Literatura na Idade Média

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Literatura na Idade Média"

Transcrição

1 ORIGENS EUROPEIAS 1 Literatura na Idade Média >> Leia o texto a seguir para responder às questões de 1 a 5. Estes meus olhos nunca perderam, senhor, gran coita, mentr eu vivo for. E direi-vos, fremosa mia senhor, d estos meus olhos a coita que ham. Choram e cegam quand alguem non veem, Guisado temm de nunca perder meus olhos coita e meu coraçom. E estas coitas, senhor, minhas som; mais los meus olhos, per alguem veer, choram e cegam quand alguem non veem, E nunca já poderei haver bem, pois amor ja non quer, nem quer Deus. Mais os cativos d estes olhos meus morreram sempre por veer alguem: choram e cegam quand alguem non veem, GUILHADE, J. G. de. In: VIEIRA, Y. F. Poesia medieval. São Paulo: Global, Coita: sofrimento. Mentr : enquanto. Guisado: conveniente, justo. Cativos: escravos. 1. Como o eu lírico se caracteriza neste poema? 2. Uma das principais características das cantigas de amor é a relação entre o eu lírico e sua amada. 4 De que maneira o eu lírico se refere à mulher? 4 O que isso revela a respeito da relação entre eles? 3. Identifique os versos que se repetem no poema todo. Que nome se dá a eles? 4. O poema todo se constrói a partir de uma contradição de ideias (um paradoxo). 4 Qual é o paradoxo a que nos referimos? 4 Explique esse paradoxo.

2 ORIGENS EUROPEIAS 2 5. Quanto ao desenvolvimento do poema, responda às seguintes questões. 4 As estrofes apresentam conteúdo diferente ou semelhante umas das outras? 4 O que isso sugere a respeito da poesia trovadoresca? 6. Levando em consideração a imagem a seguir, responda às questões. Biblioteca de Chantilly Deus como arquiteto do universo, miniatura do Velho testamento francês, séc. XIII. 4 Quais eram as características gerais da produção cultural durante a Idade Média? 4 Que motivos sociais e culturais fizeram do servilismo uma característica definidora da produção literária dos trovadores? >> Leia a cantiga a seguir para responder às questões de 7 a 9. Senhor fremosa, pois que me non queredes creer a coita n que me tem amor, por meu mal é que tan bem parecedes e por meu mal vos filhei por senhor, e por meu mal tan muito bem oi dizer de vós, e por meu mal vos vi, pois meu mal é quanto bem vós avedes. E, pois vos vós da coita non nembrades, nen do afan que m amor faz prender, por meu mal vivo mais ca vós cuidades e por meu mal me fezo Deus nacer e por meu mal non morri u cuidei como vos viss e por meu mal fiquei vivo, pois vós por meu mal ren non dades.

3 ORIGENS EUROPEIAS 3 D esta coita n que me vós te~edes, em que oj eu vivo tan sen sabor, que farei eu, pois mia vós non creedes? que farei eu, cativo pecador? que farei eu, vivendo sempr assi? que farei eu, que mal dia naci? que farei eu, que me vós non valedes? E, pois que Deus non quer que me valhades nem me queirades mia coita creer, que farei eu, por Deus que mi o digades? que farei eu, se logo non morrer? que farei eu, se mais a viver ei? que farei eu, que conselho non sei? que farei eu, que vós desamparades? SOARES, Martim. In: Poesia e prosa medievais. 2. ed. Lisboa: Biblioteca Ulisseia de autores portugueses, s.d. 7. O poema transcrito é uma cantiga de amor. Como o eu lírico se dirige a seu interlocutor? O que isso indica a respeito da relação entre os dois? 8. De que forma o teocentrismo medieval é sugerido nesta cantiga? 9. Há uma expressão repetida muitas vezes na cantiga, e que dá a ela o tom característico desse tipo de poesia. Que expressão é essa, e o que ela indica sobre a cantiga de amor? >> Leia o poema a seguir para responder às questões 10 e 11. Quantas sabedes amar amigo treides comig a lo mar de Vigo: Quantas sabedes amar amado treides comig a lo mar levado: Treides comig a lo mar de Vigo E veeremo-lo meu amigo: Treides comig a lo mar levado e veeremo-lo meu amado: CODAX, Martim. Literatura galega medieval II. Antologia (lírica e prosa). Santiago de Compostela: Edicions Gotelo Blanco, 1990.

4 ORIGENS EUROPEIAS Você deve ter percebido que a estrutura deste poema é repetitiva, característica das cantigas de amigo. 4 Faça um esquema dos versos da cantiga, utilizando letras diferentes para versos diferentes. Os versos paralelos devem ser identificados (por exemplo, use a para um verso, e a para um verso semelhante). Indique o refrão com a letra R. 4 O eu lírico do poema é masculino ou feminino? A quem ele dirige seu convite? 4 Qual o cenário sugerido pela cantiga? 11. Compare essa cantiga com a analisada anteriormente. Qual delas apresenta uma estrutura poética mais elaborada? Explique essa diferença a partir da origem de cada tipo de cantiga. 12. Leia atentamente o texto a seguir. (Gornemant de Goort ensina ao jovem Perseval os deveres do cavaleiro) Querido irmão, se precisares lutar contra um cavaleiro, lembra-te do que vou dizer: se és tu quem ergue a cabeça [...] e se ele se vê forçado a pedir piedade, não o mates estupidamente, mas concede-lhe a misericórdia. Por outro lado, não sejas nem muito tagarela nem muito curioso [...]. Aquele que fala demais comete um pecado; previne-te, pois. E se encontrares uma dama ou uma donzela em apuros, eu te imploro: faze o que estiver ao teu alcance para lhe prestar socorro. Termino com um conselho que não convém sobretudo desdenhar: entra seguidamente num mosteiro, e reza ao Criador de todas as coisas, para que Ele tenha piedade da tua alma e que nesta vida terrena te proteja enquanto cristão. TROYES, Chrétien de. In: PASTOREAU, Michel. A vida cotidiana no tempo dos Cavaleiros da Távola Redonda. São Paulo: Companhia das Letras, (Fragmento). 4 O texto acima foi extraído de uma novela de cavalaria. Ele mostra Gornemand de Goort aconselhando um cavaleiro iniciante, Perseval. Quais deveriam ser as virtudes de um cavaleiro, segundo o texto? 13. Procure, no quadro a seguir, identificar resumidamente as características da produção poética do trovadorismo galego-português. CANTIGAS LÍRICAS CANTIGAS SATÍRICAS Características Cantiga de Amor Cantiga de Amigo Cantiga de Escárnio Cantiga de Maldizer Eu lírico Temas mais frequentes Personagens Cenário

5 ORIGENS EUROPEIAS 5 >> O texto a seguir apresenta considerações sobre os temas desenvolvidos pelos trovadores provençais. Com base no texto e em seus conhecimentos sobre o assunto, responda às questões 14 e 15. Quanto aos temas, elaboraram os provençais o ideal do amor cortês, muito diferente do idílio rudimentar nas margens dos rios ou à beira das fontes. [ ] Não se trata agora de uma experiência sentimental a dois, mas de um estado de tensão que, para permanecer, nunca pode chegar ao fim do desejo. Manter este estado de tensão parece ser o ideal do verdadeiro poeta, como se o movesse o amor do amor, mais do que o amor a uma mulher. SARAIVA, A. J. e LOPES, O. História da Literatura Portuguesa. 17. ed. Porto: Porto, s.d. (Fragmento). 14. O texto transcrito faz referência a que modalidade da poesia trovadoresca? Justifique sua resposta. 15. Explique o significado da frase: mas de uma aspiração, sem correspondência, a um objeto inatingível.

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo

Semana 4 Sexta Feira L.E. Períodos Literários. O Trovadorismo L.E. Semana 4 Sexta Feira Períodos Literários O Trovadorismo Idade média O sistema feudal Teocentrismo Língua portuguesa arcaica O Trovador Um poeta itinerante Artista de origem nobre Recitava sua poesia

Leia mais

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo

Prof. Eloy Gustavo. Aula 2 Trovadorismo Aula 2 Trovadorismo Escolas Literárias História da Literatura Um sistema de tendências artísticas, em vigor, na maioria das obras produzidas, numa determinada época histórica. Periodologia da Literatura

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA DE RECUPERAÇÃO DE LITERATURA Aluno: Nº Série: 1º Turma: Data: Nota: Professora: Regiane Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia Corpo, movimento e linguagem na era da informação. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

TROVADORISMO. Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010

TROVADORISMO. Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010 TROVADORISMO Colégio Portinari Professora Anna Frascolla 2010 Em meados do século XII, Portugal se constitui como um estado independente = início de sua história literária. http://lh6.google.com/c.alberto.vaz

Leia mais

AULA 01 LITERATURA. Os mais de oito séculos de produção literária portuguesa são divididos em três grandes eras:

AULA 01 LITERATURA. Os mais de oito séculos de produção literária portuguesa são divididos em três grandes eras: AULA 01 LITERATURA PROFª Edna Prado INTRODUÇÃO Periodização da Literatura em Portugal e no Brasil: A história da literatura portuguesa, tal qual conhecemos hoje, tem início em meados do século XII, quando

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Claudia S. N. Vieira Disciplina: LPO Série: 1ª Tema da aula: O Trovadorismo Objetivo da aula: Trabalhar as principais características do estilo

Leia mais

CONTEXTO HISTÓRICO Clero Nobreza Povo

CONTEXTO HISTÓRICO Clero Nobreza Povo TROVADORISMO TROVADORISMO O século XII legou-nos uma poesia de intenso lirismo que concebia o amor como um culto, quase uma religião, que servia de endeusar a mulher e idealizála. Refletindo o momento

Leia mais

TROVADORISMO. Origem, Significado & Contexto Histórico. Por: Brayan, Vinicius, Thierry, Weverton & Davi

TROVADORISMO. Origem, Significado & Contexto Histórico. Por: Brayan, Vinicius, Thierry, Weverton & Davi TROVADORISMO Origem, Significado & Contexto Histórico Por: Brayan, Vinicius, Thierry, Weverton & Davi INTRODUÇÃO: Para começarmos a estudar Literatura Brasileira nós precisamos, inicialmente, compreender

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE LITERATURA Aluno(a): Nº Ano: 1º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Regiane Valor da Prova: 40 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Trovadorismo Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Data 18/08/2016 professora(a); Mirleia Aluno(a); Marcos Vinicius Palmas - To Trovadorismo foi um movimento literário e poético que surgiu na Idade

Leia mais

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é:

Tovadorismo. 2 - (UFPA - 2010) Das estrofes abaixo, a que apresenta traços da estética do Trovadorismo é: Tovadorismo 1 - (PUC-Camp - 2011) A poesia medieval procurou enaltecer os valores e as virtures do cavaleiro. Nessa poesia, o amor cortês, referido no texto, pressupunha uma concepção mítica do amor, que

Leia mais

Versão em galego-português Ai eu, coitada, como vivo en gran cuidado por meu amigo, que hei alongado! Muito me tarda o meu amigo na Guarda!

Versão em galego-português Ai eu, coitada, como vivo en gran cuidado por meu amigo, que hei alongado! Muito me tarda o meu amigo na Guarda! Uma representação comum da Idade Média remete à existência de reis e rainhas, príncipes e princesas, em seus castelos. Nobres cavaleiros lutando por sua honra em torneios de bravura, impressionando belas

Leia mais

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução

TROVADORISMO. Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução TROVADORISMO Contexto histórico e características do Trovadorismo, uma escola literária que ocorreu durante o feudalismo. Imagem: Reprodução 1 Introdução Podemos dizer que o trovadorismo foi a primeira

Leia mais

A PROCURA PELO ESPAÇO SAGRADO NAS CANTIGAS DE ROMARIA

A PROCURA PELO ESPAÇO SAGRADO NAS CANTIGAS DE ROMARIA A PROCURA PELO ESPAÇO SAGRADO NAS CANTIGAS DE ROMARIA Célia Santos da Rosa (PIC-UEM), Cortez, Clarice Zamonaro (Orientador), e- mail: zamonaro@terracom.com.br Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV).

Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Designa-se por Trovadorismo o período que engloba a produção literária de Portugal durante seus primeiros séculos de existência (séc. XII ao XV). Durante essa época a poesia alcançou grande popularidade,

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

Roteiro de estudos 1º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês. Orientação de estudos

Roteiro de estudos 1º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês. Orientação de estudos Roteiro de estudos 1º trimestre. Gramática Literatura-Texto-Espanhol-Inglês O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula.com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos

Leia mais

XIV 1. Aspectos preliminares: A literatura portuguesa recebeu em suas origens uma forte influência provençal. Provença, uma região do sul da França, teve uma intensa vida cultural na Baixa Idade Média.

Leia mais

Trovadorismo. da Ribeirinha - Paio Soares de Taveirós. Literatura medieval (de 1189/1198 a 1434) INÍCIO: Cantiga

Trovadorismo. da Ribeirinha - Paio Soares de Taveirós. Literatura medieval (de 1189/1198 a 1434) INÍCIO: Cantiga Trovadorismo Literatura medieval (de 1189/1198 a 1434) INÍCIO: Cantiga da Ribeirinha - Paio Soares de Taveirós TÉRMINO: Fernão Lopes é eleito cronista-mor da Torre do Tombo PAINEL DE ÉPOCA: Cristianismo

Leia mais

ECOS INTERNOS NA POESIA GALEGO PORTUGUESA

ECOS INTERNOS NA POESIA GALEGO PORTUGUESA ECOS INTERNOS NA POESIA GALEGO PORTUGUESA A PROTO-HETERONÍMIA EM JOÃO GARCIA DE GUILHADE 1 Tanto quanto nos é dado saber, não existiram autoras na literatura medieval galegoportuguesa. Mas se a voz daquelas

Leia mais

TROVADORISMO DEFINIÇÃO

TROVADORISMO DEFINIÇÃO TROVADORISMO DEFINIÇÃO Trovadorismo, também conhecido como Primeira Época Medieval, é o primeiro período literário da língua portuguesa. Seu surgimento ocorreu no mesmo período em que Portugal começou

Leia mais

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O Nome: N.º: Turma: Professora: Série: 1ª Data: / / LISTA DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE Texto 1: (As Brumas de Avalon Marion Zimmer Bradley,

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

Mutual

Mutual Mutual 2013 http://astontasvaoaoceu.blogspot.com.br/ Em Lugares Santos Se no escuro andais não vais enxergar quem sois e o que podeis vos tornar. Se de joelhos estais e na luz viveis, onde o Espírito está

Leia mais

Recursos para Estudo / Atividades

Recursos para Estudo / Atividades COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 3ª Etapa 2012 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Ano: 2012 Professor (a): PATRÍCIA Turma: 7º ANO Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

MEU JARDIM DE TROVAS

MEU JARDIM DE TROVAS ANGÉLICA DA SILVA ARANTES MEU JARDIM DE TROVAS PRIMEIRA EDIÇÃO / 2011-1 - SINOPSE: Com intensidade tem se falado sobre o tema trova, acontece que nem todas as pessoas sabem o que é tecnicamente uma trova.

Leia mais

Texto I. Questão 03. Questão 01. Questão 02. Questão 04. Questão 05. Leia o texto a seguir, depois responda as questões de 01 a 03.

Texto I. Questão 03. Questão 01. Questão 02. Questão 04. Questão 05. Leia o texto a seguir, depois responda as questões de 01 a 03. Leia o texto a seguir, depois responda as questões de 01 a 03. Texto I Cantigas de amor As cantigas de amor são composições líricas em que o trovador exalta as qualidades de uma mulher, a quem chama minha

Leia mais

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS

LITERATURA PR P O R Fª Ma M. D INA A R IOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS Estilos de época Estilos de época O que são? Traços comuns na produção de um mesmo período/época. O amor em Camões Transforma-se o amador na cousa amada, Por virtude do muito

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014

COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014 COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014 Texto I MÚSICA E POESIA Luciano Cavalcanti 10 1 A relação entre música e poesia

Leia mais

Sugestão de avaliação

Sugestão de avaliação Sugestão de avaliação 8 PORTUGUÊS Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao primeiro bimestre escolar ou às Unidades 1 e 2 do Livro do Aluno. Avaliação - Língua Portuguesa NOME: TURMA: escola:

Leia mais

Especulações sobre o amor

Especulações sobre o amor Especulações sobre o amor Janete Luiz Dócolas, Psicanalista O amor é um mistério que há muito tempo, talvez desde que fora percebido, os homens vem tentando compreender, descrever ou ao menos achar um

Leia mais

4 POESIA TRADICIONAL PORTUGUESA

4 POESIA TRADICIONAL PORTUGUESA 4 POESIA TRADICIONAL PORTUGUESA Ttovadoresca, Palaciana e Camoniana Esteia Pinto'Ribeiro Lamas Luís Ricardo Pereira 6 3 Qi i O W < Coordenação científico-pedagógica Esteia Pinto Ribeiro Lamas Fernando

Leia mais

Sugestões de atividades. Unidade 8 Literatura PORTUGUÊS

Sugestões de atividades. Unidade 8 Literatura PORTUGUÊS Sugestões de atividades Unidade 8 Literatura 9 PORTUGUÊS 1 Português Poesia: Não-coisa O que o poeta quer dizer no discurso não cabe e se o diz é pra saber o que ainda não sabe. Uma fruta uma flor um odor

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Anais da Jornada de Estudos Antigos e Medievais ISSN

Anais da Jornada de Estudos Antigos e Medievais ISSN A TRADIÇÃO LITERÁRIA PORTUGUESA: O CENÁRIO BUCÓLICO, IDÍLICO E O LIRISMO TROVADORESCO COMO FORMADORES DAS PERSONAGENS FEMININAS EM VIAGENS NA MINHA TERRA, DE ALMEIDA GARRETT BETIATO, Diego Rafael (UEM)

Leia mais

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar

Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar Disciplinas Português Aulas Previstas (aulas de 50 min) Planificação do trabalho a desenvolver com a turma G do 10º ano (ano letivo 2015/2016) Conteúdos / Temas a lecionar 1º 2º 3º 1º Período 2º Período

Leia mais

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral LITERATURA 1ºEM

Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral LITERATURA 1ºEM Roteiro de Estudo para a Recuperação Semestral LITERATURA 1ºEM NOME: IMPRIMA AS FOLHAS. RESOLVA AS QUESTÕES DISSERTATIVAS EM FOLHA DE PAPEL ALMAÇO OU FOLHA DE FICHÁRIO; OS TESTES PODERÃO SER RESPONDIDOS

Leia mais

Era Medieval ... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ]

Era Medieval ... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ] Prof. Ismael Dantas Trovadorismo Era Medieval Humanismo... XII XV XVI... (1189) (1418/1434) (1527) Santo António [ de José António da Silva ] Trovadorismo... 02 Contexto Histórico-Cultural... 03 A Poesia

Leia mais

REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S

REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S REDAÇÃO I N S T R U Ç Õ E S 1. Confira o número do(a) candidato(a), o local, o setor, o grupo e a ordem indicados na folha de redação, a qual NÃO deverá ser assinada. 2. Leia e observe atentamente as Propostas

Leia mais

FIGURAS DE SINTAXE. h) i)

FIGURAS DE SINTAXE. h) i) FIGURAS DE SINTAXE 1. Identifique, nas frases e nos anúncios seguintes, as figuras de sintaxe. Atenção: há frases em que ocorrem duas figuras. a) Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser,

Leia mais

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3.

Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Leia o poema abaixo de João Ruiz de Castelo-Branco, composto do século XVI, para responder às questões 1, 2 e 3. Senhora, partem tão tristes meus olhos por vós, meu bem, que nunca tão tristes vistes outros

Leia mais

TROVADORISMO: AS RAÍZES MEDIEVAIS SÉCULO XII MEADOS SÉCULO XIV

TROVADORISMO: AS RAÍZES MEDIEVAIS SÉCULO XII MEADOS SÉCULO XIV TROVADORISMO: AS RAÍZES MEDIEVAIS SÉCULO XII MEADOS SÉCULO XIV Momento Histórico Idade Média Literário Poesias Cantigas Feudalismo Igreja $ Acompanhamento musical Trovador: homem, músico, nobre Jogral

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Letras Disciplina: Literatura Portuguesa I Professor: Paula Cristina Ribeiro da Rocha de Morais Cunha Código: Carga Horária: 60 Créditos: 3

Leia mais

MODO PROFª MARIA CECÍLIA

MODO PROFª MARIA CECÍLIA MODO PROFª MARIA CECÍLIA Os modos verbais indicam a atitude de quem está falando diante dos fatos declarados: Indicativo certeza. Subjuntivo dúvida, desejo, hipótese. Imperativo ordem, pedido. O modo imperativo

Leia mais

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 4 PLANO GERAL DA OBRA INTRODUÇÃO UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 11 O que é a literatura? 11 Porquê História de Literatura em Portugal e não da Literatura Portuguesa? 12

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D Ensino Médio Códigos e Linguagens Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Relação entre o cotidiano e as H9, H27 informações contidas nos textos 2 Adjetivos em inglês

Leia mais

HENRIQUE PORTUGUÊS PRE-VEST 20-03-2015

HENRIQUE PORTUGUÊS PRE-VEST 20-03-2015 PRE-VEST 20-03-2015 HENRIQUE PORTUGUÊS Trovadorismo O Trovadorismo é a manifestação artística que ocorre durante a Idade Média. Era composta por poemas que possuíam uma forte relação com a música. Daí

Leia mais

Literatura. Grande literatura é apenas uma linguagem carregada de sentido até ao mais elevado grau possível (Ezra Pound)

Literatura. Grande literatura é apenas uma linguagem carregada de sentido até ao mais elevado grau possível (Ezra Pound) Literatura Grande literatura é apenas uma linguagem carregada de sentido até ao mais elevado grau possível (Ezra Pound) Texto informativo x texto literário Literariedade = propriedades do texto literário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE LETRAS CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS A SÁTIRA TROVADORESCA NOS TEMPOS DA REPRESSÃO MILITAR Daniel Mateus Barbosa de

Leia mais

português João de Deus

português João de Deus Nau Literária: crítica e teoria de literaturas seer.ufrgs.br/nauliteraria ISSN 1981-4526 PPG-LET-UFRGS Porto Alegre Vol. 08 N. 02 jul/dez 2012 Dossiê: Literatura Portuguesa Séculos XIX-XXI Poesia e sociedade

Leia mais

tudo o primar do espiritualidade e SEU TRANCA RUA DAS ALMAS Obra Teatral de Carlos José Soares Revisão Literária de Nonata Soares

tudo o primar do espiritualidade e SEU TRANCA RUA DAS ALMAS Obra Teatral de Carlos José Soares Revisão Literária de Nonata Soares A Fé pode abrir liberdade. Mas, possível se houv tudo o primar do conhecimento e Texto discute lite amor transmitid espiritualidade e conscientização está sempre acim SEU TRANCA RUA DAS ALMAS Obra Teatral

Leia mais

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2).

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova (Versão 1 ou Versão 2). EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Filosofia 11.º Ano de Escolaridade Prova 714/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30

Leia mais

TEXTO I Embaixo da ponte, sem número

TEXTO I Embaixo da ponte, sem número NOME: TURMA: UNIDADE: NOTA: DATA DE ENTREGA: 18 / 05 / 2016 TEXTO I Embaixo da ponte, sem número O endereço das famílias R. e S. é um buraco que fica embaixo de um viaduto sem nome, ao lado da ponte da

Leia mais

O caminho poético. lírica galego-portuguesa. yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo

O caminho poético. lírica galego-portuguesa. yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo O caminho poético de SANTIAGO lírica galego-portuguesa yara frateschi vieira maria isabel morán cabanas josé antónio souto cabo 11 Antes de iniciar o caminho: algumas notas os trovadores e santiago de

Leia mais

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2

Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Programa de Recuperação Paralela 1ª Etapa 2013 Disciplina: HISTÓRIA Professor (a):rodrigo CUNHA Ano: 7º Turmas: 7.1 e 7.2 Caro aluno, você está recebendo o conteúdo de

Leia mais

A - Atividades utilizando skimming:

A - Atividades utilizando skimming: A - Atividades utilizando skimming: 1) O professor distribui diferentes livros entre os alunos, sendo todos desconhecidos por eles. Pede então que expressem oralmente ou por escrito as percepções globais

Leia mais

MATERIAIS PARA PROFESSORES, PAIS E FILHOS

MATERIAIS PARA PROFESSORES, PAIS E FILHOS Nível de competência B2 Oficina de escrita (Adaptada de Materiais para o Novo Programa de Português do Ensino Básico SD3_Ano7_FT03) Vai propor a aquisição de novas obras para a biblioteca escolar. Comece

Leia mais

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4.

Prefácio. Santo Tomás de Aquino. Suma Teológica, II-II, q. 28, a. 4. Prefácio A vida de São Francisco de Assis foi e continua sendo fonte de inspiração para tantos homens e mulheres de boa vontade que, percebendo a beleza que emana do amor, desejam experimentar também a

Leia mais

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA

O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Estudante: Ano: 6º Turma: Educador: Wagner Melo C. Curricular: Educação Religiosa O MUNDO QUE DEUS SONHOU PARA MIM E MINHA FAMÍLIA Deus nos criou para convivermos com outras pessoas e sermos felizes. A

Leia mais

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

AULA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos INTERATIVIDADE FINAL LÍNGUA PORTUGUESA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA 1.2 Conteúdo: Figuras de linguagem. Versificação Gêneros contemporâneos 1.2 Habilidade: Distinguir e utilizar a linguagem conotativa através das figuras de linguagem de som e de construção de forma textualizada.

Leia mais

Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA

Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA 1 2 ÚTERO DE PEDRA 3 4 Alufá-Licutã Oxorongá ÚTERO DE PEDRA 5 Copyright Alufá-Licutã Oxorongá Direitos desta edição reservados à Alufá-Licutã Oxorongá alufalicuta@hotmail.com Recife Pernambuco - Brasil

Leia mais

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas.

NOTA: Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto 1 Todas as cartas de amor são. Ridículas. Não seriam de amor se não fossem. Ridículas. GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: LITERATURA SÉRIE: 1º ANO ALUNO (a): NOTA: No Anhanguera você é + Enem LISTA DE EXERCÍCIOS - P1 3º BIMESTRE Leia com muita atenção os textos a seguir: Texto

Leia mais

Uso de Metáforas em Poesia e Canção

Uso de Metáforas em Poesia e Canção Uso de Metáforas em Poesia e Canção Ângela Gonçalves Trevisol Tamara dos Santos A partir de observações em sala de aula para a disciplina de Seminário para o ensino de literatura brasileira percebemos

Leia mais

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves

NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS. Professor Marlos Pires Gonçalves NOÇÃO DE TEXTO E ELEMENTOS TEXTUAIS Professor Marlos Pires Gonçalves 1 TEORIA DA COMUNICAÇÃO Toda mensagem tem uma finalidade: ela pode servir para transmitir um conteúdo intelectual, exprimir (ou ocultar)

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 2º EM Literatura Fransérgio Av. Trimestral 18/06/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta

Leia mais

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO

PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO PLANO INDIVIDUAL DE TRABALHO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Letras Disciplina: Literatura Portuguesa I Professor: Socorro Almeida Código: Carga Horária: 60 Créditos: 3 Pré-requisito(s): Teoria da literatura

Leia mais

Festa do Batismo do Senhor Ano C Dom, 17 de Maio de :24 - Última atualização Dom, 10 de Janeiro de :07

Festa do Batismo do Senhor Ano C Dom, 17 de Maio de :24 - Última atualização Dom, 10 de Janeiro de :07 Is 42,1-4.6-7 Sl 28 At 10,34-38 Lc 3,15s.21-22 A Festa de hoje encerra o sagrado tempo do Natal: o Pai apresenta, manifesta a Israel o Salvador que ele nos deu, o Menino que nasceu para nós: Tu és o meu

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA (Gabarito) 1ª série do Ensino Médio

ESTUDO DIRIGIDO LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA (Gabarito) 1ª série do Ensino Médio ESTUDO DIRIGIDO LÍNGUA PORTUGUESA / LITERATURA (Gabarito) 1ª série do Ensino Médio Texto 1: (As Brumas de Avalon Marion Zimmer Bradley, trad. W. Dutra, v.1, Imago) As Brumas de Avalon, em quatro volumes,

Leia mais

Você conhece a sua Bíblia?

Você conhece a sua Bíblia? Você conhece a sua Bíblia? Atividade da última aula Vamos praticar?? Compare a introdução de Paulo em Gálatas 1.6-10 com outras introduções nas cartas aos Romanos 1. 8-10 e 1 Coríntios 1. 4-9. Há algum

Leia mais

Pingos da Língua Portuguesa...

Pingos da Língua Portuguesa... Pingos da Língua Portuguesa... Pequenas doses de Gramática, Literatura e Redação para você... no Rio Branco/Campinas Vol. 3 2011 Gramática Conhecer os verbos é muito importante! Os verbos, por serem palavras

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS 4. a EDIÇÃO 1 O CICLO ENSINO BASICO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E PROGRAMAS EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA EVANGÉLICA PROGRAMA DO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO À DESCOBERTA DE UM MUNDO DIFERENTE OBJECTIVOS GERAIS:

Leia mais

Jimboê. Português. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre

Jimboê. Português. Avaliação. Projeto. 4 o ano. 2 o bimestre Professor, esta sugestão de avaliação corresponde ao segundo bimestre escolar ou às Unidades 3 e 4 do Livro do Aluno. Projeto Jimboê Português 4 o ano Avaliação 2 o bimestre 1 Avaliação Português NOME:

Leia mais

Festa do Sinal da Cruz Eucaristia, Sábado 6 de Fevereiro de 2010 Santo António de Nova Oeiras

Festa do Sinal da Cruz Eucaristia, Sábado 6 de Fevereiro de 2010 Santo António de Nova Oeiras 1. Entrada: Deixa Deus entrar re Deixa Deus entrar na tua própria casa /7 re Deixa-te tocar pe Sua graça si7 mi- Dentro, no segredo, reza-lhe sem medo: re 7 Senhor, Senhor! re Que queres que eu faça re

Leia mais

Salmo 23.

Salmo 23. Anésio Rodrigues Salmo 23 www.bible.com/pt-br Bondade e Misericórdia me seguirão (Estudo sobre o Salmo 23) Salmo 23 Nova Versão Internacional Salmo 23 O Senhor é o meu pastor; de nada terei falta. Salmo

Leia mais

(Traduzido de SAVATER, Fernando. "Criaturas del aire". Barcelona: Ediciones Destino,1989.)

(Traduzido de SAVATER, Fernando. Criaturas del aire. Barcelona: Ediciones Destino,1989.) Atividade extra Fascículo 3 Linguagens Unidade 8 Literatura: a arte da palavra Questão 1 Comenta-se, um pouco rápido demais, que a predileção que os leitores sentimos por um ou outro personagem vem da

Leia mais

ESTAVA A FORMOSA SEU FIO TORCENDO (paráfrase de Cleonice Berardinelli) - Por Jesus, senhora, vejo que sofreis Estava a formosa seu fio torcendo,

ESTAVA A FORMOSA SEU FIO TORCENDO (paráfrase de Cleonice Berardinelli) - Por Jesus, senhora, vejo que sofreis Estava a formosa seu fio torcendo, 3º EM Literatura Dina Aval. Mensal 19/03/11 Responda no gabarito ao final 1. Sobre a poesia trovadoresca em Portugal, é INCORRETO afirmar que: a) refletiu o pensamento da época, marcada pelo teocentrismo,

Leia mais

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7)

Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) Silêncio: o caminho para Deus Em silêncio, abandona-te ao Senhor, põe tua esperança nele (Sl 36, 7) 1 / 5 Não há dúvidas: nascemos para Deus e apenas nele podemos encontrar o repouso para nossas almas

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome Nº 6º Ano Data: Professor(a): Nota: (valor 1,0) 1 o.bimestre Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e você não assimilou os conteúdos mínimos necessários.

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G - Gabarito INSTRUÇÕES Ao responder às questões é indispensável: inter-relacionar idéias e argumentos; expressar-se com vocabulário apropriado

Leia mais

CANTIGAS TROVADORESCAS

CANTIGAS TROVADORESCAS Aula CANTIGAS TROVADORESCAS META Traçar um panorama da poesia trovadoresca, apontando o papel de destaque dos reis cultos da Península Ibérica, que incentivaram a produção trovadoresca. Caracterizar estética

Leia mais

REDAÇÃO LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FUNÇÕES DA LINGUAGEM PROFª ISABEL LIMA

REDAÇÃO LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FUNÇÕES DA LINGUAGEM PROFª ISABEL LIMA REDAÇÃO LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL FUNÇÕES DA LINGUAGEM PROFª ISABEL LIMA LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Linguagem verbal faz uso das palavras, escritas ou faladas. Linguagem não verbal inclue algumas

Leia mais

Colégio Maria Imaculada

Colégio Maria Imaculada Colégio Maria Imaculada Avaliação: bimestral Data: Disciplina: Literatura Prof.(a) Giselle Nota Nome : N O 1ª Série: CADERNO DE QUESTÕES ATENÇÃO : Os espaços para as respostas neste CADERNO DE QUESTÕES

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O FILHO PRÓDIGO

Bíblia para crianças. apresenta O FILHO PRÓDIGO Bíblia para crianças apresenta O FILHO PRÓDIGO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen; Sarah S. Traduzido por: Berenyce Brandão Produzido por: Bible for Children www.m1914.org

Leia mais

De que maneira as pessoas podem expressar seus sentimentos através dos tempos?

De que maneira as pessoas podem expressar seus sentimentos através dos tempos? 1 Autor: Nelvi Malokowsky Algeri NRE: Cascavel Escola: Colégio Estadual Santa Tereza do Oeste Disciplina: Língua Portuguesa/ Ensino Médio Disciplina da relação interdisciplinar 1: História Disciplina da

Leia mais

Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João

Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João Por que e para que Jesus morreu na cruz? Evangelho de João 3.16-17 INTRODUÇÃO Do texto lido, faço à igreja duas perguntas: Por quejesus morreu na cruz? Para que Jesus morreu na cruz? O por que e o para

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

DOMINGO V DA QUARESMA

DOMINGO V DA QUARESMA DOMINGO V DA QUARESMA LEITURA I Ez 37, 12-14 «Infundirei em vós o meu espírito e revivereis» Leitura da Profecia de Ezequiel Assim fala o Senhor Deus: «Vou abrir os vossos túmulos e deles vos farei ressuscitar,

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL NOVO MUNDO LÍNGUA PORTUGUESA

CENTRO EDUCACIONAL NOVO MUNDO  LÍNGUA PORTUGUESA CENTRO EDUCACIONAL NOVO MUNDO www.cenm.com.br 1 o DESAFIO CENM - 2014 LÍNGUA PORTUGUESA Direção: ANO: 6 EF Leia o texto a seguir, para responder às questões 1 e 2. 1. O texto apresentado é: (A) um formulário.

Leia mais

Ele os desafia a manterem-se firmes e perseverarem diante das lutas e dificuldades.

Ele os desafia a manterem-se firmes e perseverarem diante das lutas e dificuldades. Tiago escreve para discípulos que enfrentavam um período de grandes adversidades. Ele os desafia a manterem-se firmes e perseverarem diante das lutas e dificuldades. Em meio as perseguições, alguns discípulos

Leia mais

Professor MARIANA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE DE 2011

Professor MARIANA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE DE 2011 Disciplina LÍNGUA PORTUGUESA Curso ENSINO FUNDAMENTAL Professor MARIANA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE DE 2011 Aluno (a): Série 7º ANO Número: 1 - Conteúdo: Classes gramaticais:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS GRAMÁTICA 2 E. M. CEAG 2 BIMESTRE

LISTA DE EXERCÍCIOS GRAMÁTICA 2 E. M. CEAG 2 BIMESTRE Orientações: Só serão aceitas as atividades feitas por completo e de acordo com o que foi pedido nos enunciados. Todos os exercícios deverão ser resolvidos no caderno. A perda desta lista implicará em

Leia mais

COLÉGIO NOSSA SENHORA DO MONTE CALVÁRIO CIÊNCIAS

COLÉGIO NOSSA SENHORA DO MONTE CALVÁRIO CIÊNCIAS COLÉGIO NOSSA SENHORA DO MONTE CALVÁRIO CIÊNCIAS SEGMENTO: ENSINO FUNDAMENTAL II ANO: 9º TÍTULO: ATIVIDADE DE REVISÃO PARA AVALIAÇÃO MENSAL II PROFESSORA: ALESSANDRA ARCA DATA: 20/ 04/ 2016 1. Classifique

Leia mais

Stélio Furlan. José Carlos Siqueira

Stélio Furlan. José Carlos Siqueira Stélio Furlan Doutor em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre em Literatura Brasileira pela UFSC e graduado em História pela UFSC. José Carlos Siqueira Mestre em Estudos

Leia mais

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor

Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor CAPA, DIAGRAMAÇÃO e ILUSTRAÇÃO Reginaldo Paz Mulheres Maravilhosas PAZ, Reginaldo 1ª Edição 2015 ISBN: 978-85-919101-6-8 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais

Leia mais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais

NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE. 40 audiências gerais NOSSA HISTÓRIA: OS EFEITOS DO PECADO E A REDENÇÃO DA SEXUALIDADE 40 audiências gerais CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO Mateus 5, 27-28 CRISTO FALA DO CORAÇÃO HUMANO O "coração" é esta dimensão da humanidade,

Leia mais

Cristo, o Verdadeiro Deus e a Vida Eterna. Uma Exposição de 1ªJoão. (7ª Mensagem) Cristo é Aquele a quem devemos amar. 1Jo

Cristo, o Verdadeiro Deus e a Vida Eterna. Uma Exposição de 1ªJoão. (7ª Mensagem) Cristo é Aquele a quem devemos amar. 1Jo Cristo, o Verdadeiro Deus e a Vida Eterna Uma Exposição de 1ªJoão (7ª Mensagem) Cristo é Aquele a quem devemos amar 1Jo 2.15-17 O amor como já vimos não é um sentimento, mas, sim, atitude, decisão de fazer

Leia mais