Considerações sobre a configuração de um teclado virtual para o digitação de URLs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Considerações sobre a configuração de um teclado virtual para o digitação de URLs"

Transcrição

1 Considerações sobre a configuração de um teclado virtual para o digitação de URLs Consideratios Regarding a Virtual Keyboard Configuration for the input of URLs BAIA, Tâmara; Designer; INdT CASTILLO, Leonardo; Ph.D. Universidade Federal de Pernambuco NEVES, André; Ph.D. Universidade Federal de Pernambuco BOEIRA, Gabriela; Ms; Universidade Federal de Pernambuco Resumo Este artigo trata do estudo sobre teclados virtuais. Analisa os tipos de layout tradicionalmente mais utilizados para entrada de texto. Logo após, apresenta e analisa diversos exemplos de teclados virtuais para computador e para televisão, com foco em propostas de entrada de dados em que o usuário utiliza um controle remoto para interagir com o teclado virtual exibido na tela. Finalmente, é proposto um modelo inicial de teclado virtual para televisão com ênfase na entrada de caracteres especiais, visando facilitar a digitação de endereços de internet por parte dos usuários utilizando um controle remoto. Palavras Chave: teclados virtuais; entrada de textos; usabilidade. Abstract This paper is about virtual keyboards. It analyses different types of layout traditionally used for text input, such as virtual keyboards developed for both computers and the television sets. Especial attention was paid to the analysis of virtual keyboards for TV sets, where a remote control is used for data entry, while the user interacts with a virtual keyboard exhibited on the TV screen. Finally, an initial model of virtual keyboard is proposed. It focuses on the entry of special characters to facilitate users typing of Internet addresses using a remote control. Keywords: virtual keyboard; text input method; usability IMPORTANTE: na parte inferior desta primeira página deve ser deixado um espaço de pelo menos 7,0 cm de altura, medido da borda inferior, no qual serão acrescentadas, pelos editores, informações para referência bibliográfica

2 1. Introdução A entrada de texto e números é uma das formas de input mais convencionais que existem do ponto de vista da interação humano-computador. Existem vários métodos de entrada de texto em sistemas, desde o convencional teclado físico a teclados de celulares com sistemas de predição de palavras. Um dos maiores avanços do século XX foi o desenvolvimento de microprocessadores. A evolução e miniaturização do desktop e em dispositivos ainda menores andou num passo mais rápido que a evolução da camada de interação entre o homem e a máquina. Os atuais dispositivos são muito desenvolvidos quanto ao processamento de cálculos complexos, e paradoxalmente é limitada a forma como o usuário interage com ele. Existem vários estudos quanto à forma de entrada de texto, por causa das possibilidades ainda inexploradas (RAINISTO, 2007). Um aspecto crítico que interfere na entrada de texto é a experiência do usuário em relação ao método usado. Diferentes tarefas teriam diferentes requisitos quanto ao método de entrada? É possível adaptar o teclado às diferentes tarefas que podem ser desempenhadas através da entrada de texto. É interessante verificar se teclados com diferentes layouts podem ser mais adequados ao contexto da atividade desempenhada. Neste artigo tratamos da interação através do input de caracteres alfanuméricos e simbólicos em um dispositivo eletrônico. Os principais fatores que nos motivaram a iniciar uma pesquisa para o desenvolvimento de um teclado virtual para televisão foram: o fato da atividade de digitar com um controle remoto poder tornar-se muito enfadonha e cheia de passos para chegar ao objetivo final; e a possibilidade de auxiliar o usuário através de um layout que seja adaptado ao contexto da tarefa. Entre os vários métodos de input, o teclado virtual exibido em uma tela com input por controle remoto, será o foco desta pesquisa. Como se trata de uma tarefa meticulosa, visamos facilitar a experiência do usuário identificando contextos em que o teclado poderia ser utilizado e propondo layouts com configurações que sejam mais adequadas. Desta maneira, este artigo trata do estudo sobre teclados virtuais e apresenta uma proposta de teclado virtual para televisão visando facilitar a digitação de endereço de internet pelos usuários. 2. Sistemas de teclado virtual Um teclado virtual é um simulador de teclado, apresentando ou não o layout de um teclado real em uma tela, que pode ser de um computador, um celular, uma televisão, etc. Esse tipo de teclado, de acordo com Juliato et all (2004), possui um sistema de varredura para seleção de caracteres, eliminando a necessidade de um teclado físico convencional. A maioria dos teclados virtuais é projetada a fim de permitir maior acessibilidade aos portadores de deficiência, auxiliando-os no acesso a ferramentas de comunicação como computadores e outros dispositivos eletrônicos. Entretanto, os simuladores de teclado desenvolvidos atualmente possuem certas características de desempenho e interação que acabam levando o usuário por não optar por esse sistema, restringindo sua adoção. O funcionamento de um simulador de teclado precisa ser bastante simples, e a sua implementação, a princípio, não pode ser considerada muito complexa. Os métodos de entrada de texto em teclados virtuais têm uma enorme importância devido à ausência de um teclado tradicional para interação do usuário. Essa dificuldade combinada com a necessidade de métodos de escrita cada vez mais rápidos e robustos

3 representa um enorme desafio aos desenvolvedores (DURÃO, ROCHA & CARVALHO, 2006). É possível observar que o aprendizado e a experiência apresentam uma influência direta na eficiência da digitação, e isso independente do tipo de varredura que o teclado possui. De acordo com Rainisto (2007), um importante fator nos métodos de entrada de texto está relacionado a capacidade de aprendizado de cada método. Teoricamente, qualquer sistema poderia ser aprendido, desde que fosse possível desprender tempo e dedicação do usuário. Desse modo, é extremamente importante que o projeto do método de entrada de texto não exija um longo período de aprendizagem, assim como também, o novo aprendizado de interação seja retido por um longo tempo. Um modelo utilitário simples poderia permitir que a eficiência total obtida e o tempo economizado no uso (durante o tempo de vida do mesmo) de um método de entrada desconhecido fossem maiores do que o tempo e esforços desprendidos para aprender tal método de entrada, favorecendo o aprendizado desse método. Por outro lado, as pessoas normalmente não fazem cálculos complexos para saber o tempo de vida de uso de um método de entrada em particular. Se um método parece muito complexo para se aprender, a maioria dos usuários simplesmente não o usará. Se estes métodos complexos são os únicos em um aparelho, isso pode inibir os usuários no momento da compra, levando-os a não adquirir ou usar o aparelho. De acordo com Scott MacKenzie (et al, 2001 apud RAINISTO, 2007), o processo de aprendizado de um sistema de entrada tem três fases distintas: fase da descoberta, fase da aquisição de reflexo motor e a fase terminal. Na fase da descoberta os usuários começam a descobrir a mecânica do método de entrada. As velocidades de entrada nesse estágio são dominadas pela familiaridade dos usuários com convenções, como ordenar alfabeticamente ou outro modelo previamente aprendido. Da fase da descoberta os usuários rapidamente vão para a fase de aquisição de reflexo motor, na qual a velocidade de entrada começa a aumentar logaritmicamente. Essa fase dura por milhares de apertos de teclas. A fase final é a fase terminal, na qual os usuários amadurecem a experiência com o método de entrada e a velocidade de entrada começa a alcançar o seu máximo teórico. Estimativas razoáveis desse máximo podem ser calculadas com vários modelos teóricos, nos quais limitações motoras, distâncias físicas, tempos de reação, quantidade de teclas apertadas requerida etc. são calculados. Esse processo de aprendizagem assume que a questão do sistema de entrada de texto é essencialmente fixa, que são os usuários que podem aprender as posições e o comportamento dos controles do método de entrada de uma maneira previsível. 2.1 Modelos de teclados As primeiras máquinas de escrever apresentavam um sério problema até para as digitadoras mais hábeis: quando teclas horizontalmente adjacentes eram pressionadas, suas teclas facilmente emperravam. Na década de 1860, o inventor C. L. Sholes, projetou um layout de teclado que acabaria com esse problema das máquinas de escrever simplesmente evitando as combinações de teclas de caracteres freqüentemente usados em inglês perto uma das outras. Era o surgimento do chamado teclado Qwerty. Apesar desse layout ter sido desenvolvido para a língua inglesa, logo surgiram diferenças regionais atribuídas ao layouts em vários países, mas todos seguiram basicamente o mesmo layout. É possível observar um exemplo de teclado Qwerty na Figura 1.

4 Figura 1 Teclado QWERTY, layout finalizado (Wikimedia Commons, 2007) É comum a alegação errônea de que o teclado Qwerty foi desenvolvido para ser um teclado que intencionalmente leva seu usuário a digitar mais devagar. Quando Sholes concebeu um layout para que o uso de teclas adjacentes fosse minimizado, devido a problemas mecânicos, ele também talvez inconscientemente criou um layout alternativo bastante eficiente. Como alternativa mais frequentemente citada ao Qwerty há o layout Dvorak. Esse layout foi projetado para otimizar as ineficiências do Qwerty. Figure 2 - DVORAK keyboard, English layout (Wikimedia Commons, 2007) Com um layout otimizado sobre as ineficiências do Qwerty, os caracteres mais usados encontram-se localizados numa posição em que os usuários descansam os dedos, ou seja, na posição da linha-base da digitação. As mãos esquerda e direita têm aproximadamente a mesma freqüência de uso, e o uso entre dedos das mãos esquerda e direita é alternado o máximo possível. Podemos citar ainda uma outra alternativa de layout de teclado junto ao Qwerty e ao Dvorak, o layout Abcde. Suas teclas são colocadas em ordem alfabética, a partir do canto superior esquerdo. Em teoria a ordem alfabética ajudaria o aprendizado inicial para um usuário completamente novato. Contudo, a vantagem inicial duraria apenas por um curto período, e posteriormente os problemas causados por um layout incomum ultrapassariam os ganhos potenciais a curto prazo. Figure 3 - ABCDE keyboard, English layout (Wikimedia Commons, 2007) O teclado Qwerty se consagrou nas máquinas de escrever inicialmente, sendo depois transportado para as interfaces computacionais. Até hoje é considerado como padrão universal para entrada de texto, tanto em computadores quando em dispositivos móveis (Smartphones, PDAs, Pocket PCs), para dispositivos físicos (hardware) e virtuais. Apesar das vantagens teóricas do Dvorak, o layout não ganhou uma popularidade generalizada como um layout de teclado. As principais razões provavelmente são: o simples

5 fato de o Qwerty já estar em um grande número de aparelhos e de funcionar razoavelmente bem, e outro problema principal é que as pessoas não podem aprender o Dvorak sem prejudicar suas habilidades com o Qwerty. Apesar de não ser considerado um modelo ideal em velocidade de digitação, conforto, e existirem outros modelos que possuem vantagens nesses aspectos, o teclado Qwerty tornou-se padrão devido à aquisição de qualificação e treinamento nesse tipo de layout. Isso acaba por reforçar a escolha do padrão Qwerty em diversos dispositivos, sejam esses dispositivos virtuais ou móveis. (ORTIZ, 2006 apud RAINISTO, 2007) 2.2 Tipologias de teclados virtuais para computador Os layouts dos teclados reais, que permitem o contato direto com o usuário, foram projetados para permitir uma maior eficiência da interação do usuário. Eles serviram como base para o desenvolvimento de diversos tipos de teclados virtuais. Entretanto, estes últimos não permitem o acionamento das teclas com tanta habilidade e velocidade quanto os reais, onde o usuário pode utilizá-lo com as duas mãos, nem possuem tantas teclas de interação direta normalmente cursores, controles remotos, mouse ou algum outro dispositivo. Existe uma variedade de teclados virtuais no mercado atualmente, tanto para computadores quanto para televisão. A maioria dos teclados virtuais encontrados atualmente para computadores foram desenvolvidos para auxiliar pessoas portadoras de deficiências na utilização dos computadores, enquanto que os teclados para televisão são utilizados em jogos. Independentemente do tipo de utilização desses teclados, todos possuem desafios de utilização, já que são manipulados com poucos botões. Dentre os teclados virtuais para computador, nos quais para a entrada de dados o usuário utiliza um mouse, um joystick ou qualquer outro periférico conectado a um computador, foram estudados o teclado virtual do Windows XP, o Teclado Amigo, o Click-n-type e o simulador de teclado NIEE. A seguir serão apresentadas as principais características desses teclados: Teclado Virtual do Windows XP O teclado virtual encontrado no Windows XP é representado de forma semelhante a um teclado físico convencional, com layout Qwerty com 101/102 teclas. Por ser integrado ao pacote operacional do Windows XP ele não necessita de instalação de softwares. Existe a possibilidade de configurá-lo tanto para não mostrar o teclado numérico, quanto de maneira que emita um estímulo sonoro ao acionar as teclas. Apresenta um sistema de varredura entre linhas de teclas e colunas (teclas em si). A varredura acontece primeiro entre as linhas do teclado. Selecionada uma linha, a varredura se dá então entre as colunas/teclas desta linha. A Figura 2 mostra a quarta linha do teclado sendo percorrida pela varredura. Figura 2. Teclado Virtual do Windows XP.

6 Teclado amigo O Teclado Amigo propõe um conjunto de teclados virtuais com diferentes varreduras. No teclado básico (Figura 3) as teclas são separadas entre subgrupos contendo vogais, consoantes, números e símbolos (pontuação, sinais matemáticos, parênteses e outros). Apresenta um layout bastante diferente em relação ao Qwerty, com teclas de vogais acentuadas, teclas com letras maiúsculas e minúsculas. Além disso o teclado básico e o editor de textos possuem abreviações não triviais (LIMP, ZUPT, ABRV, FALA). o que o torna bastante inconsistente e confuso. Figura 3. Teclado básico do Teclado Amigo. Click-N-Type O Click-N-Type é um simulador virtual de teclado gratuito. O usuário pode configurar diferentes tipos de teclado(qwerty, Alfabético ou inclusive o ABNT2), podendo-se escolher quais teclas serão mostradas. Seu sistema de varredura funciona basicamente acertando as coordenadas X e Y do caracter desejado no layout do software. Primeiro se posiciona um retângulo sobre algum conjunto de caracteres do teclado virtual. Feito isso, uma linha começa a se mover repetidamente na horizontal, dentro da área retangular. Após pressionar o botão do mouse, essa linha para e se cria outra linha que se move na vertical. Um terceiro pressionamento deverá fazer as linhas se intersectarem no caracter desejado e um quarto faz o caracter ser usado, como ilustrado na Figura 4. Figura 4. Telas do Click-N-Type. Nota-se que esse tipo de varredura impõe ao usuário mais pressionamentos do que o comum, e nem sempre abrange uma determinada tecla por inteiro, exigindo do usuário uma certa coordenação motora para fazer as linhas se cruzarem em teclas que se encontrem nessa condição. Simulador de Teclado (NIEE) Desenvolvido para o sistema operacional MS-DOS, um ponto positivo deste teclado é que ele permite vários tipos de configuração de varredura, garantindo ao usuário uma autonomia e independência, raros em outros teclados. No entanto, devido à sua idade, esse

7 software roda apenas no MS-DOS, o que lhe acarreta algumas restrições no uso. A Figura 5 mostra uma tela deste simulador de teclado. Figura 5. Simulador de Teclado do NIEE. 2.3 Teclados virtuais para televisão Para os teclados virtuais para televisão, foram analisadas as propostas de entrada de dados em que o usuário utiliza um controle remoto para interagir com o teclado virtual exibido na tela. Os teclados analisados foram o teclado virtual do Nintendo Wii, o teclado virtual do Xbox 360; o teclado virtual do PlayStation 3 e o teclado virtual da Apple TV. Navegador do Nintendo Wii O navegador do Nintendo Wii apresenta como padrão - na entrada de URL - um teclado Qwerty, e permite que o usuário mude o layout para apenas números, apenas letras maiúsculas, apenas minúsculas, e iniciadas em maiúscula com o restante do texto em minúscula. Estes 3 últimos layouts funcionam com multi-tap, método que permite mais de um caractere por tecla e o usuário precisa pressionar a tecla uma ou mais vezes para selecionar o caractere desejado, dependendo da posição onde o caractere está localizado no botão (RAINISTO, 2007). Outra característica relevante deste teclado é a utilização do método preditivo. A predição é uma forma de tentar facilitar a entrada de dados, pois o sistema tenta adivinhar o que o usuário pretende digitar ou o que ele está digitando (RAINISTO, 2007). Além disso, quando o usuário faz o foco em um determinado botão, este é maximizado e destacado dos demais botões, tornando a seleção mais intuitiva e com boa visibilidade, comportamento importante considerando que o vídeo game utiliza uma televisão e nem sempre a resolução do aparelho é satisfatória. Figura 6. Navegador do Nintendo Wii.

8 Configuração de um layout de um teclado virtual para o digitação de URLs Playstation 3 O Playstation 3 apresenta um teclado Qwerty e seu grande diferencial está na utilização de atalhos em diversas funções do teclado como retroceder, confirmar, mudar de letras minúsculas para maiúsculas, entre outros. Também fornece layout multi-tap e possui método preditivo, sendo que este último permite que o usuário mude a predição de URL para texto e números. Figura 7. Teclado PS3. O vídeo game Xbox 360 e a Apple TV Estes consoles não disponibilizam navegador para internet, mas permitem efetuar buscas de conteúdo utilizando um teclado virtual. O teclado da Apple TV possui 2 layouts diferentes, ambos com caracteres ordenados alfabeticamente. Um deles exibe primeiramente o alfabeto de A-Z maiúsculo na 1ª linha; depois o alfabeto de A-Z em minúsculo na 2ª linha; números e alguns caracteres especiais na 3ª linha; caracteres especiais, espaço e backspace na 4ª linha; e Done (botão de conclusão) por último (figura 8). O outro layout é uma versão mais simplificada conforme é apresentado na figura 8. Figura 8: teclado virtual Apple TV. O teclado do Xbox também possui o layout alfanumérico. Seu layout segue o padrão Abdce, com os números organizados no formato de teclado de telefone ao lado direito do teclado (figura 9). Este oferece atalho para as opções de backspace, space, cancelar e selecionar, e também destaca visualmente os botões de movimentar o cursor para direita e esquerda, símbolos, caps (maiúscula/minúscula) e done.

9 Figura 9: teclado virtual Apple TV. É importante salientar que os controles utilizados em vídeo games de última geração como os acima citados, possuem diversos botões adicionais aos direcionais básicos. A quantidade de botões impacta significantemente na interação do usuário com o teclado virtual, pois com mais botões disponíveis é possível ampliar as possibilidades de uso melhorando a interação com teclados virtuais, embora a existência de muitos botões possa tornar o uso também mais complexo. Entretanto, o controle remoto utilizado na Apple TV é similar ao modelo de controle remoto considerado no estudo, ou seja, um controle remoto limitado que provê os direcionais (cima, baixo, direita e esquerda), botão central para seleção/execução de ação e um botão adicional para o menu (figura 10 do controle da apple tv). Figura 10: controle remoto da Apple TV. Em resumo, este estudo trouxe à tona o fato de que nenhum desses exemplos observados oferece um layout otimizado para entrada de URL, sendo o método preditivo a única tentativa de otimizar a entrada dos dados. 3. Delimitação da proposta Por estar inserido em um projeto, o experimento tem algumas limitações quanto ao hardware, ou seja, as teclas disponíveis para interação entre usuário, controle e teclado. Para tanto estamos propondo um dispositivo que servirá como controle remoto para o teclado virtual. Entretanto, é importante deixar claro que o foco do desenvolvimento desta pesquisa é o layout do teclado e não a proposta desse dispositivo. Apenas com a finalidade de compreender como funciona o input do teclado, explicaremos rapidamente o funcionamento do dispositivo de interação com o usuário. O controle remoto que serve de input para o teclado possui 7 botões de controle, além de um botão liga/desliga: dois botões direcionais verticais, dois horizontais, um botão de seleção, um para opções contextuais e um para retroceder. Os botões são organizados no dispositivo da seguinte maneira, como demonstrado na figura 11 abaixo.

10 Figura 11. Proposta de botões para controle remoto. Partimos então para o layout do nosso teclado virtual. Tomamos como base o layout do Qwerty, um dos layouts mais utilizados por computadores atualmente, como já visto. É importante observar que colocar todos os caracteres (maiúsculas, minúsculas, números e caracteres especiais) em um mesmo layout transformaria a tarefa de digitar em uma atividade muito complexa. Desta maneira, optamos por colocar botões de atalho para cada uma das necessidades antes citadas, a fim de facilitar a tarefa do usuário. Assim, temos atalhos para a mudança de letras maiúsculas para minúsculas (e vice-versa), para os caracteres especiais e números, e mudança dos numéricos para as teclas de função (F1 a F12). A partir disso, desenvolvemos então um layout inicial de caracteres alfanuméricos para os primeiros testes. Antes de iniciarmos o experimento, é preciso, primeiramente, esclarecer o princípio de funcionamento da nossa proposta de teclado (virtual para televisão): na tela do sistema, uma das teclas do teclado virtual fica em destaque, exibindo o foco do teclado, ou seja, o que seria a posição equivalente ao do cursor do mouse no computador. Figura 12.Layout inicial do teclado virtual. O que se encontra no foco é o elemento que será executado ao ser pressionado o botão selecionar. Para cada letra, número ou caractere especial que o usuário desejar acrescentar ao texto, este deverá mover o foco do teclado até a tecla desejada com os botões direcionais e pressionar a tecla selecionar. Para o próximo caractere ser acrescentado, o usuário move novamente o foco com as teclas direcionais e segue o passo anterior. Abaixo temos o exemplo de uma seqüência de movimentos que o usuário precisa realizar para escrever a palavra web.

11 Figura 13. Exemplo de sequência de movimentos para escrever web. As teclas F1 são atalhos para mudar a configuração do layout. Uma vez pressionada a ela muda o layout para uma configuração com apenas caracteres especiais, como pontuação, por exemplo. Seu rótulo muda quando está pressionada, para indicar que é possível voltar para o layout Qwerty pressionando-a novamente, de acordo com a figura 14 abaixo. Figura 14. Mudança do teclado alfabético para o de caracteres especiais (uma proposta de caracteres especiais será apresentada após a pesquisa, mais adiante). 4. Experimento Para chegar a um primeiro layout para o teclado de caracteres especiais, foi aplicado um questionário com cinco pessoas. Estas foram selecionadas levando em consideração seu conhecimento e experiência como usuários da internet. A atividade investigada foi a digitação de URLs. Inicialmente selecionamos 14 caracteres não alfanuméricos (caracteres especiais, como pontuação por exemplo) para a pesquisa. A pergunta proposta verificava a relevância desses caracteres especiais em endereços de sites. Pedimos que os entrevistados ordenassem, por relevância ao digitar uma URL, os seguintes caracteres (enunciados desta # = % - _ : \ /?.com. < >

12 A ordenação deveria ser feita de acordo com os seguintes critérios: Grupo 1: o mais relevante de todos os caracteres. Grupo 2: três caracteres igualmente relevantes no segundo grupo. Grupo 3: quatro caracteres igualmente relevantes no terceiro grupo. Grupo 4: seis caracteres igualmente relevantes no quarto grupo. O resultado deveria ser disposto conforme a figura abaixo. Esta divisão foi feita para distribuir os caracteres no layout do teclado de forma que o grupo 1 ficasse a apenas um movimento de distância da tecla que alterna entre layouts diferentes, o 2 ficasse a dois movimentos e assim por diante. Figura 15. Telas do Click-N-Type. Resultados As respostas dos entrevistados podem ser observadas na tabela 1 abaixo. Tabela 1. Tabela com as respostas dos entrevistados. Posição 1 Posição 2 Posição 3 Sujeitos (1 caractere) (3 caracteres) (4 caracteres) Posição 4 (6 caracteres) Sujeito 1..com / : - _? = # \ < > Sujeito 2..com / _? _ % = : \ < > Sujeito 3 =? - % # _ < > \ : Sujeito 4..com / : \ _ %? = # < > Sujeito 5.com. / _ # < > \? : - % Dentro de um mesmo grupo não existe uma prioridade, assim, a contagem de caracteres leva em consideração somente a repetição de ocorrências. Os caracteres que aparecem com maior freqüência são considerados como resultado para a posição em questão. O caractere que é considerado em uma posição, é desconsiderado para as posições seguintes, pois não deve haver repetição. Em alguns casos houve empate, o que sugere que a avaliação seja aprofundada. Como o intuito era chegar a um layout que minimize divergências muito grandes em um futuro teste, os pesquisadores optaram por um dos caracteres empatados.

13 A contagem segue na tabela 2 abaixo. Cada grupo está separado em uma coluna. Em parênteses está a quantidade de votos que cada caractere recebeu. Marcados com um asterisco, estão os caracteres considerados para o resultado. Com dois, os que foram descartados por pertencerem ao grupo anterior. Tabela 2. Tabela com as respostas dos entrevistados. Posição 1 Posição 2 Posição 3 Posição 4 (1 caractere) (3 caracteres) (4 caracteres) (6 caracteres). (3) * / (4) * _ (3) ** # (5) *.com (1).com (4) *? (3) * < (5) * / (1) _ (2) * - (3) * > (5) *. (2) ** = (3) * % (4) ** : (2) % (2) (3) (1) \ (2) \ (3) (1) : (3) * # (1) = (3) ** < (1) - (2) > (1) _ (1)? (2) Com este resultado, chegamos à distribuição conforme figura 16 abaixo. Figura 16. Apresentação da proposta com base nos resultados das entrevistas. 5. Conclusão Entre os vários métodos de entrada de texto, o teclado virtual exibido em uma tela com input por controle remoto apresenta, para os usuários, uma tarefa meticulosa. Visando facilitar essa experiência, o presente estudo identificou alguns contextos em que o teclado poderia ser utilizado e apresentou uma proposta de teclado virtual para televisão que facilitasse a digitação de endereço de internet pelos usuários.

14 A proposta parte do ponto de que a experiência do usuário está associada à eficiência ao digitar. Se é que podemos falar em digitação, pois o teclado virtual traz uma metáfora diferente do teclado físico. A pesquisa mostrou que alguns caracteres são considerados mais relevantes que outros no contexto proposto. Os caracteres mais relevantes foram dispostos próximos de um ponto de partida onde se situa o foco do controle remoto. Com isso, chegamos a uma proposta de teclado virtual para digitar URLs de maneira mais eficiente. Cabe ressaltar que o estudo se encontra em um estagio inicial de desenvolvimento, por tanto o layout proposto foi desenvolvido a partir da aplicação de um questionário e estudos empíricos, mas precisa ser validada e refinada através de teste de usabilidade com protótipo funcional de alta fidelidade. Esses testes avaliarão a eficiência de uso da proposta em relação aos outros teclados virtuais na tarefa de digitar URLs. Além do mais, outro ponto que precisa ser explorado é a utilização de um método preditivo, uma vez que a predição pode facilitar e melhorar o desempenho na entrada de dados. 6. Referencias DURÃO, Carlos M.; ROCHA, Paulo Felipe & CARVALHO, Nuno Borges. Métodos de entrada de texto especialmente projectados para comunicações móveis. Revista do DETUA, vol. 4, nº1, setembro de JULIATO, Marcio et all. TFLEX: Proposta de simulador de teclado com diferentes varreduras e layouts. VII Congresso Iberoamericano de Informática Educativa. Monterrey, México: RAINISTO, Roope. Text input on móbile devices: designing a touch screen input method. Master: thesis. Helsinki: Helsinki University of Technology, ORTIZ, José Benedito Neto. O processo de aprendizado tecnológico na trajetória do sistema de produção flutuante empreendido pela Petrobrás em seu programa de capacitação tecnológica em águas profundas PROCAP. Universidade Federal do Paraná. Mestrado em Desenvolvimento Econômico. Curitiba, 2006

Conhecendo o Computador

Conhecendo o Computador Capítulo 1 Conhecendo o Computador 1.1 Conhecendo o Computador Tudo que é novo nos causa um certo receio. Com os computadores não é diferente. Tenha sempre em mente que o homem domina a máquina e não a

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Manual Virtual Keyboard

NAPNE / RENAPI. Manual Virtual Keyboard NAPNE / RENAPI Manual Virtual Keyboard Abril de 2009 Sumário 1 Introdução... 3 2 Objetivos... 4 2.1 Vídeo... 4 2.1.1 Performance de Aprendizagem e previsão... 4 3. Escrita... 4 4 Download... 5 4.1 Realizar

Leia mais

Informática. Informática. Valdir

Informática. Informática. Valdir Informática Informática Valdir Questão 21 A opção de alterar as configurações e aparência do Windows, inclusive a cor da área de trabalho e das janelas, instalação e configuração de hardware, software

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

WIN + D WIN + M SHIFT + WIN + M WIN + R WIN + E WIN + PAUSE BREAK

WIN + D WIN + M SHIFT + WIN + M WIN + R WIN + E WIN + PAUSE BREAK Windows em geral WIN = Abre o menu Iniciar. Use as setas para navegar nas opções, e dê ENTER para abrir um item. WIN + D = Mostrar área de trabalho. WIN + M = Minimizar tudo. SHIFT + WIN + M = Desminimizar

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Versões próximas incluirão o uso de acionadores conectados à porta paralela (de impressora) ou serial do computador e dispositivos especiais.

Versões próximas incluirão o uso de acionadores conectados à porta paralela (de impressora) ou serial do computador e dispositivos especiais. Programa microfênix Manual de operação 1. Introdução O projeto microfênix foi criado pelo professor Antonio Borges, no NCE/UFRJ, em 2004/6, para facilitar o uso do computador pelos portadores de deficiência

Leia mais

Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado

Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado Capítulo 2 Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado 2.1 Adquirindo prática para manipular o Mouse e o Teclado Não há como manipular o computador sem ter noções de como lidar com o Mouse o

Leia mais

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários

Energia conservada em uma mola. Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução A energia é algo intangível e, portanto, as medidas de energia envolvem, necessariamente, processos de medidas indiretas. Em outras palavras, para medir energia, medimos outras grandezas

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8

CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 CADERNO DE QUESTÕES WINDOWS 8 1) No sistema operacional Microsoft Windows 8, uma forma rápida de acessar o botão liga/desliga é através do atalho: a) Windows + A. b) ALT + C. c) Windows + I. d) CTRL +

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

Identificação dos papeis de usuários

Identificação dos papeis de usuários Análise de usuário e tarefas Análise de usuários Identificação dos papeis de usuários Conhecer as diferentes funções que cada usuário deverá ter no sistema Cada papel possui um conjunto de tarefas Definir

Leia mais

A Estação da Evolução

A Estação da Evolução Microsoft Excel 2010, o que é isto? Micorsoft Excel é um programa do tipo planilha eletrônica. As planilhas eletrônicas são utilizadas pelas empresas pra a construção e controle onde a função principal

Leia mais

O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES

O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES Por José Luís de F. Farias O TECLADO Em todos os países os teclados são diferentes quanto ao LAYOUT. Esse termo em inglês define a aparência, a disposição e organização

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital

Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital Explorando a interatividade com entrada de dados textuais em ambiente de TV Digital Herlon Silva Santos¹, Samuel Azevedo², Aquiles Medeiros Filgueira Burlamaqui¹, Luiz Marcos Garcia Gonçalves², Luiz Eduardo

Leia mais

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO

EQUIPE: ANA IZABEL DAYSE FRANÇA JENNIFER MARTINS MARIA VÂNIA RENATA FREIRE SAMARA ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA DISCIPLINA: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO II PROFESSORA: PATRÍCIA

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB

MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB NAPNE Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Especiais SIEP Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB Fonte: User s Guide (Guia do

Leia mais

Pesquisa e organização de informação

Pesquisa e organização de informação Pesquisa e organização de informação Capítulo 3 A capacidade e a variedade de dispositivos de armazenamento que qualquer computador atual possui, tornam a pesquisa de informação um desafio cada vez maior

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que são computadores? São máquinas que executam tarefas ou cálculos de acordo com um conjunto de instruções (os chamados programas). Possui uma linguagem especifica chamada Linguagem de programação

Leia mais

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Olá Aluno Os objetivos específicos desta lição são: - reconhecer o Ubuntu como mais uma alternativa de sistema operacional; - conhecer os elementos da área

Leia mais

MOUSEKEY-UFRGS. TECLADO VIRTUAL SILÁBICO-ALFABÉTICO: Tecnologia Assistiva para Pessoas com Deficiência Física

MOUSEKEY-UFRGS. TECLADO VIRTUAL SILÁBICO-ALFABÉTICO: Tecnologia Assistiva para Pessoas com Deficiência Física MOUSEKEY-UFRGS GUIA DO USUÁRIO TECLADO VIRTUAL SILÁBICO-ALFABÉTICO: Tecnologia Assistiva para Pessoas com Deficiência Física Drª. Lucila Maria Costi Santarosa Me. Claudio Luciano Dusik 01 REITOR Carlos

Leia mais

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos

Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Software Matemático para aplicação da Teoria dos Conjuntos Ana Paula Cavalheiro Oliveira (man05103@feg.unesp.br) Diego Teixeira de Souza (man05109@feg.unesp.br) Rodrigo Alexandre Ribeiro (man04023@feg.unesp.br)

Leia mais

Manual do Portal do Usuário 4.8

Manual do Portal do Usuário 4.8 Manual do Portal do Usuário 4.8 Este Manual MobiDM descreve as operações básicas do portal ao nível de acesso do usuário Versão: x.x Manual do Usuário MOBIDM Página 1 Índice Introdução 2 Arquivos de ajuda

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 3: BrOffice Writer Numeração de páginas e outros comandos Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Conhecer o controle de exibição do documento; Fazer a correção ortográfica do documento

Leia mais

Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no. processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades

Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no. processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades Você sabia que o computador pode ser uma rica ferramenta no processo de inclusão escolar e social de crianças com necessidades educacionais especiais? Juliana Moraes Almeida Silva Em várias situações do

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

Painel de Controle Windows XP

Painel de Controle Windows XP Painel de Controle Windows XP Autor: Eduardo Gimenes Martorano Pág - 1 - APOSTILA PAINEL DE CONTROLE Pág - 2 - ÍNDICE INTRODUÇÃO:...4 PAINEL DE CONTROLE...4 TRABALHANDO COM O PAINEL DE CONTROLE:...4 ABRINDO

Leia mais

Papel de Parede Secreto

Papel de Parede Secreto USO DO WINDOWS o Windows XP finalmente está perdendo forças no mercado de sistemas operacionais. Na pesquisa mais recente feita pelo StatsCounter, com dados de novembro de 2014, a versão foi ultrapassada

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática O computador e seus dispositivos Sem animação Sem figura Giedinho: José, quero te apresentar a professora Ana, ela te ensinará mais sobre informática! José: Olá professora Ana,

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

COMPUTADOR,, que máquina é essa?

COMPUTADOR,, que máquina é essa? COMPUTADOR,, que máquina é essa? Agora vamos conhecer mais de perto o computador. Observe as imagens a seguir e responda: Que coisas você vê? Quais são suas funções? unidade acionadora de CD e DVD

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí VIII Jornada Científica TECLADO VIRTUAL ACESSÍVEL PARA SMARTPHONES E TABLETS

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí VIII Jornada Científica TECLADO VIRTUAL ACESSÍVEL PARA SMARTPHONES E TABLETS TECLADO VIRTUAL ACESSÍVEL PARA SMARTPHONES E TABLETS Daniele Nazaré Tavares¹; Daniela Costa Terra² ¹Estudante de Engenharia da Computação. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7

DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7 DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7 1. MOVIMENTAÇÃO ENTRE PASTAS Todo o funcionamento do Windows Explorer gira em torno da sua capacidade de transitar entre as pastas salvas no disco de armazenamento.

Leia mais

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 2. MANIPULAÇÃO DE DOCUMENTOS Os processadores de textos possibilitam a criação e a manipulação de diversos modelos de documentos. Com eles

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: APLICATIVO ANDROID PARA DEFICIENTES VISUAIS REDIGIREM MENSAGENS DE TEXTO NAS TELAS TOUCHSCREEN

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

COMO USAR DOIS MONITORES NO WINDOWS 8

COMO USAR DOIS MONITORES NO WINDOWS 8 COMO USAR DOIS MONITORES NO WINDOWS 8 Trabalhar com dois monitores no Windows tem diversas utilidades. Dentre elas podemos destacar a possibilidade de visualizar mais itens ao mesmo tempo, exibir o conteúdo

Leia mais

Manual do Aplicativo NSE Mobile Control

Manual do Aplicativo NSE Mobile Control INSTALAÇÃO DO APLICATIVO Acesse www.nse.com.br/downloads-manuais e baixe os programas de acordo com o dispositivo que irá utilizar, nos links referentes ao produto número 1 - Módulo MTCP-3E4S. - Para uso

Leia mais

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Esta adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10 abrange novas funcionalidades e outras alterações específicas ao ZoomText 10.1. Para obter instruções

Leia mais

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA

PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA EE Odilon Leite Ferraz PROJETO INFORMÁTICA NA ESCOLA AULA 1 APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA APRESENTAÇÃO E INICIAÇÃO COM WINDOWS VISTA Apresentação dos Estagiários Apresentação do Programa Acessa

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK

APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK APOSTILA BÁSICA COMO UTILIZAR A LOUSA DIGITAL E O SOFTWARE SMART NOTEBOOK 1 SÚMARIO ASSUNTO PÁGINA Componentes da Lousa... 03 Função Básica... 04 Função Bandeja de Canetas... 05 Calibrando a Lousa... 06

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO

MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR TABLET PARA O SETOR DA RESTAURAÇÃO SDILAB Investigação e Desenvolvimento de Software, Lda. Parque Industrial de Celeirós - 1ª Fase, Lote C 4705 Celeirós Braga, Portugal +351 253 678

Leia mais

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA 2.1 Desfragmentador de Disco (DFRG.MSC): Examina unidades de disco para efetuar a desfragmentação. Quando uma unidade está fragmentada, arquivos grandes

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice Índice Caderno 2 PG. MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado.

O computador organiza os programas, documentos, músicas, fotos, imagens em Pastas com nomes, tudo separado. 1 Área de trabalho O Windows XP é um software da Microsoft (programa principal que faz o Computador funcionar), classificado como Sistema Operacional. Abra o Bloco de Notas para digitar e participar da

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Versão: 08/04/2013 Atualizado em: 10/07/2013

Versão: 08/04/2013 Atualizado em: 10/07/2013 Versão: 08/04/2013 Atualizado em: 10/07/2013 NoMe - Novo Mercado CETIP Conteúdo Introdução ao NoMe... 1 Conhecendo o Produto... 2 Acesso ao NoMe... 3 Como acessar o NoMe... 4 Atualização de Senha e Código

Leia mais

O computador. Sistema Operacional

O computador. Sistema Operacional O computador O computador é uma máquina desenvolvida para facilitar a vida do ser humano, principalmente nos trabalhos do dia-a-dia. É composto basicamente por duas partes o hardware e o software. Uma

Leia mais

Manual de Uso Wordpress

Manual de Uso Wordpress Manual de Uso Wordpress Olá! Seja bem vindo ao igual. Agora você pode transmitir todas as notícias importantes da sua comunidade de forma mais simples e eficiente. Mas para que isso aconteça, primeiro

Leia mais

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007

Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa dos Santos Schmid WORD 2007 WORD 2007 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GERÊNCIA DE TECNOLOGIA Gerente de Tecnologia: Ricardo Alexandre F. de Oliveira Marta Cristiane Pires M. Medeiros Mônica Bossa

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Dicas para usar melhor o Word 2007

Dicas para usar melhor o Word 2007 Dicas para usar melhor o Word 2007 Quem está acostumado (ou não) a trabalhar com o Word, não costuma ter todo o tempo do mundo disponível para descobrir as funcionalidades de versões recentemente lançadas.

Leia mais

Curso técnico: Informática Disciplina: Aplicativos computacionais

Curso técnico: Informática Disciplina: Aplicativos computacionais 01. A tecla de atalho responsável por exibir os slides no modo de "apresentação" (tela inteira), é: a) F2 b) F3 c) F4 d) F5 e) F11 02. O recurso que permite definir efeitos de entrada para cada slide,

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

V.2 Dispositivos de Interacção

V.2 Dispositivos de Interacção Melhor e Pior? V.2 DISPOSITIVOS DE INTERACÇÃO HCI, Cap.2 (pags. 59-97) Alan Dix 2 Resumo Aula Anterior Sumário o Importância, características e guia de estilos dos manuais o Manuais convencionais o Princípios

Leia mais

Manual do Usuário. Minha Biblioteca

Manual do Usuário. Minha Biblioteca Manual do Usuário Minha Biblioteca Sumário Acesso a Minha Biblioteca... 3 Tela Principal... 3 Para que serve o ícone Minha Biblioteca?... 3 O que você encontra no campo Pesquisar?... 4 Quando utilizar

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior 2000 Mozart de Melo Alves Júnior INTRODUÇÃO O Excel 7.0 é um aplicativo de planilha desenvolvido para ser usado dentro do ambiente Windows. As planilhas criadas a partir desta ferramenta poderão ser impressas,

Leia mais

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br

MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG. www.cosemsmg-ead.org.br MANUAL DO ALUNO COSEMS - MG 1 ÍNDICE 03 APRESENTAÇÃO. Dicas para estudar a distância. Funções do professor e do tutor 04 CADASTRO NO CURSO 05 ACESSO AO CURSO 07 FERRAMENTAS DE ESTUDO. Conteúdo: aulas virtuais.

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Caderno 1.

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Caderno 1. Caderno 1 Índice MS-Windows 7: conceito de pastas, diretórios, arquivos e atalhos, área de trabalho, área de transferência, manipulação de arquivos e pastas, uso dos menus, programas e aplicativos, interação

Leia mais

Noções de Informática

Noções de Informática Noções de Informática 2º Caderno Conteúdo Microsoft Excel 2010 - estrutura básica das planilhas; manipulação de células, linhas e colunas; elaboração de tabelas e gráficos; inserção de objetos; campos

Leia mais

Disciplina: Programas de Edição de Textos Professora: Érica Barcelos

Disciplina: Programas de Edição de Textos Professora: Érica Barcelos Disciplina: Programas de Edição de Textos Professora: Érica Barcelos CAPÍTULO 4 4. RECURSOS PARA ILUSTRAÇÕES Uma característica que difere os processadores de textos dos editores é a possibilidade de gerar

Leia mais

Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital

Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital Manual do Usuário Sistema de Acuidade Visual Digital Página 1 de 18 Índice DonD - Sistema para Teste de Acuidade Visual...2 Componentes do Produto...3 Instalação...4 Abrindo o sistema do DonD...5 Configuração...5

Leia mais

Monitoramento Remoto Wi Fi Mod. CS9267

Monitoramento Remoto Wi Fi Mod. CS9267 Monitoramento Remoto Wi Fi Mod. CS9267 Guia Rápido de Instalação INTRODUÇÃO A IPCam CS9267 Comtac é ideal para o usuário que deseja criar um pequeno sistema de vigilância interna, seja em um cômodo de

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

1. INÍCIO... 2 2. O MAPA... 4 3. PROCURANDO UM DESTINO... 7 4. PONTOS DE INTERESSE (POI)... 9 5. RADARES... 11

1. INÍCIO... 2 2. O MAPA... 4 3. PROCURANDO UM DESTINO... 7 4. PONTOS DE INTERESSE (POI)... 9 5. RADARES... 11 Conteúdo 1. INÍCIO... 2 2. O MAPA... 4 3. PROCURANDO UM DESTINO... 7 4. PONTOS DE INTERESSE (POI)... 9 5. RADARES... 11 6. MEU GPS AIRIS ATUALIZAÇÃO SEMANAL DE CONTEÚDO... 12 7. INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA...

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

Curso de Navegadores e Internet

Curso de Navegadores e Internet Universidade Estadual do Oeste do Paraná Pró Reitoria de Extensão Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Colegiado de Licenciatura em Matemática Colegiado da Ciência da Computação Projeto de Extensão:

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

Apostilas OBJETIVA - Técnico Judiciário Área Administrativa TRE Tribunal Regional Eleitoral Estado do Maranhão - Concurso Público 2015.

Apostilas OBJETIVA - Técnico Judiciário Área Administrativa TRE Tribunal Regional Eleitoral Estado do Maranhão - Concurso Público 2015. 2º Caderno Índice Planilha eletrônica MS- Excel + exercícios... 02 Computação na Nuvem (cloud computing)... 102 Conceitos de Internet e Intranet + exercícios... 105 Internet Explorer, Firefox e Google

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 05: Editores de Imagem Paint / GIMP Desenho e Edição de Imagem Paint O Paint é um software utilizado para a criação de desenhos simples

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA MANUAL BÁSICO PARA ACESSO EXTERNO I N D Í C E 1 - ACESSO AO SISTEMA 2 - NAVEGAÇÃO ENTRE MÓDULOS (Aplicações) 3 - MÓDULOS 4 - BARRA DE FERRAMENTAS / TECLAS DE FUNCÃO E NAVEGAÇÃO

Leia mais

AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS

AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS AULA 06 CRIAÇÃO DE USUÁRIOS O Windows XP fornece contas de usuários de grupos (das quais os usuários podem ser membros). As contas de usuários são projetadas para indivíduos. As contas de grupos são projetadas

Leia mais

00 Índice. Manual do usuário. 01 Introdução...3

00 Índice. Manual do usuário. 01 Introdução...3 00 Índice 01 Introdução...3 02 Antes de começar...4 02.1 Requisitos mínimos...4 02.2 O que se inclui...4 02.3 Conexão de EnPathia...4 03 Instalação da aplicação...5 04 Começando a trabalhar...6 04.1 Desbloquear

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Noções Básicas de Excel página 1 de 19

Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Conhecendo a tela do Excel. A BARRA DE FÓRMULAS exibe o conteúdo de cada célula (local) da planilha. Nela podemos inserir e alterar nomes, datas, fórmulas, funções.

Leia mais

Roteiro de Tutorial das Ferramentas de Usabilidade. Por Heblon Motta Alves Barbosa

Roteiro de Tutorial das Ferramentas de Usabilidade. Por Heblon Motta Alves Barbosa Roteiro de Tutorial das Ferramentas de Usabilidade Por Heblon Motta Alves Barbosa Ampliador de Tela O que é O ampliador de tela é um software que ao ser acionado, aumenta o tamanho da imagem que está sendo

Leia mais