Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas"

Transcrição

1 Um Sistema Web para apoio ao Gerenciamento de atividades de Teste de Software em Pequenas Empresas Luciano Gomes Helvinger, Rodrigo Prestes Machado Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdade de Tecnologia Senac RS (FATEC/RS) Porto Alegre RS Brasil Abstract. Software Testing is one of the more expensive activities of the software development process. It involves a lot of resources and risks. In small companies, the main issues regarding software testing are related to the lack and limitation of management and control activities. Therefore, this work presents a supporting system to software testing management in small companies, developed from requirements identified in the technical literature concerned with software testing. This system enable the control of software testing cycle following a sequence of stages assigned to users involved in the process. Resumo. Teste de Software é uma das atividades mais custosas do processo de desenvolvimento e envolve muitos recursos e riscos. Em pequenas organizações, os principais problemas associados aos testes estão relacionados a limitações nas atividades de gerenciamento e controle. Desta forma, este trabalho apresenta um sistema de apoio ao gerenciamento do processo de teste em pequenas empresas, desenvolvido a partir de requisitos identificados na literatura técnica da área de teste de software. O sistema possibilita o controle do ciclo de teste seguindo uma seqüência de etapas designadas aos usuários envolvidos no processo. 1. Introdução Dentro do processo de desenvolvimento de software existem ciclos de testes. O ciclo de teste é caracterizado por atividades que visam garantir a qualidade do produto final. A busca pelo aumento da qualidade ressalta a importância dos testes no desenvolvimento de software. Porém, teste de software não é uma atividade trivial, exige conhecimentos, procedimentos e infra-estrutura específicos. Sommerville (2004) destaca que os testes constituem uma fase trabalhosa do processo de desenvolvimento. Teste de software é considerada uma das atividades mais custosas do desenvolvimento e por isso necessita de controle e gerenciamento eficientes a fim de evitar problemas como perdas de recursos e atrasos no cronograma (JURISTO et. al., 2004). Segundo o Ministério da Ciência e Tecnologia, cerca de 60% das empresas de desenvolvimento de software no Brasil é enquadrada na classificação de micro e pequena empresa (MCT, 2005). Na busca pelo aumento de sua competitividade no mercado interno e externo, estas organizações precisam empregar um esforço substancial na melhoria da qualidade de seus produtos. Entretanto, nas pequenas empresas desenvolvedoras de software, que dispõem de pessoal e recursos limitados, as

2 atividades de teste de software são freqüentemente reduzidas ou eliminadas em função de dificuldades e atrasos corridos nos projetos (SARTORI, 2005). Desta forma, as dificuldades nos processos e atividades de teste impactam diretamente na qualidade final do software desenvolvido. De acordo com Mats (2001), os principais problemas envolvidos em um processo de teste de software são: falta de tempo e de recursos; deficiência na rastreabilidade de casos de teste e/ou registros de testes realizados; incerteza sobre o que está sendo testado devido à falta de informações específicas organizadas para cada teste; ausência de critério para o planejamento dos testes, definição de prazos, papéis e responsabilidades. Weber et. al. (2001) acrescentam a indisponibilidade de ferramentas adequadas para a gestão das atividades de teste como um dos principais problemas enfrentados pelas equipes de teste de software. Em geral, os problemas citados estão diretamente relacionados à limitação ou ausência de controle e gerenciamento das atividades de teste e pela não utilização de ferramentas de apoio adequadas. Dias Neto et. al. (2006) destacam a deficiência e limitações das organizações de software em relação à aplicação de práticas exclusivas de apoio ao gerenciamento e controle das atividades de teste. O controle de um processo complexo como o de teste de software, que envolve várias atividades e tarefas com grande quantidade de informações, pode tornar-se mais ágil e eficiente com a utilização de uma ferramenta de apoio automatizado. Ferramentas de gestão de teste cobrem grande parte das atividades e são aplicáveis em todas as etapas do processo, auxiliando a geração e controle das informações (BASTOS et. al., 2006). Sartori (2005) destaca que nas pequenas organizações, a utilização de ferramentas de suporte ao ciclo de teste é de fundamental importância para a melhoria da produtividade e eficiência das tarefas a serem realizadas. No entanto, há carência de ferramentas específicas para o gerenciamento de informações e atividades de teste voltadas para pequenas empresas, que disponibilizam de recursos escassos e demandam atividades de teste menos complexas e adequadas ao seu ambiente (DIAS NETO et. al., 2006). Em geral, as ferramentas disponíveis no mercado são direcionadas para grandes empresas e têm custo elevado, dificultando sua adoção por empresas que tenham poucos recursos e possuam atividades de teste de software menos desenvolvidas. Segundo Sartori (2005), as pequenas empresas têm características peculiares e distintas das grandes: geralmente, desenvolvem softwares menores e menos complexos; não dispõem de muitos recursos financeiros; evitam ferramentas caras, sofisticadas e com procedimentos complexos; seus processos e métodos são únicos. Baseado nesta situação, este artigo aborda o desenvolvimento de um sistema para auxilio ao gerenciamento e controle das informações e atividades de teste de software em pequenas organizações. O objetivo do sistema é fornecer apoio automatizado para definição e acompanhamento das atividades, registro das informações de todas as etapas e controle do ciclo de teste, visando oferecer melhoria na produtividade e maior eficiência ao ciclo de teste. Para tanto, procurou-se definir um conjunto de requisitos e procedimentos que possam ser adaptados à realidade destas organizações e que atendam suas atividades de teste de software. Este artigo está organizado da seguinte forma: Na seção 2 são apresentados os trabalhos e sistemas relacionados. A seção 3 descreve a abordagem de gerenciamento e

3 controle das atividades de teste de software. Na seção 4 são apresentadas as atividades básicas de um ciclo de teste. A seção 5 apresenta a estrutura e o funcionamento do sistema proposto. Por fim, a seção 6 apresenta as considerações finais deste trabalho e a seção 7 descreve as referências utilizadas. 2. Trabalhos Relacionados Com o aumento das necessidades de se gerenciar testes, algumas empresas desenvolveram ferramentas para atender este mercado. As opções comerciais possuem funcionalidades semelhantes entre si e em geral encontra-se no mercado a utilização conjunta de ferramentas comerciais e livres. Algumas ferramentas relacionadas ao gerenciamento e controle de testes de software puderam ser identificadas e são apresentadas a seguir: TestLink (TESTLINK, 2008): Ferramenta Open Source cujo principal objetivo é gerenciar a criação de Planos e Casos de Teste, possibilitando o controle dos testes planejados em relação aos testes executados. Permite associar um conjunto de Casos de Teste a um testador e acompanhar os resultados da execução dos testes. Oferece um recurso que possibilita registrar e organizar os requisitos do projeto, assim como, associar os Casos de Teste aos requisitos. Entretanto, esta ferramenta não abrange completamente o processo de teste e nem a gestão de erros. Rational TestManager (TESTMANAGER, 2008): Produzida e comercializada pela IBM Rational, é a base das ferramentas de Teste da Rational. É um sistema para o gerenciamento de todas as atividades de teste. Suporta as cinco etapas de teste definidas no Processo Unificado da Rational: Planejamento, Projeto, Implementação, Execução e Avaliação. Oferece suporte à especificação e criação dos Planos e Casos de Teste, permitindo sua implementação através de roteiros de teste manual ou scripts da ferramenta de automação. TestManager tem interface Web para execução de Casos de Teste manuais e armazena os logs de execução dos testes. Fornece indicação de mudanças em requisitos que estão relacionados aos Casos de Teste. Permite a integração com ferramentas de automação de testes de regressão, performance e controle de defeitos. HP Quality Center (QUALITY CENTER, 2008): Ferramenta comercial fabricada pela Hewlett-Packard para gerenciamento de testes. Sua utilização é baseada na Web e suas funcionalidades são disponibilizadas através de quatro seções: gerenciamento de requisitos, gerenciamento de Casos de Teste, execução dos testes e gerenciamento de defeitos. Possibilita, através de requisitos cadastrados, identificar quais os testes relacionados. Armazena os procedimentos do teste e controla o versionamento dos mesmos, controla o estado atual dos testes e permite a gravação da execução comparando os resultados esperados com os resultados obtidos. Inclui gerenciamento de defeitos encontrados durante a execução dos testes. Oferece suporte à testes automatizados através da integração com ferramentas de automação. 3. Gerenciamento e Controle das atividades de Teste de Software O gerenciamento das informações e das atividades é essencial no ciclo de teste de software. Um gerenciamento eficiente das atividades de teste oferece diversos benefícios para o processo, dentre eles podem ser citados: definição de papéis e

4 responsabilidades; objetivos e escopo explicitados; tarefas definidas; documentação de teste especificada; definições e monitoramento para o cumprimento dos objetivos e prazos (DIAS NETO et. al., 2006). O controle das atividades auxilia o monitoramento do progresso do ciclo de teste e o acesso às informações geradas durante o ciclo. Métricas podem ser usadas para avaliar o progresso em relação ao cronograma planejado e aos objetivos definidos. Este controle possibilita o acompanhamento do processo, permitindo uma visibilidade sobre as atividades e com isso, a tomada de ações diante do resultado das informações e métricas obtidas. No gerenciamento do ciclo de teste, temos ainda as atividades de controle de defeitos. Por meio do controle de defeitos é possível acompanhar erros e correções, avaliando a qualidade do software com base nos defeitos cadastrados ao longo do processo. A gestão do ciclo de teste pode ser auxiliada com a utilização de ferramentas automatizadas. As ferramentas de teste são o apoio utilizado pelos profissionais da área, elas cobrem grande parte das atividades e são aplicáveis em todas as etapas do processo de teste, auxiliando a geração e controle das informações (BASTOS et. al., 2006). Estas ferramentas devem oferecer um repositório central onde os usuários possam inserir as informações específicas de cada teste, os gerentes ou líderes de testes poderão definir papéis e tarefas, acompanhar as etapas, o status dos processos e emitir relatórios estatísticos. A equipe de teste terá maior facilidade de organização, controle, acesso e acompanhamento das informações e atividades do processo. Com base nesta abordagem, observa-se que para um gerenciamento e controle eficiente das atividades de teste, devido à grande quantidade de informações e atividades que precisam ser gerenciadas, o uso de uma ferramenta de apoio é essencial. Nas pequenas organizações de desenvolvimento de software, a utilização de ferramentas adequadas para o auxílio ao gerenciamento do processo de teste também é de vital importância para o aumento da produtividade e da eficácia das tarefas realizadas (SARTORI, 2005). 4. Atividades do ciclo de Teste de Software O ciclo de teste é o conjunto de atividades que podem ser planejadas antecipadamente e realizadas de forma sistêmica (PRESSMAN, 2005). A definição de um ciclo de teste de software tem como objetivo especificar as tarefas, os responsáveis por cada tarefa definida, os critérios a serem adotados e os artefatos a serem produzidos e utilizados, permitindo a sistematização do processo (CRESPO et. al., 2004). As atividades de teste e demais informações apresentadas a seguir fundamentam-se na literatura de teste de software e em diversas fontes de conhecimento, como CMMI (2002) e TMMI (2008). Estas atividades serviram como base para a definição do sistema desenvolvido Papéis relacionados às atividades de Teste de Software Para as atividades de teste apresentadas neste artigo, foram considerados três papéis relacionados, são eles: Gerente/Coordenador de Teste: responsável pelo planejamento das atividades, gerenciamento e validação do ciclo de teste.

5 Analista de Teste: responsável pela análise e especificação dos testes, incluindo a elaboração do plano de teste, identificação e especificação dos casos de teste. Testador: responsável pela execução dos procedimentos de teste especificados, registrando as execuções, os resultados encontrados e os incidentes ocorridos Atividades Um ciclo de teste de software envolve todas as atividades relacionadas ao planejamento, execução e controle do processo (CRESPO et. al., 2004). Visando a abordagem de sistematização do gerenciamento das atividades de teste em pequenas empresas proposta neste trabalho, são apresentadas as atividades básicas do ciclo de teste no modelo de processo descrito em Bastos et. al. (2006) e Rios et. al. (2005), conforme demonstra a figura 1. Figura 1. Atividades do Ciclo de Teste Este ciclo de teste consiste das principais atividades organizadas nas seguintes etapas: Atividades iniciais/planejamento; Atividades de Especificação; Atividades de Execução; Atividades de entrega/encerramento Atividades Iniciais de Planejamento Esta etapa de atividades incide nos procedimentos iniciais do ciclo de teste e tem como objetivo avaliar os itens a serem testados, identificando níveis de dificuldade, riscos e diretrizes das definições do ciclo. Nesta etapa são realizadas as seguintes principais atividades: avaliação e definições sobre o item a ser testado; atribuição de papéis e responsabilidades no ciclo Atividades de Especificação A Especificação do teste é a etapa que consiste em verificar a missão do teste, definindo os seus objetivos e especificando os passos e atividades necessárias para alcançá-los. Nesta etapa é feita a análise dos requisitos, casos de uso e demais documentação proveniente da análise do sistema e/ou análise de negócio. Esta etapa do processo é composta por duas atividades principais: avaliação dos requisitos para teste;

6 especificação dos artefatos de teste utilizados no ciclo. As atividades dessa etapa produzem os documentos de Plano de Teste e Caso de Teste Atividades de Execução O objetivo desta etapa é a execução dos testes a partir do que foi estabelecido durante a etapa de especificação, seguindo sua ordem e seqüência planejadas. Na execução são registrados os passos executados, os resultados e os erros detectados. A etapa de execução é composta pelas seguintes atividades principais: execução dos testes; registros dos testes. Durante esta etapa é produzido o documento de Registro de Teste Atividades de Encerramento Na etapa de atividades de Encerramento a conclusão do ciclo de teste é analisada, validada e o ciclo é encerrado. Esta fase é composta de duas atividades principais: avaliação do ciclo de teste; validação e encerramento do ciclo. 5. Sistema de apoio ao gerenciamento de informações e atividades de teste. Esta seção descreve o sistema desenvolvido, apresentando sua estrutura e seu funcionamento. O sistema é uma aplicação Web, desenvolvida na plataforma de desenvolvimento PHP, utilizando o banco de dados MySQL. Seu funcionamento é baseado nas atividades básicas do ciclo de teste e no modelo de processo apresentado na seção 4 deste artigo. O propósito do sistema é fornecer apoio automatizado para o gerenciamento e controle do processo de teste de software. É importante ressaltar que a ferramenta não abrange a automação da execução dos testes e nem a construção dos artefatos, mas sim as questões relacionadas à definição, organização, controle e acompanhamento do processo. As execuções práticas das atividades do ciclo de teste são realizadas fora do sistema, de acordo com os padrões, processos e técnicas utilizadas por cada organização. 5.1 Descrição do Sistema Para aplicação da abordagem proposta neste projeto, definiram-se características e funcionalidades visando à organização das informações e das atividades de teste, com o objetivo de apoiar o seu controle e gerenciamento. Assim, o funcionamento do sistema é descrito a seguir. Para cada demanda a ser testada, é criado um ciclo de teste através de cadastramento no sistema. Este ciclo de teste é denominado Item de Teste e é identificado por um numero seqüencial atribuído na sua criação. O Item de Teste compreende quatro fases seqüenciais de atividades, baseadas no modelo de processo de teste apresentado na seção 4: Planejamento; Especificação; Execução; Encerramento. Para cada uma das fases de atividades é atribuído um usuário responsável que será o profissional alocado para atuar na fase, este usuário tem permissão para realizar registros somente na fase sob sua responsabilidade, mas pode acessar e visualizar todas as demais fases. Durante seu ciclo de vida, o Item de Teste recebe atribuições de status que indicam sua situação em relação ao fluxo das fases de atividades. O status do Item de Teste é atualizado de acordo com a evolução das atividades.

7 Ao acessar o sistema, o usuário é direcionado para a página inicial onde são listados os Itens de Teste que estejam na fase de atividades sob sua responsabilidade. A página inicial de acesso do usuário é denominada Caixa de Entrada e através dela é possível acessar os Itens de Teste listados. A cada avanço de fase de atividades, o Item de Teste passa a ser listado na Caixa de Entrada do usuário responsável pela nova fase. O sistema possui ainda um cadastro específico para registros de erros, visando o acompanhamento de defeitos encontrados em cada ciclo de teste. 5.2 Ciclo de vida do Item de Teste O Item de Teste é cadastrado por um usuário com perfil gerencial, este usuário pode ser um Gerente de Teste, Coordenador ou Líder de Teste. Na criação do Item de Teste, é definido e alocado o profissional que atuará na fase de Planejamento. A partir disso, a seqüência de fases de atividades tem início, somente a fase de Planejamento é habilitada e o Item de Teste passa a ser listado na Caixa de Entrada do usuário alocado para atuar na fase. Na fase de Planejamento são definidos os profissionais que atuarão nas demais fases. Com a conclusão da fase de Planejamento a próxima fase é habilitada, as fases seguintes serão habilitadas uma por vez, em seqüência, sempre após a conclusão da fase anterior, em cascata. Durante a seqüência de fases de atividades, o status do Item de Teste é atualizado identificando a situação atual do processo. A tabela 1 demonstra o fluxo das fases e as alterações de status durante o ciclo de teste. Fases de Atividades Planejamento Especificação Execução Encerramento Usuários Responsável pela fase de Planejamento Responsável pela fase de Especificação Responsável pela fase de Execução Responsável pela correção Responsável pela fase de Execução Responsável pela fase de Encerramento Tabela 1. Fluxo das Fases de Atividades e Status Ações dos Usuários no Sistema Acessa Item/fase de Planejamento Aceita fase de atividades Define/aloca profissionais para as demais fases Insere informações sobre planejamento do teste Conclui a fase de atividades Acessa Item/fase de Especificação Aceita fase de atividades Insere informações sobre especificação do teste Conclui a fase de atividades Acessa Item/fase de Execução Aceita fase de atividades Insere informações sobre a execução do teste Registra erro (se houver) Acessa Item/registro do erro Insere informações sobre correção do erro Registra correção do erro Acessa Item/registro do erro Valida a correção do erro Acessa fase de Execução Conclui a fase de atividades Acessa Item/fase de Encerramento Aceita fase de atividades Insere informações sobre encerramento do teste Conclui a fase de atividades Status do Item de Teste Pendente de Planejamento Em planejamento Pendente de Especificação Pendente de Especificação Em especificação Pendente de Execução Pendente de Execução Em execução Erro Erro Em execução Em execução Pendente de Encerramento Pendente de Encerramento Em encerramento Encerrado A cada mudança de fase, o Item de Teste passa a ser listado na Caixa de Entrada do usuário alocado na nova fase atual. Durante o fluxo das fases de atividades, o sistema controla e atualiza a fase atual e o profissional responsável pela fase atual. Também são registradas as datas de início, datas de conclusão e as observações ou considerações de

8 cada fase. Com isso o sistema armazena, organiza e disponibiliza os principais dados sobre o andamento do ciclo de teste, possibilitando acompanhar o status atual do ciclo, fase atual em que se encontra, quais profissionais atuaram ou atuarão nas fases de atividades, quando foi iniciada e quando foi concluída uma fase, além das informações específicas da demanda em teste. Esta estrutura permite o monitoramento e controle das atividades de forma mais ágil e organizada, conferindo maior eficiência na administração do processo de teste. Para a sistematização da estrutura descrita, foram implementadas as seguintes características: Organização e disponibilização das demandas em Caixas de Entrada: as demandas disponibilizadas aos usuários são listadas em suas respectivas Caixas de Entrada. A Caixa de Entrada exibe os Itens de Teste que estejam na fase atual onde o usuário esteja alocado. Através disso o usuário passa a controlar e acessar as demandas que foram direcionadas e estão disponíveis para ele. A figura 2 apresenta a interface de Caixa de Entrada. Figura 2. Tela da Caixa de Entrada Processo organizado e dividido em etapas: cada Item de Teste compreende quatro etapas seqüenciais em cascata. Para cada uma das etapas é alocado um usuário. Durante o fluxo das etapas, o Item de Teste atualizará seu status, fase atual e profissional responsável atual. A figura 3 demonstra a interface do Item de Teste com suas etapas.

9 Figura 3. Tela do Item de Teste Interface única para visualização e acompanhamento das informações do processo: o Item de Teste exibe as principais informações do processo referente à demanda em teste em uma mesma interface. Na tela do Item de Teste ainda é possível acessar e visualizar as informações das fases através de navegação em abas. 5.3 Gestão de Erros Um erro ou defeito pode ser caracterizado como uma diferença entre o resultado esperado e o resultado obtido na execução do teste do software. Os critérios de definição e identificação de um erro dependem dos conceitos e especificações utilizadas por cada empresa, conforme o software a ser testado. Os erros encontrados durante a execução do teste são cadastrados no sistema através da fase de Execução, em um cadastro específico. Cada erro cadastrado é identificado por um número seqüencial e é vinculado ao Item de Teste correspondente. O sistema implementa um ciclo de vida para cada erro, este ciclo tem início no momento em que o erro é registrado, onde recebe atribuição de situação como Aberto e termina quando o erro tem sua situação atribuída para Corrigido ou Cancelado. Ao ser registrado um erro, o Item de Teste passa a ser listado também na Caixa de Entrada do programador responsável pela implementação. Após realizar a correção, o programador registra no cadastro do erro as informações referentes à correção. Com a correção registrada, o testador confere e valida a correção no cadastro do erro. Enquanto houver algum registro de erro com situação Aberto, a fase de Execução não pode ser concluída. As operações principais oferecidas ao usuário são simples e diretamente ligadas às atividades de gestão e acompanhamento: o registro de um novo erro; sua triagem, correção, revisão e fechamento. Para suportar estas operações, a ferramenta apresenta algumas características, que incluem:

10 Interface de registro de erros: todo erro possui um conjunto completo de informações, incluindo descrição, situação atual, severidade e identificação dos usuários envolvidos. Na figura 4 é apresentada a interface de cadastro de erros. Figura 4. Tela de Cadastro de Erro O cadastro de erros, apresentado na figura 4, apresenta campos específicos para registros relacionados ao erro e campos destinados aos registros da correção. Registro de correções: a interface de cadastro de erro possui campos destinados ao usuário responsável pela correção para que sejam registradas as informações relativas à correção. A figura 5 demonstra a interface para acesso aos erros cadastrados para o Item. Figura 5. Tela de Listagem de Erros

11 Interface de consulta: ao ser registrado um erro, o Item de Teste passa a apresentar uma lista com os erros cadastrados para o Item e os registros dos erros são acessados através da listagem. 5.4 Comparação entre ferramentas Ao longo do desenvolvimento deste trabalho, algumas ferramentas relacionadas foram identificadas e descritas na seção 2 deste artigo. Embora sejam caracterizadas como ferramentas de gestão de testes, elas possuem propósitos e abordagens bem diferentes do sistema desenvolvido neste trabalho. O TestManager e o Quality Center são grandes aplicações comerciais, soluções completas totalmente direcionadas para grandes empresas e requerem uma forte adequação da organização (e suas atividades de teste) à metodologia inserida na ferramenta. Isso torna inadequada uma eventual comparação entre essas ferramentas e o sistema objeto deste trabalho. O TestLink é uma ferramenta gratuita, não abrange todo o processo de teste e não oferece suporte à gestão de erros, necessitando ser utilizada em conjunto com uma ferramenta de gerenciamento de erros. Este sistema apresenta maior possibilidade de utilização por empresas de pequeno porte e por esta razão foi comparado com a ferramenta desenvolvida neste trabalho. A comparação é apresentada na tabela 2. Tabela 3. Comparação entre as ferramentas Critério comparado TestLink Sistema Processo de teste dividido e organizado em etapas Não Sim Acompanhamento do ciclo de vida do processo de teste Não Sim Alocação de profissional responsável para cada etapa do processo Não Sim Configuração do fluxo do processo Não Não Cadastro e gestão de erros Não Sim Status de identificação do processo Sim Sim Organização e disponibilização das demandas em listagem específica Não Sim Registro de especificação dos requisitos Sim Não Criação dos Planos e Casos de Teste Sim Não Relacionamento entre os requisitos e os casos de testes Sim Não Registro da execução dos testes e armazenamento dos resultados Sim Não A tabela 2 demonstra o comparativo entre os sistemas, os critérios de comparação foram considerados conforme os aspectos relacionados com a abordagem deste trabalho e as características de cada ferramenta. 5.5 Avaliação e Validação preliminar do sistema O projeto foi desenvolvido visando atender as necessidades de pequenas organizações desenvolvedoras de software em relação ao gerenciamento e controle do processo de teste. Para avaliar o apoio provido pelo sistema, suas funcionalidades foram analisadas por profissionais da área de teste de empresas de desenvolvimento de software. O objetivo desta avaliação foi validar, com dados mais substanciais, a aplicação da ferramenta e verificar se a estratégia apresentada por esse trabalho apresenta benefícios. A validação preliminar ocorreu em ambiente real, em duas empresas de pequeno porte,

12 utilizando suas demandas e atividades de teste de software dentro de um período prédeterminado. A utilização e avaliação do sistema foram realizadas por nove usuários em três tipos distintos: Coordenadores de Teste, Analistas de Teste e Testadores. Após o período de utilização da ferramenta, os avaliadores foram convidados a comentar, sugerir e responder uma pesquisa a fim de coletar a percepção deles em relação aos benefícios trazidos pela sistematização do controle do processo de teste. As avaliações foram feitas pelos usuários, com base em suas observações durante o uso da ferramenta em suas atividades. A pesquisa aplicada utilizou níveis de 1 a 4 de acordo com os seguintes critérios em relação ao atendimento dos objetivos propostos e das expectativas dos usuários: 1 Não atende; 2 Atende parcialmente; 3 Atende; 4 Atende plenamente. A tabela 3 apresenta os itens avaliados na pesquisa e seus resultados, o campo Resultado corresponde ao nível que obteve maioria de escolhas e o campo Percentual indica o percentual de usuários que escolheram o resultado. Tabela 3. Pesquisa de Avaliação Critério avaliado Resultado Percentual Organização e acesso as informações específicas para cada demanda 3 78% Divisão e atribuição das tarefas 4 56% Alocação de profissional responsável para cada etapa do processo. 4 56% Utilização de modelo de processo para sistematizar e organizar as atividades 3 45% Adequação da ferramenta ao processo utilizado 3 56% Administração das tarefas pelo usuário 3 78% Monitoramento e acompanhamento do processo 3 89% Rastreabilidade das demandas em teste ou encerradas 2 45% Agilidade e eficiência na gestão das atividades 3 56% Registro de defeitos detectados durante a execução dos testes 4 78% Controle do ciclo de vida de defeitos 3 89% Facilidade na utilização do sistema 3 89% Interfaces de consultas e apresentação das informações 4 56% Melhoria ao gerenciamento do processo 3 78% O resultado da pesquisa apresentada na tabela 3 demonstra o alto nível de satisfação dos usuários em relação aos principais aspectos envolvidos no uso do sistema em suas atividades de teste. Além da pesquisa foram recebidos comentários, sugestões e impressões gerais sobre a ferramenta. A maioria dos usuários considerou a utilização do sistema como uma boa alternativa para a melhoria do processo de testes, impactando diretamente na produtividade e eficiência das suas atividades. Os relatos dos usuários demonstraram que o a gestão das suas atividades e de seus processos de testes foi bastante favorecida pelo uso da ferramenta, possibilitando seu acompanhamento e controle de forma automatizada e online. Entre os principais pontos fortes observados pelos avaliadores estavam: a utilização de um processo organizado em etapas; facilidade de identificação e controle das tarefas demandadas; registro e acompanhamento dos erros encontrados durante a execução dos testes. Como pontos a serem melhorados, foram identificados: a possibilidade de anexar os artefatos gerados ao Item de Teste; a disponibilização de geração de métricas e relatórios.

13 Assim, pelos resultados obtidos, o estudo de caso valida a proposta do sistema e demonstra que a sua aplicação oferece benefícios para a gestão e controle do processo de teste de software, cumprindo os objetivos abordados neste trabalho. 6. Considerações Finais e Trabalhos Futuros Neste artigo é apresentado o projeto de um sistema que apóia o gerenciamento de informações e atividades do processo de teste em pequenas empresas de desenvolvimento. O sistema auxilia na organização e no controle das atividades realizadas em um ciclo de teste e armazena o conjunto de informações geradas durante o ciclo. Como resultado, é possível monitorar de forma sistematizada, o progresso das atividades durante todo o processo, permitindo aos envolvidos organizar e acompanhar suas tarefas e informações. Desta forma, o projeto oferece uma alternativa de melhoria ao processo de teste de software em pequenas organizações, possibilitando maior eficiência na sua administração. Para trabalhos futuros, surgem possibilidades de novas funcionalidades que apoiarão as demais práticas relacionadas: possibilidade de anexar os artefatos gerados; implementação de medições de tempo de execução das atividades e controle de prazos, através de definições de tempos e prazos de início e término das atividades; disponibilização de geração de métricas e estatísticas; possibilidade de ajustar ou configurar a quantidade de etapas do processo, disponibilizando opção de retirar ou incluir fases, de acordo com a necessidade. Desta maneira, este trabalho apresenta uma opção de sistema para gestão de testes de software voltado para empresas pequenas. Sua implantação e utilização oferecerão melhores resultados em organizações que estejam familiarizadas com a utilização de um processo de teste, mas mesmo as demais organizações, que não estejam tão familiarizadas com estes procedimentos, poderão aplicá-la inicialmente para buscar aderência a um processo, aumentando a maturidade da área de teste e obtendo melhorias na administração das atividades.

14 7. Referências BASTOS, Anderson, et. al. Base de Conhecimento de Teste de Software. Niterói: Traço & Photo, CMMI Product Development Team. CMMI-SE/SW: Capability Maturity Model Integrated for Systems Engineering/Software Engineering. Pittsburgh: Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, CRESPO, A. N., et. al. Uma metodologia para teste de Software no Contexto da Melhoria de Processo. In: III Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software (SBQS), Brasília. Anais. Brasília: DF, DIAS NETO, A. C., et. al. Caracterização do Estado da Prática das Atividades de Teste de em um Cenário de Desenvolvimento de Software Brasileiro. In: V Simpósio Brasileiro de Qualidade de Software (SBQS), Vila Velha. Anais. Vila Velha: ES, JURISTO, N., et. al. (2004). Reviewing 25 years of testing technique experiments. Empirical Software Engineering. Disponível em: Acesso em junho de MATS, L. The top five software-testing problems and how to avoid them. EDN Europe, MCT. Ministério da Ciência e Tecnologia. Caracterização das organizações, Disponível em Acesso em maio de PRESSMAN, Roger S. Engenharia de Software. São Paulo: Makron Books, QUALITY CENTER. HP Quality Center: Automated software quality testing and management, version 1.5.1, Disponível em Acesso em agosto de RIOS, Emerson, MOREIRA, T. Teste de Software. Rio de Janeiro: Alta Books, SARTORI, Lucia Emi Shiraisi. Melhoria do Processo de Teste para Pequenas Empresas. Marília: Dissertação de Mestrado. Departamento de Ciência da Computação, Centro Universitário Eurípides de Marília, Fundação de Ensino Eurípides Soares da Rocha., SOMMERVILLE, Ian. Engenharia de Software. 6. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, TESTLINK. TestLink developers Community, version 1.8, Disponível em: Acesso em agosto de TESTMANAGER. IBM Rational TestManager, version , Disponível em: Acesso em agosto de TMMI Foundation. Test Maturity Model Integration (TMMi), Disponível em Acesso em abril de WEBER, Kival, et. al. Qualidade de Software: Teoria e Prática. São Paulo: Prentice Hall, 2001.

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro

Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software. Roteiro Metodologia para Planejamento, Execução e Controle de Teste de Software Arilo Claudio Dias Neto - acdn@cos.ufrj.br Gladys Machado P. S. Lima - gladysmp@cos.ufrj.br Guilherme Horta Travassos - ght@cos.ufrj.br

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Proposta de um Processo Sistematizado de Controle de Manutenção de Software para Micro e Pequenas Empresas

Proposta de um Processo Sistematizado de Controle de Manutenção de Software para Micro e Pequenas Empresas Proposta de um Processo Sistematizado de Controle de Manutenção de Software para Micro e Pequenas Empresas Dayler Vinicius M. Alves 1, Carlos Renato Storck 1 1 Instituto de Informática Pontifícia Universidade

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO

TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO TÍTULO: UM ESTUDO CONCEITUAL SOBRE CERTIFICAÇÃO DE SOFTWARE EMBARCADO AERONÁUTICO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0

AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 AUTOR: DAVID DE MIRANDA RODRIGUES CONTATO: davidmr@ifce.edu.br CURSO FIC DE PROGRAMADOR WEB VERSÃO: 1.0 SUMÁRIO 1 Conceitos Básicos... 3 1.1 O que é Software?... 3 1.2 Situações Críticas no desenvolvimento

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO

UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO UMA ABORDAGEM SOBRE TESTES AUTOMATIZADO DE SOFTWARES EM AMBIENTES DE DESENVOLVIMENTO Robson L. Nascimento 1, Késsia R. C. Marchi¹ 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil robsonluisn@yahoo.com.br,

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA COORDENAÇÃO-GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ENCARTE R ENCARTE R Estimativa de de Software Estimativa de de Software: Contratação de Serviços de Fábrica de Software Página 1 de 10 SUMÁRIO 1 REFERÊNCIAS... 3 1 INTRODUÇÃO... 3 3.1 ESTIMATIVA PRELIMINAR... 4

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Projeto 6.18 Automação de Testes Sistêmicos Funcionais

Projeto 6.18 Automação de Testes Sistêmicos Funcionais Projeto 6.18 Automação de Testes Sistêmicos Funcionais Paula Luciana F. Cunha, Rosanne M. R. Carneiro, Carlo Giovano S. Pires, Liane R. P. Bandeira, Paula M. Donegan, Camila Maia, Ana Cristina Matos 1.

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE A IMPORTÂNCIA DA ATIVIDADE DE TESTE NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Karla Pires de Souza (FPM ) karlapsouza@hotmail.com Angelita Moutin Segoria Gasparotto (FPM ) angelita@usp.br A atividade de teste de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivo Apresentar a GC (Gerencia de Configuração) no contexto da Engenharia de Software Mostrar a importância da GC no controle

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal

Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Sistemas de Informação e Programação II Odorico Machado Mendizabal Universidade Federal do Rio Grande FURG C3 Engenharia de Computação 16 e 23 de março de 2011 Processo de Desenvolvimento de Software Objetivos

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS

O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS Hélio Pereira da Rosa Neto Universidade Anhanguera-Uniderp Fernando Conter Universidade Anhanguera-Uniderp O DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA GESTÃO DE PROJETOS RESUMO Este artigo científico tem como

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste ERIKA DE FREITAS NITA CI&T SYSTEMS S/A www.cit.com.br Resumo Atualmente, a maioria das empresas de

Leia mais

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br

Retorno de Investimento em Testes. Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Retorno de Investimento em Testes Robert Pereira Pinto robert@base2.com.br Palestrante Robert Pereira Pinto Sócio diretor da Base2 Tecnologia Mestre e Bacharel em Ciência da Computação pela UFMG Certified

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista

Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Computer on the Beach 2015 - Artigos Completos 169 Diagnóstico de Processos em Organizações Intensivas em Software Usando um Sistema Especialista Chaiene M. da Silva Minella¹, Marcello Thiry¹, Anita da

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS

UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS UTILIZAÇÃO DA CRONOGRAMAÇÃO NA GERÊNCIA DE PROJETO E PROTOTIPAGEM NA VALIDAÇÃO DE REQUISITOS Ademilson Ângelo Cabral Discente do curso Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Faculdades Integradas

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema

1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação teórica 3. Desenvolvimento e Especificações do sistema SISTEMA DE CONTROLE DE INDICADORES DE DESEMPENHO VOLTADO À DISPONIBILIDADE DE SERVIÇOS DE TI BASEADO NA BIBLIOTECA ITIL V3 Eduardo Cuco Roteiroda apresentação 1. Introdução e Objetivos 2. Fundamentação

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0

VANT-EC-SAME. Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 VANT-EC-SAME Software de Suporte do VANT V-SUP Caso de Desenvolvimento Versão 1.0 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 17/0/07 1.0 Versão Inicial Douglas Moura Confidencial VANT-EC-SAME, 2007

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Sobre a Prime Control

Sobre a Prime Control Sobre a Prime Control A Prime Control é uma empresa focada e especializada em serviços de qualidade e testes de software. Somos capacitados para garantir, através de sofisticadas técnicas, a qualidade

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise

Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise CUSTOMER SUCCESS STORY Dezembro 2013 Dataprev Aumenta a Eficiência na Entrega de Projetos em 40% com CA Clarity on Premise PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0

Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Termo de Abertura Sistema de Vendas de Pizzas Online (PizzaWeb) - Versão 1.0 Versão do Documento: 1.1 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011 1.0 Montar o Termo de Abertura.

Leia mais

Gerenciamento de Incidentes

Gerenciamento de Incidentes Gerenciamento de Incidentes Os usuários do negócio ou os usuários finais solicitam os serviços de Tecnologia da Informação para melhorar a eficiência dos seus próprios processos de negócio, de forma que

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou

Verificação é um processo para se determinar se os produtos, (executáveis ou ATIVIDADES VV&T E A NORMA IEEE 1012 A qualidade do software está diretamente relacionada à satisfação do cliente, sendo assim, as empresas estão percebendo a importância em produzir software com qualidade.

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO

FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO FLEXCRM SISTEMA DE GESTÃO DE CLIENTES [MÓDULO ATENDIMENTO] SUMÁRIO 1. PORQUE A SW1... 2 2. 10 MOTIVOS PARA CONTRATAR... 2 3. ESTUDO DE CASO... 3 4. SOLUÇÃO PROPOSTA... 3 5. CONDIÇÕES COMERCIAIS... 9 6.

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes

Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes EN-3610 Gerenciamento e Interoperabilidade de Redes Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, julho de 2013 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina Apresentação do Professor Metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 SOFTWARE DE CONTROLE DE ARMAMENTO EM QUARTEL MILITAR Kahic Ribeiro de Almeida Rocha 1 ; Montgomery Scofield Ferreira Furletti; Luiz Fernando Ribeiro de Paiva¹ ¹Universidade de Uberaba - UNIUBE, Uberaba

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec

PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec PRODUTOS RIOSOFT COM SUBSÍDIO SEBRAEtec ÁREA DE NORMAS, QUALIDADE E PROCESSOS. I - NORMA ISO/IEC 29110 Micro e Pequenas Empresas focadas no desenvolvimento de software. 2) Ambiente É possível constatar,

Leia mais