POLÍTICA PELAS IMAGENS Indícios Visuais de um Novo Território [Cariacica-ES]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "POLÍTICA PELAS IMAGENS Indícios Visuais de um Novo Território [Cariacica-ES]"

Transcrição

1 POLÍTICA PELAS IMAGENS Indícios Visuais de um Novo Território [Cariacica-ES] Ana Carolina de Melo Loureiro Graduanda em Geografia. Universidade Federal do Espírito Santo Antônio Carlos Queiroz Filho Professor do Departamento e do Mestrado em Geografia Universidade Federal do Espírito Santo 1. A POLÍTICA DO DISCURSO O imaginário contemporâneo tem, cada vez mais, se constituído pelas práticas discursivas que lançam mão das imagens e da visualidade como forma de estabelecer relações políticas e jogos de verdade, no sentido em que nos aponta Eduardo Pellejero, una forma privilegiada de la ficción. Elas são produzidos de forma que o produtor deste não apareça e permanecendo oculto é como se o discurso fosse ele mesmo a própria verdade. Enquanto os outros tipos de discursos aparecem fragmentados e desconectados. Neste contexto, as imagens participam então da produção de conhecimento geográfico já que, a partir delas, são construídas narrativas sobre o mundo em que vivemos. Elas interferem na própria produção espacial, pois estão atreladas ao entendimento que temos sobre ele. Dessa maneira, elas assumem o papel de mobilizadoras das nossas concepções acerca da política e cultura. sendo o imaginar político e o imaginar espacial elementos atrelados (MASSEY, 2008). Esse imaginar contemporâneo - pela legitimidade das histórias e também o pensamento sobre o espaço atua na (re)produção, como reguladores da ação. Aqui queremos chamar a atenção da imagem e também da cidade como discurso. Estas imagens contemporâneas assumem o papel de maiores mobilizadores das concepções acerca da política e cultura, pelo fato de interferir na ideia que se tem do espaço. As imagens tornam-se um novo campo estratégico para as políticas públicas. Sendo elas um discurso, selecionam o que deve ser exibido e privilegiam certos tipos de enunciados transmitindo o que passa a ser aceito como verdade através da manipulação dos fatos, como cita Lyotard, há coisas que devem ser ditas e maneiras de dizê-las (LYOTARD, 2011, p.31). Este discurso imagético acaba por produzir um modelo que

2 guia a ação. Utilizando as palavras de Zygmunt Bauman, A conduta humana é guiada pelas idéias que as pessoas tem (BAUMAN, 2000, p. 115). A ação, segundo Hannah Arendt (2004), assim como o discurso, está diretamente relacionada à condição humana da pluralidade. É a partir dela que os indivíduos se diferenciam e é por ela que é possível a multiplicidade de perspectivas de um mesmo objeto. Porém na contemporaneidade, chama-se atenção para a perda deste caráter plural da ação e do discurso. Entender a relevância dos discursos-modelos está diretamente relacionado à sua mediação nas relações espaciais, sociais e também políticas. São as intencionalidades dos agentes produtores destes padrões e narrativas, que acabam por interferir na capacidade humana de ação sobre o mundo e no mundo. Este mundo produzido é comum a todos onde cada um tem uma perspectiva diferente dele. Cada grupo social vive em uma realidade distinta dos demais. Dessa forma, não vê o mundo por uma totalidade, mas sim a partir de um ângulo específico. É através da ação e do discurso que o homem é inserido no mundo. Os modelos transmitidos pelas imagens assumem um papel político importante ao excluir a liberdade de escolha, produzindo uma cultura de massas. Como destaca Bauman, a restrição do conjunto de alternativas efetivamente disponíveis e as regras que indicam a maneira de reagir no mundo acabam por manipular o ambiente humano e, portanto, também as possíveis sensações nele produzidas e guiando os processos subsequentes de formação de ideias (BAUMAN, 2000, p. 115). Os modelos são fabricados e por isso foram previamente idealizados. Mesmo tentando ser verdade inquestionável, as imagens são sempre uma invenção, uma criação e, por isso, possuem sim um agente criador. Estes modelos dados e inquestionáveis, produzidos por uma parcela da sociedade, são tidos como uma verdade superior, imagens de uma sociedade ideal. Neste contexto, o que os modelos tentam nos ensinar sobre a cidade? Qual será então o modelo de cidade que está sendo fabricado e que estamos consumindo? Quais são os desdobramentos políticos-espaciais destes modelos? 2. CIDADE E IMAGEM Espaço urbano é um ambiente complexo e utilizando as palavras de Kevin Lynch (2011) uma organização mutável e polivalente, um espaço com muitas funções,

3 erguido por muitas mãos num período de tempo relativamente rápido (LYNCH, 2011, p.101), ou ainda uma mistura de estilos, um imbricado de signos, um congestionamento de tráfegos (LYNCH, 2011, p.181). Pelas conexões também é importante compreender não só a cidade, mas também o ambiente metropolitano em que ela está inserida, um ambiente vivido por muitos e ao mesmo tempo com múltiplas interpretações espaciais. Por essa característica, Canevacci atenta ao método de análise da mesma, para ele, compreender uma cidade significa colher fragmentos (...) encontrar uma pluralidade de significados (CANEVACCI, 1942, p.35). A cidade é o lugar do olhar por este motivo a comunicação visual se torna o seu traço característico (CANEVACCI, 1942, p.42). Neste contexto, como lembra o autor Kevin Lynch (2011), está inserida a comunicação pelas mídias. A partir dos novos meios de comunicação que trabalham na produção de uma imagem de uma região de tais proporções, independentes das experiências individuais. A mídia acaba por proporcionar uma locomoção virtual a partir da divulgação de imagens proporcionando também uma experiência sensorial já direcionada e planejada. As imagens estruturadas dessa nova maneira não formam um sistema coerente. Já que, como lembra Lynch A criação da imagem ambiental é um processo bilateral entre observador e observado. O que ele vê é baseado na forma exterior, mas o modo como ele interpreta e organiza isso, e como dirige sua atenção, afeta por sua vez aquilo que ele vê (LYNCH, 2011, p.149). A formação das imagens urbanas são o resultado de um processo duplo entre o observador e o ambiente. Mas, será que esta relação entre o observador e o ambiente não possui certa mediação pelas imagens? As imagens divulgadas na mídia buscam, como diz OLIVEIRA JR (1994), transformar o real em imagem, demonstrando a substituição da cidade pela sua reflexão na tela (OLIVEIRA JR., 1994, p.8). Não só nas reportagens da Tevê, mas também em outros tipos exposição de imagens, pode ser observado este processo de substituição do real pela imagem refletida que é veiculada pelos meios de comunicação. Vivemos então, em uma cidade cuja experimentação do espaço se dá, principalmente pelos olhos e ouvidos, uma cidade comunicativa e que, além disso, a grande mediadora destas relações acaba por ser a mídia, principalmente pelo novo estilo de vida cotidiano. Dessa forma, não se pode esquecer que grande parte dessa comunicação é uma manifestação da linguagem veiculada e produzida pelos meios de comunicação.

4 No livro A Cidade de Quartzo, Mike Davis (2009) faz uma análise da área metropolitana da Califórnia, destacando a cidade de Los Angeles. A cidade em questão passou por um processo semelhante ao que está acontecendo agora na Grande Vitória. Dentro da região metropolitana, Los Angeles teve por função servir como um lugar depósito, sofrendo o impacto contraditório da globalização. Mike Davis (2009) mostra como os poderes políticos e econômicos venderam uma cidade-mercadoria, um estilo de vida traduzido em uma marca visual, uma identidade territorial veiculada, principalmente, pelo cinema. Os grandes problemas vividos pelas cidades não são frutos de falhas em seu planejamento urbano, mas sim, falhas produzidas intencionalmente, como uma estratégia, que produzem, por exemplo, a violência - transformada em identidade territorial - como elemento de justificativa para políticas públicas que produzem cidades cada vez mais fortificadas. Da mesma forma, aqui tentamos entender a participação destas imagens, que mediam estas ações e discursões sobre o espaço, criam um novo território, novas formas de viver e se organizar enfim, funcionalidades que interferem nas dinâmicas espaciais. Nesse sentido, buscamos investigar um conjunto de imagens midiáticas (televisão, internet, encartes, folders, etc) existentes sobre o município de Cariacica-ES, cujo propósito é o de tentarmos entender como essas imagens têm participado da consolidação de novas práticas discursivas e sociais e seus desdobramentos na política territorial e de metropolização capixaba. Foram coletadas imagens midiáticas sobre Cariacica-ES, assim como a análise das mesmas com o intuito de constatar qual seria a principal marca visual atribuída àquele município. Esta seleção se deu, em grande parte, pela coleta de imagens que circulam na internet, bem como, jornais e encartes publicitários. Nossa reflexão buscou compreender sobre como as imagens veiculadas pela internet e pela televisão interferem no planejamento urbano (ou na falta dele), especificamente, na designação de funcionalidades a partir da produção de uma identidade territorial por meio daquilo que estamos denominando de política visual. Chamamos atenção para o papel da imagem e da cidade como discurso. Buscamos entender a produção de uma identidade visual a partir dos meios de comunicação, e mais do que isso, como essa identidade, no território de Cariacica-ES, está associada às novas práticas tanto sociais quanto discursivas e ao planejamento urbano desta cidade.

5 3. MÍDIA E IDENTIDADE VISUAL EM CARIACICA-ES A cidade é tornada imagem. Daqui pra frente, modificar a cidade é transformar a sua imagem. Wencesláo de Oliveira Jr. Nestes discursos visuais recolhidos, constatamos o aparecimento recorrente dos temas sobre falta de infraestrutura e, principalmente, a violência. Cada um dos municípios que compõe a Grande Vitória (Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica) participa desse processo de definição de um papel a ser desempenhado dentro da região metropolitana e isso tem implicações, a exemplo do que ocorreu com Los Angeles. Na Grande Vitória, podemos ver que, Vitória, a capital do estado, é apresentada como o lugar que obtém o maior desenvolvimento, contendo os principais centros empresariais e estruturas a ele relacionadas como hotéis, aeroporto e restaurantes, quase todos ligados pelas principais vias. Já Vila Velha, muito valorizada pelas praias e pontos turísticos disputa o posto de centro de desenvolvimento com o município de Serra que é apresentada pelo seu crescimento industrial, além dos seus condomínios fechados que prometem aos moradores grandes comodidades e segurança. Neste contexto, como é apresentado o município de Cariacica? Como afirma Oliveira Jr. (1994), O maçante cotidiano das atividades rotineiras não aparece nas telas, não dá notícia. Se não nos é apresentado o real, qual é a imagem e o discurso que essas mídias estão (re)produzindo? Um falso brilho triunfal renascimento urbano, cidade do futuro, e assim por diante oculta a brutalização dos bairros do gueto e a crescente sul-africanização das relações espaciais. (DAVIS, 2009, p. 239) Este mesmo falso brilho triunfal do renascimento urbano é percebido nas propagandas veiculadas pela prefeitura, nelas é apresentada uma Cariacica em desenvolvimento, um recente desenvolvimento. São apresentadas construções e reformas de escolas, pavimentações de ruas, investimentos em infraestrutura urbana, construções de postos de saúde e além de um aumento de empregos, geralmente associados à instalação de indústrias na região. São apresentadas melhorias na cidade, como se estes investimentos fossem feitos de forma homogênea. É claro que estas propagandas possuem um objetivo: valorizar a cidade com estes novos

6 empreendimentos. Estas novas valorizações de partes da cidade acabam por aparecerem como sendo da cidade como um todo. Criando uma imagem de desenvolvimento, para toda Cariacica. O renascimento contemporâneo de parte da cidade é projetado para tornar tal heterogeneidade virtualmente impossível. Está designado não para construir uma cidade de todos como tenta mostrar a propaganda, mas, como disse Kaplan apud Davis (2009), para eliminar essa mistura democrática criando assim cada vez mais uma cidade que mantém espaços segregadores. Fig. 01 Fotograma de propaganda veiculada nas emissoras de TV sobre o Município de Cariacica-ES. Como vemos na Fig. 01, é apresentado o índice de quantidade de novos empregos com carteiras assinadas. O cenário é apresentado ao fundo é uma parte de Cariacica o bairro de Campo Grande, conhecido pelo centro comercial. Estas imagens midiáticas da metrópole produzem é muito semelhante ao que Wencesláo comenta ao analisar dos cartões postais, Impõe-se um imaginário específico sobre estas áreas funcionalmente distintas. A imagem da cidade passa a ser construída por estes lugares, partes dela mesma, cujas imagens se diferem muito e cujas inter-relações, se de fato existem, não são claras. (OLIVEIRA JR., 1994, p 33-34). Estes imaginários distintos agem diretamente nesta produção de funcionalidades ao território e dessa forma, nas ações de planejamento do mesmo. Outro elemento comum destas propagandas é o destaque ao orgulho de viver nesta nova Cariacica. Uma Cariacica em desenvolvimento, lembrando que ter vergonha de viver nesta cidade é coisa do passado. Ideia fortalecida em uma delas, veiculada no ano de 2011, pela frase: um novo tempo todos os dias. Além disso, nestas propagandas os personagens que apresentam a cidade são tidos como moradores dela. Eles parecem contar histórias de suas vidas naquele local. Este fato é mais marcante no vídeo de comemoração dos 121 anos da cidade. Nele são apresentados seis personagens,

7 que estão ali buscando mostrar que Cariacica é a cidade das oportunidades, do trabalho, da valorização, dos sonhos, do crescimento, do orgulho, da confiança e também do reconhecimento. Eles aparecem em desenvolvimento, assim como a cidade apresentada, são empresários em ascensão ou estudantes ambos buscando o sonho do futuro melhor, ou seja, uma memória que está sendo construída no presente e está nos dizendo como devemos nos lembrar daquele lugar, principalmente, porque a imagem da cidade atualmente é outra. É mais comum observar a imagem de uma Cariacica violenta, desprovida de infraestrutura e sem grandes oportunidades ou eventos. E a este fato podemos aproximar as cidades de Los Angeles e Cariacica. Fig Imagem veiculada nas Redes Sociais sobre Cariacica-ES. Observando Fig. 02, percebemos que uma continuidade na prática discursiva midiática. O garoto propaganda vira sátira nas redes sociais e o pano de fundo deixa de ser Cariacica próspera, para dar lugar a imagens que mostram os problemas que a cidade vivencia em cada período de chuva. Assim, nos é mostrado uma cidade sem infraestrutura, ainda carente de investimentos públicos. Relacionando esta ideia ao que nos diz Mike Davis (2009) sobre o que aconteceu em Los Angeles, podemos dizer também para Cariacica-ES que: A imagem aqui é, uma última análise, mais importante do que a praticabilidade da proposta, pois condensa a visão de mundo histórica e a aventura quixotesta da LAPD no pós-guerra: bons cidadãos, fora das ruas, fechados em suas esferas de consumo de alta segurança; maus cidadãos, nas ruas, (e, portanto, não trabalhando em negócios legítimos), presos na terrível vigilância de Jeová do programa espacial da LAPD (DAVIS, 2009, p.261).

8 Esta principal imagem de Cariacica de como sendo um lugar violento e sem infraestrutura, acaba por ser a imagem mais forte sobre o município, sua caricatura tornada realidade. São associados aos ambientes urbanos de Cariacica esta identidade visual de violência, como por exemplo, observamos na imagem abaixo (Fig. 03), parte de uma reportagem da página policial de um jornal de grande circulação. A matéria principal desta seção fala sobre os assaltos em joalherias na Avenida Expedito Garcia em Campo Grande enquanto as outras reportagens também mostram assaltos na mesma região, por fim é apresentada esta imagem com respectiva legenda: Avenida Expedito Garcia: Assaltos. O lugar foi legendado e adjetivado: qualificado como lugar-violência. Fig Imagem veiculada na página policial do jornal A Tribuna, no dia 01 de outubro de 2011, pag. 23. Neste caso, as matérias contam histórias de vida, transformando esta imagem ainda mais forte por serem de fácil associação com a memória do leitor. E além de recordar estas reportagens passam a ser parte desta memória. Não só este tipo de reportagem chama atenção dos leitores, mas também reportagens que mostram índices, que passam a ser uma verdade superior, como se o próprio dado falasse por si. Esquecendo-se que ele próprio é uma produção humana, mesmo que de cunho científico ele pode ter sim uma intencionalidade. Esta reportagem apresentada abaixo é um grande exemplo do impenho de se elaborar esta imagem violenta tão comentada neste trabalho. Uma reportagem de destaque, organizada na aba: Violência, tendo o município de Cariacica em enfoque:

9 Fig Notícia de destaque do Site Folha Vitória em 22 de abril de Assim como em Los Angeles, a defesa dos estilos de vida luxuosos na Grande Vitória ocorre através da repressão no espaço e no movimento. Ações estas produzidas e induzidas pelo planejamento, pelas construções arquitetônicas e repressões policiais nas fronteiras destes territórios. Criar esta ideia de violência urbana ajuda a justificar um modo de controlar as massas não só isso, produzir um ambiente mais violento está diretamente relacionado às funcionalidades atribuídas ao território. Ao lugar excluído resta a implantação do que foi desmerecido pelos outros, formando assim um territóriodepósito. O que se percebe é uma desvalorização intencional do município de Cariacica. Esta ação demonstra a intencionalidade política dos planejamentos que buscam controlar a multidão, organiza-la e é claro, sempre atender aos anseios do capital: o lucro. Os agentes planejadores dos espaços urbanos agindo sobre a produção dos espaços públicos ou dos marcos, interferem o modo de vida local, direcionando as ações, os discursos e até mesmo interferem nas visões sobre o espaço. Dessa forma, como observa Kevin Lynch (2011), ao organizarem as vias, os limites, bairros, pontos nodais, marcos e as inter-relações destes elementos, acabam por interferir nos fluxos, nas ações sobre este território. Neste contexto, a produção dos territórios da Metrópole capixaba segue este padrão homogeneizante da multidão que ao mesmo tempo organizam territórios filtrando os indesejáveis em cada um deles também a partir da imagem acerca deste território. E o processo de formação desta imagem está em constante mutação, assim como a própria cidade, sendo um processo múltiplo entre as mídias e o planejamento desta cidade-mercadoria que, a todo momento, vendem uma imagem espacial coerente com os seus objetivos. Quando ouvimos alguém falar sobre Cariacica, existe uma aceitação e incorporação por parte dos moradores da região metropolitana. O que é o esperado já que esta linguagem imagética, além de estar acessível, se assume como verdade absoluta e inquestionável. Muitos dos que falam sobre Cariacica, nem mesmo conhecem

10 a cidade através da experiência com o local, mas sim pelo contato com as mídias e apenas reproduzem o que absorveram de um noticiário ou jornal. Não há necessidade de sair de casa para ir aos lugares. Eles vêm até nós (OLIVEIRA JR., 1994, p 64). Analisando as imagens midiáticas sobre o município de Cariacica-ES, percebemos a ação das mesmas forças que atuam na transformação da cidade, mesmo que em dimensões e forças diferentes do ocorrido na cidade de Los Angeles e descrito por Mike Davis (2009). Digo isto ao analisar ao lembrar que este município está inserindo no contexto metropolitano e, partir desta escala, é nítido que Cariacica sofre este impacto negativo da globalização, sendo identificado como um território-depósito, sendo secundarizado e segregado. Esta identidade visual adquirida e reforçada pelos meios de comunicação interfere não só nas relações pessoais diretas com o espaço em questão, mas também criam na imagem coletivizada que passam a servir como justificativa para as decisões sobre a organização, sobre o planejamento urbano. Na verdade, este acaba que ser secundário, visto que o que parece ser é que a violência é a única questão a ser resolvida, todas as outras ficam como plano de fundo ilustrativo: sem foco, sem cor, sem voz. REFERÊNCIAS ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, BAUMAN, Zygmunt. Em Busca da Política. Trad. Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., CANEVACCI, Massimo. A Cidade Polifônica: ensaio sobre a antropologia da comunicação urbana. Trad. Cecília Prada. São Paulo: Studio Nobel, LYOTARD, Jean-François. A Condição Pós-Moderna. Trad. Ricardo Corrêa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, LYNCH, Kevin. A Imagem da Cidade. Trad. Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, MASSEY, Doreen. Pelo Espaço: uma nova política da espacialidade. Trad. Hilda Pareto Maciel e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, OLIVEIRA JR. Wencesláo. A Cidade (Tele) Percebida: Em busca da atual imagem do urbano. DISSERTAÇÃO DE MESTRADO. FE/UNICAMP, VATTIMO, Gianni. A Sociedade Transparente. Trad. Hossein Shooja e Isabel Santos. Lisboa: Relógio D água, 1992.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. Araribá Ciências Organização do Conteúdo: Por que estudar

Leia mais

Formação Geral. Caminhos para condução das respostas a respeito do Direito das meninas/jovens/mulheres:

Formação Geral. Caminhos para condução das respostas a respeito do Direito das meninas/jovens/mulheres: Formação Geral PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve elaborar um texto dissertativo que contemple alguns dos seguintes argumentos e exemplos possíveis: Item a: Caminhos para condução das respostas a respeito

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012.

PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012. PROGRAMA PARA A VALORIZAÇÃO DE INICIATIVAS CULTURAIS VAI SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA São Paulo, Janeiro de 2012 Design D Kebrada 2. Dados do projeto 2.1 Nome do projeto Design D Kebrada 2.2 Data e

Leia mais

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 3ª Geografia 3ª Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 1.- Geografia: C 1: Categorias da Geografia Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica,

Leia mais

Geografia e Turismo Profa. Ligia Tavares

Geografia e Turismo Profa. Ligia Tavares Paisagem e Lugar Geografia e Turismo Profa. Ligia Tavares A qualidade de vida começa no lugar O sentimento de amor pelo lugar onde se reside é o primeiro passo para atitudes que preservem a qualidade de

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO História 1º ano Capítulo 1 Minha história, meu nome Explorar as fotografias de família para reconhecer a trajetória pessoal desde o nascimento;

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

Índice. agradecimentos Hemeroteca Municipal de Lisboa Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. Apresentação 9 Introdução 11

Índice. agradecimentos Hemeroteca Municipal de Lisboa Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra. Apresentação 9 Introdução 11 agradecimentos Hemeroteca Municipal de Lisboa Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra Índice Apresentação 9 Introdução 11 capítulo primeiro Máquinas sobre o Século 31 Indústrias patrióticas 48 Manifestos,

Leia mais

Webdesign 3D Ilustração Tratamento e Edição Profissional de Imagens Design

Webdesign 3D Ilustração Tratamento e Edição Profissional de Imagens Design Studio Design Studio Design MAIS QUE UMA SIMPLES FÁBRICA DE SÍMBOLOS GRÁFICOS Após anos de vivência em agências de publicidade percebemos que os valores para o desenvolvimento de campanhas, peças,

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

OS METAPLASMOS NO GÊNERO TEXTUAL CHARGE

OS METAPLASMOS NO GÊNERO TEXTUAL CHARGE OS METAPLASMOS NO GÊNERO TEXTUAL CHARGE Ana Carolina Mendes Camilo Jéssica Luzia Machado Vanessa Aparecida Clemente (G-CLCA UENP/CJ) Luiz Antonio Xavier Dias (Orientador CLCA - UENP/CJ) 1 Introdução Segundo

Leia mais

Varejo de Material de Construção

Varejo de Material de Construção Seminário GVcev Varejo de Material de Construção Construção de Marca no Varejo de Material de Construção Prof a. D ra. Cristina Proença Objeto de Estudo M A R C A F A B R I C A N T E Fabricante Estratégia

Leia mais

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas

Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas 1 Produção de conhecimento: uma característica das sociedades humanas Os seres humanos sempre buscaram formas de compreender os fenômenos que ocorrem em seu dia a dia, de modo a procurar soluções para

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Cultura Organizacional Curso de Especialização em Gestão da Comunicação Organizacional e Relações Públicas ECA/USP A tradição antropológica Sistemas Simbólicos Antropologia Social Antropologia Cultural

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS

Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS Curso PROEJA FIC ENSINO FUNDAMENTAL BILÍNGUE LIBRAS/PORTUGUÊS COM PROFISSIONALIZAÇÃO EM FOTOGRAFIA DIGITAL: EDIÇÃO DE IMAGENS CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total:

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

8ª Semana de Licenciatura

8ª Semana de Licenciatura 8ª Semana de Licenciatura O professor como protagonista do processo de mudanças no contexto social De 14 a 17 de junho de 2011 A EDUCAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Susigreicy Pires de Morais susigreicy@gmail.com

Leia mais

Gestão de Operações III

Gestão de Operações III Gestão de Operações III Parte 2 - Enfoque Sistêmico da Gestão de Operações / Produção Prof. Marcio Cardoso Machado 1 O que é Gestão de Operações A Gestão de Operações / Produção é a atividade de gerenciar

Leia mais

Análise de discursos textuais: questões

Análise de discursos textuais: questões Análise de discursos textuais: questões Com base no texto a seguir, responda às questões (1) e (2): Os Poemas Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas

Leia mais

Apresentação da Agência

Apresentação da Agência Apresentação da Agência MVMA - Apresentações Digitais São Paulo - Brasil Vamos pensar juntos sobre a sua próxima Apresentação Digital? 2 Olá, tudo bem? Somos uma agência digital apaixonada por design,

Leia mais

O QUE COMUNICAÇÃO INTEGRAL Da Essência ao Plano de Ação. QUEM

O QUE COMUNICAÇÃO INTEGRAL Da Essência ao Plano de Ação. QUEM PARA QUEM Para profissionais liberais em fase de redesenho ou transição de carreira; Para empreendedores e gestores de empresas que ainda não possuem área de Comunicação e MKT e têm que fazer esse papel;

Leia mais

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia

LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia LISTA DE CONTEÚDOS PARA RECUPERAÇÃO FINAL - 2015 Professor: Airton José Müller Componente Curricular: Filosofia 7º Ano Filósofos Clássicos. A filosofia clássica. Sócrates de Atenas: o poder das perguntas

Leia mais

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP

DIEESE. Departamento Intersindical de Estatística. e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP DIEESE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO DIEESE SINP/PMSP INSTITUCIONALIZAÇÃO DO SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO PERMANENTE DA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - SINP/PMSP

Leia mais

Ensinar e aprender História na sala de aula

Ensinar e aprender História na sala de aula Ensinar e aprender História na sala de aula Séries iniciais do Ensino Fundamental Ensino de História nas séries iniciais do Ensino Fundamental Por que estudar História? Quais ideias os educandos possuem

Leia mais

O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo

O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo O blog como ferramenta didática no ensino do jornalismo Ariane Holzbach Gama Filho / UERJ Resumo: O trabalho vai narrar a experiência desenvolvida no curso de Comunicação Social da Universidade Gama Filho

Leia mais

Gestão de Eventos AULA 1. Temas: Gestão de Eventos Conceito de Evento Perfil Profissional do Promotor de Eventos

Gestão de Eventos AULA 1. Temas: Gestão de Eventos Conceito de Evento Perfil Profissional do Promotor de Eventos Gestão de Eventos AULA 1 Temas: Gestão de Eventos Conceito de Evento Perfil Profissional do Promotor de Eventos Gestão de Eventos A Gestão de Eventosestá relacionada a diversas áreas de trabalho, como

Leia mais

Como escrever um conteúdo altamente persuasivo com zero manipulação. VIVER DE BLOG Página 1

Como escrever um conteúdo altamente persuasivo com zero manipulação. VIVER DE BLOG Página 1 Como escrever um conteúdo altamente persuasivo com zero manipulação VIVER DE BLOG Página 1 Olá, tudo bem? Aqui quem fala é o Henrique Carvalho, criador do Viver de Blog, o site especializado em Marketing

Leia mais

Perfil de alunos ingressantes nos cursos de comunicação em Ponta Grossa e a experiência docente

Perfil de alunos ingressantes nos cursos de comunicação em Ponta Grossa e a experiência docente FÓRUM NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO (FNPJ) 2º ENCONTRO SUL-BRASILEIRO DE PROFESSORES DE JORNALISMO 5º ENCONTRO PARANAENSE DE ENSINO DE JORNALISMO MODALIDADE DO TRABALHO: Relato de Experiência GRUPO

Leia mais

Paparagrafia. Tania Valena da Silva Noronha 1

Paparagrafia. Tania Valena da Silva Noronha 1 Paparagrafia Tania Valena da Silva Noronha 1 Desde muito pequena eu sempre fui muito observadora e adorava desenhar os colegas na sala de aula em forma de caricatura. A falta de prática do tempo que fiquei

Leia mais

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL OESTE

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL OESTE MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL OESTE Os bairros são uma forma de divisão da cidade. São espaços que surgiram ao longo da história do município e que, ainda hoje, continuam a se transformar. Quando falamos

Leia mais

IRREVERÊNCIA E IDENTIDADE NO PROJETO GRÁFICO E NA DIAGRAMAÇÃO DO JORNAL-LABORATÓRIO ESTAÇÃO CENTRO 1

IRREVERÊNCIA E IDENTIDADE NO PROJETO GRÁFICO E NA DIAGRAMAÇÃO DO JORNAL-LABORATÓRIO ESTAÇÃO CENTRO 1 IRREVERÊNCIA E IDENTIDADE NO PROJETO GRÁFICO E NA DIAGRAMAÇÃO DO JORNAL-LABORATÓRIO ESTAÇÃO CENTRO 1 Washington Correa 2 Miguel Valione 3 RESUMO Este paper trata da criação do projeto gráfico e da diagramação

Leia mais

JOVENS, SONHO E POLÍTICA

JOVENS, SONHO E POLÍTICA JOVENS, SONHO E POLÍTICA JOGO DA POLÍTICA Sumário Executivo Sonho Brasileiro da Política Em 2013 milhares de jovens foram às ruas e se manifestaram politicamente. Foi um marco simbólico. O primeiro encontro

Leia mais

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo:

Foto Carga Horária: 15h presenciais. Facilitador: Sandro Barros. Objetivo: Foto Calabor@tiva Carga Horária: 15h presenciais Facilitador: Sandro Barros Objetivo: O objetivo é estimular crianças e jovens a utilizar a linguagem fotográfica como elemento alternativo e visual, despertando

Leia mais

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO

BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO BIMESTRALIZAÇÃO DA DISCIPLINA TEATRO PARA O ENSINO MÉDIO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO 1º Bimestre Para o 1º Ano do Ensino Médio, propomos o estudo do Teatro Popular Tradicional, uma modalidade de representação

Leia mais

ATIVIDADE 02 O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PAMPULHA: UM CARTÃO-POSTAL DA CIDADE

ATIVIDADE 02 O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PAMPULHA: UM CARTÃO-POSTAL DA CIDADE ATIVIDADE 02 O CONJUNTO ARQUITETÔNICO DA PAMPULHA: UM CARTÃO-POSTAL DA CIDADE Antigamente, quando as pessoas viajavam, era comum elas enviarem um cartão com uma foto do lugar onde estavam para dar notícias

Leia mais

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017

PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Critérios Específicos de Avaliação PORTUGUÊS LÍNGUA NÃO MATERNA (PLNM) ENSINO SECUNDÁRIO 2016/2017 Domínio de Avaliação Saber e Saber Fazer Instrumentos de Avaliação Domínios a desenvolver Descritores

Leia mais

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela

NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. entusiasmo pela NA EDUCAÇÃO INFANTIL, A TAREFA DE ENSINAR É MUITO SÉRIA. desco entusiasmo pela berta só o é anglo. ENSINAR É UMA TAREFA MUITO SÉRIA. MAS ISSO NÃO QUER DIZER QUE NÃO POSSA VIR ACOMPANHADA DE AFETO E DE

Leia mais

II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO"

II ENCONTRO OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO II ENCONTRO "OUVINDO COISAS: EXPERIMENTAÇÕES SOB A ÓTICA DO IMAGINÁRIO" Título da Exposição: A poética da morada e os cenários do imaginário habitado Trabalho fotográfico realizado com base no livro A

Leia mais

Teoria de Karl Marx ( )

Teoria de Karl Marx ( ) Teoria de Karl Marx (1818-1883) Professora: Cristiane Vilela Disciplina: Sociologia Bibliografia: Manual de Sociologia. Delson Ferreira Introdução à Sociologia. Sebastião Vila Sociologia - Introdução à

Leia mais

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA

17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA Ficha de inscrição 17º CONCURSO NACIONAL MUSEU DA IMPRENSA 2014/2015 Categoria Artigo Jornalístico Nível superior Tema: A importância dos museus na formação cultural do país Aluna: Janaina Bárbara Bolonezi

Leia mais

Comunicação e Comportamento Organizacional AULA 03

Comunicação e Comportamento Organizacional AULA 03 Comunicação e Comportamento Organizacional AULA 03 36 Ponto de Partida: da Visão Sistêmica SISTEMA: CONCEITO E HIERARQUIZAÇÃO O crescimento e o aprofundamento do conhecimento humano conduziram, através

Leia mais

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES

EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES EDUCADOR, MEDIADOR DE CONHECIMENTOS E VALORES BREGENSKE, Édna dos Santos Fernandes* Em seu livro, a autora levanta a questão da formação do educador e a qualidade de seu trabalho. Deixa bem claro em diversos

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

SABE O QUE O MERCADO? Ideias movimentam o mercado. Ou vai falar que a luz que você teve não fez sua empresa nascer ou sua companhia crescer?

SABE O QUE O MERCADO? Ideias movimentam o mercado. Ou vai falar que a luz que você teve não fez sua empresa nascer ou sua companhia crescer? SABE O QUE O MERCADO? Ideias movimentam o mercado. Ou vai falar que a luz que você teve não fez sua empresa nascer ou sua companhia crescer? Você já teve uma grande ideia, agora pode contar conosco para

Leia mais

20 anos publicidade propaganda design produção de imagem CRIATIVA RÁPIDA

20 anos publicidade propaganda design produção de imagem CRIATIVA RÁPIDA PUBLICIDADE CAMPINAS Atuando há mais de 20 anos no Mercado de Campinas e Região e oferecendo soluções em publicidade, propaganda, design (criação de sites) e produção de imagem (arte gráfica). Nossas soluções

Leia mais

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO A HIPERMÍDIA É UM NOVO A HIPERMÍDIA É UM NOVO PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO O texto identifica e organiza os elementos constitutivos da roteirização de produções audiovisuais como o cinema ou a televisão, e

Leia mais

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA

CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA 203 CIBERESPAÇO E O ENSINO: ANÁLISE DAS REDES SOCIAIS NO ENSINO FUNDAMENTAL II NA ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR VIANA INTRODUÇÃO ¹ Elias Barbosa de Lima filho ² Dr. Flamarion Dutra Alves ¹ eliasbarbosalima141@gmail.com

Leia mais

ATENÇÃO. Ao desenvolver o tema é indispensável:

ATENÇÃO. Ao desenvolver o tema é indispensável: ATENÇÃO Ao desenvolver o tema é indispensável: seguir, atentamente, as instruções sem fugir ao tema; escrever com letra legível ; produzir um texto dissertativo com, no mínimo, 20 e, no máximo, 25 linhas.

Leia mais

Em busca da Felicidade E.E. Profª Irene Ribeiro

Em busca da Felicidade E.E. Profª Irene Ribeiro Em busca da Felicidade E.E. Profª Irene Ribeiro Professor(es) Apresentador(es): Tatiana Yukie Nakamoto Elenice Fernandes Realização: Foco do Projeto A cultura circense foi trazida para o contexto escolar

Leia mais

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL PAMPULHA

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL PAMPULHA MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL PAMPULHA Os bairros são uma forma de divisão da cidade. São espaços que surgiram ao longo da história do município e que, ainda hoje, continuam a se transformar. Quando

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

Conexões: a poética das crianças de 0 a 3 anos e a arte contemporânea Relatório trimestral julho de 2016

Conexões: a poética das crianças de 0 a 3 anos e a arte contemporânea Relatório trimestral julho de 2016 Conexões: a poética das crianças de 0 a 3 anos e a arte contemporânea Relatório trimestral julho de 2016 Coordenação geral: Cisele Ortiz Coordenação técnica: Denise Nalini Formadoras: Cinthia Manzano e

Leia mais

Literatura e Turismo: Turistas, viajantes e lugares literários

Literatura e Turismo: Turistas, viajantes e lugares literários Literatura e Turismo: Turistas, viajantes e lugares literários N. DL: 410643/16 Título: Literatura e Turismo: Turistas, viajantes e lugares literários Autor: Sílvia Quinteiro, Rita Baleiro e Isabel Dâmaso

Leia mais

GEOGRAFIA DAS IMAGENS: A FOTO QUE FALA

GEOGRAFIA DAS IMAGENS: A FOTO QUE FALA GEOGRAFIA DAS IMAGENS: A FOTO QUE FALA Malena Ramos Silva¹ Marcos Eduardo Nascimento Moraes² Sára de Oliveira Honorato³ Roberto Márcio da Silveira 4 1 malena_mrs@hotmail.com; 2 menmoraes@gmail.com; 3 saryta.94@hotmail.com;

Leia mais

PROPALE. SUA PRÓXIMA AGÊNCIA.

PROPALE. SUA PRÓXIMA AGÊNCIA. PROPALE. SUA PRÓXIMA AGÊNCIA. Somos múltiplos, formados por diferentes núcleos de atuação, unimos pessoas inteligentes com a ambição por realizar projetos memoráveis. A Propale é a soma de suas estratégias,

Leia mais

Centros culturais e desenvolvimento: para além da formação de públicos

Centros culturais e desenvolvimento: para além da formação de públicos + Centros culturais e desenvolvimento: para além da formação de públicos Maria Carolina Vasconcelos-Oliveira Cebrap/USP São Paulo Estudo viabilizado pelo Itaú Cultural Seminário Internacional Cultura e

Leia mais

BALANÇO E DESAFIOS DA GESTÃO

BALANÇO E DESAFIOS DA GESTÃO A EXPERIÊNCIA DA MACROPLAN OS CICLOS ELEITORAIS E AS DESCONTINUIDADES NA GESTÃO Apesar da evolução na gestão pública os ciclos eleitorais ainda são marcados por grandes descontinuidades. Governos que se

Leia mais

TEMA: O Caso Arruda O escândalo de corrupção que ocorreu no Distrito Federal com o ex-governador José Roberto Arruda Analisou coberturas

TEMA: O Caso Arruda O escândalo de corrupção que ocorreu no Distrito Federal com o ex-governador José Roberto Arruda Analisou coberturas TEMA: O Caso Arruda O escândalo de corrupção que ocorreu no Distrito Federal com o ex-governador José Roberto Arruda Analisou coberturas jornalísticas veiculadas durante 10 dias (28 de novembro a 07 de

Leia mais

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL BARREIRO

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL BARREIRO MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL BARREIRO Os bairros são uma forma de divisão da cidade. São espaços que surgiram ao longo da história do município e que, ainda hoje, continuam a se transformar. Quando

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

Processo de produção de imagens para comunicação visual

Processo de produção de imagens para comunicação visual 56 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Processo de produção de imagens para comunicação visual Giovana Roggeri Affonso 1 Deise Rocha Martins dos Santos Oliveira 2 Resumo: Neste

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

Sites de candidatos políticos servem para alguma coisa?

Sites de candidatos políticos servem para alguma coisa? Sites de candidatos políticos servem para alguma coisa? Índice SITES DE CANDIDATOS POLÍTICOS SERVEM PARA ALGUMA COISA? Introdução 2 Por que ter um website é importante? 3 Interatividade é a peça-chave!

Leia mais

A difícil arte de produzir, melhor e mais barato.

A difícil arte de produzir, melhor e mais barato. A difícil arte de produzir, melhor e mais barato. Produtividade + Desempenho Consultoria Pesquisa Educação Executiva A inversão da relação entre Preço, Custo e Lucratividade, ocorrida ao longo dos anos

Leia mais

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária.

MULTIPLICANDO BEM-ESTAR. Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária. MULTIPLICANDO BEM-ESTAR Como desenvolver sua própria distribuição de base domiciliar, ilimitada e milionária Apresentação: Sergio Buaiz O que é Bem-Estar? É sentir-se bem, feliz e confiante. Equilibrar

Leia mais

LAZER E CULTURA DIGITAL

LAZER E CULTURA DIGITAL GESTÃO DESPORTIVA E DO LAZER LAZER E CULTURA DIGITAL Prof. Carlos Café Dias Da cultura oral e escrita à cultura das mídias digitais EVOLUÇÃO DA CULTURA A era digital e as novas tecnologias revolucionaram

Leia mais

A Goiânia que queremos

A Goiânia que queremos Opinião 22/12/2015 06:00 Renato de Sousa Correia A Goiânia que queremos Uma cidade limpa, arborizada e organizada. O que parece apenas um sonho pode se tornar realidade a partir de medidas e intervenções

Leia mais

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA

PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA PROCESSO SELETIVO GEOGRAFIA EIXO TEMÁTICO: O MUNDO 1 O ESPAÇO MUNDIAL CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES Compreender o espaço geográfico como resultante das interações históricas entre sociedade e natureza

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 12) A cartografia é um conhecimento que vem se desenvolvendo desde a pré-história até os dias de hoje. A leitura e a interpretação de um mapa necessitam do entendimento dos ele-mentos que o compõem. Sobre

Leia mais

Workshop de Extensão Universitária Estratégias Projetuais no Quarto Distrito de Porto Alegre - RS

Workshop de Extensão Universitária Estratégias Projetuais no Quarto Distrito de Porto Alegre - RS Workshop de Extensão Universitária Estratégias Projetuais no Quarto Distrito de Porto Alegre - RS Autores: Organização e Coordenação do Curso de extensão> FONSECA, Luciana Marson. FAU UniRitter Laureate

Leia mais

Que é, pois o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pede, não sei. Santo Agostinho, Século IV

Que é, pois o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pede, não sei. Santo Agostinho, Século IV Que é, pois o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pede, não sei. Santo Agostinho, Século IV Diferentes tempos Quanto tempo dura o dia e a noite? O que demora mais para

Leia mais

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho

Cap. 1. Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução. Redes Logísticas. Antonio Martins Lima Filho Cap. 1 Logística Empresarial e Redes Logísticas -Introdução Conteúdo deste Resumo Indicações Bibliográficas 1.2 Conceito de Redes Logísticas Bibliografia da disciplina Indicações bibliográficas para este

Leia mais

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO

COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO COLÉGIO CENECISTA DR. JOSÉ FERREIRA LUZ, CÂMERA, REFLEXÃO UBERABA - 2015 PROJETO DE FILOSOFIA Professor coordenador: Danilo Borges Medeiros Tema: Luz, câmera, reflexão! Público alvo: Alunos do 9º ano do

Leia mais

Uso de Metáforas em Poesia e Canção

Uso de Metáforas em Poesia e Canção Uso de Metáforas em Poesia e Canção Ângela Gonçalves Trevisol Tamara dos Santos A partir de observações em sala de aula para a disciplina de Seminário para o ensino de literatura brasileira percebemos

Leia mais

ADEUS PROFESSOR, ADEUS PROFESSORA? NOVAS EXIGÊNCIAS EDUCACIONAIS E PROFISSÃO DOCENTE José Carlos LIBÂNEO. Benilda Silva

ADEUS PROFESSOR, ADEUS PROFESSORA? NOVAS EXIGÊNCIAS EDUCACIONAIS E PROFISSÃO DOCENTE José Carlos LIBÂNEO. Benilda Silva ADEUS PROFESSOR, ADEUS PROFESSORA? NOVAS EXIGÊNCIAS EDUCACIONAIS E PROFISSÃO DOCENTE José Carlos LIBÂNEO Benilda Silva AS NOVAS TECNOLOGIAS DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO, A ESCOLA E OS PROFESSORES Texto

Leia mais

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade

Sugestões de avaliação. Geografia 6 o ano Unidade Sugestões de avaliação Geografia 6 o ano Unidade 5 Nome: Data: Unidade 1 1. Para a Geografia, o que é paisagem? 2. Desenhe três elementos naturais e três elementos culturais que podem compor as paisagens.

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação

Tecnologias da Informação e da Comunicação Tecnologias da Informação e da Comunicação Material teórico As Tecnologias e a Formatação Profissional Responsável pelo Conteúdo: Prof a. Dr a. Vitória Dib As Tecnologias e a Formatação Profissional

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ENCAMINHADA NO DIA 05/08/2013

APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ENCAMINHADA NO DIA 05/08/2013 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA ENCAMINHADA NO DIA 05/08/2013 Estratégia de Ação para o Movimento de Luta dos Profissionais da Área Tecnológica no Espírito Santo pela garantia do Salário Mínimo Profissional estabelecido

Leia mais

Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto

Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) Prof. Dr. Olavo Egídio Alioto BREVE HISTÓRICO O momento histórico contemporâneo é especial, porque vivemos uma era de profundas transformações em todas as áreas

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso Arquitetura e Urbanismo. Ênfase Curso 2010 - Arquitetura e Urbanismo Ênfase Identificação Disciplina 0003732A - Urbanismo IV: Inserção Urbana de Equipamentos Coletivos Docente(s) Maria Helena Carvalho Rigitano Unidade Faculdade de Arquitetura,

Leia mais

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo

Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Descobertas sociocientíficas: refletindo sobre o currículo Fabiana Chinalia Professora de Metodologia para o Ensino de Ciências Naturais e Meio Ambiente Data: 05 e 06/04/2011 Descobertas sociocientíficas

Leia mais

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL NOROESTE

MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL NOROESTE MAPAS: BELO HORIZONTE E REGIONAL NOROESTE Os bairros são uma forma de divisão da cidade. São espaços que surgiram ao longo da história do município e que, ainda hoje, continuam a se transformar. Quando

Leia mais

EDUCAÇÃO (POPULAR) EM SAÚDE NO CONTEXTO DAS PRÁTICAS DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA: BREVES REFLEXÕES. Rio de Janeiro 2014

EDUCAÇÃO (POPULAR) EM SAÚDE NO CONTEXTO DAS PRÁTICAS DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA: BREVES REFLEXÕES. Rio de Janeiro 2014 II Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente Desenvolvimento, conflito territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para justiça ambiental nas políticas públicas Minascentro Belo Horizonte, 19 22 de

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema

1 Introdução. 1.1 Definição do Problema 1 Introdução 1.1 Definição do Problema Há pouco mais de 20 anos a Motorola apresentou para o mundo o primeiro telefone móvel comercial. Apelidado de tijolo, o DynaTAC 8000x pesava um pouco menos de 1 kilo,

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia - Pedro Pinchas Geiger (1967) - Em 1967, o geógrafo brasileiro Pedro Pinchas Geiger propôs uma divisão regional do país, em três Regiões

Leia mais

Atividades rítmicas e expressão corporal

Atividades rítmicas e expressão corporal Atividades rítmicas e expressão corporal LADAINHAS CANTIGAS BRINQUEDOS CANTADOS FOLCLORE MOVIMENTOS COMBINADOS DE RÍTMOS DIFERENTES RODAS Estas atividades estão relacionados com o folclore brasileiro,

Leia mais

O blog que só mostra o que a Região Serrana do Rio tem de melhor para oferecer!

O blog que só mostra o que a Região Serrana do Rio tem de melhor para oferecer! O blog que só mostra o que a Região Serrana do Rio tem de melhor para oferecer! O BLOG APRESENTAÇÃO: Bem-vindo a era da interatividade e do marketing de conteúdo. Só na internet você pode expor sua marca

Leia mais

O HOMEM AGENTE CULTURAL

O HOMEM AGENTE CULTURAL CAPÍTULO 10 O HOMEM AGENTE CULTURAL Fonte: www.afam.com.br/img/jpg/livros-cultural.jpg "O homo culturalis representa a dimensão cultural do próprio homem em sua produção geral, ou seja, a cultura implica

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA. Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional

FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA. Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional FUNDAÇÃO ESCOLA TÉCNICA LIBERATO SALZANO VIEIRA DA CUNHA Centro de Referência em Tecnologia Assistiva para a Educação Profissional Valores Institucionais LEMA LIBERATO: uma escolha, um caminho, um futuro.

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL)

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): FÁTIMA OLIVEIRA PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) NOME DO LIVRO: ALICE VIAJA NAS HISTÓRIAS AUTOR: Gianni Rodar Leitura; produção textual; oralidade; localização espacial. Competências Objetivo

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos FLORIANÓPOLIS

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos FLORIANÓPOLIS A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos FLORIANÓPOLIS FLORIANÓPOLIS Com aproximadamente 407 mil habitantes, Florianópolis é um local único. É difícil escolher a praia mais bonita, a lagoa mais

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares

Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo. Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Seminário GVcev Recursos Humanos no Varejo Cultura e Clima Organizacional Patrícia Tavares Agenda Cultura e Identidade Cultura e Clima Organizacional Construção e Mudança O que é Cultura? Uma definição

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Pacajus - CE Maio/2011.1 Sumário Apoio e Parcerias:... 3 Justificativa... 4 Introdução... 5 Objetivos... 6 Objetivo Geral:... 6 Objetivo Específico:... 6 Público Alvo... 7

Leia mais

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG

ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG ANÁLISE CARTOGRÁFICA DO PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE POUSO ALEGRE/MG Maria Itaiana Ferreira de Moraes 1 ; Thiago César Frediani Sant Ana 2 RESUMO: A vida social do homem está vinculada a ação de interação

Leia mais