Programa de Educação Médica Continuada: avaliação de um sistema de créditos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Educação Médica Continuada: avaliação de um sistema de créditos"

Transcrição

1 ARTIGO ORIGINAL Programa de Educação Médica Continuada: avaliação de um sistema de créditos Continuing Medical Education Program: a credit system evaluation Claudio Schvartsman 1, Milton Glezer 2, Renato Melli Carrera 3, Ângela Tavares Paes 4, Augusto Paranhos Junior 5, Cláudio Luiz Lottenberg 6 RESUMO Objetivo: Analisar o programa de Educação Médica Continuada desenvolvido no Hospital Israelita Albert Einstein, iniciado formalmente em 2002, através de seis ciclos sucessivos de 12 meses, com foco de atenção voltado para médicos participantes, quanto à adesão ao programa no decorrer do tempo e quanto à produção educacional medida através de um sistema de créditos. Métodos: Estudo descritivo (populacional) que utilizou um modelo de pontuação através de crédito medido por tempo (um crédito = uma hora-aula), baseado em ferramentas educacionais formais e informais, analisando-se a adesão do corpo clínico ao programa e o perfil da distribuição de créditos em eventos promovidos pela instituição e fora desta para os participantes, para os que cumpriram a meta estabelecida e para um grupo que participou dos seis ciclos com meta institucional atingida. Para as comparações entre os ciclos, foram utilizadas equações de estimação generalizadas com distribuição Normal (para as médias de créditos) e Binomial (para as freqüências de médicos com meta cumprida). Resultados: Comparando-se os seis ciclos, a adesão do corpo clínico cresceu gradativamente e houve aumento da pontuação de créditos no decorrer do tempo (média de créditos crescente). A distribuição dos créditos segundo o tipo de atividade foi similar ao apresentado na literatura, com maior representação a participação em congressos, cursos, reuniões científicas e publicações, entre outras modalidades educacionais. Conclusões: A análise desse sistema de créditos demonstrou consolidação do programa de EMC no decorrer do tempo com atitude madura e consistente dos participantes. Descritores: Educação médica; Educação médica continuada; Hospitais gerais; Avaliação/métodos ABSTRACT Objective: To analyze the continuing medical education program developed at the Hospital Israelita Albert Einstein, formally initiated in 2002, carried out in six successive 12-month cycles and focused on participating physicians, as to compliance with the program over time and as to educational production measured by a credit system. Methods: This is a descriptive (population) study that used a scoring model based on credit measured by time (one credit = one class hour) with formal and informal educational tools to analyze the compliance of the clinical staff with the program and the credit distribution profile regarding events promoted by the institution and elsewhere in the participants, in those who attain the goal established, and in a group that participated in six cycles and reached the institutional goal. For comparisons between the cycles, generalized estimation equations were used with normal (for means of credits) and binomial (for rates of physicians who attained the goals) distributions. Results: Comparing the six cycles, compliance of the clinical staff grew gradually and there was an increase in scoring of credits over time (growing credit mean). Distribution of the credits according to the type of activity was similar to that presented in literature, with greater representation in participation in congresses, courses, scientific meetings, and publications, among other educational modalities. Conclusions: The analysis of this credit system showed consolidation of the CME program over time with a mature and consistent attitude of the participants. Keywords: Education, medical; Education, medical, continuing; Hospitals, general; Evaluation/methods Trabalho realizado no Hospital Israelita Albert Einstein HIAE, São Paulo (SP), Brasil. 1 Doutor em Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo -USP; Vice Presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein - SBIBAE, São Paulo (SP), Brasil. 2 Diretor Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein HIAE, São Paulo (SP), Brasil. 3 Doutor; Hospital Israelita Albert Einstein HIAE, São Paulo (SP), Brasil. 4 Bioestatística do Hospital Israelita Albert Einstein HIAE, São Paulo (SP), Brasil. 5 Doutor; Gerente de Pesquisa Clínica do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein - IIEP, São Paulo (SP), Brasil. 6 Doutor; Presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein - SBIBAE, São Paulo (SP), Brasil. Autor correspondente: Claudio Schvartsman Avenida Albert Einstein, 627, 11º andar, sala Morumbi CEP São Paulo (SP), Brasil Tel.: / Data de submissão: 19/3/2008 Data de aceite: 24/10/2008

2 474 Schvartsman C, Glezer M, Carrera RM, Paes AT, Paranhos Jr A, Lottenberg CL INTRODUÇÃO A demanda crescente de novas informações da medicina moderna gera a assertiva de que programas de Educação Médica Continuada (EMC) façam parte da atividade médica atual (1). O processo de educação médica é um estado evolutivo que deve ser adaptado às mudanças do sistema de atenção à saúde vigente, a qual deve responder de maneira direta. O programa ideal deve induzir mudanças baseadas nas melhores evidências para atuação na esfera assistencial, visar permitir acesso a fontes formais e informais de informação dentro da instituição (2) e também avaliar de maneira objetiva quais ferramentas educacionais estão sendo utilizadas pelos médicos da instituição. Esse conceito permite a visão de dois princípios: o processo de pontuação através de créditos com a finalidade de revalidação da atividade clínica e o desenvolvimento de estratégias de educação baseada no problema (3). Diversas sociedades de especialidades médicas em outros países executam e participam de programas de EMC desde a década de 1980, de forma que a manutenção da atividade profissional credenciada está vinculada ao cumprimento de créditos num período previamente estabelecido. Assim, a maioria dos programas de recertificação determina o tipo de conhecimento com o qual seus membros devem tomar contato e qual o montante de créditos em reconhecimento à informação nova e apropriada (4). O Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) inaugurou, em 2002, um sistema de coleta de créditos de seu corpo clínico como base para o programa de EMC mantido em exercício desde então. Paralelamente, vem disponibilizando diferentes ferramentas educacionais formais e informais (5) para seu corpo clínico no decorrer do tempo. Em virtude da característica própria de hospital privado e aberto, a avaliação periódica da condição de atualização e mudança comportamental do corpo clínico, que reproduz a evolução da prática médica neste novo milênio se faz necessária e se compatibiliza com os diferentes programas de EMC. OBJETIVO Avaliar a participação do corpo clínico do HIAE no programa de EMC nos seis ciclos sucessivos de 12 meses, iniciado em 1 o de agosto de 2002 até 31 de julho de 2008; avaliar a evolução das médias de créditos obtidos através de atividades educacionais formais e informais para os médicos que cumpriram a meta estabelecida de 40 créditos por ciclo e para todos os que participaram de alguma forma do programa; avaliar a distribuição dos créditos obtidos de acordo com as diferentes atividades educacionais desenvolvidas na instituição e fora desta. MÉTODOS O Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) é um hospital geral de alta complexidade, privado, com cerca de 500 leitos hospitalares ativos e corpo clínico de aproximadamente 5 mil médicos cadastrados, sendo cerca de 500 desses profissionais contratados. Foram avaliados aqueles que exerceram atividade clínica e/ou educacional no decorrer do período de participação do programa. De Agosto de 2002 a Julho de 2008, foram analisados seis ciclos sucessivos de 12 meses. Cada ciclo foi iniciado em 1º de Agosto com término em 31 de Julho do ano seguinte. Foi estabelecido um sistema de créditos para as atividades educacionais na área médica realizadas dentro e fora da instituição, segundo critério central de um crédito para cada hora/aula, elaborado para utilização na instituição, disponível na página eletrônica (6). As atividades educacionais são: atividades em congressos (regionais, nacionais e internacionais), em cursos e jornadas (regionais, nacionais e internacionais), publicações (livros, capítulos, revistas nacionais e internacionais indexadas em diferentes bases de dados), atividades didáticas rotineiras (graduação e pós-graduação), EMC à distância, normas e protocolos institucionais, reuniões científicas oficiais, entre outras, com diferentes níveis de participação nas diferentes atividades descritas. Para fortalecer o vínculo interno com o programa, as ações desenvolvidas no hospital receberam pontuação diferenciada. Para considerar o cumprimento da meta institucional, estabeleceu-se uma margem mínima de 40 créditos por ciclo de 12 meses, que guarda proporcionalidade entre os programas com cinco anos nos quais a margem mínima é de 200 créditos (7). A meta estabelecida de 40 créditos foi analisada por ciclo de 12 meses. Dessa forma, além dos totais de créditos foram analisadas as freqüências de profissionais com meta cumprida (com 40 créditos ou mais) e meta não cumprida (menos de 40 créditos). A partir da avaliação conjunta dos seis ciclos que se completaram, um grupo de médicos que participou de todos os ciclos mereceu análise em separado. Os totais de créditos por ciclo foram resumidos em médias ± desvios padrão. Para descrever a evolução ao longo dos ciclos foram apresentados gráficos de barras e de linhas. Para a comparação entre os ciclos, utilizaram-se modelos de equações de estimação generalizadas, considerando-se a distribuição Normal (para as médias de créditos) e a Binomial (para as freqüências de profissionais com meta cumprida). Adotou-se o nível de significância de 0,05 (α = 5%). Os testes mencionados foram calculados com o auxílio do software SAS versão 9.1.

3 Programa de Educação Médica Continuada: avaliação de um sistema de créditos 475 RESULTADOS No período do desenvolvimento do primeiro ciclo (1º de Agosto de 2002 até 31 de Julho de 2003) ao sexto ciclo (1 o de Agosto de 2007 até 31 de Julho de 2008), o número absoluto de médicos ativos variou anualmente, de acordo com os critérios adotados para o desenvolvimento de atividade médica no Hospital. Entretanto, a participação no programa EMC foi crescente ciclo a ciclo (Figura 1). Comparando as proporções de profissionais com meta cumprida, observou-se um crescimento estatisticamente significante do 1º para o 2º ciclo (57% versus 64%, p < 0,001) e do 2º para o 3º ciclo (64% versus 68%, p = 0,0270). Esse percentual se estabilizou até o 5º ciclo voltando a crescer no 6º ciclo (69% versus 74%, p < 0,001). Em números absolutos, 821 médicos cumpriram a meta no 1 o ciclo, com evolução crescente atingindo a marca de no 6 o ciclo. O número de médicos com meta não cumprida permaneceu relativamente estável no decorrer do tempo (1 o ciclo: 625; 2 o ciclo: 660; 3 o ciclo: 637; 4 o ciclo: 650 médicos; 5º ciclo: 669 e 6º ciclo: 622) (Figura 1). Contudo, seria interessante frisar que, em números relativos, o total de meta não cumprida caiu ao longo do tempo. Quanto à avaliação da distribuição dos créditos por atividade, os congressos tiveram maior representatividade na composição da média de créditos por atividades, seguido por cursos, reuniões científicas e publicações. Essa distribuição foi semelhante em todos os ciclos. Com exceção do 1º ciclo, quando as médias de créditos em congressos e cursos foi um pouco menor, não houve diferenças significativas entre as médias de créditos por tipo de atividade (Figura 3). Dos médicos que participaram do programa, (60,8%) participaram dos seis ciclos. Entre esses, 522 médicos (21,9%) cumpriram a meta estabelecida nos seis ciclos, com médias superiores às encontradas para os grupos analisados anteriormente Média de créditos 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 98,51 60,02 117,54 79,29 91,03 88,24 125,28 126,93 94,69 133,23 95,22 125,60 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo 4º ciclo 5º ciclo 6º ciclo Médicos participantes ciclo 2 ciclo 3 ciclo 4 ciclo 5 ciclo 6 ciclo participantes: 1º ciclo < 2º ciclo; p < 0,0001* 2º ciclo < 3º ciclo; p = 0,0001* 3º ciclo = 4º ciclo; p = 0,4355 4º ciclo < 5º ciclo; p = 0,0292* 5º ciclo > 6º ciclo; p = 0,0101* * significativo Fonte: Programa EMC / HIAE, Participantes Meta cumprida meta cumprida: 1º ciclo < 2º ciclo; p < 0,0001* 2º ciclo < 3º ciclo; p < 0,0006* 3º ciclo = 4º ciclo; p = 0,8265 4º ciclo = 5º ciclo; p = 0,1208 5º ciclo = 6º ciclo; p = 0,6294 Figura 2. Total de créditos (média ± desvio padrão) para o total de participantes e para os médicos com meta cumprida ( 40 créditos) nos seis ciclos do programa Meta não-cumprida Meta cumprida Fonte: Programa EMC / HIAE, Figura 1. Número de médicos por participação no programa EMC e cumprimento da meta nos seis ciclos Créditos A média de créditos também mostrou crescimento expressivo do 1º ciclo para o 2º ciclo (60,0 ± 1,8 versus 79,3 ± 2,0, p < 0,001) e do 2º para o 3º ciclo (79,3 ± 2,0 versus 88,2 ± 2,1, p = 0,0001). A partir de então houve uma estabilização num patamar considerável, correspondendo a mais que duas vezes a meta institucional estabelecida em 40 créditos (91,03 ± 2,06 no 4º ciclo; 94,69 ± 2,13 no 5º ciclo e 95,22 ± 1,97 no 6º ciclo). Entre aqueles que cumpriram a meta nos ciclos, esse patamar se mostra ainda mais consistente atingindo três vezes a meta institucional (1 o ciclo: 98,58 ± 2,40; 2 o ciclo: 117,64 ± 2,47; 3 o ciclo: 125,37 ± 2,51; 4 o ciclo: 126,94 ± 2,45; 5º ciclo: 133,39 ± 2,51; 6º ciclo: 125,63 ± 2,26) (Figura 2) Congresso Curso Reunião científica Publicação 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo 4º ciclo 5º ciclo 6º ciclo ATIV PROF ELAB NOR E PÓS-GRAD PAL. DOC. PROT HIAE S.E.C. MEC EMC à distancia ATIV PROF PAL DOC = atividades didáticas atuando como professores, palestrantes ou docentes; ELAB NOR E PROT HIAE = elaboração de normas e protocolos no HIAE; PÓS-GRAD S.E.C. MEC = Pós-graduação senso estrito credenciado pelo MEC. Fonte: Programa EMC/HIAE, Figura 3. Médias de créditos para o total de médicos participantes nos seis ciclos do programa, segundo as atividades desenvolvidas

4 476 Schvartsman C, Glezer M, Carrera RM, Paes AT, Paranhos Jr A, Lottenberg CL (1 o ciclo: 111,16 ± 3,27; 2 o ciclo: 135,84 ± 4,11; 3 o ciclo: 147,76 ± 4,52; 4 o ciclo: 152,79 ± 4,67; 5º ciclo: 161,84 ± 4,80; 6º ciclo: 157,26 ± 4,38). O crescimento da média de créditos também apresentou comportamento semelhante ao geral, com crescimento das médias de créditos entre o 1º e o 2º ciclos (p < 0,001), entre o 2º e o 3º ciclos (p = 0,0004), estabilização entre o 3º e o 4º ciclos (p = 0,1725), retomada de crescimento entre o 4º e o 5º ciclos (p = 0,0288) e nova estabilização entre o 5º e 6º ciclos (p = 0,2023) (Figura 4). Créditos 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 111,16 135,84 * significativo; NS = não significativo 147,76 152,79 161,84 157,26 1 ciclo 2 ciclo 3 ciclo 4 ciclo 5 ciclo 6 ciclo Meta cumprida nos 6 ciclos 1º ciclo < 2º ciclo p < 0,0001* 2º ciclo < 3º ciclo p = 0,0004* 3º ciclo = 4º ciclo p = 0,1725 4º ciclo < 5º ciclo p = 0,0288* 5º ciclo > 6º ciclo p = NS Fonte: Programa EMC/HIAE, Figura 4. Total de créditos (média ± desvio padrão) para os médicos com meta cumprida ( 40 créditos) nos seis ciclos do programa DISCUSSÃO A necessidade da implantação de programas de EMC já é bem estabelecida. O Conselho Federal de Medicina (CFM) na sua resolução de número datado de 14 de Dezembro de 2004 considera a importância da educação médica continuada e determina a necessidade da revalidação para manutenção de títulos de especialistas ciclos periódicos de cinco anos com programas que devam ser elaborados por cada sociedade de especialidade (8). O programa de EMC do HIAE foi oficialmente implantado em 1º de Agosto de 2002 com a finalidade de diagnosticar de uma maneira preliminar o comportamento educacional do corpo clínico cadastrado nesse mesmo hospital. Para tal, um sistema de créditos compondo valores específicos para atividades específicas foi a ferramenta idealmente criada com essa finalidade. Apesar da dificuldade em se estabelecer nexo de causa e efeito entre tempo de estudo e aprendizado, utilizamos o sistema baseado em horas de estudo (uma hora de estudo = um crédito) como critério para avaliação, uma vez que estabelece uma ferramenta objetiva de realização de atividades educacionais. Esse sistema é defendido e utilizado em diversos centros de referência mundiais (7). À semelhança de outros programas de EMC, foi estabelecida margem mínima a ser cumprida por período. Os créditos foram distribuídos através de categorias compostas por produtos formais e informais em que o peso de cada atividade apresenta valor específico. Existem diferentes formatos de programas nos diversos centros que desenvolvem EMC, com ciclos totais variando entre três e cinco anos, com necessidade de pontuação mínima variável para a obtenção de recertificação. Por se tratar de um hospital com corpo clínico aberto, a execução do programa se torna não compulsória, determinando amostras variáveis no decorrer do tempo. Entretanto, a adesão do corpo clínico ao programa foi crescente quando se comparam os ciclos no decorrer do tempo. As médias de créditos do total de participantes e dos que cumpriram a meta estabelecida foram gradualmente maiores com estabilização num patamar médio que corresponde a duas ou três vezes a meta estabelecida, mostrando interesse crescente e constante do corpo clínico envolvido no programa. Esses dois aspectos são facilmente exemplificados quando analisamos o grupo de médicos que participou dos seis ciclos, contribuindo de maneira significativa para a adesão ao programa desenvolvido. O perfil desse grupo demonstra o grau de fidelidade e a excelência da busca pela atualização constante. A distribuição dos créditos por atividade mostrou o mesmo padrão em cada grupo, à semelhança com o descrito na literatura (9-10). Os eventos formais com características sazonais como congressos nacionais ou internacionais, cursos e reuniões científicas, dentro de cada especialidade, foram considerados os principais componentes na composição dos créditos obtidos em todos os ciclos. A pontuação gerada por publicações merece menção, considerando-se a quarta atividade mais significativa com pontuação no programa, com médias de créditos muito próximas às médias geradas por reuniões científicas. Além da avaliação quantitativa do que foi desenvolvido através de um sistema de créditos, esse programa foi formatado também para direcionar a oferta de eventos educacionais oferecidos pela instituição através de foros interdisciplinares, videoconferências nacionais e internacionais, cursos, simpósios e congressos institucionais. Essa oferta, com a freqüência e a dimensão alcançada, coloca a instituição entre aquelas que participam ativamente do desenvolvimento dos programas de educação médica continuada (11). Eventos extra-institucionais também exercem um papel significativo no desenvolvimento continuado profissional e foram considerados para a compilação de créditos (6). O desenvolvimento profissional continuado é o processo em que o médico mantém-se atualizado, focado na

5 Programa de Educação Médica Continuada: avaliação de um sistema de créditos 477 necessidade de seus pacientes, no serviço de saúde ao que ele serve e no seu próprio desenvolvimento. Qualificando o processo de desenvolvimento profissional, a aquisição contínua de novos conhecimentos, habilidades e atitudes gera a prática competente, não havendo divisão franca entre EMC e desenvolvimento profissional contínuo (12). Porém, a oferta e a medição dos indicadores educacionais correspondem apenas a um componente do processo educacional. A tradução desse conhecimento em cuidados assistenciais de alta qualidade é fundamental para que se obtenha o resultado desejado (12-13). CONCLUSÕES A participação do corpo clínico foi crescente no decorrer do tempo, assim como suas médias de créditos. A avaliação do programa de EMC adotado mostrou maturidade e consistência do corpo clínico dessa instituição, além de conferir a importância dada ao processo de aprendizado constante na área médica. Com a consolidação do programa, além da manutenção do sistema de créditos desenvolvido, a promoção de estratégias de produtos educacionais baseados no problema promovendo o desenvolvimento da prática diária constitui o foco central do nosso futuro. REFERÊNCIAS 1. Matos-Ferreira A. Continuing medical education: a quality control system. Br J Urol. 1998;82(4): Chan KKW. Medical education: from continuing medical education to continuing professional development. Asia Pacific Fam Med. 2002;1: Barnes B. Integrating Quality Improvement, Physician Performance Improvement and CME Spring Meeting Program. Society for Academic Continuing Medical Education, Key West, Fl-USA, 5-9 April, Berube B. Royal College s CME initiative focuses on lifelong, practice-integrated learning. Can Med Assoc J. 1995;152: Davidoff F. Continuing medical education resources. J Gen Intern Med. 1997;12:S15-S Tabela de créditos da Educação Médica Continuada [Internet]. São Paulo: Hospital Israelita Albert Einstein. [cited 2006 Jul 21]. Disponível em: medicalsuite.einstein.br 7. Peck C, McCall M, McLaren B, Rotem T. Continuing medical education and continuing professional development: international comparisons. BMJ. 2000;320(7232): Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM no de 14 de dezembro de 2004 [Internet]. Brasília (DF): CFM; c2005. [cited 2005 Jan 22]. Disponível em: 9. Davis DA, O Brien MAT, Freemantle N, Wolf FM, Mazmanian P, Taylor-Vaisey A. Impact of formal continuing medical education: do conferences, workshops, rounds, and other traditional continuing education activities change physician behavior or health care outcomes? JAMA. 1999;282(9): O Brien T, Fremantle N, Oxman AD, Wolf F, Davis DA, Herrin J. Continuing education meetings and workshops: effects on professional practice and health care outcomes. Cochrane review. In: The Cochrane Library, Issue 4, Oxford: update software. 11. Society for Academic Continuing Medical Education. Survey for 2004: descriptive results. [cited 2006 Jul 21] Available from: publications /SACME. 12. Aparicio A, Willis CE. The continued evolution of the credit system. J Contin Educ Health Prof. 2005;25(3): Weinberger SE, Duffy FD. Practice makes perfect or does it? Ann Intern Med. 2005;142(4):302-3.

Associação entre participação e cumprimento de um programa de Educação Médica Continuada e produção assistencial dos médicos: estudo transversal

Associação entre participação e cumprimento de um programa de Educação Médica Continuada e produção assistencial dos médicos: estudo transversal artigo original Associação entre participação e cumprimento de um programa de Educação Médica Continuada e produção assistencial dos médicos: estudo transversal Association between participation and compliance

Leia mais

EVENTOS NA ÁREA DA SAÚDE: A importância da realização de eventos científicos para a atualização da classe médica.

EVENTOS NA ÁREA DA SAÚDE: A importância da realização de eventos científicos para a atualização da classe médica. EVENTOS NA ÁREA DA SAÚDE: A importância da realização de eventos científicos para a atualização da classe médica. Manuella Borges Silveira¹ Orientador: Jonice Strozzi de Oliveira² Resumo O presente artigo

Leia mais

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein 1 Experiências dos Hospitais da Rede Sentinela: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein Fernanda P. Fernandes dos Anjos Consultora de Gerenciamento e Vigilância do Risco Diretoria de

Leia mais

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA.

FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO SERVIÇO NA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RENATO AUGUSTO PEDREIRA LEONNI EM SANTO AMARO DA PURIFICAÇÃO-BA. UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM SAÚDE- GESTÃO HOSPITALAR KARLA MICHELLINE OLIVEIRA BOAVENTURA FATORES QUE INTERFEREM NA QUALIDADE DO

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS DISCENTES SOBRE O DESEMPENHO DOS DOCENTES DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU

A PERCEPÇÃO DOS DISCENTES SOBRE O DESEMPENHO DOS DOCENTES DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU A PERCEPÇÃO DOS DISCENTES SOBRE O DESEMPENHO DOS DOCENTES DOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU PERCEPTION OF STUDENTS PERFORMANCE OF TEACHERS OF SCIENCE

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DA FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ¹

EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DA FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ¹ ARTIGO ORIGINAL EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE NO DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL DO SERVIÇO DE ENFERMAGEM DA FUNDAÇÃO SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO PARÁ¹ PERMANENT EDUCATION IN HEALTH IN DEVELOPMENT ORGANIZACIONAL

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 ESTIMATIVA DA POPULAÇÃO CANINA E FELINA NOS ANOS 2010 E 2013 E PERCEPÇÃO DAS PESSOAS QUANTO A GUARDA RESPONSÁVEL NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS - BAIRRO GUATUPÊ LUCAS GALDIOLI 1, RAFAELA FURIOSO

Leia mais

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG*

CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* CURSOS DE EXTENSÃO NA MODALIDADE EAD NA EMC/UFG* ALVES, Ricardo Henrique Fonseca 1 ; DEUS JÚNIOR, Getúlio Antero de 2 ; CASTRO, Marcelo Stehling de 3 ; LEMOS, Rodrigo Pinto 4 Palavras-chave: Ensino a Distância

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil

Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil ARTIGO Formação de recursos humanos em saúde: tecnologias de informação e comunicação como recurso didático no Programa FAIMER Brasil AUTORES Vera Lúcia Garcia Dra. em Distúrbios da Comunicação Humana

Leia mais

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação.

Normas de regulamentação para a certificação de. atualização profissional de títulos de especialista e certificados de área de atuação. Normas de regulamentação para a certificação de atualização profissional de título de especialista e certificado de área de atuação Em decorrência do convênio celebrado entre a Associação Médica Brasileira

Leia mais

Desafios na gestão de EaD no contexto dos polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil

Desafios na gestão de EaD no contexto dos polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil Desafios na gestão de EaD no contexto dos polos de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil Márcia de Freitas Vieira 1 1 Faculdade Pitágoras de Ipatinga Rua Jequitibá, 401, Horto - 35.160-306

Leia mais

Descritores: Internato e Residência, organização e administração; Convênios Hospital- Médico.

Descritores: Internato e Residência, organização e administração; Convênios Hospital- Médico. Convênio entre hospitais assistenciais e Faculdades de Medicina para o oferecimento de Programas de Residência Médica Partnership between assisting hospitals and medicine faculties aiming at offering Programmes

Leia mais

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO

SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO PROTOCOLOS GERENCIADOS Hospital Israelita Albert Einstein SEPSE GRAVE/CHOQUE SÉPTICO Implementação do Protocolo: 1º de ABRIL de 2006 Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 SBIB Hospital Albert Einstein

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

Papel da SBIS na Educação

Papel da SBIS na Educação I Ciclo de Seminários de Tecnologias de Informação em Saúde Educação Continuada, Certificação Profissional e Título de Especialista: o Projeto da SBIS Prof. Renato M.E. Sabbatini Diretor de Educação e

Leia mais

Indicadores de desempenho em gestão de saúde populacional

Indicadores de desempenho em gestão de saúde populacional Indicadores de desempenho em gestão de saúde populacional Marcelo Caldeira Pedroso Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (USP) São Paulo, 21 de outubro de 2014 1 Informações sobre o conteúdo

Leia mais

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades

Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades , URL: http://www.ecmal.br/metodologia Página 1 de 5 Iniciação científica: recursos, conhecimento e habilidades A iniciação científica é um instrumento que permite introduzir os estudantes de graduação

Leia mais

Informações ao Corpo Clínico

Informações ao Corpo Clínico Informações ao Corpo Clínico 1. Central de Relacionamento Corpo Clínico - CRCC Com atendimento personalizado, a Central de Relacionamento está à sua disposição para esclarecer dúvidas sobre a Academia,

Leia mais

O Perfil dos Secretários Municipais de Saúde em Minas Gerais e a Organização dos Programas e Projetos Municipais

O Perfil dos Secretários Municipais de Saúde em Minas Gerais e a Organização dos Programas e Projetos Municipais O Perfil dos Secretários Municipais de Saúde em Minas Gerais e a Organização dos Programas e Projetos Municipais Águeda Amorim Corrêa Loureiro de Souza 1 1 Terapeuta ocupacional, especialista em Gestão

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES CURSO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS - BACHARELADO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES CURSO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS - BACHARELADO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES CURSO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS - BACHARELADO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Art. 2 o Art. 3 o Art. 4 o As Atividades Curriculares são parte integrante do

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR

CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR CONTRIBUIÇÃO DO PROBLEM BASED LEARNING (PBL) NA FORMAÇÃO DO ALUNO NO ENSINO SUPERIOR Jose Lucas dos Santos Oliveira Universidade Federal de Campina Grade UFCG - Patos, Paraíba. e-mail: lucasoliveira.ufcg@gmail.com

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE: ABORDAGEM

Leia mais

Análise preliminar da pesquisa em educação especial e inclusão educacional na anped sul

Análise preliminar da pesquisa em educação especial e inclusão educacional na anped sul Análise preliminar da pesquisa em educação especial e inclusão educacional na anped sul Análise preliminar da pesquisa em educação especial e inclusão educacional na anped sul Maria Inês Naujorks* Resumo

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

Sandra A.Riscal 1 riscal@ufscar.br riscal@uol.com.br. José R. Riscal joseriscal2012@gmail.com 2

Sandra A.Riscal 1 riscal@ufscar.br riscal@uol.com.br. José R. Riscal joseriscal2012@gmail.com 2 Revista @mbienteeducação Universidade Cidade de São Paulo Vol. 7 nº 2 set/dez, 2014-525-36 A contribuição do IDEB para o estudo do papel da democratização da escola pública na melhoria da qualidade do

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde

A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde A Maturidade Organizacional em Gerenciamento de Projetos (OPM3 ) de Informática em Saúde Luis Augusto dos Santos 1, Heimar de Fátima Marin 2 1 Engenheiro Eletricista, membro do NIEn e pós-graduando pela

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.772/2005 (Publicada no D.O.U. de 12.08.2005, Seção I, p. 141-142) Revogada pela Resolução CFM nº 1984/2012 Institui o Certificado de Atualização Profissional

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DO BRASIL MOURA, A. L. A. 1 ; SÁ, L. A. C. M 2 RESUMO - A presente pesquisa está sendo desenvolvida com o objetivo de formular uma base de dados espaciais

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

PERSPECTIVAS DO PROJETO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) NA EEEC * PALAVRAS-CHAVE: Ensino a Distância (EaD), TelEduc, Moodle, Conexões de Saberes.

PERSPECTIVAS DO PROJETO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) NA EEEC * PALAVRAS-CHAVE: Ensino a Distância (EaD), TelEduc, Moodle, Conexões de Saberes. PERSPECTIVAS DO PROJETO ENSINO A DISTÂNCIA (EAD) NA EEEC * Ricardo Henrique Fonseca ALVES 1 ; Getúlio Antero de DEUS JÚNIOR 2 ; Marcelo Stehling DE CASTRO 3 e Rodrigo Pinto LEMOS 4 1 Estudante não bolsista

Leia mais

Normatização do cadastro - Geriatria Formação profissional em Geriatria Educação continuada em Geriatria

Normatização do cadastro - Geriatria Formação profissional em Geriatria Educação continuada em Geriatria Normatização do cadastro - Geriatria Formação profissional em Geriatria Educação continuada em Geriatria Ficha de cadastro de atividades de Formação Profissional Ficha de cadastro de atividades de Educação

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

Inquérito aos Diplomados Graduate survey CURSOS DE MESTRADO MASTER COURSES ISMAI

Inquérito aos Diplomados Graduate survey CURSOS DE MESTRADO MASTER COURSES ISMAI Inquérito aos Diplomados Graduate survey CURSOS DE MESTRADO MASTER COURSES ISMAI Introdução Durante as duas últimas semanas de Fevereiro de 21, foi realizado nas instalações do ISMAI um inquérito aos diplomados

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Reunião Regional do Fórum Nacional dos Conselhos Estaduais de Educação FNCEE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: EXPERIÊNCIAS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência (Conhecer) Tecnologia

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Legados da Geração Y. Edson Fregni Sciere Conhecimento e Transformação. CIAB Febraban 2010

Legados da Geração Y. Edson Fregni Sciere Conhecimento e Transformação. CIAB Febraban 2010 CIAB Febraban 2010 Legados da Geração Y A importância do CONHECIMENTO, e sua promoção na sociedade e nas empresas 1 Edson Fregni Sciere Conhecimento e Transformação Síntese A geração Y é diferente e exigente

Leia mais

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito

Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Positive Deviance: Engajamento da equipe para melhorar a adesão ao Checklist Cirúrgico Time Out Perfeito Ana L. Vasconcelos Coordenadora Programa Integrado de Cirurgia O Protocolo de cirurgia segura do

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014.

PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. PORTARIA CE Nº 26, de 30 de junho de 2014. Regulamenta o procedimento de concessão de créditos para as atividades complementares dos alunos dos Cursos de Graduação em Engenharia Industrial Madeireira ingressantes

Leia mais

Modelo para seleção e avaliação de projetos em uma organização de serviço social.

Modelo para seleção e avaliação de projetos em uma organização de serviço social. Victor da Silva Tardin Figueiredo Modelo para seleção e avaliação de projetos em uma organização de serviço social. Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014

REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 1. Dados gerais: Sobre a BBR Conference: REGULAMENTO 2ª BBR CONFERENCE 2014 Nos dias 10, 11 e 12 de dezembro de 2014, a FUCAPE Business School sediará a 2ª Brazilian Business Review Conference (BBR Conference),

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE Jéssica Beatriz da Silva jessicabeatriz18@gmail.com Myckelle Michely da Silva Ferreira myckellemichely@hotmail.com

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES CURRICULARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo 1 o. - As Atividades Curriculares são parte integrante

Leia mais

PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA

PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA PARFOR E AS INICIATIVAS DE FORM AÇÃO DE DOCENTES NO ESTADO DE SANTA CATARINA Franciela Mara Córdova Ransolin Resumo: A formação de professores é um tema relevante entre as políticas públicas posto que

Leia mais

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012

OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES - DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 OS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO SINAES DA IMPLANTAÇÃO DO SINAES AO FINAL DO SEGUNDO CICLO AVALIATIVO 2004/2012 Profa. Ms. Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof.

Leia mais

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção

Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Análise da produção científica nacional sobre Sistema de Informação Gerencial nos principais eventos nacionais em Engenharia de Produção Tanise Fuckner de Oliveira (UTFPR) taniseoliveira@yahoo.com.br Antonio

Leia mais

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente.

Sistema Único de Saúde, para fortalecimento dos processos de descentralização da gestão da saúde, em conformidade com a legislação vigente. GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRÍTO SANTO SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE DO ESPÍRITO SANTO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR EDITAL Nº 1 SESA/ES,

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

VI Seminário Internacional de Atenção Primária. Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS

VI Seminário Internacional de Atenção Primária. Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS VI Seminário Internacional de Atenção Primária Telessaúde APS: experiência do TelessaúdeRS Erno Harzheim Professor Medicina de Família e Comunidade Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Faculdade

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL

ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL ANÁLISE DO ALINHAMENTO ENTRE O BALANÇO SOCIAL E O RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE DOS TRÊS MAIORES BANCOS EM ATIVIDADE NO BRASIL ANALYSIS OF ALIGNMENT AMONG SOCIAL BALANCE AND SUSTAINABILITY REPORT OF THREE

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual

Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual Projeto pedagógico para um curso de Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos com aplicação de ABP Virtual Silvane Guimarães Silva Gomes, Frederico José Vieira Passos Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP

ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP Flavia Viviani Tormena ftormena@unicenp.edu.br Júlio Gomes jgomes@unicenp.edu.br

Leia mais

OS POLOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, SUA DISTRIBUIÇÃO E ABRANGÊNCIA uma pesquisa sobre a otimização de recursos tecnológicos e impactos sociais

OS POLOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, SUA DISTRIBUIÇÃO E ABRANGÊNCIA uma pesquisa sobre a otimização de recursos tecnológicos e impactos sociais OS POLOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, SUA DISTRIBUIÇÃO E ABRANGÊNCIA uma pesquisa sobre a otimização de recursos tecnológicos e impactos sociais Andrino Fernandes¹, Caroline Neis Machado, Débora Inácio do

Leia mais

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso.

N de cursos ofertados; % de vagas ocupadas/ formas de ingresso. Anexo II Dimensões Elementos Indicadores quantitativos Indicadores qualitativos % de cursos com projeto pedagógico/ adequados ao Projeto Condições de implementação dos Projetos Projeto Pedagógico dos Institucional

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO. PALAVRAS-CHAVE: Educação em Saúde; Ensino; Capacitação

O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO. PALAVRAS-CHAVE: Educação em Saúde; Ensino; Capacitação O FUTURO MÉDICO OU O MÉDICO DO FUTURO? - REFLEXÕES SOBRE RESUMO FORMAÇÃO, ENSINO E PROFISSÃO ALMEIDA, Rui M. S. Almeida 1 A Medicina tem sofrido enormes mudanças nas últimas décadas, em função de avanços

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

O papel dos docentes em programas de pós graduação: uma abordagem baseada em redes.

O papel dos docentes em programas de pós graduação: uma abordagem baseada em redes. O papel dos docentes em programas de pós graduação: uma abordagem baseada em redes. Maria Teresinha Tamanini Andrade 1, Marcos Grilo Rosa 2,4, Inácio de Sousa Fadigas 2, Hernane Borges de Barros Pereira

Leia mais

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos

A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Bianca Snaiderman A contribuição do coaching executivo para o aprendizado individual: a percepção dos executivos Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

Aula 1. Por Um Novo Ensino em Saúde. Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini

Aula 1. Por Um Novo Ensino em Saúde. Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini Aula 1 Por Um Novo Ensino em Saúde Profa.Dra. Silvia Helena Cardoso Prof. Dr. Renato M.E. Sabbatini Objetivo da Aula Promover uma reflexão sobre a importância e a necessidade de repensar o ensino em saúde

Leia mais

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1.

BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública. Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-7 Atualização da terminologia e áreas temáticas em saúde pública (01 de julho de 2002) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para atualização

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística)

Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Capacitação dos gestores do serviço público em qualidade e segurança do paciente (com o uso da simulação realística) Parceria da ANVISA com o Centro de Simulação Realística do Hospital Israelita Albert

Leia mais

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência

Programas de Ensaio de Proficiência. Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Programas de Ensaio de Proficiência Paulo Roberto da Fonseca Santos Chefe da Divisão de Comparações Interlaboratoriais e Ensaios de Proficiência Evolução da Organização de Ensaios de Proficiência 1984:

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

Autor: Débora Saraiva de Melo Anversa 1 Co-Autores: Teresinha Rita Boufleuer 2 Franciele Pastre 3 Andreici Daiani Vedovatto 4 Ademar Tibola 5

Autor: Débora Saraiva de Melo Anversa 1 Co-Autores: Teresinha Rita Boufleuer 2 Franciele Pastre 3 Andreici Daiani Vedovatto 4 Ademar Tibola 5 Proposta de Desenvolvimento do Empreendedor na INCTECh: adequação à prática chave segundo a metodologia CERNE 1. Proposal for Entrepreneurial Development at INCTECh: suitability to practice key according

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Atividades Complementares NAC (Resolução CNE/CES nº 9/2004)

Regulamento do Núcleo de Atividades Complementares NAC (Resolução CNE/CES nº 9/2004) CURSO DE DIREITO DA UniEVANGÉLICA DIREÇÃO DE CURSO Regulamento do Núcleo de Atividades Complementares NAC (Resolução CNE/CES nº 9/2004) DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A carga horária da matriz 2009.1

Leia mais

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA

EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA EDITAL Nº 05/2007 PRODOCÊNCIA PROGRAMA DE CONSOLIDAÇÃO DAS LICENCIATURAS MEC/SESu/DEPEM 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR - SESu EDITAL Nº 05/2007 Brasília, 20 junho de 2007

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Tópicos Especiais. Prof. Newman Serrano, PMP. Tópicos Especiais.

MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Tópicos Especiais. Prof. Newman Serrano, PMP. Tópicos Especiais. MBA em EXCELÊNCIA EM GESTÃO DE PROJETOS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Tópicos Especiais Prof. Tópicos Especiais Certificação PMP 1 Conteúdo Programático O PMI As certificações do PMI A certificação PMP O

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL COMUNITÁRIA FORMIGUENSE FUOM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR-MG CONSELHO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA (Ato de Aprovação:

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009

UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 2009 Recebido em: 1/3/211 Emitido parece em: 23/3/211 Artigo inédito UM ESTUDO SOBRE O MOMENTO DE INCIDÊNCIA DE GOLS E A COMPARAÇÃO ENTRE A EQUIPE MANDANTE E A VISITANTE NO CAMPEONATO PAULISTA DE 29 Leandro

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

Painel: Lições aprendidas oportunidades e limitações, com experiências de concessão e PPPs. Case: Hospital Municipal Moysés Deutsch M Boi Mirim

Painel: Lições aprendidas oportunidades e limitações, com experiências de concessão e PPPs. Case: Hospital Municipal Moysés Deutsch M Boi Mirim Painel: Lições aprendidas oportunidades e limitações, com experiências de concessão e PPPs Case: Hospital Municipal Moysés Deutsch M Boi Mirim Dr. Claudio Lottenberg Presidente SBIBAE História, Missão

Leia mais

Perfil do IDEB (índice de desenvolvimento da educação básica) - do município de Araxá-MG

Perfil do IDEB (índice de desenvolvimento da educação básica) - do município de Araxá-MG Perfil do IDEB (índice de desenvolvimento da educação básica) - do município de Araxá-MG SILVA, Marina Queiroz 1 SILVA, Arejacy Antônio Sobral 2 Resumo: O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB)

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS

PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS PIBID: ALUNOS MONITORES COMO ORIENTADORES DA METODOLOGIA CIENTÍFICA PARA FEIRA DE CIÊNCIAS DA ESCOLA ESTADUAL MOREIRA DIAS Ewelanny Louyde Ferreira de Lima¹; Daiane Rodrigues Soares². Alunas de graduação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 182 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 182 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 182 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015

RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 013 / 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Pró-Reitoria de Graduação Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 - Alfenas/MG - CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1329 Fax: (35) 3299-1078 grad@unifal-mg.edu.br

Leia mais

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IFCE: UMA EXPERIÊNCIA

A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IFCE: UMA EXPERIÊNCIA A EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA FORMAÇÃO DE LICENCIANDOS NO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA - IFCE: UMA EXPERIÊNCIA LUCINEIDE PENHA TORRES DE FREITAS Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO

PERFIL DE ESCOLAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CICLO II A RESPEITO DO USO DE RECURSOS DE INFORMÁTICA PELO PROFESSOR PARA AUXÍLIO DA APRENDIZAGEM DO ALUNO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO - ISSN 1807-1872 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE C IÊNCIAS J URÍDICAS E G ERENCIAIS DE G ARÇA/FAEG A NO II, NÚMERO, 03, AGOSTO DE 2005.

Leia mais