política de INVESTIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "política de INVESTIMENTOS"

Transcrição

1 política de INVESTIMENTOS

2 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DIRETORIA FINANCEIRA JANICE ANTONIA FORTES ADMINISTRADORA ESTATUTÁRIA TECNICAMENTE QUALIFICADA GERÊNCIA DE INVESTIMENTOS VALDOMIRO PINTO DE SANTANA 2 Fundação CEEE Política de Investimentos

3 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO APLICABILIDADE PROCESSO INTERNO DE DECISÃO Atribuições e Responsabilidades do Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado OBJETIVOS DE RENTABILIDADE ALOCAÇÃO DE INVESTIMENTOS Alocação no segmento de Renda Fixa Alocação no segmento de Renda Variável Alocação no segmento de Investimentos Estruturados Alocação no segmento de Investimentos no Exterior CRITÉRIOS DE INVESTIMENTOS Segmento de Renda Fixa Segmento de Renda Variável Gestão interna de Renda Variável Aluguel de Ações Gestão Externa de Renda Variável Segmento de Investimentos Estruturados Segmento de Investimentos no exterior Segmento de imóveis Segmento de operações com participantes Utilização de instrumentos derivativos Princípios Socioambientais LIMITES DE INVESTIMENTOS Limites do Segmento de Renda Fixa Limites do Segmento de Renda Variável Fundação CEEE Política de Investimentos

4 7.3 Limites do Segmento de Imóveis Limites da Utilização de Instrumentos Derivativos Limites Máximos de Aplicação em Fundos de Investimentos Outros Limites CRITÉRIOS DE CONTRATAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS Serviço de Custódia Serviço de Gestão de Investimentos Serviço de corretagem Administração de Imóveis AVALIAÇÃO DE RISCOS Risco de Crédito Risco de mercado Risco de liquidez Risco operacional, legal e sistêmico Risco de Reinvestimento Risco de Falta de Jurisprudência CONSIDERAÇÕES FINAIS ANEXOS CENÁRIO MACROECONÔMICO Retrospectiva do ano de Perspectivas para FRONTEIRAS DE ALM Plano Único CEEE; Plano Único AES Sul; Plano Único CGTEE; Plano Único RGE; e Plano CEEEPrev Plano CRM Prev Plano SENGE Previdência; Plano SINPRORS Previdência; e Plano Família Previdência GLOSSÁRIO Fundação CEEE Política de Investimentos

5 1. INTRODUÇÃO A Fundação CEEE de Seguridade Social ELETROCEEE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, é uma entidade fechada de previdência complementar, instituída sob a forma de Entidade Civil, na forma da legislação em vigor, tem sede e foro no município de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul, regendo-se por seu Estatuto, respectivos Regulamentos e pelas normas legais vigentes. A Entidade tem como objetivo a instituição e execução de planos de benefícios de caráter previdenciário, complementares ao regime geral de previdência social. Para tanto, tem perfil moderado nos seus investimentos, focados em horizonte de médio e longo prazo, compreendendo a volatilidade de curto prazo que esses estarão sujeitos, e, também, com diversificação dos ativos, títulos e valores mobiliários que irão compor a Carteira de Investimentos, de forma a atender às diretrizes apontadas na Resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) n 3.792, de 24 de setembro de 2009, e suas alterações posteriores. A esse objetivo geral subordinam-se os seguintes escopos específicos: Dar claro entendimento ao Conselho Deliberativo, Conselho Fiscal, Diretoria Executiva, Colaboradores, Gestores, Custodiante, Participantes, Patrocinadoras, provedores externos de serviços e órgão(s) regulador(es) quanto aos objetivos e restrições relativas aos investimentos da Fundação CEEE; Formalizar um instrumento de planejamento que defina claramente as necessidades da Fundação CEEE e seus requisitos, por meio de objetivos de retorno, tolerâncias a risco e restrições de investimentos; Externar critérios objetivos e racionais para a avaliação de classes de ativos, de gestores e de estratégias de investimentos dos recursos garantidores da Fundação CEEE; Estabelecer diretrizes aos gestores internos e externos, para que eles conduzam os processos de investimentos em conformidade com os objetivos e restrições de investimentos da Fundação CEEE; Criar independência dos processos de investimentos com relação a um gestor específico, de forma que qualquer gestor que venha a conduzir os processos de investimentos possam se guiar por diretrizes bem definidas, que devem ser seguidas na construção e no gerenciamento das Carteiras; e Atender ao que determina a legislação vigente e demais normativos, bem como suas alterações posteriores. Informamos que se encontram anexados os seguintes documentos a esta Política de Investimentos: Cenário Macroeconômico, Fronteiras de ALM (Asset Liability Management), e um Glossário com os principais termos tratados. Fundação CEEE Política de Investimentos

6 2. APLICABILIDADE A Fundação CEEE é o administrador legal de 9 (nove) Planos de Aposentadoria Complementar e do Plano de Gestão Administrativa, a saber: Benefício Definido (BD) Plano Único CEEE CNPB: Plano Único RGE CNPB: Plano Único AES Sul CNPB: Plano Único CGTEE CNPB: Contribuição Definida (CD) CEEE Prev CNPB: CRM Prev CNPB: SENGE Previdência CNPB: SINPRORS Previdência CNPB: Família Previdência CNPB: Plano de Gestão Administrativa PGA Registro SICADI/Previc: 997 Em atendimento ao disposto no Artigo 7 da Resolução CMN 3.792/2009, e suas alterações, a Fundação CEEE designa um Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado (AETQ) para os segmentos de aplicação previstos na referida Resolução, quais sejam: Renda Fixa, Renda Variável, Investimentos Estruturados, Investimentos no Exterior, Imóveis, e Operações com Participantes. A presente Política de Investimentos é aplicável a todos os planos de benefícios sob administração da Fundação CEEE. Os planos SENGE Previdência, SINPRORS Previdência e Família Previdência não possuirão investimentos nos segmentos de imóveis e operações com participantes. O Plano de Gestão Administrativa, por sua vez, investirá 100% (cem por cento) dos seus recursos no segmento de Renda Fixa. 6 Fundação CEEE Política de Investimentos

7 3. PROCESSO INTERNO DE DECISÃO O processo interno de decisão define as atribuições e alçadas do AETQ, da Diretoria Executiva, e do Conselho Deliberativo em relação às proposições de investimento. Operacionalmente, o CCI recomenda a proposição à Diretoria Executiva que, por sua vez, aprova, exceto quando se tratar de operações: (i) de valor igual ou superior a 3% (três por cento) da Carteira de Investimentos no fechamento do mês anterior ao encaminhamento; e (ii) do segmento de imóveis e investimentos no exterior, as quais devem ser encaminhadas para deliberação do Conselho Deliberativo. Os membros do CCI com direito a voto são: Diretor(a) Financeiro(a), Gerente de Investimentos, Gerente de Controladoria e Gerente Financeiro. Quando as matérias debatidas possuírem natureza jurídica, o Gerente Jurídico será convidado, com direito a voto. Nos assuntos que envolvem os estudos de ALM, também é convidado o Gerente Atuarial, com direito a voto. Na ausência desses, a representação é dos respectivos substitutos. São convidados, sem direito a voto: os demais membros da Diretoria Executiva, assim como os membros do Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal. A coordenação do CCI é do Diretor(a) Financeiro(a). As propostas dos assuntos das reuniões do CCI são enviadas pela Gerência de Investimentos - GIN ao(a) Diretor(a) Financeiro(a), ou seu(sua) substituto(a) regulamentar, para aprovação da pauta. Todo o assunto proposto para ser pautado na reunião do CCI deve ser acompanhado de Relatório Técnico, elaborado pelas áreas responsáveis, com recomendação de decisão. O relatório técnico poderá ser substituído, em caráter de exceção, por material de apoio em matérias que não envolvam decisões de investimento e desinvestimento. Após a aprovação, o(a) Diretor(a) Financeiro(a), ou seu(sua) substituto(a) regulamentar, somente poderá retirar assunto(s) da pauta, desde que registre em Ata a respectiva justificativa, devendo ser imediatamente encaminhada notificação a Secretaria Geral contendo a justificativa para ciência da Diretoria Executiva e membros dos Conselhos Deliberativo e Fiscal. Os votos contrários, nas reuniões do CCI, deverão ser registrados em Súmula e Ata, com a devida justificativa, sendo enviadas à Diretoria Executiva. Não poderá haver abstenções nas reuniões do CCI. As ausências dos membros efetivos nas reuniões do CCI devem ser justificadas e registradas em Ata. Somente poderão ser implementados pela GIN, novos investimentos recomendados pelo CCI e aprovados pela Diretoria Executiva, ou Conselho Deliberativo, conforme o caso, ou seja, não são reconhecidos como procedimentos formais: s, determinação verbal ou outra forma diferente ao aqui definido. A GIN deverá avaliar permanentemente a Instituição onde o recurso está investido, de forma a se antecipar a possíveis desenquadramentos, elaborando Relatório Técnico sobre o assunto ao CCI, propondo solução para o caso. Havendo desenquadramento de qualquer investimento em relação à Política de Investimentos, os membros da Diretoria Executiva, do Conselho Fiscal e do Conselho Deliberativo devem ser imediatamente notificados pela Secretaria Geral, independente dos relatórios periódicos enviados a estes Órgãos. A Gerência de Controladoria é a responsável por informar a Secretaria Geral. Os processos pautados neste item seguem também os regramentos presentes no documento Manual de Gestão: Fundação CEEE Política de Investimentos

8 Planejamento de Investimentos, e; Operacionalização de Investimentos. Nas situações que a Entidade participar de Comitês (de Investimento, Compliance e outros) dos fundos investidos, a representação ocorrerá por meio de sua pessoa jurídica. Todas as decisões apresentadas nos respectivos Comitês, bem como nas Assembleias Gerais de Cotistas deverão ser recomendadas pelo CCI, e aprovadas pela Diretoria Executiva. A certificação dos administradores, participantes do processo decisório e empregados que realizam operações com ativos financeiros, deverá atender ao disposto no Artigo 8, e seus respectivos parágrafos, da Resolução CMN 3.792/2009, e suas alterações, da mesma forma quanto à mudança nos seus quesitos Atribuições e Responsabilidades do Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado Em atendimento à Lei Complementar nº 109, de 2001, a Fundação CEEE de Seguridade Social ELETROCEEE tem a Sra. Janice Antonia Fortes, Diretora Financeira, responsável pela gestão dos recursos dos planos por ela administrados, independentemente da responsabilidade solidária dos demais Administradores. Informações Cadastrais do Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado (AETQ) da Fundação CEEE de Seguridade Social ELETROCEEE: Nome: Janice Antonia Fortes Cargo: Diretora Financeira Telefone para Contato: (51) São atribuições do Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado (AETQ): cumprir e fazer cumprir os princípios, limites e disposições desta Política de investimentos; acompanhar o desempenho dos investimentos da Fundação; acompanhar os riscos, inerentes ao mercado financeiro, das aplicações dos recursos da Fundação; zelar pela promoção de elevados padrões éticos na condução das operações relativas às aplicações dos recursos da Fundação; responder administrativa, civil, e criminalmente pela gestão, alocação, supervisão e acompanhamento dos investimentos da Fundação, bem como pela prestação de informações relativas às aplicações desses recursos, sem prejuízo da responsabilidade solidária dos Administradores de recursos, Custodiante, Conselheiros e Diretores da Fundação, conforme disposições legais vigentes; e propor alterações na presente Política de Investimentos sempre que ela ferir disposições legais vigentes, ou impossibilitar a obtenção dos desejados padrões técnicos e éticos. 8 Fundação CEEE Política de Investimentos

9 4. OBJETIVOS DE RENTABILIDADE A Fundação CEEE tem por objetivo de rentabilidade no médio e longo prazo, com base nos cenários macroeconômicos, superar as metas atuariais dos Planos BD, e o índice de referências dos Planos CD, administrados pela Entidade na vigência desta Política de Investimentos. O índice de referência da Carteira de Investimentos de cada plano é composto pelo benchmark da Carteira de Investimentos e seus respectivos pesos por segmento de aplicação. O PGA, por sua vez, segue o benchmark do segmento de Renda Fixa. Cada segmento de aplicação possui os seus índices de referência (benchmark), a citar: Renda Fixa: Composto por 5% (cinco por cento) da variação do IMA-S; 30% (trinta por cento) da variação do IMA-B 5; e 65% (sessenta e cinco por cento) da variação do IMA-B 5+. Na eventualidade de haver títulos que sejam enquadrados na categoria mantidos até o vencimento, a meta atuarial será o respectivo benchmark de tais ativos. Renda Variável: 100% (cem por cento) da variação do IBrX. Investimentos Estruturados: IPCA + 8,0% ao ano. Investimentos no Exterior: Não possui benchmark pré-estabelecido, devendo cada veículo ou comunhão de recursos ter seus objetivos descritos separadamente. Imóveis: INPC + 5,5% ao ano. Operações com Participantes: INPC + 5,5% ao ano. Quadro 4.1 Rentabilidades Nominais Esperadas para 2014 Segmento Rentabilidade Esperada Carteira de investimentos 14,49% Renda Fixa 12,56% Renda Variável 17,13% Investimentos Estruturados 18,96% Imóveis 11,67% Operações com Participantes 11,67% Fundação CEEE Política de Investimentos

10 5. ALOCAÇÃO DE INVESTIMENTOS A alocação estratégica é definida considerando-se avaliação de cenários, conjuntura e performance dos ativos, fluxo financeiro de obrigações do pagamento de benefícios e, fundamentalmente, os limites presentes na Resolução CMN 3.792/2009, e suas alterações posteriores. Atendendo à legislação no que concerne a adoção de metodologia específica de avaliação de riscos, a entidade efetua a revisão anual do estudo de Asset Liability Management ALM, que sinaliza a alocação em percentuais referenciais em cada segmento de aplicação de acordo com a fronteira eficiente obtida para cada Plano de Benefícios e o respectivo perfil de risco, conforme dispostos no anexo 1. Tal alocação parametriza o benchmark da Carteira de Investimentos e serve de referencial para a alocação estratégica, definida de acordo com o cenário conjuntural. Os pesos de cada segmento na alocação estratégica e seus limites táticos são apresentados na tabela a seguir: Quadro 5.1 Alocação Estratégica e Limites Táticos Segmento Mínimo Estratégico Máximo Limites Legais Renda Fixa 50% 61% 90% 100% Indexada à Inflação Não indexada à Inflação Fundos de Liquidez 49,5% 0% 0,5% 54% 3% 4% 89,5% 5% 10% 100%* 100% 100%* Renda Variável 10% 20% 30% 70%** Investimentos Estruturados 0% 15% 20% 20% Investimentos no exterior 0% 0% 5% 10% Imóveis 0% 1% 5% 8% Operações com Participantes 0% 3% 15% 15% *Excluindo-se os títulos da dívida pública, este limite reduz para 80%. **O limite de 70% aplica-se somente para ações do Novo Mercado, excluindo-se as mesmas, os limites são: a) 60% nível 2, b) 50% Bovespa Mais, c) 45% Nível 1 e d) 35% para os demais, desde que sua primeira distribuição pública tenha sido realizada em data anterior a 29 de maio de Para elaborar o Quadro 5.1 foram utilizadas as alocações previstas no estudo de ALM do Plano CEEEPREV e Plano Único CEEE. Com base no mesmo estudo, foram apuradas as rentabilidades médias esperadas, de forma anualizada, por segmento de aplicação para os próximos cinco anos, as quais também se encontram no anexo 1. Para este estudo, foram utilizados os cenários econômicos projetados de acordo com a pesquisa FOCUS TOP 5 utilizada no estudo de ALM disponibilizado através do website do Banco Central do Brasil. 10 Fundação CEEE Política de Investimentos

11 Quadro Cenário e Projeções Econômicas IGP-DI INPC IPCA Pré/SELIC Bolsa Tx. Câmbio ,32 5,64 5,86 10,00 16,60 2, ,69 5,85 6,21 10,50 17,13 2, ,50 5,50 5,50 10,13 16,74 2, ,50 5,00 5,50 9,50 16,07 2, ,50 5,02 5,10 9,00 15,54 2,40 A estimativa do INPC foi feita com base na correlação entre os resultados históricos dos últimos 60 meses entre o referido índice e o IPCA. As projeções para o IMA-B 5+, IMA-B 5, Bolsa e Taxa Pré, não disponibilizadas pelo cenário do Banco Central, foram estimadas a partir da taxa SELIC, pela PPS Portfolio Performance, da seguinte maneira: IMA-B 5: SELIC + prêmio anual 1,00%; IMA-B 5+: SELIC + prêmio anual de 2,00%; Bolsa: SELIC + prêmio anual de 6%; Taxa Pré: SELIC Alocação no segmento de Renda Fixa A alocação do segmento visa superar a variação do benchmark num horizonte de médio e longo prazo através de uma gestão ativa. Nesse segmento serão realizados investimentos em: a) Títulos da dívida pública mobiliária federal; b) Títulos e valores mobiliários de emissão de: Instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central; Companhias abertas; Companhias securitizadoras. c) Cotas de fundos de investimento em direitos creditórios (FIDC); d) Cotas de fundos de renda fixa constituídos sob a forma de condomínio fechado; e) Cotas de fundos de renda fixa exclusivos constituídos sob a forma de condomínio aberto. Os títulos e valores mobiliários de emissores não relacionados neste item somente poderão ser adquiridos se observadas as condições estipuladas pela Resolução CMN 3.792/2009 em seu Art. 18, parágrafo 1º, e suas alterações. Este segmento de aplicação deverá manter, no mínimo, 2 (dois) fundos de renda fixa cujas carteiras e políticas de investimentos sejam compatíveis com a finalidade de fornecer a liquidez necessária ao cumprimento dos pagamentos de benefícios e também remunerar recursos transitórios à espera de uma alocação definitiva. Fundação CEEE Política de Investimentos

12 5.2 - Alocação no segmento de Renda Variável A alocação do segmento visa superar a variação do benchmark num horizonte de médio e longo prazo, através de uma gestão ativa e por meio de Carteira de Participações. Nesse segmento serão realizados investimentos em: a) Ações de emissão de companhias abertas e os correspondentes recibos e bônus de subscrição e certificados de depósito; b) Títulos e valores mobiliários de emissão de sociedades de propósito específico (SPE), de acordo com a Resolução CMN 3.792/2009 em seu Art. 19, parágrafo único, e suas alterações; c) Cotas de Exchange Traded Funds (ETFs) referenciadas em carteira teórica de ações de companhias abertas negociadas em bolsa de valores no Brasil; d) Cotas de fundos de ações constituídos sob a forma de condomínio fechado, exceto as citadas no item c) acima; e) Cotas de fundos de ações exclusivos constituídos sob a forma de condomínio aberto. Os eventuais desenquadramentos quanto as alocações citadas acima não se aplicam aos investimentos realizados até o dia 31 de dezembro de Alocação no segmento de Investimentos Estruturados A alocação do segmento visa superar a variação do benchmark num horizonte de longo prazo. Nesse segmento estão autorizados investimentos em: a) Cotas de Fundos de Investimento em Participações FIP; b) Cotas de Fundos de Investimento em Cotas (FIC) de FIP, com estruturas do estilo master feeder; c) Cotas de Fundos de Investimento em Empresas Emergentes FIEE; d) Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário FII, e; e) Cotas de Fundos de Investimento Multimercado FIM, que atendam aos requisitos estipulados no inciso IV do Artigo 20 da Resolução CMN 3.792/2009, e suas alterações. Os eventuais desenquadramentos quanto as alocações citadas acima não se aplicam aos investimentos realizados até o dia 31 de dezembro de Fundação CEEE Política de Investimentos

13 5.4 - Alocação no segmento de Investimentos no Exterior A aplicação de recursos nesse segmento, se proposta, embora não prevista na alocação estratégica da entidade, deve possuir justificativas em termos de diversificação de riscos e redução da volatilidade, decorrente de uma baixa correlação com as demais classes de ativos. Nesse segmento são alvos de investimento: a) Cotas de fundos de índice do exterior admitida à negociação em bolsa de valores do Brasil, e; b) Brazilian Depositary Receipts (BDR), conforme regulamentação da CVM. Fundação CEEE Política de Investimentos

14 6. CRITÉRIOS DE INVESTIMENTOS O processo de seleção de ativos financeiros baseia-se na análise de cenários econômico-financeiros nacionais e internacionais, respeitando-se os níveis e limites de risco definidos nesta Política de Investimentos. As propostas de alocação são recomendadas pelo Comitê Consultivo de Investimentos - CCI, que avalia as condições macro e microeconômicas. O apreçamento dos ativos financeiros 1 a serem adquiridos pela Fundação CEEE deve seguir os métodos top down e/ou bottom up da análise fundamentalista 2 nos relatórios elaborados pela equipe técnica da Gerência de Investimentos GIN, visando assim subsidiar as decisões da Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo relativo aos investimentos. No caso de marcação a mercado dos ativos que compõem a carteira de investimentos devem ser seguidas as definições descritas no manual de apreçamento do agente custodiante, com base em critérios legais e definições conjuntas com a Entidade. A seguir, serão apresentados os critérios de investimento de cada segmento Segmento de Renda Fixa O objetivo deste segmento de aplicação é buscar retorno por meio de investimentos em ativos de renda fixa e/ou cotas de fundos de investimento de renda fixa, admitindo-se estratégias que impliquem em risco de juros do mercado doméstico em taxas prefixadas e pós-fixadas, risco de índice de preço, assim como risco de crédito privado. Os investimentos que compõem o segmento de renda fixa deverão, preponderantemente, ser compostos por títulos indexados à inflação (IPCA e/ou INPC), atendendo aos limites dos respectivos benchmarks. Na eventualidade de algum título ou valor mobiliário ser adquirido e/ou vendido no mercado secundário, o mesmo deverá ser negociado e registrado através de plataforma eletrônica, conforme a norma vigente. O apreçamento dos títulos neste segmento poderá ocorrer sob critério de marcação a mercado ou na forma de mantidos até o vencimento, não impedindo que ocorram essas marcações simultaneamente, ou seja, haverem na mesma carteira ativos com tipo de precificação distinta. Nos investimentos em que houver exposição a crédito privado, seja de forma direta ou através de fundos de investimento, a equipe técnica deverá propor ao CCI um prêmio mínimo sobre o ativo livre de risco com indexador semelhante e prazo médio aproximado, observado a classificação de risco. Para a compra de títulos de dívida de instituições financeiras na carteira própria, devem ser atendidos os seguintes critérios na data da proposição/operação: Estar entre as 10 (dez) maiores instituições financeiras no ranking do Banco Central do Brasil Bacen, por Patrimônio Líquido, excetuando-se os Bancos de Desenvolvimento; Índice de Basiléia igual ou maior do que 12,5%; Rating de Baixo risco de crédito, conforme critérios estabelecidos na Política de Investimentos vigente; 1 O apreçamento de ativos refere-se ao processo pelo qual os preços justos dos ativos são determinados e aos relacionamentos resultantes entre retornos esperados e o risco associado àqueles retornos no mercado financeiro (Sharpe, 2008, p. 1). 2 Para descrição dos processos de análise fundamentalista ver Pinheiro (2008, p. 265). 14 Fundação CEEE Política de Investimentos

15 Análise econômico-financeira do emissor, em Relatório Técnico elaborado pela GIN. Tal prática objetiva investir em instituições financeiras que apresentarem a melhor relação do binômio risco e retorno, mitigando parcialmente o risco inerente às instituições de menor expressividade. Cabe ressaltar que caso ocorra algum evento corporativo posterior à divulgação do ranking do Bacen que venha a alterar a percepção de risco da instituição e caso haja histórico não bem sucedido com a Entidade e/ou alguma das Patrocinadoras, estes fatos podem ser considerados como critérios desclassificatórios. Poderão ser incluídos na carteira de títulos privados os ativos classificados como DPGE (Depósito a Prazo com Garantia Especial). Esta modalidade de ativos permite os bancos comerciais, bancos de desenvolvimento, bancos de investimento, as sociedades de crédito, financiamento e investimento e as caixas econômicas, desde 1º de abril de 2.009, captarem depósitos a prazo, sem emissão de certificado, com garantia especial a ser proporcionada pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Neste caso, a Fundação CEEE não utilizará os critérios apresentados no quadro A principal premissa para investimento em DPGE dar-se-á pela indexação do ativo em IPCA, devendo apresentar remuneração compatível com o ativo livre de risco. Conforme o item 5.1, no que diz respeito aos fundos de liquidez, os aludidos veículos devem possuir os seguintes objetivos e políticas de investimento, conforme a descrição a seguir: Quadro Política de Investimentos dos fundos exclusivos de renda fixa - liquidez Item Classe ANBIMA Características Benchmark Objetivo Política de Investimentos Risco de Crédito Descrição Renda Fixa. Exclusivo, aberto e resgate em D+0. CDI. Superar o benchmark. Investimento em títulos públicos e privados com prazo médio de 365 dias a decorrer da data de aquisição. Não permite alavancagem. Admite uma exposição superior a 50% (cinquenta por cento) da carteira em títulos de crédito privado, sem comprometer a liquidez diária, classificados como baixo risco pelas agências de rating elencadas na Política de Investimentos vigente da Fundação CEEE. O emissor deve ser previamente aprovado pelo comitê de crédito do gestor do fundo de investimento e pela Diretoria Executiva da Fundação CEEE, subsidiada pelo Comitê Consultivo de Investimentos. É vedada a aquisição de Cédula de Crédito Bancário CCB. No caso da compra de títulos de dívida de instituições financeiras, devem ser atendidos os seguintes critérios: Patrimônio Líquido da instituição igual ou maior a R$ 4 bilhões, na última avaliação disponível do Banco Central do Brasil - Bacen; Índice de Basiléia igual ou maior do que 12,5%. Fundação CEEE Política de Investimentos

16 6.2 Segmento de Renda Variável O objetivo deste segmento de aplicação é buscar retorno por meio de investimentos em ativos de renda variável e/ou cotas de fundos de ações Gestão interna de Renda Variável O objetivo de gestão da carteira é superar o IBrX no horizonte de médio e longo prazo. A estratégia de gestão deve seguir o estilo de blend investment, buscando adquirir ativos subavaliados pelo mercado (value investment) e/ou com potencial de crescimento relevante (growth investment). Ainda, poderão ser utilizadas estratégias com ações de companhias mais resilientes ao risco de mercado. Quando forem realizadas operações de venda coberta de opções de ações (financiamento), deverá ser elaborado relatório técnico em acordo com as diretrizes do Artigo 44 da Resolução CMN 3.792/2009, e suas alterações. A inclusão de ações na carteira própria deve ser precedida de relatório elaborado pela equipe técnica da GIN e apresentação ao Comitê Consultivo de Investimentos, para posterior recomendação à Diretoria Executiva. As ações que compõem a carteira própria devem ser acompanhadas em seus fatos relevantes e, no mínimo semestralmente, ter seus resultados comentados por relatório elaborado internamente pelos analistas da Gerência de Investimentos, devendo ser encaminhados à Diretoria Executiva, e aos Conselhos Deliberativo e Fiscal Aluguel de Ações A Fundação CEEE tem por objetivo a gestão de médio e longo prazo dos seus investimentos, portanto os ativos da Carteira Própria de Ações ELETROCEEE que ficam disponíveis poderão ser utilizados para a operação de Aluguel de Ações. Os ativos em que for realizado esse tipo de operação devem ser registrados no Banco de Títulos da CBLC BTC. O Custodiante poderá exercer a atividade de intermediação dessas operações, não descartando a possibilidade delas ocorrem na estrutura interna, intermediadas pelas corretoras aprovadas pela Fundação CEEE para operar sua carteira própria. Essa operação permite maximizar o retorno obtido com a carteira de ações através da taxa de remuneração de empréstimo pago pelos ativos Gestão Externa de Renda Variável A gestão dos fundos de renda variável deve ser, preferencialmente, diferenciada da adotada pela gestão interna, visando assim diversificação de estratégias no segmento de renda variável através de mandatos em fundos de small caps, private investment public equity (PIPE), fundos setoriais, dividendos e outras estratégias de blend investment com maior concentração de papéis e investimento em ações de menor liquidez. O objetivo desses fundos de ações deve ser superar o benchmark estabelecido num horizonte de médio e longo prazo. O benchmark deve ser estipulado buscando a maior conformidade possível com a classificação e mandato de gestão do fundo. 16 Fundação CEEE Política de Investimentos

17 6.3 - Segmento de Investimentos Estruturados O objetivo deste segmento de aplicação é buscar retorno por meio da aquisição de cotas de fundos de investimento, conforme disposto no Art. 20 da Resolução CMN 3.792/2009, e suas alterações. Utilizando os princípios da diversificação, a Fundação CEEE prima por alocar seus recursos em cotas de diferentes fundos e setores-alvo, bem como diversos gestores e ciclos de investimento. Tal atitude justifica-se pela mitigação do risco sistêmico e, também, da rentabilidade no tempo proporcionada por esse segmento (Curva J ), da mesma forma sobre o entendimento que a diversificação de instituições agrega expertise à entidade. Também deverá se considerar, nas análises a serem realizadas, o prazo de maturação para minimizar os referidos efeitos. Nas proposições de investimentos estruturados, exceto fundos multimercado, deverão ser observados os seguintes requisitos, no mínimo: O gestor preferencialmente deve participar também como investidor do fundo, através da sua pessoa jurídica ou do conglomerado ao qual a instituição é ligada; O gestor não deve possuir outros mandatos de gestão e seleção de investimentos que venham a conflitar com os interesses do fundo em análise; O fundo deve identificar claramente a equipe-chave da gestão, o tempo de dedicação da mesma e os responsáveis pelo fornecimento de informações aos cotistas, comunicando quaisquer alterações nesses recursos humanos ao longo da vigência do fundo, devendo constar no Regulamento dos Fundos, em item específico; A política de gestão de pessoas das instituições que possuem membros na equipe-chave da gestão, sobretudo quanto ao plano de retenção dessas pessoas, bem como a observância do tempo de trabalho em conjunto dessa equipe; O orçamento do fundo, de forma a identificar os gastos pretendidos ao longo da vida do mesmo; As etapas do processo de investimento do fundo, assim como as práticas que serão adotadas nas companhias investidas, e a tese de investimento, tanto de entrada, quanto de saída; A compatibilidade da taxa de administração com a média praticada pelo mercado e da taxa de performance com o indicador de remuneração de ativos livres de risco (exemplo: NTN-B, CDI, entre outros). Esse último item, também, é aplicável aos fundos multimercado. O investimento em fundos multimercado long-short deve priorizar aqueles veículos cujo histórico de cotas evidencie posição neutra em relação ao risco de mercado Segmento de Investimentos no exterior O objetivo deste segmento de aplicação é buscar retorno por meio de investimentos em ativos emitidos no exterior e cotas de fundos de investimento, conforme o Art. 21 da Resolução CMN 3.792/2009 e suas alterações Segmento de imóveis O objetivo deste segmento de aplicação é buscar retorno por meio de investimento em empreendimentos imobiliários e imóveis para aluguel e renda. Devem-se buscar, também, oportunidades no setor imobiliário, através do investimento em veículos presentes nos demais segmentos, como fundos de investimento imobiliário FII, fundos de Fundação CEEE Política de Investimentos

18 investimento em participações no setor e certificados de recebíveis imobiliários CRI, por exemplo Segmento de operações com participantes O objetivo deste segmento de aplicação é buscar retorno por meio de empréstimos aos participantes e assistidos. O gerenciamento da carteira de empréstimos a participantes e assistidos, de responsabilidade da Gerência Financeira, tem como objetivo superar o benchmark. As parcelas de pagamento do empréstimo podem seguir curvas de juros prefixadas, pós-fixadas ou vinculadas a índice de preço. A Diretoria Executiva definirá os critérios de cálculo da taxa de juros de empréstimo, prazos, limites de concessão e taxa de administração, subsidiada pelas equipes técnicas da área financeira através de relatórios descritivos de situação RDS, previamente discutidos no âmbito do CCI. Os processos pautados neste subitem seguem, também, os regramentos presentes na Instrução de Trabalho nº , constante no documento Manual de Gestão Utilização de instrumentos derivativos As operações devem ser registradas e negociadas no mercado de bolsa de valores ou de mercadorias e futuros. Quando realizadas pela gestão interna, deverão possuir relatório de abertura da posição contendo, no mínimo: Nome da estratégia segundo fonte bibliográfica fidedigna; Quantidade de contratos negociados; Dados necessários para o apreçamento ao longo da vigência da operação; Justificativa, e; Demonstração gráfica dos resultados possíveis. Os resultados obtidos devem ser analisados no CCI após o encerramento de cada operação e informados ao Conselho Fiscal através de item específico no Plano de Fiscalização da Entidade Princípios Socioambientais Além do tradicional binômio risco e retorno, a Fundação CEEE deve observar em suas análises de investimentos, o seguimento de princípios de responsabilidade socioambiental pelos emissores de ativos financeiros e prestadores de serviços. Entre opções equivalentes em termos de remuneração e risco, o investimento deve ser priorizado naqueles negócios com melhores práticas concretas em relação à sociedade e ao meio ambiente. 18 Fundação CEEE Política de Investimentos

19 7. LIMITES DE INVESTIMENTOS Este capítulo da Política de Investimentos tem como objetivo contemplar os limites que a Fundação CEEE utiliza nos controles de investimentos que ela realiza tanto no que diz respeito aos segmentos de aplicação, conforme estabelecido no Quadro 5.1, quanto em microalocações, como, por exemplo, em uma classe específica. A responsabilidade do acompanhamento interno e controles dos limites dispostos nesta Política de Investimentos é da Gerência de Controladoria, para posterior encaminhamento aos órgãos de gestão. Segue abaixo os limites utilizados pela Fundação CEEE, por segmento. 7.1 Limites do Segmento de Renda Fixa A tabela abaixo foi desenvolvida com a finalidade de realizar diversificação através dos diversos instrumentos disponíveis para investimento neste segmento, levando em conta os diferentes riscos envolvidos, ressaltando que os percentuais abaixo são relativos à Carteira de Investimentos. Quadro Alocações em Crédito Privado Total Gestão Interna Gestão Externa Instrumento/Ativo Estratégico Máximo Estratégico Máximo Estratégico Máximo Debêntures 18% 22% 14,5% 17,5% 3,5% 4,5% CCB¹ 1,50% 2% 1,5% 2% 0% 0% FIDC² 3% 5% n.a. n.a. 3% 5% CRI³ 4% 6% 3,5% 5% 0,5% 1% DPGE 4 4% 6% 3,5% 5% 0,5% 1% Letras Financeiras 3,50% 5% 3% 4% 0,5% 1% 1 CCB: Cédula de Crédito Bancário 2 FIDC: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. 3 CRI: Certificado de Recebíveis Imobiliários 4 DPGE: Depósito a Prazo com Garantia Especial. n.a.: não aplicável, Na tabela abaixo estão elencados os volumes máximos permitidos para aplicação em instituições financeiras, em acordo com o Grupo de Classificação de cada instituição financeira e seu respectivo conglomerado. Quadro Alocações Máximas para Instituições Financeiras Carteira Própria Grupo de Classificação Volume de aplicação máxima* Volume de aplicação máxima** 1º a 5º º a 10º Em R$ mil *Volume máximo por instituição e/ou conglomerado **Volume máximo por Grupo. Os limites de alocação, previstos no quadro 7.1.2, não se aplicam aos investimentos já realizados. No entanto, para DPGE, a Fundação CEEE poderá alocar recursos nesta modalidade de ativos em volume tal que o valor projetado para ser recebido no vencimento não seja superior ao valor garantido, por emissor, determinado pelo Fundo Garantidor de Crédito, conforme disposto na Resolução do CMN 3.692, de 26 de março de Fundação CEEE Política de Investimentos

20 7.2 Limites do Segmento de Renda Variável No mínimo 70% dos recursos do segmento devem ser geridos internamente na Carteira Própria de Ações ELETROCEEE (CPAE), incluindo-se, ainda neste limite, as cotas de Exchange Traded Funds (ETFs). Ressalta-se, também, a possibilidade de realizar operações de curto prazo com as ações devidamente autorizadas para negociação. O limite para essas operações é de 20% (vinte por cento) sobre o volume total da carteira própria à vista do mês anterior. É previsto limite de empréstimo (aluguel de ações) de, no máximo, 70% (setenta por cento) na quantidade disponível de cada ativo em carteira para aluguel. O eventual desenquadramento deste limite deve ser regularizado pela Gerência de Investimentos em até 60 (sessenta) dias. No mínimo 15% (quinze por cento) dos recursos do segmento devem ser aplicados em cotas de fundos de ações, em conformidade com as alíneas (d), (e) e (f) do item 5.2 desta Política de Investimentos, relativos aos ativos alvos de investimento em renda variável. Nenhum fundo poderá receber patrimônio superior a 40% (quarenta por cento) dos recursos destinados para gestão externa no segmento de renda variável. 7.3 Limites do Segmento de Imóveis O gerenciamento da carteira de aluguéis e renda do segmento de imóveis tem como objetivo superar o benchmark e apresentar uma vacância média máxima nos últimos 12 (doze) meses de 10%. Em casos de risco de vacância elevado ou rentabilidade esperada aquém do objetivo, deve ser estudado o desinvestimento, e elaborado Relatório Técnico pela GIN propondo medidas de solução da questão, encaminhando-o para o CCI, de forma que esse faça sua recomendação para aprovação da Diretoria Executiva, e, por fim, deliberação do Conselho Deliberativo. 7.4 Limites da Utilização de Instrumentos Derivativos Os contratos de derivativos serão utilizados para fins de hedge (proteção de capital) ou como estratégia de renda fixa. Não é permitido o uso para fins de alavancagem, ou seja, que não acarrete na possibilidade de perda superior a 1 (uma) vez o patrimônio da Carteira de Investimentos. A venda coberta de opções de ações (financiamento) também faz parte da estratégia de gestão interna de renda variável, sendo que essa alternativa pode ser efetuada tanto para proteção de carteira, quanto para complementar a rentabilidade da carteira à vista, no objetivo de superar o IBrX. O limite máximo, para tanto, é de até 30% (trinta por cento) do volume total de gestão interna do mês anterior. 7.5 Limites Máximos de Aplicação em Fundos de Investimentos O valor a ser subscrito em cada fundo sob gestão de terceiros será limitado aos percentuais abaixo da carteira de investimentos da Fundação CEEE, devendo ser respeitado o limite de 12% (doze por cento) por conglomerado financeiro, incluindo os respectivos capitais comprometidos. Fundos do segmento de Investimentos Estruturados: 1,5%; Fundo de Investimento em Direitos Creditórios e/ou Fundos de Crédito Privado: 1%; Fundo de Investimento em Ações: 2,0%, e; Fundos de Liquidez: 3%. 20 Fundação CEEE Política de Investimentos

2013-2017. Diretoria Financeira Janice Antonia Fortes Administradora Estatutária Tecnicamente Qualificada

2013-2017. Diretoria Financeira Janice Antonia Fortes Administradora Estatutária Tecnicamente Qualificada 2013-2017 2013-2017 Diretoria Financeira Janice Antonia Fortes Administradora Estatutária Tecnicamente Qualificada Gerência de Investimentos Rosália Aparecida Rodrigues da Rosa SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA Ano de Vigência - 2015 1/13 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos

Leia mais

Política Anual de Investimentos (PAI)

Política Anual de Investimentos (PAI) Política Anual de Investimentos (PAI) 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 3 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5 PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO SERVIÇO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL Rua Monsenhor Soares nº. 65 Centro Itapetininga SP Fones (015)3271-0728 e 3271-7389(telefax) E-mail: seprem@uol.com.br POLITICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO 2.011 SUMÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2014 IPRESI SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO DE GESTÃO... 4 5

Leia mais

Política de Investimentos Plano PBS Telemig

Política de Investimentos Plano PBS Telemig 1/16 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do, através da designação dos segmentos de ativos a serem utilizados, dos ativos autorizados em

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE BENEFÍCIO DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Política de Investimentos tem

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Vigência: 01/01/2013 a 31/12/2017 1. OBJETIVOS A Politica de Investimentos tem como objetivo

Leia mais

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB

Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Prezado(a) participante, Seguem informações referentes à Política de Investimento para o Plano Complementar de Benefícios da FACEB, Plano de Benefícios CEBPREV e Plano Administrativo PGA para o ano de

Leia mais

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE

MSD PREV - Politica de Investimentos 2015-2019 ÍNDICE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 Plano de Benefícios Plano de Gestão Administrativa ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia

Leia mais

Política de Investimento 2013 a 2017

Política de Investimento 2013 a 2017 Política de Investimento 2013 a 2017 FUMPRESC Fundo Multipatrocinado de Previdência Complementar Santa Catarina APROVADA EM REUNIÃO DE CONSELHO DELIBERATIVO NO DIA 19/12/2012 Ata nº 91/2012. Índice 1.

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019

Política de Investimento. Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Política de Investimento Plano de Benefício Definido (BD) 2015 a 2019 Aprovado pelo Conselho Deliberativo Ata nº 70 de 15/12/2014 Sumário 1. Introdução... 3 2. Sobre os benefícios... 4 3. Informações cadastrais...

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 28 de novembro de 2014, Ata nº 279. SUMÁRIO 1 DOS

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PERUIBEPREV PARA O EXERCICIO DE 2008 INTRODUÇÃO Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos do PERUIBEPREV, através da designação

Leia mais

PSS - Seguridade Social

PSS - Seguridade Social POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2012 PLANO C 1. Objetivos Esta versão da Política de Investimentos, que estará em vigor durante o ano de 2012, tem como objetivo definir as diretrizes dos investimentos do

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Diretrizes Gerais... 3 3 Plano de Benefícios... 4 4 Alocação de recursos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DA MAUÁ PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PARA O ANO DE 2010 1 Finalidade da Política de Investimentos: Este documento estabelece as maneiras pelas quais os ativos dos planos

Leia mais

Política de Investimentos 2009 a 2013

Política de Investimentos 2009 a 2013 Política de Investimentos 2009 a 2013 SERPROS Fundos Multipatrocinado Índice 1. Objetivos e vigência da política de investimentos... 3 2. Princípios de governança... 3 2.1. Estrutura organizacional para

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FIOPREV INSTITUTO OSWALDO CRUZ DE SEGURIDADE SOCIAL Plano PGA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em reunião ordinária realizada em 17/12/2014. 2015 a 2019 Sumário 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ

CAFBEP - CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 26/12/20 /2013 Vigência: 01/01/201 2014 a 31/12/2019 1 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização por parte da CAFBEP, das diretrizes presentes

Leia mais

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011

Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar. 29 de novembro de 2011 Investimentos das Entidades Fechadas de Previdência Complementar 29 de novembro de 2011 1 1. Legislação Aplicada; SUMÁRIO 2. Melhores Práticas; 3. Casos observados. 2 LEGISLAÇÃO APLICADA AOS INVESTIMENTOS

Leia mais

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015

PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada. Política de Investimentos 2011/2015 PREVI - ERICSSON Sociedade de Previdência Privada Política de Investimentos 2011/2015 Plano de Aposentadoria Suplementar Plano de Aposentadoria Básico Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2013 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ, pessoa jurídica de direito público interno, inscrito no CNPJ 05093137/000151 sediado à Rua Trav. Paulo Bini,27,

Leia mais

São Bernardo Previdência Privada

São Bernardo Previdência Privada POLÍTICA DE INVESTIMENTO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA São Bernardo Previdência Privada Vigência: 2015 a 2019 CONTEÚDO 1 INTRODUÇÃO E OBJETIVOS 3 1.1 Vigência da Política de Investimento 3 2 PROCEDIMENTOS

Leia mais

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL

TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL TREINAMENTOS PARA OS CONSELHOS DELIBERATIVO E FISCAL Out/2014 OBJETIVO Estratégia de Investimento Política de Investimentos, Perfis de Investimentos, Agentes Envolvidos na Gestão e Classes de Ativos. POLÍTICA

Leia mais

2011-2015. Diretoria Financeira Josué Fernando Kern Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado

2011-2015. Diretoria Financeira Josué Fernando Kern Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado Diretoria Financeira Josué Fernando Kern Administrador Estatutário Tecnicamente Qualificado Gerência de Investimentos Rosália Aparecida Rodrigues da Rosa Í N D I C E 1. INTRODUÇÃO... 06 2. APLICABILIDADE...

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015

POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 POLÍTICA DE INVESTIMENTO - 2015 A presente Política de Investimento tem como objetivo principal estabelecer condições para que os recursos dos Planos de Benefícios desta Entidade sejam geridos visando

Leia mais

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS]

[POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] [POLÍTICA DE INVESTIMENTOS] Este documento aborda o processo de seleção e alocação de valores mobiliários da Interinvest Data de Publicação: Abril de 2012 Política de Investimentos 1. Conteúdo do Documento

Leia mais

Política de Investimentos 2015

Política de Investimentos 2015 DIRETRIZES DE INVESTIMENTO Fundo de Previdência Social dos Servidores do Município de Além Paraíba Política de Investimentos 2015 As aplicações de recursos nos segmentos de investimento definidos nesta

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013

POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA. Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 POLÍTICA DE INVESTIMENTO OABPREV-PR: PLANO PBPA Aprovada pelo Conselho Deliberativo em 16/12/2013 Vigência: 2014 a 2018 ÍNDICE 1. Sobre a Política de Investimento 2 2. Sobre o Plano e os seus Benefícios

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT

INSTITUTO DE PREVIDENCIA DO MUNICIPIO DE ALMIRANTE TAMANDARÉ - IPMAT RESOLUÇÃO Nº. 01/2009 Em cumprimento a Resolução nº. 3790/2009 de 24 de Setembro de 2009, do Conselho Monetário Nacional, o CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DO IPMAT, no uso de suas atribuições legais e de conformidade

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2014 Política de Investimentos 2014 1 1. Introdução A Futura II - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 1 - FINALIDADE DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 1.1. A Sociedade de Previdência Privada A Sociedade de Previdência Privada (Entidade), pessoa jurídica de direito privado, sem

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS PREVICOKE 2009 Classified - Internal use ÍNDICE Finalidade da Política de Investimentos... 3 PARTE I... 3 1. Objetivos

Leia mais

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA)

Política de Investimentos. 2011 a 2015. CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Política de Investimentos 2011 a 2015 CELPOS Fundação Celpe de Seguridade Social Plano de Gestão Administrativa (PGA) Índice 1. Introdução... 3 2. Plano de benefícios... 3 3. Alocação de recursos e os

Leia mais

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX:

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX: 1 2 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos...

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2014 a 2018 Sumário 1. Introdução... 4 2. Abrangência... 5 3. Sobre os Benefícios... 6 4. Investimentos... 7 4.1. Alocação Estratégica... 8 4.2.

Leia mais

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD

PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD CAIXA DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA AOS FUNCIONÁRIOS DO BANPARÁ PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - CD 1. Introdução Esta política de investimento refere-se à utilização, por parte da CAFBEP, das diretrizes

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão CAPOF Plano PGA Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3

Leia mais

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev

Política de Investimento. Plano de Benefícios Sebraeprev Política de Investimento Plano de Benefícios Sebraeprev 2015 a 2019 Sumário 1. Introdução... 3 2. Abrangência... 4 3. Investimentos... 5 3.1. Alocação Estratégica... 6 3.2. Mandatos... 9 3.3. Avaliação

Leia mais

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX:

Fundação Celpe de Seguridade Social - CELPOS Rua João Fernandes Vieira, 190 - Boa Vista - Recife - PE - CEP: 50050-200 PABX (81) 2128-4000 - FAX: 1 2 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A Fundação CELPE de Seguridade Social... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos...

Leia mais

Política de Investimento. 2014 a 2018

Política de Investimento. 2014 a 2018 Política de Investimento 2014 a 2018 Prev Pepsico - Sociedade Previdenciária Plano de Benefícios Pepsico Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Política de Investimentos. Plano de Benefícios

Política de Investimentos. Plano de Benefícios Política de Investimentos Plano de Benefícios 2012 Política de Investimentos 2012 Plano de Benefícios 1 1. Introdução A Futura - Entidade de Previdência Complementar por meio desta confirma a política

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 Plano de Gestão Administrativa Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Governança Corporativa... 3 3 Diretrizes Gerais... 4 4 Plano de Benefícios... 5 5 Alocação de Recursos

Leia mais

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa

Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL. PGA - Plano de Gestão Administrativa Política de Investimentos INSTITUTO BANESE DE SEGURIDADE SOCIAL PGA - Plano de Gestão Administrativa 2015 a 2019 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PRINCÍPIOS DE GOVERNANÇA E TRANSPARÊNCIA... 3 3 DIRETRIZES PARA

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTOS O Presidente do Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos Municipais de Santos IPREV SANTOS, no uso de suas atribuições

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE BENEFÍCIO DEFINIDO PBD 2015 A presente Política de Investimentos do Plano de Benefício Definido PBD, administrado pela Previdência Usiminas, foi aprovada pelo Conselho

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Citiprevi Entidade Fechada de Previdência Complementar Planos de Benefício Definido Dezembro de 2014 Índice 1. Finalidade da Política de Investimentos...

Leia mais

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50%

Gestão Ativa Perfil Renda Fixa Renda Variável Super Conservador 100% 0% Conservador 80% 20% Moderado 65% 35% Agressivo 50% 50% III) Plano de Benefícios de Contribuição Definida (Plano CD) 1) Administracão dos Recursos: A administração dos recursos da Fundação Previdenciária IBM é terceirizada, sendo prerrogativa do Conselho Deliberativo

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2010 Tibagi Tibagiprev. - 1 - Índice pág. 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Diretrizes de Alocação dos Recursos 6 4 Diretrizes para Gestão dos Segmentos 8 Tibagi Tibagiprev. - 2

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVOS... 2 2.1 OBJETIVO GERAL... 2 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 2 3 VIGÊNCIA... 3 3.1 MODELO DE GESTÃO... 3 3.2 PROCESSO

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2016 PLANO BÁSICO Aprovado pelo Conselho Deliberativo da Fundação Baneb de Seguridade Social Bases, no dia 27.11.2015, Ata nº 293. SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ESCOLHA DOS

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008

Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Vitória INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2008 Institui a Política de Investimento para o exercício de 2008/2009. O Presidente do Instituto

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Diretrizes de Investimento Regime Próprio de Previdência Social Política de Investimentos 2011 As aplicações de recursos nos segmentos de investimento definidos nesta Política de Investimentos deverão

Leia mais

Política de Investimentos

Política de Investimentos Política de Investimentos 2013 SERPROS Fundo Multipatrocinado Plano Serpro I PSI Aprovada pelo Comitê de Aplicações CAP em 13/12/2012 Aprovada pelo Conselho Deliberativo CDE em 19/12/2012 ÍNDICE 1. Introdução...3

Leia mais

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV

Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV Fundo Especial de Previdência do Município de LEME - LEMEPREV POLÍTICA ANUAL DE INVESTIMENTOS 2011 No presente documento encontram-se diretrizes para guiar o processo de investimentos do Fundo Especial

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos

Definição da Política de Investimentos e Objetivos Definição da Política de Investimentos e Objetivos UNILEVERPREV- SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA Plano de Previdência Complementar UnileverPrev Programa de Assistência Médica para Aposentados UnileverPrev

Leia mais

Política de Investimentos 2010 a 2014. Plano Faelce BD

Política de Investimentos 2010 a 2014. Plano Faelce BD Política de Investimentos 2010 a 2014 Plano Faelce BD Índice 1. Introdução... 3 2. Princípios de governança... 3 3. Plano de benefícios... 4 4. Estrutura Organizacional... 4 5. Asset Liability Management

Leia mais

1.1. A ABBprev Sociedade de Previdência 1.2. Constituição da Política de Investimentos plano de Contribuição Definida.

1.1. A ABBprev Sociedade de Previdência 1.2. Constituição da Política de Investimentos plano de Contribuição Definida. Dezembro de 2009 ii 1. Finalidade da Política de Investimentos... 1 1.1. A... 1 1.2. Constituição da Política de Investimentos... 1 1.3. Funções da Política de Investimentos... 1 1.4. Início da vigência

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2012 Fortalecendo o Futuro! SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 OBJETIVO GERAL... 3 2.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 3 VIGÊNCIA... 4 4 MODELO

Leia mais

1. A MSD PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 2. OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 3. FILOSOFIA DOS INVESTIMENTOS

1. A MSD PREV SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 2. OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 3. FILOSOFIA DOS INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014-2018 ÍNDICE 1. A MSD PREV Sociedade de Previdência Privada... 3 2. Objetivos da Política de Investimentos... 3 3. Filosofia dos Investimentos... 3 4. Diretrizes Gerais...

Leia mais

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015

Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Definição da Política de Investimentos e Objetivos de 2015 Citiprevi Entidade Fechada de Previdência Complementar Planos Citiprevi Saúde e de Gestão Administrativa Dezembro de 2014 Índice 1. Finalidade

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS DO PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA 2012 A presente Política de Investimentos do Plano de Gestão Administrativa - PGA, da Caixa dos Empregados da Usiminas, foi aprovada pelo

Leia mais

Política de Investimento. 2015 a 2019

Política de Investimento. 2015 a 2019 Política de Investimento 2015 a 2019 FACEB - Fundação de Previdência dos Empregados da CEB Plano de Gestão Administrativa Página 1 Índice 1 Introdução... 3 2 Sobre a FACEB... 3 3 Alocação de recursos e

Leia mais

RESOLUCAO 3.792. Capítulo II DA ABRANGÊNCIA

RESOLUCAO 3.792. Capítulo II DA ABRANGÊNCIA RESOLUCAO 3.792 Dispõe sobre as diretrizes de aplicação dos recursos garantidores dos planos administrados pelas entidades fechadas de previdência complementar. O Banco Central do Brasil, na forma do art.

Leia mais

Plano Básico de Benefícios - PBB

Plano Básico de Benefícios - PBB 22/12/2014 Ativos 1 - Fundamentação da Política Plano Básico de Benefícios - PBB Política de Investimentos - Período 2015 a 2019 Alocação dos Recursos - 2015 a 2019 Renda Fixa 5.083,0 81,0% 5.529,0 84,0%

Leia mais

Política de Investimento

Política de Investimento Política de Investimento FIOPREV INSTITUTO OSWALDO CRUZ DE SEGURIDADE SOCIAL Plano BD FioPrev 2016 a 2020 Aprovada pelo Conselho Deliberativo do FioPrev em reunião ordinária ocorrida em 21/12/2015 Sumário

Leia mais

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005

Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Resolução nº 3.305/2005 2/8/2005 RESOLUÇÃO BACEN Nº 3.305, DE 29 DE JULHO DE 2005 DOU 02.08.2005 Altera a Resolução 3.121, de 2003, que estabelece as diretrizes pertinentes à aplicação dos recursos dos

Leia mais

Santos, 30 de setembro de 2009

Santos, 30 de setembro de 2009 Santos, 30 de setembro de 2009 Estas são nossas primeiras impressões, comentário e observações quanto a Resolução 3790/09 que regula as aplicações financeiras dos RPPS: Valorização da elaboração da política

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD 2016 A 2020 PREVIBAYER SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO BD ÍNDICE CAPÍTULO PÁGINA Introdução.... 3 Governança Corporativa.... 3 Diretrizes

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012

Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 Acompanhamento da Política de Investimentos Nucleos 4º Trimestre de 2012 1 - Introdução e Organização do Relatório O relatório de acompanhamento da política de investimentos tem por objetivo verificar

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PREVICOKE SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVOS E CARACTERÍSTICAS DO PGA... 3 2.1 Empresas Patrocinadoras...

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA)

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA (PGA) 1/10 TÍTULO CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO ELABORADOR APROVAÇÃO Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa (PGA) Documento Executivo Resolução CMN nº 3792/2009 Estabelece as

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ POLÍTICA DE INVESTIMENTOS EXERCÍCIO DE 2013 REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO VOLTA REDONDA/RJ CONSELHO GESTOR FUNDO DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS

Leia mais

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014

Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política Anual de Investimentos Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de Pelotas PREVPEL (RPPS) Exercício 2014 Política de Investimentos do RPPS do Município de Pelotas / RS aprovada

Leia mais

Política de Investimentos 2016 a 2020

Política de Investimentos 2016 a 2020 Política de Investimentos 2016 a 2020 Plano Fundamental ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 Empresas Patrocinadoras 3 2. POLÍTICA DE TERCEIRIZAÇÃO DE GESTÃO E CUSTÓDIA 4 i. Seleção de Gestores 4 3. PLANO DE BENEFÍCIOS

Leia mais

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA

FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA POLÍTICA DE INVESTIMENTO FUMPRESC FUNDO MULTIPATROCINADO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR SANTA CATARINA Vigência: 01/01/2008 a 31/12/2012 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETIVOS DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO...3 2 CRITÉRIOS

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 58

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 58 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 58 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA

Política de Investimentos Plano de Gestão Administrativa - PGA Plano de Gestão Administrativa - PGA 1/17 Introdução Este documento formaliza os objetivos e restrições de investimento da gestão dos recursos, especificamente do Plano de Gestão Administrativa - PGA,

Leia mais

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz

RaizPrev Entidade de Previdência Privada. Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz RaizPrev Entidade de Previdência Privada Política de Investimentos Plano de Benefícios Raiz 2012 2 1 Introdução A RaizPrev Entidade de Previdência Privada por meio desta confirma a política de investimentos

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS - FPSMDI POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Aprovada

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Página 1 de 9 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde para aceitação como garantidores e altera

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS SÃO RAFAEL SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS SÃO RAFAEL SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 SÃO RAFAEL SOCIEDADE DE PREVIDÊNCIA PRIVADA 1 1 Dos objetivos de Rentabilidade Obter no longo prazo rendimentos iguais ou superiores à média do mercado nos segmentos de renda

Leia mais

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA

PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA PLANO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - PGA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2015-2019 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O PLANO... 3 3. ÍNDICE DE REFERÊNCIA... 4 4. METAS DE RENTABILIDADE... 4 5. PRINCÍPIOS DE

Leia mais

Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú

Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú Itaú Fundo Multipatrocinado - IFM Plano CD Itaú POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2012 a 2016 Resolução CMN nº 3.792/09 Introdução Este documento consolida as diretrizes estabelecidas para a gestão dos recursos

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais