Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de Software para Pequenas Empresas"

Transcrição

1 Proposta de um Modelo Simplificado de Aquisição de para Pequenas Empresas Paulo Sérgio Brandão Lima e Lúcia Vilela Leite Filgueiras Resumo: Para muitas empresas, considerando-se o custo e o prazo de implantação, muitas vezes é melhor adquirir do que desenvolver software. Nas empresas de pequeno porte, a aquisição costuma ser a principal alternativa a ser considerada, já que raramente essas empresas possuem estrutura suficiente para o desenvolvimento de soluções próprias de software. No entanto, apesar de várias empresas já reconhecerem a importância da qualidade de software no Brasil, observa-se que poucas são as que seguem algum modelo de processo para aquisição, ou mesmo possuem critérios claramente definidos para proceder a essas aquisições, sobretudo as de pequeno porte. O presente trabalho pretende discutir a aquisição de software nas empresas de pequeno porte e propor um processo organizado de aquisição, com vistas a se obter qualidade no produto final, o software adquirido. Este processo de aquisição proposto tem como base a definição de um papel, o de agente de aquisição, uma empresa especialista que incorpora parcialmente as tarefas de aquisição. Palavras-chave: Engenharia de, Qualidade, Aquisição de. I. INTRODUÇÃO Nos últimos tempos, tanto quanto os recursos materiais, humanos e tecnológicos, a informação passou a desempenhar um papel fundamental nas organizações, independentemente do seu porte. Os sistemas de software, atualmente, são considerados como parte integrante da infra-estrutura dos processos de negócio, ou seja, são eles que garantem controle, velocidade e produtividade para as empresas. Num mundo cada vez mais competitivo, trabalhar com o software adequado pode significar um ganho de negócio, da mesma forma que trabalhar com um software inadequado pode ter reflexos desastrosos para as empresas. Dada essa relevância atribuída ao software, a escolha de um produto que auxilie na condução dos negócios traz sempre muita preocupação para as empresas. As opções do mercado vão desde o desenvolvimento próprio até a aquisição de software. Segundo Pressman [5] as opções de aquisição disponíveis são: de Prateleira (COTS - comercial-off-theshelf): pode ser comprado ou licenciado; P. S. B. Lima é mestrando do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo ( L. V. L. Filgueiras é professora titular do Departamento de Engenharia de Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo ( de Prateleira Aberto (MOTS modifiedoff-the-shelf): o software de prateleira pode ser comprado e depois modificado para satisfazer a necessidades específicas; feito sob encomenda por terceiros: software desenvolvido por terceiros para atender às especificações do adquirente. Em muitas áreas de aplicação, considerando-se o custo e o prazo de implantação, muitas vezes é melhor adquirir do que desenvolver software. Nos últimos anos, a aquisição de software passou a ser vista pelas organizações como uma opção importante na busca de melhoria da qualidade da informação, na medida em que muitas vezes oferece produtos mais adequados. Entenda-se por produtos mais adequados aqueles que satisfazem as necessidades dos usuários, com um custo e prazo de implantação menor se comparado a um software desenvolvido internamente. Nas empresas de pequeno porte, a aquisição costuma ser a principal alternativa a ser considerada, já que a existência de pessoas com formação tecnológica suficiente para o desenvolvimento de soluções de software é algo raro, devido principalmente, ao custo de manutenção de pessoal técnico especializado no seu corpo de colaboradores. No entanto, apesar da importância cada vez maior atribuída à qualidade nas empresas, nota-se que poucas são as que seguem algum modelo de processo para avaliação de um produto (software), para seleção de um fornecedor, ou mesmo que possuam critérios claramente definidos para proceder a essas aquisições. Existem atualmente várias normas e modelos de qualidade em processos de software, como a norma ISO [6] e os modelos CMM [8] e ISO/IEC [11], porém a ênfase dada é na qualidade para o fornecedor e não para o adquirente. Embora haja normas e modelos voltados para aquisição, como o SA-CMM [10] entre outros, as empresas adquirentes, sobretudo as de pequeno porte, os desconhecem, fazendo com que adquirir software com qualidade seja ainda um objetivo distante de ser alcançado para a maioria delas. Além disso, pode-se observar que as normas e modelos de qualidade existentes para aquisição foram concebidas para grandes organizações compradoras de software, como por exemplo, órgãos governamentais, o que torna difícil a sua interpretação no ambiente de pequenas empresas, nas quais o processo de aquisição é executado apenas esporadicamente. Considerando-se que, segundo dados do SEBRAE-SP [7], em dezembro de 1999, o número de micros e pequenas empresas atuando no Estado de São Paulo, nos ramos da indústria, comércio e serviço, era de mais de , um

2 modelo de aquisição de software voltado para esse segmento terá um grande potencial de aplicação. Este trabalho estuda o processo de aquisição de software utilizado pelas empresas de pequeno porte e propõe um processo organizado de aquisição, com vistas a se obter um produto final (software adquirido) de qualidade. O processo de aquisição proposto tem como base a definição de um papel, o de agente de aquisição, uma empresa especialista que incorpora parcialmente as tarefas de aquisição II. METODOLOGIA Para alcançar o objetivo proposto iniciou-se pelo estudo das principais normas e modelos de qualidade, não só os voltados especificamente para aquisição de software, como outras que embora não tão específicas, tratam a aquisição de uma forma relevante. A seguir, diversos problemas no processo de aquisição de software utilizado pelas MPEs 1 foram levantados em pesquisa de campo efetuada em um grupo de 25 empresas. Foi então proposto um processo simplificado de aquisição de software para MPEs. Este processo cujo objetivo é resolver os problemas levantados foi derivado das principais normas e modelos de qualidade existentes, buscando-se atingir um nível de simplicidade que atendesse às características das MPEs, sem com isso comprometer o resultado da aquisição. A base desse processo simplificado é o agente de aquisição. Finalmente buscou-se a validação deste processo de aquisição através de um estudo de caso em uma empresa de pequeno porte. III. MODELOS DE QUALIDADE Dentre os modelos e normas estudados, foram escolhidos para dar base a este trabalho, o SA-CMM, a IEEE std 1062 [2], a ISO/IEC [3], a ISO/IEC [11] e o PMBOK [4]. Os dois primeiros foram selecionados por serem voltados especificamente para organizações adquirentes de software. As normas ISO/IEC e ISO/IEC 15504, por sua vez, foram escolhidas por tratarem o processo de aquisição de uma forma completa e abrangente. Já o PMBOK, apesar de não ser específico para a área de software, foi selecionado por conter os aspectos gerenciais do processo de aquisição e por sua importância como guia na área de gerência de projetos. A tabela 1 mostra um quadro resumo com os modelos de qualidade estudados neste trabalho e seu relacionamento com as atividades do processo de aquisição. O quadro foi construído com base no conjunto união das atividades relatadas nos modelos de aquisição citados, com o objetivo de se obter uma visão completa do processo de aquisição, a partir da qual se pode derivar um processo específico para as MPEs. Conforme se pode observar na tabela 1, todos os modelos estudados contemplam as atividades de planejamento da aquisição, preparação da solicitação, solicitação, seleção do fornecedor, administração do contrato e aceitação, embora, muitas vezes, os seus nomes possam variar de modelo para modelo. 2 As normas ISO/IEC 12207, ISO/IEC e o PMBOK referem-se à aquisição como parte de um projeto maior, mas contribuem para esta pesquisa ao identificarem os processos centrais da aquisição. Já a IEEE Std e o SA-CMM tratam a aquisição como um processo em si e não apenas como parte do desenvolvimento de um produto, o que é mais aderente à abordagem pretendida neste trabalho. Essas normas, por serem mais específicas, tratam a aquisição de forma mais abrangente. IV. A PESQUISA DE CAMPO E SEUS RESULTADOS O objetivo desta pesquisa de campo foi o de identificar como é feita a aquisição de software nas empresas de pequeno porte e quais são os principais problemas encontrados nestas aquisições. Para isto foram escolhidas 25 micros e pequenas empresas, onde foi aplicado um questionário em forma de entrevista com os adquirentes. A pesquisa efetuada com esse grupo de empresas veio confirmar os indícios de que não há um processo de aquisição de software estruturado nas MPEs. A condução desse processo é dependente das pessoas que o executam, que na maioria das vezes, não estão preparadas para essa atividade. As atividades mínimas requeridas num processo de aquisição, quando executadas, são realizadas de maneira informal. Raras são as empresas que não relatam uma ou mais experiências frustradas de aquisição de software, o que demonstra que na maioria delas esse ainda é um processo que ocorre na base da tentativa e erro, onerando o custo do produto final. Com isso a possibilidade de poder contar com um especialista para dar suporte a esse processo, o agente de aquisição, foi muito bem aceita pela maioria das empresas pesquisadas. Aspectos como confiabilidade da empresa ou pessoa que vai exercer esse papel e o custo do serviço prestado, foram considerados importantes para a viabilidade e o sucesso dessa figura. O aspecto mais crítico do processo de aquisição de software nas MPEs, observado por esta pesquisa, é a informalidade com que são tratadas atividades importantes, como a definição dos requisitos, a seleção do fornecedor/produto e até mesmo a elaboração do contrato. Outro aspecto igualmente crítico é a falta de preparo dos responsáveis para executar a aquisição. PROCESSO SIMPLIFICADO DE AQUISIÇÃO DE SOFTWARE O processo simplificado de aquisição de software, aqui apresentado, visa organizar a aquisição de software nas MPEs, de maneira a resolver os principais problemas levantados na pesquisa de campo. Ele foi derivado das normas e modelos de qualidade estudados, porém apresenta com base a figura do agente de aquisição, uma empresa especialista que incorpora parte das atividades desse processo. 1 MPEs = Micros e Pequenas Empresas.

3 3 Atividades do Processo de aquisição ISO/IEC ISO/IEC IEEE Std. SA-CMM PMBOK (Nível 2) Planejamento da aquisição Preparação da solicitação Solicitação Seleção do fornecedor Gerenciamento de requisitos Gerenciamento de projeto Administração do contrato Aceitação Transição para o suporte Acompanhamento Tabela 1 Quadro resumo das atividades de aquisição por Modelo A. O Agente de Aquisição Conforme a pesquisa de campo identificou, além dos problemas relativos ao processo de aquisição de software, um outro aspecto crítico observado nas MPEs é a falta de pessoal tecnicamente qualificado para proceder a aquisição. A grande maioria dessas empresas não conta um especialista em informática e mesmo quando o tem, este nem sempre está preparado para adquirir com qualidade, visto que isto envolve um perfil de conhecimentos profissionais nem sempre acessíveis à MPE. Seria desejável que o profissional encarregado de conduzir as aquisições tivesse conhecimento dos processos organizacionais da empresa que se deseja informatizar, ou de empresas similares; tivesse conhecimento do que a tecnologia da informação e o mercado de softwares oferecem para informatização dos processos estudados e experiência na condução de processos estruturados de aquisição. É muito importante também que esse profissional não tenha vínculo com nenhum tipo de produto ou solução específica, já que isso pode induzir a soluções inadequadas, ou no mínimo viciadas, devido aos interesses envolvidos. Por outro lado, a preparação de uma pessoa ou equipe interna, de maneira a se obter a formação desejável para garantir uma aquisição de software com qualidade, não se justifica. Isto devido à estrutura enxuta e multifuncional que caracteriza as MPEs e principalmente pela baixa frequência com que essas aquisições ocorrem nessas empresas. Portanto, para resolver o problema da aquisição de software nas MPEs há que se definir não só a sistematização do processo de aquisição, como resolver a questão sobre quem exerceria o papel de adquirente. A proposta desse trabalho resgata a figura do agente de aquisição, figura essa citada na ISO/IEC [3], como solução para a questão acima. O agente seria um profissional ou empresa contratada para intermediar a aquisição para as MPEs. Um escritório de projetos, como citado no SA-CMM [10] e em [1], simplificado, isto é, com o escopo reduzido e terceirizado, o agente teria o papel de conduzir e orientar todo o processo de aquisição, administrando cada tarefa a ser executada de maneira que esta ocorra dentro do prazo previsto, com a qualidade esperada e com a participação necessária. Este profissional da aquisição tem como perfil desejado, o conjunto de conhecimentos necessários anteriormente citados, para desempenho da função. Isto permite ao agente agregar aos projetos de aquisição conhecimentos de situações práticas já vividas, bem como atuar, quando necessário, na melhoria dos processos da MPE, de maneira que a aquisição de software traga à empresa os benefícios esperados. O papel de agente de aquisição de software para as MPEs pode ser exercido por outras empresas de pequeno porte ligadas à informática, por exemplo, por lojas que comercializam software. Essas lojas já exercem, mesmo que informalmente, um papel de aconselhamento ao cliente que poderia ser ampliado e estruturado para atender aos requisitos da função de agente. B. O Processo de Aquisição O processo de aquisição proposto considera como alternativas de aquisição COTS, MOTS e desenvolvimento contratado. Suas atividades são relacionadas na tabela 2. Há atividades que são executadas especificamente para COTS, outras que são executadas especificamente para MOTS e desenvolvimento contratado e outras que atendem aos três tipos de produtos (figura 1). ATIVIDADES SUB-ATIVIDADES 0. Preparar o agente 1. Preparar a aquisição 2. Adquirir software 2.1 Pesquisar alternativas; 2.2 Levantar informações sobre COTS; 2.3 Solicitar propostas; 2.4 Selecionar proposta / software; 2.5 Administrar contrato; 2.6 Aceitar software 3. Implantar software 4. Avaliar processo Tabela 2 Atividades do Processo Simplificado de Aquisição de para MPEs 1) Preparar o Agente Esta atividade é inerente ao agente de aquisição e precede à aquisição propriamente dita. Ela envolve a capacitação e a atualização do agente para prestação do serviço de intermediação da aquisição, de maneira a adquirir a competência necessária à execução eficiente do seu trabalho. 2) Preparar a Aquisição A preparação da aquisição envolve levantar os requisitos do software, assim como as restrições de orçamento, de prazo de implantação e de ambiente tecnológico (plataforma). Essas

4 informações deverão gerar o plano de aquisição e o critério de avaliação que darão subsídio às demais etapas do processo de aquisição. Esta atividade é conduzida pelo agente e tem a participação do usuário no fornecimento das suas informações de entrada (requisitos e restrições) e na validação do plano de aquisição e do critério de avaliação. 0 Preparar Agente Necessidade de Capacitação 2.2 Levantar informações s/ Cots Sim Sim 1 Preparar Aquisição 2.1 Pesquisar Alternativas COTS 2.4 Selecionar Proposta/ COTS 3 Implantar 4 Avaliar Processo Necessidade de Aquisição Não 2.3 Solicitar Propostas Não 2 Adquirir 2.5 Administrar Contrato 2.6 Aceitar Figura 1 Processo Simplificado de Aquisição de para MPEs 3) Adquirir A atividade Adquirir envolve a seleção e a aquisição da alternativa selecionada. Ela é subdividida em outras atividades que serão descritas a seguir. a) Pesquisar alternativas Essa atividade prevê a pesquisa das opções de aquisição disponíveis no mercado de software. É levantado o que existe de software para a aplicação desejada em termos de produtos prontos (COTS) e semi-prontos (MOTS), além dos fornecedores capacitados a desenvolver um produto específico, caso seja necessário. Cabe ao agente, com o seu conhecimento do mercado, direcionar o levantamento às opções mais indicadas para cada caso. Essas opções são então examinadas em conjunto com o usuário e é feita uma pré-seleção dos candidatos à aquisição. b) Levantar informações sobre COTS Essa atividade é executada pelo agente, exclusivamente quando a alternativa de aquisição considerada é um produto do tipo COTS. Ela envolve levantar as condições comerciais dos softwares de prateleira (COTS) candidatos à aquisição, ou seja, preço, forma de pagamento e custo do suporte pós compra. c) Solicitar propostas Essa atividade também é executada pelo agente e prevê a elaboração da solicitação de uma proposta de fornecimento, a partir dos requisitos do software. Isso se aplica no caso da opção de aquisição ser um software do tipo MOTS ou um software desenvolvido especificamente para a aplicação do adquirente. d) Selecionar proposta / software Esta atividade envolve a avaliação das alternativas de aquisição prospectadas, considerando-se custo, prazo e recursos de funcionalidade de cada um dos produtos candidatos. Para identificar o grau de atendimento aos requisitos estabelecidos, aplica-se o critério de avaliação definido na atividade de preparação da aquisição. Isto é feito pelo agente em conjunto com o usuário. e) Administrar contrato Essa atividade prevê a elaboração e o acompanhamento do contrato de fornecimento, no caso da opção de aquisição ser um software do tipo MOTS ou um software desenvolvido especificamente para a aplicação do adquirente. Os envolvidos nesta atividade são o agente, o usuário e, se necessário, o assessor jurídico do usuário f) Aceitar software Essa atividade também é executada no caso da opção de aquisição ser um software do tipo MOTS ou um software 4

5 desenvolvido especificamente para a aplicação do adquirente. Envolve avaliar se o software foi concluído corretamente, dentro das condições estabelecidas. Compete ao usuário, com o apoio do agente, fazer esta avaliação. O agente pode contribuir com a sua experiência na preparação dos testes. 4) Implantar A atividade implantar software contempla o planejamento e a execução da implantação do software. Isto envolve a instalação do software, o treinamento dos usuários e a carga inicial dos dados. A carga inicial dos dados deve ser feita pelo usuário com o apoio do agente. Já a responsabilidade pela instalação e o treinamento vai depender do tipo de software a ser implantado. Se o software for um COTS essas tarefas devem ser executadas pelo agente, caso contrário, pelo próprio fornecedor. 5) Avaliar Processo Esta atividade tem como objetivo aprimorar continuamente o processo de aquisição, de maneira que as experiências de aquisições anteriores venham a contribuir com as novas aquisições. É uma atividade executada pelo agente e envolve avaliar o grau de satisfação do usuário com o software, o desempenho do fornecedor e até mesmo as práticas adotadas no processo de aquisição como um todo, armazenando estas informações para utilização em futuras aquisições. V. ESTUDO DE CASO Finalmente buscou-se a validação deste processo de aquisição através de um estudo de caso de aquisição, em uma empresa de pequeno porte. O caso relatado refere-se à aquisição de um software financeiro para um colégio de médio porte, onde foram seguidas as atividades do processo simplificado de aquisição de software descritas anteriormente. Este colégio classifica-se, segundo o critério do Sebrae-SP [SEBRAE, 2000], que considera número de funcionários e faixa de faturamento da empresa, como Empresa de Pequeno Porte. Portanto, mostra-se adequado a um estudo de caso do processo simplificado de aquisição. A empresa em questão não utilizava nenhum sistema informatizado para a área financeira, sendo todos os seus controles efetuados de forma manual. Esse controle manual das atividades da tesouraria acarretava, entre outros problemas, sobrecarga de trabalho para alguns funcionários, acúmulo de papeis, dificuldade para controlar os gastos e receitas por setor da escola, dificuldade no tratamento de informações gerenciais e uma perda de qualidade no atendimento aos alunos e seus pais, devido à morosidade das informações. Para resolver os problemas acima relatados, a mantenedora resolveu informatizar o setor financeiro do colégio, implantando um software de controle para esse setor. Como o colégio não possui uma área própria para desenvolvimento de software, optou-se pela aquisição. 5 Uma vez decidida a adquirir o software, a questão passou a ser como fazer essa aquisição e quem deveria conduzi-la. Como o colégio não possui uma área específica de informática e também já havia tido uma experiência frustrada em aquisição de software conduzida internamente, a mantenedora optou por pedir o auxílio de um especialista para apoiá-la durante o processo de aquisição. Este especialista, pelo seu conhecimento e experiência, atende ao perfil do agente proposto neste trabalho. Possui experiência profissional em tecnologia da informação e desenvolvimento de software, e também em aquisição de software. Possui ainda conhecimento do mercado de software e não tem vínculo com nenhuma solução específica, o que o qualifica para função. O seu papel seria o de conduzir todo o processo de aquisição, de maneira a obter um software que permitisse ao colégio atingir os objetivos estipulados. Procedeu-se a aquisição do software utilizando-se como roteiro as atividades do processo simplificado de aquisição de software para MPEs. Esta experiência propiciou algumas observações em relação ao processo: O trabalho do agente de aquisição mostrou-se muito importante. Foi ele que, com sua experiência, coordenou os trabalhos da aquisição dando ritmo a eles. Sua atuação também aliviou a carga de trabalho dos usuários, uma vez que ele assumiu parte de suas atividades. O trabalho do fornecedor também foi facilitado, já que algumas atividades técnicas foram absorvidas pelo agente, como a especificação de requisitos. A comunicação com o fornecedor também foi facilitada, uma vez que era feita de técnico para técnico. A capacitação do agente para a execução da aquisição é um fator importante de redução de tempo e custo. Caso, ao iniciar o trabalho seja identificada uma carência do agente em relação ao tipo de aplicação a que o software se destina, o processo de aquisição deve contemplar a preparação do agente sem custo para o projeto, de maneira a não onerá-lo. Deve-se sempre elaborar um contrato entre o agente e o cliente, onde fiquem estipuladas claramente as atribuições do agente e a sua forma de remuneração. Isto é importante para que o agente não venha a ser cobrado por atividades de responsabilidade do usuário ou do fornecedor. É preciso que o agente e os usuários façam uma boa preparação da aquisição, discutindo exaustivamente as restrições do projeto e o detalhamento dos requisitos, pois isto vem a facilitar as fases seguintes do processo. Deve-se procurar chegar à fase de seleção da proposta / software com no mínimo duas e no máximo três alternativas pré-selecionadas. Muitas alternativas implicam numa perda de eficiência do processo, enquanto que uma única alternativa não permite comparação. Em se tratando de desenvolvimento contratado ou MOTS, um maior detalhamento dos produtos oriundos de cada etapa do projeto permitirá um melhor acompanhamento do contrato com o fornecedor. Os testes e a aceitação do produto podem ser feitos parcialmente, na medida em que partes deste forem

6 ficando prontas. Isto facilita a aceitação final, onde uma avaliação global do produto deve ser feita. A participação dos usuários nos testes de aceitação do produto é um fator de aceleração do seu treinamento, refletindo positivamente na atividade de implantação. O planejamento da implantação com a distribuição das responsabilidades de cada tarefa entre fornecedor, agente e usuários é fundamental para o sucesso da implantação. VI. CONCLUSÃO [11] SPICE. ISO/IEC Process Assesment Part 1: Concepts and Introductory Guide, Version Disponível na Internet: <http:\\www.sqi.cit.gu.edu.au/spice/suite> acesso em 18/08/ As observações feitas no estudo de caso, bem como as opiniões colhidas com usuários e fornecedor, permitem concluir que a utilização do processo simplificado de aquisição de software para MPEs é viável e pode ser aprimorado com o seu próprio uso, já que uma de suas atividades Avaliar Processo propicia um feedback que alimentará ajustes e melhorias ao processo. Portanto, este trabalho pode contribuir como roteiro para aquisição de software nas empresas de pequeno porte, orientado-as nas boas práticas de aquisição, de maneira a se obter um produto adquirido de qualidade. Com isto, um grande número de empresas que dependem dos seus softwares para a eficiência dos seus negócios, poderá melhorar a sua competitividade num mercado tão concorrido como o das MPEs. O trabalho serve também como roteiro de orientação a empresas de pequeno porte que assumam o papel de agentes de aquisição, criando-se assim um novo potencial de negócios. VII. REFERÊNCIAS [1] Filgueiras, L.V.L.; Melnikoff, S.S.S.; Souza, R.C.G. Sistema de gerência de projetos de desenvolvimento e aquisição de software da justiça federal da 3ª região. In: X CITS Conferencia Internacional de Tecnologia de, Curitiba, Anais. p [2] SOFTWARE ENGINEERING STANDARDS COMMITTEE OF THE IEEE COMPUTER SOCIETY. IEEE Std 1062 IEEE Recommended Practice for Acquisition. New York: IEEE, [3] ISO/IEC Information technology life cicle process [4] PMI. A Guide to The Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide 2000 edition) Disponível na Internet: <http://www.pmi.org> acesso em 14/02/2003. [5] Pressman, R. Engineering: A Practioner s Approach. 5 th. Ed. New York: McGraw-Hill, [6] Schmauch, C. H. ISO 9000 for Developers. 2 nd ed. ASQC, 1995, [7] SEBRAE-SP. Onde estão as MPEs paulistas. São Paulo, [8] SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE (SEI). Capability Maturity Model for - Version 1.1. Carnegie Mellon University, Disponível na Internet: <http://www.sei.cmu.edu/publications/documents/93.reports/93.tr.02 4.html> acesso em 14/02/2002. [9] SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE (SEI). Acquisition Capability Maturity Model (SA-CMM) Frequently Asked Questions. Spring, Disponível na Internet: <http://www.sei.cmu.edu/arm/as.cmm.faq.html> acesso em 09/2001. [10] SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE (SEI). Acquisition Capability Maturity Model (SA-CMM) Version 1.03.CMU/SEI-2002-TR-010. Carnegie Mellon University, Disponível na Internet: <http://www.sei.cmu.edu/arm/sa-cmm.html> acesso em 21/05/2003.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

www.asrconsultoria.com.br

www.asrconsultoria.com.br www.asrconsultoria.com.br Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001.

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA

FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA FORMAÇÃO DA CULTURA EM GESTÃO POR PROJETOS: O CASO DE UMA ORGANIZAÇÃO PRIVADA DE FINALIDADE PÚBLICA Jorge Luciano Gil Kolotelo (UTFPR) kolotelo@uol.com.br Pedro Carlos Carmona Gallego (FESP) carmona@fesppr.br

Leia mais

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR

Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Rede TSQC / SOFTEX Workshop de Aquisição de software Guia de Aquisição MPS.BR Danilo Scalet dscalet@yahoo.com.br Editor do Guia de Aquisição 1 2 1 MPS.BR: Desenvolvimento e Aprimoramento do Modelo Realidade

Leia mais

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação

Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Uso da Gestão de Configuração de Software pelas Organizações em Busca de Certificação Carlos Eduardo Sanches da Silva, Dr. (UNIFEI) sanches@iem.efei.br Dalton Péricles de Almeida (UNIFEI) dalton.almeida@ig.com.br

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Estudo de Viabilidade SorveTech (Sistema de Gerenciamento) Professora: Carla Silva Disciplina: Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas

Leia mais

Project Management Body of Knowledge

Project Management Body of Knowledge PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PUCMINAS (UNIDADE BARREIRO) CURSOS: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS / LOGÍSTICA Project Management Body of Knowledge Definição Também conhecido como PMBOK é um

Leia mais

BM&FBOVESPA aperfeiçoa práticas de gerenciamento de projetos com CA Clarity PPM

BM&FBOVESPA aperfeiçoa práticas de gerenciamento de projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY BM&FBOVESPA aperfeiçoa práticas de gerenciamento de projetos com CA Clarity PPM PERFIL DEL CLIENTE Indústria: Serviços financeiros Companhia: BM&FBOVESPA Empregados: 1.400+ Faturamento

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Organização da Aula Gestão de Projetos

Organização da Aula Gestão de Projetos Organização da Aula Gestão de Projetos Aula 6 Profa. Me. Carla Patricia S. Souza Gestão de processos do projeto Integração, comunicações, recursos humanos, escopo, tempo, custos, aquisições, qualidade

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management

BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER SUCCESS STORY Outubro 2013 BM&FBOVESPA Aperfeiçoa Práticas de Gerenciamento de Projetos com CA Project & Portfolio Management CUSTOMER LOGO HERE EMPRESA A BM&FBOVESPA é a principal instituição

Leia mais

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management)

Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG. Maturidade em BPM. (Business Process Management) Modelagem de Processos de Negócio Departamento de Ciência da Computação - UFMG Maturidade em BPM (Business Process Management) Douglas Rodarte Florentino Belo Horizonte, 21 de Junho de 2010 Agenda Introdução

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GOVERNANÇA DE TI

UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GOVERNANÇA DE TI UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GOVERNANÇA DE TI KARINA KLEIN HARTMANN ANÁLISE DAS PRÁTICAS DE AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software

CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Engenharia de SoftwareLuiz Carlos Aires de Macêdo. Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software Gestão de Projeto de Software: Trata de práticas para entregar um software que respeite os custos, padrões e o tempo. Padrões Custos Engenheiro de Software Projeto de Software

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

1 Introdução 1.1. Motivação

1 Introdução 1.1. Motivação 9 1 Introdução 1.1. Motivação Ao longo das últimas décadas, observou-se um aumento enorme na complexidade dos sistemas de software desenvolvidos, no número de profissionais que trabalham nesta área, na

Leia mais

O uso de métodos e normas na garantia de qualidade do processo de especificação de requisitos de software

O uso de métodos e normas na garantia de qualidade do processo de especificação de requisitos de software O uso de métodos e normas na garantia de qualidade do processo de especificação de requisitos de software Maria Angela Coser (UTFPR/CEFETES) macoser@cefetes.br Helio Gomes de Carvalho (UTFPR) helio@utfpr.edu.br

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Qualidade de Software. Aécio Costa

Qualidade de Software. Aécio Costa de Software Aécio Costa A Engenharia pode ser vista como uma confluência de práticas artesanais, comerciais e científicas [SHA90]. Software sem qualidade Projetos de software difíceis de planejar e controlar;

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012

MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro. Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 MPS.BR - Melhoria de Processo do Software Brasileiro Guia de Implementação Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SW:2012 Este guia contém orientações para a implementação do nível

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software

Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software 167 Práticas Recomendadas para a Melhoria do Processo de Software Josiane Banov Russo 1, Ettore Bresciani Filho 2 1 Gerente da Qualidade Instituto de Pesquisas Eldorado Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 118,5

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro de 2009

Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro de 2009 Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras Setembro de 2009 Introdução Objetivos: - Avaliar a questão da inovação e da competitividade no universo das micro e pequenas empresas (MPEs) brasileiras.

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fernando L. F. Almeida falmeida@ispgaya.pt Principais Modelos Capability Maturity Model Integration (CMMI) Team Software Process and Personal Software Process (TSP/PSP)

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS

MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS MERCADO BRASILEIRO DE SOFTWARE PANORAMA E TENDÊNCIAS 2009 Introdução Resumo Executivo Apesar das turbulências que marcaram o ano de 2008, com grandes variações nos indicadores econômicos internacionais,

Leia mais

Agilidade e eficácia na implantação de programas de melhoria de processos

Agilidade e eficácia na implantação de programas de melhoria de processos Agilidade e eficácia na implantação de programas de melhoria de processos PMPS Programa de Melhoria de Processos de Software Carla Fabiana Massochini Apresentação VALORIZZA Desenvolvimento Empresarial

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br

Fone: 55 11 2384-7736 - www.wissenconsulting.com.br - atendimento@wissenconsulting.com.br Nosso método de trabalho foi criado para atender VOCÊ A WISSEN CONSULTING têm como compromisso ajudá-lo a alcançar o sucesso na implementação de ferramentas de gestão e colaboração para que você possa

Leia mais

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos

MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Prof. Martius V. Rodriguez y Rodriguez, DSc martius@kmpress.com.br MBA em Gestão de Empreendimentos Turísticos Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação Gestão do Conhecimento evolução conceitual.

Leia mais

Gestão e Tecnologia da Informação

Gestão e Tecnologia da Informação Gestão e Tecnologia da Informação Superintendência de Administração Geral - SAD Marcelo Andrade Pimenta Gerência-Geral de Gestão da Informação - ADGI Carlos Bizzotto Gilson Santos Chagas Mairan Thales

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Tópicos Especiais. Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao 1 Tópicos Especiais Novembro - 2008 2 Referências

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software

AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Plano de Negócio AzTech Engineering Soluções em Engenharia de Software Rodovia Celso Garcia Cid 2500 86051-990, Londrina - PR aztech@aztech.com.br André Ricardo Gonçalves - CEO / Tecnologia argoncalves@aztech.com.br

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Tópicos Especiais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Tópicos Especiais Junho - 2008 Referências Acessos

Leia mais

Fundamentos do Modelo Prado-MMGP

Fundamentos do Modelo Prado-MMGP Fundamentos do Modelo Prado-MMGP Darci Prado O modelo Prado-MMGP (Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos) foi lançado em dezembro de 2002 e reflete a experiência com o tema, de mais de quarenta

Leia mais

Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software

Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software Um Framework de Engenharia de Requisitos para Desenvolvimento de Produtos de Software Carina Alves Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Caixa Postal 50732-970 Recife PE Brazil

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS

APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS APRESENTAÇÃO DE PORTFOLIO DE SERVIÇOS Versão 1 2010 A SIX SIGMA BRASIL apresenta a seguir seu portfolio de capacitação e consultoria de serviços de gerenciamento de projetos, processos (lean e seis sigma)

Leia mais

Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR

Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR Comparação entre a Instrução Normativa SLTI/MP n 4 e o Guia de Aquisição do MPS.BR Rejane Maria da Costa Figueiredo UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA CAMPUS FGA *Fonte: Material: Edméia Andrade e Claudio Cruz Agenda

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa

Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Avaliação do Processo de atendimento de demandas de produtos de software da Embrapa Edméia Leonor Pereira de Andrade Embrapa edmeia.andrade@embrapa.br AngélicaToffano Seidel Calazans Caixa Econômica Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO GESTÃO DE PROJETOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DE UM SOFTWARE PMIS Área de conhecimento

Leia mais

IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

LAPS Um Modelo Estruturado de Serviços para Avaliação de Produtos de Software

LAPS Um Modelo Estruturado de Serviços para Avaliação de Produtos de Software PBQP-SW Ciclo de Projetos 2005 LAPS Um Modelo Estruturado de Serviços para Avaliação de Produtos de Software Hermano Perrelli de Moura A Título LAPS Um Modelo Estruturado de Serviços para Avaliação de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.

Gerenciamento de Projetos Web. Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu. Gerenciamento de Projetos Web Professor: Guilherme Luiz Frufrek Email: frufrek@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/frufrek Possui Especialização em Engenharia de Software e Banco de Dados pela

Leia mais

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil

Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Experiência: Sistema de Custos e Informações Gerenciais do Banco Central do Brasil Ministério da Fazenda Banco Central do Brasil Responsável: José Clovis Batista Dattoli, Chefe do Departamento de Planejamento

Leia mais

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade

Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Aula 7 Elaboração do Plano de Gerenciamento da Qualidade Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam definir termos e conceitos da qualidade. Para tal, pretende-se discutir a relação que se estabelece

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS

ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS ANÁLISE COMPARATIVA DE FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROCESSOS INDUSTRIAIS Fernando Simon (UNISC) fsimonbr@gmail.com Rejane Frozza (UNISC) frozza@unisc.br Joao Carlos Furtado (UNISC) jcarlosf@unisc.br

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI [6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI Flávio Franco Knob, Filipi Pereira da Silveira, Afonso Inácio Orth, Rafael Prikladnicki

Leia mais

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0

Diretoria de Informática TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Brivaldo Marinho - Consultor. Versão 1.0 TCE/RN 2012 PDTI PLANO DIRETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Brivaldo Marinho - Consultor Versão 1.0 CONTROLE DA DOCUMENTAÇÃO Elaboração Consultor Aprovação Diretoria de Informática Referência do Produto

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial

Sistemas de Informação Empresarial Sistemas de Informação Empresarial Governança de Tecnologia da Informação parte 2 Fonte: Mônica C. Rodrigues Padrões e Gestão de TI ISO,COBIT, ITIL 3 International Organization for Standardization d -

Leia mais

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

SEQUÊNCIA: TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. PROF. MARTIUS V R Y RODRIGUEZ, DSc TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Prof. Martius Vicente Rodriguez y Rodriguez, DSc - 1 TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1. TIPOS DE 2. ARQUITETURAS DE SISTEMAS - CRM 3. KNOWLEDGE DISCOVERY IN DATABASE 4. SISTEMAS

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO)

Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) MBA em Gestão de Projetos Escritório de Gerenciamento de Projetos ( Project Management Office PMO) Flávio Feitosa Costa, MSc. PMP (flaviopmp@gmail.com) MBA em Gerência de Projetos Escritório de Gerenciamento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Apresentação PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA APLICADA Qualidade de software WILIAN ANTÔNIO ANHAIA DE QUEIROZ O que é qualidade? A Norma ISO8402 define Qualidade

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES

9 RECURSOS HUMANOS 10 COMUNICAÇÕES 10 COMUNICAÇÕES O gerenciamento das comunicações do projeto é a área de conhecimento que emprega os processos necessários para garantir a geração, coleta, distribuição, armazenamento, recuperação e destinação

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 2 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas

MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas MINI-CURSO Gerenciamento de Projetos para Economistas ECONOMISTA - RIVAS ARGOLO 2426/D 62 9905-6112 RIVAS_ARGOLO@YAHOO.COM.BR Objetivo deste mini curso : Mostrar os benefícios do gerenciamento de projetos

Leia mais

"QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DA NORMA ISO 12207 NAS EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE?".

QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DA NORMA ISO 12207 NAS EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE?. "QUAL A IMPORTÂNCIA DA ADOÇÃO DA NORMA ISO 12207 NAS EMPRESAS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE?". MARCELO NOGUEIRA UNIP - Universidade Paulista Mestrado em Engenharia de Produção Abstract The systems development

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação

Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA-UFES Departamento de Computação Centro de Ciências Agrárias Departamento de Computação Visão Geral do Processo de Desenvolvimento de Software Introdução à Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação COM06850-2015-II Prof.

Leia mais

MANUTENÇÃO DE SOFTWARE

MANUTENÇÃO DE SOFTWARE MANUTENÇÃO DE SOFTWARE Francisco Luiz Sobrinho, Samily Rocha Gois Faculdade de Tecnologia SENAC Goiânia/GO (SENAC/GO) Av. Independência número 1002 - CEP 74645-010 Setor Leste Vila Nova - Goiânia GO Brasil

Leia mais

Portifólio de Serviços

Portifólio de Serviços Portifólio de Serviços A PM11K conta com uma abrangência de mercado muito grande graças ao seu modelo inovador. Aqui você contrata um consultor e, junto dele, mais centenas de outros consultores em rede,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais