Desafios Técnicos e Empresariais Diretrizes WEEE & RoHS. Impactos na indústria de montagem eletrônica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desafios Técnicos e Empresariais Diretrizes WEEE & RoHS. Impactos na indústria de montagem eletrônica"

Transcrição

1

2 Desafios Técnicos e Empresariais Diretrizes WEEE & RoHS Impactos na indústria de montagem eletrônica

3 Mudança é a lei da vida e aqueles que somente olham para o passado ou presente com certeza perderão o futuro Change is the law of life and those who look only to the past or present are certain to miss the future. -JFK

4 Diretiva RoHS A partir de 1º. Julho 2006, produtores devem estar aptos à demonstrar que seus produtos não contém níveis acima dos limites permitidos das substâncias abaixo listadas: Chumbo Mercúrio Cádmio Cromo hexavalente Bifenóis polibromados (PBBs, Polybrominated biphenyls) Éteres difenílicos polibromados (PBDEs, Polybrominated diphenyl ethers) Cádmio < 0,01% peso Outros < 0,1% (materiais homogêneos nos componentes)

5 Diretiva RoHS A partir de 1º. Julho 2006, produtores devem estar aptos à demonstrar que seus produtos não contém níveis acima dos limites permitidos das substâncias abaixo listadas : Chumbo Mercúrio Cádmio Cromo hexavalente Bifenóis polibromados (PBBs, Polybrominated biphenyls) Éteres difenílicos polibromados (PBDEs, Polybrominated diphenyl ethers) Cádmio < 0,01% peso Outros < 0,1% para materiais homogêneos nos componentes

6 Quais são os desafios?!" # $ %!" # $ %

7 Retirar o chumbo Maior desafio na indústria PCBA em mais de duas décadas Sobressai à transição da montagem por pinos para SMT Haverá necessidades de implementar duas fábricas em uma Estanho-chumbo deverá ser separado de produtos Lead-free Impactos não somente nos processos de montagem Impacto abrangente no processo, de seleção de materiais ao retorno de campo Cada empresa deverá estar preparada para responder à um esperado aumento de questionamentos sobre o que a empresa está fazendo para se tornar Lead-free

8 Migração para tecnologia Lead-Free

9 Migração para tecnologia Lead-Free RoHS: impacto nas organizações Vendas e Marketing Engenharia: P&D, Processo, Fabricação, Qualidade Fabricação: custos / produtividade Compras Qualidade Assegurada Manutenção Suporte a Campo Recursos: tempo $

10 Migração para tecnologia Lead-Free Considerações comerciais Preço/estabilidade do custo dos materiais Disponibilidade dos elementos Manufaturabilidade Disponibilidade mundial e patentes das ligas Reciclagem de ligas e materiais Quantidade reciclada de materiais em solicitações de mudança (processo) Processo duplo: sem e com chumbo

11 Fatores Primários que Afetam a Soldabilidade Lead Free

12 Insumos Seleção de: Liga de Solda Fluxo PCB Acabamento da cobertura Material Componentes Revestimento dos terminais Material do encapsulamento Equipamentos e Ferramentais Apropriados

13 Ligas de Solda Lead-Free

14 Mercados e Ligas Utilizadas Ligas Utilizadas SnAgCu SnAg SnCu Janela de Fusão Indústrias Automotiva Telecomunicações Automotiva Eletrodoméstico Telecomunicações Empresas Panasonic Nokia Nortel Panasonic Toshiba Visteon Panasonic Nortel SnAgBi SnAgBiCu Militar / Aeroespacial Eletrodoméstico Militar / Aeroespacial Panasonic Hitachi Panasonic SnAgBiCuGe 216 Eletrodoméstico Sony Sn Zn 198,5 Eletrodoméstico Nec Panasonic Toshiba fonte IPC

15 Lead-Free Fluxos

16 Fluxos Níveis de Atividade do Fluxo (% de Haletos) - IPC J-STD-004 Low (0%) L0 Low (<0,5%) L1 Moderate (0%) M0 Moderate (0,5%-2,0%) M1 High (0%) H0 Materiais de Composição Rosin (RO) Resin (RE) Organic (OR) Inorganic (IN) High (>2,0%)- H1 Tipos de Ativadores : Menos Ativo Mais Ativo Rosin R Low Residue - LR Rosin Mildly Activated - RMA Rosin Activated - RA Water Soluble WSF (Hidro-Solúvel) Tipos de Fluxo quanto a Limpeza No Clean Hidrossolúvel - Clean Fluxos mais ativos apresentam melhores resultados para lead-free

17 Pastas de Solda Lead-Free Formulação Liga Metálica (85 90% em peso) Em forma de esferas Spray Drier ou Ultra-Som Diâmetro varia em função da aplicação Tipos 3-4: Celulares/Eletrodom Tipos 7-8 Fabricação de Componentes Fluxo (10 15% em peso)

18 Lead-Free: Acabamento das PCB s, Materiais e Revestimentos dos Componentes

19 Revestimentos PCB e Componentes

20 Acabamento das PCB s Imersão em Au Imersão em Ag Imersão em Sn ENIG (Ni / Au) OSP

21 Material dos Componentes Preocupações com o encapsulamento e revestimento dos terminais dos componentes para o processo Lead Free A qualificação para componentes com encapsulamento plástico lead free (sensíveis à umidade) baseada em normas internacionais Fabricantes estão pesquisando novos plásticos que suportem maiores temperaturas Revestimentos Materiais Base (Metais base) Cobre, latão, Prata-Paladium, Ferro Níquel, Aço, etc Estanho (Sn), Prata (Ag), Ouro (Au)

22 Componentes Sensíveis à Umidade Danos que podem ocorrer Fissuras por umidade Delaminação nas interfaces internas do encapsulamento Os danos acima podem provocar modos de falha como fios de contato elétrico partidos e balls de contatos elétricos levantados

23 Revestimento dos Terminais Aplicação de camada de metal melhorar a soldabilidade, proteger da corrosão e danos mecânicos melhorar sua aparência Requisitos para alternativas de revestimento Ponto de refusão aceitável Características de boa soldabilidade Alta adesão e rigidez mecânica Boa condutividade Possibilidade de Retrabalho Baixo Custo

24 Lead-Free Soldabilidade

25 Soldabilidade A solda é de fundamental importância para os produtos eletrônicos as ligas de solda têm a função primária de formar uma junção entre duas ou mais superfícies metálicas permitindo boa condução elétrica pelo aquecimento as ligas de soldagem são fundidas, após o resfriamento, as ligas unem duas superfícies metálicas Por exemplo: a união dos terminais dos componentes aos pads das PCB s Em relação à soldabilidade a PCB é fundamental no projeto os componentes representam a tecnologia de mercado a soldabilidade define o sucesso de um processo de montagem

26 Soldabilidade Conclusões for 60 min ~ Full wetting 10% wetting > 25% wetting

27 Lead-Free SMT

28 Impactos na Manufatura Eletrônica (1) Loader (2) Printer (3) AOI (4) Chip Shooter (5) Placer (6) Reflow (7) Montagem Manual (8) Wave (9) Inspeção/Testes SnPb Lead-free

29 SMT com Solda Lead Free Variáveis com maiores alterações Temperatura de fusão da liga de solda Química do fluxo: ativação, efeitos de temperatura Auto-alinhamento: tensão superficial e soldabilidade Aumento de solder balls, voids e curtos Confiabilidade dos componentes e do sistema montado Processos de Reparo e Retrabalho Compatíveis Processo de Soldagem Seletiva e Por Onda Compatíveis

30 Screen Printer

31 Impressão da Pasta de Solda Força de Impressão Velocidade de Impressão Frequência de Limpeza do Stencil Espessura do Stencil Abertura (Area Ratio) Design da Abertura Formato da Abertura

32 Impressão da Pasta de Solda Força de Impressão Velocidade de Impressão Frequência de Limpeza do Stencil Espessura do Stencil Abertura (Area Ratio) Design da Abertura Formato da Abertura

33 Impressão da Pasta de Solda Força de Impressão Velocidade de Impressão Frequência de Limpeza do Stencil Espessura do Stencil Abertura (Area Ratio) Design da Abertura Formato da Abertura

34 Estencils Tipos mais comuns de Estencils

35 Colocação dos Componentes (Placer)

36 Colocação dos Componentes SMT Existem, basicamente, dois tipos de Placers: Chip Placer ou Chipshooter e Large Parts ou Fine Pitch Placer Lead-free necessidade de maior acuracidade

37 Forno de Refusão (Reflow)

38 Perfil de Refusão Fonte: Speedline Technologies.

39 Junção Satisfatória SAC Refusão em Ar

40 BGA Resultado de processo Chumbo Pasta A Sn 63 Pb 37 Lead-free Pasta B SAC305 Voids => vazios, lacunas, bolhas, etc

41 LEAD-FREE SOLDA POR ONDA (WAVE)

42 Lead Free Solda Por Onda Equipamento utilizado para efetuar a aplicação de fluxo e metal (solda) fundido, interligando os componentes e placa de circuito impresso por meio de furos metalizados. Desafios: Proporcionar taxas de aquecimento homogêneas; Manter o menor T possível entre componentes;

43 Soldagem por Onda Lead-free Compatibilidade do Material do Pote de Solda com as Ligas de Solda: Corrosão na Máquina de Solda Fragilização da Junta de Solda

44 Janela de Processo

45 Soldabilidade com SAC305 (Onda) Variáveis do Processo que Impactam a Operação de Soldagem e Preenchimento do Furo Fluxo: conteúdo de sólidos, acidez e volume Temperatura dos pré-aquecedores Velocidade do conveyor Tempo de contato Temperatura do pote de solda Contaminação por chumbo Contaminação por cobre Contaminação por ferro

46 Soldagem Manual e Retrabalho Lead Free

47 Retrabalho : Diferenças e Problemas Diferenças Aumento da temperatura em 20 C Maior ênfase na transferência de calor Formação de Intermetálicos Diferenças nos ferramentais e equipamentos Corrosão mais rápida nas pontas dos ferros de solda Problemas Pode danificar rolamentos, motores e resistências Pode influenciar o volume de produção Provocar maior oxidação na PCB Provocar juntas de solda fracas Cuidados com contaminação

48 Lead-Free Métodos de inspeção

49 Inspeção visual Estanho-chumbo Estanho-chumbo é brilhante e homogênea Sem-chumbo : Fosca e granulada Menor geometria do filete Molhagem será menor Aspectos visuais de boas junções de solda: Boa molhagem Quantidade de solda correta Superfície sólida, forte e homogênea

50 Inspeção visual SAC 305 SnPb (eutética)

51 Raio-X verificação de integridade Junta de Solda QFP SnPb eutético Junta de solda QFP SnAgCu Mesmos lay-out e condições de análise Nenhuma Diferença Detectável

52 Lead Free Defeitos de soldagem

53 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem SMT (Wave) Levantamento do Filete (Fillet Lifting) Solda desprende do Pad de Cobre Pad desprende do material do PCB Junta de Solda racha

54 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem SMT (Wave) Picos de solda (Spikes - Icicles) Forma apontada Excesso de solda

55 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem SMT (Wave) Bolas de Solda (Solder Balling) Micro-bolas de Solda

56 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem SMT (Wave) Buracos / lacunas encapsuladas de Solda Void dentro do PTH (Voids - via metalografia) Causa: escape de gases do PCB Através de rachadura do cobre entre PCB e solda

57 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem superficial (Reflow) Voids vazios, buracos

58 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem SMT (Wave) Fios de Estanho (Tin Whiskers)

59 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem SMT (Reflow) Solda fora da ilha de terminação (Pad) e no meio dos componentes Ponte (bridging)

60 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem superficial (Reflow) Sem molhagem Efeito Lápide (tombstoning) Pode gerar um circuito aberto

61 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem superficial (Reflow) Temperatura insuficiente Temperatura Excessiva Bom perfil térmico

62 Defeitos de soldagem Lead-Free Montagem superficial (Reflow) Picos de solda (Spikes - Icicles) Liga SAC a 260 o C

63 Lead Free Confiabilidade

64 Confiabilidade Planejamento de Testes de confiabilidade Ensaios de confiabilidade Temperatura e umidade Altas Temperaturas de Estocagem Autoclaves Vibrações Torção Condições de testes e duração 85º C / 85% u.r., 1000 horas 150º C, 1000 horas 121º C / 100% u.r. 96 horas Aplicação induzida de vibração, teste mínimo de integridade, vibração ramdômica em 3 eixos, 1 hora por eixo ± 5-10ºC, temperatura ambiente, > 5 horas Referências JESD22-A101-B JESD22-A103-B JEDS22-A102-C MIL STD 810E Tabela Ciclagem Térmica -40º-125ºC, 15 min ciclo, gradiente < 20ºC/min., câmara 3 zonas ar-ar, monitoramento contínuo in-situ IPC-SM-785, JEDS22-A104-B

65 Confiabilidade Boas junções de solda - sólidas e homogêneas Critérios de aceitabilidade IPC-A-610D SMT PTH Lado 1 SMT PTH Lado 2

66 Caso de Projeto

67 Projeto Caso Implementação e Otimização de Nova Tecnologia de Processo Fabril Lead-free Empresa: > Multinacional, fabricante de equipamentos de telecomunicação > Produção: aproximadamente 3 milhões de unidades/mês

68 Lead-free em PCBA SMT Situação Inicial: Processo Lead-free desde Set04 > Implementação LF com aumento de defeitos de 50% > Início dos trabalhos em Dez DPMU Evolution by Month - Printer Defects (from September to December/04) September October November December

69 Lead-free em PCBA SMT Analisar e otimizar o processo fabril almejando: > Redução de níveis de defeitos de soldagem de PCI s > Capacitação da equipe de colaboradores > Revisão das Condições de Trabalho nas Bancadas de Reparo/ Retrabalho

70 Lead-free em PCBA SMT > Análise das condições de processo > Identificação dos fatores críticos sobre os principais defeitos > Treinamento do pessoal > Realização de experimentos Desenvolvimento materiais e processos alternativos > Consolidação de fatores a incrementar melhorias > Implementação das melhorias em processos

71 Lead-free em PCBA SMT DPMU and SIGMA Evolution DPMU Sigma DPMU SIGMA Jan-05 Feb-05 Mar-05 Apr-05 May-05 Jun-05 Jul-05 Aug-05 Sep-05 Oct-05 Nov-05 Process changed Month 5.00 Conclusion: Reject Null Hypotesis for both DPMU and Scrap, after project implementation both were improved. Note: Pass/Fail proportion test was used.

72 Lead-free em PCBA SMT Bottom Line Results Solder Paste Process RoHS Compliance US$ Impact (Net hard dollars savings validated by Finance) Process Capability for Solder Paste Height Measurement for Mollusk Results: Cp=2.0 & Cpk=1.7 Published Papers Which is the best profile for soldering processes using Lead Free technology IPESI Magazine/2005 Lead Free Implementation - IMAPS/2005 Lead Free solder alloy implementation in a SMT plant IMAPS/2005 Case study correlating the thermal profile and laboratory analysis APEX/2006

73

74 Instituto Eldorado Perfil Associação civil sem fins lucrativos, OSCIP Fundada em dez/1997 em Campinas/SP. Em operação desde mar/1999 Atuando na área de TIC, Tecnologia da Informação e Comunicação Dedicada a: Pesquisa e desenvolvimento (P&D) Capacitação profissional Mantida exclusivamente pelos projetos que executa

75 Prêmios e Reconhecimentos Smart Card Alliance Conference Out/ 2005 Transformation Innovation Award 100 maiores de Telecom Anuário Telecom 87ª maior organização de Telecom do Brasil (2004) 200 maiores de TI Anuário Informática Hoje 113ª maior organização de TI do Brasil (2004)

76 Certificações Projeto Testes Gestão

77 Equipe Eldorado 360 profissionais: crescimento de 6 vezes em 6 anos Dec99 Dec00 Dec01 Dec02 Dec03 Dec04 Dec05 Employees Trainees

78 Equipe Eldorado Perfil de formação 310 profissionais em tempo integral 290 em atividades técnicas 50 trainees!

79 Áreas de atuação Gerenciamento de projetos Projetos de P&D Software Software Embarcado Hardware Desenvolvimento de Processos Testes Outros projetos Programas de capacitação Laboratórios

80 Competências Ciência, Engenharia e Processamento de Materiais Metais: processos e materiais de brasagem e soldagem, tratamentos de superfície, recobrimentos, comportamento termo-mecânico e de fraturas, processos de cristalização Polímeros: processamento e engenharia de blendas e compósitos, adesivos Cerâmicas: recobrimentos anti-abrasivos, porcelanatos Técnicas de Análise de Falhas em Materiais Metalografia Verificações e Testes Elétricos Microscopia Ótica Testes de Balanço de Molhamento Microscopia Eletrônica (SEM & MEV) Técnicas de Raios-X Espectroscopia de E. Dispersiva (EDS) Fluorescência, Radiografia & Dispersão Metodologia de Análise de Pastas de Soldas Engenharia Industrial Modelagem Dinâmica Pesquisa Operacional Metodologias e Ferramentas Estatísticas

81 Contatos Joelson Fonseca Desenvolvimento de Processos Fone: Paulo R. S. Ivo Desenvolvimento de Negócios Fone: Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. SP340, Campinas-Mogi Mirim, Km 118,5 CEP Campinas SP - Brasil Fone: (19)

82 Muito Obrigado!

83

84

85 Palestrantes Joelson Fonseca > Engenheiro de Materiais > Gerente de P&D do D epto. de Desenvolvimento de Processos > Tem liderado a área nas iniciativas de implementação dos processos Lead-free nas empresas parceiras do IPE desde 2004 > Mestre em Ciência e Engenharia de Materiais (DEMa/UFSCar) > Especialista em Gestão Estratégica da Inovação Tecnológica (UNICAMP): experiência de 10 anos em P&D na 3M do Brasil, Ipiranga Asfaltos S.A. e Instituto Eldorado

86 Nosso foco é processos de materiais

87 Objetivos Atuar como suporte técnico, consultoria e fonte de treinamentos especializados em: > otimização de processos fabris > implementação de processos de manufatura > projetos de desenvolvimento e otimização de produtos > projetos de desenvolvimento de tecnologias

88 Escopo de Atuação Processos de Manufatura > Otimização e Implantação de Processos > Melhoria de Produtividade e Rendimento de Linhas > Melhoria de Qualidade de Processos e Produtos > Desempenho de produtos > Simulação de Processos > Melhoria de Produtividade e Rendimento de Linhas de Processos > Melhoria de Lay-out e Fluxo de Processos Industriais > Implementação de Novas Tecnologias > p.ex.: processos de montagem eletrônica tipo Lead-Free

89 Time > Engenheiros de Materiais > Estatísticos > Engenheiros Elétricos e Eletrônicos > Analistas de Sistemas > Engenheiros de Processos e Industriais > Estagiários: estatística e engenharias Estagiários 20% Ph.D. 10% M.Sc. 20% Graduados 10% Especialização 40%

90 Casos de Projetos Otimização de Processo Fabril (PCBA) & Transferência de Tecnologia > Aplicação dos conceitos de: > Matelurgia de Soldagem Branda > Análise de Falhas em Materiais > Análise de Falhas > Delineamento de Experimentos Implementação e Otimização de Nova Tecnologia de Soldagem Branda (Lead-Free PCBA) > Aplicação dos conceitos de: > Metalurgia de Soldagem Branda e Metalurgia de Ligas não-ferrosas > Análise de Falhas em Materiais > Delineamento de Experimentos > Engenharia Robusta Dimensionamento e Otimização de Células e Linhas de Produção > Aplicação dos conceitos de: > Lean Manufacturing > Simulação de Eventos Discretos > Delineamento de Experimentos Dimensionamento e Otimização de Logística Interna de Materiais e Recursos > Aplicação dos conceitos de: > Modelagem Dinâmica de Processos

91

Surface Finishes: Acabamentos Nano e Organometálicos. Marco Aurélio Almeida de Oliveira

Surface Finishes: Acabamentos Nano e Organometálicos. Marco Aurélio Almeida de Oliveira Surface Finishes: Acabamentos Nano e Organometálicos Marco Aurélio Almeida de Oliveira Nova Categoria de Acabamento Final para PWB. Visibilidade Garantida. Visibilidade. Permite inspecionar os painéis

Leia mais

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO CONCEITOS FUNDAMENTAIS PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO CONCEITOS FUNDAMENTAIS Histórico Materiais para

Leia mais

ALPHA OM-350 Solda em Pasta No-Clean, Livre de Chumbo

ALPHA OM-350 Solda em Pasta No-Clean, Livre de Chumbo DESCRIÇÃO é uma pasta de solda livre de chumbo e sem limpeza adequada para a impressão de características em fine pitch e refusão usando os perfis mais exigentes de refusão de molhagem em atmosferas de

Leia mais

PSI2613-2007-1. PRECISÃO do POSICIONAMENTO Um aspecto importante no processo de posicionamento de componentes SMD é a precisão do posicionamento.

PSI2613-2007-1. PRECISÃO do POSICIONAMENTO Um aspecto importante no processo de posicionamento de componentes SMD é a precisão do posicionamento. SISTEMAS de VISÃO para PLACEMENT Os sistemas de visão para o posicionamento de dispositivos (SMD) realiza as seguintes funções: Localização das marcas fiduciais no (PCB), Assegurar o alinhamento do dispositivo,

Leia mais

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI.

SOLDAGEM. Figura 1 Lado da solda de uma PCI. INSTITUTO FEDERAL SANTA CATARINA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CURSO DE ENGENHARIA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS LABELECTRON LABORATÓRIO DE DESENVOLVIMENTO E TESTES DE PROCESSOS E PRODUTOS ELETRÔNICOS

Leia mais

LED SMD 3528 TIPO PLCC STD ALTO BRILHO BRANCO FRIO

LED SMD 3528 TIPO PLCC STD ALTO BRILHO BRANCO FRIO LED SMD 3528 TIPO PLCC STD ALTO BRILHO BRANCO FRIO Destaques: - Alta intensidade luminosa e alta eficiência; - Tecnologia InGaN on GaN; AlInGaP; - Largo campo de visualização: 120º; - Excelente performance

Leia mais

(21) BR 10 2013 005511-5 A2 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111

(21) BR 10 2013 005511-5 A2 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111 (21) BR 10 2013 005511-5 A2 111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111 * B R 1 O 2 O 1 3 O O 5 5 1 1 A 2 * Rbf}Ltb:iGo. F&:.ie~;s;\ivo; fio 8ra~~! 1-.. Fi::...,oi::-.

Leia mais

Reciclagem de Placas de Circuito Impresso de Resíduos Electrónicos Projecto Financiamento: LNEG - UPCS Carlos Nogueira Paula Oliveira IST Fernanda Margarido Filipa Taborda Marta Cabral Ricardo Abrantes

Leia mais

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS

GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS GERAÇÃO E DESTINO DOS RESÍDUOS ELETRO-ELETRÔNICOS Prof. Hugo M. Veit Laboratório de Corrosão, Proteção e Reciclagem de Materiais Escola de Engenharia Universidade Federal do Rio Grande do Sul O QUE PODE

Leia mais

RECICLAGEM DOS MATERIAIS

RECICLAGEM DOS MATERIAIS RECICLAGEM DOS MATERIAIS Bibliografia MANO, E. B., PACHECO, E. B.; BONELLI, C. M. C. Meio ambiente, poluição e reciclagem. São Paulo: Edgard Blucher, cap 10, 2005. C-H Leea, C-T Chang, K-Sh Fan, T-C Chang.

Leia mais

Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous

Diretiva RoHS (Restriction of Certain Hazardous Diretiva RoHS ("Restriction of Certain Hazardous Substances ): Testes de certificação Seminário Internacional sobre Diretivas WEEE e RoHS Brasília. DF 8/2/2011 Certificação RoHS Diretiva RoHS histórico

Leia mais

SMT (SURFACE MOUNTED TECHNOLOGY)

SMT (SURFACE MOUNTED TECHNOLOGY) SMT (SURFACE MOUNTED TECHNOLOGY) VANTAGENS Aumento da Automação na Montagem de Circuitos Eletrônicos Diminuição de ruídos, menores tempos de retardo e maior resposta em frequência Menor interferência eletromagnética

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Solda Estanho-Chumbo Aplicações na Eletrônica

Solda Estanho-Chumbo Aplicações na Eletrônica 1 Solda Estanho-Chumbo Aplicações na Eletrônica E. A. C. Aranha Neto, UFPR Resumo - Este documento apresenta as características da liga estanho-chumbo nas suas diversas proporções e as aplicações dessa

Leia mais

Estudo experimental da migração eletroquímica em. soldagem eletrônica Sn/Ag/Cu Lead Free

Estudo experimental da migração eletroquímica em. soldagem eletrônica Sn/Ag/Cu Lead Free Luiz Tadeu Freire Mendes Luiz Tadeu Freire Mendes em soldagem eletrônica Sn/Ag/Cu Lead Free Estudo experimental da migração eletroquímica Estudo experimental da migração eletroquímica em soldagem eletrônica

Leia mais

Máquina de solda Dupla Onda Point-Wave Series

Máquina de solda Dupla Onda Point-Wave Series Máquina de solda Dupla Onda Point-Wave Series Máquina de Solda Dupla Onda de alta performance, com excelente desempenho, sofisticação e custo-benefício aliados a uma vasta base instalada em clientes exigentes

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Objetivo: Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Prof. Stefano Apresentar algumas considerações iniciais para permitir ao estudante se familiarizar com a placa de circuito impresso (PCI),

Leia mais

Análise de Materiais Ltda.

Análise de Materiais Ltda. LOGO METALAB Análise de Materiais Ltda. Laboratórios de Ciência e Engenharia de Materiais DESDE 1989 www.metalab.com.br METALAB Análise de Materiais Ltda. Apresentação Em 1989, através da GRAIX Materiais

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Apoio Institucional Apoio Financeiro Nossos Desafios 2011 Cadeia Produtiva Complexa Setores Industriais Construção e Engenharia Aero-espacial

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL Bilhões US$ FOB Balança comercial brasileira A balança comercial brasileira de bens tipicamente produzidos pela indústria de transformação

Leia mais

Nicoli Pizetti Bega. Encapsulamento BGA (Ball Grid Array)

Nicoli Pizetti Bega. Encapsulamento BGA (Ball Grid Array) 1 Nicoli Pizetti Bega Encapsulamento BGA (Ball Grid Array) Trabalho de conclusão do Curso, apresentado para obtenção do grau de TECNÓLOGO no Curso de Tecnologia em Materiais, Processos e Componentes Eletrônicos

Leia mais

Lei de Informática - resultados em P&D. Design. Build. Ship. Service.

Lei de Informática - resultados em P&D. Design. Build. Ship. Service. Lei de Informática - resultados em P&D Localidades da Flextronics no Brasil MASA Manaus AM (Plásticos & PCBA) Parque Industrial Sorocaba SP (PCBA, Montagem Final, Logística) Multek São Paulo SP (Fabricação

Leia mais

Solução de problemas tecnológicos e de gestão

Solução de problemas tecnológicos e de gestão Solução de problemas tecnológicos e de gestão para micro, pequenas e médias empresas Programa de Apoio Tecnológico às Micro, Pequenas e Médias Empresas do Estado de São Paulo Extensão Tecnológica Programa

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Introdução A Ergon Sistemas de Visão Industrial, parceira das empresas Industrial Vision Systems e Neurocheck, juntas formam importantes fornecedores

Leia mais

PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE

PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE PLACA DE AQUECIMENTO SMD HOT-PLATE Rua Guarda de Honra, 291 Ipiranga São Paulo SP 55 11 2068-9113 www.maxtroneletron.com.br 1 1. APRESENTAÇÃO Chave Liga-Desliga com indicador led verde. Indicador de anormalidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO

DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO DESENVOLVIMENTO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO José Mário Carneiro Vilela, Ana Luiza Resende de Castro, Paulo Ernesto Freiheit Côrtes, Wilson de Carvalho Junior, Luiza

Leia mais

Seminário: Resultados da Lei de Informática. Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento e as Contract Manufacturer: resultados

Seminário: Resultados da Lei de Informática. Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento e as Contract Manufacturer: resultados Seminário: Resultados da Lei de Informática Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento e as Contract Manufacturer: resultados Josias de Souza - Gestão de P&D Agenda A Flextronics Evolução da Flextronics

Leia mais

Montagem de placas eletrônicas sob atmosfera inerte. menores custos. www.airliquide.com

Montagem de placas eletrônicas sob atmosfera inerte. menores custos. www.airliquide.com Montagem de placas eletrônicas sob atmosfera inerte Nada de chumbo. maior qualidade, menores custos. www.airliquide.com Por que usar ALIX Maior qualidade e produtividade Menores custos e melhor desempenho

Leia mais

NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro 2006

NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro 2006 Low-Cost Lead-Free Soldering Technology to Improve the Competitiveness of European SMEs Collective Research Project in the 6th Outline Research Programme of the European Union NEWSLETTER Edição 1 / Janeiro

Leia mais

Noções Básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados

Noções Básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados Noções Básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados Este tutorial apresenta noções básicas de identificação da qualidade de cabos coaxiais e pares trançados. Mauricio Matos

Leia mais

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor

Darlan Dallacosta, M. Eng. Diretor Escopo de Serviços I- Sumário Executivo (Laboratório de Ensaios Mecânicos) A SCiTec aparece como uma empresa de base tecnológica apta para prestar serviços de forma integrada com o setor empresarial. Constituída

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA MÓDULOS MONOCRISTALINOS SEM MOLDURA - SI-ESF-M-M125-36

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA MÓDULOS MONOCRISTALINOS SEM MOLDURA - SI-ESF-M-M125-36 Solar Innova usa os últimos materiais para a fabricação de seus módulos solar. Nossos módulos são ideais para qualquer aplicativo que usa o efeito fotoelétrico como uma fonte de energia limpa por causa

Leia mais

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, para ser qualificada como instaladora de tubos poliolefínicos

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Saulo Finco, Cordenador da DH-CTI, saulo.finco@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6246 - Fax: +55 19 3746-6028. www.cti.gov.br

Saulo Finco, Cordenador da DH-CTI, saulo.finco@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6246 - Fax: +55 19 3746-6028. www.cti.gov.br Saulo Finco, Cordenador da DH-CTI, saulo.finco@cti.gov.br Tel.: +55 19 3746-6246 - Fax: +55 19 3746-6028 www.cti.gov.br DH-CTI Introdução Missão Prover o mercado com soluções inovadoras em desenvolvimento

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO

6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO O Pólo Industrial de Manaus (PIM) contém mais de 500 empresas, prevalecendo as de produtos eletroeletrônicos com indústrias de alta tecnologia na área de televisores e da computação. A maioria dos produtos

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval

Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial. Curso Superior de Tecnologia em Construção Naval Automação Industrial Indústria O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando na execução de projetos,

Leia mais

ABINEE TEC 2007. Diretivas RoHS e WEEE

ABINEE TEC 2007. Diretivas RoHS e WEEE ABINEE TEC 2007 Diretivas RoHS e WEEE Restrição ao uso de substâncias perigosas RoHS - Restriction of Harzadous Substances: Diretiva 2002/95/EC da União Européia de 27/01/2003, restringe certas substâncias

Leia mais

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Conceitos básicos de Componentes SMD Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Maio de 2014 Componentes em SMD Atualmente, nos equipamentos eletrônicos modernos, a utilização de resistores e capacitores convencionais

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 SOLDAGEM BRANDA POR INDUÇÃO COM ADIÇÃO DE LIGA DE ESTANHO ISENTA DE CHUMBO Monezi, C. A. 1, Vitoriano, R. S. 2, Stipkovic,

Leia mais

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia

Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia Assuma o controle com as soluções SKF para o setor de siderurgia O Poder do Conhecimento em Engenharia A única coisa mais intensa que o calor é a sua concorrência Poucos ambientes industriais têm condições

Leia mais

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica

Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Heraeus Noblelight Aquecimento infravermelho na indústria plástica Freddy Baruch 16 Setembro 2015 Page 1 SAUDAÇÃO BOM DIA! Page 2 APRESENTAÇÃO Page 3 APRESENTAÇÃO Quem somos - Apresentação Pessoal Freddy

Leia mais

Estudo de Adesivos Condutivos Isotrópicos Utilizados para a Fixação de Componentes Eletrônicos

Estudo de Adesivos Condutivos Isotrópicos Utilizados para a Fixação de Componentes Eletrônicos ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 11, n. 4, pp. 420 426, 2006 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo10812 Estudo de Adesivos Condutivos Isotrópicos Utilizados para a Fixação de Componentes

Leia mais

D. PROJETO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO - BÁSICO

D. PROJETO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO - BÁSICO D. PROJETO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO - BÁSICO Tab. D.1 Relação entre unidade imperial e métrica. Imperial (polegada) Métrica (mm) Nome usual 1 25,4 (2,54cm) 1 inch pitch ou pitch 0.2 5,08 0.2 inch

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES

MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES MÓDULO 2 2.3 - CONEXÕES Os fabricantes e as conexões devem ser pré-qualificados através de certificados de qualificação emitidos por organismos/laboratórios reconhecidos, ou pelo próprio sistema de qualificação

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

Suprimentos originais HP

Suprimentos originais HP Suprimentos originais HP Entendendo a função dos suprimentos HP na qualidade e confiabilidade da impressão. Cada vez que você utilizar suprimentos originais HP, terá impressos produzidos por componentes

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

LED SMD TIPO PLCC 5050 ALTO BRILHO BRANCA FRIA

LED SMD TIPO PLCC 5050 ALTO BRILHO BRANCA FRIA LED SMD TIPO PLCC 5050 ALTO BRILHO BRANCA FRIA Destaques: - Alta intensidade luminosa e alta eficiência; - Tecnologia InGaN on GaN; AlInGaP; - Amplo campo de visualização: 120º; - Excelentes performance

Leia mais

SUMÁRIO TUBOS DE COBRE...

SUMÁRIO TUBOS DE COBRE... SUMÁRIO TUBOS DE COBRE... 02 CONEXÕES... Soldáveis e Rosqueáveis 03-08 ACESSÓRIOS PARA INSTALAÇÃO... Fluxo para Solda - Liga para Solda - Isolamento Térmico - Escova para Limpeza 09-10 01/10 TERMOTUBO

Leia mais

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC

Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG - Campus CETEC Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC O Centro de Inovação e Tecnologia SENAI FIEMG Campus CETEC, compõe-se por um conjunto de institutos de inovação e institutos de tecnologia capazes

Leia mais

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade

25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade Página 1 de 8 25/01/2010 - Foi publicada a IN nº 1, de 19 de janeiro de 2010, que dispõe sobre os critérios de sustentabilidade INSTRUÇÃO NORMATIVA N O 1, DE 19 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os critérios

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Montagem de cabo coaxial digital

Montagem de cabo coaxial digital Montagem de cabo coaxial digital No Módulo 2 de nosso curso discutimos as vantagens e desvantagens de técnicas de montagem utilizando solda ou processo de crimpagem. Na ocasião, todos os presentes puderam

Leia mais

Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação*

Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação* Estoque, um mal necessário? Confiabilidade do estoque, mostrando casos reais e práticas de conservação* * Artigo apresentado no 22º Congresso Brasileiro de Manutenção, Florianópolis 2008 Abraman Julio

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC

Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC UMA MARCA AXALTA COATING SYSTEMS Revestimentos de Eletrodeposição AquaEC Soluções inovadoras para demandas de E-Coat Um início brilhante de classe mundial com proteção anticorrosiva. O mercado altamente

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

HDD Docking. wadc700. Impresso no Brasil Sujeito a Alterações Todos os Direitos Reservados

HDD Docking. wadc700. Impresso no Brasil Sujeito a Alterações Todos os Direitos Reservados HDD Docking wadc700 Conteúdo Página Manuseando Componentes SMD...2 Precauções, Instruções de Segurança e Notas...3 Instrução de Desmontagem...7 Diagrama em Bloco...8 Layout...9 Vista Explodida...11 Impresso

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável

Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável Eletrônica Geral 1 Introdução Projeto de uma Fonte de Tensão Ajustável O projeto de uma fonte de tensão tem como principal objetivo o exercício de montagem prática, colocando o aluno face aos conceitos

Leia mais

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica Processos de Junção e Corte Prof. Dr. Gilberto F. M. de Souza Agosto de 2004 1. Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes,

Leia mais

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO

CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE INSPEÇÃO ETM 006 VERSÃO 02 Jundiaí 2015 ETM Especificação Técnica de Material CONE CONCÊNTRICO E ANEL DE CONCRETO PARA POÇOS DE VISITA E DE

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

MANUAL DE SSV04 E L E T R Ô N I C O S SELETOR DE CAIXAS DE SOM 2 FONTES 4 ZONAS COM ATENUADOR DE VOLUME

MANUAL DE SSV04 E L E T R Ô N I C O S SELETOR DE CAIXAS DE SOM 2 FONTES 4 ZONAS COM ATENUADOR DE VOLUME E L E T R Ô N I C O S MANUAL DE INSTRUÇÕES SSV04 SELETOR DE CAIXAS DE SOM 2 FONTES 4 ZONAS COM ATENUADOR DE VOLUME Caro consumidor Obrigado pela compra deste produto. Para um desempenho otimizado e seguro,

Leia mais

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco

GT Micronutrientes Resíduos de Zinco GT Micronutrientes Resíduos de Zinco Produto Fonte geradora (processo) Exemplos de empresas geradoras no Brasil Cinza de Zn SHG Fusão de placa catódica Votorantim Metais Zinco Fusão de Zn SHG para anodos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF

INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF INFLUÊNCIA DO TRATAMENTO DE VIBRAÇÃO NAS TENSÕES RESIDUAIS GERADAS NA SOLDAGEM A LASER DE AÇOS ARBL E IF T. C. Chuvas 1 ; M. P. Cindra Fonseca 1 ; D. A. Castello 2 1 Departamento de Engenharia Mecânica/PGMEC

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: A manutenção preditiva é a primeira grande quebra de paradigma nos tipos de manutenção. No Brasil a aplicação é pequena apenas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA FORNECIMENTO DE COMPONENTES PARA MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITOS IMPRESSOS

ORIENTAÇÕES PARA FORNECIMENTO DE COMPONENTES PARA MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITOS IMPRESSOS ORIENTAÇÕES PARA FORNECIMENTO DE COMPONENTES PARA MONTAGEM DE PLACAS DE CIRCUITOS IMPRESSOS 1.0 INTRODUÇÃO Este documento tem por finalidade sugerir procedimentos a serem seguidos na preparação, embalagem

Leia mais

Laboratório-Fábrica de Placas eletrônicas para Produtos Inovadores ABINEE TEC

Laboratório-Fábrica de Placas eletrônicas para Produtos Inovadores ABINEE TEC Laboratório-Fábrica de Placas eletrônicas para Produtos Inovadores ABINEE TEC 2009 Sumário I. LABelectron Laboratório Fábrica de Placas Eletrônicas II. III. Serviços especializados em Desenvolvimento de

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO DK850. revisão fevereiro de 2007

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO DK850. revisão fevereiro de 2007 DEKEL MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO DK850 revisão fevereiro de 2007 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE INTRODUÇÃO...

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente

GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association. Contínua por imersão a quente - Um programa do International Zinc Association 2. Processos de Revestimento e Tratamentos de Superfície GalvInfoNote O Papel do Alumínio na Galvanização Contínua por imersão a quente 2.4 Rev1.1mar 09

Leia mais

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico 3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Gestão de Resíduos AES Eletropaulo Vladimir Xavier Escopo Classificação do Resíduos; Procedimento de Gestão de Resíduos; Acondicionamento; Armazenamento;

Leia mais

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências.

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. 34 3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. Ao longo do presente capítulo os substratos e condutores empregados em placas de circuito impresso, em taxas muito elevadas, serão introduzidos.

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS IMPRESSOS.

PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS IMPRESSOS. PARÂMETROS TÉCNICOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS IMPRESSOS. Código Documento: MA-1.2.00.03 Aprovado em: 18/03/2009 Revisão: 03 Página: 1/31 1 INTRODUÇÃO As informações contidas neste manual são

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE)

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Laboratório de Reciclagem, Tratamento de Resíduos e Metalurgia Extrativa Departamento de Engenharia

Leia mais

Principais benefícios. Aplicação. Fachadas, portas, janelas, coberturas e sacadas.

Principais benefícios. Aplicação. Fachadas, portas, janelas, coberturas e sacadas. Produzimos vidros, entregamos soluções. Nova geração O Emerald, vidro verde intenso, permite excelente passagem de luz e controle térmico, sem usar camadas refletivas em sua composição. Excelente passagem

Leia mais