Estudo de Caso: Automação Residencial através do Celular (Domótica)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo de Caso: Automação Residencial através do Celular (Domótica)"

Transcrição

1 Estudo de Caso: Automação Residencial através do Celular (Domótica) Esta Série Especial de Tutoriais apresenta os trabalhos premiados no II Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo classificado em quarto lugar no concurso, de autoria do Cássio da Cunha Castro Scherer. O objetivo do tutorial é apresentar um protótipo de sistema para automação residencial através do controle de dispositivos pelo telefone celular, baseado em hardware e software específicos para este fim, que utilizam a porta USB de um computador. Cássio da Cunha Castro Scherer É graduado em Sistemas de Informação pela Universidade Luterana do Brasil (Campus Canoas, RS 2006). Atuou como Digitador na Plansul Planejamento e Consultoria (São Sepé, RS), como Auxiliar de Processamento na Avasp Serviços (São Sepé, RS), desenvolvendo sistemas em Visual Basic, e como Caixa Executivo na Cooperativa de Crédito Rural Sepeense Sicredi (Vila Nova do Sul, RS), sendo responsável pelas atividades afins de caixa e pelo desenvolvimento e testes do sistema para o controle do IPTU. Atualmente trabalha como Programador na Confederação das Cooperativas Interligadas ao Sicredi Confederação Sicredi (Porto Alegre, RS). Cássio foi o quarto colocado no II Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) Categoria: Telefonia Celular Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 25/06/2007 1

2 Domótica: Introdução A casa inteligente é um sonho cultivado há gerações, onde a automação é a palavra-chave, e tudo é realizado buscando simplificar a vida dos usuários, através de uma melhor utilização dos equipamentos eletrônicos e tornando-a muito mais funcional e segura. A sua maior vantagem é poder controlar os dispositivos eletrônicos existentes, desde a iluminação, portões, alarmes até eletrodomésticos como cafeteira, climatizadores ou mesmo um rádio, através de um dispositivo móvel. Mas a função da automação não se restringe somente em fornecer ao usuário maior praticidade, também potencializa um aumento da eficiência dos recursos, da funcionalidade, do conforto e também da qualidade de vida, pois está diretamente ligado ao uso eficaz da energia e dos demais recursos, oferecendo segurança e economia de custos. Dentre as preocupações da automação residencial, estão incluídas a prevenção de acidentes domésticos, os sistemas de alarme, a gestão da energia, o controle de equipamentos ou eletrodomésticos e as comunicações interiores e exteriores. Este tutorial apresenta um protótipo de sistema de automação residencial abordando os seguintes aspectos: A sua fundamentação teórica; Discute, apresentação e a descreve o sistema; Apresenta os resultados obtidos e as conclusões do projeto. 2

3 Domótica: Conceitos Para o desenvolvimento de protótipos envolvendo hardware e software, a bibliografia disponível e escassa. Os sistemas desenvolvidos para a área de automação residencial limitam-se a plataformas ou sistemas operacionais específicos (como o próprio Windows CE). Verifica-se também apenas a utilização das portas paralela ou serial do computador para interação com dispositivos, e não se tem conhecimento de nenhum sistema para este fim que utilize a porta USB do computador para comunicação com o hardware de controle. Na proposta apresentada por Ventura (2005), consta a descrição de uma implementação de hardware e software para domótica, buscando demonstrar a funcionalidade de seu sistema. O hardware criado por Ventura (2005) em seu trabalho (figura 1), é composto por led s que são acesos ou apagados conforme a opção do menu escolhida pelo usuário, através da interação com o sistema. Este dispositivo é ligado diretamente à porta paralela do computador, e funciona através da simples manipulação dos pinos desta porta, que fornecem uma tensão de até 5 V, representando a ação de ativar ou desativar algum dispositivo. Isto já demonstra uma limitação deste dispositivo, que apresenta unicamente a possibilidade de controlar no máximo oito dispositivos, já que esta porta utiliza somente os pinos de 02 a 09 para transmissão de dados. Outro ponto a ser destacado no dispositivo de Ventura (2005), é a ausência de uma fonte externa de energia, pois utiliza somente a alimentação fornecida pela porta paralela. Isto ocasiona transtornos se houver um travamento do computador, pois os dispositivos ligados ao sistema seriam todos resetados juntos com o computador. Figura 1: Esquema e foto do hardware desenvolvido por Ventura (2005). Como pontos fracos apresentados no trabalho de Ventura (2005), destacam-se: uma maior demora no primeiro acesso ao webservice do que os acessos posteriores; utilização de um webservice sem segurança implementada para acesso e controle do sistema, o que possibilitaria o acesso ao sistema por outros usuários; ter sido desenvolvido pra uma gama muito pequena de dispositivos móveis que utilizam um sistema operacional específico. Domótica O termo domótica resulta da junção da palavra latina domus, que significa casa com a informática, sendo também designada através de sinônimos como automação residencial ou casa inteligente, e enfoca a utilização de um conjunto de tecnologias e sistemas independentes, mas que funcionam de forma integrada, 3

