Caixa e disponibilidades

Leia mais

STANDARD BANK DE ANGOLA

STANDARD BANK DE ANGOLA PREÇÁRIO STANDARD BANK DE ANGOLA Banco ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 03/0 /2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Sandard Bank

Leia mais

REGULAMENTO Nº XX /2008. Informação e publicidade sobre produtos financeiros complexos sujeitos à supervisão da CMVM

REGULAMENTO Nº XX /2008. Informação e publicidade sobre produtos financeiros complexos sujeitos à supervisão da CMVM REGULAMENTO Nº XX /2008 Informação e publicidade sobre produtos financeiros complexos sujeitos à supervisão da CMVM 1. O Decreto-Lei nº 211-A/2008, de 3 de Novembro, estabeleceu um regime de informação

Leia mais

Concurso Prof. Cid Roberto

Concurso Prof. Cid Roberto Prof. Cid Roberto Concurso 2013 Grupo Conhecimentos Bancários no Google http://goo.gl/gbkij O mercado de capitais é o conjunto de mercados, instituições e ativos que viabiliza a transferência de recursos

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Autos Set-16

Prospecto Informativo Invest Autos Set-16 Prospecto Informativo Invest Autos Set-16 Setembro de 2016 Designação: Classificação: Caracterização do Produto: Invest Autos Set-16 Produto financeiro complexo Depósito Indexado. Depósito indexado pelo

Leia mais

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa

Renda Fixa. Nota Promissória. Renda Fixa Renda Fixa O produto A (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper, é um título emitido por companhias com o objetivo de captar recursos, geralmente para financiar seu capital de giro.

Leia mais

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 22

Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 22 Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros DELIBERAÇÃO Nº 22 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Negociação de Instrumentos Financeiros, no exercício

Leia mais

Novas condições dos empréstimos do Fundo de Resolução

Novas condições dos empréstimos do Fundo de Resolução Novas condições dos empréstimos do Fundo de Resolução INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR: 1. O Fundo de Resolução é responsável por três empréstimos: (i) Um empréstimo concedido pelo Estado em agosto de 2014, cujo

Leia mais

Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito. Cristina Duarte Ministério das Finanças

Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito. Cristina Duarte Ministério das Finanças Regulação e Supervisão Pilares do Estado de Direito Cristina Duarte Ministério das Finanças ESQUEMA: Afunilar Enquadramento Estratégico A Reforma do Estado A Agenda de Transformação Sistema de Regulação

Leia mais

BM&FBOVESPA Diversificação Internacional via BM&FBOVESPA. Claudio Avanian Jacob Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercado

BM&FBOVESPA Diversificação Internacional via BM&FBOVESPA. Claudio Avanian Jacob Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercado BM&FBOVESPA Diversificação Internacional via BM&FBOVESPA Claudio Avanian Jacob Diretor Comercial e de Desenvolvimento de Mercado AGENDA PRODUTOS DE EXPOSIÇÃO NO EXTERIOR BDR NÃO PATROCINADO BRAZILIAN DEPOSITARY

Leia mais

MUDANÇA NA CLASSIFICAÇÃO MUDANÇA NA DAF** (% PONTOS) DB 2016 Classificação. Comércio internacional Nenhuma alteração. DB 2016 DAF** (% Pontos)

MUDANÇA NA CLASSIFICAÇÃO MUDANÇA NA DAF** (% PONTOS) DB 2016 Classificação. Comércio internacional Nenhuma alteração. DB 2016 DAF** (% Pontos) Facilidade de se fazer negócios em Gana VISÃO GERAL DO PAÍS * REGIÃO CATEGORIA DE RENDA África Subsaariana Renda média inferior POPULAÇÃO 26.442.178 RENDA BRUTA INTERNA (GNI) PER CAPITA (US$) 1.620 CIDADE

Leia mais

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES

AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES AULA 4 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE AÇOES Prof Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Contatos: E-mail: keillalopes@ig.com.br

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Transportadoras Aéreas Dez-16

Prospecto Informativo Invest Transportadoras Aéreas Dez-16 Prospecto Informativo Invest Transportadoras Aéreas Dez-16 Dezembro de 2016 Designação: Classificação: Caracterização do Produto: Invest Transportadoras Aéreas Dez-16 Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos

Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos Anexo III Regras relativas à informação a prestar à CMVM previamente à comercialização de produtos financeiros complexos O Anexo III refere-se à informação a prestar previamente à comercialização do PFC

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 04 de Outubro 2016 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento

Leia mais

A área de finanças é recheada de termos que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam se aventurar no ramo dos investimentos.

A área de finanças é recheada de termos que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam se aventurar no ramo dos investimentos. Zig Zag dos Investimentos 1 A área de finanças é recheada de termos que precisam ser conhecidos por aqueles que desejam se aventurar no ramo dos investimentos. Este artigo tem como objetivo apresentar

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Certificado de Operações Estruturadas COE realizada com dispensa de registro

MERCADO DE CAPITAIS. Certificado de Operações Estruturadas COE realizada com dispensa de registro MERCADO DE CAPITAIS 16/11/2015 CVM edita norma que regulamenta a distribuição pública de Certificado de Operações Estruturadas COE realizada com dispensa de registro A Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

Leia mais

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor.

Impossibilidade de reembolso antecipado, quer pelo emitente quer pelo investidor. Documento Informativo Montepio Cabaz Ouro e Petróleo Produto Financeiro Complexo ao abrigo do Programa de Emissão de Obrigações de Caixa de 3,000,000,000 Advertências ao investidor: Impossibilidade de

Leia mais

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S.

RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES (1/7) Introdução. Âmbito da Revisão. Conclusão. Aos accionistas do BIM Banco Internacional de Moçambique, S. RELATÓRIO E CONTAS INTERCALAR 1.º SEMESTRE DE 2016 O BIM - Internacional de Moçambique, S.A., com o intuito de manter informados os senhores Clientes e o público em geral da evolução da sua actividade,

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

PREÇÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS

PREÇÁRIO DE VALORES MOBILIÁRIOS Informações Gerais Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis

Leia mais

O capital aplicado está garantido na Data de Vencimento.

O capital aplicado está garantido na Data de Vencimento. PROSPETO INFORMATIVO DEPÓSITO INDEXADO BEST AÇÕES FRANCESAS MARÇO 2016 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação Depósito Indexado BEST Ações Francesas Março 2016 Classificação Caracterização do Produto Garantia

Leia mais

A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda

A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda Seminário ANBIMA Conta de Liquidação e Compromissada Intradia A importância do acesso à Conta de Liquidação na visão do Ministério da Fazenda São Paulo, 12 de setembro de 2012 1 Seminário ANBIMA Conta

Leia mais

Obrigações de Caixa BPI USD BRIC

Obrigações de Caixa BPI USD BRIC Obrigações de Caixa BPI USD BRIC 80 + 8 2008-2010 Instrumento de Captação de Aforro Estruturado (ICAE) Abril 2008 1. CARACTERIZAÇÃO DO ICAE EMITENTE: OBJECTO DE INVESTIMENTO: PERFIL DO AFORRADOR: GARANTIA

Leia mais

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal

Pensar Angola. Aspectos fiscais do investimento português em Angola. PwC. Jaime Esteves. Fevereiro Banco BIC Portugal Aspectos fiscais do investimento português em Angola Jaime Esteves Banco BIC Portugal PwC Agenda 1 Tributação de Rendimentos em Angola 2 Investir em Angola a partir de Portugal 3 Tributação em Portugal

Leia mais

Academia de Warrants. 7. Certificados Estruturados (Valores Mobiliários Estruturados)

Academia de Warrants. 7. Certificados Estruturados (Valores Mobiliários Estruturados) Academia de Warrants 7. Certificados Estruturados (Valores Mobiliários Estruturados) Certificados - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Tipos de Certificados 4. Como negociar Academia de Warrants

Leia mais

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS

AVISO DE FUSÃO DE FUNDOS GNB Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Mobiliário, SA. Sede: Av. Alvares Cabral n.º 41, Lisboa CRCL / Pessoa Colectiva n.º 501882618 Capital Social: 3.000.000 EUR AVISO DE FUSÃO DE S Nos termos

Leia mais

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA

Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Preçário FINIBANCO ANGOLA SA Instituição Financeira Bancaria com sede em território nacional, de acordo com o previsto na Lei de bases das Instituições Financeiras Anexo I Tabela de comissões e despesas

Leia mais

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates

Academia de Warrants. 6. Factor Certificates Academia de Warrants 6. Factor Certificates Factor Certificates - Sumário Executivo 1. Introdução 2. Definição 3. Exemplos 4. Mecanismo de protecção 5. Como negociar Academia de Warrants 6. Factor Certificates

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1)

Prospecto Informativo Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1) Prospecto Informativo Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1) Fevereiro de 2013 Designação: Invest Selecção Portugal (Ser. 13/1) Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4

INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 RELATÓRIO TRIMESTRAL DE ACTIVIDADES ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 A. VALOR ACTUAL LÍQUIDO DA CARTEIRA (EM MILHÕES DE USD) 4 B. COMPOSIÇÃO GEOGRÁFICA E POR DURAÇÃO 4 C. COMPOSIÇÃO DA CARTEIRA POR CLASSES DE ACTIVOS

Leia mais

As Empresas de Serviços Energéticos

As Empresas de Serviços Energéticos As Empresas de Serviços Energéticos Lisboa, Março 2013 Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação Urbana In Smart Grids

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII FATOR IFIX FII Dezembro de 2016 FATOR IFIX FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator IFIX Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo o investir preponderantemente, em cotas

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Gestão de Patrimónios Janeiro 2016 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt RELATÓRIO

Leia mais

Classificação dos serviços de construção

Classificação dos serviços de construção Questões específicas da construção Classificação dos serviços de construção Construção pontual Construção permanente Atividades de construção de partes relacionadas Casos Especiais Banco de Dezembro de

Leia mais

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015

ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures. Série Única. Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. 3ª Emissão de Debêntures Série Única Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2015 Data Base 31/12/2015 PARTICIPANTES EMISSORA COORDENADOR(ES) ESCRITURADOR LIQUIDANTE

Leia mais

O Mercado de Capitais em Angola

O Mercado de Capitais em Angola O Mercado de Capitais em Angola Introdução e desenvolvimentos 16 de Julho de 2015 Objectivos Objectivos Gerais Transmitir aos colaboradores da TPA as ferramentas básicas para compreender e analisar os

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII

RELATÓRIO MENSAL FATOR IFIX FII FATOR IFIX FII Novembro de 2016 FATOR IFIX FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PERFIL DO FUNDO O Fator IFIX Fundo de Investimento Imobiliário FII tem como objetivo o investir preponderantemente, em cotas

Leia mais

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017

Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA. TABELA DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03 de Janeiro 2017 Preçário BANCO MILLENNIUM ATLÂNTICO, S.A. INSTITUIÇÃO FINANCEIRA BANCÁRIA TABELA DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Millennium

Leia mais

PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA VALORES MOBILIÁRIOS

PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA VALORES MOBILIÁRIOS Entrada em vigor: 02-novembro-2016 PREÇÁRIO DE INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA (Elaborado em cumprimento do disposto no artigo 312.º-G do Código dos Valores Mobiliários) VALORES MOBILIÁRIOS Informações Gerais

Leia mais

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017

Preçário. Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 Preçário Anexo II TABELA DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 23 de Janeiro de 2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco Económico e no site www.bancoeconomico.ao.

Leia mais

Mecanismos de Protecção do Investidor no Mercado de Valores Mobiliários. União dos Escritores Angolanos

Mecanismos de Protecção do Investidor no Mercado de Valores Mobiliários. União dos Escritores Angolanos Mecanismos de Protecção do Investidor no Mercado de Valores Mobiliários União dos Escritores Angolanos 10 de Agosto de 2016 Sumário 1. Ponto de Partida 2. Conceito e tipologia de investidor 3. Os princípios

Leia mais

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx

INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx INSTRUTIVO N.º xx/20xx de xx de xxxx ASSUNTO: MÉTODO DA TAXA DE JURO EFECTIVA NO RECONHECIMENTO DE RENDIMENTOS E GASTOS DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS Havendo a necessidade de estabelecer um conjunto de procedimentos

Leia mais

PREÇÁRIO. Tabela de Comissões e Despesas

PREÇÁRIO. Tabela de Comissões e Despesas PREÇÁRIO Tabela de e Despesas DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 01-01-2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões e locais de atendimento ao público do Banco de Desenvolvimento de Angola e em www.bda.ao. O

Leia mais