Comparação da Capacidade de Selamento de Quatro Técnicas de Obturação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comparação da Capacidade de Selamento de Quatro Técnicas de Obturação"

Transcrição

1 Comparação da Capacidade de Selamento de Quatro Técnicas de Obturação HenryAnthony Greene, DDS, Marston Wong, DDS, MS, Timothy A. Ingram 111, DDS, MS. Comparison of the Sealing Ability offour Obturation Techniques. Journal of Endodontics, v. 16, n. 9, Setembro (1.ART). RESUMO Este estudo comparou o selamento apical produzido por quatro tgcnicas de obturação. sistema Canal,Finder foi comparado com a técnica de condensado lateral, com o sistema Ultrafil e com as técnicas de guta-percha aquecida. Quarenta e dois denies anteriores de raiz única foram trabalhados. Dez dentes não eram obturados e serviram como controles negativo e positivo. selamento apical foi testado quanto a infiltração com tintura de azul de metileno a, 25% Os dentes foram seccionados horizontalmente e a penetração da tintura foi determinada com o medidor boley. Os resultados obtidos não revelaram diferença significative entre as quatro técnicas de obturação. INTRODUÇÃO O objetivo final da endodontia é a completa obturação do sistema de canal radicular. Os estudos 1,2 revelaram que a maior causa de insucesso na endodontia é o fechamento imcompleto do espaço do canal. Tem sido determinado que aproximadamente 6% do insucesso é devido à obturação inadequada do sistema de canal radicular 2. Muitas técnicas de obturação por guta-percha tem sido usadas para fechar o sistema de canal radicular. No momento, a condensação lateral de guta-percha e uma variedade de técnicas de obturação com guta-percha termo plasticizada são as técnicas restauradoras mais comumente usadas. Schilder 3,4 popularizou a obturação do canal radicular via método guta-percha aquecida. Yee et al. 5 introduziram o concerto de obturação moldada por injeção de guta-percha termo plasticizada. Baseado nesse conceito, a Hygienic Corp. desenvolveu um sistema de aplicação de guta-percha termo plasticizada, moldada por injeção, à baixa temperatura (Ultrafil). Entre outros novos sistemas para obturação do canal radicular esta o sistema Canal Finder (Endo Technic Corp., Tustin, Ca). Com essa técnica, além de ser possível Iimpar e dar forma ao canal, o clinico pode também usá-lo para facilitar a obturação. Goldman et al. 6 concluiram que o sistema Canal Finder mantinha a configuração original do canal com mais fidelidade do que com instrumentação manual. Durante a obturação do canal, o sistema Canal Finder usa um ponto principal e pontos acessórios, mas a disposição deles é facifitada por um instrumento manual motorizado, contendo um calcador de haste longa. instrumento é ligado e operado por sete a dez segundos a 6-7 rpm. movimento básico do instrumento é uma vibração para cima e para baixo longitudinalmente. De acordo com o fabricante, a ficção criada pelo calcador e pela pasta especial seladora de canal de uma parte, aumenta o fluxo de guta-percha no terço apical e nos canais laterais. Vários investigadores tem avaliado o selamento apical obtido por essas diversas técnicas de obturação por guta-percha. Benner et al. 7 não encontraram diferença significative em selamentos apicais produzidos pela condensação lateral, termomecânica ou pelas técnicas de McSpadden. ElDeebetal. 8 avaliaram a infiltração apical obtida com as mesmas três técnicas e encontraram, através de medidas lineares e volumétricas, menor infiltração de tintura para a técnica de guta-percha aquecida. Recentemente, LaCombe et al. 9 compararam o selamento apical nas técnicas de condensação lateral, e com guta-percha termo plasticizada e moldada por injeção à baixa (Ultrafil) e alta temperatura (sistema DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 1

2 Obtura). Os resultados revelaram que a técnica de condensação lateral por guta-percha produziu significativamente menor infiltração linear que aquelas com guta-percha tennoplasticizada A baixa ou alta temperaturas. Entretanto, os resultados espectrofotométricos não revelaram a diferença quanto à infiltração apical entre os três grupos. Até o presente momento, não há informação a respeito da qualidade do selamento apical produzido pelo sistema Canal Finder. objetivo desse estudo foi comparar a capacidade de selamento de quatro técnicas diferentes de obturação. sistema Canal Finder foi comparado com o de condensação lateral por guta-percha, o sistema Ultrafil e a técnica de guta-percha aquecida e seccionada. Embora o Canal Finder tenha a capacidade de limpar e dar forma ao canal radicular, o presente estudo somente avaliou a capacidade de obturação do sistema. MATERIAIS E MÉTODOS Quarenta e dois antero-superiores e antero-inferiores humanos extraidos, com ápices completamente formados, foram utilizados neste estudo. Desses dentes, dez, servindo como controles, não foram obturados. Os mesmos foram divididos em seis grupos para a avaliação do selamento apical. Cada grupo teve uma mistura de dentes anteriores superiores e inferiores. Todos os quarenta e dois estavam livres de fraturas, sem cáries e reabsorção interna conforme revelado por radiografias, contendo canais retos, de boa qualidade, grandes e pequenos. Cada dente foi numerado e designado a um dos seguintes grupos experimentais: o Grupo 1 formado por oito dentes obturados usando condensação lateral por guta-percha e selador graduado tipo Roth 81 Elite Fig. 1 - Espécime obturado pela técnica de condensação lateral. Observe a falha à esquerda e penetração de tintura na dentina e na periferia da guta-percha ao nível de 6mm (arnpliação do original x 2). Fig. 2 - Espécime obturado pelo sistema UItrafil. Note os selantes ilhados (manchas claras e as pequenas falhas (manchas escuras) na guta-percha. Esta região ao nível de 5mm demonstra penetração de tintura na dentina e ao redor periférico da guta-percha (ampliação do original x 17). DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 2

3 (Roth Drug Co., Chicago, IL). O Grupo 2 formado de oito dentes obturados usando o sistema Ultrafil (Hygenic Corp., Akron, OH) e selador Roth. O Grupo 3 fonnado por oito dentes obturados usando o sistema Canal Finder e pasta seladora de canal Endo Technic. Grupo 4, por oito dentes obturados usando a técnica de guta-percha aquecida e seccionada e o selador Roth. Grupo 5 era composto por cinco dentes como controle positivo em canais não restaurados e ápices abertos. grupo 6, como controle negativo, era composto por cinco dentes com canais não restaurados e àpices fechados com Dycal (D. L. Caulk Division, Dentsply Intemational Inc., Milford, DE) e esmalte de unhas. Os dentes experimentais foram imersos em uma solução de hipoclorito de sódio a 5,25% por uma hora, para remover o tecido aderente e fragmentos orgânicos. Em seguida, foram raspados com uma lâmina Bard Parker, enxaguados e mantidos em água destilada. O acesso lingual foi completado por uma broca de fissura reta e brocas Gates Glidden. O comprimento de trabalho foi detenninado por radiografias para estarem a 1, mm aproximadamente do àpice radiografado. Limas Kerr (Sybron/Kerr, Romulus, MI) foram usadas em tamanhos progressivos até que na preparação apical variassem de números 3 A 55 dependendo do tamanho do dente. Os canais foram então alargados conicamente com as limas Keer em forma recuada. O preparo do canal variou entre os números 45 à 8. Durante a instrunentação, os canais foram irrigados com hipoclorito de sódio a 5,25%, o qual também foi usado entre as limas. Após a instrumentação, os canais foram irrgados com hipoclorito de sódio a 5,25%, secados com pontas de papel absorvente e guardados em uma solurdo úmida até a obturação. Fig. 3 - Espécine obturado pelo Sistema Canal Finder.Observe a quantidade de selante e a falta de guta-percha adequadamente condensada, esta região ao nível de 2,8mm demonstra penetração de tintura 36 ao redor do selante e quase total penetração na dentina (ampliação do original x 16). Fig. 4 - Espécime obturado pela técnica de guta-percha e pequenas ilhas de selantes na periferia da porção inferior ao nível de 9.8mm (ainpliação do original x IO). DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 3

4 Os canais do Grupo I foram obturados usando a técnica de condensação lateral. Antes da obturação, cada canal foi irrigado com ácool isopropilitico e secados com pontas de paper absorvente. Um cone principal de guta-percha (Sybrom/ Kerr) foi então ajustado com um arranco no comprimento de trabalho.uma fina camada de selador foi colocada, usando uma lima Keer um número menor que a lima apical principal. A lima foi colocada no comprimento de trabalho e, então, movimentada para dentro e para fora ao longo das paredes do canal. Em seguida à colocação do cone principal, foi realizada a condensação lateral com guta-percha com a colocação de um condensador MA57 (Premier Dental Products Co., Norristown, PA) aproximadamente 2, mm do comprimento de trabalho para o cone inicial acessório. O Grupo 2 foi obturado usando a técnica Ultrafil (Hygenic Corp. Ultrafil Technique Manual). A técnica consiste de uma seringa de injeção adaptada com agulhas calibre 22 (equivalente a uma lima número 7), cânulas de guta-percha c um aquecedor portátil de 12 V, a uma temperatura pré-estabelecida de 9ºC. Os canais foram irrigados, secos c revestidos com um selador Roth, confonne descrito anteriormente, para a técnica de condensação lateral. A seringa de injeção de baixa temperatura, com agulha acoplada, foi aquecida por 15 minutos, o que pennitiu a guta-percha fluir a 7ºC. A agulha foi inserida 6-8 mm anteriormente a partir do comprimento de trabalho dos canais e a guta-percha foi injetada até apoiar-se na câmara pulpar. O grupo 3 foi obturado com guta-percha usando o sistema Canal Finder (Endo Technic Corp. Instruction Manual). Os componentes de obturação para esse sistema consistem de inserção no contra-ângulo do Canal Finder, para o instrumento manual de baixa velocidade, calcador suave para condensação vertical número 3 e pasta Endo Technic seladora de uma parte. Os canais foram irrigados e secos como previamente descrito.o cone principal foi ajustado ao arranco, revestido com a pasta seladora e, então, assentado completamente no canal. Em seguida, o calcador suave de número 3, acoplado ao contra ângulo, foi inserido adjacente ao cone principal 2-3 mm próximo do comprimento de trabalho. O motor do instrumento manual (Shorty Low Speed Handpiece; Midwest American/Dental Division of American Hospital Supply Corp.; Des Plaines, IL) foi então acionado e operado por 7-1 minutos a aproximadamente 6 rpm. O instrumento manual usado possui um motor à ar, de duas velocidades, com máximo de 6 rpm nos limites de baixa velocidade e 3 rpm nos limites de alta velocidade. A obturação foi efetuada à velocidade máxima nos limites de baixa velocidade. Após a retirada do calcador, um cone acessório, recoberto com uma fina camada de selador, foi inserido no canal. Este procedimento foi repetido usando o calcador suave número 3 até que o canal fosse completamente obturado. O grupo 4 foi obturado usando a técnica de gutapercha aquecida e seccionada 1. Novamente, os canais foram irrigados e secos como descrito anteriormente. Um calcador com cursor de borracha foi selecionado Tabela 1 - Penetração de tintura em cada dente e penetração média do grupo em milhões. Grupo Material Dente Condensação Lateral Ultrafil Canal Finder Guta-percha seccionada Controle Positivo Controle Negativo Média DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 4

5 Tabela 2 - Análise de variância da penetração de tintura como sistema Canal Finder em comparação com as técnicas de condensação lateral, Ultrafil e Guta-percha seccionada. Fonte SS df MS F* Coluna Residual Total * F.95 3,28 = 2.95; F computed :.35 < accept H (p <.5) para ajustar em 3mm próximo do comprimento de trabalho sem aderir. Então, o cone principal foi ajustado com um arranco no comprimento de trabalho e seccionado em partes de 3-4 mm.o selador do tipo Roth 81 Elite foi colocado no canal conforme descrito previamente para condensação lateral. O calcador foi aquecido e 3mm da secção da guta-percha foi aderida à extremidade. Esta guta-percha foi levemente plastificada na lamparina antes de inseri-la cuidadosamente no canal, até o comprimento de trabalho. calcador foi removido após rotação em ambas as direções. Esse procedimento foi repetido usando secções seqüenciais adicionais do cone principal até que a obturação do canal atingisse o nivel da câmara pulpar. Ao se obturar os canais coronalmente, sucessivos calcadores de diâmetros maiores foram usados para condensar a guta-percha. Após a obturação dos Grupos 1 a 4 foram tiradas radiografias das faces bucal e mesial de cada dente para avaliar a qualidade de condensação da guta-percha. Os dentes que mostraram evidências radiogrilficas de obturações questionáveis foram refeitos. As aberturas de acesso foram, então, seladas com verniz copal (Plastodent Inc., Bronx, NY) e amálgama Tytin (Sybrom/Kerr). Esses dentes foram guardados em solução úmida, por uma semana, para permitir a fixação do selador 11. Os canais dos dentes do Grupos 5 e 6 não foram obturados. Esses dentes foram mantidos no mesmo ambiente úmido dos Grupos 1 à 4 após terem sido vedadas as aberturas de acesso com verniz copal e amágáma em ambos os Grupos. Os controles positivos (Grupo 5) foram preenchidos com água 12 antes que as aberturas de acesso fossem seladas com verniz copal e amálgama. Uma lima Keer número 2 ou 4 (dependendo do tamanho do canal) foi inserida através do ápice para prevenir infiltração de água até que os dentes estivessem prontos para a submerção em tintura de azul de metileno. Após uma semana os dentes foram removidos da solução úmida. Aproximadamente 1, mm do terço apical das raizes dos grupos 1á 4 foi gradualmente removido com uma broca de fissura reta até o aparecimento da Penetração de Corante (mm) Condensação Lateral Ultrafil Canal Finder Seccional Guta-Percha Obturação Material Fig. 5 - Alcance da penetração de tintura para os quatro grupos. Cada grupo contém oito dentes. Fig. 6 - Espécime obturado pelo Sistema Canal Finder. Note a ausência de selante na periferia do canal (falhas) e condensação insuficiente ao nivel de 2,2 mm (ampliação do original x 2 1). DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 5

6 Fig. 7 - Espécime obturadopelo sistema Canal Finder. Note a grande quantidade de selante e a falta de boa condensação ao nível de 9,2 mm (ampliação do original x 15). cor rósea da guta-percha. A1ém disso, foi cortado 1, mm do terço apical dos dentes dos Grupos 5 (controle positivo) e 6 (controles negativos). Os ápices dos dentes dos Grupos 1 à 4 e 6 foram cobertos com uma camada de Dycal. Isso foi feito para facilitar a exposição da guta-percha quando da posterior remoção da cera e do esmalte de unhas do ápice das raizes. Os materiais e métodos apartir desse ponto são similares àqueles de Spradling e Senia 12. Foi amarrado fio dental encerado em volta das coroas, após o que os dentes foram recobertos com duas camadas de esmalte de unhas, permitindo a secagem de cada camada entre aplicações. Cada dente experimental foi imerso duas vezes em cera derretida (prato de cera com base flexivel; Dentsply, New York, NY). A primeira camada estava endurecida antes que a segunda fosse aplicada. As limas Keer, inseridas através dos ápices do grupo de controle positivo, foram removidas deixando o canal desobstruido. Os controles negativos foram deixados intactos. Os dentes experimentais foram suspensos por fio dental em um tubo de ensaio fechado contendo tintura de azul de metileno a,25%, por 7 dias, a 37ºC. Após a remoção da tintura, os dentes foram enxaguados por 5 minutos em água de tomeira. Então, foram resfriados em um refrigerador por 3 minutos. O esmalte de unhas e a cera foram removidos dos dentes com escarificadores. Em seguida, os dentes foram mantidos à temperatura ambiente em solução úmida até serem seccionados. Todo o seccionamento e medição foram feitos pelo mesmo investigador. Cada dente foi codificado de modo que o avaliador não pudesse identificar a técnica de obturação usada. Foi aberta uma fenda na borda incisal de cada dente experimental para acomodar o medidor Boley durante as medições. Cada dente foi seguro manualmente com o ápice voltado para cima. Os dentes foram seccionados perpendicularmente aos seus longos eixos com uma broca número 57 (Midwest American, Des Plaines, IL) em um instrumento manual de alta velocidade, enquanto observados através de uma ampliação de X2 e X4 sob uma lupa Parlinda 2X-4X (United Kingdom Design, Hong Kong). O medidor Boley foi usado para medir cada dente, desde a abertura incisal até a extremidade da raiz, antes da raspagem. Em seguida, foi feita outra medição determinando a penetração da tintura. Cada medição inicial e final foi tomada tres vezes e a média entre elas foi usada. A medição inicial menos a segunda forneceu os milímetros de penetração da tintura.o término da penetração da tintura foi definido como o ponto onde ela não penetrou mais a guta-percha, sua interface com a parede dentinária ou os túbulos dentinários. Após a coleta dos dados, os dentes codificados foram identificados. Os grupos foram comparados usando análise de uma via de variância (ANOVA). RESULTADOS Os controles positivos (Grupo 5) mostraram uma penetração de tintura nos canais e nos túbulos dentinários. Em 3 dos dentes, a penetração da tintura ultrapassou a junção cemento esmalte nas coroas. A penetração da tintura nos outros dois dentes cobriu aproximadamente 3/4 do comprimento dos canais. Os controles negativos (Grupo 6) não revelaram penetração de tintura. Nos grupos experimentais, a obturação por guta-percha com o sistema Canal Finder (Grupo DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 6

7 3) revelou a menor penetração de tintura, enquanto a técnica de guta-percha aquecida e seccionada (Grupo 4) revelou a maior de todas. A obturação com o sistema Ultrafil (Grupo 2) e a técnica de condensação lateral (Grupo 1) tiveram a segunda e terceira médias mais altos de penetração de tintura, respectivamente. Fotografias representativas de cada grupo experimental são mostradas nas Figuras 1 à 4. Os resultados iniciais e a média de cada grupo experimental estão listados na Tabela 1, o limite de cada grupo está traçado na figura 5 e análise de variância é mostrada na Tabela 2.Foi usada a análise de variância para determinar a manifestação da penetração de tintura onde p<,5. Os resultados da análise de variância revelam que não houveram diferenças significativas entre as médias dos grupos. DISCUSSÃO Os ápices dos dentes experimentais foram cortados ao nível onde a guta-percha começou a aparecer para assegurar a medição direta do selamento por gutapercha, para eliminar, também, variáveis na anatomia apical e para eliminar a presença de tampões de dentina apical. Harrison e Todd 11 mostraram que a resecção de 3-4 mm da porção apical da raiz com uma broca em um instnunento manual em alta velocidade, não afeta adversamente o selamento de uma obturação de canal radicular por guta-percha adequadamente condensada. Embora muitos estudos de infiltração 9,12-14 permitissem penetração da tintura através da manutenção de um forame apical deso-bstruído, no presente estudo, a penetração de tintura mediu diretamente o selamento por guta-percha a partir da remoção do forame apical. Quanto à penetração média de tintura, os resultados deste estudo mostram semelhanças e diferenças com outros estudos de tintura. Uma explicação para as diferenras aparentes pode estar no tamanho do instrumento usado para manter o forame apical aberto. Parece haver uma tendência ao fato de que quanto maior a lima usada para manter a desobstrução, maior a infiltração linear. LaCombe et al. 9 usaram uma lima número 1 para manter a desobstrução do forame e obtiveram um valor médio de infiltração por condensação lateral de,5 mm. ElDeeb 13 usou uma lima de número 15 para manter a desobstrução do forame e teve uma infiltração média por condensação lateral de 4,45 mm. Matloff et al. 14 usaram uma lima de número 2 para desobstrução do do forame e observaram uma infiltração média por condensação lateral de 6,8; 7,8 e 8,2 mm. Spradling e Senia 12 trabalharam os dentes com pelo menos uma lima número 35 no forame apical e obtiveram uma infiltração média de tintura por condensação lateral de 1,37 mm. A partir de nossas observações no presente estudo, a quantidade visível de guta-percha seria provavelmente equivalente ao diâmetro da ponta de uma lima número A infiltração média de tintura para este estudo foi de 7,6 mm para a condensação lateral. A tintura de azul de metileno a,25% não teve o seu ph ajustado para 7. Seu ph de 4,7 ±,5, embora levemente ácido, poderia ter um efeito dissolvente na porção inorgânica dos tecidos, alterando, assim, a quantidade de infiltração 15. Isso pode explicar em parte, os altos registros de infiltração observados quando comparados com outros estudos, se esses estudos tivessem usado soluções de tintura de ph ajustado. Embora não tenha sido encontrado diferenças significativas entre as técnicas, a obturação com o sistema Canal Finder mostrou a menor média de penetração por infiltração quando comparada com os outros grupos experimentais. Surpreendentemente a amostra com menor infiltração (3,3 mm) nesse grupo, tinha pouco selador, mas foram observados múltiplos cones distintos de guta-percha (Figura 6). Entretanto, na maioria das vezes, uma observação comum nesse grupo foi a grande quantidade de selador encontrada e a falta de guta-percha adequadamente condensada (Figura 7). Peters 16 tem demonstrado que técnicas de obturação com grandes quantidades de selador desaparecerão facilmente ao longo do tempo. é possível que o mínimo de 6 rpm não tenha sido atingido durante a obturação e, como resultado, foram vistos múltiplos cones distintos de guta-percha. Experiências em blocos plásticos sem selador, revelaram que o componente friccional do Canal Finder parece não ser suficientemente intenso para amolecer a guta-percha, em qualquer intensidade durante a obturação. Aparentemente, o efeito amolecedor do óleo de eucalipto no selador, e o bombeamento do condensador por 7 à 1 segundos, fornecem a condensação necessária para a obturação pelo sistema Canal Finder. Isso ainda ndo é suficiente para produzir uma massa homogênea de guta-percha. Os resultados do presente estudo comprovam os resultados espectrofotométricos de LaCombe et al. 9, assim como os de Michanowicz e Czonstkowsky 17,18, DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 7

8 nos quais o sistema Ultrafil compara-se favoravelmente com a técnica de condensação lateral. Eles também reforçam os resultados de Benner et al. 7 que não encontraram diferença significativa em selamentos apicais obturados pela condensação lateral ou técnica de condensação aquecida vertical (tenno-mecânica). CONCLUSÕES Nas condições deste estudo, não foram observadas diferenças significativas de infiltração apical entre as técnicas de obturação guta-percha com condensação lateral, guta-percha aquecida, sistema Ultrafil e sistema Canal Finder. REFERÊNCIAS 1. Dow RP, Ingle JI. Istope determination of root canal failure. Oral Surg 1955;8: Ingle JI, Beveridge EE. Endodontics. 2nd ed. Philadelphia: Lea & Febiger, 1976: Shilder H. Filing root canals in three dimensions. Dent Clin North Am 1967;11: Nguyen NT. Obturation of the root canal system. In: Cohen S, Burns Rc, eds. Pathways of the pulp. 4th ed. St. Louis: CV Mosby Co., 1987: Yee FS, Marlin J, Krakow AA, Gron P. Three-dimensional obturation of the root canal using injection-molded, thermoplasticized dental gutta-percha. J Endodon 1977;3: Goldman M, Sakurai E, Kronman J, Tenca JI. An in vitro study of the pathfinding ability a new automated handpiece. J Endodon 1987;13: Bernier MD, Grower M, Bernier WE. Evaluation of a new thermoplastic guttaperch obturation techique using 45C Ca. J Endodon 1981;7: ElDeeb ME, Zucker KJ, Messer H Apical leakage in relation to radiographic dentisty of gutta-percha using diferent obturation techniques. J Endodon 1985;11: LaCombe JS, Campbell AD, Hicks ML, Pelleu GB. A comparison of the apical seal produced by two thermoplasticized injectable Gutta-percha techiniques. J Endodon 1988;14: Fahid A, Taintor JF. Sectional warm gutta-percha technique. Gen Dent 1985;33: Harisson JW. Todd MJ. The effect of root resection on the sealing property of root canal obturations. Oral Surg 198; Sprading PW, Senia SE. The relative sealing ability of paste-type filing materials. J Endodon 1982;8: ElDeeb ME. The sealing ability of injection-molded thermoplaticized guttapercha. J Endodon 1985;11: Matloff IR, Jensen JR, Singer L, Tabibi A. A comparison of methods used in root canal sealability studies. Oral Surg 1982;53: Antoniazzi JH, Mjor IA, Nygaard-Ostby B. Assessment of the sealing properties of root filing materials. Odontol Tidskr 1968:76: Peters DD. Two-year in vitro solubity evaluation of four gutta-percha sealer obturation techniques. J Endodon 1986;12: Michanowicz A. Czonstkwsky M. Sealing properties of an injection-thermoplasticized low-temperature (7ºC) gutta-percha: a preliminary study. J Endondon 1984;1: Czonstkowsky M, Michanowicz A, Vazquez JA. Evaluation of an injection of thermoplasticized low-temperature gutta-percha using radioactive isotopes. J Endodon 1985;11:71-4. DENTAL-PRESS INTERNATIONAL 8

Obturação do Sistema de Canais Radiculares Técnicas e Considerações Grace Thaís Bastianelli, CD.

Obturação do Sistema de Canais Radiculares Técnicas e Considerações Grace Thaís Bastianelli, CD. Obturação do Sistema de Canais Radiculares Técnicas e Considerações Grace Thaís Bastianelli, CD. Ingle ( 1956), Barbakow ( 1980), Swartz (1986) e Nguyen (1994), atribuem a incompleta ou inadequada obturação

Leia mais

Obturação dos Canais Radiculares

Obturação dos Canais Radiculares Obturação dos Canais Radiculares EML Rodrigo Del Monaco 2012 É o preenchimento tridimensional, completo e hermético do canal tanto no seu comprimento quanto na sua largura. FINALIDADE DA OBTURAÇÃO Preencher

Leia mais

AGULHA AZUL (NAVITIP 30ga, 25mm) E AGULHA AMARELA (ENDO- EZE 27ga): o 03 UNIDADES DE CADA o marca Ultradent (encontrado na Dental Perboni)

AGULHA AZUL (NAVITIP 30ga, 25mm) E AGULHA AMARELA (ENDO- EZE 27ga): o 03 UNIDADES DE CADA o marca Ultradent (encontrado na Dental Perboni) INSTRUMENTAL E MATERIAL NECESSÁRIOS O material solicitado deve ser organizado em caixas metálicas (perfuradas) e caixas plásticas conforme descrito abaixo: Caixa número 1 Instrumental clínico Caixa metálica

Leia mais

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza

Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Caso Clínico Clínica Integrada IV Necropulpectomia Gislaine Adams Sabrine Louise Souza Universidade Positivo 5º período Anamnese Paciente M.M. Sexo feminino 21 anos Fumante Procurou o serviço de emergência

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Estudo Comparativo Do Selamento Apical

Estudo Comparativo Do Selamento Apical 1 Estudo Comparativo Do Selamento Apical de Obturações com Guta- Percha variando as Concentrações do Hipoclorito de Sódio, Associado ao Edta. Arlindo Di Spagna Souza* Paulo Francisco Schmitt** * Cirurgião-Dentista

Leia mais

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOÉBRAS

INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOÉBRAS 1 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOÉBRAS TÉCNICAS TERMOPLÁSTICAS PARA OBTURAÇÃO DE CANAIS RADICULARES KARINE CERDEIRA DIAS POÇOS DE CALDAS - MG 2015 2 INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FUNORTE/SOÉBRAS

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst TÉCNICA DIRETA. 1. Radiografia inicial para determinação da possibilidade de confecção de pino/núcleo. 2. O dente

Leia mais

ANA PAULA SANSÃO KAREN KNEBEL AVALIAÇÃO DE UM TAMPÃO DE CIMENTO TEMPORÁRIO NA INFILTRAÇÃO MARGINAL CORONÁRIA, EM CANAIS RADICULARES OBTURADOS in vitro

ANA PAULA SANSÃO KAREN KNEBEL AVALIAÇÃO DE UM TAMPÃO DE CIMENTO TEMPORÁRIO NA INFILTRAÇÃO MARGINAL CORONÁRIA, EM CANAIS RADICULARES OBTURADOS in vitro UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA ANA PAULA SANSÃO KAREN KNEBEL AVALIAÇÃO DE UM TAMPÃO DE CIMENTO TEMPORÁRIO NA INFILTRAÇÃO MARGINAL CORONÁRIA, EM CANAIS RADICULARES

Leia mais

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO RETRATAMENTO ENDODÔNTICO Profa. Flávia Sens Fagundes Tomazinho Prof. Flares Baratto Filho Atualmente o índice de sucesso dos tratamentos endodônticos é muito alto, devido às evoluções que as técnicas e

Leia mais

MANUAL DE ENDODONTIA PRÉ-CLÍNICA FOA - ARAÇATUBA DISCIPLINA DE ENDODONTIA

MANUAL DE ENDODONTIA PRÉ-CLÍNICA FOA - ARAÇATUBA DISCIPLINA DE ENDODONTIA MANUAL DE ENDODONTIA PRÉ-CLÍNICA FOA - ARAÇATUBA DISCIPLINA DE ENDODONTIA JOÃO EDUARDO GOMES FILHO LUCIANO TAVARES ANGELO CINTRA ELOI DEZAN JUNIOR 2014 FICHA DE LABORATÓRIO DA DISCIPLINA DE ENDODONTIA

Leia mais

Aspectos de interesse à endodontia

Aspectos de interesse à endodontia SISTEMA DE CANAIS RADICULARES Anatomia das cavidades pulpares Aspectos de interesse à endodontia CAVIDADE PULPAR CAVIDADE PULPAR CAVIDADE ANATÔMICA CONTIDA NO INTERIOR DO DENTE, CIRCUNDADA POR DENTINA,

Leia mais

Técnicas de obturação endodônticas TÉCNICAS DE OBTURAÇÃO ENDODÔNTICAS

Técnicas de obturação endodônticas TÉCNICAS DE OBTURAÇÃO ENDODÔNTICAS TÉCNICAS DE OBTURAÇÃO ENDODÔNTICAS Obturation techniques endodontic Helem CHEMIM 1 helemodontologia@hotmail.com Wânia Christina Figueiredo DANTAS 2 w.dantas@hotmail.com Marcus Vinicius CREPALDI 3 marcuscrepaldi@yahoo.com.br

Leia mais

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos.

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos. da resistência ao cisalhamento destes materiais, com e sem condicionamento ácido do esmalte, após 48 horas e 10 dias; verificação da influência do período dos ensaios mecânicos sobre a resistência ao cisalhamento;

Leia mais

MANUAL DE LABORATÓRIO

MANUAL DE LABORATÓRIO DISCIPLINA DE ENDODONTIA Professoras Patrícia Ruiz Spyere e Maria de Lourdes Vieira Frujeri MANUAL DE LABORATÓRIO Acadêmico: Matrícula: FOTO 3X4 Caros alunos, É chegado o momento de sedimentarmos o conteúdo

Leia mais

RESUMO O objetivo do presente trabalho foi avaliar através de análise radiográfica e microscópica, a eficiência da técnica de obturação pela compressão hidráulica vertical, após instrumentação com limas

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MATERIAL IMPERMEABILIZANTE RADICULAR NA INFILTRAÇÃO MARGINAL COM AZUL DE METILENO

INFLUÊNCIA DO MATERIAL IMPERMEABILIZANTE RADICULAR NA INFILTRAÇÃO MARGINAL COM AZUL DE METILENO INFLUÊNCIA DO MATERIAL IMPERMEABILIZANTE RADICULAR NA INFILTRAÇÃO MARGINAL COM AZUL DE METILENO THE INFLUENCE OF THE RADICULAR IMPERMEABLE MATERIAL IN THE MICROLEAKAGE OF THE BLUE METHYLENE João Eduardo

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA

INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Aplicação do t Manual INSTRUMENTAL E INSTRUMENTAÇÃO EM PERIODONTIA Classificação Geral Identificação dos instrumentos t SONDAS PERIODONTAIS EXPLORADORES CURETAS ENXADAS FOICES LIMAS Instrumentos Exploradores

Leia mais

PREPARO DO CANAL. - Indicação. 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K. - Pulpectomias e Desobturações. Flexofile ou Flex-R.

PREPARO DO CANAL. - Indicação. 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K. - Pulpectomias e Desobturações. Flexofile ou Flex-R. PREPARO DO CANAL 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K - Pulpectomias e Desobturações Flexofile ou Flex-R (FIG.1) (FIG.5) (FIG.2) - núcleo quadrangular (FIG.2) - pouco flexível - bom corte

Leia mais

Historicamente, os pinos de fibras

Historicamente, os pinos de fibras 24 Maio 2010 Pinos de fibras: técnicas de preparo e cimentação Este artigo discute as técnicas com a finalidade de estabelecer um protocolo mais seguro para o preparo e cimentação dos pinos de fibras e

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS

ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS ME-25 MÉTODOS DE ENSAIO ENSAIO DE PENETRAÇÃO DE MATERIAIS BETUMINOSOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. E NORMAS COMPLEMENTARES... 3 4. DEFINIÇÃO... 3

Leia mais

ANATOMIA DO PERIODONTO

ANATOMIA DO PERIODONTO INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA ANATOMIA DO PERIODONTO Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com 2012 PERIODONTO DE SUSTENTAÇÃO Ligamento

Leia mais

JULIANA NICOLAU MARIELE GRIJÓ MELLER INFILTRAÇÃO CERVICOAPICAL EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE: INFLUÊNCIA DE UM PLUGUE DE

JULIANA NICOLAU MARIELE GRIJÓ MELLER INFILTRAÇÃO CERVICOAPICAL EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE: INFLUÊNCIA DE UM PLUGUE DE 1 JULIANA NICOLAU MARIELE GRIJÓ MELLER INFILTRAÇÃO CERVICOAPICAL EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE: INFLUÊNCIA DE UM PLUGUE DE CIMENTO TEMPORÁRIO ESTUDO MICROBIOLÓGICO Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E ASSUNTOS JURIDICOS DEPARTAMENTO DE COMPRAS REGISTRO DE PREÇOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E ASSUNTOS JURIDICOS DEPARTAMENTO DE COMPRAS REGISTRO DE PREÇOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO E ASSUNTOS JURIDICOS DEPARTAMENTO DE COMPRAS REGISTRO DE PREÇOS Ata: 338 Pregão: 113 Proc.: 195 Data do Pregão: 12/06/15 Validade

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

FRANCINE ALLAGE LUANA PALOMA DE MELO INFILTRAÇÃO CERVICOAPICAL EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE - INFLUÊNCIA DE UM PLUGUE DE CIMENTO

FRANCINE ALLAGE LUANA PALOMA DE MELO INFILTRAÇÃO CERVICOAPICAL EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE - INFLUÊNCIA DE UM PLUGUE DE CIMENTO 1 FRANCINE ALLAGE LUANA PALOMA DE MELO INFILTRAÇÃO CERVICOAPICAL EM DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE - INFLUÊNCIA DE UM PLUGUE DE CIMENTO PROVISÓRIO-ESTUDO MICROBIOLÓGICO Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

ENDODONTIA I ABERTURA CORONÁRIA

ENDODONTIA I ABERTURA CORONÁRIA ENDODONTIA I ABERTURA CORONÁRIA Preparo da Cavidade Endodôntica Fundamentalmente, o objetivo do tratamento endodôntico consiste em chegar à região apical com os instrumentos e com o material obturador.

Leia mais

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy Escola de Odontologia

Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy Escola de Odontologia Universidade do Grande Rio Prof. José de Souza Herdy Escola de Odontologia Jacqueline Lucieri Graf AVALIAÇÃO POR MEIO DE DENTES TRANSPARENTES DO SELAMENTO APICAL PROMOVIDO POR TRÊS TÉCNICAS DE OBTURAÇÃO

Leia mais

CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito

CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE TRANSFERÊNCIA 2 o semestre letivo de 2009 e 1 o semestre letivo de 2010 CURSO de ODONTOLOGIA - Gabarito INSTRUÇÕES AO CANDIDATO? Verifique se este caderno contém : PROVA

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

ODONTOMETRIA. CDC- cemento dentina canal. Referências Radiográficas

ODONTOMETRIA. CDC- cemento dentina canal. Referências Radiográficas ODONTOMETRIA Objetivos: Conhecer a técnica odontometrica e os fatores que justificam sua execução. Saber determinar o limite apic de trabho nas diferentes situações anatomopatológicas Determinar a técnica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA REGIONAL VOLTA REDONDA. Comparativo entre canais obturados e. extravasados contra canais obturados pela

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA REGIONAL VOLTA REDONDA. Comparativo entre canais obturados e. extravasados contra canais obturados pela ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ODONTOLOGIA REGIONAL VOLTA REDONDA Comparativo entre canais obturados e extravasados contra canais obturados pela Técnica Convencional LUCIANA BRAGA DE AGUIAR Monografia apresentada

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO

ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO ME-37 MÉTODOS DE ENSAIO MOLDAGEM E CURA DE CORPOS-DE-PROVA CILÍNDRICOS OU PRISMÁTICOS DE CONRETO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Estudo comparativo do selamento apical de diferentes cones de guta-percha. Comparative study of apical sealing of different gutta-percha points

Estudo comparativo do selamento apical de diferentes cones de guta-percha. Comparative study of apical sealing of different gutta-percha points Comparative study of apical sealing of different gutta-percha points Carlos Menezes AGUIAR Professor Doutor Adjunto do Departamento de Prótese e Cirurgia Buco-Facial da Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria.

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria. coroná www.endodontia.com.br abertura coroná princípios pios e técnica t simplificada Coroná Requisitos Principais Coroná Requisitos Principais Ponto de eleição inicial pré- determinado Remoção do tecido

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST )

ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST ) ME-52 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DA CONSISTÊNCIA DO CONCRETO PELO ABATIMENTO DO TRONCO DE CONE ( SLUMP-TEST ) DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO...3 3. S E

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

Guia Rápido de Utilização do Localizador Foraminal Eletrônico Romiapex D-30

Guia Rápido de Utilização do Localizador Foraminal Eletrônico Romiapex D-30 Guia Rápido de Utilização do Localizador Foraminal Eletrônico Romiapex D-30 Figura 1. Aparelho Localizador Foraminal Eletrônico Romiapex D-30 (Romidan/Romibrás). O Romiapex D-30 (Figura 1) apresenta uma

Leia mais

ROTEIRO PARA ATENDIMENTO CLÍNICO PROCEDIMENTOS CLÍNICOS

ROTEIRO PARA ATENDIMENTO CLÍNICO PROCEDIMENTOS CLÍNICOS CURSO DE ODONTOLOGIA DISCIPLINA DE ENDODONTIA Prof. Dr. Érico de Mello Lemos ROTEIRO PARA ATENDIMENTO CLÍNICO PROCEDIMENTOS CLÍNICOS A. Elaboração do diagnóstico anamnese exame físico exames complementares

Leia mais

Capítulo 5 Técnicas de odontometria

Capítulo 5 Técnicas de odontometria Capítulo 5 Técnicas de odontometria O analfabeto do século 21 não será aquele que não consegue ler ou escrever, mas aquele que não puder aprender, desaprender e, no fim, aprender de novo. Alvin Toffler

Leia mais

AVALIAÇÃO IN VITRO DA INFILTRAÇÃO APICAL DE CANAIS RADICULARES OBTURADOS COM CONES DE GUTA PERCHA DE DIFERENTES CONICIDADES

AVALIAÇÃO IN VITRO DA INFILTRAÇÃO APICAL DE CANAIS RADICULARES OBTURADOS COM CONES DE GUTA PERCHA DE DIFERENTES CONICIDADES AVALIAÇÃO IN VITRO DA INFILTRAÇÃO APICAL DE CANAIS RADICULARES OBTURADOS COM CONES DE GUTA PERCHA DE DIFERENTES CONICIDADES Evaluation in vitro of apical microleakage in obturated root with different tapers

Leia mais

Comparative analysis of ultrasonic and Diode laser technique on gutta-percha removal, according to the time and amount of removed material

Comparative analysis of ultrasonic and Diode laser technique on gutta-percha removal, according to the time and amount of removed material Rev Inst Ciênc Saúde 2006 jan-mar; 24(1): 25-9 Análise comparativa das técnicas de desobturação ultrassônica e com o laser Diodo de alta intensidade, em função do tempo e quantidade de material removido

Leia mais

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL

Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Aula 4: TÉCNICA RADIOGRÁFICA INTRA-ORAL Técnicas Radiográficas Periapical Exame do dente e osso alveolar que o rodeia; Interproximal Diagnóstico de cáries proximais, excessos marginais de restaurações;

Leia mais

Cirurgiã-dentista, UFES, Vitória, Brasil. 2. Mestre em Saúde Coletiva, EMESCAM, Vitória, Brasil. 5

Cirurgiã-dentista, UFES, Vitória, Brasil. 2. Mestre em Saúde Coletiva, EMESCAM, Vitória, Brasil. 5 Melina Zani 1 Francisco Carlos Ribeiro 2 Rogério Albuquerque Azeredo 3 Márcia Gabriela Nino de Barros 4 Cristina Musso Schneider 5 Juliana Machado Barroso 6 In vitro analysis of the canal treated teeth

Leia mais

Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença?

Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença? Capítulo15 Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença? Patrick Baltieri patrick baltieri Graduado em Odontologia pela FOP- UNICAMP (2003);

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: As correias, juntamente com

Leia mais

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM

HIPERSENSIBILIDADE. Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM Pasta Dessensibilizante Colgate Sensitive Pró-Alívio TM com tecnologia Pro-Argin TM HIPERSENSIBILIDADE Produto em processo de aprovação junto à ANVISA www.colgateprofissional.com.br Apresentando Pro-Argin

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE INSTRUMENTAÇÃO ROTATÓRIA (GT), MANUAL E ASSOCIAÇÃO DE AMBAS NO PREPARO DE CANAIS ACHATADOS

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE INSTRUMENTAÇÃO ROTATÓRIA (GT), MANUAL E ASSOCIAÇÃO DE AMBAS NO PREPARO DE CANAIS ACHATADOS ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE INSTRUMENTAÇÃO ROTATÓRIA (GT), MANUAL E ASSOCIAÇÃO DE AMBAS NO PREPARO DE CANAIS ACHATADOS COMPARATIVE ANALYSIS OF ROTATORY (GT) AND MANUAL ROOT CANAL PREPARATION AND ASSOCIATION

Leia mais

GuttaFlow. Não só para obturar, mas também para curar

GuttaFlow. Não só para obturar, mas também para curar GuttaFlow Não só para obturar, mas também para curar Sistema de obturação frio para canais radiculares Guta-percha e selante em uma única aplicação NOVO: Bioatividade para o processo de cura COLTENE O

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

Instruções de utilização. AH Plus. Material de selamento de canais radiculares

Instruções de utilização. AH Plus. Material de selamento de canais radiculares Instruções de utilização Português 52 AH Plus Material de selamento de canais radiculares AH Plus é um cimento de obturação de canais de dois componente pasta/pasta á base de resinas epoxyamine com as

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

Enceramento. Enceramento. Técnica de coroas e pontes. Friedrich Jetter Christian Pilz. Conceitos para a prótese dentária

Enceramento. Enceramento. Técnica de coroas e pontes. Friedrich Jetter Christian Pilz. Conceitos para a prótese dentária Enceramento Enceramento Técnica de coroas e pontes Friedrich Jetter Christian Pilz Conceitos para a prótese dentária Aparelhos para enceramentos Aparelhos para enceramentos Waxlectric II O Waxlectric é

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Assessoria ao Cirurgião Dentista. Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição 1I maio de 2014 11 3894 3030 papaizassociados.com.br 11 3894 3030 papaizassociados.com.br IMPORTÂNCIA DOS EXAMES RADIOGRÁFICOS

Leia mais

INFILTRAÇÃO BACTERIANA CORONÁRIA APÓS TRATAMENTO ENDODÔNTICO. INFLUÊNCIA DA TÉCNICA OBTURADORA. ESTUDO IN VIVO

INFILTRAÇÃO BACTERIANA CORONÁRIA APÓS TRATAMENTO ENDODÔNTICO. INFLUÊNCIA DA TÉCNICA OBTURADORA. ESTUDO IN VIVO INFILTRAÇÃO BACTERIANA CORONÁRIA APÓS TRATAMENTO ENDODÔNTICO. INFLUÊNCIA DA TÉCNICA OBTURADORA. ESTUDO IN VIVO, EM DENTES DE CÃES Eloi Dezan Junior Tese apresentada à Faculdade de Odontologia do Câmpus

Leia mais

Instruções de utilização

Instruções de utilização Instruções de utilização Prime&Bond NT Adesivo Dentário de Nano-Tecnologia Português O Prime&Bond NT é um adesivo dentário auto-activador estudado para cimentar materiais fotopolimerizáveis e materiais

Leia mais

irace Rápido, eficaz e seguro

irace Rápido, eficaz e seguro irace Rápido, eficaz e seguro Características exclusivas Nova haste Fácil identificação dos instrumentos Diâmetro - anel largo, código de cores ISO Conicidade - anel estreito: amarelo: 2%, vermelho: 4%,

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ANESTESIA E CIRURGIA SEPTOJECT XL Agulha estéril descartável com maior calibre interno Tribiselada, siliconizada, bisel interno e pré-rosqueada; Indicador de bisel; Menor esforço para

Leia mais

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1

Experimento. Técnicas de medição de volumes em Laboratório. Prof. Honda Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Página 1 Experimento Técnicas de medição de volumes em Laboratório Objetivo: Conhecer os materiais volumétricos e as técnicas de utilização desses materiais. I. Introdução teórica: Medir volumes de líquidos faz

Leia mais

Filipe Augusto Moreno Cornélio do Carmo Martins

Filipe Augusto Moreno Cornélio do Carmo Martins Filipe Augusto Moreno Cornélio do Carmo Martins Self Adjusting Files (SAF ): Perspetiva comparativa com o sistema ProTaper Faculdade de Ciências da Saúde Universidade Fernando Pessoa Porto, 2012 Filipe

Leia mais

4 Materiais e Métodos

4 Materiais e Métodos 4 Materiais e Métodos 4.1. Ensaio de Microdureza 4.1.1. Seleção dos Dentes Quinze caninos superiores humanos extraídos foram obtidos do estoque de dentes da Disciplina de Endodontia da Universidade do

Leia mais

ODT 7005 - ENDODONTIA PRÉ - CLINICA - PLANO DE ENSINO 2011-2

ODT 7005 - ENDODONTIA PRÉ - CLINICA - PLANO DE ENSINO 2011-2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA COORDENADORIA DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 8800-900 Trindade

Leia mais

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA)

ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS (MÉTODO DA PELÍCULA DELGADA) ME-30 MÉTODOS DE ENSAIO DETERMINAÇÃO DO EFEITO DO CALOR E DO AR SOBRE MATERIAIS ASFÁLTICOS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

Microlocalização de canais radiculares: relato clínico de um primeiro molar inferior com três canais mesiais

Microlocalização de canais radiculares: relato clínico de um primeiro molar inferior com três canais mesiais Microlocalização de canais radiculares: relato clínico de um primeiro molar inferior com três canais mesiais FÁBIO DUARTE DA COSTA AZNAR(UNINGÁ/BAURU-SP)¹ CELSO KENJI NISHIYAMA(UNINGÁ/BAURU-SP) 2 JOSÉ

Leia mais

ANÁLISE DE ERROS OPERATÓRIOS NO PREPARO DE CANAIS RADICULARES CURVOS REALIZADO POR ACADÊMICOS COM INSTRUMENTOS MANUAIS E ROTATÓRIOS DE

ANÁLISE DE ERROS OPERATÓRIOS NO PREPARO DE CANAIS RADICULARES CURVOS REALIZADO POR ACADÊMICOS COM INSTRUMENTOS MANUAIS E ROTATÓRIOS DE ANÁLISE DE ERROS OPERATÓRIOS NO PREPARO DE CANAIS RADICULARES CURVOS REALIZADO POR ACADÊMICOS COM INSTRUMENTOS MANUAIS E ROTATÓRIOS DE NiTi POR MEIO DE DOIS MÉTODOS DE AVALIAÇÃO POR IMAGEM Regis Augusto

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

Disciplina de Prótese Parcial Fixa

Disciplina de Prótese Parcial Fixa Disciplina de Prótese Parcial Fixa Docentes: Profa. Dra. Adriana Cristina Zavanelli Profa. Dra. Daniela Micheline dos Santos Prof. Dr. José Vitor Quinelli Mazaro Prof. Dr. Stefan Fiúza de Carvalho Dekon

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO SUS. D) promoção do desenvolvimento sustentável, controle da obesidade infanto-juvenil, redução da mortalidade infantil

LEGISLAÇÃO DO SUS. D) promoção do desenvolvimento sustentável, controle da obesidade infanto-juvenil, redução da mortalidade infantil LEGISLAÇÃO DO SUS 01. O Ministério da Saúde, por meio da Secretaria de Vigilância em Saúde, publicou em 2006 a Política Nacional de Promoção da Saúde. São ações prioritárias dessa Política: A) incentivo

Leia mais

Moss et al. (2001) realizaram uma pesquisa com o objetivo de descobrir qual a conduta da comunidade endodôntica dos Estados Unidos em relação ao

Moss et al. (2001) realizaram uma pesquisa com o objetivo de descobrir qual a conduta da comunidade endodôntica dos Estados Unidos em relação ao 1 Introdução Smear layer é o nome dado ao material depositado nas paredes dentinárias, toda vez que a dentina é cortada por brocas ou limas endodônticas (Figura 1). A dentina humana é, estruturalmente,

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Prefeitura Municipal de Goiânia

Prefeitura Municipal de Goiânia Prefeitura Municipal de Goiânia Extrato da Ata de Registro de Preços referente ao Pregão Presencial Nº 335/2010 - Sistema de Registro de Preços Interessado: Prefeitura Municipal de Goiânia Processo Nº

Leia mais

Plásticos para Cultivo Celular

Plásticos para Cultivo Celular Linha Cultivo de Células e Tecidos Fabricada em poliestireno cristal virgem (GPPS), oferece produtos com alta transparência para ótima visualização e sem presença de contaminantes, assegurando integridade

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016 Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XVI Maio de 2016 Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

LISTA DE MATERIAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENDODONTIA PROF. MANOEL EDUARDO DE LIMA MACHADO

LISTA DE MATERIAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENDODONTIA PROF. MANOEL EDUARDO DE LIMA MACHADO LISTA DE MATERIAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENDODONTIA PROF. MANOEL EDUARDO DE LIMA MACHADO PARAMENTAÇÃO E BIOSSEGURANÇA - avental - máscara descartável - luva descartável - óculos de proteção (paciente/aluno)

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil 2

Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Faculdade de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte, MG, Brasil 2 ISSNe 2178-1990 DOI: 10.7308/aodontol/2012.48.11.04 Opção pela técnica híbrida de Tagger para obturação de canais radiculares em clínica de pós-graduação em endodontia Choice of the Tagger s hybrid technique

Leia mais

RESINOMER. Bisco CE0459. Instructions for Use. Dual- Cured. Amalgam Bonding/Luting System

RESINOMER. Bisco CE0459. Instructions for Use. Dual- Cured. Amalgam Bonding/Luting System Bisco CE0459 RESINOMER Dual- Cured Amalgam Bonding/Luting System Instructions for Use PT IN-029R7 Rev. 11/14 BISCO, Inc. 1100 W. Irving Park Road Schaumburg, IL 60193 U.S.A. 847-534-6000 1-800-BIS-DENT

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bachaado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 4 Determinação da Viscosidade de Líquidos. Tipos de viscosímetros. Viscosidade ativa, viscosidade intrínseca

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL 1)Para a prevenção e o controle da cárie, é necessário atuar em um conjunto de fatores : a) Restauração, polimento, bala b) Controle do açúcar, limpeza dos dentes, uso do flúor. c) Escovação, açúcar, flúor

Leia mais

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml.

LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. LEXOL ph - Limpeza Segura e Fácil para Artigos em Couro, Banco de Carro, Selaria, Botas, Malas, Sapatos e Móveis Estofados - Contém 500 ml. O Limpador Lexol-pH é ideal para todos os cuidados necessários

Leia mais

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1)

17:44. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) FUNDAÇÕES INDIRETAS MOLDADAS IN LOCO (PARTE 1) Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações indiretas profundas 1.Pré-moldadas 2.Moldadasin loco Prof. Dr. Marcelo

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico

5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico 5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico de Jesus Djalma Pécora com a colaboração de Eduardo Luiz Barbin; Júlio César Emboava Spanó; Luis Pascoal Vansan e Ricardo Novak Savioli

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais