MANUAL SOBRE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL SOBRE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS"

Transcrição

1 MANUAL SOBRE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO EM MÉDIAS E GRANDES EMPRESAS

2 Introdução 3 Por que proteger a sua empresa? 6 Como reconhecer ameaças ao sistema? 10 O que é política de segurança da informação? 13 Por que treinar os colaboradores? 18 Conclusão 21 Sobre a Alerta Security 24

3 INTRODUÇÃO

4 INTRODUÇÃO O número de informações corporativas disponíveis em ambientes digitais nunca foi tão grande. Hoje, empresas fazem uso de bancos de dados e outras ferramentas de TI em grande parte de suas rotinas internas, criando serviços mais ágeis e com maior qualidade. Tais soluções permitem a análise, modificação e processamento de dados diversos, como registros financeiros e dados de clientes. Nesse cenário, o aumento da presença de sistemas digitais em ambientes corporativos ampliou o número de ataques de malwares. Criminosos estão investindo em algoritmos complexos, que exploram um grande número de falhas de segurança para obter acesso a redes empresariais. Dessa forma, informações de terceiros com alto valor podem ser expostas ou utilizadas para fins criminosos, causando prejuízos para diversos empreendimentos. 4

5 INTRODUÇÃO Hoje, um dos maiores desafios de gestores de TI é garantir a confiabilidade e segurança das soluções de TI utilizadas em ambientes corporativos. Dados importantes devem ser isolados para impedir o acesso não autorizado. Além disso, sistemas monitoram o uso de recursos digitais, identificando falhas e contas comprometidas para minimizar o impacto que ataques possam ter. Neste e-book, mostraremos como uma política de segurança da informação pode tornar a sua empresa mais confiável. Ignorado por muitos, esse conjunto de normas é a base para a construção de uma gestão de TI mais eficaz e capaz de manter usuários seguros contra as ameças mais conhecidas do mercado. Saiba mais abaixo! 5

6 POR QUE PROTEGER A SUA EMPRESA?

7 POR QUE PROTEGER A SUA EMPRESA? A tecnologia se tornou indispensável para as empresas brasileiras. Soluções de TI são adotadas em vários setores para a otimização de rotinas, melhor tratamento de dados, aumento do nível de inovação interna e flexibilização de rotinas. Dessa forma, elas tornam companhias mais competitivas e capazes de atender a um número maior de pessoas. O investimento em ferramentas de TI nem sempre é acompanhado da otimização das políticas de segurança. Assim como o investimento em sistemas, a contratação de profissionais capazes de criar uma política de segurança e gestão que permita a otimização da infraestrutura de TI contínua pode demandar grandes recursos financeiros. Assim, cria-se um ambiente em que várias pessoas têm rotinas de trabalho dependentes da tecnologia mas que são realizadas em ambientes digitais com alto grau de vulnerabilidades. 7

8 POR QUE PROTEGER A SUA EMPRESA? O uso de ferramentas com grande número de vulnerabilidades pode expor uma empresa ao risco constante de perda ou exposição de dados internos, ocasionando grandes prejuízos financeiros. Nesse sentido, podemos destacar os constantes casos de empresas que foram prejudicadas por ataques de malwares nos últimos anos. Hospitais americanos, por exemplo, acumulam prejuízos milionários ao terem os seus sistemas criptografados por meio de ataques com ransomware (um tipo de ataque que criptografa os dados de uma pessoa ou empresa e só libera o acesso aos arquivos após o pagamento de uma quantia em dinheiro). Vale destacar, também, o caso Panama Papers, em que uma firma de advogados que atuava com a criação e administração de offshores em paraísos fiscais teve a sua lista de clientes exposta na internet. Neste caso, o invasor utilizou um script para obter acesso ao servidor da empresa explorando uma falha conhecida de um plugin do WordPress. Esse problema poderia ter sido evitado caso a companhia possuísse uma política de segurança que incluísse a manutenção e a atualização constante dos sistemas internos. 8

9 POR QUE PROTEGER A SUA EMPRESA? De pequenas a grandes empresas, o número de corporações que são vítimas de ataques virtuais cresce anualmente. Em um ambiente corporativo, o maior ativo são as suas informações digitais. Diante disso, empreendimentos devem considerar a criação de uma rotina de segurança como algo fundamental para o sucesso e a eficácia das estratégias de mercado em médio e longo prazo. 9

10 COMO RECONHECER AMEAÇAS AO SISTEMA?

11 COMO RECONHECER AMEAÇAS AO SISTEMA? Assim como a prevenção de vulnerabilidades, a detecção de ameaças deve ser um dos alicerces de uma política de segurança da informação eficaz. Em ambientes complexos, esse trabalho deve ser feito continuamente, unindo ferramentas de segurança e rotinas operacionais para identificar vulnerabilidades e diminuir o número de problemas que afetam um ambiente de TI. Hoje, as soluções de TI voltadas para a detecção de ameaças fazem uso de vários processos. Há o caso, por exemplo, das ferramentas que avaliam o comportamento de usuários para identificar contas comprometidas. Alinhando técnicas de inteligência artificial com padrões definidos pelo gestor de TI, esses programas vão avaliar as requisições, as tentativas de acesso a recursos e outros fatores que possam indicar que um usuário não está realizando um uso seguro dos recursos corporativos. 11

12 COMO RECONHECER AMEAÇAS AO SISTEMA? Soluções mais tradicionais, como sistemas de antivírus, monitoram o acesso a pastas para rastrear arquivos que possam estar infectados por algoritmos potencialmente maliciosos. Da leitura de e-mais ao download de dados pela internet, todas as informações que são processadas pelo usuários são avaliadas. Ao comparar tais registros com um extenso banco de dados, o antivírus é capaz de identificar uma ameaça e impedir o seu funcionamento. Há também as soluções voltadas para a identificação de falhas de segurança em redes corporativas. Sistemas de firewall, por exemplo, avaliam as requisições feitas por aplicativos e agentes externos. Ao identificar uma conexão desconhecida ou troca de dados com servidores inseguros, o intercâmbio de dados é bloqueado para a segurança do usuário. O reconhecimento de ameaças deve ser proativo. Uma vez que algum problema seja detectado, gestores de TI devem atuar rapidamente para eliminar falhas e, assim, garantir a segurança e a privacidade dos usuários de ambientes digitais. 12

13 O QUE É POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO?

14 O QUE É POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO? A política de segurança da informação é um conjunto de normas, procedimentos operacionais e soluções de TI que deve ser adotado por gestores para tornar o ambiente digital mais seguro e confiável. Ele deve ser moldado de acordo com as necessidades do empreendimento, criando um ambiente digital de alta confiabilidade e com baixo índice de vulnerabilidades. Além disso, as rotinas de segurança devem ser repensadas sempre que novos equipamentos e soluções forem adicionados ao ambiente digital da empresa, mantendo os recursos seguros continuamente. Uma política de segurança eficaz pode incluir procedimentos e padrões adotados por 14

15 O QUE É POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO? normas e documentos de referência do mercado, como a Biblioteca ITIL. Tais rotinas devem ser adaptadas ao ambiente interno da empresa e às suas necessidades, ampliando a sua capacidade de proteger usuários e os dados de terceiros. Vale destacar, também, que uma rotina de segurança apenas se torna eficaz a partir do momento em que todos os usuários, técnicos e analistas possuem conhecimento de suas regras. Diante disso, gestores de TI devem investir em treinamentos e em outras práticas que tornem a adoção de boas práticas mais rápida e ampla. Feedbacks e alertas podem ser adotados, garantindo que falhas de comunicação não se tornem algo comum. Conforme a tecnologia se torna mais presente em ambientes corporativos, as políticas de segurança devem ser remodeladas para garantir que empreendimentos consigam manter processos internos funcionais e confiáveis. Assim, as políticas de segurança da informação surgem com um papel de destaque, orientando profissionais de TI a possuírem métodos de trabalho mais seguros e com riscos reduzidos. 15

16 O QUE É POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO? A IMPORTÂNCIA DO MONITORAMENTO DE RECURSOS PARA A POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Os sistemas de monitoramento são cruciais para que a empresa possa manter a sua infraestrutura de TI funcionando com bom desempenho e alta confiabilidade. Tais soluções podem ser empregadas para otimizar recursos, ampliar o nível de segurança e aumentar o grau de disponibilidade de ferramentas diversas. Além disso, as soluções de monitoramento tornam a gestão de TI mais eficaz e com menores índices de erros. As rotinas de monitoramento, quando integradas às políticas de segurança da informação, tornam o ambiente corporativo mais confiável. Um sistema de monitoramento de redes, por exemplo, vai gerar alertas automáticos caso tentativas de ataque sejam identificadas ou conexões perigosas sejam estabelecidas. Em alguns casos, ele também poderá bloquear trocas de dados automaticamente, impedindo o vazamento de dados privados. 16

17 O QUE É POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO? Aplicações voltadas para o monitoramento de usuários, como já citado anteriormente, facilitam a detecção de contas comprometidas. Dessa forma, gestores de TI podem adotar medidas de segurança para impedir uma pessoa de ter acesso a recursos e informações sensíveis. Há também as ferramentas que podem ser empregadas para rastrear falhas em toda a infraestrutura de serviços e equipamentos da companhia. Tais softwares vão avaliar a forma como os sistemas são utilizados, conexões de rede, requisições de usuários, pedidos de acesso e outros tipos de atividades que possam servir de porta de entrada para agentes maliciosos no ambiente interno. O seu uso facilita a melhora do ambiente interno da empresa. Gestores podem identificar melhor os padrões de funcionamento dos serviços de TI corporativo e, com uma coleta de dados mais eficaz, criar novas políticas de segurança digital. Em um cenário em que novas tecnologias são incorporadas aos processos operacionais diariamente, gestores de TI devem estar atentos à necessidade de criar rotinas que permitam a detecção rápida de problemas de segurança, reduzindo o número de problemas que possam afetar as atividades da companhia. 17

18 POR QUE TREINAR OS COLABORADORES?

19 POR QUE TREINAR OS COLABORADORES? Como dito anteriormente, a política de segurança da informação se torna eficaz apenas se todos os profissionais de uma empresa conhecerem os seus padrões e regras de funcionamento. Para evitar que falhas humanas um dos principais motivos para ataques de malwares terem sucesso causem problemas em ambientes corporativos, empresas devem investir em cursos, divulgação de materiais de conscientização e outros processos que auxiliem na divulgação de boas práticas. Esse processo deve ocorrer sempre que alterações forem realizadas na política de segurança da informação da empresa. Com isso, gestores de TI podem garantir que todos os colaboradores vão conhecer as regras de uso dos sistemas corporativos. 19

20 POR QUE TREINAR OS COLABORADORES? Vale destacar, também, que a criação de uma documentação abrangente pode ser levada em consideração por gestores de TI. Manter todas as regras de uso dos ambientes corporativos registradas em um documento de fácil acesso facilita a divulgação de boas práticas e torna a rotina de segurança da informação mais eficaz. Assim como os treinamentos, ela deve abordar e não se limitar a tópicos como: Uso de senhas complexas; Incentivo à adoção de métodos de autenticação de dois passos (quando disponível); Instruções para o uso de ferramentas de criptografia e VPN; Demonstração da importância de uma navegação segura; Procedimentos necessários para a configuração de bons filtros de SPAM; Rotinas de verificação de drivers externos. 20

21 CONCLUSÃO

22 CONCLUSÃO A tecnologia mudou e continua mudando a forma como lidamos com informações e atividades diárias. No ambiente corporativo, soluções de TI podem otimizar o uso de recursos, tornar processos mais eficazes e aumentar o grau de automação da cadeia operacional. Além disso, ferramentas de TI tornam companhias mais integradas, o que aumenta a qualidade de serviços e gera um fluxo maior de receitas. Conforme empresas tornam os seus processos mais integrados à web e a recursos digitais diversos, o número de vulnerabilidades e problemas de segurança é ampliado. Os dispositivos da Internet das Coisas, sistemas legados, ferramentas de gestão integrada e outras soluções corporativas podem apresentar falhas de segurança diversas. Diante disso, gestores de TI devem avaliar a forma como tais soluções 22

23 CONCLUSÃO estão integradas à infraestrutura de TI, criando rotinas que eliminem o número de falhas e aumentem a confiabilidade do ambiente interno da empresa. A política de segurança da informação deve ser abrangente, eficaz e rígida o bastante para impedir que pessoas tenham acesso apenas aos recursos certos. Processos operacionais, rotinas de manutenção e atualização de sistemas, o uso de sistemas de monitoramento e a criação de uma documentação são apenas os passos iniciais para a criação de um ambiente digital mais confiável. Gestores de TI devem, também, treinar colaboradores e avaliar constantemente a eficácia das regras adotadas. Dessa forma, será possível avaliar continuamente a eficiência de processos e, assim, buscar padrões de funcionamento mais eficazes. No longo prazo, a política de segurança da informação pode causar um grande impacto nos processos internos da empresa. Gestores de TI poderão otimizar recursos, tornar bancos de dados e outras soluções corporativas mais confiáveis e ampliar a segurança dos usuários dos sistemas internos. Além disso, com o uso de padrões de segurança mais elevados, a empresa ganhará um grau adicional de competitividade, o que permitirá a ampliação de suas receitas. 23

24 SOBRE A ALERTA SECURITY Fundada em 2004, a Alerta Security presta soluções e serviços relativos à segurança da informação, sendo especializada em Controle de Acesso Lógico e Monitoramento Remoto. O principal modelo de negócios da instituição é baseado no MSP (Managed Service Provider), o provedor de segurança gerenciado para empresas de alto valor agregado. Oferecemos o nosso trabalho para mais de 100 grandes grandes clientes através de uma terceirização remota da segurança de internet e firewall gerenciado. Tudo alinhado com o conceito UTM (Unified Threat Management) da Dell que, atuando junto do monitoramento remoto da plataforma Zabbix, oferece uma ótima gestão para toda a infraestrutura da rede! Para oferecer esse tipo de serviço, temos um SOC (Security Operation Center) que funciona 24h por dia e está instalado em um dos maiores Data Center do mundo. Além disso, a Alerta Security tem uma metodologia que está de acordo com o treinamento recebido por meio de parcerias com líderes mundiais como a Dell e a Zabbix. Por fim, nosso trabalho principal é B2B, mas também atuamos com o ensino de algumas práticas para profissionais que queiram se especializar. Oferecemos aulas sobre direito eletrônico e certificações relativas ao Centro de Formação Dell SonicWall e Zabbix. Também oferecemos treinamentos customizados para a sua empresa, caso ela precise de algo especializado para algum setor. 24

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação A Dataprev Data centers DF SP RJ Área 257 384 988 Capacidade elétrica (kva) 600 900 1200 Capacidade de processamento RISC 48 Tflop/s X86 116 Tflop/s Mainframe 153.000 RPM Capacidade

Leia mais

Segurança de Sistemas

Segurança de Sistemas Segurança de Sistemas Prof. Luiz A. Nascimento Auditoria e Segurança de Sistemas de Informação Anhanguera Taboão da Serra Segurança dos dados. Como se proteger? Controle de acesso Senhas Criptografia Backup

Leia mais

KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS Select Ferramentas para capacitar uma equipe de trabalho móvel, garantir a conformidade com políticas de segurança de TI e bloquear malware. O nível Select da Kaspersky

Leia mais

MITO OU VERDADE? 11/02/2013 MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? Dois antivírus funcionam melhor que um?

MITO OU VERDADE? 11/02/2013 MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? MITO OU VERDADE? Dois antivírus funcionam melhor que um? Você é capaz de dizer se um firewall substitui um antivírus? E se o computador do usuário está sujeito a ser infectado só de visitar uma página da web? Por mais que especialistas alertem "instale um antivírus",

Leia mais

3 TIPOS DE FIREWALL E SUAS ESPECIFICAÇÕES

3 TIPOS DE FIREWALL E SUAS ESPECIFICAÇÕES 3 TIPOS DE FIREWALL E SUAS ESPECIFICAÇÕES Introdução... 3 Entendendo o funcionamento de um Firewall... 5 1. Filtragem de pacotes... 8 2. Proxy services... 11 3. Stateful inspection... 14 Como escolher

Leia mais

[Digite texto] XLabs. Web App Firewall. formation Security

[Digite texto] XLabs. Web App Firewall. formation Security [Digite texto] XLabs Web App Firewall formation Security bs.com.br XLabs Web Application Firewall Visão Geral Utilize os Serviços de Especialistas para a Proteção dos seus aplicativos Web. Breve Explicação

Leia mais

Soluções em Tecnologia www.actualdigital.com.br Institucional Actual Digital A Actual Digital oferece uma linha de produtos e serviços em tecnologia, unificando todas as soluções disponíveis na organização

Leia mais

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SOLUÇÕES CORPORATIVAS PARA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO 02 NÃO EXISTE CRISE PARA O CRIME CIBERNÉTICO Oportunidade para os criminosos: Brasileiros online ininterruptamente; Top 3 mundial em Online Banking; Epidemia

Leia mais

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res FIREWALL A conexão com a Internet traz às corporações os seguintes riscos: Relacionados a dados: confidencialidade, integridade e disponibilidade; Relacionados aos recursos e ativos da empresa; Relacionados

Leia mais

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de

Gestão de Segurança da Informação. Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006. Curso e Learning. Sistema de Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016

Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Como os resultados do diagnóstico de segurança podem priorizar os riscos inerentes aos negócios Security Leaders Belo Horizonte/MG - 15/06/2016 Fernando Nicolau Freitas Ferreira, MSc, CISM, CRISC, CGEIT,

Leia mais

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Firewall. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall Prof. Marciano dos Santos Dionizio Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas eram feitas de madeira o fogo era um grande problema, pois se alastrava facilmente

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DE INFORMAÇÃO Sumário INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... 3 SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 SISTEMAS E BACKUPS... 5 SEGREGAÇÃO DE ATIVIDADES... 5 VIGÊNCIA E ATUALIZAÇÃO... 6 POLÍTICA DE SEGURANÇA

Leia mais

Segurança da Informação aplicada em CCO. 14ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Fórum Técnico

Segurança da Informação aplicada em CCO. 14ª Semana de Tecnologia Metroferroviária Fórum Técnico Objetivo Este trabalho tem como objetivo descrever uma metodologia de segurança da informação aplicada às redes de computadores em Centros de Controle Operacional. Definição de Centro de Controle Operacional

Leia mais

Introdução a Sistemas de Informação

Introdução a Sistemas de Informação Introdução a Sistemas de Informação Orivaldo Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho, Fernando Fonseca & Ana Carolina Salgado Graduação 1 Introdução Sistema de Informação (SI)

Leia mais

3) Qual é o foco da Governança de TI?

3) Qual é o foco da Governança de TI? 1) O que é Governança em TI? Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a

Leia mais

Mecanismos de Segurança. Arnaldo Madeira Bruna Branco Vitor de Souza

Mecanismos de Segurança. Arnaldo Madeira Bruna Branco Vitor de Souza Mecanismos de Segurança Arnaldo Madeira Bruna Branco Vitor de Souza 1 Agenda Introdução Controle físico Mecanismos de cifração Assinatura digital Mecanismos de garantia da integridade da informação Mecanismos

Leia mais

LETRAS INDISPENSÁVEIS PARA ORGANIZAR UM PLANO DE AÇÃO 4E REDUZIR RISCOS

LETRAS INDISPENSÁVEIS PARA ORGANIZAR UM PLANO DE AÇÃO 4E REDUZIR RISCOS LETRAS INDISPENSÁVEIS PARA ORGANIZAR UM PLANO DE AÇÃO 4E REDUZIR RISCOS LETRAS INDISPENSÁVEIS PARA ORGANIZAR UM PLANO DE AÇÃO 4E REDUZIR RISCOS apresentação SWOT Você já deve ter ouvido falar em SWOT (Strengths,

Leia mais

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis

Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis Recomendação de políticas Serviços de nuvem seguros e confiáveis A oportunidade Na medida em que a computação em nuvem dá origem a novas e poderosas capacidades, ela oferece o potencial de aumentar a produtividade,

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Política de Segurança da Informação A política de segurança representa a formalização das ações que devem ser realizadadas para garantir a segurança. A criação, a implantação e a manutenção da política

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais

SEGURANÇA NA INTERNET

SEGURANÇA NA INTERNET Disponível em: http://segurancaprivadadobrasil.files.wordpress.com/2009/07/seguranca_net_-_cadeado.jpg SEGURANÇA NA INTERNET Maria Beatrís Zielinski Tracienski SEGURANÇA DOS COMPUTADORES: INTRODUÇÃO Um

Leia mais

Relatório Comparativo da Segurança de Terminais da Trend Micro: Realizado pela AV-Test.org

Relatório Comparativo da Segurança de Terminais da Trend Micro: Realizado pela AV-Test.org Relatório Comparativo da Segurança de Terminais da Trend Micro: Realizado pela AV-Test.org Resultados de maio de 2010 Resumo Executivo Em maio de 2010, a AV-Test.org comparou o desempenho da segurança

Leia mais

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato.

Projeto Na Medida MICROEMPRESA. Palestra de sensibilização Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS. Competências Gerais. Modalidade. Formato. Projeto Na Medida PARA MICROEMPRESÁRIOS Palestra de sensibilização Na Medida Compreender a relevância do papel dos micro e pequenos empresários na economia brasileira e a necessidade da adoção das melhores

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

O QUE É? O Microsoft Windows Server é um sistema operacional destinado para servidores.

O QUE É? O Microsoft Windows Server é um sistema operacional destinado para servidores. Profº J.VIDAL WINDOWS SERVER O QUE É? O Microsoft Windows Server é um sistema operacional destinado para servidores. SERVIDOR Em informática, um servidor é um sistema de computação centralizada que fornece

Leia mais

Desafios da Segurança na Internet das coisas. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Desafios da Segurança na Internet das coisas. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Desafios da Segurança na Internet das coisas gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 2 Agenda» A Internet das Coisas» Principais desafios» Riscos» Vulnerabilidades» Ataques» Defesas» Mais informações

Leia mais

Projeto Integrador Sistema de Gestão Empresarial

Projeto Integrador Sistema de Gestão Empresarial Projeto Integrador Sistema de Gestão Empresarial Faculdade Senac Goiás Gestão de Tecnologia da Informação Disciplina: Sistema de Gestão Empresarial Professor: Itair Aluno: Estevão Elias B. Lopes Introdução

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Unidade de Ensino Médio e Técnico Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS ASIA ASSET GESTORA DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS O presente Plano de Contingência e Continuidade de Negócios ( Plano ) tem como objetivo definir os procedimentos que

Leia mais

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS

SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS BROCHURE VENTURES SMART ASSET CONTROL SOLUTION OTIMIZANDO A UTILIZAÇÃO DE ATIVOS MÓVEIS PARA MELHORES RESULTADOS O DESAFIO DO CONTROLE DE EQUIPAMENTOS MÓVEIS Com o desafio econômico atual e a alta concorrência,

Leia mais

GUIA DA GESTÃO DA SEGURANÇA EM CLOUD COMPUTING

GUIA DA GESTÃO DA SEGURANÇA EM CLOUD COMPUTING GUIA DA GESTÃO DA SEGURANÇA EM CLOUD COMPUTING Introdução... 3 Entenda como o Cloud Computing funciona... 5 Os seus 4 maiores benefícios... 8 Quais são os riscos reais dessa tecnologia... 12 Saiba como

Leia mais

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ

INSTITUTO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: / FACULDADES INTEGRADAS DE TAGUAÍ VALE DO PARANAPANEMA LTDA CNPJ: 19.412.711/0001-30 POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) TAGUAÍ SP 2015 Política de Aquisição, Atualização e Manutenção

Leia mais

Gestão de Acesso e Segurança

Gestão de Acesso e Segurança Gestão de Acesso e Segurança COM A SOLUÇÃO EM CLOUD, VOCÊ GARANTE SEGURANÇA, PERFORMANCE E DISPONIBILIDADE PARA O SEU NEGÓCIO. A Senior dispõe de todas as soluções em cloud, atuando na modalidade SaaS,

Leia mais

Soluções & Infraestrutura

Soluções & Infraestrutura Soluções & Infraestrutura Somos SBR-T.I. surgiu para suprir a demanda e necessidade atual do mercado para garantir a adequação das tecnologias para alcançar mais competitividade no mercado. Estruturada

Leia mais

Aula 4. Por que os controles Segurança e os desafios Tipos de controle Privacidade Crimes Administração de Segurança Ética

Aula 4. Por que os controles Segurança e os desafios Tipos de controle Privacidade Crimes Administração de Segurança Ética Aula 4 Por que os controles Segurança e os desafios Tipos de controle Privacidade Crimes Administração de Segurança Ética Por que os controles são necessários Os controles são necessários para garantir

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios (PCN)

Plano de Continuidade de Negócios (PCN) Plano de Continuidade de Negócios (PCN) KAETÉ INVESTIMENTOS LTDA. Órgão responsável: Comitê de Compliance e Controles Internos Data da atualização: 17 de junho de 2016 Aviso Legal: Este documento pode

Leia mais

Cibersegurança no ambiente acadêmico. Italo Valcy Salvador BA, 27/Set/2016

Cibersegurança no ambiente acadêmico. Italo Valcy Salvador BA, 27/Set/2016 Cibersegurança no ambiente acadêmico Italo Valcy Salvador BA, 27/Set/2016 Estrutura do ETIR-UFBA Serviços do ETIR-UFBA ETIR-UFBA Reativos Pró-ativos Qualidade Serviços do ETIR-UFBA

Leia mais

Plano de Continuidade de Negócios (PCN)

Plano de Continuidade de Negócios (PCN) Plano de Continuidade de Negócios (PCN) K&C INVESTIMENTOS LTDA. Responsável: Diretor de Compliance e Riscos Data da atualização: 17 de junho de 2016 Aviso Legal: Este documento pode conter informações

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Observação Código Documento Rev. Folha

POLÍTICA DE SEGURANÇA. TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Observação Código Documento Rev. Folha Documentação da Política de Segurança BRA_STI 1.1 1 / 9 POLÍTICA DE SEGURANÇA Autor: Brainvest Consultoria Financeira Ltda. Data de Criação: 09 de Abril de 2012 Última Atualização: 08 de Junho de 2015

Leia mais

Prof. Luiz A. Nascimento

Prof. Luiz A. Nascimento Prof. Luiz A. Nascimento Qual a importância da Engenharia de Software? O desenvolvimento de um software envolve processos muitos complexos. A engenharia de software estabelece um modelo para se construir

Leia mais

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos

Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS. Marcelo Henrique dos Santos Aula 4 TECNOLOGIA EM JOGOS DIGITAIS JOGOS MASSIVOS DISTRIBUÍDOS Marcelo Henrique dos Santos Marcelo Henrique dos Santos Email: Site: marcelosantos@outlook.com www.marcelohsantos.com.br TECNOLOGIA EM JOGOS

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 1. INTRODUÇÃO A Faculdade Fleming dispõe atualmente de infraestrutura de Tecnologia da Informação com rede de computadores que interliga em torno de 300

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO ABRIL / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Objetivos... 3 1.3. Tecnologia da Informação... 3 1.4. Segregação de Atividades...

Leia mais

TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS

TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS TYR GESTÃO DE RECURSOS LTDA. PLANO DE CONTINGÊNCIA E CONTINUIDADE DOS NEGÓCIOS AGOSTO 2016 1 O presente Plano de Contingência e Continuidade de Negócios ( Plano ) tem como objetivo definir os procedimentos

Leia mais

Pen Test. Pen Test. Pen Test. Processo de identificar e explorar vulnerabilidades ataques lógicos ataques físicos engenharia social

Pen Test. Pen Test. Pen Test. Processo de identificar e explorar vulnerabilidades ataques lógicos ataques físicos engenharia social Prof. Luiz A. Nascimento Segurança da Informação Faculdade Nossa Cidade 2 Penetration Test Teste de Penetração ou Invasão Processo de identificar e explorar vulnerabilidades ataques lógicos ataques físicos

Leia mais

Protótipo de um software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP

Protótipo de um software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Protótipo de um software de segurança em redes para monitoração de pacotes em uma conexão TCP/IP Acadêmico: Paulo Fernando da Silva Orientador: Sérgio Stringari Roteiro Introdução Fundamentos Segurança

Leia mais

Benefícios da Solução de Gerenciamento Dell KACE. Sales Engineer

Benefícios da Solução de Gerenciamento Dell KACE. Sales Engineer Benefícios da Solução de Gerenciamento Dell KACE Airton_Leal@Dell.com Sales Engineer Gerenciamento de sistemas continua sendo uma terefa bastante complexa Gerenciamento de Sistemas Ambientes mistos Inventário

Leia mais

PERFIL CORPORATIVO CTIS

PERFIL CORPORATIVO CTIS PERFIL CORPORATIVO CTIS PERFIL CORPORATIVO Sobre a CTIS Iniciou sua trajetória com dois sócios, um office- boy e uma secretária, ocupando uma área de apenas 27m². Hoje, é uma das maiores do mercado brasileiro

Leia mais

5 dicas para diminuir custos em desenvolvimento de softwares

5 dicas para diminuir custos em desenvolvimento de softwares 5 dicas para diminuir custos em desenvolvimento de softwares Para manter a competitividade grandes companhias têm adotado tecnologias disruptivas com o intuito de aprimorar e automatizar serviços e processos

Leia mais

Ricardo Augusto Bordin Guimarães Auditoria Administrativa Hospitalar ricardo@rgauditoria.com.br (51) 9841.7580 www.rgauditoria.com.br www.twitter.com/ricardorgaud Qualidade e Gestão em Saúde através da

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação Cláudio Dodt, CISA, CISSP, CRISC, ISMAS Consultor Senior Gerente regional - Nordeste claudio.dodt@daryus.com.br Quem é a DARYUS? Empresa 100% nacional especializada em Continuidade,

Leia mais

Ambiente de Marketing

Ambiente de Marketing Ambiente de Marketing Mercado: Mercado deve ser definido com base na existência de uma necessidade; Se não há necessidade, não há mercado; Condições básicas para que exista um mercado: Que o consumidor

Leia mais

Ransomware. < >

Ransomware. <Nome> <Instituição> < > Ransomware Agenda Ransomware Como se prevenir Outros cuidados a serem tomados Créditos Mantenha-se informado Ransomware (1/4) Programa que torna inacessíveis os dados armazenados

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DE SEGURANÇA ÍNDICE 1. POLÍTICA DE SEGURANÇA 3 2. CONTROLE DE DOCUMENTO 3 3. ESPECIFICAÇÃO 3 3.1. Objetivo 3 3.2. Responsabilidades e Proibições 4 3.3. Senhas 5 3.4. Realizações de Backups 6 4.

Leia mais

2011 Profits Consulting. Inteligência Computacional

2011 Profits Consulting. Inteligência Computacional Inteligência Computacional Quem Somos Excelência em Soluções Tecnológicas A Profits Consulting é uma empresa composta por consultores com ampla experiência em Tecnologia que desenvolve soluções inovadoras,

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? Houve uma proliferação das ofertas de nuvem pública, e a nuvem privada se popularizou. Agora, a questão é como explorar o potencial

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema 1 Introdução 1.1 Definição do Problema Há pouco mais de 20 anos a Motorola apresentou para o mundo o primeiro telefone móvel comercial. Apelidado de tijolo, o DynaTAC 8000x pesava um pouco menos de 1 kilo,

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviços SOA

Arquitetura Orientada a Serviços SOA Arquitetura Orientada a Serviços SOA Rápida Definição SOA diz respeito a um estilo de arquitetura de software onde as funcionalidades das aplicações são orientadas a serviços. Elementos do SOA Visão Conceitual

Leia mais

tendências Gerenciamento de Identidade e Acessos (IAM - Identity and Access Management) Junho/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 01

tendências Gerenciamento de Identidade e Acessos (IAM - Identity and Access Management) Junho/2012 INFORMATIVO TECNOLÓGICO DA PRODESP EDIÇÃO 01 tendências EDIÇÃO 01 Junho/2012 Gerenciamento de Tendências para o futuro próximo Premissas Estratégicas Análise das Premissas Estratégicas 02 03 03 Identidade e Acessos (IAM - Identity and Access Management)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

Informática. Cloud Computing e Storage. Professor Márcio Hunecke.

Informática. Cloud Computing e Storage. Professor Márcio Hunecke. Informática Cloud Computing e Storage Professor Márcio Hunecke www.acasadoconcurseiro.com.br Informática COMPUTAÇÃO EM NUVEM Cloud Computing ou Computação em Nuvem pode ser definido como um modelo no

Leia mais

PESSOA JURÍDICA - CADASTRO COMPLETO CONTEÚDOS

PESSOA JURÍDICA - CADASTRO COMPLETO CONTEÚDOS PESSOA JURÍDICA - CADASTRO COMPLETO Pessoa Jurídica: Chave= CNPJ SINAL DE ALERTA QUE VEM NAS CONSULTAS DO VALIDEINFO WEB: Mais importante: O VALIDEINFO WEB ao trazer o sinal de Alerta (acima), auxilia

Leia mais

Disciplina: Administração de Marketing. Contextualização

Disciplina: Administração de Marketing. Contextualização Disciplina: Administração de Marketing Contextualização Ementa Objetivos gerais O marketing está presente em todos os lugares e na vida de todas as pessoas que representem os papéis de vendedores ou compradores.

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação NAC Eduardo Martins Pereira Fernando Bracalente Marcelo Dinofre Mario Luiz Bernardinelli Apresentacao NAC v4.2 Agenda Introdução Segurança de Acesso O que é NAC Histórico Empresas

Leia mais

INFORMÁTICA. Com o Professor: Rene Maas

INFORMÁTICA. Com o Professor: Rene Maas INFORMÁTICA Com o Professor: Rene Maas Arquivos anexados a mensagens de e-mail podem conter vírus, que só contaminarão a máquina se o arquivo anexado for executado. Portanto, antes de se anexar um arquivo

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016

MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 MANUAL DE POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO DA PILARESO GESTORA DE RECURSOS LTDA. 02 DE MARÇO DE 2016 ÍNDICE GERAL 1. INTRODUÇÃO... 2 2. APLICAÇÃO... 2 3. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 3.1 DISPOSIÇÕES INICIAIS...

Leia mais

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração

Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima geração Recomendação de políticas Desenvolvimento de habilidades de próxima A oportunidade A computação em nuvem e os recursos inovadores liberam o potencial para impulsionar o crescimento econômico significativo

Leia mais

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI

EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI EGT-114-L1 ASSUNTO: SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TEMA: O VALOR DA INFORMAÇÃO DO SÉCULO XXI EQUIPE: MATEUS FERREIRA 3º Período JACKSON CALHAU JUN / 2014 FRANCISCO DE ASSIS RODRIGO LIMA ROBSON MATEUS

Leia mais

ANÁLISE DE MALWARE: COMPREENDENDO O FUNCIONAMENTO DE ARTEFATOS MALICIOSOS PARA A GERAÇÃO MANUAL DE DEFESAS

ANÁLISE DE MALWARE: COMPREENDENDO O FUNCIONAMENTO DE ARTEFATOS MALICIOSOS PARA A GERAÇÃO MANUAL DE DEFESAS ANÁLISE DE MALWARE: COMPREENDENDO O FUNCIONAMENTO DE ARTEFATOS MALICIOSOS PARA A GERAÇÃO MANUAL DE DEFESAS Farol de Santa Cruz Leomar Viegas Junior nformation Security Specialist / Network Security Archtect

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS DO MICROSOFT SQL SERVER

ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS DO MICROSOFT SQL SERVER 20462 - ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS DO MICROSOFT SQL SERVER CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Estrutura de tópicos do curso Módulo 1: Introdução à administração de banco de dados do SQL Server 2014 Este módulo

Leia mais

Conheça a tecnologia DNABolt de Autenticação de Múltiplos-Fatores.

Conheça a tecnologia DNABolt de Autenticação de Múltiplos-Fatores. Conheça a tecnologia DNABolt de Autenticação de Múltiplos-Fatores www.dnabolt.com www.cerof.com.br SOBRE ROUBO DE IDENTIDADE VIRTUAL Roubo de identidade é qualquer tipo de fraude que resulte na perda de

Leia mais

ADMINISTRANDO O WINDOWS SERVER 2012

ADMINISTRANDO O WINDOWS SERVER 2012 20411 - ADMINISTRANDO O WINDOWS SERVER 2012 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Módulo 1: Configurando e Solucionando problemas de sistema de nome de domínio Este módulo explica como configurar e solucionar problemas

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

LogMeIn lança Cubby Enterprise para sincronização e compartilhamento de arquivos na nuvem

LogMeIn lança Cubby Enterprise para sincronização e compartilhamento de arquivos na nuvem LogMeIn lança Cubby Enterprise para sincronização e compartilhamento de arquivos na nuvem Enviado por DA REDAÇÃO 20-Mar-2014 PQN - O Portal da Comunicação A LogMeIn Inc., provedor líder de serviços de

Leia mais

TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS

TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS TRITON AP-WEB PROTEÇÃO ABRANGENTE EM TEMPO REAL CONTRA AMEAÇAS AVANÇADAS E FURTO DE DADOS Sua empresa e seus dados

Leia mais

Atendimento Inteligente

Atendimento Inteligente Atendimento Inteligente Com a quantidade de canais de comunicação disponíveis hoje em dia, a tendência é para que o consumidor comece a comunicar com marcas e empresas através de meios menos tradicionais.

Leia mais

Equilíbrio entre Segurança e Privacidade: Princípios de Segurança

Equilíbrio entre Segurança e Privacidade: Princípios de Segurança Equilíbrio entre Segurança e Privacidade: Princípios de Segurança Cristine Hoepers cristine@cert.br! Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil Núcleo de Informação e

Leia mais

Software: na visão da ES

Software: na visão da ES Software: na visão da ES É um produto transformador de informações De acordo com a semiótica: dados são símbolos com uma determinada sintaxe e informação são dados com uma determinada semântica Veículo

Leia mais

MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro

MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro MPT.Br Melhoria do Processo de Teste Brasileiro Ivaldir Junior junior@recife.softex.br Motivação Sistemas de software são cada vez mais parte do nosso dia-a-dia. Softwares que não funcionam adequadamente

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

Virtualização: Para vencer a complexidade da TI ABERDEEN GROUP

Virtualização: Para vencer a complexidade da TI ABERDEEN GROUP Virtualização: Para vencer a complexidade da TI ABERDEEN GROUP 1 A luta da TI é real Lutar faz parte da vida. Todos os dias, tanto em nossa vida pessoal quanto profissional, lutamos para fazer nosso melhor,

Leia mais

Desenvolvimento de um Conjunto de Processos de Governança de Tecnologia de Informação para uma Instituição de Ensino Superior

Desenvolvimento de um Conjunto de Processos de Governança de Tecnologia de Informação para uma Instituição de Ensino Superior Desenvolvimento de um Conjunto de Processos de Governança de Tecnologia de Informação para uma Instituição de Ensino Superior Ângela F. Brodbeck (Escola de Administração) Jussara I. Musse (Centro de Processamento

Leia mais

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016

Divisão de Controles Internos e Compliance 19/08/2016 1 Área responsável pelo assunto 1.1 Diretoria de Governança, Risco e Compliance. 2 Abrangência 2.1 Esta Política aplica-se à BB Seguridade Participações S.A. ( BB Seguridade ou Companhia ) e suas subsidiárias

Leia mais

Por serem tão importantes, sistemas críticos são geral são desenvolvidos usando técnicas já consagradas em vez de técnicas mais recentes.

Por serem tão importantes, sistemas críticos são geral são desenvolvidos usando técnicas já consagradas em vez de técnicas mais recentes. SISTEMAS CRÍTICOS DEFINIÇÃO São sistemas técnicos ou sociotécnicos dos quais as pessoas ou os negócios dependem. Caso esses sistemas falhem, os problemas serão gravíssimos. Existem 3 tipos de Sistemas

Leia mais

Serviços em Cloud Computing

Serviços em Cloud Computing Serviços em Cloud Computing Computação em nuvem: Transformação para a Era Digital Marcos Vinícius Feitosa Gerente de Tecnologia O que é o Sicoob? Maior Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil Conta

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Auditoria de Sistemas de Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Globalização => disseminação da informação; É mais fácil interceptar a informação; Empresários deixam de tomar decisões

Leia mais

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados

Indústria de Cartões de Pagamento (PCI) Padrão de segurança de dados Indústria de Cartões de Pagame (PCI) Padrão de segurança de dados Resumo de alterações da Versão 3.1 para a 3.2 do PCI DSS Abril de 2016 Introdução Este docume fornece um resumo de alterações da versão

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas -Segurança em Redes de Computadores

Auditoria e Segurança de Sistemas -Segurança em Redes de Computadores Auditoria e Segurança de Sistemas -Segurança em Redes de Computadores Adriano J. Holanda 26/8/2016 Referências Criptografia e Segurança de Computadores. William Stallings, Capítulo 1. Pearson, 6 a edição,

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 117/CSJT.GP.SG, DE 15 DE MAIO DE 2012

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 117/CSJT.GP.SG, DE 15 DE MAIO DE 2012 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 117/CSJT.GP.SG, DE 15 DE MAIO DE 2012 Aprova o cronograma das atividades relacionadas à implantação do Processo Judicial Eletrônico da Justiça

Leia mais

Proposta de Gestão. Candidatura ao cargo de Diretor-Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Proposta de Gestão. Candidatura ao cargo de Diretor-Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Proposta de Gestão Candidatura ao cargo de Diretor-Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Campus Barretos (2017 a 2021) VITOR EDSON MARQUES JÚNIOR Barretos, 17 de agosto

Leia mais

"Somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles "Somos o que repetidamente fazemos. A excelência, portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles Prof. Jeferson Bogo Cupom futuropolicial30. 30% de desconto na compra de qualquer curso, válido até

Leia mais

Leitora GemPCTwin. Guia de Instalação

Leitora GemPCTwin. Guia de Instalação Todos os direitos reservados. Imprensa Oficial do Estado S.A. 2010 Pré Requisitos para a instalação Dispositivos de Certificação Digital (Leitora GemPCTwin) Para que o processo de instalação tenha sucesso,

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

Cursos para turbinar a sua carreira profissional

Cursos para turbinar a sua carreira profissional Cursos para turbinar a sua carreira profissional CONTATOS: FONE: (92) 3216-3080 FUNDACAOREDEAM.COM.BR CERTIFICAÇÃO OFICIAL FURUKAWA FCP Data Cabling System (28 horas) Introduzir e direcionar profissionais

Leia mais

Universidade Veiga de Almeida. Estratégia Empresarial. Análise SWOT

Universidade Veiga de Almeida. Estratégia Empresarial. Análise SWOT Universidade Veiga de Almeida Estratégia Empresarial Análise SWOT Antonio Damique Teixeira Matr 021273014 1.0 - Análise SWOT Por que usamos a análise SWOT, nas organizações e empresas. Porque a análise

Leia mais

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil ICT Education Research and challenges for the use of technology in elementary and secondary

Leia mais

Descrição do Requisito

Descrição do Requisito ANEXO III 1 REQUISITOS TÉCNICOS A SOLUÇÃO deverá atender obrigatoriamente aos requisitos não funcionais e às características técnicas descritos nos itens deste Anexo. Os requisitos não funcionais e técnicos

Leia mais