ANÁLISE DE INTERFERÊNCIAS ELETROMAGNÉTICAS EM SISTEMAS MULTIMÍDIA COM BLUETOOTH EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE INTERFERÊNCIAS ELETROMAGNÉTICAS EM SISTEMAS MULTIMÍDIA COM BLUETOOTH EM VEÍCULOS AUTOMOTORES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA JONES EDUARDO EGYDIO ANÁLISE DE INTERFERÊNCIAS ELETROMAGNÉTICAS EM SISTEMAS MULTIMÍDIA COM BLUETOOTH EM VEÍCULOS AUTOMOTORES DISSERTAÇÃO DE MESTRADO SANTO ANDRÉ SP 2014

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA JONES EDUARDO EGYDIO ANÁLISE DE INTERFERÊNCIAS ELETROMAGNÉTICAS EM SISTEMAS MULTIMÍDIA COM BLUETOOTH EM VEÍCULOS AUTOMOTORES DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Dissertação apresentada ao Curso de Pós-graduação da Universidade Federal do ABC, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Engenharia Elétrica. Orientador: Prof. Dr. Álvaro Batista Dietrich Coorientador: Prof. Dr. Marcelo Bender Perotoni SANTO ANDRÉ SP 2014

3

4 Este exemplar foi revisado e alterado em relação à versão original, de acordo com as observações levantadas pela banca no dia da defesa, sob responsabilidade única do autor e com a anuência de seu orientador. Santo André, de de Assinatura do autor Assinatura do orientador

5 i Dedicado à minha família.

6 AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Alvaro Batista Dietrich pela oportunidade de realizar este trabalho, além da orientação, estimulo e condução do mesmo. Agradeço-lhe ainda pela paciência e confiança durante nossas conversas ao longo do desenvolvimento da pesquisa. Ao Prof. Dr. Marcelo Bender Perotoni pelo auxilio incondicional principalmente nos aspectos computacionais e na realização dos ensaios utilizados nesse trabalho e a sua disposição em compartilhar seus amplos conhecimentos. Ao Prof. Dr. Stilante Koch Manfrin pelo auxílio dado na realização dos ensaios mostrados nesse trabalho e suporte com seus essenciais comentários e sugestões para se obter os resultados esperados. Aos colegas Michel Gavião e Daniel Pinheiro Carlesimo pela amizade e apoio durante todo este período em que compartilhamos as idas e vindas a UFABC. Aos colegas Eng. José Reis e Eng. Sérgio Carriel pelo apoio e suporte aos equipamentos de medida e amostras de cabeamento (chicote elétrico) utilizados durante a realização dos ensaios. Ao meu colega de trabalho e professores da Escola de Engenharia Mauá Prof. Dr. Thiago Antonio Grandi de Tolosa e Prof. Dr. Hector Alexandre Chaves Gil pelo fundamental apoio para conclusão desse trabalho. Aos Srs. Eng. Roberto Pereira Ramos, Eng. Attila Budavari, Eng. Eduardo Almeida e Eng. Felipe Vilasboas pelo incentivo e confiança pela busca do título de mestre em engenharia elétrica. Aos meus amigos e familiares pela paciência e palavras apoio durante os períodos de ensaios e elaboração desse trabalho. Por fim, agradeço a Deus por seu incansável trabalho a favor de nossas vidas. ii

7 O que sabemos não é muito. O que não sabemos é imenso. Pierre Simon Laplace (23 de Março de de Março de 1827) Tenho a impressão de ter sido uma criança brincando à beira-mar, divertindo-me em descobrir uma pedrinha mais lisa ou uma concha mais bonita que as outras, enquanto o imenso oceano da verdade continua misterioso diante de meus olhos. Sir Isaac Newton (04 de Janeiro de de Março de 1727) iii

8 RESUMO Com a crescente utilização da eletrônica embarcada nos veículos atuais em produção, surgiu uma preocupação sobre os efeitos causados por campos eletromagnéticos em módulos e sistemas eletrônicos. Esses campos podem ser gerados por fontes intencionais, como por exemplo, uma emissora de rádio ou devido a uma fonte não intencional, isto é, um campo gerado pelo funcionamento de outro sistema eletrônico, pelo próprio módulo ou pelo cabeamento utilizado para a conexão elétrica desses dispositivos. Desta forma, o objetivo desse trabalho é avaliar a intensidade de um campo eletromagnético irradiado pelo próprio veículo em seu interior, na região onde geralmente é instalado o rádio/gps ou sistema multimídia e verificar a possibilidade deste campo interferir no funcionamento do Bluetooth. Alguns ensaios foram conduzidos e os campos irradiados pelo veículo em determinadas situações de funcionamento foram medidos. Ademais, utilizando o software de simulação CST (Computer Simulation Technology), realizou-se uma proposta para a abordagem de modelamento computacional dessas medidas na região do painel de instrumentos do veículo. Os resultados obtidos nos ensaios mostraram que o sistema elétrico do veículo não produz campos ou ruídos eletromagnéticas que possam interferir no funcionamento do Bluetooth. Também verificou-se que o CST pode ser utilizado como uma importante ferramenta de modelagem computacional. Portanto, esse trabalho fornece requisitos para um refinamento dos processos de medição e simulação dos efeitos de EMC (Electromagnetic Compatibility) e constata que há alternativas para redução de recursos financeiros de forma direta e na agilidade de se obter diferentes cenários de simulação. Palavras chave: Campos eletromagnéticos, software simulação, EMC. iv

9 ABSTRACT With the increasing use of electronics in current production vehicles, a concern about the effects caused by electromagnetic fields in modules and electronic systems emerged. These fields can be generated by intentional sources, such as a broadscast transmitter or due to an unintentional source, i.e., a field generated by the operating system, for itself or other electronic cabling used for the electrical connection of these devices. Thus, the aim of this study is to evaluate the intensity of an electromagnetic field radiated by the vehicle itself within, the region where the radio / GPS or multimedia system is usually installed and consequently the possibility of this field interfered with Bluetooth. Tests were conducted and the radiated fields in certain operating situations were measured. Moreover, using the simulation software CST (Computer Simulation Technology), there was a proposal for early computational modeling of such measures on the vehicle instrument panel area. The test obtained results showed that the vehicle's electrical system does not produce noise or electromagnetic fields that can interfere with existing Bluetooth operation. Furthermore, it was found that the CST could be used as an important tool of computer modeling. Therefore, this work provides requirements for a refinement of current procedures on the measurement and simulations. It points out directions for alternatives on the cost reduction related to these studies, as well as agility different simulation scenarios. Keywords: Electromagnetic Fields, simulation software, EMC. v

10 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1: Exemplo de estudo de simulação para dimensionamento de antenas [15].. 7 Figura 2: Exemplo de estudo de simulação para dimensionamento de antenas [15].. 8 Figura 3: Modelo de um sistema sob o ponto de vista de EMC [3] Figura 4: Susceptibilidade vs. Imunidade [3] Figura 5: Formas de interferência eletromagnética [18] Figura 6: Conceito de Componente e Sistema [3] Figura 7: Conceito de Ponto de Radiador Isotrópico [3] Figura 8: Antena Bicônica [21] Figura 9: Antena Piramidal (Horn) [22] Figura 10: Antena LPDA [22] Figura 11: Esquema de ensaio previsto na CISPR 12 [23] Figura 12: Gerador de Campo E-H [23] Figura 13: Fator de Antena: a) Função de Transferência; b) Circuito Geral; c) Circuito Equivalente [29] Figura 14: Comparação da discretização da geometria pelo Método das Diferenças Finitas (a) e Método dos Elementos Finitos (b) [35] Figura 15: Aplicação do método FE-BI [38] Figura 16: Comparativo entre FEM e FE-BI [38] Figura 17: Antena Far-field Pattern a = 90º [38] Figura 18: Exemplo de aplicação da Técnica de Integração Finita no Domínio do Tempo [41] vi

11 Figura 19: Aproximação de uma geometria pelo método PBA Figura 20: Aproximação de uma geometria pelo método PBA Figura 21: Primeiro rádio lançado para automóveis [49] Figura 22: Crescimento da aplicação de sistemas elétricos e eletrônicos embarcados [50] Figura 23: Processo de desenvolvimento de produto [55] Figura 24: Curvas de custo durante o processo de desenvolvimento de um produto [56] Figura 25: Região de instalação do módulo de Bluetooth Figura 26: Subsolo do Bloco A Campus UFABC Santo André Figura 27: Fases das medições Figura 28: Região de medições Figura 29: Esquema simplificado da Arquitetura Elétrica do veículo usado nos ensaios [15] Figura 30: Instalação do módulo de Bluetooth Figura 31: Ponta de prova instalada no interior do veículo Figura 32: Equipamentos montados para medição na Etapa 2 e Etapa Figura 33: Segunda tentativa de medição na Etapa 2 e Etapa Figura 34: Configurações do RFEX para medição na Etapa 1 (200MHz à 6GHz) Figura 35: Configurações do RFEX para medição na Etapa 2 (2KHz à 200MHz) Figura 36: Sequência das Etapas de medição Figura 37: Resultados dos testes da Sequência 1 Field Strenght [V/m] vii

12 Figura 38: Resultados dos testes da Sequência 2 Field Strenght [V/m] Figura 39: Resultados dos testes da Sequência 3 Field Strenght [V/m] Figura 40: Resultados dos testes da Sequência 4 Field Strenght [V/m] Figura 41: Resultados dos testes da Sequência 5 Field Strenght [V/m] Figura 42: Resultados dos testes da Sequência 6 Field Strenght [V/m] Figura 43: Resultados dos testes da Sequência 7 Field Strenght [V/m] Figura 44: Resultados dos testes da Sequência 8 Field Strenght [V/m] Figura 45: Resultados dos testes da Sequência 9 Field Strenght [V/m] Figura 46: Resultados dos testes da Sequência 10 Field Strenght [V/m] Figura 47: Resultados dos testes da Sequência 1 Field Level [db µv/m] Figura 48: Resultados dos testes da Sequência 2 Field Level [db µv/m] Figura 49: Resultados dos testes da Sequência 3 Field Level [db µv/m] Figura 50: Resultados dos testes da Sequência 4 Field Level [db µv/m] Figura 51: Resultados dos testes da Sequência 5 Field Level [db µv/m] Figura 52: Resultados dos testes da Sequência 6 Field Level [db µv/m] Figura 53: Resultados dos testes da Sequência 7 Field Level [db µv/m] Figura 54: Resultados dos testes da Sequência 8 Field Level [db µv/m] Figura 55: Resultados dos testes da Sequência 9 Field Level [db µv/m] Figura 56: Resultados dos testes da Sequência 10 Field Level [db µv/m] Figura 57: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 1 Field Strength [V/m] viii

13 Figura 58: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 2 Field Strength [V/m] Figura 59: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 3 e Sequência 4 Field Strength [V/m] Figura 60: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 1 Field Level [db µv/m] Figura 61: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 2 Field Level [db µv/m] Figura 62: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 3 e Sequência 4 Field Level [db µv/m] Figura 63: Resultados dos testes da Etapa 3 Field Level [db µv/m] Figura 64: Resultados dos testes da Etapa 3 (refinado) Field Level [db µv/m] Figura 65: Resultados dos testes da Etapa 3 (refinado) Field Level [db µv/m] Figura 66: Antenas posicionadas no interior do veículo Figura 67: Pulso gerado por um gerador Figura 68: Pulsos gerados pelos dois geradores Figura 69: (a) Exemplos de circuitos compostos por pares trançados; (b) Exemplo cabo RG Figura 70: Suporte do painel de instrumentos preparado para simulação Figura 71: Modelamento do circuito par trançado Figura 72: Especificação do cabo utilizado Figura 73: Sinal de excitação do cabo Figura 74: Detalhe da ponta de medição de campo ix

14 Figura 75: Distribuição de valores de Campo Elétrico obtidos da simulação Figura 76: Campo Elétrico simulado Figura 77: Modelo geométrico já discretizado da parte externa do veículo Figura 78: Configuração simulada, considerando a parte externa do veículo e a ponta de prova Figura 79: Resultados da simulação, campo elétrico na frequência de 200 MHz Figura 80: Resultados da simulação, campo elétrico na frequência de 200 MHz Figura 81: Campo Elétrico simulado após inserção da parte externa do veículo Figura 82: Configuração do cabo RG Figura 83: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz Figura 84: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz Figura 85: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz Figura 86: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz na ponta de medição x

15 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Frequência, comprimento de onda e quarto de onda [3] Tabela 2: Frequência, Potência e tipos de antena utilizada nos ensaios de Imunidade Radiada [23] Tabela 3: Sequência das medidas Tabela 4: Tabela de com os limites máximos para imunidade ISO [60] Tabela 5: Tabela de com os limites máximos para distúrbios radiados CISPR-25 [62] Tabela 6: Resultados das medições realizadas Parte Tabela 7: Resultados das medições realizadas Parte Tabela 8: Resultados das medições realizadas Parte xi

16 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT ABS BCM CAN CFL CISPR CST ECM EEC EFPBA EHF ELF EMC EMI ESD FCC FDTD FE-BI FEM FIT FPBA GPS IEC INPE ISO LISN LPDA LW MDF MEF Associação Brasileira de Normas Técnicas Anti-lock Braking System Body Control Module Controller Area Network Courant-Friedrich-Lewy Criterion International Special Committee on Radio Interference Computer Simulation Technology Engine Control Module European Electromagnetic Compatibility Enhanced Fast Perfect Boundary Approximation Extremely High Frequency Extremely Low Frequency Electromagnetic Compatibility Electromagnetic Interference Electrostatic Discharge Federal Communications Commission Finite Difference Time Domain Finit Element Boundary Integral Finite Element Method Finite Integration Technique Fast Perfect Boundary Approximation Global Position System International Electrotechnical Commission Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais International Organization for Standardization Line Impedance Stabilization Network Log-periodic Dipole Array Long Wave Método das Diferenças Finitas Método dos Elementos Finitos xii

17 MW PBA PWM RF rpm SAE SW TDR TLM UWB Medium Wave Perfect Boundary Approximation Pulse-Width Modulation Radio Frequência Rotações por minuto Society of Automobile Engineers Short Wave Time Domain Reflectometer Transmission Line Matrix Ultrawide-Band xiii

18 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ESTUDOS DE EMC/EMI Cenário atual e aplicação na indústria automobilística FUNDAMENTOS DE EMC/EMI Termos e definições Definição de Componente e Sistema Antenas MÉTODOS NUMÉRICOS MEF e FE-BI Métodos no domínio do tempo NORMALIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO Descrição das normas e padrões EMC/EMI NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA PROBLEMA ESTUDADO, ENSAIOS E SIMULAÇÕES Definição do problema Estratégia para abordagem do problema Estratégia para Medição de Campo Elétrico Irradiado no interior de um veículo Fase 1: Medições, preparação e equipamentos Resultados obtidos e observações durante a Fase Fase 2: Configurações de equipamentos e medições Resultados obtidos e observações durante a Fase Proposta de modelagem e simulação dos ensaios realizados xiv

19 8 CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICE A APÊNDICE B APÊNDICE C APÊNDICE D xv

20 1 INTRODUÇÃO Atualmente, inúmeros dispositivos eletrônicos são empregados em funções importantes no contexto dos atuais veículos automotores em produção. As aplicações da eletrônica embarcada, termo utilizado para definir circuitos eletrônicos e software que realizam funções específicas e que possuem dimensões reduzidas, estão presentes desde sistemas de navegação (GPS - Global Position System) até no acionamento da bolsa inflável do airbag em caso de colisão [1]. A evolução da eletrônica também permitiu o melhor aproveitamento no funcionamento dos motores de combustão interna, com o aprimoramento de aplicações como sensores e/ou atuadores e sistemas de entretenimento [1]. A maioria desses dispositivos eletrônicos está conectada e trocam informações entre si por meio de uma rede de comunicação de dados [2]. Estes sinais somente podem ser lidos e processados quando se utiliza uma interface analógica capaz de capturá-los e transformá-los em informações para o processamento via software. Contudo, um dos principais e mais conhecidos efeitos físicos que podem levar esses dispositivos ao mau funcionamento são as interferências eletromagnéticas (EMI) provenientes de fontes emissoras de ondas ou ruídos eletromagnéticos, como antenas de rádio ou até mesmo de outro dispositivo eletrônico instalado no mesmo ambiente [3]. Estas interferências eletromagnéticas podem causar inúmeros distúrbios em sistemas eletrônicos de baixa potência. Um exemplo desse tipo de distúrbio é a geração de ruído nos sinais que trafegam na rede CAN (Controller Area Network) do automóvel, podendo ocasionar falhas na interpretação desses sinais. Estas falhas podem ser intermitentes ou permanentes. Portanto, um projeto robusto de engenharia eletrônica deve considerar a localização desses dispositivos eletrônicos e o ambiente susceptível às interferências 1

21 eletromagnéticas ao qual eles estarão submetidos. Isto significa que, tanto as fontes externas quanto as internas de ruídos eletromagnéticos devem ser analisadas. É de consenso no meio de engenharia automotiva que para esse tipo de estudo devem-se realizar ensaios para se averiguar a robustez desses sistemas eletrônicos. Dependendo da etapa do desenvolvimento do projeto, caso alguma possível região problemática seja identificada, o custo para reparar esse problema pode ser expressivo, ou seja, da ordem de dez a vinte vezes maiores do que quando comparado ao custo de uma mudança na etapa inicial do desenvolvimento [4] e [5]. Isto acontece pelo fato de envolver diversas áreas e peças que já podem estar em etapas avançadas de desenvolvimento e validação, como por exemplo, nos estágios de construção de moldes e máquinas necessários para produção do hardware de um determinado componente. Para minimizar os custos dessas mudanças imprevistas e garantir o perfeito funcionamento dos sistemas eletrônicos automotivos, isto é, evitando ao máximo os efeitos das interferências eletromagnéticas, uma alternativa é a utilização de ferramentas de simulação capazes de gerar resultados com um grau de precisão aceitável pela indústria. Portanto, esses limites precisam ser definidos por especificações técnicas e ensaios. Neste contexto, as análises computacionais podem ser uma alternativa para redução ou até substituição desses ensaios. Essas ferramentas de software podem evitar gastos como o de transporte e/ou exportação de veículos para empresas ou institutos que realizam tais testes. Em todos os projetos de desenvolvimento de um produto são realizados procedimentos de testes de validação de acordo com as especificações, demandando um emprego de tempo e de recursos financeiros [4]. Para a realização destes testes de validação, em alguns casos, é necessário exportar veículos para países com capacidade técnica e instrumental, deslocar 2

22 engenheiros para acompanhamento e orientação dos ensaios, ocorrendo um impacto financeiro significativo no projeto. O estudo de caso abordado e detalhado nesta dissertação está relacionado a um problema encontrado na etapa inicial de desenvolvimento de um novo projeto de um automóvel. Em uma determinada região do veículo foi previsto a instalação de um sistema eletrônico de comunicação sem fio Bluetooth. Coincidentemente, nas proximidades desta região que receberá esse módulo eletrônico, estão instalados os cabos que transportam potência e sinal para outros dispositivos elétricos e eletrônicos, bem como outros módulos eletrônicos. Assim, deve-se estudar a região e averiguar se há alguma interação entre o campo irradiado por esses cabos e o módulo eletrônico, ou seja, se há risco de interferência eletromagnética em torno dessa região [6]. Desta forma, foram realizados ensaios com o objetivo de medir o campo irradiado no interior do veículo. Os ensaios foram divididos em lotes de três medições respeitando uma sequência de funcionamento e acionamento de alguns itens elétricoeletrônicos do veículo. Os detalhes e resultados serão discutidos no Capítulo 7. Adicionalmente, analisando o desenvolvimento de produtos em empresas da área automotiva, nota-se que a utilização de ferramentas de simulação pode antecipar alguns resultados que até então somente poderiam ser observados em ensaios. Ademais, consegue-se uma economia de tempo, recursos financeiros, testes de validação do produto e custo de modificação de ferramental dos componentes envolvidos com a antecipação de mudanças estruturais [6]. Assim, a principal contribuição desse trabalho é a verificação da viabilidade da utilização uma ferramenta computacional de simulação e modelagem, software CST (Computer Simutation Technology) [7], para a determinação do campo irradiado no ambiente interno do veículo. 3

23 Conceitos necessários para o entendimento desses fenômenos e suas respectivas técnicas de estudo foram acrescentados no capítulo 2. Contudo, por não fazer diretamente parte do escopo desse trabalho, não se utilizou um detalhamento matemático complexo nesta etapa. 4

24 2 ESTUDOS DE EMC/EMI Para estudos relacionados ao eletromagnetismo aplicado, deve-se compreender e ter domínio dos fenômenos físicos e das avançadas técnicas matemáticas utilizadas para solução desses problemas. Por exemplo, pode-se analisar as equações de Maxwell na solução de problemas de eletromagnetismo [8], [9] e [10]. Pelo ponto de vista algébrico, as condições de contorno que são assumidas para a solução desses problemas determinam a complexidade da solução. Do ponto de vista computacional, estas condições de contorno se tornam um desafio para a correta abordagem de solução do problema estudado. Historicamente, os problemas envolvendo EMC começaram ser percebidos juntamente com a evolução da microeletrônica [11]. Com a invenção do rádio em 1907 [12], as aplicações do eletromagnetismo começaram a ser difundidas na área das telecomunicações. O surgimento das válvulas a vácuo, na década de 20 e 30, levou os amplificadores utilizados para a transmissão a um novo patamar de potência, podendo atuar em uma maior área geográfica [12]. Logo após o final da Segunda Guerra Mundial, os transistores foram inventados e os circuitos eletrônicos começaram a ser desenvolvidos em dimensões cada vez mais reduzidas, consumindo menos energia e ampliando o campo de aplicações da microeletrônica. Alguns exemplos que continuam em frequente avanço: telefones celulares, microprocessadores e circuitos embarcados utilizados na indústria aeronáutica e automobilística. Em contrapartida, essa evolução da microeletrônica produziu novas fontes de emissão de ondas eletromagnéticas e os efeitos relacionados à EMC e EMI começaram a interferir no funcionamento de alguns dispositivos eletrônicos, levandoos a funcionar de forma equivocada e inesperada [13]. 5

25 Assim, nos últimos anos, os efeitos eletromagnéticos observados em alguns dispositivos por meio de ensaios e/ou acidentalmente começaram a ser objeto de estudo nas mais variadas áreas onde a eletrônica é aplicada. Atualmente, existem requisitos a serem cumpridos com o objetivo de reduzir os efeitos danosos causados nos dispositivos eletrônicos por interferências eletromagnéticas [14]. Estes estudos envolvem, além de ensaios, modelamentos computacionais com o objetivo de se projetar e obter dispositivos robustos, isto é, capaz de permanecer funcionais sob as condições extremas das especificações aos quais eles foram projetados. 2.1 Cenário atual e aplicação na indústria automobilística Nos atuais projetos em andamento na indústria automobilística, se faz uso de métodos computacionais para solução de problemas relacionados ao eletromagnetismo [14]. Contudo, alguns sistemas eletrônicos possuem especificações determinando seu modo de funcionamento e validação, demandando testes específicos para a finalização de seus projetos. Inclusive, algumas empresas possuem normas internas para cálculo e validação em situações, ambientes e mercados consumidores específicos. Isso ocorre pela característica dos projetos serem globais, ou seja, um veículo é projetado em determinado centro de engenharia, por exemplo, no Brasil, mas pode ser comercializado em vários mercados consumidores, como Europa e Estados Unidos. Um exemplo de aplicação é mostrado nas Figuras 1 e 2. Neste caso, para a elaboração desses relatórios, utilizou-se uma ferramenta de software aplicada para o 6

26 dimensionamento de antenas. Com esse estudo, obteve-se o ganho e directividade da antena utilizada em um modelo de veículos em comercialização de uma grande montadora. Vale ressaltar que estes resultados eram confirmados experimentalmente em uma câmara anecóica. Figura 1: Exemplo de estudo de simulação para dimensionamento de antenas [15]. 7

27 Figura 2: Exemplo de estudo de simulação para dimensionamento de antenas [15]. Utilizado o software CST, os resultados obtidos apresentaram um nível de correção aos ensaios da ordem de mais de 90%. Ademais, ressalta-se a possibilidade de testar diferentes geometrias de superfície e posicionamento da antena, realizando comparativos entre os diferentes arranjos possíveis. Desta forma, consegue-se um trabalho orientado a otimização, ou seja, na procura de um ponto ótimo para o funcionamento do sistema avaliado levando em consideração os custos e viabilidade técnica de implementação. Em exemplos de sucesso como este descrito, verifica-se uma significativa contribuição para a expansão na aplicação dessas técnicas matemáticas e computacionais. Há um ganho de tempo e flexibilidade nas opções de testes implicando em uma redução de recursos financeiros. 8

28 3 FUNDAMENTOS DE EMC/EMI Alguns termos são geralmente utilizados para descrever os fenômenos e efeitos causados por campos eletromagnéticos em sistemas eletrônicos. As definições desses termos fundamentam entendimento de ensaios e estudos relacionados ao assunto. 3.1 Termos e definições O termo EMI (Electromagnetic Interference) pode ser definido como qualquer emissão que coloca em risco o funcionamento de um dispositivo, degradando, obstruindo ou interrompendo seriamente e de forma repetida qualquer transferência de dados ou energia entre dispositivos [10]. O termo EMC pode ser definido como a capacidade de um sistema eletrônico de funcionar corretamente em um ambiente susceptível a campos eletromagnéticos e também de não provocar interferência em outros sistemas existes neste ambiente [3]. Logo, o objetivo de um sistema eletrônico do ponto de vista de EMC é ser imune as emissões eletromagnéticas existentes e não provocar perturbações, isto é, ser uma fonte de interferências eletromagnéticas, em outros sistemas. Esse conceito é fundamental quando se analisa as aplicações automotivas [3]. Para ilustrar o conceito de sistema, a Figura 3 mostra dois dispositivos eletrônicos instalados em um mesmo ambiente. O objetivo é ter ambos dispositivos, Sistema A e Sistema B, funcionando de forma adequada, livre de qualquer distúrbio eletromagnético causado por fontes internas e externas [3]. 9

29 Figura 3: Modelo de um sistema sob o ponto de vista de EMC [3]. Verifica-se que há três elementos básicos a serem considerados do ponto de vista de EMC: fonte, o meio e o receptor. Os receptores por sua vez podem ser classificados de dois tipos: os intencionais e não intencionais [3]. Exemplos de receptores intencionais seriam os aparelhos de rádio e/ou televisão. Eles aparelhos funcionam captando sinais eletromagnéticos transmitidos pelas antenas de rádio/tv e transformando-os em imagens e sons. Em relação ao receptor não intencional, pode-se mencionar um computador ou algum outro tipo de dispositivo eletrônico que não trabalha em função de ondas eletromagnéticas enviadas por uma fonte. Este é o modelo básico e inicial que é utilizado na resolução e/ou redução de problemas relacionados à EMC. As estratégias de avaliação nestes casos podem realizar variações da energia da fonte, adotar o meio como um condutor radiado no ar, etc. [3]. Desta forma, define-se o conceito de imunidade ou susceptibilidade eletromagnética. Este conceito refere-se à habilidade de um dispositivo eletrônico funcionar, satisfatoriamente, em um ambiente sujeito a distúrbios eletromagnéticos [16] e [17]. 10

30 Na indústria automobilística, a imunidade e susceptibilidade são tratadas como grandezas inversamente proporcionais [3]. Na Figura 4 verifica-se, por exemplo, que um sistema eletrônico possui um elevado nível de susceptibilidade se possuir um baixo nível de imunidade. Assim, a imunidade trata um sistema eletrônico do ponto de vista de funcionamento em um ambiente eletromagnético. Em contrapartida, susceptibilidade analisa a capacidade de um sistema ser susceptível a interferências em um ambiente eletromagnético, podendo apresentar falhas em seu funcionamento [3]. Ressalta-se que, tanto imunidade quanto susceptibilidade são apenas duas formas de representar o mesmo conceito. Podem ser considerados pontos de vista diferentes em relação ao mesmo assunto. Figura 4: Susceptibilidade vs. Imunidade [3]. Um conceito fundamental em EMC diz respeito à forma pela qual a EMI se propaga, conforme a Figura 5. Se os distúrbios interferentes são verificados em linhas de transmissão, cabos, fios, etc., são definidos como EMI conduzida. Caso contrário, se a EMI é devida ao acoplamento de campos eletromagnéticos radiados com o dispositivo interferido, é definida como radiada [16] e [18]. 11

31 Figura 5: Formas de interferência eletromagnética [18]. A definição anterior de EMC dão origem as quatro subdivisões seguintes [19]: a. Emissão radiada; b. Emissão conduzida; c. Susceptibilidade radiada; d. Susceptibilidade conduzida. Sendo formas diferentes de representar o mesmo conceito [3], no projeto de desenvolvimento de um veículo, é usual encontrar estudos mencionando o termo imunidade ao invés de susceptibilidade. Portanto, na indústria automobilística, os estudos de imunidade radiada analisam a proteção de todos os sistemas eletrônicos internos a partir do ambiente onde estão instalados e sob possíveis interferências causadas por outras fontes de emissão presentes no interior do veículo [20]. A imunidade conduzida descreve e detalha a habilidade dos dispositivos eletrônicos instalados em um veículo de tolerar as variações de carga, transientes e 12

32 chaveamentos provocados pelo acionamento de uma carga de potência expressiva, como o acionamento do ventilador de resfriamento do motor, conhecido como ECF (Engine Cooling Fan) [20]. A emissão radiada aborda os ruídos eletromagnéticos emitidos pelos sistemas eletrônicos instalados nos veículos. Esses ruídos devem ser minimizados, utilizando técnicas de design de circuitos por exemplo, para garantir a operação dos sistemas instalados no próprio veículo e em outros veículos que eventualmente estejam nas proximidades [20]. A emissão conduzida é geralmente causada pelo chaveamento de cargas indutivas, emitindo ruídos pelos condutores de potência que as ligam [20]. 3.2 Definição de Componente e Sistema. O estudo de EMC é realizado quando sistemas eletrônicos são utilizados para realização de uma ou mais funções. Não há problemas de EMC associados a uma chave de acionamento dos vidros ou mesmo em um microprocessador isoladamente. Problemas de EMC ocorrerem quando componentes estão em um sistema em funcionamento e fazendo interface com o ambiente externo [3]. Define-se como componente uma entidade que que possui uma dimensão física e que possui massa. Um transistor pode ser classificado como componente, pois consegue-se definir seu tamanho, a massa e algumas das suas características elétricas como número de ligações, cor ou forma [3]. Assim, tendo em vista a discretização de um componente, define-se um sistema como a interação de alguns componentes conectados entre si e as suas respostas à interface para um ambiente externo. Pode-se dizer que o transistor é um elemento do "sistema de amplificação". Isso significa que há uma interação com o meio ambiente onde está instalado, isto é, 13

33 o sinal de entrada, a operação do transistor e a energia enviada para fora (o sinal amplificado). Um exemplo é mostrado na Figura 6. Tem-se um rádio que é composto por vários componentes eletrônicos, formando um sistema [3]. Figura 6: Conceito de Componente e Sistema [3]. Consegue-se identificar a representatividade de um componente no sistema. De fato, o sistema somente existirá quando alguns componentes estiverem ligados e trocando informação entre si [3]. 14

34 3.3 Antenas Muitos problemas de EMC são resultados da energia que é transferida por radiação a partir de uma fonte. Para entender essa radiação de energia, é útil fazer uso a alguns princípios básicos de eletromagnetismo. Um desses princípios é o "ponto de radiador isotrópico" de energia. O "ponto de radiador isotrópico" é definido como um ponto que possui raio zero e radia energia igualmente em todas as direções. Isto é mostrado na Figura 7 [3]: Figura 7: Conceito de Ponto de Radiador Isotrópico [3]. As entidades que intencionalmente transferem energia por radiação são chamadas de antenas. Elas possuem características que as diferenciam dos radiadores isotrópicos [3]. Basicamente, os dois tipos de antena mais comuns usados são "quarto de onda" e "meia onda" [3]. Estes nomes se referem ao fato de que suas dimensões físicas se aproximarem de uma fração do comprimento de onda, a qual é determinada a partir da velocidade de propagação e a frequência de operação [3]. Por exemplo, uma antena de meia onda utilizada para receber um sinal de 100 MHz mediria cerca de 1,5 m de comprimento. Para o mesmo sinal, uma antena de quarto de onda mediria aproximadamente 0,75 m de comprimento. Estas são referidas como antenas omnidirecionais e possuem a característica de irradiar em um ângulo máximo de 90 graus [3]. 15

35 Além da direcionalidade, outra característica das antenas é a impedância ou resistência de radiação. Resistência de radiação significa a resistência efetiva que a antena apresenta quando ligada a uma fonte. Uma antena de meia onda é comumente utilizada e possui uma resistência de radiação de aproximadamente 73 ohms. Uma antena de quarto de onda tem uma resistência à radiação de aproximadamente 37 ohms [3]. As antenas quarto de onda são regularmente utilizadas na telefonia celular [3]. Podem operar como antenas de ELF (Extremely Low Frequency) (operam nas frequências de 3,0 Hz a 30 GHz) ou como antenas de EHF (Extremely High Frequency) (operam nas frequências de 30 GHz a 300 GHz). Conforme visto na Tabela 1, há uma diminuição do tamanho da antena em função ao comprimento de onda utilizado. Consequentemente, a frequência utilizada é inversamente proporcional ao comprimento de onda, ou seja, quanto maior a frequência, menor o comprimento de onda e dimensão da antena. Tabela 1: Frequência, comprimento de onda e quarto de onda [3]. Frequência [MHz] Comprimento de onda [metros] Quarto de onda [metros] Quando se estudam as antenas utilizadas nos ensaios de validação do projeto de um veículo (os ensaios de validação e suas características serão abordadas posteriormente), verifica-se que esses componentes podem emitir ondas em determinadas faixas de frequência. Nesse contexto as características de antenas dipolo podem não ser suficientes, em termos de parâmetros tais como ganho, por exemplo. Nesses casos, os três tipos mais utilizados são as Antenas Bicônicas, Antenas Piramidais (Horn), e as Antenas LPDA (Log-periodic Dipole Array) mostradas nas figuras 8, 9 e 10 respectivamente. 16

36 Figura 8: Antena Bicônica [21]. Figura 9: Antena Piramidal (Horn) [22]. Figura 10: Antena LPDA [22]. 17

37 Conforme a CISPR-12, uma das normas de referência para validação e ensaios em EMC/EMI, é definido um esquema de ensaio indicando a posição das antenas e as faixas de frequência que devem operar mostrada Figura 11 [23]. Um dos requisitos mais importantes no EMC automotivo é o ensaio realizado para avaliar a imunidade radiada. Figura 11: Esquema de ensaio previsto na CISPR 12 [23]. Para as frequências de 100 KHZ 30 MHz é utilizado um Gerador de Campo E-H que trabalha suspenso por cabos não condutivos mostrada na Figura 12. A vantagem da utilização desse equipamento é o fato de poder ser ajustado em função do tamanho do veículo a ser ensaiado [23]. Figura 12: Gerador de Campo E-H [23]. A cobertura de todas as faixas de frequência é feita por uma variação nos sistemas de antenas, conforme apresentado na Tabela 2. 18

38 Tabela 2: Frequência, Potência e tipos de antena utilizada nos ensaios de Imunidade Radiada [23]. Frequência Potência [Hz] [W] Tipo de Antena 100 K 30 M 10 K Gerador de Campo E-H M 10 K Bicônica de Alta Potência M 2 K Dual Ridge Guide Horn G Octave Horn M 5 K Fore-shortened LPDA M 1 K LPDA Dual array A utilização antenas ativas nas medições de emissões está em conformidade com a CISPR 25. Estas medições devem considerar as influências causadas pela estrutura passiva (em particular o tamanho do plano de terra) ou a determinação do o melhor nível de ruído e amplificação (ganho). Ressaltando que esses ensaios são realizados em câmaras anecóica e semi-anecóicas [24]. Para aplicações na área de EMC, a maneira mais utilizada para caracterizar as propriedades de recepção de uma antena é a noção de fator de antena (AF do inglês antenna factor) [25], [26] e [27]. Assim, o termo fator de antena está intrinsecamente relacionado ao uso de uma antena para medição de campos elétricos (ou magnéticos). O fator de antena pode ser relacionado com os parâmetros tradicionais de caracterização de antenas, tais como, ganho, directividade e abertura efetiva [28]. A definição do fator de antena (elétrico) pode ser entendida como a taxa da intensidade de campo elétrico incidente (Einc) na superfície da antena receptora pela tensão recebida (Vrec) nos terminais da antena [27], junto ao ponto de conexão do sistema receptor. AF = E inc V rec (2-1) 19

39 Usualmente, um sistema receptor para medição de campo, por exemplo, um analisador de espectro, é conectado aos terminais da antena por meio de um cabo coaxial [29]. Conforme ilustrado na Figura 13 [29], o fator de antena pode ser entendido como uma função de transferência de um sistema linear, assim como, em termos de circuito equivalente. O fator de antena possui a unidade de 1/m que é derivado da relação de 1 V/m por V (AF elétrico), mas geralmente para propósitos de notação, a unidade de 1/m costuma ser suprimida. Ademais, para utilização da escala logarítmica, os fabricantes de antena costumam fornecê-los como valores em decibéis (db). Figura 13: Fator de Antena: a) Função de Transferência; b) Circuito Geral; c) Circuito Equivalente [29]. 20

40 Na área de EMC, é comum expressar os valores de tensão e campo elétrico relacionados a dbμv (decibel-microvolt). Portanto, tem-se: AF db = E inc (dbμv/m)-v rec (dbμv) (2-2) expressão: Logo, para obter o valor do campo elétrico incidente na antena basta utilizar a E inc (dbμv/m) = V rec (dbμv) + AF (db) (2-3) A equação 2-3 é uma para converter a tensão registrada pelo analisador de espectro (Vrec) nos valores de campo incidente na antena receptora (Einc). Sua utilização para os casos em que o sistema de medição empregado possui a exata configuração definida pelo fabricante conforme o teste de calibração do AF, isto é, até o ponto de leitura utilizado no teste que geralmente envolve as perdas de acoplamento da antena, dos conectores, e da atenuação do cabo coaxial fornecido com o conjunto [29]. Para sistemas modificados que não seguem a configuração expressamente definida pelo fabricante, como a utilização de cabos extensores ou atenuadores, as perdas adicionais devem ser computadas (em db) sempre como um valor positivo ao lado direito da equação [29]. É importante ressaltar que os valores de AF podem variar dentro da faixa frequência em que a antena foi projetada para operar. Por esta razão, é comum por parte dos fabricantes, o fornecimento do fator de antena sob a forma de uma tabela de correção (ou gráfico) dos valores em função da faixa frequência de operação da antena. Embora antenas do mesmo modelo possuam um comportamento semelhante dentro da sua faixa de operação, os valores de fator de antena (ou fator de correção) são específicos para cada uma delas, e obtidos a partir de ensaios de calibração 21

41 realizados pelo fabricante. A configuração utilizada nestes ensaios de calibração define a limitação das aplicações da antena receptora [29] e [30]. Por fim, destaca-se que a análise aqui apresentada também pode ser obtida para valores de campo magnético. Neste caso, é definido o fator de antena magnético (AFm) a partir do campo magnético incidente, dado pela relação: AF m = A inc V rec (2-4) A unidade utilizada para o fator de antena magnético é o S/m, derivada da relação A/m por V. Em geral, a impedância dos aparelhos de medição de campo é de 50 Ω [31]. Dessa forma, o Fator de Antena pode ser calculado como descrito na equação 2-5: AF = 20 log(f) G db 29,78 (db) (2-5) Onde: - f é a frequência sendo utilizada em MHz; - G db é o ganho de potência da antena. 22

42 4 MÉTODOS NUMÉRICOS 4.1 MEF e FE-BI. O MEF (Método de Elementos Finitos) tem sido utilizado por quase cinco décadas para a solução de problemas eletromagnéticos [33]. Nos primeiros desenvolvimentos, foi principalmente utilizado para a análise de problemas de eletrostática e magnetostática. Contudo, o método tem sido aplicado extensivamente para a análise de problemas envolvendo geometrias bidimensionais e tridimensionais, especificamente nas áreas de radiação e dispersão [32] e para campos eletromagnéticos estáticos [33]. Apesar das equações de Maxwell descreverem por completo o fenômeno físico observado, a aplicação direta das equações em geometrias complexas é difícil, sendo muitas vezes necessário recorrer a técnicas de cálculo numérico para se obter a distribuição dos campos resultantes. Uma metodologia inicialmente utilizada para estruturas menos elaboradas é o MDF (Método das Diferenças Finitas) [34], por meio do qual se resolvem equações diferenciais de uma determinada matriz, representada por uma malha. O MDF pode ser utilizado para a solução de grande parte dos problemas com geometrias simplificadas. Contudo, quando é necessário estudar o domínio para uma geometria mais complexa, este método não é o mais adequado pelo fato de que a discretização da geometria resulta em um processo complexo e, em muitos casos, fora da forma ideal para cálculo, conforme exemplo mostrado na Figura 14. O MEF foi inicialmente divulgado por volta dos anos 1960 [35], já então tendo sido utilizado na área aeroespacial [36]. Os fundamentos básicos em métodos de elementos finitos são muitas vezes extraídos de textos clássicos, baseados em aplicações da engenharia civil e engenharia mecânica. Embora esses textos proporcionem uma excelente estrutura para o método de elementos finitos, eles não 23

43 oferecem uma abordagem adequada para a solução de problemas bidimensionais e tridimensionais envolvendo variações senoidais no espaço, problema este comum em aplicações eletromagnéticas [32]. Os estudos a respeito da discretização de funções contínuas, por sua vez, iniciaram-se apenas em 1943, pelo matemático Courant, seguindo a ideia de utilização de elementos triangulares e o princípio da minimização de energia potencial em estudos de torção em peças mecânicas [37]. Figura 14: Comparação da discretização da geometria pelo Método das Diferenças Finitas (a) e Método dos Elementos Finitos (b) [35]. Conforme se observa, o MEF apresenta maior precisão na resolução de problemas com geometrias complexas, pois se compatibiliza melhor ao contorno da geometria sob análise [35]. Por outro lado, possui algumas restrições como a complexidade de cálculo e tempo de processamento computacional [38]. Desta forma, aplicações atuais utilizam técnicas computacionais avançadas para resolução de problemas dessa natureza. Pode-se citar a técnica denominada FE- BI (Finit Element Boundary Integral) [38]. O FE-BI é considerado um método híbrido. Em função de utilizar uma Equação Integral (IE) como um limite de truncamento para o espaço utilizado no método de elementos finitos. Esta combinação de paradigmas permite uma redução no volume de processamento da solução, resultando em uma abordagem mais rápida e mais eficiente [38]. 24

44 Um exemplo da abordagem do método FE-BI pode ser visto na Figura 15. Nesse caso, é mostrada uma aplicação abordando um ensaio definido pela ISO É possível identificar que o domínio utilizado para a aplicação possui a Equação Integral bem definida. Ainda é possível observar que, abordando o problema pelo método dos elementos finitos, o volume a ser processado de informações será visivelmente maior [38]. A equação integral é utilizada como um limite de truncamento para o espaço simulado. Assim, com a redução desse volume que seria calculado, obtém-se um processo mais conciso e rápido. Vale ressaltar que a distância da antena até fronteira determinada no método FE-BI pode ser arbitrariamente pequena. Isso implica em uma redução significativa em termos de processamento. Figura 15: Aplicação do método FE-BI [38]. A abordagem proposta pelo método FE-BI pode ser comparada qualitativamente analisando o domínio das simulações, conforme Figura. 16 [38]. 25

45 Figura 16: Comparativo entre FEM e FE-BI [38]. No exemplo da Figura 16, tem-se a modelagem de um veículo em uma câmara anecóica sendo submetido ao teste de EMI conforme ISSO Muito embora o ambiente a ser calculado tenha sido reduzido no método FE-BI, os resultados obtidos, Figura 17, mostram que praticamente não há alterações na qualidade do resultado obtido [38]. Figura 17: Antena Far-field Pattern a = 90º [38]. 26

46 Neste comparativo entre os resultados obtidos pela técnica de elementos finitos e FE-BI, conclui-se que ambos os processos podem ser utilizados, pois há uma visível correlação nos resultados obtidos por técnicas diferentes. Contudo, a FE-BI possui o benefício de ser mais rápido e necessitar de um menor poder de processamento dos computadores que farão os cálculos dos resultados [38]. 4.2 Métodos no domínio do tempo O software de simulação utilizado nessa dissertação faz a utilização dos seguintes métodos numéricos no domínio do tempo: FIT (Finite Integration Technique); FDTD (Finite Difference Time Domain); TLM (Transmission Line Matrix). Os métodos citados acima possuem as características de uma grade de coordenadas cartesiana (hexaédrica cúbica ou cilíndrica circular) e um diagrama de integração explícito no tempo [39]. Estes dois fatores estão intimamente relacionados. A grade de coordenadas implica em uma estrutura de banda simples das matrizes do sistema na qual um algoritmo pode ser aplicado [39]. Os campos são propagados através da estrutura pelas multiplicações dos vetores das matrizes com um específico passo de tempo. Assim, quanto maior for o passo de tempo, menor será o tempo de simulação. O passo de tempo máximo possível é determinado pelo critério de Courant- Friedrich-Lewy (CFL) [40]. Trata-se do tempo requerido para o sinal, que se propaga a velocidade da luz, passar pela menor célula da malha no domínio de cálculo. Pode ser mais ilustrativo pensar no critério CFL como uma maneira de forçar a informação de uma célula da malha, a tocar em cada célula da malha vizinha, em cada passo de tempo. 27

47 Os requisitos de memória e o tempo de simulação aumentam linearmente com o aumento do número de pontos da malha. Devido a esta propriedade, os simuladores no domínio de tempo são adequados para resolver estruturas eletricamente grandes e ricas em detalhes, onde bilhões de incógnitas podem ser manipuladas e calculadas [41]. Há outras abordagens no domínio do tempo que utilizam grades não ortogonais e/ou diagramas de integração implícitos no tempo. Atualmente para micro-ondas e RF, não há implementações comerciais disponíveis [42], [43]. Um algoritmo implícito sempre deve resolver um sistema de equações em um determinado passo de tempo, mas na sequência o tamanho do passo de tempo pode ser alterado para um valor maior, levando a diminuição do tempo de simulação [41]. O domínio do tempo oferece a possibilidade de estudo do comportamento transiente das estruturas eletromagnéticas. Adicionalmente ao fato de poder ser utilizado como um analisador de redes virtual, o simulador também pode funcionar como um reflectômetro virtual no domínio do tempo (TDR Time Domain Reflectometer), tempos de atraso e degradação do sinal em linhas de transmissão podem ser simulado diretamente [41]. Tanto os sinais como os campos podem ser estudados no domínio do tempo, como por exemplo, os farfields transientes tornam-se cada vez mais importantes em aplicações de UWB. Em dispositivos de múltiplas portas, cada porta pode ser excitada individualmente com um sinal de tempo diferente e os campos simulados podem ser monitorados apropriadamente. A FIT, utilizada nas simulações deste trabalho pelo software CST, recebe este nome por discretizar a forma integral, ao invés da diferencial, as equações de Maxwell [41]. As incógnitas são definidas por: a. Tensões elétricas, denotadas por en, nas extremidades da malha discretizada; 28

48 b. Fluxos magnéticos, denotados por bn, sobre as faces da malha. Por exemplo, para discretizar a lei de Faraday, Figura 18, em uma face da malha, verifica-se que o lado esquerdo de (1) é a integral de linha do campo elétrico (ou seja, uma tensão elétrica) ao longo da borda da face. Esta integral pode ser escrita como uma soma algébrica das incógnitas da borda. O lado direito é a derivada é em função do tempo (indicado por um ponto) do fluxo magnético através da face. Desta forma, para qualquer malha fixa, ou seja, que já inclui um erro de discretização do espaço, nenhum erro suplementar de discretização da equação é adicionado, quando se passa da forma contínua para a discreta. Isto porque, com esta escolha de incógnitas, a passagem de (1) para (2) baseia-se unicamente nas propriedades matemáticas da integral [41]. Figura 18: Exemplo de aplicação da Técnica de Integração Finita no Domínio do Tempo [41]. 29

49 Por outro lado, um erro de discretização das equações ocorrerá quando se discretizar as relações de propriedades dos materiais [41]. Ao agrupar os coeficientes +1 e -1 da soma algébrica em uma matriz C (a versão discreta do operador curl ), e as incógnitas elétricas e magnéticas em vectores e e b, uma matriz compacta resultante é formada, que se assemelha a forma diferencial contínua da lei de Faraday curl E = B, ou seja, E = B t. Assim, todas as equações de Maxwell podem ser discretizadas com o FIT para produzirem suas formas discretas em uma forma matricial compacta [44]. Os operadores da matriz C, C (operadores curl discretos) e S, S (operadores divergente discretos) são matrizes topológicas, contendo apenas 1, -1 e 0 como entradas. Em uma grade cartesiana, o FDTD se equivale ao FIT [45]. Mesmo a versão moderna do método FEM utiliza exatamente a mesma forma (6), Figura 18, das equações de Maxwell discretizadas [46]. A diferença entre o FEM moderno e o FIT é somente na discretização das relações de propriedade dos materiais [41]. Os métodos FIT, FDTD e TLM tradicionais, a célula da malha possui um formato hexaédrico e é preenchida totalmente por um determinado material. Esse tipo de aproximação é chamada de staircase (em escada). Contudo, essa discretização pode dificultar a obtenção de uma exatidão ótima na representação geométrica de muitos dispositivos, pois a maioria dos componentes contêm características arredondadas. Como mostrado na Figura 19, uma malha sendo aproximada pelo método staircase. 30

50 Figura 19: Aproximação de uma geometria pelo método PBA. Para reduzir os erros gerados nos resultados, deve ser aplicado um refinamento na malha utilizada na simulação. Métodos de conformação, tal como a PBA (Aproximação de Contornos Perfeito) [47], melhoram a descrição geométrica, sem comprometer a eficiência da memória de processamento [41]. O aumento do desempenho diz respeito não somente a um número menor de células da malha, mas também a células maiores que implicam em um passo de tempo maior. O processo de convergência PBA é rápido e estável e pode ser seguramente assumido que o aumento da densidade da malha irá melhorar a exatidão do resultado. Esta afirmação não é verdadeira para aproximações em staircase onde a convergência é lenta e não estável [41]. A Figura 20 mostra uma malha sendo aproximada pelo método PBA. 31

51 Figura 20: Aproximação de uma geometria pelo método PBA. Ainda com a preocupação de se obter melhores aproximações da geometria dentro da grade cartesiana foram criados o FPBA (Fast Perfect Boundary Approximation) (Fast PBA PBA rápido) e o EFPBA (Enhanced Fast Perfect Boundary Approximation exatidão aumentada) [7]. Ambos visam melhorar a aproximação geométrica, aumentar a estabilidade e a convergência do método de cálculo, diminuir o tempo e aumentar a correlação da simulação. As simulações na área automotiva demanda esse tipo de melhoria. Em geral, os modelos utilizados são grandes e complexos demandando recursos de tempo e computacional para processamento. Nas simulações a serem apresentadas neste trabalho optou-se pelo EFPBA para garantir o melhor resultado possível em termos de tempo de simulação e resultados calculados. 32

52 5 NORMALIZAÇÃO E PADRONIZAÇÃO A preocupação com a EMC está além dos requisitos técnicos, já que o crescente volume das relações comerciais internacionais fez crescer à necessidade de criação de normas internacionais com o objetivo garantir o funcionamento adequado dos produtos comercializados em diversos países. 5.1 Descrição das normas e padrões Existem diferentes normas que regularizam ensaios para os cinco subproblemas básicos de EMC [6], a saber: a. emissão irradiada: verificação dos níveis de campos eletromagnéticos irradiados pelo equipamento e que podem ser recebidos por outros equipamentos causando interferência. Em geral é medido apenas o campo elétrico e os limites são dados em dbµv/m. A faixa de frequências é de 30 MHz a 40 GHz. A verificação é realizada medindo-se os campos elétricos irradiados em uma câmara semi-anecóica ou em um campo de testes aberto [6]; b. emissão conduzida: são correntes elétricas que circulam pelo cabo de alimentação do equipamento e chegam ao quadro de distribuição elétrica, onde podem irradiar de maneira mais eficiente e causar interferência em outros equipamentos; verificação dos limites é realizada com a introdução de uma Line Impedance Stabilization Network (LISN) entre o equipamento testado e a rede elétrica. A faixa de frequências para emissões conduzidas é de 450 khz a 30 MHz. Os limites são dados em Volts [6]; c. suscetibilidade irradiada: verificação da capacidade de bom funcionamento do equipamento em presença de campos eletromagnéticos externos [6]; d. suscetibilidade conduzida: verificação da capacidade de bom funcionamento do equipamento em presença de ruído conduzido em seus cabos [6]; e. imunidade a descargas eletrostáticas (ESD - Electrostatic Discharge). 33

53 A especificação do procedimento de medição a ser realizado durante a verificação de limites de emissão de um produto é tão importante quanto à própria especificação dos próprios limites, isto porque se o procedimento não é bem especificado, podem-se obter diferentes conjuntos de dados de medição para um mesmo equipamento. Cada norma que define limites de emissão conduzida e irradiada possui uma regulação correspondente que define claramente como os dados precisam ser medidos. Isso inclui o procedimento de teste, equipamento de teste, faixa de passagem, antenas de teste, etc. Há basicamente duas classes de exigências de EMC que são impostas aos sistemas eletrônicos [6]: a. Impostas por agências governamentais e, b. Impostas pelo fabricante do produto. As exigências governamentais são impostas, para controlar o nível de interferência produzido pelo produto com a finalidade de controlar o grau de poluição eletromagnética no ambiente. A verificação da imunidade passou a ser relevante no setor de normalização há apenas algumas décadas, principalmente devido a necessidade de proteção da instrumentação de controle de processos industriais contra distúrbios provocados por transmissores de radiofrequência (RF), principalmente rádios transmissores portáteis, descargas eletrostáticas e transitórios. As normas IEC 801.x (IEC, 1984), composta de quatro partes, publicada pelo Comissão Internacional de Eletrotécnica, International Electrotechnical Commission (IEC), foi durante alguns anos o documento fundamental no domínio da suscetibilidade eletromagnética. Esta série foi substituída pela série IEC x, composta de 12 partes referentes a testes de imunidade, que é atualmente referenciada em famílias mais recentes de produtos e normas de EMC. 34

54 Embora as normas governamentais também regulem requisitos de imunidade, tal preocupação é muito mais evidenciada nas exigências impostas pelos fabricantes, que têm como principal objetivo a satisfação do cliente, visando à garantia de um produto confiável e de qualidade [6]. Em 1933, um encontro da IEC, órgão internacional que promulga padrões a fim de facilitar o comércio entre os países, em Paris, recomendou a formação do CISPR (International Special Committee on Radio Interference), para tratar do emergente problema de EMI. O comitê produziu um documento detalhando o equipamento de medição para determinar potenciais emissões de EMI. Encontros subsequentes do comitê resultaram em várias publicações técnicas que tratam de métodos de medição e dos limites de emissão recomendados. O CISPR não é um órgão regulatório, mas simplesmente desenvolve padrões que quando adotados tornam-se o padrão para aquele governo [6]. Em 1979, a Comissão Federal de Comunicações dos EUA, Federal Communications Commission (FCC) publicou uma regulamentação que requer que as emissões eletromagnéticas (conduzidas ou irradiadas) de todos os equipamentos digitais estejam abaixo de certos limites. A faixa de frequências definida pela FCC como radiofrequências vai de 9 khz a 3000 GHz [6]. O objetivo desta regulamentação é tentar limitar a poluição eletromagnética do meio ambiente evitando o número de casos de EMI. Como nenhum equipamento digital pode ser vendido nos EUA se os seus níveis de emissões eletromagnéticas alcançarem os limites impostos pela FCC, o assunto compatibilidade eletromagnética gerou grande interesse entre os fabricantes de equipamentos eletrônicos comerciais, desde computadores digitais até máquinas de escrever eletrônicas. Em 1989, foi publicada a Diretiva 89/336/EEC para EMC, cujos requisitos essenciais de proteção são a limitação das emissões para evitar rádio interferência e a provisão de imunidade adequada a distúrbios eletromagnéticos para assegurar a 35

55 operação correta de todos os equipamentos em qualquer lugar. O escopo desta diretiva se aplica a todos os equipamentos elétricos, de pequenos componentes a sistemas de geração de potência e de tração. Inicialmente, as únicas exceções são rádios transmissores, que exigem licença e equipamento de rádio amador. Outras exceções existentes atualmente são os equipamentos que possuem sua própria diretiva, como equipamentos médicos e veículos automotores [48]. A FCC divide os equipamentos digitais em duas classes: a. Classe A: equipamentos para uso em ambiente comercial e industrial; b. Classe B: equipamentos para uso em ambiente residencial. Os limites impostos para equipamentos da Classe B são mais rigorosos que os da Classe A porque se assume que o problema de interferência de um equipamento em um ambiente industrial pode ser mais facilmente corrigido do que em um ambiente residencial, onde a fonte de interferência e o dispositivo suscetível provavelmente estão em maior proximidade. Além disso, o proprietário de um equipamento em um ambiente residencial provavelmente não possui conhecimentos técnicos nem os recursos financeiros para corrigir o problema, diferentemente do proprietário de ambiente industrial. No Brasil, o órgão responsável pela normalização técnica é a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) possuindo normas que dizem respeito a EMC, tanto para equipamentos elétricos e eletrônicos em geral, quanto para segmentos específicos como o de equipamentos eletromédicos, redes internas de telecomunicações em edificações e máquinas rodoviárias [6]. A regulamentação tornou a EMC um aspecto crítico na comercialização de produtos eletrônicos. Se o produto não obedecer às normas de um país em particular, ele não pode ser comercializado naquele país. 36

56 6 EMC/EMI NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA A indústria automobilística também aproveitou o desenvolvimento da eletrônica. A Motorola em 1930 lançou o primeiro rádio de uso em automóveis. Na época, este rádio era vendido separadamente como um kit de instalação, mostrado na Figura 21 [49]. Anos depois, a empresa inglesa Lucas Industries desenvolveu a primeira ignição elétrica, usada em 1962 na Fórmula 1 e 1963 em um modelo da empresa americana Pontiac [49]. Figura 21: Primeiro rádio lançado para automóveis [49]. Depois de 50 anos de desenvolvimento da eletrônica e da engenharia automobilística, nota-se que a utilização de módulos eletrônicos tornou-se essencial para o melhor funcionamento e nos quesitos que tangem a segurança do condutor e passageiros [49]. Atualmente, um veículo pode conter mais de 90 microprocessadores, atuando em funções como acionamento e controle de freios, controle de abertura e fechamento das portas, acionamento das bolsas de airbag, etc. Este fato contribuiu para o aumento da importância do estudo da compatibilidade eletromagnética na indústria automobilística, conforme apresentado na Figura 22 [50]. 37

57 Figura 22: Crescimento da aplicação de sistemas elétricos e eletrônicos embarcados [50]. No Reino Unido, os automóveis foram os primeiros produtos de mercado submetidos a uma legislação específica de EMC [51]. O ruído impulsivo gerado pelo sistema de ignição possuía amplitude suficiente para causar interferência em aparelhos de televisão. A redução do nível de emissões irradiadas para um nível aceitável foi implementada, usando apenas alguns elementos resistivos no circuito de alta tensão dos sistemas de ignição para aumentar o tempo de subida da tensão e limitar a corrente máxima [51]. Os testes de imunidade irradiada dos automóveis constituem uma etapa importante no processo de desenvolvimento de um veículo, pois as funções dos sistemas de controle, diretamente ligadas na segurança pessoal, devem funcionar perfeitamente, mesmo em ambientes poluídos eletromagneticamente [6]. 38

58 Os fenômenos de EMC em veículos automotivos são basicamente os mesmos observados em qualquer sistema eletroeletrônico (emissão e suscetibilidade conduzidas e irradiadas), embora o meio eletromagnético automotivo seja bastante diferente do ambiente doméstico ou industrial [52]. Como não há conexões externas com o veículo, as interferências conduzidas são causadas apenas pelos componentes e sistemas do mesmo, em contrapartida, tais componentes e sistemas são os únicos afetados por tais interferências. As emissões conduzidas são geradas pela comutação de motores elétricos e chaveamento de bobinas e relés [52]. Estas emissões são de natureza transitória e são conduzidas ao longo do cabeamento automotivo e nos terminais das fontes de tensão dos vários sistemas eletrônicos. Os transitórios também podem ser acoplados, indutivamente ou capacitivamente, nos terminais de controle ou de sinal de vários sistemas. A solução adotada pelos fabricantes é limitar a amplitude dos transitórios gerados pelos vários componentes indutivos e assegurar que os sistemas eletrônicos tenham suficiente imunidade conduzida mantendo-se certo nível de sinal transitório [6]. As emissões irradiadas por um veículo surgem das seguintes fontes [52]: a. Cabeamento automotivo funciona como uma antena, irradiando os transitórios conduzidos; b. sistemas eletrônicos que incorporam sinal lógico digital de alta velocidade, como microprocessadores e seus componentes associados; c. conversores CC/CC (choppers) eletrônicos, usados para controle de velocidade de motores ou controle de luminosidade de lâmpadas (dimmers). Visto que a intensidade de campo elétrico destas emissões irradiadas é da ordem de µv/m ou mv/m, na maioria dos casos, o único problema provocado é interferência no rádio do veículo [6]. Como a sensibilidade do rádio e a distância entre 39

59 a antena e a fonte de interferência é praticamente fixa, a única forma de prevenir a interferência é limitar o nível das emissões irradiadas. Os veículos automotivos estão sujeitos a um ambiente eletromagnético bastante severo criado por vários transmissores fixos (como antenas de transmissão de rádio) e móveis (telefones celulares, por exemplo). Embora transmissores fixos geralmente irradiem com uma potência elevada (da ordem de megawatts), eles não submetem o veículo a campos eletromagnéticos muito intensos, visto que a separação entre a antena transmissora e o automóvel é relativamente grande. Por outro lado, transmissores móveis geralmente irradiam níveis relativamente baixos de potência, mas podem gerar campos localizados elevados no interior do veículo, ou mesmo em um veículo adjacente. Assim, os sistemas eletrônicos instalados no veículo devem ter um nível de imunidade aos campos eletromagnéticos irradiados, visto que os consumidores esperam que seu automóvel trabalhe corretamente, mesmo em ambientes eletromagneticamente severos [52]. Os campos eletromagnéticos podem se acoplar aos sistemas eletrônicos do veículo diretamente, nas trilhas das placas de circuitos impressos ou no cabeamento interno, ou ainda através do chicote de fios na carroceria do veículo. O processo de acoplamento é altamente dependente da frequência de interesse. Abaixo de 20 MHz o cabeamento da carroceria e os sistemas eletrônicos não agem como antenas eficientes, porque eles são relativamente pequenos comparados com o comprimento de onda da interferência [52]. Consequentemente, nenhum problema de suscetibilidade irradiada geralmente ocorre nas frequências de radiodifusão (LW Long Wave, MW Medium Wave e SW Short Wave) ou até mesmo na frequência de transmissão da rede elétrica, apesar dos campos irradiados intensos [52]. 40

60 Na faixa de frequência de 20 MHz a 200 MHz o cabeamento da carroceria age como uma antena razoavelmente eficiente, e correntes, em média da ordem de 1 ma podem ser induzidas para cada volt/metro de intensidade de campo, sendo o acoplamento dependente dos efeitos de ressonância e de blindagem oferecidos pela carroceria do veículo. Acima de 200 MHz, as perdas elétricas do cabeamento automotivo tornam-se consideráveis, fazendo com que estes deixem de funcionar como antenas eficientes [52]. Contudo, o acoplamento direto nas placas de circuito impresso dos sistemas eletrônicos pode acontecer, visto que suas dimensões são comparáveis a um quarto do comprimento de onda do sinal interferente. Porém, como os circuitos eletrônicos geralmente possuem altas perdas para frequências elevadas, dificilmente ocorrem problemas práticos [51]. Estas características impulsionaram para criação de normas específicas de teste e validação de componentes e subsistemas eletrônicos como a CISPR-12 e CISPR-25 [53]. Atualmente, há um conjunto de normais que são observadas nos projetos da indústria automobilística. O INPE, localizado na cidade de São José dos Campos no interior de São Paulo, oferece testes de certificação nas seguintes normas [54]: a. CISPR 12 Vehicles, motorboats and spark-ignited engine-driven devices Radio disturbance characteristics Limits and methods of measurement: aplicada a veículos, refere-se a emissões e imunidade irradiada; b. CISPR 25 Radio disturbance characteristics for the protection of receivers used on board vehicles, boats, and on devices Limits and methods of measurement: aplicada a componentes, refere-se a imunidade irradiada; c. ISO Road vehicles Component test methods for electrical disturbances from narrowband radiated electromagnetic energy: aplicada a componentes, refere-se a imunidade irradiada; 41

61 d. ISO Road vehicles Vehicle test methods for electrical disturbances from narrowband radiated electromagnetic energy: aplicada a veículos, refere-se a imunidade irradiada; e. ISO Test methods for electrical disturbances from electrostatic discharge: aplicada a veículos e componentes, refere-se a descarga eletrostática; f. ISO 7637 Road vehicles - Electrical disturbances from conduction and coupling: aplicada a componentes, refere-se a imunidade conduzida; g. SAE J551 Performance Levels and Methods of Measurement of Electromagnetic Radiation from Vehicles and Devices (30 to 1000 MHz): aplicada a veículos, refere-se a emissões e imunidade irradiada; h. SAE J1113 Electromagnetic Susceptibility Measurement Procedures for Vehicle Components (Except Aircraft): aplicada a componentes, refere-se a emissões e imunidade irradiada. No Brasil, a Comissão de Estudo em Eletrônica, em conjunto com o Grupo de Trabalho de Interferência Eletromagnética do Comitê Brasileiro de Automotivo da ABNT estão desenvolvendo normas referentes aos métodos de ensaios veiculares tendo como referência a norma ISO Assim, no processo de desenvolvimento de um automóvel, existe uma etapa específica para testes de validação do produto conforme mostrado na Figura 23. Durante essa etapa, são realizados ensaios nos laboratórios internos da empresa e em institutos especializados [55]. Em casos onde há a obrigatoriedade legal do cumprimento de um requisito de um mercado consumidor específico, tendo em vista que os projetos de engenharia automotiva atuais possuem uma abrangência global, institutos internacionais são acionados e veículos são exportados para realização dos ensaios [55]. 42

62 Fase 0 Planejamento Fase 1 Conceito e Desenvolvimento Fase 2 Definição dos sistemas Fase 3 Detalhamento do Design dos Sistemas Fase 4 Testes e Refinamento Fase 5 Início da produção Figura 23: Processo de desenvolvimento de produto [55]. Os ensaios de EMC realizados nesses institutos representam uma parcela significativa dos custos da etapa de validação. É necessária a disposição de pelo menos um veículo exclusivamente para estes testes além dos custos associados de transporte. De forma geral, conforme a Figura 24, caso algum problema de desenvolvimento seja encontrado durante a fase de testes de validação do produto e produção, os custos para solução final, respectivos teste e validação podem chegar a patamares até vinte vezes superior em comparação a uma mudança na etapa de conceito e desenvolvimento além do risco de atraso no lançamento do veículo [4], [5] e [56]. 43

63 Figura 24: Curvas de custo durante o processo de desenvolvimento de um produto [56]. Fatores como custo de desenvolvimento e atrasos no cronograma do projeto são suficientes para que a indústria automobilística busque alternativas para minimizar as falhas durante a etapa de definições. Neste contexto, as formas de análises computacionais e simulação de EMC/EMI podem ser alternativas atrativas a serem adotadas durante a etapa de engenharia de produto [56]. 44

64 7 PROBLEMA ESTUDADO, ENSAIOS E SIMULAÇÕES 7.1 Definição do problema Durante a fase inicial do projeto de um veículo, torna-se difícil a determinação de uma região susceptível aos efeitos de EMC/EMI. Isso ocorre devido à falta de informação para a elaboração de diagramas elétricos. Há incertezas sobre as interfaces entre conexões elétricas de peças mecânicas que apenas são definidas em uma etapa posterior durante o processo de desenvolvimento. Ademais, qualquer iniciativa de ensaio para estudos de EMC/EMI são realizados em veículos que são montados em etapas avançadas de desenvolvimento e validação do produto. Este fato indica que qualquer tipo de alteração de posicionamento, fixação e/ou até mesmo de sistemas eletrônicos, em função de algum problema de interferência eletromagnética pode levar a um aumento tanto do custo quanto do tempo disponível [4], [5]. O problema em estudo nessa dissertação considerou um projeto de um novo veículo durante uma etapa inicial de desenvolvimento. A empresa contratada e responsável pelo desenvolvimento do módulo, fabricação e testes de validação de um módulo de comunicação Bluetooth, detectou um risco de mal funcionamento e possível perda de operação devido a interferências causadas por campos eletromagnéticos produzidos no interior do veículo na faixa de frequência de 2,0 à 2,45 GHz, isto é, faixa de operação do módulo de Bluetooth. Conforme a Figura 25, nas proximidades onde o módulo será fixado, há instalado o cabeamento (também chamado de chicote elétrico) que permite o tráfego de sinais elétricos e alimentação de circuitos de potência elétrica. 45

65 Figura 25: Região de instalação do módulo de Bluetooth. Caso essa região de instalação do módulo Bluetooth seja considerada crítica em termos de incidência de campos e ruídos eletromagnéticos que podem ocasionar interferências, uma estratégia para a solução do problema precisa ser elaborada. Isto pode envolver investimentos no hardware eletrônico do módulo (alguma estratégia de blindagem eletromagnética, por exemplo) ou a procura de uma outra região para instalação. Uma proposta de solução para esse problema seria desenvolver um procedimento de análise computacional capaz de avaliar o campo emitido na região em determinadas situações de funcionamento do veículo. Desta forma, tanto o módulo de Bluetooth como as outras peças que estão instaladas nas proximidades poderiam ser dimensionadas para serem robustas aos limites estabelecidos nas normas como a CISPR-25 e a ISO

66 7.2 Estratégia para abordagem do problema. Inicialmente, os procedimentos de simulação dependem de características e condições de contorno bem definidas e de uma modelagem computacional avançada, isto é, que considere o funcionamento do sistema elétrico em um determinado instante de tempo. Assim, foi proposta e realizada uma estratégia de medição dos campos eletromagnéticos no interior do veículo atualmente em produção. Essa estratégia foi adotada pois, o sistema multimídia instalado no veículo disponível para teste é o mesmo que será utilizado no projeto que está no escopo desse estudo. Inclusive, as características elétricas e funcionais dos veículos são as mesmas. Sem dúvidas, esta foi uma importante consideração para se estudar o problema. Devido ao fato de que, no veículo medido, todas as informações de diagrama elétrico já são conhecidas e estão disponíveis. Assim, uma vez que o processo de medição torna-se confiável e com resultados expressivos, a mesma metodologia pode ser aplicada em outros veículos. Ademais, esses ensaios serão muito importantes para a elaboração de procedimentos e definição das condições de contorno para análises computacionais além de fornecer uma resposta confiável ao fornecedor do módulo Bluetooth. Desta forma, nesse trabalho serão mostrados os resultados obtidos pelo processo de medição de campo na faixa frequência de 2,4 GHz à 2,45 GHz no interior do veículo e medições realizadas no compartimento do motor na faixa de frequência de 0 KHz à 110 MHz. Esses resultados serão utilizados para se determinar uma região onde poderá haver incidência de campos eletromagnéticos que possam afetar o funcionamento do módulo de Bluetooth. Serão apresentados os primeiros passos para se elaborar um processo de análise computacional capaz de gerar resultados confiáveis na etapa inicial do projeto do veículo. 47

67 7.3 Estratégia para Medição de Campo Elétrico Irradiado no interior de um veículo Os ensaios realizados nos projetos automotivos com foco em EMC/EMI buscam principalmente analisar a questão de imunidade a campos eletromagnéticos em dispositivos eletrônicos. Em geral, para a realização desses ensaios há necessidade da utilização de uma câmara anecóica, a definição de pontos de interesse onde será medido o campo elétrico e o estabelecimento dos limites para determinação dos valores aceitáveis [57]. Referenciando um procedimento de medição realizado pelo CEFET-MG, UFMG, PUC e FIAT SA [57] e levando em consideração a falta de uma câmara anecóica com capacidade de acomodar um veículo, foi necessário escolher um ambiente para a realização dos ensaios que estivesse isento de interferências, como antenas de redes de comunicação sem fio e sinais de telefones celulares. Analisando os possíveis lugares com essa característica, chegou-se ao subsolo do Bloco A do campus da UFABC Santo André, apresentado na Figura 26. Esse espaço está situado entre dois grandes prédios do campus, praticamente não há sinal da rede de telefonia móvel e a baixa movimentação de pedestres. Figura 26: Subsolo do Bloco A Campus UFABC Santo André. 48

68 O veículo utilizado nos ensaios, Chevrolet Prisma LTZ, estava equipado com um sistema multimídia com comunicação Bluetooth fornecido pela LG BYOM Versão 1. Esse sistema é compatível com os aparelhos celulares comercializados atualmente, ou seja, que operam com sistemas operacionais IOs e Android. Com essas informações, estabeleceu-se duas fases de ensaios como mostrado na Figura 27. A primeira fase consistiu em medições de campo no interior do veículo e compartimento do motor em funcionamento e durante a partida. A segunda fase consistiu em um ensaio de agressão com a finalidade de descobrir em quais condições se poderia detectar uma falha na comunicação Bluetooth entre o telefone celular e o sistema multimídia. Contudo, vale ressaltar que a segunda etapa seria realizada caso nenhuma incidência de interferência eletromagnética fosse encontrada na primeira etapa. Em ambas as fases, as maiores dificuldades encontradas para a realização dos ensaios foi a obtenção dos equipamentos necessários e, consequentemente, as configurações adequadas para obtenção dos resultados. 49

69 Figura 27: Fases das medições. 7.4 Fase 1: Medições, preparação e equipamentos Na preparação da Fase 1, foram consideradas duas regiões onde possíveis fontes de interferências eletromagnéticas poderiam ocorrer: no interior do veículo e no compartimento do motor, conforme apresentado na Figura 28. No interior do veículo, há dispositivos instalados que podem funcionar como fontes de ruídos eletromagnéticos, como microprocessadores e módulos eletrônicos. O compartimento do motor, como já é de conhecimento da engenharia automotiva, emite ruídos na faixa de FM, isto é, entre 86,6 MHz à 109,1 MHz [58], principalmente durante a partida do veículo. Desta forma, as medições de campo na Fase 1 foram divididas em 3 Etapas: 50

70 a. Etapa 1: medições do campo gerado no interior do veículo; b. Etapa 2: medições do campo gerado no compartimento do motor; c. Etapa 3: medições de campo gerado na partida no compartimento do motor; Figura 28: Região de medições. Historicamente, o compartimento do motor com o veículo em funcionamento é uma região importante a ser analisada em termos de emissões. Isto acontece devido a corrente elétrica necessária para gerar a faísca para o explosão da mistura carburada (ar e combustível) no cilindro do motor. Assim, em ambas as Etapas, foram realizadas as medições para cada modo de funcionamento do veículo, como mostrado na Tabela 3. Mantendo-se as mesmas condições de configuração de ensaio, isto é, a preparação dos equipamentos de medição e realizando três medições para cada modo de funcionamento, assegurouse a eliminação de erros de leitura e procedimentos. Em todas as medições, as configurações necessárias para a realização do ensaio eram devidamente verificadas. 51

71 Tabela 3: Sequência das medidas. Etapas Sequência Qtde. de Modo de Funcionamento do Veículo Fase 1 de medição Medidas Descrição do ensaio 1 3 Veículo desligado 2 3 Acionar Ignição 3 3 Veículo ligado (motor em funcionamento +/- 800 rpm) Interior do Veículo Veículo ligado e Ligar Farol 5 3 Veículo e Farol Ligados + acionar Bluetooth 6 3 Veículo, Farol, Bluetooth ligados +acionar vidros elétricos 7 3 Desligar o veículo 8 3 Veículo, Farol e Bluetooth ligados +/- 800 rpm) 9 3 Veículo, Farol e Bluetooth ligados +/ rpm) 10 3 Veículo, Farol e Bluetooth ligados +/ rpm) Compartimento do Motor Veículo desligado 2 3 Acionar Ignição (motor em funcionamento +/- 800 rpm) 3 3 Veículo ligado (motor em funcionamento +/ rpm) 4 3 Veículo ligado (motor em funcionamento +/ rpm) Medição de campo produzido na partida do veículo Na etapa 3 foram realizadas oito medições. O objetivo foi conseguir avaliar e capturar as interferências que poderiam existir no instante de partido do veículo. Os modos de funcionamento foram determinados com um estudo detalhado sobre a arquitetura elétrica do veículo submetido ao ensaio, conforme a Figura 29. Cada módulo eletrônico entra em funcionamento sob determinadas condições. Contudo, o instante de partida do motor, acionamento dos vidros elétricos e faróis podem ser classificados como o principais eventos em termos de emissões com o veículo em repouso, com motor em funcionamento ou desligado. Isso porquê alguns módulos entram em funcionamento justamente na ignição do motor, como ECM 52

72 (Engine Control Module). A BCM (Body Control Module), por sua vez, entra em funcionamento na abertura dos vidros e acionamento dos faróis. Figura 29: Esquema simplificado da Arquitetura Elétrica do veículo usado nos ensaios [15]. Tendo em vista a definição da sequência das medições e do detalhamento de cada etapa, elaborou-se uma lista de equipamentos a serem utilizados. Parte desses equipamentos pertencem a UFABC, as pontas de prova usadas na medição foram obtidos por empréstimo pela empresa Rohde & Schwarz e o computador é de uso pessoal (todos os equipamentos estão relacionados no apêndice D): 53

73 a. 1 computador com sistema operacional Microsoft Windows instalado; b. 1 Analisador de Espectro Rohde & Schwarz modelo FSL; c. Conjunto de pontas de prova para medição de campo elétricos da Rohde & Schwarz, sendo: i. 1 ponta de prova para frequência de 2 khz até 200 MHz faixa de frequência de FM; ii. 1 ponta de prova para frequência de 200 MHz à 6 GHz faixa de operação do Bluetooth (2,45 GHz); Ambos as pontas de provas utilizadas nesse ensaio fazem parte de um conjunto de medição que funcionam com o Analisador de Espectro FSL e um software para interpretação, captura de dados e organização de medições chamado R&S RFEX [59]. Na Etapa 1, o Analisador de Espectro FSL foi acomodado no banco traseiro do veículo. Com a localização aproximada de instalação do módulo de Bluetooth, Figura 30, a ponta de prova de medição que opera até a frequência de 6 GHz foi posicionado no console do veículo, Figura 31. Figura 30: Instalação do módulo de Bluetooth. 54

74 Figura 31: Ponta de prova instalada no interior do veículo. Na Etapa 2 e 3, o Analisador de Espectro foi instalado em uma bancada na frente do veículo, conforme mostrado na Figura 32. Para se determinar qual a ponta de prova indicada para a captura dos dados, inicialmente foram realizadas algumas medições com a ponta de prova capaz de captar um campo na frequência de 6 GHz. A solução foi refazer as medições utilizando a ponta de prova capaz de medir campos de 2 KHz à 200 MHz, conforme mostrado na Figura

75 Figura 32: Equipamentos montados para medição na Etapa 2 e Etapa 3. Figura 33: Segunda tentativa de medição na Etapa 2 e Etapa 3. Utilizando o software RFEX, configurou-se a faixa de frequência onde as medições das Etapas 1 e 2 foram realizadas, conforme as Figuras 34 e 35. O RFEX foi configurado para salvar os histórico das medidas em arquivos de planilha no computador pessoal usado nos ensaios. 56

76 Figura 34: Configurações do RFEX para medição na Etapa 1 (200MHz à 6GHz). Figura 35: Configurações do RFEX para medição na Etapa 2 (2KHz à 200MHz). Cada medição levou 30 segundos para ser finalizada. Durante esse período de 30 segundos, uma sequência de operação era realizada conforme detalhado na Tabela 3 e um arquivo em formato de planilha eletrônica foi gerado. Por exemplo: a. Etapa 1 (200MHz à 6GHz) Sequência de Medição 1 Modo de funcionamento: medição veículo desligado 3 Medições de 30 segundos realizadas 3 arquivos de planilha gerados; 57

77 b. Etapa 1 (200MHz à 6GHz) Sequência de Medição 2 Modo de funcionamento: Acionar Ignição 3 Medições de 30 segundos realizadas 3 arquivos gerados; Assim, todos os modos discriminados nas Etapas 1 e 2 e descritos na Tabela 3 foram executados 3 vezes. Em toda a sequência de medição, foram priorizados a transição de cada evento descrito nos modos de funcionamento, isto é, objetivando detectar alguma interferência eletromagnética no instante da ignição do veículo ou acionamento do Bluetooth ou no acionamento dos faróis, etc. Figura 36: O procedimento de medição da Fase 1 pode ser resumido em um fluxograma, Figura 36: Sequência das Etapas de medição. 58

78 7.5 Resultados obtidos e observações durante a Fase 1 A norma ISO estabelece os limites que os módulos eletrônicos aplicados na indústria automobilística, militar e aeroespacial devem ser imunes. Em função do tipo de aplicação, os limites são classificados em Níveis de Severidade, Tabela 4. Aplica-se para todas as fontes de radiações eletromagnéticas emitidas na faixa de frequência de 200 MHz a 18 GHz [60]. Estes limites podem variar conforme acordos entre montadora e fornecedor do módulo. Tabela 4: Tabela de com os limites máximos para imunidade ISO [60]. Conforme as especificações internas da montadora do veículo usado nos ensaios, o módulo de Bluetooth é classificado com o Nível de Severidade II. Contudo, em função da faixa de frequência que será analisada, 2.45 GHz, o módulo deve ser submetido a um campo igual ou superior à 600 V/m para completar os testes de validação [61]. De acordo a CISPR-25, o valor máximo de distúrbios radiados pelos módulos podem ser acordados entre a montadora de veículos e o fornecedor do módulo eletrônico. Isso acontece em função de existir 5 classes de classificação que variam conforme um acordo entre as partes [62]. Muito embora alguns valores de referência são especificados na CISPR-25, Tabela 5. 59

79 Tabela 5: Tabela de com os limites máximos para distúrbios radiados CISPR-25 [62]. Portanto, o módulo instalado nesse veículo deve atender os seguintes limites: a. Imunidade a campos de até 600 V/m, isto é, manter-se em funcionamento quando submetido a campos dessa magnitude; b. Não emitir distúrbios radiados que excedam 68 db (uv/m); Desta forma, as medições discriminadas para e Etapa 1 e Etapa 2 foram realizadas. Os resultados dos valores máximos e em RMS foram compilados nas Tabelas 6, 7 e 8. Foi adicionado, para melhor visualização, a tabela de resultados sem edições no Apêndice C. 60

80 Tabela 6: Resultados das medições realizadas Parte 1. Tabela 7: Resultados das medições realizadas Parte 2. 61

81 Tabela 8: Resultados das medições realizadas Parte 3. Os valores máximos encontrados nessas medições (0,0612 V/m e 95,7368 db µv/m) indicam que o não há indícios de geração de picos e campos eletromagnéticos pelo sistema do veículo com intensidade de interferir o funcionamento do módulo Bluetooth. Entende-se como sistema do veículo o cabeamento e outros módulos eletrônicos que estão instalados e em funcionamento no interior do veículo. A maior variação de campo (Field Level em db µv/m) ocorreu quando se acionou o módulo Bluetooth, configurando-o para procurar novos dispositivos para conexão (Δ Field Level = 9,6160 db µv/m). Adicionalmente, consegue-se estudar os perfis dos campos medidos nos gráficos apresentados nas Figuras 37 à Figura 64. Os resultados apresentados na Etapa 1 correspondem a medição de frequência na faixa de frequência de 2,4 GHz à 2,5 GHz. 62

82 Figura 37: Resultados dos testes da Sequência 1 Field Strenght [V/m]. Figura 38: Resultados dos testes da Sequência 2 Field Strenght [V/m]. 63

83 Figura 39: Resultados dos testes da Sequência 3 Field Strenght [V/m]. Figura 40: Resultados dos testes da Sequência 4 Field Strenght [V/m]. 64

84 Figura 41: Resultados dos testes da Sequência 5 Field Strenght [V/m]. Figura 42: Resultados dos testes da Sequência 6 Field Strenght [V/m]. 65

85 Figura 43: Resultados dos testes da Sequência 7 Field Strenght [V/m]. Figura 44: Resultados dos testes da Sequência 8 Field Strenght [V/m]. 66

86 Figura 45: Resultados dos testes da Sequência 9 Field Strenght [V/m]. Figura 46: Resultados dos testes da Sequência 10 Field Strenght [V/m]. 67

87 Figura 47: Resultados dos testes da Sequência 1 Field Level [db µv/m]. Figura 48: Resultados dos testes da Sequência 2 Field Level [db µv/m]. 68

88 Figura 49: Resultados dos testes da Sequência 3 Field Level [db µv/m]. Figura 50: Resultados dos testes da Sequência 4 Field Level [db µv/m]. 69

89 Figura 51: Resultados dos testes da Sequência 5 Field Level [db µv/m]. Figura 52: Resultados dos testes da Sequência 6 Field Level [db µv/m]. 70

90 Figura 53: Resultados dos testes da Sequência 7 Field Level [db µv/m]. Figura 54: Resultados dos testes da Sequência 8 Field Level [db µv/m]. 71

91 Figura 55: Resultados dos testes da Sequência 9 Field Level [db µv/m]. Figura 56: Resultados dos testes da Sequência 10 Field Level [db µv/m]. 72

92 Nos resultados apresentados nas figuras 37 à 56, constata-se a ausência de sinais que possam ser considerados como interferências eletromagnéticas. Isso significa que o sistema eletrônico do veículo, conforme as condições avaliadas, não gerou nenhum campo eletromagnético com intensidade para intervir no funcionamento do veículo. Esse fato foi constatado durante o experimento. Após a realização da Etapa 1, isto é, medições que ocorreram no interior do veículo, estudaram-se as interferências que poderiam ser produzidas no compartimento do motor. Em decorrência aos problemas apresentados em alguns rádios que eram utilizados em aplicações automotivas na década de 80, onde era possível verificar uma interferência no sinal de FM/AM em função da rotação do motor, o equipamento de medição de campo foi configurado para realizar medidas na faixa de 86 MHz à 110 MHz. Os resultados mostram que, na faixa de frequência estudada, não houve nenhuma incidência de picos, Figura 57 à Figura 70. Durante esse período, o rádio do veículo medido não apresentou nenhuma perturbação em seu funcionamento. Figura 57: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 1 Field Strength [V/m]. 73

93 Figura 58: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 2 Field Strength [V/m]. Figura 59: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 3 e Sequência 4 Field Strength [V/m]. 74

94 Figura 60: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 1 Field Level [db µv/m]. Figura 61: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 2 Field Level [db µv/m]. 75

95 Figura 62: Resultados dos testes da Etapa 2 - > Sequência 3 e Sequência 4 Field Level [db µv/m]. Muito embora os resultados obtidos na Etapa 2 não apresentaram evidencias de interferências eletromagnéticas, nos resultados da Etapa 3 conseguiu-se verificar a existência de picos de campo durante a partida do veículo. Os resultados apresentados na Figura 63 mostram que há uma discreta perturbação em uma das medidas realizadas. Este mesmo resultado foi refinado e apresentado na Figura

96 Figura 63: Resultados dos testes da Etapa 3 Field Level [db µv/m]. Figura 64: Resultados dos testes da Etapa 3 (refinado) Field Level [db µv/m]. 77

97 Contudo, durante a execução dos ensaios notou-se que havia outros picos de interferência que não foram capturados. Isso aconteceu devido ao equipamento utilizado nas medições não ser capaz de capturar e armazenar a variação do campo em função do tempo. Assim, as medidas apresentadas nas Figuras 63 e 64 representam um instante específico no tempo. As variações de campo vistas durante a partida do veículo puderam ser capturadas em um vídeo. Algumas imagens foram geradas a partir desse vídeo e mostradas na Figura 65. Nota-se que, a cada partida dada, havia uma perturbação de campo na faixa de frequência de 10 MHz até 40 MHz. Devido a frequência e a intensidade de campo medida, concluiu-se que essa perturbação de campo não gera alterações no funcionamento do módulo de Bluetooth e no funcionamento do rádio em geral. Figura 65: Resultados dos testes da Etapa 3 (refinado) Field Level [db µv/m]. Em todos os procedimentos de medida constatou-se que o sistema elétrico do veículo é capaz de gerar ruídos eletromagnéticos. Contudo, esses ruídos não foram 78

98 suficientes para provocar um mau funcionamento no módulo de Bluetooth, por situarem-se em faixas de frequência fora da área de operação do Bluetooth. Desta forma, constata-se que as especificações de projeto e os ensaios de validação dos componentes e sistemas eletrônicos que são robustos e foram devidamente determinadas com a finalidade evitar problemas de EMC e EMI. 7.6 Fase 2: Configurações de equipamentos e medições Após a realização da Fase 1, onde não foram encontrados picos de campo capazes de gerar interferências eletromagnéticas, notou-se que havia uma baixa probabilidade de encontrar alguma falha no funcionamento do veículo. Assim, a Fase 2 foi elaborada para que uma falha de comunicação pudesse ser observada. Conforme especificações do módulo de Bluetooth, a comunicação deve ser consistente e não apresentar falhas com dispositivos compatíveis presentes no interior do veículo na faixa de frequência de 2,4 GHz até 2,485 GHz [61]. Utilizando-se de duas antenas tipo Yagi (10 db de ganho) que operam na frequência de 2,45 GHz e dois geradores de sinal Agilent N9310A, ambos equipamentos mostrados no apêndice D, configurou-se um cenário para a realização dos ensaios de agressão. O veículo submetido aos ensaios da Etapa 1 foi utilizado na Etapa 2. A Etapa 2 também foi realizada no subsolo do Bloco A do campus Santo André da UFABC. Primeiramente, realizou-se um teste de conectividade dos aparelhos celulares ao sistema multimídia do veículo. Dois aparelhos foram usados no ensaio, um com o sistema operacional IOs e outro com Android. 79

99 Ambos aparelhos se conectaram ao sistema multimídia e nenhuma falha de comunicação foi constatada. Foram realizadas tentativas de chamadas telefônicas e a reprodução de arquivos de música. Constatou-se que, mesmo a uma distância de aproximadamente 50 metros do veículo, a comunicação entre os aparelhos telefônicos e sistema multimídia mantinham-se integras, isto é, sem apresentar falhas de qualquer natureza. Após a verificação de funcionamento dos aparelhos telefônicos usando Bluetooth, as duas antenas foram posicionadas no interior do veículo, conforme a Figura 66. Figura 66: Antenas posicionadas no interior do veículo. Um analisador de espectro R&S FS315, mostrado no apêndice D, foi utilizado para se verificar os pulsos gerados pelo gerador de sina. Esse equipamento foi posicionado no banco do passageiro, à direita do banco do condutor. Os ensaios de agressão consistiram em emitir 10 pulsos por segundo (5 pulsos por segundo para cada antena), não sincronizados, na faixa de frequência de

100 GHz à 2.48 GHz e uma potência inserida nos geradores de 20 dbm, conforme mostrado nas Figuras 67 e 68. Esses pulsos foram gerados de forma escalonada, isto é, primeiramente um gerador foi utilizado para gerar 5 pulsos e foram direcionados para a região de instalação do módulo de Bluetooth, conforme a Figura 66. Assim, com apenas um gerador ligado, realizou-se as operações de conexão e reprodução de arquivos musicais. Figura 67: Pulso gerado por um gerador. As mesmas operações foram repetidas posteriormente utilizando os dois geradores ligados, gerando os 10 pulsos por segundo, conforme mostrado na Figura

101 Figura 68: Pulsos gerados pelos dois geradores. 7.7 Resultados obtidos e observações durante a Fase 2 Realizando os testes de conectividade, constatou-se que a conexão ao sistema multimídia e reprodução de arquivos de música, no interior do veículo, mantiveram-se normais. Nenhum efeito de interferência eletromagnética foi detectado e as operações foram realizadas com sucesso em um raio de 20 metros. Com a utilização de um gerador emitindo 5 pulsos por segundo, uma vez estabelecida a conexão entre os celulares e o sistema multimídia, constatou-se que a integridade da conexão externa foi prejudicada, pois, a 10 metros de distância do veículo era possível verificar falhas na reprodução de arquivos de música. Com o acionamento dos dois geradores de sinal, dobrou-se a quantidade de pulsos não sincronizados emitidos diretamente ao módulo de Bluetooth. 82

102 Realizando os mesmos testes de conectividade feitos anteriormente, constatou-se que as operações de ligação telefônica, conexão ao sistema multimídia e reprodução de arquivos de música, no interior do veículo, manteve-se normal. A comunicação externa dos celulares com o sistema multimídia foi também prejudicada neste ensaio. A uma distância de aproximadamente 1 metro do veículo, verificou-se falhas na reprodução de arquivos de música e a perda da comunicação entre os dispositivos. Este fato não caracteriza uma falha no sistema de comunicação Bluetooth do ponto de vista de aplicação e especificação. Isto porquê, mesmo com as duas antenas gerando pulsos, os celulares conseguiram ser detectados e todas as operações conseguiram ser realizadas no interior do veículo, conforme especificação da montadora [61]. 7.8 Proposta de modelagem e simulação dos ensaios realizados Os ensaios realizados para medição dos campos gerados no interior do veículo, no compartimento do motor e os testes de agressão dependem de um ambiente adequado para a realização dos mesmos [63]. A utilização de câmaras anecóicas e/ou semi-anecóicas são fundamentais para a minimização de ruídos que podem ser medidos e ser interpretados dos resultados [63]. Assim, quando se estudam as condições de contorno necessárias para a modelagem numérica desses ensaios, um fator importante é o conhecimento da arquitetura elétrica do veículo e, evidentemente, o funcionamento detalhado do sistema elétrico em diferentes instantes do tempo. 83

103 Analisando o cabeamento (chicote elétrico) instalado na região do painel de instrumentos do carro, nota-se a complexidade encontrada para a determinação das condições de contorno que representem um determinado instante de funcionamento do veículo. Outro fator que deve ser considerado é o desconhecimento das características de sinal elétrico e potência elétrica que trafegam por esse cabeamento. De fato, há uma variedade de circuitos que estão agrupados de forma aleatória no cabeamento e que transportam correntes elétricas de intensidade diferentes, dificultando a modelagem. As especificações de módulos eletrônicos não determinam, por exemplo, a impedância de entrada. Estas especificações restringem apenas a corrente elétrica de consumo durante o funcionamento, características do pulsos PWM (quando há) e a corrente elétrica consumida quando o módulo está em repouso (standby) devido ao veículo estar desligado, chamado de corrente parasita. [19]. Contudo, com o objetivo de propor um início para essa modelagem, foi adotado um conjunto de condições de contorno baseado no cabeamento e arquitetura elétrica do veículo usado nos ensaios. Verificou-se que, os circuitos que aparecem em maior quantidade são os pares trançados (Figura 69 (a)). (a) (b) Figura 69: (a) Exemplos de circuitos compostos por pares trançados; (b) Exemplo cabo RG58 84

104 Contudo, é comum a utilização de cabos como o RG58, mostrado na Figura 69 (b), para a conexão da antena utilizada pelo rádio. Desta forma, realizou-se um comparativo entre os resultados de campo elétrico utilizando um par trançado e um RG58 na mesma rota. Assim, foi possível identificar o comportamento de diferentes cabos sob as mesmas condições de contorno e de sinal de entrada. Inicialmente, o suporte metálico utilizado para a fixação do cabeamento foi modelado para ser usado no software CST Cable Studio, conforme a Figura 70. Este processo consiste em particionar o componente em estudo em partes menores, chamadas de elementos. O conjunto desses elementos formará um malha. O software utiliza esta malha como dado de entrada para a realização dos cálculos. Figura 70: Suporte do painel de instrumentos preparado para simulação. 85

105 Após a inclusão do suporte metálico, foi escolhido um circuito composto por um par trançado. Esse circuito foi modelado de acordo com a sua fixação no suporte metálico, apresentado na Figura 71. De acordo com a especificação obtidas no diagrama elétrico, atribuiu-se a bitola de 0,75 mm 2 e o comprimento de 1,4 m, de acordo com a Figura 72. Figura 71: Modelamento do circuito par trançado. Figura 72: Especificação do cabo utilizado. 86

106 Para esse par trançado, foi atribuído sinal de excitação em forma de uma curva gaussiana, mostrado na Figura 73. Este sinal poderia ser especificado conforme necessidade do estudo em questão. Figura 73: Sinal de excitação do cabo. A faixa de frequência estipulada foi de 0 Hz à 200 MHz. Este limite foi escolhido pela capacidade de processamento do computador utilizado nas simulações e pelo fato da frequência utilizada nos rádios FM estar contida no intervalo de 86,6 MHz à 109,1 MHz [58]. Para a realização da simulação, foi atribuído uma ponta de medição de campo elétrico justamente onde o módulo de Bluetooth será instalado. Conforme as medições realizadas nos ensaios, a localização do ponto exato para a coleta de medições, isto é, posicionamento da ponta de medição de campo, foi extraída do desenho do veículo modelado, mostrado na Figura

107 Figura 74: Detalhe da ponta de medição de campo. Após a finalização da preparação necessária para a simulação, os primeiros resultados foram obtidos, conforme pode ser visto na Figura 75. Figura 75: Distribuição de valores de Campo Elétrico obtidos da simulação. O campo elétrico observado na ponta de prova pode ser analisado na Figura 76. Verifica-se que há alguns picos faz frequências de 43 MHz e 135 MHz. 88

108 Figura 76: Campo Elétrico simulado. Com o objetivo de verificar a influência da parte metálica externa do veículo, isto é, da carroceria do veículo, foi realizada a modelagem geométrica do veículo completo. Este objeto foi inserido na análise, conforme mostrado na Figura 77. Figura 77: Modelo geométrico já discretizado da parte externa do veículo. A ponta de prova foi mantida, como mostrada na Figura 78 e uma nova simulação foi realizada, conforme mostrado nas Figura 79 e Figura

109 Figura 78: Configuração simulada, considerando a parte externa do veículo e a ponta de prova. Figura 79: Resultados da simulação, campo elétrico na frequência de 200 MHz. 90

110 Figura 80: Resultados da simulação, campo elétrico na frequência de 200 MHz. Comparando os resultados obtidos com os da modelagem anterior, onde apenas se considerou o suporte metálico para fixação do cabeamento, verifica-se que o campo elétrico na ponta de prova permaneceu o mesmo, conforme a Figura 81. Figura 81: Campo Elétrico simulado após inserção da parte externa do veículo 91

111 Os resultados mostram que, no interior do veículo, o campo gerado e percebido em um determinado ponto não se altera em termos da geometria metálica externa do veículo. Utilizando o um cabo RG58, configurou-se a mesma rota, isto é, comprimento e posição espacial do par trançado analisado anteriormente, conforme a Figura 82, e realizou-se os mesmos procedimentos de simulação utilizados para o cabo par trançado. Figura 82: Configuração do cabo RG58. Mantendo-se a estrutura metálica para fixação do cabeamento, obteve-se os resultados mostrados nas Figura 83 à Figura 86. Nota-se que o campo elétrico medido na ponta de medição, mostrado na Figura 86, possui um pico de emissão (ponto de máximo), em 110 MHz. 92

112 Esse resultado é diferente ao encontrado na mesma simulação feita com o par trançado. As diferenças podem ser associadas a geometria e composição dos cabos. Figura 83: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz. Figura 84: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz. 93

113 Figura 85: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz. O resultado apresentado na Figura 86 não se altera com a presença da carroceria metálica do veículo. Fato que foi constatado com a simulação realizada anteriormente com o par trançado. Figura 86: Resultados da simulação com RG58, campo elétrico na frequência de 200 MHz na ponta de medição. Ademais, novos resultados poderiam ser obtidos variando o sinal de entrada. Essa característica torna a ferramenta de simulação muito atrativa. 94

114 A devida utilização, ou seja, com condições de contorno determinadas em termos do funcionamento do veículo, pode fornecer de forma rápida resultados que podem ser utilizados durante a fase de desenvolvimento do veículo, evitando a utilização de ensaios em câmeras específicas. Em todas simulações foi utilizando uma estação de trabalho HPZ800, com 12 Giga bytes de memória RAM e com processar Intel Xeon E5620 com 8 núcleos de processamento. O tempo médio de processamento para cada cabo na frequência de 200 MHz foi de 7 minutos. 95

115 96

116 8 CONCLUSÕES O presente trabalho foi desenvolvido com o objetivo de se avaliar os efeitos de possíveis interferências eletromagnéticas ocasionadas pelo cabeamento ou por algum modulo eletrônico instalado no compartimento do motorista em sistemas multimídia que utilizam Bluetooth. Com mais de 70 ensaios realizados e utilizando uma ferramenta computacional de simulação e modelagem, CST, conseguiu-se medir (via ensaios) e simular (via software) o campo elétrico irradiado pelo cabeamento interno em diferentes regiões e situações de funcionamento do veículo. Vale ressaltar que ocorreram situações que dificultaram a realização dos ensaios, como um local perfeitamente adequado para as medições, a disponibilidade, treinamento e o acesso a materiais de apoio para a utilização dos equipamentos utilizados. Contudo, essas dificuldades foram superadas e os ensaios foram devidamente documentados. Verificou-se que a ferramenta computacional, CST, é capaz de realizar simulações para obtenção dos valores de um campo irradiado por uma corrente atravessando um condutor na região interna do veículo. Conseguiu-se comparar a emissão de dois tipos de cabos mais utilizados na indústria automobilística. Verificou-se que, para as medições de campo no interior do veículo, a presença de carroceria no modelo computacional foi irrelevante. Esse fato implica que, em termos de análise numérica, essa carroceria poderia ser suprimida do modelo. Tal implicação leva a um ganho no tempo de processamento da simulação em função da redução de trabalho computacional. É necessário um estudo detalhado dos sinais de entrada a serem utilizadas para o cálculo do campo irradiado. Isso significa que deve-se conhecer em detalhes 97

117 as características elétricas do sinais e corrente elétrica que trafegam no cabeamento do veículo sob as condições de funcionamento do veículo. Essa informação é fundamental para a determinação das condições de contorno a serem consideradas para a obtenção de resultados. Ademais, conforme pode ser visto nos resultados obtidos com o CST e detalhados no Capítulo 7.8, a determinação da radiação depende da localização e das características eletrônicas dos módulos instalados. Lembrando que esses módulos podem ser comportar como fontes de emissão de ruídos eletromagnéticos. Na indústria automobilística há uma preocupação em relação ao comportamento dos sistemas eletrônicos mediante aos efeitos de EMC/EMI. Muito embora ensaios sejam realizados isoladamente nos componentes eletrônicos que compõe a arquitetura elétrica dos veículos, ensaios devem ser realizados para averiguação desses sistemas montados, objetivando a identificação de algum mau funcionamento. Portanto, a relevância desse trabalho para o desenvolvimento automotivo é claramente constatada pela oportunidade de se aprimorar as técnicas de modelagem para uma redução na utilização de ensaios de medição de campos eletromagnéticos. Constata-se também, a robustez das especificações técnicas adotadas para os componentes eletrônicos que foram testados de forma isolada. Outra implicação dos resultados obtidos é a constatação da real possibilidade da utilização de simulações computacionais para a determinação de regiões nos veículos que possam se comportar como uma fonte de emissão eletromagnética. Esses resultados podem ser utilizados na identificação de regiões que necessitem da instalação de blindagens eletromagnéticas, como por exemplo, a utilização de cabos blindados. 98

118 Mesmo não se podendo realizar as medições em condições ideais (em uma câmera semi-anecóica e a pela falta de conhecimento das características dos sinais elétricos que trafegam pelo cabeamento, por exemplo) constatou-se que seria possível comparar os resultados experimentais e de simulação, mostrando a viabilidade da abordagem descrita. Algumas ressalvas precisam ser consideradas na obtenção dos resultados dos ensaios e das simulações mostrados nesse trabalho: i. O ambiente utilizado para as medições não estava totalmente livre de ruídos de fundo. Isso implicou em um ruído nos valores medidos; ii. É necessário identificar as piores condições de funcionamento em termos de intensidade de campo irradiado e propor condições de contorno adequadas para obtenção dos resultados. Nos ensaios, foram escolhidas condições consideradas críticas de acionamento de módulos e transitórios de corrente, como na ignição; iii. Conforme o objetivo inicial do trabalho, constatou-se que a região escolhida para a instalação do módulo de Bluetooth está em conformidade com as condições necessárias para o bom funcionamento do mesmo. Como sugestões para trabalhos futuros ou continuidade desse trabalho, poderiam ser citados: a. Estudar a forma de irradiação de campos em um cabeamento automotivo; b. Estudar as características de sinais e intensidade de corrente elétrica em determinados instantes de funcionamento do veículo; c. Desenvolver uma ferramenta para extração de informações sobre o cabeamento, como bitolas de cabos, conexões e tipos de circuitos para o ambiente de simulação CST; 99

119 d. Elaborar especificações técnicas que permitam a modelagem dos módulos eletrônicos utilizados como fontes emissoras de ruídos eletromagnéticos; e. Realizar ensaios controlados e confrontar os resultados obtidos com os resultados obtidos pela simulação; f. Aperfeiçoar a abordagem descrita nesse trabalho, aumentando a quantidade de simulações e medições, promovendo discussões dos resultados em fóruns especializados; g. Elaborar comparativos para determinação das regiões que devem ser consideradas no modelamento. Esse passo ajudaria na identificação das regiões desnecessárias para o modelo, tornando-o mais eficiente em termos de tempo de processamento. 100

120 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] H. Casier, P. Moens e K. Appeltans, Technology Considerations for Automotive, Solid-State Device Research conference, IEEE, pp , [2] R. Bosch, Automotive Electrics Automotive Electronics, Massachusetts: Bentley Pub, [3] T. Rybak e M. Steffka, Automotive Electromagnetic Compatibility (EMC), New York: Kluwer Academic Publishers, [4] T. Pereira e P. Giantaglia, Bringing Project Management Practices into Automotive Programs, em XIV Congresso e Exposição Internacionais da Tecnologia da Mobilidade - SAE, São Paulo, [5] T. E. Austin, Application of Six Sigma Methodologies to Improve Requirements Management for Customer Programs, em SAE World Congress, Detroit, Michigan, [6] R. S. S. Pires, Investigação de uma Nova Metodologia para Ensaios de Suscetibilidade Eletromagnética em Veículos Automotivos, Belo Horizonte - MG: UFMG, [7] C. C. S. Technology, CST Computer Simulation Technology, CST Computer Simulation Technology, [Online]. Disponível: https://www.cst.com. [Acesso em 05 Dezembro 2013]. [8] D. K. Cheng, Fundamentals of Engineering Electromagnetics, New York: Addison-Weslay, [9] C. Balanis, Advanced Engineering Eletromagnetics, New York: John Wiley, [10] C. R. Paul, Electromagnetics for Engineers: With Applications to Digital Systems and Electromagnetic Interference, New York: Wiley,

121 [11] Emerald, 3D PCB architecture for next generation high speed interconnections, Emerald, [Online]. Disponível: [Acesso em 7 Agosto 2013]. [12] U. F. d. C. Grande, Guglielmo Marconi, [Online]. Disponível: [Acesso em 8 Agosto 2013]. [13] A. Boyer, A. C. Ndoye, B. S. Dhia, L. Guillot e B. Vrignon, Characterization of the Evolution of IC Emissions After Accelerated Aging, IEEE Transactions on Electromagnetic Compatibility, vol. 51, nº 4, [14] J. Mologni, M. Kopp, A. Colin, M. A. R. Alves e E. S. Braga, Full Vehicle Electromagnetic Simulation Using the Hybrid Finite Element Boundary Integral Approach, em XX SAE BRASIL International Congress and Exhibition, São Paulo, Brasil, [15] G. M. Company, Reports and Engineering Documents, São Caetando do Sul, [16] C. R. Paul, Introduction to Electromagnetic Compatibility, New Jersey, USA: Wiley-Interscience, [17] M. Montrose e E. Nakauchi, Testing for EMC Compliance: Approaches and Techniques, New Jersey - USA: Wiley-IEEE Press, [18] M. H. Dias e G. M. M. Chaves, A simple approach to assess EMI problems due to misplacement of transmiter and receiver antennas dor HF ionospheric communications systems operating in the same site., em Proc. of the International Symposium on Electromagnetic Compatibility (ISEMC), Petrópolis - RJ, Nov [19] J. V. Guimarães, Ensaios de Proficência em Compatibilidade Eletromagnética: Programa Exploratório de Medidas de Emissão Radiada., Rio de Janeiro: IME - Instituto Militar de Engenharia,

122 [20] General Motors Corporation, EMC: Introduction to EMC for Designing Engineers, GM University Engineering College, Michigan - USA, [21] D. Industry, Direct Industry, [Online]. Disponível: html. [Acesso em 26 Setembro 2013]. [22] S. M. -. Elektronik, Schwarzbeck Mess - Elektronik, [Online]. Disponível: [Acesso em 26 Setembro 2013]. [23] M. A. K. Wiles, An Overview of Automotie EMC Anechoic Chamber, ETS- Lindgren, Eastman Way, Stevenage, Herts, SG1 4UH, United Kingdom, [24] J.-R. K. Kuvedu-Libla, Vehicle Active Antennas Face "EMC" - and "RF- Reception" - Challenges, IEEE, [25] A. C. &. S. SEMTECH, Calculating Radiated Power and Field Strength for Conducted Power Measurements., [26] F. Connor, Antennas, Edward Arnold, [27] C. R. Paul, Introduction to Electromagnetic Compatibility, New York/NY: John Wiley & Sons Inc., [28] J. MCLEAN, R. SUTTON e R. HOFFMAN, Antenna Performance Parameters for Emc Applications, Part 3: Antenna Factor, TDK RF Solution Inc. Report, pp , [29] W. Valente Jr., Aplicação Coordenada das Técnicas de Medição, Simulação Numérica e Otimização, para o mapeamento do ambiente eletromagnético em hospitais, Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, [30] A. A. Smith, Standard-Site Method for Determining Antenna Factors, IEEE,

123 [31] V. F. Fusco, Teoria e Técnicas de Antenas, Porto Alegre - RS: Bookman, [32] J. Jin, The Finite Element Method in Electromagnetics, New York: John Wiley & Sons, [33] J. M. Janiszewski, Método dos Elementos Finitos Aplicado a Problemas de Campos Eletromagnéticos Estáticos, São Paulo: Escola Politécnica da USP, [34] e. a. Tannehil, Computational Fluid Mechanics and Heat Transfer, Washington DC: Hemisphere Publishing Corporation, [35] K. H. Huebner, The Finite Element Method for Engineers, New York: John Wiley & Sons, [36] R. W. Clough, The Finite Element Method in Plane Stress Analysis Proceeding, em ASCE Conference on Electronic Computation, Pittsburgh, [37] G. R. D. Marzo, Aplicação do Método dos Elementos Finitos na Análise de Tensões Induzidas em Cabos Umbilicais, São Paulo: Universidade de São Paulo, [38] M. Kopp e J. Mologni, Automotive EMI/EMC Simulation, 9 July [Online]. Disponível: [Acesso em 15 Agosto 2013]. [39] K. S. Yee, Numerical solution of initiail boundary value problems involving Maxwell's equations in Isotropic media, IEEE Antennas Progagat, vol. 14, nº 5, pp , [40] A. Taflove e M. E. Brodwin, Numerical solution of steady-state electromagnetic scattering problems using the time-dependent Maxwell s equations, IEEE Trans. Microwave Theory Tech, vol. 23, pp , [41] T. Weiland, M. Timm e I. Munteanu, A Practical Guide to 3-D Simulation, IEEE microware Maganize, pp ,

124 [42] F. Zheng, Z. Chen e J. Zhang, A finite-difference time-domain method without the Courant stability conditions, IEEE Microware Guided Wave Lett, vol. 9, pp , [43] E. P. Li, I. Ahmed e R. Vahldieck, Numerical dispersion analysis with improved LOD-FDTD method, IEEE Microware Wireless Components Lett, vol. 17, nº 5, pp , [44] T. Weiland, A discretization method for the solution of Maxwell s equations for six-component fields, Electron Commun. (AEÜ), vol. 31, nº 3, p. 116, [45] T. Weiland, Time domain electromagnetic field computation with finite difference methods, Int. J. Numer. Model, vol. 9, nº 4, pp , [46] A. Bossavit, Computational Electromagnetism Variational Formulations, Complementarity, New York: Academic Press, [47] B. Krietestein, R. Schuhmann, P. Thoma e T. Weiland, The perfect boundary approximation technique facing the challenge of high precision field computation, XIX Int. Linear Accelerator Conference - Chigado, pp , [48] G. A. Jackson, Setting the Standards - The European EMC Directive, IEE Review, [49] J. G. Pereira, NEO Empresarial, [Online]. Disponível: [Acesso em 7 Agosto 2013]. [50] G. Santos, B. S. M. C. Galvão, H. Onusic e C. A. F. Sartori, Comercial Vehicles - EMC Evalutaions in South America., em Proceedings of the 4th European Symposium on EMC, Brugge - Belgium, [51] I. Noble, Electromagnetic compatibility in the automotive environment., IEE Proceedings-Science, Measurement and Technology, vol. 4, nº 141, [52] M. Zerrer, M. Aidam, W. Koehler, S. Tenbohlen e K. Feser, Estimation of Electromagnetic Coupling Phenomena in a Vehicle Wiring Harness Using 105

125 Characteristic Transfer Functions, em 18th Int. Zurich Symposium on EMC, Munich, [53] P. Andersen, International Electrotechnical Commission Documents CISPR 12 and CISPR 25 - An Overview, Michigan, USA: IEEE, [54] INPE, Laboratório de Compatibilidade Eletromagnética, INPE, [Online]. Disponível: [Acesso em 7 Agosto 2013]. [55] N. C. Filho, J. S. Fávero e J. E. E. Castro, Gerência de projetos/engenharia simultânea. Organização, planejamento, programação, Pert/CPM, Pert/Custo, controle, direção, São Paulo, Brasil: Editora Atlas, [56] K. B. Clark e S. C. Whellwright, Managing New Product and Process Development, USA: Simon & Schuster Inc., [57] C. Santos, M. Afonso e U. Resende, Simulation of Automotive Vehicles EMC Experiment Considering Nearness to an Anechoic Wall., IEEE, [58] SpectrumWiki, Radio Spectrum Allocation, [Online]. Disponível: [Acesso em 01 Dezembro 2013]. [59] R. &. Schwarz, Rohde & Schwarz - RFEX Software, Rohde & Schwarz, [Online]. Disponível: [Acesso em 16 Dezembro 2013]. [60] V. Rodriguez, Automotive Component EMC Testing: CISPR 25, ISO and Equivalent Standards, IEEE Electromagnetic Compatibility Magazine - Volume 1, Quarter [61] G. M. C. -. N. A. E. Standards, GM Worldwide Engineering Standards, Warren - Michigan, [62] International Special Commettee on Radio Interference, Internation Standard - CISPR25, 3rd Edition, Geneva - Switzerland: IEC,

126 [63] L. A. L. Santos, Análise Experimental do Ensaio Veicular de Imunidade a Campos Eletromagnéticos Radiados em Câmara Semi-Anecóica de Pequeno Porte, Belo Horizonte - MG: UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais, [64] S. Marksell, EMC Aspects of PWM Controlled Loads in Vehicles., Department of Industrial Electrical Engineering and Automation, Lund Unersity, [65] ETS-Lindgren, ETS-Lindgren - Antenna Datasheet, ETS-Lindgren, [Online]. Disponível: [Acesso em 3 Outubro 2013]. 107

127 108

128 APÊNDICE A LISTA DE FREQUÊNCIAS Banda de Transmissão de Rádio Transmissão em AM Transmissão de TV Transmissão em FM Telefones celulares Global Positioning System (GPS) (não militar) Rádio Digital via Satélite Redes de computador wireless (Bluetooth) TV via Satélite Links fixos ponto a ponto Frequência (~ denota não contínuo ou aproximado) 530 khz 1.75 MHz 54 ~ 88.1, , 470 ~ 890 MHz MHz ~ 750, ~850, ~1700, ~1950, ~2100 MHz MHz MHz MHz ~ 5.8 GHz ~ 12 GHz ~ 1, ~ 90 GHz Tabela A.1 - Diferentes bandas de radiofrequência [58]. Banda de Frequência Designação Abreviação 3 30 khz Very Low Frequency VLF khz Low Frequency LF 300 3,000 khz Medium Frequency MF 3 30 MHz High Frequency HF MHz Very High Frequency VHF 300 3,000 MHz Ultra High Frequency UHF 3 30 GHz Super High Frequency SHF GHz Extremely High Frequency Tabela A.2 Designação das diferentes bandas de radiofrequência [58]. EHF 109

129 110

130 APÊNDICE B CAMPO PRÓXIMO E DISTANTE (NEARFIELD AND FARFIELD) Basicamente, três fatores determinam as características de um campo [64]: i. Fonte; ii. iii. Meio que envolve a fonte; Distância entre a fonte e o ponto de observação. Em um ponto próximo da fonte, as propriedades de campo são determinadas pelas características da fonte. Distante da fonte, as propriedades do campo dependem do meio através do qual o campo está propagando. Portanto, o espaço em torno da fonte de radiação pode ser dividido em duas regiões, o campo próximo e o distante (nearfield e farfield). Uma aproximação comum é considerar as pequenas e grandes distâncias da fonte em comparação com os comprimentos de onda da radiação. Desta forma, o ponto importante é ser capaz de identificar a região de transição onde o campo próximo (nearfield) passa a ser considerado como um campo distância (farfield). Esta região de transição pode ser encontrada pela impedância da onda, que é a razão entre o Campo Elétrico, E, e o Campo Magnético, H. Assim, no campo distante a razão E/H é igual à impedância característica do meio selecionado (por exemplo, E/H = 377 Ω para o ar ou o espaço livre). A região de transição é então encontrada a uma distância da fonte de radiação: r λ 2. π Uma vez que esta região é de transição, campos próximos e campos distantes (nearfield e farfield) devem estar a alguma distância a partir deste. Logo, define-se que as regiões próximas e distantes devem ser da ordem de magnitude maior ou menor do que esta distância de transição, isto é: 111

131 r near 0.1 ( λ 2 π ) r far 10 ( λ { 2 π ) Alguns autores utilizam uma linha direta com base no valor de r: r r { λ 2 π λ 2 π near field far field Uma vez que esta definição envolve o comprimento de onda da radiação, esta torna-se dependente da frequência, Tabela A.1. Frequência λ 2 π 30 khz 1590 m 3 MHz 15.9 m 30 MHz 1.59 m 300 MHz m 3 GHz m Tabela B.1. Distâncias de transição de nearfield e farfield. Na região de nearfield os campos elétricos e magnéticos devem ser considerados separadamente uma vez que a razão entre estes não é constante. A razão é determinada pelas características da fonte e a distância a partir da fonte até onde o campo é observado. Se a fonte possui alta corrente e baixa tensão, o nearfield é predominantemente magnético, isto é, E/H < 377 Ω. Por outro lado, se a fonte possui alta tensão e baixa corrente, o nearfield é principalmente elétrico, isto é, E/H > 377 Ω. Para uma antena de cabo linear, a impedância da fonte é alta. Este tipo de antena gera principalmente campo elétrico, o que implica que a impedância de onda próxima da antena é alta. 112

132 À medida que a distância a partir da antena é aumentada, o campo elétrico perde parte de sua intensidade, uma vez que gera um campo magnético complementar. A geração de um campo magnético implica que a impedância da onda a partir de uma antena de cabo linear diminui com a distância e assintoticamente aproximase da impedância de espaço livre no campo distante. Este é um efeito a partir do fato que o campo elétrico de um dipolo elétrico atenua a uma taxa de (1/r) 3 (r = distância da fonte de radiação até o ponto onde o campo é observado), enquanto que o campo magnético atenua a uma taxa de (1/r) 2. Quando um dipolo magnético, como uma antena em loop, é utilizado, o campo produzido é principalmente magnético e a impedância de onda próxima à antena é baixa. À medida que a distância da fonte aumenta, o campo magnético atenua a uma taxa de (1/r) 3 e o campo elétrico a uma taxa de (1/r) 2. Isto implica que a impedância da onda aumenta com a distância e aproxima-se da impedância do espaço livre. No farfield, a impedância de onda é constante. Isso significa que ambos os campos, elétrico e magnético, atenuam à mesma taxa, (1/r). Os campos elétricos e magnéticos são ortogonais no farfield, formando, assim, uma onda plana. A potência irradiada no farfield é fortemente dependente da impedância de entrada da antena. 113

133 114

134 APÊNDICE C RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS Tabela C.1 Resultados dos ensaios 115

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Fundação de Ciência e Tecnologia - Seminário 2012 - A Compatibilidade Eletromagnética em Equipamentos Eletrônicos

Fundação de Ciência e Tecnologia - Seminário 2012 - A Compatibilidade Eletromagnética em Equipamentos Eletrônicos Fundação de Ciência e Tecnologia - Seminário 2012 - A Compatibilidade Eletromagnética em Equipamentos Eletrônicos Eng. Marcio Hugo Caloy - EMC TECNOLOGIA 1 Propósito O propósito desta apresentação é a

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA. Plano de Ensino DISCIPLINA: Teoria Eletromagnética. CÓDIGO: MEE007 Validade: Carga Horária: 45 horas-aula Créditos: 03 Área de Concentração / Módulo: Sistemas Elétricos / Formação Básica Ementa: Análise Vetorial. Equações

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

EMC e proteção contra raios

EMC e proteção contra raios A proteção de sistemas de telecomunicações contra descargas atmosféricas e seus efeitos (raios) é normalmente considerada fora da área EMC (EMC Electromagnetic Compatibility) uma vez que na área EMC objetivamos

Leia mais

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES SOLICITANTE: EQUIPAMENTO: TÜV Rheinland do Brasil Ltda. Relé de Segurança MODELO: DPX 256 Nº DO RELATÓRIO: VERSÃO: 02 INPE/LIT.PX.055/ Este relatório substitui na

Leia mais

Introdução ao Método dos Elementos Finitos Conceitos Iniciais Divisão do Domínio e Funções de Base Aplicação do Método dos Resíduos Ponderados ao

Introdução ao Método dos Elementos Finitos Conceitos Iniciais Divisão do Domínio e Funções de Base Aplicação do Método dos Resíduos Ponderados ao Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Educação Tutorial Autor: Bruno Pinho Meneses Orientadores: Janailson Rodrigues Lima Prof. Dr. Ricardo

Leia mais

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA

MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ELETROSTÁTICA E MAGNETOSTÁTICA Danilo Nobre Oliveira danilonobre@danilonobre.eng.br Ginúbio Braga Ferreira ginubio@gmail.com Universidade

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA

INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA EMI_EMC EMC EM SATÉLITES E AMBIENTES DE TESTE 1 INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA Degradação do desempenho de um equipamento, canal de transmissão ou sistema, causada por uma perturbação eletromagnética. COMPATIBILIDADE

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Pós-Graduação em Engenharia Elétrica MICHEL DE MOURA GAVIÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Pós-Graduação em Engenharia Elétrica MICHEL DE MOURA GAVIÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Pós-Graduação em Engenharia Elétrica MICHEL DE MOURA GAVIÃO ANÁLISE DE MODELAGEM E SIMULAÇÃO ELETROMAGNÉTICA APLICADO A TESTES DE EMC EM VEÍCULOS Dissertação de Mestrado SANTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO COMPUTER AIDED ENGINEERING - CAE FABIANO RAMOS DOS SANTOS SERGIO DA COSTA FERREIRA

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

ESTUDO E UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NA ANÁLISE DE ANTENAS PARA APRENDIZAGEM DE ELETROMAGNETISMO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

ESTUDO E UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NA ANÁLISE DE ANTENAS PARA APRENDIZAGEM DE ELETROMAGNETISMO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ESTUDO E UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS NA ANÁLISE DE ANTENAS PARA APRENDIZAGEM DE ELETROMAGNETISMO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Samara Pereira da Silva samarapereira25@gmail.com Universidade Federal

Leia mais

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES

RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES RELATÓRIO DE EMI/EMC E TELECOMUNICAÇÕES SOLICITANTE: EQUIPAMENTO: Desotec Comércio e Indústria de Equipamento Eletrônicos Ltda. Diversos MODELO: # 1 Nº DO RELATÓRIO: VERSÃO: 01 INPE/LIT.OT.031/11 SIGNATÁRIO

Leia mais

Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos

Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos Área: ENGENHARIAS E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto: Formas Diferenciais Aplicadas a Problemas Eletrostáticos e Magnetostáticos Autores: NOME DO BOLSISTA: CAIO SALAZAR ALMEIDA NAZARETH - BIC/UFJF NOME DO

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Mecânica Analise de Tensões em Perfil Soldado Comparação de Resultados em Elementos Finitos Aluno: Rafael Salgado Telles Vorcaro Registro:

Leia mais

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO

Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO Cabeamento Blindado MÁRCIO MATOSO DE CASTRO AGENDA CONCEITOS CARACTERÍSTICAS DE UMA REDE BLINDADA CABOS BLINDADOS FURUKAWA PARÂMETROS ELÉTRICOS ESPECIAIS NOVA GERAÇÃO DE CABOS CONCEITOS A EMI é um problema

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

É Engenheira de Telecomunicações pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH, 2007).

É Engenheira de Telecomunicações pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (Uni-BH, 2007). Antena Yagi-Uda: Desenvolvimento de Antena para Telefonia Celular O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria da Renata Pereira Oliveira para a etapa de classificação do III Concurso Teleco

Leia mais

ENSINO DE ELETROMAGNETISMO ASSOCIADO À PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS

ENSINO DE ELETROMAGNETISMO ASSOCIADO À PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS ENSINO DE ELETROMAGNETISMO ASSOCIADO À PERSPECTIVAS PROFISSIONAIS Sérgio Antenor de Carvalho antenor@ufc.br Elvio César Giraudo elvio@ufc.br Marciel Barros Pereira marcielbp@gmail.com NUCEMA - Núcleo de

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações

2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações 2 Avaliação de desempenho de uma rede de telecomunicações Ao longo do presente capítulo são introduzidos os principais elementos qualitativos e quantitativos capazes de permitir a avaliação do desempenho

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007).

Antena Dipolo Planar. Christian Pinheiro Garcias. É Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM, 2007). Antena Dipolo Planar O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Christian Pinheiro Garcias, do Edson dos Santos Souza e do Jean Almeida Cordeiro para a etapa de classificação do III Concurso

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda

RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA. 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda RECEPTOR GPS ME1513 ANTENA 1 ME Componentes e Equipamentos Eletrônicos Ltda Prefácio Obrigado por escolher o Receptor GPS ME-1513. Este manual mostra o layout para ligação da antena do módulo ME1513, de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 INTERFERÊNCIA ELETROMAGNÉTICA APRESENTADOR: FERNANDO BELTRAME, ENG. ORIENTADOR:

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Conjunto para microondas 9,4 GHz (230 V, 50/60 Hz) Conjunto para microondas 10,5 GHz (115 V, 50/60 Hz) 1009950 (115 V, 50/60 Hz) 1009951 (230 V, 50/60 Hz) Instruções de operação 10/15

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM-

5 - Antenas LINHAS DE TRANSMISSÃO. Antenas, Cabos e Rádio-Enlace. Componentes essenciais para uma comunicação Wireless ONDAS ELETROMAGNÉTICAS -OEM- Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Componentes essenciais para uma comunicação Wireless Uso permitido por Luciano Valente Franz luciano@computech.com.br Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída.

VariTrans A 20300. Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. Duplicadores de Sinais Convencionais Duplicadores de sinais em alojamento de 6 mm com duas saídas calibradas chaveáveis, também para altas cargas na saída. A Tarefa Isolação e transmissão de sinais convencionais

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA

ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA ANÁLISE DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA EM CONVERSORES DE FREQUENCIA Nome dos autores: Halison Helder Falcão Lopes 1 ; Sergio Manuel Rivera Sanhueza 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Elétrica; Campus

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Rádio Definido por Software - SDR

Rádio Definido por Software - SDR MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA Rádio Definido por Software - SDR Prof. Ramon

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda?

3. Cite o nome e características do ponto mais alto e do ponto mais baixo de uma onda? Exercícios: 1. Sobre:Ondas Responda: a. O que é a Natureza de Ondas? b. O que origina as Ondas Mecânicas? c. As Ondas Mecânicas se propagam no vácuo? Explique a sua resposta. d. Quais são os elementos

Leia mais

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA.

SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. SISTEMA DE PARTIDA E GERAÇÃO DE ENERGIA PARA TURBINA AERONÁUTICA. Marco Antonio Souza 1, Milton Benedito Faria 2, Carlos Eduardo Cabral Vilela, Prof. MSc 3. Homero Santiago Maciel, Prof. DR 4. UNIVAP,

Leia mais

Modelagem de Campos Vetoriais Utilizando Autômatos Celulares e Elementos Finitos

Modelagem de Campos Vetoriais Utilizando Autômatos Celulares e Elementos Finitos Modelagem de Campos Vetoriais Utilizando Autômatos Celulares e Elementos Finitos Renata Vieira Palazzo 1,2, Antônio Carlos da Rocha Costa 1, Graçaliz Pereira Dimuro 1 1 Escola de Informática Universidade

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013

PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 PROGRAMAÇÃO DA 3ª ETAPA - 2013 FÍSICA CARLOS 3ª MÉDIO Srs. pais ou responsáveis, caros alunos, Encaminhamos a Programação de Etapa, material de apoio para o acompanhamento dos conteúdos e habilidades que

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceitos de transmissão de dados 1/26 2.2 Meios físicos de transmissão de dados 2/26 Tipos de meios de transmissão Pares de fios Pares entrançados Cabo coaxial Fibras

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles,

Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, Encoders ópticos O que é: Os encoders ópticos convertem deslocamentos angulares em uma sequência de pulsos digitais, contando com um só bit ou decodificando um conjunto deles, os pulsos podem ser convertidos

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

WELLINGTON DA SILVA LIMA RELATÓRIO TÉCNICO CABO COAXIAL

WELLINGTON DA SILVA LIMA RELATÓRIO TÉCNICO CABO COAXIAL Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática WELLINGTON DA SILVA LIMA RELATÓRIO

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Rede É um conjunto de computadores chamados de estações de trabalho que compartilham recursos de hardware (HD,

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

José Simão Filho(ITAIPU) RESUMO

José Simão Filho(ITAIPU) RESUMO MEDIÇÃO DE DESCARGAS PARCIAIS EM HIDROGERADOR DA USINA DE ITAIPU UMA AVALIAÇÃO EXPERIMENTAL DAS LIMITAÇÕES, DIFICULDADES DE MEDIÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS Marcelo Fabiano Latini* (ITAIPU) Juan Carlos

Leia mais

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA

DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA ASADES Avances en Energías Renovables y Medio Ambiente Vol. 15, 2011. Impreso en la Argentina. ISSN 0329-5184 DISPOSITIVO PARA MEDIR O DIFERENCIAL DE TEMPERATURA EM COLETORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE

Leia mais

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback

Meios de transmissão. Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Professor Leonardo Larback Meios de transmissão Na comunicação de dados são usados muitos tipos diferentes de meios de transmissão. A escolha correta dos meios de transmissão no projeto

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal

Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal CONCEITO DE SINAL Em um estudo sobre sinais, o passo inicial é de conceituação dada a diversidade semântica da palavra SINAL (figura 1). Figura 1 Conceito de sinal RECONSTRUÇÃO DE SINAIS A PARTIR DE SENÓIDES

Leia mais

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Sistemas de Controle I (Servomecanismo) Carlos Alexandre Mello 1 O que são sistemas de controle Um sistema de controle é um conjunto de componentes organizados de forma a conseguir a resposta desejada

Leia mais

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas

Lógica Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Programável Aplicada em Circuito Acionador de Ordens Pirotécnicas Francisco Carlos Parquet Bizarria,2 João Mauricio Rosário 3 José Walter Parquet Bizarria Francisco Antonio Visconti Junior 2 fcpb@iae.cta.br

Leia mais

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles!

Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! Servos - Analo gicos e Digitais - Funcionamento, uso e diferenças entre eles! É importante lembrar que esta matéria serve para qualquer tipo de servo utilizado em aeromodelismo. Figura 1 Um dos diversos

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais.

Filtros de sinais. Conhecendo os filtros de sinais. Filtros de sinais Nas aulas anteriores estudamos alguns conceitos importantes sobre a produção e propagação das ondas eletromagnéticas, além de analisarmos a constituição de um sistema básico de comunicações.

Leia mais