PROJETO PIBID: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PIBID: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ"

Transcrição

1 PROJETO PIBID: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DO PARANÁ Resumo QUIRINO, Vanessa Ferreira dos Santos PUCPR FURTADO e SILVA, Júlia PUCPR 1 HAMESTER, Menezes Myucha PUCPR MENA, Viviana Mabel PUCPR SILVA, Felipe Palhano PUCPR XAVIER, Andreza Bressan PUCPR Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora: CAPES O presente trabalho visa a relatar a experiência dos bolsistas PIBID, Subprojeto Língua Portuguesa-Leitura, no Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pillotto. Este projeto revela-se de grande importância para a formação dos acadêmicos de licenciaturas, pois a prática da docência é imprescindível para a qualificação profissional do futuro professor. O estudante de graduação em Letras tem como desafio aplicar as teorias de concepção de linguagem, sendo capaz de desenvolver estratégias eficazes para o ensino de língua materna e/ ou estrangeira. Ler é uma das competências linguísticas almejadas no ensino de língua portuguesa. Assim, nosso subprojeto tem como objetivo, além do inventivo à leitura, o desenvolvimento dessa habilidade no aluno do Ensino Médio da escola pública, capacitando-o a ler diferentes gêneros textuais, pois leitura não é mera decodificação, é uma prática social, uma atividade de interação texto-leitor-autor. A formação de um leitor competente permite a construção do sujeito crítico, possibilitando-lhe o exercício da cidadania e a integração à sociedade. O projeto desenvolvido na escola priorizou a leitura de textos literários. Pretendemos apresentar a Literatura como objeto de apreciação estética, em que a linguagem 1 Acadêmicos da Graduação em Letras PUCPR

2 13758 é utilizada para criar obras artísticas. A leitura de textos literários proporciona uma reflexão sobre a cultura, a sociedade, uma vez que a arte é uma prática de social, na qual o contexto socio-histórico não pode ser ignorado. Além de relatar nossa trajetória na sala de aula, propomos a discussão acerca dos resultados para traçar novos objetivos a serem alcançados. Palavras-chave: Projeto PIBID. Leitura. Iniciação à docência. Introdução O projeto PIBID CAPES- PUCPR propõe aprimorar a formação dos estudantes dos cursos de licenciatura, promovendo o contato do acadêmico com realidade escolar. Uma equipe de vinte bolsistas desenvolveu um projeto com alunos do Ensino Médio de escolas estaduais, com a coordenação Profª. Dra. Cristina Miyaki e supervisão dos professores Klabyr de Jesus (Instituto de Educação do Paraná Professor Erasmo Pillotto), Lucélia Lopes Garbo (Eurides Brandão) e Vivian Macedo (Alfredo Parodi). No Instituto de Educação do Paraná, os bolsistas Andreza Bressan Xavier, Felipe Palhano Silva, Júlia Furtado e Silva, Myucha Menezes Hamester, Vanessa Ferreira dos Santos Quirino e Viviana Mabel Mena realizaram o subprojeto intitulado Leitura com o enfoque no texto literário, voltado para o incentivo da leitura, apresentando o texto literário, muito além do utilitarismo da mera decodificação dos signos linguísticos, mas como objeto de apreciação estética e fonte de reflexão sobre cultura e sociedade. Promovendo a interação dos professores de amanhã com as necessidades dos alunos de hoje, o projeto objetiva não apenas a capacitação do licenciando frente a um estágio em sala de aula, mas a discussão acerca da possibilidade da oferta de um ensino qualificado. Tal interação faz-se necessária pelo fato de contribuir de maneira significativa para a formação do futuro docente, pois torna possível pôr em prática a teoria de ensino nas intervenções em sala de aula. Além disso, oportuniza a observação do contexto escolar para assim desenvolver projetos que visem à melhoria da qualidade de ensino. A formação do docente não se faz apenas com as teorias estudadas na universidade, é essencial vivenciar situações concretas, reais e cotidianas para que, por meio da dialética entre teoria e prática, ocorra uma efetiva integração de conhecimentos.

3 13759 Leitura Leitura e Ensino Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental têm entre seus objetivos: que o aluno compreenda a cidadania como participação na sociedade, atuando de forma crítica e efetiva; saiba utilizar as diferentes linguagens como meio para produzir expressar e comunicar suas ideias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação. Além disso, o estudante deve saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos. O ensino da língua materna deve cumprir parte dessa função, pois é pela linguagem que os sujeitos se constroem. A disciplina de língua portuguesa precisa capacitar o aluno a ler e interpretar diferentes gêneros textuais e construir o próprio discurso por meio de produção de textos orais e escritos. Para atingir tal objetivo, não se pode mais conceber a língua como código, pois os textos ultrapassam a dimensão da materialidade linguística. Ler é muito mais que decodificar, pressupõe interação e intenção. Essa prática é parte da interação verbal escrita, exigindo uma participação do leitor na interpretação e, também, na reconstrução do sentido e das intenções do autor. Seria possível afirmar que ler é outro modo de ouvir. (BAGNO apud ANTUNES, 2003, p.66) Pelo fato de que a linguagem não existe sem sujeitos que interagem entre si, por meio do discurso, para atingir um propósito (convencer, intimidar, emocionar, vender etc), leitor, texto e autor dialogam o tempo todo no processo de construção de sentido. O leitor exerce papel ativo na produção de sentido para a leitura, atentando não só para o que está explícito no texto ou para as intenções nele sugeridas ao longo pelo autor, mas acrescentando ao texto sua bagagem sócio-cognitiva. A partir da proposta socio-interacionaista defendida por Koch e Elias (2007), podemos afirmar que a leitura é um processo interativo. Para essas autoras, ler é construir sentido e isso só é possível na interação autor-texto-leitor. Muito mais que decodificar a estrutura linguística presente no texto, a leitura exige estratégias que o leitor utilizará nesse processo: seleção, antecipação, inferência e verificação. Diante de cada gênero textual, o leitor criará uma disposição diferente que o conduzirá a uma melhor compreensão. Fará uma seleção das competências exigidas para produção de sentido, podendo estar relacionadas com seus aspectos sintático-semânticos, lexicais, sua

4 13760 bagagem cultural e sócio-cognitiva, além da familiaridade com o assunto abordado. O sujeitoleitor desempenha um papel ativo, antecipando-se, elaborando hipóteses, fazendo inferências que podem ou não se confirmar ao longo do texto É preciso salientar que o objetivo da leitura também tem grande influência no modo como o leitor interagirá com o texto. De acordo com o objetivo, a leitura poderá ser mais ou menos interativa, linear ou por tópicos ou necessitará mais ou menos atenção por parte do leitor. O texto é a base para a produção de sentido, por meio do qual o leitor ativará saberes anteriores. Pode-se falar de um sentido para o texto, mas nunca em um sentido único. A pluralidade de sentidos é aceitável desde que alicerçada nos limites que o texto propõe. O autor é elemento importante na dinâmica da elaboração do sentido, uma vez que ele sempre escreve com um objetivo e para um leitor, o qual terá compreensão global ou parcial do texto, conforme o seu repertório de conhecimentos e vivências. Um texto após sua escrita tem uma existência independente. O contexto de escrita e leitura pode interferir na interpretação. Isso ocorre porque, muitas vezes, a leitura é feita em tempo e espaço diferentes da produção. Por isso, a necessidade das adaptações ou uma investigação do contexto da escrita para que o texto seja mais facilmente entendido. Leitor, texto e autor são sujeitos que dialogam o tempo todo. A construção de sentido só se faz nessa dinâmica em que o leitor participa ativamente, atentando para o que está escrito e explícito no texto, para o que está sugerido nas sinalizações do próprio texto e as conexões feitas com os seus conhecimentos de mundo. Afirmação semelhante é feita por Perini (2005), em As gravatas de Mario Quintana, sétimo capítulo do livro Sofrendo a gramática. Para ele, o sucesso da comunicação depende, em grande parte, do conhecimento linguístico compartilhado entre autor e leitor. Entretanto, uma comunicação eficiente exige do autor e do leitor mais que um código comum - neste caso, a língua. O ato comunicativo requer um conhecimento de mundo semelhante para ambos, ou seja, os dois precisam ter em comum um grande número de informações, precisam pertencer a meios culturais semelhantes, precisam mesmo ter, até certo ponto, crenças comuns. (PERINI, 2005, p. 58). Portanto, o conhecimento linguístico, por si só, não garante uma compreensão global do texto; os elementos extratextuais encarregar-se-ão de preencher as lacunas presentes e conferir significado a uma frase ou discurso. Isso é feito quando o leitor, de posse de saberes e vivências anteriores, faz conexões com o texto lido,

5 13761 atribuindo-lhe sentido. Por outro lado, as experiências do leitor são levadas em consideração pelo autor, uma vez que ele espera que, ao reconstruir o sentido, o interlocutor ative os conhecimentos pertinentes ao assunto para estabelecer relações com o texto escrito. Assim, o autor pode deixar informações implícitas a serem completadas, sinalizando, por meio de marcas formais, de forma que o parceiro da interação sócio-comunicativa reconstrua o propósito pretendido no momento da produção do discurso. Nesse sentido, Kleima (2005) discorre a respeito do pacto feito entre o produtor do texto e o leitor, pois sendo a leitura uma atividade de interação, o autor, quando se propõe a dizer algo, transparece intenções no texto por meio de marcas formais e, com isso, julga o interlocutor capaz de aceitar ou rejeitar as proposições feitas, bem como tecer hipóteses a respeito delas, verificando-as ao longo da leitura. A autora afirma, ainda, que o processo de produção de sentido para um texto demanda três níveis de conhecimento, a saber: conhecimento linguístico, conhecimento textual e conhecimento de mundo. Conforme, a autora esses três níveis de conhecimento interagem constantemente no ato da leitura. O conhecimento linguístico é implícito, não verbalizado e não verbalizável. Abrange os saberes sobre pronúncia, vocabulário, regras da língua e uso. Por sua vez, o conhecimento textual diz respeito à estruturação de um texto, os tipos textuais que o integram, bem como a maneira com que estes tipos se organizam, as particularidades de cada um por meio da observação das marcas temporais, uso de conectores, adjetivação, etc. Com isso, torna-se possível uma compreensão mais abrangente de um texto. O domínio desse saber leva o leitor a ter expectativas diante de um tipo textual, podendo apreender a intenção do autor, pois ao analisar as marcas formais presentes, tem-se um forte indicador do objetivo pretendido e da posição assumida pelo autor. Por fim, o conhecimento de mundo ou conhecimento enciclopédico pode ser adquirido formalmente (escola) ou informalmente (fruto das experiências do indivíduo, e tem caráter social, por ser determinado por valores e ideologias compartilhadas por membros de uma sociedade). Trata-se de um saber extralinguístico, mas que interfere, sobremaneira, na interpretação de um texto, pois a familiaridade com determinado assunto contribui para melhor assimilação de um discurso, uma vez que o leitor fará as inferências necessárias à produção de sentido. Portanto, não se pode falar em textos difíceis, e sim em conhecimentos exigidos a cada produção escrita.

6 13762 O texto literário Proença Filho (2005, p. 28) afirma que o texto literário veicula uma forma específica de comunicação que evidencia o uso do discurso, colocado a serviço da criação artística reveladora. A linguagem literária caracteriza-se pela multiplicidade de sentidos. O texto da literatura é um objeto de realidades físicas, sociais e emocionais, que encontra na palavra a mediação para constituir um objeto estético. Os aspectos estéticos da obra literária podem ser alcançados por meio da exploração de níveis fonológicos ( sons), sintáticos ( construção das sentenças), semânticos ( significados). Como toda arte, a literatura não pode estar desvinculada do contexto sócio-histórico. Portanto, cultura, língua e literatura estão estreitamente relacionados. Assim, a literatura pode ser transformadora e construtora do sujeito, uma vez que proporciona ao leitor uma profunda reflexão sobre o mundo que o cerca. Segundo Soares (2007, p.9), a obra literária envolve representação e visão de mundo, assim como uma tomada de posição diante dele. Relato de Experiência Segundo semestre de 2010 O projeto teve início em setembro de 2010, foi desenvolvido em duas turmas de magistério (4ª MA e 4ª MB) pelos os acadêmicos bolsistas junto ao supervisor do subprojeto no IEPPEP, professor Klabyr de Jesus. Primeiramente, elaboramos um breve questionário com intuito de investigar a preferência de leitura dos alunos e saber quais os gêneros textuais oferecem dificuldades aos estudantes. Entramos em sala de aula e nos apresentamos aos alunos, então aplicamos o questionário sobre leitura. Para desenvolver nosso trabalho com mais eficácia dividimos o grupo em dois: o grupo composto por Ana Flávia, Andreza, Myucha e Viviana desenvolveria o trabalho na turma 4 MA, às terças-feiras, e Felipe, Pamela, Julia e Vanessa trabalhariam às quintas-feiras com a turma 4 MB. Constatamos que o gênero textual mais difícil de compreender, de acordo com os estudantes, foi o texto literário, decidimos iniciar nosso trabalho com um conto, o professor supervisor propôs A terceira margem do rio, de Guimarães Rosa. Por não se tratar de uma leitura empírica e inocente, concluímos que os alunos deveriam passar por outros gêneros textuais para que pudessem atribuir sentido ao texto de Guimarães Rosa. Ficamos incumbidos

7 13763 de selecionar poesias, letras de músicas e outros textos que pudessem se relacionar com o conto escolhido. Visitamos a biblioteca da escola para investigar quais obras estão disponíveis aos alunos. Selecionamos algumas poesias que traziam como tema morte (uma das possíveis interpretações para o conto selecionado). Lemos o material e discutimos como poderíamos relacionar esses poemas com o texto principal e quais estratégias seriam utilizadas em sala de aula. Chegamos ao consenso de que usaríamos o poema O horário do fim, de Mia Couto, a letra da música A terceira margem do rio, de Caetano Veloso/Milton Nascimento. Elaboramos os quatro passos que norteariam o trabalho com o conto em sala de aula. O primeiro passo: reservar um tempo para que os estudantes lessem o conto silenciosamente, em seguida escrever no quadro as seguintes perguntas: o que você entendeu do conto? O que representa a imagem do homem dentro do rio? Você gostou do conto? O segundo passo: falar brevemente sobre a biografia de Guimarães Rosa, a seguir ler o poema de Mia Couto e explicar o que é uma metáfora. O terceiro passo: tocar a música de Caetano Veloso e Milton Nascimento, em seguida analisar verso a verso, levando os alunos a estabelecer relações com o conto. O quarto passo: ler o conto novamente, retornar às perguntas feitas no primeiro passo e observar se a resposta dos alunos foi alterada após a segunda leitura. Por fim, explorar junto aos alunos outras possibilidades de sentido para o conto. Pusemos em prática o planejamento e obtivemos excelente resultado, com grande participação e interesse por parte dos alunos. Apesar da complexidade da linguagem empregada por Guimarães Rosa, o conto suscitou reflexões importantes e os estudantes perceberam que a leitura do texto literário exige habilidades diferentes de outros gêneros textuais. Em novembro, para dar continuidade ao projeto, selecionamos alguns textos de Carlos Drummond de Andrade a serem trabalhados: Nudez, O enterrado vivo, Dentaduras Duplas, A mão suja, Carta, Infância, Verbo ser. Além da abordagem dos poemas de Drummond, orientamos os alunos para a produção dos gêneros textuais que seriam cobrados na segunda fase do vestibular da UFPR. Primeiro semestre de 2011 No 1º semestre de 2011 decidimos trabalhar com novas mídias com intuito desenvolver estratégias auxiliares no ensino de língua portuguesa. Para tanto, empenhamo-

8 13764 nos em aprender a manusear O Jclic e disponibilizar as atividades criadas no site Wikispaces. Cabe aqui explicitar o que é o JClic e a Wikispaces. O Jclic é um software de autoria de uso livre, destinado a criar recursos de aplicações didáticas e interativas, criado por Francesc Busquest, originalmente em espanhol e catalão, mas conta também com uma versão traduzida para o português. Esse software pode ser utilizado em diversas disciplinas do currículo escolar. Trata-se de uma ferramenta desenvolvida na plataforma Java para criação, realização e avaliação de atividades educativas. Essas atividades geralmente não estão sozinhas, sendo empacotadas em projetos específicos para cada conjunto de atividades, com uma ou mais sequências, que indicam a ordem em que serão apresentadas. Sua ambientação pode ser aplicada em diversos softwares como, por exemplo, Linux, Mac OS-X, Windows e Solaris. Para usar o Jclick é preciso baixar os aplicativos: JClic player, JClic author e JClic reports. O primeiro é o programa principal e serve para vizualizar e executar as atividades, permitindo criar e organizar as bibliotecas de projetos, sendo possível escolher entre os diversos contornos gráficos e opções de funcionamento. O segundo é a ferramenta que permite criar, modificar e experimentar os projetos JClic em um contorno visual intuitivo e imediato. Também oferece a possibilidade de converter em um novo formato os pacotes feitos com Clic 3.0 (versão anterior do programa), além de permitir a publicação das atividades para serem inseridas numa página web ou ainda a criação automática de arquivos de instalação de projetos JClic. Por fim, o Jclic Reports é o módulo que permite gerenciar uma base de dados de onde se recolhem os resultados obtidos pelos alunos ao realizar as atividades dos projetos JClic. O programa trabalha em rede e oferece também a possibilidade de gerar informações estatísticas dos resultados. O software permite a realização de sete tipos de atividades básicas: a) associações: pretendem que o usuário descubra as relações existentes entre dois conjuntos de informação; b) jogos de Memória: onde temos que descobrir pares de elementos iguais ou relacionados entre si que estão escondidos; explorador, identificando células e tela de informação, que partem de um único conjunto de informação; d) quebra-cabeças (puzzle): planeja a reconstrução de uma informação que está inicialmente desordenada, essa informação pode ser gráfica, textual, sonora ou combinar aspectos gráficos e auditivos ao mesmo tempo; e) atividades de resposta escrita: são resolvidas escrevendo-se um texto (uma só palavra ou frases relativamente complexas); f) texto: Atividades de texto: são planejados exercícios

9 13765 baseados sempre nas palavras, frases, letras e parágrafos de um texto, onde será necessário completar, entender, corrigir ou ordenar. Os textos podem conter também janela de imagem com conteúdo ativo; g) Cata-palavras e Palavras cruzadas: são variantes interativas dos conhecidos passatempos com palavras escondidas. O Jclic permite que seu usuário poste as atividades em um site da web. Em nosso projeto, utilizamos o wikispace, um espaço onde é possível criar páginas sobre um tema em particular; cada espaço pode contem vários arquivos, páginas, imagens. Para ter acesso ao wikispace, criamos uma conta no site Todos os integrantes de nosso grupo conseguem elaborar, modificar atividades e disponibilizá-las aos alunos. Aprender a manusear o software e elaborar atividades que estimulassem nossos alunos a entrar em contato com a Literatura foi nosso desafio durante esse semestre. Nossos esforços estiveram voltados para a construção da página Esse projeto será expandido neste próximo semestre. Paralelamente à construção da página do Projeto PIBID, orientamos os alunos em sala de aula. O planejamento semestral feito pelo professor Klabyr estabelecia que os estudantes formassem grupos para fazer uma exposição oral, na qual apresentariam os gêneros literários conto, crônica, teatro e poesia. Para tanto, nossa equipe selecionou e disponibilizou o material teórico para os alunos pesquisarem; trabalhamos junto às turmas na organização das apresentações; selecionamos os critérios de avaliação, a saber, adequação ao tema, clareza, objetividade, adequação de linguagem, material de apresentação e domínio de conteúdo. Após essa etapa, observamos as apresentações orais de todas as turmas, aplicando os critérios de avaliação preestabelecidos. Dessa maneira, a experiência de iniciação à docência abrangeu diferentes níveis da preparação dos acadêmicos para seu melhor desempenho em sala de aula, incluindo a difícil tarefa de estabelecer critérios para avaliar o trabalho dos alunos. Após pesquisarem e conhecerem os gêneros literários, nossos alunos mostraram-se motivados e fizeram uma exposição de qualidade e com domínio de conteúdo. Ao fim de cada apresentação, nosso professor supervisor fez intervenções pertinentes ao conteúdo, acrescentando informações, também destacou alguns aspectos a serem aprimorados pelos alunos. Consideramos essa ação dialógica essencial no processo ensino-aprendizagem. A interação com os alunos foi altamente positiva e relevante para nossa formação.

10 13766 Finalizamos nosso trabalho com a introdução da análise sobre as obras literárias que serão cobradas no vestibular da UFPR ( Anjo Negro, de Nelson Rodrigues; Felicidade Clandestina, de Clarice Lispector; Inocência, do Visconde de Taunay; Lucíola, de José de Alencar; Novas diretrizes em tempos de paz, de Bosco Brasil; O Bom Crioulo, de Adolfo Caminha; Poemas Escolhidos, de Gregório de Matos; Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles; São Bernardo, Graciliano Ramos e Urupês, Monteiro Lobato). Apresentamos aspectos gerais das obras literárias: gênero, estrutura, linguagem, contexto histórico, biografia de cada autor. Tivemos também a preocupação de mostrar a importância de cada obra para literatura nacional. Considerações finais Ao longo de nosso projeto procuramos fornecer aos alunos subsídios para que desenvolvessem suas possibilidades de reflexão sobre a linguagem e seu uso. Apresentamos a eles diversos gêneros textuais com a finalidade de proporcionar a ampliação de repertório de leitura. Assim, eles se tornaram capazes de construir sentido para textos mais complexos. Com o avanço da tecnologia e a demanda pelo desenvolvimento de novas habilidades, faz-se necessário pensar na construção do conhecimento diante da mudança do perfil dos alunos. Por isso, o ensino de língua portuguesa precisa ser significativo e renovar-se constantemente. Pensando nessa realidade, buscamos desenvolver atividades que estimulem o interesse pelos textos literários para que a leitura não se restrinja ao contexto escolar. Com este trabalho percebemos que os alunos puderam ampliar seus conhecimentos. Este projeto não está terminado, uma vez que outros acadêmicos darão continuidade neste próximo semestre. Para nossa formação profissional, o projeto contribuiu muito, pois a possibilidade de entrar em contato com o ambiente escolar e poder refletir sobre a busca de melhorias no processo de ensino-aprendizagem foi de grande importância. A prática docente exige constante atualização Portanto, o conhecimento deve ser sempre o objetivo maior do professor, é preciso aprender como compartilhá-lo, uma vez que não pode ser transmitido, porque implica diálogo e interação. REFERÊNCIAS

11 13767 ANTUNES. Irandé. Aula de Português: encontro e interação. São Paulo: Parábola Editorial, BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, ELIAS, Vanda Maria. (2007) KOCH, Ingedore Villaça. Ler e compreender: os sentidos do texto. 2 ed. São Paulo: Contexto, KLEIMA, Ângela. (2004) Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 9ed. Campinas, SP: Pontes. PERINI, Mario A. (2005) Sofrendo a gramática: ensaios sobre a linguagem. 3 ed. São Paulo, SP: Ática. PROENÇA FILHO, Domício. A linguagem literária. São Paulo: Ática, SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Portal dia a dia Educação Manual Jclic. Disponível em: <http://www.diaadia.pr.gov.br/multimeios/arquivos/file/tutoriais/manual_jclic_2010_vers_ web.pdf > Acesso em 20 ago SOARES, Angélica. Gêneros Literários. São Paulo: Ática, 2007

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA

A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA A INTERVENÇÃO DA LEITURA NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA Aline Fabiana Amorim Santos 1 (Graduanda/UFS) Evellin Heide Souza Aragão (graduanda/ufs) Laura Camila Braz de Almeida

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS DE LEITURAS SIGNIFICATIVAS NOS ANOS INICIAIS Resumo DO ENSINO FUNDAMENTAL MARTINS, Esilda Cruz UEPG maria.esilda@hotmail.com Eixo Temático: Práticas e Estágios nas Licenciaturas. Agência Financiadora:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura.

PALAVRAS-CHAVE Alfabetização e Letramento. Formação do Leitor. Leitura. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras-chaves: leitura; produção textual, conto. 1 INTRODUÇÃO DE CONTO EM CONTO: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE Maria Helena Cunha de Andrade SILVA RESUMO Esse trabalho relata uma experiência de leitura e produção textual realizada no decorrer do ano letivo de

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR CELEM CENTRO DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA MODERNA ESPANHOL APRESENTAÇÃO Segundo as Diretrizes Curricular o ensino da Língua Estrangeira na Educação Básica esta pautado

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS

FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS NARRATIVOS Resumo LUCAS, Maria Angélica Olivo Francisco 1 - UEM Grupo de Trabalho - Formação de professores e

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: A CONFIGURAÇÃO DA COMPETÊNCIA CRÍTICA NA PRODUÇÃO DA RESENHA ESCOLAR

UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: A CONFIGURAÇÃO DA COMPETÊNCIA CRÍTICA NA PRODUÇÃO DA RESENHA ESCOLAR UMA EXPERIÊNCIA DOCENTE COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL II: A CONFIGURAÇÃO DA COMPETÊNCIA CRÍTICA NA PRODUÇÃO DA RESENHA ESCOLAR Hermano Aroldo Gois Oliveira (UFCG/PIBID/LETRAS); Jackson Cícero França

Leia mais

ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1

ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1 ALUNOS LEITORES E REDATORES: O JORNAL MURAL EM SALA DE AULA PIBID/LETRAS 1 COSTA, Juliana Melo da; GONÇALVES, Luana Iensen 2 ; RANGEL, Eliane de Fátima Manenti 3 1 Trabalho financiado pela CAPES via o

Leia mais

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P.

Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento. Prof. Juliana P. Rotinas da escola e da sala de aula: possibilidades de organização do trabalho pedagógico na perspectiva do letramento Prof. Juliana P. Viecheneski O que nos vem à mente quando falamos em rotina? Na prática

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular

Base Nacional Comum Curricular Área de Linguagens: Componente Curricular Língua portuguesa SEC/UEFS Para que se dá aulas de Português a falantes nativos do Português? Desenvolver a competência comunicativa dos usuários da língua (progressiva

Leia mais

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL

O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIAS EM QUADRINHOS NO PIBID LETRAS ESPANHOL RESUMO Ana Raquel Abelha Cavenaghi (UEL) anaraquel@uel.br Valdirene Zorzo-Veloso valdirene@uel.br As histórias em quadrinhos (HQ) são lidas

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA

PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA PROJETO LER E ESCREVER É DA HORA! : LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL SOB A PERSPECTIVA INTERACIONISTA Patrícia Cristina de Oliveira (UEM UENP/Jacarezinho) Vera Maria Ramos Pinto (UEL UENP/Jacarezinho) Introdução

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.931, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA

A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA A LITERATURA COMO FERRAMENTA PARA O ENSINO DA LÍNGUA INGLESA: O GÊNERO POEMA Adailton Almeida Barros adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) Maiara Rodrigues - terror-rodrigues18@hotmail.com

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA

VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA VIVENCIANDO MÚLTIPLAS LINGUAGENS NA BIBLIOTECA ESCOLAR: EXPERIÊNCIA DO PIBID/UEMS/PEDAGOGIA Gabriela Arcas de Oliveira¹; Joice Gomes de Souza²; Giana Amaral Yamin³. UEMS- CEP, 79804970- Dourados-MS, ¹Bolsista

Leia mais

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA

A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA A ORALIZAÇÃO COMO MANIFESTAÇÃO LITERÁRIA EM SALA DE AULA. AÇÕES DO PIBID/CAPES UFG (SUBPROJETO: LETRAS: PORTUGUÊS) NO COLÉGIO ESTADUAL LYCEU DE GOIÂNIA Bolsistas: SILVA, Danila L.; VAZ, Paula R. de Sena.;

Leia mais

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE.

O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. O PROJETO PIBID: PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Joelma Carvalho Vilar(UFS) 1 Cleverton dos Santos(UFS) 2 Érica Santos de Jesus(UFS) 3 Vera Lúcia Mendes de Farias(UFS)

Leia mais

Antonio Ferreira da Silva Júnior (CEFET/RJ)

Antonio Ferreira da Silva Júnior (CEFET/RJ) O ENSINO DE LÍNGUAS O TRABALHO DO PROFESSOR DE ESPANHOL INSTRUMENTAL: INCENTIVADOR DA LEITURA OU REPRODUTOR DE ESTRUTURAS GRAMATICAIS? Antonio Ferreira da Silva Júnior (CEFET/RJ) Este trabalho tem por

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: Português Instrumental Código: CTB - 112 Pré-requisito: - Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB

RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB RELATO DE EXPERIÊCIA SOBRE O PROCESSO DE ENSINO DE ESPANHOL- LÍNGUA ESTRANGEIRA (E-LE) COM O USO DAS TICs, EM PARCERIA COM O PROJETO PIBID/UEPB Sirleide Marinheiro da Silva (PIBID/UEPB) 1 Sirleide_22@hotmail.com

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso.

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA. Roberta da Silva 1. João Cabral de Melo Neto, Rios sem discurso. AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DA LÍNGUA MATERNA Roberta da Silva 1 Quando um rio corta, corta-se de vez o discurso-rio de água que ele fazia; cortado, a água se quebra em pedaços, em poços de água,

Leia mais

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009

DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 DOCUMENTO ORIENTADOR DE INTERVENÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ANOS INICIAIS - 2009 No ano de 2009 o Departamento de Educação Fundamental, tem como meta alfabetizar 100% das crianças dos anos iniciais

Leia mais

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a

(30h/a 02 créditos) Dissertação III (90h/a 06 Leituras preparatórias para a GRADE CURRICULAR DO MESTRADO EM LETRAS: LINGUAGEM E SOCIEDADE DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS 34 CRÉDITOS Teorias da Linguagem (60h/a 04 Teorias Sociológicas (60h/a 04 Metodologia da Pesquisa em Linguagem (30h/a

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM INGLÊS E PORTUGUÊS E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20B Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

MEDIADORES DE LEITURA

MEDIADORES DE LEITURA MEDIADORES DE LEITURA BERNO, Gladis Marize 1 ; BIGOLIN, Aurea 2 ; KARLINSKI, Leila Marlise Cavinato 3 ; LEAL, Joice Cinara Muniz da Silva 4 MORAES, Sidônia Regina Dal Molin de 5 ; MOURA, Adriana Ueker

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS

LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS LEITURA E ESCRITA: HABILIDADES SOCIAIS DE TRANSCREVER SENTIDOS Driely Xavier de Holanda Kátia Fabiana Lopes de Goes Valmira Cavalcante Marques Regina Celi Mendes Pereira Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.

A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu. A ESCRITA CRIATIVA: ESCREVENDO EM SALA DE AULA E PUBLICANDO NA WEB Solimar Patriota Silva (UNIGRANRIO) solimar.silva@unigranrio.edu.br RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar algumas sugestões de

Leia mais

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa

7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa 7 Educação lingüística: uma proposta para o ensino de língua portuguesa As críticas ao ensino tradicional de língua portuguesa não são recentes. Nos anos trinta, Olavo Bilac já se posicionava contra o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Câmpus de Bauru Curso: Licenciatura em Pedagogia Departamento: Educação-FC IDENTIFICAÇÃO Código: 4419 Disciplina: CONTEÚDOS E METODOLOGIA DO

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

V PROGRAMA DA DISCIPLINA

V PROGRAMA DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CEAD PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO Curso: Pedagogia a Distância Departamento: Departamento de Pedagogia a Distância Disciplina:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: Letras MISSÃO DO CURSO O curso de Licenciatura em Letras do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem o compromisso de promover no estudante um

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

II ENCONTRO DE DIVULGAÇÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO PIBID UENP: DESAFIOS E PERSPECTIVAS PIBID INGLÊS - AÇÃO INTERVENTIVA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE CORNÉLIO PROCÓPIO Bolsistas: ALMEIDA, D.; IDALGO, L.; KISHI, C; FAUSTINO, V.; SOUZA, E. (PIBID- LEM/ UENP) Orientadoras: Célia Regina Capellini

Leia mais

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I

Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Sistema Maxi no Ensino Fundamental I Características do segmento Ensino Fundamental: Anos Iniciais compreende do 1º ao 5º ano a criança ingressa no 1º ano aos 6 anos de idade Fonte: shutterstock.com Material

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC: PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15

Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 C U R S O D E E N G E N H A R I A C I V I L Autorizado pela Portaria nº 276, de 30/05/15 DOU de 31/03/15 Componente Curricular: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL Código: ENG. 000 Pré-requisito: ----- Período Letivo:

Leia mais

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA

CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO: LETRAS - LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA MISSÃO O curso de Letras - Licenciatura em Língua Portuguesa deve ter o compromisso de promover no estudante um processo contínuo de reflexão sobre o papel

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Área de conhecimento: LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: LÍNGUA ESTRANGEIRA

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento.

Palavras-chave: alfabetização; gêneros textuais; letramento. ALFABETIZANDO E LETRANDO: UMA EXPERIÊNCIA NO/DO PROJETO PACTO PELA ALFABETIZAÇÃO Claudionor Alves da Silva 1 Oney Cardoso Badaró Alves da Silva 2 Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar uma experiência

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO

WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO WEB SITE COMO MEDIADOR DE LEITURA E LETRAMENTO Juliana da Silva Cabral PIBID Universidade Estadual da Paraíba/ julianacabralletras2@gmail.com Janaína da Costa Barbosa PIBID Universidade Estadual da Paraíba/

Leia mais

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente

O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente O uso dos gêneros textuais na alfabetização: crenças que norteiam a prática docente BARCELOS-COELHO, Lenir de Jesus 155* BUENO, Ivonete 156** RESUMO: No contexto atual são patentes as dificuldades relacionadas

Leia mais

Retextualização em sala de aula: Uma experiência de criação de Roteiro a partir da leitura de contos.

Retextualização em sala de aula: Uma experiência de criação de Roteiro a partir da leitura de contos. Retextualização em sala de aula: Uma experiência de criação de Roteiro a partir da leitura de contos. Maria Raquel Dias Sales Ferreira 1 RESUMO: Este trabalho se constitui em um relato e análise de um

Leia mais

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS

AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS AGENDA ESCOLAR: UMA PROPOSTA DE ENSINO/ APRENDIZAGEM DE INGLÊS POR MEIO DOS GÊNEROS DISCURSIVOS Adailton Almeida Barros - adailton.almeida.barros@gmail.com (UNESPAR/FECILCAM) PIBID Subprojeto/Língua Inglesa

Leia mais

LEITURA E CONTEXTOS SIGNIFICATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM

LEITURA E CONTEXTOS SIGNIFICATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM LEITURA E CONTEXTOS SIGNIFICATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM Elza Kissilevitc cirandainfantil@ig.com.br Mestranda em Educação: Psicologia da Educação Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR

CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR 1 CONTRIBUIÇÕES AUDIOVISUAIS NA PRODUÇÃO TEXTUAL DE ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: UMA ANÁLISE INTERDISCIPLINAR Loraine Vidigal LISBOA Universidade Gama Filho loraine_vidigal@yahoo.com.br Resumo: O artigo apresenta

Leia mais

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio

Coleção Escola Aprendente. Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Coleção Escola Aprendente Matrizes Curriculares para o Ensino Médio Projeto Gráfico Jozias Rodrigues Feliciano de Magalhães Jr. Márcio Magalhães Diagramação Eletrônica Jozias Rodrigues Márcio Magalhães

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano VIII Número 15 Janeiro de 2010 Periódicos Semestral ENSINANDO A LER: AS ESTRATÉGIAS DE LEITURA SILVA, Joice Ribeiro Machado da 1 RESUMO Buscamos nessa pesquisa compreender como a criança poderá se tornar uma leitora competente através do letramento literário.

Leia mais

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas

Universidade de Cuiabá. Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Universidade de Cuiabá Curso de Licenciatura em Letras Habilitação Português / Espanhol e suas licenciaturas Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.934, DE 22 DE JANEIRO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

NEW PROJECTS FOR LIFE: MUSIC IS IN THE AIR

NEW PROJECTS FOR LIFE: MUSIC IS IN THE AIR 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar

A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar A importância da oralidade e do contato com os gêneros textuais na educação pré-escolar Angélica Fernanda Rossi-USC-Pedagogia.angelicafrossi@gmail.com Caroline Silvério-USC-Pedagogia kakarol_2009@hotmail.com

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1

O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 O ENVOLVIMENTO DOS DOCENTES DO ENSINO FUNDAMENTAL COM OS LETRAMENTOS DIGITAIS 1 Bruno Ciavolella Universidade Estadual de Maringá RESUMO: Fundamentado na concepção dialógica de linguagem proposta pelo

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA NA ESFERA ACADÊMICA: UM ESTUDO COM DISCENTES DO CURSO DE PEDAGOGIA

PRÁTICAS DE LEITURA NA ESFERA ACADÊMICA: UM ESTUDO COM DISCENTES DO CURSO DE PEDAGOGIA PRÁTICAS DE LEITURA NA ESFERA ACADÊMICA: UM ESTUDO COM DISCENTES DO CURSO DE PEDAGOGIA Denize Cruz e Silva Discente do Curso de Pedagogia UFRN/CERES/DEDUC Célia Maria de Medeiros Profa. Orientadora UFRN/CERES/DEDUC

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288

CURRÍCULO DO CURSO. Mínimo: 8 semestres CELSO HENRIQUE SOUFEN TUMOLO 37219288 71 EaD_UAB LETRAS LICENCIATURA EM LÍNGUA INGLESA 009 Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: Resolução n. 005/CEG/009, de 5/03/009 Habilitar professores para o pleno exercício de sua atividade docente,

Leia mais

Novas Perspectivas no Ensino de Língua Portuguesa: o trabalho com gêneros textuais

Novas Perspectivas no Ensino de Língua Portuguesa: o trabalho com gêneros textuais Novas Perspectivas no Ensino de Língua Portuguesa: o trabalho com gêneros textuais Cristian Wagner de Souza* RESUMO: Neste artigo, busca-se uma reflexão sobre as novas perspectivas ao ensino/aprendizagem

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras

Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) NÍVEL I. Introdução à Pesquisa em Letras Licenciatura em Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa (AL/EC) Curso 1/20C Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem

Leia mais

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França

Reflexões sobre a Língua Portuguesa. Kátia França Reflexões sobre a Língua Portuguesa Kátia França Níveis de aprendizagem dos alunos Abaixo do básico: os alunos demonstram que não desenvolveram as habilidades básicas requeridas para o nível de escolaridade

Leia mais

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS

GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS GÊNEROS TEXTUAIS E O ENSINO DE LÍNGUA INGLESA: LEITURA E COMPREENSÃO DE TIRINHAS E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS Ewerton Felix da Silva Antônio Fernandes Dias Júnior Prof. Dr. Leônidas José da Silva Júnior Universidade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO

POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO 1 POR UM ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA CONTEXTUALIZADO SOUSA, Grazielle de Jesus Leal de 1 RESUMO O ensino de língua portuguesa ainda é visto por muitas pessoas como um ensino mecânico, cheio de regras e

Leia mais

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.

INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com. INTERNET, HIPERTEXTO E GÊNEROS DIGITAIS: NOVAS POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO Elaine Vasquez Ferreira de Araujo (UNIGRANRIO) elainevasquez@ig.com.br 1. Introdução A rede mundial tem permitido novas práticas

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PEDAGOGIA Disciplina: Comunicação e Expressão Ementa: A leitura como vínculo leitor/texto através do conhecimento veiculado pelo texto escrito. Interpretação:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Componente Curricular:

Leia mais

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES

A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES A CRISE DA LEITURA NA FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS LEITORAS DOS FUTUROS PROFESSORES Antonio Fernando de Araújo dos Santos PUCPR Maria Sílvia Bacila Winkeler PUCPR Resumo: Este trabalho discute

Leia mais

Palavras-chave: Leitura, Escrita, Espanhol.

Palavras-chave: Leitura, Escrita, Espanhol. Importância do Processo de Leitura e Escrita para a Aprendizagem de Espanhol a Distância. Resumo: Janire Maria de Mello IFRN\UAB 1 Rousiene da Silva Gonçalves IFRN\UAB 2 Na modalidade de ensino à distância

Leia mais

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRÁTICAS DE LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Síntia Lúcia Faé Ebert Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS SMED/POA- Escola M. E. F. João Antônio Satte Cristiane Lumertz Klein Domingues

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial.

Palavras chave: PIBID, Teoria e Prática, Formação inicial. A TECITURA DA PROFISSÃO PROFESSOR: REFLEXÕES A PARTIR DAS EXPERIÊNCIAS NO PIBID Gloria Ramona Gomes Aguero 1 ; Laudelina Sanabria Trindade 2 ; Almerinda Mª dos Reis Vieira Rodrigues 3. 1 Bolsista Pibid

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA?

PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? PROJETO VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? TEREZINHA BASTOS (SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CAXIAS-MA). Resumo VERSOS COLORIDOS ONDE ESTÁ A POESIA? é um projeto de incentivo à leitura e à escrita

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Teorias e Práticas Alfabetizadoras II - JP0027 PROFESSORA: Ms. Patrícia Moura Pinho I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município:Garça Eixo Tecnológico: Mecatrônica Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica Qualificação: Técnico

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1621.

Cadernos do CNLF, Vol. XVI, Nº 04, t. 2, pág. 1621. AS REPRESENTAÇÕES DE LEITURA EM LÍNGUA MATERNA CONSTRUÍDAS COMO UMA TRÍADE COMUNICATIVA: AUTOR-TEXTO E LEITOR NO CONTEXTO ESCOLAR DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO Márcia Maria Lima Candido (UNIGRANRIO) marciamaricosta@gmail.com

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa.

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Perspectiva sócio-cognitiva e interativa. LEITURA E ESCRITA COMO PROCESSO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA PERSPECTIVA SÓCIO-COGNITIVA E INTERATIVA Marta Oliveira Barros¹ Josias Silvano Barros² ORIENTADORA: Dra. Maria de Lourdes da Silva Leandro³ RESUMO

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL

A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA A PRODUÇÃO TEXTUAL REBECCA TAVARES DE MELO TOSCANO DE BRITO (UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA). Resumo Nos dias atuais a prática da leitura está se tornando cada vez mais rara

Leia mais

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO 1 PROVINHA BRASIL E HABILIDADES DE LEITURA: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE OS NÍVEIS DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO INTRODUÇÃO Solange dos Santos (UFS) A leitura tem sido por muito tempo um tema muito debatido

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes.

AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1. Palavras-chave: formação de professoras; Aula Simulada; saberes docentes. AULA SIMULADA: (RE)ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS PARA O ENSINO DO PORTUGUÊS 1 Andressa Cristina Coutinho BARBOZA Universidade Federal de Ouro Preto drecrist@ichs.ufop.br Resumo: O trabalho tem a proposta de

Leia mais