equipe técnica: SINAPI - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil data: julho 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "equipe técnica: SINAPI - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil data: julho 2010"

Transcrição

1 Engenharia de Custos SINAPI - Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil Composições de Custos na visão da Engenharia de Custos data: julho 2010 Arq. - Mário Sergio Pini Eng. - Luiz Freire de Carvalho Eng. - Bernardo Corrêa Neto Eng. - Celso Francisco Afonso Econ. - Eduardo Gonçalves equipe técnica: CREA CREA CREA CREA CRE

2 Introdução + Instituição + Linha do Tempo Refletir e referenciar mercado de Obras Públicas SINA API Processo permanente de renovação Inovações tecnológicas Novas Normas Obras especiais Resgate de Engenharia CBIC PINI proposta com fundamento de Engenharia e Normatização técnica Revisão arbitrária de coeficientes Sistematização de processo Valoração científica Adequação à obra Transparência Confiabilidade Adequação Flexibilidade Utilidade

3 Conceituação Contribuições CBIC / PINI (diretrizes) Modelo Quantitativo Serviços de Construção Especificação de Projeto + Co ompos sições s de Custos s Requisitos Critérios Atributos Ajustes + Descrição Discriminação (insumos) Unidade Coeficientes Premissas técnicas Contingências de obra Coeficientes Adequação à condição de Execução Especificação Tipologia Tecnologia Aplicação Regionalização Execução Canteiro Levantamentos de acervos Apropriações de campo Tratamento estatístico Seleção por adequação técnica Interação e conciliação Serviço Canteiro Contrato Conteúdo dos serviços (componentes e complementares) Procedimento de execução Medição e pagamento Normas técnicas Projeto construtivo Composições Orçamento

4 Estudo Caso - Edificações SINAPI Código da Composição: (+) Fôrma em chapa de madeira compensada plastificada 12mm, para estruturas de concreto m² Tipo do Item Código Descrição Básica Unidade Coeficiente I 1214 Carpinteiro de esquadria h 1,20 I 6117 Ajudante de carpinteiro h 0,40 I 2692 Desmoldante para fôrma de madeira l 0,10 I 1347 Chapa de madeira compensada plastificada 2,20x 20x 1,10m10m m² 0,22 I 4491 Peça de madeira 3ª/4ª qualidade, 7,5 x 7,5cm (3 x3 ) m 0,30 I 4509 Peça de madeira de 3ª qualidade, 2,5x10cm, não aparelhada m 0,30 I 5069 Prego de aço 17x27 kg 0,20

5 Estudo Caso - Edificações Forma chapa plastificada Crítica CBIC / PINI Descritivo incompleto (reaproveitamento) Insumo inadequado (pregos) Insumo super-dimensionado (desmoldante) Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

6 Estudo Caso - Edificações (+) Alvenaria de Vedação Blocos de Concreto Crítica CBIC / PINI Descritivo incorreto (blocos inexistentes) Insumos insuficientes (blocos) Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

7 Estudo Caso - Edificações (+) Concreto usinado bombeado Crítica CBIC / PINI Descritivo incompleto (procedimento executivo) Insumo insuficiente (mão de obra) Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

8 Estudo Caso - Edificações (+) Armação CA 50 Crítica CBIC / PINI Descritivo genérico (bitola por faixa) Insumo inexistente (espaçadores/ tecnologia) Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

9 Estudo Caso - Edificações Proposta CBIC / PINI Fôrma com chapa de madeira compensada plastificada, espessura: 12 mm, para pilares / vigas / lajes, incluso contraventamentos / travamentos com pontaletes 7,5 x 7,5 cm, 5 aproveitamentos. Descrição Un. Médias Médias Coeficientes Observadas Observadas (Médias + + Fôrma com chapa de madeira compensada plastificada, espessura: 12 mm, para pilares / vigas / lajes, incluso m² Observadas) Contingência Contingência contraventamentos / travamentos com pontaletes 7,5 x 7,5 cm, 5 aproveitamentos. Mínima Máxima Ajudante de carpinteiro h 0,45 0,57 0,71 Carpinteiro h 1,78 2,24 2,81 Chapa compensada plastifica (comprimento: 2200mm / espessura: 10mm / largura: 1100mm ) m² 0,25 0,25 0,25 Desmoldante de fôrmas para concreto l 0, , ,00528 Prego 17x21 com cabeça (comprimento: 48mm / diâmetro: 3mm ) kg 0,20 0,20 0,20 Prego 17x27 com cabeça dupla (comprimento: 62,1mm / diâmetro: 3mm ) kg 0,10 0,10 0,10 Prego 15x15 com cabeça (comprimento: 34,5mm / diâmetro: 2,4mm) kg 0,05 0,05 0,05 Pontalete 3 x 3" (altura: 75mm / largura: 75mm ) m 1,20 1,20 1,20 Sarrafo 1 x 3" (altura: 75mm / espessura: 25mm) m 165 1, , ,65 Tábua 1 x 6" (espessura: 25mm / largura: 150mm) m 0,10 0,10 0,10 Premissas Técnicas Especificação Tecnologia Classificação / Aplicação Regionalização Fonte Conteúdo do Serviço Critério de Medição Procedimento Executivo Normas Técnicas (+)

10 Estudo Caso - Infraestrutura SINAPI Código da composição: (+) Escavação, carga e transporte de material de 1ª categoria, caminho de serviço leito natural, com escavadeira hidráulica e caminhão basculante 6M³, DMT 800 até 1000M Tipo do Item Código Descrição Básica Unidade Coeficiente Obs. C 5811 Caminhão basculante, 6m3,12t - 162hp (vu=5anos) CHP 0,0342 equipamento C 5631 Escavadeira hidráulica sobre esteira 105hp, peso o CHP 0, equipamento I 6115 Ajudante H 0,0157 mão de obra

11 Estudo Caso - Infraestrutura Escavação, carga e transporte 1ª categoria Crítica CBIC / PINI Seguro não considerado (todos os equipamentos) DPVAT e IPVA não considerados (caminhão) Depreciação e juros sem definição de critério Insumos inexistentes (consumíveis) Ciclo indefinido (movimentação, velocidade e espera) Condições de operação Faltam definir Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

12 Estudo Caso - Infraestrutura (+) Transporte bota-fora Crítica CBIC / PINI Unidade adotada não é praxe do Mercado Seguro não considerado (todos os equipamentos) DPVAT e IPVA não considerados (caminhão) Depreciação e juros sem definição de critério Insumos inexistentes (consumíveis) Ciclo indefinido (movimentação, velocidade e espera) Condições de operação Faltam definir Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

13 Estudo Caso - Infraestrutura (+) Concreto betuminoso Crítica CBIC / PINI Descritivo incompleto (indefinição:capa ou camada?) Dosagem sem considerar parâmetros de Norma (Marshall) Insumos inexistentes i t (caminhão para vibroacabadora) b Seguro não considerado (todos os equipamentos) DPVAT e IPVA não considerados (caminhão) Depreciação e juros sem definição de critério Insumos inexistentes (consumíveis) Ciclo indefinido (movimentação, velocidade e espera) Condições de operação Faltam definir Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

14 Estudo Caso - Infraestrutura (+) Caminhão basculante Crítica CBIC / PINI Seguro não considerado (todos os equipamentos) DPVAT e IPVA não considerados (caminhão) Depreciação e juros sem definição de critério Insumos inexistentes (consumíveis) Ciclo indefinido (movimentação, velocidade e espera) Condições de operação Faltam definir Em relação à proposta CBIC/ PINI faltam Definição de premissas Processo para tratamento de coeficientes

15 Estudo Caso - Infraestrutura Proposta CBIC / PINI Escavação, carga e transporte de material de 1ª categoria, caminho de serviço leito natural, com escavadeira hidráulica e caminhão basculante 6M³, DMT 800 até 1000M Descrição Un. PINI PINI PINI E=0,84 E=0,75 E=0,52 Escavação, carga e transporte de material de 1ª categoria, caminho de serviço leito natural, com escavadeira hidráulica e caminhão basculante 6M³, DMT 800 até 1000M m3 Coeficiente Coeficiente Coeficiente Servente e e H 0, , , Escavadeira hidráulica sobre esteiras, diesel, potência no volante do motor 110 HP (82 kw), fator de carga médio, com caçamba de escavação - capacidade coroada 0,86 m³ - vida útil h H PROD 0, , , Caminhão basculante, diesel, potência 228 HP (170 kw), capacidade carga útil 15,46 t, caçamba 6 m³- vida útil 8.000h H PROD 0, ,0307 0, Premissas Técnicas Especificação Tipologia Tecnologia Classificação / Aplicação Regionalização Conteúdo do Serviço Procedimento Executivo Critério de Medição Normas Técnicas (+)

16 Estudo Caso - Infraestrutura critérios CBIC / PINI Depreciação vida útil e valor residual SRF Juros regras, pesquisa e estatística do mercado financeiro Manutenção fatores com origem nos manuais de fabricantes Seguro danos contra o bem/ anual DPVAT danos contra pessoas/ anual IPVA imposto/ anual Velocidade média utilização urbana/ CET Normas técnicas nomenclaturas, especificações, processos, unidades Fator de eficiência tempo útil/ tempo disponível Disponibilidade tempo de permanência para a execução

17 Qualidades de Uso + s ustos tributo de Cu ios, At ções Critéri Com mposi Requis sitos, Transparência e fiel correspondência ao projeto Isonomia (agentes) Mitigação de Conflitos (obrigações e responsabilidade) Claras referências e todos falam a mesma língua Instrumento efetivo de gestão Ajustes de Engenharia Contratantes Construtores Fiscalização e auditoria (adequação às especificidades da obra de mesma tipologia) Licitação e Contratação Medições e Pagamentos Acompanhamento de obra Cadernos de encargos municipais Consumos, produtividade e produção variáveis Gestão, Logística e Necessidades d

18 Introdução O SINAPI tem o valor de uma instituição e como tal deve refletir e referenciar o mercado brasileiro de obras públicas. Para cumprir esses papéis, o SINAPI deve ser permanentemente renovado, incorporando inovações tecnológicas, novas normas e demandas de obras especiais. Esse processo permanente de renovação dos âmbitos do SINAPI necessariamente deve também resgatar conhecimento de Engenharia, para a sua correta e justa realização. A disposição de diálogo, entre gestores e construtores, entidades e governo, é o limiar de uma indispensável renovação que possibilitará à instituição SINAPI ganhos de transparência, confiabilidade, adequação, flexibilidade, utilidade, entre outras qualidades. A PINI foi convidada pela CBIC a dar sua contribuição no Projeto SINAPI. (+) Essa contribuição se manifesta pelo resgate do conhecimento de Engenharia, aplicável às composições de custos, através de diretrizes de concepção, que lhes conferem qualidades d de uso, em oposição à utilização supostamente t generalizável l de composições de custos padrão, com efeitos perversos de vícios, conflitos e prejuízos para toda a sociedade. A concepção de composições de custos requer conhecimento de Engenharia de Custos, para estabelecer a estrutura conceitual, que justificará modelos preconizados, capazes de representar adequadamente o mercado e as obras. A experiência acumulada pela PINI, no âmbito das composições de custos, tem sido construída dinamicamente, por processos de pesquisas, levantamentos, apropriações, testes e interação com o mercado, consolidando a imagem de referência e credibilidade. Trata-se de um processo permanente de depuração de informação e conhecimento, que se inicia com levantamentos realizados pela PINI, passando por sua publicação e culminando com os retornos e críticas dos agentes envolvidos, conferindo-lhe aceitabilidade e utilidade reconhecidas. Distintamente do enfoque de reduzir o Projeto SINAPI a uma revisão arbitrária de coeficientes, a proposta da CBIC/ PINI gera condições de demonstrar o que está contido na formação do custo e sua conseqüente magnitude, oferecendo-lhe máximo reconhecimento, na exposição frente aos agentes envolvidos e Sociedade Civil. VOLTAR

19 Linha do Tempo SINAPI 1969 O SINAPI é implantado pelo BNH Objetivo: acompanhamento da evolução de custos de materiais e salários, para edificações residenciais 1985 Pesquisa e processamento de dados IBGE 1994 Conselho Curador do FGTS determina para CEF: Uniformização de procedimentos de Engenharia Implantação de um sistema de custos para habitação, saneamento e infraestrutura 1997 SINAPI acompanhamento mais amplo dos custos de construção Edificações, Saneamento e Infraestrutura 2002 Até a LDO 2002, orçamentos de obras executadas, com recursos da União, têm valores do CUB/ SINDUSCONs Regionais Limite de aceitação: 30% acima 2003 A LDO 2003 introduz o SINAPI, como limite dos orçamentos de obras executadas, com recursos da União, mantendo o limite de aceitação (30% acima) 2004 A LDO 2004 e subseqüentes, adota os valores do SINAPI, como limite superior nos orçamentos de obras executadas, com recursos da União O SINAPI não foi criado e nem estruturado posteriormente de forma adequada, para fazer frente ao grau de responsabilidade que lhe foi atribuído pela LDO VOLTAR

20 Qualificação A PINI, desde 1948, portanto há mais de 60 anos, é percebida com imagem diferenciada, que confere às suas atividades referência para o Mercado da Construção Civil Brasileira. Desde 1955, portanto há mais de 55 anos, a PINI dedica-se pioneiramente à aplicação de Engenharia, no estudo de composições de custos, por meio da publicação do livro TCPO Tabelas de Composições de Preços para Orçamentos, ora na sua 14ª edição. Suas atividades são: Difusão de Informação e Conhecimento (revistas, livros, eventos, cursos e palestras) Estatísticas e Pesquisas de Mercado (preços de insumos, consumo de materiais, produtividade de mão-de-obra e produção de equipamentos, índices de custos) Sistemas de Apoio (softwares e plataformas) Geração de Conhecimento (PSE - PINI Serviços de Engenharia pareceres técnicos e modelagens, estudos e peritagens) Suas atividades se apóiam, no lastro de relações: PINI Autores de notória especialização PINI - Profissionais, Empresários e Entidades PINI - Governo e Instituições PINI - Indústria de Construção Civil PINI - Universidade PINI - Instituições de Pesquisas Tecnológicas VOLTAR

21 Conceito Conceito Toda composição de custos é um modelo quantitativo de um determinado serviço de construção, que relaciona, numa determinada unidade, os insumos (materiais, mão-de-obra e equipamentos), adequados e indispensáveis, para a sua execução As composições de custos são instrumentos para: Estimativa de custos Referência de orçamentos Medições e pagamentos Acompanhamento e controle As composições de custos, para representar as especificações de projeto e consequentemente os serviços de construção, demandam um trabalho de sistematização, que se estrutura a partir de requisitos, critérios e atributos, para possibilitar ajustes de Engenharia, caso a caso. O projeto e a obra estarão representados nas composições de custos, pela definição das premissas técnicas, que as caracterizam. VOLTAR

22 Requisitos Descrição do serviço ou produto: sua origem está definida no Projeto: uma dada especificação de Projeto caracteriza uma composição de custo Descrição dos conteúdos: discriminação dos insumos relativos a serviços componentes e complementares da composição Unidade adotada: os serviços de construção representados por composições de custos necessitam ser mensuráveis, para medição e pagamento, e seus respectivos insumos também necessitam ser mensuráveis, para estimação, contratação e compra Determinação de coeficientes: os insumos estão associados a coeficientes, relativos à unidade de serviço (produtividade da mãode-obra, produção de equipamentos e consumos de materiais) Os coeficientes são determinados, como segue: a produtividade da mão-de-obra tem sua origem em apropriações de campo consistidas estatisticamente (série histórica) a produção dos equipamentos tem sua origem em apropriações de campo consistidas estatisticamente e nos manuais dos fornecedores, através do cálculo o consumo dos materiais é determinável, inclusive perdas e reaproveitamentos, por apropriações de campo consistidas estatisticamente e por manuais de fabricantes, através do cálculo VOLTAR

23 Critérios Premissas Técnicas Premissas Técnicas são critérios de embasamento da formação do custo, a partir do Projeto, e das condições de execução Especificação: É uma designação detalhada, contendo parâmetros técnicos, para a qualificação, quantificação e caracterização do serviço. Uma composição de custo deve ter necessariamente fiel identidade com a especificação do Projeto Tipologia: Abrange os segmentos de obras de Engenharia de Construção Civil, onde são enfocadas as singularidades de cada segmento, como por exemplo, edificações, rodovias, pontes e viadutos, linhas de transmissão de energia, barragens, terminais de carga e passageiros, entre outros Tecnologia: Pode ser convencional ou inovadora, para combinar recursos técnicos de materiais, mão-de-obra obra e equipamentos, com o objetivo de atender a uma determinada finalidade da metodologia do processo executivo e do sistema de construção Aplicação: Refere-se à associação do serviço à sua destinação, com o sentido de melhor adequação e otimização de desempenho Regionalização: Refere-se à região em que os serviços estão sendo executados, sujeitando-os às características locais Conteúdo do Serviço: Refere-se aos serviços componentes que, portanto fazem parte de uma dada composição, como por exemplo: concreto armado, composto por serviços tais como, armadura, formas, concreto massa, lançamento, vibração e cura. Refere-se também aos serviços complementares, necessários à execução ec do serviço objeto da composição, como por exemplo: emplo andaimes, transporte, testes, entre outros. Em ambos os casos esses serviços, que compõem ou complementam uma composição, poderão ser representados, por meio de composições auxiliares ou desmembrados em insumos Procedimento Executivo: Refere-se a todas as precedências, etapas e processos tecnicamente definidos e programados, para a execução de um determinado serviço. O procedimento executivo oferece o fundamento de Engenharia nas composições de custos Continuação

24 Critérios Medição e Pagamento: Referem-se aos procedimentos, para considerar parcelas ou o todo dos serviços executados, com efeito de quantificação e de pagamento Normas Técnicas aplicáveis: A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas coloca à disposição do mercado genericamente, referências de especificações de materiais e referências de procedimentos de execução de serviços Fonte: A composição pode ter uma parte ou o todo de seu conteúdo fundamentado em referências de autores fornecedores ou fabricantes Projeto de Construção: Detalhes contendo a metodologia de execução VOLTAR

25 Critérios Contingências Contingências de Obra: Não são consideradas nas composições de custos padrão. Uma obra sempre estará sujeita a diferentes naturezas de contingências (Execução e Canteiro), que devem ser consideradas porque impactam o custo. Face à sua variação, são identificadas e particularizadas caso a caso, a partir do levantamento das condições de execução do serviço, devendo implicar em processo de ajustes de Engenharia nas composições de custo padrão Contingências de Execução: São fatores de impedimento identificáveis, no local da ação de execução do serviço, implicando consequências de queda de produtividade da mão-de-obra, produção de equipamentos e consumo de materiais Fatores inerentes ao processo executivo e sistema de construção (Projeto) Fatores externos (climáticos, cos, geológicos, hidrológicos...) Fatores inerentes a abertura de frentes de trabalho Contingências de Canteiro: São fatores de impedimento identificáveis, na ambiência de execução do serviço, implicando consequências de queda de produtividade da mão-de-obra, produção de equipamentos e consumo de materiais Fatores de restrição à logística da obra (preparação, mobilização...) Fatores críticos para a condição de trabalho (horários específicos, períodos descontínuos, locomoção interna...) Fatores de restrição ambiental ( transeuntes, trânsito de veículos, poeira...) VOLTAR

26 Atributos Coeficientes Concomitantemente ao estabelecimento das razões (Conceitos, Requisitos e Critérios) de concepção das composições de custos, deve-se conferir aos coeficientes dos insumos uma escala de propriedade ou atributos. A proposta deste trabalho prevê passos metodológicos, como se seguem: Levantamento de Acervos: essa atividade inclui a pesquisa, junto a acervos de contratantes, construtores, manuais de fabricantes e fornecedores, Institutos de Pesquisas e Universidade, sob a ótica da representatividade dos serviços de construção Apropriações: envolvem serviços representativos, isentos de contingenciamentos e executados em condições favoráveis,de diversos canteiros de obras, buscando o registro de consumos de materiais, produtividade da mão-de-obra e produção de equipamentos Tratamento estatístico: refere-se às apropriações, traduzidas nas unidades usuais de mercado, convertendo-se em composições de custos e seus requisitos. it Essas composições são aferidas e também tratadas t com estatística, tí ti face às composições dos acervos Seleção por adequação técnica: o tratamento estatístico, conjugado com os critérios de concepção, resulta na determinação de uma composição de custos selecionada, com atributos preconizados e possibilidade de atender uma demanda de uso ampliada e adequada Interação e Conceituação: as composições de custos assim concebidas devem ser difundidas, para iniciar um processo de utilização interação, conciliação com o mercado VOLTAR

27 Ajustes nas Composições de Custos Recomendações CBIC / PINI As composições de custos padrão são geradas numa situação-modelo, em condições favoráveis de execução e isentos de contingenciamentos. Há a necessidade d de aplicar-lhes lh ajustes de Engenharia, para adequação ao projeto, às condições locais de execução, ao termos de contratação t e à capacidade do construtor Ajustes de Engenharia por razões de Projeto, que devem estar indispensavelmente contemplados* Compatibilizar as premissas técnicas de projeto, com as premissas das composições de custos padrão, adotando-as ou concebendo novas composições adequadas ao projeto Incorporar novos materiais e inovações tecnológicas Incorporar a ideia de consumos variáveis de produtos e materiais, de acordo com diretrizes de menor desperdício e maior reaproveitamento Incorporar a ideia de produtividade variável da mão-de-obra, em função de esforços de racionalização Incorporar a ideia de produção variável de equipamentos, em função do fator de trabalho (eficiência e eficácia) Incorporar a ideia de preços de insumos negociados, satisfazendo uma condição de competitividade e compartilhando benefícios resultantes. * Esses ajustes conferirão a condição de instrumentos de estimativas orçamentárias, dentro de um mesmo âmbito tipológico de obra. Ajustes nas composições de custos somente são admissíveis mediante justificativa técnica de projeto, premissas, contingências de obra ou de contrato Ajustes complementares de adequação obra por obra* Incorporar inovações de gestão de construção diferenciada por qualificação e dimensionamento dos recursos técnicos Incorporar a ideia de produtividade variável da mão-de-obra, considerando impactos de contingências de execução e canteiro Incorporar a ideia de produção variável de equipamentos, considerando impactos de contingências de execução e canteiro Incorporar a ideia de taxas variáveis de Encargos Sociais, em função de fatores que impactam a produtividade e o andamento da obra Incorporar a ideia de necessidades associadas à mão-de-obra, suprimento e consumo de materiais e produtos e condições de manutenção e operação de equipamentos Incorporar a ideia de recursos técnicos e logísticos, relativos a módulos ou grupos de serviços (centrais de preparo, armazenamento, fabricação e serviços especiais) Incorporar a ideia de taxas de BDI Benefício e Despesas Indiretas, atendendo às necessidades dos agentes VOLTAR

28 Consequências Conseqüências das Razões de Concepção das Composições de Custos (qualidades de uso) Transparência e fiel correspondência nas estimativas de custos e referências para orçamentos que traduzem com mais clareza as designações de projeto, com fundamento em Engenharia de Custos. Isonomia entre os agentes envolvidos que dispõem de informações detalhadas, sobre o que está ou não incluído no custo. Mitigação de Conflitos pelo fato de as obrigações e responsabilidades contratuais poderem incluir uma correta e completa consideração, sobre custos. Instrumento efetivo de gestão, licitações e contratações, medições, pagamentos, acompanhamento de obra realizados com fundamento confiável Ajustes de Engenharia possibilidade de adequação às reais condições de execução da obra, considerando os impactos de Contingências no custos. VOLTAR

29 Estudo Caso 1 - Edificações SINAPI Código da Composição: Fôrma em chapa de madeira compensada plastificada 12mm, para estruturas de concreto m² Tipo do Item Código Descrição Básica Unidade Coeficiente I 1214 Carpinteiro de esquadria h 1,20 I 6117 Ajudante de carpinteiro h 0,40 I 2692 Desmoldante para fôrma de madeira l 0,10 I 1347 Chapa de madeira compensada plastificada 2,20x 1,10m m² 0,22 I 4491 Peça de madeira 3ª/4ª qualidade, 7,5 x 7,5cm (3 x3 ) m 0,30 I 4509 Peça de madeira de 3ª qualidade, 2,5x10cm, não aparelhada m 0,30 I 5069 Prego de aço 17x27 kg 0,20

30 Estudo Caso 1 - Edificações Proposta CBIC / PINI Fôrma com chapa de madeira compensada plastificada, espessura: 12 mm, para pilares / vigas / lajes, incluso contraventamentos / travamentos com pontaletes 7,5 x 7,5 cm, 5 aproveitamentos. Descrição Fôrma com chapa de madeira compensada plastificada, espessura: 12 mm, para pilares / vigas / lajes, incluso contraventamentos / travamentos com pontaletes 7,5 x 7,5 cm, 5 aproveitamentos. Un. m² Coeficientes (Médias Observadas) Médias Observadas + Contingência Mínima Médias Observadas + Contingência Máxima Ajudante de carpinteiro h 0,45 0,57 0,71 Carpinteiro h 1,78 2,24 2,81 Chapa compensada plastifica (comprimento: 2200mm / espessura: 10mm / largura: 1100mm ) m² 0,25 0,25 0,25 Desmoldante de fôrmas para concreto l 0, , ,00528 Prego 17x21 com cabeça (comprimento: 48mm / diâmetro: 3mm ) kg 0,20 0,20 0,20 Prego 17x27 com cabeça dupla (comprimento: 62,1mm 1mm/diâmetro:3mm) kg 0,10 0,10 0,10 Prego 15x15 com cabeça (comprimento: 34,5mm / diâmetro: 2,4mm) kg 0,05 0,05 0,05 Pontalete 3 x 3" (altura: 75mm / largura: 75mm ) m 1,20 1,20 1,20 Sarrafo 1 x 3" (altura: 75mm / espessura: 25mm) m 1,65 1,65 1,65 Tábua 1 x 6" (espessura: 25mm / largura: 150mm) m 0,10 0,10 0,10 Premissas Técnicas Especificação: Fôrma com chapa de madeira compensada plastificada, espessura: 12 mm, para pilares / vigas / lajes, incluso contraventamentos / travamentos com pontaletes 7,5 x 7,5 cm, 5 aproveitamentos. Tecnologia: Convencional Classificação / Aplicação: Superestrutura (fôrma para laje) Regionalização: Sudeste Fonte: Pini Conteúdo do Serviço: 1) Consideram-se material e mão-de-obra para fabricação, montagem (inclusive de contraventamentos/travamentos) e desforma. 2) Considerada proporção 2:1:1, para a participação de lajes, vigas e pilares na estrutura. 3) Consideradas perdas: 20% desmoldante e 25% chapa 4) Discriminação dos coeficientes de mão-de-obra por m² de fôrma: - fabricação: carpinteiro: 1,20h / ajudante: 0,30h; - montagem: carpinteiro: 0,403h / ajudante: 0,101h; - desmontagem: carpinteiro: 0,173h / ajudante: 0,043h 5) As chapas de madeira compensada são encontradas no mercado com as dimensões: 2,20x1,10m, 2,44x1,22m ou 2,50x1,25m. Critério de Medição: Área desenvolvida na planta de fôrmas (superfície da fôrma em contato com o concreto). Em lajes e painéis não descontar vãos de até 2,0 m². Continuação

31 Estudo Caso 1 - Edificações Procedimento Executivo: 1) Ao executar pilares, prever: a) contraventamento em duas direções perpendiculares entre si, que devem estar bem apoiados em estacas no terreno ou nas fôrmas da estrutura inferior. Se o pilar for alto, prever contraventamentos em dois ou mais pontos da altura. Em contraventamentos longos, utilizar travessas com sarrafos para evitar flambagem. b) gravatas com dimensões e espaçamentos proporcionais às alturas e dimensões dos pilares para que possam resistir ao empuxo lateral do concreto fresco. Atentar para os espaçamentos na parte inferior dos pilares. c) durante a concretagem verificar se os contraventamentos (escoras laterais inclinadas) são suficientes para não sofrerem deslocamentos ou deformações durante o lançamento do concreto Execução de estruturas de concreto - Procedimento d) janela na base dos pilares para facilitar a limpeza e a lavagem do fundo. e) janelas intermediárias para concretagem em etapa em pilares altos. 2) Ao executar vigas e lajes, prever (conforme chapa compensada 12mm, 1,10x2,10m): a) espaçamento entre caibros horizontais nas lajes que dependerá da espessura. Exemplos: - laje h = 8cm, e = 55,0cm, - laje h = 10cm, e = 44,0cm - laje h = 15cm, e = 36,6cm b) gravatas das vigas dependerão das suas dimensões; 3) Desforma: utilizar cunhas de madeira e agente desmoldante (aplicado uma hora antes da concretagem sendo que deverá ser considerada uma diluição em água 1:5 a 1:10, dependendo do estado da fôrma). Evitar a utilização de pé-de-cabra. 4) Cuidados com a forma: o uso de vibrador com agulha revestida de borracha e o uso de espaçadores na colocação de ferragem são indicados para não danificar a superfície das chapas. Normas Técnicas: NBR Execução de estruturas de concreto - Procedimento

32 Estudo Caso 1 - Edificações Comparação SINAPI X proposta CBIC / PINI Fôrma em chapa de madeira compensada plastificada 12mm, para estruturas de concreto m² Fôrma com chapa de madeira compensada plastificada, espessura: 12 mm, para pilares/vigas/lajes, incluso contraventamentos / travamentos com pontaletes 7,5 x7,5 cm, 5 reaproveitamentos. Descrição Un. SINAPI PINI m² Coeficientes Médias Observadas Médias Observadas Coeficientes + + (Médias Contingência Contingência Observadas) Mínima Máxima Ajudante de carpinteiro h 0,40 0,45 0,57 0,71 Carpinteiro h 1,20 1,78 2,24 2,81 Chapa compensada plastifica (comprimento: 2200mm / espessura: 10mm/ largura: 1100mm ) m² 0,22 0,25 0,25 0,25 Desmoldante de fôrmas para concreto l 0,10 0, , ,00528 Prego 17x21 com cabeça (comprimento: 48mm / diâmetro: 3mm ) kg 0,20 0,20 0,20 0,20 Prego 17x27 com cabeça dupla (comprimento: 62,1mm / diâmetro: 3mm ) kg - 0,10 0,10 0,10 Prego 15x15 com cabeça (comprimento: 34,5mm / diâmetro: 2,4mm) kg - 0,05 0,05 0,05 Pontalete 3 x 3" (altura: 75mm / largura: 75mm ) m 0,30 1,20 1,20 1,20 Sarrafo 1 x 3" (altura: 75mm / espessura: 25mm ) m - 1,65 1,65 1,65 Peça de madeira de 3ª qualidade, 2,5x10cm, não aparelhada m 0, Tábua 1 x 6" (espessura: 25mm / largura:150mm ) h - 0,10 0,10 0,10 Comentário Correspondência: O descritivo de especificações SINAPI juntamente com a ausência de premissas técnicas é insuficiente para o perfeito entendimento e caracterização do serviço. Conteúdo Na composição do SINAPI, os pregos utilizados não são adequados para essa aplicação. Há também peças de madeira inadequadas. Coeficientes Na composição SINAPI, o consumo de desmoldante não corresponde ao dos parâmetros do fabricante. O consumo de madeira SINAPI é insuficiente. Os coeficientes de MDO do SINAPI apresentam distorções em relação aos coeficientes PINI, levantados, apropriados, tratados estatisticamente, publicados e atualizados freqüentemente. VOLTAR

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO RIO GRANDE DO SUL SEA - PR/RS CONCORRÊNCIA 01/2009 ANEXO I-D ORÇAMENTO ESTIMATIVO ANALÍTICO PROCURADORIA DA REPÚBLICA EM PELOTAS/RS ORÇAMENTO - PLANILHA ANALÍTICA BDI = 19,57% e LS = 176,82% DATA: JULHO/2009 CÓDIGO DESCRIÇÃO UNIDADE COEF. PREÇO(R$) TOTAL

Leia mais

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE

AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE AMPLIAÇÃO ESCOLA DO JARDIM YPE LUIZA DE LIMA TEIXEIRA PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA SP. PROJETO ESTRUTURAL 1 I - MEMORIAL DESCRITIVO DE CIVIL ESTRUTURAL 1 - Serviços Iniciais: ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

37 3231-4615 www.levemix.com.br GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX. Comodidade, economia e segurança ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES GUIA PRÁTICO DE APLICAÇÃO CONCRETO LEVEMIX Orientações técnicas para o melhor desempenho de sua concretagem Comodidade, economia e segurança 37 3231-4615 www.levemix.com.br ENTREGAMOS PEQUENAS QUANTIDADES

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura.

Definições. Armação. Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Definições Armação ou Armadura? Armação: conjunto de atividades relativas à preparação e posicionamento do aço na estrutura. Armadura: associação das diversas peças de aço, formando um conjunto para um

Leia mais

Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS. Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas. Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS

Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS. Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas. Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS Campus de Botucatu / SP. HOSPITAL DAS CLINICAS Memorial Descritivo - Fundações e Estruturas Obra: Construção do Conjunto REFEITÓRIO / VESTIÁRIOS 1 OBJETIVO O presente Memorial tem por finalidade fornecer

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O. Prefeitura Municipal de Jaciara MEMORIAL DESCRITIVO REDE CEGONHA - HOSPITAL MUNICIPAL JACIARA/MT O presente memorial descritivo define diretrizes referentes à reforma do espaço destinado a Programa REDE CEGONHA no Hospital Municipal

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total

Insumo/Aux. Descrição Unidade Coeficiente Preço Unitário Preço Total COMPOSIÇÃO ANALÍTICA DE PREÇO UNITÁRIO Cliente: Edificações Obra: CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL DO PARI Local: VÁRZEA GRANDE - MT 1 Estaca raiz diâmetro de 200mm M 1 0102015 Ferreiro (sgsp) H 0,847272

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL

MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL MEMORIAL DESCRITIVO CIVIL I SERVIÇOS DE ENGENHARIA Constitui objeto do presente memorial descritivo uma edificação para abrigar segura e adequadamente equipamentos de rede estabilizada, Grupo Moto-gerador

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) WILLIAN ABREU

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) WILLIAN ABREU FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 05) INFRAESTRUTURA (FUNDAÇÕES) Parte inferior da estrutura de um edifício que suporta

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES E OBRAS PÚBLICAS - SETOP INSTITUTO DE OBRAS PÚBLICAS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO IOPES MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO ESTRUTURAL

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS

ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO CANOAS - RS 2 INDICE 1. ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO... 3 1.1. Lastros... 3 1.1.1. Lastro de Brita para Fundações... 4 1.1.2. Lastro de Concreto Magro... 4 1.2. Formas...

Leia mais

FORMAS E ESCORAMENTOS

FORMAS E ESCORAMENTOS FORMAS E ESCORAMENTOS Formas: São os moldes que darão a forma do concreto. As Formas para concreto armado devem satisfazer aos seguintes requisitos de ordem geral: - Serem executadas rigorosamente de acordo

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO

DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO ANEXO II CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO RESERVATÓRIO APOIADO 1000 m³ BAIRRO DOM BOSCO 1 I - INTRODUÇÃO O presente documento estabelece o procedimento para o pagamento

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS DE EDIFICAÇÕES

CADERNO DE ENCARGOS DE EDIFICAÇÕES COHAB-MG Versão 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES HISTÓRICO DAS REVISÕES VERSÃO DATA DESCRIÇÃO 01 01/06/07 Emissão inicial SUMÁRIO SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 7 1 SERVIÇOS INICIAIS... 12 1.1 Locações... 12 2 FUNDAÇÕES...

Leia mais

SOBRE A TABELA DE CUSTOS:

SOBRE A TABELA DE CUSTOS: SOBRE A TABELA DE CUSTOS: As composições de custos unitários de serviços aqui apresentadas integram o banco de dados de composições genéricas da PINI resumido no livro TCPO14 - Tabelas de Composições de

Leia mais

PISO EM CONCRETO ARMADO COM TELA E JUNTAS DE DILATAÇÃO (ESP=10CM) - FCK=>20MPa

PISO EM CONCRETO ARMADO COM TELA E JUNTAS DE DILATAÇÃO (ESP=10CM) - FCK=>20MPa CPU 01 SINAPI 88245 ARMADOR COM ENCARGOS COMPLEMENTARES H 0,02 15,05 0,30 SINAPI 88309 PEDREIRO COM ENCARGOS COMPLEMENTARES H 0,26 15,05 3,91 SINAPI 88316 SERVENTE COM ENCARGOS COMPLEMENTARES H 1,94 11,25

Leia mais

Câmara Municipal de Itajubá

Câmara Municipal de Itajubá . - ÁREA EXTERNA 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 35.063,79 PLACA DA OBRA DE ACORDO COM A LEI MUNICIPAL Nº. 2551 DE 06/07/2005, IIO-PLA-005 1.1 MODELO REFERÊNCIA PMI/SEMUP, INCLUSIVE O FORNECIMENTO, UNID 1,00

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PREFEITURA DE CAMPUS - SETOR DE OBRAS COMPOSIÇÃO DO BDI PARA OBRA DE CONSTRUÇÃO DO PRÉDIO DO CAMAT - 1ª etapa (BÔNUS E DESPESAS INDIRETAS) Itens de valor percentual

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA

PLANILHA DE SERVIÇOS GERAIS DE OBRA 1 PRELIMINARES 1.1 Instalações do canteiro de obra vb 1,00 5.000,00 5.000,00 90,09 1.2 Placa de obra 2,00m x 3,00m, conforme orietações da administração vb 1,00 550,00 550,00 9,91 SUB TOTAL PRELIMINARES

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA

IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR. Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA IMPLEMENTAÇÃO DE INDICADORES DE PRODUTIVIDADE E PERDAS PARA PROCESSOS CONSTRUTIVOS À BASE DE CIMENTO EM SALVADOR Prof. Dayana Bastos Costa, UFBA Por que medir produtividade e perdas? Brasil vive descasamento

Leia mais

Alvenaria de Blocos de Concreto

Alvenaria de Blocos de Concreto Alvenaria de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que é Alvenaria Estrutural?

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÃO DE VOLUME DE CAIXA D'ÁGUA NA CASA DE PASSAGEM DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR 1 SUMÁRIO SUMÁRIO 2 MEMORIAL DESCRITIVO 3 I. DADOS FÍSICOS LEGAIS 3 II. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 III.

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS E LODO DE ETA DO MUNICÍPIO DE ITAPIRA-SP PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ÁGUA DE LAVAGEM DE FILTROS E LODO DE ETA DO MUNICÍPIO DE ITAPIRA-SP PLANILHA ORÇAMENTÁRIA ITEM INSTITUIÇÃO VALOR VALOR UN. VALOR DESCRIÇÃO UNID QUANT CÓDIGO (UNITÁRIO) BDI 25% TOTAL Sistema de Recuperação de Águas de Lavagem dos Filtros e Sedimentabilidade dos Sólidos - ALVENARIA 1 SERVIÇOS

Leia mais

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto

EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto EXECUÇÃO DA ESTRUTURA DE CONCRETO Resumo dos requisitos de atendimento à NBR 15575/ 14931 Execução de estruturas de concreto Item a ser atendido Exigência de norma Conforme / Não Conforme Área Impacto

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço

Sistema de Gestão da Qualidade PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 02 Folha: 1 de 5 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Jerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos.

MEMORIAL DESCRITIVO. 2.1.1 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO Os níveis marcados na Planta de Implantação deverão ser rigorosamente obedecidos. MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO : Prefeitura Municipal de Irai OBRA : Construção de ponte em concreto armado de 4,50m de largura x 25,00m de vão total e 5,33m de altura total. LOCAL : Linha Corticeira

Leia mais

Danos devido à retirada precoce do escoramento

Danos devido à retirada precoce do escoramento Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Programa de Pós-GraduaP Graduação em Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Atuação de sobrecargas Concreto Armado Danos devido à retirada

Leia mais

Memorial de Especificações de Materiais e Execução

Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 1 Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 2 Índice 1 Estrutura... 3 Tabela 01 Tolerâncias dimensionais para seções transversais de elementos lineares e para espessura de elementos

Leia mais

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO

ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO C A D E R N O D E E S P E C I F I C A Ç Õ E S ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO REFORMA E ADAPTAÇÃO DA AC TRINDADE- DR/GO S E Ç Ã O D E P R O J E T O S E O B R A S SEPO/GEREN/DR/GO OBRA: REFORMA E ADAPTAÇÃO

Leia mais

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL

BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL BRICKA ALVENARIA ESTRUTURAL Indice ALVENARIA ESTRUTURAL MANUAL DE EXECUÇÃO E TREINAMENTO...1 O QUE É ALVENARIA ESTRUTURAL?...1 Seu trabalho fica mais fácil...1 CUIDADOS QUE

Leia mais

TOTAL GERAL OBRAS CIVIS COM BDI MÉDIO INDICADO PELO TCU CONFORME TABELA 17 DA RESOLUÇÃO TC 025.990/2008-2 (24,50%) 100,00% 2.046.

TOTAL GERAL OBRAS CIVIS COM BDI MÉDIO INDICADO PELO TCU CONFORME TABELA 17 DA RESOLUÇÃO TC 025.990/2008-2 (24,50%) 100,00% 2.046. DE PARTE DOS BLOCOS "SALAS DE AULA", "CENTRO DE LIDERANÇA" E "ALOJAMENTO PROFESSORES - BLOCO 6" NA ESCOLA SESC DE ENSINO MÉDIO ITEM DISCRIMINAÇÃO % DO TOTAL PREÇO TOTAL 01 SERVIÇOS PRELIMINARES 26,56%

Leia mais

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10

FS-06. Fossa séptica. Componentes. Código de listagem. Atenção. FS-06-01 (L=3,00m) FS-06-02 (L=3,80m) FS-06-03 (L=5,40m) 01 27/12/10 - -03 1/5 - -03 2/5 - -03 3/5 - -03 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Lastro de concreto magro, traço 1:4:8, cimento, areia e brita. Fundo e vigas de concreto armado, moldados in loco: - Fôrmas de tábuas de

Leia mais

ANEXO XII Memorial Descritivo

ANEXO XII Memorial Descritivo ANEXO XII Memorial Descritivo Para execução das obras, deverão ser observadas as Especificações Técnicas do Caderno de Encargos da PMPA. Foram elaboradas Especificações Técnicas Complementares, bem como

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS

EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS EXERCÍCIO PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DE EDIFÍCIOS Você foi incumbido do planejamento da execução do edifício habitacional, constituído por um subsolo, um pavimento térreo e oito pavimentos tipo, com

Leia mais

AULA 01 Conceitos básicos e Composição de

AULA 01 Conceitos básicos e Composição de AULA 01 Conceitos básicos e Composição de CONSTRUÇÃO CIVIL IV - Professor Rogerio Lemos custo unitário 13:42:49 1 ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO ORÇAMENTO DE VENDA 2 ORÇAMENTO EMPRESARIAL:

Leia mais

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura

PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS. Barras e fios de aço destinados à armadura. Barras e fios de aço destinados à armadura DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I PRODUÇÃO DA ARMADURA PRODUÇÃO DE ARMADURAS Qual a função das armaduras? Estruturar o concreto simples Profs.

Leia mais

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio

CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO. Professora: Mayara Custódio CONCRETOS O CONCRETO NO ESTADO FRESCO Professora: Mayara Custódio CONSISTÊNCIA DO CONCRETO CONSISTÊNCIA TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco que identifica sua maior ou menor aptidão para

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

1.0 ESTRUTURA DE CONCRETO

1.0 ESTRUTURA DE CONCRETO 1.0 ESTRUTURA DE CONCRETO SUMÁRIO 1 OBJETIVOS 2 MATERIAIS 2.1 Aço 2.2 Concreto 2.2.1 Constituintes 2.2.2 Dosagem 2.2.3 Controle tecnológico 3 FORMAS E ESCORAMENTOS 3.1 Formas 3.2 Escoramentos 3.3 Dispositivos

Leia mais

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini

Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini Casas com paredes de concreto Reportagem: Jamila Venturini O sistema de construção com paredes de concreto moldadas in loco permite executar com agilidade e economia obras de grande escala como condomínios,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DPI.E AHE SANTO ANTÔNIO CADERNO DE VALORES

DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DPI.E AHE SANTO ANTÔNIO CADERNO DE VALORES S PARA CONSTRUÇÕES TABELA - X CÓDGO: X. ESTRADA sem pavimentação com até 4,00 metros de largura Referência: 1,00 km CONSTRUÇÕES ESPECAS Nivelamento e conformação de plataforma de rolagem Plan-2 4.000,0000

Leia mais

TUPER ESTRUTURAS PLANAS

TUPER ESTRUTURAS PLANAS TUPER ESTRUTURAS PLANAS LAJES MISTAS NERVURADAS MANUAL DE MONTAGEM ÍNDICE 1. Tuper lajes mistas nervuradas... 03 2. Especificações... 04 3. Escoramento... 05 4. Armadura de distribuição... 07 5. Nervuras

Leia mais

PISCINAS EM CONCRETO ARMADO

PISCINAS EM CONCRETO ARMADO PISCINAS EM CONCRETO ARMADO PISCINAS EM CONCRETO ARMADO COM TELAS SOLDADAS CONCEITOS BÁSICOS As telas soldadas são armaduras prontas para concreto armado, produzidas com aço de alta resistência (CA 60),

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MUNICÍPIO: INDAIAL PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROJETO: PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA COM BLOCO DE CONCRETO LOCALIZAÇÃO: TRECHO: RUA MINAS GERAIS (EST. 0+00 PP) AO PARQUE MUNICIPAL

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA OBRA. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAM ENTO DE ENGENHARIA E INFRAESTRUTURA BR 406 - Km 73 n 3500 Perímetro Rural do Município de João Câmara / RN, CEP: 59550-000

Leia mais

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra

Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Aços Longos Soluções em Autoconstrução Praticidade, economia e agilidade na sua obra Sapatas Arame Recozido Trançadinho Pregos Treliças Nervuradas Murfor Produto Belgo Bekaert Malhas Top Telas Soldadas

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

Caderno de encargos. 1. Disposições gerais 2. INSTALAÇÃO DE OBRA 3. MOVIMENTO DE TERRA

Caderno de encargos. 1. Disposições gerais 2. INSTALAÇÃO DE OBRA 3. MOVIMENTO DE TERRA Caderno de encargos 1. Disposições gerais O presente caderno de encargos dispõe sobre os serviços a serem executados na obra do edifício residencial multifamiliar localizado à Rua Dom Pedro II, nº 238.

Leia mais

Código Descrição Unidade Quantidade Preço Preço Total 8000508010001 Barracão de obra em chapa compensada

Código Descrição Unidade Quantidade Preço Preço Total 8000508010001 Barracão de obra em chapa compensada 8000508010001 Barracão de obra em chapa compensada resinada 10 mm com cobertura de fibrocimento, espessura 4 mm m2 173,75 0127000019001 Carpinteiro h 2,500000 12,00 30,00 0127000022001 Eletricista h 0,160000

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARISECRETARIA DA INFRAESTRUTURA ITEM REFER. ESPECIFICAÇÕES UN QUANT P. UNIT. MELHORAMENTO, RECONSTRUÇÃO E REFORMA DO SISTEMA VIÁRIO NO DISTRITO DE ABRANTES. 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES 1.0.1 ORSE 0004 1.0.2 1.1.4.27 1.0.3 SINAPI 12488

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VERA CRUZ - RS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VERA CRUZ - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE VERA CRUZ - RS Vera Cruz,RS, 04 de Junho de 2014 ORÇAMENTO PARA PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA LOCAL: CIPRIANO - VERA CRUZ - RS ÁREA TOTAL: 4.320,00 m² TABELA SINAPI- DATA BASE - MAR/2014-24,06%

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN.

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. TERMO DE REFERÊNCIA PARA A EXECUÇÃO DE UM MURO EM CONCRETO ARMADO, NO CANTEIRO CENTRAL DA RUA ÁLVARO ALVIN. ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1- GENERALIDADES 1.1- Trata a presente Licitação na execução

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos

SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos SAPATAS ARMADAS Fundações rasas Solos arenosos Prof. Marco Pádua Se a superestrutura do edifício for definida por um conjunto de elementos estruturais formados por lajes, vigas e pilares caracterizando

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO TÉCNICO

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO TÉCNICO ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO TÉCNICO PROCESSO 01/2012 CONVITE 01/2012 PARTE A MEMORIAL DESCRITIVO 1. CARACTERIZAÇÃO DA OBRA 2. OBJETIVOS PARTE B ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. INSTALAÇÃO DO CANTEIRO

Leia mais

LAJES COM QUALIDADE SÃO CONSTRUÍDAS COM PRODUTOS GERDAU.

LAJES COM QUALIDADE SÃO CONSTRUÍDAS COM PRODUTOS GERDAU. LAJES COM QUALIDADE SÃO CONSTRUÍDAS COM PRODUTOS GERDAU. LAJES PRÉ-FABRICADAS COM VIGOTAS TRELIÇADAS CERTO DIA DOIS AMIGOS SE ENCONTRAM PELA RUA. OLÁ, PREVENILDO, O QUE ANDA FAZENDO? ESTOU CONSTRUINDO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO OBRAS COMPLEMENTARES PARA AS INSTALAÇÕES DA UPA (Muro, alambrados, Abrigo para as ambulâncias e pavimentação). MEMORIAL DESCRITIVO, PLANILHA ORÇAMENTÁRIA E CRONOGRAMA FÍSICO-FINANCEIRO.

Leia mais

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

PLANILHA ORÇAMENTÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUC, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE ADMINISTR SERVIÇOS MELHORIAS DA INFRAESTRUTURA DO CAMPUS IFRN/SÃO PAULO DO POTENGI DATA: 25/07/24 S/BDI C/ BDI C/BDI

Leia mais

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS

Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Catálogo de Produtos FÔRMAS E ESCORAMENTOS Apresentação Fundada no ano de 000, a TEMEC Terra Maquinas Equipamentos e Construções LTDA é uma empresa especializada no fornecimento de Soluções de Engenharia

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DAS FÔRMAS ATEX

INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DAS FÔRMAS ATEX INSTRUÇÕES PARA MONTAGEM E UTILIZAÇÃO DAS FÔRMAS ATEX 1. É indispensável passar desmoldante nas fôrmas. 2. É expressamente proibido o uso de pregos nas fôrmas. O uso destes danifica e fragiliza a mesma,

Leia mais

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA

MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: REFORMA, ADEQUAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA CRECHE CRIANÇA FELIZ LOCAL: BALNEÁRIO ICARAÍ DE IGUAPE 1. Descrição As adequações e ampliações da Creche Criança feliz visam melhorar o atendimento

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural.

Escola de Engenharia de São Carlos - Universidade de São Paulo Departamento de Engenharia de Estruturas. Alvenaria Estrutural. Alvenaria Estrutural Introdução CONCEITO ESTRUTURAL BÁSICO Tensões de compressão Alternativas para execução de vãos Peças em madeira ou pedra Arcos Arco simples Arco contraventado ASPECTOS HISTÓRICOS Sistema

Leia mais

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto

Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto Curso Piloto de Informação para Operários e Encarregados Módulo: Estruturas de Concreto Armado Aula: Concreto É uma mistura de: Cimento Portland Água potável Agregados: Aditivos produtosquímicos Ar O que

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO

CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO CADERNO DE ENCARGOS E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFE- RENTES A SERVIÇOS DE SUBSTITUIÇÃO DE TRILHOS NO CAMI- NHO DE ROLAMENTO E DO CARRINHO PRINCIPAL DO DESCARRE- GADOR DE NAVIOS DO TGS I NO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO TUBULÕES A CÉU ABERTO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a cravação e

Leia mais

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO

CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO CAIS NOVA ERA PROJETO ESTRUTURAL - AMPLIAÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS DE CONCRETO A) FUNDAÇÕES 1.0 ESTACA BROCA Executada por perfuração com trado e posterior concretagem, sobre as estacas

Leia mais

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim

VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza. Elaine Valentim VIABILIDADE E RESULTADOS OBTIDOS COM O USO DO BLOCO DE CONCRETO EM ALVENARIA DE VEDAÇÃO - Construtora Dacaza Elaine Valentim CONSTRUTORA DACAZA CENÁRIO - 2005 Mais de 20 anos no mercado; Focada na qualidade

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTRUTURA DE CONCRETO ARMADO Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-17/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução

Leia mais

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca

TIPO ESP. LOCAL APLIC. 6mm Coberta da Cloaca FABRICANTE Eternit TIPO ESP. LOCAL APLIC. Ondulada 6mm Coberta da Cloaca COR - As telhas serão de fibrocimento 6mm, Eternit ou equivalente técnico de procedência conhecida e idônea, textura homogênea,

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

O www.romanio.com.br

O www.romanio.com.br O www.romanio.com.br VANTAGENS Dispensa usos de compensados Simplifica armação Otimiza vãos de maior envergadura Racionaliza a construção de lajes nervuradas Nervuras tecnicamente dimensionadas, de modo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

Painel de Referência no TCU Acórdão 56/2013 Processo: TC-017.206/2012-4 - CGU - BRASÍLIA-DF AGOSTO/2013

Painel de Referência no TCU Acórdão 56/2013 Processo: TC-017.206/2012-4 - CGU - BRASÍLIA-DF AGOSTO/2013 Painel de Referência no TCU Acórdão 56/2013 Processo: TC-017.206/2012-4 - CGU - BRASÍLIA-DF AGOSTO/2013 I. A importância de um Sistema de Referência II. Das limitações do Sistema de Referência SINAPI III.

Leia mais

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS

2. INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Banheiros Públicos Rincão do Segredo Local: Rua Carlos Massman - Rincão do Segredo Alm. Tam. do Sul-RS Proprietário: Município de Almirante Tamandaré do Sul / RS 1. O presente

Leia mais