Planeamento estratégico das pessoas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planeamento estratégico das pessoas"

Transcrição

1

2 tma d capa Plaamto stratégico das pssoas Aprovitar a rgia colctiva potciar a sua quipa é agora o grad dsafio. O Stratgic Workforc Plaig é o rotiro idal para sta viagm. Por Publicado com autorização. A adaptação do txto origial é da rsposabilidad da Huma Rsourcs portugal. grafismo hay group 20 // Huma Rsourcs Portugal // Fvriro 2015

3 Os gocios sgum uma stratgia. Estas stratégias rqurm comptêcias. E ssas comptêcias rqurm pssoas. Quado um rtalhista comça a utilizar ovos caais digitais, a par dos tradicioais, é cssário ruir pssoas com comptêcias cohcimtos para apoiarm ssa mudaça. Pssoas qu assgurm a cadia d distribuição, saibam grir dados tham xpriêcia o cotacto com o clit. E é st o motivo por qu as pssoas são tão ssciais para o gócio, para a maioria das orgaizaçõs, são o su maior ivstimto. Mas isto ão sigifica qu é fácil cotrá-las. A volução galopat da tcologia tm ditado a altração dos rquisitos trasformado as comptêcias críticas mais procuradas. E uma altura m qu xist uma autêtica gurra plo talto, ivstir as pssoas crtas é mais importat do qu uca. Aida assim, xistm muitas mprsas qu ão cotrolam o su ivstimto as pssoas. E é aqui qu a abordagm Stratgic Workforc Plaig actua. Ou sja, matrializa a possibilidad d cotrolar mdir o ivstimto m capital humao, garatido a sua mautção cosistt, à smlhaça do qu já faz com outros ivstimtos. Existm dois ívis o Stratgic Workforc Plaig - a optimização da força d trabalho hoj, qu s basia sscialmt a potciação da produtividad; a criação d cários hipotéticos, qu prmit trasformar a sua stratégia as comptêcias d qu irá cssitar o futuro. Fazr prvisõs ão é fácil, mas dpois d cohcr sta abordagm, ficará mais capaz d prparar a sua mprsa para os dsafios do futuro. As pssoas são a chav para grar um dsmpho coómico d xclêcia. O grad dsafio agora é aprovitar a rgia colctiva potciar os rcursos humaos da sua mprsa. o Stratgic Workforc Plaig é o rotiro idal para sta viagm. Por Eric S. Plltir - Dirctor global - stratgic orkforc plaig Fvriro 2015 // Huma Rsourcs Portugal // 21

4 tma d capa Com qu qustos stamos a lidar? O custo com pssoal é, provavlmt, uma das maiors fatias fiaciras da sua mprsa. É o su grad ivstimto. As pssoas rprstam as comptêcias stratégicas rúm as capacidads d qu cssita para alavacar a sua stratégia. As pssoas gram dsmpho coómico, quado bm orgaizadas, são uma vatagm comptitiva. Prdr um ciclo coómico sigi fica, muitas vzs, a mort para a mprsa. Uma das implicaçõs da rdução dos príodos cíclicos stá a icapacidad d as uivrsidads produzirm pssoas formadas com as comptêcias cssárias. Além disso, quado uma mprsa compt o produto, também compt a aquisição das pssoas crtas, ou sja, as msmas pssoas crtas. É sta a gurra do talto. O Stratgic Workforc Plaig rspod a sts dsafios, idtificado as pssoas crtas, hoj amahã, com as comptêcias crtas, plo custo crto. Actualmt, sta é uma missão importat para os RH. E srá também uma missão crucial para os RH do futuro. Est é o momto m qu importats dcisõs tomadas plos RH passam das políticas d rcrutamto para a dfiição d plaos d formação dsvolvimto, do dsho d fuçõs para a optimização do dsho orgaizacioal, vcdo a gurra plo talto. O Stratgic Workforc Plaig é importat para toda a mprsa, do CEO ao CFO, passado plos lídrs das uidads d gócio. Porqu são as pssoas qu fazm a stratégia acotcr. Ruir as pssoas crtas é um assuto chav a agda do CEO. Através da idtificação das comptêcias stratégicas das pssoas com as capacidads crtas, é possívl criar uma vatagm comptitiva para a mprsa, ajudado a mlhorar o dsmpho coómico, torado os RH part itgrat das dcisõs stratégicas da orgaização. 90% das mprsas do Top 20 aplicam programas d talto dsvolvimto para prchr as posiçõs d lidraça, comparado com 56% dos rstats iquiridos. BEST COMPANIES FOR tmos pssoas a mais. as mihas margs stão sob prssão. gastamos muito m pssoas. stamos a crscr rápido. qum são as pssoas crtas? o mu modlo d gócio stá a mudar. 80% das mprsas do Top 20 promovm plaos d carrira omaçõs para as fuçõs mais importats, comparado com 47% dos rstats. BEST COMPANIES FOR saiba o qu fazr All rights rsrvd. 84% das mprsas do Top 20 grm ativamt activamt um um cojuto d sucssors para fuçõs críticas, comparado com apas mtad dos rstats iquiridos. BEST COMPANIES FOR promovr a divrsidad aumta o lucro. od dvm star localizadas as mihas pssoas? qurmos quatificar os bfícios das ossas mais rcts aquisiçõs. A volução galopat da tcologia tm ditado a altração dos rquisitos trasformado as comptêcias críticas mais procuradas. E uma altura m qu xist uma autêtica gurra plo talto, ivstir as pssoas crtas é mais importat do qu uca. 22 // Huma Rsourcs Portugal // Fvriro 2015

5 Os 5 rights S qur tirar o mlhor partido do su ivstimto m pssoas, é cssário cocbr uma stratégia focada as pssoas crtas, hoj amahã, plo custo crto. Right skills Clarza acrca das comptêcias cssárias fulcrais qu rspodam a objctivos futuros a lacuas actuais. Cas study As comptêcias stratégicas são um cojuto d capacidads qu é cssário ruir para a implmtação bm-sucdida da stratégia da orgaização. Por aturza, variam por sctor. No rtalho, tr cohcimtos sobr mrchadisig é crítico. Domiar a rgulamtação é chav a ára fiacira. A xploração d ptrólo rqur gstão d projctos. A ára d TI xig pritos m criptografia. Nas ciêcias aturais, a bioiformática é sscial. Quado uma orgaização rú difrts fuçõs prtd acrsctar ovas, pod torar-s difícil dtrmiar as qu ralmt importam. Pod acabar por ivstir m áras qu ão são críticas, m dtrimto d outras com scassz d aptidõs. Idtificar as comptêcias qu susttam os prfis stratégicos é fudamtal para covrtr os rquisitos das pssoas m stratégia, m simultâo, traduzir o modlo d gócio m capacidads. Os lídrs gstors sabm quais as comptêcias cssárias para susttar dsvolvr as opraçõs o futuro. Mas sta iformação acaba smpr por dissipar-s durat a A abordagm sugr a stratégia 5 Rights : right skills, right siz, right shap, right sit right spd. Pod comçar por dfiir as comptêcias crtas, idtificado os prfis stratégicos do futuro. Dpois, pod rdimsioar o úmro d pssoas qu dvm assgurar ssas comptêcias. D sguida, pod dcidir-s por fomtar a divrsidad d géro m dtrmiado dpartamto, criado a strutura mais adquada. Pod tstar st cário vrificar a sua viabilidad coómica. Por outro lado, s quisr actuar sobr todos os aspctos da sua força d trabalho, cosidrado qur os custos qur a optimização plaamto, pod aplicar m simultâo os 5 Rights. A vatagm dsta abordagm stá a sua flxibilidad, pois pod smpr sr aplicada, idpdtmt da dimsão ou ívl d complxidad da sua orgaização. Rcomdamos qu comc por um projcto-piloto, aplicado por xmplo apas a uma uidad d gócio, um país ou uma ára como TI ou Marktig. Dpois d assgurado o sucsso dst projcto iicial, podrá rplicar a abordagm m toda a orgaização. rotia do gócio. Ictiva-s pouco o foco o logo prazo, quado a prssão stá os lucros do trimstr. Numa altura m qu xist scassz d talto, tm d s coctrar as comptêcias qu ralmt lh trarão vatags comptitivas. E criar uma liguagm itra para comuicar com os lídrs do gócio d forma struturada ajuda-os a sializar as comptêcias d qu irão cssitar. Qu prgutas dv fazr? D qu forma a sua stratégia modlo d gócio impactam as comptêcias stratégicas? As suas apostas tcológicas stão suportadas m comptêcias itras? Tm as comptêcias crtas para dar rsposta a procssos-chav o futuro? Quais são as comptêcias críticas para a orgaização? Em qu famílias fucioais, os prfis d comptêcias vão mudar sigificativamt? O problma Dfiir quais as comptêcias crtas m smpr é ituitivo. Por vzs, trata-s d optimizar as aptidõs qu a mprsa já possui. Rctmt, um fabricat d quipamto médico idagou como o podríamos ajudar a mlhorar a ficácia da sua força d vdas. A complxidad dos produtos qu vdia aumtou os aos mais rcts - o procsso d aquisição hospitalar também s torou mais complxo, com a itrodução d ovos procdimtos clíicos, dscohcidos até há 10 aos. Rapidamt cocluímos qu o procsso d vdas comçava a xigir um cohcimto técico d larga amplitud uma itracção com spcialistas a vários ívis, d urocirurgiõs a admiistradors hospitalars. O prfil d comptêcias da actual força d vdas (o comrcial típico com xpriêcia m gstão) ra agora irrlvat. Idtificámos ovas comptêcias técicas (como o cohcimto mais vasto m tcologia d imagm) comptêcias comportamtais (capacidad para orgaizar grir grads quipas d vdas). Quado s torou claro qu a actual força d vdas ão cosguiria assimilar stas ovas comptêcias, criámos programas d dsvolvimto técico comportamtal para ghiros doutra divisão qu stavam m vias d dspdimto. Na ssêcia, ão podríamos trasformar comrciais m ghiros, mas podríamos trasformar ghiros m comrciais. Em part dvido à adopção d ovos comportamtos, foi possívl torar a quipa d vdas mais rtávl, aumtado a produtividad m 40% os três aos sguits. Fvriro 2015 // Huma Rsourcs Portugal // 23

6 tma d capa Right siz O úmro d pssoas para as fuçõs comptêcias qu são cssárias para alcaçar os objctivos stratégicos d forma ficit ficaz. Algumas mprsas vão prcisar d mais pssoas para alcaçar os sus objctivos. Vão prcisar d xpadir o su capital humao para dar rsposta ao aumto do volum d trabalho. Outras vão prcisar d rduzir as suas quipas d modo a dar rsposta às ovas codicioats do mrcado. Dpois xistm mprsas qu, m difrts áras, passam plas duas situaçõs, m simultâo. Quado prtd optimizar a sua força d trabalho, prcisa d um procsso diâmico qu dê rsposta às várias mudaças qu podrão surgir - ovas tcologias ou prssõs da cocorrêcia. Trá d ravaliar costatmt qual a dimsão crta para o su capital humao. Ou sja, s o objctivo for a rdução da sua quipa, dv fazê-lo, protgdo as comptêcias stratégicas uclars, torado a sua mprsa mais saudávl. S, plo cotrário, o objctivo for aumtar o capital humao, dv fazê-lo m liha com a costrução das comptêcias qu suportam a stratégia. Qu prgutas dv fazr? O fluxo d trabalho stá a aumtar ou a dimiuir sigificativamt? Prvê-s alguma ruptura qu impact dirctamt as cssidads das pssoas? Exist falta d pssoas alguma ára crítica ou xist alguma prvisão ss stido? Há spaço para rduzir as suas quipas? Faz stido cotratar fora procssos qu ão são uclars do gócio? As ovas tcologias stão a promovr a trasformação ou a causar problmas a produtividad? Est factor pod promovr mudaças sigificativas o úmro d pssoas d qu prcisa. Está prparado? Cas study O problma Uma das maiors mprsas d logística do mudo foi atigida pla cocorrêcia da Itrt, o qu altrou drasticamt o su modlo d gócio, agora mais oritado para comdas mos para a corrspodêcia tradicioal. Com uma strutura d custos ifluciada m grad part plos custos do trabalho, ra vidt qu a rtabilidad da mprsa cotiuaria a sr impactada o futuro. A qustão ra sabr qual o dimsioamto orgaizacioal adquado os próximos cico a 10 aos para s adaptar a sta mudaça as codiçõs do mrcado. Era cssário avaliar quais as rduçõs a fazr assgurar qu as pssoas qu prmacriam a orgaização ram as mais adquadas para alcaçar os objctivos stratégicos da mprsa. Idtificámos drivrs d criação d valor, ralizámos bchmarks d produtividad apoiámos o osso clit o plaamto stratégico dos rcursos m difrts cários. O modlo foi ajustado tdo m cosidração a divrsidad global local das difrts actividads. Parallamt, criámos um modlo para projctar os custos com psõs os difrts cários d volução do gócio. Foram stablcidos prssupostos o modlo para prvr a volução da strutura humaa, bm como os custos dcorrts da implmtação d um programa atcipado d rformas. Cocluímos qu ra cssário rduzir a strutura humaa m 180 mil colaboradors os próximos quatro aos dfiimos o plao d implmtação as difrts gografias. Através das projcçõs ralizadas, cosguimos ajudar a mprsa a cotrar altrativas como, por xmplo, ictivos para rformas volutárias, assgurado o cumprimto das mtas fiaciras stablcidas. 24 // Huma Rsourcs Portugal // Fvriro 2015

7 Right shap A composição crta da força d trabalho, m trmos d strutura propósito, com o mix dmográfico adquado. A strutura da sua orgaização qu fuçõs são xrcidas itramt, a sua divrsidad, a rspctiva pirâmid tária é tdcialmt o rsultado das circustâcias. No tato, a sua gstão dv sr pró-activa. Stv Jobs sublihava st factor porqu a Appl stava focada a iovação, tcologia dsig l ão quria a produção dtro da mprsa. Ou sja, a strutura da sua mprsa dv sr dfiida por si. Para quê matr uma orm população fabril, quado sab qu o su sucsso stá a ivstigação? Quado a orgaização s foca aquilo qu qur alcaçar, é possívl mudar a sua strutura, assgurado o cumprimto dos objctivos. Por xmplo, s uma mprsa s tora mais tcológica, stá implícito qu os ghiros passam a tr um papl mais importat do qu tiham. Porquê coctrar sforços a logística quado pod rcorrr a srviços xtros para grir a sua cadia d distribuição? Dfiir a strutura crta passa por rflctir sobr as áras qu são ão são uclars para o gócio, sobr qu fuçõs dvm sr matidas itramt quais podrão sr dsvolvidas fora. É trasformar a divrsidad uma vatagm comptitiva - porqu hoj sabmos qu as mprsas com grad divrsidad aprstam mlhors rsultados, são mais iovadoras cosgum atrair mlhors taltos. A strutura crta também é ruir a combiação corrcta d psadors xcutats, d gstors spcialistas. Com os ossos simuladors, ajudamos a avaliar cários, cosidrado as cssidads, vdas modlos orgaizacioais, para qu o foco stja as áras mais importats do su gócio. Esta abordagm também lh prmitirá avriguar s a sua quipa tm a divrsidad, comptêcias capacidads adquadas m toda a strutura. Cas study Qu prgutas dv fazr? É suficitmt fort as suas comptêcias-chav? Gasta dihiro rgia m capacidads priféricas? As suas pssoas stão as fuçõs locais crtos? A distribuição plos vários ívis orgaizacioais stá alihada com os rquisitos orgaizacioais? Os sus rcursos humaos trão a strutura dmográfica a divrsidad adquadas? Vê a divrsidad das suas quipas como uma amaça ou uma oportuidad para s torar mais comptitivo? Exist um quilíbrio apropriado tr opraçõs, projcto, dsvolvimto posiçõs d gstão? O problma Com crca d cico mil colaboradors a uidad d ivstigação dsvolvimto (I&D), uma mprsa farmacêutica procurava uma orgaização mais ficit simplificada basada um ovo modlo, od grad part da ivstigação sria fita xtramt. A mprsa staria agora focada a comrcialização d moléculas o dsvolvimto d amostras clíicas, o qu lvaria à rstruturação da ára d I&D. Em parallo, a stratégia xigia a alocação d rcursos mais próximos do mrcado, agora mais focado a Europa Chia mos os EUA. Aplicámos a ova stratégia com prstação d srviços xtros distribuição d rcursos m difrts áras gográficas ao mapa d comptêcias da orgaização. Simulámos a trasfrêcia d um colaborador da sua situação actual para o cotxto da ova strutura orgaizacioal. Com o clit, criámos vários cários possívis com a prstação d srviços xtros com a simulação d difrts rsultados o dsvolvimto d moléculas (do fracasso ao sucsso). Dpois, aalisámos a qu vlocidad iria voluir sta ova strutura, tdo m cota a dispoibilidad d ovos taltos o mrcado. Esta abordagm prmitiu criar ovos plaos, dpdts do ovo cotxto orgaizacioal da rvisão das políticas d cotratação. O clit stava prparado para migrar para o ovo modlo d prstação d srviços xtro altrar algus potos da sua stratégia para torar a sua implmtação mais fácil rlvat. Fvriro 2015 // Huma Rsourcs Portugal // 25

8 tma d capa Right sit A dispoibilidad d pssoas com as comptêcias crtas as localizaçõs crtas, capazs d rspodr a rquisitos d mudaça qu surjam o futuro. Qu prgutas dv fazr? As pssoas das msmas famílias fucioais stão a trabalhar o msmo local? As mudaças stratégicas (como a globalização) rqurm uma distribuição difrt das quipas, por rgiõs ou localizaçõs? Trmos acsso a rcursos adicioais s for cssário? Está actualmt uma zoa dispdiosa dvria rlocalizar os sus rcursos para zoas mais acssívis? Tmos massa crítica os locais crtos? À mdida qu as mprsas crscm s toram mais complxas, parc, por vzs, havr alguma dscoxão tr a localização física das pssoas od são fctivamt cssárias. Com o tmpo, as uidads d gócio foram dsvolvdo as suas abordags próprias, alihadas com as cssidads locais, mas ão cssariamt alihadas com as cssidads globais. Isto rflct a tdêcia das orgaizaçõs para mudarm os sus procdimtos, mas ão para aplicarm ssas mudaças ao su capital humao. Tmos como xmplo os fabricats d automóvis qu dcidiram aprfiçoar as caractrísticas técicas dos sus vículos para mlhor srvirm algus mrcados spcíficos. No tato, foi cssário algum tmpo até ruirm as várias fábricas dos difrts paíss os ghiros com as ovas comptêcias cssárias. Outro aspcto crítico a tr m cota é a volução dos custos do trabalho m gografias distitas. As mprsas costumam tr uidads locais com dmasiadas pssoas outras qu opram abaixo dos rquisitos míimos. E quado são avaliadas as comptêcias dos colaboradors locais, as lacuas aida são mais ampliadas. A localização crta prmit avaliar s os colaboradors stão distribuídos da mlhor forma dtro das codicioats actuais futuras da orgaização. Cas study O problma Uma mprsa d gharia com 15 istalaçõs crca d duas mil pssoas distribuídas plo Rio Uido torou-s icapaz d acompahar as mudaças cojuturais mais imdiatas. As pssoas stavam dsmotivadas a quipa d gstão stia-s impott. Aalisámos a composição das quipas por localização, rvdo os sus prfis d comptêcias até qu poto opravam quato massa crítica. Cocluímos qu a procura tiha mudado radicalmt m rlação à localização actual dos colaboradors. Com o clit, criámos um modlo dtalhado d rquisitos qu tria m cota qur as comptêcias, qur as gografias dos sus colaboradors. Est modlo prmitiu ao clit orgaizar as suas istalaçõs com bas m difrts cários. Assim, algumas istalaçõs foram alargadas, com a criação d quipas mais amplas d lctricistas mcâicos. Outras foram rduzidas, mas toraram-s mais ficazs spcialistas m, por xmplo, lctróica d alta voltagm. Também cocbmos ovos cotratos laborais alihados com a dispoibilidad das quipas volum d trabalho. Os rsultados da ossa itrvção ajudaram a orgaização as gociaçõs com os sidicatos. Ajudámos a idtificar uma poupaça d mais d 15% os custos com pssoal. Dmos frramtas ao clit para lidar com os picos d trabalho, por vzs 30% suprior à capacidad d rsposta. 26 // Huma Rsourcs Portugal // Fvriro 2015

9 Right spd O rácio d custos da força d trabalho actual prvisto é ficaz, grado o lucro crscimto dsjados. Quado a orgaização u sforços para alcaçar a dimsão, as comptêcias, a strutura a localização crtas, cosgu focar o su ivstimto as áras qu fazm mais stido alcaçar o custo crto. No fudo, é o culmiar dos outros quatro Rights. O custo crto pod sr também um poto d partida, uma vz qu a optimização d custos é uma das razõs mais comus para as orgaizaçõs rcorrrm à implmtação do Stratgic Workforc Plaig. Com bas a comprsão dtalhada das cssidads xigidas às difrts fuçõs orgaizacioais, a vários ívis, é crítico fazr-s uma aális profuda sobr as motivaçõs associadas à produtividad dsmpho. Durat a cocpção d um projcto, a criação d valor, cosqut sucsso, asc quado o foco stá o custo crto, o qu prmit também apoiar a rspctiva stimativa orçamtal. Na vrdad, os programas d optimização d custos passam, muitas vzs, pla rvisão rdimsioamto dos rcursos, strutura local d actuação. Cas study Qu prgutas dv fazr? Qu bchmarks utilizo para os custos com pssoas? Como posso optimizar sss custos? Trmos o rácio pssoas/custos crto para o futuro, s mativrmos as práticas actuais? Os custos com pssoas irão aumtar m liha com as rcitas spradas? Trmos a quipa as localizaçõs crtas, uma prspctiva d custo? Podrmos fazr trasfrêcias para localizaçõs mais rtávis. O problma Atigida pla cris fiacira d 2008, plos custos lvados por advrsidads políticas o su país d origm, uma grad compahia aéra itracioal obtv rsultados líquidos gativos, pla primira vz, m décadas. Efrtado uma prda d mais d 530 milhõs d uros, colocou m prática um plao d trasformação com o objctivo d rtomar o bom dsmpho fiaciro, focado-s a produtividad dos colaboradors o cotrolo d custos. D forma a assgurar qu as dcisõs ovas políticas podriam sr implmtadas rapidamt, promovmos sssõs d formação com a gstão d topo da orgaização: mmbros do coslho d admiistração xcutivos das maiors uidads d gócio. Para torar as acçõs o mais rtávis possívl, apoiámos cada uidad d gócio a cojugar as potcialidads com as fuçõs qu dvriam sr dsmphadas. Idtificámos as fuçõs qu podriam sr assguradas por srviços xtros, apoiado o procsso d trasfrêcia. Criámos uma mprsa subsidiária para grir os cotratos dos colaboradors, o qu prmitiu cotrolar os custos mlhorar as ormas laborais. Por fim, ajudámos a compahia aéra a colocar m prática iiciativas d curto médio prazo para rduzir os custos com pssoal, icluido plaos d rscisão mútua. Ao logo d 20 aos, stima-s qu st plao tha potcial para rduzir os custos com pssoal uma média d 17% ao ao, com 40% d rdução d custos ao fim d 20 aos traduzido-s uma poupaça d 1,1 mil milhõs d uros. A curva d Bvridg Nos últimos 20 aos, vrificou-s uma súbita procura d comptêcias qu os sistmas ducativos os programas d dsvolvimto das mprsas ão stão a produzir. Acabou-s o tmpo m qu o sio proporcioava um sólido fluxo d talto para rspodr às trasformaçõs qu iam surgido. A Curva d Bvridg tm provado historicamt a rlação ivrsa tr as taxas d dsmprgo as vagas dispoívis, mas aprsta agora movimtaçõs distitas assialávis, os paíss da Uião Europia. Est é o rsultado do paradoxo do talto um défic d comptêcias uma ra d dsmprgo pós-rcssão. A crsct complxidad d fuçõs sigifica qu ão xist talto suficit para lhs dar rsposta. E ão xistm prvisõs para a corrcção dsta tdêcia. É também d sublihar qu os ciclos dos gócios stão a aclrar, o qu sigifica uma maior cocorrêcia tr aquls qu têm talto. Por isso, é difícil cotrar as pssoas crtas para dtrmiadas fuçõs xistm cada vz mais orgaizaçõs à procura dstas pssoas. Como tal, tora-s crucial sabr rcohcr os taltos, as comptêcias as capacidads ralmt cssários. O ivstimto as pssoas tm um pso cada vz mais sigificativo, já qu ruir as pssoas crtas implica tomar as dcisõs qu mais stido fazm m trmos fiaciros. Fvriro 2015 // Huma Rsourcs Portugal // 27

Capitulo 4 Resolução de Exercícios

Capitulo 4 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO i Taxa Proporcioal ou quivalt (juros simpls) i k Taxas Equivalts (juros compostos) 3 i i i i i i i 4 6 360 a s q t b m d Taxa Eftiva Nomial k i i p ao príodo d capitalização ; i k Taxa Ral Taxa

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000

, onde F n é uma força de tracção e d o alongamento correspondente. F n [N] -1000 -2000 º Tst d CONTROLO DE SISTEMS (TP E PRO) Licciatura m Eg.ª Mcâica Prof. Rsposávl: Pdro Maul Goçalvs Lourti d bril d 00 º Smstr Duração: hora miutos. Tst com cosulta. Rsolução. Cosidr o sistma rprstado a

Leia mais

A ferramenta de planeamento multi

A ferramenta de planeamento multi A frramnta d planamnto multi mdia PLANVIEW TELEVISÃO Brv Aprsntação Softwar d planamnto qu s basia nas audiências d um príodo passado para prvr asaudiências d um príodo futuro Avrsatilidad afacilidad d

Leia mais

Fluxo de caixa em condições de risco

Fluxo de caixa em condições de risco JUL. AGO. SET. 5 ANO XI, Nº 4 9-4 INTEGRAÇÃO 9 Fluxo d caixa m codiçõs d risco ANTONIO SCORCIAPINO* Rsumo Est trabalho tm como obtivo mostrar algus métodos d avaliação d rotos, or mio d fluxos d caixa,

Leia mais

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros

A Certificação de Qualidade na Área dos Seguros. Sandra Santos - ADQ-Ok! TeleSeguro Certificação de Qualidade na Área de Seguros A Crtificação d Qualidad na Ára d Sgur Importância da difrnciação pla Qualidad do Srviço/ Produto Principal Canal Canal d d Distribuição Tlfon Intrnt Má Má imagm d d Call Call Cntrs Dificuldad m m difrnciar

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

Curso: Engenharia Industrial Elétrica. Análise de variáveis Complexas MAT 216 Turma: 01

Curso: Engenharia Industrial Elétrica. Análise de variáveis Complexas MAT 216 Turma: 01 urso: Egharia Idustrial Elétrica Aális d variávis omplas MAT 6 Profssora: Edmary S B Araújo Turma: Lista d Provas Rspodu Jsus: Em vrdad, m vrdad t digo: qum ão ascr da água do Espírito ão pod trar o rio

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 4 Exercícios Propostos 53. Calcular o valor dos juros pagos por um fiaciamto d capital d giro d $1.500 por cico dias cotratado à taxa d 3% a.m., capitalizada diariamt. Dados: P = $1.500, j = 3% a.m.. k =, m = 5 dias, J =? k

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 2º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais d Contas Sistma d Informação do Técnico Oficial d Contas IAS 24 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 24 Divulgaçõs d Parts Rlacionadas ÍNDICE Parágrafos Objctivo

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Implementação de Controle Proporcional, Integral e Derivativo Digital em Controladores Lógico Programáveis

Implementação de Controle Proporcional, Integral e Derivativo Digital em Controladores Lógico Programáveis Uivrsidad Fdral d Prambuco Ctro d Tcologia Gociêcias Curso d Espcialização m Egharia d Istrumtação Implmtação d Cotrol Proporcioal, Itgral Drivativo Digital m Cotroladors Lógico Programávis Wladimir d

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international

Employer Branding. José Bancaleiro Managing Partner da Stanton Chase international Employr Branding José Bancaliro Managing Partnr da Stanton Chas intrnational Num mundo marcado pla globalização, a complxidad a comptitividad no qual o talnto humano s transformou no principal factor d

Leia mais

Transformador Monofásico

Transformador Monofásico Trasformador Moofásico. Cocito O trasformador (TR) é um quipamto qu rcb rgia létrica com uma tsão uma corrt forc ssa rgia, a mos das prdas, m outra tsão outra corrt. A frqüêcia létrica s matém ialtrada.

Leia mais

Senado Federal maio/2008

Senado Federal maio/2008 Audiência Pública PL 213/2007 Difrnciação d Prços nas Vndas com Cartõs d Crédito José Antonio Marciano Brasília Snado Fdral maio/2008 1 Rgra d Não Sobr-pr prço - Dfinição Rgra contratual imposta plas socidads

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados

4. Análise de Sistemas de Controle por Espaço de Estados Sisma para vrificação Lógica do Corolo Dzmro 3 4. ális d Sismas d Corol por Espaço d Esados No capiulo arior, vimos qu a formulação d um Prolma Básico d Corolo Ópimo Liar, ra cosidrado um sisma diâmico

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004R0854 PT 01.07.2013 009.001 1 Est documnto constitui um instrumnto d documntação não vincula as instituiçõs B C2 REGULAMENTO (CE) N. o 854/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO d 29 d Abril d 2004

Leia mais

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL

2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional d Técnico d Markting Ano Ltivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL MARKETING 3º Ano Comptências Grais Colaborar na laboração ralização d studos d mrcado, bm

Leia mais

ARTESUNATO PARA O TRATAMENTO DA MALÁRIA GRAVE. * Frascos de ácido artesúnico 60 mg TRATAMENTO RECOMENDADO PELA GUIA DO USUÁRIO OMS

ARTESUNATO PARA O TRATAMENTO DA MALÁRIA GRAVE. * Frascos de ácido artesúnico 60 mg TRATAMENTO RECOMENDADO PELA GUIA DO USUÁRIO OMS ARTESUNATO PARA O TRATAMENTO DA MALÁRIA GRAVE * GUIA DO USUÁRIO * Frascos d ácido arsúico TRATAMENTO OMS RECOMENDADO PELA ARTESUNATO INJECTÁVEL PARA O TRATAMENTO DA MALÁRIA GRAVE DESCRIÇÃO DO PRODUTO 1

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO

SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO E L U C I D Á R I O do SIM - SISTEMA DE IMPOSTO MÍNIMO (Principais Qustõs, Esclarcimntos Rspostas) 1. O qu é o SIM Sistma d Imposto Mínimo? É uma nova forma d pagar IRPS ou IRPC a qu passam a ficar obrigados

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra

Estado da arte do software de mineração e o impacto nas melhores práticas de planejamento de lavra Estado da art do softwar d minração o impacto nas mlhors práticas d planjamnto d lavra Prof. Dr. Giorgio d Tomi Profssor Associado, Dpto. Engnharia d Minas d Ptrólo da EPUSP Dirtor d Opraçõs, Dvx Tcnologia

Leia mais

Melhoria contínua da qualidade do ensino

Melhoria contínua da qualidade do ensino 1. OBJETIVO Est procdimnto visa normalizar as ativis snvolvis no âmbito mlhoria contínua quali do nsino dos cursos ministrados na Escola Naval (EN). 2. CAMPO DE APLICAÇÃO O prsnt procdimnto é aplicávl

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pedagógica UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO (UCB) 3.1.1.1. Organização Didático-Pgógica (4) (5) Mtas Rorganizar a distribuição dos discnts. Elaborar uma Política d contratação gstão d pssoal Rvisar o Projto Pgógico. Rstruturar

Leia mais

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1

Proposta de Resolução do Exame Nacional de Física e Química A 11.º ano, 2011, 1.ª fase, versão 1 Proposta d Rsolução do Exam Nacional d ísica Química A 11.º ano, 011, 1.ª fas, vrsão 1 Socidad Portugusa d ísica, Divisão d Educação, 8 d Junho d 011, http://d.spf.pt/moodl/ 1. Movimnto rctilíno uniform

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho

S is tem a de G es tã o da Qua lida de. S egura n ça do T ra ba lho S is tm a d G s tã o da Qua lida d S gura n ça do T ra ba lho G s tã o da Qua lida d I n t r n a ti o n a l O r g a n i za ti o n fo r S ta n d a r d i za ti o n (I S O ) Organização Normalização. Intrnacional

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77

MUNICÍPIO DE SANTIAGO DO CACÉM MAPA DE PESSOAL - 2013 ANEXO I Caracterização do posto de trabalho. Página 1 de 77 MAPA DE PESSOAL - 203 Caractrização do posto d trabalho Gabint d Apoio à Prsidência. Carrira - Assistnt Técnico Contúdo funcional Dscrição da função GAP - AT0 Funçõs d naturza xcutiva, d aplicação d métodos

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO FORMULÁRIO DE CANDIDATURA AO APOIO À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO POR BENEFICIÁRIOS DE PRESTAÇÕES DE DESEMPREGO A prnchr plo IEFP, I.

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO

FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO FASE - ESCOLA 2º CICLO DO ENSINO BÁSICO CRONOGRAMA ÍNDICE FASES DATAS APURAMENTOS LOCAL 4 alunos por scola 1. Introdução...2 1ª fas Escolas 2ª fas Distrital Até 11 d Janiro 1 ou 2 d Fvriro 2 do sxo fminino

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.6 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Discipli: Qualida Softwar Profa. : Kátia Lops Silva Slis adpatados do Prof. Ricardo Almida Falbo Tópicos Espciais Qualida Softwar 007/ Dpartamnto

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE

Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQPS - Ciclo 2005. Encontro da Qualidade e Produtividade em Software RECIFE Programa Brasiliro da Qualida Produtivida m Softwar PBQPS - Ciclo 2005 Encontro da Qualida Produtivida m Softwar RECIFE Data: 26 27 stmbro 2005 Local: Hotl Villa Rica Promoção: Ministério da Ciência Tcnologia

Leia mais

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA

CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA CUSTOS IRREVERSÍVEIS, LEIS DE CUSTOS E GERÊNCIA DE PROJETOS - A VIABILIDADE DE UM PROCESSO DE MUDANÇA Márcio Botlho da Fonsca Lima Luiz Buno da Silva Rsumo: Est artigo tm o objtivo d xpor a rlvância do

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro.

INEC ESPECIALIZAÇÃO EM : GERÊNCIA CONTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITORIA TURMA III. Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 de Outubro. INEC AUDITRIA Prof. CLAUDECIR PATN ESPECIALIZAÇÃ EM : GERÊNCIA CNTÁBIL, FINANCEIRA E AUDITRIA TURMA III 1 Lins - SP - 2012 2º Dia : 20 utubro. CNTRLE - Concitos; - Auditoria Control Intrno; - Importância

Leia mais

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas

CTOC - Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Sistema de Informação do Técnico Oficial de Contas IAS 17 (1) NORMA INTERNACIONAL DE CONTABILIDADE IAS 17 Locaçõs ÍNDICE Parágrafos Objctivo 1 Âmbito 2-3 Dfiniçõs 4-6 Classificação d locaçõs 7-19 Locaçõs nas dmonstraçõs financiras d locatários 20-35 Locaçõs

Leia mais

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br

Criação, Design e Implementação de Soluções Educacionais Corporativas. www.braune.com.br Criação, Dsign Implmntação Soluçõs Eucacionais Corporativas www.braun.com.br QUEM SOMOS Somos uma mprsa xclência na art ucar gstors-lírs organizaçõs com foco m aspctos o comportamnto humano no ambint organizacional.

Leia mais

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL

Planificação das Actividades Eixo I PROPORCIONAR AOS IDOSOS MELHOR QUALIDADE DE VIDA INCLUINDO MEDIDAS DE COMBATE À POBREZA E EXCLUSÃO SOCIAL PLANO DE ACÇÃO O Plano acção é um documnto anual ond s idntificam os projctos intrvnçõs prvistas para cada ano, dvidamnt nquadradas nas stratégias dfinidas m Plano d Dsnvolvimnto Social. No sgundo PDS,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA

EFA NÍVEL BÁSICO MÓDULO IV OBJECTIVO GERAL: OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA CURSO DE FORMAÇÃO CONTINUA DE FORMADORES E MEDIADORES DE CURSOS EFA MÓDULO IV CARACTERÍSTICAS DOS CURSOS EFA OBJECTIVO GERAL: Conhcr o modlo d funcionamnto dos Cursos EFA - comptências d xcução, acompanhamnto,

Leia mais

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida página 1 Acontcu... Concurso Conclhio d Litura Era uma vz... É assim qu comçam as histórias... Esta história comçou há crca d três anos numa bibliotca scolar, ond dznas d livros, arrumadinhos m stants,

Leia mais

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO

O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO 9 CONGRESSO INTERNACIONAL DA QUALIDADE E COMPETITIVIDADE FIERGS POA/RS O DESAFIO DE ZERAR UM DÉFICIT D DE 40 ANOS, RECUPERAR A CAPACIDADE DE INVESTIMENTO E MODERNIZAR A GESTÃO Aod Cunha d Moras Junior

Leia mais

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique

República de Moçambique Ministério dos Transportes e Comunicações Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique Rpública d Moçambiqu Ministério dos Transports Comunicaçõs Instituto Nacional das Comunicaçõs d Moçambiqu PROPOSTA DA ESTRATÉGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO SECTOR POSTAL Junho, 2014 V-1ÍNDICE Abrviaturas...5

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 7.º Ano :: 15/16 1.- A Informação, o conhcimnto o mundo das tcnologias A volução das tcnologias d informação

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA

PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA PROPOSTA DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA A EDITORA E GRÁFICA ODORIZZI LTDA Mirian Magnus Machado 1 Jocaffi Albino Brda 2 RESUMO A organização Editora Gráfica Odorizzi Ltda, apsar d star a um longo tmpo

Leia mais

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009

Concentraçã. ção o e Custos. Câmara dos Deputados - Comissão de Finanças e Tributação 8 de outubro de 2009 Cartão o d Crédito: Concntraçã ção o Custos Câmara dos Dputados - Comissão d Finanças Tributação 8 d outubro d 2009 Agnda 2 Indústria d cartõs d pagamntos Concntração Infra-strutura Estrutura d custos

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AEXO V SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPEHO 1. ÍDICES DE AVALIAÇÃO O Sistma d Avaliação d Dsmpnho stá struturado para a avaliação das prmissionárias, d acordo com os sguints índics grais spcíficos constants

Leia mais

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br

AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE. azevedoglauco@unifei.edu.br AUTO CENTRAGEM DA PLACA DE RETENÇÃO DE UMA MÁQUINA DE PISTÕES AXIAIS TIPO SWASHPLATE Glauco José Rodrigus d Azvdo 1, João Zangrandi Filho 1 Univrsidad Fdral d Itajubá/Mcânica, Av. BPS, 1303 Itajubá-MG,

Leia mais

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 BASELINE

Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014 BASELINE Aais do XX Cogrsso Brasiliro d Automática Blo Horizot, MG, a 4 d Stmro d 4 AMBIENE PARA ANÁLISE DE DESEMPENHO DE NAVEGAÇÃO INS GNSS COM AUXÍLIO DE LEIURAS DE BASELINE PRISCYLLA A. DA S. OLIVEIRA, ELDER

Leia mais

Streptococcus mutans, mas podem me

Streptococcus mutans, mas podem me Estação Saída Estação 1 - Olá moçada!! Mu nom é Strptococcus mutans, mas podm m chamar d Sr. Mutans. Vocês nm imaginam, mas u stou prsnt m uma part muito important do su corpo: a cavidad bucal!! Eu sou

Leia mais

3 Proposição de fórmula

3 Proposição de fórmula 3 Proposição fórmula A substituição os inos plos juros sobr capital próprio po sr um important instrumnto planjamnto tributário, sno uma rução lgal a tributação sobr o lucro. Nos últimos anos, a utilização

Leia mais

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos

Módulo II Resistores, Capacitores e Circuitos Módulo laudia gina ampos d arvalho Módulo sistors, apacitors ircuitos sistência Elétrica () sistors: sistor é o condutor qu transforma nrgia létrica m calor. omo o rsistor é um condutor d létrons, xistm

Leia mais

2.5. Estrutura Diamétrica

2.5. Estrutura Diamétrica F:\MEUS-OCS\LIRO_EF_44\CAP_I_ESTRUTURA-PARTE_4.doc 5.5. Estrutura iamétrica A strutura diamétrica é tamém dnominada d distriuição diamétrica ou distriuição dos diâmtros. Concitua-s distriuição diamétrica

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA)

Modelo de Oferta e Demanda Agregada (OA-DA) Modlo d Ofrta Dmanda Agrgada (OA-DA) Lops Vasconcllos (2008), capítulo 7 Dornbusch, Fischr Startz (2008), capítulos 5 6 Blanchard (2004), capítulo 7 O modlo OA-DA xamina as condiçõs d quilíbrio dos mrcados

Leia mais

GND = 3-ODC 3.830.000 RP = 2 - DESPESA PRIMÁRIA DISCRICIONÁRIA 3.830.000. Programa / Ação + Subtítulo GND = 4-INV 5.600.000

GND = 3-ODC 3.830.000 RP = 2 - DESPESA PRIMÁRIA DISCRICIONÁRIA 3.830.000. Programa / Ação + Subtítulo GND = 4-INV 5.600.000 PRORAMAÇÃO PASSÍVL CACLAMTO M MAS RMAJAMTO (PLOA-2010) BACAAS STAUAIS - POR UF/ÓRÃO/ (art. 48 da Re. 01/2006-C) - Valore em R$ UF: RJ.282.468.296 JUSTIÇA FRAL 9.40.000 = -OC.80.000 RP = 2 - SPSA PRIMÁRIA

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena

ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO. Marcelo Sucena ENGENHARIA DE MANUTENÇÃO Marclo Sucna http://www.sucna.ng.br msucna@cntral.rj.gov.br / marclo@sucna.ng.br ABR/2008 MÓDULO 1 A VISÃO SISTÊMICA DO TRANSPORTE s A anális dos subsistmas sus componnts é tão

Leia mais

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES

ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES ASSUNTO Nº 4 POLARIDADE INSTANTÂNEA DE TRANSFORMADORES 17 As associaçõs d pilhas ou batrias m séri ou parallo xigm o domínio d suas rspctivas polaridads, tnsõs corrnts. ALGUMAS SITUAÇÕES CLÁSSICAS (pilhas

Leia mais

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015

Rio Grande do Norte terá maior oferta de energia eólica em leilão Agência Estado 17/04/2015 www.lmntos.com.br du dilignc slção d arogradors inspçõs d fábricas ngnharia do propritário projtos solars ntr outros 17 d abril d 2015 Sxta-Fira - # 1.528 Rio Grand do Nort trá maior ofrta d nrgia ólica

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais

Gestão de Saúde Empresarial

Gestão de Saúde Empresarial Gstão Saú Emprsarial Uma parcria indispnsávl para a sua tranquilida As soluçõs m Gstão Saú Emprsarial do Imtp foram criadas sob mdida para garantir a saú do su capital humano. Imtp tornou-s rfrência m

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dezembro/2010 [Digit txto] 1 IDENTIFICAÇÃO RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DO TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Dzmbro/2010 Programa: Opraçõs Coltivas Contrato CAIXA nº: 0233.389.09/2007 Ação/Modalidad: Construção d unidad habitacional

Leia mais

Pequenas organizações de TI

Pequenas organizações de TI { ISO m foco Pqunas organizaçõs d TI Aprovitando os bnfícios das normas d ngnharia d softwar sistmas Por Claud Y. Laport, Normand Séguin, Gisl Villas Boas Sanyakorn Buasung A capacidad das organizaçõs

Leia mais

Catálogo de Perfis Padronizados

Catálogo de Perfis Padronizados Extrusão Gral Catálogo d Prfis P Shaping a lightr futur Frramntaria Estoqu d tarugos rfis Introdução SP no Mundo Fundada m 1963 na Suécia, a Sapa iniciou suas atividads a partir do zro s transformou, m

Leia mais