ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI. CAEd/UFJF (32)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI. CAEd/UFJF (32)"

Transcrição

1 MEDIDAS EDUCACIONAIS ANÁLISES ESTATÍSTICAS TRI CME COORDENAÇÃO DE MEDIDAS EDUCACIONAIS C COO Ç O S UC C O S CAEd/UFJF (32)

2 Fundamentos da TRI O que são itens? São os elementos que compõem os testes ou questionários i O queé proficiência? É a medida que representa um determinado traço latente (aptidão) Teoria da Resposta ao Item (TRI) Grupo de modelos matemáticos e estatísticos que descrevem a associação entre a aptidão de um indivíduo e a probabilidade de uma resposta a um item

3 PRINCIPAIS PRODUTOS DA TRI Interpretação pedagógica da escala Comparabilidade de resultados: Entre diferentes avaliações em um mesmo período de tempo Entre diferentes avaliações em diferentes períodos de tempo

4 Como se calcula l a proficiência iê i de um aluno? I AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA II TEORIA DA RESPOSTA AO ITEM TRI III INDICADORES DEDESEMPENHO DESEMPENHO

5 AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA

6 Como construir uma escala

7 Item 1 Escala: altura de uma pessoa Você consegue guardar as malas no bagageiro interno de um ônibus? Item 2 Você consegue subir ou descer dois degraus de cada vez em uma escada? Item 3 Para conversar com as pessoas, você precisa olhar para baixo?

8 Respostas do Questionário i Nome Item 1 Item 2 Item 3 Carolina Sim Não Não Priscila Sim Sim Não Leonardo Sim Sim Sim

9 Escala: item x medida Nome Item 1 Item 2 Item 3 Carolina Sim Não Não Priscila Sim Sim Não Leonardo Sim Sim Sim Carolina Priscila Leonardo 1,5 1,6 1,7 1,8 1,9 Item 1 Item 2 Item 3

10

11 Utilização do Bilog MG 1 Construção da base de dados SEQ GRUPO FORMA P1 P2 P3 P4 P5 P6 P7 P8 P9 P10 P11 P12 P13 P14 P15 P A B B C C C A A D D A A B B C C A B A C C B B A D D B A C B C C A B B B C B A A D C A B B A B D B B A C C B A A B A A C B A D D B B C A A D A B D C A C D A D D B B A A B D A C A C A C A B B C B B C A A C A B A A C C C D D A B B A A C C A D A A B B C D D B

12

13 2 Cálculo das alturas dos respondentes

14 3 estimação dos parâmetros dos itens

15 Posição dos itens na escala 1,5 1,6 1,7 1,8 1, Guardar a bagagem Atrás na fila Pés fora da cama

16 Posição dos itens e pessoas na escala 43,6% 32% 14,6% 9,8% 15 1,5 16 1,6 17 1,7 18 1,8 19 1,

17 INTERPRETAÇÃO DA ESCALA

18 II TEORIA DA RESPOSTA AO ITEM TRI HISTÓRICO TRI FUNDAMENTOS TRI MEDIDAS E ESCALAS

19 Avaliações em larga escala com a TRI Análise segundo a TRI Lord (1952) Probabilidade de acerto ao item em função da habilidade Posicionamento dos itens em função da dificuldade na mesma escala da proficiência Década de 1970 Desenvolvimento de testes adaptativos Década de 1980 Desenvolvimento de softwares específicos para TRI Década de 1990 Desenvolvimento detestesinformatizados i d (CBT s) e testes adaptativos informatizados (CAT s)

20 Características das avaliações em larga escala no Brasil Até 1993: TCT A partir de 1995: TRI INEP SAEB SAEB e Prova Brasil Avaliações estaduais e municipais ii i MG (2000), CE (1992), RS, RJ, PE, SP, ES, BA.

21 Características das avaliações em larga escala no Brasil 1 Momento 2 Momento 3 Momento

22 BIB SAEB ATÉ 2005 CADERNO BLOCOS BLOCOS CADERNO POS1 POS2 POS3 POS1 POS2 POS

23 BIB A PARTIR DE 2005

24 FUNDAMENTOS DA TRI MODELO LOGÍSTICO 1LP 1LP 2LP 2LP 3LP 3LP MÉTODOS DE ESTIMAÇÃO PARÂMETROS DE ITENS MML MMAP SCORES MÉTODOS DE LINKAGENS LINEARES REGRESSÃO LINEAR MÉDIA/SIGMA MÉDIA/MÉDIA CURVA CARACTERÍSTICA ML MAP EAP NÃO LINEARES CALIBRAÇÃO SIMULTÂNEA PRÉ FIXAÇÃO DE PARÂMETROS FPIP Testes Unidimensionais compostos por itens dicotômicos

25 1 PL Dicotômico 2 PL UIRT 3 PL Modelo Politômico otô Modelo de crédito parcial Modelo de crédito parcial generalizado Modelo de resposta ponderada Modelo de resposta nominal MIRT Dicotômico Politômico MODELOS MATEMÁTICOS

26 MODELOS MATEMÁTICOS DA TRI Rl Relação entre a probabilidade bilid d de acerto ao item e a habilidade do respondente Relação não linear

27 Relação não linear 1 P ( Xi 1/, bi, ai, ci ) ci (1 ci ) aid( bi) 1 e

28 MODELOS DA TRI

29 Probab bilidade de Ac certo 1 MODELOS DA TRI 3PL ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 0,5 0,3 250 Proficiência

30 Probab bilidade de Ac certo 1 0,65 MODELOS DA TRI 3PL ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 0,5 0,3 250 Proficiência

31 Probab bilidade de Ac certo 1 0,65 MODELOS DA TRI 3PL ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 0,5 0,3 250 Proficiência

32 Probab bilidade de Ac certo 1 0,65 MODELOS DA TRI 3PL 1 ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 0,5 0,3 250 Proficiência

33 Probab bilidade de Ac certo 1 0,65 MODELOS DA TRI 3PL 2 1 ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 2 0, ,30 0,5 0,3 250 Proficiência

34 Probab bilidade de Ac certo 1 0,65 MODELOS DA TRI 3PL 2 1 ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 2 0, ,30 3 0, ,30 0,5 0, Proficiência

35 Probab bilidade de Ac certo 1 0,65 MODELOS DA TRI 3PL 2 1 ITEM PARÂMETROS A B C 1 0, ,30 2 0, ,30 3 0, ,30 4 0, ,20 0,5 3 0, Proficiência

36 EXEMPLOS DE ITENS discriminação boa

37 EXEMPLOS DE ITENS discriminação ruim

38 LINKAGEM Cultura de uma escala única nacional SAEB Características da avaliação em larga escala de 1995 a 2007

39 Equalização Vertical Avaliações do SAEB Testes com conteúdos diferentes Testes com descritores diferentes Populações não equivalentes

40 Designs ou Delineamentos para coleta de dados Design para grupos não equivalentes através de itens comuns Forma X Forma Y Itens comunsc omum Itens comunsc omum Grupo 1 Grupo 2

41 LINKAGEM Processo para colocar diferentes testes em uma mesma escala (equalização vertical) DESIGN TESTE SAEPE 2008 LÍNGUA PORTUGUESA 4ª SÉRIE EF 8ª SÉRIE EF 3º ANO EM ITENS COMUNS ENTRE GRUPOS Método adotado: Vertical equating

42 MODELO LOGÍSTICO 1LP 1LP 2LP 2LP 3LP 3LP TRI padrão SAEB MÉTODOS DE ESTIMAÇÃO PARÂMETROS DE ITENS MML MMAP SCORES MÉTODOS DE LINKAGENS LINEARES REGRESSÃO LINEAR MÉDIA/SIGMA MÉDIA/MÉDIA CURVA CARACTERÍSTICA ML MAP EAP NÃO LINEARES CALIBRAÇÃO SIMULTÂNEA PRÉ FIXAÇÃO DE PARÂMETROS FPIP T U idi i i i Testes Unidimensionais compostos por itens dicotômicos

43 MEDIDAS E ESCALAS COMO MEDIR A HABILIDADE DOS ALUNOS A ESCALA SAEB CONTRUÇÃO DE TESTES

44 COMO MEDIR A HABILIDADE DOS ALUNOS Matriz de referência Design do testet

45 ESCALAS DE PROFICIÊNCIA Curva normal

46 ESCALA SAEB

47 9 ano EF 250 ESCALA SAEB

48 5 ano EF 3 ano EM ESCALA SAEB

49 5 ano EF 9 ano EF 3 ano EMF ESCALA SAEB

50 ESCALA

51 CONTRUÇÃO DE TESTES AJUSTE DA POPULAÇÃO AO TESTE

52 TESTE COM DISTRIBUIÇÃO DE DIFICULDADE COMPATÍVEL COM POPULAÇÃO AVALIADA ANO LÍNGUA PORTUGUESA

53 TESTE COM DISTRIBUIÇÃO DE DIFICULDADE NÃO COMPATÍVEL COM POPULAÇÃO AVALIADA SPAECE ANO MATEMÁTICA

54 III INDICADORES ICA DE DESEMPENHO BOLETIM DERESULTADOS CAEd SÉRIE HISTÓRICA SAEB IDEB

55 PRINCIPAIS PRODUTOS DA TRI Interpretação pedagógica da escala Comparabilidade de resultados: Entre diferentes avaliações em um mesmo período de tempo Entre diferentes avaliações em diferentes períodos de tempo

56 RESULTADOS Participação Medidas de Desempenho Proficiência Média Percentual de alunos por Padrões de Desempenho Desvio Padrão

57 Interpretação de medidas de desempenho educacional

58 III INDICADORES DE DESEMPENHO Série histórica i SAEB Rede pública LÍNGUA PORTUGUESA ºEF ºEF ºEM 3EM

59 Série histórica SAEB Rede pública MATEMÁTICA ºEF 9ºEF 3ºEM

60 IDEB Forma geral do Ideb: IDEB = N. P N = média da proficiência em Língua Portuguesa e Matemática, padronizada para um indicador entre 0 e 10, no exame realizado ao final da etapa de ensino P = indicador de rendimento baseado na taxa de aprovação da etapa de ensino

61

62 Evolução do Ideb Brasil Rede Pública Anos Iniciais Ens. Fundamental

63 Evolução do Ideb Brasil Rede Pública Anos Finais Ens. Fundamental

64 Evolução do Ideb Brasil Rede Pública Ensino Médio

65 Evolução do Ideb Estados Rede Pública Anos Iniciais Ens. Fundamental

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais

SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira SAEB / Prova Brasil Metodologia, Estratégias e Resultados Matrizes, Itens, Escala e Materiais SAEB - Metodologia

Leia mais

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009

Metas Educacionais As 5 Metas do Todos Pela Educação. Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 s Educacionais As 5 s do Todos Pela Educação Rio de Janeiro, 27 de abril de 2009 Construção das metas Pesquisa do meio copo cheio : consensos para avançar Documento de mobilização inicial Entrevistas e

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO (ANA) Profa. Ivana de Oliveira Carvalho FaE/UEMG Estrutura da Apresentação Cenário das Avaliações em larga escala, no Brasil, implementadas pela União, no contexto da

Leia mais

Resultado do IDEB 2011 nas Escolas Estaduais do Amazonas. Manaus, 15 de agosto de 2012

Resultado do IDEB 2011 nas Escolas Estaduais do Amazonas. Manaus, 15 de agosto de 2012 Resultado do IDEB 2011 nas Escolas Estaduais do Amazonas Manaus, 15 de agosto de 2012 Resultados do IDEB refletem indicadores educacionais do Amazonas em 2011 IDEB é função de duas variáveis: -Proficiência

Leia mais

Prova Brasil, Saresp etc. Heliton Ribeiro Tavares

Prova Brasil, Saresp etc. Heliton Ribeiro Tavares : Enem, Prova Brasil, Saresp etc. Heliton Ribeiro Tavares Faculdade de Estatística / Universidade Federal do Pará heliton@ufpa.br Etapas da Apresentação 1 Breve introdução 2 Alguns resultados do Enem 3

Leia mais

Análise estatística do desempenho dos inscritos no ENEM em Campinas- SP: áreas CN, CH, LC e MT dos anos

Análise estatística do desempenho dos inscritos no ENEM em Campinas- SP: áreas CN, CH, LC e MT dos anos Análise estatística do desempenho dos inscritos no ENEM em Campinas- SP: áreas CN, CH, LC e MT dos anos 2009-2013 Dalton Francisco de Andrade - PPGEP/UFSC dalton.andrade@ufsc.br Adriano Ferreti Borgatto

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 2 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1

LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO 2008 ETAPA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO 2º ANO - CICLO II LÍNGUA PORTUGUESA E MATEMÁTICA CADERNO 1 ESCOLA: NOME: TURMA:

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) - Parte 1 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal Abril 2012 UFJF (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 10 Introdução Sistema de Avaliação

Leia mais

TRÊS GERAÇÕES DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL INTERFACES COM O CURRÍCULO DA/NA ESCOLA

TRÊS GERAÇÕES DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL INTERFACES COM O CURRÍCULO DA/NA ESCOLA TRÊS GERAÇÕES DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO BRASIL INTERFACES COM O CURRÍCULO DA/NA ESCOLA BONAMINO, Alícia; SOUZA, Sandra Zákia. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces

Leia mais

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010

Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Reunião Técnica com Secretários Municipais de Educação e Dirigentes Regionais de Ensino: Apresentando o Saresp 8 e 9 de Setembro 2010 Maria Conceição Conholato Instrumentais AVALIAÇÃO Cadernos de Prova

Leia mais

IV CONBRATRI, 4º Congresso Brasileiro de Teoria da Resposta ao Item, Brasília, DF, 2-4 de Dezembro de 2015

IV CONBRATRI, 4º Congresso Brasileiro de Teoria da Resposta ao Item, Brasília, DF, 2-4 de Dezembro de 2015 Ciências da Natureza e o Enem: estudos sobre as questões de 2009-2012 1 LIMC/UFRJ e PEMAT/UFRJ 2 IF/UFRJ Gustavo Rubini 1, Marta F. Barroso 2 Resumo O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) possui grande

Leia mais

Palavras-chave: Teoria de Resposta ao Item; ENEM; Avaliação na Educação

Palavras-chave: Teoria de Resposta ao Item; ENEM; Avaliação na Educação Brasileira de S Educação Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades UMA FERRAMENTA PARA A OBTENÇÃO E ANÁLISE DE DADOS DO ENEM. Jorge Luiz Dias de Frias profjfrias@gmail.com Resumo: Uma

Leia mais

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2

Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 Prova Brasil e SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica) - Parte 2 INEP Ana Djéssika Silva Cruz Vidal UFJF Abril 2012 MSI Tech Support (Institute) ECONS - Laboratório de Economia 23/04 1 / 12 Realização

Leia mais

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013

Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados PAEBES 2013 Oficina de Apropriação de Resultados de BIOLOGIA Dinâmica Eu não sou eu.sou o momento:passo. Mario Quintana Objetivos: Interpretar os resultados da avaliação

Leia mais

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio

A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor. Patrícia Diaz Carolina Glycerio A utilização do IDEB na gestão e na avaliação de programas e projetos no 3º setor Patrícia Diaz Carolina Glycerio Quem somos A Comunidade Educativa CEDAC possibilita que profissionais da educação pratiquem

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB PRIMEIROS RESULTADOS: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA SAEB - PRIMEIROS RESULTADOS: Médias de desempenho do SAEB/ em perspectiva comparada Fevereiro de 2007 Presidente

Leia mais

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010

Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010 Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) Prof. Sr. Ocimar Munhoz Alavarse Setembro 2010 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Dispõe sobre a implementação do

Leia mais

Testes em Psicologia e em Educação

Testes em Psicologia e em Educação Testes em Psicologia e em Educação IESB Semana Universitária, 2007 Prof. Frederico Neves Condé Testes Psicológicos: história recente Década de 80: Discussão sobre a qualidade dos Testes Psicológicos por

Leia mais

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará

Política Educacional: A experiência de Sobral/CE. Sobral - Ceará Política Educacional: A experiência de Sobral/CE Sobral - Ceará Ponto de partida Resultado da avaliação de leitura com alunos de 2ª série Final de 2000 48% não liam textos, frases e nem palavras 48,0%

Leia mais

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação

Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Computação Habilitação: Licenciatura em Computação Matriz Curricular Curso de Licenciatura em Habilitação: Licenciatura em LC101 Leitura e produção textual 30-10 40 2 - LC102 Informática e sociedade 30-10 40 2 - LC103 Inglês básico 50-10 60 3-1º LC104

Leia mais

Indicadores Demográficos e Educacionais - SALVADOR - BA

Indicadores Demográficos e Educacionais - SALVADOR - BA Page 1 of 5 SALVADOR - BA Este conjunto de doze tabelas traz informações sobre população, Produto Interno Bruto (PIB), Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), Índice de Desenvolvimento da Infância (IDI)

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Engenharia Informática 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014

Sondagem Indústria da Construção CNI. 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção CNI 23/maio/2014 Sondagem Indústria da Construção 86º Encontro Nacional da Indústria da Construção ENIC Confederação Nacional da Indústria Goiânia 23 de maio de 2014 Indicadores

Leia mais

INDICADORES EDUCACIONAIS. José Henrique de Sousa Nascimento

INDICADORES EDUCACIONAIS. José Henrique de Sousa Nascimento INDICADORES EDUCACIONAIS José Henrique de Sousa Nascimento INDICADORES EDUCACIONAIS 1. O que é um indicador 2. Para que serve 3. Indicadores produzidos pelo INEP 4. Usos dos Indicadores INDICADORES Os

Leia mais

SiSUTEC. 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

SiSUTEC. 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica SiSUTEC 2014/2 (3ª edição) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Brasília, julho de 2014 Pronatec Mais de 7,59 milhões de matrículas realizadas até julho de 2014: 2,16

Leia mais

O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009

O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009 R E S E N H A D E C O N J U N T U R A O DESEMPENHO DO ESPÍRITO SANTO NO PROGRAMA INTERNACIONAL DE AVALIAÇÃO DE ESTUDANTES (PISA) EM 2009 Em 2009, o Espírito Santo aparece na 6ª posição no Programa Internacional

Leia mais

RICALDES, Daltron Maurício UFMT DARSIE, Marta Maria Pontin UFMT

RICALDES, Daltron Maurício UFMT DARSIE, Marta Maria Pontin UFMT ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: ENCONTROS E DESENCONTROS NAS AVALIAÇÕES DE MATEMÁTICA E LÍNGUA PORTUGUESA DA PROVA BRASIL Resumo RICALDES, Daltron Maurício UFMT

Leia mais

Resultados do Ideb 2015

Resultados do Ideb 2015 Resultados do Ideb 2015 1. Introdução 1. Introdução O que é o Ideb? O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado pelo Ministério da Educação em 2007 com a finalidade de mensurar e avaliar

Leia mais

Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio. 16 de Outubro de Brasília

Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio. 16 de Outubro de Brasília Seminário Nacional sobre Reformulação do Ensino Médio 16 de Outubro de 2013 - Brasília Sistema da Educação Básica Saeb O Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) tem como principal objetivo avaliar

Leia mais

Brasília, 12 de março de 2009

Brasília, 12 de março de 2009 Avaliação dos Cursos de Ciências Contábeis pelo ENADE 2009 Prof. Dr. Valcemiro Nossa Brasília, 12 de março de 2009 ENADE Exame Nacional de Desempenho de Estudantes integra o Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais

NOTA TÉCNICA: Conversão da escala do NSE médio das escolas e criação de grupos. Maria Teresa Gonzaga Alves 1

NOTA TÉCNICA: Conversão da escala do NSE médio das escolas e criação de grupos. Maria Teresa Gonzaga Alves 1 1 NOTA TÉCNICA: Conversão da escala do NSE médio das escolas e criação de grupos Maria Teresa Gonzaga Alves 1 Flávia Pereira Xavier José Francisco Soares GAME-FAE/UFMG 1. Conversão da escala A escala original

Leia mais

Teorias de Avaliação - CE095

Teorias de Avaliação - CE095 Adilson dos Anjos 1 1 Departamento de Estatística Universidade Federal do Paraná aanjos@ufpr.br Curitiba, PR 2 de outubro de 2014 Teoria da Resposta ao Item Introdução ao pacote MIRT Principais recursos

Leia mais

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES

3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES 3. ORIENTAÇÕES IDEB E POSSÍVEIS ANÁLISES O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) é o indicador nacional que reflete a situação da unidade escolar a partir do resultado de dois componentes:

Leia mais

Avaliação do Projeto Jovem de Futuro: resultados preliminares do segundo ano do programa

Avaliação do Projeto Jovem de Futuro: resultados preliminares do segundo ano do programa Avaliação do Projeto Jovem de Futuro: resultados preliminares do segundo ano do programa Ricardo Barros IPEA Mirela de Carvalho IETS Samuel Franco IETS Andrezza Rosalém - IETS Rio de Janeiro, Abril de

Leia mais

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor

Estado de São Paulo tem a maior quantidade de POS a cada mil habitantes; Maranhão, a menor INFORMATIVO PARA A IMPRENSA ML&A Comunicações Fernanda Elen fernanda@mla.com.br (11) 3811-2820 ramal 833 Cresce a aceitação de cartões em 2015, aponta a Boanerges & Cia. Estado de São Paulo tem a maior

Leia mais

Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos. Prof. Luís Lopes

Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos. Prof. Luís Lopes Prova Brasil e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB): fundamentos, organização e objetivos Prof. Luís Lopes Prova Brasil e Saeb: sistemas complementares Avaliação Nacional do Rendimento Escolar

Leia mais

Apresentação Prof. Hugo Gomes

Apresentação Prof. Hugo Gomes Apresentação Apresentação do curso O que é o Radix? Qual o diferencial do curso? Qual o objetivo do curso? Informações complementares Pré-Aula Aulas elementares Aulas Atividades semanais Monitoria Informações

Leia mais

INDICADORES SOCIAIS NO BRASIL: UMA ANALISE DE SUA EVOLUÇAO RECENTE

INDICADORES SOCIAIS NO BRASIL: UMA ANALISE DE SUA EVOLUÇAO RECENTE INDICADORES SOCIAIS NO BRASIL: UMA ANALISE DE SUA EVOLUÇAO RECENTE Henrique Dantas Neder (hdneder@ufu.br) web: www.ecn26.ie.ufu.br Universidade Federal de Uberlândia - MG Objetivos da pesquisa: Desenvolver

Leia mais

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna

Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Avaliação do impacto dos programas do Instituto Ayrton Senna Ricardo Barros IPEA Mirela de Carvalho IETS Ao longo da última década, cada vez mais redes públicas de ensino municipais e estaduais passaram

Leia mais

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP

As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP As Avaliações externas e o acompanhamento pedagógico utilizando indicadores e a as bases do SIGA e do INEP VAMOS FALAR DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO? Falar de qualidade da educação é falar de IDEB ...o que

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Quanto custa financiar um PNE pra valer?

Quanto custa financiar um PNE pra valer? Quanto custa financiar um PNE pra valer? José Marcelino de Rezende Pinto USP ANPED Campanha Nacional pelo Direito à Educação CEDES Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - Fineduca

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

05/08/2014. sistema de medição. mensurando. Erro de Medição. Slides do livro FMCI - Professor Armando Albertazzi

05/08/2014. sistema de medição. mensurando. Erro de Medição. Slides do livro FMCI - Professor Armando Albertazzi O Erro de Medição Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Slides do livro FMCI - Professor Armando Albertazzi Erro de Medição sistema de medição mensurando indicação erro de medição valor verdadeiro

Leia mais

MODELO DE MENSURAÇÃO DO BULLYING EM ESCOLARES POR MEIO DA TEORIA DA RESPOSTA AO ITEM

MODELO DE MENSURAÇÃO DO BULLYING EM ESCOLARES POR MEIO DA TEORIA DA RESPOSTA AO ITEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO Métodos de Coleta e Análise de dados Prof. DAVID ALEJANDRO GONZÁLEZ CHICA MODELO DE MENSURAÇÃO DO

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas

NOTA TÉCNICA. Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas NOTA TÉCNICA Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas Nesta nota técnica será apresentada a metodologia utilizada

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira INFORMATIVO TÉCNICO Nº 2/2015 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2014-2024: LINHA DE BASE E PROJEÇÕES DE METAS INTRODUÇÃO A Lei do Plano Nacional de Educação (Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014) estabelece

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao

Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao A Avaliação do PAEBES Metas e objetivos do Programa Linha do Tempo Por que avaliar? Medidas Educacionais Tipos de Avaliação O que éavaliado? Fatores Associados ao Desempenho Programa de Avaliação da Educação

Leia mais

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta

Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta NOTA TÉCNICA N. 0011/2013 Brasília, 08 de março de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prova Brasil e o Ideb: quanto pesa essa pontuação para atingir a meta REFERÊNCIA: PORTARIA Nº 152, DE 31 DE MAIO DE 2012

Leia mais

JUSCELIA DIAS MENDONÇA ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS DA TRI PELO SOFTWARE ICL

JUSCELIA DIAS MENDONÇA ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS DA TRI PELO SOFTWARE ICL JUSCELIA DIAS MENDONÇA ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS DA TRI PELO SOFTWARE ICL LAVRAS - MG 2012 JUSCELIA DIAS MENDONÇA ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE ESTIMAÇÃO DE PARÂMETROS DA TRI PELO SOFTWARE

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular ESTATÍSTICA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Motricidade Humana 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular ESTATÍSTICA

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Metrologia Código da Disciplina: NDC175 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns Programa em vigência

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA

NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA NOTA EXPLICATIVA ENEM 2015 POR ESCOLA 1 - RESULTADOS DO ENEM 2015 AGREGADOS POR ESCOLA Os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) auxiliam estudantes, pais, professores, diretores das escolas

Leia mais

REUNIÃO DE CONSELHO. 30 de março de 2016

REUNIÃO DE CONSELHO. 30 de março de 2016 REUNIÃO DE CONSELHO 30 de março de 2016 INSTITUTO UNIBANCO 2 JOVEM DE FUTURO 3ª GERAÇÃO Jovem de Futuro 3ª geração - Circuito de Gestão Jovem de Futuro 3ª geração - Ações Oficina 1 Curso Módulo 1 Oficina

Leia mais

Prova Brasil: Descritores de Avaliação de Matemática

Prova Brasil: Descritores de Avaliação de Matemática Prova Brasil: Descritores de Avaliação de Matemática Isabel Cristina Ribeiro Mary Ângela Teixeira Brandalise Resumo O trabalho apresenta um estudo sobre os descritores de avaliação de matemática propostos

Leia mais

CÁLCULO DA INCERTEZA

CÁLCULO DA INCERTEZA CÁLCULO DA INCERTEZA O resultado de uma medição é somente um valor aproximado ou uma estimativa do Mensurando. ele é completo somente quando acompanhado do valor declarado de sua incerteza. A incerteza

Leia mais

ENADE Relatório de Curso ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SALVADOR

ENADE Relatório de Curso ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SALVADOR ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório de Curso FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA SALVADOR G O V E R N O F E D E R A L Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação

EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013. Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação EXAME NACIONAL DO ENSINO MÉDIO ENEM 2013 Aloizio Mercadante Ministro de Estado da Educação Cartão de Confirmação de Inscrição Entregues: 99,98% UF Participantes Entregues AC 58.364 100,00% AL 122.356 99,00%

Leia mais

CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC

CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC CENTRO COLABORADOR EM ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DO ESCOLAR - CECANE/SC COORDENADOR Prof. Francisco de Assis Guedes de Vasconcelos SUB-COORDENAÇÃO PESQUISA Prof. Cristine Garcia Gabriel Prof. Janaina das Neves

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

4 O Erro de Medição. Erro de Medição. Fundamentos de Metrologia. sistema de medição. mensurando. erro de medição

4 O Erro de Medição. Erro de Medição. Fundamentos de Metrologia. sistema de medição. mensurando. erro de medição 4 O Erro de Medição Fundamentos de Metrologia Erro de Medição sistema de medição mensurando indicação erro de medição valor verdadeiro 1 Um exemplo de erros... Teste de precisão de tiro de canhões: Canhão

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

INDICADORES EDUCACIONAIS E O SAEB 2015

INDICADORES EDUCACIONAIS E O SAEB 2015 INDICADORES EDUCACIONAIS E O SAEB 2015 Avaliações Externas Avaliação Sistematização/ Periodicidade Público Aplicação Área /Disciplina avaliada Objetivo Geral Provinha Brasil Sistema Alfa Bahia: entrada

Leia mais

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA -

AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA - AVALIAÇÃO NACIONAL DA ALFABETIZAÇÃO MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA - EIXO ESTRUTURANTE: Leitura HABILIDADE H1. Ler palavras com estrutura silábica canônica H2. Ler palavras com estrutura silábica

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular ANÁLISE E TRATAMENTO DE DADOS Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 COMPONENTE CURRICULAR: BIOESTATÍSTICA CÓDIGO: ENF - 308 PRÉ-REQUISITO: Nenhum PERÍODO LETIVO: 2016.2

Leia mais

por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática

por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática por Cristiano Fagundes Guimarães Especialista Matemática Objetivos da Oficina Realizar a análise pedagógica dos resultados das avaliações de desempenho, aplicada no estado do Alagoas AREAL, para o (re)

Leia mais

IMPACTO DO PISO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS SESSÃO ESPECIAL NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA

IMPACTO DO PISO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS SESSÃO ESPECIAL NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA IMPACTO DO PISO NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS SESSÃO ESPECIAL NA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO DA CAMARA DOS DEPUTADOS BRASÍLIA - 19.05.2015 MILTON CANUTO DE ALMEIDA Consultor Técnico em: Financiamento, Planejamento

Leia mais

Programa Nacional. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Secretaria de Atenção à Saúde

Programa Nacional. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Programa Nacional Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Melhorar a qualidade do serviço de saúde do SUS, capacitando e integrando os trabalhadores e profissionais

Leia mais

Avaliações Educacionais e o Ensino de Ciências e Matemática: o Enem: avaliação do desempenho dos estudantes em Ciências da Natureza

Avaliações Educacionais e o Ensino de Ciências e Matemática: o Enem: avaliação do desempenho dos estudantes em Ciências da Natureza Avaliações Educacionais e o Ensino de Ciências e Matemática: o Enem: avaliação do desempenho dos estudantes em Ciências da Natureza Marta F. Barroso 1, Marcelo S.O. Massunaga 2, Gustavo Rubini 3 1 UFRJ

Leia mais

A PROVA BRASIL EM QUESTÃO

A PROVA BRASIL EM QUESTÃO A PROVA BRASIL EM QUESTÃO Jane Eire Rigoldi dos Santos 1 Elma Júlia Gonçalves Carvalho RESUMO: Este trabalho é parte integrante de uma pesquisa em andamento que investigará a política de avaliação no Brasil

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA VANDER LAGE MARTINS

INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA VANDER LAGE MARTINS INSTITUTO NACIONAL DE MATEMÁTICA PURA E APLICADA MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA VANDER LAGE MARTINS Trabalho de conclusão de Curso do Mestrado Profissional RIO DE JANEIRO - RJ 2014 INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUED CURSO DE SOFTWARES EDUCACIONAIS Este material foi elaborado como requisito de avaliação final da Oficina de Softwares Educacionais JClic, sob orientação da docente e assessora pedagógica Adriana Regina Rech, da equipe da Coordenação

Leia mais

Indicadores confeccionados com dados do IBGE

Indicadores confeccionados com dados do IBGE Indicadores confeccionados com dados do IBGE IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) Pesquisas domiciliares Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Censo Demográfico Taxa

Leia mais

Comparação da Teoria Clássica dos Testes com a Teoria de Resposta ao Item aplicado ao subteste Semelhanças da WASI

Comparação da Teoria Clássica dos Testes com a Teoria de Resposta ao Item aplicado ao subteste Semelhanças da WASI UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Comparação da Teoria Clássica dos Testes com a Teoria de Resposta ao Item aplicado ao subteste Semelhanças

Leia mais

Ensino Médio Noturno: Relato de Pesquisa. Romualdo Portela de Oliveira (FEUSP)

Ensino Médio Noturno: Relato de Pesquisa. Romualdo Portela de Oliveira (FEUSP) Ensino Médio Noturno: Relato de Pesquisa Romualdo Portela de Oliveira (FEUSP) romualdo@usp.br Qualidade: três dimensões Insumo Processo Produto Organização da Amostra Oito Estados (PA, RN, PB, MG, SP,

Leia mais

BAJO LA INFLUENCIA DE SELECCIÓN DE ÍTEMS EN LA ESTIMACIÓN DE COMPETENCIAS

BAJO LA INFLUENCIA DE SELECCIÓN DE ÍTEMS EN LA ESTIMACIÓN DE COMPETENCIAS BAJO LA INFLUENCIA DE SELECCIÓN DE ÍTEMS EN LA ESTIMACIÓN DE COMPETENCIAS Leandro Lins Marino 1, 1Fundación Cesgranrio e Escuela Nacional de Ciencias Estadísticas, Brasil leandromarino@leandromarino.com.br

Leia mais

A Qualidade do Ensino Médio no Brasil: o papel do gestor. Sergio Firpo, Professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco do Insper 26 de julho de 2016

A Qualidade do Ensino Médio no Brasil: o papel do gestor. Sergio Firpo, Professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco do Insper 26 de julho de 2016 A Qualidade do Ensino Médio no Brasil: o papel do gestor Sergio Firpo, Professor Titular da Cátedra Instituto Unibanco do Insper 26 de julho de 2016 % % Atendimento do Ensino Médio no Brasil Metas do PNE

Leia mais

CAMINHOS PARA A MELHORIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: A CONTRIBUIÇÃO DA GESTÃO

CAMINHOS PARA A MELHORIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: A CONTRIBUIÇÃO DA GESTÃO CAMINHOS PARA A MELHORIA DA EDUCAÇÃO BÁSICA: A CONTRIBUIÇÃO DA GESTÃO José Francisco Soares Presidente do INEP Objetivos Sucesso escolar é evidenciado por bons resultados. Onde há sucesso, há boa gestão.

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano)

AVALIAÇÃO SUMATIVA DE FINAL DE ANO (6.º ano) DE FINAL DE ANO (6.º ano) As competências essenciais deverão estar desenvolvidas. INTERNA A avaliação sumativa interna corresponde à avaliação de final de ano letivo EFEITOS DA INTERNA Condições de admissão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAPÁ IFAP CÂMPUS MACAPÁ 13 específica, de segunda-feira a sexta-feira e aos sábados, caso seja necessário para complementação do período letivo e/ou carga horária curricular. Cada aula tem durafao de 50min (cinquenta minutos),

Leia mais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais

SENAI. Linhas de atuação prioritárias : Educação Profissional e Tecnológica Inovação e Tecnologia Industriais SENAI Missão: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Linhas de atuação

Leia mais

MATEMÁTICA ÁLGEBRA LINEAR. 5ª Edição MATRIZES E DETERMINANTES. Vol. 1 EXERCÍCIOS. Colecção Matemática EDIÇÕES SÍLABO MANUEL ALBERTO M.

MATEMÁTICA ÁLGEBRA LINEAR. 5ª Edição MATRIZES E DETERMINANTES. Vol. 1 EXERCÍCIOS. Colecção Matemática EDIÇÕES SÍLABO MANUEL ALBERTO M. MATEMÁTICA ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES E DETERMINANTES Vol. EXERCÍCIOS MANUEL ALBERTO M. FERREIRA ª Edição Colecção Matemática EDIÇÕES SÍLABO COLEÇÃO MATEMÁTICA COLEÇÃO MATEMÁTICA INTEGRAIS MÚLTIPLOS E EQUAÇÕES

Leia mais

Probabilidades e Estatística

Probabilidades e Estatística Probabilidades e Estatística http://ltodi.est.ips.pt/probest Cursos Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Departamento EA, EACI, EEC, EI, EM 2º/4º 2009/2010 Matemática Matemática Professor Responsável

Leia mais

Consultora Externa da Diretoria de Avaliação da Educação Básica DAEB/Inep/MEC margaridarodrigues@uol.com.br

Consultora Externa da Diretoria de Avaliação da Educação Básica DAEB/Inep/MEC margaridarodrigues@uol.com.br Consultora Externa da Diretoria de Avaliação da Educação Básica DAEB/Inep/MEC margaridarodrigues@uol.com.br Resumo O presente artigo é resultante de uma pesquisa que teve por objetivo analisar os itens

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º IF663- COMPUTACAO L OBRIG 0 60 60 2.0 SF451- FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO OBRIG 60 0 60 4.0 INTRODUÇÃO À ANÁLISE E DISCUSSÃO DO FENÔMENO EDUCATUVO, CONSIDERANDO AS RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO E SOCIEDADE

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Metrologia Código da Disciplina: NDC 175 Curso: Engenharia de Produção Semestre de oferta da disciplina: 7 Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns (NDC) Programa

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA IDEB SAEB ENEM

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA IDEB SAEB ENEM SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA IDEB SAEB ENEM Camila Daltoé¹ Caroline Piroca¹ Daniel Skrsypcsak² Otília Maria Dill Wohlfart³ 1 - INTRODUÇÃO Esse trabalho tem como objetivo, explicar sobre o funcionamento

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Diagrama do Pré-projeto

Diagrama do Pré-projeto Diagrama do Pré-projeto Relembrando... A localização dos aerogeradores deve ser otimizada. O projeto deve considerar os seguintes itens: Limites do terreno; Áreas restritas; Direção predominante do vento;

Leia mais

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast

Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Vigilância em Saúde do Trabalhador Agenda Estratégica e a Renast Coordenação Geral de Saúde do Trabalhador Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Secretaria de Vigilância

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 05 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: GARÇA Área Profissional: INDÚSTRIA Habilitação Profissional: TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO DE TÉCNICO EM MECÂNICA

Leia mais