Aplicando Engenharia de Processos, Gestão da Qualidade e Gestão de Projetos no desenvolvimento de software bem sucedido

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicando Engenharia de Processos, Gestão da Qualidade e Gestão de Projetos no desenvolvimento de software bem sucedido"

Transcrição

1 Aplicando Engenharia de Processos, Gestão da Qualidade e Gestão de Projetos no desenvolvimento de software bem sucedido Vitor Alcântara Batista e Bruno Santos Pimentel Synergia Engenharia de Software e Sistemas {vitor, Resumo: Diversas pesquisas e relatórios têm apresentado dados que nos levam a concluir que a gestão de projetos na área de Tecnologia da Informação, em especial no desenvolvimento de software, ainda não atingiu a mesma maturidade da gestão de projetos em outras áreas, como por exemplo, nas indústrias automobilística, aeronáutica e na construção civil. Esse artigo se propõe a relatar o modelo de gestão de projetos de software construído pelo Synergia, seus componentes e estrutura, bem como os resultados alcançados nos projetos. Tal modelo integra elementos de processo, qualidade e controle em um sólido arcabouço apoiado por ferramentas de gestão. 1. Introdução Apesar da disciplina de Gerenciamento de Projetos ser relativamente bem estabelecida, principalmente em áreas de aplicação mais tradicionais (indústria automobilística, aeronáutica, construção civil, etc.), sua difusão na área de Tecnologia da Informação (TI) ainda não alcançou um patamar adequado de maturidade. Esta realidade é ainda mais evidente no contexto nacional, em que se observa um mercado de TI extremamente pulverizado [Pratico 2006] em micro e pequenas empresas com pouca experiência e reduzida capacidade gerencial. É interessante notar que, apesar da tradição brasileira em criar talentos individuais na área de tecnologia, o número de casos de sucesso na gestão de pequenas e médias empresas de TI ainda é bastante reduzido. Como exemplo, ao se observarem estatísticas sobre a população de empresas nacionais avaliadas oficialmente no modelo CMMI (Capability Maturity Model Integration) [CMMI], observa-se que uma pequena parcela [MCT 2005] geralmente empresas de porte médio ou grande e com maior equilíbrio financeiro possui algum nível formal de capacidade. Essa característica é ressaltada quando se comparam dados do estado de Minas Gerais [Pratico 2006] com outros estados. De fato, existem outros modelos de maturidade teoricamente mais acessíveis a pequenas empresas, como o MPS.Br [MPSBR 2006], por exemplo. No entanto, a questão que se coloca é a grande distância entre os níveis atual e desejado de maturidade técnica e gerencial dessas empresas. Apesar de modelos de maturidade como o CMMI e o MPS.Br definirem um conjunto completo de boas práticas em áreas de processos técnicos e gerenciais, a implantação e efetiva aplicação destes processos independe do investimento em uma avaliação formal por entidades oficiais. A experiência de empresas bem-sucedidas na área de TI mostra que a aplicação de conceitos sólidos e maduros de gerenciamento, em especial o gerenciamento de projetos, tende a produzir resultados significativos em termos de previsibilidade, qualidade e produtividade. De fato, o gerenciamento de projetos é uma área de processos fundamental nos níveis iniciais de maturidade dos modelos CMMI e MPS.Br. Dado esse cenário, o presente artigo se propõe a apresentar um modelo de gestão de projetos consolidado, ilustrado em um caso bem sucedido de integração entre processo de desenvolvimento e processo de gerenciamento de projetos em uma organização de pequeno 1

2 porte especializada em Engenharia de Software. Além da personalização e implantação de um processo de desenvolvimento formal e orientado aos resultados dos projetos, definiu-se um conjunto de ferramentas de suporte que difundem o conhecimento e consolidam a aplicação adequada das técnicas de planejamento e controle de projetos. A utilização deste arcabouço vem promovendo resultados cada vez positivos em termos de controle, qualidade e produtividade nos projetos desenvolvidos. O restante do artigo está dividido da seguinte forma: a Seção 2 apresenta o processo de desenvolvimento de software denominado Praxis-Synergia. As Seções 3, 4 e 5 descrevem respectivamente como a Engenharia de Processos, a Gestão da Qualidade e a Gestão de Projetos são tratados no Praxis-Synergia. A Seção 6 apresenta o modelo de gestão de projetos de software do Praxis-Synergia e sua aplicação na organização. A Seção 7 conclui o artigo, apresentando resultados qualitativos e quantitativos da aplicação do modelo proposto. 2. O Praxis-Synergia O Praxis (PRocesso para Aplicativos extensíveis InterativoS) original, ou educacional, é um processo de desenvolvimento de software idealizado com o propósito de ensinar Engenharia de Software a alunos de graduação. O processo vem sendo usado em turmas de graduação e especialização em Ciência da Computação na Universidade Federal de Minas Gerais por quase uma década. Durante todos esses anos ele sofreu alterações e melhorias baseadas nas observações de seu autor nos trabalhos práticos dos alunos, gerando significativos resultados acadêmicos [Pádua 2006]. O Praxis foi adotado e personalizado pelo Synergia [Pimentel 2006] Laboratório de Engenharia de Software e Sistemas do Departamento de Ciência da Computação da UFMG em projetos reais de desenvolvimento de sistemas de informação gerencial de grande porte. O Synergia possui uma organização orientada por projetos, estando dividido em quatro unidades de negócio: Produtos, Processos, Marketing e Administração. O corpo técnico está organizado em equipes de projeto multifuncionais, com papéis de especificação, desenvolvimento, testes e qualidade, usabilidade, engenharia de processos e gestão de projetos. Por ter sua origem no Praxis educacional, o Praxis-Synergia também contém diversos elementos do PSP (Personal Software Process), TSP (Team Software Process), UP (Unified Process) [Filho 2003] e aplica diversas das melhores práticas do SWEBoK (Software Engineering Body of Knowlegde) [SWEBoK 2004] e CMMI. Com o uso em projetos reais e de grande porte o processo passou por diversas melhorias e personalizações, principalmente na disciplina de Gestão de Projetos, onde conceitos do PMBoK [PMBoK 2004] foram incorporados. A inclusão das disciplinas de Usabilidade e Modelagem de Negócio foram outras melhorias importantes. O Praxis-Synergia é constituído pelos seguintes componentes: Modelo do processo: ciclo de vida e disciplinas conceituais. Artefatos do processo: documentos, modelos e relatórios. Papéis: perfis de profissionais e suas responsabilidades. Tarefas: conjunto de passos fundamentados nas disciplinas e executados pelos papéis. Orientações: conceitos, diretrizes, exemplos, padrões, procedimentos e tutoriais. O ciclo de vida de um projeto de desenvolvimento de software que segue o Praxis-Synergia é representado na Figura 1. O processo é definido de acordo com uma estrutura matricial que correlaciona as dimensões temporal fases e iterações (subdivisões das fases) e conceitual disciplinas de Engenharia de Software e Gestão de Projetos de um projeto de desenvolvimento de software. 2

3 Figura 1 Ciclo de vida e disciplinas do Praxis-Synergia. A tabela abaixo descreve brevemente os objetivos de cada fase e iteração no Praxis-Synergia. No processo, o ciclo de vida de um projeto típico de desenvolvimento de software obrigatoriamente inclui todas as fases e iterações, sendo que uma ou mais liberações (Ln) de resultados intermediários podem ser realizadas, como forma de controle e aceitação do escopo do projeto pelos clientes. Fase Sigla Iteração Objetivo Concepção Elaboração Construção AT Ativação Levantamento e análise das necessidades dos usuários e conceitos da aplicação, em nível de detalhe suficiente para justificar a especificação de um produto de software. MN Modelagem de Definição da visão geral do negócio, possibilitando a identificação das Negócio necessidades de sistemas da organização. IR Identificação de Identificação preliminar das funções do produto para permitir o planejamento requisitos adequado da fase de Elaboração. LR Levantamento de Levantamento de requisitos funcionais e não-funcionais do produto em nível requisitos de detalhe suficiente para determinar sua viabilidade de desenvolvimento. AR Modelagem conceitual dos elementos do problema, validando os requisitos e Análise dos definindo a arquitetura, em detalhe suficiente para o planejamento da fase de Requisitos Construção. DI Desenho Implementação de um subconjunto crítico de funções do produto, validando a Implementável tecnologia e determinando a produtividade de desenvolvimento. Ln Liberação n Implementação de um subconjunto de funções do produto que será avaliado pelos usuários. TA Testes Alfa Realização dos testes de sistema no ambiente de desenvolvimento. TB Testes Beta Realização dos testes de aceitação, no ambiente dos usuários. Transição OP Operação Piloto Operação do produto em instalação piloto do cliente, em período de garantia. Tabela 1 - Fases e iterações do Praxis-Synergia. O Praxis-Synergia recebeu influências do SWEBoK e por esse motivo, diferentemente do PMBoK, trata a Gestão da Qualidade no mesmo nível da Gestão de Projetos. Essa característica confere um caráter de imparcialidade entre controle e garantia da qualidade e a gestão do projeto. Um mapeamento das disciplinas do Praxis-Synergia para as áreas de conhecimento do PMBoK e SWEBoK está presente na Tabela 2. 3

4 Gerenciais Técnicas Disciplinas do Praxis-Synergia Áreas de conhecimento do PMBoK Áreas de conhecimento do SWEBoK Requisitos - Software Requirements Análise - Software Requirements Desenho - Software Design Implementação - Software Construction Testes - Software Testing Usabilidade - - Modelagem de Negócio - - Integração Escopo Tempo Gestão de Projetos Custos Recursos Humanos Software Engineering Management Comunicações Riscos Aquisições Gestão da Qualidade Engenharia de Processos Qualidade Qualidade Recursos Humanos Tabela 2 - Mapeamento Praxis-Synergia x PMBoK x SWEBoK Software Maintenance Software Configuration Management Software Quality Software Engineering Process Software Engineering Tools and Methods O modelo de gestão apresentado nesse artigo utiliza como elementos principais as disciplinas gerenciais do Praxis-Synergia: Engenharia de Processos, Gestão da Qualidade e Gestão de Projetos. As três próximas seções descrevem brevemente cada uma dessas disciplinas e como elas apóiam a execução bem sucedida de um projeto de desenvolvimento de software. 3. Engenharia de Processos Os principais elementos da disciplina Engenharia de Processos, no que diz respeito à adequada execução dos projetos, são descritos abaixo: Melhoria de Processos: Melhorias pontuais no processo são implantadas prontamente e comunicadas a toda a equipe. Modificações de maior porte envolvem projetos-piloto antes de torná-las elementos oficiais do processo. Melhoria de Tecnologia: A escolha de uma nova ferramenta ou atualização de versões é sempre alvo de estudos de avaliação técnica, analisando o impacto sobre os padrões existentes, capacitação da equipe e custos financeiros. Gestão de Métricas: Métricas a serem coletadas nos projetos devem ser definidas, analisadas e reportadas. Essas métricas são extraídas de artefatos e repositórios de ferramentas, sendo consolidadas ao final de cada projeto. O objetivo maior da Engenharia de Processos é o aperfeiçoamento tático e operacional da organização, no que diz respeito às disciplinas técnicas e gerenciais. A execução das atividades de Engenharia de Processos é de responsabilidade de uma equipe independente de projetos, de forma a garantir a imparcialidade e promover a consolidação dos processos e do conhecimento no nível da organização. O esforço de melhoria técnica é normalmente orientado pelos conceitos do CMMI, enquanto o esforço de melhoria gerencial é normalmente orientado pelos conceitos do PMBoK. 4

5 4. Gestão da Qualidade Um produto de software de qualidade é definido como aquele que causa nenhum ou poucos problemas, de impacto limitado, ao cliente [Tian 2005]. O custo de remoção de defeitos em um produto aumenta com o avanço nas etapas do desenvolvimento [Galin 2004]. Etapa do desenvolvimento Custo médio relativo do defeito Especificação de requisitos 1 x Desenho 2,5 x Testes de unidade 6,5 x Testes de integração de caso de uso 16 x Testes de sistema/aceitação 40 x Operação pelo cliente 110 x Tabela 3 - Custo relativo de remoção de defeitos. Para garantir o desenvolvimento de produtos de software de qualidade, o Praxis-Synergia define diversos procedimentos de qualidade ao longo do ciclo de vida do projeto, tentando remover defeitos o mais cedo possível e evitando que apareçam em operação no cliente. Tais procedimentos incluem inspeções e revisões [IEEE 1997], além de testes funcionais (requisitos do produto) e não-funcionais (desempenho, usabilidade, etc.). O escopo de um produto de software é dividido em casos de uso, que formam unidades coerentes de funcionalidade e capturam os requisitos do cliente. O progresso do desenvolvimento dos casos de uso é medido por estados que representam marcos no projeto e pontos concretos de validação pelo cliente. A progressão entre os estados é restrita à aprovação de conjuntos específicos de procedimentos de qualidade. Como exemplo, a evolução de um caso de uso evoluir para o estado Especificado depende da aprovação de sua especificação de testes em uma inspeção. Além dos procedimentos de qualidade executados sobre cada caso de uso, ao final de cada iteração do ciclo de vida do projeto, é realizada uma auditoria de qualidade por um grupo independente. Essa auditoria é feita sobre os artefatos produzidos na iteração com o objetivo de verificar a conformidade do processo executado em relação aos padrões oficiais. 5. Gestão de Projetos Como mencionado anteriormente, os maiores investimentos de melhoria e evolução recebidos pelo Praxis-Synergia concentraram-se na disciplina Gestão de Projetos, a qual incorporou diversos conceitos do PMBoK. Nessa seção será apresentado como o Praxis-Synergia aborda cada um dos grupos de processos de gestão de projetos. A iteração Ativação (Tabela 1) é dedicada aos processos de iniciação. Nela ocorre a confecção da proposta de especificação de software, que contém a declaração do escopo do produto a ser desenvolvido, as metas gerenciais de prazo e custo, um cronograma macro do projeto e a estimativa inicial do tamanho do produto em pontos de função, métrica bastante difundida para representar tamanho de software [Garmus 2000]. A partir da Ativação, os processos de planejamento acontecem de forma iterativa: ao final de cada iteração planeja-se com detalhes a iteração seguinte, planejando escopo, prazo, esforço, recursos, custos e riscos. O Praxis-Synergia define completamente a documentação básica de cada projeto padronizando a descrição dos processos de planejamento. Dessa forma, como a seqüência das atividades já está definida, evita-se que tarefas importantes deixem de ser planejadas. A estrutura, no entanto, é flexível o suficiente para permitir a adição de tarefas específicas de um projeto ao plano. Da mesma forma, quando há necessidade de personalizações, apenas as alterações necessitam serem registradas em documento próprio. 5

6 Os processos de monitoramento e controle são executados com o auxílio de ferramentas automatizadas de medição dos valores reais de esforço e prazo do projeto, possibilitando um acompanhamento quantitativo por meio da análise de valor adquirido. Relatórios de progresso são apresentados à gerência executiva, com quem o gerente do projeto discute eventuais questões pertinentes à manutenção dos compromissos com os clientes. Os processos de execução, no Praxis-Synergia, são em sua maioria tratados em disciplinas técnicas e não na Gestão de Projetos. A realização de auditorias de qualidade é responsabilidade da Gestão da Qualidade, realizada por um grupo independente do projeto. A capacitação das equipes é organizada por um grupo de treinamento composto por integrantes das equipes de Processos e Qualidade. A distribuição de informações é feita por meio dos artefatos oficiais do processo, como os relatórios, para acesso da equipe do projeto. Ao final de cada iteração é feita uma reunião de retrospectiva, onde ocorre o registro de lições aprendidas em uma reunião com toda a equipe do projeto. Ao final do projeto os resultados das retrospectivas são consolidados e arquivados juntamente com os termos de aceitação do produto pelo cliente, formalizando os processos de encerramento. 6. Colocando tudo junto um modelo de gestão de projetos de software As seções anteriores detalharam as três disciplinas gerenciais do Praxis-Synergia, as quais colaboram entre si para definir um modelo de gestão de projetos de desenvolvimento software (Figura 2). A Engenharia de Processos define o ciclo de vida, os procedimentos que devem ser executados, os perfis responsáveis pela execução e os artefatos que devem ser produzidos em um projeto. A Gestão de Projetos, em conformidade com o processo definido, planeja, executa, controla e finaliza os projetos. A Gestão da Qualidade realiza revisões e inspeções no escopo do projeto, medindo a eficiência e eficácia do processo. Figura 2 Modelo de gestão de projetos de software do Praxis-Synergia. Esse modelo de gestão, apesar de genérico, deve ser implementado com o suporte de ferramentas informatizadas, de modo a viabilizar sua execução. Tais ferramentas devem permitir a representação dos seguintes elementos do modelo de gestão: Modelo do Processo: Representação do ciclo de vida do processo, conceitos das disciplinas, gabaritos, padrões e procedimentos, bem como critérios de aceitação. Planejamento e controle: Instanciação do plano de projeto, representando o escopo do projeto e do produto, marcos de projeto, prazos e custos, planejados e reais. 6

7 Análise de desempenho: Representação das métricas do projeto, facilitando a identificação dos fatores positivos e negativos sobre seu desempenho. É importante notar que os elementos do modelo podem ser instanciados com qualquer conjunto de ferramentas que atendam os requisitos acima. Em seguida, ilustraremos o modelo de gestão apresentado por meio de uma dessas possíveis instâncias de ferramental. Modelo do Processo O modelo do Praxis-Synergia foi construído a partir de uma ferramenta de modelagem que permite a geração de um portal de conteúdo, organizando a documentação do processo e facilitando a consulta pelas equipes. A figura abaixo ilustra parte da documentação de uma das atividades do ciclo de vida do projeto, evidenciando os fundamentos de execução da atividade, o conjunto de tarefas relacionadas, os perfis responsáveis pela execução, os insumos e resultados produzidos e os marcos de escopo do produto. Figura 3 - Portal do processo Praxis-Synergia A navegação pelo portal é bastante intuitiva e promove a distribuição do conhecimento entre as equipes de projeto, facilitando especialmente a capacitação de novos integrantes e reduzindo o tempo de latência até sua total capacidade de produção. A qualquer momento, qualquer colaborador pode apresentar solicitações de ajustes, sugestões de melhoria, ou outras contribuições por meio de uma funcionalidade de feedback. Tais solicitações são analisadas e implementadas pela Engenharia de Processos, com o suporte da Gestão da Qualidade. Planejamento e controle A partir do modelo do processo, é possível obter-se o gabarito do plano do projeto de forma automática, promovendo o alinhamento entre a definição do ciclo de vida do projeto e sua efetiva implementação. A Figura 4 ilustra a ferramenta de planejamento e controle, mostrando o trecho do gabarito do plano de projeto correspondente à representação conceitual da atividade construção do caso de uso apresentada na Figura 3. É possível notar que plano de projeto contém todas as atividades do processo, suas interdependências e o perfil de profissional responsável por sua execução. Ainda, os estados dos casos de uso (Seção 4) tornam-se marcos no plano do projeto. 7

8 Figura 4 - Gabarito de planejamento de projeto Embora a ferramenta de planejamento e controle seja bastante útil ao gerente do projeto, a comunicação com a equipe é facilitada pela utilização de uma ferramenta de gestão de tarefas. Esta se integra à primeira, possibilitando a delegação das tarefas à equipe e permitindo que cada colaborador conheça detalhes de suas atividades (metas de prazo e esforço, bem como a descrição e referência da tarefa no modelo do processo) e registre os prazos e o esforço real nelas empenhado. A ferramenta de gestão de tarefas também permite o gerenciamento dos riscos do projeto e o acompanhamento dos defeitos encontrados pelos procedimentos de qualidade do processo. Este último possibilita a avaliação da qualidade dos resultados produzidos e o nível de retrabalho gerado no projeto. A Figura 5 ilustra a interface gráfica da ferramenta de gestão de tarefas. Figura 5 - Ferramenta de gestão de tarefas, revisões e defeitos. Uma funcionalidade de sincronização permite que os esforços e durações reais das tarefas possam ser remetidos de volta à ferramenta de planejamento e controle, possibilitando a avaliação do desempenho do projeto, a comparação com a linha de base e a avaliação de alterações no caminho crítico. 8

9 Análise de desempenho As ferramentas descritas na seção anterior permitem a coleta de métricas importantes para a análise de desempenho do projeto. Periodicamente, o gerente do projeto realiza uma consolidação dos dados coletados de forma a produzir relatórios de acompanhamento do projeto. Tais relatórios contêm análises dos resultados quantitativos de prazo, esforço, custo e qualidade do projeto, além de uma avaliação qualitativa das pendências e dos riscos. A análise quantitativa é feita por meio da técnica de análise de valor adquirido, que é a principal ferramenta de acompanhamento, tanto pelos gerentes de projeto, quanto pela gerência executiva. As curvas e indicadores de valor adquirido são gerados com valores diários, permitindo detectar e corrigir eventuais desvios de prazo e custo tempestivamente. A Figura 6 mostra um exemplo de relatório de análise de desempenho DI L Distribuição de defeitos por caso de uso % 12% 46% Cadastro de fornecedores Relatório de pedidos Controle de estoque CPI: 1,01 SPI: 0, Planejado Real Adquirido /4/ /4/ /4/2005 2/5/2005 9/5/ /5/ /5/ /5/2005 6/6/ /6/2005 Figura 6 Análise de desempenho de projeto. A partir da consolidação das análises de desempenho projeto e dos registros das retrospectivas, a Engenharia de Processos e a Gestão da Qualidade podem promover melhorias nos Praxis-Synergia. 7. Conclusões O modelo de gestão apresentado nesse artigo e instanciado no processo Praxis-Synergia possibilita a aplicação de importantes conceitos de gerenciamento de projetos em organizações de TI, em especial aquelas que trabalham com desenvolvimento de software. A utilização adequada do arcabouço permite a obtenção de importantes resultados em termos de compromissos de prazos, custos e qualidade. O nível de qualidade de um produto de software pode ser medido de acordo com a densidade de defeitos, ou seja, a quantidade, por ponto de função, de defeitos encontrados pelo cliente durante o primeiro ano de uso do produto. A Tabela 3 ilustra um trecho do relatório apresentado pela Software Productivity Research [Jones 2002], correlacionando o nível de qualidade de produtos de software, a eficiência de remoção e a maturidade da organização. Dados coletados em projetos realizados com o Praxis-Synergia, considerando produtos de até pontos de função, mostram que a densidade de defeitos obtida é semelhante à média das organizações avaliadas como SW-CMM nível 5. A média da densidade apurada nesses projetos foi de 0,0178 com mediana 0,0129 e desvio padrão de 0,0158 defeitos por ponto de função. Esses resultados estão em conformidade com a definição de software de qualidade 9

10 descrita no início da seção 4 e ilustram a aplicação do modelo de gestão do Praxis-Synergia no desenvolvimento bem sucedido de projetos de software. Nível de maturidade SW-CMM Defeitos potenciais Eficiência de remoção Defeitos entregues ao cliente Nível 1 5,0 80% 1,00 Nível 2 4,0 90% 0,40 Nível 3 3,0 95% 0,15 Nível 4 2,0 97% 0,08 Nível 5 1,0 99% 0,01 Tabela 3 Densidade de defeitos de produtos de software de acordo com o nível de maturidade. É importante ressaltar que o modelo de gestão aqui apresentado é genérico e independente de um ferramental específico, desde que este contenha os elementos de processo, planejamento e controle, e análise de desempenho. Acredita-se que sua utilização por organizações de pequeno e médio porte possa aumentar significativamente o grau de maturidade gerencial e consequentemente a eficiência dos projetos desenvolvidos. 8. Referências [Booch 1999] BOOCH, G.; RUMBAUGH, J.; JACOBSON, I., The Unified Modeling Language Reference manual - Addison-Wesley [CMMI] CARNEGIE MELLON / SOFTWARE ENGINEERING INSTITUTE - Capability Maturity Model Integration, Disponível em: Acessado em 13/09/2006. [Filho 2003] PAULA FILHO, Wilson de Pádua, Engenharia de software; fundamentos, métodos e padrões, 2.ed, 2003, Rio de Janeiro, Editora LTC. [Garmus 2000] Garmus, David and Herron, David Function Point Analysis: Measurement Practices for Successful Software Projects Addison-Wesley [Galin 2004] Galin, Daniel Software Quality Assurance From theory to implementation Person, Addison- Wesley [IEEE 1997] Software Engineering Standards Committee of the IEEE Computer Society, IEEE Standard for Software Reviews: , [Jones 2002] SOFTWARE PRODUCTIVITY RESEARCH, Software Quality in 2002: a survey of the state of the art, Disponível em: ALITY_IN_2002_CAPERS_JONES.pdf. Acesso em 13/09/2006. [MCT 2005] MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA / SECRETARIA DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, Qualificação CMM e CMMI no Brasil, 2005, Disponível em: Acesso em: 13/09/2006. [MPSBR 2006] SOFTEX, Melhoria de Processo do Software Brasileiro, 2006, Disponível em: Acesso em: 13/09/2006. [Pádua 2006] PÁDUA, Clarindo, Transitioning model-driven development from academia to real life, Proceedings of Educators' Symposium of the ACM/IEEE 9th International Conference on Model Driven Engineering Languages and Systems. Genova, Italy, Oct (to appear). [Pimentel 2006] PIMENTEL, Bruno et al, Synergia A Software Engineering Laboratory to Bridge the Gap between University and Industry, Proceedings of the Third International Summit on Software Engineering Education (SSEE III), 28th. International Conference on Software Engineering, Shanghai China. [PMBoK 2004] PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, A Guide to Project Management Body of Knowlegde, 3rd. edition, [Pratico 2006] LABORATÓRIO SYNERGIA/DCC /UFMG PrATIco (Processo de aquisição de produtos e serviços de tecnologia): resultados de pesquisa, 2006, Disponível em: Acesso em 13/09/2006. [SWEBoK 2004] IEEE COMPUTER SOCIETY (Org.), Guide for Software Engineering Body of Knowlegde, Disponível em Acesso em 13/09/2006. [Tian 2005] TIAN, Jeff Software Quality Engineering. John Wiley and Sons, Inc.; IEEE Computer Society Press

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: GERÊNCIA DE

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

CMMI: Capability Maturity Model Integration

CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model Integration Adriano J. Holanda http://holanda.xyz 21/10/2015 Adriano J. Holandahttp://holanda.xyz CMMI: Capability Maturity Model Integration CMMI: Capability Maturity Model

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte II Agenda sumária dos Processos em suas categorias e níveis de maturidade

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Guide to the SWEBOK (Guide to the Software Engineering Body of Knowledge) IEEE Computer Society Professor José Eduardo A. de O. Teixeira - Slide 1 IEEE Institute of Eletric and Eletronic

Leia mais

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos

UNIP Ciência da Computação / Sistemas de Informação TED I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos I - Orientações Gerais para Elaboração dos Documentos A seguir, orientações fundamentais para a elaboração dos documentos do projeto, tendo em vista a complexidade inerente neste processo. Este roteiro

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Engenharia de Software Código da Matriz Curricular: 105P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Qualidade de software É cada dia maior o número de empresas que buscam melhorias em seus processos de desenvolvimento de software. Além do aumento da produtividade e da diminuição do retrabalho, elas buscam

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Curso de Arquivologia Profa. Lillian Alvares O Project Management Institute é uma entidade sem fins lucrativos voltada ao Gerenciamento de Projetos.

Leia mais

são capturados de forma sistemática e intuitiva por meio de casos de uso.

são capturados de forma sistemática e intuitiva por meio de casos de uso. Prevenção de defeitos em Requisitos de Software: Uma caracterização do processo de melhoria Daniela C. C. Peixoto (Synergia, DCC/UFMG), Clarindo Isaías P. S. Pádua (Synergia, DCC/UFMG), Eveline A. Veloso

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br

Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Modelos de Processo Pessoal e de Equipe na Melhoria da Qualidade em Produção de Software Profa. Dra. Ana Paula Gonçalves Serra prof.anapaula@saojudas.br Agenda Importância das Pessoas / Constatações Compromisso

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais

GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais GPAD Gestão de Projetos em Ambientes Digitais Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP Prof. Eduardo Savino Gomes 1 Afinal, o que vem a ser Gestão? 2 Gestão/Gerir/Gerenciar Gerenciar, administrar, coordenar

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: - I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Gerência de Projetos (GEP) CH: 72 h/a Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação Semestre: 2011/1 Fase: 8ª

Leia mais

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza

A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G. por Adriana Silveira de Souza A visão do modelo MPS.BR para Gerência de Projeto - Nível G por Adriana Silveira de Souza Agenda Visão Geral do MPS.BR Processos e Capacidade de Processo Níveis de Maturidade Atributos de Processo Processo

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira

Introdução ao MPS.BR Guia Geral. Prof. Elias Batista Ferreira Introdução ao MPS.BR Guia Geral Prof. Elias Batista Ferreira IMPORTANTE Este NÃO é um curso oficial do MPS.BR. Este curso NÃO é apoiado pela Softex. Objetivo deste Curso Descrever os processos e resultados

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP

Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP DARCI PRADO Questionário de Avaliação de Maturidade Setorial: Modelo de Maturidade Prado-MMGP Versão 2.0.0 Janeiro 2014 Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" 3ª Edição (a publicar)

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

Garantia da Qualidade de Software

Garantia da Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Garantia da Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas e Naturais

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Planejamento Iterativo

Planejamento Iterativo Planejamento Iterativo Planejando as Fases e Iterações Hermano Perrelli hermano@cin.ufpe.br 1 Revisando Processo iterativo Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Req A&P Imp I/T Imp Iteração 1 Iteração

Leia mais

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software

6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software 6.46 - RiskFree Uma ferramenta de apoio à gerência de riscos em projetos de software Alunos Filipi Silveira Flávio Knob Orientadores Afonso Orth Rafael Prikladnicki Agenda O problema O processo O projeto

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão

Cap a í p t í ul u o l o 8 : 8 C on o c n l c u l s u ã s o IC-UNICAMP Capítulo 8: Conclusão Capítulo 8: Conclusão Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo 7: SPICE Capítulo

Leia mais

PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PMBOK EM ORGANIZAÇÕES DE SOFTWARE PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PMBOK EM ORGANIZAÇÕES DE SOFTWARE PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PMBOK EM ORGANIZAÇÕES DE SOFTWARE PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno: Marcus

Leia mais

A Disciplina Gerência de Projetos

A Disciplina Gerência de Projetos A Disciplina Gerência de Projetos Atividades, Artefatos e Responsabilidades hermano@cin.ufpe.br Objetivos Apresentar atividades da disciplina Gerência de Projetos Discutir os artefatos e responsáveis envolvidos

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Análise de Pontos por Função

Análise de Pontos por Função Análise de Pontos por Função Uma Aplicação na Gerência de Subcontratação de Software Claudia Hazan, MSc. Certified Function Point Specialist Agenda! Introdução à Gerência de Subcontratação! Melhores Práticas:!

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI?

SISTEMA. Tecnologia. Software. Hardware. Prazos. Pessoas. Qualidade. Custo GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? GERENCIAMENTO DE RISCO: COMO GARANTIR O SUCESSO DOS PROJETOS DE TI? Os projetos de Tecnologia de Informação possuem características marcantes, que os diferencia dos demais são projetos onde o controle

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL Cristiane Machado de Vargas 1 Ana Marcia Debiasi Duarte 2

Leia mais

Mensuração em software

Mensuração em software SIMPROS 2003 Um Modelo de Medição para Processos de Desenvolvimento de Software Eduardo Pereira Borges Wilson de Pádua Paula Filho Mensuração em software Processo de definir, coletar, analisar e agir sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO Departamento: Disciplina: Pré-Requisitos: I D E N T I F I C A Ç Ã O Sistemas de Informação Engenharia de Software Aplicada (ESA) Engenharia de Software (ES) CH: 7 Curso: Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática

Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Disciplina: INF5008 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 3. Gerência de

Leia mais

Sumário. Prefácio...14. Capítulo 1 O que é qualidade?...17. Capítulo 2 Normas e organismos normativos...43. Capítulo 3 Métricas: visão geral...

Sumário. Prefácio...14. Capítulo 1 O que é qualidade?...17. Capítulo 2 Normas e organismos normativos...43. Capítulo 3 Métricas: visão geral... Prefácio...14 Capítulo 1 O que é qualidade?...17 1.1 História... 17 1.2 Uma crise de mais de trinta anos...20 1.3 Qualidade e requisitos...25 1.4 Papel da subjetividade...27 1.5 Qualidade e bugs I: insetos

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Borland: Informatizando TI João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Software Diferentes Níveis Extrair o Máximo Valor para o Negócio Eficiência Vantagem Competitiva Copyright 2007 Borland Software Corporation.

Leia mais

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO

GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO DO PROJETO Estevanir Sausen¹, Patricia Mozzaquatro² ¹Acadêmico do Curso de Ciência da Computação ²Professor(a) do Curso de Ciência da Computação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ)

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa

Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Aplicação da ISO/IEC TR 15504 na Melhoria do Processo de Desenvolvimento de Software de uma Pequena Empresa Odair Jacinto da Silva 1, Carlos Alberto Borges 1, Clênio Sampaio Salviano 2, Adalberto N. Crespo

Leia mais

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário

Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL. Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Reutilização no MPS.BR e no projeto Cooperativa MPS.BR SOFTSUL Porto Alegre, Agosto de 2008. Sumário Apresentação Programa MPS.BR Reutilização no MPS.BR Gerência de reutilização Desenvolvimento para reutilização

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas

Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Programa MPS.BR: resultados e perspectivas Ana Regina Rocha Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Coordenadora da Equipe Técnica do Modelo MPS Uma Organização com bom desempenho gasta 80% de

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Aula Nº 13 Fechamento do projeto

Aula Nº 13 Fechamento do projeto Aula Nº 13 Fechamento do projeto Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam apresentar como se encerra o ciclo de vida de um projeto. Para tal, pretende-se verificar as derradeiras providências que

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV

Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Estudo de caso para implantação do modelo MR-MPS-SV Giovani Hipolito Maroneze 1, Jacques Duílio Branches 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.001 86.057-970

Leia mais

Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG. Definindo e Alcançando Objetivos

Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG. Definindo e Alcançando Objetivos Derivação de Métricas para Projetos de BI Mauricio Aguiar ti MÉTRICAS Presidente do Quality Assurance Institute QAI Brasil Presidente do International Function Point Users Group IFPUG www.metricas.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI

[6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI [6.46] RiskFree: Uma Ferramenta para Gerência de Risco em Projetos de Software em conformidade com o nível 3 do modelo CMMI Flávio Franco Knob, Filipi Pereira da Silveira, Afonso Inácio Orth, Rafael Prikladnicki

Leia mais

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional

Dificuldades no desenvolvimento de software Características do mercado de software A participação de Minas Gerais no cenário nacional Promovendo a Melhoria de Processos e a Qualidade de Software em Minas Gerais Ana Liddy Cenni de Castro Magalhães, Fernando Silva Parreiras, Frederico Faria Comitê Gestor do SPIN-BH Direitos reservados

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br

Modernização e Evolução do Acervo de Software. Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Modernização e Evolução do Acervo de Software Gustavo Robichez de Carvalho guga@les.inf.puc-rio.br Tópicos 1. Estudo Amplo sobre Modernização 2. Visão IBM Enterprise Modernization 3. Discussão - Aplicação

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS

Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Resultados alcançados com a Ferramenta Channel em implementação de sucesso da Gerência de Projetos no nível G de maturidade do MR-MPS Mauricio Fiorese 1, Alessandra Zoucas 2 e Marcello Thiry 2 1 JExperts

Leia mais

Synergia. Synergia. Treinamento em Análise de Pontos de Função 1

Synergia. Synergia. Treinamento em Análise de Pontos de Função 1 Treinamento em Análise de Pontos de Função 1 Synergia Synergia O Synergia é o laboratório de Engenharia de Software do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG),

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano

Unidade I GERENCIAMENTO DE. Profa. Celia Corigliano Unidade I GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Objetivo Estimular o aluno no aprofundamento do conhecimento das técnicas de gestão profissional de projetos do PMI. Desenvolver em aula

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais