AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES 113 DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES 113 DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES 113 DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS MAGALI FERRARI ORANDO', LIZETE AUGUSTIN 2, SÉRGIO VALENTE TOMASINP, CLEDI NEGRÃO' RESUMO Técnicas d cultura d tcids têm sid mprgadas para grar mutaçõs gnéticas útis a mlhramnt d plantas. Nss trabalh fi avaliada a 3' graçã d plantas rgnradas a partir d cals cultivads in vitr (smaclns R 3). O nsai fi stablcid n camp xprimntal da Faculdad d Agrnmia da Univrsidad d Pass Fund. Fram smads 19 smaclns da graçã R 3 da cultivar UPF 12 2 smaclns da cultivar CTC 2, bm cm as rspctivas tstmunhas. O dlinamnt xprimntal utilizad fi d blcs casualizads m 3 rptiçõs snd as parclas d 1 m 2, cm 250 smnts cada (5 linhas cm 50 smnts/linha). As avaliaçõs ralizadas fram m rlaçã a dias d mrgência à flraçã, statura da planta, hábit d crscimnt, ps d hctlitr, rndimnt d grãs, ps d mil smnts rndimnt industrial. Fram bsrvadas variaçõs útis nas st caractrísticas variaçõs ngativas m 4 caratrísticas avaliadas ns smaclns da UPF-12. Tds s smaclns UPF 12 aprsntaram pl mns altraçã m uma das caractrísticas avaliadas. Os smaclns da cultivar CTC 2 hã aprsntaram variaçõs ngativas, aprsntand altraçõs psitivas m smnt 3 caractrísticas (data d flraçã, ps d hctlitr ps d mil smnts). Palavras-chav: Avia, mlhramnt vgtal, mutaçã in vii r EVALUATION OF AGRONOMIC TRAITS IN R, OAT POPULATION PRODUCED BY TISSUE CULTURE ABSTRACT Tissu cultur tchnic is bn usd t gnrat usful gntic mutatin fr brding prgram. In this wrk it was valuatd th third gnratin f in vitr callus rgnratd plant (R 3 smaclns). Th assay was stablishd in xprimntal fild. It wr sdd 19 smaclns f UPF 12 cultivar, 2 smaclns f CTC 2 cultivar as wll as th cntrls. Th xprimnt was carrid ut randmizd with 3 rptitins f 1m 2 parcls with 250 sds (5 rws with 50 sds/rw). It wr analysd days t flwring, plant higth, grwth habit, tst wight, 1000 sds wight, grain yld and grat prcntag. It was bsrvd psitiv (usful) variatin t ths svn traits valud frm UPF 12 tissu cultur drivd lins cmpard t th cntrl. Thr wr nly ngativ variatin fr fur charactrs. Hundrd prcnt f valuatd UPF 12 smaclns shwd. varialin at last in n masurd trait. Th CTC 2 smaclns shwd psitiv variatin n thr traits (days t flwring, tst wight and 1000 sds wight) and did nt shwd ngativ altratins. Ky wrds: Oat, gntic variability, in vitr mutatin INTRODUÇÃO A avia (Avna sativa) cnstitui-s numa cultura d grand imprtância dntr d sistma agrícla d sul d Brasil, snd cultivada tant para alimntaçã humana cm animal. Através d prgrama d mlhramnt a Univrsidad d Pass Fund lançu 17 cultivars d avia n mrcad. N ntant, sucss d mlhramnt stá, m grand part, na dpndência da variabilidad hrdávl dispnívl na ppulaçã. A strita bas gnética dsta cultura, principalmnt m rlaçã a algumas caractrísticas, justifica us d nvas mtdlgias para induzir altraçõs n matrial gnétic. A técnica d cultura d tcids stá snd mprgadapara grar mutaçõs útis a prgrama d mlhramnt. Estas mdificaçõs induzidas in viu s manifstam cm mutaçõs, hrdávis ntr a prgêni'd plantas rgnradas - sã dfinidas cm variaçõs smaclnal (LARKING SCOWCROFT, 1981). As mutaçõs crrm principalmnt durant prcss d induçã d uma massa clular dsrganizada mitticamnt instávl dnminada d' cal (EVANS t al., 1984). Váris mcanisms pdm dar rigm ã variaçã, smaclnal incluind mutaçõs d pnt, amplificaçã dlçã gênita, altraçõs m gns nuclars citplasmátics, altraçõs crmssômicas numéricas struturais, ativaçã d transpsns, rarranjs smátics, altraçã n padrã d mtilaçã d DNA, bm cm prturbaçõs na sua rplicaçã (SCOWCROFT LARKIN, 1983; PHILLIPS t al., 1990). Esta naturza variávl justifica a xistência d alguns mutants qu drivam xclusivamnt da variaçã smaclnal in vitr (LINDSEY JONES, 1989). Mais d 15% das plantas rgnradas prduzm prgênis mutants as quais gralmnt nã aprsntam msaicism, muit cmum quand utrs métds mutacinais sã mprgads (TARARES t al., 1991). 1. Biól., M.Sc. Prfssra da Univrsidad d Pass Fund. FAMV, Caixa Pstal 511, Pass Fund RS/BRASIL. 2. Eng. Agr., M.Sc. Prfssra da Univrsidad d Pass Fund. Faculdad d Agrnmia Labratóri d Bitcnlgia Vgtal, Caixa Pstal 566, Pass Fund RS/BRASIL. 3. Acadêmic d Agrnmia: Blsista d CNPq/ RHAE. 4. Acadêmica d Agrnmia. Estagiária. Rcbid para publicaçâ m 05/02/

2 MAGALI FERRARI GRANDO, LIZETE AUGUSTIN, SÉRGIO VALENTE TOMASINI, CLEDI NEGRÃO Indpndnt ds mcanisms pls quais s vnts mutacinais crrm, xistm vidências suficints d qu stas variaçõs inclum divrss tips d altraçõs hrdávis agrnmicamnt dsjávis (MOHMAND NABORS, 1990). Variants smadnais útis fram rlatadas m difrnts spécis d plantas cm cana-d-açúcar (HEINZ t al., 1977), batata (SHEPARD t al., 1980; SECOR SHEPARD, 1981) tmat (EVANS t al., 1984), aprsntand altraçõs m caractrísticas mrflógicas agrnômicas, bm cm rsistência à mléstias. Mdificaçõs m caractrísticas qualitativas quantitativas fram bsrvadas m plantas crais rgnradas in vitr, tais cm milh, arrzt trig (BAJAJ, 1989; LARKING t al., 1984). Altraçõs na frtilidad, tamanh da spiga, ps d smnts tr d prtína da smnt d trig (LARKIN t al ), plantas smaclnais d arrz rsistnt a xantntnas rysa (SUN t al., 1986) cm altraçã na data d flrscimnt, statura, prfilhamnt vigr (PACHÓN, 1988, citad pr TARARES t al., 1991) fram já rlatadas na litratura. DAHLEEN t al. (1991) bsrvaram aumnt d prdutividad m avia, bm cm variaçõs psitivas ngativas m utras caractrísticas cm: statura d planta, dias d mrgência à flraçã, númr ps d smnts, ára da flha bandira prcntagm d prtína n grã. Est trabalh bjtiva avaliar a 3a graçã d autfcundaçã d smaclns d duas cultivars d avia gradas pla cultura d tcids. Busca também slcinar variants útis a mlhramnt vgtal. MATERIAL E MÉTODOS Fram smadas n Camp Exprimntal da Faculdad d Agrnmia da Univrsidad d Pass Fund 21 smaclns da 3 graçã (R 3) d autfcundaçã d plantas rgnradas d cals cultivads in var, snd 19 smaclns da cultivar UPF 12 2 smaclns da cultivar CTC 2, bm cm as rspctivas tstmunhas. A Figura I mstra as tapas d dsnvlvimnt ds smaclns usads nst xprimnt. Os smaclns utilizads sfrram uma pré-slçã na graçã R, fram avaliads para algumas caractrísticas na graçã R2 cm mstra a Figura 2. FIGURA 1 Prcss d criaçã ds smaclns: a)cals induzids a partir d mbriõs imaturs cultivads m mi d cultura cntnd 2,4-D; b)rgnraçã d brts a partir ds cals; c)nraizamnt das plântulas graçã das plantas smaclns RO; d)smaclns R3 cnduzids a nívl d camp para avaliaçã das mutaçõs induzidas 140 PESO. AGROP. GAÚCHA. v.3. n

3 AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES R, DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS EMBRIÕES 2-3 m M D M5+ ANA 4- BAP Camp CALO LABORATÓRIO RO Trudx). M O Ill O Ri FRE-SELEÇÃO R2 * si _, R3 R2: R3: - Avaliaçõs - - Avaliaçõs - FIGURA 2 Esquma d btnçã avaliaçã ds smaclns. Plantas R O sã dirtamnt btidas a partir d cals. As smnts dssas plantas dã rigm a graçã R 1, na qual s faz uma préslçã d plantas qu mrflógicamnt s difrnciam d cntrl. Difrnts avaliaçõs sã ralizadas nas ppulaçõs R 2 R 3 d vid a tamanh da ppulaçã O dlinamnt xprimntal utilizad fi d blcs casualizads, m 3 rptiçõs, snd as parclas d 1 m2, cm 250 smnts cada (5 linhas cm 50 smnts/linha). Fram ralizadas as sguints avaliaçõs: dias d mrgência à flraçã, statura d plantas, hábit d crscimnt, ps d hctlitr (PH), rndimnt d grãs (kg/ha), ps d mil smnts (PMS) rndimnt industrial (%). Para avaliar hábit d crscimnt fram dsignads s valrs 4 para plantas d hábit prstrad, 3 para plantas d hábit smi-prstrads, 2 para hábit smi-rt 1 para hábit rt d crscimnt. A caractrística rndimnt industrial diz rspit a prcntagm d ps ds grãs dscascads m rlaçã as grãs cm casca, indicand a prcntagm d ps qu é rlativ a slidz d grã sm a palha. Os dads fram submtids a anális d variância a tst d cmparaçã d médias Duncan a 5% d significáricia. RESULTADOS E DISCUSSÃO is 125 a É 105 ti a i.r,. hl ti % f % V L 1k à cp." 413 <6 Za ro, cli c"..an- c:99$ <> és t 45 b* FP 9C1 GP t t c'.0 t 0". fr a9"," Q, UPF-12 CTC -2 GENÓTIPOS C.V.% CV DUNCAN 5% DUNCAN 5% FIGURA 3 Rsultads rfrnts a dias d mrgência à flraçã d smaclns R3 das cultivars UPF 12 CTC 2 A anális quant a dias d mrgência a flraçã dmnstru qu s smaclns 90VS027-1, 90VS122-6,90VS009-1, 90VS009-2, 90VS002-2, 90VS VS122-4 fram mais prccs qu a Tstmunha UPF 12 (Figura 3). O smacln 90VS002-1 fi 16 dias mais prcc qu a tstmunha. Sis smaclns dst msm gnótip fram mais tardis. Os gnótips 90VS001-2, 90VS VS003-2 fram mais tardis, cncrdand cm s rsultads btids n an antrir(eichler t al., 1993). Nas figuras smnt sã mstrads s rsultads ds smaclns qu aprsntaram variaçõs para a caractrística m qustã. Em rlaçã a gnótip CfC 2, smacln 90VS154-2 fi mais prcc. A criaçã d gnótips mais prccs é dsjávl dvid a pssibilidad d utilizaçã da avia m sistmas d rtaçã d culturas. 141

4 MAGALI FERRARI GRANIDO, LIZETE AUGUSTIN, SÉRGIO VALENTE TOMASINI, CLEDI NEGRÃO Ds 19 smaclns da UPF 12 avaliads, smnt 4 nã difriram da tstmunha n qu diz rspit à statura d plantas (Figura 4). O rstant ds matriais fram significativamnt mais baixs. Os smaclns 90VS016-2, 90VS VS016-3 aprsntaram uma statura d 88,2, 87,3 83,1 cm, rspctivamnt, prtant 38 cm, m média, a mns qu a tstmunha. Ests msms smaclns s dstacaram n an antrir pr sta caractrística. A rduçã da statura d planta é dsjávl tm sid cnstatada m váris xprimnts ralizads m nss labratóri. Plantas d baixa statura também fram btidas d rgnrants d arrz (PACHÓN, 1988, citad pr TABARES t a1.,1991) avia (DAHLEEN t al., 1991) st 105 < 100 frar 7 g g '38cm 1-85 I - r t w <1. fir q, 4) < ir cpt.llif \C:F,,53 0; ANOS t (311. <9; CF CO C) CD \ ' 1 CPI-S) 4 4 4c 4t P-4,-45-4b 4' 4P 4) cp cp cp cp P 1 GENÓTIPOS %=4.720 DUCAN 5% FIGURA 4 - Rsultads rfrnts a statura (cm) ds smaclns R 3 da cultivar UPF 2 421, Cm a caractrística statura tm s mstrad facilmnt altrávl pl prcss d cultiv in vitr sta mtdlgia pdria sr aplicada a gnótips linhagns qu aprsntam bm ptncial d rndimnt mas qu aprsntam prblma d acamamnt dvid a alta statura d planta. A anális d hábit d crscimnt (Figura 5) in- dicu variaçã ns smaclns 90VS001-1, 90VS VS003-2 s quais aprsntaram hábit rt, s smaclns 90VS016-2, 90VS VS016-4 aprsntaram hábit prstrad smi-prstrad m rlaçã a tstmunha qu pssui hábit smi-rt. Tais variaçõs nã fram bsrvadas ns matriais da cultivar CTC 2. P., S,P S.E E N NP N 1, 4: ci. 'Ylk 9/11 N tina kr t. 3:5 cr " l3 : l lt %. ct, r cr cr cf' GENÓTIPO C V.% DUNCAN 5% FIGURA 5 - Rsultads rfrnts a hábit d crscimnt ds smaclns R 3 da cultivar UPF 12 1/17

5 AVALIAÇÃO DAS CARACTERiSTICAS AGRONÔMICAS EM POPULAÇÕES R, DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS O alt valr d PH tm sid uma xigência das mprsas na cmrcializaçã d avia dstinada a alimntaçã humana. O smacln 90VS002-1 aprsntu ps hctlitr (PH) (46,20 kg/h1) muit suprir a da tstmunha UPF 12 (31,11/kg/hl). Os matriais 90VS011-1, 90VS015-1, 90VS016-3, 90VS VS027-2 também aprsntaram PH significativamnt mair qu a tstmunha, cncrdand cm s dads d an antrir (Figura 6). O smacln 90VS154-2 tv PH suprir a cultivar CTC 2. FIGURA 6 Rsultads rfrnts a ps hctlítric (PH) ds smaclns R 3 das cultivars UPF 12 CTC 2 Quant a carátr rndimnt d grãs (Figura 7) s smaclns 90VS VS002-1 prduziram, rspctivamnt, kg/ha suprand a tstmunha UPF 12, qu prduziu, m média, kg/ ha. N an antrir, smacln 90VS002-6 prduziu quas dbr da tstmunha mantv sua supriri- dad nst nsai. Para sta caractrística huv também variaçõs ngativas pis alguns smaclns aprsntaram mnr rndimnt qu a tstmunha. O aumnt d rndimnt d grãs é uma caractrística xtrmamnt dsjávl dtrminada pr gns d açã quantitativa a ita Cr c 1: dé Ia 500 cc a- d 0 ft.. SS t, P.? ç N GENÕTIPOS C.V. %= DUNCAN 5% FIGURA 7 Rsultads rfrnts a rndimnt d grãs ds smaclns R 3 das cultivar UPF

6 MAGALI FERRAM GRANDO, LIZETE AUGUST1N, SERGIO VALENTE TOMASINI, CLEDI NEGRÃO Os smaclns 90VS002-1, 90VS002-5, 90VS016-2, 90VS VS016-4 aprsntaram ps d mil smnts (PMS) suprir à tstmunha UPF 12. Ests três últims smaclns dstacaram-s n an antrir pr sta caractrística. Os smaclns 90VS001-1, 90VS VS003-2 tivram, cm n an antrir, mnr PMS. O smacln 90VS da CTC 2 aprsntu PMS mair qu a tstmunha, cm mstra a Fgura 8. FIGURA 8 Rsultads rfrnts a ps d mil smnts ds smaclns R3 das cultivars UPF 12 CTC 2 Quant a rndimnt industrial (Figura 9) s smaclns, u s igualaram as tstmunhas u supraram as msmas. Os smaclns 90VS016-3, 90VS016-4, 90VS027-1, 90VS009-1, 90VS009-2 aprsntaram uma prcntagm média d 13,48% suprir à tstmunha UPF 12. Tais variaçõs nã fram bsrvadas n gnótip CTC 2. O aumnt d ps d grã m rlaçã à casca lva a uma valrizaçã.d grã dstinad a prcssamnt da avia para cnsum human J 10 g 8 E cfr is& Ç'%# ,i Cfr 45 ss5c5 9 cp cft P P 9P CP - UPF-12 GENUTIPOS C. Y.%=7.152 DUNCAN 5% C.V.%-277 DLNCAN 5% FIGURA 9 Rsultads rfrnts a rndimnt industrial (RI) ds smaclns R 3 da cultivar UPF 12 14d

7 AVALIAÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS AGRONÓMICAS EM POPULAÇÕES R, DE AVEIA GERADAS PELA CULTURA DE TECIDOS Em gral fram bsrvadas variaçõs útis nas st caractrísticas avaliadas para gnótip UPF 12, smnt havnd variaçõs ngativas para 4 caractrísticas (dias da mrgência à flraçã, hábit d crscimnt, rndimnt d grãs PMS). 100% ds smaclns dst gnótip mstraram pl mns uma caractrística altrada. Apnas um ds 19 smaclns da UPF 12 (90VS002-6) tv apnas uma caractrística mutada: prduçã d grãs. Outrs smaclns aprsntaram pl mns 2 caractrísticas mdificadas. Os smaclns da cultivar CTC 2 mstraram variaçõs psitivas para prccidad, PH PMS, nã aprsntand caractrísticas ngativas. A mtdlgia d cultiv in vitr mprgada s mstru ficint na induçã d mutaçõs agrnmicamnt útis. A sclha d bns gnótips para induçã d cals aumnta a prbabilidad d prduzir matriais variants cm ptncial d cmptiçã cm gnótips d lit ns nsais d prgrama d mlhramnt d avia. A técnica d btnçã d cals para induçã d variaçã smaclnal pd sr usada para intrduzir um carátr dsjad m uma cultivar u linhagm. Sis linhagns smaclnais drivadas dst xprimnt fram rpassadas para nsai prliminar d prgrama d mlhramnt (90VS002-1, 90VS002-6, 90VS011-1, 90VS015-1, 90VS027-1, 90VS0154-2). As plantas qu aprsntaram mutaçõs nst xprimnt stã snd avaliadas a nívl crmssônic mlcularmnt para sistmas nzimátics m ltrfrs. CONCLUSÕES A técnica d induçã d variaçã smaclnal pla cultura d tcids é uma mtdlgia viávl para prmvr altraçõs m caractrísticas quantitativas útis a mlhramnt vgtal. BIBLIOGRAFIA CITADA BAJAJ, Y.P.S. Inductin and cryprsrvatin f smaclnal variatin i what and ric. In: MIDEEB-KASLA4 SITCH,L.A. R vi w f advancs in plant 4.. bitchnlgy p DAHLEEN, L.S.; STUTHMAN, D.D. AND RINES, H.N. Agrnmic traits variatin in at tins drivd frm tissu cultur. Crp Scinc, v. 31, p , EICHLER, L.; ORANDO, M. E; TOMASINI, S.; HECKLER, J.P. Avaliaçã das caractrísticas mrflógicas fnlógicas, d smaclns R2 d avia. In: REUNIÃO DA COMISSÃO SULBRASILEIRA DE PESQUISA DE AVEIA, 13., 1993, ljuí. Rsultads... ljuí, p EVANS, DA.; SHARP, W. R.; MEDINA FILHO, M. R Smaclnal and gamtclnal variatin. Amrican Jurnal f Btany, v. 71, n. 6, p ,1984. HEINZ, D. J.; KRISHAMURTHI, M.; NICKELL, L. G.; MARETZKI, A. Cll, tissu and rgan cultur in sugarcanc. In: REINERT, 1. A.; BAJAJ, Y. P. S. Plant cll, tissu and rgan cultur. Spring Vrlag, Brlin: 1977, p LARKING, P. 1.; RYAN. S.A.; BR ETTELL, R.I.S.; SCOWCROFT, W.R. Hritabl smaclnal variatin in what. Thry Applid Gntic, v. 64, p ,1984. LARKING, P. J.; SCOWCROFT, W.R.. Smaclnal variatin a nvl surc f variability frm cll culturs fr plant imprvmnt. Thry Applid Gntic, v. 60, p , LINDSEY, K.; JONES, M.G.K. Cnscuncias dcl cultiv d tjids: variabilidad instabilidad. In: LINDSEY, K.; JONES, M. G. K. Bitcnlgia Vgtal Agricla.. Espana: Acribia, p MOHMAND, A.S.; NABORS, M. W. Smaclnal variant plants f what drivd frm matur mbry xplant f thrc gntyps. Plant Cll Rprductin. v. 8, p ,1990 PHILLIPS, R. L.; KAEPPLER, S.M.; PESCHKE, V.M. D w undrstand smaclnal variatin? In: NLIKAMP, H. J. J.; VAN-DERPLAS, L. H. N.; VAN AARTNIJK, J. Prgrss in plant clular and mlcular bilgy. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF PLANT TISSUE CELL AND CULTURE, 7., Prcdings... Nthrland: Kluwr, p SECOR, G.; SHEPARD, J. F. Variability f prtplast drivd palat cns. Crp Scincs. n. 21, p , SCOWCROFT, W.R.; LARKING, RJ. Smaclnal variatin: a nw ptin fr plant. In: VASIL, I. K. ; SCOWCROFT, W. R.; FREY, K. J. Plant Imprvmnt and smalis cll gntics. Nw Yrk: Acadmi Prss, p SHEPARD, 1.F.; BIDNEY, D.; SHAHIN, E. Ptat prtplasts in crp imprvmnt. Scinc, v. 208, p.17-24, SUN, L. H.; SHE, J. M.; LU, X. F. In vitr slctin f Xanthmnas ryza- rsistnt mutants in ric. I. Inductin f rsistant ctins and scrning rgnratd plants. Acta Gnt. Sin., v. 13, p ,1986. TABARES, E.; PACHÓN, J.; ROCA, W. M. Variación smaclnal y su aplicación al mjrarnnt d cultivs. In: ROCA, W. M. ; WIROGINSKL L. A. Cultivs d tjids n la agricultura. Clmbia: Ciat. Cali, 1991.p AGRADECIMENTOS Agradcms a Eng. Agr. Dr. Sandra Milach pl api n dsnvlvimnt das técnicas gradras ds matriais usads nst xprimnt. O prjt fi parcialmnt financiad pla FINEP, CNPq (BIC) FAPERGS (BIC). 1AC

Lista de Exercícios 4 Cálculo I

Lista de Exercícios 4 Cálculo I Lista d Ercícis 4 Cálcul I Ercíci 5 página : Dtrmin as assínttas vrticais hrizntais (s istirm) intrprt s rsultads ncntrads rlacinand-s cm cmprtamnt da funçã: + a) f ( ) = Ants d cmçar a calcular s its

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Smstr/2015 Ensin Técnic Códig: 0262 ETEC ANHANGUERA Municípi: Santana d Parnaíba Cmpnnt Curricular: Gstã Emprsarial Módul: 1 Eix Tcnlógic: Sgurança C. H. Smanal: 2,5 Habilitaçã

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Propagação de sinais senoidais em um cabo coaxial

Propagação de sinais senoidais em um cabo coaxial Disipina: Ondas Prpaaçã Prf.: Dr. Airtn Rams Univrsidad d Estad d Santa Catarina Cntr d Ciênias Tnóias CCT Dpartamnt d Ennharia Eétria Labratóri d Etrmantism E-3 Prpaaçã d sinais snidais m um ab axia O

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações.

uma estrutura convencional. Desta forma, o desempenho de um sistema estrutural está diretamente relacionado com o desempenho de suas ligações. ISSN 1809-5860 ESTUDO DE UMA LIGAÇÃO VIGA-PILAR UTILIZADA EM GALPÕES DE CONCRETO PRÉ- MOLDADO Anamaria Malachini Miotto 1 & Mounir Khalil El Dbs 2 Rsumo Em gral, as ligaçõs ntr lmntos pré-moldados d concrto

Leia mais

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. "Kenko Hoken" Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações

Numeração. Classificação. Doenças Assunto. Seguro Público para Assistência Médica Tema. Kenko Hoken Seguro de Saúde. 1 Exemplos de Situações Numraçã 8-4-2 Nívl d cnsulta 3 Classificaçã Dnças Assunt Sgur Públic para Assistência Médica Tma "Knk Hkn" Sgur d Saúd 1 Exmpls d Situaçõs Estu trabalhand m uma mprsa japnsa. Dsj sabr s há algum sgur para

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica

03-05-2015. Sumário. Campo e potencial elétrico. Energia potencial elétrica Sumáio Unidad II Elticidad Magntismo 1- - Engia potncial lética. - Potncial lético. - Supfícis quipotnciais. Movimnto d cagas léticas num campo lético unifom. PS 22 Engia potncial lética potncial lético.

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal

Procedimento em duas etapas para o agrupamento de dados de expressão gênica temporal Procdimnto m duas tapas para o agrupamnto d dados d xprssão gênica tmporal Moysés Nascimnto Fabyano Fonsca Silva Thlma Sáfadi Ana Carolina Campana Nascimnto Introdução Uma das abordagns mais importants

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Dimensionamento à torção de vigas de concreto armado. Design for torsion of reinforced concrete beams

Dimensionamento à torção de vigas de concreto armado. Design for torsion of reinforced concrete beams Tria Prática na Engnharia Civil, n.21, p.1-11, Mai, 2013 Dimnsinamnt à trçã d vigas d cncrt armad Dsign fr trsin f rinfrcd cncrt bams Jsé Miltn d raúj Escla d Engnharia FURG Ri Grand, RS -mail: d.dnas@mikrs.cm.br

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE ILUMINÂNCIA DE EXTERIORES Rodrigo Sousa Frrira 1, João Paulo Viira Bonifácio 1, Daian Rznd Carrijo 1, Marcos Frnando Mnzs Villa 1, Clarissa Valadars Machado 1, Sbastião Camargo

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Que ele é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade. filho de e de. Que ela é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade

Que ele é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade. filho de e de. Que ela é,, com anos de estado civil nacionalidade profissão idade FORMULÁRIO DE DECLARAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE ESTADO CIVIL E DE MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES AUSÊNCIA DE IMPEDIMENTO AO CASAMENTO NÓS abaixo assinados, atstamos qu conhcmos: nom complto

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia

turismo corporate negócio noronha roma seul garopaba brasília são lu gramado brasília são paulo recife natal tóquio lisboa rio de janeiro capadócia brlim sã l brlim santg rcif curi sul punta dl st rma sul nrnha r rcif rcif garpabacapa nrnha mntvidéu r barilch punta dl st mació sã paul mació sul capadóc r mnt SUPER sã l ngóci gramad turism FÉRIAS crprat

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009

Custos das Operaçõ. ções no Brasil. Audiência Pública Câmara dos Deputados CFT dezembro de 2009 Cartão o d Crédito: Custos das Opraçõ çõs no Brasil Audiência Pública Câmara dos Dputados CFT dzmbro d 2009 Instrumntos d Pagamnto Quantidad d transaçõ çõs Evoluçã ção Milhõs d transaçõ çõs 2 Intrbancários

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

Projeto de Magnéticos

Projeto de Magnéticos rojto d Magnéticos rojto d circuitos magnéticos ltrônicos rojto d Magnéticos 1. ntrodução s caractrísticas idais d um componnt magnético são: rsistência nula, capacitância parasita nula, dnsidad d campo

Leia mais

Eventos Extras - Descontos PP - Contestação PP - Faturas Avulsas - Eventos Programados FP x PEONA 12.1.5. maio de 2015. Versão 1.0

Eventos Extras - Descontos PP - Contestação PP - Faturas Avulsas - Eventos Programados FP x PEONA 12.1.5. maio de 2015. Versão 1.0 Events Extras - Descnts PP - Cntestaçã PP - Faturas Avulsas - Events Prgramads FP x PEONA 12.1.5 mai de 2015 Versã 1.0 1 Sumári 1 Intrduçã... 3 2 Seleçã de Dads... 4 2 1 Intrduçã Emitir n relatóri d PEONA,

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados

ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 de Agosto de 2007. Diplomas alterados ALTERAÇÃO Nº 8 tudo até 31 d Agosto d 2007 Diplomas altrados CAPÍTULO I Disposiçõs grais Administração local autárquica (A) Municípios Frgusias Dcrto-Li n.º 17/2007, d 22 d Janiro, qu criou o rgim xcpcional

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial

Estudo da Transmissão de Sinal em um Cabo co-axial Rlatório final d Instrumntação d Ensino F-809 /11/00 Wllington Akira Iwamoto Orintador: Richard Landrs Instituto d Física Glb Wataghin, Unicamp Estudo da Transmissão d Sinal m um Cabo co-axial OBJETIVO

Leia mais

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas

Como se tornar fluente em Inglês em todas as áreas Cm s trnar flunt m Inglês m tdas as áras Tds s dias rcbms muits -mails pssas rm sabr pm fazr aprnr a falar ingls bm A fórmula xist sim funcina! Qur prvar iss dand minha própria xpriência cm aprndizad da

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995

w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 (2-4- LIDO HOJE AS COMISSÕES DE: S E I 995 nnnnnnnnnnnnnnnnnnnn w2-49-, 01 PL PROJETO DE LEÍ 01-0846/1995 Dnmina "Praça Marcus França Trrs" a Praça VI, cadlg 46.573-9, situada n Distrit d Jaraguá - JAR.

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ

DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES EXTREMOS DA PRECIPITAÇÃO MÁXIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE DE VALORES ETREMOS DA MÁIMA DE 24 HORAS DE BELÉM DO PARÁ Mauro Mndonça da Silva Mstrando UFAL Mació - AL -mail: mmds@ccn.ufal.br Ant Rika Tshima Gonçalvs UFPA Blém-PA -mail:

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

Alteração da seqüência de execução de instruções

Alteração da seqüência de execução de instruções Iníci Busc d próxim Excut Prd Cicl busc Cicl xcuçã Prgrm Sqüênci instruçõs m mmóri Trdutr : Cmpilr X Intrprtr / Linkditr Cnvrt prgrm-fnt m prgrm bjt (lingugm máqui) Prgrm cmpil = mis rápi Prgrm Intrprt

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol

Pragmática intercultural e entoação: os enunciados interrogativos (perguntas) em português e em espanhol Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Pragmática intrcultural ntoação: os nunciados intrrogativos (prguntas) m português m spanhol Lticia Rbollo Couto (UFRJ) 1 Natalia dos Santos

Leia mais

A JUNÇÃO P-N E O DIODO RETIFICADOR

A JUNÇÃO P-N E O DIODO RETIFICADOR A JUNÇÃO P-N E O DIODO RETIFICADOR JOSÉ ARNALDO REDINZ Dpartamnto d Física - Univrsidad Fdral d Viçosa CEP : 36571-, Viçosa MG 8/2 1) A TEORIA DE BANDAS PARA A CONDUÇÃO ELÉTRICA A única toria capaz d xplicar

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escla Básica Scdária Dr. Âgl Agst da Silva Tst d MATEMÁTIA A º A Draçã: 9 mits Març/ 3 Nm Nº T: lassificaçã O Prf. (Lís Abr) ª PARTE Para cada ma das sgits qstõs d sclha múltipla, slci a rspsta crrta d

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar

Utilizando o Calculador Etelj Velocidade do Som no Ar Utilizand Calculadr telj Velcidade d Sm n Ar Hmer Sette 8 0 0 ste utilitári permite cálcul da velcidade de prpagaçã d sm n ar C, em funçã da temperatura d ar, da umidade relativa d ar e da pressã atmsférica

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14

Eu só quero um xodó. Música na escola: exercício 14 Eu só qu u xdó Músic n scl: xcíci 14 Eu só qu u xdó Ptitus Mi, hni lt Aut: Dinguinhs stáci Rgiã: Pnbuc : 1973 Fix: 14 Anj: Edsn Jsé Alvs Músics: Edsn Jsé Alvs vilã Pvt clints, sx t Jsé Alvs Sbinh Zzinh

Leia mais

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de

Uma característica importante dos núcleos é a razão N/Z. Para o núcleo de Dsintgração Radioativa Os núclos, m sua grand maioria, são instávis, ou sja, as rspctivas combinaçõs d prótons nêutrons não originam configuraçõs nuclars stávis. Esss núclos, chamados radioativos, s transformam

Leia mais

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES

CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES Luiz Frncisco d Cruz Drtmnto d Mtmátic Uns/Buru CAPÍTULO 9 COORDENADAS POLARES O lno, tmbém chmdo d R, ond R RR {(,)/, R}, ou sj, o roduto crtsino d R or R, é o conjunto d todos os rs ordndos (,), R El

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos

Lista de exercícios de resistência ao cisalhamento dos solos UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departament de Engenharia Civil Setr de Getecnia Paul Sérgi de Almeida Barbsa Lista de exercícis de resistência a cisalhament ds sls 1.ª ) Uma amstra de uma argila nrmalmente

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Univrsidad Estadual d Londrina RODRIGO AUGUSTO MODESTO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO ATIVA DE POTÊNCIA APLICADO A UM FILTRO ATIVO PARALELO MONOFÁSICO LONDRINA 2007 RODRIGO AUGUSTO MODESTO MÉTODO DE COMPENSAÇÃO

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

PLANO de ESTUDO 6.º ANO - ANUAL

PLANO de ESTUDO 6.º ANO - ANUAL PLANO d ESTUDO 6.º ANO - ANUAL Contúdos 1. Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. 1.1. Os alimntos como vículo d nutrints. 1.2.Sistma digstivo do sr d outros animais. 1.2.1. Órgãos do sistma

Leia mais

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento

Válvula Condicionadora de Vapor Tipo DUP. e válvula de controle de água de resfriamento Válvula Condicionadora d Vapor Tipo DUP válvula d control d água d rsfriamnto Aplicação: Válvula Condicionadora d Vapor para Cntrais Elétricas Procssos Industriais combinada numa unidad com válvula d control

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS ANÁLISE CUSTO - VOLUME - RESULTADOS 1 Introdução ao tma Exist todo o intrss na abordagm dst tma, pois prmit a rsolução d um conjunto d situaçõs qu s aprsntam rgularmnt na vida das organizaçõs. Estas qustõs

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK.

ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. ESTUDO DA CINÉTICA DE SECAGEM DO BAGAÇO DO PEDUNCULO DO CAJU IN NATURA E ENRIQUECIDO, COM APLICAÇÃO DO MODELO DIFUSIONAL DE FICK. N. M. RIBEIRO FILHO 1 ; R. C. SANTOS 3 ; O. L. S. d ALSINA ; M. F. D. MEDEIROS

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Gabrila Nbr Pdrira da Csta Cmparaçã ntr s métds d scamnt nã prmannt prmannt unifrm para dimnsinamnt d galrias d drnagm Trabalh d Graduaçã Civil CDU. Gabrila Nbr Pdrira

Leia mais

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis

Armazenamento de Sementes de Milho em Recipientes Reutilizáveis Arznnt d Snt d Milh Rcipint Rutilizávi Miz Sd Strg In Rubl Cntinr SANAZÁRIO, Ann Chritin 1. kinzri@yh.c.br; COELHO, Fábi Cunh 1. fclh@unf.br; VIEIRA, Hnriqu Durt 1. hnriqu@unf.br; RUBIM, RqulL Filh 1.

Leia mais

Máquinas de lavar roupa. Máquinas de lavar roupa de baixa centrifugação. Microprocessador G900. WR 8 (cód. 0901.12.008) MAGNUS

Máquinas de lavar roupa. Máquinas de lavar roupa de baixa centrifugação. Microprocessador G900. WR 8 (cód. 0901.12.008) MAGNUS Máquinas d lavar rupa Máquinas d lavar rupa d baixa cntrifugaçã 533 400 WR 8 (cód. 0901.12.008) 5.250, 00 Máquina d lavar rupa d baixa cntrifugaçã, 7,3 kg - Prgramadr lctrónic Dimnsõs (LPH) 660x620x1045

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009 Cartão o d Crédito: Concntraçã ção o Custos Câmara dos Dputados - Comissão d Finanças Tributação 8 d outubro d 2009 Agnda 2 Indústria d cartõs d pagamntos Concntração Infra-strutura Estrutura d custos

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas

Planificação de Ciências Naturais. 9.ºAno. Alterações climáticas Planificação d Ciências Naturais 9.ºAno Altraçõs climáticas Inês Hnriqus Sandra Mnds Tma: Biosfra Aula n.º: 1 Duração: 90 minutos Introdução à unid Altraçõs climáticas. Biosfra, concito importância. Dgração

Leia mais