CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTÔNIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTÔNIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTÔNIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA VANESSA PEREIRA DA SILVA VANESSA RODRIGUES DE OLIVEIRA CAVALCANTE INFLUÊNCIA DO PCP NO LEAD TIME DE DISTRIBUIÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA: UM ESTUDO DE CASO EM UM FRIGORÍFICO DA REGIÃO DE LINS. LINS/SP 2º SEMESTRE/2014

2 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA VANESSA PEREIRA DA SILVA VANESSA RODRIGUES DE OLIVEIRA CAVALCANTE INFLUÊNCIA DO PCP NO LEAD TIME DE DISTRIBUIÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA: UM ESTUDO DE CASO EM UM FRIGORÍFICO DA REGIÃO DE LINS. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antonio Seabra, para obtenção do Título de Tecnólogo(a) em Logística. Orientador: Prof. Me. Silvio Ribeiro LINS/SP 2º SEMESTRE/2014

3 VANESSA PEREIRA DA SILVA VANESSA RODRIGUES DE OLIVEIRA CAVALCANTE INFLUÊNCIA DO PCP NO LEAD TIME DE DISTRIBUIÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA: UM ESTUDO DE CASO EM UM FRIGORÍFICO DA REGIÃO DE LINS. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antonio Seabra, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnólogo(a) em Logística sob orientação do Prof. Me. Silvio Ribeiro Data de aprovação: / / Prof. Me. Silvio Ribeiro Prof. Me. Sandro da Silva Pinto Prof. Me. Maiko Arantes

4 INFLUÊNCIA DO PCP NO LEAD TIME DE DISTRIBUIÇÃO DE MATÉRIA- PRIMA: UM ESTUDO DE CASO EM UM FRIGORÍFICO DA REGIÃO DE LINS. Vanessa Pereira Silva 1, Vanessa Rodrigues de Oliveira Cavalcante 2 Me.Silvio Ribeiro 3 1,2 Acadêmicos do Curso de Tecnologia em Logística da Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antônio Seabra Fatec, Lins-SP, Brasil 3 Docente do Curso de Tecnologia Logística da Faculdade de Tecnologia de Lins Prof. Antônio Seabra Fatec, Lins-SP, Brasil 3 RESUMO A logística é o elo do produtor ao consumidor final. Em um ambiente de globalização, as empresas buscam obter vantagens competitivas. Para tanto, é necessário ter uma estratégia competitiva que consiga planejar, implementar e controlar o processo de maneira eficiente. Uma vez que o foco de toda a empresa é o atendimento ao cliente, a redução de lead time de entrega se torna uma vantagem competitiva. Para um bom funcionamento da logística e um melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos surgem nas empresas o PCP (Planejamento e Controle de Produção) e o PMP (Planejamento Mestre de Produção) que visam otimizar as etapas de processamento e distribuição para redução de recursos e tempo de processo com consequente redução dos lead times de entrega. O presente trabalho justifica-se pela importância do planejamento estratégico de uma organização na redução dos prazos de entrega ao cliente. Este artigo tem por objetivo analisar a influência do PCP no lead time de distribuição de matéria-prima. Para chegar ao objetivo proposto foi realizado um estudo de caso, analisando a interferência entre o planejamento e a distribuição com as características de lead time, então constatou-se que a interferência principal do PCP no lead time de entrega está na determinação das unidades geração de matéria-prima. Palavras chaves: Logística, Planejamento e Controle e Produção (PCP), Planejamento Mestre de Produção (PMP), Distribuição, Lead time. ABSTRACT Logistics is the link from producer to final consumer. In a globalized environment, companies are looking for competitive advantage. Therefore, it is necessary to have a competitive strategy that can plan, implement and control the process efficiently. Once the focus of the entire company is customer service, reducing delivery lead time becomes a competitive advantage. For correct operation of logistics and better management of the supply chain arise in companies PPC (Planning and Production Control) and MPP (Master Production Planning) aimed at optimizing the steps of processing and distribution to reduce resources and process time with consequent reduction in delivery lead times. This work is justified by the importance of strategic planning of an organization in reducing delivery time to the customer. This article aims to analyze the influence of PCP on lead time of raw materials distribution. In order to reach the proposed objective was conducted a case study, analyzing interference between the planning and the distribution with the lead time characteristics, then it was found that the main interference of PCP in delivery lead time is the determination of sites for generation of raw material.

5 4 Key Words: Logistics, Planning and Production Control (PPC), Master Production Planning (MPP), Distribution, Lead Time INTRODUÇÃO O conceito de logística teve sua origem no exército americano que o utilizava para cuidar do planejamento dos itens importantes e indispensáveis durante a guerra, como por exemplo, transporte e o armazenamento das armas, alimentos, roupas, medicamentos, entre outros (VIEIRA, 2011). Logística é o processo de gerenciar estrategicamente a aquisição, o monitoramento e a armazenagem de materiais. Peças e produtos acabados (e os fluxos de informações correlatas) através da organização e de seus canais de marketing. De modo a poder maximizar as lucratividades presentes e futuras através do atendimento dos pedidos a baixos custos (CHRISTOPHER, 1997). Aliado ao processo de logística torna-se necessário a etapa de planejamento estratégico das empresas. Segundo Maxiano (2006), o planejamento estratégico consiste em estruturar e esclarecer a visão dos caminhos que a organização deve seguir e os objetivos que deve alcançar. Dentro da etapa de planejamento estratégico das empresas, surgem divisões que facilitem as operações para que o planejamento seja colocado em prática como o PMP (planejamento mestre de produção) e PCP (Programação e controle de Produção) O PMP tem sua origem no inicio da Revolução Industrial, quando se fez necessário planejar o processo de produção na tentativa de otimizar, por mais arcaico que fosse esse processo, a mão-de-obra, matéria-prima e tempo de fabricação (QUELHAS, 2008). Todos os métodos conhecidos ultimamente se baseiam em métodos desenvolvidos desde o século XVII no inicio do processo de criação de produção em consumo em massa. No inicio do século XX Taylor e Fayol aprimoraram o método de planejamento. Já na década de 60, surgiu no Japão a filosofia JIT - Just in time e TQC - Total Quality Control, sendo aplicada inicialmente na indústria automobilística, em particular na Toyota Motors Company (TUBINO, 2007). O planejamento-mestre consiste em estabelecer um plano-mestre de produção (PMP) de produtos finais, detalhado a médio prazo, período a período, a partir do plano de produção, com base nas previsões de vendas de médio prazo ou nos pedidos em carteira já confirmados. Onde o plano de produção considera famílias de produtos, o PMP especifica itens finais que fazem parte dessas famílias. Com base no estabelecimento do PMP, o sistema produtivo passa a assumir compromissos de fabricação e montagem nos bens ou serviços. Ao executar o planejamento-mestre da produção e gerar um PMP inicial, o PCP (Programação e Controle de Produção) deve analisá-lo quanto às necessidades de recursos produtivos com a finalidade de identificar possíveis gargalos que possam inviabilizar esse plano quando de sua execução de curto prazo. Identificado os potenciais problemas, e tomadas as medidas preventivas necessárias, o planejamento deve ser refeito até chegar-se a um PMP viável (TUBINO, 2007). Aliado a planejamento estratégico está a distribuição de suas matérias-primas e produtos visando a redução dos lead times do processo. O lead time de fabricação é o tempo decorrido na produção de um item em uma quantidade típica de lote. O lead time é afetado pelo tempo de processamento do produto, quantidade de insumos e matéria-prima disponíveis e pela etapa de distribuição.

6 A forma de distribuir seu produto pode ser a vantagem competitiva de uma empresa, a forma com que faz o produto chegar à gôndola mais rápido, na qualidade do seu transporte e na eficiência de uma matéria-prima a um fabricante (NOVAES, 2007). A pesquisa justifica-se pela importância do planejamento estratégico e de produção na organização como um todo e como as empresas podem melhorar seu desempenho se atuarem na redução de seu lead time de entrega O presente trabalho tem por objetivo analisar qual a influência do PCP na distribuição da matéria-prima para redução do lead-time de processo. A metodologia utilizada para obter os dados foi realizar um estudo de caso simples, foi elaborado dois questionários, com o intuito de verificar a interferência entre os parâmetros de PCP e distribuição e a interferência entre os parâmetros de lead time e de distribuição. A coleta de informações foi realizada através do preenchimento dos questionários pelo supervisor de planejamento da empresa. O presente trabalho está estruturado de forma que o primeiro capítulo aborda conceitos de logística, o segundo capítulo conceitos de gestão de produção, seguido pelo terceiro capitulo com conceitos de logística de produção e o quarto capítulo enfatiza o estudo de caso detalhando os dados coletados através de aplicação de questionário, as análises e conclusão do estudo realizado. 1 LOGÍSTICA 1.1 CONCEITO Antonie-Henri Jomini 1,definiu a logística como a ciência da aplicação de todas as ciências militares, ou seja, os meios e disposições que permitem aplicar os planos estratégicos e práticos: a estratégia decide o local e a ação e a logística leva as tropas até esse local (SARAIVA; BARBOSA; FONSECA, 2006). Para Ballou (1993) a logística trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem, que facilitam o fluxo de produtos desde o ponto de aquisição da matériaprima até ao ponto do consumidor final, assim como dos fluxos de informações que colocam os produtos em movimento, com o propósito de proporcionar níveis de serviços adequados ao cliente a um custo razoável. Uma das definições mais divulgadas, apesar de relativamente restrita, é a do 2 Council of Logistics Management, dos Estados Unidos, segundo a qual a logística é o processo de planejar, implementar e controlar, eficientemente, ao custo correto, o fluxo e armazenagem de matérias-primas, estoques durante a produção e produtos acabados, e as informações relativas a estas atividades, desde o ponto de origem até o ponto de consumo (incluindo movimentos de entrada e saída internos e externos), com o propósito de atender aos requisitos (necessidades) do cliente (CARVALHO, 2002). De forma geral, podemos definir que logística é tudo que envolve as etapas de compra, transporte, armazenagem e entrega ao cliente nas melhores condições possíveis (VIEIRA, 2011). De acordo com suas características, a evolução da Logística pode ser dividida em 4 fases: Atuação Segmentada, Integração Rígida, Integração Flexível e Integração Estratégica. 5 1 Barão Antoine-Henri Jomini, foi o principal teórico militar da primeira metade do século XIX, tendo participado das campanhas napoleônicas. Escreveu Sumário da Arte da Guerra em 1836, onde dividiu a arte da guerra em cinco atividades:estratégia, grande tática, logística, engenharia e tática menor. 2 O Council of Supply Chain Management Professional (CSCMP) é a principal associação mundial de profissionais de gestão de cadeias de abastecimento. A CSCMP é uma associação sem fins lucrativos que fornece a liderança no desenvolvimento, na definição e aperfeiçoamento nas profissões que lidam com logística e gestão de cadeias de abastecimento.

7 A primeira fase se remete ao final segunda guerra mundial quando a indústria busca preencher as lacunas de demanda existentes no comércio. Nessa época a estocagem era o elemento chave na cadeia de suprimento, pois para atender o cliente a qualquer hora tanto varejistas como fabricantes precisavam manter grandes quantidades de produto acabado em estoque. Os custos extras gerados para manter o estoque parado define uma nova estratégia competitiva. As empresas começam a visar os grandes lotes e modos de transportá-los com o menor custo possível (NOVAES, 2007). A segunda fase caracteriza-se por um aumento na oferta de produtos devido à flexibilidade dos processos manufatureiros que permitiram maior variedade sem aumento significativo no custo de produção. Em meados de 1970, com a crise do petróleo, os custos no transporte tiveram considerável aumento, a solução para não perder competitividade foi a utilização multimodal dos meios de transporte reduzindo os custos e aproveitando melhor a capacidade ociosa nas diversas modalidades. O aumento do custo do produto final em função do aumento do custo do transporte e do aumento do estoque induziu a sua racionalização, entretanto a peça chave para esta realização foi o planejamento (NOVAES 2007). Na terceira fase o intercâmbio de informações entre dois elementos da cadeia de suprimento começou a se dar por intermédio eletrônico. O desenvolvimento da informática possibilitou uma integração dinâmica, de consequências importantes na agilidade da cadeia de suprimento. Um bom exemplo disso foi a introdução do código de barras que possibilitou integração flexível das vendas com o depósito ou centro de distribuição, fornecendo um importante mecanismo no controle dos estoques (NOVAES, 2007). Na quarta fase a integração deixa de ser apenas físicas, as empresas começam a ver a logística pelo lado estratégico, deixando de pensar nela como gerador de custo, passaram a usá-la para ganhar competitividade e induzir novos negócios. A logística passou a ser usada como elemento diferenciador na busca de novas conquistas do mercado (NOVAES, 2007). Um novo elemento que começou a ser bastante utilizado foi a postergação, um aproveitamento melhor dos momentos de ócio para buscar um melhor aproveitamento logístico. Tal medida se mostra bastante eficaz quanto ao just-in-time, que é o produto certo, na hora certa e no lugar certo (NOVAES, 2007). É também nesta fase que surge uma nova concepção no tratamento dos problemas logísticos, o Gerenciamento da Cadeia de Suprimento. A integração entre os processos continua a ser feita em termos de fluxos materiais, informação e dinheiro, porém os agentes participantes agora atuam em conjunto como uma única força e de forma estratégica buscando melhores resultados possíveis em forma de redução de custos, redução de desperdícios e agregação de valor ao consumidor. Há, então, a quebra de fronteiras que separavam os diversos agentes da cadeia logística, ou seja, a separação entre fornecedores, fabricantes e varejistas já não é tão nítida, oque há é uma interpenetração de operações entre elementos da cadeia (NOVAES, 2007). 2. GESTÃO DA PRODUÇÃO Gestão da Produção é a atividade do gerenciamento de recursos escassos e processos que produzem e entregam bens de serviços, visando atender as necessidades e/ou desejos de qualidade, tempo e custo do cliente. Toda organização tem dentro de si um pacote de produção, pois gera um pacote de valor para seus clientes que inclui algum composto de produtos e serviços. 6

8 7 Pode-se dizer que a gestão de produção é acima de tudo, assunto prático que trata de problemas reais, pois tudo que vestimos, comemos ou usamos, passa de alguma forma por um processo de produtivo e organizar este processo eficaz e eficientemente é o objetivo da Gestão da Produção (Slack et al, 2002). 2.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO O planejamento estratégico busca maximizar os resultados das operações e minimizar os riscos nas tomadas de decisões das empresas. Os impactos de suas decisões são de longo prazo e afetam as características e a natureza das empresas no sentido de garantir o atendimento de sua missão. Em resumo, planejar estrategicamente consiste em gerar condições para que as empresas possam rapidamente perante as oportunidades e ameaças, otimizar suas vantagens competitivas em relação ao ambiente concorrencial onde atuam, garantindo sua perpetuação no tempo (MAXIMIANO, 2006). Planejamento estratégico é o processo de elaborar a estratégia - a relação pretendida da organização com seu ambiente. O processo de planejamento estratégico compreende a tomada de decisões sobre o padrão de comportamento (ou cursos de ação) que a organização pretende seguir: produtos e serviços que pretende oferecer e mercados e clientes que pretende atingir [...] (Maximiano 2006, p.231): Planejamento estratégico consiste em estruturar e esclarecer a visão dos caminhos que a organização deve seguir e os objetivos que deve alcançar, conforme demonstra a figura 2.1.1: Figura 2.1.1: Processo de Planejamento Estratégico Fonte: Maximiano (2006, p. 232) Planejar é entender como a situação atual e a visão de futuro influenciam as decisões tomadas no presente para que se atinjam determinados objetivos no futuro e é também projetar o futuro diferentemente do passado, por causas ou acontecimentos sob o nosso controle (CORRÊA; CORRÊA, 2009). 2.2 SISTEMAS DE PRODUÇÃO

9 Segundo Perales (apud MOREIRA, 1998) sistema de Produção é um conjunto de atividades e operações inter-relacionadas envolvidas na produção de bens ou serviços a partir do uso de recursos para mudar o estado ou condição de algo para produzir resultados. A classificação tradicional dos sistemas de produção podem ser subdivididos em 3 categorias: produção contínua, produção intermitente e produção para grandes projetos. No sistema de produção contínua os produtos são bastante padronizados e seguem de uma atividade a outra numa sequência (PERALES, 2001 apud MOREIRA,1998). No sistema de produção intermitente a produção é feita em lotes. Assim que a fabricação do lote de um determinado produto é finalizada, outros produtos tem sua fabricação iniciada tomando seu lugar nas máquinas. O produto original só voltará a ser feito depois de algum tempo, caracterizando-se assim uma produção intermitente de cada um dos produtos (PERALES, 2001 apud MOREIRA,1998). Já no sistema de produção para grandes projetos existe uma sequência de atividades ao longo do tempo, geralmente de longa duração, com pouca ou nenhuma repetitividade. Caracteriza-se por ter um alto custo e dificuldade de gerenciamento nas fases de planejamento e controle (PERALES, 2001 apud MOREIRA,1998). 2.3 PMP PLANEJAMENTO MESTRE DE PRODUÇÃO O planejamento-mestre consiste em estabelecer um plano-mestre de produção (PMP) de produtos finais, detalhado a médio prazo, período a período, a partir do plano de produção, com base nas previsões de vendas de médio prazo ou nos pedidos em carteira já confirmados. Onde o plano de produção considera famílias de produtos, o PMP especifica itens finais que fazem parte dessas famílias. Com base no estabelecimento do PMP, o sistema produtivo passa a assumir compromissos de fabricação e montagem nos bens ou serviços. Ao executar o planejamento-mestre da produção e gerar um PMP inicial, o PCP (Programação e Controle de Produção) deve analisá-lo quanto às necessidades de recursos produtivos com a finalidade de identificar possíveis gargalos que possam inviabilizar esse plano quando de sua execução de curto prazo. Identificado os potenciais problemas, e tomadas as medidas preventivas necessárias, o planejamento deve ser refeito até chegar-se a um PMP viável (TUBINO, 2007). A Figura demonstra o processo entre Plano de Produção PMP e PCP. O PMP diferencia-se do plano de produção sob dois aspectos: o nível de agregação de produtos e a unidade de tempo analisada. Onde o plano de produção estratégico tratava de famílias de produtos, o PMP, já voltado para a operacionalização da produção, tratará de produtos individuais. Da mesma forma, onde o plano de produção empregava meses, trimestres e anos, o PMP empregará uma unidade de planejamento mais curta, normalmente semanas, ou no máximo meses para produtos com ciclos produtivos longos (CORRÊA; CORRÊA, 2009). O planejamento mestre da produção, PMP, coordena a demanda o mercado com os recursos internos da empresa de forma a programar taxas adequadas de produção de produtos finais, principalmente aqueles que têm sua demanda independente (quando a demanda futura tem de ser prevista) (CORRÊA; CORRÊA, 2009). A ampla área entre os planos estratégicos e sua execução num nível tático é o domínio da gerência intermediária. A gerência intermediária é responsável pelo plano de desenvolvimento mais baixo (mais detalhados e de horizonte mais curto) e por sua execução. O plano mestre é operacional, parte de outro plano mais amplo e abrangente que é o de vendas e operações (CORRÊA; CORRÊA, 2009). 8

10 9 Figura 2.3.1: Hierarquizição dos Planos. Fonte: TUBINO (2007, p. 52) A principal função do PMP é coordenar, ou, em outras palavras, balancear suprimento e demanda dos produtos acabados, período a período com horizonte de médio prazo (de um a seis meses, tipicamente). Faz isso definindo programas detalhados de produção de produtos acabados, de forma a suportar os planos agregados desenvolvidos na etapa do planejamento de vendas e operações (CORRÊA; CORRÊA, 2009). O planejamento-mestre da produção está na fase intermediária do planejamento estratégico e as atividades operacionais, ou seja, desmembrar os planos produtivos estratégicos de longo prazo em planos específicos de produtos acabados (bens ou serviços) para o médio prazo, ou seja, para produtos acabados que serão remetidos aos clientes (TUBINO, 2007) PCP- PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO O PCP (Planejamento e Controle de Produção) é o departamento que permite a continuidade dos processos produtivos na indústria. É responsável por controlar e decidir o melhor emprego dos recursos de produção, para assegurar que a execução do que foi previsto no tempo e quantidade corretos e com os recursos certos. Deste modo, o PCP trata dados de diversas áreas, transforma-os em informações, suporta a produção para que o produto seja entregue na data e quantidade solicitada (ZACARELLI, 1987). O PCP tem como objetivo principal conduzir o processo produtivo, alinhando informações de várias áreas em ordens de produção e ordens de compra de forma a satisfazer os consumidores com produtos e serviços, e os acionista com lucros (MARTINS, 1993). A finalidade do PCP é garantir que a produção seja realizada de forma eficiente e eficaz, atendendo às exigências dos consumidores. Para isso é necessário que os recursos produtivos estejam disponíveis na quantidade necessária, no momento adequado e dentro dos parâmetros de qualidade especificados. Assim sendo, cabe ao

11 PCP definir sobre as formas de produção o que produzir, quanto produzir, onde produzir, como produzir, quando produzir, com o que produzir e com quem produzir (TUBINO, 2007). O PCP é responsável pela coordenação e aplicação de recursos produtivos de forma a atender da melhor maneira possível aos planos estabelecidos nos níveis estratégicos, táticos e operacionais (HIRAKAWA; SILVA, 2013). Como desempenha uma função de apoio ao sistema produtivo, o PCP relaciona-se praticamente com todas as áreas de uma empresa. Da P&D são necessárias informações como lista de materiais e desenhos técnicos estrutura do produto, da Engenharia do Processo os roteiros de fabricação e seus lead-times, no Marketing buscam-se as previsões de vendas de longo e médios prazo e os pedidos firmes em carteira, a Manutenção oferece os planos de manutenção, Compras informa as entradas e saídas dos materiais em estoques, do Recursos Humanos são necessários os programas de treinamentos e Finanças fornecem o plano de Investimentos e o fluxo de caixas entre outros relacionamentos. (TUBINO, 2007). 2.5 VISÃO DO PROCESSO DE PRODUÇÃO Os sistemas de produção podem ser divididos em 2 processos: Visão Cíclica e Visão Push/ Pull (PASQUALINI; LOPES; SIEDENBERBER, 2010) Visão Cíclica Os processos em uma cadeia de suprimento são divididos em uma série de ciclos, cada um realizado na interface entre dois estágios sucessivos de uma cadeia de suprimento. Ainda segundo o autor acima mencionado esta visão é caracterizada pelos estágios na cadeia de suprimentos que podem ser visualizados e desmembrados na maioria das vezes nos seguintes ciclos do processo (PASQUALINI; LOPES; SIEDENBERBER, 2010). ciclo do cliente; ciclo de reabastecimento; ciclo de fabricação; ciclo de suprimentos Visão Push/Pull Existem duas formas básicas para execução da programação de produção. A programação empurrada e a programação puxada. A decisão de qual sistema de programação empregar, e o modelo de controle para tal, passa pela análise de dois pontos fundamentais interligados; um é a característica da demanda e o outro é o tipo de sistema produtivo montado para atender a essa demanda (TUBINO, 2007). Como a maioria das empresas possui sistemas de programação mistos para atender a demandas previsíveis e demandas especiais isso faz com que a decisão seja não da escolha de um ou outro tipo de programação, mas de como montar uma dinâmica de programação que inclua os dois tipos de sistema (TUBINO, 2007). 2.6 PRODUÇÃO EMPURRADA

12 O processo de produção empurrada tem sua programação determinada pela previsão da demanda, ou seja, a produção é realizada antes que os clientes efetivamente façam os pedidos. Esse processo pode ser definido como processo especulativo, pois não leva em consideração a demanda real dos clientes (CHOPRA; MEINDL, 2002). Esse sistema de produção trabalha com um sistema de produção antecipada, ou seja, trata as previsões como futuras demandas. Desta forma a produção é iniciada sem que efetivamente seja realizado um pedido de um cliente (TUBINO, 2007). Atualmente os programas mais utilizados para implantação de sistemas de produção puxada são os softwares MRP (Material Requirements Planning) e MRP II (Manufactoring Resources Planning). Estes softwares têm como objetivo permitir que o lead time do pedido sejam cumpridos com a menor formação de estoques possíveis, planejando as compras e a produção para que ocorram na quantidade e momento necessário (TUBINO, 2007). Em termos de planejamento na produção empurrada, as necessidades de compras e produção são obtidas inicialmente a partir da inclusão da previsão da demanda dos diferentes produtos acabados no planejamento mestre da produção que em sua rotina gera as necessidades de produtos acabados no tempo. Estas necessidades são passadas para o sistema de planejamento de necessidades de materiais (MRP) calcular, de acordo com a estrutura dos produtos e os tempos da rotina de operações-padrão, a quantidade a serem compradas, a serem fabricadas e a serem montadas em produtos acabados. Uma vez dimensionada essas quantidades, essa demanda passa pelo sequenciamento para definição de prioridades de produção (TUBINO, 2007). Essa programação é chamada empurrada porque cada posto de trabalho fornecedor ao concluir a tarefa, esta autorizado a empurrar a mesma para o posto de trabalho seguinte, independente do que esteja acontecendo nos postos subsequentes e, e pegar a próxima tarefa (TUBINO, 2007). Em função de trabalhar com uma previsão e demanda, o sistema empurrado precisa manter estoques de matérias-primas e componentes necessários à fabricação de produtos. A manutenção destes estoques pode ser vista como uma vantagem dentro da cadeia de suprimentos, pois assim possibilita o atendimento a novos pedidos. Por outro lado caso haja problemas com a qualidade dos produtos o processo produtivo não é afetado por haver disponibilidade de matéria-prima para suprir à produção. Por outro lado o estoque disponível pode ser considerado uma desvantagem, já que sua manutenção consiste em elevar os gastos com armazenagem e estocagem (CORRÊA; CORRÊA, 2009). 2.7 PRODUÇÃO PUXADA O sistema de produção puxada foi desenvolvido pela Toyota baseada nos princípios de Henry Ford na época pós-segunda guerra mundial em que o Japão precisava ser competitivo para crescer (PASQUALINI; LOPES; SIEDENBERBER, 2010). Este sistema consiste em somente produzir em cada uma das partes do processo aquilo que foi vendido, no tempo e no momento exato. Neste sistema de produção a demanda é conhecida e o inicio de execução se dá em respostas aos pedidos dos clientes (TUBINO, 2007). O sistema de produção puxada tem por objetivo a redução de custos e tempo de execução de processos eliminando desperdícios. A filosofia Just in time tem como seus pilares fundamentais a redução de desperdícios (PASQUALINI; LOPES; SIEDENBERBER, 2010). O Just in time está relacionado com a produção por demanda e tem a premissa de alocar a matéria-prima na quantidade e no tempo necessário. Ele tem por objetivo reduzir 11

13 ou eliminar, todo o estoque e desperdícios nos diferentes estágios do processo, eliminando os custos derivados (PASQUALINI; LOPES; SIEDENBERBER, 2010). Para eliminar os desperdícios precisamos levar em consideração três componentes; estabelecer fluxo balanceado e sincronizado, a atitude da empresa em relação à qualidade e o envolvimento dos colaboradores (POZO, 2010). A grande vantagem desse sistema de produção é o trabalho continuo pela redução de desperdícios (operações enxutas, reduções de estoque) o que acarreta em um menor custo de produção. Por outro lado, o sistema possui pouca flexibilidade em caso de pedidos urgentes o que em alguns caso pode inviabilizar a aquisição de novas vendas. 3. LOGÍSTICA DE PRODUÇÂO. INFLUÊNCIA DA LOGÍSTICA NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO O foco da Logística está no cliente, ou seja, se baseia no compromisso de entregar o produto no local combinado como menor custo e no menor tempo possível. Para tanto é fundamental que todas as atividades envolvidas na cadeia de suprimentos estejam alinhadas neste objetivo. Assim, para um bom funcionamento da logística e um melhor gerenciamento da cadeia de suprimentos surge nas empresas o Planejamento e Controle de Produção (PCP) que consiste em controles internos para que o produto seja produzido no volume correto, no prazo determinado, de acordo com as especificações de qualidade e com a melhor utilização de materiais e mão-de-obra (HIRAKAWA; SILVA, 2013) LEAD TIME O lead time de fabricação é o tempo decorrido na produção de um item em uma quantidade típica de lote. O Lead time Logístico ou Tempo de Ciclo Total pode ser definido como o tempo total passado desde a emissão de uma ordem a um fornecedor até o atendimento da ordem do cliente final. Pode também ser designado como o tempo decorrido entre o início da primeira atividade até a conclusão da última, em uma série de atividades (SEVERO, 2006). O contexto de produção está diretamente ligado ao lead time. Qualquer atraso em uma etapa do ciclo de produção, ou até mesmo na entrega de matéria-prima à fábrica, afeta o lead time do produto. É muito comum que os processos de fábrica sofram atrasos inesperados ou tempos de inatividade. Todas as formas de atrasos representam sérios problemas no fluxo da produção (SEVERO, 2006). A figura demonstra que o lead time total do produto pode ser subdividido em vários lead times (um lead time para cada operação) e, portanto, qualquer variação na cadeia pode afetar o lead time total. Para o cliente o lead time começa no momento em que ele faz o pedido e se estende até que ele receba a mercadoria. Esse recebe o nome de ciclo pedido- entrega. Para o fornecedor o lead time está entre o momento em que ele adquire a matériaprima e o momento em que o cliente recebe o pedido e faz o pagamento. É conhecido como ciclo cash to cash (compra e recebe). O maior controle do tempo deve ser em relação aos estoques, seja de matéria-prima, do trabalho em andamento, do produto em trânsito, para processar o pedido, para o reabastecimento ou tempo em filas e gargalos. O controle de todo esse canal é o objetivo do gerenciamento logístico do lead time (BOWERSOX; CLOSS; COOPER, 2007). O desempenho do lead time pode afetar a competividade da empresa. As empresas que reduzem o lead time e controlam ou eliminam variações inesperadas na produção, têm mais flexibilidade para satisfazer as necessidades dos clientes, conseguem reduzir os custos, tornando-se desta forma mais competitiva no mercado (SEVERO, 2006). 12

14 13 Figura 3.1.1: Subdivisão do lead time durante o processo. A maior parte das organizações enfrenta problemas em controlar o tempo que leva para comprar a matéria- prima, fabricar e entregar o produto acabado ao cliente. Pois esse tempo muitas vezes é maior do que o cliente está disposto a esperar (BOWERSOX; CLOSS; COOPER, 2007). O tempo em que o cliente está disposto a esperar é exatamente o ciclo pedidoentrega, a demanda do mercado e o tipo de produto determina o tempo que ele vai esperar. Existem muitas variáveis dentro da cadeia de suprimentos que afetam o lead-time do produto. A empresa que consegue reduzir a interferência dessas variáveis consegue ter um maior controle de processo e se tornar mais competitiva (BOWERSOX; CLOSS; COOPER, 2007). O lead time total pode ser mensurado através das somas dos lead times intermediários da cadeia de suprimentos, dentro os quais sofrem interferência das etapas abaixo: Processo de Planejamento; Recebimento do produto; Desconsolidação; Conferência física, quantitativa e documentamental; Armazenagem e Estocagem de Matéria-Prima e Insumos; Processo Produtivo; Embalagem; Montagem das cargas; Roteirização;

15 Controle de Documentos; Expedição dos Produtos; Distribuição; Gestão de Informações Logísticas. A redução do lead time pode ser obtida através de melhoramentos em termos de transporte e comunicações. Desta forma a escolha do meio de transporte utilizado pela empresa para a distribuição do produto é um fator crítico para a competitividade da empresa neste quesito (SEVERO, 2006). 3.2 DISTRIBUIÇÃO A distribuição física de produtos ou distribuição física são os processos operacionais e de controle que permitem transferir os produtos desde o ponto de fabricação, até o ponto em que a mercadoria é finalmente entregue ao consumidor. (NOVAES, 2007). A distribuição pode ser definida como o que ocorre com os produtos acabados desde que são armazenados até o momento em que são entregues ao cliente. (SEVERO, 2006). A distribuição física é ferramenta fundamental para a empresa, sendo o diferenciador de desempenho dos serviços ao cliente. Da recepção do pedido a entrega, os serviços são o centro do valor agregado de um distribuidor e constituem um dos principais recursos para o crescimento num mercado cada vez mais competitivo. As atividades de distribuição representam um conjunto de ações que permitem estabelecer uma ligação entre o produtor e o consumidor final (SEVERO, 2006). A logística de distribuição é definida por relações entre empresa-clienteconsumidor, sendo responsável pela distribuição física do produto armazenado até os pontos de vendas ao consumidor devendo assegurar que os pedidos sejam pontualmente entregues, precisos e completos (CHING, 2001). A distribuição de produtos tem sua interferência direta em todas as atividades logísticas e nos custo da organização. Desta forma, a distribuição deve ser enxergada pelas empresas como fator importante na relação com o cliente (BALLOU, 1993). A distribuição física tem como objetivo levar os produtos certos para lugares certos com o menor custo possível dentro do serviço proposto. É importante ressaltar que melhorias no sistema de distribuição podem resultar em custos maiores de transporte, estoque e armazenagem (SEVERO, 2006). De acordo com Fleury et al A logística externa é responsável por todas as funções da administração dos recursos materiais: compra, armazenamento, distribuição, transporte e informações entre uma ou outra empresa pertencente à complexa estrutura do canal de distribuição (Fleury,Wanke, Figueiredo 2000, p. 42). A logística de distribuição tem que encontrar equilíbrio entre qualidade de serviço, custo e capital investido. Em empresas distribuidoras houve a percepção de que a avaliação do serviço ocorre através do processo de distribuição física (CHING, 2001). A figura demonstra a relação entre a qualidade de serviço, os custos e o capital investido. Segundo Novaes (2007), as atividades de distribuição física estão classificadas como atividades específicas da distribuição física, atividades de distribuição física junto ao consumidor, conforme figura Na figura é possível verificar que várias fases da cadeia logística estão presentes numa mesma atividade. Para atender essa demanda, há a especialização de operadores logísticos em determinadas atividades, objetivando assegurar que todos os 14

16 processos ocorram da melhor forma possível. A distribuição passou a ocupar um papel de destaque nas operações logísticas das empresas devido à necessidade de agilizar o manuseio, o transporte e a entrega dos seus produtos, onde as empresas buscam investir e se aprimorar continuamente para se tornarem cada vez mais competitivas (NOVAES, 2007). 15 Figura 3.2.1: Equilíbrio na logística de distribuição. Fonte: CHING (2001, p.149) Figura 3.2.2: Atividades da distribuição física. Fonte: NOVAES, 2007, p A LOGÌSTICA DA CARNE BOVINA Na logística de carne bovina, são percebidas características do produto, que exigem critérios rigorosos, tanto na definição do transporte como nas condições da movimentação. Estes cuidados são necessários porque a qualidade no transporte é um

17 fator decisivo para a qualidade do produto final. Torna-se evidente, então, uma logística eficiente, tanto para o gado transportado em pé, quanto para o gado já abatido, transportado em caminhões frigorificados (MELO, 2012). Segundo Melo (apud XAVIER et al 2007) a logística da pecuária inicia no momento da chegada do gado, e se estende até a sua descarga para o abate e posterior desossa, passando pelo corte, embalagem da carne, conferência do produto e expedição nas carretas para distribuição. Além disso, na logística da carne devem estar abrangidos, no ponto de vista do abatedouro, desde o estoque de matéria prima, animal no pasto, o processamento interno, as operações do frigorífico e toda a movimentação até o consumidor final. Todas essas operações são realizadas em ambientes e distâncias diversas, devendo portanto serem utilizados equipamentos variados em um arranjo complexo que envolve fazendas, plantas industriais, canais de distribuição, estabelecimentos de atacado e varejo, sistema composto por diversos modais para realização do transporte. É importante destacar a burocracia de comércio exterior, recolhimento de diversos tributos, legislação referente a condições sanitárias, órgãos do governo e prestadores de serviços. Segundo Melo (apud VENDRAMETTO; NETO; TASCHETTO, 2005) uma segunda etapa, que começa com o abate, caracterizado pelo processamento da carne, chamado de logística interna, configura-se pelo desmonte do animal, que deve ocorrer segundo linhas cuja trajetória deve atender as solicitações de corte conforme as exigências dos clientes, padrões de sanidade, higiene e qualidade. Para Melo (2012), na cadeia de suprimentos do ramo frigorífico, faz-se necessário dar atenção especial para a logística interna. A atividade principal do frigorífico brasileiro é o abatimento e desmontagem do bovino gerando cortes intermediários que, na sequência, são resfriados pelo período de 24 horas, e depois desossados, dando origem aos cortes principais das carnes, aos subprodutos, e aos derivados). Segundo Ballou (1993), as características mais importantes do produto que influenciam a estratégia logística são os atributos do produto em si: peso, volume, valor, perecibilidade, inflamabilidade e substituibilidade. Quando observados em combinação indicam a necessidade de armazenagem, estocagem, transporte e manuseio e processamento de pedidos. 4. ESTUDO DE CASO Este capítulo tem por objetivo apresentar a empresa frigorífica objeto deste estudo de caso, o levantamento dos dados relativos a esta pesquisa e a análise dos mesmos. A empresa estudada no presente trabalho é uma empresa do ramo de derivados de bovinos situada na região de Lins. O questionário utilizado como referência para a análise dos dados foi elaborado através dos parâmetros de PCP, distribuição e lead time. Após definição dos questionários, o mesmo foi respondido pelo supervisor de planejamento da empresa alvo do estudo. 4.1 O MERCADO DE CARNE BOVINA Segundo dados divulgados pela ABIEC (2014), (Associação Brasileira da Indústria Exportadora de Carnes), o volume de exportação de carne bovina brasileira cresceu 7% no período de janeiro a setembro de 2014 em comparação com o mesmo período no ano passado. Durante esse período foram exportadas toneladas com faturamento de 5,324 trilhões de dólares equivalente a um aumento de 11% em relação ao mesmo período do ano passado. 16

18 Ainda segundo dados da ABIEC, a carne in natura é responsável por 80% da exportação de carne bovina, atingindo um crescimento de 9% em volume, em relação ao ano passado. Esse aumento da exportação foi impactado pela exportação para a Rússia (252 toneladas), Hong Kong (186 mil toneladas), Venezuela (119 mil toneladas) e Iran (57 mil toneladas). Vale ressaltar que o Iran aumentou seu volume de importação da carne brasileira em 87% (ABIEC, 2014). 4.2 A CADEIA DE CARNE BOVINA A cadeia de carne bovina é composta por fazendas de gados de corte, frigoríficos, setor de comercialização, distribuição e produtores de insumos (LIMA; GIMENEZ, 2014). No Brasil, o setor frigorífico tem uma tendência de concentração de capitais, ou seja, a diminuição de diversidades de empresas com a fusão ou aquisição de grandes empresas para se tornarem cada vez mais competitivas. As grandes empresas brasileiras que atuam neste ramo possuem instalações avançadas buscando alta eficiência, agregação de valor, criação de marcas e mercados para seus produtos (LIMA; GIMENEZ, 2014). Vale ressaltar que essa concentração empresarial, aumentou a escala de produção, aumentando a competitividade dos grupos. Entretanto, essa concentração diminuiu o número de unidades frigorificas no Brasil. Outro fator a ser destacado é o fato das unidades frigorificas operante trabalharem, em sua maioria, com ociosidade média. Além disso, os frigoríficos tem concorrência não só no mercado consumidor, mas também no mercado de matéria-prima, disputando a compra do boi com os demais frigoríficos de sua região (LIMA; GIMENEZ, 2014). É importante destacar que em um ambiente de globalização as empresas têm buscado aumentar sua participação no mercado mundial. Diante disso, as empresas têm procurado cada vez mais estratégias para aumentar suas vantagens competitivas (LIMA; GIMENEZ, 2014). Em função do aumento da concorrência pelas empresas e da busca por vantagem competitiva este estudo objetiva relacionar a influência do PCP na distribuição de matériaprima para redução dos lead-times de entrega. Assim foi elaborado um questionário, semiestruturado, fechado, que foi aplicado e respondido pelo gestor da área de Planejamento e Controle de Produção do frigorífico. 4.3 LEVANTAMENTOS E ANÁLISE DOS DADOS Para o levantamento dos dados mais relevantes à pesquisa foi aplicado dois questionários semi-estruturados, um cruzando informações de característica de PCP e distribuição de matéria-prima (ANEXO 1) e outro cruzando características de distribuição de matéria-prima e lead-time (ANEXO 2), ao setor de Planejamento e Controle de Produção da empresa, onde foi possível constatar que a empresa trabalha apenas com fornecedores do próprio grupo para abastecimento de matéria-prima para a área de industrializados. Embora a empresa possa receber matéria-prima de todas as unidades do grupo, o grande volume de abastecimento das unidades que produzem produtos industrializados se concentra em 6 unidades. Isso se dá em função do volume de abate dessas unidades, distância entre a unidade fornecedora e a unidade produtora e habilitação disponível da matéria-prima. Em função da matéria-prima desse processo ser perecível, 13 dias de validade para matéria-prima resfriada e 90 dias para matéria-prima congelada, a empresa trabalha 17

19 com seus estoques reduzidos, limitados ao máximo, em um volume de matéria-prima para 7 dias de produção. Em virtude do grande volume de produtos industrializados serem destinado para o mercado externo, a empresa trabalha com 90% de sua programação em sistema puxado. Limitando-se ao sistema empurrado apenas em alguns casos de produtos destinados ao consumo em varejo para o mercado interno. A empresa trabalha com a programação de produção a longo prazo gerenciada individualmente em cada área de industrializados pelo analista de PCP desta área e a área comercial deste processo. O analista possui um gerenciamento de quais os contratos de produção estão disponíveis para este processo e qual o prazo de atendimento. Vale ressaltar que para os produtos destinados a mercado externo a demanda é real (pedidos realizados pelo cliente) e em caso de mercado interno destinado ao varejo, a demanda é prevista baseada no histórico de consumo do mercado. A partir do conhecimento dos contratos a serem produzidos e levando-se em considerações os lead times de processo e lead times de análises, o analista de PCP calcula a necessidade de matéria-prima a ser consumida em uma semana. Essa demanda é informada ao PMP que por sua vez consolidada toda as informações de necessidade de matéria-prima da área de industrializados e inicia por sua vez a programação de geração de matéria-prima do grupo. Para iniciar o processo de geração de matéria-prima o PMP leva em consideração as habilitações da matéria-prima a ser utilizada (destinado aos USA, mercado comum europeu, países de lista geral, mercado interno), se a matéria-prima a ser gerada possui alguma particularidade (abate 3 Halal, aprovação de alguma 4 fazenda específica), a capacidade da planta abatedoura e a distância entre a unidade fornecedora e a unidade de consumo de matéria-prima. Após a determinação de quais as unidades serão fornecedoras, é gerado um plano de produção de geração da matéria-prima e enviado aos responsáveis pelo PCP destas unidades. Por sua vez comunicado aos responsáveis pela compra de bovino para informação da necessidade de bois a serem abatidos naquela semana. A empresa utiliza um software com o intuito de auxiliar na programação da produção, formação de estoque e planejamento de compras para que o processo produtivo ganhe agilidade e possa ter controle sobre os materiais utilizados, basicamente voltados aos conceitos do MRP. A integração entre os elos da cadeia de suprimento, isto é, fornecedores, própria empresa e clientes finais são feitas através de sistemas que auxiliam no fluxo de informações relevantes a quantidade de matéria-prima a ser adquirido, volume de produção e capacidade de entrega dos produtos acabados. Devido a essa integração a empresa consegue negociar preços e prazos de entrega com segurança. Vale ressaltar que cada departamento da área de industrializados trabalha de forma independente, ou seja, cada tipo de produto não depende diretamente do processo de outro produto, desta forma, formam-se estoques entre as etapas, como método de 18 3 Segundo o Alcorão, livro sagrado da religião islâmica, o alimento é considerado Halal quando obtido de acordo com os preceitos e as normas ditadas pelo Alcorão Sagrado e pela Jurisprudência Islâmica. Para os produtos cárneos, o abate deve seguir os procedimentos do ritual Halal. As normas básicas a serem seguidas para o abate Halal são: Inspetores mulçumanos acompanharão todo o abate; a frase Em nome de Alá, o mais bondoso, o mais Misericordioso deve ser dita antes do abate; os equipamentos e utensílios utilizados devem ser próprios para o Abate Halal. A faca utilizada deve ser bem afiada, para permitir uma sangria única que minimize o sofrimento do animal; o corte deve atingir a traquéia, o esôfago, artérias e a veia jugular, para que todo o sangue do animal seja escoado e o animal morra sem sofrimento (ABIEC, 2014). 4 Alguns clientes exigem que apenas alguns produtores serão aprovados para serem fornecedores de matéria-prima para seus produtos, desta forma, somente animais provenientes destas fazendas podem gerar matéria-prima para o produto final. (elaborado pelo próprio autor).

20 controle destes estoques a empresa aplica a desaceleração de todo o processo seguinte, com objetivo de minimizar o impacto final ou formação de gargalos. A etapa que a empresa caracteriza como mais relevante dentro de seu processo da cadeia de suprimento é a geração e distribuição de matéria-prima entre as unidades fornecedoras, pois segundo a mesma os principais desperdícios de tempo, movimentação e recursos estão relacionados a este estágio. Por esta razão, existe o acompanhamento constante da área do atendimento ao plano de produção de maneira a verificar a quantidade de matéria-prima gerada nas unidades fornecedoras bem como o acompanhamento o volume de matéria-prima recebida nas unidades de destino para que possa ser projetado, o atendimento a programação final com foco no atendimento ao cliente. A distribuição de matéria-prima entre as unidades é realizada por frota própria que é disponibilizado pelo setor da Logística da empresa que tem conhecimento da programação de geração de matéria-prima das unidades e de seus destinos. Desta forma esse setor consegue prever a demanda de veículos a serem utilizados nesse processo e programa a roteirização dos mesmos ate a entrega da matéria-prima. Também é preocupação relevante para a empresa o controle de qualidade das matérias-primas e produtos acabados para que não haja assim desperdício com tempo e recurso. Outro fator relevante deste controle de qualidade é assegurar a seus clientes um produto confiável e dentro dos requisitos estabelecidos. A figura demonstra de forma esquemática a relação entre as operações da empresa alvo do estudo de caso em questão. 19

21 20

22 21 Figura 4.3.1: Interação entre as operações básicas da empresa. Fonte: Elaborado pelo próprio autor. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Objetivos da Produção

Objetivos da Produção Objetivos da Produção Aula 3 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Objetivos da aula 1. Apresentar os objetivos e estratégias da produção 2 Produção: É o processo de obtenção de qualquer

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO ANÁLISE PARA APLICAÇÃO DA TERCEIRIZAÇÃO NA LOGÍSTICA COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA DE UMA EMPRESA DE DISTRIBUIÇÃO Wallace Passos Malheiros wallace.malheiros@gmail.com André Lima Duarte sesplife@yahoo.com.br

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros

Planejamento da produção. FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção FATEC Prof. Paulo Medeiros Planejamento da produção O sistema de produção requer a obtenção e utilização dos recursos produtivos que incluem: mão-de-obra, materiais, edifícios,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1

SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS!!!! 1 SEJAM BEM VINDOS AO QUARTO SEMESTRE!!! 2 Regras de ouro: Desligue o celular; Evitem ausentar-se da sala Evitem conversas paralelas (sem propósito com o assunto da aula); Dediquem-se

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Controle de estoque Aula 03. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Controle de estoque Aula 03 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Estoque e sua finalidade Estoque representa uma armazenagem de mercadoria com previsão de uso futuro; Assegurar disponibilidade

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Logística e Organização de Cadeias Produtivas

Logística e Organização de Cadeias Produtivas II SEMANA ACADÊMICA DE ENGENHARIA AGRÍCOLA ENGENHARIA DO AGRONEGÓCIO Logística e Organização de Cadeias Produtivas Prof. Luís César da Silva UFES - CCA Desafios do Agronegócio Globalizado Atender padrões

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia

Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Curso superior de Tecnologia em Gastronomia Suprimentos na Gastronomia COMPREENDENDO A CADEIA DE SUPRIMENTOS 1- DEFINIÇÃO Engloba todos os estágios envolvidos, direta ou indiretamente, no atendimento de

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico Nível

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO APLICADOS NO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO ENTERPRISE RESOURCE PLANNING APPLIED IN THE MANUFACTURING PLANNING AND CONTROL José Eduardo Freire 1 Ruchele Marchiori Coan

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA EMPRESARIAL ANÁLISE DE ASPECTOS LOGÍSTICOS DE UMA REVENDEDORA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS INSERIDA EM UMA CADEIA DE PRODUÇÃO AGROINDUSTRIAL

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA

CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS PROF. ANTONIO SEABRA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA ALINE SANTOS DA CRUZ FERNANDA DIAS CORRÊA DE PAULA A GESTÃO

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01427. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO DE FINANÇAS E CUSTOS Etapa: 07 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa:

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor

Estratégia Competitiva 16/08/2015. Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Módulo II Cadeia de Valor e a Logistica Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. CADEIA DE VALOR E A LOGISTICA A Logistica para as Empresas Cadeia de Valor Estratégia Competitiva é o conjunto de planos, políticas,

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA MARCIO REIS - R.A MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE NA EMPRESA Orientador: Prof.

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio.

Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções de negócio. Gestão da Produção Industrial Módulo B Fase 1 2015 Logística Empresarial Olá pessoal nesta fase vimos que a definição de Logística segundo Dornier (2000) é Logística é a gestão de fluxos entre funções

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

Código da Disciplina: ENEX01426. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015

Código da Disciplina: ENEX01426. Semestre Letivo: 1ºSEM/2015 Unidade Universitária: FACULDADE DE COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA Curso: Sistemas de Informação Disciplina: SISTEMAS DE GESTÃO COMERCIAL Etapa: 08 Carga horária: 68 Teóricas, 0 Práticas, 0 EaD Ementa: Código

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros

Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição. Prof. Paulo Medeiros Logística Agroindustrial Canais de suprimentos e distribuição Prof. Paulo Medeiros Canais de suprimento e distribuição Podemos dividir as operações logísticas de uma empresa em três áreas: Suprimentos;

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores

A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores A Excelência no Supply Chain Management Como Vantagem Competitiva no Mercado Nacional de Flores Ana Cristina de Oliveira Souza Assunto: Introdução e Conclusão Patrícia Francisca de Souza Assunto: Conceito,

Leia mais

Atualizado em: 10/08/2010

Atualizado em: 10/08/2010 Faculdade Católica Nossa Senhora das Neves Autorizada pela Portaria nº 3.895-MEC DOU 26.11.2004 PLANO DE DISCIPLINA 1. Dados do curso/disciplina Curso: Administração Semestre: 2010.2 Disciplina: Administração

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

VOCÊ está satisfeito com a

VOCÊ está satisfeito com a O Que é Logística? Logística e Distribuição A importância da Logística nas empresas 1 Logistica e Distribuição 2 Logistica e Distribuição Necessidade... Todos os dias milhões de produtos são fabricados

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS E CONTÁBEIS CÓDIGO: IH 104 CRÉDITOS: 04 ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL I OBJETIVO DA : Dar conhecimentos gerais do Sistema de Administração de Material, Patrimônio e Conhecimentos Básicos de Compras. EMENTA: Conceitos

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM

APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM APLICAÇÃO DE CONCEITOS DA GESTÃO DE ESTOQUES PARA MELHORIA EM SISTEMA ERP APPLYING INVENTORY CONTROL CONCEPTS TO IMPROVE THE ERP SYSTEM José Henrique Garrido de Lima 1 Ronaldo Ribeiro de Campos 2 Nas últimas

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

INTERFACE ENTRE LOGÍSTICA E FINANÇAS

INTERFACE ENTRE LOGÍSTICA E FINANÇAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2011, v. 13, n. 13, p. 107 112 INTERFACE ENTRE LOGÍSTICA E FINANÇAS SILVA, Tirlê Cruz 1 1 Doutorando em Engenharia de Transportes - COPPE UFRJ, Prof. da ESGT UCB Resumo

Leia mais

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados

Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Integração entre Sistemas de Seqüenciamento e ERP para solução de problemas de alteração de ordens de produção devido a eventos inesperados Helio Galvão Ciffoni, Ramon Hoshino & Walid Nicolas Assad Malisoft

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS

INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS INTEGRAÇÃO ENTRE MARKETING E LOGÍSTICA EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO NO SETOR DE MÓVEIS PLANEJADOS Amanda Cristina Nunes Alves (SSP) amandac.06@hotmail.com Anne Sthefanie Santos Guimaraes (SSP) annesthefanie14@hotmail.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO / E.E. ESTERINA PLACCO (EXTENSAO) Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais