Corredores Complexos: Interseção de rodovias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Corredores Complexos: Interseção de rodovias"

Transcrição

1 Neyton Luiz Dalle Molle Engenheiro Civil Como desenvolver o projeto de interseção de duas rodovias, com a escolha do traçado das alças, analisando a topografia e determinando rampas e seções dentro do ambiente do Civil 3D. Objetivo de aprendizado Ao final desta palestra você terá condições de: Lançar alinhamentos considerando critérios de projeto Estudar greides de estradas que atendam rampas e interferências Criar seções típicas adequadas Modelar corredores complexos Usar alguns truques para solucionar os problemas da modelagem O objetivo básico é criar a interseção de duas rodovias, considerando-se que as vias principais tem características de engenharia que devem ser satisfeitas, mas que também precisam respeitar certos limites geométricos. A boa modelagem da interseção auxilia na decisão de muitos aspectos que às vezes passam despercebidos, como a necessidade de execução de contenções, ou muros de arrimo que poderiam ser eliminados com poucas modificações. A análise evita que sejam criadas situações absurdas, tais como faixas de aceleração ou desaceleração que não sejam factíveis. Em muitos casos, por desconhecimento, acaba-se passando por cima de detalhes na modelagem que, se não causam prejuízo de ordem econômica, no projeto em si, causam muita dor de cabeça ao desenhista que dá acabamento ao desenho. Com uso das ferramentas de projeto do Civil 3D, não apenas aspectos técnicos serão bem desenvolvidos, mas todo o projeto, até sua apresentação final é facilitada. Sobre o Palestrante Neyton Luiz Dalle Molle, Engenheiro civil, formado pela Universidade Federal do Paraná. Atuante na área de infraestrutura a mais de 10 anos. Atualmente trabalhando na Progen Projetos e Gerenciamento, em São Luis-MA no desenvolvimento de projetos ferroviários para a Cia Vale do Rio Doce e também trabalhei em projetos rodoviários na região metropolitana de Curitiba-PR. Mantenho um website: com diversas informações sobre o Civil 3D e programação. Contato:

2 Corredores complexos: Interseção de rodovias Reconhecimento do projeto O projeto está situado na interseção das rodovias: PR 418, conhecida como Contorno Norte e rodovia PR 092, conhecida como Rodovia dos minérios. Esta interseção já existe e pode ser observada no Google Earth: Figura 01: Google Earth, 2011 A execução do projeto iniciou no final da década 1980, mas foi interrompido e a interseção em si só foi concluída após o ano Algumas fotos da época podem ser vistas no anexo. A base cartográfica foi obtida no site do Instituto de Águas do Paraná, em escala 1:10.000, estão em projeção UTM, datum SAD-69, sendo recortado a área de interesse e construída a superfície do terreno no Civil 3D, usando as curvas de nível (Toolspace / Surfaces / TERRENO / Definition / Contours). Os alinhamentos foram desenhados baseados no traçado visto nas imagens do Google Earth. A seguir uma imagem aérea do ano 2000: 2

3 Figura 02: Instituto de Águas do Paraná, 2000 Parâmetros de engenharia Com intuito de aproximar este estudo de projeto ao original os parâmetros de engenharia usados, são os que seguem: Velocidade de Projeto: 80 km/h Pista simples: 3,5 m Acostamento: 2,4 m Declividade transversal: 2% Superelevação máxima: 4% Vão livre na interseção: > 9,5m Rampa longitudinal máxima: 12% Estes parâmetros são aplicados nas propriedades dos alinhamentos principais, em Alignment Properties / Design Criteria: 3

4 Figura 03: Propriedades dos alinhamentos principais Os valores do arquivo XML (_Autodesk Civil 3D Metric_BRA-DER-SP-(AASHTO2004).xml) não foram alterados. Lançamento dos Alinhamentos O lançamento foi feito usando as ferramentas do Civil 3D e para que fosse calculada a superelevação, defini que a velocidade de projeto na interseção fosse reduzida para 60 km/h e para a superlargura dos eixos principais, desenhei alinhamentos do tipo Offset Alignment (comando CREATEOFFSETALIGNMENT), com 3,5m de offset e sendo a superlargura calculada pelo próprio Civil 3D, com base nos critérios especificados acima. Para os alinhamentos das alças, usei o bordo direito da pista, de tal forma que as variações de seção fossem mínimas, isto é, o número de seções típicas é minimizado. Levando-se em conta, que o Rio Barigui cruza toda a interseção no sentido de noroeste para sudeste, algumas das alças serão pontilhões e outras terão raios pequenos por limitação de espaço, sendo necessárias superlargura nas mesmas. Sendo assim, Offset Alignments para as alças também foram criadas, usando superlargura (Widening) arbitrada. Os alinhamentos podem ser vistos na figura a seguir. Na cor preta, os alinhamentos principais, em verde, o bordo para aplicar a superlargura e vermelho as alças, por fim em azul o bordo do pavimento. Importante notar que os alinhamentos de bordo têm largura variável, mas esta variação precisa atender critérios de engenharia, por exemplo, a largura da faixa de rolamento é 5,5 metros, mas nas curvas isso cresce até 6,5 metros. O mais indicado é fazer Offset Alignments, em vez de polilinhas. Imagine o retrabalho caso algum raio precise ser modificado. Conforme visto na figura 02, metade da interseção já estava pronta no ano

5 Figura 04: Alinhamentos principais e alças Havia muita interferência de edificações, o que influenciou diretamente no traçado das alças. Lançamento dos Greides das Rodovias O lançamento dos greides respeitou a situação existente no ano A altura livre na obra de arte mostrada a seguir: 5

6 Figura 05: Obra de arte, D.E.R Grande aterro foi executado para dar condição de acesso. No Ambiente de trabalho do Civil 3D, foi restituído o greide das duas rodovias, onde se pode observar a altura relativa entre as duas rodovias usando a um tipo especial de perfil chamado SuperImposed Profile (comando SUPERIMPOSEPROFILE), ele cria uma projeção do greide de um alinhamento no Profileview de outro: Figura 06: Greide das rodovias 6

7 A ferramenta de SuperImposed ainda será útil quando traçamos o greide de dois ramos paralelos das alças. Mas antes é preciso estabelecer a seção típica das rodovias. Seções Típicas A seção típica será dividida em duas partes, uma à esquerda e outra a direita, usando as Subassemblies indicadas. Esta divisão facilita a modelagem das diversas regiões do corredor. A assembly LaneSuperElevationAOR facilita bastante a aplicação da superelevação, uma vez que ela aceita a superelevação calculada. Não se esquecer de definir nas propriedades desta, qual item de superelevação aplicar. Isto evita que tenhamos de fazer perfis para os bordos. Considerações: As rodovias tem pista simples, de 3,5m, mas na região da interseção, possuem as chamadas faixas de aceleração e desaceleração, por isso estas já estarão incluídas. As alças sofrem alargamentos nas curvas, por isso as seções contem pavimento à direita. Claro que nos encontros da alça com a rodovia, o meio fio será suprimido e outras seções são usadas. Figura 07: Meia seção para as rodovias Figura 08: Seção típica das alças 7

8 Para o traçado do greide das alças, teremos pontos de cota obrigatória no início e no fim de cada ramo. No meio de cada ramo ainda temos de verificar a compatibilidade com o ramo paralelo colocar barreiras entre eles. Greides das Alças Para o lançamento dos greides das alças, devemos podemos usar o recurso de SuperImposed Profile, mas isso nos obriga a calcular a declividade transversal e descontar este valor da cota do greide de chegada/saída da alça. É mais simples então usar um pequeno truque: criar perfis de superfície (Surface Profile) nos alinhamentos das alças, mas em vez de usar a superfície de terreno, vamos criar estes perfis a partir da superfície de topo do pavimento das rodovias. Para isto funcionar, criamos dois corredores para cada rodovia, um para o lado esquerdo, outro para o direito. Como dito antes, farei assim para simplificar o número de seções típicas. Alem disso, no encontro das alças não pode haver meio fio, então dividirei a Baseline de cada corredor desses em diversas Regions: Figura 09: Subdivisão do lado esquerdo. Criado o corredor, podemos criar a superfície de topo, usando os Links de código Top como Breakline, depois criamos perfis desta superfície para o alinhamento da alça. Isso irá nos mostrar qual a cota de início e de fim, bem como nos indicar, qual deve ser a rampa projetada. Em destaque na cor lilás, as superfícies de topo: 8

9 Figura 10: perfis de superfície no alinhamento da alça NO-E Na imagem a seguir, vemos um corredor que usa como Baseline o alinhamento da Rodovia dos Minérios e modela o lado esquerdo. Note que as regiões intercalam trechos que possuem pista com meio fio e sem meio fio, onde terá o encontro com a alça. Neste encontro, escolhi o bordo direito da alça para modelar e o pavimento do lado esquerdo desta deverá estender até a borda do pavimento da rodovia. E mais: como estes encontros acontecem nas curvas da Rodovia dos Minérios, teremos de verificar a superelevação e superlargura do bordo. Fica óbvio que devemos ajustar as alças após desenhar o bordo de superlargura das rodovias (em verde), como visto na figura abaixo: Figura 11: Bordos de superlargura da Rodovia dos Minérios Para efeito da variação da largura do pavimento, devemos indicar ao corredor que este deve procurar um alinhamento como alvo. No caso do pavimento da rodovia, basta indicar o alinhamento destacado em verde (são os Offset Alignment da Rodovia dos Minérios). Mas e no caso do pavimento da alça? Ele não apenas varia na largura, mas também na declividade transversal, uma vez que deverá concordar 9

10 com o pavimento da rodovia. Mas o alinhamento da borda (em verde), não possui qualquer perfil. Então como o pavimento da alça irá modificar a cota de encontro com o pavimento da rodovia? Mais uma vez, procurando um alvo. Este alvo será obtido criando Grading Feature Line From Corridor (comando FEATURELINESFROMCORRIDOR). Olhe o Code Set Style e a ajuda do Civil 3D para a SubAssembly LaneSuperElevationAOR. Fica evidente a escolha do ponto de código ETW, pois este irá modelar uma Feature Line no bordo externo da rodovia. Esta Feature Line será o alvo do pavimento da alça no trecho de encontro: Figura 12: Vista tridimensional. Destaque em magenta para a Feature Line Esta Feature Line será usada somente pelo pavimento da alça, no trecho em que este encontra o pavimento da rodovia. Procedendo de maneira similar a todas as alças: Figura 13: Todos os corredores 10

11 Observando os corredores, vemos que a variação da largura do pavimento é feita usando Width or Offset Targets, a cota varia com superelevação ou Slope Elevation Target: Figura 14: Targets Os targets podem ser alinhamentos, polilinhas ou feature lines. Neste projeto a preferência é evitar as polilinhas, pois qualquer alteração de traçado obriga a redesenhar estas polilinhas. Já com alinhamentos, podemos variar a superlagura de forma controlada, seja por critérios de engenharia, seja por imposições geométricas. As feature lines são um recurso interessante, pois fornecem targets dinâmicos logo não temos tanto retrabalho ao modificar greides ou mesmo alinhamentos. Análises A primeira vista, analisando os corredores, eles parecem corretos, mas será que todas as concordâncias são satisfeitas? Será que as rampas são satisfatórias? Não estaríamos criando contenções desnecessárias? Uma boa forma de verificar isso é usando Sample Lines. Inicialmente, cortei os alinhamentos das rodovias e depois as alças externas. Não é necessário, nem recomendável, cortar Sample Line em todas as estacas do alinhamento, basta uma. Por fim, desenhei as Section View de cada Sample Line. Ao selecionar o que será cortado pela sample line group, escolha TODOS os corredores e suas respectivas superfícies de terraplenagem, além da superfície do terreno natural. Observação: o corte dos corredores só pode ser executado no Civil 3D 2012 em diante. Na figura a seguir, vemos as Section Views das alças externas. Nelas, vemos que a cota final do greide da alça interna é compatível. 11

12 Figura 15: Section Views Na figura a seguir, vemos como foi determinado o greide da alça SE-E, para que fosse compatível com o greide da alça SE-I no trecho central e nas extremidades, com as superfícies de topo das rodovias. Figura 16: Compatibilização de greides Essa compatibilização não pôde ser automatizada com o recurso de Intersections do Civil 3D por conta das características das alças. Sempre que possível, é interessante usar este recurso, pois modificações de greides das vias principais refletem modificações automáticas no greide das vias secundárias. 12

13 Modelo digital de Projeto O modelo digital do projeto será a junção de todas as superfícies de terraplenagem, ou seja, aquelas que usam Links de código Datum. Durante o processo de modelagem, o talude esquerdo das alças foi sempre suprimido. Isso porque haveria superposição de taludes nas áreas entre as alças e a rodovia. Para corrigir isso, poderia usar o recurso de Grading. O que até foi feito, mas esta solução neste caso se mostrou inadequada, uma vez que cria situações de terraplenagem indesejadas, seja por visibilidade ou drenagem. Figura 17: Uso de Grading no corredor A opção adotada foi simplesmente preencher ou arrasar estes espaços, usando as Feature lines na cor preta como linhas obrigatórias de uma superfície de arrasamento. Para criar a superfície de terraplenagem, inicialmente foram criadas Feature Lines nos bordos esquerdos das alças (em preto), em seguida adicionadas como linhas obrigatórias. Depois, fazendo uso do comando EDITSURFACEPASTE que cola uma superfície dentro da outra, todas as superfícies de terraplenagem foram acrescentadas na superfície final. Por fim, eliminei alguns triângulos que estouraram, obtendo o resultado final: Figura 18: Vista tridimensional 13

14 Tendo em vista o que foi exposto, a modelagem de corredores complexos requer atenção às escolhas feitas em relação ao posicionamento dos alinhamentos, greides e seções típicas. Isso não só irá garantir uma solução de engenharia satisfatória como também um modelo digital do projeto bem acabado. O passo seguinte é exportar este modelo para o Autodesk 3D Max, usando as ferramentas do Civil View, presente no Civil 3D 2012 e 2013, porém este não é objetivo desta classe. Fica como sugestão para o leitor, que finalize o desenho. 14

15 Fontes Instituto de Águas do Paraná (http://www.aguasparana.pr.gov.br/) Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré (http://tamandare.pr.gov.br/) Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (http://www.comec.pr.gov.br/) Google Earth: (http://www.google.com/earth/index.html) Blog do Neyton (http://tbn2.blogspot.com/) 15

Projetos Viários No Civil 3D: Nota de Serviço Padrão DER/SP

Projetos Viários No Civil 3D: Nota de Serviço Padrão DER/SP Projetos Viários No Civil 3D: Nota de Serviço Padrão DER/SP Pedro Luis Soethe Cursino Soethe Cursino Engenharia LTDA Eduardo Soethe Cursino - Soethe Cursino Engenharia LTDA Como elaborar as Notas de Serviço

Leia mais

TREINAMENTO: AUTODESK AUTOCAD CIVIL 3D

TREINAMENTO: AUTODESK AUTOCAD CIVIL 3D TREINAMENTO: AUTODESK AUTOCAD CIVIL 3D O Autodesk AutoCAD Civil 3D é uma solução para atender as demandas e necessidades atuais da engenharia civil com ferramentas que auxiliam os profissionais de infraestrutura

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

PACOTE TOPOGRAFIA. Cálculos

PACOTE TOPOGRAFIA. Cálculos PACOTE TOPOGRAFIA Cálculos Este aplicativo é responsável pelos cálculos de topografia e UTM do Sistema topograph. As cadernetas de levantamento de campo podem ser introduzidas a partir de dados levantados

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

Projetos de Barragens e Ensecadeiras com Subassembly Composer

Projetos de Barragens e Ensecadeiras com Subassembly Composer Projetos de Barragens e Ensecadeiras com Subassembly Composer Jackson Augusto Pereira Pinto V53 Software / MJ Projetos & Treinamentos Tecnológicos Integrar o Subassembly Composer e Civil3D para criar projetos

Leia mais

Aplicações do Subassembly Conditional Horizontal Target

Aplicações do Subassembly Conditional Horizontal Target Aplicações do Subassembly Conditional Horizontal Target Alexandre Uchôa Lourenço da Costa PCE Projetos e Consultorias de Engenharia Felipe Rodrigues Franklin Descrição da Classe (usar a mesma informação

Leia mais

1. Introdução. 1.1 A Quem se Destina Este Livro. 1.2 Acerca do Software. 1.3 Como Usar Este Livro. 1.4 Estrutura do Livro

1. Introdução. 1.1 A Quem se Destina Este Livro. 1.2 Acerca do Software. 1.3 Como Usar Este Livro. 1.4 Estrutura do Livro 1. Introdução 1.1 A Quem se Destina Este Livro 1.2 Acerca do Software 1.3 Como Usar Este Livro 1.4 Estrutura do Livro 2. Do Land Desktop ao Civil 3D 2.1 Land Desktop versus Civil 3D Terminologia 2.2 A

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE ACESSO NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto aos procedimentos administrativos

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 8 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1 1 a QUESTÃO Supondo que você é o engenheiro responsável pela elaboração do projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, projeto que irá conectar o pólo de desenvolvimento industrial do litoral norte

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA TOPOGRAFIA E GEODÉSIA Algumas Novidades da Versão Office: Reformulação das Planilhas de Cálculos; GeraçãodeLayoutsdeImpressão; Inserção e Georreferenciamento de Imagens Raster;

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

IP-03 INSTRUÇÃO DE PROJETO GEOMÉTRICO

IP-03 INSTRUÇÃO DE PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes relativas ao projeto geométrico de vias urbanas, a serem seguidas no desenvolvimento de projeto de vias públicas na PMSP. 2. INTRODUÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE REDE DE ENERGIA ELÉTRICA NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de transmissão e/ou distribuição de energia elétrica nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO

Início E. 2345+13,98. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Glauber Carvalho Costa Estradas 1. 1 a QUESTÃO 1 a QUESTÃO Supondo que você foi designado para desenvolver o projeto geométrico do Arco Metropolitano do Recife, que corresponderá a uma o obra rodoviária ligando a região norte do estado, próximo ao

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Hands-on AutoCAD Civil 3D 2011

Hands-on AutoCAD Civil 3D 2011 Hands-on AutoCAD Civil 3D 2011 Índice CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 2 PONTOS E SUPERFÍCIES... 8 Levantamento de Pontos... 8 Criando um Modelo Digital de Terreno (Superfície)...11 CAPÍTULO 3 PROJETO

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE NOVOS ACESSOS ÀS RODOVIAS SOB JURISDIÇÃO DO DER/DF 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de acesso nas faixas de

Leia mais

Projetos funcionais em 3D

Projetos funcionais em 3D Eng. Marcelo Monteiro Missato Planservi Engenharia Eng. Walter Luis Guimaraes Nieyama Planservi Engenharia Engenharia Civil, Estrutural e Obras de Grande Porte Objetivo de aprendizado Ao final desta palestra

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

Hands-on AutoCAD CIVIL 3D 2012

Hands-on AutoCAD CIVIL 3D 2012 Hands-on AutoCAD CIVIL 3D 2012 AGOSTO/2011 ÍNDICE SOBRE ESTE DOCUMENTO... 2 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 3 CAPÍTULO 2 PONTOS E SUPERFÍCIES... 8 Levantamento de Pontos... 8 Criando um Modelo Digital de Terreno

Leia mais

Utilizando o BIM com o Autodesk Revit Structure para o projeto de estações de metrô Marco A. B. Sampaio Frazillio & Ferroni

Utilizando o BIM com o Autodesk Revit Structure para o projeto de estações de metrô Marco A. B. Sampaio Frazillio & Ferroni Utilizando o BIM com o Autodesk Revit Structure para o projeto de estações de metrô Marco A. B. Sampaio Frazillio & Ferroni SE5341 Esta seção apresenta o projeto de uma estação de metrô utilizando o Autodesk

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) 1. INTRODUÇÃO: Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

Autodesk AutoCAD Civil 3D 2015 Country Kit Brazil Workbook

Autodesk AutoCAD Civil 3D 2015 Country Kit Brazil Workbook Autodesk AutoCAD Civil 3D 2015 Country Kit Brazil Workbook Objetivo deste documento: Descrever as novas configurações do pacote "Brazil Content" para AutoCAD Civil 3D versão 2015. Page 1 of 113 24/02/2014

Leia mais

MANUAL DO MÓDULO DE VIAS ÍNDICE ANALÍTICO

MANUAL DO MÓDULO DE VIAS ÍNDICE ANALÍTICO MANUAL DO MÓDULO DE VIAS ÍNDICE ANALÍTICO 1 AMBIENTE DE TRABALHO...1 2 IMPORTANDO DADOS GERADOS NO SISTEMA POSIÇÃO PARA O AUTOCAD/INTELLICAD...2 3 MODELAGEM DIGITAL DO TERRENO...4 4 INICIANDO UM PROJETO

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres 1º semestre/2007 Prof. Felipe I. Kabbach Jr. (aulas teóricas) Prof. Ettore José Bottura (aulas práticas) Prof. Telmo G. Porto (aula

Leia mais

Autodesk Civil 3D. Adaptado para o Brasil

Autodesk Civil 3D. Adaptado para o Brasil Autodesk Civil 3D Adaptado para o Brasil Abordamos a parte de labels do Civil3D onde criei uma sequência de comandos que no final resultaram na formatação típica brasileira para identificar estes componentes

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DA BAHIA 1. OBJETIVO 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de adutoras de água e emissário de esgoto nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim como orientar quanto

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI:

LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE LEI: LEI Nº 370, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Lei do Sistema Viário do Município de Cafeara, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CAFEARA APROVA E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO, SANCIONO A SEGUINTE

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS E IMPLANTAÇÃO DE POLIDUTOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO SOB JURISDIÇÃO DO DERBA 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de polidutos (oleodutos, gasodutos, tubulações diversas, etc) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA, assim

Leia mais

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas;

2.5. Obras todas as obras e/ou serviços que utilizam a faixa de domínio, no sentido transversal e/ou longitudinal ou em áreas localizadas; 1. OBJETIVO Estabelecer instruções, critérios e condições para implantação de rede de telecomunicações (cabos metálicos ou de fibras ópticas) nas faixas de domínio das rodovias sob jurisdição do DERBA,

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Modelo Digital de Terreno - V 6.5

Modelo Digital de Terreno - V 6.5 TCP MDT Modelo Digital de Terreno - V 6.5 Versão Profissional Introdução A Versão Profissional foi desenvolvida para ajudar o usurário em todas as fases de realização de um projeto no âmbito da Topografia.

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012

RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 RESOLUÇÃO Nº DE DE DE 2012 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de ondulações transversais (lombadas físicas) em vias públicas, disciplinadas pelo Parágrafo único do art. 94 do Código de

Leia mais

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8

NAPNE / RENAPI. Google SketchUp 8 NAPNE / RENAPI Google SketchUp 8 Agosto de 2011 Sumário 1 Introdução... 4 2 Requisitos básicos... 4 3 Itens... 4 3.1 Assista os tutoriais em vídeo... 5 3.2 Leia dicas e truques... 6 3.3 Visite a Central

Leia mais

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS

INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHOS PUBLICITÁRIOS A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS INSTRUÇÕES TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE A SEREM INSTALADOS NAS FAIXAS DE DOMÍNIO DAS RODOVIAS DO SISTEMA RODOVIÁRIO DO DISTRITO FEDERAL 1. OBJETIVO Estabelecer complementação visando instruir

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas.

PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, linhas físicas de telecomunicações, cabos metálicos e fibras ópticas. fls. 1/6 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Linhas Físicas de Telecomunicações, com Cabos Metálicos e com Fibras Ópticas. PALAVRAS-CHAVE:

Leia mais

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS

SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.02 AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS SECRETARIA DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM MANUAL ATIVIDADES GERAIS 3.0 SEÇÃO 3.0: AUTORIZAÇÕES PARA ACESSO ÀS ESTRADAS APROVAÇÃO: Em 1/06/1978 às fls. 197 dos autos 14.795/DER/197

Leia mais

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas

16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas 16- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a Partir de Cartas Topográficas A carta topográfica é um documento cartográfico que pode ser utilizado para inúmeros fins, como elaboração de bases cartográficas

Leia mais

Topografia Aplicada. Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura

Topografia Aplicada. Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Topografia Aplicada Ana Paula Falcão/ João Matos Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura (Versão 1.0) 17 de Maio de 2007 Motivação Este documento é unicamente ilustrativo de aspectos práticos de

Leia mais

CONHECENDO A INTERFACE DO AUTOCAD CIVIL 3D. Ribbon Contextual

CONHECENDO A INTERFACE DO AUTOCAD CIVIL 3D. Ribbon Contextual CONHECENDO A INTERFACE DO AUTOCAD CIVIL 3D Uma das principais características da nova interface do Civil 3D é a distribuição dos ícones dos comandos, localizado no painel superior o qual chamamos de Ribbon.

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas

Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Compreendendo os Efeitos da Projeção nas Imagens Aéreas Introdução Com a atual popularização dos sistemas CAD, ficou muito fácil para usuários de cartografia carregarem um arquivo vetorial, oriundo de

Leia mais

EMPREGO DOS SOFTWARES TCP-MDT E TOPOGRAPH PARA PROJETO GEOMÉTRICO DE ESTRADA

EMPREGO DOS SOFTWARES TCP-MDT E TOPOGRAPH PARA PROJETO GEOMÉTRICO DE ESTRADA EMPREGO DOS SOFTWARES TCP-MDT E TOPOGRAPH PARA PROJETO GEOMÉTRICO DE ESTRADA RAIANE RINTIELLE VAZ MENEZES AFONSO DE PAULA DOS SANTOS CARLOS ALEXANDRE BRAZ DE CARVALHO ANTÔNIO SANTANA FERRAZ Universidade

Leia mais

Faça mais. Mude o mundo em 3D. AutoCAD. Civil 3d 2010

Faça mais. Mude o mundo em 3D. AutoCAD. Civil 3d 2010 Faça mais. Mude o mundo em 3D. AutoCAD Civil 3d 2010 A poderosa solução de modelagem de informações da construção para engenharia civil O software AutoCAD Civil 3D suporta um processo integrado baseado

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO

Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO Panorama do Sistema de Automação Topográfica - POSIÇÃO MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 18 a 20 de Junho São Paulo Brasil Apresentado por: Danilo Sidnei dos Santos Gerente e Desenvolvedor do Posição

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Modelo Digital de Terreno - V 6.5

Modelo Digital de Terreno - V 6.5 TCP MDT Modelo Digital de Terreno - V 6.5 Versão Standard Introdução A Versão Estandar é apropriada para a realização de todo tipo de projetos de levantamentos topográficos, perfis de terreno, cálculo

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

CRIANDO MDT. Para criar o MDT Selecione o botão Modelagem ou clique na área esquerda da do programa onde se terá a opção criar Nova Modelagem.

CRIANDO MDT. Para criar o MDT Selecione o botão Modelagem ou clique na área esquerda da do programa onde se terá a opção criar Nova Modelagem. CRIANDO MDT Um MDT no programa AutoGeo tem como finalidade servir como base de dados para informações que servirão para os cálculos a serem realizados tudo que se for projetado a base vem do modelo digital

Leia mais

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres

PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres PTR 2378 Projeto de infra-estrutura de vias de transportes terrestres º semestre/2007 Aula 9 Elementos da Seção Transversal Elementos da Seção Transversal. Considerações gerais 2. Faixas de rolamento 3.

Leia mais

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL

PROJETO GEOMÉTRICO ELEMENTOS DA SEÇÃO TRANVERSAL 1 Largura das faixas de rolamento 2 - Larguras dos acostamentos (Bermas) 3 -Conformação e declividades (caimentos) da pista e dos acostamentos 4 - Canteiro central (Mediano) 5 -Taludes 6 -Faixa de domínio

Leia mais

200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 15

200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 15 200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 34224244 AULA 15 1. TERRAPLANAGEM Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já se

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE

NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE PLANO BÁSICO AMBIENTAL DA AHE CACHOEIRA CALDEIRÃO NOTA TÉCNICA DE AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO MURO DE ARRIMO EM PORTO GRANDE Licença Prévia 0112/2012 Condicionante Específica Nº 2.26 Elaborar um estudo específico

Leia mais

MANUAL TÉCNICO PARA LEVANTAMENTO E DESENHO TOPOGRÁFICO Apresentação

MANUAL TÉCNICO PARA LEVANTAMENTO E DESENHO TOPOGRÁFICO Apresentação MANUAL TÉCNICO PARA LEVANTAMENTO E DESENHO TOPOGRÁFICO Apresentação A planilha de Melhor Caminho GPS serve para projetar e desenhar Planta Baixa, Perfil Longitudinal e Seções Transversais do Projeto, bem

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

Funcionalidades. Mantenha a sua equipa totalmente coordenada

Funcionalidades. Mantenha a sua equipa totalmente coordenada Mude para o novo AutoCAD Civil 3D e ajude a sua equipa a ser mais rápida e precisa na execução de projectos. Através de interligação da produção de desenhos com o projecto, o Modelo 3D digital permite-lhe

Leia mais

AutoCAD Civil 3D Avançado. Ajustando estilos e propriedades de bandas

AutoCAD Civil 3D Avançado. Ajustando estilos e propriedades de bandas Ajustando estilos e propriedades de bandas Criar estilos bandas de leitura para cotas do terreno e cotas de projeto O procedimento listado a seguir tem por objetivo exemplificar os passos necessários para

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS

-ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS INFRAINFRA -ESTRUTURA VIÁRIA TT048 CURVAS VERTICAIS Prof. Djalma Pereira Prof. Eduardo Ratton Profa. Gilza Fernandes Blasi Profa. Márcia de Andrade Pereira Um fator importante para a segurança e eficiência

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO. Lucas Bach Adada PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E CAPACITAÇÃO DER/2008 TÓPICOS DE DE PROJETO GEOMÉTRICO RODOVIÁRIO Lucas Bach Adada 1 Conteúdo Programático Definição de Projeto Geométrico; Classificação das Vias e Rodovias ; Critérios

Leia mais

Manual de Uso do TopoHAM. Aula 01. 1. Iniciando o TopoHAM. 1. Definição. 1. Campo. Software para cálculo e desenho de topografia.

Manual de Uso do TopoHAM. Aula 01. 1. Iniciando o TopoHAM. 1. Definição. 1. Campo. Software para cálculo e desenho de topografia. Página 1 de 83 Manual de Uso do TopoHAM. Esse manual ensinará a manusear e utilizar todos os módulos TopoHAM Aula 01 1. Iniciando o TopoHAM Inicie o TopoHAM e clique no menu Arquivo e selecione a opção

Leia mais

Desenho bidimensional

Desenho bidimensional Desenho bidimensional As empresas tem migrado do desenho 2D para o 3D pelos seguintes motivos: Diminuição do ciclo de desenvolvimento do produto; Fornecimento de informações atualizadas; Evitar ou diminuir

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

Tutorial. Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT

Tutorial. Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT Tutorial Planta baixa no AutoCAD com AditivoCAD 1LT Observações gerais: O tutorial para desenhar uma planta baixa está dividido em quatro partes, sendo que para cada um há um vídeo legendado demonstrando

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS

CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS CONTENÇÃO E ESTABILIZAÇÃO DE ATERRO RODOVIÁRIO COM ESTRTURA EM SOLO REFORÇADO E GEOSSINTÉTICOS Monique Lacerda de V. Sobral Engenheira Civil Maccaferri do Brasil monique@maccaferri.com.br Paulo Cesar Belesso

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12

PASSAGEM SUPERIOR E INFERIOR Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para construção de Passagem Superior e Inferior, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Passagem.

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

No sub menu de perfil temos algumas opções a trabalhar. Vejamos cada uma

No sub menu de perfil temos algumas opções a trabalhar. Vejamos cada uma Módulo de Topografia Avançada Perfil. Esta ferramenta gera uma representação em corte longitudinal da superfície física do terreno. O acesso a este recurso está no menu suspenso Posição, Perfil: delas.

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO N 495, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Estabelece os padrões e critérios para a instalação de faixa elevada para travessia de pedestres em vias públicas. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando

Leia mais

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento.

No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. No meio urbano o desenvolvimento econômico passa pela relação entre os indivíduos, as edificações e os meios de deslocamento. Pólos Geradores de Tráfego As cidades brasileiras vivem um momento de mudança

Leia mais

Obras-de-arte especiais - escoramentos

Obras-de-arte especiais - escoramentos MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais

Dicas. Simplificando o Método Top Down Design. Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton

Dicas. Simplificando o Método Top Down Design. Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton Dicas Simplificando o Método Top Down Design Construindo uma Montagem com a Ferramenta Skeleton O Creo Elements/Pro, anteriormente chamado de Pro/ENGINEER, possui capacidade de criar uma estruturação parametrizada

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO

NOVEMBRO 2013 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO NOVEMBRO 2013 ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE SOBRE O RIO SÃO FRANCISCO, ENTRE OS MUNICÍPIOS DE PENEDO/AL E NEÓPOLIS/SE 1º RELATÓRIO DE ANDAMENTO ESTUDO PRELIMINAR PARA IMPLANTAÇÃO DE PONTE

Leia mais

Tenha isso muito claro na cabeça!

Tenha isso muito claro na cabeça! Tenha isso muito claro na cabeça! Existem duas formas de representar a Terra (existem mais, mas vamos tratar de duas): - modelo matemático = elipsóide - modelo quase real = geóide. O elipsóide é uma figura

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM

Secretaria de Logística e Transportes DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM Secretaria de Logística e Transportes Estrutura da Secretaria de Logística e Transportes Pátio 2 Obra Secretaria de Logística e Transportes Porto de São Sebastião Realizações 2011/2012 Descrição Nivelamento

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 10)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 10) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 10) 1 Roteiro Operações Booleanas Comprimir e Expandir Simplificação Criando Texto Editor

Leia mais