Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas"

Transcrição

1 Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de para Pequenas Empresas Paulo Sérgio Brandão Lima e Lúcia Vilela Leite Filgueiras Resumo: Para muitas empresas, considerando-se o custo e o prazo de implantação, muitas vezes é melhor adquirir do que desenvolver software. Nas empresas de pequeno porte, a aquisição costuma ser a principal alternativa a ser considerada, já que raramente essas empresas possuem estrutura suficiente para o desenvolvimento de soluções próprias de software. No entanto, apesar de várias empresas já reconhecerem a importância da qualidade de software no Brasil, observa-se que poucas são as que seguem algum modelo de processo para aquisição, ou mesmo possuem critérios claramente definidos para proceder a essas aquisições, sobretudo as de pequeno porte. O presente trabalho pretende discutir a aquisição de software nas empresas de pequeno porte e propor um processo organizado de aquisição, com vistas a se obter qualidade no produto final, o software adquirido. Este processo de aquisição proposto tem como base a definição de um papel, o de agente de aquisição, uma empresa especialista que incorpora parcialmente as tarefas de aquisição. Palavras-chave: Engenharia de, Qualidade, Aquisição de. I. INTRODUÇÃO Nos últimos tempos, tanto quanto os recursos materiais, humanos e tecnológicos, a informação passou a desempenhar um papel fundamental nas organizações, independentemente do seu porte. Os sistemas de software, atualmente, são considerados como parte integrante da infra-estrutura dos processos de negócio, ou seja, são eles que garantem controle, velocidade e produtividade para as empresas. Num mundo cada vez mais competitivo, trabalhar com o software adequado pode significar um ganho de negócio, da mesma forma que trabalhar com um software inadequado pode ter reflexos desastrosos para as empresas. Dada essa relevância atribuída ao software, a escolha de um produto que auxilie na condução dos negócios traz sempre muita preocupação para as empresas. As opções do mercado vão desde o desenvolvimento próprio até a aquisição de software. Segundo Pressman [5] as opções de aquisição disponíveis são: de Prateleira (COTS - comercial-off-theshelf): pode ser comprado ou licenciado; P. S. B. Lima é mestrando do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo ( L. V. L. Filgueiras é professora titular do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo ( de Prateleira Aberto (MOTS modifiedoff-the-shelf): o software de prateleira pode ser comprado e depois modificado para satisfazer a necessidades específicas; feito sob encomenda por terceiros: software desenvolvido por terceiros para atender às especificações do adquirente. Em muitas áreas de aplicação, considerando-se o custo e o prazo de implantação, muitas vezes é melhor adquirir do que desenvolver software. Nos últimos anos, a aquisição de software passou a ser vista pelas organizações como uma opção importante na busca de melhoria da qualidade da informação, na medida em que muitas vezes oferece produtos mais adequados. Entenda-se por produtos mais adequados aqueles que satisfazem as necessidades dos usuários, com um custo e prazo de implantação menor se comparado a um software desenvolvido internamente. Nas empresas de pequeno porte, a aquisição costuma ser a principal alternativa a ser considerada, já que a existência de pessoas com formação tecnológica suficiente para o desenvolvimento de soluções de software é algo raro, devido principalmente, ao custo de manutenção de pessoal técnico especializado no seu corpo de colaboradores. No entanto, apesar da importância cada vez maior atribuída à qualidade nas empresas, nota-se que poucas são as que seguem algum modelo de processo para avaliação de um produto (software), para seleção de um fornecedor, ou mesmo que possuam critérios claramente definidos para proceder a essas aquisições. Existem atualmente várias normas e modelos de qualidade em processos de software, como a norma ISO [6] e os modelos CMM [8] e ISO/IEC [11], porém a ênfase dada é na qualidade para o fornecedor e não para o adquirente. Embora haja normas e modelos voltados para aquisição, como o SA-CMM [10] entre outros, as empresas adquirentes, sobretudo as de pequeno porte, os desconhecem, fazendo com que adquirir software com qualidade seja ainda um objetivo distante de ser alcançado para a maioria delas. Além disso, pode-se observar que as normas e modelos de qualidade existentes para aquisição foram concebidas para grandes organizações compradoras de software, como por exemplo, órgãos governamentais, o que torna difícil a sua interpretação no ambiente de pequenas empresas, nas quais o processo de aquisição é executado apenas esporadicamente. Considerando-se que, segundo dados do SEBRAE-SP [7], em dezembro de 1999, o número de micros e pequenas empresas atuando no Estado de São Paulo, nos ramos da indústria, comércio e serviço, era de mais de , um

2 modelo de aquisição de software voltado para esse segmento terá um grande potencial de aplicação. Este trabalho estuda o processo de aquisição de software utilizado pelas empresas de pequeno porte e propõe um processo organizado de aquisição, com vistas a se obter um produto final (software adquirido) de qualidade. O processo de aquisição proposto tem como base a definição de um papel, o de agente de aquisição, uma empresa especialista que incorpora parcialmente as tarefas de aquisição II. METODOLOGIA Para alcançar o objetivo proposto iniciou-se pelo estudo das principais normas e modelos de qualidade, não só os voltados especificamente para aquisição de software, como outras que embora não tão específicas, tratam a aquisição de uma forma relevante. A seguir, diversos problemas no processo de aquisição de software utilizado pelas MPEs 1 foram levantados em pesquisa de campo efetuada em um grupo de 25 empresas. Foi então proposto um processo simplificado de aquisição de software para MPEs. Este processo cujo objetivo é resolver os problemas levantados foi derivado das principais normas e modelos de qualidade existentes, buscando-se atingir um nível de simplicidade que atendesse às características das MPEs, sem com isso comprometer o resultado da aquisição. A base desse processo simplificado é o agente de aquisição. Finalmente buscou-se a validação deste processo de aquisição através de um estudo de caso em uma empresa de pequeno porte. III. MODELOS DE QUALIDADE Dentre os modelos e normas estudados, foram escolhidos para dar base a este trabalho, o SA-CMM, a IEEE std 1062 [2], a ISO/IEC [3], a ISO/IEC [11] e o PMBOK [4]. Os dois primeiros foram selecionados por serem voltados especificamente para organizações adquirentes de software. As normas ISO/IEC e ISO/IEC 15504, por sua vez, foram escolhidas por tratarem o processo de aquisição de uma forma completa e abrangente. Já o PMBOK, apesar de não ser específico para a área de software, foi selecionado por conter os aspectos gerenciais do processo de aquisição e por sua importância como guia na área de gerência de projetos. A tabela 1 mostra um quadro resumo com os modelos de qualidade estudados neste trabalho e seu relacionamento com as atividades do processo de aquisição. O quadro foi construído com base no conjunto união das atividades relatadas nos modelos de aquisição citados, com o objetivo de se obter uma visão completa do processo de aquisição, a partir da qual se pode derivar um processo específico para as MPEs. Conforme se pode observar na tabela 1, todos os modelos estudados contemplam as atividades de planejamento da aquisição, preparação da solicitação, solicitação, seleção do fornecedor, administração do contrato e aceitação, embora, muitas vezes, os seus nomes possam variar de modelo para modelo. 2 As normas ISO/IEC 12207, ISO/IEC e o PMBOK referem-se à aquisição como parte de um projeto maior, mas contribuem para esta pesquisa ao identificarem os processos centrais da aquisição. Já a IEEE Std e o SA-CMM tratam a aquisição como um processo em si e não apenas como parte do desenvolvimento de um produto, o que é mais aderente à abordagem pretendida neste trabalho. Essas normas, por serem mais específicas, tratam a aquisição de forma mais abrangente. IV. A PESQUISA DE CAMPO E SEUS RESULTADOS O objetivo desta pesquisa de campo foi o de identificar como é feita a aquisição de software nas empresas de pequeno porte e quais são os principais problemas encontrados nestas aquisições. Para isto foram escolhidas 25 micros e pequenas empresas, onde foi aplicado um questionário em forma de entrevista com os adquirentes. A pesquisa efetuada com esse grupo de empresas veio confirmar os indícios de que não há um processo de aquisição de software estruturado nas MPEs. A condução desse processo é dependente das pessoas que o executam, que na maioria das vezes, não estão preparadas para essa atividade. As atividades mínimas requeridas num processo de aquisição, quando executadas, são realizadas de maneira informal. Raras são as empresas que não relatam uma ou mais experiências frustradas de aquisição de software, o que demonstra que na maioria delas esse ainda é um processo que ocorre na base da tentativa e erro, onerando o custo do produto final. Com isso a possibilidade de poder contar com um especialista para dar suporte a esse processo, o agente de aquisição, foi muito bem aceita pela maioria das empresas pesquisadas. Aspectos como confiabilidade da empresa ou pessoa que vai exercer esse papel e o custo do serviço prestado, foram considerados importantes para a viabilidade e o sucesso dessa figura. O aspecto mais crítico do processo de aquisição de software nas MPEs, observado por esta pesquisa, é a informalidade com que são tratadas atividades importantes, como a definição dos requisitos, a seleção do fornecedor/produto e até mesmo a elaboração do contrato. Outro aspecto igualmente crítico é a falta de preparo dos responsáveis para executar a aquisição. PROCESSO SIMPLIFICADO DE AQUISIÇÃO DE SOFTWARE O processo simplificado de aquisição de software, aqui apresentado, visa organizar a aquisição de software nas MPEs, de maneira a resolver os principais problemas levantados na pesquisa de campo. Ele foi derivado das normas e modelos de qualidade estudados, porém apresenta com base a figura do agente de aquisição, uma empresa especialista que incorpora parte das atividades desse processo. 1 MPEs = Micros e Pequenas Empresas.

3 3 Atividades do Processo de aquisição ISO/IEC ISO/IEC IEEE Std. SA-CMM PMBOK (Nível 2) Planejamento da aquisição Preparação da solicitação Solicitação Seleção do fornecedor Gerenciamento de requisitos Gerenciamento de projeto Administração do contrato Aceitação Transição para o suporte Acompanhamento Tabela 1 Quadro resumo das atividades de aquisição por Modelo A. O Agente de Aquisição Conforme a pesquisa de campo identificou, além dos problemas relativos ao processo de aquisição de software, um outro aspecto crítico observado nas MPEs é a falta de pessoal tecnicamente qualificado para proceder a aquisição. A grande maioria dessas empresas não conta um especialista em informática e mesmo quando o tem, este nem sempre está preparado para adquirir com qualidade, visto que isto envolve um perfil de conhecimentos profissionais nem sempre acessíveis à MPE. Seria desejável que o profissional encarregado de conduzir as aquisições tivesse conhecimento dos processos organizacionais da empresa que se deseja informatizar, ou de empresas similares; tivesse conhecimento do que a tecnologia da informação e o mercado de softwares oferecem para informatização dos processos estudados e experiência na condução de processos estruturados de aquisição. É muito importante também que esse profissional não tenha vínculo com nenhum tipo de produto ou solução específica, já que isso pode induzir a soluções inadequadas, ou no mínimo viciadas, devido aos interesses envolvidos. Por outro lado, a preparação de uma pessoa ou equipe interna, de maneira a se obter a formação desejável para garantir uma aquisição de software com qualidade, não se justifica. Isto devido à estrutura enxuta e multifuncional que caracteriza as MPEs e principalmente pela baixa frequência com que essas aquisições ocorrem nessas empresas. Portanto, para resolver o problema da aquisição de software nas MPEs há que se definir não só a sistematização do processo de aquisição, como resolver a questão sobre quem exerceria o papel de adquirente. A proposta desse trabalho resgata a figura do agente de aquisição, figura essa citada na ISO/IEC [3], como solução para a questão acima. O agente seria um profissional ou empresa contratada para intermediar a aquisição para as MPEs. Um escritório de projetos, como citado no SA-CMM [10] e em [1], simplificado, isto é, com o escopo reduzido e terceirizado, o agente teria o papel de conduzir e orientar todo o processo de aquisição, administrando cada tarefa a ser executada de maneira que esta ocorra dentro do prazo previsto, com a qualidade esperada e com a participação necessária. Este profissional da aquisição tem como perfil desejado, o conjunto de conhecimentos necessários anteriormente citados, para desempenho da função. Isto permite ao agente agregar aos projetos de aquisição conhecimentos de situações práticas já vividas, bem como atuar, quando necessário, na melhoria dos processos da MPE, de maneira que a aquisição de software traga à empresa os benefícios esperados. O papel de agente de aquisição de software para as MPEs pode ser exercido por outras empresas de pequeno porte ligadas à informática, por exemplo, por lojas que comercializam software. Essas lojas já exercem, mesmo que informalmente, um papel de aconselhamento ao cliente que poderia ser ampliado e estruturado para atender aos requisitos da função de agente. B. O Processo de Aquisição O processo de aquisição proposto considera como alternativas de aquisição COTS, MOTS e desenvolvimento contratado. Suas atividades são relacionadas na tabela 2. Há atividades que são executadas especificamente para COTS, outras que são executadas especificamente para MOTS e desenvolvimento contratado e outras que atendem aos três tipos de produtos (figura 1). ATIVIDADES SUB-ATIVIDADES 0. Preparar o agente 1. Preparar a aquisição 2. Adquirir software 2.1 Pesquisar alternativas; 2.2 Levantar informações sobre COTS; 2.3 Solicitar propostas; 2.4 Selecionar proposta / software; 2.5 Administrar contrato; 2.6 Aceitar software 3. Implantar software 4. Avaliar processo Tabela 2 Atividades do Processo Simplificado de Aquisição de para MPEs 1) Preparar o Agente Esta atividade é inerente ao agente de aquisição e precede à aquisição propriamente dita. Ela envolve a capacitação e a atualização do agente para prestação do serviço de intermediação da aquisição, de maneira a adquirir a competência necessária à execução eficiente do seu trabalho. 2) Preparar a Aquisição A preparação da aquisição envolve levantar os requisitos do software, assim como as restrições de orçamento, de prazo de implantação e de ambiente tecnológico (plataforma). Essas

4 informações deverão gerar o plano de aquisição e o critério de avaliação que darão subsídio às demais etapas do processo de aquisição. Esta atividade é conduzida pelo agente e tem a participação do usuário no fornecimento das suas informações de entrada (requisitos e restrições) e na validação do plano de aquisição e do critério de avaliação. 0 Preparar Agente Necessidade de Capacitação 2.2 Levantar informações s/ Cots Sim Sim 1 Preparar Aquisição 2.1 Pesquisar Alternativas COTS 2.4 Selecionar Proposta/ COTS 3 Implantar 4 Avaliar Processo Necessidade de Aquisição Não 2.3 Solicitar Propostas Não 2 Adquirir 2.5 Administrar Contrato 2.6 Aceitar Figura 1 Processo Simplificado de Aquisição de para MPEs 3) Adquirir A atividade Adquirir envolve a seleção e a aquisição da alternativa selecionada. Ela é subdividida em outras atividades que serão descritas a seguir. a) Pesquisar alternativas Essa atividade prevê a pesquisa das opções de aquisição disponíveis no mercado de software. É levantado o que existe de software para a aplicação desejada em termos de produtos prontos (COTS) e semi-prontos (MOTS), além dos fornecedores capacitados a desenvolver um produto específico, caso seja necessário. Cabe ao agente, com o seu conhecimento do mercado, direcionar o levantamento às opções mais indicadas para cada caso. Essas opções são então examinadas em conjunto com o usuário e é feita uma pré-seleção dos candidatos à aquisição. b) Levantar informações sobre COTS Essa atividade é executada pelo agente, exclusivamente quando a alternativa de aquisição considerada é um produto do tipo COTS. Ela envolve levantar as condições comerciais dos softwares de prateleira (COTS) candidatos à aquisição, ou seja, preço, forma de pagamento e custo do suporte pós compra. c) Solicitar propostas Essa atividade também é executada pelo agente e prevê a elaboração da solicitação de uma proposta de fornecimento, a partir dos requisitos do software. Isso se aplica no caso da opção de aquisição ser um software do tipo MOTS ou um software desenvolvido especificamente para a aplicação do adquirente. d) Selecionar proposta / software Esta atividade envolve a avaliação das alternativas de aquisição prospectadas, considerando-se custo, prazo e recursos de funcionalidade de cada um dos produtos candidatos. Para identificar o grau de atendimento aos requisitos estabelecidos, aplica-se o critério de avaliação definido na atividade de preparação da aquisição. Isto é feito pelo agente em conjunto com o usuário. e) Administrar contrato Essa atividade prevê a elaboração e o acompanhamento do contrato de fornecimento, no caso da opção de aquisição ser um software do tipo MOTS ou um software desenvolvido especificamente para a aplicação do adquirente. Os envolvidos nesta atividade são o agente, o usuário e, se necessário, o assessor jurídico do usuário f) Aceitar software Essa atividade também é executada no caso da opção de aquisição ser um software do tipo MOTS ou um software 4

5 desenvolvido especificamente para a aplicação do adquirente. Envolve avaliar se o software foi concluído corretamente, dentro das condições estabelecidas. Compete ao usuário, com o apoio do agente, fazer esta avaliação. O agente pode contribuir com a sua experiência na preparação dos testes. 4) Implantar A atividade implantar software contempla o planejamento e a execução da implantação do software. Isto envolve a instalação do software, o treinamento dos usuários e a carga inicial dos dados. A carga inicial dos dados deve ser feita pelo usuário com o apoio do agente. Já a responsabilidade pela instalação e o treinamento vai depender do tipo de software a ser implantado. Se o software for um COTS essas tarefas devem ser executadas pelo agente, caso contrário, pelo próprio fornecedor. 5) Avaliar Processo Esta atividade tem como objetivo aprimorar continuamente o processo de aquisição, de maneira que as experiências de aquisições anteriores venham a contribuir com as novas aquisições. É uma atividade executada pelo agente e envolve avaliar o grau de satisfação do usuário com o software, o desempenho do fornecedor e até mesmo as práticas adotadas no processo de aquisição como um todo, armazenando estas informações para utilização em futuras aquisições. V. ESTUDO DE CASO Finalmente buscou-se a validação deste processo de aquisição através de um estudo de caso de aquisição, em uma empresa de pequeno porte. O caso relatado refere-se à aquisição de um software financeiro para um colégio de médio porte, onde foram seguidas as atividades do processo simplificado de aquisição de software descritas anteriormente. Este colégio classifica-se, segundo o critério do Sebrae-SP [SEBRAE, 2000], que considera número de funcionários e faixa de faturamento da empresa, como Empresa de Pequeno Porte. Portanto, mostra-se adequado a um estudo de caso do processo simplificado de aquisição. A empresa em questão não utilizava nenhum sistema informatizado para a área financeira, sendo todos os seus controles efetuados de forma manual. Esse controle manual das atividades da tesouraria acarretava, entre outros problemas, sobrecarga de trabalho para alguns funcionários, acúmulo de papeis, dificuldade para controlar os gastos e receitas por setor da escola, dificuldade no tratamento de informações gerenciais e uma perda de qualidade no atendimento aos alunos e seus pais, devido à morosidade das informações. Para resolver os problemas acima relatados, a mantenedora resolveu informatizar o setor financeiro do colégio, implantando um software de controle para esse setor. Como o colégio não possui uma área própria para desenvolvimento de software, optou-se pela aquisição. 5 Uma vez decidida a adquirir o software, a questão passou a ser como fazer essa aquisição e quem deveria conduzi-la. Como o colégio não possui uma área específica de informática e também já havia tido uma experiência frustrada em aquisição de software conduzida internamente, a mantenedora optou por pedir o auxílio de um especialista para apoiá-la durante o processo de aquisição. Este especialista, pelo seu conhecimento e experiência, atende ao perfil do agente proposto neste trabalho. Possui experiência profissional em tecnologia da informação e desenvolvimento de software, e também em aquisição de software. Possui ainda conhecimento do mercado de software e não tem vínculo com nenhuma solução específica, o que o qualifica para função. O seu papel seria o de conduzir todo o processo de aquisição, de maneira a obter um software que permitisse ao colégio atingir os objetivos estipulados. Procedeu-se a aquisição do software utilizando-se como roteiro as atividades do processo simplificado de aquisição de software para MPEs. Esta experiência propiciou algumas observações em relação ao processo: O trabalho do agente de aquisição mostrou-se muito importante. Foi ele que, com sua experiência, coordenou os trabalhos da aquisição dando ritmo a eles. Sua atuação também aliviou a carga de trabalho dos usuários, uma vez que ele assumiu parte de suas atividades. O trabalho do fornecedor também foi facilitado, já que algumas atividades técnicas foram absorvidas pelo agente, como a especificação de requisitos. A comunicação com o fornecedor também foi facilitada, uma vez que era feita de técnico para técnico. A capacitação do agente para a execução da aquisição é um fator importante de redução de tempo e custo. Caso, ao iniciar o trabalho seja identificada uma carência do agente em relação ao tipo de aplicação a que o software se destina, o processo de aquisição deve contemplar a preparação do agente sem custo para o projeto, de maneira a não onerá-lo. Deve-se sempre elaborar um contrato entre o agente e o cliente, onde fiquem estipuladas claramente as atribuições do agente e a sua forma de remuneração. Isto é importante para que o agente não venha a ser cobrado por atividades de responsabilidade do usuário ou do fornecedor. É preciso que o agente e os usuários façam uma boa preparação da aquisição, discutindo exaustivamente as restrições do projeto e o detalhamento dos requisitos, pois isto vem a facilitar as fases seguintes do processo. Deve-se procurar chegar à fase de seleção da proposta / software com no mínimo duas e no máximo três alternativas pré-selecionadas. Muitas alternativas implicam numa perda de eficiência do processo, enquanto que uma única alternativa não permite comparação. Em se tratando de desenvolvimento contratado ou MOTS, um maior detalhamento dos produtos oriundos de cada etapa do projeto permitirá um melhor acompanhamento do contrato com o fornecedor. Os testes e a aceitação do produto podem ser feitos parcialmente, na medida em que partes deste forem

6 ficando prontas. Isto facilita a aceitação final, onde uma avaliação global do produto deve ser feita. A participação dos usuários nos testes de aceitação do produto é um fator de aceleração do seu treinamento, refletindo positivamente na atividade de implantação. O planejamento da implantação com a distribuição das responsabilidades de cada tarefa entre fornecedor, agente e usuários é fundamental para o sucesso da implantação. VI. CONCLUSÃO [11] SPICE. ISO/IEC Process Assesment Part 1: Concepts and Introductory Guide, Version Disponível na Internet: <http:\\www.sqi.cit.gu.edu.au/spice/suite> acesso em 18/08/ As observações feitas no estudo de caso, bem como as opiniões colhidas com usuários e fornecedor, permitem concluir que a utilização do processo simplificado de aquisição de software para MPEs é viável e pode ser aprimorado com o seu próprio uso, já que uma de suas atividades Avaliar Processo propicia um feedback que alimentará ajustes e melhorias ao processo. Portanto, este trabalho pode contribuir como roteiro para aquisição de software nas empresas de pequeno porte, orientado-as nas boas práticas de aquisição, de maneira a se obter um produto adquirido de qualidade. Com isto, um grande número de empresas que dependem dos seus softwares para a eficiência dos seus negócios, poderá melhorar a sua competitividade num mercado tão concorrido como o das MPEs. O trabalho serve também como roteiro de orientação a empresas de pequeno porte que assumam o papel de agentes de aquisição, criando-se assim um novo potencial de negócios. VII. REFERÊNCIAS [1] Filgueiras, L.V.L.; Melnikoff, S.S.S.; Souza, R.C.G. Sistema de gerência de projetos de desenvolvimento e aquisição de software da justiça federal da 3ª região. In: X CITS Conferencia Internacional de Tecnologia de, Curitiba, Anais. p [2] SOFTWARE ENGINEERING STANDARDS COMMITTEE OF THE IEEE COMPUTER SOCIETY. IEEE Std 1062 IEEE Recommended Practice for Acquisition. New York: IEEE, [3] ISO/IEC Information technology life cicle process [4] PMI. A Guide to The Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide 2000 edition) Disponível na Internet: <http://www.pmi.org> acesso em 14/02/2003. [5] Pressman, R. Engineering: A Practioner s Approach. 5 th. Ed. New York: McGraw-Hill, [6] Schmauch, C. H. ISO 9000 for Developers. 2 nd ed. ASQC, 1995, [7] SEBRAE-SP. Onde estão as MPEs paulistas. São Paulo, [8] SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE (SEI). Capability Maturity Model for - Version 1.1. Carnegie Mellon University, Disponível na Internet: <http://www.sei.cmu.edu/publications/documents/93.reports/93.tr.02 4.html> acesso em 14/02/2002. [9] SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE (SEI). Acquisition Capability Maturity Model (SA-CMM) Frequently Asked Questions. Spring, Disponível na Internet: <http://www.sei.cmu.edu/arm/as.cmm.faq.html> acesso em 09/2001. [10] SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE (SEI). Acquisition Capability Maturity Model (SA-CMM) Version 1.03.CMU/SEI-2002-TR-010. Carnegie Mellon University, Disponível na Internet: <http://www.sei.cmu.edu/arm/sa-cmm.html> acesso em 21/05/2003.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Fatores Críticos de Sucesso em GP

Fatores Críticos de Sucesso em GP Fatores Críticos de Sucesso em GP Paulo Ferrucio, PMP pferrucio@hotmail.com A necessidade das organizações de maior eficiência e velocidade para atender as necessidades do mercado faz com que os projetos

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Danilo Scalet dscalet@yahoo.com.br Editor do Guia de Aquisição 1 2 1 MPS.BR: Desenvolvimento e Aprimoramento do Modelo Realidade

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte

Cláudia Araújo Coordenadora Diego Macêdo Programador Marcelo Rodrigues Suporte BCON Sistema de Controle de Vendas e Estoque Declaração de escopo Versão 1.0 Histórico de Revisão Elaborado por: Filipe de Almeida do Amaral Versão 1.0 Aprovado por: Marcelo Persegona 22/03/2011 Time da

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 153 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 4 de outubro de 2013 Tema 5.2 da Agenda Provisória CE153/5 (Port.) 30 de setembro

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software: Trata de práticas para entregar um software que respeite os custos, padrões e o tempo. Padrões Custos Engenheiro de Software Projeto de Software

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios

Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios Gerência de Projeto de Testes Segundo o Modelo do PMI por Emerson Rios Nos últimos anos, as empresas mais preocupadas com a qualidade dos sistemas de aplicação passaram a introduzir, no seu ambiente, um

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas.

Declaração de trabalho do projeto. Caso de negócio. Fatores ambientais da empresa. Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. 30 Estratégia de gerenciamento das partes interessadas. Eles serão descritos nas subseções a seguir. Declaração de trabalho do projeto A declaração de trabalho do projeto descreve o produto, serviço ou

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro

Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN. O que é o GVN Parceiro: O perfil do GVN Parceiro Parceiros O PROGRAMA DE PARCERIAS GVN O que é o GVN Parceiro: O GVN Parceiro é uma modalidade de parceria de negócios criada pelo Grupo Vila Nova para ampliar sua capilaridade de oferta e garantir que

Leia mais

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO

152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 152 a SESSÃO DO COMITÊ EXECUTIVO Washington, D.C., EUA, 17 a 21 de junho de 2013 Tema 7.3 da Agenda Provisória CE152/INF/3 (Port.) 26 de

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino

Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Castanhal Faculdade de Sistemas de Informação Uma proposta de Processo de Aquisição de Software para uma Instituição Federal de Ensino Elisiane M. Soares,

Leia mais

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade I FINANÇAS EM PROJETOS DE TI Prof. Fernando Rodrigues Nas empresas atuais, a Tecnologia de Informação (TI) existe como uma ferramenta utilizada pelas organizações para atingirem seus objetivos.

Leia mais

MANUTENÇÃO DE SOFTWARE

MANUTENÇÃO DE SOFTWARE MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Francisco Luiz Sobrinho, Samily Rocha Gois Faculdade de Tecnologia SENAC Goiânia/GO (SENAC/GO) Av. Independência número 1002 - CEP 74645-010 Setor Leste Vila Nova - Goiânia GO Brasil

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1

A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DAS EMPRESAS SOBRE OS SERVIÇOS PRESTADOS PELOS PROFISSIONAIS DA AREA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO 1 Tatiana Pereira da Silveira 1 RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar os resultados da

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são palestras

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria

Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Modelo de Contrato de Prestação de Serviços de Consultoria Contrato de locação de serviços que entre si fazem (nome e qualificação de quem está contratando: natureza ou profissão, endereço e dados como

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE

A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE A COMUNICAÇÃO PARA A GESTÃO DA QUALIDADE Narjara Bárbara Xavier Silva 1 Patrícia Morais da Silva 2 RESUMO Este artigo é resultado parcial do Projeto de Extensão da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Ambientação nos conceitos

Ambientação nos conceitos Ambientação em Gestão de Projetos Maria Lúcia Almeida Ambientação nos conceitos Gestão de áreas funcionais e gestão de projetos Qualquer um pode ser gerente de projetos? Qual a contribuição da gestão de

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

METODOLOGIA HSM Centrada nos participantes com professores com experiência executiva, materiais especialmente desenvolvidos e infraestrutura tecnológica privilegiada. O conteúdo exclusivo dos especialistas

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Custos Metodologia Aula Teórica Exemplos e Exercícios práticos Questões de concursos anteriores Metodologia e Bibliografia Bibliografia PMBOK, 2004. Project Management

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP

SISTEMAS DE GESTÃO - ERP A IMPORTÂNCIA DA CONSULTORIA NA SELEÇÃO / IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO - ERP Para as corporações, as mudanças são absorvidas pelas equipes internas, envolvendo tecnologia, contabilidade, logística

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Recursos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Planejar as Aquisições Desenvolver o Plano de Recursos Humanos Planejar as Aquisições É o

Leia mais

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart

Organização e a Terceirização da área de TI. Profa. Reane Franco Goulart Organização e a Terceirização da área de TI Profa. Reane Franco Goulart Como surgiu? A terceirização é uma ideia consolidada logo após a Segunda Guerra Mundial, com as indústrias bélicas americanas, as

Leia mais

Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk

Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Grupo Seres Adota CA Cloud Service Management para Automatizar e Gerenciar Chamados de Service Desk PERFIL DO CLIENTE Indústria: Consultoria Empresa: Grupo Seres Colaboradores:

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O mercado de fornecedores ERP é bastante amplo e dinâmico, tanto no Brasil quanto em outros países, e passa por um momento intenso de aquisições e fusões. A busca por uma fatia

Leia mais