TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TAXAS DE JURO. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a 03"

Transcrição

1 TAXAS DE JURO ÍNDICE Contratos Pag. 1. Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 01 a Alterado pelo Ofício Circular 015/2002-DG, DE 01/02/ Novos procedimentos de call de fechamento foram introduzidos, para apuração do preço de ajuste, pelo OC 149/2006-DG, de 21/12/ a Anexo: Operações Estruturadas - Negociação de volatilidade de Taxa de Juro Forward em Reais (VTF) 07 a Anexo: Operações Estruturadas Negociação de volatilidade de Taxa de Juro Spot (VID) 13 a Alterado pelo Ofício Circular 056/2008-DP, de 30/09/ a Contrato de Opção de Compra sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 19 a Anexo I - Definição do Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia-IDI Contrato de Opções de Venda sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um dia 23 a Anexo I - Definição do Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia-IDI Contrato de Opção de Compra sobre Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia Modelo Europeu 27 a Contrato de Opção de Venda sobre Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia Modelo Europeu 30 a Contrato Futuro de Cupom Cambial 33 a Anexo: FRA de Cupom Cambial 36 a Contrato de Swap Cambial com Ajuste Periódico 38 a Alterado pelo Ofício Circular 074/2002-DG, de 21/05/ a Alterado pelo Ofício Circular 108/2002-DG, de 17/07/ a Anexo: Swap Cambial com Futuro de Dólar Contrato de Swap Cambial míni com Ajuste Diário 50 a Contrato Futuro de Cupom de IGP-M 55 a Anexo: FRA de Cupom de IGP-M 59 a Contrato Futuro de Cupom de IPCA 62 a Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Longo Prazo (DI Longo) 66 a 68

2 Especificações do Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 1. Definições Preço unitário (PU): o valor, em pontos, correspondente a , descontado pela taxa de juro descrita no item 2. Taxa de DI: Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI) calculada pela Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip), expressa em taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. Preço de ajuste (PA): preço de fechamento, expresso em PU, apurado e/ou arbitrado diariamente pela BM&F, a seu critério, para cada um dos vencimentos autorizados, para efeito de atualização do valor das posições em aberto e apuração do valor de ajustes diários e de liquidação das operações day trade. Saques-reserva: dia útil para fins de operações praticadas no mercado financeiro, conforme estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional. 2. Objeto de negociação A taxa de juro efetiva até o vencimento do contrato, definida para esse efeito pela acumulação das taxas diárias de DI no período compreendido entre a data de negociação, inclusive, e o último dia de negociação do contrato, inclusive. 3. Cotação Taxa de juro efetiva anual, base 252 dias úteis, com até três casas decimais. 4. Variação mínima de apregoação 0,001 ponto de taxa. 5. Oscilação máxima diária Conforme estabelecida pela BM&F. 6. Unidade de negociação (tamanho do contrato) PU multiplicado pelo valor em reais de cada ponto, estabelecido pela BM&F. 7. Meses de vencimento Os quatro primeiros meses subseqüentes ao mês em que a operação for realizada e, a partir daí, os meses que se caracterizarem como de início de trimestre. 8. Número de vencimentos em aberto Conforme autorização da BM&F. 9. Data de vencimento Primeiro dia útil do mês de vencimento. 10. Último dia de negociação Dia útil anterior à data de vencimento. 11. Day trade São admitidas operações day trade (compra e venda, no mesmo dia, da mesma quantidade de contratos para a mesma data de vencimento), que serão compensadas, desde que realizadas em nome do mesmo cliente, intermediadas pela mesma Corretora de Mercadorias e registradas pelo mesmo Membro de Compensação ou realizadas pelo mesmo Operador Especial e registradas pelo mesmo Membro de Compensação. A liquidação financeira dessas operações será realizada no dia útil subseqüente, sendo os valores apurados de acordo com o item 12(b.1). 12. Ajuste diário Para efeito de apuração do valor relativo ao ajuste diário das posições em aberto, serão obedecidos os critérios a seguir. a) Inversão da natureza das posições As operações de compra e de venda, originalmente contratadas em taxa, serão transformadas em operações de venda e de compra, respectivamente, em PU. b) Apuração do ajuste diário As posições em aberto ao final de cada pregão, depois de transformadas em PU, serão ajustadas com base no preço de ajuste do dia, estabelecido conforme regras da Bolsa, com movimentação financeira (pagamento dos débitos e recebimento dos ganhos) no dia útil subseqüente (D+1). O ajuste diário será calculado até a data de vencimento, inclusive, de acordo com as seguintes fórmulas: b.1) ajuste das operações realizadas no dia ( t ) AD = PA PO M N t

3 b.2) ajuste das posições em aberto no dia anterior ( ) AD = t PAt PAt 1 FCt M N AD t = valor do ajuste diário, em reais, referente à data t ; PA t =preço de ajuste do contrato na data t, para o vencimento respectivo; PO = preço da operação, em PU, calculado da seguinte forma, após o fechamento do negócio: PO = n i i = taxa de juro negociada; n = número de saques-reserva, compreendido entre a data de negociação, inclusive, e a data de vencimento do contrato, exclusive; M = valor em reais de cada ponto de PU, estabelecido pela BM&F; N = número de contratos; PA t 1 = preço de ajuste do contrato na data t 1, para o vencimento respectivo; FC t = fator de correção do dia t, definido pelas seguintes fórmulas: i) quando houver um saque-reserva entre o último pregão e o dia do ajuste DIt 1 FCt = ii) quando houver mais de um saque-reserva entre o último pregão e o dia do ajuste n DIj FCt = j= 1 DI t 1 = taxa de DI, referente ao dia útil anterior ao dia a que o ajuste se refere, com até seis casas decimais. Na hipótese de haver mais de uma taxa de DI divulgada para o intervalo entre dois pregões consecutivos, essa taxa representará a acumulação de todas as taxas divulgadas. Na data de vencimento do contrato, o preço de ajuste será Se, em determinado dia, a taxa de DI divulgada pela Cetip se referir a um período (número de dias) distinto daquele a ser considerado na correção do preço de ajuste, a BM&F poderá arbitrar uma taxa, a seu critério, para aquele dia específico. O valor do ajuste diário (AD t ), se positivo, será creditado ao comprador da posição em PU (vendedor original em taxa) e debitado ao vendedor da posição em PU (comprador original em taxa). Caso o valor seja negativo, será debitado ao comprador da posição em PU e creditado ao vendedor da posição em PU. 13. Condições de liquidação no vencimento Na data de vencimento, as posições em aberto, após o último ajuste, serão liquidadas financeiramente pela Bolsa, mediante o registro de operação de natureza inversa (compra ou venda) à da posição, na mesma quantidade de contratos, pela cotação (preço unitário) de pontos. Os resultados financeiros da liquidação serão movimentados no dia útil subseqüente à data de vencimento. Condições especiais Se, por qualquer motivo, a Cetip atrasar a divulgação da taxa de DI definida no item 1 ou deixar de divulgála, por um ou mais dias, a BM&F poderá, a seu critério: a) prorrogar a liquidação deste contrato, até a divulgação oficial pela Cetip; ou b) encerrar as posições em aberto pelo último preço de ajuste disponível. A BM&F poderá ainda, em qualquer caso, arbitrar um preço de liquidação para este contrato se, a seu critério, julgar não serem representativos tanto a taxa divulgada pela Cetip quanto o último preço de ajuste disponível. 14. Margem de garantia Será exigida margem de garantia de todos os comitentes com posição em aberto, cujo valor será atualizado diariamente pela Bolsa, de acordo com critérios de apuração de margem para contratos futuros

4 15. Ativos aceitos como margem Dinheiro, ouro, cotas do Fundo dos Intermediários Financeiros (FIF) e, mediante autorização prévia da Bolsa, títulos públicos federais, títulos privados, cartas de fiança, ações e cotas de fundos fechados de investimento em ações. 16. Custos operacionais Taxa operacional básica Operação normal: 3%; day trade: 1,5%. A taxa operacional básica por contrato negociado, sujeita a valor mínimo estabelecido pela Bolsa, incide sobre a seguinte base de cálculo: ( t 1 t) BC= PA FC M BC = base de cálculo. Para os contratos liquidados financeiramente na data de vencimento, o valor da taxa operacional será idêntico ao do último dia de negociação. Taxa de liquidação no vencimento Valor da taxa operacional básica do último dia de negociação. Taxas da Bolsa (emolumentos e fundos) 1% da taxa operacional básica. A Bolsa poderá estabelecer um vencimento que limite superiormente a base de cálculo da taxa operacional básica, para efeito de cálculo de emolumentos e fundos. Taxa de registro Valor fixo estabelecido pela Bolsa. Os custos operacionais são devidos no dia útil seguinte ao de realização da operação. Os Sócios Efetivos pagarão no máximo 75% da taxa operacional básica e da taxa de liquidação no vencimento e 75% dos demais custos operacionais (taxas de registro e da Bolsa). Os investidores institucionais pagarão 75% das taxas da Bolsa. 17. Hedgers São considerados hedgers, para efeito deste contrato, as instituições financeiras e os investidores institucionais. 18. Normas complementares Fazem parte integrante deste contrato, no que couber, a legislação em vigor, as normas e os procedimentos da BM&F, definidos em seus Estatutos Sociais, Regulamento de Operações e Ofícios Circulares, observadas, adicionalmente, as regras específicas das autoridades governamentais que possam afetar os termos nele contidos. Alterações no número de saques-reserva previsto para uma série em negociação, em face do disposto na Resolução 2516, de 29 de junho de 1998, são de responsabilidade exclusiva das partes contratantes originais, ou seja, não são de responsabilidade da BM&F. Na hipótese de situações não previstas neste contrato, bem como de medidas governamentais ou de qualquer outro fato, que impactem a formação, a maneira de apuração ou a divulgação de suas variáveis, ou que impliquem, inclusive, sua descontinuidade, a BM&F tomará as medidas que julgar necessárias, a seu critério, visando a liquidação do contrato ou sua continuidade em bases equivalentes. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: OFÍCIO CIRCULAR 133/2001-DG, DE 13/11/2001

5 Ofcio Page 1 of 1 Alteração das Especificações do Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia Em atendimento à solicitação dos operadores de mercado e depois de ouvida a Câmara de Ativos Financeiros, a BM&F decidiu criar um procedimento que possibilitará a negociação do Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI1) com a utilização de duas casas decimais para as apregoações normais e a manutenção de três casas decimais para as operações diretas. Dessa forma, a partir de 5/2/2002, as apregoações para esse contrato serão feitas em taxa de juro efetiva anual, base 252 dias, com duas casas decimais, sendo a variação mínima de apregoação de 0,01 ponto de taxa. Entretanto, o cartão de negociação (boleto) deverá ser preenchido com as três casas decimais, apondo-se um zero depois da cotação (de duas casas) negociada. No caso de operações diretas, o boleto deverá ser preenchido com três casas decimais, sendo permitida, nesse caso, a terceira casa diferente de zero. Contudo, a interferência na operação direta deverá ser em múltiplos de 0,010 ponto de taxa. Para viabilizar essas medidas, a Bolsa está procedendo à alteração dos itens 3 e 4 das especificações do DI1, que passam a ter a seguinte redação: " 3. Cotação Taxa de juro efetiva anual, base 252 dias úteis, com até duas casas decimais para as apregoações e com até três casas decimais para os negócios diretos. 4. Variação mínima de apregoação 0,01 ponto de taxa." As presentes alterações entrarão em vigor em 5/2/2002. Os demais itens das especificações contratuais permanecem inalterados. A BM&F comunica, ainda, que a nova forma de cotação será válida tanto para os negócios realizados no pregão de viva voz quanto no GTS. Esclarecimentos adicionais poderão ser obtidos com as Diretorias Técnica e de Planejamento (Marco Aurélio, Álvaro, Vânia e Sérgio) e de Operações e Desenvolvimento de Mercado (Branco, Edson e Marcos) e Escritório Rio (Galvão). OFÍCIO CIRCULAR 015/2002-DG, DE 1º/2/ /5/2010

6 21 de dezembro de /2006-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais Ref.: Critérios para o Call dos Vencimentos Futuros de DI1. Comunicamos que, a partir de 02/01/2007, a BM&F alterará o critério para a determinação dos vencimentos do Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI1) que participarão do call de fechamento. Fica estabelecido, portanto, que os vencimentos que apresentarem liquidez suficiente terão seu preço de ajuste apurado por meio de média ponderada dos negócios realizados nos últimos 15 minutos de negociação. A mudança contemplará inicialmente os seguintes vencimentos: abril e julho/2007, janeiro/2008, janeiro/2009 e janeiro/2010. Salientamos que a análise de liquidez dos vencimentos ocorrerá mensalmente e será comunicada ao mercado pelo Ofício Circular que trata da divisão de produtos entre o pregão de viva voz e o GTS. Para os demais vencimentos, permanece a regra vigente, com o preço de ajuste sendo calculado no call de fechamento, que terá início após o encerramento das negociações em sessão normal. Essa medida foi discutida em reuniões das Câmaras Consultivas de Ativos Financeiros e Assuntos Operacionais, tendo sempre presente a preocupação dos participantes com a sincronização dos preços de ajuste, de modo que refletissem as expectativas de mercado para o fechamento dos negócios com a taxa de juro. Devido ao fato de que alguns vencimentos serão calculados pela média de 15 minutos e outros, pelo call que ocorre alguns minutos depois, é possível que, em dias de maior volatilidade, haja diferença entre os preços obtidos pela média e aqueles que poderiam ser obtidos mediante negociação no call.

7 149/2006-DG.2. Por conseguinte, todos os vencimentos do DI1 serão chamados no call se for verificado que o vencimento apontado pela BM&F como o de maior liquidez apresentar indicador de dispersão superior a 0,12% (12 pontos-base). O indicador que determinará a necessidade de chamada de todos os vencimentos no call, utilizando as cotações de uma amostra dos negócios nos 15 minutos finais e após a exclusão dos cinco negócios com cotação mais alta e dos cinco com cotação mais baixa, será o seguinte: I I = (P máx P mín ) = indicador de volatilidade a ser observado para o vencimento mais líquido do futuro de DI1; P máx = maior cotação observada no vencimento mais líquido do futuro de DI1 durante os 15 minutos finais, após a exclusão das cinco cotações mais altas; P mín = menor cotação observada no vencimento mais líquido do futuro de DI1 durante os 15minutos finais, após a exclusão das cinco cotações mais baixas. Ocorrerá o call se for verificada a condição: I > 0,12% Para o início de vigência, o mês de observação para o indicador de volatilidade será o vencimento janeiro/2008. Futuramente, quando outro vencimento revelar liquidez que justifique seu uso no indicador, a BM&F divulgará a alteração. Esclarecimentos adicionais poderão ser obtidos com a Diretoria de Pregão (Branco, Edson e Humberto). Atenciosamente, Edemir Pinto Diretor Geral

8 OPERAÇÕES ESTRUTURADAS NEGOCIAÇÃO DE VOLATILIDADE DE TAXA DE JURO FORWARD EM REAIS (VTF) Atendendo à demanda de participantes do mercado para que as opções de taxa de juro sejam negociadas em pregão ao longo do dia com a fixação de um nível para as taxas, a BM&F estará lançando, no dia 5/12/2003, a Operação Estruturada de Volatilidade de Taxa de Juro Forward em Reais. Ela segue o mesmo modelo das operações desenvolvidas para Ibovespa, dólar e IDI e tem o objetivo de criar facilidades operacionais para os participantes, ao combinar o Contrato de Opção de Compra ou de Venda sobre Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI1) e dois vencimentos do Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI1), dispostos em proporção para a geração de uma posição futura sintética de taxa de juro forward. Para sua realização, a Bolsa estabelecerá, às 10:15, cotações para o futuro de DI1: uma para o contrato com o mesmo vencimento da opção e outra para o contrato que é o objeto da opção, que serão utilizadas como referência para os negócios durante o dia e que poderão, inclusive, ser usadas em outros calls que envolvam a geração de posição no contrato futuro de DI1. No decorrer do dia, a BM&F poderá mudar essa cotação de referência do contrato futuro, se julgar necessário. Às 14:30, serão alteradas as cotações de referência, tomando por base a última cotação do contrato futuro de DI1 com vencimento na mesma data da opção e o vencimento-objeto da opção. As operações poderão ser realizadas para todos os tipos de série das opções sobre futuro de DI1, a saber: tipo 1: ativo-objeto é o futuro de DI1 com vencimento três meses depois do vencimento da opção; tipo 2: ativo-objeto é o futuro de DI1 com vencimento seis meses depois do vencimento da opção; tipo 3: ativo-objeto é o futuro de DI1 com vencimento um ano depois do vencimento da opção; tipo 4: ativo-objeto é o futuro de DI1 com vencimento especificado pela Bolsa. As características da operação estruturada VTF estão discriminadas a seguir. a) Operação de Volatilidade de Taxa de Juro Forward em Reais Código geral: VTF. Código de negociação por tipo: refere-se ao tipo de opção negociada na estratégia: VF1 para a criação de posição em série de opção do tipo I; VF2 para a criação de posição em série de opção do tipo II; VF3 para a criação de posição em série de opção do tipo III; VF4 para a criação de posição em série de opção do tipo IV. Código da série envolvida: o mesmo da opção. Horário de negociação: das 10:15 ao encerramento do contrato futuro de DI1. Não haverá negociação na sessão after-hours. Durante o período de troca do preço de referência, as negociações em VTF serão suspensas por 15 minutos. Local de negociação: no sistema eletrônico de negociação (GTS), à exceção do call especial, realizado em pregão. Horário do call especial: após as 10:15, conforme a seqüência de calls estabelecida pela BM&F. Local de realização do call: no posto de negociação destinado a operações estruturadas. Vencimentos: todos os vencimentos autorizadas pela BM&F à negociação (o call não será realizado para todas as séries e vencimentos). Natureza da operação: compra/venda. Cotação: o prêmio da opção. Série da opção: apenas as séries de opções de compra e de venda sobre futuro de DI1 autorizadas pela Bolsa a fazer parte da operação estruturada. Ofertas no call especial: as ofertas ao longo do call especial serão firmes para a quantidade de contratos apregoada.

9 Lote de negociação no call (q VTF ): múltiplos de 5 contratos, com o mínimo de 100 contratos. Interferência no call (q VTF ): múltiplos de 5 contratos, com o mínimo de 100 contratos. Lote de negociação no GTS (q VTF ): múltiplos de 5 contratos. Especificação de comitentes: os negócios de VTF serão especificados um a um. No caso de desdobramento de um negócio entre dois ou mais clientes, não poderá ser especificada, para cada cliente, quantidade que não seja múltipla de 5 contratos. Repasses de negócios: somente poderão ser realizados em sua totalidade e obedecerão aos critérios e horários estabelecidos pela Bolsa para os demais mercados. Alguns instantes antes do call inicial, a Bolsa anunciará a cotação do contrato futuro de DI1 a ser tomada como referência e o coeficiente delta calculado pelo modelo de Black & Scholes, que fará parte do cálculo da quantidade de contratos a ser gerada pela BM&F no contrato futuro de DI1, conforme a metodologia descrita no anexo deste Ofício. Com a alteração da cotação de referência, a Bolsa também divulgará os novos valores obtidos para o delta de cada uma das séries autorizadas à negociação na estratégia. Após o encerramento dos negócios, a BM&F procederá ao desdobramento do negócio em posições tanto nos contratos futuros de DI1 cujo vencimento seja coincidente com o da opção e cujo vencimento seja o objeto da opção, quanto no contrato de opção sobre futuro de DI1, de acordo com o critério descrito a seguir. b) Operação Automática a Ser Registrada no Mercado Futuro de DI1 a Partir de uma Operação Estruturada com Opção de Compra sobre Futuro de DI1 (Call) b.1) Vencimento Ponta Longa Vencimento: o vencimento-objeto da série negociada em VTF. Natureza da operação (compra/venda): inversa à da operação de VTF. Preço: a cotação fixada pela BM&F com base no último preço para o vencimento respectivo. Caso não haja, a critério da BM&F, preço consistente em virtude de falta de liquidez, este será apurado conforme o preço futuro do vencimento mais líquido e a taxa de juro prefixada para o período entre esse vencimento e o vencimento para o qual o preço será arbitrado. Quantidade de contratos: será apurada de acordo com a fórmula: qfut _ pl = qfut _ pl, arredondando-se para o múltiplo de 5 contratos mais próximo, sendo qfut _ pl = qvtf s é rie q fut_pl = quantidade de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta longa ; q fut _ pl = quantidade preliminar de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta longa ; q VTF = quantidade de contratos negociados em VTF; série = coeficiente delta apurado pela BM&F e informado no início das negociações da série respectiva, na forma decimal, com arredondamento na segunda casa. b.2) Vencimento Ponta Curta Vencimento: idêntico ao da série negociada em VTF. Natureza da operação (compra/venda): a mesma da operação de VTF. Preço: a cotação fixada pela BM&F com base no último preço para o vencimento respectivo. Caso não haja, a critério da BM&F, preço consistente em virtude de falta de liquidez, este será apurado conforme o preço futuro do vencimento mais líquido e a taxa de juro prefixada para o período entre esse vencimento e o vencimento para o qual o preço será arbitrado. Quantidade de contratos: será apurada de acordo com a fórmula:

10 q = q, arredondando-se para o múltiplo de 5 contratos mais próximo, fut _ pc fut _ pc sendo q fut _ pc qfut _ = 1+ r q fut_pc = quantidade de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta curta ; q fut _ pc = quantidade preliminar de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta curta ; q fut_pl = quantidade de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta longa ; r fra = taxa de juro de FRA no período, obtida pela seguinte fórmula: pl fra r fra = r + 1 r + 1 pl pc dupl 252 dupc r pl = taxa de juro do futuro-objeto da opção, negociada em VTF (caracterizado como ponta longa ); r pc = taxa de juro do futuro com vencimento idêntico ao da opção, negociada em VTF (caracterizado como ponta curta ); du pl = número de saques-reserva até o vencimento do contrato futuro-objeto da opção (caracterizado como ponta longa ); du pc = número de saques-reserva até o vencimento da opção. c) Operação Automática a Ser Registrada no Mercado Futuro de DI1 a Partir de uma Operação Estruturada com Opção de Venda sobre Futuro de DI1 (Put) c.1) Vencimento Ponta Longa Vencimento: o vencimento-objeto da série negociada em VTF. Natureza da operação (compra/venda): idêntica à da operação de VTF. Preço: a cotação fixada pela BM&F com base no último preço para o vencimento respectivo. Caso não haja, a critério da BM&F, preço consistente em virtude de falta de liquidez, este será apurado conforme o preço futuro do vencimento mais líquido e a taxa de juro prefixada para o período entre esse vencimento e o vencimento para o qual o preço será arbitrado. Quantidade de contratos: será apurada de acordo com a fórmula: q = q, arredondando-se para o múltiplo de 5 contratos mais próximo, fut _ pl fut _ pl sendo qfut _ pl = qvtf s é rie q fut_pl = quantidade de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta longa ; q fut _ pl = quantidade preliminar de contratos futuros de DI1 caracterizados como ponta longa ; q VTF = quantidade de contratos negociados em VTF; série = coeficiente delta apurado pela BM&F e informado no início das negociações da série respectiva, na forma decimal, com arredondamento na segunda casa. c.2) Vencimento Ponta Curta Vencimento: idêntico ao da série negociada em VTF.

11 Natureza da operação (compra/venda): inversa à da operação de VTF. Preço: a cotação fixada pela BM&F com base no último preço para o vencimento respectivo. Caso não haja, a critério da BM&F, preço consistente em virtude de falta de liquidez, este será apurado conforme o preço futuro do vencimento mais líquido e a taxa de juro prefixada para o período entre esse vencimento e o vencimento para o qual o preço será arbitrado. Quantidade de contratos: será apurada de acordo com a fórmula: q = q, arredondando-se para o múltiplo de 5 contratos mais próximo, fut _ pc fut _ pc sendo q fut _ pc qfut _ = 1+ r pl fra d) Operação Automática a Ser Registrada no Mercado de Opções sobre Futuro de DI1 (Call ou Put) Série: código idêntico ao da série de VTF negociada. Natureza da operação (compra/venda): idêntica à natureza negociada em VTF. Prêmio: o mesmo negociado em VTF. Quantidade de contratos: a mesma negociada em VTF. Todos os resultados financeiros das operações estruturadas realizadas, inclusive de day trade, serão apurados e liquidados segundo os procedimentos estabelecidos para os contratos futuro de DI1 e de opções sobre futuro de DI1. Com referência ao critério de arredondamento empregado nos cálculos acima, haverá arredondamento universal na parte inteira da quantidade, sendo adotado o seguinte procedimento para a distribuição da quantidade de contratos futuros, caso, em um negócio, seja especificado mais de um cliente: 1. Apura-se a quantidade de contratos futuros preliminar de cada cliente, com base na quantidade de contratos especificada na série de opção negociada, utilizando-se, para tanto, a fórmula de q fut ; 2. Apura-se a soma das quantidades preliminares de todos os clientes do mesmo negócio, comparandoa com o total de q fut da operação; 3. Se houver diferença entre o somatório de q fut e q fut, esta será compensada na posição do cliente que agregar o maior número de contratos, de maneira que a soma total das quantidades preliminares ( q fut ) seja idêntica à soma das quantidades arredondadas (q fut ) calculada anteriormente. Esse procedimento é necessário para evitar diferença entre as quantidades compradas e vendidas no contrato futuro. É importante notar que, devido ao processo de arredondamento, as operações day trade realizadas para a mesma série de VTF podem resultar em resíduos de quantidades no contrato futuro de DI1 (ponta longa e ponta curta). Os custos operacionais das operações de VTF serão apurados nos contratos futuro de DI1 e de opção sobre futuro de DI1, após o desdobramento do negócio. A margem de garantia das posições será apurada para o futuro DI1 e a opção sobre futuro de DI1, conforme já divulgado pela Bolsa. Na hipótese de interrupção da negociação do futuro de DI1 por qualquer motivo ou no caso de qualquer dos vencimentos do futuro de DI1 ser negociado no limite diário de oscilação, não haverá negociação em VTF.

12 ANEXO MODELO A SER UTILIZADO NO CÁLCULO DO COEFICIENTE DELTA O Modelo Será o de Black & Scholes, para opções européias sobre futuro. Para as opções de compra, o coeficiente delta será calculado por meio da seguinte fórmula: PU srie é = Nd ( 1) PUfra Para as opções de venda, o delta será dado por: PU srie é = Nd ( 1) 1 PU exercício exercício N(.) = valor da função de distribuição de probabilidade normal acumulada; d1 = 2 rfra σ ln t X + 2 ; σ t σ = volatilidade do ativo-objeto da operação estruturada, apurada diariamente pela Bolsa junto ao mercado, referente ao dia anterior ao de negociação e expressa na forma anual, base 252 dias úteis; X = preço de exercício da série (em taxa de juro), expresso em taxa de juro efetiva para o período forward, ou seja, o número de dias úteis entre a data de vencimento da opção e a data de vencimento do contrato futuro-objeto da opção; t = fração do ano a que se refere o prazo do ativo-objeto da operação, em dias úteis, para o vencimento da opção; PU exercício = valor presente (PU) de , descontado pela taxa de exercício da opção pelo período de FRA (período entre o vencimento da opção e o vencimento do futuro-objeto) e estabelecido conforme segue: PU exercí cio = X X = conforme definido acima; PU fra = valor presente (PU) de , descontado pela taxa de FRA e estabelecido conforme segue: PU fra = 1+ r fra O coeficiente delta será expresso na forma decimal e arredondado na segunda casa para o múltiplo de 0,05 mais próximo, utilizando-se o procedimento de arredondamento universal. A Volatilidade A volatilidade utilizada no cálculo do delta será obtida pela BM&F via coleta própria junto ao mercado, sendo expressa em termos anuais e relativa ao dia útil imediatamente anterior e referente à taxa de FRA. A volatilidade é informada para determinados níveis de delta, que terão os preços de exercício equivalentes fra

13 encontrados por inversão numérica. A volatilidade para cada um dos preços de exercícios autorizados à negociação será obtida por interpolação via spline cúbico. A Arbitragem de Preço do Contrato Futuro Se não for possível identificar um preço de referência (taxa de juro) para o vencimento do futuro de DI1 pela ausência de negócios ou de ofertas no dia, a BM&F o determinará utilizando a interpolação das taxas dos vencimentos mais próximos que apresentarem negócios ou que tiverem ofertas. OFÍCIO CIRCULAR 138/2003-DG, de 4/12/2003, com as alterações introduzidas pelos OCs 129/2004-DG, de 21/10/2004, 053/2005-DG, de 20/4/2005, 100/2005-DG, de 28/10/2005, e 100/2006-DG, de 31/8/2006

14 OPERAÇÕES ESTRUTURADAS NEGOCIAÇÃO DE VOLATILIDADE DE TAXA DE JURO SPOT (VID) A partir de 12/12/2003, está autorizada a Operação Estruturada de Volatilidade de Taxa de Juro Spot (VID), que permitirá a operação conjunta do Contrato de Opção de Compra ou de Venda sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI) e do Contrato Futuro de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (DI1). Ela é análoga às demais operações estruturadas, como Ibovespa e dólar, e tem o objetivo de possibilitar a operação da volatilidade da taxa de juro spot. Diariamente, às 10:15, a Bolsa fixará uma cotação para cada mês de vencimento do futuro de DI1 que será utilizada para as operações durante o call especial de abertura e até o aviso de sua atualização pela Bolsa, que ocorrerá perto das 14:30, se não houver situações específicas que demandem atualização mais cedo. Com base nesse preço futuro fixado pela Bolsa e no delta da opção, também apurado pela BM&F, serão cotadas as operações de VID, cujos negócios serão transformados automaticamente em posições nos contratos de opção de IDI e futuro de DI1, tendo como referência o prêmio da opção, conforme as especificações que seguem. a) Operação de Volatilidade de Taxa de Juro Spot Código de negociação da operação estruturada: VID. Código da série envolvida: o mesmo da opção. Horário de negociação: das 10:15 ao encerramento do contrato futuro de DI1. Não haverá negociação na sessão after-hours. Quando houver mudança no preço do contrato futuro fixado pela Bolsa, as negociações em VID serão suspensas por 15 minutos. Local de negociação: no sistema eletrônico de negociação (GTS), à exceção do call especial, realizado em pregão. Horário do call especial: após as 10:15, na seqüência de calls de volatilidade estabelecida pela Bolsa. Local de realização do call: no posto de negociação destinado a operações estruturadas. Vencimentos: todos os vencimentos autorizados pela BM&F à negociação (o call não será realizado para todas as séries e vencimentos). Natureza da operação: compra/venda. Cotação: o prêmio da opção, em pontos de índice. Série da opção: apenas as séries de opções de compra e venda de IDI autorizadas pela Bolsa para a operação de VID (não necessariamente todas as séries de IDI). Ofertas no call especial: as ofertas ao longo do call especial serão firmes para a quantidade de contratos apregoada. Lote de negociação no call (q VID ): múltiplos de 5 contratos, com o mínimo de 50 contratos. Interferência no call (q VID ): múltiplos de 5 contratos, com o mínimo de 50 contratos. Lote de negociação no GTS (q VID ): múltiplos de 5 contratos. Especificação de comitentes: os negócios de VID serão especificados um a um. No caso de desdobramento de um negócio entre dois ou mais clientes, não poderá ser especificada, para cada cliente, quantidade que não seja múltipla de 5 contratos. Repasses de negócios: somente poderão ser realizados em sua totalidade e obedecerão aos critérios e horários estabelecidos pela Bolsa para os demais mercados. Alguns instantes antes do call inicial, a Bolsa anunciará a cotação do futuro de DI1 a ser tomada como referência e o coeficiente delta calculado pelo modelo de Black & Scholes, que será parte do cálculo da quantidade de contratos a ser gerada pela BM&F no futuro de DI1. Para efeito de cálculo do coeficiente delta da série de opção, a Bolsa utilizará a volatilidade implícita por ela apurada junto ao mercado no dia útil anterior. Havendo alteração na cotação de referência (preço futuro), a Bolsa também divulgará os novos valores obtidos para o delta de cada uma das séries autorizadas à negociação na estratégia.

15 Após o encerramento dos negócios, a BM&F realizará a transformação das operações em posições no futuro de DI1 e na opção de IDI, consoante o critério descrito a seguir. b) Operação Automática a Ser Registrada no Mercado Futuro de DI1 a Partir de uma Operação Estruturada com Opção de Compra sobre IDI (Call) Vencimento: o mesmo mês da série negociada em VID. Natureza da operação (compra/venda): inversa à da operação de VID. Preço: a cotação fixada pela BM&F com base no último preço para o vencimento respectivo. Caso não haja cotação consistente, a critério da BM&F, seja por liquidez insuficiente seja por qualquer outro motivo, a cotação será determinada pela Bolsa conforme a taxa de juro do vencimento mais líquido e a taxa de juro Taxa Referencial BM&F para o período entre esse vencimento e o vencimento para o qual o preço será arbitrado. Quantidade de contratos (q fut ): será apurada de acordo com a fórmula: qfut = qfut, arredondando-se para o múltiplo de 5 contratos mais próximo, IDIvista sendo qfut = qvid s é rie PU q fut = quantidade de contratos futuros de DI1; q fut = quantidade preliminar de contratos futuros de DI1; q VID = quantidade de contratos negociados em VID; série = coeficiente delta apurado pela BM&F em número decimal, com arredondamento na segunda casa, calculado conforme descrito no anexo deste Ofício; IDI vista = índice IDI a vista na data de cálculo, cuja data-base deve corresponder à do ativo-objeto da opção; PU = valor em pontos de PU referente à taxa de juro do futuro de DI1 com o mesmo vencimento da opção, que foi tomado como referência da operação estruturada, consoante o seguinte cálculo: PU = ( ) du r DI 1 r DI1 = taxa de juro do futuro de DI1 com o mesmo vencimento da opção, que foi tomado como referência da operação estruturada; du = número de saques-reserva até o vencimento do contrato futuro de referência da operação estruturada. c) Operação Automática a Ser Registrada no Mercado Futuro de DI1 a Partir de uma Operação Estruturada com Opção de Venda sobre IDI (Put) Vencimento: o mesmo mês da série negociada em VID. Natureza da operação (compra/venda): idêntica à da operação de VID. Preço: a cotação fixada pela BM&F com base no último preço para o vencimento respectivo. Caso não haja cotação consistente, a critério da BM&F, seja por liquidez insuficiente seja por qualquer outro motivo, a cotação será determinada pela Bolsa segundo a taxa de juro do vencimento mais líquido e a taxa de juro Taxa Referencial BM&F para o período entre esse vencimento e o vencimento para o qual o preço será arbitrado. Quantidade de contratos (q fut ): será apurada de acordo com a fórmula: q fut = q, arredondando-se para o múltiplo de 5 contratos mais próximo, fut

16 sendo q IDI = q é PU fut VID s rie d) Operação Automática a Ser Registrada no Mercado de Opções sobre IDI (Call ou Put) Série: código idêntico ao da série de VID negociada. Natureza da operação (compra/venda): idêntica à negociada em VID. Prêmio: o mesmo negociado em VID. Quantidade: a mesma negociada em VID. Todos os resultados financeiros das operações estruturadas realizadas, inclusive de day trade, serão apurados e liquidados de acordo com os procedimentos estabelecidos para os contratos futuro de DI1 e de opção de IDI. Com referência ao critério de arredondamento empregado nos cálculos acima, haverá arredondamento universal na parte inteira da quantidade, sendo adotado o seguinte procedimento para a distribuição da quantidade de contratos futuros, caso, em um negócio, seja especificado mais de um cliente: 1. Apura-se a quantidade de contratos futuros preliminar de cada cliente, com base na quantidade de contratos especificada na série de opção negociada, utilizando-se, para tanto, a fórmula de q fut ; 2. Apura-se a soma das quantidades preliminares de todos os clientes do mesmo negócio, comparandoa com o total de q fut da operação; 3. Se houver diferença entre o somatório de q fut e q fut, esta será compensada na posição do cliente que agregar o maior número de contratos, de maneira que a soma total das quantidades preliminares ( q fut ) seja idêntica à soma das quantidades arredondadas (q fut ) calculada anteriormente. Esse procedimento se faz necessário para evitar diferença entre as quantidades compradas e vendidas no contrato futuro. É importante notar que, devido ao processo de arredondamento, as operações day trade realizadas para a mesma série de VID podem resultar em resíduos de quantidades no futuro de DI1. Os custos operacionais das operações de VID serão apurados nos contratos futuro de DI1 e de opção de IDI, após o desdobramento do negócio. A margem de garantia das posições será apurada para o futuro de DI1 e para a opção de IDI, conforme já divulgado pela Bolsa. Na hipótese de haver interrupção na negociação do futuro de DI1 por qualquer motivo ou no caso de ele ser negociado no limite diário de oscilação, não haverá negociação em VID. ANEXO MODELO A SER UTILIZADO NO CÁLCULO DO COEFICIENTE DELTA O Modelo Será o de Black & Scholes, para opções européias sobre futuro. Para as opções de compra, o coeficiente delta será calculado por meio da seguinte fórmula: srie é = N( d1) Para as opções de venda, o delta será dado por: srie é = N( d1) 1 N(.) = valor da função de distribuição de probabilidade normal acumulada; vista

17 d1 2 F σ ln t X + 2 = ; σ t F = preço do índice IDI na data de vencimento da opção, correspondendo ao IDI a vista da data de cálculo, valorizado pelo contrato futuro de DI1 cujo preço foi fixado pela BM&F como sendo válido para as negociações do momento e calculado da seguinte fórmula: du 252 DI1 F = IDIvista IDI vista = índice IDI a vista na data de cálculo, cuja data-base deve corresponder à do ativo-objeto da opção; DI1 = taxa de juro do contrato futuro de DI1 com o mesmo vencimento da opção que foi tomado como referência da operação estruturada; du = número de saques-reserva até o vencimento do contrato futuro; X = preço de exercício da série negociada; σ = volatilidade do ativo-objeto da operação estruturada, apurada diariamente pela Bolsa junto ao mercado, referente ao dia anterior ao de negociação e expressa na forma anual, base 252 dias úteis; t = fração do ano a que se refere o prazo do ativo-objeto da operação, em dias úteis, para o vencimento da opção. O coeficiente delta será expresso na forma decimal e arredondado na segunda casa para o múltiplo de 0,05 mais próximo, utilizando-se o procedimento de arredondamento universal. A Volatilidade A volatilidade utilizada no cálculo do delta será obtida pela BM&F via coleta própria junto ao mercado, sendo expressa em termos anuais, relativa ao dia útil imediatamente anterior e referente ao PU de IDI a termo. A volatilidade é informada para determinados níveis de delta, que terão os preços de exercício equivalentes encontrados por inversão numérica. A volatilidade para cada um dos preços de exercícios autorizados à negociação será obtida por interpolação via spline cúbico. A Arbitragem de Preço do Contrato Futuro Se não for possível identificar um preço de referência (taxa de juro) para o vencimento do futuro de DI1 pela ausência de negócios ou de ofertas no dia, a BM&F o determinará utilizando a interpolação das taxas dos vencimentos mais próximos que apresentarem negócios ou que tiverem ofertas. OFÍCIO CIRCULAR 141/2003-DG, de 10/12/2003, com as alterações introduzidas pelos OCs 129/2004-DG, de 21/10/2004, 053/2005-DG, de 20/4/2005, e 100/2006-DG, de 31/8/2006

18 30 de setembro de /2008-DP O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Mercados Futuros de Dólar e Taxa DI1 Variações Mínimas de Apregoação. Visando atender à necessidade de simplificação e uniformização das regras de negociação, especialmente em ambiente eletrônico e sob a modalidade DMA (Direct Market Access), comunicamos que, a partir de 01/10/2008, inclusive, serão unificadas, nos mercados futuros de dólar e taxa DI1, as variações mínimas de apregoação (tick size) para ofertas de compra e venda e para negócios diretos intencionais, conforme descrito a seguir. Mercados Futuro e Futuro Míni de Dólar A variação mínima de apregoação será de R$0,500 por US$1.000,00. Fica mantida a variação mínima de apregoação para operação estruturada de rolagem de dólar, qual seja, de R$0,001 por US$1.000,00. Mercado Futuro de Taxa DI1 A variação mínima de apregoação será de 0,001 ponto de taxa para os três primeiros vencimentos, e de 0,010 ponto de taxa para os demais vencimentos. Informamos que, nas situações a seguir discriminadas, poderão ocorrer negócios e/ou ser divulgados preços, para ambos os contratos mencionados, com variação mínima de 0,001: (i) negócios oriundos de pré-abertura, (ii) leilões eletrônicos, (iii) call de fechamento eletrônico, (iv) divulgação de preços de ajuste, e (v) outros, a critério da Bolsa. Ressaltamos que os limites de oscilação diária de preço de alta e de baixa serão divulgados com os seguintes critérios de arredondamento: (i) arredondamento dos valores para cima e em múltiplos de sua variação mínima BM&F BOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Praça Antonio Prado, São Paulo, SP Telefone (11) Fax (11)

19 056/2008-DP.2. no caso do limite de baixa; e (ii) arredondamento dos valores para baixo e em múltiplos de sua variação mínima no caso do limite de alta. Esclarecimentos adicionais poderão ser obtidos por meio do Atenciosamente, Edemir Pinto Diretor Presidente Cícero Augusto Vieira Neto Diretor Executivo de Operações e TI BM&F BOVESPA S.A. - Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros Praça Antonio Prado, São Paulo, SP Telefone (11) Fax (11)

20 Especificações do Contrato de Opção de Compra sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Contrato negociado: um lote (unidade de negociação) negociado sob os termos e as regras destas especificações. Série: conjunto de características do contrato de opção, que determinam a data de vencimento e seu preço de exercício, sendo identificada por código específico estabelecido pela BM&F. Compra de um contrato: operação na qual o participante é titular, ou seja, tem o direito de comprar o objeto de negociação pelo preço de exercício. Venda de um contrato: operação na qual o participante é lançador, ou seja, se exercido pelo titular tem a obrigação de vender o objeto de negociação pelo preço de exercício. Saque-reserva: dia útil para fins de operações praticadas no mercado financeiro, conforme estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional. 2. Objeto da opção O Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI), definido conforme o Anexo I deste contrato. 3. Cotação Prêmio da opção, expresso em pontos do IDI, sendo cada ponto equivalente ao valor em reais estabelecido pela BM&F. 4. Variação mínima de apregoação 0,01 ponto de índice. 5. Oscilação máxima diária Não há limites de oscilação diária, podendo a Bolsa, excepcionalmente e a seu critério, estabelecê-los. 6. Unidade de negociação (tamanho do contrato) Cada opção refere-se ao valor do Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI), multiplicado pelo valor em reais de cada ponto. 7. Preços de exercício As séries de preços de exercício serão estabelecidas e divulgadas pela BM&F, sendo expressas em pontos do IDI, para cada mês de vencimento. 8. Meses de vencimento Todos os meses. 9. Número de vencimentos em aberto Conforme autorização da BM&F. 10. Último dia de negociação Último dia útil do mês anterior ao mês de vencimento. 11. Data de vencimento Primeiro dia útil do mês de vencimento. 12. Day trade São admitidas operações day trade (compra e venda, no mesmo dia de pregão, da mesma quantidade de contratos da mesma série), que se liquidarão automaticamente, desde que realizadas em nome do mesmo cliente, por intermédio da mesma Corretora associada sob a responsabilidade do mesmo Membro de Compensação ou realizadas pelo mesmo Operador Especial sob a responsabilidade do mesmo Membro de Compensação. A liquidação financeira dessas operações será realizada no dia útil subseqüente, sendo os valores apurados de acordo com o item Movimentação financeira do prêmio Pagamentos e recebimentos de prêmios serão efetuados no dia útil seguinte ao de realização da operação. O valor de liquidação do prêmio por contrato será calculado de acordo com a seguinte fórmula: VLP = P x M VLP = valor de liquidação do prêmio por contrato; P = prêmio da opção; M = valor em reais de cada ponto, estabelecido pela BM&F. 14. Exercício A opção é do tipo europeu e será exercida automaticamente, na data de vencimento do contrato, sempre que

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações

Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações Contrato de Opção Flexível de Compra sobre Índice de Taxa de Juro Spot Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas. Compra

Leia mais

CONTRATO FUTURO DE AÇÚCAR CRISTAL COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA. Especificações

CONTRATO FUTURO DE AÇÚCAR CRISTAL COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA. Especificações CONTRATO FUTURO DE AÇÚCAR CRISTAL COM LIQUIDAÇÃO FINANCEIRA Especificações 1. Definições Hedgers: Preço de ajuste (PA): PTAX: Taxa de câmbio referencial BM&FBOVESPA: Dia útil: comitentes que negociam o

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6. Capítulo Revisão Data DA BOLSA DE VALORES DE SÃO PAULO S.A. 1 / 6 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1 CODIFICAÇÃO DAS SÉRIES A codificação utilizada no mercado de opções é composto de 5 letras (as 4 primeiras correspondem

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos da

taxa de câmbio de reais por dólar dos Estados Unidos da Contrato Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira Especificações 1. Definições Contrato: termos e regras específicos sob os quais os negócios serão realizados e liquidados. Day trade compra e venda,

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações

TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA. Especificações TERMO DE MOEDAS¹ COM GARANTIA Especificações 1. Definições Taxa de câmbio Objeto de negociação do contrato quando a relação for estabelecida em quantidade de reais por uma unidade de moeda estrangeira

Leia mais

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho

5/3/2012. Derivativos. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho. Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Derivativos Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho 1 Prof. Dr. Bolivar Godinho de Oliveira Filho Currículo Economista com pós-graduação em Finanças pela FGV-SP, mestrado em Administração pela PUC-SP

Leia mais

Operações com derivativos (item 7 do edital BB)

Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Operações com derivativos (item 7 do edital BB) Prof.Nelson Guerra set / 2012 INTRODUÇÃO Os preços gerais das mercadorias agrícolas, das taxas de juros e do câmbio têm-se mostrado altamente instável no

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais 1. Objeto de negociação Boi gordo acabado para abate. Tipo: bovinos machos, castrados, bem acabados (carcaça convexa), em pasto ou confinamento.

Leia mais

Contrato de Opção Flexível de Venda sobre. It Now ISE Fundo de Índice. - Especificações -

Contrato de Opção Flexível de Venda sobre. It Now ISE Fundo de Índice. - Especificações - Contrato de Opção Flexível de Venda sobre It Now ISE Fundo de Índice (ISUS11) - Especificações - 1. Definições Contrato (especificações): It Now ISE Fundo de Índice (ISUS11): Contrato negociado: Compra

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco

Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco Perguntas e Respostas sobre Gerenciamento de Risco 36 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) GERENCIAMENTO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito

CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS DOS MERCADOS 239 questões com gabarito 239 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&F BOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) CARACTERÍSTICAS OPERACIONAIS : 239 questões com gabarito. São

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R

O F Í C I O C I R C U L A R 5 de outubro de 00 143/00-DG O F Í C I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Associadas e Operadores Especiais Ref.: Limites Mínimo e Máximo para Prêmios, Preços de Exercício e Preços de

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Açúcar Cristal Especial

Especificações do Contrato Futuro de Açúcar Cristal Especial Especificações do Contrato Futuro de Açúcar Cristal Especial 1. Objeto de negociação Açúcar cristal especial, com mínimo de 99,7 graus de polarização, máximo de 0,08% de umidade, máximo de 150 cor ICUMSA,

Leia mais

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial

Aplicação (1 + idi) t/n F = S(1 + idi) t=0 1 2 n-1 n. Risco cambial Comércio e Finanças Internacionais Prof. José Alfredo A. Leite 8c. MERCADO DE CUPÕES CAMBIAIS (Dólar doméstico) 1 Cupões Cambiais São aplicações financeiras em dólares teóricos, chamados de dólares domésticos.

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB)

SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) SISTEMA DE RISCO BM&F (SRB) Subsistema de Margem para Ativos Líquidos Opções com Ajuste sobre Disponível e sobre Futuro Setembro 2006 .ii. 1. Introdução Neste documento, apresenta-se a nova metodologia

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

Características e Utilização para Hedge

Características e Utilização para Hedge CAPÍTULO 3 Mercados Futuros: Características e Utilização para Hedge Os mercados futuros possibilitam a redução de risco dos agentes econômicos, de forma semelhante aos mercados a termo. Eles podem ser

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas

Derivativos Prática. Igor Forte Pedro Jonas Derivativos Prática Igor Forte Pedro Jonas Jul/2013 Mini-case 1 Hedge com DOL Dólar Usado para transferência de risco cambial em US$. Empresas importadoras exportadoras e/ou com ativos e passivos indexados

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM. Pedro de Albuquerque Seidenthal INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Pedro de Albuquerque Seidenthal TAXA DE JUROS FUTURA: SIMULAÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECULATIVAS São Paulo 2012 Pedro de Albuquerque

Leia mais

Apresentação. Edemir Pinto Diretor Geral

Apresentação. Edemir Pinto Diretor Geral FUTURO DE DI Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados ao mercado futuro de taxa de juro negociado na BM&F. O que é o contrato futuro de DI, para que

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento.

A CBLC atua como Contraparte Central garantidora das Operações perante os Agentes de Compensação, conforme disposto no Título I do Regulamento. C A P Í T U L O I I I - C O M P E N S A Ç Ã O E L I Q U I D A Ç Ã O 1. A SPECTOS G ERAIS A CBLC é responsável pela Compensação e Liquidação das Operações com Ativos realizadas nos Sistemas de Negociação

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2012

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2012 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Setembro 2012 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de setembro de 2012 para a apuração dos

Leia mais

Introdução às Opções Flexíveis... 5. Registro... 9. Operações... 69. Consultas... 89. Informações Adicionais... 98

Introdução às Opções Flexíveis... 5. Registro... 9. Operações... 69. Consultas... 89. Informações Adicionais... 98 Versão:10/12/2012 Atualizado em: 07/08/2013 i Opções Flexíveis sobre Taxa de Câmbio, Ações ou Índices Conteúdo Introdução às Opções Flexíveis... 5 Conhecendo o produto... 6 Ações dos botões das telas...

Leia mais

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados.

Derivativos FIDC - Diagnóstico e Perspectivas. Mercados IBEF PAULO LAMOSA BERGER. Instrumentos do Mercado Financeiro. Mercados. Mercados Derivativos IBEF PAULO LAMOSA BERGER 1 Instrumentos do Mercado Financeiro Emissão Os ativos de renda fixa são emitidos de forma escritural e registrados em Sistemas de Custódia. Existem no Brasil

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012

GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 AO FINAL DESTE GUIA TEREMOS VISTO: GUIA SOBRE RISCOS DE RENDA VARIÁVEL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo

Leia mais

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL

OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL OPERAÇÕES PRÁTICAS DE MERCADO DE DERIVATIVOS NO BRASIL AUTORES: Marcelo Cabus Klötzle André Cabus Klötzle Antônio Carlos Figueiredo - 1 - CAPÍTULO 1 - Introdução 1) Contextualização: Este livro, diferente

Leia mais

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.

INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178. INFORMAÇÕES REFERENTES À VENDA DOS PRODUTOS OFERECIDOS PELA ALFA CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (CNPJ/MF N 62.178.421/0001-64) O cliente, devidamente qualificado em sua ficha cadastral,

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias)

Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) PERFIL DOS CLIENTES Pessoa Física: Investidores Pessoa Jurídica: Agentes Financeiros (Fundos e Tesourarias) ATUAÇÃO Não Financeiros (Exportadores, Tradings, Indústria) Não Residentes (Agentes Financeiros,

Leia mais

Renda Fixa - Precificação

Renda Fixa - Precificação Renda Fixa - Precificação Prof. Paulo Lamosa Berger Introdução Renda Fixa - Precificação 2 O valor do dinheiro refere-se ao fato de que $1 hoje vale mais que $1 em uma data futura. O entendimento desta

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA

MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PRODUTOS E CARACTERÍSTICA AÇÕES Ações são instrumentos utilizados pelas empresas para captar recursos no mercado financeiro para os mais diversos projetos (investimentos, redução

Leia mais

AULA 16. Mercado de Capitais III

AULA 16. Mercado de Capitais III AULA 16 Mercado de Capitais III FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES Mercado de bolsa: as negociações são abertas e realizadas por sistema de leilão, ou seja, a venda acontece para quem oferece melhor lance.

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F 02 de agosto de 2010 028/2010-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da BM&FBOVESPA (BVMF) Segmentos BOVESPA e BM&F Ref.: Nova Política de Tarifação de Operações para Investidores de

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil

MERCADO DE CAPITAIS. Bolsas de Valores ou de Mercadorias. Cronologia da criação dos mercados de bolsas no mundo e no Brasil MERCADO DE CAPITAIS Prof. Msc. Adm. José Carlos de Jesus Lopes Bolsas de Valores ou de Mercadorias São centros de negociação onde reúnem-se compradores e vendedores de ativos padronizados (ações, títulos

Leia mais

Capítulo 6 Parte B Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte B Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte B Mercados Derivativos 6.B.1 Apresentação do capítulo Neste capítulo, são apresentados detalhes da forma como os diferentes mercados derivativos sobre ativos financeiros e commodities

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

MERCADO DE OURO. Como investir no mercado a vista

MERCADO DE OURO. Como investir no mercado a vista MERCADO DE OURO Como investir no mercado a vista MERCADO DE OURO Como investir no mercado a vista 3 LIQUIDEZ INTERNACIONAL, DIVERSIFICAÇÃO DE INVESTIMENTO E RETORNO Ativo internacionalmente aceito, o

Leia mais

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição

Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Mercado de Opções Opções de Compra Aquisição Ao comprar uma opção, o aplicador espera uma elevação do preço da ação, com a valorização do prêmio da opção. Veja o que você, como aplicador, pode fazer: Utilizar

Leia mais

Apresentando o Futuros de Juros

Apresentando o Futuros de Juros Apresentando o Futuros de Juros Paulo C. Coimbra y FUCAPE z 27 de Agosto de 2007 1 Renda Fixa 1.1 Valor Presente (VP) e Valor Presente Líquido (VPL) O valor presente e o valor presente líquido, são relacionados

Leia mais

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A

~ W SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A W SITA REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA SITA SOCIEDADE CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S/A Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6 da Instrução no 387/03 da CVM, define através

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96.

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM Nº 168, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1991, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 252/96. Dispõe sobre operações sujeitas a procedimentos especiais nas Bolsas de Valores.

Leia mais

Curso Introdução ao Mercado de Ações

Curso Introdução ao Mercado de Ações Curso Introdução ao Mercado de Ações Módulo 2 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Sistema de negociação da Bovespa e Home Broker Mega Bolsa Sistema implantado em 1997, é responsável por toda

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos

Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos Perguntas e Respostas sobre Liquidação Normas e Regulamentos 60 questões com gabarito FICHA CATALOGRÁFICA (Catalogado na fonte pela Biblioteca da BM&FBOVESPA Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros) LIQUIDAÇÃO

Leia mais

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento

II - os limites mínimos de exposição presentes no regulamento A construção das taxas spot é obtida mediante a acumulação das taxas a termo implícitas entre os vencimentos dos instrumentos financeiros listados, assumida a hipótese de que a taxa a termo entre os vencimentos

Leia mais

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado

Manual de. Brazil Risk Dept. Novembro /2015. Marcação a Mercado Manual de Brazil Risk Dept. Novembro /2015 Marcação a Mercado 1 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS ORGANIZACIONAIS ENVOLVIDAS... 4 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 6 3.1. COTA ABERTURA VS. COTA DE

Leia mais

O emolumento refere-se ao serviço de negociação. Essa tarifa incide nas seguintes situações:

O emolumento refere-se ao serviço de negociação. Essa tarifa incide nas seguintes situações: Emolumentos O emolumento refere-se ao serviço de negociação. Essa tarifa incide nas seguintes situações: Negociação do contrato (abertura ou encerramento de posição antes do vencimento); Exercício de opções;

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com 8141-4045 I. Mercado de Derivativos 1. Conceito de Derivativos 2. Mercado a Termo 2.1 Mercado a Termo de Derivativos Sobre Commodities 2.2

Leia mais

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO

MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO MANUAL DE MARCAÇÃO A MERCADO BNP PARIBAS ASSET MANAGEMENT ÚLTIMA VERSÃO: 24/06/2010 RESPONSÁVEL: MARIA CARLOTA SENGER MARIA.SENGER@BR.BNPPARIBAS.COM SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. PROCESSOS E ESTRUTURAS

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500) Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional

Leia mais

Contrato Futuro de Etanol Denominado em Dólares dos Estados Unidos da América Especificações

Contrato Futuro de Etanol Denominado em Dólares dos Estados Unidos da América Especificações Contrato Futuro de Etanol Denominado em Dólares dos Estados Unidos da América Especificações 1. Definições Contrato (especificações): termos e regras sob os quais as operações serão realizadas e liquidadas.

Leia mais

Contratos Derivativos Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI)

Contratos Derivativos Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI) Opções Sobre Futuro de Milho Contratos Derivativos Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI) Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um

Leia mais

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27

Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Manual de Marcação a Mercado MCI 5/12 2ª 1/27 Sumário 1. PRINCÍPIOS GERAIS... 3 1.1. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 1.2. PRINCIPIOS DA MARCAÇÃO A MERCADO... 4 1.3. CONVENÇÕES ADOTADAS...

Leia mais

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos

Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos Capítulo 6 Parte A Mercados Derivativos 6.A.1 Apresentação do capítulo Nesta unidade, é abordado o estudo dos diferentes tipos de mercados derivativos. O objetivo deste capítulo é dar ao leitor uma visão

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500) Futuro de S&P 500 Solução unificada para administração de risco ou alavancagem relativa a um portfólio diversificado de ações de primeira

Leia mais

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC

Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC Capítulo 11 Estrutura e Processo de Liquidação na CBLC 11.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar definições, características, estrutura e aspectos operacionais de liquidação

Leia mais

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

Sistema ANBIMA de Difusão de Taxas. Notas Metodológicas Versão o de 201

Sistema ANBIMA de Difusão de Taxas. Notas Metodológicas Versão o de 201 Sistema ANBIMA de Difusão de Taxas Notas Metodológicas Versão o de 201 1 - Campos Comuns a Todos os Provedores Provedor: Indica qual é a fonte primária da informação. Títulos: Correspondem ao conjunto

Leia mais

Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções

Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções Análise do Capital Mínimo necessário para Estratégias Complexas viáveis envolvendo Opções Raquel Aparecida Mendes kquelmendes@hotmail.com Fatec - Bragança Pau Resumo:Opção é um contrato que dá a seu titular,

Leia mais

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010

Roteiro Específico OC 046/2010 07/10/2010 OC 046/2010 07/10/2010 Índice 1. CAPTAR E MANTER CLIENTES... 4 2. GERENCIAR NEGÓCIO... 5 3. EECUTAR ORDENS... 6 4. COMPENSAR E LIQUIDAR... 6 5. FUNÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO... 7 GLOSSÁRIO... 8 2 Definições

Leia mais

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia

Tesouraria e Derivativos. Prof. Cleber Rentroia Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia Agosto 2014 Bibliografia 2 Funções e atividades de tesouraria A finalidade básica da Tesouraria é assegurar os recursos e instrumentos financeiros necessários

Leia mais

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA

POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA POLÍTICA DE MARCAÇÃO A MERCADO IFCONSULTANT ASSET MANAGEMENT GESTÃO DE RECURSOS LTDA VERSÃO 1.2 VIGÊNCIA A PARTIR DE 29/01/2010 1 ÍNDICE 1. PRINCÍPIOS DE MARCAÇÃO A MERCADO...4 2. ABORDAGEM METODOLÓGICA...5

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014.

CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. CARTA CIRCULAR Nº 3.687, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2014. Dispõe sobre os procedimentos para a remessa das informações relativas às exposições ao risco de mercado e à apuração das respectivas parcelas no cálculo

Leia mais

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT

COMUNICADO SNA N.º 010/00. Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT COMUNICADO SNA N.º 010/00 Aos Participantes do Sistema Nacional de Ativos - SNA Ref.: Trata das novas condições de registro, codificação e remuneração de Certificados do Tesouro Nacional - CFT A Central

Leia mais

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial

Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Tendências comerciais da pecuária de corte no cenário muncial Ivan Wedekin Diretor de Produtos do Agronegócio e Energia ENIPEC Encontro Internacional dos Negócios da Pecuária 1 Brasil o gigante da pecuária

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Boi Gordo Futuro de Boi Gordo Ferramenta que permite a gestão financeira do risco existente nas operações realizadas no mercado físico. O Contrato Futuro de Boi Gordo é

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Outubro 2011 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de outubro de 2011 para a apuração dos

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 06/09/2013 i Conteúdo Conteúdo Introdução ao Swap... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos botões das telas... 5 Lançamento... 7 Registro de Contrato - Fluxo Constante...

Leia mais

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA

O F ÍC I O C I R C U L A R. Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA 20 de agosto de 2008 033/2008-DP O F ÍC I O C I R C U L A R Membros de Compensação, Corretoras Membros e Demais Participantes dos Mercados Administrados pela BM&FBOVESPA Ref.: Início da Negociação via

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende.

INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO. EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. INTRODUÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO EQUIPE TRADER O mercado fala, a gente entende. Mercado de Renda Variável, os preços estão em constante oscilação. Pela sua liquidez não existe pechincha. A importância

Leia mais

MidLarge Cap (MLCX) e Small Cap (SMLL) ÍNDICES BM&FBOVESPA

MidLarge Cap (MLCX) e Small Cap (SMLL) ÍNDICES BM&FBOVESPA MidLarge Cap (MLCX) e Small Cap (SMLL) ÍNDICES BM&FBOVESPA Apresentação Criados pela BM&FBOVESPA, o Índice BM&FBOVESPA MidLarge Cap (MLCX) e o Índice BM&FBOVESPA Small Cap (SMLL) têm por objetivo medir

Leia mais

Telas de controle de posições e de liquidação

Telas de controle de posições e de liquidação Workshop Certificação Fase 5 Telas de controle de posições e de liquidação Agosto de 2013 A implantação da integração das clearings da BM&FBOVESPA e do novo sistema de risco CORE (Closeout Risk Evaluation)

Leia mais

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil Contratos Derivativos Futuro de Soja Brasil Futuro de Soja Brasil Proteja o seu preço e administre os riscos da produção O produto A produção de soja atende a uma cadeia de diversos produtos acabados derivados

Leia mais

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA

1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE ECONOMIA, FINANÇAS E ESTATÍSTICA CONTEÚDO CURSO PREPARATÓRIO PARA A REALIZAÇÃO DE PROVA DE CERTIFICAÇÃO PARA RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO DOS RECURSOS DOS REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS (CPA-20, CPA-10 e ANCOR) 1. PRINCÍPIOS

Leia mais

ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) BM&FBOVESPA

ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) BM&FBOVESPA ÍNDICE DIVIDENDOS (IDIV) A. Apresentação O Índice Dividendos (IDIV) tem por objetivo oferecer visão segmentada do mercado acionário, medindo o comportamento das ações das empresas que ofereceram aos investidores

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PROCEDIMENTOS PARA GRUPAMENTO DE VALORES MOBILIÁRIOS

ORIENTAÇÃO SOBRE PROCEDIMENTOS PARA GRUPAMENTO DE VALORES MOBILIÁRIOS ORIENTAÇÃO SOBRE PROCEDIMENTOS PARA GRUPAMENTO DE VALORES MOBILIÁRIOS 1. ESCOPO Este documento objetiva orientar os emissores quanto às melhores práticas a serem adotadas em processo de grupamento de valores

Leia mais

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão Custos Operacionais Os resgates solicitados são efetuados através de TED. Para tanto, cada cliente, terá direito a um por semana (gratuitamente), não cumulativo. A partir do segundo, será repassado o custo

Leia mais