4 permitindo um controle e uma gestão automática dos diferentes recursos de uma residência ou escritório. Dentre as suas áreas de atuação, estão relacionados o conforto, a segurança de pessoas e bens, vigilâncias e detecção de intrusos, economia de recursos, entretenimento ou mesmo apoio a pessoas idosas ou com deficiências. Possuindo vantagens como segurança, flexibilidade, acesso remoto, escalabilidade e modularidade, além de agregar valorização do imóvel, economia de recursos e conforto, esta tecnologia está sendo amplamente difundida em países mais ricos. Apresentando um maior custo de investimento, sua instalação, configuração e manutenção devem ser realizadas por técnicos especializados, o risco da dependência de uma marca ou fabricante de uma tecnologia proprietária e possuindo várias tecnologias incompatíveis entre si, são algumas das desvantagens que contribuem para a não popularização desta tecnologia em muitos lugares. A área de domótica está bastante defasada no Brasil, se comparada aos países Europeus, que estão bastante focados no uso desta tecnologia, e um dos maiores problemas disto deve-se também ao alto custo de um sistema para domótica, pois no Brasil, a renda baixa da maior parte da população não permite adquirir este tipo de sistema, restringindo sua utilização a uma minoria de maior poder aquisitivo. No Brasil, segundo a Aureside (2006), estima-se um potencial de 2 milhões de residências apenas para o estado de São Paulo e faturamento de US$ 100 milhões em Mesmo assim, a maior importância dada pelos profissionais da área existente no país atualmente, refere-se apenas à divulgação e a comercialização de produtos importados prontos, que apresentam uma tecnologia fechada e são de pouca flexibilidade. Também se destaca nesta área a quase inexistência de qualquer preocupação, apoio, suporte, estudo ou mesmo desenvolvimento de protocolos desta natureza aqui no Brasil. Dos protocolos utilizados hoje na área de automação residencial, o mais utilizado é o sistema X-10 PLC (Power Line Carrier - Transmissão sob linhas de Energia Elétrica), desenvolvido nos anos 70, que interliga os dispositivos utilizando os cabos de energia elétrica já existentes na casa, através de uma tomada especial que substitui as tomadas convencionais ou um módulo externo que é plugado às tomadas (no caso de abajures, por exemplo), e recebem um endereço digital que será utilizado pelos controladores para identificá-los quando for emitido um sinal destinado a controlá-los. Apresentando uma linguagem que permite a comunicação de dados entre equipamentos elétricos através do cabeamento já existente, fornece até 256 endereços (um para cada equipamento), e com uma gama enorme de produtos X-10 fabricados atualmente, foram fatores que tornaram esta uma tecnologia amplamente difundida no mercado mundial. O principal problema deste protocolo é possuir uma taxa de transferência muito pequena, tornando esta tecnologia apenas viável para alguns procedimentos em automação residenciais, tais como: controle de iluminação, ligar e desligar aparelhos de TV, DVD, portas, portões, janelas e cortinas, como alguns exemplos, não permitindo a transmissão de áudio ou vídeo, porque um arquivo de poucos minutos levaria dias para ser transferido. USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995, derivado de uma parceria entre várias empresas de alta tecnologia, como Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips, e com ele pode-se conectar até 127 dispositivos em uma única porta, utilizando HUBs conectados em cascata. Normalmente 4

5 cada HUB USB dispõe de 4 a 8 portas, onde podem ser plugados mais HUBs ou dispositivos. Todos os sinais de dados enviados e recebidos pelo USB apresentam uma codificação chamada NRZI (No Return to Zero Inverted), ou seja, o bit 1 é codificado através de uma transição que ocorre da maior voltagem para a menor, ou também o inverso, da menor voltagem para a maior, e o bit 0 é codificado sem haver transição, mantendo sua voltagem com um valor constante. O bus USB pode fornecer no máximo 5 Volts de tensão e 500mA (miliampéres) de corrente elétrica, isto para cada porta do Root Hub do host. A quantidade de corrente fornecida também pode ser configurada via software. Diferentemente da Porta Serial ou Paralela, onde é possível se comunicar com um dispositivo diretamente, através do controle dos sinais elétricos dos pinos da porta e um programa básico, no USB isto somente é possível se o próprio dispositivo carregar o protocolo USB num chipset ou mesmo dentro de um microcontrolador (no sistema desenvolvido, foi utilizado um chip FT232BM). Assim, uma parte essencial do sistema USB é o seu protocolo, porque sem ele não há troca de informação entre os dispositivos. Todos os dispositivos USB têm uma hierarquia de descritores que informam ao computador o que o dispositivo é, quer dizer, sua "personalidade", suas características de funcionamento, identificação do fabricante, tipo do dispositivo (impressora, scanner, modem, mouse, etc), número de configurações, tipo de transferência, tipo de interface, etc. No sistema USB o processo de enumeração se refere à conexão, detecção, leitura das características dos dispositivos e desconexão. É uma atividade ininterrupta, e isso tudo é gerenciado em tempo real pelo controlador e pelo software do sistema. Para o usuário, o processo de enumeração é transparente, desde que se tenha antes instalado no sistema operacional os drivers (arquivos de configuração) necessários fornecidos geralmente pelo fabricante do dispositivo. Após isso, o carregamento dos drivers é realizado automaticamente quando um dispositivo é conectado ao computador. 5

6 Domótica: Sistema No sistema desenvolvido, foi implementado um protótipo de um hardware e de software para um sistema de domótica. Este é utilizado da seguinte forma: o usuário acessa o sistema através de qualquer telefone celular, como uma simples página WAP (Wireless Application Protocol), escolhe os dispositivos e as ações que deseja realizar, confirma as operações, que são enviadas a um banco de dados em um servidor. No computador da casa, um sistema varre constantemente as informações contidas neste banco de dados. Se existir alguma tarefa para realizar, este sistema manda executá-la, enviando pela porta USB os comandos necessários. A placa controladora recebe os sinais enviados pela porta USB do computador, interpreta para qual porta o comando deve ser usado, e ativa ou desativa algum dispositivo ligado a ela, através do controle de um relê que é responsável pelo controle do fornecimento de energia ao dispositivo. O sistema desenvolvido possui vários módulos, cada qual com suas funções específicas, mas o funcionamento do sistema pode ser descrito da seguinte forma: primeiramente, deve-se instalar no computador do usuário o módulo administrador, onde serão cadastrados no sistema os usuários e os dispositivos que serão controlados. Em um servidor web, deve ser instalado o módulo WAP. Para utilização, o usuário acessa o sistema, através de seu telefone celular (pelo módulo WAP) ou de seu computador (através do módulo administrador), onde digita o seu login e sua senha. Depois de autenticado no sistema, aparece o menu principal, onde estarão disponíveis as opções para interação com os dispositivos, como ativar, desativar, programar uma atividade, consulta do estado atual de um dispositivo, entre outras. Ao acessar as opções e interagir com o sistema, o usuário, via sistema, gera eventos, que o sistema interpretará e irá gravar logs e os comandos solicitados pelo usuário. Estas solicitações serão recebidas pelo módulo monitor, via consulta ao banco de dados, gerando uma string de comando que será enviada para a placa controladora através da porta USB do computador, por exemplo, será enviada pelo módulo monitor a string >CMD#01#ON* para ativar o dispositivo 01 e >CMD#01#OFF* para desativar. Nesta string, os caracteres >CMD representam o início do comando, o valor que estiver entre dois sustenidos # serve para indicar que porta será acionada, o ON indica que será ligado o dispositivo e o último caractere, que é um asterisco (*) é usado para indicar o final do comando. A placa interpretará este comando, que foi recebido do cabo por um chip FT232BM e o transformará em um sinal de saída igual ao de uma porta serial, que seguirá para outro chip e será decodificado através de um software desenvolvido em C e Assembly incorporado internamente em um micro-controlador (um PIC 16F877A, da Microchip), e através da string output_high(pin_b0) ativará ou output_low(pin_b0) desativará o dispositivo correspondente conectado ao pino 1, através do controle de relês que fornecem a energia elétrica necessária ao seu funcionamento. Este controle, em vez do dispositivo, foi focado na energia elétrica que será fornecida a este, pois eletrodomésticos como torradeiras ou cafeteiras que possam ser ligadas diretamente ao computador, além de possuir custos de produção muito altos, teriam também um preço de venda muito acima do normal, dificultando o acesso a pessoas de menor disponibilidade de recursos. Os dispositivos, do mais antigo ao topo de linha tecnológico, necessitam de eletricidade para funcionar, 6

7 independente de marca, tipo de equipamento ou modelo, então optou-se por estar com o controle na tomada e não no equipamento. Desta forma, pode-se viabilizar ao usuário que não mude todos os seus eletrodomésticos para a utilização do sistema, e que uma alteração de dispositivo pode ser feita de forma simples e rápida, bastando ligar na mesma tomada do dispositivo anterior o novo, sem exigir configurações complicadas ou mesmo custos, bastando manter atualizado o cadastro dos dispositivos conectados ao sistema através do módulo administrador para que a informação sobre os dispositivos apresentada pelo sistema ao usuário se mantenha correta. Um exemplo seria quando o usuário, que possui um rádio ligado ao equipamento, quer controlar uma cafeteira. Para isto, ele somente retira o fio elétrico do rádio da tomada e liga o da cafeteira, deixando ela com o botão de liga/desliga na posição ligado e altera no módulo administrador o cadastro que era do rádio para a cafeteira. Com isto, ele já pode controlá-la pelo celular, sem necessidade nenhuma de grandes alterações e de forma rápida e muito simples. Foi implementada também no sistema a possibilidade de efetuar o agendamento de uma atividade, tendo como referência a hora de início e término, além da data e do dispositivo que será utilizado, podendo-se realizar também o cancelamento de alguma programação feita anteriormente, funcionalidade esta que também não foi encontrada em sistemas similares. Alguns apenas apresentam um modo férias, onde o sistema interage com os dispositivos da casa em tempos aleatórios, para demonstrar a presença de pessoas na casa e afastar possíveis ameaças. Requisitos do Sistema Os requisitos do sistema foram definidos através dos objetivos, requisitos de hardware e software, onde foi necessário a criação de uma placa controladora USB, que têm a função de ativar ou desativar os dispositivos ligados a ela, de acordo com o usuário. Esta placa estará ligada à porta USB do computador onde estará rodando o módulo monitor, que será o responsável pelo envio de comandos à placa, para ativar ou desativar os dispositivos. Esta placa, inicialmente controlará 8 dispositivos, mas pode-se facilmente expandir para 16, 32, 64, 128 e 256, bastando para isto implementar dois microchips controladores adicionais a ela e suas respectivas estruturas para controle. 7

8 Domótica: Implementação As implementações feitas foram desenvolvidas na forma de software e hardware, sendo apresentadas a seguir de forma mais detalhada. Software O sistema desenvolvido é composto pelos módulos apresentados a seguir. Módulo Administrador Apresentado na figura 2, foi desenvolvido em Delphi 7 para apresentar maior portabilidade (podendo ser utilizado na maioria dos computadores domésticos atuais) e também por apresentar melhor desempenho em máquinas mais antigas, é o responsável pelo cadastro e manutenção de usuários, controle de dispositivos e geração dos relatórios do sistema. Para ter acesso a este módulo, o usuário deve ter o perfil de administrador ou permisão concedida, via sistema, por alguém com nível de administrador. Módulo WAP Figura 2: Tela de cadastro de tarefas do módulo administrador. Apresentado na figura 3, foi desenvolvido em VB.Net e Asp.Net, e é acessado pelos usuários através de telefones celulares, que realizam as tarefas de controle de dispositivos, agendamento de tarefas para os dispositivos, consulta do estado dos dispositivos, além de ser o responsável pela geração de logs no banco de dados. 8

9 Módulo Monitor Figura 3: Telas do módulo WAP sendo executadas através de um telefone celular. Apresentado na figura 4, foi desenvolvido em Delphi 7 pelos mesmos motivos do módulo administrador, roda em segundo plano pelo Windows no computador do usuário, monitorando as tarefas cadastradas no banco de dados e executando-as na ordem que forem solicitadas, obedecendo critérios como horário de início e data. Figura 4: Tela do módulo monitor. Para desenvolver a programação do software que foi incorporado ao microcontrolador, desenvolvido usando a linguagem C, foi preciso observar muitos valores, obtidos nas peças do hardware montado. Um bom exemplo disto é a freqüência do cristal de quartzo utilizado na montagem, pois este valor deve ser informado dentro do software que será gravado no PIC para que seu programa tenha o mesmo "clock" do hardware, podendo assim trabalhar de forma sincronizada. Hardware Para prover o controle de dispositivos eletrônicos utilizando a porta USB do computador foi necessário o desenvolvimento de um hardware específico. A solução foi a criação de uma placa controladora (figura 5), buscando principalmente aspectos como ser simples e de baixo custo, com uma maior facilidade de manutenção e operação, mas que não apresentasse um desempenho inferior se comparado a outros dispositivos similares. Esta placa têm como principais componentes um chip e um microcontrolador. 9

10 O chip, um FT232BM, que é o responsável pela comunicação de dispositivos com o computador através de uma conexão através da porta USB, pois possui o protocolo necessário incorporado internamente, sendo compatível com dispositivos tanto das versões 1.1 como 2.0 desta tecnologia. Ele trabalha como um conversor USB para serial, convertendo internamente os sinais do protocolo USB recebidos em sinais do padrão RS232, utilizado pela porta serial do computador. Este chip também apresenta a vantagem de poder ser incorporada uma memória EPROM (Erasable Programmable Read-Only Memory) para personalizar o produto, onde podem ser armazenados seus descritores, como PID (Product ID), VID (Vendor ID), versão, número de série e nome do fabricante. Na placa desenvolvida, foi utilizada uma célula EEPROM (Electrically-Erasable Programmable Read-Only Memory, memória eletricamente apagável programável somente de leitura) modelo 93C66, que pode armazenar até 4096 bits. Figura 5: Placa controladora em visão superior e frontal. O microcontrolador, um PIC 16F877, possui dentre suas características, 33 pinos de entrada/saída, 8KB de memória de programa FLASH, 368 Bytes de memória RAM, 256 bytes de memória EEPROM, velocidade máxima de trabalho de 20 Mhz, 3 timers, comunicação síncrona e assíncrona, entre outras. Este microcontrolador pode ser programado conforme a necessidade do usuário, bastando que o software incorporado que o controla seja desenvolvido usando as linguagens C e Assembly, e que utilize um gravador para microcontroladores que seja compatível com o modelo utilizado. Esta placa utiliza uma configuração de alimentação de energia elétrica do tipo Self-powered, onde dispositivos desta natureza não têm seu estado alterado involuntariamente quando o computador que o controla é ligado ou desligado, mantendo o funcionamento do circuito independentemente do estado do computador, porque são alimentados através de uma fonte externa de energia totalmente independente da alimentação do computador, como, por exemplo, uma bateria ou no-break. Esta configuração foi considerada a melhor opção de fornecimento de energia para utilização em 10

11 dispositivos de controle e alarmes, pois nenhuma pessoa gostaria de ter sua casa desprotegida e com a porta com controle eletrônico destrancada por causa de uma simples falta de luz. Ela também apresenta características como: um consumo muito baixo de energia, pois consome apenas 12 Volts; fácil manutenção, pois é montada com peças encontradas em praticamente qualquer loja de eletrônica; possibilidade de expansão de seus serviços por software, bastando acrescentar novos módulos ao sistema já existente; controle e leitura do estado dos dispositivos ligados a ela; baixo custo; totalmente compatível com a maioria dos computadores utilizados atualmente; simplicidade de montagem e utilização. 11

12 Domótica: Resultados Obtidos O sistema desenvolvido cumpriu seu objetivo de controlar vários dispositivos através de um telefone celular, apresentando um custo inferior ao de sistemas similares existentes atualmente no mercado. Tal fato pode ser comprovado pela Tabela 1, que apresenta os valores gastos no desenvolvimento do protótipo do sistema em questão. Tabela 1: Relação total de custo do desenvolvimento do protótipo. Componente Valor Qtd Valor Total Placa RS , ,00 Frete placa - Sedex 18, ,00 Tomadas elétricas 5, ,60 Ferro solda 12, ,00 Peças eletrônicas 14,60 1 7,10 Fios / Cabos 3,75 2 7,50 ProtoBoard 20, ,00 Fonte 12V 19, ,50 Estanho p/ solda 1,00 1 1,00 Caixa 9,00 1 9,00 Total Geral em R$ 215,70 Esta característica pode tornar muito mais acessível este tipo de sistema para a maioria da população, que possuem necessidades especiais ou até mesmo a pessoas comuns que gostariam de usufruir dos benefícios desta tecnologia. Pois um sistema que poderia custar mais de R$100 mil foi implementado a um custo de R$ 215,70, sendo equivalente a apenas 0,22%, aproximadamente, do valor cobrado por um sistema similar do mercado. Foi utilizado também um tipo de conexão diferente dos usuais para o controle dos dispositivos, sendo utilizado a porta USB do computador ao invés da porta paralela ou a serial. A possibilidade de agendamento de atividades, onde o usuário pode cadastrar uma atividade a ser executada futuramente pelo sistema também não é muito comum em sistemas domóticos, que apenas se restringem a executar ações somente na hora em que o usuário interage com o sistema. Com tudo isto feito, foi possível controlar dispositivos através de um telefone celular, independentemente de sua marca ou modelo, apresentando um protótipo onde os custos foram muito inferiores aos encontrados no mercado. 12

13 Domótica: Considerações Finais Controlar dispositivos à distância, de qualquer lugar e a qualquer hora já não é mais um sonho ou provilégio de poucos, pois sistemas de automação residencial estão sendo amplamente utilizados em países mais desenvolvidos. Através da popularização desta tecnologia e dos seus equipamentos, juntamente com a evolução de técnicas e materiais, sistemas deste tipo apresentarão custos menores e se tornarão mais acessíveis a grande parte da população. Neste trabalho, qualidades como baixo custo, capacidade de utilização por praticamente qualquer aparelho celular em utilização atualmente, independentemente de modelo ou marca ou o modo de conexão por USB são características que podem facilitar a popularização desta tecnologia. Dentre as limitações apresentadas pelo sistema desenvolvido, estão a dependência da disponibilidade de sinal telefônico digital para que se possa acessar a Internet pelo telefone celular, o servidor onde está hospedado o módulo WAP deve estar no ar e possuir a configuração necessária para este tipo de aplicação, e na ausência de comunicação entre o computador e a placa controladora, o estado dos dispositivos mantém-se o mesmo, mas se algum dispositivo for acionado manualmente, quando a comunicação for restabelecida, o dispositivo volta ao estado anterior em que se encontrava quando ocorreu o problema. Este trabalho gera muitas possibilidades para trabalhos futuros, pois a gama de dispositivos que podem interagir com o computador se expande a cada dia. Poderão ser desenvolvidos para este tipo de sistema opções, como, por exemplo, a implantação de uma câmera, com envio das imagens por ou mesmo streaming de vídeo, podendo ser monitorados pelo usuário de qualquer lugar, interação do sistema com alarmes residenciais, criação de uma página web para interagir com estes dispositivos, e a criação de um hardware conectado por wireless (sem fio), tanto ao computador quanto aos dispositivos. Com este trabalho espera-se despertar o interesse por novos desafios, como este certamente foi, que envolveram áreas além da informática como a engenharia elétrica e a eletrônica, proporcionando uma generosa troca de conhecimentos, experiências e idéias, que podem tirar do papel e dar vida a muitas grandes idéias. Referências AURESIDE. Associação Brasileira de Automação Residencial. Disponível em: Acesso em: 16.ABR CASA Inteligente. Disponível em: Acesso em: 02.MAI DOMÓTICA Edifícios Inteligentes. Disponível em: Acesso em: 23.MAI FTDICHIP. Delphi Examples. Disponível em: Acesso em: 14.AGO

14 FTDICHIP. D2XX Programmer's Guide. Disponível em: Acesso em: 06.AGO FTDICHIP. FT232BM. Disponível em: Acesso em: 02.JUN FTDICHIP. FT232BM USB UART IC Data Sheet Disponível em: Acesso em: 11.AGO FTDICHIP. MProg 2 Manual Disponível em: Acesso em: 06.AGO MOTHCI, Eva. Casas inteligentes podem economizar até 15% de energia. Disponível em: Acesso em: 03.OUT POWRIE, Don L. Developer friendly USB: a detailed look at how easily a USB-based device can be developed Disponível em: Acesso em: 02.SET Projeto Casa Autônoma. Disponível em: Acesso em: 16.JUN SUFRAMA MINAPIM. Disponível em: Acesso em: 22.ABR USB.ORG. Universal Serial Bus. Disponível em: Acesso em: 20.AGO VENTURINI, Eli. Protótipo de um Sistema para Controle e Monitoração Residencial. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) - Universidade Regional de Blumenau, Disponível em: Acesso em: 02.MAI

15 Domótica: Teste seu Entendimento 1. Qual o significado do termo Domótica? O termo domótica resulta da junção da palavra latina domus (casa) com o termo ótica, e tem como sinônimo o termo banda larga residencial por fibra óptica. O termo domótica resulta da junção da palavra latina domus (casa) com o termo informática, e tem como sinônimos os termos automação residencial ou casa inteligente. O termo domótica resulta da junção da palavra dom com o termo informática, e tem como sinônimo o termo domínio de redes corporativas. Todas as anteriores. 2. Qual é a finalidade da Domótica Utilizar um conjunto de tecnologias e sistemas independentes, que funcionam de forma integrada, para permitir o controle e a gestão automática dos diferentes recursos de uma residência ou escritório. Utilizar um conjunto de tecnologias e sistemas independentes, que funcionam de forma integrada, para definir domínios de redes locais para uma residência ou escritório. Utilizar um conjunto de tecnologias e sistemas independentes, que funcionam de forma integrada, para implementar um produto e serviço de banda larga para uma residência ou escritório. Todas as anteriores. 3. No estudo de caso apresentado, quais foram as principais diferenças dos sistemas comerciais existentes? Todas as alternativas a seguir. O uso de um computador e um acesso banda larga via rede óptica para acionar um sistema que permite controlar diversos dispositivos elétricos e eletrônicas, através do fornecimento ou não de energia elétrica. O uso de um computador e uma rede LAN para acionar um sistema que permite controlar diversos dispositivos elétricos e eletrônicas, através do fornecimento ou não de energia elétrica. O uso de um telefone celular e uma comunicação WAP para acionar um sistema à distância que permite controlar diversos dispositivos elétricos e eletrônicas, através do fornecimento ou não de energia elétrica. 15

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

CONTROLE DE MOTOR DE PASSO VIA USB USANDO O FT232BM NO

CONTROLE DE MOTOR DE PASSO VIA USB USANDO O FT232BM NO Página 1 de 1 Home Índice USBMotor Controle de motor de passo Por: Antônio Rogério Messias CONTROLE DE MOTOR DE PASSO VIA USB USANDO O FT232BM NO MODO BIT-BANG Para uso particular ou educacional. Copyright(c)

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

TUTORIAL Arduino Nano

TUTORIAL Arduino Nano Conceito: O é uma plataforma de prototipagem eletrônica de hardware livre e de placa única, projetada com um microcontrolador Atmel AVR com circuitos de entrada/saída embutido que podem ser facilmente

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furbbr Resumo. Este artigo apresenta a especificação

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

Como montar uma rede Wireless

Como montar uma rede Wireless Como montar uma rede Wireless Autor: Cristiane S. Carlos 1 2 Como Montar uma Rede Sem Fio sem Usar um Roteador de Banda Larga Introdução Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

FIREWIRE. O logotipo padronizado: Suas principais vantagens:

FIREWIRE. O logotipo padronizado: Suas principais vantagens: FIREWIRE O barramento Firewire, também conhecido como IEEE 1394 ou como i.link, foi desenvolvido inicialmente pela Apple Computer em 1996, como um barramento serial de alta velocidade, e transfere um grande

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens:

Para montar sua própria rede sem fio você precisará dos seguintes itens: Introdução: Muita gente não sabe que com o Windows XP ou o Windows Vista é possível montar uma rede sem fio em casa ou no escritório sem usar um roteador de banda larga ou um ponto de acesso (access point),

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250

LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 LINEAR EQUIPAMENTOS RUA SÃO JORGE, 269 - TELEFONE: 6823-8800 SÃO CAETANO DO SUL - SP - CEP 09530-250 Recomendações Iniciais SOFTWARE HCS 2005 - VERSÃO 4.2 (Compatível com Guarita Vr4.03 e Vr4.04) Para

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática

Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com. Informática Prof. Daniel Gondim danielgondimm@gmail.com Informática Componentes de um SC Hardware X Software Memória do Computador Hardware X Software Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Introdução a microinformática William S. Rodrigues HARDWARE BÁSICO O hardware é a parte física do computador. Em complemento ao hardware, o software é a parte lógica, ou seja,

Leia mais

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira

HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. Wagner de Oliveira HARDWARE COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Hardware Definição de Computador Computador Digital Componentes Básicos CPU Processador Memória Barramento Unidades de Entrada e

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento);

Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Características Fabricada em aço-carbono com pintura em epóxi preto; Tratamento anti-corrosivo; Acabamento em aço inox (Tampa superior embutida, proporcionando um melhor acabamento); Fechadura para acesso

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP

Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Um Driver NDIS Para Interceptação de Datagramas IP Paulo Fernando da Silva psilva@senior.com.br Sérgio Stringari stringari@furb.br Resumo. Este artigo apresenta o desenvolvimento de um driver NDIS 1 para

Leia mais

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE

LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LUMIKIT PRO X4 / RACK INTERFACE QUICK GUIDE LEIA O MANUAL ANTES DE UTILIZAR O PRODUTO! Considerações importantes, leia antes de usar o produto: A diferença entre a interface Lumikit PRO X4 e Lumikit PRO

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO

PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO PROTÓTIPO DE ATENDIMENTO DOMICILIAR AUTOMATIZADO: HOME CARE DE BAIXO CUSTO Wilker Luiz Machado Barros¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil wilkermachado1@hotmail.com,

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Anúncio de Novos Produtos: Controladora para uma porta KT-1 e software EntraPass v6.02

Anúncio de Novos Produtos: Controladora para uma porta KT-1 e software EntraPass v6.02 Anúncio de Novos Produtos: Controladora para uma porta KT-1 e software EntraPass v6.02 A Tyco Security Products tem o prazer de anunciar o lançamento da controladora PoE para uma porta KT-1 da Kantech.

Leia mais

SISTEMA DE PISTA WAYNE FUSION. Conheça a nova face do. controle de pista.

SISTEMA DE PISTA WAYNE FUSION. Conheça a nova face do. controle de pista. SISTEMA DE PISTA WAYNE FUSION Conheça a nova face do controle de pista. Controle onde você mais precisa. Controle onde voc O Sistema de Pista Wayne Fusion permite uma interface ininterrupta de suas bombas,

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01

Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01 Universidade Federal de Alagoas Campus Arapiraca Curso de Administração Pública Sistemas de Informação Gerenciais 2º Período 2013.2 QUESTIONÁRIO SUPLEMENTAR 01 FCC - 2013 - Banco do Brasil - Escriturário

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br

Vitor Amadeu Souza. vitor@cerne-tec.com.br Introdução Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Veremos agora os passos para enviar uma string de caracteres pela USB. Porém antes veremos um tutorial referente a porta USB. Tutorial USB Sistema de

Leia mais

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000

Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 MANUAL DO USUÁRIO Aplicativo para configuração da interface de celular ITC 4000 Este aplicativo roda em plataforma Windows e comunica-se com a ITC 4000 via conexão USB. Através do ITC 4000 Manager, o usuário

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento

ILHA I GERENCIAMENTO DE CONTEÚDO CMS DISCIPLINA: Introdução à Computação MÓDULO II Memórias e Processamento MÓDULO II Memórias e Processamento Esse módulo irá relatar sobre as memórias seus tipos e a ligação com os tipos variados de processamento. Leia atentamente todo o conteúdo e participe dos fóruns de discursão,

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência

Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência Sistema de Telemetria para Hidrômetros e Medidores Aquisição de Dados Móvel e Fixa por Radio Freqüência O princípio de transmissão de dados de telemetria por rádio freqüência proporciona praticidade, agilidade,

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Comunicação via interface SNMP

Comunicação via interface SNMP Comunicação via interface SNMP 1 - FUNCIONAMENTO: Os No-breaks PROTEC possuem 3 interfaces de comunicação: Interface RS232, interface USB e interface SNMP. Todas elas permitem o controle e o monitoramento

Leia mais

Manual do usuário. isic5 - iphone e ipod Touch

Manual do usuário. isic5 - iphone e ipod Touch Manual do usuário isic5 - iphone e ipod Touch isic5 - iphone e ipod Touch Este manual irá auxiliá-lo na instalação e utilização do software para visualização das imagens dos DVRs e Câmera Speed Dome IP

Leia mais

Fundamentos de Hardware

Fundamentos de Hardware Fundamentos de Hardware Curso Técnico em Informática SUMÁRIO PLACAS DE EXPANSÃO... 3 PLACAS DE VÍDEO... 3 Conectores de Vídeo... 4 PLACAS DE SOM... 6 Canais de Áudio... 7 Resolução das Placas de Som...

Leia mais

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR

R S Q 0 0 1 0 1 0 1 0 0 1 1 0 Tabela 17 - Tabela verdade NOR 19 Aula 4 Flip-Flop Flip-flops são circuitos que possuem a característica de manter os bits de saída independente de energia, podem ser considerados os princípios das memórias. Um dos circuitos sequenciais

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br RAID é a sigla para Redundant

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

Manual de Usuário INDICE

Manual de Usuário INDICE Manual de Usuário INDICE Características do Sistema... 02 Características Operacionais... 03 Realizando o Login... 04 Menu Tarifador... 05 Menu Relatórios... 06 Menu Ferramentas... 27 Menu Monitor... 30

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

1 Como seu Cérebro Funciona?

1 Como seu Cérebro Funciona? 1 Como seu Cérebro Funciona? UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) O cérebro humano é capaz de processar as informações recebidas pelos cinco sentidos, analisá-las com base em uma vida inteira de experiências,

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

Componentes de um Sistema de Computador

Componentes de um Sistema de Computador Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o equipamento (parte física) SOFTWARE: Instruções que dizem o que o computador deve fazer (parte

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000

PLANATC. Manual de Instalação. Scanner SC-7000 Manual de Instalação Scanner SC-7000 1 Sistema de comunicação e análise da injeção eletrônica - Scanner SC-7000. O Scanner SC-7000 é um equipamento de fácil utilização para profissionais em injeção eletrônica

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual

Passo 3: Posicionando a Câmera na Prova Didática Teórica ou na Prova de Defesa da Produção Intelectual Este manual descreve um procedimento para o registro de Concursos Públicos por meio de áudio e vídeo utilizando-se recursos tecnológicos básicos i. A gravação segue o disposto na Resolução 020/09 da UFSM

Leia mais

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2015

Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2015 Informações e Requisitos para o software NextSoft para 2015 Atenção: Neste documento, você encontrará informações sobre: Parte 1 Informações sobre requisitos técnicos do computador, impressoras, e demais

Leia mais

TRUESAFE 2010 SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE DE ACESSO MAXTEL

TRUESAFE 2010 SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE DE ACESSO MAXTEL TRUESAFE 2010 SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE DE ACESSO MAXTEL A Maxtel Tecnologia, traz para você o que há de mais moderno em Sistema de Controle de Acesso para empresas, edifícios, escolas, clubes e condomínios.

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M

ori Portaria á su R al Time e U o dlauna M M a nua ld o Usu á roi Portaria Re al Time Sumário Introdução... Especificações... 3 3 Ilustrações Portaria RT sem descarga de coletor... Portaria RT com descarga de coletor... Portaria RT TCP/IP... Portaria

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina

Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina Testando a Comunicação e Transferindo o Código de Máquina Todas as etapas do fluxograma da figura x.x foram realizada no PC. O código de máquina foi criado no PC na pasta Resource. O arquivo a ser transferido

Leia mais

DOMÓTICA CONTROLO INTEGRADO Segurança Iluminação Som e Imagem Eficiência Energética

DOMÓTICA CONTROLO INTEGRADO Segurança Iluminação Som e Imagem Eficiência Energética DOMÓTICA CONTROLO INTEGRADO Segurança Iluminação Som e Imagem Eficiência Energética A DECORDIGITAL - 1 A DECORDIGITAL é uma empresa portuguesa dedicada à consultoria, desenvolvimento de projetos, fornecimento

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Ferramenta de Backup MANUAL DO USUÁRIO Software de Ferramenta de Backup Software Ferramenta de Backup Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. Este manual serve como referência para

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego;

Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Características Baseado na portaria n 373 de 25 de fevereiro de 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego; Poderá ser utilizado por empresas autorizadas por convenção ou acordo coletivo a usar sistemas

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral

Março 2012. Como o Eye-Fi funciona Fluxogramas da visão geral Março 2012 Como o funciona Fluxogramas da visão geral 2012 Visioneer, Inc. (licenciada da marca Xerox) Todos os direitos reservados. XEROX, XEROX and Design e DocToMe são marcas comerciais da Xerox Corporation

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto

RICS. Remote Integrated Control System Release 2.76. Apresentação do Produto RICS Remote Integrated Control System Release 2.76 Apresentação do Produto Índice Informações Principais Instalação do RICS Configuração do RICS Introdução Capítulo I Requisitos dos Instrumentos Requisitos

Leia mais

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA.

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA. SISTEMAS DE DETECÇÃO PERIMETRAL MAIS INTELIGENTES MicroPoint II Sistema de Detecção em Cercas MicroTrack II Sistema de Detecção de Cabo Enterrado MicroWave 330 Barreira de Microondas Digital PROTEÇÃO PERIMETRAL

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais