O Problema do mal na filosofia de Santo Agostinho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Problema do mal na filosofia de Santo Agostinho"

Transcrição

1 O Problema do mal na filosofia de Santo Agostinho Bruna Silva Lamera 1 Resumo: O diálogo O livre-arbítrio de S. Agostinho apresenta a difícil questão sobre a origem do mal: de onde provém o mal que fazemos? Se Deus é o autor de todas as coisas do mundo, ele não seria, também, o autor do mal? O objetivo desta comunicação é investigar a formulação desse problema, tal como aparece no livro I do diálogo O Livre-arbítrio. Agostinho não deixa de reconhecer Deus como Criador, e o Mal será pensado ou como privação, ou como pecado. Está no livre-arbítrio do homem a possibilidade da escolha do mal, mas ele não é em si mesmo a causa do mal. Com isso, torna-se imprescindível a elucidação do papel desempenhado pela vontade nas ações humanas, o que implicará numa responsabilidade dos homens pelos seus atos, visto que, a escolha do mal é feita a partir do livre-arbítrio da vontade presente em cada um. Palavras-chave: Livre-arbítrio. Predestinação. Mal O presente projeto de pesquisa dedica-se ao problema do mal na filosofia agostiniana, mais especificamente no De Libero Arbitrio. Trata-se de investigar, ao longo do livro I o modo pelo qual se dá a abordagem do tema feita por Agostinho em tal obra e, também, o papel determinante que é desempenhado pela noção de vontade. É possível reconhecer no livro I do diálogo De Libero Arbitrio uma introdução seguida de três partes. Vale ressaltar que tal introdução não trata apenas de uma exposição dos principais problemas que serão discutidos no decorrer da obra. Mas, para além disso, o que é notório a partir de uma leitura mais atenta é a presença de um método, em certo aspecto didático, para a solução do problema do mal. Com base em sua própria experiência, Agostinho nos mostra os caminhos percorridos por ele até a obtenção da resposta que julgava plenamente satisfatória, tanto para a razão quanto para a fé, do problema do mal. A proposta da investigação acerca do mal faz necessário que haja anteriormente um esclarecimento com relação àquilo que está sendo tratado. Neste sentido, temos uma discussão acerca da natureza do mal em diferentes acepções, a saber: o mal físico e o mal moral. O primeiro é concernente à ordem corporal e possui um significado mais preciso para quem reflete sobre a fé, o sofrimento, conseqüência do mal moral. O 1 Graduando em Filosofia da Universidade Estadual de Maringá. Orientador: Profº. Dr. Paulo Ricardo Martines

2 segundo é a violação voluntária e livre da ordem desejada por Deus, o pecado. Agostinho delimita sua busca apenas pela segunda acepção do termo, tarefa que o leva a afirmar a natureza de Deus 2. Toda a discussão se inicia sob os pressupostos da fé cristã 3, visto que, em momento algum se coloca em dúvida a natureza divina. Ora, temos então, um imperativo para toda obra. Neste contexto, Agostinho propõe a seguinte questão: se o mal vem por ter sido ensinado 4. Isto permite inferir sobre a necessidade de versar a respeito da disciplina que parece ser, na verdade, mais uma forma de isentá-lo da culpa do pecado. É através da afirmação da instrução como uma dádiva de Deus aos homens que Agostinho nega a possibilidade de provir Dele alguma forma de corrupção. Em linhas gerais, o que o autor está dizendo é que Ele nos deu um bem maior, cujo objetivo é outro nobre bem, despertar-nos a ciência. Com isso, não seria então contraditório que através desse bem obtivéssemos algum mal? É nesta circunstância que vemos pela primeira vez a noção de mal como o afastamento do caminho proposto por Deus. De onde se segue que, fazer o mal, não seria outra coisa do que renunciar à instrução (pois a verdadeira instrução só pode ser para o bem) 5. Após provar a benevolência da instrução, Agostinho mostra o papel de outro bem que é a inteligência, mas ainda se tratando da impossibilidade de se ensinar o mal. Esta demonstração é extremamente necessária, visto que, a ação efetiva do aprender não depende tão somente da instrução, mas também da inteligência. Um silogismo ilustra a veracidade de suas afirmações: toda a inteligência é boa; quem não usa da inteligência não aprende; logo, todo aquele que aprende procede bem 6. E desse modo, encerra a discussão sobre a instrução afirmando a impossibilidade de uma ligação entre o mal e o bem segundo a disciplinam. Ademais, se fosse real esta relação entre o pecado e a instrução isso afastaria dos homens a culpa e os tornaria meros imitadores. Visto que, se existisse algum mestre que ensinasse o mal ele mesmo seria o exemplo de seus alunos que outrora não praticariam por si mesmos o pecado, mas sim, o imitariam. 2 O Livre-Arbítrio I. 1, 1. 3 Diferente do que se vê nas Confissões, onde Agostinho nos mostra sua passagem de uma concepção não cristã (maniquéia), em busca dos princípios verdadeiros, reconhecidos por ele como cristãos. 4 O Livre-Arbítrio I. 1, 2. 5 O Livre-Arbítrio I. 1, 2. 6 O Livre-Arbítrio I. 1,

3 A segunda questão colocada pelo autor diz respeito ao motivo pelo qual agimos mal 7. Agostinho confessa seu antigo interesse nesta busca e remete o leitor ao seu passado maniqueu. Neste momento, nos parece que Agostinho estaria apontando a falha de tal doutrina e, ainda, demonstrando os critérios necessários para se chegar a alguma solução por meio de sua experiência de vida. O que é possível supor através do próprio relato de Agostinho. Tão ferido, sob o peso de tamanhas e tão inconsistentes fábulas, que se não fosse meu ardente desejo de encontrar a verdade, e se não tivesse conseguido o auxílio divino, não teria podido emergir de lá nem aspirar à primeira das liberdades - a de poder buscar a verdade 8. Portanto, a falha apontada por Agostinho é a ausência dos imperativos para o alcance da verdade, isto é, a vontade e o auxílio divino. É neste sentido que se alcança o ponto fundamental para toda filosofia agostiniana, a fé. Se não crerdes, não entendereis. Postulado da fé extraído das Escrituras 9. Esta exortação é imprescindível para a solução daquele que poderia ser considerado o maior conflito gerado com a presença do mal na filosofia agostiniana e cristã, se Deus não é, definitivamente, o autor do mal, mas se o pecado procede dos seres por Ele criados, então como não estabelecer uma relação entre ambos? O que é necessário para alcançar a solução de qualquer problema, acima de tudo é a fé. Ou seja, crer na natureza de Deus e reconhecê-la como a mais excelente de todas para obter a misericórdia divina e só assim alcançar o entendimento daquilo que é almejado. Segundo Agostinho, o único meio pelo qual a natureza corrompida dos homens pode chegar à compreensão das coisas de natureza divina é a fé. O que se vê na introdução do livro I é a constante afirmação da divina natureza de Deus, reconhecido como tal pela fé, pressuposto para que toda a argumentação acerca do mal seja validada. Com efeito, conceber de Deus a opinião mais excelente possível é o começo mais autêntico da piedade. E ninguém terá de Deus um alto conceito, se não crer que ele é todo-poderoso e crer ainda que ele é o Criador de todos os bens, aos quais é infinitamente superior, assim como ser ele aquele que governa com perfeita justiça tudo 7 O Livre-Arbítrio I. 2, 4. 8 O Livre-Arbítrio I. 2, 4. 9 Isaías 7,

4 quanto criou, sem sentir necessidade de criar ser qualquer que seja como se não fosse auto-suficiente 10. Na primeira parte do livro I Agostinho analisa o significado de uma má ação, isto é, do que se trata, de fato, quando qualifica uma ação como má, e quais são os critérios para tal qualificação. Segundo Agostinho, uma ação pode assim ser classificada se aquilo que a motiva for uma paixão, como veremos adiante. Isso nos incita a uma discussão sobre as leis, com intuito de tornar claro até que ponto pode-se considerar a lei humana como juíza de nossas ações. Tratemos então, das duas formas de leis propostas pelo autor: a lei temporal e a lei divina. Para Agostinho, e de acordo com a concepção cristã, os homens são seres finitos, corruptíveis e mutáveis, por esse motivo é necessário que sua lei seja da mesma maneira de modo que acompanhe as mudanças humanas. Em contraponto, a lei eterna é o fundamento da retidão e jamais poderá ser pensada como injusta e mutável. Devemos ter como regra geral que tudo aquilo que possui existência justa e legítima na lei humana advém da lei eterna e é em virtude dela que é justo que todas as coisas estejam perfeitamente ordenadas. É por isso que o julgamento humano não pode servir de fundamento para qualificação das más ações. O único meio para se reconhecer uma má ação é encontrando a paixão que reside nesta ação. O termo paixão, aqui utilizado, deve ser entendido como algo que inspira os homens a um amor desordenado pelas coisas terrenas 11, o que o faz ter desde o inicio conotação negativa. Além disso, Agostinho nos diz que, erram todos aqueles que buscam fora de si, nas coisas exteriores, o mal, pois, é na paixão que está a malícia do adultério ou do sacrilégio. O que nos remete a mais uma noção de grande importância, a interiorização. Para Agostinho, é quando o homem se afasta das coisas exteriores, menos dignas de amor e apego, e entra na cela da tua mente 12 que se estabelece um maior contato com Deus, ou seja, de certo modo, está mais próximo e, como vimos, é por este mesmo meio que também se afasta mais de seu Criador. Isto porque, a intenção de uma ação, bem como as paixões, está no interior de cada homem, e não fora de si. Esta discussão incidirá no papel da vontade humana, e conseqüentemente na real causa do pecado. 10 O Livre-Arbítrio I. 2, O Livre-Arbítrio I. 4, Mt. 6,

5 No entanto, ao tratar da vontade livre é de grande relevância que seja seguida a mesma linha de raciocínio proposta pelo autor. Antes de elucidar a noção de vontade, busca-se provar a soberania da razão humana e, com efeito, a superioridade dos homens com relação às demais criaturas. A importância desta discussão está no papel que a razão desenvolve no cristianismo e na filosofia cristã. A razão é, segundo Agostinho, o princípio que constitui a excelência do homem, de modo que animal algum consiga exercer sobre ele sua força 13. É devido a essa dádiva de Deus que os homens podem ter a consciência da vida, e o que é ter consciência de que se vive se não possuir uma vida mais plena e mais feliz? É, pois, esta qualidade que mantêm, quando usada de maneira correta, os homens, no mais alto grau da escala dos seres. Não obstante, a razão é também responsável pelo afastamento da perfeição, isto porque pode ser ignorada por alguns, ou seja, quando alguém se afasta dos bens e dos caminhos escolhidos por Deus, este não estará mais tão perto de seu Criador, mas sim, como vimos, distanciando-se e tendendo ao nada 14. Desse modo, aquele que segue o caminho proposto por Deus e se submete ao domínio da razão é, de fato, um homem perfeitamente ordenado. Além disso, a razão mencionada aqui, não se refere apenas a uma faculdade por meio da qual se obtêm algum conhecimento. Na verdade, esta razão possui fortes conotações cristãs. Com isso quero dizer que a razão tratada por Agostinho não é tão somente um meio para a busca do conhecimento, mas é pelo uso da razão que chegamos a Deus e, a partir de então, temos a possibilidade de possuir um conhecimento verdadeiro sobre algo 15. Assim, aquele que possui inteligência, isto é, a faculdade de raciocinar, têm em suas mãos a possibilidade de uma vida com mais perfeição e esplendor. Neste sentido, o homem considerado por Agostinho como perfeitamente ordenado é aquele que, com o uso correto da razão aproxima-se mais de seu Criador, e estando nesta situação nada, nem mesmo Deus, poderá forçá-lo a submeter-se às paixões. De acordo com o autor, sábio é aquele a quem a verdade manda assim ser chamado. Isto é, aquele cuja vida está pacificada pela total submissão das paixões ao domínio da mente. Logo, nenhuma alma viciada pode dominar outra munida de virtudes, nem mesmo o Sumo Bem, mesmo que ultrapasse em excelência a mente dotada de virtude não poderia de modo algum ser injusto. Tampouco, ainda que tivesse esse poder, Ele não forçaria a mente a submeter-se às paixões. Deste modo, se nem o 13 O Livre-Arbítrio I. 7, A Verdadeira Religião. II. 11, O Livre-Arbítrio I. 11a, 21b

6 que lhe é superior e nem o que lhe é inferior pode trazer a mente virtuosa aos vícios, resta-nos apenas um único fator capaz de fazê-lo, o livre-arbítrio da vontade. Por conseguinte, alcançamos o ponto principal do livro I, é através do livrearbítrio que podemos realizar àquelas ações onde dominam as paixões. O que nos incita a um exame das noções de liberdade e do arbítrio. Grosso modo, a liberdade é a propriedade da vontade esclarecida pela razão, o arbítrio é uma decisão soberana, a capacidade de produzirmos, como senhores, nossos próprios atos. A partir disso, surge a necessidade de uma discussão acerca do conceito de boa vontade 16. Para Agostinho, a vontade é um princípio de atividade que reside na natureza humana, uma implicação necessária pelo fato de o homem ser dotado de razão. Neste sentido, todas as afecções e sentimentos são manifestações da vontade, tal como os afetos básicos da alma, a aceitação e a negação. A boa vontade está situada no exercício da escolha das coisas a serem amadas, e se entendermos que o fim último do ser humano é o regresso a Deus, esta vontade deve abster-se dos bens menos dignos, para viver uma vida reta e honesta, segundo os preceitos divinos. Como nos diz Agostinho, é a vontade pela qual desejamos viver com retidão e honestidade, para atingirmos o cume da sabedoria 17. Outro fator que caracteriza a presença da boa vontade no homem é o uso das virtudes cardeais, as principais entre as demais virtudes, a saber: a prudência, força, temperança e justiça. A prudência é a virtude do conhecimento que possuímos das coisas boas e más. A força é a disposição da alma pela qual são desprezados os dissabores e a perda das coisas que não estão em nosso poder. A temperança é o que reprime e mantém nosso apetite do lado oposto das coisas que são desprezadas pela força. E por fim, a última das virtudes, porém não em ordem de demérito, é a justiça, a virtude pela qual é dado a cada qual o que lhe é devido. Desse modo, o homem que possui uma boa vontade conseqüentemente possui e usa tais virtudes, como nos diz Evódio: confesso que encontramos facilmente naquela pessoa que tanto estima e ama a sua boa vontade todas essas quatro virtudes, as quais há pouco descrevestes comigo 18. Concluí-se então, que é pela boa vontade que merecemos e levamos uma vida louvável, e pela vontade que levamos uma vida vergonhosa e infeliz. Assim, todo aquele que quer viver conforme a retidão e honestidade, se desejar pôr esse bem acima de todos os bens 16 O Livre-Arbítrio I. 11b, O Livre-Arbítrio I. 11b, O Livre-Arbítrio I. 13,

7 passageiros da vida, realiza conquista tão grande, com tanta facilidade que, para ele, o querer e o possuir serão um só e mesmo ato 19. Surge uma dificuldade. Ora, se é pela vontade que levamos uma vida feliz, porque alguém desejaria, então, viver uma vida infeliz e cheia de infortúnios? O que se pretende com a introdução dessa questão nada mais é do que afirmar a responsabilidade dos atos humanos. Agostinho nos dá o pressuposto básico para se alcançar a vida feliz, ou seja, viver de maneira reta e honesta pelo caminho desejado pelo Criador, privar-nos dos bens corporais e terrenos considerando-os como indignos de amor. Há uma inclinação natural do homem para a busca da felicidade, ou seja, não existe de maneira alguma um homem sequer que deseje uma vida infeliz. Além disso, como nos diz Agostinho é a busca pela felicidade que move os homens e suas atividades. É de maneira voluntária que alguns homens escolhem abster-se de determinados prazeres e é do mesmo modo que outros escolhem opor-se ao desejo divino. Como sabemos, toda a escolha voluntária implica em atos de justiça, isto é, em recompensas ou castigos, de modo que ao escolher aproximar-se de Deus, o homem é merecedor de uma vida feliz e, ao afastar-se dele, merece a desventura. Neste sentido, é pertinente que sejam feitas algumas considerações sobre àquelas coisas as quais Agostinho se refere como menos dignas. Embora seja afirmado em certo aspecto, a existência do mal no âmbito das criaturas, isso não implica, necessariamente, numa caracterização da natureza humana, ou das coisas terrenas como más. Ao contrário, podemos confirmar através das palavras de Agostinho, que nenhum ser vivo, enquanto tal, é mau 20, e que todo ser mutável é também susceptível de perfeição. Pois, assim como denominam mutável o que pode ser mudado, do mesmo modo chamamos perfectível o que pode receber uma perfeição 21. Todos os seres vêm de Deus e por esse motivo possuem conseqüentemente harmonia e equilíbrio, além disso, Deus criou todas as coisas muito boas 22. Porém, o fato de o corpo material estar sujeito à morte torna-o mais próximo do não-ser, enquanto a alma só tende ao mal se abandona Deus em busca dos prazeres materiais. 19 O Livre-Arbítrio I. 13, A Verdadeira Religião. II. 11, O Livre-Arbítrio II. 17, Confissões. VII. 12,

8 Desse modo, o que podemos concluir após esta exposição da maneira pela qual Agostinho formula a questão do mal, é que este, enquanto ação praticada em contrário aos desejos divinos, origina-se no uso da vontade livre, do livre-arbítrio. Ademais, é de considerar a importância que o termo liberdade exerce na filosofia agostiniana, os problemas que gerados a partir de tal noção, de maneira especial quando se trata da discussão a respeito dos homens e suas ações. Ora, se temos como pressuposto para a compreensão de todo sistema filosófico proposto pelo autor devemos crer em um Deus cristão, ou seja, em uma natureza divina que é reconhecida e afirmada através de seus atributos, então de que modo podemos considerar o termo liberdade na filosofia de Agostinho no momento em que esta noção se esbarra com um dos atributos de Deus que é a presciência? Referências AGOSTINHO, A. O Livre-arbítrio. Tradução e notas de Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Paulus, Confissões. Tradução de Maria L. J. Amarante. São Paulo: Paulus, A Verdadeira Religião. Tradução de Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Edições Paulinas, A Vida Feliz. Tradução de Nair de Assis Oliveira. São Paulo: Edições Paulinas, GILSON, E. & BOEHNER, P. História da Filosofia Cristã. Petrópolis: Vozes, Deus e a Filosofia. Tradução de Aida Macedo. Lisboa: Edições 70, A filosofia na Idade Média. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, Introdução ao Estudo de Santo Agostinho. Tradução de Cristiane Abud. São Paulo: Paulus, A BÍBLIA. Tradução de L. Garmus. Rio de Janeiro: Vozes,

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes

22/08/2014. Tema 7: Ética e Filosofia. O Conceito de Ética. Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes Tema 7: Ética e Filosofia Profa. Ma. Mariciane Mores Nunes O Conceito de Ética Ética: do grego ethikos. Significa comportamento. Investiga os sistemas morais. Busca fundamentar a moral. Quer explicitar

Leia mais

SOMOS LIVRES AO DECIDIR

SOMOS LIVRES AO DECIDIR FILOSOFIA 2º ano Partindo do principio de que liberdade é LIBERDADE DE ESCOLHER Afinal, até onde alcança o poder da nossa liberdade? Nossas escolhas estão ligadas aos princípios morais da nossa sociedade;

Leia mais

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO

SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO SANTO AGOSTINHO SANTO AGOSTINHO E O CRISTIANISMO Aos 28 anos, Agostinho partir para Roma. Estava cansando da vida de professor em Cartago e acreditava que em Roma encontraria alunos mais capazes. Em Milão,

Leia mais

Deus. Coisas físicas Nº1

Deus. Coisas físicas Nº1 A ESSÊNCIA DE TUDO, A Santidade, Retidão e Justiça de Nº1 Deus Deus é diferente de todos os outros seres. Só Ele é infinito e não criado. Todos os demais são finitos e criados. O termo bíblico para essa

Leia mais

O corpo físico é mau e inferior à alma?

O corpo físico é mau e inferior à alma? O corpo físico é mau e inferior à alma? Compreendendo a natureza humana por Paulo Sérgio de Araújo INTRODUÇÃO Conforme a teoria das idéias (ou teoria das formas ) do filósofo grego Platão (428-347 a.c.),

Leia mais

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES

Teorias éticas. Capítulo 20. GRÉCIA, SÉC. V a.c. PLATÃO ARISTÓTELES GRÉCIA, SÉC. V a.c. Reflexões éticas, com um viés político (da pólis) _ > como deve agir o cidadão? Nem todas as pessoas eram consideradas como cidadãos Reflexão metafísica: o que é a virtude? O que é

Leia mais

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL

FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL FÉ E RAZÃO MUNDO MEDIEVAL Santo Agostinho séc. IV São Tomás de Aquino séc. XIII PATRÍSTICA e ESCOLÁSTICA Platão séc. IV a.c. Aristóteles séc. III a.c A RELAÇÃO ENTRE FÉ E RAZÃO Questões fundamentais para

Leia mais

A filosofia de Espinosa

A filosofia de Espinosa A filosofia de Espinosa Para tratar de qualquer âmbito da filosofia de Espinosa, é necessário de antemão compreender a imagem de Deus feita pelo filósofo, bem como a importância d Ele para sua filosofia.

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino - foi um frade dominicano

Leia mais

DEUS. Único Deus. Ser que não foi criado. Sem princípio ou fim O Eterno. Sua existência é um fato estabelecido

DEUS. Único Deus. Ser que não foi criado. Sem princípio ou fim O Eterno. Sua existência é um fato estabelecido Único Deus DEUS Ser que não foi criado Sem princípio ou fim O Eterno Sua existência é um fato estabelecido A Bíblia não tem a necessidade de provar a existência de Deus O fato dele ser o Criador, já define

Leia mais

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão B. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão B Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.Dizer que a filosofia é uma atividade reflexiva é afirmar que: a) A filosofia é um saber puramente racional. b) A filosofia é um método puramente

Leia mais

Então começamos por ali. Com quebracabeças. Cada um de vocês tem uma peça de um quebra-cabeça. Me fala um pouco sobre a sua peça. [Passa alguns minuto

Então começamos por ali. Com quebracabeças. Cada um de vocês tem uma peça de um quebra-cabeça. Me fala um pouco sobre a sua peça. [Passa alguns minuto ACHANDO SEU LUGAR A tema ou o rumo deste estudo será Achando Seu Lugar. Muitos nós temos lugares onde sentimos em casa: onde achamos amor e aceitação, um pouco do significado e propósito que buscamos.

Leia mais

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010

NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 NODARI, Paulo César. Sobre ética: Aristóteles, Kant e Levinas. Caxias do Sul: Educs, 2010 12 Daniel José Crocoli * A obra Sobre ética apresenta as diferentes formas de se pensar a dimensão ética, fazendo

Leia mais

CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ

CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO NASCIMENTO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS EM MOSSORÓ CREMOS NA NECESSIDADE DO NOVO CURSO DE FORMAÇÃO DE LÍDERANÇA NASCIMENTO Pb. Márcio Tarcísio Mendonça Ferreira 5º) NA NECESSIDADE ABSOLUTA DO PELA GRAÇA DE

Leia mais

Nestas palavras o profeta, Isaías indicou os Dons que devia possuir o Messias.

Nestas palavras o profeta, Isaías indicou os Dons que devia possuir o Messias. No Antigo Testamento podemos ler em Isaías: - Brotará uma vara do tronco de Jessé e um rebento das suas raízes: - Espírito de Sabedoria e de Entendimento. - Espírito de Conselho e de Fortaleza. - Espírito

Leia mais

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( )

Introdução À Ética e a Moral. A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal( ) Introdução À Ética e a Moral A verdadeira Moral zomba da Moral Blaise Pascal(1623-1662) Ética ou Filosofia Moral: Parte da filosofia que se ocupa com a reflexão a respeito das noções e princípios que fundamentam

Leia mais

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes

A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes A noção agostiniana de Tempo. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Filosofia Professor Uilson Fernandes Tempo como sucessão... A ideia de tempo surge a partir da distinção entre passado presente e futuro.

Leia mais

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro

AULA AO VIVO. Professora Laira Pinheiro AULA AO VIVO Professora Laira Pinheiro Folha de São Paulo, São Paulo, 28 out., 1993, pg.6, cad.4. Você sabe o que é ética? Será que ela tem preço? Qual é o seu valor? A ética está em crise? Vivemos numa

Leia mais

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea

O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea V Congresso Espiritismo O Céu e o Inferno de Platão e Dante à Kardec O Céu e o Inferno e a Ciência Contemporânea Agosto de 2015 Claudio C. Conti www.ccconti.com Qual a melhor receita para uma vitamina

Leia mais

Aula 08 Terceiro Colegial.

Aula 08 Terceiro Colegial. Aula 08 Terceiro Colegial Cristianismo: Entre a Fé e a Razão Busca por uma base racional para sustentar a fé Formulações filosóficas se estendendo por mais de mil anos Cristianismo Palavra de Jesus, que

Leia mais

7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA

7 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III Ensinos e Parábolas de Jesus Parte 2 Módulo II Ensinos Diretos de Jesus Roteiro 7 Objetivo Interpretar, à luz da Doutrina

Leia mais

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7)

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) Silêncio: o caminho para Deus Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) 1 / 5 Não há dúvidas: nascemos para Deus e apenas nele podemos encontrar o repouso para nossas almas

Leia mais

A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES

A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES A PRUDÊNCIA NA ÉTICA A NICÔMACO DE ARISTÓTELES Introdução/ Desenvolvimento Dagmar Rodrigues 1 Camila do Espírito santo 2 A pretensão do presente trabalho é analisar o que é a prudência enquanto virtude

Leia mais

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4.

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4. Prefácio A vida de São Francisco de Assis foi e continua sendo fonte de inspiração para tantos homens e mulheres de boa vontade que, percebendo a beleza que emana do amor, desejam experimentar também a

Leia mais

UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA. ÉTICA A NICÔMACO Livro 1

UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA. ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 1 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CURSO DE ÉTICA ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 Rodolfo Asturiano Vaz PETRÓPOLIS 2010 1 2 UCP - UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS ÉTICA A NICÔMACO Livro 1 Trabalho

Leia mais

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA

CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA CORRENTES DE PENSAMENTO DA FILOSOFIA MODERNA O GRANDE RACIONALISMO O termo RACIONALISMO, no sentido geral, é empregado para designar a concepção de nada existe sem que haja uma razão para isso. Uma pessoa

Leia mais

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo.

Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. FILOSOFIA MODERNA Filosofia Moderna: a nova ciência e o racionalismo. Período histórico: Idade Moderna (século XV a XVIII). Transformações que podemos destacar: A passagem do feudalismo para o capitalismo

Leia mais

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR!

O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O CAMINHO QUE NOS LEVA À FELICIDADE É O AMOR! O verdadeiro caminho a ser peregrinado por nossas vidas, é sem dúvida o da felicidade, e para se chegar até ele, precisamos de um combustível que só pode ser

Leia mais

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR A ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR O que era desde o princípio, o que ouvimos, o que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos e as nossas mãos apalparam isto proclamamos a respeito da Palavra

Leia mais

Superando os momentos difíceis

Superando os momentos difíceis Superando os momentos difíceis Valdir José de Castro Superando os momentos difíceis para viver melhor Direção editorial: Claudiano Avelino dos Santos Assistente editorial: Jacqueline Mendes Fontes Revisão:

Leia mais

«Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.» (João 16:33)

«Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.» (João 16:33) Lição 4 para 22 de outubro de 2016 O livro de Jó e o de Gênesis foram escritos por Moisés durante o tempo que esteve em Midiã. Isto faz Jó um dos primeiros livros da Bíblia. A diferença do resto dos livros

Leia mais

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos

IDENTIDADES. Metamorfose. Nome:Stefany Santos Metamorfose IDENTIDADES Metamorfose Nome:Stefany Santos ÍNDICE O que significa metamorfose? O que significa metamorfose ambulante? Indagações Metamorfose Frase Citação Musica Considerações finais Dedicado

Leia mais

A Evolução do Espírito Claudio C. Conti

A Evolução do Espírito Claudio C. Conti A Evolução do Espírito Claudio C. Conti ccconti@bol.com.br Segundo a Doutrina Espírita, os espíritos estão sempre em evolução, porém alguns podem até embaraçar este progresso durante certo, todavia, este

Leia mais

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO

ARTE PRIMEIRA PRIMÁRIAS CAPÍTULO D EUS. Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO O LIVRO DOS ESPÍRITOS PAR ARTE PRIMEIRA AS CAUSAS PRIMÁRIAS CAPÍTULO 1 D EUS Deus e o infinito Provas da existência de Deus Atributos da Divindade Panteísmo DEUS E O INFINITO 1 O que é Deus? Deus é a inteligência

Leia mais

Livrai-nos do mal : o problema do mal segundo Santo Agostinho NUNES, R. O. ¹, SILVA, R. DA S.²

Livrai-nos do mal : o problema do mal segundo Santo Agostinho NUNES, R. O. ¹, SILVA, R. DA S.² Livrai-nos do mal : o problema do mal segundo Santo Agostinho NUNES, R. O. ¹, SILVA, R. DA S.² ¹ Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL) Charqueadas RS Brasil ² Instituto Federal Sul-Rio-Grandense

Leia mais

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno

3ª edição Projeto Timóteo Como Dar a Razão de Sua Fé Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Dar a Razão de Sua Fé Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza Jesus

Leia mais

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça?

Hans Kelsen. Prof. Nogueira. O que é Justiça? Hans Kelsen Prof. Nogueira O que é Justiça? Biografia Básica 1881 1973 Austríaco Judeu Biografia Básica 1 ed. Teoria Pura do Direito 1934 O que é Justiça? 1957 2 ed. Teoria Pura do Direito 1960 Histórico

Leia mais

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze

O CÉU E A TERRA Catequese com adultos Chave de Bronze O CÉU E A TERRA 07-01-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze O que significa que Deus é omnipotente? Deus revelou-se como «o Forte, o Potente», Aquele para quem «nada é impossível». A sua omnipotência

Leia mais

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida ~ USA

KJV King James Bible Study Correspondence Course An Outreach of Highway Evangelistic Ministries 5311 Windridge lane ~ Lockhart, Florida ~ USA 1 Oferta Lição 10 (volte para as páginas 4, 5 e 6) Qual é o significado da oferta e quais são as minhas responsabilidades nesta área? O assunto da oferta é extremamente controverso na cristandade hoje

Leia mais

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto.

MORAL E ÉTICA. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. MORAL E ÉTICA O homem é um ser dotado de senso moral. Consciência Moral: noção de bem e mal/certo e errado/justo e injusto. Senso moral se manifesta em sentimentos, atitudes, juízos de valor Moral vem

Leia mais

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia

CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia CONCEPÇÕES ÉTICAS Mito, Tragédia e Filosofia O que caracteriza a consciência mítica é a aceitação do destino: Os costumes dos ancestrais têm raízes no sobrenatural; As ações humanas são determinadas pelos

Leia mais

Os Outros Seis Dias. Aula 05/07/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira

Os Outros Seis Dias. Aula 05/07/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Os Outros Seis Dias Aula 05/07/2015 Prof. Lucas Rogério Caetano Ferreira Recapitulando Nas aulas passadas vimos que muitas vezes a fé tem horário e local específico, na Igreja, no domingo, e no horário

Leia mais

Tudo o que Deus faz é para beneficiar o ser humano que Ele criou, pois o homem é o seu alvo aqui na terra.

Tudo o que Deus faz é para beneficiar o ser humano que Ele criou, pois o homem é o seu alvo aqui na terra. A Bíblia diz que Deus não é o homem para que se arrependa e algumas dezenas de vezes diz que Deus se arrependeu ou se arrependeria. Tem surgido várias indagações duvidosas quanto a esse assunto e há até

Leia mais

19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos?

19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos? 19. O que pensar das pessoas que, sofrendo ingratidão por benefícios prestados, não querem mais fazer o bem, com medo de encontrar ingratos? GUIA PROTECTOR Sens, 1862 Essas pessoas têm mais egoísmo do

Leia mais

A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS: EU CREIO. NÓS CREMOS Catequese com adultos Chave de Bronze

A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS: EU CREIO. NÓS CREMOS Catequese com adultos Chave de Bronze A RESPOSTA DO HOMEM A DEUS: EU CREIO. NÓS CREMOS. 26-11-2011 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Eu creio Como podemos responder a Deus quando Ele nos aborda? Responder a Deus significa crer n

Leia mais

"E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14

E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14 "E o verbo se fez carne e habitou entre nós João 1.14 Genesis 1.1 No princípio A história da 1ª criação João 1.1 No princípio A história da Nova criação Nas duas obras de criação o agente é a Palavra de

Leia mais

E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra.

E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra. Casas Abertas Estudos Diversos Batismo O batismo cristão é uma de duas ordenanças que Jesus instituiu para a igreja: E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É me dado todo o poder no céu e na terra.

Leia mais

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles

O conceito ética. O conceito ética. Curso de Filosofia. Prof. Daniel Pansarelli. Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles Curso de Filosofia Prof. Daniel Pansarelli Ética filosófica: conceito e origem Estudo a partir de Aristóteles O conceito ética Originado do termo grego Ethos, em suas duas expressões Êthos (com inicial

Leia mais

Boletim Informativo. Curso de Filosofia da TFCA. Curso de Filosofia da TFCA

Boletim Informativo. Curso de Filosofia da TFCA. Curso de Filosofia da TFCA Boletim Informativo TFCA - Técnica Física para a Conquista da Autoconsciência. Edição e Diagramação: Adônis. Revisão: Marina Mesquita. Supervisão: Maria da Aparecida de Oliveira (Bianca). tfca.com.br Estamos

Leia mais

NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO.

NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. NOSSO DESTINO: A RESSURREIÇÃO DO CORPO. O CÉU É UMA EXPERIÊNCIA CORPÓREA Mt 22, 23-32 I COR 2, 9-10 É como está escrito: Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou

Leia mais

O QUE DEUS QUER DE MIM? 09 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. "ELE te declarou, ó homem, o que é bom;

O QUE DEUS QUER DE MIM? 09 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação. ELE te declarou, ó homem, o que é bom; O QUE DEUS QUER DE MIM? 09 de Dezembro de 2011 Ministério Loucura da Pregação "ELE te declarou, ó homem, o que é bom; e que é o que o SENHOR requer de ti, 1 / 6 senão que pratiques a justiça, e ames a

Leia mais

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR

ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR A ARTE DE AMAR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR EM BUSCA DO PERFEITO AMOR #4 A ARTE DE AMAR COMO DEUS NOS AMA Henri Nouwen A volta do filho pródigo Esta é a filiação divina. E é a esta filiação que sou chamado.

Leia mais

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta

Versão A. Grupo I (10 x 3 = 30 pontos) Assinala a alternativa correta Versão A Grupo I (10 x 3 = 30 Assinala a alternativa correta 1.A filosofia não é uma ciência: a) Porque a filosofia consiste na procura do conhecimento factual. b) Porque os problemas e métodos da filosofia

Leia mais

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS.

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS. ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS MÓDULO 8 O SIGNIFICADO DAS LEIS DE LIBERDADE, RESPONSABILIDADE E CAUSA E EFEITO EM NOSSAS VIDAS O SIGNIFICADO DAS PROVAS E

Leia mais

DATA: / / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF

DATA: / / 2012 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: / / 0 UNIDADE: III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7.º ANO/EF PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA: 6,0 RESULTADO:

Leia mais

Novena milagrosa às. Almas no Purgatório EDITORA AVE-MARIA

Novena milagrosa às. Almas no Purgatório EDITORA AVE-MARIA Novena milagrosa às Almas no Purgatório EDITORA AVE-MARIA O que é o purgatório? Muitos pensam no purgatório como um pequeno inferno. Mas ele deve ser tratado no seu aspecto positivo, pois se trata de um

Leia mais

FILOSOFIA. Comentário Geral:

FILOSOFIA. Comentário Geral: 1 FILOSOFIA Comentário Geral: A prova apresentou algumas mudanças em relação à dos anos anteriores. Isso tanto na utilização de textos que levaram os candidatos a ultrapassar a leitura e interpretação

Leia mais

Aula do Curso Básico DEUS

Aula do Curso Básico DEUS Aula do Curso Básico DEUS Gênese evolução da ideia de Deus Os mecanismos da evolução Os animais e os fenômenos naturais A vida do ser humano primitivo A descoberta do espírito e suas consequências O animismo

Leia mais

As melhores coisas da vida são de graça. Não creiam nisso!

As melhores coisas da vida são de graça. Não creiam nisso! As melhores coisas da vida são de graça. Não creiam nisso! As melhores coisas da vida não são de graça. Sucesso e vitória não vêm sozinhos, requerem preparo e realização. A amizade não é unilateral; para

Leia mais

Informações da disciplina de EMRC 5.º ano. Aulas Previstas (45 minutos )

Informações da disciplina de EMRC 5.º ano. Aulas Previstas (45 minutos ) Departamento de Ciências Socias e Humanas 2016/ 2017 Educação Moral e Religiosa Católica 5.º ano RESUMO DA PLANIFICAÇÃO Informações da disciplina de EMRC 5.º ano Resumo da Planificação: Conteúdos 1.º Período

Leia mais

Os que acreditam na Reencarnação, acreditam num ciclo perpétuo de morte e renascimento.

Os que acreditam na Reencarnação, acreditam num ciclo perpétuo de morte e renascimento. É a suposta passagem da alma humana, após a morte do corpo, para outro corpo. Segundo as mais recentes estatísticas a respeito de fé em Deus e elas mostram que em França, para as idades entre 15 e 30 anos,

Leia mais

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO

26/08/2013. Gnosiologia e Epistemologia. Prof. Msc Ayala Liberato Braga GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO GNOSIOLOGIA: TEORIA DO CONHECIMENTO Gnosiologia e Epistemologia Prof. Msc Ayala Liberato Braga Conhecimento filosófico investigar a coerência lógica das ideias com o que o homem interpreta o mundo e constrói sua própria realidade. Para a

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

ESCOLA DA FÉ. Paróquia Santo Antonio do Pari. Aula 9: Jesus, o Filho de Deus -4ªparte.

ESCOLA DA FÉ. Paróquia Santo Antonio do Pari. Aula 9: Jesus, o Filho de Deus -4ªparte. ESCOLA DA FÉ Paróquia Santo Antonio do Pari Aula 9: Jesus, o Filho de Deus -4ªparte. Frei Hipólito Martendal, OFM. São Paulo-SP, 2 de agosto de 2012. revisão da aula anterior. 1- Nota: para o nosso vocabulário

Leia mais

Pensamento Positivo. Pr. Rodrigo Moraes

Pensamento Positivo. Pr. Rodrigo Moraes Pensamento Positivo Pr. Rodrigo Moraes Pensamento Positivo Pastor Rodrigo Moraes Igreja Nova Aliança Ministério Atraindo Vidas Para Deus - AVD 2015 Prefácio Esta é uma obra com o intuito de mostrar com

Leia mais

O QUE É O ESPIRITISMO 1

O QUE É O ESPIRITISMO 1 O QUE É O ESPIRITISMO 1 Facilitadores Alex Olegário e Roberto Camilo 17/18-Janeiro-2016 OBJETIVO Conhecer sobre: O Conceito do Espiritismo O Codificador Se me amais, guardai os meus mandamentos; e eu rogarei

Leia mais

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento)

PROJETO EDUCARE. (Educação, Amor e. Reconhecimento) EDUCAÇÃO DA VIDA PROJETO EDUCARE (Educação, Amor e Reconhecimento) DESEJOS FUNDAMENTAIS DO SER HUMANO EDUCAÇÃO AMOR RECONHECIMENTO EDUCAÇÃO *Ser elogiado AMOR *Ser amado *Ser livre RECONHECIMENTO *Ser

Leia mais

HAMARTIOLOGIA: DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA: DOUTRINA DO PECADO HAMARTIOLOGIA: DOUTRINA DO PECADO I - A ORIGEM DO PECADO 1. Em relação a Deus. Em Seu plano permitiu que suas criaturas (anjos e homens) tivessem a liberdade (livre arbítrio) de viver em amor e obediência

Leia mais

TEORIA DOS VALORES. Quais são os valores que você mais preza? Introdução

TEORIA DOS VALORES. Quais são os valores que você mais preza? Introdução TEORIA DOS VALORES Quais são os valores que você mais preza? Introdução Os filósofos tentaram determinar a boa conduta segundo dois princípios fundamentais: considerando alguns tipos de conduta bons em

Leia mais

Metafísica & Política

Metafísica & Política Aristóteles (384-322 a.c.) Metafísica & Política "0 homem que é tomado da perplexidade e admiração julga-se ignorante." (Metafisica, 982 b 13-18). Metafísica No conjunto de obras denominado Metafísica,

Leia mais

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg

Filosofia Iluminista. Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p Unidade 08. Capítulo 05: pg Filosofia Iluminista Profª Karina Oliveira Bezerra Unidade 01. Capítulo 04: p.57-58 Unidade 08. Capítulo 05: pg. 442-446 Filosofia da Ilustração ou Iluminismo (meados do século XVIII ao começo do século

Leia mais

ANEXO 1. Tem nos bens materiais e no sucesso profissional sua motivação principal e não pensa em ajudar os outros.

ANEXO 1. Tem nos bens materiais e no sucesso profissional sua motivação principal e não pensa em ajudar os outros. É honesto e pratica a máxima: fazer aos outros o que gostaria que fizessem a mim. Aceita a vontade de Deus, confiando na Justiça Divina, enquanto faz a sua parte. ANEXO 1 Coloca os bens espirituais acima

Leia mais

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS.

ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS. ESTUDO REFLEXIVO- SISTÊMICO DAS OBRAS DE ALLAN KARDEC E DO EVANGELHO DE JESUS MÓDULO 10 O SIGNIFICADO DAS LEIS DE DIVINAS NAS RELAÇÕES SOCIAIS A IGUALDADE PERANTE ÀS LEIS DIVINAS 2º. ENCONTRO A IGUALDADE

Leia mais

Existencialismo. Profª Karina Oliveira Bezerra

Existencialismo. Profª Karina Oliveira Bezerra Existencialismo Profª Karina Oliveira Bezerra O termo existencialismo designa o conjunto de tendências filosóficas que, embora divergentes em vários aspectos, têm na existência humana o ponto de partida

Leia mais

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor

Conceito de Moral. O conceito de moral está intimamente relacionado com a noção de valor Ética e Moral Conceito de Moral Normas Morais e normas jurídicas Conceito de Ética Macroética e Ética aplicada Vídeo: Direitos e responsabilidades Teoria Exercícios Conceito de Moral A palavra Moral deriva

Leia mais

Puxa Conversa. Guia do Marido Bom de Papo. Programa AMOR DE MARIDO

Puxa Conversa. Guia do Marido Bom de Papo. Programa AMOR DE MARIDO Puxa Conversa Guia do Marido Bom de Papo Programa AMOR DE MARIDO Olá amigo, é comum ouvir de nossas mulheres que nós, maridos, não gostamos muito de termos conversas íntimas com elas, de saber como foi

Leia mais

Limpeza psíquica LIMPEZA PSÍQUICA

Limpeza psíquica LIMPEZA PSÍQUICA Limpeza psíquica O Racionalismo Cristão recomenda às pessoas que façam a limpeza psíquica diariamente em seus lares às 7 da manhã e às 8 da noite horas locais ou participem desse movimento espiritual em

Leia mais

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Estudante: Ano: 6º Turma: Educador: Wagner Melo C. Curricular: Educação Religiosa O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Deus nos criou para convivermos com outras pessoas e sermos felizes. A

Leia mais

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos.

Aos Poetas. Que vem trazer esperança a um povo tristonho, Fazendo os acreditar que ainda existem os sonhos. Aos Poetas Venho prestar homenagem a uma grande nação, Que são os nossos poetas que escrevem com dedicação, Os poemas mais lindos e que por todos são bemvindos, Que vem trazer esperança a um povo tristonho,

Leia mais

domingo, 19 de setembro de 2010 A n é s i o R o d r i g u e s

domingo, 19 de setembro de 2010 A n é s i o R o d r i g u e s A n é s i o R o d r i g u e s Salmo 127:2 Anésio Rodrigues A vida: um dom de Deus Comida, Trabalho Família, diversão, igreja Anésio Rodrigues Salmo 127:2 Salmo 127:2 Será inútil levantar cedo e dormir

Leia mais

POR QUE. Os Dez Mandamentos. O Decálogo

POR QUE. Os Dez Mandamentos. O Decálogo POR QUE Os Dez Mandamentos? O Decálogo A existência, na mente de muitos cristãos, de uma compreensão equivocada acerca do lugar e valor dos princípios morais e éticos estabelecidos por Deus. POR QUE Os

Leia mais

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri

Locke e Bacon. Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri Locke e Bacon Colégio Ser! 2.º Médio Filosofia Marilia Coltri John Locke Locke divide o poder do governo em três poderes, cada um dos quais origina um ramo de governo: o poder legislativo (que é o fundamental),

Leia mais

estão ligados aos seus objetivos, à sua necessidade ou à sua história pessoal.

estão ligados aos seus objetivos, à sua necessidade ou à sua história pessoal. Quem é uma obra incomparável. É o relato do aprendizado de Bianca sobre a realidade do mundo espiritual. Não se trata, entretanto, de uma obra mística. Desde os primeiros capítulos se vê que a Técnica

Leia mais

CELEBRE SEU SONHO. Aula baseada no Discurso de Barbara Sunden Diretora Nacional executiva Elite de Vendas independentes

CELEBRE SEU SONHO. Aula baseada no Discurso de Barbara Sunden Diretora Nacional executiva Elite de Vendas independentes CELEBRE SEU SONHO Aula baseada no Discurso de Barbara Sunden Diretora Nacional executiva Elite de Vendas independentes COMPARTILHANDO O SONHO Mary Kay disse: Se você quer apenas o que já possui, continue

Leia mais

O AMIGÃO do Pastor. Um Periódico em Prol da Pregação do Evangelho de Jesus Cristo - VOL. 4 - Nº 34 ABR/94

O AMIGÃO do Pastor. Um Periódico em Prol da Pregação do Evangelho de Jesus Cristo - VOL. 4 - Nº 34 ABR/94 O AMIGÃO do Pastor Um Periódico em Prol da Pregação do Evangelho de Jesus Cristo - VOL. 4 - Nº 34 ABR/94 CARACTERÍSTICAS DA NOVA VIDA EM CRISTO Pr. Manoel F. Cano. Texto: 2 Co. 5:17 Introdução: 1. A vida

Leia mais

Sei que estou sendo até pretensioso com este trabalho, mas quero que saibam que estou apenas escrevendo o que está em meu coração quando estou a

Sei que estou sendo até pretensioso com este trabalho, mas quero que saibam que estou apenas escrevendo o que está em meu coração quando estou a Sei que estou sendo até pretensioso com este trabalho, mas quero que saibam que estou apenas escrevendo o que está em meu coração quando estou a meditar sobre a Bíblia Sagrada, com Fé, Esperança e Caridade

Leia mais

O Cristão Carnal Aula 10 Texto Básico Rm 7 ; 1 co 3.1-4

O Cristão Carnal Aula 10 Texto Básico Rm 7 ; 1 co 3.1-4 O Cristão Carnal Aula 10 Texto Básico Rm 7 ; 1 co 3.1-4 Nosso estudo lida com a realidade de nossa natureza regenerada. Não temos mais a natureza caída de quando nascemos, fomos regenerados. Também não

Leia mais

"Contabilidade em conexão com a prosperidade"

Contabilidade em conexão com a prosperidade "Contabilidade em conexão com a prosperidade" Contatos: Youtube.com/MarcelinoFernandesCoronel E-mail: professormarcelino@hotmail.com Perfil: fb.com/profmarcelino88 Fanpage: fb.com/profmarcelino instagram.com/profmarcelino

Leia mais

A unção com óleo OBJETIVO

A unção com óleo OBJETIVO A unção com óleo Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; e a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se

Leia mais

CONSOLADOR, MESTRE E GUIA

CONSOLADOR, MESTRE E GUIA CONSOLADOR, MESTRE E GUIA UM ESTUDO SOBRE O ESPÍRITO SANTO Por William Farrand LIVRO DE ESTUDO AUTODIDÁTICO Universidade Global Instituto de Correspondência Internacional 1211 South Glenstone Avenue Springfield,

Leia mais

ESPIRITUALIDADE VICENTINA

ESPIRITUALIDADE VICENTINA SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO CONSELHO GERAL INTERNACIONAL ESPIRITUALIDADE VICENTINA Dai-me um homem de oração e ele será capaz de tudo SÃO VICENTE DE PAULO 2 CONTEÚDO 1 A EXPERIÊNCIA FUNDADORA DE

Leia mais

E nós conhecemos, e cremos no amor de Deus que nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. I João 4:16

E nós conhecemos, e cremos no amor de Deus que nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. I João 4:16 E nós conhecemos, e cremos no amor de Deus que nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. I João 4:16 INTRODUÇÃO A pregação do Amor de Deus, por ser a primeira em uma série de

Leia mais

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 20) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 20) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Teorias Éticas - Antropocentrismo; - Reflexão Filosófica; - Ascensão da Burguesia; - Surgimento do Capitalismo; - Visa tornar-se senhor da

Leia mais

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES

RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES RESOLUÇÕES DE QUESTÕES PROFº DANILO BORGES SARTRE (UFU) Liberdade, para Jean-Paul Sartre (1905-1980), seria assim definida: A) o estar sob o jugo do todo para agir em conformidade consigo mesmo, instaurando

Leia mais

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM

CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM CATEQUESE 6 - A PAZ NA VIDA DO HOMEM Em cada frase indicar em que sentido se fala da paz como: dom, conquista ou compromisso. Se a frase tiver vários sentidos, assinalá-lo. CATEQUESE 7 - A VERDADE COMO

Leia mais

Sartre. Filosofia Monitora: Leidiane Oliveira 17 /11/2015. Material de Apoio para Monitoria

Sartre. Filosofia Monitora: Leidiane Oliveira 17 /11/2015. Material de Apoio para Monitoria Sartre 1. (Ufsj 2013) Leia atentamente os fragmentos abaixo. I. Também tem sido frequentemente ensinado que a fé e a santidade não podem ser atingidas pelo estudo e pela razão, mas sim por inspiração sobrenatural,

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO

QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO QUESTIONÁRIO DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO - 2º ANO A FILOSOFIA DA GRÉCIA CLÁSSICA AO HELENISMO ESTUDAR PARA A PROVA TRIMESTRAL DO SEGUNDO TRIMESTRE PROFESSORA: TATIANA SILVEIRA 1 - Seguiu-se ao período pré-socrático

Leia mais

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon.

CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA. Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. CONHECIMENTO, CETICISMO E CIÊNCIA Artur Bezzi Gunther Organizadores: Artur Bezzi Günther, Eduardo Antonielo de Avila e Maria Eugênia Zanchet Bordignon. 1. Duração: 02 horas e 15 minutos. 2. Recursos didáticos:

Leia mais

Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício

Lição 4 A provisão de Deus no monte do sacrifício INTRODUÇÃO - No episódio do de Isaque, Abraão assume, em definitivo, a condição de "pai da fé", que lhe é reconhecida pelas três grandes religiões monoteístas do planeta. - O episódio da Akedah, que quer

Leia mais

O problema que com isso coloco não se refere ao que deve substituir a humanidade na sucessão dos seres (o homem é um final), mas ao tipo de homem que

O problema que com isso coloco não se refere ao que deve substituir a humanidade na sucessão dos seres (o homem é um final), mas ao tipo de homem que 1. Olhemo-nos no rosto. Nós somos hiperbóreos sabemos muito bem o quão à parte vivemos. Nem por terra nem por mar encontrarás o caminho que leva aos hiperbóreos : Píndaro já sabia isso a nosso respeito.*

Leia mais