Técnicas de Robustez em projetos para redução de EMI e maior imunidade dos circuitos contra ESD (EMI)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Técnicas de Robustez em projetos para redução de EMI e maior imunidade dos circuitos contra ESD (EMI)"

Transcrição

1 Técnicas de Robustez em projetos para redução de EMI e maior imunidade dos circuitos contra ESD (EMI) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 1

2 Objetivos da Aula Ao término desta aula você irá: Conhecer algumas das principais normas internacionais relativas ao tema. Aprender algumas técnicas para adicionar robustez ao seu circuito eletrônico. Aprender a melhor forma de distribuição dos componentes eletrônicos na placa de circuito impresso Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 2

3 Objetivos da Aula Ao término desta aula você irá: Conhecer a melhor forma de distribuição de linhas de alimentação e aterramentos. Obter algumas dicas para um melhor roteamento de seu circuito eletrônico e para melhor adequação às normas técnicas de compatibilidade eletromagnética Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 3

4 Objetivos da Aula Ao término desta aula você irá: Obter algumas dicas de software para minimizar os problemas de EMI em suas aplicações microcontroladas Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 4

5 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 5

6 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 6

7 Introdução Definição de EMC: EMC (Compatibilidade Eletromagnética) é a capacidade de um dispositivo ou equipamento eletrônico de atuar de maneira satisfatória em um determinado ambiente, sem sofrer alterações devido aos ruídos eletromagnéticos ali gerados, e também sem gerar e emitir ruídos desta natureza, capazes de influenciar ou alterar o funcionamento de outros dispositivos e equipamentos 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 7

8 Introdução 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 8

9 Introdução Desta forma algumas questões são importantes: Porque devemos nos preocupar com EMC (Compatibilidade Eletromagnética) em nossos projetos? Como devemos proceder para o desenvolvimento de projetos eletrônicos em conformidade com EMC? É apropriado o uso de ferramentas para traçado automático de trilhas (autorouter)? 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 9

10 Introdução Porque devemos nos preocupar com EMC (Compatibilidade Eletromagnética) em nossos projetos? Resposta: Confiabilidade Funcionamento satisfatório e dentro do esperado Enquadramento nas normas Redução de custos 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 10

11 Introdução Como devemos proceder para o desenvolvimento de projetos eletrônicos em conformidade com EMC? Resposta: Com a finalidade de redução de custo e tempo de desenvolvimento é altamente recomendado que exista no projeto, desde sua concepção, a preocupação com EMC, evitando retrabalhos, além disso é importantíssimo o conhecimento relativo as normas e especificações que o produto deve atender Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 11

12 Introdução 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 12

13 Introdução É apropriado o uso de ferramentas para traçado automático de trilhas (autorouter)? Resposta: A ferramenta pode ser útil, mas dependerá muito do projetista, para verificações, correções e realização pré ou conjunta do traçado das trilhas Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 13

14 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 14

15 EMI : O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Eletromagnetic Interference Interferência Eletromagnética (conduzida ou radiada). EFT : Electrical Fast Transient Transientes Elétricos Rápidos (picos de pulsos positivos ou negativos). ESD : Eletrostatic Discharge. Descarga Eletrostática (geralmente transferida pelos dedos). EMC : Eletromagnetic Compatibility. Compatibilidade Eletromagnética (Conjunto de Normas Técnicas) Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 15

16 O que é EMI, EFT, ESD e EMC? As emissões podem ser: Irradiadas: São aquelas relacionadas a campos elétricos e magnéticos, trafegam pelo ar e são de alta frequência (acima de 30MHz). Conduzidas: São aquelas que trafegam através dos cabos e rede de alimentação, geralmente de baixa frequência (abaixo de 30MHz) Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 16

17 O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Os grandes vilões: o o o o o o o Rede elétrica Componentes reativos (indutores) Sistemas e dispositivos de potência Máquinas elétricas Sistemas e dispositivos chaveadores Descargas atmosféricas Dedos humanos 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 17

18 O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Descargas Eletrostáticas da ordem de dezenas de KiloVolts Pontos de manuseio e conectores são as portas de entrada para Descargas Eletrostáticas (ESD) provenientes do corpo humano Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 18

19 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 19

20 Algumas normas comuns: Emissão: CISPR 22 - Emissão Radiada e Emissão Conduzida Imunidade: IEC Descarga Eletrostática. IEC Campo Eletromagnético Radiado. IEC Transientes Elétricos Rápidos. IEC Surtos. IEC Rádio - Freqüência Conduzida. IEC Redução e Variação de Tensão Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 20

21 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 21

22 Critérios de Escolha: Filtros Muito cuidado ao escolher um filtro de linha a partir de um datasheet. Os filtros são especificados de acordo com a norma MIL220. Esta norma prevê que o filtro seja testado com impedância de entrada e saída em 50 Ohms. Na maioria dos casos esta condição não pode ser cumprida nos circuitos. Assim a atenuação do filtro no circuito real pode não cumprir a especificação do datasheet. O melhor é testá-lo na prática para cada circuito Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 22

23 Exemplo de Filtro de Linha Filtros 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 23

24 Filtros Exemplo de Filtro de Linha 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 24

25 Blindagens As blindagens são um dos meios mais eficientes para solucionar problemas de sensibilidade a EMI. Entretanto alguns cuidados devem ser levados em conta quando se pretende usar uma blindagem para um determinado circuito. A seguir serão mostrados critérios para dimensionamento de uma blindagem Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 25

26 Blindagens Blindagem Integral (Caixas Metálicas) Blindagem Individualizada (Comumente Usada em Caixas Plásticas) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 26

27 Blindagens Blindagem Integral Vantagens: Blindagem interna desnecessária Solução Barata* Blindagem Individualizada Vantagens: Mais completa e eficiente Evita problemas de auto irradiação Desvantagens: Nem sempre possível Não ajuda para problemas de auto irradiação Desvantagens: Cada sub-montagem precisa ser blindada (PCB, Cabos, etc) Solução geralmente muito cara 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 27

28 Blindagens Algumas dicas para cabos e chicotes: Menor comprimento possível Separação entre cabos de potência e controle Cuidado especial com os conectores Utilizar isolação e blindagem garantida e adequada (blindagem aterrada) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 28

29 Blindagens A Blindagem é perfeita quando não possui descontinuidade ou furos, pois o campo incidente induz uma corrente sobre a blindagem, que gera um campo de módulo igual e sentido contrário. Entretanto poucas vezes é possível este tipo de blindagem, principalmente por problemas de sobreaquecimento Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 29

30 Blindagens Cuidados a serem observados quando se usa blindagem perfurada. Quando a corrente tenta fluir através da fenda acopla mais campo para dentro da blindagem diminuindo o efeito da mesma Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 30

31 Blindagens Quando a corrente flui ao longo da fenda acopla menos campo para o outro lado da blindagem. Entretanto é impossível saber a polarização da onda que pode atingir a blindagem Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 31

32 Blindagens Qualquer descontinuidade na estrutura da Blindagem interrompe o fluxo de corrente e assim degrada a eficiência da mesma. Sendo assim, as melhores configurações de furos são aquelas que produzem as menores interrupções no fluxo da corrente, ou seja, redondos com os furos do tamanho adequado para blindar o comprimento de onda desejado Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 32

33 Considere: Blindagens d = diâmetro do furo = comprimento de onda incidente r = distância desde a blindagem até a fonte da onda incidente t = espessura da blindagem Então a atenuação da blindagem será: Se d > /2 a onda passa livremente pela blindagem Se d = /2 a atenuação da blindagem se aproxima de nulo Se d < /2 e a distância r > d então a atenuação da blindagem será dada por: R (db) = 20 Log λ / 2d Para: /2 >d >t Para múltiplos furos a atenuação será : R (db) = 20 Log λ / 2d 20 Log n onde: n é o número de furos 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 33

34 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 34

35 O circuito proposto COMM H.I.D. RS485 LCD 16x2 KEYS LED s System ICSP RS232-C C.P.U. dspic RTC ETHERNET Linear A/C REG. Inputs Control TRIFASIC SYNC Digital IN Temperature Sensors OP. AMPs Relay s 4 ~ 20 R S T SMPS 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 35

36 Pontos importantes Devemos ter grande atenção com: Alimentação e potência Circuito de RESET Circuito do oscilador Circuito de Gravação Conectores Circuitos de Controle Entradas 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 36

37 Master Clear Pontos importantes Nunca!!! ICSP 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 37

38 Desacoplamento VCC Pontos importantes VDDCORE Desacoplamento 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 38

39 Pontos importantes Bypass e Desacoplamento: Bypass: Capacitor, geralmente de baixa capacitânica e de cerâmica (devido a velocidade de atuação), responsável pela eliminação, ou minimização de ruídos de alta frequência. São aplicados após filtros e próximos aos microcontroladores e componentes digitais Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 39

40 Pontos importantes Bypass e Desacoplamento: Bypass: Auto ressonância dos capacitores: 1uF Com terminais 2,5MHz 1uF SMD 5MHz 0.1uF Com terminais 8MHz 0.1uF SMD 16MHz 0.01uF Com terminais 25MHz 0.01uF SMD 50MHz 1000pF Com terminais 80MHz 1000pF SMD 160MHz 100pF Com terminais 250MHz 100pF SMD 500MHz 10pF Com terminais 800MHz 10pF SMD 1,6GHz 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 40

41 Pontos importantes Bypass e Desacoplamento: Bypass: Curto-circuito para faixas de frequência diferentes 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 41

42 Pontos importantes Bypass e Desacoplamento: Desacoplamento: Filtro passa-baixa, utilizado para desacoplar circuitos de alimentação comuns e evitar a propagação de ruídos Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 42

43 Pontos importantes Gravação In-Circuit - ICSP Para MCLR via Resistor 100R Proteção Mínima Caso os pinos de gravação forem utilizados como I/O, desacoplar com resistor!!! 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 43

44 Pontos importantes Conector com transformador acoplado 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 44

45 Pontos importantes Conectores (Proteção contra ESD): Descarga Eletrostática Proteção na entrada 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 45

46 Pontos importantes Condicionamento e proteções Entradas 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 46 GND

47 Fonte Linear Pontos importantes Da Fonte SMPS A) Ligação em Série das Fontes Lineares (Distribuição de Carga e Potências). B) Separar Alimentação Digital da Analógica Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 47

48 Pontos Importantes Chaveamento de Relês - Sinal Geração de EFT A) Proteção contra Tri-State. B) Proteção contra tensão reversa da bobina Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 48

49 Pontos Importantes Chaveamento de Relês - Potência Geração de EFT COMUM CTRL 1 Adicionar um circuito Snubber simples Em cada contato seco 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 49

50 Pontos Importantes Circuito Oscilador Posicionamento próximo ao microcontrolador Conexões curtas e diretas Capacitores dentro da faixa de valores recomendada no datasheet Blindagem 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 50

51 Pontos Importantes Circuito Oscilador características de EMI 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 51

52 Pontos Importantes Quando não utilizar o oscilador interno? Resposta: Quando a precisão na frequência for de grande importância no projeto, por exemplo para canais de comunicação Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 52

53 Circuito Oscilador Pontos Importantes 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 53

54 O circuito proposto COMM H.I.D. RS485 LCD 16x2 KEYS LED s System ICSP RS232-C C.P.U. dspic RTC ETHERNET Linear A/C REG. Inputs Control TRIFASIC SYNC Digital IN Temperature Sensors OP. AMPs Relay s 4 ~ 20 R S T SMPS 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 54

55 Blocos do circuito na área da PCI Controle (Relês) Isolação Teclado E LED s RS232-C LCD ETHERNET Sinais Digitais Isolação Secondary REG. Lineares dspic R T C RS 485 ICSP Circuito C.A. A.T. SMPS Primary Entradas Digitais Entradas Analógicas (Temperatura) 4 a 20mA 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 55

56 Blocos do circuito na área da PCI Considerações: Definição dos Blocos no esquema elétrico Definição dos setores na PCI Definição das saídas dos cabos Identificação dos setores Sensíveis (Susceptibilidade) Identificação dos setores Agressivos (Emissão) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 56

57 Posicionando os componentes Display Saídas a Relês Botões LED s RS232 Ethernet Sinais Digitais Secundário SMPS Reg. Lineares dspic RTC RS485 ICSP Alta Tensão Primário SMPS Entradas Digitais Entradas Analógicas 4 a 20 ma 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 57

58 Posicionando os componentes Considerações: Região Secundário SMPS Garantir o Diodo retificador e o Capacitor eletrolítico o menor caminho possível entre positivo do transformador e o negativo do transformador. Região Saída a Relês Deve sempre que possível estar em um canto da placa para garantir que não passe nenhuma pista de outros setores sob esta região. Região Sinais Digitais Devem ser posicionados de forma a permitir a saídas das ligações fora da região dos Relês. Demais regiões ficarão na área do plano de terra Digital Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 58

59 Posicionando os componentes Considerações: Região de Alta tensão e primário da SMPS, garantir uma isolação mínima de 5mm entre esta região e o restante da placa. Quando a aplicação exigir isolação extra: Região com abertura na PCI, para aumento da isolação elétrica 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 59

60 Linhas de Alimentação e Terra Métodos de Aterramento Ponto Ponto Único Único Multi-Ponto Multi-Ponto Aceitável Preferencial apenas para para Baixas Freqüências Baixas Freqüências Preferencial para RF Alta Freqüências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 60

61 Linhas de Alimentação e Terra Métodos de Aterramento 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 61

62 Linhas de Alimentação e Terra Métodos de Aterramento 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 62

63 Linhas de Alimentação e Terra Métodos de Alimentação Ruim Em Cadeia Ótima - Ponto Único 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 63

64 Linhas de Alimentação e Terra Métodos de Alimentação ESTRELA Op Amp MCU A/D Serial memory - Boa e Prática! Control 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 64

65 Linhas de Alimentação e Terra Roteamento de Alimentação Melhor Ruim Bom Ótimo 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 65

66 Linhas de Alimentação e Terra Desacopladores Capacitor de desacoplamento com trilhas muito longas (Agrega circuito LR) Solução boa (Mais fácil de usar em multilayer) Solução Ideal 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 66

67 Linhas de Alimentação e Terra Alimentação Digital 12V 3V3 5V 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 67

68 Linhas de Alimentação e Terra Alimentação Analógica AVDD AGND 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 68

69 Linhas de Alimentação e Terra Plano Terra - Montagem 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 69

70 Linhas de Alimentação e Terra Plano Terra - Soldagem 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 70

71 Considerações: Alimentação e Terras 12V Dividir a partir do secundário da Fonte para as 3 regiões. 5V - Entrada para os reguladores de 3V3 e outras regiões sempre a partir dos capacitores. 3V3 - Digital Ponto de partida para a distribuição na placa a partir do capacitor do regulador de 3V3. 3V3 Analógico Sai direto do capacitor do regulador para o dspic Terra Analógico - Sai direto do capacitor do regulador para o dspic (este terra é unido ao terra digital no capacitor do regulador.) Terra Digital para este projeto foi usado plano de terra de baixa impedância. Para garantir que o plano tenha uma baixa impedância utilizar o máximo de interligação do plano de terra entre o lado inferior e superior da placa. Os capacitores de desacoplamento devem sempre estar perto do pino que ele desacopla Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 71

72 Roteamento de Sinais Pistas de Sinais (Montagem) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 72

73 Roteamento de Sinais Pistas de Sinais (Soldagem) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 73

74 Considerações: Roteamento de Sinais O roteamento dos sinais sempre deve ser feito dentro das regiões definidas na disposição dos componentes. O Sinal do cristal deve ser o menor possível Os sinais Sensíveis (Susceptibilidade à EMI ) devem ser blindados com o plano de terra. Os sinais Agressivos ( Emissão de EMI ) devem estar o mais afastado possível dos outros sinais. Fazer as ligações menores possíveis para garantir uma grande área de terra Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 74

75 Roteamento de Sinais Algumas dicas extras: Trilhas longas podem ser consideradas como uma Antena. Cuidado paralelismo de trilhas gera capacitores Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 75

76 Finalizando a PCI Pistas + Alimentação + Plano Terra (Montagem) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 76

77 Finalizando a PCI Pistas + Alimentação + Plano Terra (Soldagem) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 77

78 Placa (Montagem) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 78

79 Placa (Soldagem) 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 79

80 Considerações Finais Pensar em EMI desde o início do projeto. Procurar fazer o esquema elétrico com cuidados de robustez do projeto. Definir com clareza os blocos no esquema elétrico. Fazer a distribuição dos blocos na PCI de forma a minimizar o cruzamento de sinais sensíveis e agressivos. Fazer as alimentações e terra com baixa impedância. Ligar a placa seguindo as regiões definidas na disposição de componentes Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 80

81 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 81

82 Dicas de software Técnicas de software para minimizar os efeitos dos ruídos e irradiações. Entradas digitais: Realização de Pooling ou então medição de tempo do sinal Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 82

83 Dicas de software Técnicas de software para minimizar os efeitos dos ruídos e irradiações. Uso de watchdog timer: Priorizar uso de apenas 1 WDT e com verificação e recarga apenas na função principal. Pinos de interrupção: Sempre verificar o status do pinos antes de prosseguir com a função de interrupção. Entradas de A/D: Realização de várias amostragens e média dos valores 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 83

84 Agenda Introdução O que é EMI, EFT, ESD e EMC? Algumas normas comuns Conhecendo alguns filtros e blindagens Estudo de caso (criação de PCB) Dicas do software Referências 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 84

85 Referências para mais informações Application Notes (Microchip): AN943-Practical PICmicro Oscillator Analysis and Design AN823-Analog Design in a Digital World Using Mixed Signal Controllers AN595-Improving the Susceptibility of an Application to ESD AN688-Layout Tips for 12-Bit A/D Converter Application 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 85

86 EMC Newsletter Referências para mais informações Disponível em: EMC Design Center Home->Application Design Center-> EMC Design Center EMC Web Seminars Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 86

87 Referências para mais informações Federal Communications Commission International Electrotechnical Commission MIL Standards (military) Society of Automotive Engineers Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 87

88 Dúvidas? 2009 Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 88

89 A Equipe Microchip Agradece a sua Presença Microchip Technology Incorporated. All Rights Reserved. Slide 89

Fundação de Ciência e Tecnologia - Seminário 2012 - A Compatibilidade Eletromagnética em Equipamentos Eletrônicos

Fundação de Ciência e Tecnologia - Seminário 2012 - A Compatibilidade Eletromagnética em Equipamentos Eletrônicos Fundação de Ciência e Tecnologia - Seminário 2012 - A Compatibilidade Eletromagnética em Equipamentos Eletrônicos Eng. Marcio Hugo Caloy - EMC TECNOLOGIA 1 Propósito O propósito desta apresentação é a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP

Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Nova Linha de Equipamentos Trifásicos Classic-DSP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469

Leia mais

APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD

APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD APOSTILA DE TREINAMENTO E DICAS DE REPARO TELEVISORES LCD INDICE DIAGRAMA EM BLOCOS... Pg. 03 AC INPUT... Pg. 04 POWER... Pg. 05 FONTE STANDBY... Pg. 06 PFC FONTE... Pg. 07 FONTE ALTA I... Pg. 08 FONTE

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

Laboratório de Processadores Confecção das PCIs

Laboratório de Processadores Confecção das PCIs Laboratório de Processadores Confecção das PCIs Para a confecção das PCIs (Placa de Circuito Impresso) foram compiladas algumas sugestões práticas para o bom desenvolvimento das mesmas. Estas recomendações

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com.

PROJETO. Ponte Digital. http://www.pontedigital.hpg.ig.com.br/ Luciano Daniel Amarante - carabina@pop.com.br Ricardo Watzko - rw@netuno.com. Ponte levadiça digital... Projeto semestral primeira fase de 2003 Engenharia de Computação 4 período Em breve aqui novos projetos... Página inicial Pré-projeto Projeto FOTOS e Vídeos Funcionamento Esboços

Leia mais

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências.

3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. 34 3. PCB de múltiplas camadas operando em altas freqüências. Ao longo do presente capítulo os substratos e condutores empregados em placas de circuito impresso, em taxas muito elevadas, serão introduzidos.

Leia mais

Construindo um Filtro de Linha

Construindo um Filtro de Linha Construindo um Filtro de Linha Eng Roberto Bairros dos Santos. Um empreendimento Bairros Projetos didáticos> Este artigo descreve como construir de forma prática um filtro de linha para PC. 1 Índice: Conteúdo:

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Ruído, Interferência

Instrumentação e Técnicas de Medidas. Ruído, Interferência Instrumentação e Técnicas de Medidas Ruído, Interferência Controle de Versões 2013 Versão 1 Instrumentação e Técnicas de Medidas (ITM) Com base nas notas de aula de COB783 e Op Amp Applications Handbook,

Leia mais

Modulador e demodulador PWM

Modulador e demodulador PWM Modulador e demodulador PWM 2 ATENÇÃO O autor não se responsabiliza pelo uso indevido das informações aqui apresentadas. Danos causados a qualquer equipamento utilizado juntamente com os circuitos aqui

Leia mais

EMC e proteção contra raios

EMC e proteção contra raios A proteção de sistemas de telecomunicações contra descargas atmosféricas e seus efeitos (raios) é normalmente considerada fora da área EMC (EMC Electromagnetic Compatibility) uma vez que na área EMC objetivamos

Leia mais

D. PROJETO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO - BÁSICO

D. PROJETO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO - BÁSICO D. PROJETO DE PLACAS DE CIRCUITO IMPRESSO - BÁSICO Tab. D.1 Relação entre unidade imperial e métrica. Imperial (polegada) Métrica (mm) Nome usual 1 25,4 (2,54cm) 1 inch pitch ou pitch 0.2 5,08 0.2 inch

Leia mais

Mód. 32 SD Relé NA - "Check Before Operate"

Mód. 32 SD Relé NA - Check Before Operate 1. Descrição do Produto O módulo AL-3202 é uma interface de saída digital, de 32 pontos, a relé, microprocessada, cuja principal característica é implementar a operação com "check before operate", sendo

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

Leitor ATG25A-CT (Cabo Preto)

Leitor ATG25A-CT (Cabo Preto) Leitor ATG25A-CT (Cabo Preto) Esse leitor é para ser usado conectado à uma controladora através das interfaces Wiegand, Abatrack, RS232 ou RS485. Ao colocar-se o tag ativo dentro do seu limite de leitura,

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

Guia de Instalação Rápida PLC KL320. Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX

Guia de Instalação Rápida PLC KL320. Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX Guia de Instalação Rápida PLC KL320 Keylogix, abrindo portas para a automação industrial. KEYLOGIX 1. Cuidados Iniciais Prezado cliente, você está recebendo o PLC KL320, um Controlador Lógico Programável,

Leia mais

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica 1 Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica João Alexandre da Silveira autor do livro Experimentos com o Arduino Apresentação Uma bancada de Eletronica é um pequeno laboratório de montagens

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso

Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Objetivo: Introdução ao Projeto de Placas de Circuito Impresso Prof. Stefano Apresentar algumas considerações iniciais para permitir ao estudante se familiarizar com a placa de circuito impresso (PCI),

Leia mais

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE

INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE Catálogo Técnico INDICADOR DE POSIÇÃO DE TAP DIGITAL - IPTE CATÁLOGO TÉCNICO ÍNDICE CATÁLOGO TÉCNICO... 1 INTRODUÇÃO... 2 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 2 DADOS TÉCNICOS... 3 ENSAIOS DE TIPO REALIZADOS...

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABOS E CONECTORES. Professor Carlos Muniz

CABEAMENTO ESTRUTURADO CABOS E CONECTORES. Professor Carlos Muniz CABEAMENTO ESTRUTURADO INTRODUÇÃO Nos últimos anos muito se tem discutido e falado sobre as novas tecnologias de hardware e software de rede disponíveis no mercado. Engana-se, porém, quem pensa que estes

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 TUTORIAL DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 TUTORIAL DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 TUTORIAL DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o esquema eletrônico, da

Leia mais

CONTROLE REMOTO VEICULAR

CONTROLE REMOTO VEICULAR Hamtronix MCR300EA Manual de Instalação e Operação Software A Hardware Revisão E ÍNDICE Índice... 02 Suporte Online... 02 Termo de Garantia... 02 COMO FUNCIONA Funcionamento das saídas... 03 Funcionamento

Leia mais

Laboratório de Processadores. Dicas para elaborar um layout de um placa de circuito impresso (PCI)

Laboratório de Processadores. Dicas para elaborar um layout de um placa de circuito impresso (PCI) Laboratório de Processadores Prof. Anderson Royes Terroso www.aterroso.com Dicas para elaborar um layout de um placa de circuito impresso (PCI) Este material foi desenvolvido com o objetivo de apresentar

Leia mais

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605

Suporta os microcontroladores: R. Leonardo da Vinci, 883 - Campinas/SP CEP 13.077-009 F.: (19) 4141.3351 / 3304.1605 Suporta os microcontroladores: PIC16F877A, PIC18F452, PIC18F4520, PIC18F4550, PIC 18F876A, PIC18F252, PIC18F2550 e outros com 28 e 40 pinos O Kit de desenvolvimento ACEPIC PRO V2.0 foi projetado tendo

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: info@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones: 55

Leia mais

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo DM Catálogo Módulo de Aquisição de Dados e Controle O Módulo de Aquisição de Dados e Controle - DM efetua a interface de sistemas digitais com qualquer equipamento analógico ou eletromecânico que não possui

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o layout para ligação da antena do módulo ME1513, de

Leia mais

DRIVES. Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência. Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline

DRIVES. Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência. Edição 08.2002. IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline s DRIVES Instruções para Instalações de Conversores de Freqüência Edição 08.2002 IND 1 Drives technology Suporte Técnico Drives Hotline ÍNDICE INTRODUÇÃO...2 A IMPORTÂNCIA DO REATOR DE SAÍDA...2 FILTROS

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02

Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03. - 1 - Rev02 Data Sheet FBEE IEEE 802.15.4 SUPORTA PROTOCOLOS ZIGBEE E MIWI REV 03 Este equipamento opera em caráter secundário, isto é, não tem direito a proteção contra interferência prejudicial, mesmo de estações

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07

Índice. Utilizando o integrado 555... 03. Operação monoestável (Temporizador)... 06. Operação astável (Oscilador)... 07 Utilizando o CI 555 Índice Utilizando o integrado 555... 03 Operação monoestável (Temporizador)... 06 Operação astável (Oscilador)... 07 O circuito integrado 556... 10 Aplicações úteis... 11 Gerador de

Leia mais

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only.

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only. Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only. BUG - Mini transmissor FM Os transmissores são as montagens favoritas dos rádios aficcionados: Temos um

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

REDUZA CUSTOS E TEMPO DE STARTUP APLICANDO CORRETAMENTE AS TÉCNICAS DE ATERRAMENTO E ISOLAÇÃO. Rodrigo Zereu zereu@novus.com.br

REDUZA CUSTOS E TEMPO DE STARTUP APLICANDO CORRETAMENTE AS TÉCNICAS DE ATERRAMENTO E ISOLAÇÃO. Rodrigo Zereu zereu@novus.com.br REDUZA CUSTOS E TEMPO DE STARTUP APLICANDO CORRETAMENTE AS TÉCNICAS DE ATERRAMENTO E ISOLAÇÃO Rodrigo Zereu zereu@novus.com.br MOTIVAÇÃO Com a evolução dos sistemas de automação em busca de eficiência

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

Cerne Tecnologia e Treinamento

Cerne Tecnologia e Treinamento Tecnologia e Treinamento Tutorial para Testes na Placa GSM I/O (21)3062-1711 (11)4063-1877 Skype: suporte.cerne-tec MSN: suporte.cerne-tec@hotmail.com www.cerne-tec.com.br Kits Didáticos e Gravadores da

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00

MANUAL DE INSTRUÇÕES EFA72C35-A/00 Histórico N. Doc. Revisão Data Descrição Aprovado 601165 A 24/01/14 Inicial Faria Executado: Edson N. da cópia: 01 Página 1 de 7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 2- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS E MECÂNICAS 2.1 - Entrada

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Desenvolvimento de Hardware utilizando ferramentas CAD/CAE

Desenvolvimento de Hardware utilizando ferramentas CAD/CAE Desenvolvimento de Hardware utilizando ferramentas CAD/CAE Gilson Yukio Sato Objetivo Estudando este texto, participando do fórum de discussão, da videoconferência e da sala de bate-papo você vai: Conhecer

Leia mais

INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA

INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EMI_EMC EMC EM SATÉLITES E AMBIENTES DE TESTE 1 INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA Degradação do desempenho de um equipamento, canal de transmissão ou sistema, causada por uma perturbação eletromagnética. COMPATIBILIDADE

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011. Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO

PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011. Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO PORTFOLIO DOS PRINCIPAIS PROJETOS REALIZADOS ENTRE 2005 E 2011 Bruno Márcio Diogo Venâncio bruno@venancio.ind.br PROJETOS NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Projeto: Placa mãe STD-7100 UAC (unidade de Aquisição e Controle).

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3 Índice Dia 05 de fevereiro de 2014....2 Apresentação... 2 Dia 12 de fevereiro de 2013....3 -Processador... 3 -Von Neumann... 3 -Harvard... 4 -Von Neumann x Harvard... 4 -Equipamentos que utilizam a arquitetura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA APRESENTADOR: FERNANDO BELTRAME, ENG. ORIENTADOR:

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08

Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Manual de instalação e configuração do módulo de saídas NSR-08 Sumário DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS...4 LED DE STATUS DO MODULO...4 ESQUEMA DE LIGAÇÕES...5 LIGAÇÃO DO CABO DE COMUNICAÇÃO...6

Leia mais

Proposta Técnica NOBREAK CLASSIC-DSP

Proposta Técnica NOBREAK CLASSIC-DSP Proposta Técnica NOBREAK CLASSIC-DSP Informações A linha de nobreaks Classic-DSP é um avançado Sistema Ininterrupto de Potência (UPS) do tipo on-line de dupla conversão (de acordo com a NBR 15014:2003),

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Fontes de Alimentação Repetidoras. IsoAmp PWR A 20100

Fontes de Alimentação Repetidoras. IsoAmp PWR A 20100 Fontes de Alimentação Repetidoras Fonte de alimentação repetidora em alojamento de 6 mm com chaveamento calibrado dos sinais de saída, transmissão HART e separação protetora. A Tarefa Alimentação flexível

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 30/08/2009 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Eletrônica Em um circuito ressonante LC paralelo (bobina em paralelo com capacitor fixo), quando se introduz na bobina um núcleo de ferrita, o que ocorre com a freqüência

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

MÓDULO DE CONTROLE REMOTO

MÓDULO DE CONTROLE REMOTO Hamtronix MCR400 Manual de Instalação e Operação Software A/B/C Hardware Rev. B ÍNDICE Suporte Online... 02 Termo de Garantia... 02 Descrição do Produto... 03 Versões do Software... 03 Funcionamento das

Leia mais

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200

INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 B17 7000 002 REV. 6 06/11 1/8 12.00 48 x 96 mm INDICADOR DE VELOCIDADE / TACÔMETRO DIGITAL modelo UW1200 Manual de Instruções (Junho/2011) Manual de Instruções - UW1200 1 / 8 ÍNDICE 1 - DESCRIÇÃO GERAL...

Leia mais

Maior fabricante nacional de nobreaks e estabilizadores, com mais de 18 milhões de equipamentos vendidos.

Maior fabricante nacional de nobreaks e estabilizadores, com mais de 18 milhões de equipamentos vendidos. 1 SMS. Soluções com um diferencial exclusivo: a experiência de um líder de mercado. A SMS é líder no segmento de equipamentos para proteção de energia. São mais de 18 milhões de equipamentos vendidos em

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital

LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital 2014.02 LABORATÓRIO N.º 1 Uso do Módulo Digital e Iniciação a Eletrônica Digital Nome do Aluno(a) I PRIMEIROS CONTATOS COM A I.1- Introdução Na primeira parte das atividades deste roteiro o aluno entrará

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Apresentação Linha de Produtos

Apresentação Linha de Produtos Apresentação Linha de Produtos Linha de Atuação Foco da Empresa Equipamentos para instalações de CFTV Linhas de Produtos - Conversores de Vídeo Passivos - Conversores de Vídeo Ativos - Isoladores de Sinal

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP

Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Manual de instalação e configuração do módulo de entradas WEBER-REP Sumário CONVENÇÕES UTILIZADAS...3 DESCRIÇÃO GERAL...4 VANTAGENS...4 CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS...4 ESPECIFICAÇÕES GERAIS...5 LED DE STATUS

Leia mais

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01

SENSORES INDUSTRIAIS. Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 SENSORES INDUSTRIAIS Prof. Jeferson L. Curzel 2013/01 Tópicos 1. Chaves fim de curso 2. Sensores de proximidade indutivos 3. Sensores de proximidade capacitivos 4. Sensores fotoelétricos 5. Seleção de

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria

Conceitos básicos de Componentes SMD. Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Conceitos básicos de Componentes SMD Eng. Décio Rennó de Mendonça Faria Maio de 2014 Componentes em SMD Atualmente, nos equipamentos eletrônicos modernos, a utilização de resistores e capacitores convencionais

Leia mais

Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas

Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas 26 O Setor Elétrico / Setembro de 2009 Compatibilidade Eletromagnética em Sistemas Elétricos Capítulo IX Proteção contra descargas atmosféricas Por Roberto Menna Barreto* Entre as diferentes fontes de

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS

Leia mais